Autor Tópico: Pesquisa com médium  (Lida 22387 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Andarilho-terrestre-2

  • Nível 10
  • *
  • Mensagens: 100
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1325 Online: 10 de Fevereiro de 2017, 17:32:16 »
Este aqui diz que o espírito do VOVÔ indicou onde estava a ossada do neto :

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/07/1795497-espirito-desfaz-misterio-e-revela-a-mae-localizacao-de-filho-morto-no-ceara.shtml

" filho de Maria Lopes Farias, Galdino Alvez Bezerra, havia saído de casa para uma vaquejada em Canindé, Ceará, e nunca mais voltou. A mulher se convenceu que o filho estava morto.

Mas, durante o tempo em que buscou notícias sobre o filho, ela começou a frequentar um centro espírita. Durante uma sessão com o médium Nilton Souza, a mulher recebeu uma carta psicografada do espirito do sogro dela. O conteúdo da carta a pontava onde o corpo do filho de Maria estava. O local indicado era Lagoa do Juvenal."

 :|
« Última modificação: 10 de Fevereiro de 2017, 17:35:17 por Andarilho-terrestre »

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.850
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1326 Online: 10 de Fevereiro de 2017, 18:54:40 »
Acho que uma vez li em "Reader's Digest" um caso real de gato psíquico que ajudava a solucionar crimes. Depois vejo se consigo encontrar.

Pesquisando só um pouco, encontrei desse caso de um que prevê a morte das pessoas:

http://www.reuters.com/article/us-cat-death-idUSTRE6115QB20100202

Teve um episódio de "House" com um gato assim, mas a palavra "febre" não está no artigo.











O mais próximo que achei foi esse, mas é completamente diferente. Aparentemente o gato psíquico já está morto e se comunica com a pet-médium para ajudar a solucionar sobre outros pets desaparecidos. Curioso como funcionam a percepção sensorial espiritual, o homem precisa aproximar a coleira do cão desaparecido à webcam, para que o gato psíquico cheire através da foto dele mesmo, também aproximada a outra webcam:

<a href="https://www.youtube.com/v/FZq4TYwD34A" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/FZq4TYwD34A</a>

Offline SandroF

  • Nível 14
  • *
  • Mensagens: 320
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1327 Online: 10 de Fevereiro de 2017, 19:09:08 »
Máquinas de Kirlian?  :histeria:

Agora só falta citar aqueles gadgets to tipo caça-fantasmas.

A ciência espiritóide é extremamente criativa.

Poxa.. não brinca assim não... vai q eu me empolgo e construo um espectômetro vampírico!? E uma capsula de captura de espectros? rsrsrs

rss...

Não me surpreende a ridicularização no Brasil da maquina de Kirlian, afinal os espiritas dos anos 90 acabaram com a imagem dela.. alegando q fotografava espiritos etc... Na Russia ela é homologada e se usa normalmente para diagnósticos médicos.. Tudo é uma questão de leis regionais..

O que eu posso dizer é que, na época do experimento, eu nem acreditava q ela daria algum resultado.. mudei minha opinião baseado nos fatos que ela apresentou..

se eu persistisse em negar isso seria uma total e absoluta burrice minha, dai eu estaria na mesma historia de negar os fatos e tentar ajustar respostas as minhas crenças.. Cuidado, você tem ido no mesmo rumo... rs
Todo o vício surge de uma recusa inconsciente de encararmos nossos próprios sofrimentos.

Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1328 Online: 10 de Fevereiro de 2017, 19:47:04 »
O Sr. verificou que é homologada mesmo in loco lá na Rússia :?:
Sem sarcasmos: eu sei que nada tem a ver com espiritismo...

Por que A, B, D, F e parcialmente E apresentam uma luminosidade semelhante a fases planetárias, i.e., tem áreas escuras e C não :?:
A fluidificação abarca só parte do volume (cuja projeção fica sendo a imagem capturada)  :?:

Offline SandroF

  • Nível 14
  • *
  • Mensagens: 320
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1329 Online: 11 de Fevereiro de 2017, 21:43:19 »
O Sr. verificou que é homologada mesmo in loco lá na Rússia :?:
Sem sarcasmos: eu sei que nada tem a ver com espiritismo...

In loco é um tanto difícil rss... não vejo pq mentirem.. até onde sei o uso oficial possui um embasamento...
Acho q ja comentei aqui que num dos dias do experimento eu fiz uma foto de um dedo apenas e pedi para ela dizer o q seria possível a maquina identificar sobre minha pessoa.. O q me chamou a atenção foi o fato dela afirmar que a imagem informava problema de hérnia na minha lombar.. Isso se confirmou muito preciso, embora a mesma não me incomodasse a um bom tempo...
O q pensar? De tantas patologias possíveis, pq falaria essa e precisamente correta? Chute? Auto-sugestao? Pode ser... mas o modelo de maquina russa faz o diagnostico via software, diminuindo qualquer chance de indução humana..

Não posso ser conclusivo ou taxativo pois estudei bem a teoria das maquinas kirlian mas não tenho o expertise para me aprofundar no tema.

Citar
Por que A, B, D, F e parcialmente E apresentam uma luminosidade semelhante a fases planetárias, i.e., tem áreas escuras e C não :?:
A fluidificação abarca só parte do volume (cuja projeção fica sendo a imagem capturada)  :?:

Você está falando das imagens das amostras da agua?

Bom.. se for disso é devido a uma problemática com o uso da máquina "analógica".. como o filme (negativo) é colocado sobre a chama de metal, então nem sempre ele fica uniforme... Como não tocávamos nas amostras de agua para evitar qualquer desvio ou "contaminação" as vezes o filme ficava mais afastado, gerando uma espécie de sobra..

Como era introduzido um eletrodo dentro da agua (aterramento) a alta tensão modulada iria atingi-la de qualquer maneira, por isso os únicos referenciais poderiam ser as bordas externas, no nosso entender seriam as únicas informações homogéneas..

O bom agora é replicar, e pretendemos isso, com a maquina digital.. a ideia é fazer o mesmo q fizemos com a médium e ver o q aparece de fato.. Se aparecer algo condizente com o feito, então teremos certeza do q vem se demonstrando.. Se não for algo condizente então temos q repensar todo o processo e ver onde foi a falha metodológica, fato que gerou um erro de interpretação..
 
Todo o vício surge de uma recusa inconsciente de encararmos nossos próprios sofrimentos.

Offline montalvão

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 360
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1330 Online: 26 de Março de 2017, 00:22:39 »
Citação de: SandroF
Moizes.. você tinha sugerido tal ideia não?... os resultados estão acima... (outro post)
[/quote

Diletíssimo Sandro,

Pensei que o assunto cá houvera morrido, mas eis que vejo que vens com novidades.

Vou me atualizar na leitura e depois me manifesto. Se você realmente tiver encontrado algo que mereça maior e melhor investigação, não tema, reconhecerei seu sucesso. Conforme meu bisavô, a quem não conheci, dizia: "filho, não tema a verdade, venha de que lado vier..."

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.591
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1331 Online: 27 de Março de 2017, 18:22:33 »
O objetivo da pesquisa então continua sendo encontrar falhas na própria pesquisa porque as águas são indiferenciaveis ou de identificar alguma retrocognição da ordem de escolha das garrafas, o que seria um fenômeno extraordinárias e como tal exigiria evidências extraordinárias que justificassem outra abordagem, outro experimento com outros controles, etc.

Para testar a crença bastaria um experimento totalmente fake, sem "fluidificação". Volto a insistir no uso de sacis engarrafados.



Talvez em tese quiçá sim porque qualquer ser pode ser magnetizado. Esse é o princípio dos passes, decorrente da guerra oitocentista (se alguém tiver interesse, no livro do Monroe tem um capítulo inteiro sobre ela) entre os mesmeristas e os espíritas, ganha pelos últimos.
Só que na prática é mais viável experimentar com botellas 500ml d'água engarrafada que com sacis...
Aí onde o Sr. mora (  :?: ) vendem sacis engarrafados nos pontos H24 ou mercados  :?:




Tem hora que eu rio um bocado com as coisas que aqui são escritas.


 :histeria:



Offline montalvão

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 360
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1332 Online: 13 de Abril de 2017, 18:46:33 »
Sandro,

Atualizei minhas leituras.
Inicialmente chamo sua atenção para pendência de sua parte, que repito para que dela recorde:

Citação de: montalvão
O que eu quero, porém,  é falar de projeto seu mais antigo.  Quando questionei o trabalho do Perandrea, que era pregado como prova científica da mediunidade, você não gostou e não concordou. Além  de produzir fraquinha contestação à minha contestação,  resolveu ir adiante e mostrar que médiuns podem escrever como os comunicantes escreviam em vida. Isso tem mais de 6 anos,  até hoje não deu retorno a respeito dessas pesquisas (e nós as discutimos exaustivamente).  Se  não for pedir muito, diga a quantas anda a grafia de mortos produzidas por médiuns. Conseguiu comprovar alguma coisa? Conseguiu achar caminho viável para demonstrar a realidade de espíritos comunicantes por essa via? Sinceramente, não posso esconder minha curiosidade.  Será que terei o prazer de vê-la (a curiosidade)  satisfeita?

Enquanto aguardo a gentileza de seu retorno, vamos falar dos resultados que obteve. Você dissera, em momentos distintos:

Citação de: SandroF
Finalizamos hj a pesquisa que possui como teste médiuns videntes e amostras de agua "fluidificada"/energizada por passes..

Citação de: SandroF
Moizes.. você tinha sugerido tal ideia não?... os resultados estão acima... (outro post)

Citação de: SandroF
Se existe alguma evidencia de tal "energia" q sai das maos é de algo como o bio-fóton.

Fiquei contente que levou em conta minha sugestão, embora da principal ideia que lhe dei: de pôr espíritos sob verificação objetiva,  fuja como que amedrontado ante a probabilidade de resultado negativo. Sua alegação de que espírito não enxerga, mas “sente” as coisas, o que o impossibilitaria dar conta do desafio não encontra respaldo na literatura espírita. Mesmo porque, essa sensação não seria um limitador, ao contrário, significaria exacerbação da capacidade sensorial.

Espero que consiga elucidar a encrenca e trazer ou explicação satisfatória para essa admirável limitação dos espíritos comunicantes (seriam comunicantes e, ao mesmo tempo, incapazes de saber o que se passa na crosta), ou, finalmente, decidir levar adiante verificações concretas, que atestem presenças invisíveis no ambiente (mesmo que, depois, se verifique ser outra coisa).

Falemos da água energizada. Primeiramente, acredito que saiba que seu teste é preliminar das preliminares. Por enquanto nada pode ser concluído desse aparente sucesso, porém parece ser positivo no sentido de indicar novas pesquisas. O que me deixa confuso é que você ora fala de água energizada, ora de biofotonizada. Talvez considere que seja tudo a mesma coisa, os antigos e que não entenderam o que descobriram e teriam classificado como magnetismo o que seria biofotoenergia.

Se for assim que pensa, significa que toda literatura espírita, falando de magnetismo animal está equivocada e você, por um golpe de sorte, talvez, tenha descoberto que seja outra coisa.

Só que aqui temos a repetição do problema antigo sob nova roupagem. Eis que o magnetismo animal era caroneiro das aplicações incipientes da eletricidade, que muito empolgava os espíritas de antanho. Entretanto, nenhuma pesquisa posterior logrou confirmar a realidade dessa espécie de magnetismo, podendo hodiernamente ser considerado inexistente: só existe como dogma religioso.

Agora surgem os fótons como a esperança luminosa de que nem tudo estaria perdido.

Que as células emitem fótons, em patamares discretos, é realidade, inclusive há aplicações dessa descoberta em várias áreas, como as que utilizam a luminescência de bactérias para verificar níveis de poluição de águas.

Assim como a física quântica tem encantado místicos, que dela extraem “explicações” para seus devaneios, os biofótons estão sendo usados para misteres semelhantes. Há até quem postule a prova de que somos feitos de luz, visto que os biofótons estão por todo o organismo, inclusive no cérebro.

Então, na sua conjetura, a médium estaria enxergando os biofótons, em vez de captando emanações eletromagnéticas provindas da água batizada.

Neste ponto das experimentações, acho meio precipitado adiantar ilações sobre o que está ocorrendo, pois pode ser que topou com uma grande descoberta ou há falha na experiência que lhe passou despercebida. Desse modo, no intento de cooperar com a continuidade do estudo, até que possa extrair conclusão segura deixo-lhe uma proposta de procedimento:

- após obter as garrafas magnetizadas, ou biofotonizadas (digamos: em dez três), cubra-as com sacos pretos e as misture o suficiente para que não se possa saber qual é qual, em seguida submeta-as à verificação da médium. Depois repita a experiência variando o número das magnetizadas (desde nenhuma até todas). Se ela continuar acertando, aí vai ter algo interessante,  a recomendar continuidade na investigação. Se erros aparecerem mais e acertos ficarem dentro do esperado estatisticamente então já sabe que pode desbravar outras matas que  nessa não tem futuro...

Assim pois me parece, conquanto fico de prontidão para recepcionar seu ponto de vista.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.719
  • Love it or Hate it
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1333 Online: 24 de Abril de 2017, 22:47:10 »
Saiu no Psichology Today há uns anos atrás...interessante.

Citar
Study Finds the Unexpected in the Brains of Spirit Mediums

Not easily explained dynamics found in the brains of experienced spirit mediums.
Posted Dec 05, 2012

Are spirit mediums really communicating with the dead?

But a new brain study of Brazilian mediums shows that something decidedly strange is occurring during the famous "trance state," and no one has a ready answer to explain exactly what's going on.

Ten mediums—five less expert and five experienced—were injected with a radioactive tracer to capture their brain activity during normal writing and during the practice of psychography, which involves allegedly channeling written communication from the "other side" while in a trance-like state. The subjects were scanned using SPECT (single photon emission computed tomography) to highlight the areas of the brain that are active and inactive during the practice.

The mediums ranged from 15 to 47 years of automatic writing experience, performing up to 18 psychographies per month. All were right-handed, in good mental health, and not currently using any psychiatric drugs. All reported that during the study they were able to reach their usual trance-like state during the psychography task and were in their regular state of consciousness during the control task.

Here's what happened: The experienced psychographers showed lower levels of activity in the left hippocampus (limbic system), right superior temporal gyrus, and the frontal lobe regions of the brain during psychography compared to their normal (non-trance) writing. The frontal lobe areas are associated with reasoning, planning, generating language, movement, and problem solving, which means that the mediums were experiencing reduced focus, lessened self-awareness and fuzzy consciousness during psychography.

For the less experienced mediums, exactly the opposite was observed--increased levels of activity in the same frontal areas during psychography compared to normal writing, and the difference was significant compared to the experienced mediums. What this probably means is that the less experienced mediums were trying really hard. The force is not yet strong with them.

But here's the interesting part: the writing samples produced were analyzed and it was found that the complexity scores for the psychographed content were higher than those for the control writing across the board. In particular, the more experienced mediums showed higher complexity scores, which typically would require more activity in the frontal and temporal lobes--but that's precisely the opposite of what was observed.

To put this another way, the low level of activity in the experienced mediums' frontal lobes should have resulted in vague, unfocused, obtuse garble. Instead, it resulted in more complex writing samples than they were able to produce while not entranced.

Why? No one's sure.

The researchers speculate that maybe as frontal lobe activity decreases, "the areas of the brain that support mediumistic writing are further disinhibited (similar to alcohol or drug use) so that the overall complexity can increase." In a similar manner, they say, improvisational music performance is associated with lower levels of frontal lobe activity which allows for more creative activity.

The big problem with that explanation is that improvisational music performance and alcohol/drug consumption states are, in the researchers' words, "quite peculiar and distinct from psychography."

"While the exact reason is at this point elusive, our study suggests there are neurophysiological correlates of this state," says study co-author Andrew Newberg, MD, director of Research at the Jefferson-Myrna Brind Center of Integrative Medicine.

Neurophysiological correlates indeed, but to what?

Feel free to voice your opinion on the study (or this topic in general) in the comments section.

The study appears in the online journal PLOS ONE.

http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0049360

You can find me on Twitter @neuronarrative and at my website, The Daily Brain.

https://www.psychologytoday.com/blog/neuronarrative/201212/study-finds-the-unexpected-in-the-brains-spirit-mediums-0

Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1334 Online: 25 de Abril de 2017, 00:21:31 »
Tomou, distraído! :histeria: :histeria:

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.719
  • Love it or Hate it
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1335 Online: 25 de Abril de 2017, 08:22:47 »
Tomou, distraído! :histeria: :histeria:

Desenvolva, por favor.

Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1336 Online: 25 de Abril de 2017, 09:33:47 »
Pelo que me lembro e se é a pesquisa que eu penso que é foi feita lá na America por brasileiros com supostos "médiuns" brasileiros e só mostrou o óbvio: aqueles que tinham mais treino o cérebro trabalhou menos. I.e., foi feita mais automatizadamente a redação.
Importante ressaltar que os autores deixam claro que o objetivo não era comprovar mediunidade, i.e., que algum "espírito" estivesse ditando os conteúdos às pessoas partícipes do experimento.
Não foi divulgado o conteúdo dos textos produzidos.
Claro, não caberia no espaço disponível e contexto eles divulgarem os "cadernos de laboratório", so to say.
Mas pra uma melhor análise seria essencial ver as redações produzidas.
Note-se que em sendo num hospital os textos caso ditados por espíritos deverão ser bem variados e fora do jargão padronizado do xaverianismo, pois o contexto era laico num país estrangeiro e extra-templo espírita.
« Última modificação: 25 de Abril de 2017, 09:49:11 por Gorducho »

Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1337 Online: 25 de Abril de 2017, 12:00:01 »
Giga, vi apenas graça no fato de você ter trazido o texto, que, em tese, aponta para intensa correlação neurofisiológica, mais especificamente no lóbulo frontal dos sensitivos, quando sob influência do suposto transe mediúnico, sem o uso das drogas habitualmente empregadas em pesquisas nesta área.

Dois pontos importantes:
- tratava-se de médiuns brasileiros*, uns mais outros menos, experientes, com idades variando de 15 a 47 anos e a pesquisa se desenvolveu em meses.
- os pesquisadores eram americanos, David Disalvo e Andrew Newberg, MD, director of Research at the Jefferson-Myrna Brind Center of Integrative Medicine.

Realmente, como lembrou o Sr. Gorducho, seria interessante se houvesse um link para os textos da pesquisa.

Offline montalvão

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 360
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1338 Online: 25 de Abril de 2017, 12:10:50 »
Saiu no Psichology Today há uns anos atrás...interessante.

Citar
Study Finds the Unexpected in the Brains of Spirit Mediums
[...]

Esta pesquisa foi efetuada em 2008, publicada em 2012 e teve a participação de pesquisadores brasileiros, entre eles Alexander Moreira-Almeida,  juntamente com um norteamericano. Basicamente, o que a investigação produziu foi a constatação de que quem treina mais obtém melhores resultados.

Na seara espírita, embora a investigação não pareça ter tido grande repercussão, o resultado foi saldado como prova de que mortos comunicam (não poderia ser de outro modo).

Algum tempo após a publicação do artigo, escrevi ao Alexander Moreira indagando por que não encetava pesquisas visando detectar concretamente a presença de entes comunicantes nas sessões mediúnicas. A resposta que me deu foi parecida com as objeções que o Giga pontuou sobre o resultado de tais experimentos, ou seja, se houver retorno positivo, pode ser qualquer coisa, inclusive sacis comunicantes...

Bem, o Alexander não falou em sacis, mas ponderou que os resultados apontariam mais para clarividência que mediunidade.

=====================.
ALEXANDER: Este exemplo de pesquisa seria mais facilmente explicável como clarividência, pois não demonstra a atuação de inteligências externas ao médium. Sobre os tipos de evidência para sobrevivência da personalidade, indico dois artigos:

Book Review - Is there life after death? An examination of the empirical evidence - David Lester
Alexander Moreira de Almeida
Journal of Near-Death Studies, 24(4):245-54, 2006.

Pesquisa em mediunidade e relação mente-cérebro: revisão das evidências.
Moreira-Almeida, Alexander .
 Revista de Psiquiatria Clínica , v. 40, p. 233-240, 2013.
======================.

A consideração do Alexander gerou uma conversa relativamente produtiva entre nós. Um dos trechos do trechos do colóquio (isso após eu rebater as objeções que fez aos testes de presença):

====================.
MONTALVÃO: Acontece que não encontro quem sequer pense em realizar exames assim. Eu mesmo tentei com alguns médiuns que conheço e nem quiseram cogitar da ideia.
 
Diante do exposto, deixo-lhe a indagação: por que experimentos dessa modalidade não são implementados, inclusive por sua respeitável pessoa? E, aproveito, para lhe deixar a sugestão de que os realize e publique os resultados.

ALEXANDER: O campo da pesquisa em espiritualidade é muito vasto, infelizmente, não temos pessoal ou recursos para realizar a maior parte das pesquisa que gostaríamos. Além disso, é natural que pesquisadores diferentes de um mesmo campo tenha visões diferentes sobre os melhores caminhos de investigação, por isso deve sempre existir vários grupos de pesquisa com abordagens diferentes sobre um mesmo tema. Nosso grupo tem priorizado as linhas de investigação que nos parecem mais adequadas e promissoras. O ideal é que outros grupos façam abordagens adicionais com outros enfoques para que se possa ter um panorama mais completo de investigações.
=========================.


Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1339 Online: 25 de Abril de 2017, 12:15:45 »
os pesquisadores eram americanos, David Disalvo e Andrew Newberg, MD, director of Research at the Jefferson-Myrna Brind Center of Integrative Medicine.
David Disalvo  :?:
AN é americano. Os outros são brasileiros, certo  :?:
Não que seja relevante; é só pra ficar claro...

Offline montalvão

  • Nível 15
  • *
  • Mensagens: 360
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1340 Online: 25 de Abril de 2017, 12:18:19 »
(Trecho)
MEDIUNIDADE SOB INVESTIGAÇÃO

Estávamos no mês de julho de 2008. Na Rua 34 da cidade da Filadélfia, nos Estados Unidos, num quarto do Hotel Penn Tower, um grupo seleto de pesquisadores e médiuns preparava-se para algo inédito. Durante dez dias, dez médiuns brasileiros se colocariam à disposição de uma equipe de cientistas do Brasil e dos EUA, que usaria as mais modernas técnicas científicas para investigar a controversa experiência de comunicação com os mortos. Eram médiuns psicógrafos, pessoas que se identificavam como capazes de receber mensagens escritas ditadas por espíritos, seres situados além da palpável matéria que a ciência tão bem reconhece. O cérebro dos médiuns seria vasculhado por equipamentos de alta tecnologia durante o transe mediúnico e fora dele. Os resultados seriam comparados. Como jornalista, fui convidada a acompanhar o experimento. Estava ali, cercada de um grupo de pessoas que acreditam ser capazes de construir pontes com o mundo invisível. Seriam eles, de fato, capazes de tal engenharia?
.
A produção de exames de neuroimagem (conhecidos como tomografia por emissão de pósitrons) com médiuns psicógrafos em transe é uma experiência pioneira no mundo. Os cientistas Julio Peres, Alexander Moreira-Almeida, Leonardo Caixeta, Frederico Leão e Andrew Newberg, responsáveis pela pesquisa, garantiam o uso de critérios rigorosamente científicos. Punham em jogo o peso e o aval de suas instituições. Eles pertencem às faculdades de medicina da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal de Juiz de Fora, da Universidade Federal de Goiás e da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia. Principal autor do estudo, o psicólogo clínico e neurocientista Julio Peres, pesquisador do Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade (Proser), do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, acalentava a ideia de que a experiência espiritual pudesse ser estudada por meio da neuroimagem.
.
Pela primeira vez, o cérebro dos médiuns foi investigado com os recursos modernos da neurociência
.
Em frente ao Q.G. dos médiuns no Hotel Penn Tower, o laboratório de pesquisas do Hospital da Universidade da Pensilvânia estava pronto. Lá, o cientista Andrew Newberg e sua equipe aguardavam ansiosos. Médico, diretor de Pesquisa do Jefferson-Myrna Brind Centro de Medicina Integrativa e especialista em neuroimagem de experiências religiosas, Newberg é autor de vários livros, com títulos como Biologia da crença e Princípios de neuroteologia. Suas pesquisas são consideradas uma referência mundial na área. Ele acabou por se tornar figura recorrente nos documentários que tratam de ciência e religião. Meses antes, Newberg escrevera da Universidade da Pensilvânia ao consulado dos EUA, em São Paulo, pedindo que facilitasse a entrada dos médiuns em terras americanas. O consulado foi prestativo e organizou um arquivo especial com os nomes dos médiuns, classificando-o como “Protocolo Paranormal”.
.
>>Jacalyn Duffin: “Eu sou ateia, mas acredito em milagres”
>>Tom Holland: “A religião deve ser investigada”
.
“É conhecido o fato de experiências religiosas afetarem a atividade cerebral. Mas a resposta cerebral à mediunidade, a prática de supostamente estar em comunicação com ou sob o controle do espírito de uma pessoa morta, até então nunca tinha sido investigada”, diz Newberg. Os cientistas queriam investigar se havia alterações específicas na atividade cerebral durante a psicografia. Se houvesse, quais seriam? Os dez médiuns, quatro homens e seis mulheres, participavam do experimento voluntariamente. Foram selecionados no Brasil por meio de uma longa triagem. Entre os pré-requisitos, tinham de ser destros, saudáveis, não ter nenhum tipo de transtorno mental e não usar medicações psiquiátricas. Metade dos voluntários dizia carregar décadas de experiência no “intercâmbio espiritual”. Outros, menos experientes, apenas alguns anos.
.
Na Filadélfia, antes de a experiência começar, os médiuns passaram por uma fase de familiarização com os procedimentos e o ambiente do hospital onde seriam feitos os exames. O experimento só daria certo se os médiuns estivessem plenamente à vontade. Todos se perguntavam se o transe seria possível tão longe de casa, num hospital em que se podia perguntar se Dr. Gregory House, o personagem de ficção interpretado pelo ator inglês Hugh Laurie, não apareceria ali a qualquer momento.
.
>>Por que em um mês Nova York ganhou tantos santos quanto o Brasil em toda a sua história
.
Numa sala com aviso de perigo, alta radiação, começaram os exames. Por meio do método conhecido pela sigla Spect (Single Photon Emission Computed Tomography, ou Tomografia Computadorizada de Emissão de Fóton Único), mapeou-se a atividade do cérebro por meio do fluxo sanguíneo de cada um dos médiuns durante o transe da psicografia. Como tarefa de controle, o mesmo mapeamento foi realizado novamente, desta vez durante a escrita de um texto original de própria autoria do médium, uma redação sem transe e sem a “cola espiritual”. Os autores do estudo partiam da seguinte hipótese: uma vez que tanto a psicografia como as outras escritas dos médiuns são textos planejados e inteligíveis, as áreas do cérebro associadas à criatividade e ao planejamento seriam recrutadas igualmente nas duas condições. Mas não foi o que aconteceu. Quando o mapeamento cerebral das duas atividades foi comparado, os resultados causaram espanto.
.
Segundo a pesquisa, a mediunidade pode ser considerada uma manifestação saudável
.
Surpreendentemente, durante a psicografia os cérebros ativaram menos as áreas relacionadas ao planejamento e à criatividade, embora tenham sido produzidos textos mais complexos do que aqueles escritos sem “interferência espiritual”. Para os cientistas, isso seria compatível com a hipótese que os médiuns defendem: a autoria das psicografias não seria deles, mas dos espíritos comunicantes. Os médiuns mais experientes tiveram menor atividade cerebral durante a psicografia, quando comparada à escrita dos outros textos. Isso ocorreu apesar de a estrutura narrativa ser mais complexa nas psicografias que nos outros textos, no que diz respeito a questões gramaticais, como o uso de sujeito, verbo, predicado, capacidade de produzir texto legível, compreensível etc.
.
Apesar de haver várias semelhanças entre a ativação cerebral dos médiuns estudados e pacientes esquizofrênicos, os resultados deixaram claro também que aqueles voluntários não tinham esquizofrenia ou qualquer outra doença mental. Os cientistas afirmam que a descoberta de ativação da mesma área cerebral sublinha a importância de mais pesquisas para distinguir entre a dissociação (processo em que as ações e os comportamentos fogem da consciência) patológica e não patológica. Entre o que é e o que não é doença, quando alguém se diz tocado por outra entidade. Os médiuns estudados relataram ilusões aparentes, alucinações auditivas, alterações de personalidade e, ainda assim, foram capazes de usar suas experiências mediúnicas para tentar ajudar os outros. Pode haver, portanto, formas saudáveis de dissociação. Uma das conclusões a que os cientistas chegaram é que a mediunidade envolve um tipo de dissociação não patológica, ou não doentia. A mediunidade pode ser uma expressão comum à natureza humana. Essas conclusões, que ÉPOCA antecipa na edição que chegou às bancas na sexta-feira (16), foram divulgadas na revista científica americana Plos One. O estudo Neuroimagem durante o estado de transe: uma contribuição ao estudo da dissociação tem acesso gratuito desde sexta-feira, dia 16, no endereço eletrônico: dx.plos.org/10.1371/journal.pone.0049360.
.
EXPERIÊNCIA
1. Q.G. dos médiuns em quarto do Hotel Penn Tower, na Pensilvânia
2. Médium recebe marcador radioativo para captar a atividade cerebral durante o transe
3. Escaneamento cerebral por meio da técnica de tomografia computadorizada com emissão de de fóton único
4. Checagem final para garantir a qualidade do experimento, feita num pequeno laboratório 5. Análise das primeiras imagens cerebrais capturadas pelos cientistas Julio Peres e Andrew Newberg 
(Fotos: Denise Paraná/ÉPOCA)
.
http://revistaepoca.globo.com/vida/noticia/2012/11/os-avancos-da-ciencia-da-alma.html



Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1341 Online: 25 de Abril de 2017, 12:47:10 »
os pesquisadores eram americanos, David Disalvo e Andrew Newberg, MD, director of Research at the Jefferson-Myrna Brind Center of Integrative Medicine.
David Disalvo  :?:
AN é americano. Os outros são brasileiros, certo  :?:
Não que seja relevante; é só pra ficar claro...
Americano, também, veja:
You can find me on Twitter @neuronarrative and at my website, The Daily Brain.

Conclui-se que o David Disalvo faria parte da equipe do Dr. Andrew Newberg como sugere o texto do Montalvão.
Curiosamente tratava-se de uma equipe maior que aquela que o texto do Giga reportou.

Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1342 Online: 25 de Abril de 2017, 13:43:52 »
Onde é citado esse Dr. Disalvo  :?:
Eu não vi, é isso...

Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1343 Online: 25 de Abril de 2017, 14:58:01 »
Onde é citado esse Dr. Disalvo  :?:
Eu não vi, é isso...
Selecione aquele endereço; a pesquisa conduz ao site dele.

Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1344 Online: 25 de Abril de 2017, 15:33:48 »
Não, ele conduz ao Sítio da pesquisa. Ele conta que foi feito esse estudo, não diz que ele tenha sido um dos pesquisadores.
The researchers speculate that maybe [...]

By the way, gostei do cara...
Are spirit mediums really communicating with the dead? My Magic 8 Ball says "Outlook not so good."
 :ok:

Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1345 Online: 25 de Abril de 2017, 15:48:04 »
Mas por que aquele link estaria ao final do texto postado pelo Giga?
Também, lendo sobre ele, verá que já fez outros trabalhos com o Andrew Newberg.

Offline Gorducho

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 653
  • Sexo: Masculino
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1346 Online: 25 de Abril de 2017, 16:02:52 »
Porque ele relata a consecução do experimento lá no Sítio dele e conclui-se que foi lá que Sr. Gigaview o viu...
Pra nós estudiosos do tema é assunto velho...

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.719
  • Love it or Hate it
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1347 Online: 25 de Abril de 2017, 20:04:01 »
 
Giga, vi apenas graça no fato de você ter trazido o texto, que, em tese, aponta para intensa correlação neurofisiológica, mais especificamente no lóbulo frontal dos sensitivos, quando sob influência do suposto transe mediúnico, sem o uso das drogas habitualmente empregadas em pesquisas nesta área.

Dois pontos importantes:
- tratava-se de médiuns brasileiros*, uns mais outros menos, experientes, com idades variando de 15 a 47 anos e a pesquisa se desenvolveu em meses.
- os pesquisadores eram americanos, David Disalvo e Andrew Newberg, MD, director of Research at the Jefferson-Myrna Brind Center of Integrative Medicine.

Realmente, como lembrou o Sr. Gorducho, seria interessante se houvesse um link para os textos da pesquisa.

 :histeria:

A minha opinião é muito parecida com a do Gorducho. Comentei essa pesquisa na época, mas como cruzei com o link ontem no Psychology Today achei interessante postar aqui porque tem relação com o tema do tópico.

Talvez a graça que você encontrou tenha relação com o fato de ter publicado algo que na sua opinião parece contradizer o meu pensamento sobre o assunto, principalmente porque usa o mesmo tipo de argumentação científica que os céticos usam para "atacar" o espiritismo. Se foi essa a graça, você vai morrer de rir com dezenas de tópicos e textos que já lancei aqui. Divirta-se com alguns deles.

http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=24426.0
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=28764.0
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=28394.0
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=26763.0

Offline Spencer

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.211
Re:Pesquisa com médium
« Resposta #1348 Online: 25 de Abril de 2017, 21:32:41 »
Citar
  Se foi essa a graça, você vai morrer de rir com dezenas de tópicos e textos que já lancei aqui. Divirta-se com alguns deles. 
:ok:

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!