Autor Tópico: Alimentos  (Lida 212 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.397
  • Sexo: Masculino
Alimentos
« Online: 08 de Janeiro de 2018, 10:26:10 »

Lei que proíbe jogar alimentos fora vira exemplo mundial


Medida tomada em 2016 na França proibiu supermercados de jogar alimentos no lixo. Apenas 11% dos 7,1 milhões de toneladas dos alimentos desperdiçados do País saem desses estabelecimento

Daniel Castellano/Arquivo Gazeta do Povo

Desperdício de alimentos em Curitiba: na França, cena poderia gerar multa | Daniel Castellano/Arquivo Gazeta do Povo

Desperdício de alimentos em Curitiba: na França, cena poderia gerar multa

07/01/2018 |  18h58 |  The Christian Science Monitor


A cozinha francesa é a mais famosa do mundo. Mas o país vem ganhando destaque não apenas na mesa, mas na lata de lixo também.


Em fevereiro de 2016, a França tornou-se o primeiro país do mundo a proibir os supermercados de jogar alimentos fora. Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados. Os estabelecimentos que não cumprem a legislação são multados.


A legislação também determina que as escolas ensinem os alunos sobre a sustentabilidade e que as empresas disponibilizem estatísticas de resíduos alimentares em relatórios. Os restaurantes são obrigados a disponibilizar sacos para levar a comida embora.


Doutora em sociologia da Sciences Po, em Paris, Marie Mourad é autora de vários estudos sobre o desperdício de alimentos. Ela diz que “a França não é o país que menos desperdiça alimentos no mundo, mas se tornou um dos mais proativos”.


Exemplo mundial


Os esforços da França não passaram despercebidos. O país obteve a melhor posição no Índice de Sustentabilidade Alimentar de 2017, uma pesquisa de 25 países em toda a Europa, Oriente Médio, Ásia e as Américas, conduzido pelo Economist e Barilla Center for Food and Nutrition Foundation (BCFN). Cada francês desperdiça 234 quilos de comida por ano, de acordo com o relatório do BCFN, uma média drasticamente melhor do que os 430 quilos dos americanos.


O desperdício de alimentos é um problema global. Todos os anos, cerca de 1,3 bilhão de toneladas, ou um terço de todos os alimentos produzidos, são descartados, de acordo com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Recuperar apenas 25% desse alimento desperdiçado poderia alimentar 870 milhões de pessoas famintas - efetivamente acabando com a fome do mundo.


Aniele Nascimento/Gazeta do Povo


A lei melhora não apenas a quantidade de alimentos doados, dizem especialistas, mas também a qualidade.

Se o desperdício de alimentos fosse um país, seria o terceiro maior emissor de gases de efeito estufa, perdendo apenas para os Estados Unidos e China. “O desperdício de alimentos é um problema muito urgente”, diz Jason Clay, vice-presidente sênior de alimentos e mercados no World Wildlife Fund. “Nos EUA, não temos pessoas no governo que pensam muito em desperdício de alimentos”, diz o Clay. “Isso nos separou da França: eles têm pessoas que abordaram esta questão politicamente”.


Membro da Assembleia Nacional da França, Guillaume Garot ajudou a criar a legislação com sua experiência anterior como ex-ministro júnior da indústria de alimentos - um cargo que, por si só, prova a dedicação da França à questão, dizem especialistas.


No entanto, a França não está sozinha neste campo. Ao longo da última década, a Grã-Bretanha demonstrou muito sucesso nas estatísticas, diz Craig Hanson, diretor global de alimentos, florestas e água no World Resources Institute, e a Dinamarca lançou iniciativas inovadoras.


A lei da França é nova, mas apenas 11% dos 7,1 milhões de toneladas dos alimentos desperdiçados do País saem dos supermercados. Mas para Clay e Mourad, a lei é importante simbolicamente. Nem os Estados Unidos, nem a Grã-Bretanha ou a Dinamarca, têm legislação governamental comparável.


Antes da lei de 2016, os supermercados franceses doavam 35 mil toneladas por ano, cerca de um terço da oferta, disse Jacques Bailet, presidente da rede Banques Alimentaires, em 2016. Se os supermercados pudessem aumentar as doações em apenas 15%, isso significaria mais 10 milhões de refeições para franceses por ano.


A lei melhora não apenas a quantidade de alimentos doados, dizem especialistas, mas também a qualidade. “A luta contra o desperdício de alimentos deve se tornar uma grande causa nacional, como a segurança rodoviária, que mobiliza todos”, afirma Garot.

ASSINE A GAZETA DO POVO E TENHA ACESSO ILIMITADO AS ANÁLISES E TENDÊNCIAS DO MERCADO DO AGRONEGÓCIO.


http://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/agricultura/lei-que-proibe-jogar-alimentos-fora-vira-exemplo-mundial-3m4jleeqk1exidd8hnjalam5n?utm_source=gazeta-do-povo&utm_medium=box-lista&utm_campaign=mais-quente-dia



Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.074
  • Sexo: Masculino
Re:Alimentos
« Resposta #1 Online: 08 de Janeiro de 2018, 15:02:36 »
Citar
Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados

No restaurante self-service onde eu almoçava há algum tempo atrás, via sempre já no final do horário de almoço que ainda tinha muita comida nas gôndolas. Uma vez perguntei à dona (que ficava no caixa) o que ela fazia com o que sobrava. Ela me disse que alguns moradores de rua vinham sempre pegar marmitas, e o resto ela jogava fora. Perguntei por que ela não doava. Ela me disse que no passado doava, mas parou por ver outros restaurantes que tiveram problemas sérios: eles doavam comida e alguém passou mal por ela estar supostamente estragada, e o restaurante foi multado e até fechado por um tempo. Ela disse que em casos assim o restaurante tem que provar que a comida não estava estragada, o que é praticamente impossível, pois a comida pode ter estragado na instituição que a recebeu.
"Deus prefere os ateus"

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.682
  • Sexo: Masculino
Re:Alimentos
« Resposta #2 Online: 08 de Janeiro de 2018, 16:18:28 »
Citar
Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados

No restaurante self-service onde eu almoçava há algum tempo atrás, via sempre já no final do horário de almoço que ainda tinha muita comida nas gôndolas. Uma vez perguntei à dona (que ficava no caixa) o que ela fazia com o que sobrava. Ela me disse que alguns moradores de rua vinham sempre pegar marmitas, e o resto ela jogava fora. Perguntei por que ela não doava. Ela me disse que no passado doava, mas parou por ver outros restaurantes que tiveram problemas sérios: eles doavam comida e alguém passou mal por ela estar supostamente estragada, e o restaurante foi multado e até fechado por um tempo. Ela disse que em casos assim o restaurante tem que provar que a comida não estava estragada, o que é praticamente impossível, pois a comida pode ter estragado na instituição que a recebeu.

o problema é sempre esse mesmo. os restaurantes não doam comida porque se alguém passar mal dá problema. Se doar, tem que fazer informalmente.

O Doria por exemplo estava sugerindo criar aquele suplemento com os restos de alimentos, com a vantagem que seria algo com padrão de qualidade. Aí todo mundo achou ruim e apelidou aquilo de ração. Não percebem que a alternativa das pessoas que se beneficiariam disso é comer restos doados ou do lixão mesmo.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.397
  • Sexo: Masculino
Re:Alimentos
« Resposta #3 Online: 08 de Janeiro de 2018, 17:59:19 »
Citar
Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados

No restaurante self-service onde eu almoçava há algum tempo atrás, via sempre já no final do horário de almoço que ainda tinha muita comida nas gôndolas. Uma vez perguntei à dona (que ficava no caixa) o que ela fazia com o que sobrava. Ela me disse que alguns moradores de rua vinham sempre pegar marmitas, e o resto ela jogava fora. Perguntei por que ela não doava. Ela me disse que no passado doava, mas parou por ver outros restaurantes que tiveram problemas sérios: eles doavam comida e alguém passou mal por ela estar supostamente estragada, e o restaurante foi multado e até fechado por um tempo. Ela disse que em casos assim o restaurante tem que provar que a comida não estava estragada, o que é praticamente impossível, pois a comida pode ter estragado na instituição que a recebeu.



Sim, existe esse problema mesmo, e isto é um incentivo  (negativo) que faz com que não compense doar de maneira formal para alguma instituição.  Mais uma vez temos um Estado com burocratas com supostas boas intenções, que no final das contas incentivam o desperdício.







Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.397
  • Sexo: Masculino
Re:Alimentos
« Resposta #4 Online: 08 de Janeiro de 2018, 18:02:48 »
Citar
Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados

No restaurante self-service onde eu almoçava há algum tempo atrás, via sempre já no final do horário de almoço que ainda tinha muita comida nas gôndolas. Uma vez perguntei à dona (que ficava no caixa) o que ela fazia com o que sobrava. Ela me disse que alguns moradores de rua vinham sempre pegar marmitas, e o resto ela jogava fora. Perguntei por que ela não doava. Ela me disse que no passado doava, mas parou por ver outros restaurantes que tiveram problemas sérios: eles doavam comida e alguém passou mal por ela estar supostamente estragada, e o restaurante foi multado e até fechado por um tempo. Ela disse que em casos assim o restaurante tem que provar que a comida não estava estragada, o que é praticamente impossível, pois a comida pode ter estragado na instituição que a recebeu.

o problema é sempre esse mesmo. os restaurantes não doam comida porque se alguém passar mal dá problema. Se doar, tem que fazer informalmente.

O Doria por exemplo estava sugerindo criar aquele suplemento com os restos de alimentos, com a vantagem que seria algo com padrão de qualidade. Aí todo mundo achou ruim e apelidou aquilo de ração. Não percebem que a alternativa das pessoas que se beneficiariam disso é comer restos doados ou do lixão mesmo.


Sim, seria algo feito dentro de boas normas, mas parece que o esquerdismo doentio de alguns esquerdistas fez com que aproveitassem para usar o fato politicamente, e assim faturar politicamente em cima disso. Faz pensar que eles não estão realmente interessados em minimizar a fome e a desnutrição se não for do jeito deles. E normalmente o jeito deles é tascar mais impostos em cima dos pagadores de impostos.



« Última modificação: 08 de Janeiro de 2018, 18:13:08 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.397
  • Sexo: Masculino
Re:Alimentos
« Resposta #5 Online: 08 de Janeiro de 2018, 18:12:17 »
Citar
Lá, os mercados devem doar alimentos não utilizados
Ela disse que em casos assim o restaurante tem que provar que a comida não estava estragada, o que é praticamente impossível, pois a comida pode ter estragado na instituição que a recebeu.


E mesmo que parte da comida não estivesse boa deveria ser passada a responsabilidade para quem fosse consumi-la.  A pessoa que fosse consumir é que deveria ser responsável por considerá-la como aceitável ou não.



 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!