Autor Tópico: Ancine limitará ocupação das salas de cinema  (Lida 7305 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Rocky Joe

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.742
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #75 Online: 17 de Dezembro de 2014, 15:17:47 »
A questão da morte de cinemas menores e não localizados em shopping acho que é uma questão importante aqui só para mim. Você dá bons argumentos para a medida não ameaçá-los.

Uma coisa a ser levada em conta é que "ir a um multiplex" é também "ir ao shopping", dar um rolé. Eu não sei se a maior parte das pessoas sairiam do "centrão" apenas para ver um filme.

Mas se o interesse delas não é unicamente o filme, talvez elas não se incomodem de não assistir Transformers. Mas não sei. Talvez a medida prejudique o público de blockbusters.

Offline Rocky Joe

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.742
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #76 Online: 17 de Dezembro de 2014, 15:22:31 »
Cineclubes e festivais podem ser o futuro para maior diversidade no cinema.

Os festivais de cinema por aqui são parcialmente financiados pelo Estado. Imagino que para os foristas que só veem uma transição financeira entre o público e o produtor isto seja um absurdo.

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.916
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #77 Online: 17 de Dezembro de 2014, 15:25:31 »
Os festivais de cinema por aqui são parcialmente financiados pelo Estado. Imagino que para os foristas que só veem uma transição financeira entre o público e o produtor isto seja um absurdo.

Para mim é  :P.

Não acho que o Estado deva se meter em financiamento de festivais de cinema.
"Deus prefere os ateus"

Offline Rocky Joe

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.742
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #78 Online: 17 de Dezembro de 2014, 15:39:35 »
Different strokes for different folks, como diria a expressão que não pensei em um análogo em português.

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.916
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #79 Online: 17 de Dezembro de 2014, 15:59:38 »
Different strokes for different folks, como diria a expressão que não pensei em um análogo em português.

 :ok:
"Deus prefere os ateus"

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.934
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #80 Online: 17 de Dezembro de 2014, 17:20:41 »
Different strokes for different folks, como diria a expressão que não pensei em um análogo em português.

Sem dúvida.

E depois alguns cineastas retribuem o favor fazendo 'obras primas' como curtas homenageando 'ex-presidentes'.
Foto USGS

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.934
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #81 Online: 17 de Dezembro de 2014, 17:26:01 »
A questão da morte de cinemas menores e não localizados em shopping acho que é uma questão importante aqui só para mim. Você dá bons argumentos para a medida não ameaçá-los.

Não, não é só para você.

Eu lamento - e muito - a 'morte' dos cinemas ditos, por aqui, "de rua". A maioria dos filmes que me marcou, como experiência cinematográfica e de interpretação, foi assistida em cinemas deste tipo.


Uma coisa a ser levada em conta é que "ir a um multiplex" é também "ir ao shopping", dar um rolé. Eu não sei se a maior parte das pessoas sairiam do "centrão" apenas para ver um filme.

Eu me desloco ao shopping basicamente para ir aos cinemas e livrarias. Odeio o ambiente 'artificial' destes 'templos de consumo'.


Mas se o interesse delas não é unicamente o filme, talvez elas não se incomodem de não assistir Transformers. Mas não sei. Talvez a medida prejudique o público de blockbusters.

Os blockbusters são quase sempre filmes de entretenimento, que podem (mas geralmente não) ter um bom conteúdo para os 'cinéfilos intelectuais'.
Foto USGS

Rhyan

  • Visitante
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #82 Online: 17 de Dezembro de 2014, 18:25:33 »
Hum... Você está ciente de que suas ideias não correspondem aos fatos?

Quanto menos concorrência melhor? Preços artificiais e manipulados são melhores? Vontade do consumidor deve estar abaixo da vontade do estado e dos seus amigos corporativistas? Carteis são melhores que o livre mercado?

Esclareça-me! E eu aqui achando que entendia alguma coisa de economia.

Rhyan

  • Visitante
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #83 Online: 17 de Dezembro de 2014, 18:28:19 »
Desculpe a minha ignorância mas preciso perguntar...

Porquê?

Sem regulamentações temos: Ausência de barreiras para entrada de concorrentes, preços livres sinalizando perfeitamente o estado do mercado, vontade do consumidor sendo soberana, fim de carteis gerenciados por agências reguladoras... sabe, um livre mercado.

Claro, claro... também não é necessário que o Estado estabeleça Normas Regulamentadoras [relacionadas à segurança e medicina do trabalho] e Regulações sobre o processamento/manejo/disposição de resíduos e dejetos perigosos, pois o mercado com certeza seria super-eficiente em elaborar/manter um conjunto adequado e rigoroso de tais normas. :hein:

Só o estado poderia regular sobre isso? As empresas gostam de arriscar as vidas de seus empregados? Os empregados gostam de trabalhos arriscados? Poluir propriedades alheias é ok num livre mercado.

Na boa, pense antes de escrever tanta bobagem.

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #84 Online: 17 de Dezembro de 2014, 21:09:25 »
...
...

Claro, claro... também não é necessário que o Estado estabeleça Normas Regulamentadoras [relacionadas à segurança e medicina do trabalho] e Regulações sobre o processamento/manejo/disposição de resíduos e dejetos perigosos, pois o mercado com certeza seria super-eficiente em elaborar/manter um conjunto adequado e rigoroso de tais normas. :hein:

(1)Só o estado poderia regular sobre isso? (2)As empresas gostam de arriscar as vidas de seus empregados? (3)Os empregados gostam de trabalhos arriscados? (4)Poluir propriedades alheias é ok num livre mercado.

(5)Na boa, pense antes de escrever tanta bobagem.

1. Pessoas jurídicas de direito privado são livres para fazer tudo aquilo que não seja ilegal. Também não há crime sem lei anterior que o defina e não há pena sem prévia cominação legal. Enquanto empresas somente existirem em territórios com legislação aplicada por um único poder judiciário (ligado ao Estado), não há como afirmar categoricamente se empresas poderiam manter uma auto-regulação razoável e estável à longo prazo fora dessa condição. Existe a OMC, que é uma pessoa jurídica de direito público externo, que regula certas atividades e acordos comerciais à nivel internacional, mas isso já é outro departamento.
2. Empresas não gostam de coisa alguma. Já os dirigentes das empresas, quer gostem ou não, farão bem em atender às exigências da legislação vigente e oferecer condições mínimas de segurança aos seus funcionários, independente do grau de insalubridade e/ou periculosidade do trabalho por eles executado.
3. Essa pergunta deveria ser feita a quem trabalha em minas de carvão ou em sweatshops que oferecem condições de trabalho e segurança precárias.
4. Se poluir propriedades alheias é realmente "ok" num livre mercado, isso é somente mais uma razão para achar que (a)o livre mercado é um sistema irresponsável e (b)aqueles que o defendem sem reservas são psicopatas.
5. A realidade manda lembranças.
« Última modificação: 18 de Dezembro de 2014, 00:13:58 por Pilantrólogo »
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #85 Online: 17 de Dezembro de 2014, 21:58:31 »
A questão da morte de cinemas menores e não localizados em shopping acho que é uma questão importante aqui só para mim...
De modo algum. Eu mesmo procuro frequentar cinemas independentes. Mais conforto, pessoal mais tranquilo e preços camaradas. As vezes dá até pra fazer amizade com o dono do estabelecimento. Isso não tem preço.

.... Você dá bons argumentos para a medida não ameaçá-los.
Muito grato. Confesso entretanto que não vejo a medida como sendo ideal, mas também está muito longe de ser uma cagada como alguns aqui sugerem.

Uma coisa a ser levada em conta é que "ir a um multiplex" é também "ir ao shopping", dar um rolé. Eu não sei se a maior parte das pessoas sairiam do "centrão" apenas para ver um filme.

Mas se o interesse delas não é unicamente o filme, talvez elas não se incomodem de não assistir Transformers. Mas não sei. Talvez a medida prejudique o público de blockbusters.
Justamente.
Você vai ao shopping e aproveita pra ver o que está em cartaz ou você vai ao cinema e aproveita pra passear no shopping.
Eu me arriscaria a concordar com esse "talvez" seu. É possivel que o público blockbuster mais que eventualmente tenha que esperar pela próxima sessão nos Multiplex da vida (o que, a depender do caso, mesmo hoje em dia ainda ocorre) ou, se a gana for muita, comprar o ingresso antecipado on-line pra garantir e evitar fila. Mas isso seria só no começo...
« Última modificação: 17 de Dezembro de 2014, 23:55:20 por Pilantrólogo »
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #86 Online: 18 de Dezembro de 2014, 11:51:29 »
Saiu:
Governo Limita Ocupação de Salas de Cinemas à Até 35% Pelo Mesmo Filme

Citar
A voracidade dos blockbusters ganhou um limite. A Ancine (Agência Nacional do Cinema), após consultar representantes do setor cinematográfico, bateu o martelo nesta quarta (17) e definiu um teto à ocupação das salas por um mesmo filme.
A partir de 2015, um único título não poderá ocupar mais do que duas em complexos de até seis salas de cinema. Nos casos dos espaços multiplex com mais de seis salas, o teto não poderá ultrapassar 35%.
A polêmica ganhou força em novembro, após reportagem da Folha apontar a ocupação recorde de salas por um único filme no país: "Jogos Vorazes: A Esperança–Parte 1" estreou em 1.300 salas das 2.800 do país (46% do total).

Em entrevista à Folha à época, o presidente da Ancine, Manoel Rangel, classificou o lançamento de "predatório" por restringir a diversidade de filmes que poderiam ser exibidos nesses lugares. A declaração teve grande repercussão no meio cinematográfico, que já discutia o assunto em câmara técnica do órgão.
A adoção de uma medida como essa, existente em países como a França (30%), divide o mercado brasileiro.
O segmento mais independente e autoral afirma que a distribuição dos filmes nos cinemas é o principal gargalo da produção nacional, já que filmes do país entram em poucas salas e ficam pouco tempo em cartaz. Grandes redes de cinemas e distribuidoras, por outro lado, rejeitam uma intervenção estatal por ferir a livre concorrência.
Ontem, por exemplo, longas das franquias "O Hobbit" e "Jogos Vorazes" ocupavam oito das 14 salas do Cinemark Aricanduva, e a animação "As Aventuras do Avião Vermelho", único brasileiro em exibição no local, dividia uma sala com o longa "Drácula".
"Os megalançamentos são bem-vindos porque aumentam a frequência ao cinema, mas queremos evitar que homogeneízem a programação como ocorre hoje", diz Rangel.
Segundo ele, a chamada cota de tela dará "capilaridade" aos lançamentos. "Uma distorção atual é que, mesmo quando um filme ocupa muitas salas num mesmo complexo, não se espalha para muitos locais. Com essa medida, os filmes poderão chegar a cidades onde antes não chegavam."
Convocados pela Ancine, representantes dessas entidades se reuniram na semana passada para discutir diversos aspectos ligados à digitalização dos cinemas, incluindo a ocupação pelos grandes lançamentos, mas só chegaram a uma definição sobre o teto que consideram adequado nesta quarta.
O acordo foi assinado por 17 das 21 grandes exibidoras (isto é, que possuem mais de 20 salas de cinema no país). Ao todo, 82% das telas dos complexos com mais de três salas são cobertas pelo termo –75% do total de salas no Brasil.
A decisão não tem força de lei, mas cinemas que não a seguirem terão de apresentar compensação, como exibir filmes nacionais por mais tempo.
O ano que vem será a prova de fogo da medida. Estreiam em 2015 mais de dez franquias blockbusters, incluindo "Star Wars" e "007", cada vez mais dependentes de países estrangeiros diante do enfraquecimento do mercado nos EUA.

RECEPÇÃO

Para parte dos diretores, distribuidores e exibidores do país, a medida anunciada pela Ancine que limitará a ocupação das salas de cinema pelo mesmo título é bem-vinda. Mas não há consenso sobre como o mercado reagirá a ela em 2015, ano de grandes lançamentos hollywoodianos.
"A medida ajuda, mas não é nenhuma varinha mágica", diz Adhemar Oliveira, diretor de programação do Espaço Itaú. "Mesmo com a limitação, um cinema pode lotar nove de suas salas com apenas três filmes. Cadê a diversidade aí?"
Segundo ele, o maior gargalo é o pequeno número de salas de cinema no Brasil.
O acordo já veio tarde, segundo os cineastas André Klotzel ("A Marvada Carne") e Cláudio Assis ("A Febre do Rato"). "Já falamos disso há dez anos. Na França o filme paga mais imposto quando ocupa muitas salas", diz Klotzel.
Ele diz que o mercado hoje vive uma "liberdade abusiva". "É preciso tratar de forma diferente lançamentos que são diferentes", afirma o diretor.
Assis defende uma cota de tela ainda maior (o máximo estabelecido é 35%). "O nosso filme é expulso das salas pelas produções estrangeiras."
"Esse limite só vai reforçar a posição do filme nacional competitivo por um bom espaço no circuito", pondera Bruno Wainer, diretor da distribuidora Downtown Filmes.
"A ocupação predatória é imposta pela força econômica das corporações internacionais, e não necessariamente pela demanda do publico por um determinado titulo."
Diretor da Paris Filmes, que distribuiu "Jogos Vorazes" no país, Marcio Fraccaroli também se disse favorável à cota (ele integra a câmara técnica da Ancine). Apesar de já ter se manifestado contra uma intervenção do Estado em ocasiões anteriores, disse que a decisão foi "normal e democrática".
"A intervenção nunca é bem-vinda, mas não foi uma atitude tomada de cima para baixo", diz Paulo Lui, presidente da Feneec (Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas). "Alguns exibidores se opõem, mas no geral há entendimento."
Lui não crê que a regra vá ser infringida. "O mercado está mais profissional. Não há mais exibidores amadores."
Os membros do setor convocados para debater o tema pela Ancine propuseram a criação de uma comissão que irá avaliar o desempenho da medida em 2015.

Obs.: Negrito e ênfase na cor vermelha meus, para ressaltar colocações relacionadas às criticas e observações feitas pelos foristas durante a discussão sobre o referido tema.
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.024
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #87 Online: 18 de Dezembro de 2014, 16:25:09 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.916
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #88 Online: 18 de Dezembro de 2014, 18:27:50 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.

Tomara que não.

Citar
"A ocupação predatória é imposta pela força econômica das corporações internacionais, e não necessariamente pela demanda do publico por um determinado titulo."

Citar
Ontem, por exemplo, longas das franquias "O Hobbit" e "Jogos Vorazes" ocupavam oito das 14 salas do Cinemark Aricanduva, e a animação "As Aventuras do Avião Vermelho", único brasileiro em exibição no local, dividia uma sala com o longa "Drácula".

Com certeza a demanda para assistir "As Aventuras do Avião Vermelho" é tão grande ou até maior que a demanda para assistir "O Hobbit" e "Jogos Vorazes", mas as malditas corporações internacionais não nos deixam assistir o que queremos! Bastardos!!!!!  :P
"Deus prefere os ateus"

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.218
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #89 Online: 18 de Dezembro de 2014, 20:38:02 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.
Tirando o fato de que a analogia com confeitos não  é muito condizente, já que exibição de filmes entra na seara de cultura de massa(não confundir massa de bolo com massa humana), algo no escopo doutrinário, também acho intrusiva essa tentativa de controle, principalmente por que não deve ser algo a nível educativo e sim para promoção das "porcarias" cinematográficas produzidas no Brasil. Chega a ser melancólico.

Rhyan

  • Visitante
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #90 Online: 18 de Dezembro de 2014, 22:10:30 »
1. Pessoas jurídicas de direito privado são livres para fazer tudo aquilo que não seja ilegal. Também não há crime sem lei anterior que o defina e não há pena sem prévia cominação legal. Enquanto empresas somente existirem em territórios com legislação aplicada por um único poder judiciário (ligado ao Estado), não há como afirmar categoricamente se empresas poderiam manter uma auto-regulação razoável e estável à longo prazo fora dessa condição. Existe a OMC, que é uma pessoa jurídica de direito público externo, que regula certas atividades e acordos comerciais à nivel internacional, mas isso já é outro departamento.

Seu erro é ignorar a capacidade da concorrência e maior confiabilidade em sistemas privados. Eles têm uma reputação a zelar e não são monopolistas.

Citar
2. Empresas não gostam de coisa alguma. Já os dirigentes das empresas, quer gostem ou não, farão bem em atender às exigências da legislação vigente e oferecer condições mínimas de segurança aos seus funcionários, independente do grau de insalubridade e/ou periculosidade do trabalho por eles executado.
3. Essa pergunta deveria ser feita a quem trabalha em minas de carvão ou em sweatshops que oferecem condições de trabalho e segurança precárias.

A pergunta foi feita imaginando um ambiente trabalhista não intervencionista (liberal) onde a teoria econômica garante o fim do desemprego involuntário.

Citar
4. Se poluir propriedades alheias é realmente "ok" num livre mercado, isso é somente mais uma razão para achar que (a)o livre mercado é um sistema irresponsável e (b)aqueles que o defendem sem reservas são psicopatas.

Esqueci de colocar o ponto de interrogação, foi uma pergunta. O fato de não ter percebido o erro já demostra o total desconhecimento sobre o tema.

Citar
5. A realidade manda lembranças.

A teoria econômica também.

É muito leigo querendo criticar o que não conhece...

Rhyan

  • Visitante
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #91 Online: 18 de Dezembro de 2014, 22:15:08 »
Citar
A decisão não tem força de lei, mas cinemas que não a seguirem terão de apresentar compensação, como exibir filmes nacionais por mais tempo.

Eles fazem de tudo pra enfiar esses lixos nacionais goela abaixo...

Citar
"A ocupação predatória é imposta pela força econômica das corporações internacionais, e não necessariamente pela demanda do publico por um determinado titulo."

Nossa, isso é tão Atlas Shrugged. Ninguém queria ver Jogos Vorazes, tudo conspiração hollywoodana.

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.916
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #92 Online: 18 de Dezembro de 2014, 22:21:46 »
Citar
A decisão não tem força de lei, mas cinemas que não a seguirem terão de apresentar compensação, como exibir filmes nacionais por mais tempo.

Eles fazem de tudo pra enfiar esses lixos nacionais goela abaixo...

Citar
"A ocupação predatória é imposta pela força econômica das corporações internacionais, e não necessariamente pela demanda do publico por um determinado titulo."

Nossa, isso é tão Atlas Shrugged. Ninguém queria ver Jogos Vorazes, tudo conspiração hollywoodana.


Exato, todo mundo queria ver "As Aventuras do Avião Vermelho". Aliás, esse avião vermelho deve ser coisa do PT  :hihi:...
"Deus prefere os ateus"

Rhyan

  • Visitante
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #93 Online: 18 de Dezembro de 2014, 22:40:53 »
Exato, todo mundo queria ver "As Aventuras do Avião Vermelho". Aliás, esse avião vermelho deve ser coisa do PT  :hihi:...

Caramba, nunca ouvi falar... hahahaha

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #94 Online: 19 de Dezembro de 2014, 00:46:40 »
1. Pessoas jurídicas de direito privado são livres para fazer tudo aquilo que não seja ilegal. Também não há crime sem lei anterior que o defina e não há pena sem prévia cominação legal. Enquanto empresas somente existirem em territórios com legislação aplicada por um único poder judiciário (ligado ao Estado), não há como afirmar categoricamente se empresas poderiam manter uma auto-regulação razoável e estável à longo prazo fora dessa condição. Existe a OMC, que é uma pessoa jurídica de direito público externo, que regula certas atividades e acordos comerciais à nivel internacional, mas isso já é outro departamento.

(1)Seu erro é ignorar a capacidade da concorrência e maior confiabilidade em sistemas privados. (2)Eles têm uma reputação a zelar e não são monopolistas.

Citar
2. Empresas não gostam de coisa alguma. Já os dirigentes das empresas, quer gostem ou não, farão bem em atender às exigências da legislação vigente e oferecer condições mínimas de segurança aos seus funcionários, independente do grau de insalubridade e/ou periculosidade do trabalho por eles executado.
3. Essa pergunta deveria ser feita a quem trabalha em minas de carvão ou em sweatshops que oferecem condições de trabalho e segurança precárias.

(3)A pergunta foi feita imaginando um ambiente trabalhista não intervencionista (liberal) onde a teoria econômica garante o fim do desemprego involuntário.

Citar
4. Se poluir propriedades alheias é realmente "ok" num livre mercado, isso é somente mais uma razão para achar que (a)o livre mercado é um sistema irresponsável e (b)aqueles que o defendem sem reservas são psicopatas.

(4)Esqueci de colocar o ponto de interrogação, foi uma pergunta. O fato de não ter percebido o erro já demostra o total desconhecimento sobre o tema.

Citar
5. A realidade manda lembranças.

(5)A teoria econômica também.

(6)É muito leigo querendo criticar o que não conhece...

Hum...
1. Eu apenas reconheço que empresas (ainda) não são comandadas (inteiramente) por computadores, mas sim por hominídeos mortais com personalidade, interesses e variações de humor.
2. Sim. Muito bem mantida com auxilio de profissionais de publicidade e relações publicas.
3. A pergunta então deveria ter sido melhor estruturada/elaborada. Respondi tomando por base a realidade e não o cenário de um wet dream livre-mercadista.
4. Apenas relembrando:
...
Só o estado poderia regular sobre isso? As empresas gostam de arriscar as vidas de seus empregados? Os empregados gostam de trabalhos arriscados? Poluir propriedades alheias é ok num livre mercado.
...
4.1 Colocou interrogação na três perguntas anteriores e se esqueceu de colocar na quarta? Interessante.
4.2 Na minha colocação constam ambos um Se, um realmente e um "ok", dispostos de maneira à construir um período onde se considera uma hipótese e não se afirma uma certeza. De todo modo, eu tenho ótimas razões para considerar quem defende um livre mercado sem reservas como sendo um psicopata.
5. Teorias essas que, por sinal, eu tive a felicidade de estudar durante os meus 8 anos de vida acadêmica.
6. Não, forista Libertário. A questão é que ler apenas o Manual de Economia da USP, O Caminho da Servidão, (fazer uma leitura meia-boca de) A Riqueza das Nações, consumir Milton Friedman e achar que o Equilíbrio de Nash é uma teoria magnifica não torna alguém um baluarte das teorias econômicas. (Não estou sugerindo que seja este seu caso. Apenas queria que você soubesse...)

Um pouco mais de humildade lhe faria bem.
« Última modificação: 19 de Dezembro de 2014, 01:31:08 por Pilantrólogo »
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #95 Online: 19 de Dezembro de 2014, 01:04:48 »
Exato, todo mundo queria ver "As Aventuras do Avião Vermelho". Aliás, esse avião vermelho deve ser coisa do PT  :hihi:...

Essa animação tem como base um dos muitos livros infantis escritos por Érico Veríssimo na década de 1930 e cujo título original é "As Aventuras do Avião Vermelho".
De fato, hoje poucas pessoas conhecem esse livro.
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.024
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #96 Online: 19 de Dezembro de 2014, 07:14:38 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.
Tirando o fato de que a analogia com confeitos não  é muito condizente, já que exibição de filmes entra na seara de cultura de massa(não confundir massa de bolo com massa humana), algo no escopo doutrinário, também acho intrusiva essa tentativa de controle, principalmente por que não deve ser algo a nível educativo e sim para promoção das "porcarias" cinematográficas produzidas no Brasil. Chega a ser melancólico.

Mesmo se aceitarmos que cinema seja "cultura em massa", o que já é algo completamente discutível, os filmes ainda são exibidos em salas privadas. Se o Estado quer decidir quais filmes passar, que construa cinemas públicos e passe o que bem entender.

Shows musicais também são considerados cultura? O Estado define a porcentagem de shows nacionais e internacionais de todas as casas de shows do país? E peças de teatro? Tem um porcentagem obrigatória de peças sobre determinados temas? Existem peças que estão em cartaz há anos, não precisamos de uma lei de determine o número máximo de apresentações de peças, para darem lugar a outras, independente se o público quer ou não continuar assistindo a peça atual?
« Última modificação: 19 de Dezembro de 2014, 07:16:54 por Gaúcho »
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.805
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #97 Online: 19 de Dezembro de 2014, 08:46:03 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.
Tirando o fato de que a analogia com confeitos não  é muito condizente, já que exibição de filmes entra na seara de cultura de massa(não confundir massa de bolo com massa humana), algo no escopo doutrinário, também acho intrusiva essa tentativa de controle, principalmente por que não deve ser algo a nível educativo e sim para promoção das "porcarias" cinematográficas produzidas no Brasil. Chega a ser melancólico.

Mesmo se aceitarmos que cinema seja "cultura em massa", o que já é algo completamente discutível, os filmes ainda são exibidos em salas privadas. Se o Estado quer decidir quais filmes passar, que construa cinemas públicos e passe o que bem entender.

Shows musicais também são considerados cultura? O Estado define a porcentagem de shows nacionais e internacionais de todas as casas de shows do país? E peças de teatro? Tem um porcentagem obrigatória de peças sobre determinados temas? Existem peças que estão em cartaz há anos, não precisamos de uma lei de determine o número máximo de apresentações de peças, para darem lugar a outras, independente se o público quer ou não continuar assistindo a peça atual?

Essas imposições do Estado sempre me parecem uma mera justificativa para o ministério correspondente existir.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #98 Online: 19 de Dezembro de 2014, 09:29:13 »
Tropa de Elite (1 e 2) e Cidade de Deus precisaram de cotas ou regulações para serem exibidos na marra pra muita gente?
Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.916
  • Sexo: Masculino
Re:Ancine limitará ocupação das salas de cinema
« Resposta #99 Online: 19 de Dezembro de 2014, 09:33:03 »
Não dá pra levar a sério isso. Como falei antes, é como se a Associação dos Confeiteiros do Brasil quisessem definir a porcentagem de salgados e bolos nas confeitarias.

Que intromissão estúpida do estado em empresas privadas. Pelo menos não é uma lei, e como não tem multa e a fiscalização deve ser aquela coisa que estamos acostumados, as empresas não devem levar isso a sério.
Tirando o fato de que a analogia com confeitos não  é muito condizente, já que exibição de filmes entra na seara de cultura de massa(não confundir massa de bolo com massa humana), algo no escopo doutrinário, também acho intrusiva essa tentativa de controle, principalmente por que não deve ser algo a nível educativo e sim para promoção das "porcarias" cinematográficas produzidas no Brasil. Chega a ser melancólico.

Mesmo se aceitarmos que cinema seja "cultura em massa", o que já é algo completamente discutível, os filmes ainda são exibidos em salas privadas. Se o Estado quer decidir quais filmes passar, que construa cinemas públicos e passe o que bem entender.

Shows musicais também são considerados cultura? O Estado define a porcentagem de shows nacionais e internacionais de todas as casas de shows do país? E peças de teatro? Tem um porcentagem obrigatória de peças sobre determinados temas? Existem peças que estão em cartaz há anos, não precisamos de uma lei de determine o número máximo de apresentações de peças, para darem lugar a outras, independente se o público quer ou não continuar assistindo a peça atual?

PELAMORDEDEUS, PARE DE DAR IDÉIA!!!!!  :susto: :(
"Deus prefere os ateus"

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!