Autor Tópico: Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?  (Lida 9831 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #125 Online: 31 de Janeiro de 2017, 17:42:06 »
Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha.

Exceto pela vilanização PC de ambos, e de algumas outras coisas mais amenas contra brancos, como a própria cor "branquela" ser indesejável, não saber dançar, cantar, ser muito "certinho", ser playboy, etc. Daí não é de se estranhar que parte do "orgulho branco" possa ser sim, ao menos inicialmente, uma resposta análoga ao orgulho negro, mas acabar descambando em racismo mesmo. Da mesma forma que o negro.

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.955
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #126 Online: 31 de Janeiro de 2017, 17:46:12 »
A analogia honesta seria "orgulho de ser branco" é como "orgulho de ser terráqueo". Ainda não vi nenhum terráqueo usando.

Ou, orgulho de ser humano, expressando a necessidade que temos de afirmar nossos valores e qualidades para todas as outras espécies animais.

(Posso me materializar nesta discussão?)

Isso tem a ver com algo que escrevi aqui uns tempos atrás: a confusão surge a partir de uma simples questão semântica: os (inserir classe oprimida) geralmente passam a vida inteira tendo seu estilo de vida/ cor da pele / aparência etc. menosprezado, tratado como inferior e motivo de vergonha. Nesse contexto, o uso da palavra Orgulho de ser (inserir característica X) na verdade não tem o significado da palavra orgulho tal como a usamos normalmente (satisfação, emoção positiva associada à conquista de alguma coisa ou a uma realização). O signicado que ela adquire aí é "Não tenho motivos para ter vergonha de ser X" . Só que, no momento de se fabricar um slogan, fica muito mais fácil usar "orgulho de ser X" do que "não tenho motivos etc..."

Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha. Como você disse, seriam equivalentes a "orgulho terráqueo". E há o fato também de que as pessoas que defendem esses tais movimentos na verdade os usem como uma expressão do seu desejo de continuar a menosprezar aqueles que já são menosprezados. A sociedade (apesar do que insistem em dizer alguns chorões) não oprime o branco, ou o hétero.

Isso praticamente sintetiza tudo que eu escrevi ao longo de 6 ou 7 "posts".  E eu creio que seja algo tão óbvio que não carece de ser tão explicado.

Nem sei como não lembrei também do exemplo do patético "orgulho hétero"... Este sim, uma analogia perfeita com o "orgulho branco." Me lembra também a retórica hipócrita da bancada evangélica, pedindo votos para "a defesa da família", como se a família estivesse sob forte ameaça. Meu deus, as pessoas que querem se casar com alguém do sexo oposto e ter filhos além de não terem esse tipo de união reconhecido por lei, ainda sofrem, coitadas, todo tipo de constrangimento social e preconceito. Precisamos mesmo de parlamentares e leis para defender estas pessoas oprimidas.

E passeatas, claro. Pela visibilidade da heterossexualidade.

Olha, pessoal, nada do que eu disse aqui é minha opinião. São fatos!

"White Power" foi uma expressão usada pela 1ª vez no livro de George Lincoln Rockwell, o fundador do Partido Nazista Americano.

http://www.americannaziparty.com/White_Power_html/White_Power/Chapter_16.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Skinhead_white_power

Vejam também de onde vem a expressão orgulho branco, quem a usa e pra quê.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Orgulho_branco

Da mesma forma, tudo que afirmei sobre "orgulho negro" não é subjetividade minha, são fatos relacionados com a origem dessa expressão remontando aos famosos movimentos pelos direitos civis que agitaram a sociedade americana na década de 60.

Offline Muad'Dib

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.907
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #127 Online: 31 de Janeiro de 2017, 17:54:10 »
O maldito conceito de cristofobia.


Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #128 Online: 31 de Janeiro de 2017, 17:57:07 »
Como se encaixa o "orgulho judeu" nisso? É análogo ao positivo orgulho negro, ou ao negativo orgulho branco, numa defesa supremacista do zionismo?

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.955
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #129 Online: 31 de Janeiro de 2017, 17:58:25 »
Não passa de retórica rasteira. Um Malafaia da vida destes daí não quer dizer explicitamente "sou contra gays, sou contra que gays tenham os mesmos direitos de cidadãos não gays", porque fica evidente demais a insustentabilidade ( até moral ) dessa posição. Então, no lugar, usa-se o eufemismo desprovido de real sentido "defesa da família", que sempre parece algo nobre e bonitinho, em vez de preconceito e discriminação explícita.

Mas de defesa das famílias mesmo não há nada, até porque as famílias não precisam ser defendidas.

Assim como a cultura branca, a "raça" branca, o que menos precisam é de alguém que as defenda.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.981
  • Sexo: Masculino
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #130 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:01:12 »
[...]
Nada disso tinha a ver com supremacismo.
[...]

Malcom X não concordaria integralmente com você.

Nem a maioria dos membros da Nação do Islã e nem muitos da OAAU.
Foto USGS

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #131 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:04:51 »
Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha.

Exceto pela vilanização PC de ambos, e de algumas outras coisas mais amenas contra brancos, como a própria cor "branquela" ser indesejável, não saber dançar, cantar, ser muito "certinho", ser playboy, etc. Daí não é de se estranhar que parte do "orgulho branco" possa ser sim, ao menos inicialmente, uma resposta análoga ao orgulho negro, mas acabar descambando em racismo mesmo. Da mesma forma que o negro.
Exatamente! Por isso eu acho besta ter orgulho de ter mais ou menos melanina na pele. Não interessa muito o valor cultural que queiram dar, pois é puro relativismo.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.955
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #132 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:33:06 »
[...]
Nada disso tinha a ver com supremacismo.
[...]




Malcom X não concordaria integralmente com você.

Nem a maioria dos membros da Nação do Islã e nem muitos da OAAU.

Malcon X foi membro da Nação do Islã. O que eu sei de Malcon X é que ele pregava um tipo de reação violenta contra a opressão, e foi um movimento minoritário. A Nação do Islã nunca chegou a ter nem 50 mil membros, e surgiu em um país onde a KKK chegou a ter 6 milhões de associados. O que talvez não justifique ( ou talvez até justifique sim ) mas certamente explica o surgimento de algo como a Nação do Islã na década de 30.

Agora, até onde eu sei não foi nem a Nação do Islã e muito menos os Panteras Negras que cunharam expressões como "black pride", "black power", "black is beautiful"... Porém os Panteras Negras nunca lideraram ou representaram a luta contra o racismo nos EUA.

Mas usar um movimento extremista minoritário para caracterizar a exceção como regra é tão retórica quanto, um tipo de discurso enviesado que tenta desqualificar a necessidade real de grupos socialmente marginalizados de construírem uma identidade apoiada em uma auto-imagem positiva, como parte importante e indissociável no processo de inclusão da população negra, com uma distorção que descreve aspirações justas e legítimas como impulsos supremacistas e sectários.

É aquele tipo de retórica que, como eu já disse, só acredita quem já está predisposto a aceitar.

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #133 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:37:52 »
[...]
Mas usar um movimento extremista minoritário para caracterizar a exceção como regra é tão retórica quanto, um tipo de discurso enviesado que tenta desqualificar a necessidade real de grupos socialmente marginalizados de construírem uma identidade apoiada em uma auto-imagem positiva, como parte importante e indissociável no processo de inclusão da população negra, com uma distorção que descreve aspirações justas e legítimas como impulsos supremacistas e sectários.

É aquele tipo de retórica que, como eu já disse, só acredita quem já está predisposto a aceitar.
Martin Luther King Jr. apregoava o "Orgulho negro"? Ele é a ponta da lança do Movimento de Direitos Civis nos anos 1960 e nunca li nada a respeito dele defender algum tipo de "Orgulho Negro" ou "volta às origens africanas" dos afro-americanos.

A não ser que "Orgulho Negro" seja sinônimo de luta contra o racismo, o que eu parcialmente discordo.
« Última modificação: 31 de Janeiro de 2017, 18:41:38 por Gauss »
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.955
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #134 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:41:55 »
Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha.

Exceto pela vilanização PC de ambos, e de algumas outras coisas mais amenas contra brancos, como a própria cor "branquela" ser indesejável, não saber dançar, cantar, ser muito "certinho", ser playboy, etc. Daí não é de se estranhar que parte do "orgulho branco" possa ser sim, ao menos inicialmente, uma resposta análoga ao orgulho negro, mas acabar descambando em racismo mesmo. Da mesma forma que o negro.
Exatamente! Por isso eu acho besta ter orgulho de ter mais ou menos melanina na pele. Não interessa muito o valor cultural que queiram dar, pois é puro relativismo.

Mas não se trata nem nunca se tratou do orgulho de ter mais ou menos melanina. Se fosse isso seria realmente besta.

Mas esta simplificação é ingênua e não corresponde ao que se discute aqui.

Não deveria ser a coisa mais difícil do mundo entender que "orgulho de ser negro" foi um slogan que precisou ser repetido um milhão de vezes em uma cultura que simplesmente definiu que era uma vergonha ser negro.

Uma verdade que as imagens abaixo não permitem que seja negada.








Offline Muad'Dib

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.907
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #135 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:51:36 »
Malcolm X, no fim de sua vida, renegou toda a retórica extremista que ele pregava na Nação do Islã. Ele continuou sim, até o fim, a pregar que negros deveriam se armar para se defender de agressões raciais dos brancos, que, afinal, eram rotineiras, mas após voltar da peregrinação à Meca e do tour pela África, o discurso segregacionista que ele pregava foi totalmente abandonado. Chegou até a afirmar que casamentos entre brancos e negros nada mais eram que casamento entre duas pessoas.

O radicalismo dele no tempo da Nação do Islã foi uma resposta natural de um ser humano que cresceu sendo oprimido. Malcolm X era um ser humano tão grande que, quando estava por cima na Nação do Islã, não se aproveitou para enriquecer ou conquistar poder e depois, quando ficou insustentável defender o radicalismo, ele simplesmente abandonou o erro, declarou que estava errado e fez o que pode para se redimir.
« Última modificação: 31 de Janeiro de 2017, 18:54:38 por Wowbagger, o Infinitamente Prolongado »

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #136 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:54:27 »
Mas usar um movimento extremista minoritário para caracterizar a exceção como regra é tão retórica quanto, um tipo de discurso enviesado que tenta desqualificar a necessidade real de grupos socialmente marginalizados de construírem uma identidade apoiada em uma auto-imagem positiva, como parte importante e indissociável no processo de inclusão da população negra, com uma distorção que descreve aspirações justas e legítimas como impulsos supremacistas e sectários.

Não sei se o Geotecton pretendeu caracterizar a exceção como regra. Eu penso que seja mais chamar atenção a haver uma continuidade, gradação.

Em que difere a "auto-imagem positiva" do orgulho negro e a da supremacia negra? E a narrativa sobre os brancos/opressores/privilegiados?


Não deverá haver uma distinção clara, com os supremacistas sempre falando algo que não pudesse ser tomado como mero discurso de "orgulho benigno", e os não-supremacistas sempre falando algo que jamais poderia ser confundido com algo que vem de um discurso supremacista. Na verdade, na maior parte do tempo isso deverá ser algo que os defensores do "orgulho benigno" precisam de algum esforço extra para enfatizar. Mas os defensores de supremacismo/separatismo também devem ao mesmo tempo argumentar que suas posições é que são as inocentes, benignas.


Não penso que a Matilde Ribeiro, ex-ministra da igualdade racial, fosse exatamente supremacista negra, mas ela fez umas colocações que mostram como a distinção pode ser turva. "A reação de um negro de não querer conviver com um branco, eu acho uma reação natural. Quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou”.

Se isso é aceitável como "nada demais" do ponto de vista que está aí, seria no mínimo tão aceitável quanto na defesa de algo que um "racismo light" para colocações análogas sobre brancos evitando conviver com negros, com base em associações estatísticas ou experiência pessoal.

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #137 Online: 31 de Janeiro de 2017, 18:56:46 »
Mas não se trata nem nunca se tratou do orgulho de ter mais ou menos melanina. Se fosse isso seria realmente besta.

Mas esta simplificação é ingênua e não corresponde ao que se discute aqui.

Não deveria ser a coisa mais difícil do mundo entender que "orgulho de ser negro" foi um slogan que precisou ser repetido um milhão de vezes em uma cultura que simplesmente definiu que era uma vergonha ser negro.

Uma verdade que as imagens abaixo não permitem que seja negada.
[imagens]
Não estou me referindo a este tipo de "orgulho negro". Você já viu o que os movimentos negros fazem hoje em dia? Negralismo e tudo o mais?
« Última modificação: 31 de Janeiro de 2017, 18:59:17 por Gauss »
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #138 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:02:45 »
Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha.

Exceto pela vilanização PC de ambos, e de algumas outras coisas mais amenas contra brancos, como a própria cor "branquela" ser indesejável, não saber dançar, cantar, ser muito "certinho", ser playboy, etc. Daí não é de se estranhar que parte do "orgulho branco" possa ser sim, ao menos inicialmente, uma resposta análoga ao orgulho negro, mas acabar descambando em racismo mesmo. Da mesma forma que o negro.
Exatamente! Por isso eu acho besta ter orgulho de ter mais ou menos melanina na pele. Não interessa muito o valor cultural que queiram dar, pois é puro relativismo.

(Escrevi o post antes da última resposta do Gauss, fiz algumas modificações então)

Bem, como foi explicado uns posts acima, esse "orgulho" negro na verdade não é exatamente orgulho como se costuma pensar, mas uma reação contra o status quo. E francamente, falando como um privilegiado* que nunca sofreu com isso**, simplesmente não dá para comparar a pressão social contra os "branquelos" com aquilo que os negros sofrem todos os dias, desde criança. Essa é uma pressão que as crianças recebem na escola, na rua, nos outdoors, na TV, no cinema, enfim, em todos os lugares. Se for comparar com algo que atinge os brancos, seria o caso da pressão que as mulheres recebem para ser magras.

Isso não quer dizer que não existam excessos, como gente querendo que as escolas ensinem a história dos reinos africanos em pé de igualdade com a história européia, mas isso não invalida as questões levantadas por esses movimentos.

*Geralmente sou confundido por aí com israelense/palestino, o que, se não é "branco" pelos padrões americanos, o é pelos padrões brasileiros :).

**Meu pai é mulato, e até hoje lembra com amargura das piadas e provocações que ouvia quando criança.
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #139 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:08:24 »
(Escrevi o post antes da última resposta do Gauss, fiz algumas modificações então)

Bem, como foi explicado uns posts acima, esse "orgulho" negro na verdade não é exatamente orgulho como se costuma pensar, mas uma reação contra o status quo. E francamente, falando como um privilegiado* que nunca sofreu com isso**, simplesmente não dá para comparar a pressão social contra os "branquelos" com aquilo que os negros sofrem todos os dias, desde criança. Essa é uma pressão que as crianças recebem na escola, na rua, nos outdoors, na TV, no cinema, enfim, em todos os lugares. Se for comparar com algo que atinge os brancos, seria o caso da pressão que as mulheres recebem para ser magras.

Isso não quer dizer que não existam excessos, como gente querendo que as escolas ensinem a história dos reinos africanos em pé de igualdade com a história européia, mas isso não invalida as questões levantadas por esses movimentos.

*Geralmente sou confundido por aí com israelense/palestino, o que, se não é "branco" pelos padrões americanos, o é pelos padrões brasileiros :).

**Meu pai é mulato, e até hoje lembra com amargura das piadas e provocações que ouvia quando criança.

Como disse, não me refiro ao "orgulho negro" num sentido de não ter vergonha por ser o que é. E sim pelos excessos que é comum surgir dentro desses movimentos, que estão cada vez mais polarizados e comuns de ocorrer.



Acho errado tentar colocar um grupo  como privilegiado, pode estragar o diálogo, pois dá a entender que um branco/hétero/cisgênero/patrão/burguês não possa dar opinião sobre algo por não fazer parte de determinado grupo.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #140 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:11:30 »
Olhando assim, fica claro porque não faz sentido defender um "Orgulho Hétero" ou "Orgulho Branco": não se tratam de características que são menosprezadas ou consideradas motivos para vergonha.

Exceto pela vilanização PC de ambos, e de algumas outras coisas mais amenas contra brancos, como a própria cor "branquela" ser indesejável, não saber dançar, cantar, ser muito "certinho", ser playboy, etc. Daí não é de se estranhar que parte do "orgulho branco" possa ser sim, ao menos inicialmente, uma resposta análoga ao orgulho negro, mas acabar descambando em racismo mesmo. Da mesma forma que o negro.
Exatamente! Por isso eu acho besta ter orgulho de ter mais ou menos melanina na pele. Não interessa muito o valor cultural que queiram dar, pois é puro relativismo.

(Escrevi o post antes da última resposta do Gauss, fiz algumas modificações então)

Bem, como foi explicado uns posts acima, esse "orgulho" negro na verdade não é exatamente orgulho como se costuma pensar, mas uma reação contra o status quo. E francamente, falando como um privilegiado* que nunca sofreu com isso**, simplesmente não dá para comparar a pressão social contra os "branquelos" com aquilo que os negros sofrem todos os dias, desde criança. Essa é uma pressão que as crianças recebem na escola, na rua, nos outdoors, na TV, no cinema, enfim, em todos os lugares. Se for comparar com algo que atinge os brancos, seria o caso da pressão que as mulheres recebem para ser magras.

Isso não quer dizer que não existam excessos, como gente querendo que as escolas ensinem a história dos reinos africanos em pé de igualdade com a história européia, mas isso não invalida as questões levantadas por esses movimentos.

*Geralmente sou confundido por aí com israelense/palestino, o que, se não é "branco" pelos padrões americanos, o é pelos padrões brasileiros :).

**Meu pai é mulato, e até hoje lembra com amargura das piadas e provocações que ouvia quando criança.

Não pretendi sugerir que seja equiparável, mas é sim comparável.

Uma pessoa negra bonita pode sofrer bem menos do que uma branca feia.



Nome de estudo real: "Hair Color and Courtship: Blond Women Received More Courtship Solicitations and Redhead Men Received More Refusals". Além de menos atraentes, os branquelos são vistos como menos competentes:

Citar
Does Tanness Mean Goodness? Perceptions of Tan Skin in Hiring Decisions

Abstract
In US culture, tan skin is portrayed as attractive and healthy. In turn, people tend to rate tan people more positively along these dimensions. In the current investigation, we examined whether tan individuals would be rated more favorably than non-tan individuals in a hiring context. Using Mechanical Turk, an online data collection system, we presented adult participants with an original photo of a job applicant or a digitally manipulated tanned photo (Study 1: N = 121, Study 2: N = 268). In both studies, participants in the tan conditions rated the applicant more favorably than those in the non-tan conditions. Study 2 demonstrated that more positive evaluations of tan applicants were mediated by perceptions of increased attractiveness among these individuals. Results support the “what is beautiful is good” hypothesis, and suggest that employers be made aware of the “tan bias” and that future research examine this bias in contexts beyond the workplace.



http://www.dailymail.co.uk/news/article-443754/Ugly-defendants-likely-guilty-attractive-ones.html

http://www.telegraph.co.uk/news/newstopics/howaboutthat/10187407/Ugly-people-are-more-bullied-at-work-study-finds.html

http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-1265949/Mixed-race-people-attractive-finds-British-study.html


Então para esses indivíduos, um "orgulho branco" pode ser inicialmente benigno como o orgulho negro benigno. Havendo também o risco, maior, de ligação com racismo propriamente dito.



Mas mais significativo que a depreciação apenas por aparência talvez seja a vilanização generalizada dos brancos, como eternos opressores privilegiados. Bem como a "carta branca" para se descer a lenha no white trash. (Algo análogo ocorrerá contra homens e heterossexuais)

Repetindo, não é proporcional, 1:1, ao fenômeno na outra direção, mas tem a mesma essência fundamental. E se alimentam mutuamente.

Offline Entropia

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 395
  • Sexo: Masculino
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #141 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:19:26 »
Dizer "Orgulho de ser caucasiano/Europeu". É mais apropriado que orgulho branco? Ou ainda é falsa analogia por nao se ter nenhuma dificuldade em ser?

Será sempre óbvio perceber quando alguém estiver usando uma narrativa de "Orgulho" no caso de meramente gostar de ter ancestralidade tal, ou fazer parte de cultura tal. Tal como tem gente aí que estranhamente se orgulha de ter "descendência viking", com o orgulho usado apenas como narrativa racista. Nos dois casos tanto do lado "Orgulho negro" de forma a caracterizacao do "Branco cristao eterno opressor" Quando orgulho branco na forma "Pela defesa dos valores ocidentais! Negros e islâmicos estao querendo destruir nossa cultura!!! Negros cometem mais crimes!!!11".

Acho que fazer perseguicao com uma palavra nao vai levar muito a algum lugar.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #142 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:23:16 »
Acho que a única escapatória para um "orgulho branco" mais neutro é ter uma especificidade tão grande quanto for possível, "orgulho francês", "orgulho italiano", "orgulho galego", sei lá. Talvez com designações étnicas ancestrais, como "orgulho celta", "orgulho saxão".

Por que senão é algo meio como falar em orgulho "euroasiatico-americano", "orgulho do hemisfério norte".



De outra forma, será muito difícil dissociar o termo nesse contexto, de racismo. Queira ou não, a associação existe, tal como poderá haver para outras coisas, como roupas em estilo gangsta e criminalidade.

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #143 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:31:07 »
Acho que a única escapatória para um "orgulho branco" mais neutro é ter uma especificidade tão grande quanto for possível, "orgulho francês", "orgulho italiano", "orgulho galego", sei lá. Talvez com designações étnicas ancestrais, como "orgulho celta", "orgulho saxão".

Mas "orgulho alemão" é nazismo. Rs.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #144 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:33:19 »
Mas orgulho bavário, não.







Contraste com "orgulho branco":



É essa a associação...

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #145 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:48:04 »
Nem o "orgulho saxão", que é outra identidade cultural dentro da Alemanha, concentrado no Noroeste, nas regiões da Vestfália e Baixa-Saxônia.
https://en.wikipedia.org/wiki/Northern_Germany

https://en.wikipedia.org/wiki/Low_German

https://en.wikipedia.org/wiki/Low_German_house
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.106
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #146 Online: 31 de Janeiro de 2017, 19:57:32 »
Mas esses parecem menos divertidos. E para evitar qualquer ambigüidade, poderia se falar em "orgulho de pontualidade e disciplina".

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.072
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #147 Online: 31 de Janeiro de 2017, 20:06:11 »
Mas esses parecem menos divertidos. E para evitar qualquer ambigüidade, poderia se falar em "orgulho de pontualidade e disciplina".

A Prússia era muito militarista e disciplinada(Virtudes prussianas), além de ser uma região protestante luterana, ao  contrário da católica Baviera, mas isso favoreceu para essa região  ser o centro financeiro da região, onde se concentraram muitos cientistas e artistas alemães.

Mas os bávaros são insuperáveis, nos deram de presente o mito Franzl Lang.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.981
  • Sexo: Masculino
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #148 Online: 31 de Janeiro de 2017, 20:07:31 »
Uma pessoa negra bonita pode sofrer bem menos do que uma branca feia.
[...]

Exatamente.

Mesmo que seja (e É!) muito menos comum.
Foto USGS

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.955
Re:Quando o orgulho de ser branco,vira racismo?
« Resposta #149 Online: 31 de Janeiro de 2017, 20:28:54 »
Vocês desvirtuaram e bifurcaram completamente o assunto.

Vamos lembrar que a pergunta que abre o tópico é : "Quando o orgulho de ser branco se torna racismo".

Só para saber do que estamos falando, porque parece que isso já ficou meio perdido pelo meio do caminho.

Quando? É o que se pergunta.

Resposta: O "orgulho branco" já nasceu racista. Esta foi uma expressão cunhada por George Lincoln Rockwell, um racista norte-americano, supremacista branco, e foi usada justamente como um eufemismo para o termo "superioridade branca". A intenção foi se apropriar de um slogan do movimento pelos direitos das minorias negras para justificar o que na verdade era um discurso racista, defendendo a manutenção e até ampliação dos privilégios de uma certa parcela étnica, como sendo algo equivalente à luta das minorias negras por igualdade.

Como ninguém aqui é retardado é desnecessário explicar porque essa retórica é absurda. Essa retórica é idêntica à do parlamentar bobalhão que está querendo instituir o "Dia do Orgulho Hétero". Mas para os evanjegues parece fazer muito sentido.

Que existam ou tenham existido movimentos negros radicais, sectários, que existam pessoas usando o movimento negro para alavancar uma carreira política, que existam até pessoas desse tipo interessadas mesmo em fomentar o racismo porque isso favorece a plataforma e eles oportunamente se apresentam como representantes para possíveis milhões de votos, que possam existir dez mil milhões de variações sobre o tema, isso é natural da diversidade humana e da complexidade das relações sociais norteadas, no fundo, sempre por interesses pessoais.

Interesses que podem ser legítimos ou ilegítimos, morais ou imorais.

Só que não é o que se propôs discutir aqui. Implicitamente a questão colocada é se a ideia de estimular a população negra a construir uma auto-imagem positiva, como contraposição a velhos esteriótipos culturalmente arraigados, tão nefastos que chegam a minar em muitas pessoas negras a confiança na sua própria capacidade de atingir os mesmos objetivos que pessoas brancas são capazes, pode ser considerado uma forma de racismo. E também, claro, como esse entendimento implica no entendimento da falta de propósito de ser declarar o orgulho branco, um genérico orgulho de pertencer a uma "raça branca". A menos que se admita o verdadeiro propósito por trás desse tipo de declaração.

Mas o "orgulho negro" representava a mesma coisa? Definitivamente não. É o oposto do racismo, foi uma das armas usadas na luta contra o racismo.

E se alguém por acaso desvirtuar e corromper este objetivo e real intenção, é outra história. É outra discussão.

Deem uma boa olhada nas 3 imagens de anúncios que eu postei ali em cima. Os 3 anúncios são idênticos: os "negrinhos" são retradados felizes e sorridentes depois de terem sido pintados de branco. Há uma mensagem muito clara aí, expressando os valores da cultura que criou esse tipo de propaganda. " Ser negro é uma condição inferior, é ruim, é algo referenciado de forma pejorativa, é motivo de vergonha, é algo que não se deva querer ser."

E como se confronta séculos desse tipo de programação cultural, crenças já profundamente introjetadas não só por brancos mas até pelos próprios negros?

É evidente que é preciso uma re-programação. O Obama ter ocupado a Casa Branca, não tenham dúvida que é uma "re-programação", mas ele também só chegou lá depois de décadas de reprogramação.

Com certeza não bastou dar acesso às universidades, em uma cultura onde a publicidade pinta de branco negrinhos para que eles fiquem felizes, ninguém votaria em um negro para presidente. Nem os próprios negros.

Esse discurso do movimento negro, como o Manhattan aí já explicou, originalmente era nada mais nada menos que um discurso necessário de desconstrução de uma crença de identidade para reconstruir outra.
Uma identidade positiva, virtuosa, confiante.

Originalmente. E continua sendo sempre que usado com essa intenção.

Mas meu deus do céu, quem é que vai rotular de nazista, racista, ou o que valha, uma pessoa que diz ter orgulho de ser de origem alemã?

Fala sério! Aqui perto há uma cidade chamada Friburgo, de colonização predominantemente suíça e alemã. O orgulho da herança alemã está estampado por toda a cidade, até nos telhados em ângulos agudos das casas, esperando uma neve que nunca irá cair. Não tem como confundir uma coisa com outra, isso é viagem de vocês. Não dá pra confundir Oktober Fest com um branco, de cabeça raspada, usando uma camiseta com "White Power" estampado na frente.

São mensagens! Tanto a pessoa construir no Brasil uma casa com telhado de neve, e usar uma camisa White Pride, são mensagens. A primeira é uma mensagem de orgulho, a segunda é uma mensagem racista. E quem não tiver dois neurônios com um quebra-molas no meio vai saber a diferença.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!