Autor Tópico: O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política  (Lida 5980 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Agnoscetico

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.818
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #75 Online: 30 de Novembro de 2016, 22:44:16 »
Eu trocaria 5 medidas contra a corrupção pela venda ou até doação das nossas estatais. As outras 5 eu trocaria pelo fim da reeleição e de políticos poderem voltar a se candidatar, a tal carreira de político.

Isso sim reduz a corrupção. O resto é tapar o sol com a peneira.

Por um acaso criminalizar homicídio reduziu as mortes no Brasil?

Se os asssassinos fossem executados, teria total chance.
Já que assassino morto não volta a matar. Mas como aqui não tem pena de morte (porque dizem que polícia só mata preto e pobre, corrupção, etc) apenas prisão, e isso quando um criminoso não é solto.

Skorpios

  • Visitante
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #76 Online: 01 de Dezembro de 2016, 06:38:32 »
'Panelaço' em Curitiba.

Quem é que está na televisão?

O panelaço foi contra a aprovação na câmara.

Skorpios

  • Visitante
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #77 Online: 01 de Dezembro de 2016, 06:51:27 »
http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/veja-como-votaram-os-deputados-na-analise-do-pacote-anticorrupcao.html

Aqui tem a lista dos vagabas. Se alguém puder copiar aqui no forum, seria bom.

Às ordens.. ::)

Citar
Os deputados que querem punir juízes e promotores

Confira os nomes dos parlamentares que aprovaram a inclusão, entre as 10 Medidas, da emenda de Weverton Rocha que prevê o “crime de responsabilidade” de juízes e promotores por abuso de autoridade — um desestímulo brutal ao combate à corrupção:
Deputado    Partido    Estado
Alan Rick                                     PRB    AC
Angelim                                     PT    AC
César Messias                             PSB    AC
Flaviano Melo                             PMDB    AC
Jéssica Sales                             PMDB    AC
Leo de Brito                             PT    AC
Moisés Diniz                             PCdoB    AC
Arthur Lira                             PP    AL
Cícero Almeida                             PMDB    AL
Givaldo Carimbão                     PHS    AL
Paulão                                     PT    AL
Ronaldo Lessa                             PDT    AL
Rosinha da Adefal                     PTdoB    AL
Alfredo Nascimento                     PR    AM
Átila Lins                                     PSD    AM
Hissa Abrahão                             PDT    AM
Marcos Rotta                             PMDB    AM
Silas Câmara                             PRB    AM
André Abdon                             PP    AP
Jozi Araújo                             PTN    AP
Marcos Reategui                     PSD    AP
Afonso Florence                            PT    BA
Alice Portugal                             PCdoB    BA
Arthur Oliveira Maia                     PPS    BA
Bacelar                                     PTN    BA
Benito Gama                             PTB    BA
Cacá Leão                                     PP    BA
Caetano                                     PT    BA
Claudio Cajado                             DEM    BA
Daniel Almeida                             PCdoB    BA
Elmar Nascimento                     DEM    BA
Erivelton Santana                     PEN    BA
Félix Mendonça Júnior             PDT    BA
Fernando Torres                     PSD    BA
Irmão Lazaro                             PSC    BA
João Carlos Bacelar                     PR    BA
Jorge Solla                             PT    BA
José Carlos Aleluia                     DEM    BA
José Carlos Araújo                     PR    BA
José Nunes                             PSD    BA
Lucio Vieira Lima                     PMDB    BA
Márcio Marinho                             PRB    BA
Mário Negromonte Jr.                     PP    BA
Moema Gramacho                     PT    BA
Nelson Pellegrino                     PT    BA
Paulo Azi                                     DEM    BA
Paulo Magalhães                     PSD    BA
Roberto Britto                             PP    BA
Ronaldo Carletto                     PP    BA
Tia Eron                                     PRB    BA
Uldurico Junior                             PV    BA
Valmir Assunção                     PT    BA
Waldenor Pereira                     PT    BA
André Figueiredo                     PDT    CE
Aníbal Gomes                             PMDB    CE
Arnon Bezerra                             PTB    CE
Cabo Sabino                             PR    CE
Chico Lopes                             PCdoB    CE
Danilo Forte                             PSB    CE
Domingos Neto                             PSD    CE
Genecias Noronha                     Solidaried    CE
Gorete Pereira                             PR     CE
José Airton Cirilo                     PT    CE
José Guimarães                             PT    CE
Leônidas Cristino                     PDT    CE
Luizianne Lins                             PT    CE
Macedo                                     PP    CE
Moses Rodrigues                     PMDB    CE
Raimundo Gomes de Matos     PSDB    CE
Ronaldo Martins                             PRB    CE
Vitor Valim                             PMDB    CE
Alberto Fraga                             DEM    DF
Erika Kokay                             PT    DF
Laerte Bessa                             PR    DF
Rôney Nemer                             PP    DF
Dr. Jorge Silva                             PHS    ES
Givaldo Vieira                             PT    ES
Helder Salomão                             PT    ES
Sergio Vidigal                             PDT    ES
Daniel Vilela                             PMDB    GO
Flávia Morais                             PDT    GO
Giuseppe Vecci                             PSDB    GO
Heuler Cruvinel                             PSD    GO
João Campos                             PRB    GO
Jovair Arantes                             PTB    GO
Lucas Vergilio    Solidaried    GO
Magda Mofatto    PR    GO
Roberto Balestra    PP    GO
Alberto Filho    PMDB    MA
Aluisio Mendes    PTN    MA
André Fufuca    PP    MA
Cleber Verde    PRB    MA
João Marcelo Souza    PMDB    MA
José Reinaldo    PSB    MA
Junior Marreca    PEN    MA
Juscelino Filho    DEM    MA
Pedro Fernandes    PTB    MA
Waldir Maranhão    PP    MA
Weverton Rocha    PDT    MA
Adelmo Carneiro Leão    PT    MG
Ademir Camilo    PTN    MG
Aelton Freitas    PR    MG
Bonifácio de Andrada    PSDB    MG
Caio Narcio    PSDB    MG
Dâmina Pereira    PSL    MG
Delegado Edson Moreira    PR    MG
Diego Andrade    PSD    MG
Dimas Fabiano    PP    MG
Fábio Ramalho    PMDB    MG
Franklin Lima    PP    MG
Gabriel Guimarães    PT    MG
Laudivio Carvalho    Solidaried    MG
Leonardo Monteiro    PT    MG
Leonardo Quintão    PMDB    MG
Luis Tibé    PTdoB    MG
Luiz Fernando Faria    PP    MG
Marcelo Álvaro Antônio    PR    MG
Marcos Montes    PSD    MG
Margarida Salomão    PT    MG
Mário Heringer    PDT    MG
Mauro Lopes    PMDB    MG
Misael Varella    DEM    MG
Newton Cardoso Jr    PMDB    MG
Odelmo Leão    PP    MG
Padre João    PT    MG
Patrus Ananias    PT    MG
Raquel Muniz    PSD    MG
Reginaldo Lopes    PT    MG
Renzo Braz    PP    MG
Rodrigo de Castro    PSDB    MG
Rodrigo Pacheco    PMDB    MG
Saraiva Felipe    PMDB    MG
Toninho Pinheiro    PP    MG
Zé Silva    Solidaried    MG
Carlos Marun    PMDB    MS
Dagoberto    PDT    MS
Geraldo Resende    PSDB    MS
Tereza Cristina    PSB    MS
Vander Loubet    PT    MS
Zeca do Pt    PT    MS
Adilton Sachetti    PSB    MT
Carlos Bezerra    PMDB    MT
Ezequiel Fonseca    PP    MT
Ságuas Moraes    PT    MT
Tampinha    PSD    MT
Valtenir Pereira    PMDB    MT
Beto Faro    PT    PA
Beto Salame    PP    PA
Elcione Barbalho    PMDB    PA
Francisco Chapadinha    PTN    PA
Hélio Leite    DEM    PA
José Priante    PMDB    PA
Júlia Marinho    PSC    PA
Lúcio Vale    PR    PA
Nilson Pinto    PSDB    PA
Zé Geraldo    PT    PA
Aguinaldo Ribeiro    PP    PB
André Amaral    PMDB    PB
Benjamin Maranhão    Solidaried    PB
Efraim Filho    DEM    PB
Luiz Couto    PT    PB
Manoel Junior    PMDB    PB
Wellington Roberto    PR    PB
Wilson Filho    PTB    PB
Adalberto Cavalcanti    PTB    PE
Augusto Coutinho    Solidaried    PE
Carlos Eduardo Cadoca    PDT    PE
Creuza Pereira    PSB    PE
Danilo Cabral    PSB    PE
Eduardo da Fonte    PP    PE
Fernando Monteiro    PP    PE
Jarbas Vasconcelos    PMDB    PE
João Fernando Coutinho    PSB    PE
Jorge Côrte Real    PTB    PE
Kaio Maniçoba    PMDB    PE
Marinaldo Rosendo    PSB    PE
Ricardo Teobaldo    PTN    PE
Silvio Costa    PTdoB    PE
Tadeu Alencar    PSB    PE
Zeca Cavalcanti    PTB    PE
Assis Carvalho    PT    PI
Átila Lira    PSB    PI
Heráclito Fortes    PSB    PI
Iracema Portella    PP    PI
Júlio Cesar    PSD    PI
Maia Filho    PP    PI
Rodrigo Martins    PSB    PI
Silas Freire    PR    PI
Alfredo Kaefer    PSL    PR
Assis do Couto    PDT    PR
Dilceu Sperafico    PP    PR
Edmar Arruda    PSD    PR
Enio Verri    PT    PR
Evandro Roman    PSD    PR
Giacobo    PR    PR
João Arruda    PMDB    PR
Nelson Meurer    PP    PR
Osmar Serraglio    PMDB    PR
Takayama    PSC    PR
Zeca Dirceu    PT    PR
Alexandre Valle    PR    RJ
Altineu Côrtes    PMDB    RJ
Arolde de Oliveira    PSC    RJ
Aureo    Solidaried    RJ
Benedita da Silva    PT    RJ
Celso Jacob    PMDB    RJ
Celso Pansera    PMDB    RJ
Chico D Angelo    PT    RJ
Clarissa Garotinho    PR    RJ
Cristiane Brasil    PTB    RJ
Deley    PTB    RJ
Fabiano Horta    PT    RJ
Francisco Floriano    DEM    RJ
Hugo Leal    PSB    RJ
Indio da Costa    PSD    RJ
Jandira Feghali    PCdoB    RJ
Julio Lopes    PP    RJ
Luiz Carlos Ramos    PTN    RJ
Luiz Sérgio    PT    RJ
Marcelo Matos    PHS    RJ
Paulo Feijó    PR    RJ
Pedro Paulo    PMDB    RJ
Roberto Sales    PRB    RJ
Rosangela Gomes    PRB    RJ
Simão Sessim    PP    RJ
Soraya Santos    PMDB    RJ
Sóstenes Cavalcante    DEM    RJ
Antônio Jácome    PTN    RN
Beto Rosado    PP    RN
Felipe Maia    DEM    RN
Rafael Motta    PSB    RN
Rogério Marinho    PSDB    RN
Walter Alves    PMDB    RN
Zenaide Maia    PR    RN
Expedito Netto    PSD    RO
Lindomar Garçon    PRB    RO
Lucio Mosquini    PMDB    RO
Marinha Raupp    PMDB    RO
Nilton Capixaba    PTB    RO
Hiran Gonçalves    PP    RR
Jhonatan de Jesus    PRB    RR
Remídio Monai    PR    RR
Afonso Motta    PDT    RS
Alceu Moreira    PMDB    RS
Bohn Gass    PT    RS
Carlos Gomes    PRB    RS
Darcísio Perondi    PMDB    RS
Giovani Cherini    PR    RS
Henrique Fontana    PT    RS
Jones Martins    PMDB    RS
Luis Carlos Heinze    PP    RS
Marco Maia    PT    RS
Marcon    PT    RS
Maria do Rosário    PT    RS
Mauro Pereira    PMDB    RS
Nelson Marchezan Junior    PSDB    RS
Paulo Pimenta    PT    RS
Pepe Vargas    PT    RS
Pompeo de Mattos    PDT    RS
Renato Molling    PP    RS
Sérgio Moraes    PTB    RS
Angela Albino    PCdoB    SC
Jorginho Mello    PR    SC
Marco Tebaldi    PSDB    SC
Mauro Mariani    PMDB    SC
Pedro Uczai    PT    SC
Rogério Peninha Mendonça    PMDB    SC
Ronaldo Benedet    PMDB    SC
Valdir Colatto    PMDB    SC
Adelson Barreto    PR    SE
Fábio Mitidieri    PSD    SE
Fabio Reis    PMDB    SE
João Daniel    PT    SE
Jony Marcos    PRB    SE
Alexandre Leite    DEM    SP
Ana Perugini    PT    SP
Antonio Bulhões    PRB    SP
Arlindo Chinaglia    PT    SP
Baleia Rossi    PMDB    SP
Beto Mansur    PRB    SP
Capitão Augusto    PR    SP
Carlos Zarattini    PT    SP
Dr. Sinval Malheiros    PTN    SP
Fausto Pinato    PP    SP
Gilberto Nascimento    PSC    SP
Herculano Passos    PSD    SP
Jefferson Campos    PSD    SP
Jorge Tadeu Mudalen    DEM    SP
José Mentor    PT    SP
Keiko Ota    PSB    SP
Marcelo Aguiar    DEM    SP
Marcio Alvino    PR    SP
Miguel Lombardi    PR    SP
Milton Monti    PR    SP
Missionário José Olimpio    DEM    SP
Nilto Tatto    PT    SP
Orlando Silva    PCdoB    SP
Paulo Freire    PR    SP
Paulo Pereira da Silva    Solidaried    SP
Paulo Teixeira    PT    SP
Ricardo Bentinho    PRB    SP
Roberto Alves    PRB    SP
Tiririca    PR    SP
Valmir Prascidelli    PT    SP
Vicente Candido    PT    SP
Vicentinho    PT    SP
Vinicius Carvalho    PRB    SP
Carlos Henrique Gaguim    PTN    TO
César Halum    PRB    TO
Irajá Abreu    PSD    TO
Lázaro Botelho    PP    TO
Professora Dorinha Seabra Rezende    DEM    TO
Vicentinho Júnior    PR    TO


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #78 Online: 01 de Dezembro de 2016, 08:21:49 »
Eu tenho evitado discutir política, pelo bem do meu fígado, mas ele não tem saído impune. É incrível como o povo de verde-amarelo se deu por satisfeito com a saída de Dilma, sumindo completamente das ruas desde então. Eu duvido que essas tramoias teriam passado se manifestações tivessem sido organizadas já nos primeiros sinais. Isso é tão ou mais grave. Se há algo pelo qual vale a pena ir para as ruas, todo domingo, o ano inteiro, faça chuva ou faça sol, é a defesa do trabalho da PF, MPF, Lava Jato, Acrônimo, Zelotes etc. Que tristeza entregar o país assim nas mãos desses bandidos. E abandonar os policiais, delegados, procuradores e juízes que tanto trabalharam, muitas vezes, colocando suas carreiras e vidas em risco para combater a organização criminosa com foro. Eu tentei entrar em contato com movimentos, mobilizar gente para voltar as ruas desde que as gravações do Sérgio Machado vieram a tona, mas não tive sucesso. É um desalento. Não sei o que fazer, infelizmente.   



Na natureza os bichos que melhor se adaptam ao meio são os que obtém maior sucesso,  na sociedade do Homo sapiens sapiens  também ocorre algo semelhante, os indivíduos que melhor se adaptam ao meio social normalmente são os que mais obtém sucesso.

Transformar o meio social é algo difícil e trabalhoso. Se adaptar geralmente é mais fácil e vantajoso.



« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 08:35:33 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #79 Online: 01 de Dezembro de 2016, 08:28:21 »
Eu tentei entrar em contato com movimentos, mobilizar gente para voltar as ruas desde que as gravações do Sérgio Machado vieram a tona, mas não tive sucesso. É um desalento. Não sei o que fazer, infelizmente.   



Pessoas são movidas a incentivos. Pessoas são movidas a vantagens.  Pessoas reagem a incentivos. Pessoas reagem a vantagens. 

Quanto mais o incentivo e/ou vantagem*    for    direto  e intenso, maior será a probabilidade das pessoas agirem.  Já quanto mais indireto e  menos intenso for o incentivo e/ou  vantagem, menor será a probabilidade das pessoas agirem.






*Um incentivo pode ser positivo ou negativo (castigo ou recompensa), já a ideia de vantagem é de ganho, ou seja um incentivo positivo (recompensa).



« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 08:41:39 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #80 Online: 01 de Dezembro de 2016, 08:47:03 »
http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/veja-como-votaram-os-deputados-na-analise-do-pacote-anticorrupcao.html

Aqui tem a lista dos vagabas. Se alguém puder copiar aqui no forum, seria bom.



Pessoas reagem a incentivos. E pessoas inteligentes procuram usar o seu poder  para obter ganhos e/ou  evitar  problemas para si mesmos (e para pessoas das quais goste) (obviamente ao usar o poder para evitar um problema pode-se gerar outro problema (no caso a indignação de indivíduos isolados e a de grupos de pessoas), entretanto aí novamente entra a inteligência do animal social  Homo sapiens sapiens, para pesar  custos e benefícios, e então optar pela ação mais racional, a ação que traga a melhor relação custo/benefício). 




« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 08:53:38 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #81 Online: 01 de Dezembro de 2016, 08:56:18 »
http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/veja-como-votaram-os-deputados-na-analise-do-pacote-anticorrupcao.html

Aqui tem a lista dos vagabas. Se alguém puder copiar aqui no forum, seria bom.

Às ordens.. ::)

Citar
Os deputados que querem punir juízes e promotores

Confira os nomes dos parlamentares que aprovaram a inclusão, entre as 10 Medidas, da emenda de Weverton Rocha que prevê o “crime de responsabilidade” de juízes e promotores por abuso de autoridade — um desestímulo brutal ao combate à corrupção:
Deputado    Partido    Estado
Alan Rick                                     PRB    AC
Angelim                                     PT    AC
César Messias                             PSB    AC
Flaviano Melo                             PMDB    AC
Jéssica Sales                             PMDB    AC
Leo de Brito                             PT    AC
Moisés Diniz                             PCdoB    AC
Arthur Lira                             PP    AL
Cícero Almeida                             PMDB    AL
Givaldo Carimbão                     PHS    AL
Paulão                                     PT    AL
Ronaldo Lessa                             PDT    AL
Rosinha da Adefal                     PTdoB    AL
Alfredo Nascimento                     PR    AM
Átila Lins                                     PSD    AM
Hissa Abrahão                             PDT    AM
Marcos Rotta                             PMDB    AM
Silas Câmara                             PRB    AM
André Abdon                             PP    AP
Jozi Araújo                             PTN    AP
Marcos Reategui                     PSD    AP
Afonso Florence                            PT    BA
Alice Portugal                             PCdoB    BA
Arthur Oliveira Maia                     PPS    BA
Bacelar                                     PTN    BA
Benito Gama                             PTB    BA
Cacá Leão                                     PP    BA
Caetano                                     PT    BA
Claudio Cajado                             DEM    BA
Daniel Almeida                             PCdoB    BA
Elmar Nascimento                     DEM    BA
Erivelton Santana                     PEN    BA
Félix Mendonça Júnior             PDT    BA
Fernando Torres                     PSD    BA
Irmão Lazaro                             PSC    BA
João Carlos Bacelar                     PR    BA
Jorge Solla                             PT    BA
José Carlos Aleluia                     DEM    BA
José Carlos Araújo                     PR    BA
José Nunes                             PSD    BA
Lucio Vieira Lima                     PMDB    BA
Márcio Marinho                             PRB    BA
Mário Negromonte Jr.                     PP    BA
Moema Gramacho                     PT    BA
Nelson Pellegrino                     PT    BA
Paulo Azi                                     DEM    BA
Paulo Magalhães                     PSD    BA
Roberto Britto                             PP    BA
Ronaldo Carletto                     PP    BA
Tia Eron                                     PRB    BA
Uldurico Junior                             PV    BA
Valmir Assunção                     PT    BA
Waldenor Pereira                     PT    BA
André Figueiredo                     PDT    CE
Aníbal Gomes                             PMDB    CE
Arnon Bezerra                             PTB    CE
Cabo Sabino                             PR    CE
Chico Lopes                             PCdoB    CE
Danilo Forte                             PSB    CE
Domingos Neto                             PSD    CE
Genecias Noronha                     Solidaried    CE
Gorete Pereira                             PR     CE
José Airton Cirilo                     PT    CE
José Guimarães                             PT    CE
Leônidas Cristino                     PDT    CE
Luizianne Lins                             PT    CE
Macedo                                     PP    CE
Moses Rodrigues                     PMDB    CE
Raimundo Gomes de Matos     PSDB    CE
Ronaldo Martins                             PRB    CE
Vitor Valim                             PMDB    CE
Alberto Fraga                             DEM    DF
Erika Kokay                             PT    DF
Laerte Bessa                             PR    DF
Rôney Nemer                             PP    DF
Dr. Jorge Silva                             PHS    ES
Givaldo Vieira                             PT    ES
Helder Salomão                             PT    ES
Sergio Vidigal                             PDT    ES
Daniel Vilela                             PMDB    GO
Flávia Morais                             PDT    GO
Giuseppe Vecci                             PSDB    GO
Heuler Cruvinel                             PSD    GO
João Campos                             PRB    GO
Jovair Arantes                             PTB    GO
Lucas Vergilio    Solidaried    GO
Magda Mofatto    PR    GO
Roberto Balestra    PP    GO
Alberto Filho    PMDB    MA
Aluisio Mendes    PTN    MA
André Fufuca    PP    MA
Cleber Verde    PRB    MA
João Marcelo Souza    PMDB    MA
José Reinaldo    PSB    MA
Junior Marreca    PEN    MA
Juscelino Filho    DEM    MA
Pedro Fernandes    PTB    MA
Waldir Maranhão    PP    MA
Weverton Rocha    PDT    MA
Adelmo Carneiro Leão    PT    MG
Ademir Camilo    PTN    MG
Aelton Freitas    PR    MG
Bonifácio de Andrada    PSDB    MG
Caio Narcio    PSDB    MG
Dâmina Pereira    PSL    MG
Delegado Edson Moreira    PR    MG
Diego Andrade    PSD    MG
Dimas Fabiano    PP    MG
Fábio Ramalho    PMDB    MG
Franklin Lima    PP    MG
Gabriel Guimarães    PT    MG
Laudivio Carvalho    Solidaried    MG
Leonardo Monteiro    PT    MG
Leonardo Quintão    PMDB    MG
Luis Tibé    PTdoB    MG
Luiz Fernando Faria    PP    MG
Marcelo Álvaro Antônio    PR    MG
Marcos Montes    PSD    MG
Margarida Salomão    PT    MG
Mário Heringer    PDT    MG
Mauro Lopes    PMDB    MG
Misael Varella    DEM    MG
Newton Cardoso Jr    PMDB    MG
Odelmo Leão    PP    MG
Padre João    PT    MG
Patrus Ananias    PT    MG
Raquel Muniz    PSD    MG
Reginaldo Lopes    PT    MG
Renzo Braz    PP    MG
Rodrigo de Castro    PSDB    MG
Rodrigo Pacheco    PMDB    MG
Saraiva Felipe    PMDB    MG
Toninho Pinheiro    PP    MG
Zé Silva    Solidaried    MG
Carlos Marun    PMDB    MS
Dagoberto    PDT    MS
Geraldo Resende    PSDB    MS
Tereza Cristina    PSB    MS
Vander Loubet    PT    MS
Zeca do Pt    PT    MS
Adilton Sachetti    PSB    MT
Carlos Bezerra    PMDB    MT
Ezequiel Fonseca    PP    MT
Ságuas Moraes    PT    MT
Tampinha    PSD    MT
Valtenir Pereira    PMDB    MT
Beto Faro    PT    PA
Beto Salame    PP    PA
Elcione Barbalho    PMDB    PA
Francisco Chapadinha    PTN    PA
Hélio Leite    DEM    PA
José Priante    PMDB    PA
Júlia Marinho    PSC    PA
Lúcio Vale    PR    PA
Nilson Pinto    PSDB    PA
Zé Geraldo    PT    PA
Aguinaldo Ribeiro    PP    PB
André Amaral    PMDB    PB
Benjamin Maranhão    Solidaried    PB
Efraim Filho    DEM    PB
Luiz Couto    PT    PB
Manoel Junior    PMDB    PB
Wellington Roberto    PR    PB
Wilson Filho    PTB    PB
Adalberto Cavalcanti    PTB    PE
Augusto Coutinho    Solidaried    PE
Carlos Eduardo Cadoca    PDT    PE
Creuza Pereira    PSB    PE
Danilo Cabral    PSB    PE
Eduardo da Fonte    PP    PE
Fernando Monteiro    PP    PE
Jarbas Vasconcelos    PMDB    PE
João Fernando Coutinho    PSB    PE
Jorge Côrte Real    PTB    PE
Kaio Maniçoba    PMDB    PE
Marinaldo Rosendo    PSB    PE
Ricardo Teobaldo    PTN    PE
Silvio Costa    PTdoB    PE
Tadeu Alencar    PSB    PE
Zeca Cavalcanti    PTB    PE
Assis Carvalho    PT    PI
Átila Lira    PSB    PI
Heráclito Fortes    PSB    PI
Iracema Portella    PP    PI
Júlio Cesar    PSD    PI
Maia Filho    PP    PI
Rodrigo Martins    PSB    PI
Silas Freire    PR    PI
Alfredo Kaefer    PSL    PR
Assis do Couto    PDT    PR
Dilceu Sperafico    PP    PR
Edmar Arruda    PSD    PR
Enio Verri    PT    PR
Evandro Roman    PSD    PR
Giacobo    PR    PR
João Arruda    PMDB    PR
Nelson Meurer    PP    PR
Osmar Serraglio    PMDB    PR
Takayama    PSC    PR
Zeca Dirceu    PT    PR
Alexandre Valle    PR    RJ
Altineu Côrtes    PMDB    RJ
Arolde de Oliveira    PSC    RJ
Aureo    Solidaried    RJ
Benedita da Silva    PT    RJ
Celso Jacob    PMDB    RJ
Celso Pansera    PMDB    RJ
Chico D Angelo    PT    RJ
Clarissa Garotinho    PR    RJ
Cristiane Brasil    PTB    RJ
Deley    PTB    RJ
Fabiano Horta    PT    RJ
Francisco Floriano    DEM    RJ
Hugo Leal    PSB    RJ
Indio da Costa    PSD    RJ
Jandira Feghali    PCdoB    RJ
Julio Lopes    PP    RJ
Luiz Carlos Ramos    PTN    RJ
Luiz Sérgio    PT    RJ
Marcelo Matos    PHS    RJ
Paulo Feijó    PR    RJ
Pedro Paulo    PMDB    RJ
Roberto Sales    PRB    RJ
Rosangela Gomes    PRB    RJ
Simão Sessim    PP    RJ
Soraya Santos    PMDB    RJ
Sóstenes Cavalcante    DEM    RJ
Antônio Jácome    PTN    RN
Beto Rosado    PP    RN
Felipe Maia    DEM    RN
Rafael Motta    PSB    RN
Rogério Marinho    PSDB    RN
Walter Alves    PMDB    RN
Zenaide Maia    PR    RN
Expedito Netto    PSD    RO
Lindomar Garçon    PRB    RO
Lucio Mosquini    PMDB    RO
Marinha Raupp    PMDB    RO
Nilton Capixaba    PTB    RO
Hiran Gonçalves    PP    RR
Jhonatan de Jesus    PRB    RR
Remídio Monai    PR    RR
Afonso Motta    PDT    RS
Alceu Moreira    PMDB    RS
Bohn Gass    PT    RS
Carlos Gomes    PRB    RS
Darcísio Perondi    PMDB    RS
Giovani Cherini    PR    RS
Henrique Fontana    PT    RS
Jones Martins    PMDB    RS
Luis Carlos Heinze    PP    RS
Marco Maia    PT    RS
Marcon    PT    RS
Maria do Rosário    PT    RS
Mauro Pereira    PMDB    RS
Nelson Marchezan Junior    PSDB    RS
Paulo Pimenta    PT    RS
Pepe Vargas    PT    RS
Pompeo de Mattos    PDT    RS
Renato Molling    PP    RS
Sérgio Moraes    PTB    RS
Angela Albino    PCdoB    SC
Jorginho Mello    PR    SC
Marco Tebaldi    PSDB    SC
Mauro Mariani    PMDB    SC
Pedro Uczai    PT    SC
Rogério Peninha Mendonça    PMDB    SC
Ronaldo Benedet    PMDB    SC
Valdir Colatto    PMDB    SC
Adelson Barreto    PR    SE
Fábio Mitidieri    PSD    SE
Fabio Reis    PMDB    SE
João Daniel    PT    SE
Jony Marcos    PRB    SE
Alexandre Leite    DEM    SP
Ana Perugini    PT    SP
Antonio Bulhões    PRB    SP
Arlindo Chinaglia    PT    SP
Baleia Rossi    PMDB    SP
Beto Mansur    PRB    SP
Capitão Augusto    PR    SP
Carlos Zarattini    PT    SP
Dr. Sinval Malheiros    PTN    SP
Fausto Pinato    PP    SP
Gilberto Nascimento    PSC    SP
Herculano Passos    PSD    SP
Jefferson Campos    PSD    SP
Jorge Tadeu Mudalen    DEM    SP
José Mentor    PT    SP
Keiko Ota    PSB    SP
Marcelo Aguiar    DEM    SP
Marcio Alvino    PR    SP
Miguel Lombardi    PR    SP
Milton Monti    PR    SP
Missionário José Olimpio    DEM    SP
Nilto Tatto    PT    SP
Orlando Silva    PCdoB    SP
Paulo Freire    PR    SP
Paulo Pereira da Silva    Solidaried    SP
Paulo Teixeira    PT    SP
Ricardo Bentinho    PRB    SP
Roberto Alves    PRB    SP
Tiririca    PR    SP
Valmir Prascidelli    PT    SP
Vicente Candido    PT    SP
Vicentinho    PT    SP
Vinicius Carvalho    PRB    SP
Carlos Henrique Gaguim    PTN    TO
César Halum    PRB    TO
Irajá Abreu    PSD    TO
Lázaro Botelho    PP    TO
Professora Dorinha Seabra Rezende    DEM    TO
Vicentinho Júnior    PR    TO






Me parece que a ação deles foi bem racional.  Optar por diminuir o poder de  outros indivíduos da espécie Homo sapiens sapiens que possam lhes trazer  grandes problemas (perdas) é uma ação bastante racional.



Irracional  (e ineficiente e ineficaz) seria ficar  parado esperando que os problemas  viessem bater a porta deles.  Isso foi uma ação política, racional, inteligente e proativa.



Isto é realidade política.  Isto é realidade social.






« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 08:59:55 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #82 Online: 01 de Dezembro de 2016, 09:05:50 »




Espero que não confundam minha análise com um julgamento moral.   Em termos de moral  social, certamente que a ação dos deputados trará menos progresso social e mais desvantagens para a sociedade como um todo.  Mas para eles a minha análise permanece correta, a ação deles é racional.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.852
  • Love it or Hate it
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #83 Online: 01 de Dezembro de 2016, 09:22:16 »
Desde a lamentável queda do avião quase não se fala em outra coisa no país. A mídia é a única culpada pela alienação temporária do povo que deixou os políticos a vontade para fazererm o circo que fizeram.

Em vez de notícias objetivas sobre o acidente, a mídia investiu numa enchição de línguiça desnecessária com especulações sobre metereologia, segurança, procedimentos de vôo, consulta a especialistas em aeronáutica, análise de casos similares, além de uma extensiva abordagem sentimental com entrevistas com quem foi possível entrevistar na árvore genealógica dos falecidos mais destacados. Isso tudo repecurtiu como uma densa cortina de fumaça muito convenientemente silenciosa para os políticos se sentirem a vontade.


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #84 Online: 01 de Dezembro de 2016, 10:38:14 »
Desde a lamentável queda do avião quase não se fala em outra coisa no país. A mídia é a única culpada pela alienação temporária do povo que deixou os políticos a vontade para fazererm o circo que fizeram.

Em vez de notícias objetivas sobre o acidente, a mídia investiu numa enchição de línguiça desnecessária com especulações sobre metereologia, segurança, procedimentos de vôo, consulta a especialistas em aeronáutica, análise de casos similares, além de uma extensiva abordagem sentimental com entrevistas com quem foi possível entrevistar na árvore genealógica dos falecidos mais destacados. Isso tudo repecurtiu como uma densa cortina de fumaça muito convenientemente silenciosa para os políticos se sentirem a vontade.





Para eles  (os políticos do Congresso) isto foi um golpe de sorte (ajudou a desviar a atenção da imprensa, e por consequência do povo) .   Já  para  os  passageiros do avião, isto foi um azar.   


Azar de uns. Sorte de outros. 



Offline AlienígenA

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.307
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #85 Online: 01 de Dezembro de 2016, 11:53:35 »
Eu tentei entrar em contato com movimentos, mobilizar gente para voltar as ruas desde que as gravações do Sérgio Machado vieram a tona, mas não tive sucesso. É um desalento. Não sei o que fazer, infelizmente.   



Pessoas são movidas a incentivos. Pessoas são movidas a vantagens.  Pessoas reagem a incentivos. Pessoas reagem a vantagens. 

Quanto mais o incentivo e/ou vantagem*    for    direto  e intenso, maior será a probabilidade das pessoas agirem.  Já quanto mais indireto e  menos intenso for o incentivo e/ou  vantagem, menor será a probabilidade das pessoas agirem.






*Um incentivo pode ser positivo ou negativo (castigo ou recompensa), já a ideia de vantagem é de ganho, ou seja um incentivo positivo (recompensa).

É, boa ideia. Só pensei nos incentivos positivos. Os negativos podem ser mais eficazes.

Offline AlienígenA

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.307
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #86 Online: 01 de Dezembro de 2016, 11:58:07 »
Que medo! Sergio Moro está no Senado agora, ao lado de Renan e sem seguranças. É um forte!

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #87 Online: 01 de Dezembro de 2016, 12:52:59 »
Citar
Confira os nomes dos parlamentares que aprovaram a inclusão, entre as 10 Medidas, da emenda de Weverton Rocha que prevê o “crime de responsabilidade” de juízes e promotores por abuso de autoridade

Por um acaso é ruim que juízes e promotores possam ser punidos quando abusam de suas autoridades?

Se para combater a corrupção no Brasil precisamos de juízes que abusam da autoridade, estamos ferrados.

Acho que uma coisa pode conviver com a outra. Nem todos os juízes são Moro.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #88 Online: 01 de Dezembro de 2016, 12:59:25 »
Citar
Gilmar Mendes e Sergio Moro debatem hoje no Senado projeto que muda lei que pune abuso de autoridade

Mais de uma vez, Sergio Moro, Rodrigo Janot e Deltan Dallagnol, entre outros, acusaram o texto de ameaçar a Lava Jato e as investigações. Infelizmente, nunca disseram em que trecho. Nesta quinta, o juiz terá a oportunidade de esclarecer

Por: Reinaldo Azevedo  01/12/2016 às 6:50

Nesta quinta, duas figuras de grande visibilidade no debate público fazem o que se deve fazer numa democracia: vão ao embate de ideias. Em vez de criar zonas de interdição do pensamento; em vez de apelar ao medo e à irracionalidade; em vez de convocar plebiscitos de baixo moralismo, em que a lei é a última questão a ser levada em conta, assistir-se-á a um confronto de posições. Por esse caminho, sim, se pode avançar.

A quem me refiro? A Gilmar Mendes, ministro do Supremo e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e ao juiz Sergio Moro, titular da 13ª Vara Federal de Curitiba e símbolo maior da Lava Jato, que, infelizmente, está assumindo uma conotação política nem sempre virtuosa porque vista como uma espécie de polo oposto ao Congresso, o que não é bom.

Os dois atenderam a um convite do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDM-AL), e estarão na Casa nesta manhã para debater o projeto (íntegra aqui) que muda a lei de abuso de autoridade, a 4.898, que é de 1965.
Algumas coisas precisam ser lembradas. Esse texto, que está tramitando no Senado, foi originalmente apresentado à Câmara em 2009, cinco anos antes, portanto, de vir à luz a Operação Lava Jato. Trata-se, pois, de uma mentira e de uma vigarice intelectual afirmar que tal texto foi concebido para criar limites à operação.

Mais: o projeto de lei foi elaborado por uma comissão de notáveis a pedido do então presidente do Supremo e do Conselho Nacional de Justiça — justamente Gilmar Mendes, este que estará lá debatendo. Integraram a equipe o então desembargador Rui Stocco; Everardo Maciel, ex-secretário da Receita; Luciano Felício Fuck, assessor de Mendes ainda hoje, e Teori Zavascki, então ministro do STJ. Quis o destino que Teori se tornasse o relator do petrolão. Alguém ousaria acusá-lo de parcialidade na condução do processo?

Mais de uma vez, Sergio Moro, Rodrigo Janot e Deltan Dallagnol, entre outros, acusaram o texto de ameaçar a Lava Jato e as investigações. Infelizmente, nunca disseram em que trecho. Nesta quinta, o juiz terá a oportunidade de esclarecer: “Olhe, no artigo tal, está escrito tal coisa, que é ruim porque…”. E então se vai avaliar: se ele tiver razão, que se ajuste a redação. Melhor ainda: havendo a suspeita de algo que possa agredir as justas prerrogativas de autoridades de investigação, que se mude o texto.

O que não é possível é o debate ficar na base apenas do terror e do medo: “Olhe, a lei é ruim para a Lava jato” — mas sem dizer em que parte exatamente.

Eu já li e reli o texto. Até agora, não vi nada. Mas ouvirei Moro com atenção. A única reserva explícita que o vi fazer foi a de que, agora, não é hora de ter uma lei mais severa que combata abuso de autoridade. A fala é ruim porque sugere, por óbvio, que existe uma hora em que o abuso de autoridade é desejável. Certamente ele não quis dizer isso.

Mas eis aí: melhor o debate do que a plantação e a fofoca. Ele, sim, pode gerar luz, não apenas o calor com que se pretende infamar as ruas. Melhor o esclarecimento do que a pregação, certo? Deixem esta para as religiões, para as igrejas.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #89 Online: 01 de Dezembro de 2016, 13:35:34 »
Citar
Calero é o ‘homem-bombinha’ da República das Bananas

http://www.ceticismopolitico.com/calero-e-o-homem-bombinha-da-republica-das-bananas/

 30 de novembro de 2016

Primeiro é preciso ter um fato em mente: Calero mentiu, e mentiu muito. Quando tudo isso começou, após sua demissão, o ex-ministro disse categoricamente que tinha provas contra Temer e outros dois ministros, Geddel e Padilha. Ele disse que tinha até mesmo gravações que implicavam os três.

Enquanto não lhe foi cobrado apresentar as evidências que disse ter, Calero aproveitou para fazer o maior escândalo. Acusou várias pessoas, disse que o próprio presidente o pressionou a ajudar Geddel e que isso o fez pedir demissão. Estranhamente, antes mesmo de as gravações virem a tona, ele próprio recuou. Em sua entrevista de domingo ao Fantástico ele se desmentiu, dizendo que não tinha gravado Temer em seu gabinete, mas apenas ao telefone.

A gravação da conversa, quando veio a tona, não podia ser mais decepcionante. Não havia nada. Nada mesmo. Toda a conversa foi banal. Calero e Temer falaram brevemente sobre o pedido de demissão do então ministro, Temer se desculpou por ter insistido para ele não sair, e só. Nada além disso. Um diálogo tão banal que não serviria nem para uma matéria contra Temer no Brasil 247.

Calero prometeu ser o “homem-bomba” da República, mas no fim foi só o “homem-bombinha”. Não explodiu nada, só fez um ruído meio chato e acabou.

E pensar que teve gente empolgada neste nível:


A histeria está demais.

No Antagonista eles estavam anunciando o caos, e na maior cara de pau disseram que o "golpe" foi abortado. Parece aqueles videntes que preveem o fim do mundo e que depois inventam qualquer desculpinha.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #90 Online: 01 de Dezembro de 2016, 14:28:26 »
Citar
Confira os nomes dos parlamentares que aprovaram a inclusão, entre as 10 Medidas, da emenda de Weverton Rocha que prevê o “crime de responsabilidade” de juízes e promotores por abuso de autoridade

Por um acaso é ruim que juízes e promotores possam ser punidos quando abusam de suas autoridades?

Se para combater a corrupção no Brasil precisamos de juízes que abusam da autoridade, estamos ferrados.

Acho que uma coisa pode conviver com a outra. Nem todos os juízes são Moro.


Você está simplificando o problema, aqui a questão não é  "abuso de autoridade"   e sim a intimidação  aplicada aos juízes e procuradores, e a  criminalização da  atividade própria  dos juízes,  o chamado crime de hermenêutica.

Pelo visto  você  não está  gostando da atuação do juiz Sérgio Moro e dos procuradores federais que estão atuando na Lavajato.   Pois senão qual o motivo para apoiar  esta defesa de corruptos de colarinho branco ?

Se esta lei passar e vigorar irá valer a pena continuar a ser político corrupto no Brasil.





Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #91 Online: 01 de Dezembro de 2016, 14:47:57 »
Quem, conhece um pouco que seja sobre a política brasileira sabe que a maioria dos políticos deitam e rolam na ladroagem  de recursos públicos, e que  normalmente existe  uma grande leniência com corruptos de colarinho branco.   Então   que história é essa de ser  a  favor de punir juízes, procuradores e policiais que  estão endurecendo com esse pilantras que roubam  os pagadores de impostos ?


Que palhaçada é essa  ?


 :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #92 Online: 01 de Dezembro de 2016, 14:48:24 »
Citar
Confira os nomes dos parlamentares que aprovaram a inclusão, entre as 10 Medidas, da emenda de Weverton Rocha que prevê o “crime de responsabilidade” de juízes e promotores por abuso de autoridade

Por um acaso é ruim que juízes e promotores possam ser punidos quando abusam de suas autoridades?

Se para combater a corrupção no Brasil precisamos de juízes que abusam da autoridade, estamos ferrados.

Acho que uma coisa pode conviver com a outra. Nem todos os juízes são Moro.


Você está simplificando o problema, aqui a questão não é  "abuso de autoridade"   e sim a intimidação  aplicada aos juízes e procuradores, e a  criminalização da  atividade própria  dos juízes,  o chamado crime de hermenêutica.

Pelo visto  você  não está  gostando da atuação do juiz Sérgio Moro e dos procuradores federais que estão atuando na Lavajato.   Pois senão qual o motivo para apoiar  esta defesa de corruptos de colarinho branco ?

Se esta lei passar e vigorar irá valer a pena continuar a ser político corrupto no Brasil.

Eu não vi essa lei de criminalização do abuso de autoridade. Pode ser que haja algumas pegadinhas para frear a lava-jato. Admito que sou um ignorante no assunto.

Mas...

Mas abuso de autoridade por juízes é um problema no Brasil, e não acho que criminalizar eles seja um problema.

Acho estranho ver a mídia dar tanto foco nas tais 10 medidas, como se isso fosse a solução para o problema da corrupção do país.

O foro privilegiado por exemplo não torna o político imune como dizem, mas faz com que seja julgado apenas nas instâncias superiores. Se as instâncias superiores são lerdas e coniventes, empacando as coisas, isso é outra história.

Por que só agora resolveram dar continuidade ao processo contra Renan que estava lá no STF desde 2007? Será que os juízes são coniventes? São cúmplices?
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #93 Online: 01 de Dezembro de 2016, 14:54:30 »

Por que só agora resolveram dar continuidade ao processo contra Renan que estava lá no STF desde 2007? Será que os juízes são coniventes? São cúmplices?


O  STF  tem um número de processos muito grande, pois a Constituição Federal é extensa e detalhista , de modo que um mundo de ações acabam  tendo que serem julgadas lá.

E aqui você está cobrando rigor dos juízes ?

Pois saiba, que com essa lei que os políticos  do Brasil  aprovaram,  certamente os juízes e procuradores correrão grandes riscos  se quiserem processar essa turma.   


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #94 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:06:18 »
11/11/2016 12h04 - Atualizado em 11/11/2016 14h55

Janot diz que proposta do Senado contra abuso de autoridade é 'ruim'

PGR avaliou projeto que prevê prisão para casos de abuso de autoridade.

Para ele, debate lembra o que abafou a Operação Mãos Limpas na Itália.

Renan Ramalho

Do G1, em Brasília


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou nesta sexta-feira (11) que considera “muito ruim” a proposta de lei em discussão no Congresso Nacional que prevê prisão para casos enquadrados como abuso de autoridade. A proposta, de autoria do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), está sob análise de uma comissão da Casa.


Em um café da manhã com jornalistas na manhã desta sexta, o chefe do Ministério Público disse que o texto proposto por Renan abre a possibilidade de punir juízes por causa de sua interpretação na aplicação da lei.


“A proposta que tramita no Senado contém alguns avanços, mas é muito ruim. Uma proposta não pode deixar de forma aberta tipos de abuso. Não pode criminalizar o que chamamos de crime de hermenêutica. Um juiz não pode ser criminalizado pelo fato de ter dado uma interpretação jurídica”, disse Janot durante o encontro.


Janot chamou a atenção para o fato de a proposta, não punir, por exemplo, a chamada “carteirada” – quando uma pessoa se identifica como autoridade para obter privilégios ou se livrar de uma autuação policial, por exemplo.


O procurador disse ser favorável a uma lei contra o abuso de autoridade, lembrando que a atual foi feita na época da ditadura militar, em 1965. “Mas a velocidade é essa? Aprovar de um dia para o outro? Todos estamos abertos à discussão sobre isso. Não há ninguém que seja contra uma lei moderna contra o abuso de autoridade”, afirmou.



Na entrevista, Janot também disse ver em discussão no Brasil medidas semelhantes a algumas que foram aprovadas na Itália como reação à Operação Mãos Limpas, que descobriu, nos anos 90, um esquema de corrupção no governo semelhante ao descoberto pela Operação Lava Jato.


“Óbvio que numa investigação desse tipo, que toca poderes político e econômico, a autopreservação impõe reação desses centros de poder”, disse o procurador-geral.


Janot enumerou uma série de medidas tomadas na Itália para se contrapor à Mãos Limpas. A primeira delas, destacou, foi a “despenalização do financiamento ilícito de campanha”.


Atualmente, no Brasil, o Congresso discute uma anistia para o caixa 2 – doação não declarada de campanha –, já considerado hoje um crime eleitoral.
Questionado sobre o assunto, Janot disse ver prejuízo para as investigações da Lava Jato caso se aprove uma anistia para outros crimes relacionados, como a lavagem de dinheiro e a corrupção. Segundo as investigações do caso têm apontado, dinheiro de propina tem sido doado, de forma declarada ou não, para campanhas como forma de dissimular a origem ilícita.


“Se houver essa anistia, é uma forma de prejudicar a investigação. Uma investigação dessa não é barata, custa caro para o contribuinte”, completou o procurador-geral.

Reação

Questionado várias vezes sobre a reação dos políticos à Lava Jato, Janot disse que tradicionalmente, diante de uma investigação, uma pessoa suspeita tem duas opções: ou se submete e confia na Justiça, se defendendo das acusações, ou foge do país.


“Aprendi algo que não nos ensinam na escola. Existe uma terceira via: você vai ao Parlamento, entra como membro do Parlamento e legisla em causa própria para se furtar à atuação da Justiça”, afirmou o procurador-geral.


Depois, usou uma metáfora para ilustrar a experiência da Lava Jato. Comparou a operação ao ato de vergar uma vara. O movimento, explicou, é uma tentativa de “quebrar” a “corrupção endêmica” que se estabeleceu no país, pela qual o pagamento de propina se torna a regra do jogo nas relações entre governos e empresas.


“Nós chegamos a esse ponto da investigação. Nós envergamos uma vara, se ela volta, volta chicoteando todo mundo. Se essa vara não for quebrada, volta dando chicotada em todo mundo”, disse, numa referência a eventuais retaliações caso a operação não chegue ao fim, punindo os culpados.


Indagado sobre seu relação com o Congresso, especialmente o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – também alvo da Lava Jato –, Janot disse que até o momento o relacionamento tem sido profissional. “No nível que estamos hoje, até o presente momento temos conseguido separar a discussão institucional da questão pessoal. Temos mostrado que as instituições tem funcionado”, disse.


Na entrevista, o chefe do MP também negou que a Lava Jato tenha viés político ou busque criminalizar a atividade política.


“Tenho ouvido desde o início que essa investigação tinha interesse certo. Tinha viés político. Os números não revelam isso, que estejamos privilegiando algum grupo político. Todos os que se envolveram são igualmente investigados, de A a Z. A gente não está investigando um modo de fazer política, estamos investigando um modo de agir criminalmente. Não vejo como criminalização da política”, disse.


Foro privilegiado


Janot também disse ser favorável a mudanças nas regras sobre o chamado “foro privilegiado”, direito que autoridades têm de serem julgadas em tribunais superiores, como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF).


“Tem que haver redução”, afirmou, destacando que atualmente cerca de 22 mil autoridades possuem a prerrogativa de foro, mas com a ressalva de que é contra o fim do instituto.


O procurador não defendeu uma fórmula para restringir o benefício, mas lembrou de uma sugestão do ministro Luís Roberto Barroso, do STF, de criar uma vara federal específica para investigar parlamentares e ministros, por exemplo. “A questão não é fácil, é complexa. A solução tem que existir. O melhor lugar para discutir isso é o Parlamento”, finalizou.


Próximo PGR


A menos de um ano de terminar seu segundo mandato no comando do Ministério Público, Janot disse achar “difícil” uma possível interferência política na escolha de seu sucessor -- a ser feita pelo presidente Michel Temer e confirmada pelo Senado -- , com objetivo de interferir na Lava Jato.
Explicou que um filtro muito importante é o fato de que a indicação dos nomes, tradicionalmente, é feitas pelos próprios membros do MP, que enviam ao presidente uma lista com três nomes mais votados dentro da própria categoria.


“Para que você possa ter uma manipulação política da pessoa que senta nessa cadeira já é muito difícil. Outra coisa: a pessoa que senta nessa cadeira não trabalha sozinha. Ela vai precisar de colegas, vai trabalhar junto com a polícia, com outros órgão que tenham expertise técnica nesse assunto. Não passa na cabeça de ninguém que essa pessoa possa entender que controla todos esses órgãos. Não há uma conspiração generalizada a esse ponto”, explicou.


Apesar de estar no segundo mandato, que dura dois anos, nada impede que Janot seja reconduzido ao cargo por mais dois anos em 2017.


http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/janot-diz-que-proposta-contra-abuso-de-autoridade-e-muito-ruim.html


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #95 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:18:30 »
Posicionamento da AMB contra as mudanças do PL 4850/2016 é destaque na imprensa

 01.12.2016



A manifestação da AMB diante do resultado da votação do pacote anticorrupção (PL 4850/2016), realizada na madrugada dessa quarta-feira (30), repercutiu em importantes veículos de comunicação do País. A nota pública veiculada pela associação e a entrevista do presidente João Ricardo Costa foram destaques no Jornal Nacional, Jornal da Globo e no Jornal das 10.


“Transformaram um projeto que era o anseio da sociedade brasileira para o combate à corrupção em um projeto que vem a blindar a corrupção no Brasil. Com esse modelo, juízes e promotores brasileiros se tornaram reféns do crime organizado”, comentou o presidente ao repórter Júlio Mosquéra.


O presidente da AMB também concedeu entrevista à Agência Brasil. “Da forma como foi aprovado é uma subjugação dos juízes, que combatem os crimes e que no lugar de autorizadores de investigações, passaram a ser investigados e punidos. Isso é algo que foge completamente a qualquer senso de controle. Com essas medidas que foram adotadas ontem, a corrupção passará a valer a pena no Brasil”, disse João Ricardo à Agência Brasil.


A nota que critica as mudanças nas medidas anticorrupção ainda foi publicada em outros veículos impressos e online. Confira:

Jornal Nacional

Jornal da Globo

Jornal das 10

Agência Brasil

Folha de São Paulo

Estado de Minas


http://www.amb.com.br/novo/?p=33212


« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 15:20:45 por JJ »

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #96 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:22:31 »
Pois saiba, que com essa lei que os políticos  do Brasil  aprovaram,  certamente os juízes e procuradores correrão grandes riscos  se quiserem processar essa turma.

Ok.

Consegue me mostrar como exatamente isso afeta a Lava-Jato?

Fulaninho foi delatado, enriqueceu ilicitamente com dinheiro de propina. Aí o Moro coleta as provas e manda prender. O político pode processar Moro?

EDIT:
Estou lendo seus posts anteriores para entender melhor. Acho que a resposta pode estar lá.
« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 15:25:49 por Lorentz »
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #97 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:27:00 »
Pois saiba, que com essa lei que os políticos  do Brasil  aprovaram,  certamente os juízes e procuradores correrão grandes riscos  se quiserem processar essa turma.

Ok.

Consegue me mostrar como exatamente isso afeta a Lava-Jato?

Fulaninho foi delatado, enriqueceu ilicitamente com dinheiro de propina. Aí o Moro coleta as provas e manda prender. O político pode processar Moro?



Não sou especialista em direito.


Mas com relação a esta  questão  específica  você  acredita :


A)  NA AMB,  no   juiz Sérgio Moro,  e no Janot ;

ou

B) No jornalista Reinaldo Azevedo.


 :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:


« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 15:33:33 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.721
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #98 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:31:25 »
E de qualquer forma aqui tem um artigo sobre essa questão que você quer saber de forma mais detalhada:


PL do Senado sobre abuso de autoridade cria crime de hermenêutica


24 de julho de 2016, 8h30

Por Vinícius de Toledo Piza Peluso

“O direito da intolerância é, pois, absurdo e bárbaro; é o direito dos tigres, e bem mais horrível, pois os tigres só atacam para comer, enquanto nós exterminamo-nos por parágrafos” (VOLTAIRE. Tratado Sobre a Tolerância. Trad. Paulo Neves, 2a ed., São Paulo: Matins Fontes, 2000, p. 34)


Sem apresentação de qualquer justificativa razoável, foi recentemente retirado de hibernação, voltando a tramitar no Senado Federal, em rito espantosamente sumaríssimo, o Projeto de Lei do Senado 280/2016, que define os crimes de abuso de autoridade e dá outras providências.


A inusitada e injustificada tramitação-relâmpago chamou a atenção, não só do meio jurídico, mas de toda a sociedade brasileira, que, no delicado momento político, passou a indagar-se sobre as verdadeiras razões que levaram o Senado Federal a deliberar sobre tema tão específico.


Surpreende, não só a inconveniência temporal, ou seja, no meio da tormenta do maior escândalo de corrupção sistêmica que envolve a poderosa casta política brasileira, mas, também, pelos principais senadores protagonistas da medida, os quais estão sendo investigados por suposta participação direta nesse escândalo.


Assim, avultaram sentimento de inquietação e indagações sobre as latentes razões que ensejaram a retomada da tramitação do projeto de lei: a quem, de fato, interessa a inédita rapidez de sua aprovação? A que se presta o conteúdo normativo do projeto?


As respostas não são simples e fáceis, nem a presente análise tem por escopo encontrá-las, senão apenas auxiliar tal tarefa ao dar relevo, dentre do inusitado conteúdo do projeto, à figura que se pode denominar “crime de hermenêutica”, estabelecendo qual o seu destinatário e qual sua finalidade normativa.


O artigo 9°, § único, II, do PLS 280/2016, na redação original,[1] prevê que incorre nas penas do caput — de 1 a 4 anos de detenção e multa —, “quem deixa de conceder ao preso liberdade provisória, com ou sem fiança, quando assim admitir a lei e estiverem inequivocamente presentes seus requisitos”.


Desde logo se identifica aí o sujeito ativo do crime, ou seja, a quem tal construção normativa visa a alcançar, pois, nos termos do tipo penal, em regra, tal crime só pode ser praticado por magistrados (juízes de direito, juízes federais, desembargadores e ministros), de modo que se trata de tipo penal especial próprio, isto é, de crime que só pode ser praticado por quem tenha as qualidades especiais que, descritas ou pressupostas no tipo legal, fundamentam a punibilidade[2].


Outra não pode ser a interpretação, já que em nosso ordenamento jurídico-penal, com exceção dos crimes afiançáveis,[3] apenas magistrados podem conceder liberdade provisória (art. 321 do CPP). Logo, a condição pessoal de magistrado do agente ativo é qualidade especial pressuposta inerente ao tipo penal e, consequentemente, nenhuma outra pessoa pode praticar o crime descrito no inciso II do § único do art. 9° do PLS 280, de 2016.


Por sua vez, a conduta penalmente típica caracteriza-se pela não concessão da liberdade provisória ao preso, quando assim o admita a lei e estejam inequivocamente presentes seus requisitos. Aqui reside o ovo de serpente, o problema fulcral que permite denominar tal figura penal como “crime de hermenêutica”.


Nos termos do art. 321 do CPP, a concessão da liberdade provisória, com ou sem fiança, e/ou outras medidas cautelares, será concedida nas hipóteses em que falhem os requisitos que autorizam a decretação da prisão preventiva, noutras palavras, quando ausentes os requisitos do art. 312 do CPP, quais sejam:


a) garantia da ordem pública;

b) garantia da ordem econômica;

c) conveniência da instrução criminal;

d) necessidade de assegurar aplicação da lei penal.


Dessa forma, grosso modo, o cerne da questão da concessão da liberdade provisória se resume em verificar se ocorre, ou não, uma das hipóteses do art. 312 do CPP, pois sempre que os magistrados depararem com investigados, autuados e réus presos, e verificarem a ausência de quaisquer das circunstâncias autorizadoras da prisão preventiva, imediatamente deverão revogar a prisão ou conceder a liberdade provisória.


O grave problema está, portanto, na interpretação das hipóteses autorizadoras do art. 312 do CPP, pelos magistrados; se interpretarem que tais circunstâncias estão presentes, a liberdade provisória não será concedida, abrindo-se, com isso, possibilidade de que sua conduta possa ser considerada penalmente típica.



Basta rápido passar d’olhos nas doutrinas processuais penais para ver logo a total discordância, entre os doutrinadores, quanto ao(s) significado(s) e conteúdo(s) de cada uma das hipóteses legais autorizadoras da prisão preventiva e, por conseguinte, da concessão da liberdade provisória.[4] Tal situação se torna ainda mais aguda e caótica, se às visões doutrinárias, se somarem as jurisprudenciais.[5]


Nesse complexo e delicado universo hermenêutico, devem os magistrados, mediante fundamentação, optar pela interpretação que melhor se ajuste às circunstâncias fáticas em que possa incidir o art. 312 do CPP, decidindo pela prisão cautelar ou pela concessão da liberdade provisória.


Tal questão torna-se mais problemática, porque, depois das reformas instituídas pela Lei 12.403/11, os magistrados, ao receberem os autos de prisão em flagrante, deverão relaxar a prisão ilegal, converter a prisão em flagrante em prisão preventiva, ou conceder a liberdade provisória (art. 310 do CPP).


Nestes termos, se o magistrado, ao analisar fático-normativamente auto de prisão em flagrante, entender, na interpretação, presentes os requisitos do art. 312 do CPP, converterá a prisão em flagrante em preventiva e, lógica e consequentemente, deixará de conceder a liberdade provisória.


Pois bem. Caso o preso não concorde com a decisão judicial, pedirá a revogação da prisão ou a concessão da liberdade provisória e/ou impetrará Habeas Corpus, com os mesmos objetivos, à instância superior. Se esta entender ausentes os requisitos autorizadores da custódia cautelar, concederá a liberdade provisória. Isto significará que o magistrado praticou o crime em apreço?


Se a instância superior mantiver a decisão original, haverá novo recurso para outra instância mais alta – lembremos que, no Brasil, na prática, há quatro instâncias – e, assim, sucessivamente. Suponhamos, v.g., que a liberdade provisória seja concedida no eg. Supremo Tribunal Federal.


Então, todos os demais magistrados (juízes de direito, desembargadores e ministros) cometeram o crime do art. 9°, § único, II, do PLS 280/2016, ao não conceder anteriormente a liberdade provisória? Em caso positivo, na primeira instância, responderá criminalmente apenas o juiz de direito que negou inicialmente a liberdade provisória, ou os demais juízes que autuaram posteriormente no processo-crime também responderão em caso de não concessão ex officio?



Já em segunda e terceira instâncias, responderá criminalmente apenas o relator ou também os demais integrantes da câmara, turma, grupo ou pleno, que participaram do julgamento? E no caso da existência de voto-divergente? E ministros da Suprema Corte também podem cometer esse crime?


Não deve ser esquecido, ainda, outro grave problema, já que que o referido tipo penal contém o elemento normativo “inequivocamente”, ao descrever o suporte fático autorizador da liberdade provisória. Segundo os léxicos, tal palavra significa algo que não contém equívocos, o que é claro, evidente, explícito, manifesto, o que não suscita dúvidas, o que só comporta uma única interpretação.


Assim, ao usar o advérbio “inequivocamente” na definição do comportamento penalmente proibido, o projeto de lei está absurdamente a indicar que cometerá o crime o magistrado que não conceder liberdade provisória, quando seus requisitos legais forem claros, evidentes, explícitos, manifestos, que não suscitem quaisquer dúvidas, por tolerar uma só interpretação possível, como verdadeiro elemento normativo do tipo penal.


Como se sabe, elementos normativos do tipo penal são os que não se realizam no mundo exterior e exigem sua completude e, pois, sua comprovação, mediante juízo de valor por parte do juiz-intérprete com base em sistema de valores ou parâmetros que estão fora da norma penal, seja no âmbito jurídico ou extrajurídico.[6]


Nestes termos, o tipo penal do art. 9°, § único, II, do PLS 280/2016, apresenta elemento normativo com tessitura, extrema e absurdamente, aberta, cuja complementação valorativa pelo juiz-intérprete não se acha de modo algum objetivada, por remeter o juízo de valor à subjetividade, até porque, para que a liberdade provisória seja concedida, devem estar ausentes os requisitos do art. 312 do CPP, que, conforme já visto, seja doutrinariamente, seja jurisprudencialmente, não são passíveis de interpretações claras, evidentes, inequívocas e, pois, que não suscitem dúvidas por ditar uma única interpretação possível a cada um de seus elementos.



Ou seja, o reconhecimento da prática da conduta penalmente descrita ficará a depender do juízo de valoração de cada magistrado na análise fático-jurídica da questão da concessão ou não liberdade provisória, trazendo indevida e insuportável insegurança no exercício da jurisdição criminal pelos magistrados, pois basta que conversão da prisão em flagrante em prisão cautelar seja reformada por instâncias superiores, para ser tida e juridicamente classificada como conduta penalmente típica.




Patente, assim, que o art. 9°, § único, II, do PLS 280/2016, instauraria verdadeiro “crime de hermenêutica” por criminalizar as interpretações dos magistrados quanto aos requisitos fático-jurídicos dos arts. 312 e 321 do CPP, ou seja, criminalizaria a própria atividade jurisdicional dos magistrados penais: os juízes serão penalmente perseguidos por interpretar a lei em desfavor de uma das partes.




Para além de críticas a outros aspectos, esse do projeto fere de morte a independência do Poder Judiciário e vai de encontro ao art. 41 da Loman (Lei Complementar 35/1979), que expressamente prescreve que, salvo os casos de impropriedade ou excesso de linguagem, nenhum magistrado pode ser punido ou prejudicado pelo teor das decisões que proferir.


Como já notamos, “a independência dos juízes para decidir e exercer a função jurisdicional com destemor é garantida pela imunidade e liberdade intelectual no respectivo exercício, especialmente quanto à interpretação da lei, não podendo ser punidos em seu desempenho, o que inegavelmente se estende (…) ao conteúdo ou teor das decisões que proferirem, desde que, evidentemente, não incorram em impropriedade ou excesso de linguagem”[7].


Trata-se de verdadeira prerrogativa, que, na correta acepção técnica, significa o direito especial que, inerente a cargo ou profissão, que atende a interesses públicos, ainda que relacionados diretamente à pessoa titular, não dizendo respeito, pois, a simples privilégio que atenderia unicamente a interesses pessoais e que, dessa forma, não estaria de acordo com a ordem constitucional (art. 5.º, I, da Constituição Federal de 1988).


Ora, as prerrogativas da Magistratura Nacional não são privilégios concedidos à pessoa do juiz, mas, sim, direitos especiais atribuídos em razão da vital e importante natureza do cargo que ocupa e que visam unicamente ao interesse da própria sociedade, oferecendo condições mínimas de garantia da dignidade e da independência no exercício do cargo e do desempenho imparcial da função jurisdicional.[8]


Oferecem-se, assim, condições eficazes para a independência e imparcialidade das pessoas responsáveis pelo exercício da jurisdição, mantendo tradicional proteção endereçada individualmente aos juízes, pois quem quer que cometa a outrem alguma tarefa, assume, no mesmo passo, o compromisso de lhe garantir as condições do seu bom desempenho.



A sociedade outorga aos juízes o encargo de decidir conflitos entre pessoas; mas, no decidir, os juízes desagradam, quase sempre, à parte vencida. E esta, quando poderosa e menos nobre, pode mover-lhes, em desforra, toda a sorte de perseguições. Se poderosa na política, em países sem forte cultura da legalidade, a desforra pode ir, para além de perseguições administrativas, à própria criminalização do ato de decidir, razão pela qual não é justo, nem lógico que a sociedade os deixe expostos à sorte tão adversa, por serviços que lhe prestem.



Dessa forma, quando não seja por dever indeclinável, é para o bem mesmo da Justiça que a sociedade, ao organizar o aparelho judiciário, só não construirá sobre a areia, se assegurar aos juízes, pelo menos, a prerrogativa de que nenhum deles possa ser criminalmente punido ou prejudicado pelo teor das decisões que proferir.


Garantir tal prerrogativa é barreira oposta aos maus, em defesa dos bons, na distribuição da Justiça, como fundamento insubstituível da independência pessoal dos juízes em favor da própria sociedade,[9] evitando a mordaça que lhes subtrairia o direito de interpretar livremente a lei e os aprisionaria no plano de decisões mecânicas, lineares, uniformes e injustas, ao instituir policiamento político-ideológico do Poder Judiciário.


Para finalizar, caindo como luva à presente análise, nunca é demais lembrar a célebre advertência de Rui Barbosa, para quem: “Para fazer do magistrado uma impotência equivalente, criaram a novidade da doutrina, que inventou para o Juiz os crimes de hermenêutica, responsabilizando-o penalmente pelas rebeldias da sua consciência ao padrão oficial no entendimento dos textos. Esta hipérbole do absurdo não tem linhagem conhecida: nasceu entre nós por geração espontânea. E, se passar, fará da toga a mais humilde das profissões servis, estabelecendo para o aplicador judicial das leis, uma subalternidade constantemente ameaçada pelos oráculos da ortodoxia cortesã. Se o julgador, cuja opinião não condiga com a dos seus julgadores na análise do direito escrito, incorrer, por essa dissidência, em sanção criminal, a hierarquia judiciária, em vez de ser a garantia da justiça contra os erros individuais dos juízes, pelo sistema de recursos, ter-se-á convertido, a benefício dos interesses poderosos, em mecanismo de pressão, para substituir a consciência pessoal do magistrado, base de toda a confiança na judicatura, pela ação cominatória do terror, que dissolve o homem em escravo”[10].


[1] Disponível: <http://www.senado.leg.br/atividade/rotinas/materia/getPDF.asp?t=196675&tp=1>. Acesso em: 12.07.2016.



http://www.conjur.com.br/2016-jul-24/vinicius-peluso-pl-abuso-autoridade-resulta-inseguranca

« Última modificação: 01 de Dezembro de 2016, 15:53:12 por JJ »

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.295
  • Sexo: Masculino
Re:O que o congresso está fazendo enquanto discutimos política
« Resposta #99 Online: 01 de Dezembro de 2016, 15:37:20 »
Pois saiba, que com essa lei que os políticos  do Brasil  aprovaram,  certamente os juízes e procuradores correrão grandes riscos  se quiserem processar essa turma.

Ok.

Consegue me mostrar como exatamente isso afeta a Lava-Jato?

Fulaninho foi delatado, enriqueceu ilicitamente com dinheiro de propina. Aí o Moro coleta as provas e manda prender. O político pode processar Moro?



Não sou especialista em direito.


Mas você  acredita :


A)  NA AMB,  no   juiz Sérgio Moro,  e no Janot ;

ou

B) No jornalista Reinaldo Azevedo.


 :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:




Acreditar no Janot é difícil, vou confessar.

Mas o Reinaldo quando critica mostra exatamente o problema. Já os demais quando criticam chamam tudo de "golpe", "AI-5", etc. Não dão detalhes. Não explicam. Só fazem alarde. A minha reação cética é ignorar esses ruídos, que obviamente acaba por fazer a gente ignorar alguma coisa realmente importante no meio disso tudo. Só que o papel da imprensa é justamente filtrar o ruído, e não propagá-lo.

As frases na mídia em sua maioria são coisas como "congresso quer acabar com abuso de autoridade! Isso não pode!"

Peraí!!!!!!! Abuso de autoridade é ruim. Tem que explicar o que dentro deste projeto contra abuso é errado e anti-democrático, e não somente bradar o caos.

Concorda?
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!