Autor Tópico: A falência ético-moral do cristianismo  (Lida 698 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Martinho Lutero

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 196
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #25 Online: 04 de Maio de 2018, 14:34:47 »
Condenar Deus, a Bíblia e o Cristianismo pelos erros dos homens é fácil demais. Aliás, é uma atitude pusilânime que demonstra fraco caráter.

Estes homens estão sempre tentando achar culpados e transferindo seus erros para figuras de autoridade.

Por que estes homens não julgam a si mesmos? Medo de se olharem no espelho?

Certo. Então nesse caso também não podemos condenar Alá, o Alcorão, o Islamismo, o Budismo e o Marxismo pelos erros dos homens.

Exatamente! Seria muita burrice condenar o Alcorão e o Islã só porque alguns fanáticos decidiram se autodetonar, até porque o conhecimento para fabricar explosivos adveio da ciência e não da religião.

Perfeito.

A contribuição da religião foi fornecer a ignorância

Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?


Citar
e o fanatismo.

Quem forneceu o fanatismo dos homens-suicidas do Islão foi o Velho Da Montanha e sua seita de Assassinos.

Então não culpe Alá ou o Alcorão pelos interesses políticos dos homens.



Vários pensadores cristãos como Santo Agostinho ou Tomás de Aquino contribuíram na elaboração
sobre o direito à "Guerra Justa".
Apelo (claro) à autoridade?

(Geotecton, acorda!)

Tais "pensadores" cristãos contribuíram ou não para o conceito de "Guerra Justa"?

Ah, então é assim? Retórica pra driblar falácias está valendo?

Offline Martinho Lutero

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 196
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #26 Online: 04 de Maio de 2018, 14:43:34 »
A grande pergunta é:

Será que me concederão a mesma chance de me explicar caso eu cometa, sem querer, uma falácia? 

Ou já irão logo de cara meter um cartão amarelo?

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 27.094
  • Sexo: Masculino
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #27 Online: 04 de Maio de 2018, 14:47:49 »
Condenar Deus, a Bíblia e o Cristianismo pelos erros dos homens é fácil demais. Aliás, é uma atitude pusilânime que demonstra fraco caráter.

Estes homens estão sempre tentando achar culpados e transferindo seus erros para figuras de autoridade.

Por que estes homens não julgam a si mesmos? Medo de se olharem no espelho?

Certo. Então nesse caso também não podemos condenar Alá, o Alcorão, o Islamismo, o Budismo e o Marxismo pelos erros dos homens.

Exatamente! Seria muita burrice condenar o Alcorão e o Islã só porque alguns fanáticos decidiram se autodetonar, até porque o conhecimento para fabricar explosivos adveio da ciência e não da religião.
Perfeito.

A contribuição da religião foi fornecer a ignorância
Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?

Basicamente, sim.


e o fanatismo.
Quem forneceu o fanatismo dos homens-suicidas do Islão foi o Velho Da Montanha e sua seita de Assassinos.

Então não culpe Alá ou o Alcorão pelos interesses políticos dos homens.

O extermínio de (pessoas e grupos) 'diferentes' ocorre desde sempre em todas as religiões, sem nenhuma exceção.


Citação de: Martinho Lutero
Vários pensadores cristãos como Santo Agostinho ou Tomás de Aquino contribuíram na elaboração
sobre o direito à "Guerra Justa".
Apelo (claro) à autoridade?

(Geotecton, acorda!)
Tais "pensadores" cristãos contribuíram ou não para o conceito de "Guerra Justa"?
Ah, então é assim? Retórica pra driblar falácias está valendo?

Não, não está.

Ainda assim eu quero saber se você aceita que o conceito de "Guerra Justa" teve contribuição de "pensadores" cristãos.
Foto USGS

Offline Martinho Lutero

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 196
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #28 Online: 04 de Maio de 2018, 15:20:00 »
Condenar Deus, a Bíblia e o Cristianismo pelos erros dos homens é fácil demais. Aliás, é uma atitude pusilânime que demonstra fraco caráter.

Estes homens estão sempre tentando achar culpados e transferindo seus erros para figuras de autoridade.

Por que estes homens não julgam a si mesmos? Medo de se olharem no espelho?

Certo. Então nesse caso também não podemos condenar Alá, o Alcorão, o Islamismo, o Budismo e o Marxismo pelos erros dos homens.

Exatamente! Seria muita burrice condenar o Alcorão e o Islã só porque alguns fanáticos decidiram se autodetonar, até porque o conhecimento para fabricar explosivos adveio da ciência e não da religião.
Perfeito.

A contribuição da religião foi fornecer a ignorância
Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?

Basicamente, sim.

Presunção e preconceito.

Quer dizer então que: artistas eruditos, basicamente, semeiam ignorância? E um lixeiro?



e o fanatismo.
Quem forneceu o fanatismo dos homens-suicidas do Islão foi o Velho Da Montanha e sua seita de Assassinos.

Então não culpe Alá ou o Alcorão pelos interesses políticos dos homens.

O extermínio de (pessoas e grupos) 'diferentes' ocorre desde sempre em todas as religiões, sem nenhuma exceção.


Mas quem forneceu o fanatismo foram homens motivados mais por questões políticas do que religiosas.



Citação de: Martinho Lutero
Vários pensadores cristãos como Santo Agostinho ou Tomás de Aquino contribuíram na elaboração
sobre o direito à "Guerra Justa".
Apelo (claro) à autoridade?

(Geotecton, acorda!)
Tais "pensadores" cristãos contribuíram ou não para o conceito de "Guerra Justa"?
Ah, então é assim? Retórica pra driblar falácias está valendo?

Não, não está.

Ainda assim eu quero saber se você aceita que o conceito de "Guerra Justa" teve contribuição de "pensadores" cristãos.

Que diferença faz? Não importa o que fulano ou beltrano (ou seja, meros homens) disseram. Para Cristãos coerentes o que importa é o que está na Bíblia.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 27.094
  • Sexo: Masculino
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #29 Online: 04 de Maio de 2018, 15:29:57 »
Condenar Deus, a Bíblia e o Cristianismo pelos erros dos homens é fácil demais. Aliás, é uma atitude pusilânime que demonstra fraco caráter.

Estes homens estão sempre tentando achar culpados e transferindo seus erros para figuras de autoridade.

Por que estes homens não julgam a si mesmos? Medo de se olharem no espelho?

Certo. Então nesse caso também não podemos condenar Alá, o Alcorão, o Islamismo, o Budismo e o Marxismo pelos erros dos homens.

Exatamente! Seria muita burrice condenar o Alcorão e o Islã só porque alguns fanáticos decidiram se autodetonar, até porque o conhecimento para fabricar explosivos adveio da ciência e não da religião.
Perfeito.

A contribuição da religião foi fornecer a ignorância
Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?

Basicamente, sim.

Presunção e preconceito.

Quer dizer então que: artistas eruditos, basicamente, semeiam ignorância? E um lixeiro?

Não retire as minhas palavras do contexto da discussão.

Estamos discutindo sobre Ciência e crendices religiosas.


e o fanatismo.
Quem forneceu o fanatismo dos homens-suicidas do Islão foi o Velho Da Montanha e sua seita de Assassinos.

Então não culpe Alá ou o Alcorão pelos interesses políticos dos homens.
O extermínio de (pessoas e grupos) 'diferentes' ocorre desde sempre em todas as religiões, sem nenhuma exceção.

Mas quem forneceu o fanatismo foram homens motivados mais por questões políticas do que religiosas.

Todos tiveram como base a crença em algum "livro sagrado" (sic).


Citação de: Martinho Lutero
Vários pensadores cristãos como Santo Agostinho ou Tomás de Aquino contribuíram na elaboração
sobre o direito à "Guerra Justa".
Apelo (claro) à autoridade?

(Geotecton, acorda!)
Tais "pensadores" cristãos contribuíram ou não para o conceito de "Guerra Justa"?
Ah, então é assim? Retórica pra driblar falácias está valendo?
Não, não está.

Ainda assim eu quero saber se você aceita que o conceito de "Guerra Justa" teve contribuição de "pensadores" cristãos.
Que diferença faz? Não importa o que fulano ou beltrano (ou seja, meros homens) disseram. Para Cristãos coerentes o que importa é o que está na Bíblia.

Então pare de usar os argumentos com base em 'exegese', 'apologética' ou 'hermenêutica' porque o que importa é o que está na bíblia literalmente e nada pode ser derivado ou interpretado.
Foto USGS

Offline Martinho Lutero

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 196
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #30 Online: 04 de Maio de 2018, 15:55:36 »
Condenar Deus, a Bíblia e o Cristianismo pelos erros dos homens é fácil demais. Aliás, é uma atitude pusilânime que demonstra fraco caráter.

Estes homens estão sempre tentando achar culpados e transferindo seus erros para figuras de autoridade.

Por que estes homens não julgam a si mesmos? Medo de se olharem no espelho?

Certo. Então nesse caso também não podemos condenar Alá, o Alcorão, o Islamismo, o Budismo e o Marxismo pelos erros dos homens.

Exatamente! Seria muita burrice condenar o Alcorão e o Islã só porque alguns fanáticos decidiram se autodetonar, até porque o conhecimento para fabricar explosivos adveio da ciência e não da religião.
Perfeito.

A contribuição da religião foi fornecer a ignorância
Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?

Basicamente, sim.

Presunção e preconceito.

Quer dizer então que: artistas eruditos, basicamente, semeiam ignorância? E um lixeiro?

Não retire as minhas palavras do contexto da discussão.

Estamos discutindo sobre Ciência e crendices religiosas.

Meu caro, eu havia feito uma pergunta clara: ''Quem não fornece a ciência semeia a ignorância?''
 
Você respondeu: ''Basicamente, sim.''
 

e o fanatismo.
Quem forneceu o fanatismo dos homens-suicidas do Islão foi o Velho Da Montanha e sua seita de Assassinos.

Então não culpe Alá ou o Alcorão pelos interesses políticos dos homens.
O extermínio de (pessoas e grupos) 'diferentes' ocorre desde sempre em todas as religiões, sem nenhuma exceção.

Mas quem forneceu o fanatismo foram homens motivados mais por questões políticas do que religiosas.

Todos tiveram como base a crença em algum "livro sagrado" (sic).

Correção: todos esses fanáticos distorceram algum Livro sagrado a fim de justificarem seus atos corruptos.


Citação de: Martinho Lutero
Vários pensadores cristãos como Santo Agostinho ou Tomás de Aquino contribuíram na elaboração
sobre o direito à "Guerra Justa".
Apelo (claro) à autoridade?

(Geotecton, acorda!)
Tais "pensadores" cristãos contribuíram ou não para o conceito de "Guerra Justa"?
Ah, então é assim? Retórica pra driblar falácias está valendo?
Não, não está.

Ainda assim eu quero saber se você aceita que o conceito de "Guerra Justa" teve contribuição de "pensadores" cristãos.
Que diferença faz? Não importa o que fulano ou beltrano (ou seja, meros homens) disseram. Para Cristãos coerentes o que importa é o que está na Bíblia.

Então pare de usar os argumentos com base em 'exegese', 'apologética' ou 'hermenêutica' porque o que importa é o que está na bíblia literalmente e nada pode ser derivado ou interpretado.

Se não dispuséssemos de ferramentas adequadas para interpretar os Livros Sagrados Antigos, imagina o que iria ocorrer?

Interpretações enviesadas e turvas baseadas em nossos conceitos e preconceitos?

Não, meu caro, essas ferramentas se fazem eficazes e necessárias. 

Offline Fenrir

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.499
  • Sexo: Masculino
  • Cave Canem
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #31 Online: 07 de Setembro de 2018, 10:09:24 »
Se estão antenados com as noticias, devem estar vendo a ICAR se afundar cada vez mais em escandalos de pedofilia, que parecem não ter fim.
Agora colocam o papa como bode espiatório (ou não, vai saber).

Mais lenha na fogeira da dissolução ético-moral do cristianismo.

Farei uma previsão: no "andar da carruagem" a ICAR pode vir a sofrer mais uma cisão, como as que deram origem
aos ortodoxos e protestantes e ambas as partes que sobrarem, provavelmente uma "progressiva" e outra
mais "conservadora", vão poder continuar a molestar criancinhas sendo acobertados e protegidos pelos muros físicos
e "espirituais" de suas respectivas instituições.

Outra consequencia disso, é que a ICAR vai continuar a perder fiéis e destes, os que não perderem a fé, vão procurar abrigo em
outras variantes cristãs tão ou mais nocivas que a Igreja Ped... ops Católica. Ja vemos isto aqui no brasil, onde a ICAR encolhe
e as evangélicas incham.
Para o bem da humanidade, espero que a maioria dos apóstatas dissidentes perca a fé de vez, mas isso é pecar por excesso de otimismo.
« Última modificação: 07 de Setembro de 2018, 10:17:34 por Fenrir »
"Heaven and Earth are not benevolent; They treat the myriad of creatures as straw dogs"
― Laozi

"No testimony is sufficient to establish a miracle, unless the testimony be of such a kind, that its falsehood would be more miraculous, than the fact, which it endeavors to establish"
― David Hume

“Never argue with an idiot. They will drag you down to their level and beat you with experience.”
― Mark Twain

Offline Fenrir

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.499
  • Sexo: Masculino
  • Cave Canem
Re:A falência ético-moral do cristianismo
« Resposta #32 Online: 07 de Setembro de 2018, 13:32:08 »
Pelo visto o forista Martinho Lutero foi banido e não vai me responder. Fora isso, sumi de novo um tempo (fazendo cursos).

Porem vou comentar mesmo assim: ele diz que generalizei, que fiz uma propaganda anti-cristã superficial e baseada na faltas cometidas por umas poucas (?) maças podres, mas de forma matreira, preguiçosa ou ______ (preencha aqui) não contra-argumentou sobre o fato das instituições protegerem essas pessoas e,
pior, de persistirem estupidamente nos seus erros, dogmas ou não - deixei isso claro no texto.

Não sou um primor de inteligencia, porem não tão sou estupido a ponto de não saber o que é generalização imprópria
e não raro me deixo levar pelas emoções e destilo umas falácias a torto e direito. Ainda assim sei o que são e estou ciente delas.

No mínimo haveríamos de perguntar, como já fiz: o que há nestas instituições que atrai tantas pessoas assim?

Tento ser intelectualmente honesto, então admito que posso ter falhado no sentido em que igualei instituição religiosa com a religião que ela representa
e se a primeira esta caindo de podre, logo a segunda tambem está.
Seria melhor que uma contra-argumentação decente fosse construida a partir daí, mas não vi isso acontecer.

Como tambem uma contra-argumentação poderia explorar se isso (decadencia, etc) é assim tão frequente/abrangente/disseminada quanto sugiro que é.
Isto seria mais difícil, porque precisaria de tempo para levantar os dados necessários para sustentar a contra-argumentação e mostrar números.
Duvido que alguem aqui tenha tempo e disposição para isso, não porque não tenha capacidade, mas porque é uma tarefa hercúlea.
Não fazendo isso, contento-me com o "onde há fumaça, há fogo"

Em suma, nesta tríade, indivíduo - instituição - religião, vejo duas desabarem: a 1a e a 2a e uma relação de causa-efeito entre elas e sua queda.
É mais discutível se a corrupção da 2a (instituicao) é devido ou não a uma falha inerente da 3a (religião)
Cético e anti-religioso que sou eu diria que sim, outros obviamente irão discordar.
« Última modificação: 07 de Setembro de 2018, 13:47:28 por Fenrir »
"Heaven and Earth are not benevolent; They treat the myriad of creatures as straw dogs"
― Laozi

"No testimony is sufficient to establish a miracle, unless the testimony be of such a kind, that its falsehood would be more miraculous, than the fact, which it endeavors to establish"
― David Hume

“Never argue with an idiot. They will drag you down to their level and beat you with experience.”
― Mark Twain

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!