Autor Tópico: Reforma Pedagógica do Ensino Médio  (Lida 2574 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Online: 22 de Setembro de 2016, 18:08:59 »
Governo lança reforma do ensino médio; veja destaques

Conteúdo obrigatório básico deve ter metade da carga horária total. Apesar de já estar em vigor, MP precisa ser discutida e votada no Congresso em até 120 dias.

O Governo federal apresentou nesta quinta-feira (22) a medida provisória (MP) sobre a reforma do ensino médio. As mudanças afetam conteúdo e formato das aulas, e vão refletir também na elaboração dos vestibulares e do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A proposta terá de ser aprovada em até 120 dias pela Câmara e pelo Senado, caso contrário, perderá o efeito.

A previsão do Ministério da Educação (MEC) é que turmas iniciadas em 2018 estejam já possam se beneficiar das mudanças. Até lá, as redes estaduais poderão fazer adaptações preliminares, já que o Ministério da Educação condiciona a implementação de pontos da reforma à conclusão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O ministro disse que a elaboração da BNCC só deve ser concluída em "meados" de 2017.

A primeira mudança importante determinada pela medida provisória é que o conteúdo obrigatório será diminuído para privilegiar cinco áreas de concentração: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

O objetivo do governo federal é incentivar que as redes de ensino ofereçam ao aluno a chance de dar ênfase em alguma dessas cinco áreas. Já entre os conteúdos que deixam de ser obrigatórios nesta fase de ensino estão artes, educação física, filosofia e sociologia. Entretanto, o conteúdo dessas disciplinas não será propriamente eliminado, mas o que será ensinado de cada uma delas dependerá do que estiver dentro do conteúdo obrigatório previsto na futura Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

O segundo destaque da reforma será o aumento da carga horária. Ela deve ser ampliada progressivamente até atingir 1,4 mil horas anuais. Atualmente, o total é de 800, de acordo com o MEC. Com a medida, a intenção do Ministério da Educação é incentivar o ensino em tempo integral, e para isso prevê programa específico com R$ 1,5 bilhão para incentivar que escolas adotem o ensino em tempo integral.



http://g1.globo.com/educacao/noticia/temer-apresenta-medida-provisoria-da-reforma-do-ensino-medio-veja-destaques.ghtml



E aí, o que acham?

Offline Gauss

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.924
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #1 Online: 22 de Setembro de 2016, 18:11:10 »
Pena que no meu tempo não era assim. A Inglaterra não tem um sistema parecido?


É uma tentativa óbvia de melhorar nossa terrível educação, mas o resultado só aparecerá a longo prazo. Mas gostei de alguns pontos, como a carga horária e a possibilidade de escolha do aluno em focar em matérias de seu interesse.
« Última modificação: 22 de Setembro de 2016, 18:14:11 por Gauss »
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Entropia

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 394
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #2 Online: 22 de Setembro de 2016, 19:29:48 »
Achei muitas partes positivas... Mas sem querer mudar muito de assunto mas já mudando. Esse plano de ensino estava nas propostas da Dilma, e o que tem de gente petista e afins reclamando disso hoje é incrível... Mas o mais engracado é como tem gente anti-PT que criticou intensamente isso, hoje tá achando bom... Dá bug dos 2 lados. Incrível.

<a href="https://www.youtube.com/v/2DcSF94DVL0" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/2DcSF94DVL0</a>

Particularmente gostei da parte dos professores e o diploma em pedagogia. Acredito que alguém com mais experiência prática conseguiria
trazer mais informacoes úteis em certas situacoes. Espero que esse enfoque permita uma abordagens de coisas úteis pros alunos. Eu mesmo que sou de exatas afirmo que grande parte do que aprendi de Física e Matemática no Ensino Médio foi inútil pro que faco hoje. Reduzir as coisas a problemas abstratos nao ajuda.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #3 Online: 22 de Setembro de 2016, 22:38:12 »
Essa questão da formação dos professores me pareceu problemática. Em vez de um caminho que talvez fosse mais consensual de que é correto de capacitar melhor os professores, oferecer cursos de atualização etc. começarão a ser contratados profissionais que, ainda que tenham algum domínio técnico dos assuntos, nunca estudaram didática.

Por experiência subjetiva, eu me lembro de ter tido aula de Física com um engenheiro no ensino médio, cara péssimo, não levava o mínimo jeito para ensinar. Também com um bacharel em Biologia e outro em Letras (língua portuguesa, doutorando em literatura), sem experiência em sala de aula, que ensinavam tão mal que os alunos fizeram pressão até serem substituídos (a escola era privada).
« Última modificação: 22 de Setembro de 2016, 22:55:19 por Lakatos »

Offline Entropia

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 394
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #4 Online: 23 de Setembro de 2016, 11:53:28 »
Pra mim é uma faca de 2 gumes. Nao vejo muito sentido ter uma boa didática pra se focar em problemas de matemática abstratos e sem citacao de coisas práticas das matérias. Acho que vai além de como o professor ensina, mas o quê ensinar.

E sobre outros profissionais, eu tive uma experiência contrária. Passando por escolas privadas parece ser bem comum engenheirou ou médicos darem aula. E pela minha experiência com alguns, foram bons, acho que já tinham tempo considerável de sala de aula. O que deixa aberto esse "notório saber". Nao ter pisado nenhuma vez em sala de aula pra ser um professor fixo também nao parece ser uma boa ideia pra mim.

EDIT: O Temer/ministro da educacao arregou sobre a decisao de retirar Filosofia, Sociologia e Educacao física como obrigatórias?

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.675
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #5 Online: 23 de Setembro de 2016, 11:58:02 »
Essa questão da formação dos professores me pareceu problemática. Em vez de um caminho que talvez fosse mais consensual de que é correto de capacitar melhor os professores, oferecer cursos de atualização etc. começarão a ser contratados profissionais que, ainda que tenham algum domínio técnico dos assuntos, nunca estudaram didática.

Por experiência subjetiva, eu me lembro de ter tido aula de Física com um engenheiro no ensino médio, cara péssimo, não levava o mínimo jeito para ensinar. Também com um bacharel em Biologia e outro em Letras (língua portuguesa, doutorando em literatura), sem experiência em sala de aula, que ensinavam tão mal que os alunos fizeram pressão até serem substituídos (a escola era privada).

Acho que tem certas medidas que não dá pra ficar esperando fazer somente quando resolver outra coisa. Acho que é possível fazer as duas coisas em paralelo. E não é simples capacitar milhares de professores num espaço de tempo curto.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #6 Online: 23 de Setembro de 2016, 12:26:51 »
O MEC mudou de posição de ontem para hoje, disse que tudo foi um erro e que na verdade divulgaram uma "versão errada" da Medida Provisória.

Parece mais provável que apenas tenham recuado mesmo, em face da polêmica, como já virou marca do governo atual.

Citar
Após divulgar versão errada de MP, MEC afirma que artes, educação física, filosofia e sociologia seguem obrigatórias no Ensino Médio

Texto divulgado inicialmente apontava que disciplinas seriam eletivas, dependendo da decisão de cada escola. MEC admitiu erro durante a noite

Ao anunciar, nesta quinta-feira, as mudanças no Ensino Médio, o Ministério da Educação divulgou um texto apontando que algumas velhas conhecidas dos estudantes deixariam de ser tema obrigatório ao final da educação básica. Aulas de artes, educação física, filosofia e sociologia, pelo que constava no texto da medida provisória (MP) divulgado durante a tarde, não seriam mais parte compulsória do currículo do Ensino Médio, cabendo às escolas, redes de ensino e alunos definir quais delas fariam parte dos estudos.

O texto, porém, estava equivocado. Na versão encaminhada para publicação no Diário Oficial — que deve vir a público na sexta para então ir à apreciação do Congresso Nacional —, o texto final aponta que não está decretado o fim de nenhuma disciplina, e as 13 que atualmente constam como obrigatórias para o Ensino Médio devem permanecer obrigatórias.

A confusão deu a entender que a reformulação do Ensino Médio contrariaria a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), que define o ensino de artes e educação física como obrigatório em toda a educação básica, e aponta que filosofia e sociologia devem ser ministradas a todos os alunos do Ensino Médio.

— Eu assumo a responsabilidade, houve um erro que infelizmente levou a essa confusão. Não se está acabando com nada — afirmou o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Rossieli Soares, em entrevista a ZH.

Diante da repercussão, o MEC divulgou uma nota durante a noite esclarecendo que não haveria cortes em nenhuma disciplina. O secretário dá como certo que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) vai prever as mesmas disciplinas que hoje integram a grade do Ensino Médio, portanto não haveria preocupação quanto à não obrigatoriedade de algumas delas.

— Temos que fazer algumas opções, não tem jeito: é preciso diminuir algumas coisas para ter outras. Mas todos os alunos terão essas disciplinas que hoje já têm. A diferença é que eles poderão se aprofundar mais naquelas em que têm mais interesse — garantiu Soares.

[...]

http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/educacao/noticia/2016/09/apos-divulgar-versao-errada-de-mp-mec-afirma-que-artes-educacao-fisica-filosofia-e-sociologia-seguem-obrigatorias-no-ensino-medio-7544735.html#

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #7 Online: 23 de Setembro de 2016, 13:10:03 »
Aumentar carga horária significa menos tempo pra estudar sozinho e ler em casa (além do lazer). Em minha época de estudante eu iria achar isso péssimo e me sentiria prejudicado.

Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #8 Online: 23 de Setembro de 2016, 13:22:26 »
A mim o aumento da carga horária foi um dos pontos que agradaram. Só não sei quão viável é isso na prática, já que boa parte das escolas opera em três turnos.

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #9 Online: 23 de Setembro de 2016, 13:33:19 »
Já li um ótimo artigo, não lembro exatamente onde, que dizia que a função primária das escolas não é ensinar, mas algo como manter as crianças e adolescentes juntos em um só lugar, com adultos de olho neles, para que os pais possam trabalhar em paz. Ele diz que o ensino universal no formato atual só surgiu após a industrialização, quando as mulheres passaram a trabalhar fora também.

Vou ver se encontro esse artigo.

Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #10 Online: 23 de Setembro de 2016, 13:35:50 »
Mas se as crianças e adolescentes estudarem em tempo integral, como fica o lazer?

 :hihi:

Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #11 Online: 23 de Setembro de 2016, 13:44:26 »
Achei o artigo:


"Officially the purpose of schools is to teach kids. In fact their primary purpose is to keep kids locked up in one place for a big chunk of the day so adults can get things done. And I have no problem with this: in a specialized industrial society, it would be a disaster to have kids running around loose."

http://www.paulgraham.com/nerds.html
Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #12 Online: 23 de Setembro de 2016, 14:12:58 »
Em caso de crianças, as escolas com tempo integral geralmente inserem atividades recreativas dentro do período escolar. No caso do Ensino Médio não sei como ficaria isso, mas acho que não é impossível fazer algo parecido.

Não acho que atualmente a universalização de ensino seja só uma fachada para a criação de "creches". Os maiores beneficiários são os próprios estudantes. É uma forma de ampliar as possibilidades de atuação na sociedade, e não ficar condenado a seguir a trajetória profissional dos pais como historicamente costumava ser. A industrialização demandou esse tipo de formação, mais do que apenas a disponibilidade das mulheres para trabalhar.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.099
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #13 Online: 23 de Setembro de 2016, 14:48:46 »
Pra mim é uma faca de 2 gumes. Nao vejo muito sentido ter uma boa didática pra se focar em problemas de matemática abstratos e sem citacao de coisas práticas das matérias. Acho que vai além de como o professor ensina, mas o quê ensinar.

O aprendizado de matemática é melhor mais abstrato, os alunos conseguem generalizar melhor. Um pouco como na piada do Chaves, "eu sabia esse, mas com maçãs".





Eu fico pensando se antes de ter essas metas como aumentar carga horária não era mais interessante ver o que se poderia melhorar já com os recursos e carga horária disponível. Acho que tende a ficar só mais "ralo" e estafante para todos.

Quais seriam os dados mais consensuais sobre os melhroes modelos de ensino pelo mundo/país, em termos de custo/benefício? Por favor, sem divergir para privado vs público (ou fazer isso num tópico como esse ligado aqui). Mesmo que seja privado ou vouchers, essa parte financeira deve ser secundária com relação à prática.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #14 Online: 23 de Setembro de 2016, 15:09:39 »
Quais seriam os dados mais consensuais sobre os melhroes modelos de ensino pelo mundo/país, em termos de custo/benefício? Por favor, sem divergir para privado vs público (ou fazer isso num tópico como esse ligado aqui). Mesmo que seja privado ou vouchers, essa parte financeira deve ser secundária com relação à prática.

Nem sei se existe algum indicador de custo-benefício para a educação. Atualmente os países com melhores índices educacionais são todos asiáticos, como Hong Kong, China, Singapura, Coreia do Sul e Japão, com a Finlândia de "intrusa" no grupo. Contudo, acho que deve haver cuidado ao tentar simplesmente copiar modelos de sucesso, porque a diferença de cultura é muito grande, e o que funciona lá poderia não funcionar aqui.

Acredito que o "feijão com arroz" é capacitação e valorização dos professores, cobrança das escolas por resultados e ampliação da carga horária com foco em reforço e revisão de conteúdos.
« Última modificação: 23 de Setembro de 2016, 15:13:05 por Lakatos »

Offline Entropia

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 394
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #15 Online: 23 de Setembro de 2016, 15:09:51 »
O aprendizado de matemática é melhor mais abstrato, os alunos conseguem generalizar melhor. Um pouco como na piada do Chaves, "eu sabia esse, mas com maçãs".

Sim, mas depois que se aprende, esse conhecimento tem que ir pra algum lugar... Eu mesmo ficava de saco cheio de pegar listas de exercícios onde tinham que ficar dividindo mais de 20 polinômios. Aí depois da prova a matéria passava e eu me perguntava qual era o sentido daquilo mesmo. Hoje em dia acho essencial pra matemática um ensino maior  de estatística, interpretacao de dados e gráficos, grau de correlacao, tendenciosidade, como se ajustam dados de um experimento... Lembro de ter visto pouquíssimo isso em sala, era sempre média aritmética e no máximo chegava em desvio padrao.

Fazendo um paralelo com o choro da galera com relacao a Filosofia e Sociologia.

"Ah mais sociologia te dá senso crítico pra entender a sociedade!!" Isso pode até ser verdade, assim como Física e Matemática de dao base pra entender e até projetar um motor. Agora, quantos realmente saem da escola sabendo alguma coisa dessas?




Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.675
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #16 Online: 23 de Setembro de 2016, 15:39:55 »
Aumentar carga horária significa menos tempo pra estudar sozinho e ler em casa (além do lazer). Em minha época de estudante eu iria achar isso péssimo e me sentiria prejudicado.

E você estudava sozinho e lia... sei.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.675
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #17 Online: 23 de Setembro de 2016, 15:42:44 »
Acredito que o "feijão com arroz" é capacitação e valorização dos professores, cobrança das escolas por resultados e ampliação da carga horária com foco em reforço e revisão de conteúdos.

O que você está falando é ótimo, mas é praticamente impossível de fazer funcionar atualmente. Os professores e os sindicatos se recusam a se sujeitar a "meritocracia", resultados e quaisquer tipos de melhorias nesse sentido. Querem salários melhores, doutrinação livre e igualdade entre professores, nivelando sempre pelos piores professores.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.675
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #18 Online: 23 de Setembro de 2016, 15:55:15 »
Aliás, faz tempo que eu digo que disciplinas como filosofia e sociologia são inúteis no ensino médio. Bom saber que vão tornar opcionais.

"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #19 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:08:10 »
Aumentar carga horária significa menos tempo pra estudar sozinho e ler em casa (além do lazer). Em minha época de estudante eu iria achar isso péssimo e me sentiria prejudicado.

E você estudava sozinho e lia... sei.

Sim
Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.997
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #20 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:21:55 »
Aumentar carga horária significa menos tempo pra estudar sozinho e ler em casa (além do lazer). Em minha época de estudante eu iria achar isso péssimo e me sentiria prejudicado.

E você estudava sozinho e lia... sei.

Sim

São disciplinas para se ter no ensino superior. A gente forma uma maioria de analfabetos funcionais, e tem gente que acha que nossos alunos vão sair do ensino médio discutindo Platão. Nosso sistema de ensino quer abraçar o mundo, e acaba com os piores níveis educacionais do planeta.
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.878
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #21 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:37:14 »
Acredito que o "feijão com arroz" é capacitação e valorização dos professores, cobrança das escolas por resultados e ampliação da carga horária com foco em reforço e revisão de conteúdos.
O que você está falando é ótimo, mas é praticamente impossível de fazer funcionar atualmente. Os professores e os sindicatos se recusam a se sujeitar a "meritocracia", resultados e quaisquer tipos de melhorias nesse sentido. Querem salários melhores, doutrinação livre e igualdade entre professores, nivelando sempre pelos piores professores.

Exatamente.

Parece que a maioria quer salários maiores (muito maiores!) e benesses financeiras diretas ou indiretas, ao mesmo tempo que pleitea a total liberdade de doutrinação e uma igualdade para que os medíocres possam 'ficar na surdina', sem possibilidade de serem cobrados pelo seu desempenho acadêmico e ou pela qualidade de ensino.
Foto USGS

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #22 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:37:33 »
Acredito que o "feijão com arroz" é capacitação e valorização dos professores, cobrança das escolas por resultados e ampliação da carga horária com foco em reforço e revisão de conteúdos.

O que você está falando é ótimo, mas é praticamente impossível de fazer funcionar atualmente. Os professores e os sindicatos se recusam a se sujeitar a "meritocracia", resultados e quaisquer tipos de melhorias nesse sentido. Querem salários melhores, doutrinação livre e igualdade entre professores, nivelando sempre pelos piores professores.

É algo para ser feito gradualmente. Do jeito que funciona hoje, com um professor "médio" da rede pública tendo que trabalhar cerca de 80 horas semanais entre aulas, preparação das mesmas, correção de trabalhos, provas, preenchimento de atas e diários, entre outros, em locais com infra-estrutura precária, ganhando menos do que a maioria dos outros cargos de nível superior, é quase risível tentar empurrar alguma cobrança por bons resultados. Se eu trabalhasse nessa situação, minha meta seria chegar ao final dos bimestres sem matar ninguém, e já me daria por satisfeito se conseguisse.

A educação pública no Brasil é cara e ineficiente, mas esse ralo está mais acima, nos governos e secretarias, o professor é tão vítima da situação quanto o aluno.

Sobre as disciplinas de filosofia e sociologia, elas não se tornaram optativas. Elas continuam obrigatórias com um número de horas a serem cumpridas de acordo com a Base Nacional Comum Curricular. Depois de cumpridas essas horas, aí sim o aluno poderia optar por uma ênfase e prescindir de algumas disciplinas.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.099
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #23 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:40:24 »
Quais seriam os dados mais consensuais sobre os melhroes modelos de ensino pelo mundo/país, em termos de custo/benefício? Por favor, sem divergir para privado vs público (ou fazer isso num tópico como esse ligado aqui). Mesmo que seja privado ou vouchers, essa parte financeira deve ser secundária com relação à prática.

Nem sei se existe algum indicador de custo-benefício para a educação. Atualmente os países com melhores índices educacionais são todos asiáticos, como Hong Kong, China, Singapura, Coreia do Sul e Japão, com a Finlândia de "intrusa" no grupo.

Acho que a China ao menos tem o problema de educar "elites" não tanto as massas, mas não sei de detalhes nem nada.



Citar
Contudo, acho que deve haver cuidado ao tentar simplesmente copiar modelos de sucesso, porque a diferença de cultura é muito grande, e o que funciona lá poderia não funcionar aqui.

Acho que seria interessante tentar implementar uma cultura estudantil/educativa que seja verificadamente melhor, em vez de nos contentarmos com baixas auto-expectativas. "Ah, mas brasileiro é assim mesmo, jamais poderemos ser como japoneses." Esse tipo de pensamento pode até ser uma auto-sabotagem coletiva.

Diga-se de passagem, li num artigo antigo de Seleções, um autor apontar como um dos motivos para o sucesso japonês o fato deles terem buscado copiar o que há de melhor ao redor do mundo, em vez de reinventar a roda.


Citar
Acredito que o "feijão com arroz" é capacitação e valorização dos professores, cobrança das escolas por resultados e ampliação da carga horária com foco em reforço e revisão de conteúdos.

Acho que "revisão de conteúdos" vem antes de tudo, com uma redução para os pilares mais fundamentais. Pelo que já vi de diferenças de currículos brasileiros e internacionais passa até a impressão que o currículo brasileiro é imaginado como é como uma espécie de reflexo de complexo de vira-latas, uma tentativa de "compensar" o nível baixo de educação com um currículo mais "impressionante".



Também talvez fosse interessante alguma espécie de separação de escolas de elite ou graus de "elitismo", umas mais flexíveis em vez desse negócio de creche para adolescentes.

Skorpios

  • Visitante
Re:Reforma Pedagógica do Ensino Médio
« Resposta #24 Online: 23 de Setembro de 2016, 16:44:08 »
Nosso sistema de ensino quer abraçar o mundo, e acaba com os piores níveis educacionais do planeta.

 :ok:

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!