Autor Tópico: Eleições 2018  (Lida 35972 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.632
Re:Eleições 2018
« Resposta #1350 Online: 14 de Fevereiro de 2018, 11:35:09 »
Bolsonaro é o segundo candidato do PT

Brasil  14.02.18 09:27

Ao tentar torpedear a candidatura de Luciano Huck, a esquerda quer colocar um poste de Lula no segundo turno, contra Jair Bolsonaro, porque acha que o poste pode derrotá-lo — assim como acreditam todos os outros partidos com os seus respectivos nomes. Mas, em caso de derrota do poste, os lulistas preferem ver Bolsonaro na Presidência da República a um nome forte de centro que venha a enfraquecer ainda mais o PT nos próximos anos, como julgam ser o caso de Huck.

É o velho e péssimo “quanto pior, melhor” da esquerda brasileira, que vê em Jair Bolsonaro presidente um caminho para o lulismo ressuscitar com força em 2022. É o que eles pensam, repita-se.

Jair Bolsonaro é o segundo candidato do PT.

Fonte: https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-e-o-segundo-candidato-pt/

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.632
Re:Eleições 2018
« Resposta #1351 Online: 14 de Fevereiro de 2018, 11:45:37 »
O PT não está morto. Vão tentar colocar um poste na presidência que se comprometa a nomear o maior número possível de quadrilheiros do Petrolão para os ministérios, o que talvez inclua Lula. Pior, vão tentar aumentar a chance na eleição fazendo com que esse poste prometa retirar a reforma da previdência e as privatizações de pauta. O PT sabe que 7 em cada 10 brasileiros são contra reforma da previdência e privatizações, segundo o Datafolha. "Quando as pessoas querem o impossível somente os mentirosos podem satisfazê-las", Thomas Sowell.

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1352 Online: 14 de Fevereiro de 2018, 11:55:46 »
Citar
É o velho e péssimo “quanto pior, melhor” da esquerda brasileira, que vê em Jair Bolsonaro presidente um caminho para o lulismo ressuscitar com força em 2022. É o que eles pensam, repita-se.

O vagabundo tem 72 anos hoje, supondo que não estará na cadeia ou impedido de se candidatar em 2022 com as outras acusações a que responde e os caras sonham em ganhar outra eleição?




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1353 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 10:00:30 »

A volta de Collor

O presidente que renunciou para escapar do impeachment há 25 anos conta com a memória curta dos brasileiros para tentar repetir sua surpreendente vitória nas urnas em 1989


Vinte e cinco anos depois de renunciar à Presidência, numa tentativa desesperada de escapar do impeachment por corrupção em seu governo, Fernando Collor de Mello está de volta à disputa sucessória. Ele afirma que vai pôr novamente sua candidatura na ruas, na tentativa de repetir a vitória surpreendente de 1989. O ex-governador de Alagoas, hoje senador pelo PTC de seu estado, aposta suas fichas na memória curta do povo brasileiro. Pode até ser curta, mas não tanto quanto ele pensa. Ainda estão vivos na cabeça de várias gerações o despreparo e a prepotência de Collor — e também a rede de corrupção que seus asseclas montaram.


Quem aparenta apresentar lapsos de memória é o candidato do PTC, partido com origem no PRN, pelo qual Collor se elegeu à Presidência. Em entrevista após o anúncio de sua pré-candidatura, na sexta-feira 19, em Arapiraca, agreste de Alagoas, ele usou um argumento tão falacioso quanto o de “caçador de marajás” que o tornou famoso. “A experiência vai contar muito na avaliação do eleitorado brasileiro. Ele não quer ser mais vítima de surpresas, do inesperado, do desconhecido, de algo que já verificou que não dava certo. Vai desejar candidatos que tenham experiência e compromissos sociais”. E apresentou-se como o candidato com esse perfil.



Restante no link:

https://istoe.com.br/volta-de-collor/


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1354 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 10:05:34 »
Citar
É o velho e péssimo “quanto pior, melhor” da esquerda brasileira, que vê em Jair Bolsonaro presidente um caminho para o lulismo ressuscitar com força em 2022. É o que eles pensam, repita-se.

O vagabundo tem 72 anos hoje, supondo que não estará na cadeia ou impedido de se candidatar em 2022 com as outras acusações a que responde e os caras sonham em ganhar outra eleição?




Se até o Collor tem esperança de voltar  após tanto tempo,  não seria demais imaginar que o Lula venha a querer voltar  em 2022.


 :!:



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1355 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 10:09:50 »
O PT não está morto. Vão tentar colocar um poste na presidência que se comprometa a nomear o maior número possível de quadrilheiros do Petrolão para os ministérios, o que talvez inclua Lula. Pior, vão tentar aumentar a chance na eleição fazendo com que esse poste prometa retirar a reforma da previdência e as privatizações de pauta. O PT sabe que 7 em cada 10 brasileiros são contra reforma da previdência e privatizações, segundo o Datafolha. "Quando as pessoas querem o impossível somente os mentirosos podem satisfazê-las", Thomas Sowell.


Concordo, não está morto, mas foi golpeado de forma bem dura e está enfraquecido. 

Agora talvez seja a hora de dar o lugar para novos corruptos pretendentes à Presidência da República.  :D

Os corruptos velhos já estão meio desgastados.



Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1356 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 10:21:06 »
Citar
É o velho e péssimo “quanto pior, melhor” da esquerda brasileira, que vê em Jair Bolsonaro presidente um caminho para o lulismo ressuscitar com força em 2022. É o que eles pensam, repita-se.

O vagabundo tem 72 anos hoje, supondo que não estará na cadeia ou impedido de se candidatar em 2022 com as outras acusações a que responde e os caras sonham em ganhar outra eleição?




Se até o Collor tem esperança de voltar  após tanto tempo,  não seria demais imaginar que o Lula venha a querer voltar  em 2022.


 :!:




Sim, claro...

Quem teve dinheiro preso no banco, perdeu imóveis, empregos e luta até hoje para reaver na justiça o que tinha direito deve ter muita vontade de reeleger o Coca-Collor, principalmente sabendo que era aliado do Lulla no governo passado.

Se acontecer espero que o Zé Povinho realmente tenha o que pediu.

 

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.595
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1357 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 14:01:47 »
Muito grave.
Eu não sabia que a coisa estava tão parecida com uma Teoria da Conspiração.
Mas vem de fonte idônea (e idosa, afinal Carvalhosa já cruzou a marca dos 85 anos).

Leiam e atestem a gravidade da coisa:


Citar
Modesto Carvalhosa
20 h ·

O texto a seguir foi feito por muitas mãos. É grande, mas explica, de modo ordenado e histórico, o que está verdadeiramente acontecendo.
Pedimos que COMPARTILHEM. Precisamos que a OPINIÃO PÚBLICA saiba o que está acontecendo.
Marque seus amigos, seus conhecidos. Marque a imprensa e quem interessa.
Contamos com TODOS vocês.
É a nossa chance.

Citar
"RAQUEL DODGE, GILMAR MENDES e a farsa da 'nova urna eletrônica'

A ação de inconstitucionalidade movida pela procuradoria-geral da república CONTRA a lei do VOTO IMPRESSO, protocolada no STF às vésperas da transmissão da presidência de Gilmar Mendes ao ministro Luiz Fux, dia 05 de fevereiro, sem dúvida tem relação com algo extremamente GRAVE.

Na ação, a Dra. Raquel Dodge requer em caráter liminar a suspensão das atividades do TSE relativas à IMPLEMENTAÇÃO da lei, sendo o próprio ministro Gilmar Mendes o relator da matéria na suprema corte.

Na ânsia de boicotar a todo custo a impressão do voto, aprovada DUAS VEZES por AMPLA MAIORIA do congresso em 2015, refletindo a vontade da população brasileira, conforme já apontado em diversas pesquisas de opinião pública, Gilmar, como presidente do TSE, endossou uma farsa insustentável, que tinha por objetivo ser usada como justificativa para a NÃO IMPLEMENTAÇÃO do voto impresso.

A estória contada pelo TSE é de que seria necessário adquirir um novo modelo de urna eletrônica para o atendimento da legislação no que tange à impressão do voto. De forma absolutamente irresponsável, a primeira providência da secretaria de tecnologia da informação foi OCULTAR o fato de que as urnas existentes sob a guarda do TSE, cerca de 550 mil, SÃO APTAS para a impressão do voto, bastando para isso o simples acoplamento de impressoras, a um custo significativamente mais baixo que o de se adquirir urnas novas, que IGUALMENTE iriam precisar de impressoras.

Em seguida à ocultação da verdade, contrataram, sem licitação, um instituto de pesquisa privado a um custo de SETE MILHÕES de reais para desenvolver o projeto da nova urna eletrônica, desnecessariamente, DESPREZANDO as 550 mil existentes que poderiam acoplar impressoras.

Protelando de toda a forma a implementação da legislação, o TSE lançou em 2017 o prospecto da "nova urna eletrônica", tendo ocorrido inclusive uma cerimônia de lançamentn na qual diversos ministros evidenciaram a "beleza e o design" do equipamento. Não houve nenhum comentário relativo ao CUSTO EXTRA de aquisição comparado ao custo das impressoras, o que era o verdadeiramente necessário.

Este prospecto é realmente uma das pérolas da farsa engendrada pelo TSE. Tal documento é uma demonstração cabal da má fé e da conduta inadequada e nitidamente MALICIOSA de alguns servidores do tribunal, que agiram sob o endosso de seu presidente.

O prospecto se configura, portanto, uma coleção de PROVAS.

A proposta de substituir 35 mil urnas a cada dois anos é simplesmente inacreditável. Parece uma forma encontrada para ludibriar quem não entende do assunto.

É preciso notar que de acordo com esta proposta, o TSE JAMAIS viria a implementar a lei. A matemática não mente:

Se a necessidade de reposição anual é de dez por cento, conforme informações do próprio TSE, cerca de 55 mil urnas por ano, a pergunta é: de que tipo seriam as outras 35 mil urnas adquiridas por ano para atender a necessidade de reposição? Iriam ser desprovidas de impressoras?

É surreal a desfaçatez dos irresponsáveis que fizeram este documento vir a público dessa maneira. Não se deram sequer ao cuidado de fazer as contas, pois se o objetivo era realmente implementar aos poucos, a medida da necessidade de reposição, o número correto seria de 55 mil urnas por ano, e não 17.500 em média. Uma vergonha que a máquina pública seja utilizada dessa forma na tentativa de se obstruir a aplicação da lei.

Até o final de novembro, a farsa ia caminhando bem, atingindo seu objetivo.

O que o TSE não contava, porém, foi com uma denúncia feita em audiência pública na Câmara dos Deputados, no dia 30/11/17, na qual foi apresentado um comunicado do próprio TSE, datado de 2009 e assinado pelo Ministro Carlos Ayres Britto, atestando que as urnas eletrônicas adquiridas daquela data em diante se prestavam    TODAS ao ACOPLAMENTO de IMPRESSORAS.

A BOMBA estourou no TSE imediatamente, e no dia seguinte ao da audiência pública o coordenador de sistemas eleitorais admitiu, ao ser questionado durante entrevista coletiva, que as urnas existentes realmente poderiam ser utilizadas para a impressão do voto, desde que acopladas a impressoras!

Estava finalmente desmascarada a farsa da necessidade de uma nova urna para o cumprimento do disposto na lei eleitoral.

O que se viu a partir daí foi mais uma sequência de horrores, e de novos atos ilícitos em sequência, na tentativa de encobrir a verdade e obstruir a ação da justiça, no que se refere aos crimes praticados contra a administração pública até aquele momento.

Na tentativa de passar despercebido, sem dar a menor explicação do motivo pelo qual havia desistido das novas urnas eletrônicas, o TSE, logo no primeiro dia útil após a farsa ter sido desmarcada, anunciou em seu site, na segunda feira 4 de dezembro, que iria promover uma licitação para a compra de impressoras.

Na semana seguinte, no dia 12, anunciou, novamente em seu site, a realização de uma sessão pública marcada para apenas dois dias depois, visando dar caráter de legalidade e transparência ao processo licitatório decidido às pressas, resultante da impossibilidade de se levar adiante a farsa mal sucedida.

Mal organizado, mal divulgado e lançado durante o recesso da maioria das empresas, com fortes indícios de superfaturamento e direcionamento, o certame foi alvo de severas críticas e recursos por parte da sociedade civil organizada, que, vigilante, denunciou na mídia mais uma tentativa do TSE de favorecer à empresa    Smartmatic, velha conhecida do tribunal, desclassificada do pregão eletrônico após as fortes pressões, "por razões técnicas" de acordo com o alegado pelos membros da comissão de assessoramento técnico da licitação, promovida durante o período de recesso do próprio tribunal.

Coincidentemente, exatamente nesta mesma data, 05 de fevereiro, dia da desclassificação da Smartmatic, justamente na véspera da transmissão do cargo de presidente do TSE do Ministro Gilmar Mendes para o Ministro Luiz Fux, foi protocolada no STF a ação de Raquel Dodge, mais de dois anos após o Congresso ter    DERRUBADO o veto imposto pela presidente Dilma à lei do voto impresso.

Alguém, em sã consciência, seria capaz de dizer que a ação da PGR não tem nada a ver com todos estes fatos?

O que está parecendo é que o TSE, pressionado e acuado após ser flagrado em conduta ilícita, tenta resolver o problema causado por ele mesmo através de uma solução jurídica, uma chicana, na qual não se sabe de que forma foi envolvida a procuradora-geral da república, que é também a procuradora-geral eleitoral.

A procuradora-geral, que já havia sido alertada no dia 4 de dezembro, por membros do CMind - Comitê Multidisciplinar Independente, profundos conhecedores do assunto, através de petição na qual requereram a realização de uma audiência pública para fins de esclarecimentos, nem ao menos respondeu à demanda da sociedade. Posteriormente, outra petição relativa à questão foi protocolada na PGR, no mesmo sentido, desta vez pelo Movimento Convergências, mas novamente a PGR se fez de morta, preferindo se manter em silêncio até o dia 05 de fevereiro deste ano, quando deu entrada no STF na ADI contra a lei do voto impresso, aparentando uma articulação com o TSE.

A petição do CMind pode ser acessada através do link: http://cic.unb.br/~rezende/trabs/PeticaoAudPublicaTSE2017.pdf

A decisão no momento está, a exemplo do que aconteceu antes das eleições de 2014, nas mãos do STF.

Cabe a TODOS, cabe ao POVO BRASILEIRO, aos parlamentares, às entidades da sociedade civil e à imprensa, o dever de DEFENDER a LEI do VOTO IMPRESSO, único meio de se garantir a segurança, a transparência e a lisura do processo eleitoral, e a integridade e a veracidade do resultado das urnas nas próximas eleições."


Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.595
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1358 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 14:07:22 »
Mais recados e convite para fiscalizar e auditar a contagem de votos:

Citar
Modesto Carvalhosa
4 h ·

Hoje não vamos postar nenhuma nova notícia.
Precisamos AMPLIAR o alcance do histórico sobre a luta em favor da contagem dos votos.
Sobre a possibilidade de auditoria, a possibilidade da impressão dos votos dos brasileiros.
Desta forma, os dois momentos distintos do processo eleitoral serão verdadeiramente democráticos.

1 - a votação;
2 - a apuração;

Quando há a impressão dos voto no momento da votação, as impressões podem ser auditadas. Conferidas. É preciso deixar CLARO:

1 - a VOTAÇÃO deve ser SECRETA;
2 - a APURAÇÃO deve ser PÚBLICA;

Somente dessa maneira garantiremos idoneidade no processo eleitoral: a VERDADEIRA DEMOCRACIA.

COMPARTILHE, convide seus amigos e conhecidos para ler nossos posts e curtir nossa página. Assim, terão acesso às discussões, propostas, ideias, debates democráticos APARTIDÁRIOS.

Não ao fundo da VERGONHA de 2,5 bi para partidos cleptocratas.
Sim à possibilidade de contagem dos votos impressos;
Sim às candidaturas avulsas, independentes de partidos;
Não ao foro privilegiado;
Não às benesses descabidas do executivo, legislativo e judiciário;
Sejamos justos com o Brasil e com os Brasileiros;
Precisamos acabar com os partidos Cleptocratas e os políticos que se refastelam com o dinheiro público;

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1359 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 15:06:56 »
Colega, qualquer um sabe que existe algo muito sujo na recusa constante de imprimir um simples recibo para recontagem.

Mais uma vez, quando vc tem tanta gente suja defendendo que não se deve fazer algo é exatamente o motivo pelo qual vc deve fazer.

Uma das denúncias sobre a impressão é que a Smartimatic queria usar papel termográfico, aquele papel de impressão que em duas ou três semanas fica totalmente ilegível.

E pode acreditar que existe um motivo.


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1360 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 15:13:04 »
Aqui:

https://istoe.com.br/lula-pede-suspensao-de-pericia-sobre-sistema-de-propina-da-odebrecht/

Citar
Lula pede suspensão de perícia sobre sistema de propina da Odebrecht

Por qual motivo alguém que supostamente quer provar inocência tenta parar uma perícia em documentos que alega serem falsos?


Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 36.013
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1361 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 16:06:23 »
Colega, qualquer um sabe que existe algo muito sujo na recusa constante de imprimir um simples recibo para recontagem.

Mais uma vez, quando vc tem tanta gente suja defendendo que não se deve fazer algo é exatamente o motivo pelo qual vc deve fazer.

Uma das denúncias sobre a impressão é que a Smartimatic queria usar papel termográfico, aquele papel de impressão que em duas ou três semanas fica totalmente ilegível.

E pode acreditar que existe um motivo.



Acho que não seria bem um "recibo", que transmite a idéia de algo que fica com o eleitor.

O impresso seria uma cédula.

Nas urnas de terceira geração, isso ainda seria todo acompanhado de alguma coisa high-tech que nem bem entendi, a própria impressão sendo algo que imagino dificultaria a manipulação do sistema.

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1362 Online: 15 de Fevereiro de 2018, 17:04:37 »
Eu disse recibo mas na verdade falava de um simples comprovante para recontagem que não fica com o eleitor nem a que ele tenha acesso direto.

Simplesmente não vejo um motivo justificável para tentarem a todo custo acabar com uma simples forma de recontagem e conferência de votos a menos que seja para encobrir uma fraude generalizada.

Cara, basta ver que existem zonas eleitorais com mais votos computados que eleitores registrados, uma simples contagem de votos impressos comparada com o livro de assinaturas do registro de comparecimento já denunciaria qualquer irregularidade, mas se vc tem 50 votos e 50 registros eletrônicos sem registro impresso equivalente na zona eleitoral a coisa acaba por aí, mesmo que os eleitores votem no candidato X e o eleito seja y.

Mas e se eu tenho 50 eleitores registrados e minha urna registra 50 votos errados? O que tenho é uma fraude impossivel de ser descoberta.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1363 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 09:17:03 »


LUIS FELIPE MIGUEL: DORIA É UM COLLOR PIORADO


Cientista político Luis Felipe Miguel avalia as semelhanças entre o prefeito de São Paulo e presidenciável com o ex-presidente Fernando Collor de Mello; "são puros produtos de propaganda, são herdeiros de famílias políticas que se apresentam como outsiders, possuem biografias muito nebulosas mas se colocam como paladinos da ética, investem no surrado discurso gerencial e antipolítico para mascarar a opção preferencial pelos ricos, ocultam a incompetência administrativa com jogadas de marketing, acionam em suas falas uma agressividade fake para promover o discurso do ódio contra a esquerda", afirma Miguel; "Doria parece, na verdade, um Collor piorado: ainda mais artificial, pior orador, com menos jogo de cintura, mais teleguiado, mais prepotente, ainda mais raso e mais antipático"


13 DE AGOSTO DE 2017 ÀS 14:10 // INSCREVA-SE NA TV 247 Youtube

Ouça este conteúdo 0:00100%Audima
 

Por Luis Felipe Miguel, em seu Facebook - O governo Sarney terminou de fato em 21 de novembro de 1986, quando foi lançado o Plano Cruzado II - que, seis dias após as eleições, abolia o congelamento de preços que havia dado ao partido do presidente, o PMDB, uma vitória avassaladora. Depois disso, Sarney se arrastou na presidência, apoiando-se sobretudo nos chefes militares e deixando o país sem rumo.



Com o governo em frangalhos, as eleições de 1989 apareciam como um grande risco para os grupos conservadores. O candidato natural do centro político à presidência, o deputado Ulysses Guimarães, estava inviabilizado por sua associação com a gestão Sarney. O mesmo com o líder do PFL, outro sócio fundador da Nova República, o ex-vice-presidente Aureliano Chaves.


Tornava-se imperativo encontrar o "anti-Brizula", o candidato que fosse capaz de derrotar as ameaças representadas por Leonel Brizola e por Lula, então líderes das pesquisas de intenção de voto. Com o desgaste do centro, só restaria encontrá-lo em posições mais claramente à direita. Não faltaram voluntários para o posto; alguns deles, como Guilherme Afif Domingos, chegaram até a disputar a eleição. Mas quem ocupou a vaga, como sabemos, foi Fernando Collor.


Hoje, com os candidatos "naturais" do tucanato se revelando apostas certas para uma derrota, busca-se o "anti-Lula". Parece que ele será mesmo João Doria, que engoliu seu padrinho com velocidade recorde. São muitas as semelhanças com Collor: são puros produtos de propaganda, são herdeiros de famílias políticas que se apresentam como outsiders, possuem biografias muito nebulosas (para dizer o mínimo) mas se colocam como paladinos da ética, investem no surrado discurso gerencial e antipolítico para mascarar a opção preferencial pelos ricos, ocultam a incompetência administrativa com jogadas de marketing (confiando na cobertura camarada da mídia), acionam em suas falas uma agressividade fake para promover o discurso do ódio contra a esquerda.


Doria parece, na verdade, um Collor piorado: ainda mais artificial, pior orador, com menos jogo de cintura, mais teleguiado, mais prepotente, ainda mais raso e mais antipático. Mas a elite política brasileira toda piorou de lá para cá.


Marx disse certa vez que a história ocorre como tragédia e se repete como farsa. O Brasil desafia essa percepção. Collor já era uma farsa - e se mostrou uma tragédia. Doria é a mesma coisa. No Brasil, o risco é que as farsas se repitam tragicamente.



https://www.brasil247.com/pt/247/sp247/311558/Luis-Felipe-Miguel-Doria-%C3%A9-um-Collor-piorado.htm







Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1364 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 09:31:35 »


que Doria sabe sobre o cunhado do Alckmin?
Artigos ||  21.08.2017 ||  20:29
Altamiro Borges


O jornal Valor revelou outro dia que o “prefake” paulistano tem feito a caveira do seu padrinho político, o governador de São Paulo, no próprio ninho do PSDB. Traição escarrada! Segundo relato da jornalista Rosângela Bittar, “não é segredo, Doria está fazendo gato e sapato de Alckmin. Não há um tucano paulista, dos bem autênticos, que não tenha uma história para contar sobre o bombardeio do prefeito contra quem imagina ser seu adversário interno. Os interlocutores estão saindo horrorizados com a má propaganda e a baixa perspectiva que se cria para Alckmin: Doria não perde oportunidade de dizer que vem aí uma bomba, uma delação irrespondível, que esse ‘negócio de cunhado’ é difícil”.


Sabendo-se que a midiática Lava-Jato virou um instrumento político a serviço dos piores interesses, ficam as perguntas: o que João Doria sabe sobre o “cunhado” de Geraldo Alckmin? Será que Sergio Moro, que não tem nada de juiz, vazou algo para seu amigo lobista do Lide (Grupe de Líderes Empresariais)? O que seria tão bombástico que poderia implodir de vez a candidatura presidencial de Geraldo Alckmin em 2018? Já virou senso comum, inclusive no ninho tucano, que o “prefake” paulistano é um político ambicioso, rasteiro e sujo, que adora espalhar baixarias – “fake news” –, xingar os seus adversários e dar golpes. Mas, como diz o ditado, onde há fumaça, há fogo. De fato, o tal cunhado pode bagunçar as pretensões do “picolé de chuchu”.


Em abril deste ano, o nome de Adhemar Cesar Ribeiro, irmão da primeira-dama Lu Alckmin, apareceu nas delações premiadas dos chefões da Odebrecht. Documento da Lava-Jato obtido pelo Estadão revelou que o governador garfou R$ 10,3 milhões em propina da empreiteira e que seu cunhado teria recebido “pessoalmente parte desses valores”. Ainda segundo o documento, R$ 2 milhões foram aplicados na campanha do tucano ao Palácio dos Bandeirantes em 2010 e o restante na de 2014 – “todas somas não contabilizadas”, ou seja, Caixa-2. Houve também doação oficial de R$ 400 mil, de acordo com depoimentos de três delatores – inclusive o de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o BJ, ex-presidente de uma das empresas do grupo Odebrecht.


Na ocasião, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou as denúncias contra Geraldo Alckmin e outros políticos. Vários veículos da mídia chegaram a prever o pior dos mundos para o grão-tucano. A Folha, em matéria da repórter Thais Bilenky, afirmou que “aliados do governador de São Paulo avaliam que sua situação se fragilizou após virem a público depoimentos de delatores da Odebrecht relatando caixa dois em suas campanhas de 2010 e 2014”. O envolvimento direto do irmão da primeira-dama teria um impacto devastador. “Ter familiar no meio é chato”, disse um alckmista à Folha. A revista Época, da famiglia Marinho, também ficou assustada com o teor das revelações do Estadão.


“O nome do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), aparece nos depoimentos de três delatores da Odebrecht. Eles relataram, em seus acordos de colaboração premiada, que as campanhas do tucano teriam recebido R$ 10,3 milhões em caixa dois da empreiteira nos anos de 2010 (R$ 2 milhões) e 2014 (R$ 8,3 milhões). Diante disso, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), acatou o pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e remeteu a investigação contra o governador para o Superior Tribunal de Justiça, Corte responsável por julgar governadores”, descreveu o jornalista Mateus Coutinho, sem adjetivos e a costumeira escandalização da política da revista pertencente ao Grupo Globo.


Misteriosamente, porém, o assunto logo sumiu das mídia tucana. Nada de manchetes nos jornalões ou de comentários ácidos nas emissoras de rádio e televisão. Uma nota da própria Folha ajuda a explicar o estranho sumiço. Na sequência da delação da Odebrecht, o governador decidiu acelerar os gastos em publicidade na imprensa. “Potencial candidato a presidente, Geraldo Alckmin vai concentrar o gasto com publicidade do Estado no primeiro semestre deste ano, de olho na eleição presidencial de 2018. Ele reservou R$ 101 milhões nos dois primeiros bimestres do ano na rubrica ‘comunicação social’. A maior parte desses recursos deverá ser usada já no primeiro semestre… O montante poderá ser aumentado ou diminuído no decorrer do ano. Se mantido, corresponderá a 12% a mais do que o gasto no ano passado, cerca de R$ 90 milhões”.


Diante de tanta generosidade, o explosivo nome do cunhado do tucano desapareceu do noticiário. Ele só voltou à tona agora em função das bicadas sangrentas no PSDB. O que será que o “prefake” traíra sabe sobre o caso? Fala, João Doria!

Jornalista

Fonte: http://altamiroborges.blogspot.com.br



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1365 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 09:35:37 »


Comportamento  bastante  de acordo com um  bom seguidor das 48 Leis.


 :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok:


« Última modificação: 16 de Fevereiro de 2018, 09:38:27 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1366 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 09:43:15 »

Alckmin dá o pretexto para Doria cair fora do PSDB

Brasil  15.02.18 12:25


Ainda sobre a coreografia dos espertos em São Paulo, João Doria deve estar adorando a manobra de aliados de Geraldo Alckmin que adia a escolha do candidato tucano ao governo do estado para depois do prazo de desincompatibilização.


Restante no link:


https://www.oantagonista.com/brasil/alckmin-da-o-pretexto-para-doria-cair-fora-psdb/


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1367 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 10:38:22 »
O colunista é o mesmo Felipe Miguel que escreve matérias no site 247 que era bancado pelo PT?


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1368 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 10:40:28 »
E o tal Altamiro Borges tb é petista, então não leve muito a sério o que diz um sujeito desses.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1369 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:16:07 »


E os escritores que forem doristas devem ser serem levados a sério ? Ou só os escritores petistas é que não devem ?


« Última modificação: 16 de Fevereiro de 2018, 12:21:30 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1370 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:17:56 »

E os escritores que forem alckimistas devem ser  levados a sério ? Ou só os escritores petistas é que não devem ?
« Última modificação: 16 de Fevereiro de 2018, 12:20:04 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1371 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:18:51 »


E os escritores que forem bolsonaristas devem ser  levados a sério ? Ou só os escritores petistas é que não devem ?
« Última modificação: 16 de Fevereiro de 2018, 12:21:02 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1372 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:19:19 »


E os escritores que forem novistas / joãoamoedistas devem ser  levados a sério ? Ou só os escritores petistas é que não devem ?


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.946
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1373 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:20:09 »
Não,  nao devem.

Principalmente se receberem para fazer panfletagem.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.127
  • Sexo: Masculino
Re:Eleições 2018
« Resposta #1374 Online: 16 de Fevereiro de 2018, 12:23:28 »


Então possivelmente não haverá escritor que possa ser levado a sério pois muito dificilmente algum deles será realmente um isentão.



 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!