Autor Tópico: Tempos ruins para o ceticismo/ateismo no Brasil  (Lida 7338 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Agnoscetico

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 2.011
  • Sexo: Masculino
Re:Tempos ruins para o ceticismo/ateismo no Brasil
« Resposta #100 Online: 03 de Dezembro de 2016, 03:48:46 »

http://iehouah.blogspot.com/2015/04/email-falso-sobre-extremistas-budistas.html

Email falso sobre extremistas budistas serve a finalidades piores.

Uma corrente de e-mails circula pela internet entre cristãos de todo o mundo, e espalha boatos de que cristãos estariam sendo perseguidos na Índia, por budistas de orientação extremista.

O texto do e-mail que circula entre cristãos brasileiros, pede que os fiéis orem pelos irmãos missionários e afirma que igrejas foram destruídas e outras igrejas fariam parte dos alvos estabelecidos pelos extremistas:


Orai pela Igreja na Índia. Extremistas budistas na Índia incendiaram 20 igrejas na noite passada. Esta noite querem destruir, mais 200 igrejas na província de Olisabang. Eles querem matar 200 missionários, nas próximas 24 horas. Todos os cristãos estão escondidos em aldeias. Ore por eles e envie esta mensagem a todos os cristãos que você conhece. Peça a Deus para ter misericórdia de nossos irmãos e irmãs da Índia

Porém, o pastor adventista Bill Cork, publicou em seu blog “Advent Hope”, informações que desmentem o e-mail. Segundo Cork, na Índia não há províncias, e sim, estados, e não há nenhuma região chamada de Olisabang: “Essa informação é falsa. Que eu saiba, não existem grupos extremistas budistas na Índia, embora existam alguns em Sri Lanka”, afirma o pastor.

O site Mission Network News entrevistou o reverendo Samuel Stephens, líder da India Gospel Leagues, organização missionária dedicada a levar o evangelho à região. Stephens afirmou que o e-mail, na verdade, é falso: “Se isso fosse verdade, eu teria sido um dos primeiros a receber tais informações por causa da presença de nossa extensa rede de pastores e plantadores de igrejas espalhados por boa parte do país. Além disso, não existem províncias na Índia. Temos estados e distritos. Não há estado ou distrito chamado Olisabang”, observa.

O e-mail circula entre cristãos de todo o mundo há pelo menos dois anos, e em vários países, veículos de imprensa especializados já desmentiram o boato.

O reverendo Samuel Stephens ressalta que o relacionamento entre cristãos e budistas na Índia é amistoso e pacífico: “Sou levado a crer que essa mensagem é uma tentativa deliberada e planejada por extremistas hindus a danificar o bom relacionamento entre budistas e cristãos. É intencionalmente enviada para criar animosidade entre estes dois grupos”, afirma.

Apesar de um certo achismo, destaquei esse comentário aqui por ter mais haver com a realidade religiosa:

Budistas, no geral, são aversos a qualquer tipo de confronto, mesmo porque a essência de sua doutrina prega a não violência e a paz como base de seus valores e regras comportamentais.E na Índia, berço do budismo, essa filosofia espiritual é mais presente na região do Himalaia.Não faz sentido esse tipo de notícia.Budistas não interferem na prática missionária de outras religiões, muito menos tomam atitudes violentas contra comunidades que professam outras religiões.No Sri Lanka e no Tibete o contexto político e social é a força motora de atitudes mais drásticas por parte de seguidores do budismo, e nesses países não existem uma motivação religiosa.Cristãos geralmente sofrem da síndrome da perseguição na Ásia, e facilmente esquecem os séculos de violência e perseguição que promoveram contra culturas que expressavam uma doutrina espiritual diferente da sua.
Responder Comentar
Paulo Agnóstico disse:
19 de julho de 2012 ás 11:39 pm





Offline El Elyon

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 609
  • Sexo: Masculino
Re:Tempos ruins para o ceticismo/ateismo no Brasil
« Resposta #101 Online: 03 de Dezembro de 2016, 23:43:33 »
Citação de: Agnoscético
   A presença de símbolos religioso como cruzes é uma questão menor. Mas que não tem sentido sem manter eles não tem. Além da questão da parcialidade, já que não se vê símbolos de outras religiões como    E isso não é visto como um problema grave pros ateus como um todo; claros que tem os que implicam com isso. Até porque há símbolos de origem mística ou pagã em cédulas. A implicância se demonstra ser maior entre religiosos de crenças judaico-cristãs.

Certo - o que é um ponto menor e nós concordamos.

Citação de: Agnoscetico
   Sociedade atéia uma vírgula.
E mesmo assim até parece que essas sociedades comunistas, maoistas, etc, mesmo com aparelhagem e poderio militar mais avançados que da época da Inquisição, não conseguiu acabar com crenças e filosofias tradicionais nos países asiáticos comunistas (Budismo, Confucionismo, Taoísmo, culto aos ancestrais, etc) e nos países da ex-URSS (igreja ortodoxa). Já sobre religiões pagãs na Europa e em muitos locais de países islâmicos não se pode dizer o mesmo; onde foi mantido a crença gregco-romana, celta, germânica, escandinava, etc? [Não vale citar o neopaganismo, que é uma revisão descontextualizada das religiões].

Como eu já coloque antes (e essa não será a primeira vez que reclamarei por não ler o que escrevi de antemão) - sociedade ateia foi um deslize meu. O ateísmo estatal em nações socialistas eurasiáticas era um fenômeno de elite, imposto a uma maioria de pessoas religiosas.

Citação de: Agnoscetico
Não seria esses religiosos perseguidos por serem contra o regime e não por serem religiões em si? Assim como católicos e protestantes que foram perseguidos especificamente por se oporem a Hitler e não o Catolicismo ou Protestantismo em si e os simpatizantes do regime.

Sim - também foram perseguidos por representarem um sinal de oposição política ao Regime - raramente um grupo é perseguido apenas por um motivo.

Entretanto, você está usando a mesma desculpa que Católicos usam para dizer que a Inquisição Espanhola (e estou me restringindo a ela por ser a que conheço melhor) era um fenômeno político, devido a participação e apoio dos monarcas de Castela e Aragão ao seu estabelecimento, da percepção de risco que os conversos, mudejares e moriscos representavam à unidade religiosa-politica pretendida pela Coroa e do fato que diversas execuções eram feitas por agentes da Coroa, não da Igreja. E claro, que não era a Igreja como um todo que apoiava isso, além da maioria dos investigados não serem punidos (geralmente eram chamados de relapsos e se indicava melhor educação religosa) e que havia oposição dentro da própria Igreja. Todos argumentos acima são verdadeiros (e valem também para ateus russos não-socialistas), mas não negam o fato trivial - o ateísmo militante foi elemento que motivou a ação repressiva na URSS.

Citar
E os ateus que eram contra regime comunista e teriam sido perseguidos? Levou isso em consideração?

Sim, levei. Mas para que seu argumento faça sentido, você precisa encontrar um equivalente da Liga dos Ateus Militantes, só que dedicada a perseguir especificamente ateus/agnósticos na URSS (ou nação equivalente).

Citação de: Agnoscetico
Hoje o "neocomunismo" de Putin anda tendo relações com igreja ortodoxa contra gays, "decadência moral" americana, etc.

Não apenas hoje - a URSS também tem um histórico incrivelmente complexo com movimento LGBT, oscilando entre períodos de abertura (Lênin e Krushev) com severa opressão e perseguição (Stálin). A China não é dissimilar nisso, e Cuba até hoje tem cláusulas constitucionais que proíbem a união civil homossexual (algo que deve dar inveja à certos ultra-conservadores pelo mundo  :P)

Citar
Tem que ver que muitas perseguições comunistas a religiões deve ter particularidades de cada regime em si e não do comunismo como todo. Hugo Chavez e Evo Morales, entre outros comunistas já até afirmaram que Jesus tinha características mais pro comunismo do que capitalismo, coisas tipo dividir bens, etc. Hugo Chavez fez até sinal da cruz contra Bush.

Certo - mas isso em nada muda meu argumento.  :)

Citação de: Agnoscetico
Não sei de evidências e não apenas opiniões vagas de que ateus tem inclinação histórica pra esquerda ou se foram empurrados por não terem opção. Tipo "o inimigo do meu inimigo é meu amigo (pelo menos até o inimigo comum ser tirado de cena)"

Lembra-se que reclamei que não lê o que escrevo? Hora de me repetir - há evidências da inclinação de ateus/agnósticos à Esquerda e eu já coloquei nessa discussão, vide aqui.
"As long as the Colossus stands, Rome will stand, when the Colossus falls, Rome will also fall, when Rome falls, so falls the world."

São Beda.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.979
  • Sexo: Masculino
Re:Tempos ruins para o ceticismo/ateismo no Brasil
« Resposta #102 Online: 04 de Dezembro de 2016, 00:55:18 »
[...]
Não apenas hoje - a URSS também tem um histórico incrivelmente complexo com movimento LGBT, oscilando entre períodos de abertura (Lênin e Krushev) com severa opressão e perseguição (Stálin). A China não é dissimilar nisso, e Cuba até hoje tem cláusulas constitucionais que proíbem a união civil homossexual (algo que deve dar inveja à certos ultra-conservadores pelo mundo  :P)
[...]

Os bolcheviques eram contra o homossexualismo. A tolerância ocorria apenas com membros importantes do PC, desde que estes não se expusessem.

Para os demais, todos inferiores na hierarquia, o comportamento homossexual explícito era punido com repreensão, deportação ou fuzilamento.
Foto USGS

Offline El Elyon

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 609
  • Sexo: Masculino
Re:Tempos ruins para o ceticismo/ateismo no Brasil
« Resposta #103 Online: 04 de Dezembro de 2016, 01:27:18 »
Citação de: Geotecton
Os bolcheviques eram contra o homossexualismo. A tolerância ocorria apenas com membros importantes do PC, desde que estes não se expusessem.

Para os demais, todos inferiores na hierarquia, o comportamento homossexual explícito era punido com repreensão, deportação ou fuzilamento.

Não exatamente - se considerar que os bolcheviques foram os principais responsáveis pela Revolução Russa (embora a segunda revolução foi mais um pustch contra os Brancos seguido de quase uma década de guerra civil), eles tinham posição razoavelmente liberais durante esse período, já que ela não era criminalizada nos códices legais de 1917 (na Rússia - a situação em outras regiões era distinta) e há indícios ambíguos que essa seria a postura a ser seguida de acordo com o ramo Internacionalista do PC (embora a homossexualidade ainda era vista como uma patologia em compêndios médicos - algo que perdurou até os anos 70 no DSM, por exemplo). A mudança de postura ocorreu com a ascensão de Stalin e do maior foco em supressão em atividades anticomunistas, onde convenientemente homossexuais foram igualizados à pederastas e fascistas/capitalistas decadentes. E como a URSS era o modelo para outras nações socialistas, a mesma atitude foi encontrada na Albânia, China e Cuba.

E respondo algo que só notei agora:

Citação de: Gauss
Tenho dúvidas quanto a veracidade dessa afirmação. Quem eram esses ateus?

Majoritariamente, aqueles ocidentais com simpatias (mas que não são necessariamente apoiadores explícitos) ao Socialismo, especialmente antes da Invasão Húngara de 56 - como o casal Beauvoir e Sartre, Merleau-Ponty e Ernst Bloch, além de alguns dos Frankfurtianos (embora eu deixo esses para alguém que os compreenda melhor, eu sou influenciado demais por anglo-saxões para querer entendê-los a fundo).

Dito isso, admito a escassez de evidência de larga escala para o passado (estudos sobre secularistas/não-religiosos/ateus/agnósticas são bastante recentes) e que basicamente estou assumindo que as simpatias com a esquerda vistas atualmente são válidas para tal período.
« Última modificação: 04 de Dezembro de 2016, 02:15:16 por El Elyon »
"As long as the Colossus stands, Rome will stand, when the Colossus falls, Rome will also fall, when Rome falls, so falls the world."

São Beda.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!