Enquete

Em sua opinião, o Irã deve ser invadido para evitar a obtenção da bomba atômica pelo mesmo?

Sim, o Irã deve ser invadido já. Se esperar mais, pode ser pior.
2 (5.6%)
Sim, mas não por agora. Os EUA precisam de um pouquinho mais de folga financeira e das demais guerras
1 (2.8%)
Sim, mas não agora. Deve ser tentado sanções mais duras e só invadir em último caso.
10 (27.8%)
Não, é plenamente possível dissuadir o Irã com sanções econômicas e diplomáticas.
8 (22.2%)
Não, e sou contra sanções. Acredito que o Irã não objetiva a bomba atômica e irá cooperar.
1 (2.8%)
Não. O Irã tem direito de ter a bomba atômica, não representando isso nenhum perigo direto ou indireto para o equilíbrio da região e Israel.
3 (8.3%)
Não, o Irã deve ter a sua bomba atômica para dissuadir a invasão por parte de países imperialistas motivados pelo petróleo.
3 (8.3%)
Não, o Irã deve contar com a bomba atômica na sua luta contra o sionismo.
0 (0%)
Não, o Irã deve fazer a boma atômica e lançá-la em Israel e, se puder, EUA. Os sionistas, judeus e estadunidenses devem pagar por seus atos.
1 (2.8%)
Outra opção.
7 (19.4%)

Votos Totais: 36

Autor Tópico: O Irã deve ser invadido?  (Lida 7160 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.738
  • Sexo: Masculino
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #225 Online: 06 de Fevereiro de 2017, 19:08:28 »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.215
  • Sexo: Masculino
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #226 Online: 06 de Fevereiro de 2017, 19:56:27 »
Pasteur

O míssil em questão é um modelo antinavio, portanto para ser usado em batalhas navais.

É bem diferente de um míssil com ogiva(s) nuclear(es), em especial os de longuíssimo alcance como os SLBMs.
« Última modificação: 06 de Fevereiro de 2017, 23:56:07 por Geotecton »
Foto USGS


Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.738
  • Sexo: Masculino
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #228 Online: 06 de Fevereiro de 2017, 20:54:35 »
Pasteur

O míssil em questão é um modelo antinavio, portanto para ser usado em batalhas navais.

É bem diferente de um míssil com ogiva(s) nuclear(s), em especial os de longuíssimo alcance como os SLBMs.

 :ok:

Melhor o Gaúcho não passear num cruzeiro... :lol:


Offline Shadow

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.446
  • "Alguns teóricos dos antigos astronautas...."
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #229 Online: 07 de Fevereiro de 2017, 08:00:57 »
Ao meu ver o Irã pode testar mísseis, só não pode desenvolver armas nucleares que se comprometeu.

Vocês falam "só não pode desenvolver armas nucleares" como se tudo fosse mera formalidade, como se o Irã pudesse enriquecer urânio nos níveis requeridos, fabricar todos os componentes de um dispositivo nuclear, montá-los, mas ao não colocar a última peça da ogiva ainda estaria formalmente cumprindo o acordo. Não se trata de formalidades, se trata de impedir que o Irâ tenha de facto armas nucleares e a capacidade de produzí-las, pois uma vez chegado a esse estágio, se torna fato consumado.

Nenhum país deveria ter armas nucleares, nenhum país deveria investir tempo e dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de mísseis, independentemente do alcance do mesmo, nenhum país deveria ter ditadores, nenhum país deveria ser uma teocracia insandecida e nenhum país deveria ameaçar a integridade de outro.

Dito isso, eu concordo com você que, provavelmente (os entendidos no assunto podem explicar melhor) o programa de mísseis balísticos do Irã pode, pelo menos em teoria, ser adaptado para carregar ogivas nucleares, mas o resto do que você disse não corresponde com a realidade. O Irã pode enriquecer urânio até 2 o 3%. Para chegar a 20% é necessário uma outra abordagem, ou tecnologia, que o Irã não está mais usando. E não está mais havendo investimento para fabricação de outros componentes necessários para a fabricação de uma bomba nuclear. O programa nuclear iraniano não está mais ativo e o que ele está fazendo é o que é permitido fazer entre os signatários do pacto de não proliferação nuclear.

É complicado exigir que um país não invista em defesa quando o mundo é absolutamente belicista. Ainda mais um país como o Irã que corre risco de ser atacado por nações hostis. Não é o caso do Irã ser um país delinquente em um mundo pacífico e próspero.

Como você sabe que o Irã não está mais usando ou não dispõe de tecnologia de enriquecimento a 20%?
"Who knows what evil lurks in the hearts of men? The Shadow knows..."

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.144
  • Sexo: Masculino
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #230 Online: 08 de Fevereiro de 2017, 11:58:34 »
Ao meu ver o Irã pode testar mísseis, só não pode desenvolver armas nucleares que se comprometeu.

Vocês falam "só não pode desenvolver armas nucleares" como se tudo fosse mera formalidade, como se o Irã pudesse enriquecer urânio nos níveis requeridos, fabricar todos os componentes de um dispositivo nuclear, montá-los, mas ao não colocar a última peça da ogiva ainda estaria formalmente cumprindo o acordo. Não se trata de formalidades, se trata de impedir que o Irâ tenha de facto armas nucleares e a capacidade de produzí-las, pois uma vez chegado a esse estágio, se torna fato consumado.

Nenhum país deveria ter armas nucleares, nenhum país deveria investir tempo e dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de mísseis, independentemente do alcance do mesmo, nenhum país deveria ter ditadores, nenhum país deveria ser uma teocracia insandecida e nenhum país deveria ameaçar a integridade de outro.

Dito isso, eu concordo com você que, provavelmente (os entendidos no assunto podem explicar melhor) o programa de mísseis balísticos do Irã pode, pelo menos em teoria, ser adaptado para carregar ogivas nucleares, mas o resto do que você disse não corresponde com a realidade. O Irã pode enriquecer urânio até 2 o 3%. Para chegar a 20% é necessário uma outra abordagem, ou tecnologia, que o Irã não está mais usando. E não está mais havendo investimento para fabricação de outros componentes necessários para a fabricação de uma bomba nuclear. O programa nuclear iraniano não está mais ativo e o que ele está fazendo é o que é permitido fazer entre os signatários do pacto de não proliferação nuclear.

É complicado exigir que um país não invista em defesa quando o mundo é absolutamente belicista. Ainda mais um país como o Irã que corre risco de ser atacado por nações hostis. Não é o caso do Irã ser um país delinquente em um mundo pacífico e próspero.

Como você sabe que o Irã não está mais usando ou não dispõe de tecnologia de enriquecimento a 20%?



AIEA via fontes na internet.



Offline Shadow

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.446
  • "Alguns teóricos dos antigos astronautas...."
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #231 Online: 08 de Fevereiro de 2017, 12:16:01 »
Ao meu ver o Irã pode testar mísseis, só não pode desenvolver armas nucleares que se comprometeu.

Vocês falam "só não pode desenvolver armas nucleares" como se tudo fosse mera formalidade, como se o Irã pudesse enriquecer urânio nos níveis requeridos, fabricar todos os componentes de um dispositivo nuclear, montá-los, mas ao não colocar a última peça da ogiva ainda estaria formalmente cumprindo o acordo. Não se trata de formalidades, se trata de impedir que o Irâ tenha de facto armas nucleares e a capacidade de produzí-las, pois uma vez chegado a esse estágio, se torna fato consumado.

Nenhum país deveria ter armas nucleares, nenhum país deveria investir tempo e dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de mísseis, independentemente do alcance do mesmo, nenhum país deveria ter ditadores, nenhum país deveria ser uma teocracia insandecida e nenhum país deveria ameaçar a integridade de outro.

Dito isso, eu concordo com você que, provavelmente (os entendidos no assunto podem explicar melhor) o programa de mísseis balísticos do Irã pode, pelo menos em teoria, ser adaptado para carregar ogivas nucleares, mas o resto do que você disse não corresponde com a realidade. O Irã pode enriquecer urânio até 2 o 3%. Para chegar a 20% é necessário uma outra abordagem, ou tecnologia, que o Irã não está mais usando. E não está mais havendo investimento para fabricação de outros componentes necessários para a fabricação de uma bomba nuclear. O programa nuclear iraniano não está mais ativo e o que ele está fazendo é o que é permitido fazer entre os signatários do pacto de não proliferação nuclear.

É complicado exigir que um país não invista em defesa quando o mundo é absolutamente belicista. Ainda mais um país como o Irã que corre risco de ser atacado por nações hostis. Não é o caso do Irã ser um país delinquente em um mundo pacífico e próspero.

Como você sabe que o Irã não está mais usando ou não dispõe de tecnologia de enriquecimento a 20%?



AIEA via fontes na internet.

Então você não sabe. A única forma de se saber isso é com ações de inteligência.
"Who knows what evil lurks in the hearts of men? The Shadow knows..."

Offline Wowbagger, o Infinitamente Prolongado

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.665
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #232 Online: 14 de Fevereiro de 2017, 08:53:03 »
Ao meu ver o Irã pode testar mísseis, só não pode desenvolver armas nucleares que se comprometeu.

Vocês falam "só não pode desenvolver armas nucleares" como se tudo fosse mera formalidade, como se o Irã pudesse enriquecer urânio nos níveis requeridos, fabricar todos os componentes de um dispositivo nuclear, montá-los, mas ao não colocar a última peça da ogiva ainda estaria formalmente cumprindo o acordo. Não se trata de formalidades, se trata de impedir que o Irâ tenha de facto armas nucleares e a capacidade de produzí-las, pois uma vez chegado a esse estágio, se torna fato consumado.

Nenhum país deveria ter armas nucleares, nenhum país deveria investir tempo e dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de mísseis, independentemente do alcance do mesmo, nenhum país deveria ter ditadores, nenhum país deveria ser uma teocracia insandecida e nenhum país deveria ameaçar a integridade de outro.

Dito isso, eu concordo com você que, provavelmente (os entendidos no assunto podem explicar melhor) o programa de mísseis balísticos do Irã pode, pelo menos em teoria, ser adaptado para carregar ogivas nucleares, mas o resto do que você disse não corresponde com a realidade. O Irã pode enriquecer urânio até 2 o 3%. Para chegar a 20% é necessário uma outra abordagem, ou tecnologia, que o Irã não está mais usando. E não está mais havendo investimento para fabricação de outros componentes necessários para a fabricação de uma bomba nuclear. O programa nuclear iraniano não está mais ativo e o que ele está fazendo é o que é permitido fazer entre os signatários do pacto de não proliferação nuclear.

É complicado exigir que um país não invista em defesa quando o mundo é absolutamente belicista. Ainda mais um país como o Irã que corre risco de ser atacado por nações hostis. Não é o caso do Irã ser um país delinquente em um mundo pacífico e próspero.

Como você sabe que o Irã não está mais usando ou não dispõe de tecnologia de enriquecimento a 20%?



AIEA via fontes na internet.

Então você não sabe. A única forma de se saber isso é com ações de inteligência.

Se não der para confiar na AIEA não se pode confiar em nada a esse respeito. Certamente não nos serviços de inteligência.

Offline Shadow

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.446
  • "Alguns teóricos dos antigos astronautas...."
Re:O Irã deve ser invadido?
« Resposta #233 Online: 14 de Fevereiro de 2017, 08:59:23 »
Ao meu ver o Irã pode testar mísseis, só não pode desenvolver armas nucleares que se comprometeu.

Vocês falam "só não pode desenvolver armas nucleares" como se tudo fosse mera formalidade, como se o Irã pudesse enriquecer urânio nos níveis requeridos, fabricar todos os componentes de um dispositivo nuclear, montá-los, mas ao não colocar a última peça da ogiva ainda estaria formalmente cumprindo o acordo. Não se trata de formalidades, se trata de impedir que o Irâ tenha de facto armas nucleares e a capacidade de produzí-las, pois uma vez chegado a esse estágio, se torna fato consumado.

Nenhum país deveria ter armas nucleares, nenhum país deveria investir tempo e dinheiro em pesquisas e desenvolvimento de mísseis, independentemente do alcance do mesmo, nenhum país deveria ter ditadores, nenhum país deveria ser uma teocracia insandecida e nenhum país deveria ameaçar a integridade de outro.

Dito isso, eu concordo com você que, provavelmente (os entendidos no assunto podem explicar melhor) o programa de mísseis balísticos do Irã pode, pelo menos em teoria, ser adaptado para carregar ogivas nucleares, mas o resto do que você disse não corresponde com a realidade. O Irã pode enriquecer urânio até 2 o 3%. Para chegar a 20% é necessário uma outra abordagem, ou tecnologia, que o Irã não está mais usando. E não está mais havendo investimento para fabricação de outros componentes necessários para a fabricação de uma bomba nuclear. O programa nuclear iraniano não está mais ativo e o que ele está fazendo é o que é permitido fazer entre os signatários do pacto de não proliferação nuclear.

É complicado exigir que um país não invista em defesa quando o mundo é absolutamente belicista. Ainda mais um país como o Irã que corre risco de ser atacado por nações hostis. Não é o caso do Irã ser um país delinquente em um mundo pacífico e próspero.

Como você sabe que o Irã não está mais usando ou não dispõe de tecnologia de enriquecimento a 20%?



AIEA via fontes na internet.

Então você não sabe. A única forma de se saber isso é com ações de inteligência.

Se não der para confiar na AIEA não se pode confiar em nada a esse respeito. Certamente não nos serviços de inteligência.

A AIEA é a agência que bate na porta e pergunta: "Oi, moço, posso olhar suas instalações nucleares? Você promete ser bonzinho?" Países precisam de bem mais que isso.
"Who knows what evil lurks in the hearts of men? The Shadow knows..."

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!