Autor Tópico: Analisando o "Perigo Islâmico"  (Lida 51164 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.141
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1525 Online: 15 de Janeiro de 2018, 10:57:30 »
Citar
Um estudo de caso em hipocrisia sincera: Brigitte Gabriel

Brigitte Gabriel é uma notória apologista do grupo fascista Phalange, Kataeb e do grupo terrorista, o Exército do Sul do Líbano (SLA), responsáveis ​​pelos massacres Sabra e Shatila que abateram de 1700 a 2000 palestinos (principalmente mulheres e crianças).

Sua história é que ela cresceu durante a longa e sangrenta guerra civil daquela nação. Foi uma guerra que reivindicou muitas vidas e viu muitas facções mudar alianças e lealdade. Os grupos que eram inimigos pela manhã se tornaram aliados à noite. Na verdade, os muçulmanos lutaram contra muçulmanos e cristãos contra os cristãos.

Ela parece jogar este meio para justificar seus pontos de vista, como se devêssemos - movido por seu "álibi" - desculpe e aceita automaticamente. Mas seu álibi é censurável, já que a maioria dos libaneses que cresceram durante essa mesma guerra não se mostrou rabisicamente racista como ela.

Gabriel acredita que os árabes "não têm alma!"

A diferença, meus amigos, entre Israel eo mundo árabe é a diferença entre civilização e barbarismo. É a diferença entre o bem e o mal [aplausos] .... Isto é o que testemunhamos no mundo árabe, eles não têm ALMA!, estão mortos em matança e destruição. E, em nome de algo, eles chamam de "Deus" que é muito diferente do Deus que acreditamos ... [aplausos] porque nosso Deus é o Deus do amor.

(Nenhuma alma? Uma coisa estranhamente desumanizadora para um cristão alegado dizer, você não acha?)

Não é de admirar, então, que o The New York Times Magazine a descreva como "Islamophobe radical".

A autocontradição de Brigitte é notável. Às vezes, ela parece reconhecer que existem muçulmanos "moderados"

É dever de todos os muçulmanos moderados falar contra o ódio, contra a Jihad ... as pessoas no Ocidente devem apoiar os moderados.

A mesma Brigitte Gabriel, em outro dia, se burla da noção de que um muçulmano pode ser moderado,

América e o Ocidente estão condenados ao fracasso nesta guerra, a menos que se levantem e identifiquem o inimigo real: o Islã. Você ouve sobre Wahabbi e Islam Salafi como a única forma extrema do Islã. Todos os outros muçulmanos, supostamente, são moderados maravilhosos. Mais perto da verdade são as imagens da erupção irracional da violência em reação aos caricaturas de Maomé, impressas por um jornal dinamarquês ... derivadas de uma fonte: o islamismo autêntico.

E ela derrama para a Australian News sua definição bizarra de um muçulmano radical:

um muçulmano praticante que vai à mesquita toda sexta-feira, reza cinco vezes por dia e que acredita que o Alcorão é a palavra de Deus e que acredita que Maomé é o homem perfeito e (quatro palavras inaudíveis) é um muçulmano radical.

Deixe-me entender isso, então um muçulmano que essencialmente observa os cinco pilares básicos do Islã é radical? Isso nos deixa com 1,4 bilhão de muçulmanos radicais, então quem é o muçulmano "moderado", estou confuso.

Então Brigitte, o que é isso? Há algum moderado ou não? Brigitte parece nos dizer que os únicos muçulmanos aceitáveis ​​são aqueles que não praticam o Islam completamente? Ou talvez, ela está até sugerindo que o único bom muçulmano é um ex-muçulmano?

A questão torna-se, como alguém tão descaradamente sem pistas obtém tempo de antena em qualquer outro lugar que não seja nos Videos mais engraçados da America's Home?

A resposta, Brigitte, encontrou seu próprio nicho pequeno para se estabelecer dentro do lucrativo negócio de sacrifício muçulmano. Seu forte é falar sua "alteridade", e o chamado "conhecimento privilegiado do mundo muçulmano", (a linha "Eu estive lá, eu sei") em um cash cow. Enquanto isso, nós devemos ser enganados se assustando e recorrendo a ela por conselhos mais "experientes" trazidos para nós atraves de nosso amigo leal que se aventura no outro lado em nosso nome.

Gabriel começou duas organizações, American Congress for Truth ( ACT ) e (parece que está ficando sem idéias)  Act! para os Estados Unidos   que recebem muito financiamento e "doações" de pessoas como os bobos cristãos Unidos para Israel e outros. Talvez ela pense que os americanos são crédulos ou talvez seja um verdadeiro hipócrita, como disse Andre Gide ,

O verdadeiro hipócrita é aquele que deixa de perceber o seu engano, aquele que reside com sinceridade.

Muito bem, pode ser o caso com nosso comerciante de intolerância e mal-entendidos, Brigitte Gabriel.

http://www.loonwatch.com/2009/04/a-case-study-in-sincere-hypocrisy-brigitte-gabriel/
« Última modificação: 15 de Janeiro de 2018, 11:05:03 por Pasteur »

Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.141
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1526 Online: 15 de Janeiro de 2018, 11:16:37 »
Citar
Quem é a real Brigitte Gabriel?

Muita coisa foi escrita sobre Brigitte Tudor - também conhecida como Brigitte Gabriel - fundadora da ACT for America , o maior grupo anti-muçulmano de base do país.

A organização e a própria Gabriel foram submetidas a um novo escrutínio no ano passado, devido em parte aos laços muito diretos de sua organização com a Casa Branca e o governo federal após a eleição de Donald Trump. Gabriel visitou a Casa Branca na terça-feira, aparentemente para entregar uma petição de apoio à proibição muçulmana de Trump.

Gabriel desfruta de um culto entre os membros do ACT, mas algumas rachaduras começaram a ser exibidas, sobretudo após sua cuspa muito pública com o líder do capítulo de ACT, Roy White, que Gabriel demitiu depois de reivindicar a White anunciou uma reunião em que ele ensinaria os ativistas a "anular" mesquitas. A demissão  de White e o aviso subseqüente que Gabriel enviou aos apoiantes de ACT, dizendo-lhes em termos inequívocos que ficariam despojados de sua adesão por propaganda de fanatismo ou ameaças de violência, não se sentava bem com alguns no acampamento de ACT.

Um ativista e autor anti-muçulmano, Dave Gaubatz , tomou um problema especial com Gabriel e transmitiu muitas acusações contra ela. Estas acusações, disse Gaubatz, foram coletadas dos membros do ACT que apresentaram queixas sobre Gabriel após o disparo de Roy White.

Gaubatz primeiro discutiu o estilo de vida pródigo de Gabriel, escrevendo que ela cobra entre US $ 3.000 e US $ 10.000 por uma visita e discurso em um dos capítulos do ACT. Nessas visitas, Gabriel traz uma "comitiva" com ela, incluindo um cabeleireiro. Gaubatz continuou a notar que Gabriel vive em uma casa de US $ 3 milhões em Virginia Beach, que é paga por "nas costas dos doadores de base". Gaubatz também afirmou que Guy Rodgers , o ex-diretor executivo altamente influente de ACT, reclamou a um advogado que Gabriel estava "tirando muito dinheiro" da organização. Gaubatz também observou que os líderes do capítulo ACT disseram que Gabriel "pressiona semanalmente os líderes do capítulo para levantar dinheiro para ela. Eles constantemente se sentem estressados ​​".

Antes que essas alegações saíssem, o ex-repórter da Buzzfeed, David Noriega, descobriu que a renda de Gabriel aumentou 79% de US $ 87.300 para US $ 156.473 entre 2010 e 2011. A desculpa de Gabriel para isso? Um movimento de emergência para pagar sua família para ser transferido depois que um jornal do Tennessee publicou seu nome real. Na sequência de uma investigação sobre os salários dos reconhecidos defensores anti-muçulmanos produzidos pelo Conselho sobre Relações Islâmicas Americanas (CAIR), o salário de Gabriel da ACT caiu para US $ 0, mas continua a receber centenas de milhares de dólares como consultor . Gabriel também administra uma empresa de produção chamada "808 Demand Video, Inc", e até 2017 possuía outra empresa em Nevada chamada "Bahia Inc.". A licença dessa empresa foi revogada após a licença comercial ter expirado no final de 2016.

Gaubatz também observou que muitos membros do ACT estavam muito infelizes com o e-mail de advertência de Gabriel. Para Gaubatz, este é um exemplo de Gabriel "dando ao Islão um passe grátis" e "ela acredita que o Islã é uma religião muito pacífica e a ACT apenas se preocupa com alguns radicais que seqüestraram o Islã".

Um ex-líder do capítulo ACT da Flórida, o Dr. Rich Swier, concorda com a Gaubatz. Swier escreveu : "Brigitte pregou contra o politicamente correto (PC) sobre o Islã por anos. Não há nada mais não-PC que realizar reuniões apesar dos comunicados de imprensa do CAIR. O ACT está passando por mudanças. Essa mudança ocorreu ao mesmo tempo em que uma doação anônima de US $ 500.000 foi feita no final de 2016. Essa doação vem com strings em anexo? "Swier declarou mais tarde:" As chamadas de conferência e os e-mails do Chapter Leader fornecem uma narrativa arrepiante de controlar a "mensagem".

Gaubatz também criticou a história de Gabriel, alegando, como muitos outros antes, que os elementos de sua história de fundo sobre o crescimento no Líbano durante a guerra civil são fabricados. Muitas dessas reivindicações provêm do livro de Gabriel, "Porque eles odeiam", onde descreveu a guerra civil como aquela que enfrentava muçulmanos contra cristãos. Em uma entrevista de 2013, ela disse que a guerra começou por causa da forma como os muçulmanos se "multiplicam" e se tornaram a maioria. Ela ignorou rotineiramente as massacres das milícias cristãs cometidas durante essa guerra.

Gaubatz afirma : "Um membro da inteligência israelense afirmou que Gabriel não é quem ela diz que é e os fatos que ela afirma sobre sua vida no Líbano são dramaticamente fabricados". Os especialistas David Noriega entrevistaram suas afirmações, incluindo o autor Nathan Lean, que disse seu conto foi "tendencioso, se não totalmente enganoso". Yvonne Haddad, historiadora da Universidade de Georgetown, disse a Noriega: "Sua narrativa não é historicamente precisa".

Gaubatz também levantou questões sobre o número de capítulos do ACT que estão de fato ativos. A resposta de Gabriel a isso foi tirar o mapa dos capítulos do ACT do site do grupo. Conforme relatado por Hatewatch, o mapa da ACT contém, na verdade, menos da metade dos 1.000 capítulos que Gabriel reivindica, e daqueles, apenas cerca de 10% estão ativos.

Gabriel recusa abertamente a dar entrevistas à mídia, com exceção de Breitbart e Fox, tantas das questões que Gaubtaz levanta ainda não atendidas. Gabriel claramente está sentindo o calor de sua própria base, algo que ela precisará reconciliar.

https://www.splcenter.org/hatewatch/2017/03/23/who-real-brigitte-gabriel

Vigarista!
« Última modificação: 15 de Janeiro de 2018, 18:01:56 por Pasteur »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.767
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1527 Online: 15 de Janeiro de 2018, 15:35:08 »
Se metade do que está narrado acima for verdade, ela é mais que uma vigarista.

É uma hipócrita e mau-caráter que merece um processo por calúnia e falsidade ideológica.
Foto USGS

Offline Agnoscetico

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.628
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1528 Online: 15 de Janeiro de 2018, 17:22:23 »
Agnoscetico, você deveria inaugurar na internet a campanha: "Quero ver mexer com Stalin."

Que é pra jogar na cara destes cristãos que ficam fazendo piadinhas com a Dilma, o Lula e o PT.

Sim, porque nenhum deles teria coragem de ir para URSS de Stalin pra fazer chacota com o ditador.  Se eles não tem coragem para encarar um Gulag na Sibéria então também não podem zombar da Dilma não!
Só fazem isso porque a Dilma é gente boa e não revida arrancando a cabeça de quem põe estes memes na facebook. São covardes, bando de covardes!

Argumento imbecil este, não é mesmo?

Mas este é exatamente o argumento deles: se o Porta dos Fundos não vai lá pro Afeganistão fazer piada com Maomé, pra ser estraçalhado por um taliban maluco, então também não pode rir das coisas ridículas do cristianismo.

Esse é que é o ponto! Você não tem que argumentar que aqui o mais importante é criticar a nossa religião hegemônica. O argumento correto é o de que o cidadão deve ser livre para expressar o que pensa, para discordar do que quiser. Esse é o direito que os cristãos precisam reconhecer, do contrário estão sendo tão autoritários quanto os islâmicos, embora ainda não possam ser tão violentos.

O que ocorre é que os islâmicos radicais suprimem esse DIREITO pelo uso da força. Suprimem covardemente o direito do outro mediante a coerção da violência.  É por isso que eu não vou lá pro Irã fazer caricatura de Maomé: porque eles me matam. E eu não sou desses que perdem a vida mas não perdem a piada.

Só que ninguém tem o direito de exterminar os que não compartilham da mesma fé. Aqui eu faço piada com cristãos simplesmente porque ainda suprimiram covardemente este meu DIREITO.

Se eles começaram a explodir que zomba de Gezuis, aí eu já não farei mais. Nem por isso eu serei um covarde, eles é que estarão sendo.

Mas  a religião não tem comparações com política.Não se vês do comunismo se matarem com bombas como no caso islâmico ou qualquer outra religião,por exemplo.



Esse argumento de que  "religião não tem comparações com política" foi muito muito ruim, pois se há uma coisa, que tem muitos e muitos pontos em comum com atividades explicitamente políticas, é justamente a religião.

Ter pontos em comum não faz algo ser igual a outro. Analogia: Ser humano tem muitos pontos (biológicos) em comum com símios, isso não faz dele um símio, a inteligência é muito mais complexa e sem igual. Muitas vezes um ponto diferente, dependendo do ponto, faz muito mais diferença que ter vários diferentes.

Mas se quis dizer que há fanáticos políticos além de religiosos, isso já sei, mas forma omo eles e manifestam tem suas diferenças.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 35.359
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1529 Online: 24 de Julho de 2018, 21:26:54 »
<a href="https://www.youtube.com/v/4k4pMTsa1Kw" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/4k4pMTsa1Kw</a>

Offline Agnoscetico

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.628
  • Sexo: Masculino
Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
« Resposta #1530 Online: 06 de Agosto de 2018, 11:22:07 »

Acho engraçado os brasileiros terceiro-mundista que são anti-islâmicos criticar outros países por perigo islâmico mas aqui tem mais risco de vida que muitos países islâmicos:

https://www.msn.com/pt-br/dinheiro/financas-pessoais/os-melhores-luigares-para-viver-pagando-pouco-ou-nenhum-imposto/ss-BBLtfSJ?ocid=spartanntp#image=9



Omã

Qual é a situação fiscal? Não há imposto de renda para indivíduos de Omã

Como é o estilo de vida? Desertos e praias a explorar, uma comunidade expatriada animada na capital Mascate, uma baixa taxa de criminalidade e combustível barato




Catar

Qual é a situação fiscal? Não há imposto de renda que deva ser pago ao governo do Catar. Não há impostos sobre vendas, capital ou patrimônio

Como é o estilo de vida? Oferece combustível barato, altos salários, [...]




 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!