Autor Tópico: Educação  (Lida 116 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.723
  • Sexo: Masculino
Educação
« Online: 27 de Fevereiro de 2018, 15:58:16 »

Tópico para assuntos e notícias relacionadas à educação.
« Última modificação: 27 de Fevereiro de 2018, 16:19:05 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.723
  • Sexo: Masculino
Re:Educação
« Resposta #1 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 15:58:55 »
E aqui uma notícia sobre um curso em estabelecimento público e com claro viés político:



UFBA E UFAM TAMBÉM CRIAM CURSO SOBRE O GOLPE


247 - A disciplina sobre o Golpe de 2016, idealizada pelo professor Luis Felipe Miguel na Universidade de Brasília (UnB) está se espalhando pelas universidades federais brasileiras.


Depois que a Unicamp reagiu à ameça de censura do ministro da Educação, Mendonça Filho, e resolveu também ofertar a disciplina para alunos de Ciência Política, mais duas universidades também irão ter disciplina sobre o golpe: a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Universidade Federal do Amazonas (UFAM).


Na UFBA, 22 professores da área de Humanas se juntaram para oferecer a disciplina "Tópicos Especiais em História: O golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil". A disciplina será oferecida pelo Departamento de História (FFCH-UFBA) e disponibilizada de forma eletiva para todos os departamentos e pós-graduações da UFBA.


Segundo a nota enviada pelo grupo de professores de História, Sociologia, Economia, Psicologia, Educação, Estudos de gênero, Ciência Política e Direito, a matéria está aberta ao público em geral, que poderá cursá-la como ouvinte.


Já na UFAM, a disciplina será oferecida pelo professor César Augusto Bulbolz Queiróz, do departamento de História, e deve abordar os seguintes tópicos: 1. Golpe de Estado, corporativismo e o legado autoritário da Era Vargas; 2. Golpes e contragolpes no breve período democrático (1945-1964); 3. O golpe civil-militar de 1964; 4. O golpe de 2016: autoritarismo, perda de direitos e reação conservadora.


Em nota ao site Manaus de Fato, o professor explicou a decisão de oferecer a disciplina. Leia abaixo:


” Vivemos sob tempos sombrios. O avanço das forças conservadoras sobre o conjunto de direitos que haviam sido conquistados pelos trabalhadores se faz constante. A Reforma Trabalhista vulnerabiliza as relações de trabalho e nos impõe um retrocesso de 80 anos! A insistência do governo em realizar a Reforma da Previdência ameaça a aposentadoria de milhões de brasileiros. Tentativas de cerceamento das atividades artísticas e acadêmicas estão virando rotina. A exposição cancelada no Santander, a performance no MAM/SP, os protestos contra a visita de Judith Butler e, agora, a ameaça do MEC de proibição da disciplina ofertada pelo professor Luis Felipe Miguel, da UnB, demonstram que a democracia está em risco e que devemos reagir de forma enérgica contra essas constantes tentativas de censura e aos ataques à autonomia intelectual e às artes. Caso contrário, corremos o sério risco de ficarmos reféns de um governo que pretende silenciar as vozes dissonantes. É uma grave ameaça ao Estado de Direito e à Democracia.


Felizmente, em várias Universidades percebemos uma rede de insatisfação com tais arbitrariedades e de solidariedade com o professor Luís Miguel, sendo que muitos professores vêm ofertando – de forma individual ou coletiva – disciplinas que têm o objetivo de discutir os acontecimentos mais recentes e, ao mesmo tempo, demonstrar que a sociedade não vai se calar diante dessas tentativas de cerceamento de suas atividades artísticas, acadêmicas e culturais. Ademais, diversas associações como a Associação Nacional de História (ANPUH) e a  Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (Compolítica) têm manifestado apoio ao docente e demonstrado seu repúdio à ameaça de cerceamento da autonomia acadêmica e às liberdades democráticas e constitucionais.


Neste sentido, considerando o contexto político vivenciado pelo país e a tentativa de cerceamento da autonomia universitária, ofertarei nesse semestre uma disciplina que discutirá o tema “Golpes de Estado, autoritarismo e repressão no Brasil Republicano”, buscando abordar, por meio da bibliografia sobre o tema, os golpes de Estado e as crises institucionais vividas no país entre os anos de 1930 e 2018. O objetivo é discutir a tradição autoritária estabelecida no Brasil e demonstrar que o golpe de 2016 se insere em um contexto de disputas políticas que podem ser analisadas na esteira de outras conjunturas de nossa história recente. Assim, dividi a disciplina em tópicos, nos quais pretendo analisar o corporativismo e o legado autoritário da Era Vargas; os golpes e contragolpes no breve período democrático (1945-1964); o golpe civil-militar de 1964 e o golpe de 2016: autoritarismo, perda de direitos e reação conservadora. Analisar de forma crítica a história recente do Brasil é sempre uma oportunidade de refletir sobre nosso presente. E, nesses tempos sombrios, é necessário repensar a importância da atuação do historiador em um momento em que as sombras do passado, fortalecidas pelas mentiras e omissões do presente, teimam em espreitar nossas janelas. Para Hobsbawm, “é comum hoje governos e meios de comunicação inventarem um passado. […] É vital o historiador lutar contra a mentira. O historiador não pode inventar nada, e sim revelar o passado que controla o presente às ocultas”. É bom lembrar isso quando discursos autoritários que  defendem a censura e as intervenções voltam a nos assombrar “.



https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/344207/UFBA-e-UFAM-tamb%C3%A9m-criam-curso-sobre-o-golpe.htm



« Última modificação: 27 de Fevereiro de 2018, 16:01:14 por JJ »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.583
  • Sexo: Masculino
Re:Educação
« Resposta #2 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 16:13:59 »
Eu adoraria participar de um "curso" como este.
Foto USGS

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.723
  • Sexo: Masculino
Re:Educação
« Resposta #3 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 16:25:53 »
Eles criarem um curso deste (mesmo que eletivo) num momento em que  há um projeto de lei que justamente versa sobre doutrinação em escolas públicas,  deverá servir para fazer esquentar o debate sobre o assunto.  E para piorar ainda estamos num ano eleitoral.

Com isso eles estão dando munição para os apoiadores do  "Projeto Escola sem Partido".
« Última modificação: 27 de Fevereiro de 2018, 16:29:28 por JJ »

Offline AlienígenA

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.682
Re:Educação
« Resposta #4 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 16:34:33 »
Minha filha, que está cursando o médio numa escola técnica federal, tem dia que chega em casa esgotada dessas, como diz ela, sessões de tortura que são as aulas de humanas. E aí somos nós que sofremos, porque ela precisa por tudo que teve que engolir para fora. :sleepy:

O nível, que já era questionável, despencou depois do impeachment. Tá feio o negócio!  :umm:

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.723
  • Sexo: Masculino
Re:Educação
« Resposta #5 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 16:39:19 »

Mas parece que nem tudo está perdido nas IFES, aqui eu achei este curso,também eletivo, sendo oferecido numa IFES:


UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA

PLANO DE CURSO

DISCIPLINA: MERCADO E ESTADO NO PENSAMENTO LIBERAL

PROFESSOR: DR. RICARDO ALAGGIO RIBEIRO

DISCIPLINA: ELETIVA

CARGA HORÁRIA: 60 HS

CREDITOS: 4 HS

CARÁTER: ELETIVA

EMENTA:

A antinomia Estado/Mercado. Teoria política do liberalismo econômico. Argumentos políticos nos economistas clássicos, neoclássicos e neoliberais. Mercado versus Estado no pensamento econômico dos séculos XVIII e XIX: Smith, Ricardo, Stuart Mill, List, Walras, Marshall. O debate na primeira metade do século XX - Von Mises, Hayek, Robbins. Neoliberais versus keynesianos. Neoliberalismo do pós-guerra: a) Hayek, Popper e o caminho da servidão; b) James Buchanan e a escola de Virgínia; c) O panorama visto dos trópicos: Roberto Campos, Eugenio Gudin, cepalinos e reformadores.


OBJETIVOS

• Discutir as trajetórias do liberalismo econômico e político nas sociedades modernas e considerar as questões pontuais sobre o mercado e o papel do
Estado que se apresentam ao longo desses processos.

• Contribuir para a formação dos participantes nos campos da Ciência Política e de ciências afins relacionados com a temática da disciplina, procurando
inclusive indicações para seus trabalhos de pesquisa (dissertação).



Vejam aqui o programa completo:


http://www.leg.ufpi.br/subsiteFiles/cienciapolitica/arquivos/files/2016_1_Mercado%20e%20Estado%20no%20pensamento%20liberal.pdf



« Última modificação: 27 de Fevereiro de 2018, 16:42:16 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.723
  • Sexo: Masculino
Re:Educação
« Resposta #6 Online: 27 de Fevereiro de 2018, 16:41:41 »
Ainda há esperança.   
« Última modificação: 27 de Fevereiro de 2018, 20:14:21 por JJ »

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!