Autor Tópico: Homossexual vs. Gayzista  (Lida 1937 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #25 Online: 24 de Novembro de 2017, 11:18:49 »
Essa conversa de anos atrás deu origem a um recente projeto (uma página no Facebook) que quem sabe eu mantenha com atualizações diárias.

Por enquanto só tem 3 curtidas, mas foi criada ontem e acabei de tentar meu primeiro impulsionamento (se é que o Faceburka vai aprovar o conteúdo "homofóbico"... ainda está em análise).

Se quiserem dar uma olhada, antes que a página caia:

https://www.facebook.com/Quem-a-homotransfobia-não-matou-hoje-1845867729037533/?ref=br_rs

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #26 Online: 10 de Dezembro de 2017, 11:03:32 »
Só finalizando pra ir mimi, que tá tarde:

Resolvi seguir o seu conselho e pesquisar sobre a metodologia destes estudos sobre os índices de violência contra homossexual mas achei algo melhor, uma entrevista com o autor da mais relevante destas pesquisas onde se questiona exatamente o que eu perguntei, se a pesquisa só inclui os crimes de fato de ódio ou qualquer crime genérico em que a vítima seja homossexual. Olha só que belezura de resposta que ele dá.
Citar
Seriam todos esses 338 assassinatos crimes homofóbicos?

O Prof.Luiz Mott é categórico: “99%* destes homocídios contra LGBT têm como agravante seja a homofobia individual, quando o assassino tem mal resolvida sua própria sexualidade e quer lavar com o sangue seu desejo reprimido; seja a homofobia cultural, que pratica bullying  e expulsa as travestis para as margens da sociedade onde a violência é endêmica; seja a homofobia institucional, quando o Governo não garante a segurança dos espaços freqüentados pela comunidade lgbt ou como fez a Presidente Dilma, vetou  o kit anti-homofobia, que deveria ter capacitado mais de 6milhões de jovens  no respeito aos direitos humanos dos homossexuais.”

Para o analista de sistemas Dudu Michels,  “quando o Movimento Negro, os Índios ou as Feministas divulgam suas estatísticas, não se questiona se o motivo de todas as mortes foi racismo ou machismo, porque exigir só do movimento LGBT atestado de homofobia nestes crimes hediondos? Ser travesti já é um agravante de periculosidade dentro da intolerância  machista dominante em nossa sociedade, e mesmo quando um gay é morto devido à violência doméstica ou latrocínio, é vítima do mesmo machismo que leva as mulheres a serem espancadas e perder a vida pelas mãos de seus companheiros, como diz o ditado, ‘viado é mulher tem mais é que morrer!”

Em outra parte da mesma notícia se informa que a estatística é preenchida a partir de matérias divulgadas na mídia.

Acho que qualquer bom entendedor resumiria (ainda mais sendo previamente informado da "criteriosíssima" metodologia do estudo) a resposta do famoso antropólogo baiano como um "porra nenhuma, nós catamos qualquer notícia sobre gay morrendo e vamos logo tascando na nossa estatística porque sabemos que qualquer bicha que morre é sempre direta ou indiretamente (o que ele chama de crimes agravados pelas homofobias individual, cultural ou institucional) por homofobia", você não acha, Barata?

A resposta dele é claramente no caminho do que eu falei: para ele um homossexual que morre assassinado numa discussão sobre a vaga do estacionamento é vítima de crime de ódio porque de alguma forma que pra mim não faz o menor sentido mas que está muito claro na cabeça dele a única explicação para um sujeito matar uma bicha é possuir um certo ódio reprimido contra os gays.

Não é possível que você leia esta resposta (e o comentário adicional do analista de sistemas) e compreenda qualquer outra coisa. Você é um cara culto, sabe ler nas entrelinhas de uma fala, eu sei. O que deve ter acontecido é que você tava procurando se informar nos lugares errados.  :wink:

* Para quem não for bom de semântica 99% aqui é sinônimo de número chutado claramente sem nenhum embasamento estatístico

Olha a visita de quais senhores a página já recebeu, e vejam como eles foram carinhosos comigo, um me chamou até de bicha burra  :biglol:


Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #27 Online: 10 de Dezembro de 2017, 11:08:21 »
Ainda,  :)


Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.998
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #28 Online: 10 de Dezembro de 2017, 11:45:07 »
Não li seus posts porque no exato momento estou também ocupado com outras coisas, mas assim meio por alto dá pra saber do que se trata: distorção de dados por parte de movimentos LGBT.

Acho bastante provável que ocorra e é uma infelicidade que cometam esta burrice porque a homofobia de fato existe e deve ser erradicada em uma sociedade civilizada. Mas divulgar dados exagerados além de desviar o foco da discussão ainda põe em suspeição informações que por acaso possam ser fidedignas, além de propiciar munição a discursos reacionários de conservadores.

Cito um exemplo que outro dia vi no programa "Saia Justa" no GNT.  A jornalista comemorava que um concurso de Miss no Peru havia resolvido inovar: em vez da candidata dar as suas medidas ( busto, quadril, etc ), a moça subia no palco e dizia "sou fulana e minhas medidas são tantas mil mulheres assassinadas pelos seus parceiros...". Vinha outra e declarava "sou miss Sicrana e minhas medidas são não sei quantos estupros... "

Legal, um concurso de Miss que resolveu deixar a futilidade um pouco de lado para alertar sobre problemas mais sérios. Até que uma delas informou: "Minhas medidas são 19% das meninas de 0 a 5 anos são estupradas pelos pais!"

Caraca! Escutei direito? Bom, eu não sou a Dilma que não sabe fazer a conta de 20%, isso significa que uma em cada 5 meninas de 0 a 5 anos é estuprada pelo pai!!!!

Cara, nem me dou ao trabalho de conferir esses dados, de checar a fonte, isso é completamente, absolutamente absurdo. Estamos falando de criancinhas de 0 a 5 anos, bebezinhos.  Se uma em cinco é estuprada e pelo próprio pai não sei como a humanidade conseguiu chegar até aqui.

Claro que esse número é inventado, até porque não vejo como se obter esse dado.  Pesquisadores saíram perguntado a pais se já teriam violado suas "niñas" de 2 anos?

É uma imbecilidade que em nome de uma boa causa se valham de mentiras tão óbvias. Sim, porque o abuso dentro de casa existe, e se for 0,01% já é um problema grave. Se forem apenas 10 casos por ano já seria um problema que mereceria atenção da sociedade.  Porém quando vi este exagero, este descalabro, e principalmente quando se percebe que a informação é deliberadamente fabricada para fins de propaganda, eu passei a duvidar de todos os outros números informados pelas moças no concurso.

Sendo que alguns dados, diferentemente, eram até plausíveis.

Mas homofobia, discriminação e até agressões gratuitas contra homossexuais, como o caso daqueles rapazes que levaram "lampadadas"na cara em plena Av. Paulista de fato ocorrem na nossa sociedade e isso não tem como negar.

Portanto, a meu ver, mentiras e exageros por parte destes grupos são meramente um tiro no pé.

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #29 Online: 10 de Dezembro de 2017, 12:33:29 »
Sim, é sobre isso. Um detalhe: não se trata de uma distorção ou outra isolada. Eu digo sem medo de errar que pelo menos 95 em cada 100 das mortes listadas no relatório anual de assassinatos de LGBT do Grupo Gay da Bahia não podem ser honestamente assumidas como tendo sido motivadas por homofobia.

Na página eu já relatei casos de pessoas que morreram de complicações depois de terem feito auto-aplicação de silicone no corpo, de travestis assassinados por outros travestis em rixa por ponto de prostituição, de lésbica que matou a ex-namorada e depois se matou, de homem que teve infarto enquanto dirigia seu carro acompanhado de um travesti, de heterossexual que foi morto por homossexual em casos de vingança ou reação a assalto, de suicídio em que a vítima deixou carta de despedida alegando desilusão amorosa... estes são alguns dos muitos casos em que a motivação homofóbica pode ser descartada. Além destes existe uma boa parcela (a maioria) de casos em que apenas foi relatada a morte de um LGBT, sem qualquer indicação de motivação homofóbica (muitas vezes mesmo sem esclarecimento sobre ter sido assassinato, suicídio ou causas naturais) e que eles listam como mortes por homofobia à priori.

Quanto a "realmente existir o problema e estas pesquisas atrapalharem" sugiro refletir sobre a possibilidade de que a sua própria conclusão sobre a real existência de um problema (ou de suas dimensões) não seja resultado de ter sido bombardeado a vida inteira por informações distorcidas como estas.

Quantas vezes você leu no noticiário da grande imprensa que centenas de pessoas morreram em função da sua sexualidade? Quantas vezes você não ouviu, na televisão, com base nesta pesquisa do Grupo Gay da Bahia, que que a cada 25 horas um LGBT é assassinado por homofobia? Será que o seu imaginário sobre a real situação dos gays não pode ter sido stucked por estas informações de maneira que mesmo ao se deparar com uma distorção obvia da apresentação dos dados você não consiga mais se desvencilhar das impressões que lhe foram transmitidas através de outras mensagens, anteriores, não tão obviamente distorcidas? (Isso tanto para a questão LGBT, quanto para a questão das estatísticas de violência contra as mulheres que cansei de debater aqui em priscas eras, quanto para outras).

Abraços.
« Última modificação: 10 de Dezembro de 2017, 12:48:12 por Donatello »

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #30 Online: 31 de Dezembro de 2017, 12:41:51 »
Leia amanhã em facebook.com/naomatouhoje

Citação de:  Quem a homotransfobia não matou hoje



Começo de ano é marcado sempre por esperanças profissionais, acadêmicas e amorosas renovadas, promessas de melhora estética e de saúde através da entrada em programas controlados de dieta e de exercícios, abandono de rumos da vida que se identificou não se estarem dando certo e guinada para novas estratégias, que se espera que levem a resultados melhores.

Mas também é tempo de algumas outras tradições: no jornalismo é a época de começar a preparar corações e mentes para o Carnaval, que há de fechar o verão com muito sexo e drogas, mas sem nenhum Rock'n Roll; e de espalhar as estatísticas de mortes por homofobia do ano passado, cuidadosamente preparadas pelo Grupo Gay da Bahia.

Em 2017, o Grupo Gay da Bahia havia quantificado 441 mortes motivadas por homofobia até o dia 31 de dezembro: um recorde.

Em letras garrafais, vermelhas, anunciavam a conquista do campeonato mundial para o Brasil no quesito "crimes LGBT-fóbicos".

Algumas curiosidades, talvez, sejam interessantes que você saiba, e dificilmente você irá ler sobre elas no Estadão, na Folha de São Paulo, no Huff Post Brasil, no El Pais, na Carta Capital, na Catraca Livre ou no Quebrando o Tabu.

Nestas 441 mortes supostos "crimes LGBT-fóbicos" ( ou seja: mortes criminosas motivadas por preconceito contra LGBTs ), como o Grupo Gay da Bahia se refere em sua página:

57 foram suicídios, como o do jovem Murilo Garcia, que tomou uma cartela de calmantes um dia depois de ter postado um desabafo por estar vivendo uma longa busca por um novo emprego; ou como a da menina Kemelhy Costa, que se enforcou por estar passando por um relacionamento amoroso conturbado.

16 foram assassinatos cometidos pelos namorados ou ex-namorados das vítimas, também homossexuais, como a lésbica Janaína da Silva, assassinada pela namorada numa discussão por ciúmes; ou o gay Ronyel Marinho, assassinado pelo namorado insatisfeito com um rompimento de namoro; ou o homossexual Anderson Fabio Cardoso, morto pelo seu namorado, um travesti, depois de uma discussão pelo fato do último insistir em seguir a carreira de garoto de programa.

8 eram heterossexuais, como Manoel Francisco de Souza, assassinado pelo próprio filho a facadas, este sim um homossexual.

Há casos de mortes por causas naturais, como a de Flávia Luzia da Silva, um homem transexual que passou mal durante uma viagem de avião de Paris a São Paulo, morrendo em pleno voo.

Há casos de morte acidental por imprudência, como os travestis Verônica Rios e Sahra Hills, mortos por complicações devido a terem injetado silicone industrial nos próprios corpos para fins estéticos (se você for homossexual ou heterossexual, nunca faça isso) ou o travesti Rodrigo Cezar Silva Pereira, atropelado por um caminhão e por um carro de passeio enquanto tentava atravessar a rodovia Brigadeiro Faria Lima (homossexuais e heterossexuais, andem até a passarela, passagem subterrânea ou semáforo mais próximo, sempre).

Há caso de mortes certa ou provavelmente motivadas por envolvimento da vítima com atividades criminosas como Wagner Pereira Soares, que cumpria pena em regime semi-aberto por assassinato e tráfico de entorpecentes, e foi morto a tiros enquanto estava fora da cadeia; ou Elicris Muniz da Silva e Roseli Domingos Correia, lésbicas assassinadas juntas e cuja principal suspeita da polícia diz respeito ao envolvimento da primeira com crimes contra o patrimônio alheio; ou de Jhonata Luiz da Silva Ferreira, gay previamente conhecido pela polícia por seu envolvimento em crimes contra o patrimônio e tráfico de drogas, morto e decapitado em um bar.

Há casos de mortes devido à violência urbana, como o da empresária lésbica Micaela Ferreira Avelino que foi feita de refém durante um assalto a estabelecimento bancário ao lado de seu salão de beleza, e foi morta durante o tiroteio entre assaltantes e seguranças.

Há casos de mortes por disputas familiares, como a do travesti Nayanne Rayalla, morto pela tia após uma briga pela posse de um terreno.

Há casos de morte em circunstâncias não elucidadas fora do Brasil, como a do estilista Abel Góes, brasileiro encontrado morto em um hospital na Itália. No Brasil, um caso em que as circunstâncias da morte são também totalmente obscuras (mas foram listadas pelo Grupo Gay da Bahia como crime LGBT-fóbico) é o do gogoboy Leo Brito, encontrado morto em sua própria casa.

Aliás, casos de morte sem motivação conhecida de pessoas homossexuais e que são categorizadas a priori pelo Grupo Gay da Bahia como 'mortes por homofobia' são extremamente comuns: foi também este o caso do travesti Beatriz Presley encontrado morto, já em decomposição, em sua cama sem quaisquer sinais que evidenciassem morte violenta, podendo ter sido assassinato por envenenamento, suicídio ou morte por causas naturais.

E há muitos casos de assassinato em que não se pode afirmar com honestidade a motivação como tendo sido homofobia, como o de Leandro Fontoura de July que foi assassinado em sua própria casa. Ou o do casal gay Marcio Augusto Pires Pinheiro e João Paulo, também assassinados em casa.

Há ainda casos em que há indícios de motivação homofóbica, mas que não podem ser honestamente afirmados como tal: é o caso de Gabryel Schneyder Ribeiro Magalhães, encontrado morto em casa e cuja avó materna, sogra do pai, indicou à polícia e imprensa que o rapaz havia sido espancado até a morte pelo pai.

A avó, contudo, não estava presente no local no momento da morte, e a polícia até os últimos noticiários indicava não haver sinais de espancamento no corpo do jovem, tendo sido o mesmo encaminhado à perícia médica para melhor avaliação.

E finalmente, sim, há poucos casos apresentados pelo Grupo Gay da Bahia em que realmente há evidências seguras de motivação homofóbica: é o caso de Ronilson dos Santos Câmara que morreu assassinado a tiros pelo próprio primo, o qual depôs alegando que havia cometido o homicídio por estar passando vergonha com a sexualidade do parente.

Fossem divulgadas honestamente, contudo, as mortes motivadas por homofobia cairiam facilmente da casa das centenas para a casa das dezenas ou, provavelmente, unidades.

O ativismo não pode aceitar isso, precisam de que os números sejam altos para que a mobilização da massa... as verbas públicas escoadas para ONGs de suposta defesa das minorias... a histeria pública sobre o tema, forçando a aprovação de leis desiguais, sejam correspondentes.

Por isso o Grupo Gay da Bahia precisa desesperadamente que (através da inclusão de mortes por causas naturais, mortes fora do Brasil, mortes de heterossexuais mortos por homossexuais, mortes de homossexuais atropelados enquanto tentavam atravessar uma rodovia pela faixa, mortes de homosseuais por outros homossexuais em disputa por ponto de prostituição, mortes de homossexuais pelo namorado que não aceita a separação, suicídios por problemas financeiros, mortes de pessoas em circunstâncias obscuras, mortes de ativistas heterossexuais apoiadores da causa LGBT et cetera) os números cresçam, ano após ano.

E este tipo de estratégia não é exclusivo do movimento LGBT, mas comum aos movimentos de minorias típicos das extrema-esquerda.

Não se deixe enganar: os movimentos de extrema-esquerda "defensores" das "minorias" não buscam que as desigualdades diminuam e que o preconceito desapareça: eles precisam de desigualdade e preconceito, pelo mesmo motivo que a padaria da esquina da sua rua precisa de frequentes fornecimentos de sacas de farinha de trigo.

Feliz 2018 a todxs!

Brincadeirinha! Aqui se usa, em seu melhor possível, a Língua Portuguesa: Feliz 2018 a todos!

¹ Fontes confirmando as informações passadas no texto podem ser checadas nos comentários da publicação original.

² Se possível: comentem, avaliem a página (com uma, cinco ou qualquer número de estrelas... deixando sempre um texto explicando o porquê da sua avaliação), compartilhem as postagens e espalhem a "mensagem" para os seus amigos.

~~ Daniel Reynaldo
« Última modificação: 31 de Dezembro de 2017, 20:43:47 por Donatello »

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.456
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #31 Online: 31 de Dezembro de 2017, 14:30:33 »

Citação de:  Quem a homotransfobia não matou hoje

Não se deixe enganar: os movimentos de extrema-esquerda defensores das "minorias" não buscam que as desigualdades diminuam e que o preconceito desapareça: eles precisam de desigualdade e preconceito igual a padaria precisa de farinha de trigo.


Excelente analogia.

Donatello, já tem uns dias que quero parabenizá-lo pelo maravilhoso trabalho ao qual você, tão empenhadamente, se envolveu nos últimos meses.
Tenho acompanhado de perto a sua página Quem a Homotransfobia não matou hoje.
Tenho visto as suas respostas, praticamente não deixando nenhum visitante sem atenção, ou seja, respondendo a quase todos.
O mais impressionante nesse dilúvio de respostas que você dá, muitas vezes estendendo o debate a inúmeras réplicas, é a sua enorme, gigantesca paciência com os que lhe atacam, menosprezam o seu trabalho, caluniam a página como sendo mentirosa e agridem você e tudo o que produz nela.
Tenho visto outros debates por aí e vejo, na sua atitude, uma gota num oceano.
Excelente!

Meus sinceros parabéns!

Ao decidir enfrentar um monstro gigantesco, perigoso e violento como é o ativismo LGBT, desmascarando suas mentiras e distorções, você demonstra enorme coragem e determinação. É mesmo muita ousadia para uma pessoa só.
Por isso, coloco-me à disposição para alguma ajuda que você precise e que esteja ao meu alcance. Se é que você queira alguma ajuda ou que essa venha da minha parte.

Desconfio que esse seu pontapé inicial no questionamento das estatístas divulgadas pelo Grupo Gay da Bahia, nas quais toda a grande imprensa se baseia para elaborar suas matérias, repetindo, desconfio que esse seu trabalho logo ganhará muita visibilidade a ponto de fazer aquela fonte rever seus métodos e enxugar bastante os dados mais mentirosos e descarados.
Não será nenhuma surpresa se o Relatório de 2018, fechado e divulgado no começo de 2019, apresente significativa diminuição de casos. :).

Vivemos o despertar de novos tempos na comunicação de massa.
Trump deu-nos a senha mestra para tratar coisas assim: Fake News!
A imprensa está baratinada com esse tiro de bazuca que levou e ainda está tonta.
Tenta até inverter o jogo, usando o mesmo termo, pateticamente, para ver se consegue  passar para o lado do mocinho nesse bang-bang.
Mas já viu que as redes sociais estão munidas de enorme facilidade na elucidação de manchetes comprometidas, enviesadas e distorcidas.
A grande imprensa já não tem mais tanto desembaraço em pintar o quadro que quiser, mesmo estando muito distante da verdade.

A Rede Globo direcionou a opinião pública para onde quis e ganhou todos os embates até aqui, mas sofreu sua primeira grande derrota em 2017.
Apostou todas as fichas da deposição-renúncia de Michel Temer. Perdeu miseravelmente. O Vampiro-Mordomo vai passar a faixa para o sucessor em 2019.
A Rede Globo impediu Lula em 1989, fez Collor, fez FHC, permitiu Lula sobre Serra e aquiesceu com Dilma.
Mas sofreu o revés de tentar, escancaradamente, derrubar Temer e... perder.
Apelou a tudo quanto pôde. O Jornal Nacional chegou a durar quase 2 horas.
Repetiu em toda a programação a trama maquiavélica da PGR com os bandidões Joesley-Wesley.
Perdeu.
Perdeu, Globo, perdeu.
Acostume-se com os novos tempos em que você não determina quem vai e quem fica, quem morre e quem vive.

Os dados agora são questionados.
A grande imprensa deu, quase em uníssono, 90% de chance de Hillary vencer Trump. No-ven-ta por cento.
Armaram até o palco (fisicamente, não é metáfora) para a comemoração da eleição dela, tal a crença na grande mentira que ela mesma, imprensa, criou.
Laranjão eleito. :).
Os institutos aqui no Brasil colocam Luladrão em primeiro lugar em quase todos os cenários.
Mas os comícios que Luís Inácio tem feito pelo país envergonham candidatos a vereador, de tão michurucas.
Falando em vereador, esse mesmo Inácio não conseguiu eleger o próprio filho para a Câmara de São Bernardo (logo onde? A cidade onde mora Luís Silva).
Repetindo: o próprio filhão!
Mas dizem que ganha para presidente.
Então, tá.

Portanto, vivemos tempos de revisão de métodos na comunicação.
Esse seu trabalho vem em excelente hora.
Sua página Quem a Homotransfobia não matou hoje deve ser divulgada à exaustão.
Eu tenho feito isso para quem eu conheço.
Ela será ponto de referência (se já não é) para qualquer um que queira obter dados confiáveis, analisados e que reflitam o que de fato acontece nessa área.

Para tudo não virar um grande saco de confete na sua cabeça, eu tenho a única crítica que faço, e é direcionada a você mesmo, não à sua página: divulgue-a com links.
Você só se refere a ela com letras estáticas, não com um hiperlink como esse aqui.
Conquiste também a audiência do leitor preguiçoso. Hiperlink só depende de um clique.
Leia amanha em facebook.com/naomatouhoje

Parabéns!
Força e mais coragem, para poder dar conta da legião de haters que vem adquirindo.
Claro que vem adquirindo também muitos seguidores que só querem o seu sucesso na empreitada.
Não esmoreça nem se deixe intimidar.

Avante!


Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #33 Online: 31 de Dezembro de 2017, 16:08:53 »

Gab, já tinha visto umas visitadas por lá de um tal Gab Arito que pensei que pudesse ser você.

Obrigado pelos elogios e pelo apoio, vinha amadurecendo esta ideia há muito tempo e levou um tempo para colocar em prática por diversos motivos (inclusive temer represálias, menos ou mais graves), cheguei a começar um blog sobre os assuntos abordados, que não durou, mas agora creio ter encontrado o ajuste certo pra manter o projeto.

Tanto pelo alvo inicial (que pretendo ampliar para aquelas outras questões que me incomodam), quanto pelo formato da página (que pretendo virar também um vlog e um blog).

Em um mês, cerca de 600 seguidores, acho um bom indício.

Quanto à paciência, ela tem alguns motivos:

Primeiro: sempre gostei de debater respeitando os limites do debate, refutando o que o argumentador de fato disse, tendo algum cuidado para interpretar o argumento antes de responder, evitando ad-hominens e outras falácias (não sou de ferro, mas evito bastante, tanto que em mais de 10 anos de fórum, a maior parte deles participando ativamente, nunca tomei um amarelo sequer, pelo que me lembre, só duas advertências, a última neste último mês depois que uma personalidade que vive dizendo que minhas críticas ao feminismo são demonstrações de ódio às mulheres voltou a dizê-lo e o mandei pra alguns lugares feios) então acho que sei seguir mesmo as regras de um debate civilizado.

Em segundo: sei que aquele Facebook é uma desgraça para páginas críticas da extrema-esquerda progressista, então tenho que me manter mais na linha ainda rsrsrs. Pra ver se consigo não cair.

Quanto à questão toda da imprensa, e Donald Trump, e tals, não tenho a menor dúvida em dizer (acho que já disse lá na página) que minha maior inspiração para este projeto tem sido o ativista e gay Milo Yannopoulos (ativista e gay, não um ativista gay, entenda-se) que foi um dos principais garotos propaganda do senhor de pele laranja naquele cargo que a extrema-imprensa progressista jurava que haveria de ser da Fascista (e muita gente por aqui também, você deve lembrar).

Uso uma bela frase dele na capa da página atualmente (antes usava uma frase de um dos responsáveis pelos dados do grupo gay da Bahia que dizia, literalmente "Quando o Movimento Negro, os Índios ou as Feministas divulgam suas estatísticas, não se questiona se o motivo de todas as mortes foi racismo ou machismo, porque exigir só do movimento LGBT atestado de homofobia nestes crimes hediondos?")

Fiz, além da edição que você recomendou, algumas outras, enxugando o texto em alguns pontos e apresentando outros casos.

Quanto às possibilidades de você ajudar, falo in box. Happy new year!
« Última modificação: 31 de Dezembro de 2017, 21:04:44 por Donatello »

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.456
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #34 Online: 31 de Dezembro de 2017, 16:10:08 »

Interessante essa tentativa de gargalhada acima.

Inicialmente, minha primeira reação foi me lembrar de que estou cheio de tarefas num dia como hoje e que isso não valeria a pena uma resposta.
Depois, encontrei a exata definição para esse tipo de reação vindo de quem não tem mais argumentos e só resta *tentar* gargalhar:

Citação de: Houaiss
Histeria
n substantivo feminino
...
2   comportamento caracterizado por excessiva emotividade ou por um terror pânico
Ex.: h. coletiva
3   Rubrica: psicanálise.
neurose na qual as moções pulsionais sofrem esp. recalque e são inconscientemente traduzidas em sintomas corporais
4   Rubrica: psiquiatria.
neurose que se exprime por manifestações de ordem corporal, sem que haja qualquer problema orgânico funcional


Mas depois, vejo que se trata de uma ótima chance para incorporar o espírito Donatello e responder como ele costuma fazer lá na página:

Olá, Muad'Dib, boa tarde.
Feliz Ano Novo para você também.
Por acaso, você tem algum comentário a fazer?
Perceba que estamos num fórum de debates.
Você teria condições de refutar os dados de Quem a Homotransfobia não matou hoje com suas próprias palavras?
Há alguma dúvida a respeito do propósito e objetivo da página que você ainda não alcançou?
Caso não tenha entendido a coisa toda, sempre é possível mais uma visita a ela.
Navegue pelos comentários também, que são sempre ricos de informação.
Teria como você contribuir de alguma forma para um debate adulto e objetivo, ao invés de apenas tentar mostrar que ri?
Obrigado pela leitura de nossos argumentos e prestígio que dá ao fórum e a página com a sua leitura.
Volte sempre e ajude-nos a divulgar o trabalho.

Obrigado.



Pronto, acho que assim fica melhor.
:)

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #35 Online: 31 de Dezembro de 2017, 16:12:16 »
Citar
Olá, Muad'Dib, boa tarde.
Feliz Ano Novo para você também.
Por acaso, você tem algum comentário a fazer?
Perceba que estamos num fórum de debates.
Você teria condições de refutar os dados de Quem a Homotransfobia não matou hoje com suas próprias palavras?
Há alguma dúvida a respeito do propósito e objetivo da página que você ainda não alcançou?
Caso não tenha entendido a coisa toda, sempre é possível mais uma visita a ela.
Navegue pelos comentários também, que são sempre ricos de informação.
Teria como você contribuir de alguma forma para um debate adulto e objetivo, ao invés de apenas tentar mostrar que ri?
Obrigado pela leitura de nossos argumentos e prestígio que dá ao fórum e a página com a sua leitura.
Volte sempre e ajude-nos a divulgar o trabalho.

Hahahahaha, já posso te dar a tarefa de co-administrador e dividimos as respostas.

Offline Muad'Dib

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.992
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #36 Online: 31 de Dezembro de 2017, 16:21:46 »
Eu poderia tentar argumentar coisas como o grande perigo representado pelo violentíssimo movimento LBGT (um movimento terrorista internacional, com certeza), mas ai eu teria que me basear em fatos. e você tem a grande senha dada pelo grande lidar para lidar com fatos.


Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #37 Online: 31 de Dezembro de 2017, 16:26:40 »
Eu poderia tentar argumentar coisas como o grande perigo representado pelo violentíssimo movimento LBGT (um movimento terrorista internacional, com certeza), mas ai eu teria que me basear em fatos. e você tem a grande senha dada pelo grande lidar para lidar com fatos.


Na verdade não, moça.

Basta acessar www.homofobiamata.wordpress.com e checar as informações passadas, e mostrar todas as falsidades contidas na minha argumentação.

É o que sempre indico aos visitantes da página. Beijos.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.068
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #38 Online: 31 de Dezembro de 2017, 19:49:55 »
Eu poderia tentar argumentar coisas como o grande perigo representado pelo violentíssimo movimento LBGT (um movimento terrorista internacional, com certeza), mas ai eu teria que me basear em fatos. e você tem a grande senha dada pelo grande lidar para lidar com fatos.

Então comece a refutar o que foi escrito - e com dados.

Do contrário você estará próximo de um comportamento troll.
Foto USGS

Offline Muad'Dib

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.992
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #39 Online: 31 de Dezembro de 2017, 20:13:59 »
Eu poderia tentar argumentar coisas como o grande perigo representado pelo violentíssimo movimento LBGT (um movimento terrorista internacional, com certeza), mas ai eu teria que me basear em fatos. e você tem a grande senha dada pelo grande lidar para lidar com fatos.

Então comece a refutar o que foi escrito - e com dados.

Do contrário você estará próximo de um comportamento troll.

Mas Geotecton, refutar a afirmação de que o movimento gay é perigosíssimo?  Eu poderia fazer uma busca sobre uma porção de notícias de gays sendo atacados por serem gays, por serem atacados diretamente e indiretamente na televisão em programas evangélicos, poderia argumentar que NUNCA houve notícias de ataques de grupos lbgts contra ninguém, mas como o próprio Gabarito escreveu, tudo o que eu escrever pode ser classificado como fake news.

Eu realmente não lembro de já ter agido como um troll aqui no CC para poder ter essa chamada de um moderador. Você leu a postagem do Gabarito? Sinceramente, a minha reação aqui foi rir.


Offline Euler1707

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 699
  • Sexo: Masculino
  • não há texto pessoal
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #40 Online: 31 de Dezembro de 2017, 20:36:39 »
Mas Geotecton, refutar a afirmação de que o movimento gay é perigosíssimo?  Eu poderia fazer uma busca sobre uma porção de notícias de gays sendo atacados por serem gays, por serem atacados diretamente e indiretamente na televisão em programas evangélicos, poderia argumentar que NUNCA houve notícias de ataques de grupos lbgts contra ninguém, mas como o próprio Gabarito escreveu, tudo o que eu escrever pode ser classificado como fake news.
Eu poderia te indicar vários casos em que grupos ativistas gays perseguiram pessoas na internet, como por exemplo o recente caso da atriz pornográfica que cometeu suicídio após se recusar a fazer uma cena com um ator porno que também fazia cenas com homens.

O fato é que há sim um movimento de caráter político nesses movimentos Gays/Negros/Feministas, e mesmo que isso não seja necessariamente ruim, afinal, eles devem sim lutar pelos seus direitos e promover o debate, o que se vê é uma crescente tendência fascista neles, com tudo o que há direito: violência virtual ideologicamente orientada, difamação de figuras públicas que desagradem ao Movimento, coletivismo e autoritarismo.

O caso da ONG que o Donatello demonstrou usar dados falsos em suas pesquisas é ainda mais grave, pois nos demonstra que existem indivíduos por aí que falsificam a realidade, provavelmente, não em prol de suas ideologias, mas para fins puramente políticos!
« Última modificação: 31 de Dezembro de 2017, 21:32:29 por Euler1707 »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.068
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #41 Online: 31 de Dezembro de 2017, 20:53:15 »
Eu poderia tentar argumentar coisas como o grande perigo representado pelo violentíssimo movimento LBGT (um movimento terrorista internacional, com certeza), mas ai eu teria que me basear em fatos. e você tem a grande senha dada pelo grande lidar para lidar com fatos.
Então comece a refutar o que foi escrito - e com dados.

Do contrário você estará próximo de um comportamento troll.
Mas Geotecton, refutar a afirmação de que o movimento gay é perigosíssimo?

Caro Muad´Dib.

Não.

É refutar os dados fornecidos pelo Donatello que indicam que uma parte considerável das mortes atribuídas à homofobia, pelo Grupo Gay da Bahia, tem causas outras que não a raiva insana que alguns nutrem pelo homossexuais.


Eu poderia fazer uma busca sobre uma porção de notícias de gays sendo atacados por serem gays, por serem atacados diretamente e indiretamente na televisão em programas evangélicos,

Que, pelo que eu vi aqui, ninguém nega que tenha ocorrido - e ainda ocorre.


poderia argumentar que NUNCA houve notícias de ataques de grupos lbgts contra ninguém, mas como o próprio Gabarito escreveu, tudo o que eu escrever pode ser classificado como fake news.

Sim, talvez.

Dependendo da sua fonte.

Vide o caso de uma das pessoas admiradas pelo Gabarito, o senhor Trump. Ele é um especialista em contra-informação, mesmo que boa parte da mídia estadunidense tenha cometido gafes e até mesmo crimes para defender a senhora Clinton.


Eu realmente não lembro de já ter agido como um troll aqui no CC para poder ter essa chamada de um moderador.

Também não lembro de você ter agido como tal.

E foi exatamente por isto que não o acusei e nem o puni.

Apenas chamei a atenção para tomar cuidado:

Então comece a refutar o que foi escrito - e com dados.

Do contrário você estará próximo de um comportamento troll.


Você leu a postagem do Gabarito? Sinceramente, a minha reação aqui foi rir.

Entendi.

Eu também riria de parte da postagem, em especial a sobre o Trump ou que ele acha que a Rede Globo estava contra o Temer.

Mas na sequência eu argumentaria e tentaria demonstrar porque ele estaria equivocado.

Se usarmos apenas o sarcasmo ou ad hominem (não estou afirmando que foi o seu caso) não faremos jus à qualidade deste fórum.
« Última modificação: 31 de Dezembro de 2017, 20:59:53 por Geotecton »
Foto USGS

Offline Euler1707

  • Nível 20
  • *
  • Mensagens: 699
  • Sexo: Masculino
  • não há texto pessoal
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #42 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:07:51 »
Geotecton, ele se refere a essa parte da postagem do Gabarito:

Ao decidir enfrentar um monstro gigantesco, perigoso e violento como é o ativismo LGBT, desmascarando suas mentiras e distorções, você demonstra enorme coragem e determinação. É mesmo muita ousadia para uma pessoa só.
Por isso, coloco-me à disposição para alguma ajuda que você precise e que esteja ao meu alcance. Se é que você queira alguma ajuda ou que essa venha da minha parte.

Não acho que ele quis questionar os dados do Donatello.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.068
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #43 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:11:25 »
Geotecton, ele se refere a essa parte da postagem do Gabarito:

Ao decidir enfrentar um monstro gigantesco, perigoso e violento como é o ativismo LGBT, desmascarando suas mentiras e distorções, você demonstra enorme coragem e determinação. É mesmo muita ousadia para uma pessoa só.
Por isso, coloco-me à disposição para alguma ajuda que você precise e que esteja ao meu alcance. Se é que você queira alguma ajuda ou que essa venha da minha parte.

Não acho que ele quis questionar os dados do Donatello.

Ok.

Obrigado.

Estou em trânsito.

Escrever a resposta ao Muad'Dib foi difícil.

Depois eu faço novas considerações.
Foto USGS

Offline Muad'Dib

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.992
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #44 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:20:46 »
Em momento algum eu me referi às postagens do Donatelo. Eu sei bem pouco do seu site, e até onde sei, acho que é uma atitude bem delicada. Acho que pegar dados de um grupo (que provavelmente tem características de grupelhos universitários bobalhões) e refutá-los é uma atividade onde deve-se deixar exaustivamente claro que refere-se somente a esse grupo em específico. Se não o que ocorre é que "desavisados" como o Gabarito começam a achar que isso é um fato comum ao movimento LGBT como um todo. E ai para as "pérolas" é só umas dedadas no teclado.

Não é do meu interesse refutar quem está combatendo um grupo em específico. O Donatelo está se referindo exclusivamente ao grupo, não é?

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #45 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:29:57 »
Muad'Dib, eu não espero que você faça isso hoje, afinal é reveillon, mas se lá pro dia 2 ou 3 você for pesquisar melhor sobre o Grupo Gay da Bahia e seu Relatório Anual de Assassinatos de LGBT no Brasil, vai descobrir que não é 'apenas' um grupo com 'apenas' um relatório.

Vai entender que o GGB se trata 'nada mais, nada menos'  do principal bunker ideológico do movimento LGBT no Brasil e que é a principal ONG LGBT do país, liderada pelo principal (junto com Jean Wyllys) ativista do LGBT do país, e que, muito longe de apenas um 'grupelho universitário', tem sido o principal hasteador da principal bandeira do movimento do país (o supostamente alto número de assassinatos homofóbicos, cuja crença se baseia apenas nos dados destas pesquisa).

Lá pelo dia 3 ou 4, quando você estiver em condições de estudar melhor sobre o assunto, você vai perceber que esta estatística é veiculada há pelo menos 20 anos seguidos como sendo fonte absoluta e incontestável por todos os grandes veículos de mídia (Estadão, Folha, O Globo, Globo News, Catraca Livre, Huff Post, Época, G1...) e também pelos pequenos (Zero Hora, A Tarde, et cetera...). E que é a partir dela que nasce a famosa alegação de que o Brasil é o país que mais se mata homossexuais no mundo,  ou de que a cada 25 (a partir de hoje 20) horas morre uma vítima de homofobia no Brasil, et cetera...

Aí, talvez, você se de conta de que estou me referindo não apenas a um grupo, mas a um movimento inteiro; e não apenas a um movimento, mas a toda uma forma de fazer ativismo "em defesa" das "minorias".
« Última modificação: 31 de Dezembro de 2017, 22:00:47 por Donatello »

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #46 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:30:53 »
Ahh, siga a página, em breve falarei lá algumas coisas interessantes sobre o tema que havíamos debatido em outro tópico.

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #47 Online: 31 de Dezembro de 2017, 21:40:51 »
Eu realmente acho que este projeto tem tudo pra dar certo, e se der, vai ser muito curioso lembrar que tudo nasceu neste tópico, em um fórum em que gastei boas partes das minhas horas de vida discutindo 'inutil' e ardorosamente temas diversos (inclusive defendendo ideias que hoje eu considero as mais abjetas possíveis, por favor, não visitem meus posts de 5 ou 10 anos atrás, eu tenho vergonha daquilo e ainda vou processar o Snow por mantê-los visíveis ).

Feliz ano novo a todos! Minha participação em 2017 encerra-se aqui.

Tim-tim, e boas festas!

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.068
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #48 Online: 31 de Dezembro de 2017, 22:43:06 »
Eu tenho curiosidade de saber quais temas envergonham hoje o Donatello.
Foto USGS

Offline Donatello

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.847
  • Sexo: Masculino
Re:Homossexual vs. Gayzista
« Resposta #49 Online: 01 de Janeiro de 2018, 13:48:18 »
Dizer que eu fazia campanha pra Heloísa Helena acho que resume bastante coisa.

Acho que quando você chegou no fórum eu já tava tomando vergonha na cara. Comecei a mudar de visão de mundo quando trabalhei no IBGE e vi boa parte das estatísticas feministas mais famosas (sobre desigualdade de salário, sobre desigualdade de tarefas domésticas) por um ângulo que quase ninguém tem acesso.

Isso foi em 2008, acho que você ainda não participava aqui.

Aí fui começando a conhecer as referências anti-feministas que vivo citando aqui (que comecei a pesquisar em função da pulga que esta experiência na PNAD botou na minha orelha), quase todas de direita, e me abrindo pra ouvir o que elas tinham a dizer em outros campos (como economia, direito, cultura).
« Última modificação: 01 de Janeiro de 2018, 13:54:27 por Donatello »

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!