Autor Tópico: Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta  (Lida 14046 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.844
  • Love it or Hate it
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #25 Online: 01 de Maio de 2013, 18:02:10 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

Não concordo.

Citar
Recent perspectival interpretations of Kant suggest a way of relating his epistemology to empirical science that makes it plausible to regard Einstein’s theory of relativity as having a Kantian grounding. This first of two articles exploring this topic focuses on how the foregoing hypothesis accounts for various resonances between Kant’s philosophy and Einstein’s science. The great attention young Einstein paid to Kant in his early intellectual development demonstrates the plausibility of this hypothesis, while certain features of Einstein’s cultural-political context account for his reluctance to acknowledge Kant’s influence, even though contemporary philosophers who regarded themselves as Kantians urged him to do so. The sequel argues that this Kantian grounding probably had a formative influence not only on Einstein’s discovery of the theory of relativity and his view of the nature of science, but also on his quasi-mystical, religious disposition.
http://www.academia.edu/248944/The_Kantian_Grounding_of_Einsteins_Worldview_I_The_Early_Influence_of_Kants_System_of_Perspectives
« Última modificação: 01 de Maio de 2013, 18:15:40 por Gigaview »

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #26 Online: 01 de Maio de 2013, 19:20:20 »
Citação de: Giga
formative influence

concordo com isso. Se acha isso decisivo mais do que ter sido educado na cultura alemã ou qualquer outra coisa que atua na formação, ok também.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #27 Online: 01 de Maio de 2013, 19:23:36 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

O mesmo Newton que escreveu "Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica"?

Toda essa coisa de F=ma é filosofia/metafísica, não empiria.

F=m.a (ciência)
Força que vem de uma energia constituida por [parágrafos não falseáveis] e que portanto da mais velocidade a um corpo [mais verborragia].. é filosofia

Não digo que todos os filósofos sejam assim, mas não é algo esperado dos estudantes de filosofia que saiam por aí refutando a biologia evolutiva com argumentos válidos.

“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.844
  • Love it or Hate it
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #28 Online: 01 de Maio de 2013, 19:45:03 »
Citação de: Giga
formative influence

concordo com isso. Se acha isso decisivo mais do que ter sido educado na cultura alemã ou qualquer outra coisa que atua na formação, ok também.

É muito mais do que isso. A filosofia pavimentou o caminho para a interpretação das conquistas científicas e continua fazendo isso. Einstein , Bohr e tantos outros deixaram de perder tempo e ficaram isentos de falar baboseiras monumentais porque foram salvos por alguns filósofos que pensaram e repensaram temas fundamentais como a natureza do espaço, do tempo, da consciência e demais coisas "óbvias".

Diria que Kant foi importantíssimo para a formação da visão de Einstein sobre o Universo, assim como Newton foi fundamental para Kant. E isso já contradiz parte da sua observação sobre a importância relativa deles.

Leia o texto abaixo. A pior coisa no momento é perceber o Agnóstico se transformando numa versão (ainda que melhorada) do Cientista.


Citar

From Kant to Schopenhauer

It was noticed by the ancient Greeks already, that sensation is the main, and maybe the only, source of our knowledge. In the new time, Berkley and Hume stressed this in a very strong manner: things are our sensations. But rationalists still believed that some crucial ideas are inborn and have nothing to do with the imperfection of our sense organs.

Kant synthesized empiricism and rationalism by seeing knowledge as organization of sensations by our mind. Space, time, and other categories are not given us in sensations. They are our forms of perception, the way we organize sensations. This is how the synthetic judgments a priory become possible. They speak about the methods of our mind which are inborn and do not depend on sensations.

From the cybernetic point of view, sensations are at the input of our cognitive apparatus, the nervous system. This input is then processed by a huge hierarchical system. As the signals move up in the hierarchy, sensations become perceptions, and then conceptions (there are no sharp boundaries, of course). How much is coming from the reality, the sensations, and how much from the way we process them?

Kant considered the categories as a sort of final, ultimate, because they are rooted in the way our brains are made. The only possible geometry for him was Euclidean geometry.

And here comes the non-euclidean geometry of Lobachevsky. This could be a disaster if we did not interpret Kant's ideas from a modern point of view.

We see no contradiction between the use of inborn ways of analysis of sensation and the refusal to take these ways as the only possible and universally applicable. We cannot change our brain (for the time being, at least), but we can construct world models which are counter-intuitive to us.

We have two cybernetic systems which make world models: our brain, with its neuronal models, and our language, in which we create symbolic models of the world. The latter are certainly based on the former. But the question remains open: at what level of the neuronal hierarchy do the symbolic models take up?

Compare mathematics and classical mechanics. Mathematics deals with objects called symbolic expressions (like numbers, for example). They are simple linear structures. We use our nervous system to identify some symbols as "the same". For example, this symbol: A is the same as this: A. Another thing we want is to know that if you add a symbol B to A, and to another A you add another B, then the results, i.e. AB, will be identical again. The totality of such elementary facts could hardly be codified, exactly because of their basic nature. They are not eliminable. Even if we pick up a number of axioms about symbolic expressions, as we do, e.g., in the theory of semi-groups, we shall still use rules of inference to prove new facts about them, and since the rules and the formal proofs are again symbolic expressions, we shall rely again on the basic facts about symbolic expressions in the original informal way.

In classical mechanics we use much more of our neuronal world models. There is a three-dimensional space; there is time; there are the concepts of continuity, a material body, of cause and effect, and more.

Mach and Einstein would be, probably, impossible without Kant. They used the Kantian principle of separating elementary facts of sensations and organizing these facts into a conceptual scheme. But the physicists went further. Einstein moved from the intuitive space-time picture given by the classical mechanics down to the level of separate measurements, and reorganized the measurements into a different space, the four-dimensional space-time of the relativity theory. This space-time is now as counterintuitive as it was in 1905, even though we have accustomed to it. Hence what we call the paradoxes of the relativity theory. But they do not bother us. We use a bit less of neuronal models, and a bit more of symbolic models, that is all.

In quantum mechanics, the physicists went even further. They rejected the idea of a material body located in the space-time continuum. The space-time continuum is left as a mathematical construct, and this construct serves the purposes of relating micro and macro-phenomena, where it has the familiar classical interpretation. But material bodies lost their tangible character. The elementary objective facts are even lower in the hierarchy than measurements; they are observations which all occur in the world of macro-objects. In the relativity theory observations (measurements) at least belonged to the same universe as the basic conceptual scheme: the space-time continuum. In quantum mechanics, on the contrary, there is a gap between what we believe to really exist, i.e. quantum particles and fields, and what we take as the basic observable phenomena, which are all expressed in macroscopical concepts: space, time and causality.

Of course, one can say that in the last analysis every theory will explain and organize observable facts, and they always will be macroscopic facts, because we are macroscopic creatures. Thus a physical theory does not need the concept of ``real existence''; even if it is a micro-world theory it operates on macro-world observables. This is formally true. But the question is that of the structure of a physical theory. We still want our theory to give an answer to the question: what is REALLY existing? What is the ultimate reality of physics? This question is not meaningless. Its meaning is in the quest for a theory which would start with concepts believed to correspond to that ultimate reality, and then step by step construct observables from these ``really existing'' things. Somehow, it seems that such a theory has better chances for success. If we have such a theory, and the real existence is attributed to some things --- call them ex-why-zeds --- and the theory is born out by experiment, then we can say that the ex-why-zeds do really exist and that the world really consists of ex-why-zeds. Ontologically, this will be as certain as when we say that the apple is in a bowl on the basis of seeing it and touching it.

The contemporary quantum mechanics does not meet this requirement. It starts with space-time continuum, which in no sense exists. Since Kant we know that it is only a form of our perception.

Suppose we are determined to construct a theory which is built as required above. How should we go about the construction of such a theory? We must go further down in the hierarchy of neuronal concepts, and take them for a basis. Space and time must not be put in the basis of the theory. They must be constructed and explained in terms of really existing things.

This is where metaphysics should help us. The goal of metaphysics is to create world models which go down and down into the depth of our experience. The concepts of the higher level of the neuronal hierarchy are discounted as superficial; attempt is made to identify the most essential, pervasive, primordial elements of experience. But this is exactly the program we have just set for ourselves. Kant's metaphysics had served as the philosophical basis for the modern theories of physics. We see now that a further movement down is required. Thus let turn to the development of metaphysics after Kant.

Two lines of development became most visible: the German idealism and Hegel in particular; and Schopenhauer. The Hegelian line contributed to the development of the theory of evolution, but in terms of ontology and epistemology did not give much. It is not analytical. It is a romantic picture of a striving and struggling world. The basic entities and concepts are obviously made up, as if created by an artist.

Schopenhauer, on the contrary is analytical. He does not create a sophisticated picture of the world. He only gives an answer to the question `what is the world': it is will and representation.

Kant introduced the concept of the thing-in-itself for that which will be left of a thing if we take away everything that we can learn about it through our sensations. Thus the thing-in- itself has only one property: to exist independently of the cognizant subject. This concept is essentially negative; Kant did not relate it to any kind or any part of human experience. This was done by Schopenhauer. To the question `what is the thing-in- itself?' he gave a clear and precise answer: it is will. The more you think about this answer, the more it looks like a revelation. My will is something I know from within. It is part of my experience. Yet it is absolutely inaccessible to anybody except myself. Any external observer will know about myself whatever he can know through his sense organs. Even if he can read my thoughts and intentions -- literally, by deciphering brain signals -- he will not perceive my will. He can conclude about the existence of my will by analogy with his own. He can bend and crush my will through my body, he can kill it by killing me, but he cannot in any way perceive my will. And still my will exists. It is a thing-in- itself.

What then is the world as we know it? Schopenhauer answers: a 'Vorstellung'. This word was first translated into English as an `idea', and then a `representation'. Both translations are not very precise. In Russian there is a word for it which is a literal translation of the German `Vorstellung': `predstavleniye'. `Vorstellung' is something that is put in front of you. It is a world picture we create ourselves -- and put in front of us, so that to some extent it screens the real world. This aspect of Vorstellung is not properly reflected either in 'idea' or in 'representation'.

Let us examine the way in which we come to know anything about the world. It starts with sensations. Sensations are not things. They do not have reality as things. Their reality is that of an event, an action. Sensation is an interaction between the subject and the object, a physical phenomenon. Then the signals resulting from that interaction start their long path through the nervous system and the brain. The brain is tremendously complex system, created for a very narrow goal: to survive, to sustain the life of the individual creature, and to reproduce the species. It is for this purpose and from this angle that the brain processes information from sense organs and forms its representation of the world. Experiments with high energy elementary particles were certainly not included into the goals for which the brain was created by evolution. Thus it should be no surprise that our space-time intuition is found to be a very poor conceptual frame for elementary particles.

We must take from our experience only the most fundamental aspects, in an expectation that all further organization of sensations may be radically changed. These most elementary aspects are: the will, the representation, and the action, which links the two: action is a manifestation of the will that changes representation.

Indeed, is it not the physical quantity of action that is quantized and cannot be less than Plank's constant h, if it is not zero? Why not see this as an indication that action should have a higher existential status than space, time, matter? Of course, it is not immediately clear whether the concept of action as we understand it intuitively and the physical quantity that has the dimension of energy by time and called 'action' are one and the same, or related at all. That the physicists use the word `action' to denote this quantity could be a misleading coincidence. Yet the intuitive notion of an action as proportional to the energy spent (understood intuitively) and the time passed does not seem unreasonable. Furthermore, it is operators, i.e., actions in the space of states, that represent observable (real!) physical quantities in quantum mechanics, and not the space-time states themselves!

Even if we reject these parallels and intuition as unsafe, it still remains true that neither space, nor time, nor matter are characterized by constant indestructible quanta, but a combination of these: action. Is it not natural to take action as a basis for the picture of the world --- if not for a unifying physical theory?

But set aside physics. There is a branch of knowledge, cybernetics, where action ontology comes naturaly because of its approach to the description of the world. In cybernetics we abstract from matter, energy, space, even time. What remains is interdependence between actions of various kinds. Communication, control, information -- all these are actions. Taking action as an ontological primitive we come to an intuitively acceptable and logically consistent definition of its basic concepts.
http://pespmc1.vub.ac.be/KASCHO.html
« Última modificação: 01 de Maio de 2013, 19:47:13 por Gigaview »

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #29 Online: 01 de Maio de 2013, 20:10:35 »
Citar
Leia o texto abaixo. A pior coisa no momento é perceber o Agnóstico se transformando numa versão (ainda que melhorada) do Cientista.

Longe disso. Mas realmente li o texto e não consigo concordar com nada relevante.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.844
  • Love it or Hate it
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #30 Online: 01 de Maio de 2013, 20:14:41 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

O mesmo Newton que escreveu "Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica"?

Toda essa coisa de F=ma é filosofia/metafísica, não empiria.

F=m.a (ciência)
Força que vem de uma energia constituida por [parágrafos não falseáveis] e que portanto da mais velocidade a um corpo [mais verborragia].. é filosofia

Não digo que todos os filósofos sejam assim, mas não é algo esperado dos estudantes de filosofia que saiam por aí refutando a biologia evolutiva com argumentos válidos.



Usando o seu mesmo critério, concluo que matemática/física é filosofia codificada. Aonde foi que errei?

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #31 Online: 01 de Maio de 2013, 20:19:46 »
como chegou a essa conclusão? Um filósofo pode escrever 100 livros sem escrever um parágrafo que seja falseável, verificável ou suportado por evidências.
Um filósofo de sucesso pode dizer que a história é descrita pela luta de classes e.. pronto.

Na boa, não estou sendo preconceituoso com a filosofia, acho. A questão é que filosofia é simplesmente uma disciplina que não necessariamente deve estar ligada à realidade ou fatos, diferentes da física, química, etc..

Imagine um pear review de um filósofo?




“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #32 Online: 01 de Maio de 2013, 20:20:44 »
Sem contar aquela história de americanos que colocaram nome franceses e saíram escrevendo merdas deliberadas para ouvir o feedback da comunidade.

Os textos eram de Poe puro.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Rocky Joe

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.742
  • Sexo: Masculino
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #33 Online: 01 de Maio de 2013, 20:28:09 »
Só passando aqui rapidinho (estou ocupado), eu não acho que seja necessário ter uma sacada filosófica para fazer ciência, e a história prova que diversos grandes cientistas não sabiam nada de filosofia, mas quando se trata de cientistas que repensam toda a estrutura de como vemos a ciência - Bohr, Einstein, por ex - não vejo porquê a filosofia não pode dar uma ajudinha, e a história taí para provar: o que Kant tem a ver com a MQ é o que a teoria está nos dizendo sobre como o mundo (nosso conhecimento) é. É muito provável que ele não teria tido a sacada que teve para entender a MQ se não conhecesse Kant.

Mas enfim, estou defendendo a que provavelmente será minha futura área. :P

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #34 Online: 01 de Maio de 2013, 20:31:31 »
Só passando aqui rapidinho (estou ocupado), eu não acho que seja necessário ter uma sacada filosófica para fazer ciência, e a história prova que diversos grandes cientistas não sabiam nada de filosofia, mas quando se trata de cientistas que repensam toda a estrutura de como vemos a ciência - Bohr, Einstein, por ex - não vejo porquê a filosofia não pode dar uma ajudinha, e a história taí para provar: o que Kant tem a ver com a MQ é o que a teoria está nos dizendo sobre como o mundo (nosso conhecimento) é. É muito provável que ele não teria tido a sacada que teve para entender a MQ se não conhecesse Kant.

Mas enfim, estou defendendo a que provavelmente será minha futura área. :P

também acho que pode dar uma ajudinha.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Rocky Joe

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.742
  • Sexo: Masculino
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #35 Online: 01 de Maio de 2013, 20:32:10 »
como chegou a essa conclusão? Um filósofo pode escrever 100 livros sem escrever um parágrafo que seja falseável, verificável ou suportado por evidências.
Um filósofo de sucesso pode dizer que a história é descrita pela luta de classes e.. pronto.

Na boa, não estou sendo preconceituoso com a filosofia, acho. A questão é que filosofia é simplesmente uma disciplina que não necessariamente deve estar ligada à realidade ou fatos, diferentes da física, química, etc..

Imagine um pear review de um filósofo?


Não há critério empírico, mas há critério de coerência interna.

Para você perder o "preconceito" com filosofia, talvez devesse ler um filósofo boa praça e um pouco mais pé no chão, como o Simon Blackburn.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #36 Online: 01 de Maio de 2013, 20:34:04 »
E como a filosofia julga os pés no chão dos viajantes? Algum mecanismo, lógica? Ou ao critério do leitor?
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.099
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #37 Online: 01 de Maio de 2013, 20:51:02 »
Imagine um pear review de um filósofo?

Filósofo discorre sobre alguns problemas empíricos com o peer review em publicações filosóficas e de medicina:


Citar
Peer Review in Philosophy
I've always found the notion of peer review of philosophy journal articles a bit suspect. I also find it ludicrous that the phrase 'peer reviewed' is taken by some people to be a mark of quality assurance. A good editor is surely better than an incompetent anonymous peer in this respect.

One basic flaw in the peer review process is the selection of people to do the peer reviewing: are they competent, biased, awake, rivalrous, too busy with their own work to read to the end? The trouble is, we can't get reliable information on this sort of thing as they are almost always anonymous and unaccountable. Do we trust that editors always get great reviewers? It seems unlikely that they will be able to get many eminent thinkers to devote their time to sifting through the huge slush pile of articles generated by RAE pressure in the UK. Judging by the huge quantity of tedious and poorly written drivel that gets through the process of peer review and into print in philosophy journals, something isn 't working here.

Obviously if the reviews contain good arguments and criticisms these can be judged more or less independently of their source. But such reviews are not particularly common. Praise and acceptance from a mediocrity who doesn't completely grasp the topic is very likely as meaningless as condemnation and rejection by the same individual. But praise or rejection from someone who is a major player in the field - that might mean something. It might also sharpen up the process if named people could be held to account for their views.

Better still, why don't we bypass journals altogether and just publish all our views on the Internet as we choose. Let our peers review these after the event (if they feel like it)  and in the open (or before, by private arrangement, if we are shy about making fools of ourselves). That might re-invigorate the subject and the ways in which we express ourselves.

A programme that just went out on BBC Radio 4,'Peer Review in the Dock' and which you can listen to again here for the next 7 days, revealed how much more dangerous faith in the peer review process is in areas such as medicine. It also refers to evidence that peer review is not a reliable mark of quality...far from it.


http://virtualphilosopher.com/2008/08/peer-review-in.html




[/quote]

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #38 Online: 01 de Maio de 2013, 21:06:47 »
Buck, você leu o texto? Ele me pareceu mais com um líbelo contra o PR do que propriamente algo que diz o quão eficiente é o PR em filosofia.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #39 Online: 01 de Maio de 2013, 21:15:26 »
Só passando aqui rapidinho (estou ocupado), eu não acho que seja necessário ter uma sacada filosófica para fazer ciência, e a história prova que diversos grandes cientistas não sabiam nada de filosofia, mas quando se trata de cientistas que repensam toda a estrutura de como vemos a ciência - Bohr, Einstein, por ex - não vejo porquê a filosofia não pode dar uma ajudinha, e a história taí para provar: o que Kant tem a ver com a MQ é o que a teoria está nos dizendo sobre como o mundo (nosso conhecimento) é. É muito provável que ele não teria tido a sacada que teve para entender a MQ se não conhecesse Kant.

Mas enfim, estou defendendo a que provavelmente será minha futura área. :P

Os grandes cientistas do passado eram filosofos, e excelentes por sinal! Procuravam entender todas as consequencias das teorias e conceitos que desenvolveram ou estavam sendo desenvolvidos. É realmente fantástico ler sobre os pensamentos (e debates) filosoficos de Newton, Bhor, Bhom, Heisenberg, Wigner, Planck e outros.

O grande problema foi a "recente" imposição da filosofia - que não é nem percebida dessa forma - da escola americana sobre as demais : ou é hard science ou é bullshit!


Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #40 Online: 01 de Maio de 2013, 21:29:51 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

O mesmo Newton que escreveu "Philosophiæ Naturalis Principia Mathematica"?

Toda essa coisa de F=ma é filosofia/metafísica, não empiria.
Mas honestidade intelectual é um bicho bonito pra cacimba de se ver! Como eu adoro apreciar o espécime!

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.844
  • Love it or Hate it
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #41 Online: 01 de Maio de 2013, 21:31:52 »
E como a filosofia julga os pés no chão dos viajantes? Algum mecanismo, lógica? Ou ao critério do leitor?

Não julga. E por que deveria? O assunto entra em discussão e continua em discussão ou é esquecido. Tem sido assim desde o início da humanidade.

No caso, acho que é apenas uma questão de simpatia pessoal com as idéias do filósofo. Não conheço, mas após uma busca rápida, vejo que o Simon Blackburn está para a filosofia assim como Carl Sagan estava para a divulgação científica e de fato parece ser um bom começo para quebrar o seu preconceito.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.844
  • Love it or Hate it
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #42 Online: 01 de Maio de 2013, 21:34:09 »
ALERTA TROLL - EVITE ALIMENTÁ-LO

Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #43 Online: 01 de Maio de 2013, 21:38:40 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

Não concordo.

Citar
Recent perspectival interpretations of Kant suggest a way of relating his epistemology to empirical science that makes it plausible to regard Einstein’s theory of relativity as having a Kantian grounding. This first of two articles exploring this topic focuses on how the foregoing hypothesis accounts for various resonances between Kant’s philosophy and Einstein’s science. The great attention young Einstein paid to Kant in his early intellectual development demonstrates the plausibility of this hypothesis, while certain features of Einstein’s cultural-political context account for his reluctance to acknowledge Kant’s influence, even though contemporary philosophers who regarded themselves as Kantians urged him to do so. The sequel argues that this Kantian grounding probably had a formative influence not only on Einstein’s discovery of the theory of relativity and his view of the nature of science, but also on his quasi-mystical, religious disposition.
http://www.academia.edu/248944/The_Kantian_Grounding_of_Einsteins_Worldview_I_The_Early_Influence_of_Kants_System_of_Perspectives
Boa! Essa é boa! Mas... deve ser porque Einstein "não era kantiano de verdaaaade".  KKKKKK...

"The sequel argues that this Kantian grounding probably..."

Key words...

Essa joça de filosofia só consegue se sustentar nela mesma sem nunca dizer nada.

Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #44 Online: 01 de Maio de 2013, 21:40:05 »
ALERTA TROLL - EVITE ALIMENTÁ-LO
Isso é comum? Troll se anunciando?

Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #45 Online: 01 de Maio de 2013, 21:47:33 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

Cientista, devolva a conta do Agnóstico :P
Ainda não aprendeu? Se fosse eu, não teria o "praticamente". O Agnóstico tem medinho ainda de se libertar, haja vista a groselhada que cria para fugir da realidade da inexistência do livre arbítrio, por exemplo.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #46 Online: 01 de Maio de 2013, 22:00:48 »
E como a filosofia julga os pés no chão dos viajantes? Algum mecanismo, lógica? Ou ao critério do leitor?

Não julga. E por que deveria? O assunto entra em discussão e continua em discussão ou é esquecido. Tem sido assim desde o início da humanidade.

No caso, acho que é apenas uma questão de simpatia pessoal com as idéias do filósofo. Não conheço, mas após uma busca rápida, vejo que o Simon Blackburn está para a filosofia assim como Carl Sagan estava para a divulgação científica e de fato parece ser um bom começo para quebrar o seu preconceito.

E se ele for bom, esse Simon, significa que a filosofia tem em seus mecanismos algo que a faz ser boa ou simplesmente alguém bom escreveu algo bom.

Não é preconceito só porque eu não concordo contigo. Antes de ser cético, li filosofia em geral. Já disse nesse forum.

“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #47 Online: 01 de Maio de 2013, 22:08:15 »
Fica difícil ver se o cara falará besteira sem nem mesmo ler o livro.
Me pareceu polêmica demais pra motivo de menos essa matéria. Falar que o materialismo  neodarwinista provavelmente não se sustenta e citar pensadores do Designe Inteligente não é nem metade da bomba que essa matéria faz pensar. Vai saber o que o cara tem pra dizer dentro do livro...

Pode até ser, mas eu acho sem sentido utilizar de filosofia para refutar o biologia evolutiva. Afirmo isso supondo que é isso que ele fez.

Sem sentido não é. Se não se sustenta nesse âmbito também, há de se pensar o porquê; afinal, essa é outra área do conhecimento importantíssima.
..


Não sei Renato. Filosofia é basicamente alguém que fica fazendo conjecturas sem ter de observar qualquer conhecimento formal do campo em que está sendo "filosofado"? Filosofia muitas vezes é tudo e não é nada.

Concordo com o OGM, não vejo refutar biologia evolutiva com filosofia.

Existem princípios filosóficos importantíssimos pra ciência, sem a qual a mesma talvez nem funcionasse direito.
Ah, tá.


A ideia de causalidade, a ciência baseada em paradigmas, princípio de identidade, etc.
São esses os tais "princípios"?!

Tudo isso é produto de indução empírica. Se não, mostre o processo de surgimento de tais conceitos de outra forma. Mostre! Objetivamente! Nada de lengalenga filosófica nem remetimento a leituras de filósofos, citações de capítulos e versículos bíblicos. Começe pela causalidade, mostre como não é induzida da realidade observada. Dispense os paradigmas pois tais são tão ostensivamente indutivos que não vale perder tempo. Identidade sem comparação indutiva também..., se quiser arriscar, fique à vontade.


As duas coisas não se separam dessa maneira que às vezes parece.
Que "duas coisas"? Uma é produto de defeito cognitivo na interação com realidade e só isso. É só uma mesma máquina com funcionamento ótimo ou não.


Vale lembrar que a ideia moderna de ciência surgiu de um Filósofo, Kant.
Ah, sim. Obrigado por me... "lembrar" disso. Só desculpe que esquecerei logo em seguida.


Ele é o motivo de Deus não ser a prova das coisas materiais, como era em Descartes, por exemplo.
"Kant ser o motivo de deuses* não serem provas de coisas materiais" deveria ficar na seção de papo furado - piadas.

*Só de você colocar esse "Deus", único e com maiúscula, já te delata.




...Tem certeza de que Kant não é (seu) deus?
« Última modificação: 03 de Maio de 2013, 01:22:32 por Cientista »

Offline Cientista

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.266
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #48 Online: 01 de Maio de 2013, 22:14:25 »
Você faz uma grande confusão quando coloca os louros da ciência nos ombros de Kant. Basicamente newton foi muito mais importante para Einstein que Kant ou qualquer outro filósofo. A contribuição da filosofia para a ciência é, e foi,  praticamente nula.

Ok, ok, Agnóstico. Você estudou filosofia, deve saber do que está falando.

Só perde um tempinho e dá uma lida aqui
http://filosofaracademico.blogspot.com.br/2011/06/resumo-revolucao-copernicana-kantiana.html

Citar
Resumo: A revolução copernicana kantiana
na
Prefácio à 2ª edição da Crítica da Razão Pura (1787), pp. B XIV a BXVIII . In: Kant, Immanuel ([1871] 1994), Crítica da Razão Pura, Lisboa: F.C.G

“A razão, tendo por um lado os seus princípios, únicos a poderem dar aos fenômenos concordantes a autoridade de leis e, por outro, a experimentação, que imaginou segundo esses princípios, deve ir ao encontro da natureza, para ser por esta ensinada, é certo, mas não na qualidade de aluno que aceita tudo o que o mestre afirma, antes na de juiz investido nas suas funções, que obriga as testemunhas a responder aos requisitos que lhes apresenta”. (Kant, 1994, B XIII)

A solução de Kant, para a dicotomia entre racionalismo e empirismo, sobre a possibilidade do conhecimento efetivo e absoluto, afirmado pelos racionalistas e negado pelos empiristas é estudada em seus pormenores por Kant. A solução para esta oposição entre as duas doutrinas filosóficas é chamada pelo filósofo, de “revolução copernicana da filosofia”, numa referência à revolução paradigmática feita por Copérnico na astronomia, que mudou nossa visão do mundo e de sua posição no universo.
De certo modo, Kant tenta provar que tanto os inatistas (os racionalistas, que consideram certas ideias inatas na alma), quanto os empiristas estavam errados. Ou seja, os conteúdos do conhecimento não são inatos, nem são adquiridos pela experiência. Kant postula, que a razão é inata, mas é uma estrutura vazia e sem conteúdo, que não depende da experiência para existir. A razão fornece a forma do conhecimento e a matéria é fornecida pelo conhecimento. Desta maneira, a estrutura da razão é inata e universal, enquanto os conteúdos são empíricos, obtidos pela experiência. Baseado nestes pressupostos, Kant afirma, que o conhecimento é racional e verdadeiro.
Todavia, segundo o filósofo, não se pode conhecer a realidade das coisas e do mundo, o que ele chama de noumeno, “a coisa em si”. A razão humana, só pode conhecer aquilo que recebe as formas (cor, tamanho, etc.) e as categorias (elementos que organizam o conhecimento) do sujeito do conhecimento, isto é, de cada um de nós. A realidade, portanto, não está nas coisas (já que não as pode conhecer em última análise), mas em nós. Assim, vê-se o mundo “filtrado e processado” pela nossa razão, depois que as percepções passaram pelas categorias.

Por favor, tente extrair o máximo possível desse texto e fazer o link com "Vale lembrar que a ideia moderna de ciência surgiu de um Filósofo, Kant. Ele é o motivo de Deus não ser a prova das coisas materiais, como era em Descartes, por exemplo."

Para o bem da "cordialidade", que deve existir, e para o bem de qualquer tópico que deve caminhar, eu vou evitar debater com você... nunca dá certo.
Quando alguém como você me mostrar a sequência explícita de eventos que conduziram o necessário, das regurgitações filosóficas do tal filósofo que "gerou a ideia moderna de ciência" (hahahahahaha...) até a uma vávula de um motor de uma Ferrari, aí eu poderei perder mais algum tempo lendo tais baboseiras. Até lá...

"Cordialidade" (por que "deve existir"?  ...) não enche minha barriga faminta.

Offline Renato T

  • Nível 37
  • *
  • Mensagens: 3.486
  • Sexo: Masculino
Re:Notável filósofo ateu diz que darwinismo não se sustenta
« Resposta #49 Online: 01 de Maio de 2013, 22:16:36 »
Fica difícil ver se o cara falará besteira sem nem mesmo ler o livro.
Me pareceu polêmica demais pra motivo de menos essa matéria. Falar que o materialismo  neodarwinista provavelmente não se sustenta e citar pensadores do Designe Inteligente não é nem metade da bomba que essa matéria faz pensar. Vai saber o que o cara tem pra dizer dentro do livro...

Pode até ser, mas eu acho sem sentido utilizar de filosofia para refutar o biologia evolutiva. Afirmo isso supondo que é isso que ele fez.

Sem sentido não é. Se não se sustenta nesse âmbito também, há de se pensar o porquê; afinal, essa é outra área do conhecimento importantíssima.
..


Não sei Renato. Filosofia é basicamente alguém que fica fazendo conjecturas sem ter de observar qualquer conhecimento formal do campo em que está sendo "filosofado"? Filosofia muitas vezes é tudo e não é nada.

Concordo com o OGM, não vejo refutar biologia evolutiva com filosofia.

Existem princípios filosóficos importantíssimos pra ciência, sem a qual a mesma talvez nem funcionasse direito.
Ah, tá.


A ideia de causalidade, a ciência baseada em paradigmas, princípio de identidade, etc.
São esses os tais "princípios"?!

Tudo isso é produto de indução empírica. Se não, mostre o processo de surgimento de tais conceitos de outra forma. Mostre! Objetivamente! Nada de lengalenga filosófica nem remetimento a leituras de filósofos, citações de capítulos e versículos bíblicos. Começe pela causalidade, mostre como não é induzida da realidade observada. Dispense os paradigmas pois tais são tão ostensivamente indutivos que não vale perder tempo. Identidade sem comparação indutiva também..., se quiser arriscar, fique à vontade.


As duas coisas não se separam dessa maneira que às vezes parece.
Que "duas coisas"? Uma é produto de defeito cognitivo na interação com realidade e só isso. É só uma mesma máquina com funcionamento ótimo ou não.


Vale lembrar que a ideia moderna de ciência surgiu de um Filósofo, Kant.
Ah, sim. Obrigado por me... "lembrar" disso. Só desculpe que esquecerei logo em seguida.


Ele é o motivo de Deus não ser a prova das coisas materiais, como era em Descartes, por exemplo.
"Kant não ser o motivo de deuses* não serem provas de coisas materiais" deveria ficar na seção de papo furado - piadas.

*Só de você colocar esse "Deus", único e com maiúscula, já te delata.




...Tem certeza de que Kant não é (seu) deus?

ALERTA TROLL - EVITE ALIMENTÁ-LO

Rapaz... e eu que achei que você estava exagerando, Giga...

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!