Autor Tópico: A superpopulação humana é um mito?  (Lida 1884 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Rhyan

  • Visitante
A superpopulação humana é um mito?
« Online: 19 de Novembro de 2016, 23:08:20 »
É um mito acreditar que há humanos demais no planeta, certo? Ainda existe cientista [sério] que acredita nisso?

Citar
Myth 5: The human population is growing exponentially (and we're doomed)

Fears about overpopulation began with Reverend Thomas Malthus in 1798, who predicted that unchecked exponential population growth would lead to famine and poverty.

But the human population has not and is not growing exponentially and is unlikely to do so, says Joel Cohen, a populations researcher at the Rockefeller University in New York City. The world’s population is now growing at just half the rate it was before 1965. Today there are an estimated 7.3 billion people, and that is projected to reach 9.7 billion by 2050. Yet beliefs that the rate of population growth will lead to some doomsday scenario have been continually perpetuated. Celebrated physicist Albert Bartlett, for example, gave more than 1,742 lectures on exponential human population growth and the dire consequences starting in 1969.

The world's population also has enough to eat. According to the Food and Agriculture Organization of the United Nations, the rate of global food production outstrips the growth of the population. People grow enough calories in cereals alone to feed between 10 billion and 12 billion people. Yet hunger and malnutrition persist worldwide. This is because about 55% of the food grown is divided between feeding cattle, making fuel and other materials or going to waste, says Cohen. And what remains is not evenly distributed — the rich have plenty, the poor have little. Likewise, water is not scarce on a global scale, even though 1.2 billion people live in areas where it is.

“Overpopulation is really not overpopulation. It's a question about poverty,” says Nicholas Eberstadt, a demographer at the American Enterprise Institute, a conservative think tank based in Washington DC. Yet instead of examining why poverty exists and how to sustainably support a growing population, he says, social scientists and biologists talk past each other, debating definitions and causes of overpopulation.

Cohen adds that “even people who know the facts use it as an excuse not to pay attention to the problems we have right now”, pointing to the example of economic systems that favour the wealthy.

Like others interviewed for this article, Cohen is less than optimistic about the chances of dispelling the idea of overpopulation and other ubiquitous myths (see ‘Myths that persist’), but he agrees that it is worthwhile to try to prevent future misconceptions. Many myths have emerged after one researcher extrapolated beyond the narrow conclusions of another's work, as was the case for free radicals. That “interpretation creep”, as Spitzer calls it, can lead to misconceptions that are hard to excise. To prevent that, “we can make sure an extrapolation is justified, that we're not going beyond the data”, suggests Spitzer. Beyond that, it comes down to communication, says Howard-Jones. Scientists need to be effective at communicating ideas and get away from simple, boiled-down messages.

Fonte:

The science myths that will not die
False beliefs and wishful thinking about the human experience are common. They are hurting people — and holding back science.
Megan Scudellari
16 December 2015


http://www.nature.com/news/the-science-myths-that-will-not-die-1.19022

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 32.425
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #1 Online: 20 de Novembro de 2016, 09:55:20 »
Acho que os extremos são negação de um lado, e histeria do outro.

A realidade deve ser mais complexa do que imagem mental de "superpopulação" pode sugerir, embora o aumento populacional, e a correspondente escassez de recursos, seja catalizador de conflitos e problemas menores.

O problema não está apenas em crescimento especificamente exponencial, que parece que é um elemento pego como "semi-espantalho", mas qualquer crescimento indefinido, que apenas desacelera, em comparação com crescimento exponencial, as conseqüências que se pode prever com o crescimento indefinido em qualquer ritmo. Porque é insustentável, se não estamos considerando mudança para outros planetas e etc. A "exponencialidade" até representa problemas adicionais, mas não é só daí que vem os problemas.

Os problemas podem estar muito distantes em escala global/universal (porque localmente já ocorrem), devido a taxa de crescimento tender a se desacelerar com o enriquecimento das populações. Podem até mesmo vir a ser "evitados" nessa escala global se a popualação estabiliza em algum momento onde ainda há recursos "para todos". Essas são as únicas possíveis "refutações" do "mito" de superpopulação, e não que a superpopulação seja uma impossibildade ou algo inócuo.

De certa forma é meio como uma "refutação" do "mito" das pandemias. "Alguns cientistas falam do risco das pandemias desde mil novecentos e bolinha, mas até hoje a maior 'pandemia' matou apenas a mísera fração de N% da população mundial, com cada vez menos mortes desde então."


Citar
http://www.homerdixon.com/2002/03/06/why-population-growth-still-matters/

[...]

The 2001 United Nations’ “medium” projection says that world population will still grow by more than 50 percent — from the current 6.1 billion to 9.3 billion by 2050. This figure is nearly half of billion more than the organization suggested in its 1998 medium projection. The U.N.’s demographers made this upward revision because, it turns out, fertility rates in some of the world’s most populous countries — including India, Nigeria, and Bangladesh – aren’t falling as quickly as thought.

[...]

But does this really matter? Don’t larger populations provide more labor to produce goods and services, bigger markets to buy those goods and services, and more heads to generate useful ingenuity?

Sometimes large populations can be a boon. But too often, in combination with inefficient, incompetent, or corrupt markets and governments, population growth means less investment per child in nutrition, medicine, and education; a diversion of a society’s wealth from saving and investment to consumption; and the division of vital family resources – such as a family’s plot of cropland — into smaller and smaller parcels as it is passed to each successive generation of children.

When European populations grew rapidly in the nineteenth and early twentieth centuries, many people who didn’t have enough land or who couldn’t find good jobs emigrated to the Americas and to colonies in Africa and Asia. But a similar escape valve is, for the most part, no longer available to today’s poor countries, and their extra population must be largely absorbed and employed at home.

Many of these people move into megacities such as Karachi in Pakistan. Water systems, roads, electrical grids, sewers, and other essential infrastructures of daily life are severely overtaxed. The political instability of these cities is magnified by their populations’ “youth bulge.” In Africa, for example, over 40 percent of the population is under fifteen years old. Underemployed, urbanized young men are an especially volatile group that can be easily entrapped in organized crime or mobilized for violent political action, like terrorism.

Perhaps most importantly, larger human populations usually place a greater burden on the natural environment that surrounds them — including the planet’s climate, its fisheries, and its supplies of fresh water, cropland, and forests. In places like China, India, Pakistan, and Egypt, these resources are already extraordinarily stressed and can’t possibly sustain their countries’ enormous populations indefinitely.

The human population explosion is far from over, and its dire effects will be with us for many decades yet. “As many people will be added in the next 50 years as were added in the past 40 years,” the U.N. writes, “and the increase will be concentrated in the world’s poorest countries, which are already straining to provide basic social services to their people.”


(A projeção da ONU de 2015 aumentou para 9,7 bilhões em 2050.)



O autor tem mais artigos relacioanados a relação causal, indireta, entre esscassez de recursos e conflito violento.


Ainda tem a questão da energia:



Não parece haver sinal de que energias renováveis vão substituir "suavemente" a escassez acelerada de outras fontes, ao ritmo presente de aumento de consumo.



Outras fontes não-renováveis podem ajudar a dar conta, mas não é exatamente algo trivial, sem chance de problemas.




Apenas a mente de um keynesianista pode achar que crescimento populacional indefinido é algo inofensivo ou desejável.

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #2 Online: 20 de Novembro de 2016, 16:23:29 »
Na verdade a preocupação deveria ter outro nome, porque tem outras causas. Como o excesso do uso de combustíveis fósseis, problemas regionais de falta de água potável e saneamento e outras.
Grande parte são serviços estatais ou monopolísticos que operam por preços controlados, não é de espantar que se tornam regionalmente escassos.
Não há excesso de pessoas no mundo, há falta de tecnologia verde e livre mercado nesses setores.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 32.425
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #3 Online: 20 de Novembro de 2016, 16:44:07 »
Você poderia chamar de falta de austeridade, mas então os keynesianistas diriam ser isso o problema. Então a solução seria estímulo a natalidade, a fim de  poder continuar tocando o esquema de pirâmide previdenciário.

E com o empobrecimento decorrente, toca mais keynesianismo para resolver, sempre afundando cada vez mais na areia movediça. "Mas vai gerar conflitos", "tudo bem, guerras estimulam a economia mais do que qualquer outra coisa".

"Essa coisa toda de que o problema da pobreza é decorrente das pessoas terem filhos dos quais não tem condições para cuidar, não serem 'austeras', é apenas a visão elitista da coisa; há riqueza mais do que o suficiente para alimentar a toda população, o problema é a sua concentração extremamente desigual".

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #4 Online: 20 de Novembro de 2016, 16:57:36 »
A previdência só é um problema por ser pública, não vejo como seria uma bomba relógio se a previdência fosse 100% privada e não-obrigatória.

Offline Brienne of Tarth

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 2.010
  • Sexo: Feminino
  • Ave, Entropia, morituri te salutant
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #5 Online: 20 de Novembro de 2016, 20:28:01 »
"Vamos por partes", como diria o velho Jack...









Isto posto, não seria acertado julgar que as necessidades humanas não só estão mal distribuídas mas também mal aproveitadas?

Sempre comento com meu esposo que se alienígenas nos abordassem em plena órbita, ou passaríamos vergonha ou sumiríamos do mapa...nossa capacidade para organização é ridícula, nossos recursos padecem de monopólio pelos detentores, menosprezamos nossa vulnerabilidade enquanto espécie e já beiramos a completa extinção uma vez, pelo menos.

Minha utopia? "Eu, Robô", do brilhante Asimov; o último conto, a condução da vida na Terra pelas máquinas, um controle e manipulação tão acertadamente adequados quanto imperceptíveis...

Alguém contra as "3 Leis"?  :twisted:
GNOSE

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.217
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #6 Online: 20 de Novembro de 2016, 21:56:21 »
Na verdade a preocupação deveria ter outro nome, porque tem outras causas. Como o excesso do uso de combustíveis fósseis, problemas regionais de falta de água potável e saneamento e outras.
Grande parte são serviços estatais ou monopolísticos que operam por preços controlados, não é de espantar que se tornam regionalmente escassos.
Não há excesso de pessoas no mundo, há falta de tecnologia verde e livre mercado nesses setores.

É mesmo?

Vamos "explicar" isto aos elementos da flora e da fauna que foram extintos nos últimos 200 anos, por causa da redução drástica ou eliminação dos seus biomas por causa da expansão das cidades, da agricultura e da mineração.
Foto USGS

Offline DDV

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.724
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #7 Online: 20 de Novembro de 2016, 22:30:35 »
Libertário, se não existisse o Estado, a Amazônia já teria se transformado inteiramente em pasto há muito tempo.

Estou errado?

Não acredite em quem lhe disser que a verdade não existe.

"O maior vício do capitalismo é a distribuição desigual das benesses. A maior virtude do socialismo é a distribuição igual da miséria." (W. Churchill)

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #8 Online: 21 de Novembro de 2016, 23:07:38 »
Libertário, se não existisse o Estado, a Amazônia já teria se transformado inteiramente em pasto há muito tempo.

Estou errado?



Isso me lembra perguntas bizarras como "Quem vai o dono do mar?", "quem vai ser o dono da polícia".

Sei lá como seria, não tenho bola de cristal. Sei que países mais liberais tendem a respeitar melhor o meio ambiente assim como há relação positiva entre ILE e qualidade de ar. E também que o dono de um propriedade é livre para fazer o que quiser com ela desde que não prejudique outras propriedades, o que seria bem complicado de colocar em termos jurídicos/econômicos, mas há algumas soluções na literatura econômica. E o mais importante, a viabilidade de lucro no longo prazo é tendência para donos de grandes propriedades em relação ao lucro maior no curto prazo. Deixar nessa suposta proteção do estado que é de fato uma tragédia dos comuns é a opção mais estúpida possível.

É mesmo?

Vamos "explicar" isto aos elementos da flora e da fauna que foram extintos nos últimos 200 anos, por causa da redução drástica ou eliminação dos seus biomas por causa da expansão das cidades, da agricultura e da mineração.

A estimativa é de que 99% das espécies já foram extintas.
O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)
Se a humanidade está bem na sua tecnologia altamente produtiva e sustentável, dane-se o resto.
Ou deveríamos abolir a humanidade? Ou criar uma máquina do tempo e impedir a revolução industrial e manter aquele miserável padrão de vida até a extinção da humanidade?

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.217
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #9 Online: 21 de Novembro de 2016, 23:43:07 »
É mesmo?

Vamos "explicar" isto aos elementos da flora e da fauna que foram extintos nos últimos 200 anos, por causa da redução drástica ou eliminação dos seus biomas por causa da expansão das cidades, da agricultura e da mineração.
A estimativa é de que 99% das espécies já foram extintas.

E?

 
O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)

Resposta padrão de um desinformado em Ciência.

O bem estar da população é uma função direta da preservação da Natureza.


Se a humanidade está bem na sua tecnologia altamente produtiva e sustentável, dane-se o resto.

Claro, porque o que importa é um bando de idiotas ganhando dinheiro as expensas do meio ambiente.


Ou deveríamos abolir a humanidade?

Não precisamos faze-lo.

A Natureza e o tempo farão isto.


Ou criar uma máquina do tempo e impedir a revolução industrial e manter aquele miserável padrão de vida até a extinção da humanidade?

A revolução industrial não aconteceu para trazer benefícios para a população e sim para que um grupo amealhasse mais e mais dinheiro. Os benefícios aconteceram como um subproduto e não como meta.
Foto USGS

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #10 Online: 22 de Novembro de 2016, 00:12:29 »
E?

E isso está muito além do controle da humanidade e nem deveria ser motivo para reduzir o padrão de vida.

 
Citar
Resposta padrão de um desinformado em Ciência.

O bem estar da população é uma função direta da preservação da Natureza.

Não disse que não está. Disse que sua sanha ambientalista vai muito além disso, quando só isso importa.

Citar
Claro, porque o que importa é um bando de idiotas ganhando dinheiro as expensas do meio ambiente.

Digo, num possível futuro tecnológico e sustentável, porque obviamente o presente não é assim. Eu esqueço que tenho que desenhar tudo nas respostas. O meio ambiente serve para servir a humanidade, fora isso, não serve para nada.

Citar
A revolução industrial não aconteceu para trazer benefícios para a população e sim para que um grupo amealhasse mais e mais dinheiro. Os benefícios aconteceram como um subproduto e não como meta.

O que sempre foi uma ótima lição econômica, intenções não valem nada, resultados é o que importam.
Mas você não respondeu a pegunta.

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #11 Online: 22 de Novembro de 2016, 00:19:56 »
Ganhar dinheiro deve ser uma coisa muito feia da forma com que o Geotecton fala.

Mas baixar a qualidade de vida da humanidade para ter algum pequeno ganho ambiental é lindo.

Já ia me esquecendo, vou desenhar então: dá pra ganhar dinheiro e evitar poluições ao mesmo tempo. Uma coisa não anula a outra.

Rhyan

  • Visitante
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #12 Online: 22 de Novembro de 2016, 02:39:02 »
Coincidência, vídeo de ontem:


Um estudo do Fraser Institute:
Economic Freedom and Air Quality
https://www.fraserinstitute.org/studies/economic-freedom-and-air-quality

Introdução de uma serie de vídeos:

É possível haver crescimento econômico infinito num mundo finito?
Por Carlos Góes @goescarlos · Em 14/11/2015
http://mercadopopular.org/2015/11/e-possivel-haver-crescimento-economico-infinito-num-mundo-finito/

Gráficos do artigo:











Pronto, agora é a vez de vocês provarem que o socialismo ambiental funciona ou é melhor!

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.165
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #13 Online: 22 de Novembro de 2016, 07:36:00 »
Libertário, se não existisse o Estado, a Amazônia já teria se transformado inteiramente em pasto há muito tempo.

Estou errado?





A maioria dos proprietários rurais derrubariam tudo.  A maioria não está nem aí para preservação ambiental. A ordem seria derrubar tudo e destruir toda a floresta.







« Última modificação: 22 de Novembro de 2016, 07:49:50 por JJ »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.217
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #14 Online: 22 de Novembro de 2016, 09:24:36 »
E?
E isso está muito além do controle da humanidade e nem deveria ser motivo para reduzir o padrão de vida.

Falso.

Uma parte está sob o controle da humanidade, na medida que estamos eliminando biomas para acomodar mais pessoas em cidades e para produzir alimentos, bens e serviços.

E sim, deveria ser motivo de reavaliação do nosso padrão de civilização.


Resposta padrão de um desinformado em Ciência.

O bem estar da população é uma função direta da preservação da Natureza.
Não disse que não está. Disse que sua sanha ambientalista vai muito além disso, quando só isso importa.

Não disse mas deixa implícito.

E não!, a minha 'sanha ambientalista' provem de conhecimento e não de ideologização.


Claro, porque o que importa é um bando de idiotas ganhando dinheiro as expensas do meio ambiente.
Digo, num possível futuro tecnológico e sustentável, porque obviamente o presente não é assim.

Falácia da tecnologia. Não há nenhuma certeza de que a tecnologia possa resolver todos os problemas advindos da questão ambiental.


Eu esqueço que tenho que desenhar tudo nas respostas.

É melhor assim, visto que conhecimento técnico sobre o meio-ambiente não é o seu ponto forte.


O meio ambiente serve para servir a humanidade, fora isso, não serve para nada.

A humanidade faz parte da Natureza, por mais que alguns neguem.

Porém fico contente em ler o que você escreveu porque confirma o seu viés 'religioso' de duas maneiras: a) Que a humanidade é "superior" ao meio-ambiente e b) Que a Natureza existe para nos servir.

C.Q.D.


A revolução industrial não aconteceu para trazer benefícios para a população e sim para que um grupo amealhasse mais e mais dinheiro. Os benefícios aconteceram como um subproduto e não como meta.
O que sempre foi uma ótima lição econômica, intenções não valem nada, resultados é o que importam.

Nem sempre é uma "ótima lição econômica". Há inúmeros casos em que os males superaram as vantagens.


Mas você não respondeu a pegunta.

Se foram estas as suas perguntas

Ou deveríamos abolir a humanidade? Ou criar uma máquina do tempo e impedir a revolução industrial e manter aquele miserável padrão de vida até a extinção da humanidade?

não as respondi porque são falaciosas, do tipo 'falsa dicotomia'.

É possível, sim, manter a humanidade em bom padrão de vida e ao mesmo tempo preservar uma quantidade expressiva de biomas e espécies. Para isto deve ser feito: um controle no tamanho da população humana, um planejamento no uso e ocupação dos espaços e deve haver uma reavaliação de alguns aspectos de nossa civilização.

E, sim!, alguns dos processos acima implicam em uma negação de algumas das suas "crenças religiosas" libertárias.
« Última modificação: 22 de Novembro de 2016, 10:24:29 por Geotecton »
Foto USGS

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.165
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #15 Online: 22 de Novembro de 2016, 10:39:16 »

O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)
Se a humanidade está bem na sua tecnologia altamente produtiva e sustentável, dane-se o resto.




Aqui  fica bem explicito  o desprezo libertário pela natureza incluindo todas as outras espécies de vida no planeta:

                                  "Dane-se o resto" 

   Dane-se a natureza

   Danem-se todas as outras espécies da Terra.

         
Ótimo,  perfeito,  aqui a máscara dessa ideologia  caiu  definitivamente.



 :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok:





« Última modificação: 23 de Novembro de 2016, 08:02:23 por JJ »

Offline João da Ega

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 686
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #16 Online: 22 de Novembro de 2016, 10:45:48 »
Ganhar dinheiro deve ser uma coisa muito feia da forma com que o Geotecton fala.

Mas baixar a qualidade de vida da humanidade para ter algum pequeno ganho ambiental é lindo.

Já ia me esquecendo, vou desenhar então: dá pra ganhar dinheiro e evitar poluições ao mesmo tempo. Uma coisa não anula a outra.

Ganhar dinheiro não é feio, e nós sabemos que o Geotecton também não acha isso.
Mas ganhar dinheiro da forma como os empresários da época do início da Revolução Industrial na minha opinião é:
Citar
As fábricas não eram ambientes adequados de trabalho, tinham péssimas condições de iluminação e ventilação. Não haviam medidas nem equipamentos de segurança para os operários, muitos se acidentavam e contraíam graves doenças. A média de vida dos trabalhadores era muito baixa comparada à de hoje. A jornada de trabalho chegava até 16 horas por dia, sem direito a descansos e férias. Os salários eram baixíssimos, garantindo ainda mais lucros aos proprietários, e a disciplina era rigorosa para manter o aumento da produção. Os trabalhadores não tinham direitos e nem o amparo social. Mulheres e crianças trabalhavam da mesma maneira que os homens, nas mesmas condições, mas o salário pago a eles era bem mais baixo. Portanto, era muito mais lucrativo contratá-los. E pelos baixos valores oferecidos, era fundamental que todos da família trabalhassem.

Citar
Nos tempos da Revolução Industrial, a jornada de trabalho era abusiva e desumana, já que ela variava de 10, 12 ou até mesmo 18 horas de trabalho! O que fazia com que os empregados simplesmente não tivessem uma vida fora do ambiente fabril.


Sei lá como seria, não tenho bola de cristal. (...) E o mais importante, a viabilidade de lucro no longo prazo é tendência para donos de grandes propriedades em relação ao lucro maior no curto prazo. Deixar nessa suposta proteção do estado que é de fato uma tragédia dos comuns é a opção mais estúpida possível.

Engraçado que dá pra prever o paraíso libertário na terra, mas não dá pra prever que os que estão hoje derrubando floresta pra fazer pasto ilegalmente não iriam expandir seus empreendimentos até onde fosse possível.
E achar que esses que estão fazendo isso hoje iram por na balança  a viabilidade de lucro no longo prazo é muita ingenuidade.

Edit: nunca na história desse forum concordei tanto com as posições do Geotecton como agora.
"Nunca devemos admitir como causa daquilo que não compreendemos algo que entendemos menos ainda." Marquês de Sade

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.448
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #17 Online: 22 de Novembro de 2016, 10:50:43 »

O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)
Se a humanidade está bem na sua tecnologia altamente produtiva e sustentável, dane-se o resto.




Aqui  fica bem explicito  o desprezo libertário pela natureza incluindo todas as outras espécies de vida no planeta:

                                  "Dane-se o resto" 

   Dane-se a natureza

   Danem-se todas as outras espécies da Terra.

         
Ótimo,  perfeito,  aqui a máscara dessa ideologia nefasta caiu  definitivamente.



 :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok:

JJ, lembre-se que a "natureza" não é nada parecido com o que tínhamos há uns 4000 anos. Já transformamos quase todos os ambientes. Esse conceito de "natureza" é falso e não significa apenas florestas verdes, mas também um deserto, uma tundra, etc.

Irrigar um deserto e plantar vegetais para sustentar um povo por exemplo é ir contra a preservação da natureza.

Trocar o mato do cerrado por plantação de soja também. E isso você parece não se incomodar.

Então não adianta, onde estiver o homem, não terá natureza preservada em algum grau.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.217
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #18 Online: 22 de Novembro de 2016, 11:20:58 »
[...]
Edit: nunca na história desse forum concordei tanto com as posições do Geotecton como agora.

E para que fique claro para o Libertário, sobre a possibilidade de convivência entre propriedade privada, lucro, humanidade e preservação do atual meio ambiente.

Meus pais tem uma pequena propriedade rural, com cerca de 5,5 alqueires, em um município vizinho ao que moramos. Desta área, 2 alqueires são de mata nativa, incluindo pinheiros, ipês e aroeiras; 1,5 alqueire é de mata replantada (especialmente pinheiros); 1,5 alqueire é ocupada com plantação e avicultura e 0,5 alqueire é ocupado por construções, estradas e um lago. Ela é financeiramente auto-sustentável, ainda que tenha sido adquirida com a finalidade de lazer.
Foto USGS

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 23.770
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #19 Online: 22 de Novembro de 2016, 11:28:52 »
Tá dando um feeling de retrospectiva aqui...

http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=23357.msg607690#msg607690

:lol:

Lembrando que o Libertário é o cara que disse que proibir uma pessoa de poluir o rio dos vizinhos de baixo era "limitação do direito de propriedade".
"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.448
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #20 Online: 22 de Novembro de 2016, 11:32:44 »
O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)

Resposta padrão de um desinformado em Ciência.

O bem estar da população é uma função direta da preservação da Natureza.

Se para atingir o bem estar de uma população é preciso preservar a natureza, então a primeira é mais importante que a segunda. Geralmente quando se preserva a natureza e isso só vai piorar a qualidade de vida de uma população a curto e longo prazo, essa preservação não é levada adiante.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 23.770
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #21 Online: 22 de Novembro de 2016, 11:49:14 »
O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)

Resposta padrão de um desinformado em Ciência.

O bem estar da população é uma função direta da preservação da Natureza.

Se para atingir o bem estar de uma população é preciso preservar a natureza, então a primeira é mais importante que a segunda. Geralmente quando se preserva a natureza e isso só vai piorar a qualidade de vida de uma população a curto e longo prazo, essa preservação não é levada adiante.

Discordo. Se vai piorar a curto prazo, vai melhorar a longo prazo, visto que vai permitir uma maior longevidade da existência. Os moradores da Ilha de Páscoa melhoraram no curto prazo a existência ao não observar que eram parte do ambiente em que viviam. No longo prazo, tiveram sua população reduzida e tiveram que abandonar a ilha.
"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.165
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #22 Online: 22 de Novembro de 2016, 12:19:06 »

JJ, lembre-se que a "natureza" não é nada parecido com o que tínhamos há uns 4000 anos. Já transformamos quase todos os ambientes. Esse conceito de "natureza" é falso e não significa apenas florestas verdes, mas também um deserto, uma tundra, etc.

Irrigar um deserto e plantar vegetais para sustentar um povo por exemplo é ir contra a preservação da natureza.

Trocar o mato do cerrado por plantação de soja também. E isso você parece não se incomodar.

Então não adianta, onde estiver o homem, não terá natureza preservada em algum grau.



Concordo que  onde estiver o homem, não terá natureza preservada em algum grau.  Entretanto isto não significa  que devamos concordar  com liberar geral  para poder destruir tudo que  der na "telha"  dos  proprietários.


Pode-se perfeitamente ter desenvolvimento econômico  com preservação ambiental num grau adequado. Não tem essa de liberar geral para fazer tudo o que quiser  (e que consiga), incluindo destruir tudo que quiser.

« Última modificação: 23 de Novembro de 2016, 08:03:31 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.165
  • Sexo: Masculino
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #23 Online: 22 de Novembro de 2016, 12:34:42 »
Tá dando um feeling de retrospectiva aqui...

http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=23357.msg607690#msg607690

:lol:

Lembrando que o Libertário é o cara que disse que proibir uma pessoa de poluir o rio dos vizinhos de baixo era "limitação do direito de propriedade".



Seria bem interessante se o bairro  onde mora um libertário  ficasse independente e  proclamasse  um território libertário, e logo após uma industria poluente bem barra pesada  fosse ser vizinha do libertário e inundasse  o ar com fumaça tóxica pesada.   :hehe:

E se um libertário fosse reclamar para o PROPRIETÁRIO da fábrica ,  o dono mostraria

o título de propriedade   :contrato:

e diria:

A propriedade é minha e eu faço o que eu bem entender nela.  O meio ambiente que se dane.   :bravo:

E se alguém achar ruim, eu tenho minha segurança privada que dará um jeito:


 :bandido: :bandido: :bandido: :bandido: :bandido: :bandido: :bandido:



« Última modificação: 23 de Novembro de 2016, 08:03:58 por JJ »

Offline Wowbagger, o Infinitamente Prolongado

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.665
Re:A superpopulação humana é um mito?
« Resposta #24 Online: 22 de Novembro de 2016, 12:37:32 »

O bem estar da população mundial é infinitamente mais importante que a preservação da natureza. (Eu sei, não é uma rivalidade necessariamente)
Se a humanidade está bem na sua tecnologia altamente produtiva e sustentável, dane-se o resto.




Aqui  fica bem explicito  o desprezo libertário pela natureza incluindo todas as outras espécies de vida no planeta:

                                  "Dane-se o resto" 

   Dane-se a natureza

   Danem-se todas as outras espécies da Terra.

         
Ótimo,  perfeito,  aqui a máscara dessa ideologia nefasta caiu  definitivamente.



 :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok:

JJ, lembre-se que a "natureza" não é nada parecido com o que tínhamos há uns 4000 anos. Já transformamos quase todos os ambientes. Esse conceito de "natureza" é falso e não significa apenas florestas verdes, mas também um deserto, uma tundra, etc.

Irrigar um deserto e plantar vegetais para sustentar um povo por exemplo é ir contra a preservação da natureza.

Trocar o mato do cerrado por plantação de soja também. E isso você parece não se incomodar.

Então não adianta, onde estiver o homem, não terá natureza preservada em algum grau.



Concordo que  onde estiver o homem, não terá natureza preservada em algum grau.  Entretanto isto não significa  que devamos concordar  com liberar geral  para poder destruir tudo que  der na "telha"  dos  proprietários.


Pode-se perfeitamente ter desenvolvimento econômico  com preservação ambiental num grau adequado. Não tem essa de liberar geral para fazer tudo o que quiser  (e que consiga), incluindo destruir tudo que quiser.

A discussão está se desenvolvendo como se o homem não fosse um subconjunto da natureza.

Tudo o que o homem faz é algo natural. Foi a natureza que evoluiu de uma forma que agora uma parte dela agora tem capacidade de influir de forma extremamente forte no resto do conjunto. Se o homem queimar tudo, ainda assim seria um fenômeno natural.

O que nós temos é uma capacidade limitada de compreensão do quanto nós influímos no meio e um poder de decisão sobre se nós queremos entrar em equilíbrio com a natureza e ficar com ela o máximo possível ou usá-la indiscriminadamente de forma abusiva tirando o máximo proveito a curto prazo até esgotá-la.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!