Autor Tópico: Liberalismo  (Lida 7196 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.141
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #225 Online: 13 de Janeiro de 2018, 10:53:17 »
Assim que eu estiver em frente de um teclado decente, lhe responderei.

No momento estou em trânsito e escrevendo de um telefone celular. E detesto isto.
Foto USGS

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.156
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #226 Online: 13 de Janeiro de 2018, 11:25:41 »
Não, pois esse é um modelo, uma direção a seguir, mais do que uma meta a alcançar. Da mesma forma, não existe nenhuma sociedade moderna em que o Estado se limite ao minimo de garantir segurança e contratos, como é frequentemente proposto.

E isto ocorre porque os grupos que controlam o Estado não querem que assim ocorra. Tais grupos são os políticos e os funcionários públicos em primeiro plano e alguns segmentos empresarias em segundo.


Se formos nessa direção, nos aproximamos de um modelo proximo ao dos paises do norte europeu, que tem estado forte, mercados menos concentrados (metade do sistema bancario alemão é de bancos comunitários), pouca desigualdade social e consequentemente, maior controle sobre suas oligarquias.

E você acha que a casta do funcionalismo permitiria?


Na direção oposta, entregar a Petro para a BP, a Caixa e o BB para o Itaú ou Bradesco reforçaria ainda mais esses grupos privados, que vão ter mais poder ainda para corromper o Estado e impor seus proprios interesses ao conjunto da sociedade.

Deixar as empresas supra sob controle do Estado, apenas contribuirá para que os principais grupos que influenciam o Estado, continuem fortes e usando o sistema legal e o poder político para manter os seus vastos (e imorais) privilégios.

Mas o que é a casta do funcionalismo, Geotecton?

Eu concordo plenamente que o Estado brasileiro é uma cloaca, que temos os piores dos piores em posições chave e esses indivíduos tomam decisões pensando somente em se perpetuar na mamata. Mas será que defender um extremo é a solução? Nós passamos por 13 anos de PTismo com o Estado sendo moldado para que a caterva se perpetuar lá. Eles bagunçaram o já caótico Estado. Será que a solução para os nossos problemas como nação é defender um extremo oposto do PTismo? Eu não sei.

Eu não vou fingir que entendo de economia e mesmo da parte mais filosófica de sistemas de governo, mas eu tenho um pouco de bom senso (que, óbvio, pode estar enganado, por isso este post para você). Eu já ví você defendendo que juízes e promotores ganhassem um teto de 5 mil reais. Será que isso não é um extremo inviável na prática que deriva de um ódio (plenamente justificado) pela nossa situação com os oportunistas do poder? Juízes e promotores têm uma função de altíssima responsabilidade e complexidade, nós temos que ter os melhores possíveis nestes cargos, será que os melhores iriam se interessar se fosse para ganhar isso? Claro, é injustificável eles ganharem acima do teto, e é revoltante os benefícios que eles ganham, mas eu falo de defender um extremo tão grande como esse (5 mil reais), será que defender isso é o correto?


Boa pergunta, então vamos fazer algumas contas com base em  alguns dados e parâmetros:


Um juiz federal americano ganha em média US$ 126.840 por ano  (US$ 10.570 por mês, ou US$ 9.756,92 mais um 13° de igual valor, se quisermos melhor comparar  com a nossa situação (mas a renda total anual continua a mesma nas duas contas, apenas concentramos uma parte em dezembro ao termos o 13°) ).

A renda per capita americana foi de 57.466,79 USD (2016).

Então temos que a média salarial de um juiz federal americano em relação à renda per capita será de 126.840/57.466,79 é de  2,20718 x a renda per capita americana.


A renda per capita brasileira em 2016 foi de US$ 8.649,85.

Para termos um mesmo valor proporcional do salário de um juiz federal no Brasil, em relação à renda per capita, basta fazermos a conta:

2,20718 x US$8.649,85 = US$ 19.092,064 por ano,  o que dividindo por 13 dará US$ 1.468,62  por mês e mais um 13° de igual valor em dezembro.

E ontem a cotação do dólar estava em R$ 3,23 por dólar. De modo que em reais teríamos R$ 4.743,64  por mês mais o 13° no final do ano.


Então surpreendentemente podemos ver que o Geotecton fez uma excelente estimativa do que deveria ser o salário de um juiz federal brasileiro, se levarmos em consideração a renda per capita brasileira em comparação com a renda per capita americana e com o salário de um juiz federal americano.  O que seriam parâmetros  bastante razoáveis (salário e renda per capita no Brasil versus salário e renda per capita nos Estados Unidos).




Fonte consultada para os salários de juízes americanos:

https://www.conjur.com.br/2013-fev-28/salarios-juizes-federais-eua-sao-mesmos-congressistas



« Última modificação: 13 de Janeiro de 2018, 11:50:11 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.156
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #227 Online: 13 de Janeiro de 2018, 11:31:33 »

Eu pesquisei os dados e depois de fazer as contas  me surpreendi  com o resultado, o qual ficou muito próximo do que o Geotecton havia considerado adequado (tendo em vista a realidade do Brasil).


« Última modificação: 13 de Janeiro de 2018, 11:35:35 por JJ »

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.091
Re:Liberalismo
« Resposta #228 Online: 13 de Janeiro de 2018, 13:29:21 »
Vocês acham mesmo que Deltan Dallagnol ou Sérgio Moro arriscariam a vida trazendo dor de cabeça a corruptos ultra-poderosos se ganhassem só 5 mil reais por mês? Quem ganha um pouco menos que isso e vive no Rio de Janeiro mora na favela. O alto escalão do Judiciário brasileiro seria um antro de Toffolis piorados.

Melhor voltar ao debate sobre as privatizações.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.156
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #229 Online: 13 de Janeiro de 2018, 18:04:18 »
Vocês acham mesmo que Deltan Dallagnol ou Sérgio Moro arriscariam a vida trazendo dor de cabeça a corruptos ultra-poderosos se ganhassem só 5 mil reais por mês?


Não. Mas também tem que ter um certo cuidado com este argumento, pois a ideia de "ter que ganhar muito para que fique imune (ou quase imune) a corrupção", pode ser usado para se defender um salário de R$100.000 por mês para juízes (já vi pessoa falando algo semelhante). E de R$150.000 por mês para deputados (ou até mais).


« Última modificação: 14 de Janeiro de 2018, 16:40:11 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.156
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #230 Online: 13 de Janeiro de 2018, 18:05:40 »
Será que uma desregulamentação extrema iria ser uma boa solução para nós? Será que acabar com as legislações ambientais e com a fiscalização é uma boa coisa para o cidadão comum? Proibir que se desmate a Amazônia serve somente para cercear o direito do cidadão comum de investir o dinheiro dele onde ele bem entende ou será que serve para proteger o direito das pessoas de viverem em um ambiente saudável?

Desregulamentação extrema em todas as  áreas certamente não seria uma boa solução para nós. Principalmente uma desregulamentação extrema em relação à questões ambientais. Mas certamente há  alguns  exageros na legislação ambiental, e que poderiam ser retirados ou minimizados (um ponto específico, que posso citar é a liberdade para retirar uma árvore grande  que esteja na calçada em frente a uma residência ou comércio, e que seja uma ameaça em dia de chuva forte, e que o dono da casa ou comércio quisesse retirar e substituir por outra de médio ou pequeno porte, mas que devido a legislação ambiental exagerada, ele não poderá fazê-lo).  E com relação à  outras legislações certamente há  coisas que poderiam ser reduzidas (e até eliminadas). E que se poderia dar liberdade para os indivíduos decidirem. Apenas como mais um exemplo, eu cito a possibilidade de que uns vizinhos reunissem e quisessem transformar em um condomínio fechado uma parte do bairro em que moram (por questões de segurança), mas que a legislação impede. Este seria um caso em que a desregulamentação e liberalização poderia até salvar vidas. 


« Última modificação: 14 de Janeiro de 2018, 06:43:54 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.156
  • Sexo: Masculino
Re:Liberalismo
« Resposta #231 Online: 13 de Janeiro de 2018, 18:16:18 »
[...] lutar para moldar o lixo que está ai no sentido de um Estado que seja funcional.


Talvez pudéssemos tentar condicionar os nossos políticos a se comportarem como políticos suecos. Quem sabe se pode ser feito? Podemos tentar um programa de reeducação política.


 :hihi:

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.091
Re:Liberalismo
« Resposta #232 Online: 14 de Janeiro de 2018, 13:49:43 »
Será que uma desregulamentação extrema iria ser uma boa solução para nós? Será que acabar com as legislações ambientais e com a fiscalização é uma boa coisa para o cidadão comum? Proibir que se desmate a Amazônia serve somente para cercear o direito do cidadão comum de investir o dinheiro dele onde ele bem entende ou será que serve para proteger o direito das pessoas de viverem em um ambiente saudável?

Desregulamentação no setor ambiental é uma boa ideia quando associada a direitos de propriedade privada em contratos voluntários que incentivam ou exigem preservação. Ver Guia Politicamente Incorreto da Economia Brasileira de Leandro Narloch. Mercado de carbono, privatização de reservas e de animais silvestres tem sido usados para ajudar a preservar o meio ambiente.

Animais silvestres e flora são propriedade do Estado. É aí que reside grande parte do problema, pois o que é de todos não é de ninguém. "Se você gosta da natureza, privatize-a": https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=89 

E uma coisa como poluição do ar é considerada atentado ao direito de propriedade mesmo no anarcocapitalismo (ver a opinião de Hans-Hermann Hoppe sobre o assunto). Se é coerente defender isso em todas as vertentes de pensamento político, aí isso é outra história.
« Última modificação: 14 de Janeiro de 2018, 13:54:08 por -Huxley- »

Offline Muad'Dib

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.102
Re:Liberalismo
« Resposta #233 Online: 14 de Janeiro de 2018, 14:05:54 »
Será que uma desregulamentação extrema iria ser uma boa solução para nós? Será que acabar com as legislações ambientais e com a fiscalização é uma boa coisa para o cidadão comum? Proibir que se desmate a Amazônia serve somente para cercear o direito do cidadão comum de investir o dinheiro dele onde ele bem entende ou será que serve para proteger o direito das pessoas de viverem em um ambiente saudável?

Desregulamentação no setor ambiental é uma boa ideia quando associada a direitos de propriedade privada em contratos voluntários que incentivam ou exigem preservação. Ver Guia Politicamente Incorreto da Economia Brasileira de Leandro Narloch. Mercado de carbono, privatização de reservas e de animais silvestres tem sido usados para ajudar a preservar o meio ambiente.

Animais silvestres e flora são propriedade do Estado. É aí que reside grande parte do problema, pois o que é de todos não é de ninguém. "Se você gosta da natureza, privatize-a": https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=89 

E uma coisa como poluição do ar é considerada atentado ao direito de propriedade mesmo no anarcocapitalismo (ver a opinião de Hans-Hermann Hoppe sobre o assunto). Se é coerente defender isso em todas as vertentes de pensamento político, aí isso é outra história.

Eu já tinha visto coisas neste sentido.

Você acredita que na prática isso iria funcionar? Se a Samarco fosse dona do meio ambiente que ela destruiu ela iria ter uma preocupação maior com as barragens dela?

Não me parece factível. Na teoria pode até parecer que tenha muita lógica, na prática não sei. Se o ser humano tivesse um pouco de bom senso até poderia ser.

Offline Muad'Dib

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.102
Re:Liberalismo
« Resposta #234 Online: 14 de Janeiro de 2018, 14:18:08 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.

Offline Pedro Reis

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.153
Re:Liberalismo
« Resposta #235 Online: 14 de Janeiro de 2018, 16:31:39 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.

Já li uma teoria da conspiração sobre a origem da proibição do DDT. Quem defendeu a tese foi nada mais, nada menos, que um artigo do Wall Street Journal.

A patente do DDT estava prestes a expirar e a gigante Du Pont iria perder dinheiro.  Coincidentemente iniciou-se uma campanha para proibir o pesticida com base na alegação de que era cancerígeno.  O DDT foi proibido mundialmente e substituído por produtos também cancerígenos, porém patenteados.

Esse artigo especulava se a proibição dos CFCs não se tratava do mesmo golpe.

E sobre "privatizar para conservar" também acho que seja um pensamento ingênuo. Talvez a ganância desmedida, o egoísmo patológico e o tempo de vida limitado do homem expliquem melhor muitos comportamentos irresponsáveis.

Tudo depende do meio ambiente: a nossa sobrevivência e, claro, até a economia. Em algum momento deste século a humanidade irá enfrentar a maior crise de sua história e o caos irá se refletir também nas atividades econômicas, atingindo os mais ricos e grandes empresas.

Mas nem isso freia o aquecimento global e a indústria do petróleo financia os Trumps da vida para sabotar acordos vitais como o de Paris. É uma estratégia suicida, mas talvez seja estratégia de homens que não se  importam porque não estarão mais aqui quando a bomba realmente estourar.

E não é só o aquecimento, estamos agravando algumas dezenas de problemas ambientais seríssimos e o mais grave é que todas estas bombas convergem para explodir mais ou menos ao mesmo tempo.

Neste século um mundo cada vez mais voraz no consumo de combustíveis fósseis verá inexoravelmente o fim desse recurso e não há uma alternativa para o atual consumo de milhões de barris/dia. O crescimento da demanda por água potável não é acompanhado pela oferta, e esse recurso na verdade está se tornando mais escasso. Jà é na verdade o maior fator de tensão entre Ìndia e Paquistão, duas potências nucleares. A poluição de rios, lagos, mares e lençóis freáticos continua em ritmo acelerado, apesar de algumas soluções locais. O lixo não é um problema que não está sendo resolvido: são vários! Desde o lixo comum orgânico, a contaminação do meio ambiente por resíduos químicos e metais pesados, o indestrutível plástico, lixo hospitalar, lixo atômico, etc... O crescimento das áreas desérticas vem acelerando em todo o mundo desde a década de 1970, e em importantes países produtores de alimentos a camada arável do solo vem diminuindo como efeito das atuais técnicas de plantio. Florestas nativas e o recurso inestimável da biodiversidade continuam sendo extintos e a destruição de habitats naturais de alguns hospedeiros é uma ameaça à humanidade, porque doenças podem migrar para o ter o ser humano como vetor preferencial, como no caso do vírus ebola. Além disso o aumento da população e cada vez maior mobilidade global da nossa espécie potencializa em muito estes riscos. A elevação do nível dos mares obrigará o deslocamento de enormes populações que vivem em áreas litorâneas "baixas", como na ìndia, o que deve levar a uma desestabilização social, política e econômica de consequências inimagináveis... Enfim... imagine todos estes problemas e muitos outros alcançando seu ponto crítico mais ou menos ao mesmo tempo, ainda neste século.

Tudo indica que, como tudo mais, a economia irá entrar em colapso. Que a produção de riqueza irá desabar. E nem em face dessa realidade as grandes empresas estão fazendo o mínimo para preservar o seu próprio negócio: se comportam exatamente como os caçadores de búfalos das planícies do oeste, que em apenas uma geração extinguiram completamente o seu principal meio de vida.

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.091
Re:Liberalismo
« Resposta #236 Online: 14 de Janeiro de 2018, 20:48:54 »
Será que uma desregulamentação extrema iria ser uma boa solução para nós? Será que acabar com as legislações ambientais e com a fiscalização é uma boa coisa para o cidadão comum? Proibir que se desmate a Amazônia serve somente para cercear o direito do cidadão comum de investir o dinheiro dele onde ele bem entende ou será que serve para proteger o direito das pessoas de viverem em um ambiente saudável?

Desregulamentação no setor ambiental é uma boa ideia quando associada a direitos de propriedade privada em contratos voluntários que incentivam ou exigem preservação. Ver Guia Politicamente Incorreto da Economia Brasileira de Leandro Narloch. Mercado de carbono, privatização de reservas e de animais silvestres tem sido usados para ajudar a preservar o meio ambiente.

Animais silvestres e flora são propriedade do Estado. É aí que reside grande parte do problema, pois o que é de todos não é de ninguém. "Se você gosta da natureza, privatize-a": https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=89 

E uma coisa como poluição do ar é considerada atentado ao direito de propriedade mesmo no anarcocapitalismo (ver a opinião de Hans-Hermann Hoppe sobre o assunto). Se é coerente defender isso em todas as vertentes de pensamento político, aí isso é outra história.

Eu já tinha visto coisas neste sentido.

Você acredita que na prática isso iria funcionar? Se a Samarco fosse dona do meio ambiente que ela destruiu ela iria ter uma preocupação maior com as barragens dela?

Não me parece factível. Na teoria pode até parecer que tenha muita lógica, na prática não sei. Se o ser humano tivesse um pouco de bom senso até poderia ser.


Offline Gauss

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.247
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Liberalismo
« Resposta #237 Online: 15 de Janeiro de 2018, 20:43:58 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.
Acho que li no Mises certa vez que o DDT foi proibido por histeria baseado em um livro de ficção científica e porque poderia estar afetando uma espécie de ave. Depois, acho que vi um vídeo do Pirulla que ele dizia que altas concentrações de DDT realmente afetavam a a Águia-Careca, enfraquecendo o casco do ovo ou algo do gênero.

Mas, se o DDT afeta apenas a Águia-Careca, para que proibi-lo no mundo todo?
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Muad'Dib

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.102
Re:Liberalismo
« Resposta #238 Online: 16 de Janeiro de 2018, 08:15:49 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.
Acho que li no Mises certa vez que o DDT foi proibido por histeria baseado em um livro de ficção científica e porque poderia estar afetando uma espécie de ave. Depois, acho que vi um vídeo do Pirulla que ele dizia que altas concentrações de DDT realmente afetavam a a Águia-Careca, enfraquecendo o casco do ovo ou algo do gênero.

Mas, se o DDT afeta apenas a Águia-Careca, para que proibi-lo no mundo todo?

O problema do DDT é muito mais indiscriminado. Nós não vivemos em um mundo muito sério, mas nunca que se iria proibir algo no mundo (civilizado) inteiro baseado em uma histeria causada por um livro de ficção científica.

Os problemas do DDT (usado como pesticida, existe medicamentos que têm como base o DDT) são bem documentados. Eu vou dar uma procurada em algum artigo bom e depois eu posto neste mesmo post.

E, pelo menos no Brasil, a proibição não é geral. Em saúde pública se preconiza o uso do DDT para o combate do Anopheles (mosquito vetor da malária) em determinadas situações.

Dizer que "Nós temos problema com dengue em SP!!! Vamos esquecer o politicamente correto e combatê-lo com DDT..." é além do absurdo.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.471
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Liberalismo
« Resposta #239 Online: 22 de Janeiro de 2018, 19:27:35 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.
Acho que li no Mises certa vez que o DDT foi proibido por histeria baseado em um livro de ficção científica e porque poderia estar afetando uma espécie de ave. Depois, acho que vi um vídeo do Pirulla que ele dizia que altas concentrações de DDT realmente afetavam a a Águia-Careca, enfraquecendo o casco do ovo ou algo do gênero.

Mas, se o DDT afeta apenas a Águia-Careca, para que proibi-lo no mundo todo?

Não é só a águia careca. :hein:

Aves predadoras são mais suscetíveis porque vão consumindo mais animais que por sua vez também estão contaminados, algo assim.

O DDT ainda é usado em alguns casos mais específicos como no combate a malária, mas não é ideal para ser usado mais generalizadamente, pelo efeito tóxico em mais organismos, incluindo o humano.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.471
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Liberalismo
« Resposta #240 Online: 22 de Janeiro de 2018, 19:55:58 »
O Estado é visto no ideário liberal econômico como algo  que deve ser o mínimo possível  (e na ideologia liberal extremista conhecida como anarquia capitalista o Estado deve ser inexistente). Portanto o índice  do Heritage, que visa defender ideias liberais (econômicas), deveria refletir muito bem essa questão, ao invés de ocultá-la ou minimizá-la.
That's what you're saying.


Não é este o objetivo do índice. E liberdade econômica depende de vários fatores, não só o tamanho do estado. Senão a Somália seria líder do ranking... A eficiência do estado vale muito, principalmente em relação a leis e a garantia das mesmas.

Bem alto em alguns desses índices de liberdade de mercado está a Noruega, que é também paraíso "socialista" de estado gigantesco.

Offline Muad'Dib

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.102
Re:Liberalismo
« Resposta #241 Online: 22 de Janeiro de 2018, 21:00:52 »
Leandro Narloch era o caçador de mitos da Veja, não era? Eu já li um texto excelente dele sobre porque deveríamos abandonar a ideia idiota de não usar mais o DDT

É a personificação do bom senso.
Acho que li no Mises certa vez que o DDT foi proibido por histeria baseado em um livro de ficção científica e porque poderia estar afetando uma espécie de ave. Depois, acho que vi um vídeo do Pirulla que ele dizia que altas concentrações de DDT realmente afetavam a a Águia-Careca, enfraquecendo o casco do ovo ou algo do gênero.

Mas, se o DDT afeta apenas a Águia-Careca, para que proibi-lo no mundo todo?

http://www.scielo.br/pdf/asoc/v7n2/24690.pdf

Offline Gauss

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.247
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Liberalismo
« Resposta #242 Online: 22 de Janeiro de 2018, 22:34:38 »
O Estado é visto no ideário liberal econômico como algo  que deve ser o mínimo possível  (e na ideologia liberal extremista conhecida como anarquia capitalista o Estado deve ser inexistente). Portanto o índice  do Heritage, que visa defender ideias liberais (econômicas), deveria refletir muito bem essa questão, ao invés de ocultá-la ou minimizá-la.
That's what you're saying.


Não é este o objetivo do índice. E liberdade econômica depende de vários fatores, não só o tamanho do estado. Senão a Somália seria líder do ranking... A eficiência do estado vale muito, principalmente em relação a leis e a garantia das mesmas.

Bem alto em alguns desses índices de liberdade de mercado está a Noruega, que é também paraíso "socialista" de estado gigantesco.
Exemplo de país com leis que garantem liberdade ao indivíduo e que tem um sistema jurídico eficiente, cumpridor da lei. Nos índices de liberdade econômica, a única nota mais baixa da Noruega e dos outros países nórdicos é em relação aos gastos do governo, impostos e liberdade financeira.
https://www.heritage.org/index/country/norway

Para mim, o maior exemplo de estado liberal atualmente é a Nova Zelândia. Eles tinham um estado gigantesco e ineficiente (para os padrões neozelandeses) até os anos 1980.
https://www.heritage.org/index/country/newzealand
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!