Autor Tópico: Imagens de momentos históricos  (Lida 60617 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 23.847
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #875 Online: 23 de Fevereiro de 2017, 15:22:23 »

A father stares at the hand and foot of his five-year-old daughter, severed as a punishment for having harvested too little rubber.
https://en.wikipedia.org/wiki/Leopold_II_of_Belgium
"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.308
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #876 Online: 23 de Fevereiro de 2017, 15:36:15 »

A father stares at the hand and foot of his five-year-old daughter, severed as a punishment for having harvested too little rubber.
https://en.wikipedia.org/wiki/Leopold_II_of_Belgium

Para quem tem filho, a cena é mais chocante.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #877 Online: 23 de Fevereiro de 2017, 20:08:48 »

A father stares at the hand and foot of his five-year-old daughter, severed as a punishment for having harvested too little rubber.
https://en.wikipedia.org/wiki/Leopold_II_of_Belgium

[espantalho]
Ainda bem que temos como guia o 'farol da civilização européia' a iluminar a todos os demais 'selvagens' do planeta.
[/espantalho]
Foto USGS

Offline Pagão

  • Nível 37
  • *
  • Mensagens: 3.451
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #878 Online: 24 de Fevereiro de 2017, 08:04:57 »


O guia ainda resiste...Ontem como hoje ainda é a esperança de muitos chegarem à civilização... 8-)



Nenhuma argumentação racional exerce efeitos racionais sobre um indivíduo que não deseje adotar uma atitude racional. - K.Popper

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #879 Online: 24 de Fevereiro de 2017, 09:27:08 »


O guia ainda resiste...Ontem como hoje ainda é a esperança de muitos chegarem à civilização... 8-)

A imagem acima é uma foto real ou é uma montagem?

P.S.

É montagem.
Foto USGS


Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.941
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #881 Online: 24 de Fevereiro de 2017, 10:11:01 »

A father stares at the hand and foot of his five-year-old daughter, severed as a punishment for having harvested too little rubber.
https://en.wikipedia.org/wiki/Leopold_II_of_Belgium

Como o ser humano pode ser tão maldito às vezes...


Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.308
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #882 Online: 24 de Fevereiro de 2017, 10:15:58 »

A father stares at the hand and foot of his five-year-old daughter, severed as a punishment for having harvested too little rubber.
https://en.wikipedia.org/wiki/Leopold_II_of_Belgium

Como o ser humano pode ser tão maldito às vezes...



Eu acho que eles não veem os nativos da África como humanos.

Mas é triste pensar que os africanos de algumas regiões matam e esquartejam (não necessariamente nesta ordem) crianças albinas para fazer feitiços.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Shadow

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.446
  • "Alguns teóricos dos antigos astronautas...."
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #883 Online: 24 de Fevereiro de 2017, 10:20:55 »
Essa foto parece tratada. Encontrei uma outra versão:



Com mais algum acréscimo...



E os caras da Força Publica:

https://en.wikipedia.org/wiki/Force_Publique





Nunca nada é tão simples...

Atrocities

Under Leopold a major purpose of the Force was to enforce the rubber quotas and other forms of forced labor. Armed with modern weapons and the chicotte—a bull whip made of hippopotamus hide—soldiers of the FP often took and mistreated hostages. Reports from foreign missionaries and consular officials detail a number of instances where Congolese men and women were flogged or raped by soldiers of the Force Publique, unrestrained by their officers and NCOs. They also burned recalcitrant villages and there is evidence, including photographs, that FP soldiers cut off human hands either as trophies or to show that bullets had not been wasted.[3]

During the Free State period, the Force Publique suffered from institutional problems. During the early years of the force, mutinies of black soldiers occurred several times. By the early 1890s, much of the eastern portion of the Free State was under the control of Arab ivory and slave traders (though the Government was able to re-establish control over the east by the mid-1890s).[4] Organizational problems were also quite prevalent during the Free State era. With many Force Publique detachments being stationed in remote areas of the territory, some officers took to using soldiers under their control to further private economic agendas rather than focusing on military concerns.[5] By the end of 1891, the force had 60 officers, 60 non-commissioned officers, and 3,500 black soldiers. Friendly tribes and militias were often used to help exert control over the outermost parts of the Free State.[6]



Under Belgian rule
Organisation and role
The Force Publique in German East Africa during World War I

Following the takeover of the Free State by the Belgian Government in 1908, the Force Publique was organised into 21 separate companies (originally numbered but were later known only by their names), along with an artillery and an engineers unit containing over 12,100 men. The companies were as follows: Aruwimi, Bangala, Bas-Congo, Cateracts, Équateur, Ituri, Kasai, Kwango, Lac Léopold II, Lualaba, Lulongo, Makrakas, Makua-Bomokandi, Ponthiérville, Rubi, Ruzizi-Kivu, Stanley Falls, Stanley Pool, Ubangi, and Uele-Bili.

There were also six recruit training camps containing over 2,400 men. These Force Publique companies eventually grew to over 600 men each but their constituent units known as detachments were so widely scattered that the force had no real military value. It was intended that each administrative company form a Compagnie Marche of 150 men. Each Marche or field company was intended to have four Belgian officers and NCOs plus between 100 and 150 askaris (African soldiers). In principle companies comprised two or three 50-man platoons. There were supposed to be enough companies to form three Marche battalions. There were eight Congolese NCOs as part of this establishment.

Belgian officers and NCOs replaced nearly all the multi-national Europeans who had been employed under the Free State. The 2,875 men of the Troupes de Katanga constituted a semi-autonomous force of six companies: four de marche and two other infantry, plus a cyclist company and a battalion headquarters. In addition there was the Compagnie d'Artillerie et de Génie (Artillery and Engineers Company) manning Fort Boma at the mouth of the Congo River in Boma. Fort Boma contained eight 160mm guns manned by 200 men, who saw little or no service during the war.

In 1914, the Force Publique, inclusive of the Katanga companies, totalled about 17,000 askaris with 178 white officers and 235 white NCOs. The majority served in small static garrisons called poste with a primarily police role. With the outbreak of World War I, the Katangese units were organized in battalions (Ie, IIe, and IIIme) for military service in Northern Rhodesia and the eastern frontier districts of the Congo. The FP was able to assemble another battalion from smaller units; originally called the IIIe but changed to the 11e to avoid confusion with the Katanga IIIme battalion.

Much had been done to remedy the worst excesses of the Free State period and the Force Publique had become a more typical colonial army — well disciplined but with an inevitably repressive role. Most askaris were armed with single shot 11 mm Albini Rifles. They continued to wear the blue uniform (with red trim around the neck and down the front opening), red fez and sash of the Free State period until replaced by khaki during 1915–17. Initial enlistment was for a period of seven years.

Other weapons included the Maxim machine-guns and Nordenfelt 4.7 cm and Krupp 7.5 cm cannons.

« Última modificação: 24 de Fevereiro de 2017, 10:29:51 por Shadow »
"Who knows what evil lurks in the hearts of men? The Shadow knows..."

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.823
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 23.847
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #885 Online: 25 de Fevereiro de 2017, 09:03:45 »
http://www.cracked.com/article_24441_5-creepy-true-stories-that-put-horror-movies-to-shame.html

#4

Bacana. Eu estava lendo o livro "O Coração das Trevas" (0800 no Kindle Unlimited) e fiquei curioso sobre o assunto. O cara que coleciona cabeças e transformou mãos humanas em moeda corrente, sem jamais deixar de encerar o bigode.



E elefantes deviam ser igual a gado, pela quantidade insana de marfim que eles retiravam da África...

"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.860
  • Love it or Hate it
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #886 Online: 12 de Março de 2017, 01:14:58 »
Einstein & Chaplin.


Skorpios

  • Visitante
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #887 Online: 02 de Maio de 2017, 08:26:54 »


Citar
35 anos do afundamento do cruzador argentino ‘General Belgrano’

No dia 2 de maio de 1982, por volta das 18h30, o submarino nuclear britânico HMS Conqueror disparou três torpedos Mk.8 de tiro reto à proa do cruzador General Belgrano, à distância de apenas 1.380 jardas (1.255m). O primeiro torpedo explodiu na proa do cruzador, e o segundo próximo à sua superestrutura. Vinte minutos depois do ataque, o comandante do cruzador ordenou à tripulação o abandono do navio, em balsas salva-vidas infláveis, que aparecem na foto do alto na cor laranja. Navios argentinos e chilenos resgataram 770 tripulantes do General Belgrano do mar, entre os dias 3 e 5 de maio. Um total de 323 homens pereceu no ataque, entre eles dois civi



O cruzador General Belgrano era o ex-USS Phoenix da classe “Brooklin”, de 13.500t de deslocamento. Estava armado com 15 canhões de 6 polegadas e oito de 5 polegadas, todos de calibre maior que o dos canhões da frota inglesa. O navio teve sua construção iniciada em 1935 e lançamento em 1938. Ele escapou do ataque japonês a Pearl Harbor em 1941 e foi descomissionado em 1946, sendo transferido à Argentina em 1951.
Além dos canhões, o General Belgrano também tinha recebido lançadores de mísseis Exocet MM38, assim como suas escoltas (embora haja informações de que os lançadores do cruzador fossem maquetes, destinadas a enganar o inimigo sobre suas reais capacidades – ver destaque na imagem abaixo).



Com o envio da frota britânica para o Atlântico Sul em abril de 1982 e o fracasso das negociações diplomáticas após a invasão das Ilhas Malvinas/Falklands por forças argentinas, as frotas do Reino Unido e da Argentina foram colocadas no teatro de operações para a disputa. De um lado, os ingleses planejavam o desembarque anfíbio para retomada das ilhas e do outro, os argentinos pretendiam forçar a desistência dos britânicos infligindo pesadas baixas.

Embora o programa de reaparelhamento da Armada Argentina não estivesse concluído, as corvetas A69 equipadas com mísseis antinavio Exocet MM-38 já haviam sido incorporadas em 1978. Na Aviação Naval, a entrega dos jatos franceses Super Étendard estava sendo finalizada. Os Super Étendard eram armados com o AM-39, versão do Exocet lançada de aeronaves.

A Armada havia incorporado recentemente dois destróieres antiaéreos Tipo 42 de projeto inglês (da mesma classe do HMS Sheffield, que seria atingido no conflito por um AM-39 argentino), também armados com o Exocet MM-38. O míssil também tinha sido instalado em antigos destróieres recebidos usados da Marinha dos EUA (USN).

No dia 2 de maio de 1982, a Frota Britânica enviada pelo Reino Unido para recuperar as Falklands (invadidas por forças argentinas em 2 de abril), já havia entrado na Zona de Exclusão (imposta à Argentina pelo Reino Unido) de 200 milhas em torno das ilhas. A FT estava em algum ponto a nordeste das Malvinas (ver mapa abaixo).



Às 3h20 da manhã, o almirante Woodward, comandante da FT britânica, foi despertado por seu “staff” com o aviso de que um avião S-2 Tracker argentino tinha iluminado a frota inglesa com o radar de busca e que os inimigos agora sabiam sua posição.

Um jato Sea Harrier foi despachado para a marcação do contato, a fim de investigar. O piloto da aeronave mais tarde informou que, durante o voo, seu RWR (Receptor de Alerta Radar) registrou que seu caça foi iluminado por um radar de direção de tiro, Tipo 909, que equipava os destróieres Tipo 42 argentinos.



Desta forma, confirmou-se que a cerca de 200 milhas de distância da FT britânica estavam presentes o porta-aviões argentino ARA 25 de Mayo e suas escoltas Tipo 42, o Santísima Trinidad e o Hércules. O almirante Woodward sabia que o porta-aviões 25 de Mayo levava 10 jatos Skyhawk capazes de atacar com 3 bombas de 500kg cada, o que significava um possível ataque de 30 bombas à FT britânica, logo após o amanhecer. E ainda havia o temor de que os jatos Super Étendard também pudessem decolar do 25 de Mayo, armados com Exocets.



Para piorar a situação, a 200 milhas ao sul das Malvinas estavam à espreita o cruzador ARA General Belgrano e duas escoltas, que poderiam chegar em poucas horas à distância de tiro de seus Exocet contra a FT britânica.

O Almirante Britânico concluiu que o 25 de Mayo e o General Belgrano estavam fazendo um movimento em pinça e que um dos dois precisava ser eliminado. O submarino nuclear HMS Conqueror, comandado por Christopher Wreford-Brown, estava acompanhando o cruzador argentino de perto há dois dias. Já outro submarino britânico, o HMS Spartan, ainda não tinha encontrado o 25 de Mayo. Como a posição do navio-aeródromo argentino não era conhecida, o cruzador foi o alvo escolhido.

O Conqueror descobriu um navio-tanque argentino e o acompanhou até o ponto de encontro com o General Belgrano, chegando a assistir à operação de reabastecimento. As ROE (Regras de Engajamento) não permitiam ao submarino britânico disparar contra o cruzador argentino naquele momento, pois o mesmo se encontrava fora da Zona de Exclusão imposta pelos próprios ingleses.

O almirante Woodward precisava pedir ao Comandante-em-Chefe na Inglaterra para alterar as ROE e ordenar ao Conqueror que atacasse o General Belgrano imediatamente. Mas o pedido enviado à Inglaterra por satélite iria demorar muito, o que poderia fazer com que o submarino perdesse contato com seu alvo.

Assim, Woodward ordenou o ataque enviando a seguinte mensagem ao submarino: “From CTG (Commander Task Group) 317.8 to Conqueror, text prority flash – attack Belgrano group.” Ao mesmo tempo, solicitou permissão da revisão da ROE, esperando que ela fosse atendida, pela emergência da situação.



O Grupo-Tarefa (GT) do General Belgrano estava navegando a 13 nós, acompanhado pelo Conqueror, que fazia perseguição padrão “sprint-and-drift”, que consiste em navegar em grande profundidade a 18 nós por 15 ou 20 minutos, subindo depois para a cota periscópica, navegando a 5 nós, a fim de atualizar a posição do alvo pelo oficial de controle de tiro. Depois, a perseguição recomeçava.

O temor de Woodward e do comandante do submarino era o cruzador rumar para o banco Burdwood, uma elevação no fundo do mar que obrigaria o submarino a navegar numa profundidade menor e perder o contato com seu alvo. Por isso a pressa em tomar logo a iniciativa de atacá-lo, enquanto havia contato.

Às 08h10 do dia 2 de maio, o GT do General Belgrano mudou de curso, agora rumando para o continente. Às 13h30, o Conqueror recebeu o sinal de mudança de ROE vindo da Inglaterra.

O Comandante do submarino, capitão Christopher Wreford-Brown, comentou mais tarde suas impressões sobre a navegação tática do cruzador:

    “O comandante do navio, capitão Hector Bonzo, parecia não estar nem um pouco preocupado em ser alvo naquele momento”. O cruzador navegava a 13 nós, com sua escolta de destróieres mais à frente, num leve ziguezague. O comandante do navio argentino não era submarinista e parecia conhecer pouco de submarinos, principalmente os nucleares. Se conhecesse, estaria navegando em velocidade bem mais alta, com os navios-escolta lado a lado protegendo seu costado e fazendo um ziguezague mais agressivo, para evitar possíveis torpedos. Para completar, os escoltas do General Belgrano estavam navegando com os sonares ativos desligados.”

Às18h30, o HMS Conqueror aproximou-se do General Belgrano em alta velocidade por bombordo, passando por baixo de seu alvo e subindo para a cota periscópica por boreste, a fim de conseguir uma boa solução de tiro.

O comandante Christopher já tinha se decidido em usar velhos torpedos de tiro reto Mk.8 da Segunda Guerra Mundial, pois levavam maior carga explosiva e eram mais confiáveis que os novos Tigerfish Mk.24, guiados a fio. Por precaução, os tubos estavam carregados com 3 torpedos Mk.8 e 3 Mk.24. Os torpedos foram disparados à proa do cruzador, para que encontrassem o navio numa posição futura.




Segundo o comandante do Conqueror, os disparos dos torpedos foram feitos à “queima-roupa”, numa distância de 1.380 jardas (1.255m), com os operadores de sonar do submarino ouvindo bem alto o característico som dos hélices do cruzador, algo parecido com “Chuff-chuff-chuff… chuff-chuff-chuff…”.

Após 55 segundos do disparo inicial, o primeiro torpedo explodiu na proa do cruzador, no ponto após a âncora e antes da primeira torreta. A proa foi arrancada pela explosão, sendo vista pelo periscópio pelo comandante Christopher, que ficou abismado. Logo veio a explosão do segundo torpedo, que atingiu o navio próximo à sua superestrutura.

O terceiro torpedo acabou errando o cruzador e explodiu, por acionamento da espoleta de proximidade, perto da popa do destróier argentino ARA Bouchard, sem maiores danos. Vinte minutos depois do ataque, o comandante do General Belgrano ordenou à tripulação o abandono do navio, o que foi feito sem pânico, em balsas salva-vidas infláveis.
Como estava escuro, os escoltas do cruzador não sabiam ainda o que havia acontecido, pois este ficou sem rádio após o ataque. Quando perceberam o ocorrido, tentaram inutilmente o lançamento de cargas de profundidade.


Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #888 Online: 02 de Maio de 2017, 09:16:06 »
O que aconteceu em 1982 é uma 'amostra grátis' do que aconteceria hoje com qualquer armada sul-americana em um enfrentamento contra as marinhas da Grã-Bretanha ou da França.
Foto USGS

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.308
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #889 Online: 02 de Maio de 2017, 09:25:07 »
O que aconteceu em 1982 é uma 'amostra grátis' do que aconteceria hoje com qualquer armada sul-americana em um enfrentamento contra as marinhas da Grã-Bretanha ou da França.

Mas os argentinos tinham boas chances de vencer, não?
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #890 Online: 02 de Maio de 2017, 13:45:42 »
O que aconteceu em 1982 é uma 'amostra grátis' do que aconteceria hoje com qualquer armada sul-americana em um enfrentamento contra as marinhas da Grã-Bretanha ou da França.
Mas os argentinos tinham boas chances de vencer, não?

Jamais tiveram.

Eles não tinham (e não tem) marinha, a força aérea operava no seu limite (hoje é totalmente ultrapassada) e o exército era uma piada, composto de conscritos.

Torturar e matar opositores ao regime era (e é) bem diferente de enfrentar um exército regular de primeira linha, como era (e é) o britânico.
Foto USGS

Offline Spencer

  • Nível 27
  • *
  • Mensagens: 1.324
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #891 Online: 02 de Maio de 2017, 15:28:44 »
O que aconteceu em 1982 é uma 'amostra grátis' do que aconteceria hoje com qualquer armada sul-americana em um enfrentamento contra as marinhas da Grã-Bretanha ou da França.
Mas os argentinos tinham boas chances de vencer, não?

Jamais tiveram.

Eles não tinham (e não tem) marinha, a força aérea operava no seu limite (hoje é totalmente ultrapassada) e o exército era uma piada, composto de conscritos.

Torturar e matar opositores ao regime era (e é) bem diferente de enfrentar um exército regular de primeira linha, como era (e é) o britânico.
O texto que narra as circunstâncias em que se decidiu pelo ataque ao Cruzador Belgrano mostra um potencial de fogo muito consistente dos argentinos i.e. Tomahawks, Exocets, etc. Tanto que o ataque inglês infringiu um regulamento sobre a área de exceção, ante o risco que os ingleses corriam naquele momento.

Mas sim, havia uma desproporção enorme, a favor dos ingleses, entre as forças em combate.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #892 Online: 02 de Maio de 2017, 16:06:09 »
O que aconteceu em 1982 é uma 'amostra grátis' do que aconteceria hoje com qualquer armada sul-americana em um enfrentamento contra as marinhas da Grã-Bretanha ou da França.
Mas os argentinos tinham boas chances de vencer, não?

Jamais tiveram.

Eles não tinham (e não tem) marinha, a força aérea operava no seu limite (hoje é totalmente ultrapassada) e o exército era uma piada, composto de conscritos.

Torturar e matar opositores ao regime era (e é) bem diferente de enfrentar um exército regular de primeira linha, como era (e é) o britânico.
O texto que narra as circunstâncias em que se decidiu pelo ataque ao Cruzador Belgrano mostra um potencial de fogo muito consistente dos argentinos i.e. Tomahawks, Exocets, etc. Tanto que o ataque inglês infringiu um regulamento sobre a área de exceção, ante o risco que os ingleses corriam naquele momento.

Mas sim, havia uma desproporção enorme, a favor dos ingleses, entre as forças em combate.

Os Tomahawks nunca fizeram parte do inventário de armas da Argentina, porque o EUA jamais entregou um só míssil deste tipo para qualquer país da América do Sul.

Os Exocets foram entregues pela França mas relativamente foram pouco efetivos, por questões ainda obscuras. Dos dois usados contra o destroyer Sheffield, por exemplo, um caiu no mar a cerca de 600 m da belonave britânica e o outro, ainda que tenha acertado, não afundou o navio, embora tenha o incapacitado.
« Última modificação: 02 de Maio de 2017, 16:13:08 por Geotecton »
Foto USGS

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.645
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #893 Online: 02 de Maio de 2017, 18:45:55 »
Para complementar a postagem:
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Spencer

  • Nível 27
  • *
  • Mensagens: 1.324
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #894 Online: 02 de Maio de 2017, 21:54:42 »
 :ok: :ok:

Offline André Luiz

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.330
  • Sexo: Masculino
    • Forum base militar
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #895 Online: 03 de Maio de 2017, 07:13:12 »
Faltou profissionalismo das forças argentinas, mas não coragem.

A força aérea teve que lutar uma guerra aeronaval, coisa que não é a dela, é a marinha fez um papelão, tirando os Super Enterdat armados com os exocets.

Dizem que com um pouco mais de sorte e treinamento a Argentina poderia não vencer a Inglaterra mas sim trazer ela de volta a mesa de negociação, pois a mesma já estava  no bico do corvo, não tinha grana, muita coisa da frota que partiu iria ser vendida ou virar sucata

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.280
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #896 Online: 03 de Maio de 2017, 07:23:26 »
Eu lembro um pouco dessa guerra, na época eu tinha uns doze anos, lembro que um avião Vulcan teve problemas com combustível e precisou pousar no Brasil, então passou uns dias por aqui até decidirem o que fazer.

Desarmaram, devolveram as bombas aos ingleses e liberaram o Vulcan para retornar, assim não usariam território brasileiro para voar armados para a Ilha.

Os ingleses reclamaram da retirada das bombas e os argentinos reclamaram pela liberação do Vulcan que saiu direto para as Malvinas.


Offline André Luiz

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.330
  • Sexo: Masculino
    • Forum base militar
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #897 Online: 03 de Maio de 2017, 10:57:26 »
O Vulcan que deu problema iria atacar uns sítios radar nas ilhas, a lenda diz que o nosso míssil anti radar (MAR-1) é fruto em tese da engenharia reversa que o pessoal do CTA fez naquele que o Vulcan carregava, o AGM-65 Shrike.


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.280
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #898 Online: 03 de Maio de 2017, 11:26:01 »
Pode ser, mas não acredito.

Acho que logo saberiam se o agm fosse aberto.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.703
  • Sexo: Masculino
Re:Imagens de momentos históricos
« Resposta #899 Online: 03 de Maio de 2017, 13:31:32 »
O Vulcan que deu problema iria atacar uns sítios radar nas ilhas, a lenda diz que o nosso míssil anti radar (MAR-1) é fruto em tese da engenharia reversa que o pessoal do CTA fez naquele que o Vulcan carregava, o AGM-65 Shrike.

AGM 45.

O 65 é o Maverick.

Foto USGS

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!