Forum Clube Cetico

Discussões => Laicismo, Política e Economia => Tópico iniciado por: Hold the Door em 06 de Maio de 2013, 19:05:07

Título: Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 06 de Maio de 2013, 19:05:07
Dilma afundando de vez a saúde no Brasil... 

Citar
Os governos do Brasil e de Cuba, com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde, estão acertando como será a vinda de 6.000 médicos cubanos para trabalharem nas regiões brasileiras mais carentes. Os detalhes estão em negociação. Os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e o cubano Bruno Eduardo Rodríguez Parrilla, anunciaram nesta segunda-feira (6) a parceria...

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/05/06/brasil-trara-6-mil-medicos-cubanos-para-atender-moradores-de-areas-carentes.htm
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Maio de 2013, 19:09:11
Por que cubanos? Quanto isso custa em comparação a médicos brasileiros ou de países vizinhos?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Lua em 06 de Maio de 2013, 20:17:01
Sim, sim. Na cidade de Betim/MG a prefeita também fez essa proeza: trouxe médicos cubanos para o hospital regional. Certamente em Cuba existem bons médicos, mas eles não vieram para esta cidade... Não alterou o péssimo atendimento e ainda temos uma superbactéria em um hospital regional.

E o Brasil enfrenta uma crise graças a escassez de profissionais da saúde, isso é fato. Um dos problemas é que os recém-formados não querem enfrentar o interior do país, principalmente em estados do nordeste e da região norte. Recentemente até criaram uma bolsa incentivo para ver se conseguem ao menos manter um mínimo de médicos em determinadas localidades.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 06 de Maio de 2013, 20:21:18
Por que cubanos? Quanto isso custa em comparação a médicos brasileiros ou de países vizinhos?

São as versões atuais das antigas professorinhas primárias mal comidas, barbudas e suvaquentas fazendo a cabeça do eleitor Cesta-Voto.

Sempre tem algo escondido em tudo que o PT faz.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Lua em 06 de Maio de 2013, 20:28:26
A ex-prefeita de Betim que trouxe os médicos cubanos é do PT (perdeu feio nas eleições do ano passado) também...

Eu sempre acho interessante essa mania do PT em tentar convalidar certas coisas, dentre elas o tal modelo cubano de medicina preventiva... Não posso questionar a competência dos profissionais cubanos, mas acho mais viável e mais inteligente valorizar profissionais brasileiros, criar incentivos, pagar bons salários. Uma coisa é ter profissionais cubanos que vieram exercer sua profissão aqui por vontade própria, outra bem diferente é incentivar financeiramente, que é o que certamente ocorrerá.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 06 de Maio de 2013, 20:37:41
Eu posso falar que essa de "médicos cubanos" é falcatrua.

Já há muito tempo vi notícias afirmando que "médicos cubanos" foram para Venezuela única e exclusivamente para fazer politicagem a favor do Chapolim Colorado no início de seu primeiro governo.

TB eram 6000 deles, coincidência.

Infelizmente não achei para postar aqui.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 06 de Maio de 2013, 21:15:31
Será que o brasil está pagando algo para Cuba fora o salário dos médicos?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 21:36:00
O sistema de saúde brasileiro é uma lástima, faltam médicos e faltam médicos de qualidade. Como disse o ex-ministro da saúde, deveria ter uma espécie de exame da "OAB" para futuros médicos em nosso país. Eu acho que esta é uma medida pra tratar causa e não efeito e deve ter muita politicagem por trás, afinal, estamos falando do PT.

Uma coisa é certa: O sistema de saúde de Cuba é um dos melhores, dá de 10 a 0 no SUS brasileiro e no sistema de saúde dos EUA. Só querendo deixar claro isto.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 06 de Maio de 2013, 21:40:46
Qual o problema de trazer cubanos?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 21:44:32
Qual o problema de trazer cubanos?

 Eu também não vejo.

 
Citar
Depois da Revolução cubana em 1959, a educação e a medicina em Cuba  começou a dar exemplos de sucesso na área social dentro e fora do país. Na área médica, até os dias atuais, Cuba recebe estudantes para a sua faculdade de medicina, e exporta profissionais.
Desde 1959, o desenvolvimento da medicina foi uma das principais prioridades do governo de Cuba, tornando a ilha numa das principais referências na área. Segundo estimativas recentes, Cuba é o país que mais possui médicos por habitante.

No ano de 2012, o país formou 11.000 médicos; a formação, que é reconhecida pela sua alta qualidade, em média, leva seis anos para ser completada pelo aluno. Desde a revolução, os investimentos em medicina e o bem-estar social se tornaram nas principais prioridades cubanas.

Dos 11.000 médicos formados em 2010, 5.315 eram cubanos e 5.694 eram de 59 países, abrangendo nações da América Latina, África, Ásia e dos EUA. Os bolivianos correspondiam a 2.400 médicos.

Antes da revolução, Cuba possuía somente 6.286 médicos, na época pré-revolucionário, quase a metade deixou o país para trabalhar nos EUA. Na tentativa de derrubar o recém instaurado regime comunista, EUA tentou atrair médicos cubanos para gerar crise sanitária em Cuba.

Em resposta, o governo de Fidel abriu investimentos maciços na área da medicina, iniciou o processo de universalização do acesso ao ensino superior e estabeleceu o ensino gratuito para todos os níveis e especialidades.

Em 2010, depois do terremoto no Haiti, Cuba enviou médicos para ajudar o país vizinho, a Brigada Médica Cubana no Haiti se compromissou a manter os trabalhos no Haiti no intuito de instalar um sistema de saúde mais fortalecido. No ano de 2012, o médicos cubanos atenderam 1,446 milhão de haitianos. Porém, considerando o número de atendimento efetuadas desde a chegadas dos primeiros médicos a partir de 1998, o número de atendimento chegou a 19,700 milhões.

No Brasil, algumas cidades do país, como Niterói nos anos 1990, realizou intercâmbio de conhecimentos com médicos cubanos. Muitos profissionais da área  médica cubana já atuaram em nosso país, porém, ainda não há dados atuais sobre a participação de cubanos na medicina brasileira.

Fontes:
http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=7&id_noticia=204228
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/23324/cuba+a+ilha+da+saude.shtml
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 06 de Maio de 2013, 22:02:56
[...]
Uma coisa é certa: O sistema de saúde de Cuba é um dos melhores, dá de 10 a 0 no SUS brasileiro e no sistema de saúde dos EUA. Só querendo deixar claro isto.

Não, não dá de "10x0" no sistema de saúde estadunidense.

Aliás, nem chega próximo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 06 de Maio de 2013, 22:03:50
[...]
Fontes:
http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_secao=7&id_noticia=204228
http://operamundi.uol.com.br/conteudo/opiniao/23324/cuba+a+ilha+da+saude.shtml

Qual é o grau de confiabilidade destas fontes?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 22:15:01
[...]
Uma coisa é certa: O sistema de saúde de Cuba é um dos melhores, dá de 10 a 0 no SUS brasileiro e no sistema de saúde dos EUA. Só querendo deixar claro isto.

Não, não dá de "10x0" no sistema de saúde estadunidense.

Aliás, nem chega próximo.

 Entendo. Você poder ler algumas matérias sobre:

 
Citar
"Os Estados Unidos são a única nação do estudo que não assegura o acesso universal à saúde (...). à luz do que se gasta em saúde nesse país, poderia esperar-se o melhor e o mais eficaz dos sistemas", nota a presidente do Commonwealth Fund, Karen Davis.
 
 Fonte:
  http://economico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/internacional/economia/pt/desarrollo/993868.html

Citar
WASHINGTON - Cerca de 46 milhões de pessoas nos EUA não têm plano de saúde. Como não existe um Sistema Único de Saúde (SUS) no país, significa que, se essas pessoas ficarem doentes, precisarão vender o carro ou hipotecar a casa para pagar as contas do hospital. Despesas médicas são o principal motivo de falências pessoais no país.

 Fonte:
 http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,entenda-sistema-de-saude-dos-eua-exclui-46-milhoes,431943,0.htm

 E você pode conferir um ranking de sistemas de saúde mundias (OMS):

 
Citar
38 - Estados Unidos
 40 - Cuba

 Fonte:
 http://en.wikipedia.org/wiki/World_Health_Organization_ranking_of_health_systems
 http://www.who.int/whr/2000/en/whr00_en.pdf
 http://www.who.int/whr/2000/media_centre/press_release/en/index.html

 Embora os Estados Unidos esteja duas posições acima, vale lembrar que são eles os que mais gastam com saúde pública. Ou seja, Cuba faz mais com menos portanto é um sistema de saúde melhor. Só estou dizendo o que eu sempre achei pelo que pude ler, se estiver errado por favor me corrija.

 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 22:17:48
*Não é da OMS e sim de um estudo englobando vários aspectos do mesmo. Desculpe.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 06 de Maio de 2013, 22:27:03
Cuba é referência e melhor que os EUA em saúde  :biglol:

Saúde universal em cuba ou é para elite ou é uma porcaria.
Mesmo para elite, nada mais avançado.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 22:32:38
Cuba é referência e melhor que os EUA em saúde  :biglol:

Saúde universal em cuba ou é para elite ou é uma porcaria.
Mesmo para elite, nada mais avançado.

 Onde eu posso achar alguma evidência disso?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 06 de Maio de 2013, 22:47:00
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=22555.0

Isso já foi debatido aqui. Olha esse link.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Leotelles em 06 de Maio de 2013, 22:56:36
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=22555.0

Isso já foi debatido aqui. Olha esse link.

Muito bom o tópico, me fez rever alguns conceitos. Obrigado.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 06 de Maio de 2013, 23:00:30
[...]
Uma coisa é certa: O sistema de saúde de Cuba é um dos melhores, dá de 10 a 0 no SUS brasileiro e no sistema de saúde dos EUA. Só querendo deixar claro isto.

Não, não dá de "10x0" no sistema de saúde estadunidense.

Aliás, nem chega próximo.

Entendo. Você poder ler algumas matérias sobre:

Citar
"Os Estados Unidos são a única nação do estudo que não assegura o acesso universal à saúde (...). à luz do que se gasta em saúde nesse país, poderia esperar-se o melhor e o mais eficaz dos sistemas", nota a presidente do Commonwealth Fund, Karen Davis.
 
Fonte:
http://economico.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/internacional/economia/pt/desarrollo/993868.html

Citar
WASHINGTON - Cerca de 46 milhões de pessoas nos EUA não têm plano de saúde. Como não existe um Sistema Único de Saúde (SUS) no país, significa que, se essas pessoas ficarem doentes, precisarão vender o carro ou hipotecar a casa para pagar as contas do hospital. Despesas médicas são o principal motivo de falências pessoais no país.

Fonte:
 http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,entenda-sistema-de-saude-dos-eua-exclui-46-milhoes,431943,0.htm

Já li muita coisa, algumas totalmente díspares, sobre a saúde em Cuba. Mas sei que o sistema de saúde estadunidense não é este "desastre" que a esquerda propala.


E você pode conferir um ranking de sistemas de saúde mundias (OMS):

Citar
38 - Estados Unidos
40 - Cuba

Fonte:
http://en.wikipedia.org/wiki/World_Health_Organization_ranking_of_health_systems
http://www.who.int/whr/2000/en/whr00_en.pdf
http://www.who.int/whr/2000/media_centre/press_release/en/index.html

Embora os Estados Unidos esteja duas posições acima, vale lembrar que são eles os que mais gastam com saúde pública. Ou seja, Cuba faz mais com menos portanto é um sistema de saúde melhor. Só estou dizendo o que eu sempre achei pelo que pude ler, se estiver errado por favor me corrija.

Então vamos destrinchar um pouco mais a questão, contextualizando-a.

Você disse que o sistema de saúde cubano dá de "10 a 0" no seu congênere estadunidense. Se isto fosse verdade, Cuba teria uma quantidade e uma variedade maior de equipamentos avançados de diagnósticos; uma maior quantidade de hospitais e clínicas de excelência e de centros de pesquisas voltados para a área médica, para ficar em apenas alguns exemplos. Em nenhum destes quesitos os caribenhos suplantam os estadunidenses.

Reconheço que não tenho nenhuma fonte realmente confiável para dirimir as minhas dúvidas sobre o sistema de saúde cubano. As únicas informações em que confio provem de três médicos, clientes e amigos, que por lá estiveram à trabalho. E todos os três afirmaram a mesma coisa: A saúde pública em Cuba é amplamente usufruída pela população; em caso de doenças graves, a alta cúpula faz tratamento fora de Cuba; os colegas cubanos são melhores na parte preventiva do que na parte curativa; o segmento instrumental é muito antiquado e numericamente insuficiente e as instalações geralmente são precárias.

O que Cuba tem de "melhor" que o EUA é que a sua população tem um acesso mais 'universal' aos serviços de saúde mais básicos do que os estadunidenses. Mas isto não significa que a aquela medicina seja melhor que esta. E isto diz mais respeito ao modelo de sociedade que cada país construiu. Portanto, a baixa colocação do EUA no ranking provem do atendimento precário para cerca de 15% da sua população.

Por fim, cabe um lembrete. A população do EUA é maior que a de Cuba em um fator de 20, dispersa em um território que é maior que o cubano em um fator de quase 90.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Maio de 2013, 23:50:50
Qual o problema de trazer cubanos?

Não vejo problema especificamente no fato de serem cubanos, mas me parece que isso não vem de alguma forma de concorrência. Por que não?

Idealmente os médicos seriam formados aqui, e não me lembro de ter ouvido falar de planos para dar conta desse déficit, durante esses anos todos. A saúde cubana tem boa fama, então acaba criando uma imagem positiva para um paliativo de uma má gerência de longa data, se fala em "6000 médicos cubanos chiquérrimos, daqueles que são procurados por estrangeiros de países ricos", não "estamos dando um jeito de conseguir médicos baratos de países pobres para dar conta do déficit de médicos que deixamos acumular ao longo desses anos todos".

Ao mesmo tempo, a boa fama da saúde cubana é digna de suspeitas mesmo se descartando  a hipótese de ser um completo desastre. E mais importante para nós, os bons resultados não necessariamente dependem tanto de terem bons médicos, mas talvez de toda uma outra série de circunstâncias, desde gerência, até coisas mais elementares e de efeito ainda mais significativo, como população com hábitos mais saudáveis (tem McDonalds em Cuba?)

Não que os médicos sejam provavelmente ruins e que não fossem ajudar em nada, só que parece que a preocupação é no mínimo 50% "marketing".



Espero que não importem homeopatia.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 07 de Maio de 2013, 00:06:47
Qual o problema de trazer cubanos?
O problema é que o governo brasileiro é que irá pagá-los, aumentando o cabidão de empregos que é a saúde pública.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Maio de 2013, 00:08:58
Então vamos destrinchar um pouco mais a questão, contextualizando-a.

Você disse que o sistema de saúde cubano dá de "10 a 0" no seu congênere estadunidense. Se isto fosse verdade, Cuba teria uma quantidade e uma variedade maior de equipamentos avançados de diagnósticos; uma maior quantidade de hospitais e clínicas de excelência e de centros de pesquisas voltados para a área médica, para ficar em apenas alguns exemplos. Em nenhum destes quesitos os caribenhos suplantam os estadunidenses.

Esses são possíveis critérios, mas não sei se são os melhores. Eu acho que seria melhor de alguma forma mensurar a "saúde da população." Isso pode ser bem ruim ao mesmo tempo que um país dispõe de mais centros de luxo com equipamentos top de linha, e até mais hospitais. São coisas diferentes se ter o potencial para saúde, e o aproveitamento ótimo desse potencial.

Não sei quais são os critérios que as ONU da vida usam para o ranking, acho que se aproximam mais de "saúde da população", com aproximações como expectativa de vida e talvez outras coisas. Eu não acho os dados oficiais vindos de Cuba muito críveis, mas ao mesmo tempo não me surpreenderia se fosse realmente melhor que os EUA, em termos de saúde ganha por dinheiro investido. O que não é necessariamente motivo para os comunistas soltarem rojões, de qualquer forma.



Citar
Reconheço que não tenho nenhuma fonte realmente confiável para dirimir as minhas dúvidas sobre o sistema de saúde cubano. As únicas informações em que confio provem de três médicos, clientes e amigos, que por lá estiveram à trabalho. E todos os três afirmaram a mesma coisa: A saúde pública em Cuba é amplamente usufruída pela população; em caso de doenças graves, a alta cúpula faz tratamento fora de Cuba; os colegas cubanos são melhores na parte preventiva do que na parte curativa; o segmento instrumental é muito antiquado e numericamente insuficiente e as instalações geralmente são precárias.

O que Cuba tem de "melhor" que o EUA é que a sua população tem um acesso mais 'universal' aos serviços de saúde mais básicos do que os estadunidenses. Mas isto não significa que a aquela medicina seja melhor que esta. E isto diz mais respeito ao modelo de sociedade que cada país construiu. Portanto, a baixa colocação do EUA no ranking provem do atendimento precário para cerca de 15% da sua população.

Não significa, são coisas diferentes "medicina" e "saúde pública". Os EUA podem estar tremendamente melhor equipados, ao mesmo tempo em que as políticas públicas/econômicas fazem com que a população (ou a maior parte dela) fique numa situação comparativamente pior. Ainda é algo relevante, acho que argumentavelmente "ganha" quem faz mais com menos, não quem tem mais ferramentas
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 07 de Maio de 2013, 06:55:31
Por que especificamente médicos de Cuba? Não é claríssimo o viés ideológico em detrimento de critérios técnicos?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 07 de Maio de 2013, 08:56:53
Qual o problema de trazer cubanos?
O problema é que o governo brasileiro é que irá pagá-los, aumentando o cabidão de empregos que é a saúde pública.

Então os médicos não são necessários?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 07 de Maio de 2013, 09:14:04
O governo dos dados maquiados trazendo médicos do país mestre nisso... fantástico.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 07 de Maio de 2013, 09:52:17
vão ter mais ajuda para maquiar as planilhas. Imagine a técnica cubana!! Nossos indicadores irão melhorar muito!!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 07 de Maio de 2013, 12:06:29
Por que especificamente médicos de Cuba? Não é claríssimo o viés ideológico em detrimento de critérios técnicos?
Exato, se o governo realmente se preocupasse, deixaria o processo de validação de diploma para todos os médicos interessados em trabalhar aqui mais barato e simples.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Johnny Cash em 07 de Maio de 2013, 13:02:57
Vou dizer ingenuamente que é tudo culpa da velha mania de se ignorar a experiência.


Citar

Médicos cubanos fogem da Venezuela para os EUA

[...]

Segundo o exílio cubano, 2 mil profissionais da área de saúde já desertaram desde 2006. Os 500 médicos que chegaram da Venezuela, representam, portanto, um quarto do total. Só no último ano, foram 200 os que embarcaram de Caracas para os EUA. "Para sair é preciso conseguir o visto na embaixada dos EUA em Caracas. Os funcionários venezuelanos não dão permissão de saída para os cubanos, mas tudo se resolve com suborno", diz Moreno.

A Venezuela mantém com Cuba um programa de cooperação no qual Caracas exporta para a ilha petróleo subsidiado e esta lhe paga enviando milhares de médicos cubanos para trabalhar nas favelas venezuelanas. Esses médicos tocam o programa conhecido como "Barrio Adentro", um dos carros-chefes da política social do governo de Hugo Chávez.
http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,medicos-cubanos-fogem-da-venezuela-para-os-eua,492963,0.htm (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,medicos-cubanos-fogem-da-venezuela-para-os-eua,492963,0.htm)

Xeretando alguns índices venezuelanos não dá pra perceber alguma correlação entre melhora nos resultados e chegada dos cubanos.

Qual a chance do papelão se repetir aqui?
Qual será o motivo dos médicos cubanos quererem fugir para os EUA?

E eu achando que bons médicos gostariam de ir para/permanecer onde a boa medicina se encontra.  :P
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 07 de Maio de 2013, 16:00:58
Um comentário interessante no site da notícia:

Citar
O que ninguem fala é que isto é uma manobra para trazer os milhares de brasileiros formados na ELAM , indicados pelo PT, MST e outros, que VOCE, contribuinte, sustentou 6 anos em Cuba , e sabem que não passarão no Revalida, e que o governo do PT tenta, ha tempos, criar um "trem da alegria" para eles. E para disfarçar, virão embarcados médicos colombianos, bolivianos, venezuelanos, peruanos e talvez alguns cubanos, que num piscar de olhos estarão todos no Sudeste.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 07 de Maio de 2013, 16:04:41
Ainda não entendi qual o problema em importar a mão-de-obra cubana.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 07 de Maio de 2013, 17:04:49
Ainda não entendi qual o problema em importar a mão-de-obra cubana.

Não seria possível e talvez mais racional e barato tentar resolver o problema com médicos brasileiros mesmo? Se não for, por que especificamente mão de obra cubana? Por que não boliviana, colombiana, ou então abrir um processo de contratação de médicos estrangeiros, que atendam aos requisitos desejados, não importando sua nacionalidade?

Quando se fala em médicos cubanos, a nítida impressão é de que os critério para a escolha é puramente ideológico.

Agora, se o governo tem uma boa justificativa técnica para que os médico serem especificamente cubanos (o que eu acho difícil), ok.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Maio de 2013, 17:07:08
Se fossem "6000 médicos americanos estadunidenses", a esquerda estaria em polvorosa, marchando com bonecos de Dilma em chamas pelas ruas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 07 de Maio de 2013, 17:09:05
Se fossem "6000 médicos americanos estadunidenses", a esquerda estaria em polvorosa, marchando com bonecos de Dilma em chamas pelas ruas.

 :biglol:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 07 de Maio de 2013, 18:58:50
Ainda não entendi qual o problema em importar a mão-de-obra cubana.

Por vários motivos.

Essa contratação passa por cima do CFM e a prova de capacitação de médicos formados no exterior, o revalida, a qual eles não precisarão prestar. Portanto, não há como saber a qualidade dos médicos que virão. O critério se baseia somente no "a medicina de Cuba é maravilhosa, portanto, vamos trazer médicos cubanos".

Essa medida é eleitoreira. Por ano se formam 16000 médicos no Brasil. Então não é importando 6000 que você vai resolver o problema. A questão não é a falta de médicos, como alardeia essa corja para justificar a entrada de estrangeiros. A questão é a má distribuição deles, um assunto complexo que passa desde a tendência natural dos formados de permanecer em grandes centros como a completa falta de assistência e estrutura nas tais regiões com falta de médico. Não há plano de carreira, não há condições de trabalho. Não há sequer garantia que, passando em um concurso para trabalhar nessas cidades você vá receber o que foi acordado.

Um outro ponto a ser levantado é essa visão vendida implicitamente que encara os médicos cubanos como sacerdotes em uma missão em oposição aos "mercenários" médicos brasileiros. Eles são tão humanos quanto qualquer outro médico e também preferem condições mais vantajosas de trabalho e crescimento profissional.

Ou seja, se vierem 6000 cubanos para trabalhar nessas regiões carentes, não dou 6 meses para os mesmos 6000 (talvez com exceção de um ou outro) terem burlado o acordo e irem parar nas grandes capitais. Ninguém fica onde nenhum médico quer ir. Os cubanos não são santos e com eles não vai ser diferente.

Dessa forma é uma medida que não garante qualidade de atendimento, não faz nem cócegas demanda por médicos nas regiões necessitadas, não atinge o verdadeiro problema e, por fim, simplesmente vai aumentar esse mesmo problema, que é o inchaço de médicos nos grandes centros em detrimento de regiões mais carentes.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 07 de Maio de 2013, 19:25:16
Será que o brasil está pagando algo para Cuba fora o salário dos médicos?


Imagino que foi algo mais ou menos assim, levem em consideração que os petistas colocam a ideologia acima de tudo e que Cuba está falindo depois de 50 anos de exploração dos Castro:

Fidel pega o telefone e fala com  a "cumpanhera" brasileira...

Fidel: Olá "cumpanhera", sei que vc já enfiou um monte de grana aqui mas não tem lugar para despejar algumas centenas de ex-funcionários públicos formados em "medicina"? Estamos sem fundo para pagar salários e a economia aqui é sustentada por turistas americanos, a coisa tá preta.

Dilma: Manda para cá que dou uma acertada nisso "cumpanheru".

Acho que foi mais ou menos assim.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 07 de Maio de 2013, 19:35:14
Se fossem "6000 médicos americanos estadunidenses", a esquerda estaria em polvorosa, marchando com bonecos de Dilma em chamas pelas ruas.

Desse aqui?

(http://i220.photobucket.com/albums/dd200/arcanjolucifer/QQAAAL6N_EG4TSviVRH2jlCw82v-OFqRqJLNTQLHsyyrxWsBDqKMhOya0h1RVfz6AIysixwM67INCfbQnm-jqPygsg4SWNxN3lQnov3IdmSe0UPMAJtU9VCicpSq_zps4bfc2bf7.jpg)

 :lol:

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 07 de Maio de 2013, 19:50:54
Se fossem "6000 médicos americanos estadunidenses", a esquerda estaria em polvorosa, marchando com bonecos de Dilma em chamas pelas ruas.
Bem diferente da tranquilidade que os foristas aqui receberam a escolha cubana :hihi:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 07 de Maio de 2013, 19:55:56
Se fossem "6000 médicos americanos estadunidenses", a esquerda estaria em polvorosa, marchando com bonecos de Dilma em chamas pelas ruas.
Bem diferente da tranquilidade que os foristas aqui receberam a escolha cubana :hihi:

É por sabermos que se trata apenas de politicagem, se o problema real fosse resolver o problema da falta de médicos abririam vagas para qualquer nacionalidade.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 07 de Maio de 2013, 19:59:48
Primeiramente, essas provas de validação de diploma são idiotas. Estão mais para um atestado de perda de tempo. Por mim aboliam essa bobagem e deixavam os hospitais e clientes decidirem quem contratar. Em segundo lugar, isso tem um lado bom, para os médicos cubanos que finalmente terão oportunidade para sair daquela merda de ilha (fico feliz que isso dê mais liberdade a eles). Por fim, o estado da saúde pública brasileira é só um reflexo do estado lastimável de nossa economia, nem os europeus (em geral, claro que existem a Grécia, França, Espanha) adotam políticas tão auto-destrutivas economicamente como o governo brasileiro. Isto é, somos mais pobres, por isso temos muito menos para desperdiçar em populismo na área de saúde.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 07 de Maio de 2013, 20:03:30
Não sei o que isso poderia resultar, mas o fato mais importante é que certas regiões do Brasil, o Norte por exemplo, não há médicos faz séculos, não é de hoje, entra e sai governos e ninguém fez ou faz alguma coisa para convencer um médico ir fazer carreira nestes confins. A carreira médica traz consigo o modismo, hoje há uma falta de pediatras, pois por migrarem para outras especialidades de melhor remuneração e vantagens para a carreira. Então alguma vantagem a esses médicos que se aventurarem devia ter. Não sei se já tentaram alguma coisa...recentemente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Maio de 2013, 20:03:51
Será que o brasil está pagando algo para Cuba fora o salário dos médicos?

Citar
03.Fev.12 - 21:00 |  Atualizado em 07.Mai.13 - 14:09
[...] A generosidade de Dilma com a ilha de Raúl e Fidel Castro prosseguiu com a pauta eminentemente econômica da viagem. Por intermédio do BNDES, o Brasil levou a Cuba uma linha de crédito de US$ 683 milhões para a ampliação do Porto de Mariel, a 50 km da capital cubana, que conta com aporte total de R$ 1,18 bilhão. Ou seja, o Brasil bancará 70% do empreendimento.

Tocada pela construtora brasileira Odebrecht, a obra é considerada estratégica pelas autoridades cubanas, que veem em Mariel uma base para aumentar o intercâmbio comercial de Cuba. O total de financiamentos brasileiros alcança agora US$ 1,3 bilhão, que inclui US$ 683 milhões, via BNDES para o porto, US$ 350 milhões em linha de crédito para importação de alimentos e US$ 200 milhões para importação de máquinas agrícolas.  [...]

(http://content-portal.istoe.com.br/istoeimagens/imagens/mi_2171981309538455.jpg)

http://www.istoe.com.br/reportagens/189322_GENEROSIDADES+COM+A+ILHA
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 07 de Maio de 2013, 20:09:04
Puts. Que merda. Emprestar dinheiro a Cuba é um excelente negócio.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 07 de Maio de 2013, 20:16:17
Puts. Que merda. Emprestar dinheiro a Cuba é um excelente negócio.

Se fosse só para Cuba...

Sabe quem banca sistema de metrô em caracas, ponte na Venezuela, uma refinaria na Bolívia apesar de terem roubado duas há pouco tempo atrás?

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Maio de 2013, 20:20:57
De cada um, de acordo com suas possibilidades, para cada um, de acordo com suas necessidades.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 07 de Maio de 2013, 20:27:42
Puts. Que merda. Emprestar dinheiro a Cuba é um excelente negócio.
Talvez não estão querendo fazer "negócio"... $$$$$$$$$ $$$$$$ $$$ $$$ $$$$ $$$$  ...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 07 de Maio de 2013, 20:31:32
então deveriam dar dinheiro deles e não o meu. Fazer ideologia com meu dinheiro é legal né.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 07 de Maio de 2013, 23:31:30
Ainda não entendi qual o problema em importar a mão-de-obra cubana.

Por vários motivos.

Essa contratação passa por cima do CFM e a prova de capacitação de médicos formados no exterior, o revalida, a qual eles não precisarão prestar. Portanto, não há como saber a qualidade dos médicos que virão. O critério se baseia somente no "a medicina de Cuba é maravilhosa, portanto, vamos trazer médicos cubanos".

Nem formularei perguntas, se este critério aparentemente vital será burlado, já repudio totalmente a decisão tomada.

Quando se fala em médicos cubanos, a nítida impressão é de que os critério para a escolha é puramente ideológico.
Talvez não exatamente ideológico, certamente político.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Maio de 2013, 07:07:31

Quando se fala em médicos cubanos, a nítida impressão é de que os critério para a escolha é puramente ideológico.
Talvez não exatamente ideológico, certamente político.

Ok, político talvez fique melhor, mas tem uma grande dose de ideologia na decisão.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 08 de Maio de 2013, 07:40:52
Obviamente não tem nada a ver com o assunto do tópico, mas para não abrir um novo...

Citar
Brasil e Cuba deram outro passo de aproximação com a assinatura do memorando de entendimento em que o Brasil concede um crédito de 176 milhões de dólares para modernizar cinco aeroportos cubanos, durante a visita de um ministro brasileiro à ilha, fontes de ambos os países informaram nesta terça-feira.

O ministro brasileiro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, assinou na segunda-feira em Havana um “memorando de entendimento que estabelece os critérios para a concessão de um crédito de 176 milhões de dólares para a modernização de cinco aeroportos cubanos”, disseram fontes brasileiras.

“Esses recursos vão financiar a exportação de bens e serviços brasileiros para a ampliação e modernização dos aeroportos de Havana, Santa Clara (centro), Holguín (oriente), Cayo Coco (na costa norte) e Cayo Largo (costa sul)”, acrescentaram as fontes.

Pimentel, que também se reuniu na segunda-feira com o presidente cubano Raúl Castro, assinou o memorando com o ministro cubano de Comércio Exterior e Investimento Externo, Rodrigo Malmierca, segundo as fontes.

Raúl Castro e Pimentel conversaram “sobre o excelente estado das relações bilaterais e ratificaram a vontade de continuar fortalecendo-as”, disse o jornal oficial Granma, que não informou nada sobre o crédito.

Os cinco aeroportos estão relacionados com o turismo, segunda fonte de receitas da economia cubana, que aporta cerca de 2,5 bilhões de dólares anuais.

A visita de Pimentel a Cuba coincide com a visita ao Brasil do chanceler cubano Bruno Rodríguez, que na segunda-feira se encontrou com a presidente Dilma Rousseff e seu homólogo Antonio Patriota, segundo a imprensa.

Rodríguez e Patriota analisaram a possível contratação de cerca de 6.000 médicos cubanos para trabalhar em áreas que carecem de profissionais de saúde no Brasil, em um acordo que envolve a Organização Panamericana da Saúde.

A exportação de serviços médicos é a primeira fonte de renda da economia cubana. Cerca de 40.000 médicos trabalham na Venezuela e outros países, e seus serviços rendem 6 bilhões de dólares anuais à ilha.

Brasil é o sexto sócio comercial de Cuba, seu principal fornecedor de alimentos e um importante comprador de medicamentos e vacinas cubanas. O comércio bilateral alcançou um recorde de 662 milhões de dólares em 2012.

O investimento brasileiro está em ascensão em Cuba. O gigante da infraestrutura Odebrecht amplia e moderniza o porto de Mariel, 50 km a oeste de Havana, um projeto de cerca de 1 bilhão de dólares, dos quais 600 milhões vêm de um crédito de Brasília.

FONTE: Agência France-Presse, via www.em.com.br


 Fonte  (http://www.aereo.jor.br/2013/05/07/brasil-dara-credito-de-u176-milhoes-a-cuba-para-modernizar-aeroportos/)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Maio de 2013, 09:51:43
Tentei postar uma mensagem mais qualificada, mas no celular ela sumiu! Depois posto de novo. De qualquer maneira, não são apenas cubanos. Eles estarão chegando apenas primeiro. Também virão portugueses e espanhóis e a idéia é facilitar a validação do certificado para que outros países também possam vir (passando antes por uma adaptação que inclui falar português).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 08 de Maio de 2013, 11:36:11
TExto no globo de hoje:

"Exame reprova 89% de médicos formados no ensino cubano

André de Souza

BRASÍLIA De cada nove médicos formados em Cuba, cubanos ou não, que tentaram revalidar seu diploma no Brasil, apenas um conseguiu passar pelo exame em 2012. Foram 182 inscritos no Revalida, exame pelo qual os formados no exterior precisam passar, mas apenas 20 aprovados (10,9%). Os números são do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e foram usados ontem pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para rechaçar medidas que facilitem a contratação de médicos formados no exterior. Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, afirmou que o governo brasileiro poderá trazer seis mil médicos de Cuba para minimizar o déficit desses profissionais no país, principalmente nas regiões mais carentes.

 

Ontem, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, descartou algumas medidas, como a revalidação automática do diploma e a atração de médicos de países em que esses profissionais sejam mais escassos do que aqui, como é o caso da Bolívia e do Paraguai. Mas voltou a defender a vinda de médicos estrangeiros ao Brasil como forma de suprir a carência de profissionais. Segundo ele, países desenvolvidos têm políticas de atração de médicos formados no exterior - no Reino Unido, por exemplo, eles seriam 40% do total. No Brasil, disse Padilha, apenas 1% dos médicos veio de outros países.

 

O ministro chamou atenção em especial para Espanha e Portugal, países que passam por uma grave crise econômica, com alto desemprego, e que já estavam na mira do governo como possível fonte de médicos. Padilha disse que concorda quando o CFM prega a necessidade de ter médicos com qualidade. Mas destacou que o Brasil não pode ficar preso a tabus.

 

- Não vamos deixar serem transformadas em tabu, como foram transformadas ao longo dos anos, duas questões. A primeira: dizer que no Brasil há muitos médicos. Faltam médicos no Brasil e faltam mais médicos perto da população. E segundo: em outros países não é tabu ter políticas de atração de médicos estrangeiros, e não permitiremos que seja tabu no Brasil. Não vamos ficar assistindo a Portugal e Espanha com a taxa de desemprego que têm hoje, sem poder pensar em alternativas de trazer médicos para o Brasil - disse Padilha.

 

Cuba foi o segundo país com maior número de médicos formados inscritos no Revalida nos últimos dois anos, ficando atrás apenas da Bolívia. O desempenho dos médicos formados no país vizinho foi ainda pior: de 411 que tentaram no ano passado, apenas 15 passaram, ou 3,65% do total. O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

 

Em 2012, os percentuais de aprovação no Revalida de médicos com diploma da Espanha e de Portugal também foram baixos, 19,23% e 37,5%, respectivamente. Mas, segundo o próprio CFM, não é possível fazer uma avaliação geral da qualidade dos formados nesses dois países, uma vez que o número de médicos que se submeteram ao Revalida foi baixo e, portanto, insuficiente para tirar conclusões.

 

A professora livre-docente da Universidade de São Paulo (USP) Laura Feuerwerker, especialista em Saúde Pública, lembra que a base do sistema de Saúde de Cuba é o serviço de atendimento primário, o que tornou o país uma das referências nessa área. Nos últimos anos, segundo ela, Portugal e Espanha também têm ganhado destaque nessa área:

 

- Há países no mundo que apostam na atenção primária, atenção básica, como o lugar mais importante do sistema de Saúde, que constrói um vínculo, uma relação importante com o paciente. No caso do Brasil, para a vinda de profissionais, há a questão da língua, obstáculo que pode ser superado.

 

O Globo"

O negrito foi meu só para ressaltar um dos aspectos problema.  Existem diversos estudantes que fazem faculdade de medicia fora do brasil, principalmente em Cuba e Bolívia.
Para Cuba são indicados através de "organizações sociais do campo popular" como MST, CUT, etc..
Para Bolívia vai quem quiser, não há processo seletivo e o número de vagas é ilimitado (juro), os cursos são muita mais baratos ( no máximo U$300,00 ao mês), mesmo considerando moradia e alimentação.  Para quem tive interesse tem matéria a respeito no CREMESP http://www.cremesp.org.br/?siteAcao=Revista&id=636 e se não me engano o Fantástico fez outra há alguns anos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 08 de Maio de 2013, 13:17:49
Citar
O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

Existem coisas que não podem fugir à lógica e quando divulgam um resultado não esperado, sempre fico com o pé atrás.

Esse é um exemplo. Você tem um país pobre, mal administrado e socialista. Você espera que a medicina desse país seja uma das melhores do mundo ou uma porcaria.
Uma porcaria, é claro. O que dizem? Que é uma das melhores do mundo. Não bate. Salvo uma aberração.

É como dizer que o SUS (que possui administração política, índices altíssimos de corrupção e não possui gestão profissional) possa do nada mostrar um trabalho decente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 08 de Maio de 2013, 13:31:58
Citar
CFM faz críticas severas a importação de médicos sem revalidação do diploma   
Seg, 06 de Maio de 2013 19:22

O Conselho Federal de Medicina (CFM) considerou eleitoreira, irresponsável e desrespeitosa a proposta anunciada nesta segunda-feira (6) pelo Governo Federal de trazer 6.000 médicos cubanos para trabalharem no Brasil. Em nota, a entidade condenou veementemente a entrada de médicos estrangeiros ou de brasileiros que obtiveram diplomas em cursos no exterior e que não tiveram sua respectiva revalidação como solução para a cobertura assistencial nas áreas de difícil provimento.

CONFIRA A NOTA NA ÍNTEGRA:

NOTA DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONTRA A ENTRADA DE MÉDICOS ESTRANGEIROS

O Conselho Federal de Medicina (CFM) condena veemente qualquer iniciativa que proporcione a entrada irresponsável de médicos estrangeiros e de brasileiros com diplomas de medicina obtidos no exterior sem sua respectiva revalidação. Medidas neste sentido ferem a lei, configuram uma pseudoassistência com maiores riscos para a população e, por isso, além de temporárias, são temerárias por se caracterizarem como programas políticos-eleitorais.

O CFM e os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) envidarão todos os esforços possíveis e necessários, inclusive as medidas jurídicas cabíveis, para assegurar o Estado Democrático de Direito no país, com base na dignidade humana. Este princípio passa a ser desrespeitado pela irreverência do Poder Executivo ao pretender ofertar à parcela maior e mais carente da população brasileira assistência à saúde sem segurança e qualificação.

Se a Constituição Federal não estipulou cidadãos de segunda categoria, então, o país não pode permitir que tais segmentos sejam atendidos por pessoas cuja formação profissional suscita dúvidas, com respeito a sua qualidade técnica e ética.

Ao contrário do que asseguram os defensores desta proposta, estudos indicam que os médicos estrangeiros tendem a migrar para os grandes centros a médio e longo prazos. No entendimento do CFM, a criação de uma carreira de Estado para o médico do SUS – com ênfase na atenção primária (com a previsão de infraestrutura e de condições de trabalho adequadas) – asseguraria a presença de médicos e um efetivo atendimento nas áreas distantes e nas periferias dos grandes centros.

Além disso, para o SUS se manter público, integral, gratuito, de qualidade e acessível a toda a população, o Estado Brasileiro não deve se furtar da responsabilidade de destinar-lhe mais recursos (um mínimo de 10% da receita bruta da União), buscando o aperfeiçoamento de seus serviços, dotando-os de infraestrutura e recursos humanos valorizados, para atender de forma eficaz e com equidade a população.

Conclamamos o Poder Legislativo; o Poder Judiciário; o Ministério Público; as entidades médicas; as universidades; a imprensa; e todos os movimentos da sociedade civil organizada a se posicionarem contra esta agressão à Nação e em benefício de um sistema público de saúde de qualificado.

Não podemos admitir que interesses específicos e eleitorais coloquem em risco o futuro de um modelo enraizado na nossa Constituição e que pertence a 190 milhões de brasileiros. O que precisamos é de médicos bem formados, bem preparados, bem avaliados e com estímulo para o trabalho. Tratar a população de maneira desigual é sinal de desconsideração e de desrespeito para com seus direitos de cidadania.

 

Observação:

Querer "resolver" o problema do atendimento de saúde com importação de profissionais é demagogia. Simplesmente isso.
O problema da má distribuição dos profissionais de saúde no território nacional é estrutural e não será resolvido nem paliado com atitudes eleitoreiras
Em termos absolutos não há falta de profissionais médicos no país mas uma profunda distorção na sua distribuição , com alta concentração no Sul/Sudeste e baixa no Norte/Nordeste. Que a questão não é monetária  , mas de falta de infraestrutura que permita ao profissional se manter ( como destacou o Angelo) ,vê-se pelo fato de que mesmo com salários altos pagos por vários municípios os profissionais não se fixam lá.
Quem já passou por situações de ter de realizar atendimentos sem condições por falta de estrutura ( como um amigo meu que teve que fazer uma cesariana com anestesia local por ausência de anestesista e capacidade de remoção da paciente) sabe que não há dinheiro que pague o estresse.
Uma política séria passa , como diz a nota do CFM , por construir uma carreira de Estado para os profissionais do SUS e dar a eles e à população condições de atendimento digno e ético.
Mas políticas sérias demoram tempo , não necessariamente darão resultados no governo do mesmo partido que as implementou . logo...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 08 de Maio de 2013, 13:39:51
Citar
O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

Existem coisas que não podem fugir à lógica e quando divulgam um resultado não esperado, sempre fico com o pé atrás.

Esse é um exemplo. Você tem um país pobre, mal administrado e socialista. Você espera que a medicina desse país seja uma das melhores do mundo ou uma porcaria.
Uma porcaria, é claro. O que dizem? Que é uma das melhores do mundo. Não bate. Salvo uma aberração.

É como dizer que o SUS (que possui administração política, índices altíssimos de corrupção e não possui gestão profissional) possa do nada mostrar um trabalho decente.

Quem se lembra de um ex presidente dizendo que a saúde no Brasil estava a um passo da perfeição?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 08 de Maio de 2013, 13:42:50
Ele usou os índices do Derfel  :hihi:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 08 de Maio de 2013, 14:41:07
Citar
O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

Existem coisas que não podem fugir à lógica e quando divulgam um resultado não esperado, sempre fico com o pé atrás.

Esse é um exemplo. Você tem um país pobre, mal administrado e socialista. Você espera que a medicina desse país seja uma das melhores do mundo ou uma porcaria.
Uma porcaria, é claro. O que dizem? Que é uma das melhores do mundo. Não bate. Salvo uma aberração.

É como dizer que o SUS (que possui administração política, índices altíssimos de corrupção e não possui gestão profissional) possa do nada mostrar um trabalho decente.

Quem se lembra de um ex presidente dizendo que a saúde no Brasil estava a um passo da perfeição?

Ele disse isso antes ou depois do Sírio-Libanês?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Maio de 2013, 14:51:03
Citar
O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

Existem coisas que não podem fugir à lógica e quando divulgam um resultado não esperado, sempre fico com o pé atrás.

Esse é um exemplo. Você tem um país pobre, mal administrado e socialista. Você espera que a medicina desse país seja uma das melhores do mundo ou uma porcaria.
Uma porcaria, é claro. O que dizem? Que é uma das melhores do mundo. Não bate. Salvo uma aberração.

É como dizer que o SUS (que possui administração política, índices altíssimos de corrupção e não possui gestão profissional) possa do nada mostrar um trabalho decente.

Quem se lembra de um ex presidente dizendo que a saúde no Brasil estava a um passo da perfeição?

Ele disse isso antes ou depois do Sírio-Libanês?

Pois é, ele tinha duas boas opções: entrar na fila do SUS, ou ir se tratar em Cuba, como fez o Chaves, que aliás teve um ótimo resultado da maravilhosa medicina cubana. Por que será que preferiu o Sírio Libanês?  ::)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 08 de Maio de 2013, 14:53:10
Lembrando apenas que a crítica do CFM é em relação (mais diretamente) a formação do médico em Cuba,
com grande ênfase no cuidado primário (que não deixa de ser o mais impactante nas políticas públicas pelo ganho no custo X Benefício) e fracasso relativo no restante da formação médica (igualmente importante no cuidado individual)

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 08 de Maio de 2013, 15:44:32
Citar
O presidente em exercício do CFM, Carlos Vital Tavares Corrêa Lima, atacou duramente ontem a qualidade da formação de médicos em Cuba.

 

- Sempre existiu e continua existindo uma propaganda falaciosa, enganosa, de caráter ideológico e político, mas totalmente inconsistente. E falamos isso não porque estamos baseados em conceitos ou informações de terceiros. O CFM esteve em Cuba em 2002 e 2003, fez toda uma avaliação, e o status quo não mudou até hoje - afirmou Vital. - Não há formação e não há Medicina no nível que está sendo propagandeado em Cuba.

Existem coisas que não podem fugir à lógica e quando divulgam um resultado não esperado, sempre fico com o pé atrás.

Esse é um exemplo. Você tem um país pobre, mal administrado e socialista. Você espera que a medicina desse país seja uma das melhores do mundo ou uma porcaria.
Uma porcaria, é claro. O que dizem? Que é uma das melhores do mundo. Não bate. Salvo uma aberração.

É como dizer que o SUS (que possui administração política, índices altíssimos de corrupção e não possui gestão profissional) possa do nada mostrar um trabalho decente.

Quem se lembra de um ex presidente dizendo que a saúde no Brasil estava a um passo da perfeição?

Ele disse isso antes ou depois do Sírio-Libanês?

Pois é, ele tinha duas boas opções: entrar na fila do SUS, ou ir se tratar em Cuba, como fez o Chaves, que aliás teve um ótimo resultado da maravilhosa medicina cubana. Por que será que preferiu o Sírio Libanês?  ::)

Gente maldosa. O Sírio Libanês atende pelo SUS. :hmph:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Maio de 2013, 15:46:51
Citação de: Skorpios
Gente maldosa. O Sírio Libanês atende pelo SUS.

Mas será que o cidadão em questão foi atendido pelo sistema?

Se bem que, puxando um pouco a memória, me lembro de ter visto na TV ele na fila, marcando consulta para daí a uns 4 meses... :P
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 08 de Maio de 2013, 19:44:30
Quem se lembra de um ex presidente dizendo que a saúde no Brasil estava a um passo da perfeição?

Não é aquele que correu para o Sírio Libanês quando a água bateu na bunda?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 08 de Maio de 2013, 20:07:36
Citação de: Skorpios
Gente maldosa. O Sírio Libanês atende pelo SUS.

Mas será que o cidadão em questão foi atendido pelo sistema?

Se bem que, puxando um pouco a memória, me lembro de ter visto na TV ele na fila, marcando consulta para daí a uns 4 meses... :P

Se marcar, como o Marco Aurélio, ele foi atendido pelo SUS, não percebe a diferença entre a priorização de um (ou O) pistolão e ainda cita seu exemplo como prova de que o SUS é perfeito.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 08 de Maio de 2013, 23:11:43
Citação de: Skorpios
Gente maldosa. O Sírio Libanês atende pelo SUS.

Mas será que o cidadão em questão foi atendido pelo sistema?

Se bem que, puxando um pouco a memória, me lembro de ter visto na TV ele na fila, marcando consulta para daí a uns 4 meses... :P

Se marcar, como o Marco Aurélio, ele foi atendido pelo SUS, não percebe a diferença entre a priorização de um (ou O) pistolão e ainda cita seu exemplo como prova de que o SUS é perfeito.

A desfaçatez e a hipocrisia do ex-presidente são revoltantes.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 09 de Maio de 2013, 20:20:23
Citar
"Exame reprova 89% de médicos formados no ensino cubano

Como? Lá onde o ensino e a medicina são de primeiro mundo?

Nada melhor que bater de frente com o mundo real.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 11 de Maio de 2013, 01:27:14
Estou com o Parcus nessa. Que "revalida" o quê. Nada melhor que o mercado para dizer quem é competente. Abram caminho para que o Dr. Fritz (https://www.youtube.com/watch?v=oklthAMOGVU) erga um império com a maior clínica popular do país.



E sobre o exame, parece que o índice de reprovação é na casa de 90% mesmo, pra Cuba, Argentina, Bolívia, etc. O destaque para Cuba é pura manipulação para aqueles que só lêem as manchetes.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 11 de Maio de 2013, 10:43:21
Postado no facebook. Em 2006 o PT do Rio Grande do Sul abriu processo seletivo para enviar estudantes brasileiros para Cuba para estudar medicina. Exigia 2 anos de filiação ao PT e recomendação do partido. Agora esses estudantes estão se formando e o governo vem com essa de não exigir o Revalida (ao contrário de todos os estudantes formados no exterior) para aturarem no Brasil:

Citar
ESTÁ EXPLICADA A IMPORTAÇÃO QUE O GOVERNO FEDERAL FARÁ DE 6.000 MÉDICOS CUBANOS SEM A NECESSIDADE DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA.

Um dos critérios de seleção foi: " - ter no mínimo 2 (dois) anos de filiação partidária e apresentar carta de recomendação de instância partidária, ou seja, setorial, diretório ou comissão executiva de âmbito municipal, estadual ou nacional. Não se trata de recomendação de um membro da instância, mas sim aprovada em reunião da instância partidária."

A notícia é de 2006 e esses cidadão petistas selecionados se formarão esse ano! E agora o governo federal não exigirá o REVALIDA para médicos oriundos de Cuba. Interessante, não??

Texto completo da notícia disponível em: ( http://www.ptsul.com.br/?doc&mostra&14665)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 11 de Maio de 2013, 10:51:48
Ainda não entendi qual o problema em importar a mão-de-obra cubana.

Não conhecem o idioma. Não conhecem o país. Nasceram numa ilha, algo um pouco 'diferente' do que o Brasil. Não conhecem as prescrições e medicamentos utilizados aqui.

O SUS não é um sistema ruim, acho inclusive ele muito bom, bastaria parar de desviar dinheiro da saúde e injetar investimentos. O problema do SUS não é o SUS e sim a corrpução do Estado que o utiliza como desculpinha para desviar grana.

Quando ouvi (no rádio) a notícia o primeiro que pensei foi 'putz, Derfel vai odiar isso!', hehehe... !

Na verdade outros países da Am Lat já fizeram isso, mas eu acho a barreira do idioma e da cultura muito grandes como para fazer um paralelo. Além disso, se equipararprocedimentos, os cubanos não seriam sequer aceitos como médicos.

É tudo um absurdo político, desesperaro, de fazer 'alguma coisa' para suprir médicos.

Que tal pagar o justo e dar condições? Que tal moderinzar equipamentos e instalar alas de verdade e não só para fazer uma festinha e promover político ?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 11 de Maio de 2013, 10:56:34
Outro comentário: o Reino Unido já importou médicos para regiões afastadas na Escócia, mas eram médicos do CommonWhealth (indianos creio), acustumados com os procedimentos, com o idioma, e mesmo assim deve ter dado ruído.

Só que o tamanho do Brasil não se compara ao Reino Unido, a corrupção do estado então nem se fala...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 11 de Maio de 2013, 11:47:45
Primeiramente, essas provas de validação de diploma são idiotas. Estão mais para um atestado de perda de tempo. Por mim aboliam essa bobagem e deixavam os hospitais e clientes decidirem quem contratar.

Idiota é a clássica máxima liberal que o mercdado sempre tem autonomia para contratar o que é bom e de falir o que não presta bons serviços. Os efeitos de um tratamento médico mal feito pode levar décadas para ser descoberto. Até o médico ser reconhecido como um açougueiro milhares de pessoas já terão recebido um serviço de péssima qualidade. O mercado não tem a possibilidade de instantâneamente sanar o problema que é um mal prestador de serviços que aparenta ser um bom prestador de serviços, esta é a primeira das falhas de mercado, o seu delay em se autorregular, ainda mais quando os ofertantes têm a possibilidade de operá-lo sem um órgão centralizador.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 11 de Maio de 2013, 11:54:11
Primeiramente, essas provas de validação de diploma são idiotas. Estão mais para um atestado de perda de tempo. Por mim aboliam essa bobagem e deixavam os hospitais e clientes decidirem quem contratar.
[...]
O mercado não tem a possibilidade de instantâneamente sanar o problema que é um mal prestador de serviços que aparenta ser um bom prestador de serviços, esta é a primeira das falhas de mercado, o seu delay em se autorregular, ainda mais quando os ofertantes têm a possibilidade de operá-lo sem um órgão centralizador.

Os otários que investiram na bolsa e fundos de derivativos que o digam.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 11 de Maio de 2013, 11:59:53
Parece que houve uma iniciativa semelhante do governo do Tocantins em 2005. Infelizmente só acho referências a brigas na justiça entre os cubanos e o CFM, e nada sobre o programa em si.


Quanto aos argumentos contra. É preciso um pouco de organização. Ou eles são cubanos e têm dificuldades com a língua, ou eles são brasileiros filiados ao PT.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 11 de Maio de 2013, 12:00:09
Primeiramente, essas provas de validação de diploma são idiotas. Estão mais para um atestado de perda de tempo. Por mim aboliam essa bobagem e deixavam os hospitais e clientes decidirem quem contratar.
[...]
O mercado não tem a possibilidade de instantâneamente sanar o problema que é um mal prestador de serviços que aparenta ser um bom prestador de serviços, esta é a primeira das falhas de mercado, o seu delay em se autorregular, ainda mais quando os ofertantes têm a possibilidade de operá-lo sem um órgão centralizador.

Os otários que investiram na bolsa e fundos de derivativos que o digam.
Otários foram os que não estudaram o básico acerca do comportamento do mercado e da economia globalizada em um cenário de interferência de monopólios e órgãos governamentais. Muitos teóricos, tanto de esquerda quanto de direita, notaram que a situação estava preta e demonstraram como as agências de rating estavam compradas e aconselharam seus clientes a sair do mercado de obrigações/derivativos e partir para investimentos mias sólidos.

O cenário com a saúde é um pouco semelhante, em um estágio menos maturo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 11 de Maio de 2013, 12:05:30
Quanto aos argumentos contra. É preciso um pouco de organização. Ou eles são cubanos e têm dificuldades com a língua, ou eles são brasileiros filiados ao PT.

Ou essa história de contratar médicos cubanos é só uma manobra para trazer de volta os brasileiros filiados ao PT sem ter que prestar o Revalida (e ser reprovados) e sem ficar dando na cara o caráter partidário da medida.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Maio de 2013, 01:34:42
Quanto aos argumentos contra. É preciso um pouco de organização. Ou eles são cubanos e têm dificuldades com a língua, ou eles são brasileiros filiados ao PT.

Por que "ou"? Não podem muito bem ser ambos? Afinal, serão 6000 médicos, imagino que dê para trazer todos os brasileiros e uma maioria de cubanos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 13 de Maio de 2013, 09:29:21
Quanto aos argumentos contra. É preciso um pouco de organização. Ou eles são cubanos e têm dificuldades com a língua, ou eles são brasileiros filiados ao PT.
Ou essa história de contratar médicos cubanos é só uma manobra para trazer de volta os brasileiros filiados ao PT sem ter que prestar o Revalida (e ser reprovados) e sem ficar dando na cara o caráter partidário da medida.

E depois tem gente que duvida que o setor público é ineficiente e esbravejam quando este é questionado, especialmente quando eivado de influência partidária.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 13 de Maio de 2013, 13:58:44
Pão e circo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 13 de Maio de 2013, 14:10:19
Pão e circo.

Mais circo do que  pão...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 13 de Maio de 2013, 14:39:36
Pão e circo.

Isso era em Roma. Aqui é carnaval e futebol...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 13 de Maio de 2013, 14:53:53
Quanto aos argumentos contra. É preciso um pouco de organização. Ou eles são cubanos e têm dificuldades com a língua, ou eles são brasileiros filiados ao PT.

Por que "ou"? Não podem muito bem ser ambos? Afinal, serão 6000 médicos, imagino que dê para trazer todos os brasileiros e uma maioria de cubanos.

O que li das notícias é um acordo para trazer médicos cubanos.  Mas ainda assim o impedimento da língua não se estende aos brasileiros. Só o argumento do revalida.


Mas eu concordo que é muito ou para o meu gosto.  Não sei qual os termos da proposta e nem quais são os médicos que viriam pra cá. O que tem é, desculpe o termo, punhetagem política. O revalida é relativamente novo(dois anos), e pelo que vi apresenta índices bem baixos de aprovação. Eu não descarto a possibilidade de o CFM estar sendo corporativista em seus critérios.

Também não descarto a hipótese do governo federal estar simplesmente buscando o meio mais barato de resolver a questão (importando médicos*), e ainda mantendo uma política de boa vizinhança com Cuba ao apoiar a medicina prestada lá.


Tanto a escolha de Cuba quanto a rejeição a priori aos médicos de lá parecem-me, mais uma vez, como tudo sobre a ilha, acaba indo para a questão política.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 13 de Maio de 2013, 16:55:23
O Revalida é um instrumento imoprtante (1) já que a população a ser atendida não tem como julgar adequadamente a qualidade dos médicos a disposição, praticamente todos os países utilizam algum tipo de validação para médicos estrangeiros (2).
Particularmente os médicos brasileiros recém formados deveriam passar por provas como essa, e provavelmente a meioria seria reprovada.
Quanto a qualidade da prova me pareceu muito boa (3), versando sobre clínica médica/atenção primária (acertei praticamente tudo - minha especialidade), organização do sistema de saúde (errei quase tudo), ginecologia/obstetrícia (médio) e pediatria/puericultura (médio).  Não me parece uma prova com pegadinhs como as de residência, até bem mais fácil das que fiz na minha época, com enfoque em casos clínicos simples.

(1) - com as limitações que qualquer prova objetiva/subjetiva tem em medir o conhecimento
(2) - Alguns tem acordos com validação automática para pacientes do mesmo "bloco"
(3) - Prova de 2011 com gabarito para quem quiser ver  http://portal.inep.gov.br/provas_e_gabaritos

http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/provas/2012/prova_objetiva_cinza.pdf
http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/gabaritos/2011/inep_gabarito_definitivo_revalida-2011.pdf

http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/provas/2012/prova_discursiva.pdf
http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/padrao_respostas/2011/padrao_de_respostas_definitivo.pdf
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 13 de Maio de 2013, 19:01:15
Um adendo. Eu coloquei um asterisco no meu post anterior, mas acabei não complementando a minha idéia por esquecimento.

Quando disse que essa importação de médicos é o meio mais barato de resolver a questão, quis complementar que a solução correta pra mim deveria ser a de ampliar a oferta de cursos no país, assim como tornar mais atrativos os salários dos concursos no interior. Embora essa ultima solução me parece ser também uma solução difícil, já que o custo de convencê-los a ir para o interiorzão é alto, e é quase impossível que o estado consiga competir com a renda ofertada pelo mercado nos grandes centros, sobretudo com o crescimento da medicina estética(acho que dá pra dizer que todo o mercado da medicina está crescendo, simplesmente porque a renda aumentou e as pessoas estão podendo se preocupar mais com a saúde sem esperar que adoeçam)


Osler,


Sobre as provas, tenho até medo de clicar nisso, lol. Mas minhas dúvidas a respeito do Revalida é porque ele é recente mesmo. Parece que antigamente essa revalidação de diplomas do exterior era feita de maneira independente por cada universidade. Seria interessante uma comparação entre o índice de aprovação no sistema antigo e no novo.

Mas parece que ainda há diferenças entre o modelo adotado na formação de médicos daqui e de Cuba(no brasil mais específica, e lá com ênfase numa formação mais geral). E também não descarto que os números de saúde sobre Cuba são melhores que os nossos, segundo a própria ONU, e assim o que é feito lá não me parece assim tão inadequado por princípio. Parece que tudo que envolve a Medicina em Cuba é meio místico e a avaliação varia conforme o espectro político, com a esquerda considerando que médicos cubanos teriam forças mediúnicas ou quase um poder de cura através do toque, enquanto a direita considera que seriam todos carniceiros a serviço de um projeto globalista para disseminar o comunismo. Eu acredito que isso não seja apenas uma questão de opinião.


Sobre a imprensa(PIG! PIG!PIG!!) em geral

Entre os pontos que eu não vi nenhum dos articulistas da imprensa que estão metendo o pau no projeto falarem, é de que no passado já houve programas semelhantes por iniciativas de prefeituras e governos estaduais. Deu certo? Gente morreu? Não foi pra frente? E projetos com médicos cubanos de outros países? Funcionam? Ou, pra usar um tema atual, só recorrem a comparação com outros países na hora defender a mudança da maioridade penal? (às vezes com confusão entre maioridade penal a idade de responsabilidade criminal). Nada. Tudo é ineditismo do PT pra tomar o poder.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 13 de Maio de 2013, 20:12:36
O Revalida é um instrumento imoprtante (1) já que a população a ser atendida não tem como julgar adequadamente a qualidade dos médicos a disposição, praticamente todos os países utilizam algum tipo de validação para médicos estrangeiros (2).
Particularmente os médicos brasileiros recém formados deveriam passar por provas como essa, e provavelmente a meioria seria reprovada.
Quanto a qualidade da prova me pareceu muito boa (3), versando sobre clínica médica/atenção primária (acertei praticamente tudo - minha especialidade), organização do sistema de saúde (errei quase tudo), ginecologia/obstetrícia (médio) e pediatria/puericultura (médio).  Não me parece uma prova com pegadinhs como as de residência, até bem mais fácil das que fiz na minha época, com enfoque em casos clínicos simples.

(1) - com as limitações que qualquer prova objetiva/subjetiva tem em medir o conhecimento
(2) - Alguns tem acordos com validação automática para pacientes do mesmo "bloco"
(3) - Prova de 2011 com gabarito para quem quiser ver  http://portal.inep.gov.br/provas_e_gabaritos

http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/provas/2012/prova_objetiva_cinza.pdf
http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/gabaritos/2011/inep_gabarito_definitivo_revalida-2011.pdf

http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/provas/2012/prova_discursiva.pdf
http://download.inep.gov.br/educacao_superior/revalida/padrao_respostas/2011/padrao_de_respostas_definitivo.pdf

20% da prova subjetiva já é um insulto a formação médica devido à questão 4, olha o gabarito disso:
Citar
As unidades são georeferenciadas, o que facilita o diagnóstico comunitário, o reconhecimento do potencial da comunidade (aparelhos sociais já existentes) e a implementação das ações.

Acesso universal da população, que permite que os usuários busquem as unidades independentemente de situações específicas de adoecimento.

Contato longitudinal com os usuários, o que amplia a adesão individual e coletiva às propostas de cuidado integral.

Integralidade do cuidado como norteador da atenção à saúde, valorizando, em todas as oportunidades de contato com os profissionais de saúde, a promoção da saúde.

Participação de equipe multiprofissional, que permite a construção de propostas que identificam necessidades diversas e oferecem alternativas diversas aos usuários.
Regurgitar groselha comunista agora vale por 20% da formação médica esperada dos estrangeiros. Conhecimento técnico que é bom...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 13 de Maio de 2013, 20:33:56
Aposto que o governo petista quer encarregar aos AVALIADORES DO ENEM a parte subjetiva da prova.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Maio de 2013, 02:36:50
Isso aí nem é argumentavelmente "comunista", por mais vazio que seja. Eu esperava que fossem coisas como alternativas corretas pondo a culpa de tudo que há de ruim na saúde na agroindústria, indústria farmacêutica e na indústria alimentícia das redes de fast-food/coca-cola que só se importam em acumular capital ao mesmo tempo em que adoecem a população, o que é lucrativo para a indústria médica.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Maio de 2013, 11:13:15
20% da prova subjetiva já é um insulto a formação médica devido à questão 4, olha o gabarito disso:
Citar
As unidades são georeferenciadas, o que facilita o diagnóstico comunitário, o reconhecimento do potencial da comunidade (aparelhos sociais já existentes) e a implementação das ações.

Acesso universal da população, que permite que os usuários busquem as unidades independentemente de situações específicas de adoecimento.

Contato longitudinal com os usuários, o que amplia a adesão individual e coletiva às propostas de cuidado integral.

Integralidade do cuidado como norteador da atenção à saúde, valorizando, em todas as oportunidades de contato com os profissionais de saúde, a promoção da saúde.

Participação de equipe multiprofissional, que permite a construção de propostas que identificam necessidades diversas e oferecem alternativas diversas aos usuários.
Regurgitar groselha comunista agora vale por 20% da formação médica esperada dos estrangeiros. Conhecimento técnico que é bom...

Descentralização, atendimento integral, participação da comunidade são diretrizes estabelecidas na Constituição Federal (art 198) para a saúde pública brasileira. Além disso, o SUS também tem como princípios a universalidade, promoção de acesso igualitário, eqüidade e regionalização, enquanto longitudinalidade e coordenação são alguns dos princípios da atenção primária à saúde, o modelo de saúde pública (juntamente com o PSF) adotado no Brasil.

Isso não é groselha comunista, é matéria de medicina preventiva - ou seja, conhecimento técnico - também cobrado nos exames de residência médica aqui do Brasil. De alguém que venha do exterior para trabalhar no Brasil o mínimo que se espera é que saiba como está estruturado (ou deveria estar, em um caso ideal) o sistema de saúde brasileiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 14 de Maio de 2013, 11:18:58
Quando disse que essa importação de médicos é o meio mais barato de resolver a questão, quis complementar que a solução correta pra mim deveria ser a de ampliar a oferta de cursos no país,
Na verdade o Brasil já ó país com maior número de faculdades de medicina do mundo, e a nossa relação médico/população já é bem maior que o recomendado pela OMS. 

assim como tornar mais atrativos os salários dos concursos no interior. Embora essa ultima solução me parece ser também uma solução difícil, já que o custo de convencê-los a ir para o interiorzão é alto, e é quase impossível que o estado consiga competir com a renda ofertada pelo mercado nos grandes centros, sobretudo com o crescimento da medicina estética(acho que dá pra dizer que todo o mercado da medicina está crescendo, simplesmente porque a renda aumentou e as pessoas estão podendo se preocupar mais com a saúde sem esperar que adoeçam)
Salários mais altos não resolvem o problema, que é bem mais complexo, envolvendo estrutura local, falta de atrativo de morar em interiorzão, falta de um plano de carreira, saber que realmente vai receber (1), etc..

Osler, Sobre as provas, tenho até medo de clicar nisso, lol.
Não tenha não, as questões estão bem formuladas (fiz a prova quase toda) e achei que tem um apanhado geral muito bom.

Mas minhas dúvidas a respeito do Revalida é porque ele é recente mesmo. Parece que antigamente essa revalidação de diplomas do exterior era feita de maneira independente por cada universidade. Seria interessante uma comparação entre o índice de aprovação no sistema antigo e no novo.
Um dos objetivos da criação do Revalida foi justamente uniformizar os padrões de exigência, antes cada um fazia de uma maneira.  Também não tenho a estatistica antiga para lhe falar (nem sei onde procurar)

Mas parece que ainda há diferenças entre o modelo adotado na formação de médicos daqui e de Cuba(no brasil mais específica, e lá com ênfase numa formação mais geral).
Na verdade a formação aqui na teoria também tem ênfase geral, apesar de na prática (atualmente) estar mais voltada para passar na prova de Residência (2)


E também não descarto que os números de saúde sobre Cuba são melhores que os nossos, segundo a própria ONU, e assim o que é feito lá não me parece assim tão inadequado por princípio.
Os números pela OMS são amplamente favoráveis a Cuba, a atenção primária que é universalizada lá é uma das responsáveis.  Isso não significa que nas outras competências inerentes a profissão médica a coisa funcione bem.

Parece que tudo que envolve a Medicina em Cuba é meio místico e a avaliação varia conforme o espectro político, com a esquerda considerando que médicos cubanos teriam forças mediúnicas ou quase um poder de cura através do toque, enquanto a direita considera que seriam todos carniceiros a serviço de um projeto globalista para disseminar o comunismo. Eu acredito que isso não seja apenas uma questão de opinião.
Tudo que envolve Cuba tem esse apelo aqui no Brasil


Sobre a imprensa(PIG! PIG!PIG!!) em geral

Entre os pontos que eu não vi nenhum dos articulistas da imprensa que estão metendo o pau no projeto falarem, é de que no passado já houve programas semelhantes por iniciativas de prefeituras e governos estaduais. Deu certo? Gente morreu? Não foi pra frente?
Se naõ me engano foi um governo de estado que usou médicos cubanos em maior escala, já teve reportagens na imprensa a esse respieto, só não me lembro de ter visto estatísticas disso

 
E projetos com médicos cubanos de outros países? Funcionam?
Deve funcionar, a única questão é saber qual o comparativo utilizao.  Se eu pego uma região que não tem nenhum médico e coloco um, os indicadores de saúde devem melhorar mesmo se ele for muito ruim.

Ou, pra usar um tema atual, só recorrem a comparação com outros países na hora defender a mudança da maioridade penal? (às vezes com confusão entre maioridade penal a idade de responsabilidade criminal). Nada. Tudo é ineditismo do PT pra tomar o poder.
  Naõ sei se isso faz parte de um plano para o PT tomar o poder, minha critica nem passa por aí.

20% da prova subjetiva já é um insulto a formação médica devido à questão 4, olha o gabarito disso:
Citar
As unidades são georeferenciadas, o que facilita o diagnóstico comunitário, o reconhecimento do potencial da comunidade (aparelhos sociais já existentes) e a implementação das ações.

Acesso universal da população, que permite que os usuários busquem as unidades independentemente de situações específicas de adoecimento.

Contato longitudinal com os usuários, o que amplia a adesão individual e coletiva às propostas de cuidado integral.

Integralidade do cuidado como norteador da atenção à saúde, valorizando, em todas as oportunidades de contato com os profissionais de saúde, a promoção da saúde.

Participação de equipe multiprofissional, que permite a construção de propostas que identificam necessidades diversas e oferecem alternativas diversas aos usuários.
Regurgitar groselha comunista agora vale por 20% da formação médica esperada dos estrangeiros. Conhecimento técnico que é bom...

Parcus, acho que ce tá exagerando. 
Primeiro que a 20% da porva não é subjetiva, as perguntas dissertativas na sua mairoria versam sobre assutnos técnicos.
Segundo que organização de saúde, sanitarismo, estatística, etc.. fazem parte do currículo médico, que justamente visa uma formação ampla do profissional
Terceiro que a pergunta é:
 
Citar
a) apresente três ações de trabalho, em saúde da família, que facilitem a adesão da comunidade a uma proposta de promoção da saúde. Justifique cada uma das ações propostas
  que não me parece com na comunista, apenas uma pergunta técnica sobre organização de sáude atual.  A pergunta não faz juízo de valor sobre se isso é certo, errado, apenas pede conhecimentos adiquiridos (teoricamente) durante um curso médico regular no Brasil.

(1) - essas propostas que volta e meia aparecem de médicos ganhando 40.000 para trabalhar no interior, e que sempre chamam a atenção da população, são de alto risco.  Normalmente quando muda o governo esses contratos não são renovados, então o cara que mudou a vida dele inteira para se meter nos cafundos do Judas tem de refazer a vida dele e da família tudo de novo.  Fora que é muito comum de pois de uns dois meses o salário atrasar, vir a menos, etc...
(2) - Já na minah época de formando, há mais de 20 anos, o último ano que deveria ser de internato, onde os alunos teriam contato mais intimo com a pratica médica, era dedicado ao estudo para as provas de residência.  Algumas matérias se escolhia pois os propriso staffs liberavam pro sujetio ir para casa estudar.  Atualmente temos cursinhos, como os pré vestibulares, que custam uma fortuna e que adestram os estudantes a passar no concurso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 14 de Maio de 2013, 11:19:42
heheh, acabei de postar quase ao mesmo tempo que o Angelo, só que ele escreve melhor que eu...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 14 de Maio de 2013, 11:27:44
em que pilares (nomes técnicos) são classificadas a saúde?

Entendi que a atenção primária é aquela aplicada na prevenção de doenças, com uma capilaridade muito grande. Não demanda grandes especialidades nem equipamentos avançados.

Tem a vacinação também, tem a parte de atendimento a doenças e pronto socorro. Quais são os nomes técnicos? Há mais alguma coisa?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 14 de Maio de 2013, 11:29:06
20% da prova subjetiva já é um insulto a formação médica devido à questão 4, olha o gabarito disso:
Citar
As unidades são georeferenciadas, o que facilita o diagnóstico comunitário, o reconhecimento do potencial da comunidade (aparelhos sociais já existentes) e a implementação das ações.

Acesso universal da população, que permite que os usuários busquem as unidades independentemente de situações específicas de adoecimento.

Contato longitudinal com os usuários, o que amplia a adesão individual e coletiva às propostas de cuidado integral.

Integralidade do cuidado como norteador da atenção à saúde, valorizando, em todas as oportunidades de contato com os profissionais de saúde, a promoção da saúde.

Participação de equipe multiprofissional, que permite a construção de propostas que identificam necessidades diversas e oferecem alternativas diversas aos usuários.
Regurgitar groselha comunista agora vale por 20% da formação médica esperada dos estrangeiros. Conhecimento técnico que é bom...

Descentralização, atendimento integral, participação da comunidade são diretrizes estabelecidas na Constituição Federal (art 198) para a saúde pública brasileira. Além disso, o SUS também tem como princípios a universalidade, promoção de acesso igualitário, eqüidade e regionalização, enquanto longitudinalidade e coordenação são alguns dos princípios da atenção primária à saúde, o modelo de saúde pública (juntamente com o PSF) adotado no Brasil.

Isso não é groselha comunista, é matéria de medicina preventiva - ou seja, conhecimento técnico - também cobrado nos exames de residência médica aqui do Brasil. De alguém que venha do exterior para trabalhar no Brasil o mínimo que se espera é que saiba como está estruturado (ou deveria estar, em um caso ideal) o sistema de saúde brasileiro.
SUS = comunismo. E se você acha que a existência do SUS é errada e deve ser abolida, como você fica? Já perde pontos só por ter uma ideologia diferente?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 14 de Maio de 2013, 11:37:43
Osler, todos os itens aí são muito mais voltados a burocratas do ministério da saúde do que avaliar de fato como é o médico atua na prática. Essa groselha toda não reflete em nada na prática profissional.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 14 de Maio de 2013, 11:44:41
20% da prova subjetiva já é um insulto a formação médica devido à questão 4, olha o gabarito disso:
Citar
As unidades são georeferenciadas, o que facilita o diagnóstico comunitário, o reconhecimento do potencial da comunidade (aparelhos sociais já existentes) e a implementação das ações.

Acesso universal da população, que permite que os usuários busquem as unidades independentemente de situações específicas de adoecimento.

Contato longitudinal com os usuários, o que amplia a adesão individual e coletiva às propostas de cuidado integral.

Integralidade do cuidado como norteador da atenção à saúde, valorizando, em todas as oportunidades de contato com os profissionais de saúde, a promoção da saúde.

Participação de equipe multiprofissional, que permite a construção de propostas que identificam necessidades diversas e oferecem alternativas diversas aos usuários.
Regurgitar groselha comunista agora vale por 20% da formação médica esperada dos estrangeiros. Conhecimento técnico que é bom...

Descentralização, atendimento integral, participação da comunidade são diretrizes estabelecidas na Constituição Federal (art 198) para a saúde pública brasileira. Além disso, o SUS também tem como princípios a universalidade, promoção de acesso igualitário, eqüidade e regionalização, enquanto longitudinalidade e coordenação são alguns dos princípios da atenção primária à saúde, o modelo de saúde pública (juntamente com o PSF) adotado no Brasil.

Isso não é groselha comunista, é matéria de medicina preventiva - ou seja, conhecimento técnico - também cobrado nos exames de residência médica aqui do Brasil. De alguém que venha do exterior para trabalhar no Brasil o mínimo que se espera é que saiba como está estruturado (ou deveria estar, em um caso ideal) o sistema de saúde brasileiro.
SUS = comunismo. E se você acha que a existência do SUS é errada e deve ser abolida, como você fica? Já perde pontos só por ter uma ideologia diferente?

O concurso exige que o candidadto tenha conhecimento da organização e da filosofia que embasa o setor em que vai trabalhar , algo óbvio e correto.
Se você acha que SUS é comunismo não faça prova para qualquer concurso público na área da Saúde , oras.
Se você acha que o SUS é errado e deve ser abolido se organize com quem pensa e igual e lute contra ( boa sorte !).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 14 de Maio de 2013, 11:59:43
SUS = comunismo. E se você acha que a existência do SUS é errada e deve ser abolida, como você fica? Já perde pontos só por ter uma ideologia diferente?
Questões objetivas em concursos públicos não querem saber o que você acha, e sim o que você sabe.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 14 de Maio de 2013, 12:02:25
Mas se espera que a prova sirva para testar a qualificação médica, não qualquer arbitrariedade sem propósito.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 14 de Maio de 2013, 12:54:56
Mas se espera que a prova sirva para testar a qualificação médica, não qualquer arbitrariedade sem propósito.

Conhecer a estrutura organizacional da instituição na qual está pleiteando trabalhar é arbitrariedade sem propósito?
Ainda mais  que , como funcionário público de nível superior ,poderá adiante assumir cargo de chefia / gestão ?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 14 de Maio de 2013, 13:09:31
Mas se espera que a prova sirva para testar a qualificação médica, não qualquer arbitrariedade sem propósito.

Conhecer a estrutura organizacional da instituição na qual está pleiteando trabalhar é arbitrariedade sem propósito?
Ainda mais  que , como funcionário público de nível superior ,poderá adiante assumir cargo de chefia / gestão ?
Continuam sendo afirmações vazias e sem valor prático, mesmo para "gestores" e "chefes". E não há por que exigir que médicos estrangeiros sejam preparados para serem burocratas em um sistema ineficiente e que nem deveria existir.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 14 de Maio de 2013, 13:44:49
também acho que um técnico que será contratado não precisa concordar com a ideologia (que nem deveria existir) de um órgão de saúde.

Achei o texto tosco e sem nexo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 14 de Maio de 2013, 13:50:31
também acho que um técnico que será contratado não precisa concordar com a ideologia (que nem deveria existir) de um órgão de saúde.

Achei o texto tosco e sem nexo.

Sua empresa não tem "Missão, Visão e Valores"?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 14 de Maio de 2013, 14:02:32
Tem, mas não sou questionado ou confrontado com eles no momento da contratação.

Acho que reconhecer o potencial da comunidade e dos aparelhos sociais é secundário em relação a "o que fazer quando o cidadão está com ...."
Se um grande médico acha o serviço público cara e sem futuro, ainda assim ele deveria ser contratado, não?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Temma em 14 de Maio de 2013, 14:06:36
Saber é diferente de concordar. Em seu íntimo ninguém precisa concordar com nada, mas as empresas precisam fazer um filtro de acordo com sua missão e valores, como disse o DiegoJaf.


Se vc não se aguenta em dizer que "SUS é comunismo, nem deveria existir", nem faça a prova.



Osler,

Obrigado por seus esclarecimentos. Quanto à prova, é que eu não sou médico, mas vou dar uma olhada por curiosidade (já que o assunto agora passou a ser a parte subjetiva da prova)


Sobre a parte do PT e da imprensa, foi um comentário mais geral, não dirigido a sua pessoa. Pelo contrário, suas observações me pareceram muito mais técnicas e sem viés ideológico contra ou a favor o PT/PIG/Cuba  :ok:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 14 de Maio de 2013, 14:20:35
Saber é diferente de concordar. Em seu íntimo ninguém precisa concordar com nada, mas as empresas precisam fazer um filtro de acordo com sua missão e valores, como disse o DiegoJaf.
...

O que saber essas coisas vai influenciar na contratação de um bom profissional ou não?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 14 de Maio de 2013, 14:20:41
Tem, mas não sou questionado ou confrontado com eles no momento da contratação.

Sério? Todas as empresas que conheço perguntam na entrevista se o pretendente à vaga tem conhecimento sobre a empresa, suas normas, seus valores, etc... Pelo menos as 3 grandes onde ralei perguntavam isso. McDonald's (meu primeiro emprego, minha primeira queimadura de terceiro grau), Fiat e uma terceira que faliu (depois de desviar R$1bi).

E não era só o pessoal que exercia a atividade de chefia, mas do estagiário, do faxineiro, passando pelo cara que consertava ar condicionado, o pessoal que ralava na linha, etc.

Acho que reconhecer o potencial da comunidade e dos aparelhos sociais é secundário em relação a "o que fazer quando o cidadão está com ...."
Se um grande médico acha o serviço público cara e sem futuro, ainda assim ele deveria ser contratado, não?

Se o que guia e dá a uma empresa objetivos claros de para onde se está indo (afinal, existe isso em administração, certo?) são estes princípios de "MVV", nada mais normal do que exigir que quem vá fazer parte dessa estrutura, conheça estes princípios.

Eu não preciso aceitar a doutrina majoritária e jurisprudencial hoje que diz que o crime de estupro é ação pública condicionada à representação da vítima. Mas se eu planejo trabalhar na empresa que tem estes valores, eu preciso pelo menos saber que eles tratam esse tema dessa determinada maneira.

O cara sendo um grande médico, vai ser contratado porque (creio eu), a parte sobre "MVV" ou "ideológica" da prova deve ser mínima ou ainda ter peso menor diante do conhecimento técnico específico, como é em todas as provas de concurso público, então, neste caso o que vai acontecer é que servirá de critério de desempate, assim como tratamo no tópico sobre o perfil do Facebook e a contratação por empresas. É crucial? Não. Mas se tivermos dois candidatos em igualdade de condições, aquele que conhecer melhor a empresa em que pleiteia uma vaga, irá vencer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 14 de Maio de 2013, 14:41:19
Não é como eu argumentar a favor do capitalismo em uma entrevista para uma empresa norte-americana, dão isso como irrelevante.

A missão de empresas normalmente se dá sobre temas bem neutros e consensuais. O que costumam perguntar é seu conhecimento de gestão, seu conhecimento em industrias específicas, seu conhecimento funcional e técnico, seu relacionamento.. e pescar coisas sobre motivação e caráter. Não vejo nada análogo ao que vi nesse texto.

Sobre o critério de desempate, essas questões a mais funcionam como questões a mais, que poderiam ser outras questões mais de acordo com a finalidade.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 14 de Maio de 2013, 14:47:31
O Revalida é um aprova para demostrar conhecimentos gerais sobre medicina que demostre que o médico diplomado no exterior tenha uma qualificação equivalente ao formado no Brasil.
Não é um "teste para emprego", o cara pode passar no Revalida e fazer consultorio, trabalhar em empresas farmacêuticas, em hospitais particulares, no serviço público, ser médico legista, sanitarista etc...
Então a abordagem é conhecimento abrangente, uma das críticas a formação médica brasileira é que muita gente sai da faculdade com o conhecimento muito direcionado a "pretensa" área de atuação, quando o enfoque deveri ser uma formação generalista.
Quanto de conhecimento que aprendemos na faculdade utilizamos na prática diária?  Eu sou um bom Clínico e não faço parto há mais de 20 anos, não faz falta nenhuma não saber Obstetrícia em minucias.  MAs ao estudante recem-formado (ou revalidado) a prova tem de ser abrangente pois server para todos.

Se eu tenho um serviço como um CTI é óbvio que ao entrevistar um candidato vou focar minha atenção na expertise em Terapia Intensiva, mas não é o caso do Revalida.

Ademias não é exigido do candidato concordar com as diretrizes da saúde pública, nem é pedido que faça juízo de valor, apenas que conheça parte integrante do currículo de qualquer curso médico brasileiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 14 de Maio de 2013, 14:56:15
Não é como eu argumentar a favor do capitalismo em uma entrevista para uma empresa norte-americana, dão isso como irrelevante.

A missão de empresas normalmente se dá sobre temas bem neutros e consensuais. O que costumam perguntar é seu conhecimento de gestão, seu conhecimento em industrias específicas, seu conhecimento funcional e técnico, seu relacionamento.. e pescar coisas sobre motivação e caráter. Não vejo nada análogo ao que vi nesse texto.

Sobre o critério de desempate, essas questões a mais funcionam como questões a mais, que poderiam ser outras questões mais de acordo com a finalidade.

Olha, eu li a prova e pra mim soou como grego, ou seja, linguagem técnica pra quem entende do assunto.

Se sua crítica é só quanto a essa questão 4, eu achei ela extremamente prática e aplicável ao dia a dia de quem vai conviver com diversos desafios em questão de infra estrutura e planejamento de atividades.

E "social" e "comunitário" não são de forma alguma palavras exclusivas da esquerda, apesar de as vermos tão associadas à política populista que isso possa causar estranhamento quando elas são utilizadas em um contexto não ideológico.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Maio de 2013, 15:29:27
Epidemiologia é uma área da medicina simplesmente enxarcada de comunismo. Tentam colocar doenças como questões que afligem o coletivo, obscurecendo o fato de que a transmição/aquisição é sempre individual. A esquerda precisa sempre tentar tornar o indivíduo em algo insignificante, para que possa ser mais facilmente manipulado, se veja apenas como parte de uma massa. E que ferramenta pode ser usada para controlar as massas? O medo. Medo de "epidemias", "pandemias", que por alguma razão nunca acontecem. Mas isso não impede os burocratas de usarem o alarmismo para justificarem sua própria utilidade e escravizarem a população sob suas regras. 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Maio de 2013, 19:01:00
Tem, mas não sou questionado ou confrontado com eles no momento da contratação.

Acho que reconhecer o potencial da comunidade e dos aparelhos sociais é secundário em relação a "o que fazer quando o cidadão está com ...."
Se um grande médico acha o serviço público cara e sem futuro, ainda assim ele deveria ser contratado, não?

Aí que você se engana redondamente. Quem vai trabalhar em uma unidade básica de saúde não precisa se preocupar apenas com "o que fazer quando o cidadão está com ....". Não é apenas fazer o diagnóstico, prescrever o medicamento e tchau e benção, o paciente que se vire daí em diante.

Os pacientes das UBS, principalmente os das regiões mais carentes, não vêm com um problema de saúde, vêm com todo um pacote. Não é "o cidadão que está com...", mas "o cidadão que está com...", como resultado ficou imobilizado em uma cadeira de rodas e por causa disso perdeu o emprego, única fonte de renda da família, o que ocasionou um quadro de depressão, começou a beber, e por causa da imobilização está com uma úlcera de pressão no sacro. Precisa de cuidados médicos mais avançados, mas não tem como se locomover do seu barraco para o tratamento e a fisioterapia. E para completar, devido às dificuldades financeiras ocasionadas, o filho começou a se envolver com o tráfico.

Um quadro desses, muito comum, significa eficácia zero se o médico for apenas um técnico que dispensa medicamentos para um problema, já que o paciente não vai ter nem seguir o tratamento que precisa, o que é o mesmo que não ter médico nenhum. Quem trabalha em unidades básicas de saúde tem que saber como funciona a referência e a contra-referência para os níveis secundário e terciário, tem que saber coordenar uma equipe multidisciplinar de enfermeiros, dentistas, assistentes sociais, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, tem que saber determinar a rede de apoio da comunidade para esse paciente, o que envolve sim, conhecer o potencial da comunidade e dos aparelhos sociais.

A questão do revalida não é apenas um bla-bla-bla teórico sem utilidade, são questões práticas que um médico vai enfrentar e ter que buscar soluções se for trabalhar em uma unidade básica de saúde, que vão muito além de prescrever uma medicação e achar que o problema está resolvido. É o dia-a-dia dele.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Maio de 2013, 19:19:50
em que pilares (nomes técnicos) são classificadas a saúde?

Entendi que a atenção primária é aquela aplicada na prevenção de doenças, com uma capilaridade muito grande. Não demanda grandes especialidades nem equipamentos avançados.

Tem a vacinação também, tem a parte de atendimento a doenças e pronto socorro. Quais são os nomes técnicos? Há mais alguma coisa?

Atenção primária não é apenas prevenção. Essa é uma parte fundamental, mas não a única. Idealmente a atenção primária é a porta de entrada para o sistema de saúde e deve ser capaz de resolver cerca de 80% dos problemas de saúde mais prevalentes na comunidade. Além disso, funciona como uma "triagem" encaminhando os casos que necessitam dos cuidados da Atenção secundária (especialistas, procedimentos de média complexidade) e terciária (altamente especializados, procedimentos altamente complexos).

Se funcionasse direito no Brasil, como funciona em outros países como a Inglaterra, deveria desafogar os PS (dos que procuram esses serviços como "consulta de ambulatório") absorvendo os 80% de problemas e controlar e prevenir problemas antes que surjam ou se agravem, ou seja, controlar uma hipertensão, diabetes e dislipidemia antes dos AVCs, enfartos, cegueira, amputações, aposentadoria por invalidez ou morte, economizando milhares de reais a mais que devem ser gastos para cuidar desses problemas e suas conseqüências.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 14 de Maio de 2013, 21:17:50
em que pilares (nomes técnicos) são classificadas a saúde?

Entendi que a atenção primária é aquela aplicada na prevenção de doenças, com uma capilaridade muito grande. Não demanda grandes especialidades nem equipamentos avançados.

Tem a vacinação também, tem a parte de atendimento a doenças e pronto socorro. Quais são os nomes técnicos? Há mais alguma coisa?

Atenção primária não é apenas prevenção. Essa é uma parte fundamental, mas não a única. Idealmente a atenção primária é a porta de entrada para o sistema de saúde e deve ser capaz de resolver cerca de 80% dos problemas de saúde mais prevalentes na comunidade. Além disso, funciona como uma "triagem" encaminhando os casos que necessitam dos cuidados da Atenção secundária (especialistas, procedimentos de média complexidade) e terciária (altamente especializados, procedimentos altamente complexos).

Se funcionasse direito no Brasil, como funciona em outros países como a Inglaterra, deveria desafogar os PS (dos que procuram esses serviços como "consulta de ambulatório") absorvendo os 80% de problemas e controlar e prevenir problemas antes que surjam ou se agravem, ou seja, controlar uma hipertensão, diabetes e dislipidemia antes dos AVCs, enfartos, cegueira, amputações, aposentadoria por invalidez ou morte, economizando milhares de reais a mais que devem ser gastos para cuidar desses problemas e suas conseqüências.


Não é justamente onde Cuba é referencia, no tratamento preventivo?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 14 de Maio de 2013, 21:33:02
Epidemiologia é uma área da medicina simplesmente enxarcada de comunismo. Tentam colocar doenças como questões que afligem o coletivo, obscurecendo o fato de que a transmição/aquisição é sempre individual. A esquerda precisa sempre tentar tornar o indivíduo em algo insignificante, para que possa ser mais facilmente manipulado, se veja apenas como parte de uma massa. E que ferramenta pode ser usada para controlar as massas? O medo. Medo de "epidemias", "pandemias", que por alguma razão nunca acontecem. Mas isso não impede os burocratas de usarem o alarmismo para justificarem sua própria utilidade e escravizarem a população sob suas regras.
:histeria:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Maio de 2013, 21:34:10
Não é justamente onde Cuba é referencia, no tratamento preventivo?

Sim. Por outro lado são também referência em criminalizar a crítica ao sistema, então possivelmente a presença especificamente de médicos cubanos não deve ser muito significativa nesse aspecto, seria mais o caso de controle social da comunicação.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Maio de 2013, 21:42:35
Não é justamente onde Cuba é referencia, no tratamento preventivo?

Sim, se você considerar que os dados divulgados são confiáveis.

É exatamente isso que explicaria o aparente paradoxo de uma ilha sem recursos apresentar os índices de saúde acima da média da América Latina (mais uma vez, se eles forem realmente confiáveis). A ênfase em medicina preventiva, muito mais barata, garantiria uma boa eficiência para uma grande parcela de problemas.

Claro, isso não torna a medicina de Cuba boa como um todo. É de se suspeitar que, para aqueles que necessitam da atenção secundária ou terciária, seja uma verdadeira bomba.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 17 de Maio de 2013, 17:26:16
Brasil quer contratar médicos portugueses para trabalharem nas zonas mais pobres (http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/brasil_quer_contratar_medicos_portugueses_para_trabalharem_nas_zonas_mais_pobres.html)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Maio de 2013, 20:06:58
É comum esse tipo de imposição do lado do emrpegador, do contratado ter que ficar por no mínimo 3 anos no local?

Imagino que diante do empregador ser o estado, e os empregados estrangeiros, a situação seja ainda mais delicada.


...

Não estou dizendo, "[Arcanjo+Parcus+Rhyan] vejam só, é mais uma mostra de que esses petisto-comunistas querem estender seu domínio para além das fronteiras do Brasil, começando por escravizar os médicos, depois ainda a esquerdumalha vai reclamar da situação dos ilegais nos EUA, mas pelo menso esses não são escravizados pelo próprio governo [...] [/Arcanjo+Parcus+Rhyan]". Só parece que é uma condição que deixa as pessoas que a consideram com sérias dúvidas. Talvez melhor fosse um "período de teste" menor, mas que também não fosse [A+P+R] só turismo para estrangeiros simpatizantes do comunismo bancado com dinheiro público [/A+P+R].
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 18 de Maio de 2013, 08:14:30
É comum esse tipo de imposição do lado do emrpegador, do contratado ter que ficar por no mínimo 3 anos no local?

Imagino que diante do empregador ser o estado, e os empregados estrangeiros, a situação seja ainda mais delicada.


...

Não estou dizendo, "[Arcanjo+Parcus+Rhyan] vejam só, é mais uma mostra de que esses petisto-comunistas querem estender seu domínio para além das fronteiras do Brasil, começando por escravizar os médicos, depois ainda a esquerdumalha vai reclamar da situação dos ilegais nos EUA, mas pelo menso esses não são escravizados pelo próprio governo [...] [/Arcanjo+Parcus+Rhyan]". Só parece que é uma condição que deixa as pessoas que a consideram com sérias dúvidas. Talvez melhor fosse um "período de teste" menor, mas que também não fosse [A+P+R] só turismo para estrangeiros simpatizantes do comunismo bancado com dinheiro público [/A+P+R].

Em certos órgãos públicos (ex: Polícia Federal e Receita Federal), se não me engano, o contratado só pode  pedir transferência depois de um determinado período de tempo (acho que são 5 anos), justamente para favorecer a ida para locais menos desejados... provavelmente os médicos teriam que seguir a mesma regra.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 18 de Maio de 2013, 10:09:19
Brasil quer contratar médicos portugueses para trabalharem nas zonas mais pobres (http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/brasil_quer_contratar_medicos_portugueses_para_trabalharem_nas_zonas_mais_pobres.html)

Curioso que Portugal é citado como um dos países que também importaram médicos de Cuba para trabalhar nas suas regiões mais indesejáveis. Se os médicos portugueses não aceitam esse papel em seu próprio país, recebendo em euro e provavelmente em melhores condições de trabalho, quem foi o gênio que achou que aqui no Brasil eles irão fazer isso?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Maio de 2013, 11:27:55
...

Não vejo problema em contratar estrangeiros, mesmo cubanos, desde que cumpram as mesmas normas exigidas dos médicos brasileiros. Sou contra é contratarem cubanos sem comprovação de capacitação profissional apenas por ideologia.

Uma coisa que vi na internet, não sei se é realmente assim, mas acredito que sim:  O governo brasileiro pagaria salários não diretamente ao médico, mas ao governo cubano que depois repassaria apenas 10% do valor mais uma ajuda de custo à família que ficou em Cuba e embolsaria o restante.

Acredito que é verdade pois sei que a grana enviada por cubanos que vivem em Miami a familiares fica retida pelo governo cubano que repassa só uns trocados ao destinatário final.

Encurtando, se for verdade é apenas uma forma dos petistas enviarem dinheiro a Cuba.

Já repararam que ninguém cobra o calote que a Venezuela deu na Petrobras, que vivem enviando grana para países alinhados ideologicamente com o PT para obras que ninguém daqui fiscaliza?

Outra coisa que comentaram, o custo por cada médico cubano seria maior que o salário pago a brasileiros que trabalham no setor público, então essa de que falta mão de obra em cidades afastadas por que não existe verba para pagar melhor é conversa fiada, se podem contratar estrangeiros por um valor mais alto é óbvio que existem verbas para pagar melhor os médicos brasileiros.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Muad'Dib em 18 de Maio de 2013, 11:48:57
Não é verdade Arcanjo, os salários seriam  pagos aos profissionais. Se não como eles viveriam no brasil? Além do salário pago à Cuba eles iriam receber um "auxílio-sobrevivência"? Besteira.

Isso é mais um remendo da política petista. Nada contra contratar profissionais de outros países, mas somente como um paliativo. Investir em educação (sempre a educação!), melhorar os salários no serviço público de saúde, melhorar as condições de trabalho e mais todas aquelas atitudes que político nenhum toma porque, mesmo sendo as únicas que realmente resolveriam o problema, elas são do tipo que só respondem a médio e longo prazo, medidas essas que não contribuem para ganhos políticos. Como os palhaços só pensam em ganhos políticos vale mais uma medida que, mesmo não resolvendo porra nenhuma, impressiona o zé-povim e rende votos.

Pode chamar dois milhões de Doutores Houses, se não tiver condições eles não vão atuar no máximo de seus potenciais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Maio de 2013, 12:35:27
Sim, eu comentei que não sabia até a que ponto poderia ser real ou não, não encontrei fontes confirmando.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 18 de Maio de 2013, 17:56:52
Pode chamar dois milhões de Doutores Houses, se não tiver condições eles não vão atuar no máximo de seus potenciais.
E não vão mesmo, eu acho que médicos e outros profissionais formados com o dinheiro público deviam ter que passar pelo menos 2 anos em locais determinados, poderia ser até uma escolha ao entrar no curso, e poderia ser mudado ao longo deste, mas já que temos uma demanda e falta de médicos que topam trabalhar longe dos grandes centros, regras nesse sentido seriam bem vindas ( não pelos médicos, é claro ). E para falar a verdade no Estado de São Paulo o interior tem sobra de médicos, é vantajoso trabalhar na sua cidade natal, e as pessoas podem pagar, ou tem planos que pagam. Já no resto do país não sei.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 18 de Maio de 2013, 20:16:15
Não leu a parte de que é a falta de estrutura é que causa essa falta de médicos? Não adianta nada obrigar um médico a trabalhar no interior. Não é questão de "topar".

A solução mais lógica é dar equipamentos a hospitais, remédios etc para o interior e não ficar importando médicos. Se tem dinheiro pra importar médico, deve ter dinheiro pra estruturar hospitais.

Citação de: Luiz Souto
Quem já passou por situações de ter de realizar atendimentos sem condições por falta de estrutura ( como um amigo meu que teve que fazer uma cesariana com anestesia local por ausência de anestesista e capacidade de remoção da paciente) sabe que não há dinheiro que pague o estresse.

Citação de: Angelo Melo
Por ano se formam 16000 médicos no Brasil. Então não é importando 6000 que você vai resolver o problema. A questão não é a falta de médicos, como alardeia essa corja para justificar a entrada de estrangeiros. A questão é a má distribuição deles, um assunto complexo que passa desde a tendência natural dos formados de permanecer em grandes centros como a completa falta de assistência e estrutura nas tais regiões com falta de médico. Não há plano de carreira, não há condições de trabalho. Não há sequer garantia que, passando em um concurso para trabalhar nessas cidades você vá receber o que foi acordado.

O problema é que a área da saúde pública deve ser uma das mais corrompidas, cheia de desvios de dinheiro, com má gestão...

As pessoas tem que parar de falar/pensar que no Brasil não tem dinheiro pra fazer um sistema de saúde decente (com hospitais decentes, postos de saúde decentes), porque tem. É mais de 1 trilhão de reais em impostos todo ano. 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 18 de Maio de 2013, 20:39:41
Aliás hoje saiu mais um escândalo no SUS diretamente da mão do governador do Acre (PT, apenas coincidentemente)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 23 de Maio de 2013, 09:49:35
Dados do revalida 2011:

CARACTERIZAÇÃO DOS INSCRITOS

Os inscritos foram diplomados em 26 países:

304 da Bolívia, 140 de Cuba, 56 da Argentina, 45 do Peru, 19 da Colômbia, 17 do Paraguai, 16 da
Espanha, 16 da Venezuela, 14 do México, 9 do Uruguai, 8 do Equador, 6 da Alemanha, 6 da República Dominicana, 4 da Rússia, 3 da Nicarágua, 2 dos EUA, 2 da Itália, 2 da Romênia, 1 da Áustria, 1 da França, 1 da Inglaterra, 1 do Líbano, 1 da Moldávia, 1 do Panamá, 1 da República de El Salvador e 1 do Sri.

Os aprovados foram diplomados em 11 países:
15 são de Cuba, 14 da Bolívia, 13 da Argentina, 6 da Colômbia, 5 do Peru, 4 da Venezuela, 3
do Equador, 2 da Nicarágua, 1 do Paraguai, 1 da Alemanha e 1 da França.


Fonte:  http://www.perubrasil.com/system/embajadabrasil/download/Folder%20Revalida%202011_FINAL.pdf

Bolívia aprovando menos de 5%

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 23 de Maio de 2013, 17:34:07
Citar
140 de Cuba

Citar
15 são de Cuba

Entendi errado ou de 140 cubanos só 15 foram aprovados? Quer dizer que é essa a maravilhosa formação que fez os petistas tentarem impor uma aprovação automática a todos eles?



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 23 de Maio de 2013, 18:28:32
Citar
140 de Cuba

Citar
15 são de Cuba

Entendi errado ou de 140 cubanos só 15 foram aprovados? Quer dizer que é essa a maravilhosa formação que fez os petistas tentarem impor uma aprovação automática a todos eles?

Na verdade aí são os diplomados em Cuba (incluindo brasileiros que estudaram lá)
Por nacionalidade é assim:

Os 677 inscritos são de 28 nacionalidades: 393 do Brasil, 119 da Bolívia, 46 do Peru, 22 da Colômbia, 20 da Argentina, 16 de Cuba, 8 do Uruguai, 7 da República Dominicana, 7 da Venezuela, 6 da Alemanha, 4 do México, 4 da Nicarágua, 4 do Paraguai, 3 do Chile, 3 do Equador, 2 de Cabo Verde, 2 da Espanha, 1 da Áustria, 1 dos EUA, 1 da França, 1 de Israel, 1 da Itália, 1 do Líbano, 1 do Panamá, 1 da República de El Salvador, 1 da Romênia, 1 da Rússia e 1 da Síria.

Os 65 aprovados são de 13 nacionalidades: 31 são de brasileiros, 4 bolivianos, 6 colombianos, 6 argent inos, 3 Peruanos, 1 alemão, 3 cubanos, 3 equatorianos, 3 da Venez
uela, 2 da Nicarágua, 1 Cabo Verdense, 1 francês e 1 Dominicano


Dos 16 Cubanos inscritos, 3 foram aprovados o que dá uns 20% (mas leve-se em conta que a amostragem é muito baixa para inferirmos que o mesmo resultado apareceria em 6000).

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 23 de Maio de 2013, 19:26:45
E tudo isso era médico mesmo, ou teve muita gente que se inscreveu achando que só precisava ensino médio? :hein:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 23 de Maio de 2013, 19:37:00
E tudo isso era médico mesmo, ou teve muita gente que se inscreveu achando que só precisava ensino médio? :hein:

:biglol:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 24 de Maio de 2013, 14:31:07
Citar
Ação contra "importação" de médicos: CFM ingressa na PGR com representação contra três ministros    Imprimir   
Qui, 16 de Maio de 2013 17:56

O Conselho Federal de Medicina (CFM) ingressou nesta quinta-feira (16), na Procuradoria Geral da República (PGR), com uma representação contra os ministros da Saúde, Educação e Relações Exteriores – respectivamente, Alexandre Padilha, Aloízio Mercadante e Antônio Patriota. A entidade quer esclarecimentos sobre supostos projetos e acordos para assegurar a entrada no país de médicos estrangeiros e de brasileiros portadores de diplomas obtidos no exterior. Acesse o documento
 (http://portal.cfm.org.br/images/PDF/representacaocfm_pgr.pdf)
Na representação, a entidade argumenta sobre os riscos da importação de médicos sem critérios. Para o CFM, esta medida fere a autonomia nacional, desrespeita a legislação que regula o ingresso de médicos no país, coloca em risco a qualidade da assistência oferecida à população e não resolve de forma definitiva o atendimento em saúde das áreas de difícil provimento no interior e nas periferias dos grandes centros.

Proteção de direitos - Em sua argumentação, o CFM conclama o Ministério Público a apurar as suspeitas de irregularidade para garantir a proteção dos interesses do cidadão brasileiro.  “Não admitimos uma medicina de segunda para os mais carentes. Até porque quem está no governo, quando adoece, vai para os hospitais de primeira linha – no Rio de Janeiro e em São Paulo – e não se submete aos cuidados dos médicos importados aos lotes”, afirmou o presidente do CFM, Roberto Luiz d’Avila.

Segundo ele, outro ponto polêmico na medida em gestação no Governo se vincula ao desrespeito aos Direitos Humanos. Caso se confirme a vinda de 6 mil médicos cubanos, conforme informado recentemente, estes profissionais teriam  que submeter a um regulamento de trabalho que fere o direito constitucional brasileiro do ir e vir. O presidente do CFM lembrou, inclusive, que em médicos cubanos que participaram de missões semelhantes na Venezuela e na Bolívia e desertaram têm acionado estas nações acusando-as de cumplicidade com situações de trabalho escravo.

Campanha – Também na quinta-feira (16), o presidente do CFM apresentou a imprensa peças da campanha bancada pelos Conselhos de Medicina em favor da criação de uma carreira de Estado para os médicos do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele afirma que esta é a saída para assegurar a interiorização da medicina. “Não faltam médicos no Brasil, mas condições para que eles possam se fixar nos locais de difícil acesso”, argumentou.

Com a implementação desta proposta, os médicos ganhariam uma carreira com estrutura parecida com a dos juízes e promotores, com atuação exclusiva no SUS. Além de remuneração compatível com a responsabilidade da função, esses profissionais teriam asseguradas condições de trabalho (infraestrutura física, equipamentos, insumos), suporte de equipe multidisplinar e apoio de rede de referência para encaminhar pacientes (leitos, exames, etc).

“Os médicos brsileiros querem a possibilidade de exercer a medicina em sua plenitude”, argumentou Roberto d’Avila. Ele acrescentou ainda que os problemas da assistência em saúde não se limitam à falta de médicos.  Em sua avaliação, a má gestão do SUS e o baixo investimento público na saúde são fatores fundamentais para o quadro atual. Por exemplo, na Inglaterra, o governo responde por 84% dos investimentos em saúde. Na Argentina, esse percentual fica em 68%. Enquanto isso, no Brasil, ele bateu na casa dos 44%.

Confira aqui (http://portal.cfm.org.br/images/PDF/representacaocfm_pgr.pdf) a representação na íntegra.

Citar
Conselhos de Medicina divulgam Carta Aberta à presidente Dilma       
Seg, 20 de Maio de 2013 10:34

O Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Regionais de Medicina (CRMs) divulgaram nesta segunda-feira (20) uma Carta Aberta à presidenta Dilma Rousseff pedindo sua mediação na construção de uma resposta que assegure a assistência nas zonas de difícil provimento. No documento, as entidades se dizem surpresas e contrárias a proposta de importar médicos estrangeiros sem a devida revalidação de diplomas, especialmente após o compromisso assumido pela presidente, em 4 de abril, de discutir possíveis soluções com as lideranças as entidades médicas.

A partir do encontro com Dilma, o CFM e CRMs argumentaram que ficou evidente o interesse da presidente em “ampliar o debate em torno da melhora da assistência nas áreas distantes, inclusive com a discussão e análise dos argumentos apresentados, por meio da constituição de Grupos de Trabalho com esta finalidade”. No entanto, completam, “a sociedade tem sido constantemente surpreendida com notícias emitidas por diferentes ministros de Estado dando conta de acordos e propostas com o intuito de facilitar a entrada no Brasil de portadores de diplomas de Medicina emitidos em escolas no exterior”.

Na carta, os Conselhos indicam novamente a disposição dos médicos brasileiros em participar da construção de propostas duradouras e que assegurem assegurar a extensão das conquistas anunciadas na esfera econômica ao campo das políticas sociais, como a criação de uma carreira de Estado para o médico do Sistema Único de saúde (SUS). Para eles, esta é a forma ideal de assegurar a interiorização da assistência à saúde com qualidade e a garantia de valorização do profissional.

Clique aqui (http://portal.cfm.org.br/images/stories/pdf/carta_aberta_dilma.pdf) para acessar a Carta Aberta dos médicos à presidenta Dilma Rousseff e à nação brasileira.
http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23815:conselhos-de-medicina-divulgam-carta-aberta-a-presidente-dilma&catid=3 (http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23815:conselhos-de-medicina-divulgam-carta-aberta-a-presidente-dilma&catid=3)

Citar
CFM apresenta proposta para fixar, de imediato, médicos em locais de difícil acesso       
Qui, 23 de Maio de 2013 18:16

O Conselho Federal de Medicina (CFM) apresentará, na manhã desta sexta-feira (24), uma proposta dos médicos para preencher os vazios assistenciais no interior do país. O documento, que será protocolado no Ministério da Saúde e no Palácio do Planalto, pede a abertura aos médicos formados no Brasil à possibilidade de ocupação dos postos de trabalho existentes nas áreas de difícil provimento, com o atendimento de condições mínimas para a assistência – instalação de infraestrutura adequada e oferta de insumos e equipamentos para diagnóstico e terapia.
 
 Por unanimidade, a proposta foi aprovada pelo Plenário do CFM na tarde desta quinta-feira (23). O propósito do colegiado é que as sugestões sejam recebidas como um sinal do empenho dos médicos brasileiros em atender às necessidades da população, cercando-a de profissionais competentes, comprometidos, bem preparados e estimulados a cumprir sua missão de levar o bem estar e salvar vidas.
 
 No documento, o CFM admite a “importação” de médicos formados no exterior, desde que os candidatos sejam aprovados em exames de validação de diplomas e tenham atestada a fluência em português. As formas imediatas de cobertura assistencial ocorreriam num prazo máximo de 36 meses. Ao final deste período, a entidade sugere que Governo coloque em prática uma proposta efetiva de carreira federal para médicos, enfermeiros, dentistas e farmacêuticos.
 
 Com a adoção dessas medidas, cujo detalhamento será conhecido amanhã, o CFM entende que seriam oferecidos mecanismos seguros para atender a população e fixar os profissionais no interior.
http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23830:cfm-apresenta-proposta-para-fixar&catid=3 (http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=23830:cfm-apresenta-proposta-para-fixar&catid=3)
 

O negrito na primeira noticia é meu .
 Tambem recebi e-mails sobre as condições em que os médicos cubanos são pagos e as limitações a sua liberdade de lir e vir mas não tinha uma fonte independente para checar. Peço visto o CFM tem informações mais embasadas
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 24 de Maio de 2013, 19:16:38

Dos 16 Cubanos inscritos, 3 foram aprovados o que dá uns 20% (mas leve-se em conta que a amostragem é muito baixa para inferirmos que o mesmo resultado apareceria em 6000).



Sim, mas é exatamente o que achei estranho.

Uns aqui dizem que Cuba tem a melhor medicina e coisa tal....então aparece um exame para valer e só 20% conseguem aprovação.  É mais ou menos como pegar as estatísticas das escolas públicas brasileiras com aquela "progressão continuada" mais a qualidade de ensino que nós já conhecemos e afirmar que as escolas são ótimas pela "aprovação de 90%", então o infeliz do aluno vai para outra escola fazer um teste com alunos de escola particular e dá de cara com a realidade, o ensino lá era uma merda.

Eu diria que é mais ou menos isso.

Mas voltando ao assunto, encontrei isso aqui:

Hospital Mazzorra em Cuba:

http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/noticiasfaltantes/comunismo/10937-hospital-mazzorra-cuba-26-assassinados.html

Não é exatamente o hospital em que o Lulla, a Dilma ou o Fidel gostariam de receber tratamento médico, mas que por acaso eles nunca citam quando cantam louvores a Cuba.


Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 24 de Maio de 2013, 19:41:08
E como se escolhem voluntários para "estudar medicina" em Cuba.

http://www.youtube.com/v/KslPYEoUg-A&feature=player_embedded#at=57
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 24 de Maio de 2013, 22:16:54
ehehe, a revolução vem aí, fuja Arcanjo, enquanto é tempo. :hihi:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 25 de Maio de 2013, 15:57:24
ehehe, a revolução vem aí, fuja Arcanjo, enquanto é tempo. :hihi:

Não se preocupe, nos últimos 50 anos todos os que tentaram apoiar a tal revolução acabaram limpando o rabo com o dedo, vivendo do Cesta-voto  e esperando na fila da cesta básica do governo.

Mais uns anos e quando a natureza der cabo dos Castro a sujeirada aparecerá, os cabos eleitorais vagabundos do Bolsa-medicina-do-mst estarão velhos e quem sabe cairão na real, isso se não quiserem morrer na fila do papel higiênico racionado distribuido pelo governo.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Maio de 2013, 19:50:39
Estou um pouco afastado do fórum por causa do trabalho por isso posso acabar escrevendo algo aqui que já possa ter sido posto ou debatido (e não. Não vou ler o tópico desde o início para uma primeira postagem, o que posso fazer depois). Sobre a vinda desses médicos, não há nenhuma novidade. Já se fala sobre isso há muito tempo (não em cubanos especificamente, ainda que também deles) como uma forma de suprir profissionais em áreas de difícil acesso. Em nenhum momento se falou sobre a revogação do exame de revalidação dos diplomas (e eu tenho participado dessas discussões em alguns fóruns), mas em tornar o exame mais realista. Da forma como se encontra é quase impossível passar na prova, independe se você for um médico formado em Cuba, Bolívia, Venezuela, Portugal, Espanha ou EUA, isso faz com que o Brasil tenha uma das menores (se não a menor) relação entre médicos formados no País e os formados no exterior (para comparação, nos EUA gira em torno de 50%).
Em relação aos médicos formados aqui: existe um problema de concentração de mão-de-obra (em capitais, grandes cidades e sul-sudeste) e também há déficit de profissional, ao contrário do que diz o CFM. Isso ocorre porque o CFM baseia o seu cálculo sem considerar que 50% dos médicos são especialistas e o que falta são clínicos generalistas (ainda que algumas especialidades básicas também faltem, como pediatras). Só para a ESF há a necessidade de 80.267 médicos para uma cobertura de 100% da população (considerando o teto de 1:2.450, que ainda é uma relação muito alta) trabalhando 40h semanais, mas ainda há a necessidade de médicos clínicos na AB tradicional, nos serviços de média e alta complexidade, fora os especialistas. Isso tudo somente no serviço público, e isso é um detalhe importante. A relação médico-população do Brasil é uma das menores entre aqueles que possuem um sistema universal.

Por que não se consegue médicos em áreas mais afastadas? Não é uma questão salarial: paga-se 18.000 em alguns municípios do RN e muito mais na Amazônia. Na esmagadora maioria dos municípios se paga caro por um médico de 40h que somente trabalha 8h (dois dias na semana até o meio-dia). E nem seria uma questão de recursos (ainda que isso seja também importante, mas estamos falando apenas de AB em que não será necessária uma neurocirurgia, apenas a garantia de retaguarda), o problema maior é de estrutura do próprio município. Nenhum médico que ir morar em um município sem um cinema, escolas para os filhos, um restaurante decente, shoppings, internet e mesmo algo mais básico como eletricidade ou água (e não recrimino ninguém por isso, eu mesmo não iria).

Existem estratégia para melhorar o problema? Sim. Novas escolas de medicina estão sendo abertas (enfrentando a resistência do CFM), mas levam 6 anos para formar um profissional (e muito mais, se levar em conta o processo para abrir um curso), existe o FIES que o médico abate sua dívida por cada ano trabalhado em municípios que aderiram ao programa, existe o PROVAB que paga uma bolsa de 8.000 reais para atender em municípios com carência de profissionais e dá uma bonificação de 10% na prova da residência (e ainda assim está difícil manter essa turma na linha, evitando que tenham os mesmos vícios dos demais), existe ainda a discussão do serviço civil obrigatório para os formados em escolas públicas.

Concordo com o CFM e o Luiz Souto (com quem já tive o prazer de discutir alguma coisa pessoalmente) em relação a carreira SUS, mas entendo que a proposta apresenta algumas limitações. O que fazer com os profissionais que já possuem vínculo com municípios, por exemplo? Isso implica também em modificar algumas coisas constitucionalmente e tornar a carreira federal ou estadual, mas de onde seriam os recursos para pagamento desse pessoal? A Bahia, por exemplo, usou o sistema de fundação para prover profissionais no estado (o município contrata o profissional da fundação), mas isso não resolveu o problema por lá, resolveria uma carreira SUS estadual/federal? É algo para se discutir.

Finalizando e retomando, ninguém no MS, pelo menos, está falando em abolir o revalida, mas torná-la mais justo (no sentido de não ser apenas uma ferramenta corporativa, mas realmente aferir as condições para trabalhar na área, como já ocorre com a revalidação de diplomas das demais profissões) e usar essa estratégia como uma forma emergencial (na época se falava muito em portugueses e espanhóis, os cubanos apareceram por causa da FNM).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 27 de Maio de 2013, 20:15:55
Citar
Em nenhum momento se falou sobre a revogação do exame de revalidação dos diplomas (e eu tenho participado dessas discussões em alguns fóruns), mas em tornar o exame mais realista.

Então porque entraram na justiça contra essa revogação?

http://www.cetsantacasa.med.br/noticia.asp?codigo=94&COD_MENU=27

Citar
CREMESP vai à Justiça contra revalidação automática de diplomas de médicos formados em Cuba
Fonte: CREMESP e SAESP

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) vem a público manifestar-se de forma contrária à disposição do Governo Federal de revalidar automaticamente os diplomas de bolsistas brasileiros da Escola Latino-Americana de Medicina, de Cuba. O Departamento Jurídico do Conselho inclusive já foi convocado para estudar as medidas legais cabíveis para barrar o acordo, caso este seja, de fato, celebrado.

Gestada nos termos do Protocolo de Intenções na área de Educação, Saúde e Trabalho, firmado em Havana, em 26 de setembro de 2003, entre a República Federativa do Brasil e a República de Cuba, a revalidação automática de médicos brasileiros formados em Cuba traz potencial risco ao atendimento à saúde dos brasileiros.

É temerária não apenas pela diferença curricular como pelo foco específico que os cursos de Medicina de cada país dão aos seus respectivos problemas epidemiológicos. O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo considera extremamente preocupante a incorporação, ao atendimento à saúde do Brasil, de médicos que não se submeteram à prova de revalidação de diploma e que, por conseqüência, podem ter formação inadequada para responder às necessidades da assistência do País.

Outro ponto inadmissível do protocolo de intenções de Brasil e Cuba diz respeito à liberação ampla, geral e irrestrita para que os próprios médicos cubanos possam trabalhar no País sem comprovar plena habilitação para atender às demandas de saúde de nossos cidadãos e às suas particularidades. O inexplicável privilégio consta do artigo 6º da carta de intenções de 26 de setembro de 2003, que estabelece:

Os profissionais cubanos da área de saúde que já estiverem no Brasil, com visto de trabalho concedido pelo Ministério do Trabalho e Emprego, poderão ter seus vistos prorrogados por mais dois anos ou até que tenham sido implementadas as medidas legais ou administrativas que visem ao registro dos diplomas de graduação e pós-graduação stricto sensu, na área de saúde, expedidos pelas universidades cubanas, mediante a apresentação, ao Ministério da Justiça, do protocolo de requerimento de registro de seus diplomas.

O precedente que ora se acena abrir para Cuba, além de risco iminente à saúde dos brasileiros, pode gerar uma avalanche de pedidos de semelhante tratamento por parte de países da América Latina e de outros de língua portuguesa. O resultado seria uma imigração em massa que reduziria ainda mais o mercado de trabalho dos médicos e aviltaria, também mais, os vis honorários praticados hoje.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo defende que esses profissionais, assim como quaisquer outros formados fora do País, inclusive os brasileiros, têm de passar obrigatoriamente pelo exame de revalidação, para que seja atestada a adequação às características do sistema de saúde do Brasil.

A Medicina lida com vidas humanas e, portanto, não pode ter seu destino pautado por interesses supostamente diplomáticos, e muito menos por questiúnculas partidárias e ideológicas.

Santos, Segunda-Feira  27 de Maio de 2013

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 20:38:01
'Brasil não está nos tratando com dignidade'


http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,brasil-nao-esta-nos-tratando-com-dignidade-,1034214,0.htm



Médicos de Portugal rejeitam a proposta feita pelo Ministério da Saúde de abrir vagas temporárias no interior do Brasil e acusam o governo brasileiro de não tratar os portugueses com "dignidade". Presidente da Ordem dos Médicos de Portugal, José Manuel Silva alerta que dificilmente um profissional do país aceitará as condições impostas e diz que o plano do ministro Alexandre Padilha é "desprestigiante".

Como os portugueses receberam a proposta brasileira? Essa proposta deixa os médicos portugueses confinados a uma região. Não é uma forma de tratar com dignidade profissionais portugueses. Há muitos médicos brasileiros em Portugal e não fizemos isso com eles. O que o Brasil oferece é desprestigiante. A qualidade dos profissionais em Portugal é alta e a proposta desconsidera essa qualidade.

Mas Portugal vive sua pior crise em 30 anos, com desemprego recorde. A proposta brasileira não seria uma solução? Temos acordos com Alemanha, Reino Unido, Dinamarca e França. Todos nos oferecem melhores condições que o Brasil. Dificilmente algum médico português aceitará as condições oferecidas pelo Brasil. Até porque a situação de trabalho nesses locais mais distantes certamente é mais dura e haveria problemas de adaptação.

Qual sua posição sobre a oferta de que os médicos portugueses não tenham de revalidar o diploma? Qualquer proposta entre governos deve primeiro passar por aprovação do Conselho Federal de Medicina no Brasil. As condições de reconhecimento de diploma devem respeitar as regras de cada país.

Mas o senhor está disposto a dialogar com o governo brasileiro? Temos disposição para o diálogo. Mas ele não pode ocorrer apenas entre governos. Não foi positiva a forma como foi apresentada a ideia. Assim como pedimos isso de um brasileiro aqui, a lei brasileira deve ser aplicada para um estrangeiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 20:45:14
Cada vez mais fica me parecendo que o intenção última de toda essa proposta do governo seja dar emprego a médicos de Cuba, grande parte deles brasileiros inscritos via PT ou MST. Criaram essa idéia de que a importação de médicos é necessária devido à falta absoluta de médicos brasileiros (o que não é verdade), não levando em consideração outras formas melhores e mais efetivas de resolver o problema. Estão criando atritos desnecessários com órgãos e setores importantes da sociedade, e até mesmo ofendendo médicos estrangeiros com a forma pueril e amadora com que colocam as propostas.

Da mesma forma que a empresa de Bruce Wayne importou milhares de máscaras de batman para despistar a destinação principal das mesmas, parece que o governo petista está propondo uma "importação" de médicos aberta a todos, mas na verdade visando ajudar os cubanos.  :lol:


Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 20:48:29
Afinal, para que serve o CFM e o Revalida? Já que não são considerados essenciais, deveriam ser desmantelados de uma vez.   :D



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 20:51:55
Tem também a questão de como seria o contrato com os médicos cubanos. Em Cuba, as pessoas são consideradas propriedade do estado e não donas de si mesmas. Será que o governo brasileiro pagaria os salários diretamente aos médicos ou os manteria em uma condição servil, passando o dinheiro para o governo cubano e este repassando 10% ou menos para os médicos? Eu fico curioso para saber.



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Johnny Cash em 27 de Maio de 2013, 20:52:55
Afinal, para que serve o CFM e o Revalida? Já que não são considerados essenciais, deveriam ser desmantelados de uma vez.   :D


O CFM serve, assim como o CREA (que me esfaqueia), para tomar dinheiro dos profissionais a fim de fiscalizá-los. Ah, também serve para mandar jornaizinhos com texto esquisito.


 :lol:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:02:00
, mas em tornar o exame mais realista. Da forma como se encontra é quase impossível passar na prova, independe se você for um médico formado em Cuba, Bolívia, Venezuela, Portugal, Espanha ou EUA,

É do Revalida que você está falando?!  :o

A maioria dos médicos que eu conheço achou o exame ridicularmente fácil. Ele trata de coisas bem genéricas, medicina preventiva, doenças mais prevalentes e etc. Parece mamão com açúcar.


Citação de: Derfel
isso faz com que o Brasil tenha uma das menores (se não a menor) relação entre médicos formados no País e os formados no exterior (para comparação, nos EUA gira em torno de 50%).

Mas isso não importa. A "obrigação" é ter uma determinada quantidade de médicos por habitante (o Brasil tem acima do recomendado pela OMS),e não ter uma determinada proporção de estrangeiros. O Brasil forma 17 000 médicos por ano. O problema claramente e obviamente está na distribuição desigual dos mesmos, que ocorre devido a condições precárias de determinados locais (já ouvi falar de postos de saúde onde até receituário faltava, sendo obrigado xerocar).

Eu li em algum lugar também que o Brasil é o país com mais faculdades de medicina no mundo, atualmente.




Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Maio de 2013, 21:10:43
Acho que tenho um grande problema em me expressar. Eu estava presente quando o ministro falou sobre isso no Rio, em agosto (?) do ano passado e novamente em dezembro, em Brasília. Nessas ocasiões não se falou em suspender o requalifica, mas em revisá-lo (é uma prova com uma média de aprovação de 10% a 16% - o que coloca a aprovação dos cubanos acima da média pelos dados do Osler). Existe um componente corporativo muito grande.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 27 de Maio de 2013, 21:15:44
Citar
Governo bancará curso para médicos formados em Cuba

A ideia é facilitar a revalidação dos diplomas oferecendo cursos gratuitos para esses profissionais


Brasília - O governo vai bancar uma espécie de cursinho para que médicos formados em Cuba possam atuar no Brasil. A ideia é facilitar a revalidação dos diplomas oferecendo para esses profissionais, de graça, reforço em universidades brasileiras com assuntos que não foram abordados na graduação cubana, como noções do Sistema Único de Saúde (SUS). O curso seria dado antes da prova para reconhecimento de diploma.

Sem a validação, profissionais não podem trabalhar no Brasil. Atualmente, para ter autorização de exercício profissional, médicos formados em outros países precisam passar por um exame organizado nacionalmente, o Revalida, ou se submeter a provas feitas por algumas universidades federais, que não aderiram ao exame nacional.

O processo, no entanto, não é fácil. Este ano, dos 677 inscritos no Revalida, 65 foram aprovados. Em 2010, quando a prova foi lançada, os resultados foram muito mais baixos: dos 628 candidatos, apenas 2 tiveram permissão para trabalhar no Brasil. Com o curso de reforço, médicos brasileiros formados em Cuba teriam mais chances de serem bem sucedidos no exame de validação.

Assinado em setembro durante uma visita do ministro da Saúde Alexandre Padilha a Cuba, o acordo entre universidades estaduais e a Escola Latino-Americana de Medicina (ELAM), de Cuba, permite ainda que durante o período de aperfeiçoamento, profissionais trabalhem numa espécie de estágio. A Universidade Estadual de Santa Cruz, na Bahia, já prepara os detalhes do curso. Além das aulas teóricas e práticas, os formados receberiam, no período de 10 meses do curso, uma espécie de bolsa de ajuda de custo, no valor de R$ 1.240,00.

O reitor da universidade, Joaquim Bastos, prevê que, além dos R$ 2 milhões para bolsas, seriam necessários recursos para pagamento de cerca de 15 professores que ficariam responsáveis pela formação dos médicos. Ainda não se sabe, no entanto, quem vai pagar a conta. "Mas tenho certeza que isso se resolve. O projeto tem todo empenho da Secretaria da Saúde, simpatia do governo do Estado e do ministro, como ficou claro na visita a Cuba", disse Bastos.

Oficialmente, no entanto, ninguém assume a responsabilidade. O Ministério da Saúde, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que o projeto tem todo apoio de Padilha. Mas não há previsão de oferta de recursos, nem de envolvimento da pasta no projeto. O secretário de Saúde da Bahia, Jorge Solla, um entusiasta da iniciativa, avisou também que por enquanto não há nada definido. Terça-feira, em Brasília, Solla disse que os projetos estão avançados, mas admitiu haver preconceito em relação ao curso feito em Cuba. "Mas o nível do ensino é muito bom", garantiu.

Mesmo sem saber de onde o dinheiro virá, Bastos recebeu a recomendação de preparar um curso já para o próximo ano. "Isso não será uma iniciativa eterna. A ideia é fazer dois, três cursos", contou o reitor. Pelas contas de Solla, existem cerca de 500 brasileiros formados em Cuba que poderiam se beneficiar da parceria com ELAM no processo de revalidação. Durante a visita em setembro, Padilha afirmou que a pareceria poderia ampliar o número de médicos nas regiões onde há carência de profissionais, como municípios do interior ou nas regiões pobres das grandes cidades.

Mal foi lançada, a ideia já desagrada o Conselho Federal de Medicina (CFM). "Não entendo essa lógica de mobilizar uma estrutura pública, com salas e professores, para um grupo pequeno de brasileiros", disse o vice-presidente da entidade, Carlos Vital. Para ele, no entanto, o que mais surpreende é o pagamento de uma "ajuda de custo." "Isso é tirar de dentro de casa para se dar o que não tem. Porque esses alunos merecem um privilégio como esse?".

http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/governo-bancara-curso-para-medicos-formados-em-cuba-3?page=2

Ou seja, o PT manda seus militantes estudar em Cuba, depois ainda paga cursinho pro Revalida e bolsa na volta ao Brasil. Com o nosso dinheiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:19:21
Um artigo falando sobre o "entusiasmo" com que os espanhóis receberam a proposta brasileira, e diz ser possível que as propostas a outros países sejam apenas cortinas de fumaça para trazer médicos cubanos, dado que estes (e bolivianos) seriam os únicos que achariam a proposta melhor do que o que já estão acostumados.







Baixo interesse dos médicos espanhóis
   
25 Mai 2013

Associação de classe da Espanha assegura que desemprego é pequeno e que não há motivos para trabalhar no Brasil
JULIA CHAIB
SILVIO RIBAS

 

A discussão em torno da atração de médicos estrangeiros para trabalhar no interior do país ganhou fôlego extra — e apoios — na última semana, após encontros de representantes do Ministério da Saúde com representantes de governos europeus, em Genebra, na Suíça. Depois das reuniões, o ministro Alexandre Padilha informou que a Espanha tinha demonstrado interesse no intercâmbio de médicos e pediu que o Brasil apresentasse uma proposta oficial. Mesmo que um acordo seja firmado entre os dois países, resta a dúvida se há, de fato, profissionais espanhóis desempregados e dispostos a vir ao Brasil. Segundo o Consejo General de Colegios Oficiales de Medicos, equivalente ao nosso Conselho Federal de Medicina (CFM), há 2.649 médicos desempregados na Espanha, e não 20 mil, número que o ministro Padilha costuma citar em entrevistas à imprensa. A medida em estudo pelo governo é polêmica e recebeu muitas críticas. Mas ontem, o CFM protocolou no Palácio do Planalto e no Ministério da Saúde uma contraproposta que admite a importação desses profissionais.

O governo defende a medida com o argumento de que há, no Brasil, um deficit de 54 mil médicos, principalmente nas cidades mais pobres do interior. Mas, na terça-feira, em entrevista a jornalistas brasileiros, o embaixador espanhol Manuel Hermoso disse que a prioridade do governo dele é enviar especialistas de áreas de infraestrutura, como engenheiros e arquitetos. Além disso, Hermoso reconhece que boa parte dos médicos desempregados encontra “boas posições de trabalho” em outros países europeus, como na Suíça e no Reino Unido. Representante do Colégio de Médicos espanhol, Fernando Rivas Navarro conta que, em 2012, houve um aumento de 75% no número de médicos que deixaram o país. Dos 2,45 mil que emigraram, 85% foram para países europeus, principalmente Reino Unido, França e Alemanha. “A principal razão é que, nesses países, o reconhecimento das qualificações é direto”, disse ele, se referindo aos diplomas de medicina emitidos pela Espanha.


Sobre a proposta brasileira, Rivas prefere conhecer os detalhes do acordo. Mas adianta que o razoável seria que os médicos estrangeiros pudessem contar com as mesmas oportunidades dos brasileiros, sem limitações como a de atuar apenas em determinadas regiões. No último dia 6, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, anunciou que o governo brasileiro estava negociando com Cuba a vinda de 6 mil médicos. Depois disso, Padilha disse que a prioridade do governo é atrair, principalmente, espanhóis e portugueses, devido ao alto nível de desemprego e à crise econômica que atinge a maioria dos países da União Europeia. Para o vice-presidente do CFM, Carlos Vital, o discurso de Padilha pode significar, realmente, a intenção do governo de contratar os espanhóis, mas ele teme que seja “uma cortina de fumaça jogada na tentativa de trazer os cubanos”.

Vital acredita que dificilmente os médicos europeus virão ao Brasil. “Mesmo que se consolide a proposta, não acho que os médicos virão. Nenhum outro médico com compromissos vocacionais se submete a trabalhar com condições mínimas. Eles não virão também atrás de uma ação limitadora, que tire a liberdade da condição profissional. Somos contra a limitação e a não revalidação do diploma”. Uma das medidas em estudo propõe que o médico estrangeiro seja impedido de fazer procedimentos mais complexos, como cirurgias.

A proposta apresentada ontem pelo CFM pede que sejam abertas mais oportunidades para que os brasileiros sejam estimulados a trabalhar no interior. Mas admite a importação de médicos estrangeiros, desde que os candidatos sejam aprovados em exames de revalidação de diplomas e comprovem fluência na língua portuguesa. Ao fim do período de contrato, que pode durar até três anos, o governo deverá apresentar uma proposta de carreira federal. O CFM também pede a construção de postos de saúde e unidades de pronto-atendimento (UPAs). Também alerta que os estrangeiros devem trabalhar com uma equipe de profissionais de saúde nas localidades mais carentes de atendimento.

O ministério da Saúde ressaltou que sempre esteve aberto ao diálogo com as entidades médicas e informou que a pasta se posicionará a respeito do documento após avaliá-lo.

 

"Não acho que os médicos (espanhóis) virão. Nenhum médico com compromissos vocacionais se submete a trabalhar com condições mínimas”

Carlos Vital, vice-presidente do CFM


http://www.exercito.gov.br/web/imprensa/resenha?p_p_id=arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-3&p_p_col_count=1&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_j ournalArticleId=2995085&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_a no=2013&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_m es=5&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_d ia=25&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_s truts.portlet.action=%2Fview%2Farquivo!viewJournalArticle&_arquivonoticias_WAR_arquivonoticiasportlet_INSTANCE_UL0d_s truts.portlet.mode=view#.UaP2Vpw6mUE
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:24:05
Ou seja, o PT manda seus militantes estudar em Cuba, depois ainda paga cursinho pro Revalida e bolsa na volta ao Brasil. Com o nosso dinheiro.

Se você olhar os editais do PT para a inscrição em cursos de medicina cubanos, verá que uma das condições para o benefício é ter pelo menos 2 anos de militância petista, comprovado em reunião do diretório.

E são esses beneficiados que irão receber regalias legais e benefícios públicos. Pode Arnaldo?!   :o


Sinceramente, cada vez mais eu estou deixando de ser indiferente ao PT (já fui simpatizante) e guinando para o lado oposto...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Maio de 2013, 21:24:21
A maioria dos médicos que conheço falam que é muito difícil o Revalida (aqui falo dos da academia que conheço, do ms e alguns que já fizeram a prova).

Quanto a proporção de médicos é claro que importam essas relações, tanto na forma como o sistema está estruturado como também se processa o processo de trabalho. Um enfoque no especialista e na fragmentação do indivíduo leva a uma maior necessidade de profissionais. A grosso modo, usando uma analogia de banco de dados relacionais, um enfoque no clínico (e é o que se baseia a oms) é 1 para muitos e um enfoque no especialista é muitos para 1 (que é o modelo que temos hoje, baseado no americano, nas escolas formadoras e na medicina suplementar e privada).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:31:12
Quando toda essa discussão começou, a minha hipótese de trabalho inicial era que o governo queria arrumar um jeito de gastar menos dinheiro com médicos (para sobrar para...vocês sabem). Mas agora minha hipótese é a de que o objetivo principal é o de dar emprego a médicos cubanos, devido às relações do PT com o governo de lá, ao convênio das universidades cubanas para fornecer cursos a militantes do PT e MST e à situaçãoprecária dos médicos de lá, dado que o governo forma médicos sem parar mesmo sem demanda, o que faz muitos médicos trabalharem na faxina e (dizem) algumas médicas rodarem bolsa pra ganharem alguns dólares.



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:38:05
A maioria dos médicos que conheço falam que é muito difícil o Revalida (aqui falo dos da academia que conheço, do ms e alguns que já fizeram a prova).

Aqui está o link do Revalida de 2011. Leia algumas questões e me diga se você gostaria de ser atendido por um médico que não as soubesse.  :)


https://docs.google.com/viewer?pid=explorer&srcid=0Bziurl5hXOcMbEdqbEo2ODFpOXM&docid=21d4fd51538188c008667de8c8284115|023a2b3daca0109fd363d3de004a3e5c&chan=EQAAABq%2FE0TmiIEFTk%2FhNg8CznzDbCtoeBI%2FPDSC8%2FcwcBQz&a=v&rel=zip%3Bz1%3BProva+Discursiva_Revalida+2012.PDF



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Maio de 2013, 21:40:19
Unidades de saúde já estão sendo construídas, reformadas e ampliadas (programa requalifica ubs) e upa também estão sendo construídas (e que não resolvem o problema). Essa história que tudo está sendo feito para que se traga militantes petistas-cubanos para mim não passa de teoria da conspiração (e olha que frequento o ms e teria ouvido algo). Mas suponhamos que apenas médicos cubanos e bolivianos aceitem vir e trabalhar nessas regiões desassistidas. Suponhamos ainda que apenas 20% seja aprovado no revalida (o que significa 1200 profissionais do contigente de 6000). Qual o problema da vinda desses médicos? No que posso ver seria sair da situação de assistência alguma para alguma assistência.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 27 de Maio de 2013, 21:50:14
(é uma prova com uma média de aprovação de 10% a 16% - o que coloca a aprovação dos cubanos acima da média pelos dados do Osler).

Tá brincado?!! Você viu a proporção de cubanos e bolivianos aprovados?

Já ouvi dizer, por profissionais de saúde que já tiveram contato com os mesmos, que médicos bolivianos e cubanos têm um nível de conhecimento parecido com o de um enfermeiro formado no Brasil.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Maio de 2013, 22:06:49
Bem, primeiro é um comentário altamente preconceituoso e arrogante em relação aos enfermeiros, o que diz muito dos que lhe disseram isso. Quanto à formação dos bolivianos é realmente deficiente (comparada a brasileira), o que não impede que haja bons profissionais e nem que não possam ser melhor qualificados aqui. Quanto aos cubanos, o meu único contato foi com um geriatra cubano que era muito bom (o que também não significa que não haja bons e maus profissionais). Os 20% me baseio no post do osler, o quanto está correto não sei.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 27 de Maio de 2013, 23:31:44
Unidades de saúde já estão sendo construídas, reformadas e ampliadas (programa requalifica ubs) e upa também estão sendo construídas (e que não resolvem o problema). Essa história que tudo está sendo feito para que se traga militantes petistas-cubanos para mim não passa de teoria da conspiração (e olha que frequento o ms e teria ouvido algo). Mas suponhamos que apenas médicos cubanos e bolivianos aceitem vir e trabalhar nessas regiões desassistidas. Suponhamos ainda que apenas 20% seja aprovado no revalida (o que significa 1200 profissionais do contigente de 6000). Qual o problema da vinda desses médicos? No que posso ver seria sair da situação de assistência alguma para alguma assistência.

Não tenho nada contra que médicos estrangeiros com formação generalista sejam contratados para atuarem áreas deficitárias , desde que tenham competência profissional ( aferida pelo processo de revalidação do diploma) , comprovem fluência na língua e seja uma medida temporária até que criem as condições de carreira no SUS para a real fixação de profissionais no interior.
Como está sendo divulgada pelo MS e pelo que você relata das discussões dentro dos foruns do MS parece que o ministério está tendo uma atuação dúplice: ao mesmo tempo que aponta para reformas e melhorias no sistema e diz que a contratação de médicos contemplará a revalidação do diploma faz propostas que implicam no direcionamento e facilitação da entrada de médicos formados em Cuba.
Acho que a causa disto é que está forte internamente a pressão do PT , PCdoB e do MST quanto aos militantes que foram fazer o curso em Cuba e agora não conseguem revalidar o diploma. São militantes enviados a partir de núcleos de base atuantes  que garantem -  não só eleitoralmente mas no di-a-dia da administração política da base - a preponderância e a cooptação em sindicatos urbanos e rurais , associações populares  e etc...
Quanto a questão do financiamento da carreira de estado para profissionais de saúde no SUS Derfel o dinheiro existe , o Brasil é um dos que tem a menor participação percentual de gastos públicos para a saúde.
E a percentagem alta de especialistas em relação aos generalistas é uma consequência tardia da ausência de políticas reais de interiorização dos profissionais , para se manter em um mercado saturado só se especializando ou sub-especializando ( como é o meu caso , p.ex.)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 27 de Maio de 2013, 23:46:52
E como vão obrigar os médicos a ficarem nas áreas deficitárias?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 28 de Maio de 2013, 07:08:01
E como vão obrigar os médicos a ficarem nas áreas deficitárias?

Imagino que no contrato de trabalho devem haver cláusulas que determinem a localização. O que não impede, claro, que os médicos petistas estrangeiros mandem o contrato para a PQP e se estabeleçam em outro lugar por conta própria, como fazem os brasileiros.

Por outro lado, é de conhecimento geral que os médicos brasileiros são mercenários arrogantes que só pensam em dinheiro, enquanto médicos cubanos são criaturas abnegadas que trabalham apenas pelo bem dos mais necessitados  ::).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 28 de Maio de 2013, 09:40:18
Não seja preconceituoso. Pensar que médicos brasileiros são mercenários arrogantes é uma atitude preconceituosa tão grande quanto achar que cubanos podem ser monges abnegados. Existem médicos e médicos en qualquer lugar do mundo. Quanto a existir algum dispositivo para obrigar o estrangeiro a permanecer no município, que eu saiba não existe nenhum. Posso pensar que se o processo de revalidação necessitar uma complementação da formação, a permanência do profissional por 1 ano no município pode ser um requisito para permanecer no programa, com a formação sendo feita com o telessaúde e modular nas universidades. Se cumprirem a carga horária já está de bom tamanho.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 28 de Maio de 2013, 09:46:39
Se cumprirem a carga horária já está de bom tamanho.

É, que com o pessoal daqui, pelo que tenho acompanhado, isso é difícil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Dodo em 28 de Maio de 2013, 10:29:01
E como vão obrigar os médicos a ficarem nas áreas deficitárias?

Acho que devolvem eles pra Cuba se não ficarem.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 28 de Maio de 2013, 10:58:48
Não vi em nenhum momento o CFM (ou alguma outra entidade médica) ser contra que médicos estrangeiros atuem no Brasil, apenas se pede que cumpram obrigações:  conhecimento da lingua portuguesa e conhecimento médico equivalente ao solicitado aos cursos médicos brasileiros.

Não me parece injusto isso, todos os países citados pelo nosso ministro utilizam sistema de revalidação para o exercício da medicina baseado nas características nativas

O Revalida (pelo menos a prova que postei aqui) me pareceu muito bem feito, não há "pegadinhas" apenas perguntas bem básicas sobre os temas propostos. 

O que tem de se posicionar é qual a crítica a ele:

1)  É muito difícil
Não achei, mas não me tiro como medida das coisas.  Quem pode decidir se uma prova é difícil ou não?  A avaliação da dificuldade pode ser dada somente porquê o índice de aprovação foi baixo?  É esse o critério?

2) Solicita conhecimentos que são desnecessários a boa prática médica
Se isso é verdadeiro então aceitamos que o conhecimento sobre a estrutura da saúde no Brasil (o SUS e a medicina preventiva) não server para nada na prática e pode ser retirada do currículo das faculdades de medicina. E essa a proposta do MS?

3) Se aplicado aos médicos brasileiros os índices de aprovação também seriam baixos
Duvido que sejam tão baixo quanto o índice para os estrangeiros (10%), provavelmente vai ser bem alto nas melhores faculdades, e ruim nas piores (e realmente temos muita faculdades muito ruins)

Particularmente acho que todo o médico formado deveria passar por uma prova dessas para poder praticar a medicina, como é na Inglaterra por exemplo.  Usei de exemplo pois é sempre apontado como um sistema socializado de medicina que funciona.

Só por curiosidade, a espectativa é que quase todos os médicos ingleses tenham se submetido a um exame de revalidação (para ver se todos estão exercendo a boa pratica medica inglesa)  até Março de 2016
fonte:  http://www.gmc-uk.org/doctors/revalidation.asp

Alias existe umas questões praticas para a "Godd medical practice" no site da GMC sore forma de estorinhas que é muito legal, mesmo para quem não é medico, só tem de saber inglês:
http://www.gmc-uk.org/gmpinaction/characters/
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 28 de Maio de 2013, 11:12:19
1)  É muito difícil
Não achei, mas não me tiro como medida das coisas.  Quem pode decidir se uma prova é difícil ou não?  A avaliação da dificuldade pode ser dada somente porquê o índice de aprovação foi baixo?  É esse o critério?
Creio que o que conta no caso não seria a dificuldade, que varia entre percepções e preparações, mas o grau de pormenorização das questões: quanto mais específicas as questões de uma prova dentro de um conhecimento x, mas difícil será (de ser resolvida e de apreensão do conteúdo).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 28 de Maio de 2013, 12:07:10
Citação de: Derfel
Não seja preconceituoso. Pensar que médicos brasileiros são mercenários arrogantes é uma atitude preconceituosa tão grande quanto achar que cubanos podem ser monges abnegados. Existem médicos e médicos en qualquer lugar do mundo

Derfel, sinto informar que você foi pêgo por Poe  :lol:.

Só para ficar claro, eu estava sendo irônico (vou colocar um smiley lá  :hihi:)  não acho que médicos brasileiros sejam mercenários nem que médicos cubanos sejam santos. Médico são profissionais que querem ganhar bem e ter boas condições de trabalho. Nenhum problema nisso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 28 de Maio de 2013, 13:05:04
Citação de: Derfel
Não seja preconceituoso. Pensar que médicos brasileiros são mercenários arrogantes é uma atitude preconceituosa tão grande quanto achar que cubanos podem ser monges abnegados. Existem médicos e médicos en qualquer lugar do mundo

Derfel, sinto informar que você foi pêgo por Poe  :lol:.

Só para ficar claro, eu estava sendo irônico (vou colocar um smiley lá  :hihi:)  não acho que médicos brasileiros sejam mercenários nem que médicos cubanos sejam santos. Médico são profissionais que querem ganhar bem e ter boas condições de trabalho. Nenhum problema nisso.

No celular não vejo smileys. :P
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 28 de Maio de 2013, 13:42:33

Não tenho nada contra que médicos estrangeiros com formação generalista sejam contratados para atuarem áreas deficitárias , desde que tenham competência profissional ( aferida pelo processo de revalidação do diploma) , comprovem fluência na língua e seja uma medida temporária até que criem as condições de carreira no SUS para a real fixação de profissionais no interior.
Concordo, Luiz, e é o que ouvi durante os últimos encontros (antes de estourar na mídia o assunto), tanto do Padilha quanto do Helvécio e do Heider, não é extinguir o processo de validação, mas facilitar o processo (o que não significa selecionar qualquer coisa). Quando se observa 10% de aprovação apenas alguma coisa está errada: ou as escolas estão em um nível muito inferior às do Brasil (e não se trata apenas de bolivianos e cubanos, mas também de outras nacionalidades como colombianos e argentinos) ou o sistema é falho (intecionalmente ou não) e promove um corte muito grande. A proficiência em português é um limitante no sistema porque interfere no entendimento da própria questão (e o português não é, digamos, uma língua muito difundida) e o fato de ser proficiente na língua não garante o entendimento do português técnico.

A carreira SUS é um problema que em algum momento o MS terá de encarar, mas existem alguns complicantes. Como se dará a questão do papel dos entes? Qual será o papel do estado e do município na saúde, já que a assistência também seria federal? O que fazer com os profissionais que já possuem vínculo com o município e/ou estado? Como se processará o componente salarial? Existe uma diferença grande entre municípios em relação ao salário dos profissionais, ao passar para a esfera federal, se aceitará a redução salarial ou será incorporado? Como disse, a Bahia possui alguma coisa parecida com a carreira SUS com a sua fundação e o Ceará tentou um concurso unificado com direcionamento para os municípios, tanto um modelo como outro apresenta problemas.

Citar

Como está sendo divulgada pelo MS e pelo que você relata das discussões dentro dos foruns do MS parece que o ministério está tendo uma atuação dúplice: ao mesmo tempo que aponta para reformas e melhorias no sistema e diz que a contratação de médicos contemplará a revalidação do diploma faz propostas que implicam no direcionamento e facilitação da entrada de médicos formados em Cuba.
Acho que a causa disto é que está forte internamente a pressão do PT , PCdoB e do MST quanto aos militantes que foram fazer o curso em Cuba e agora não conseguem revalidar o diploma. São militantes enviados a partir de núcleos de base atuantes  que garantem -  não só eleitoralmente mas no di-a-dia da administração política da base - a preponderância e a cooptação em sindicatos urbanos e rurais , associações populares  e etc...

O componente político sempre existe, bem como há um tensionamento dos grupos políticos tanto dentro do ministério quanto em outros ministérios. Ainda assim, não houve a conversa sobre abolir o revalida.
Citar
Quanto a questão do financiamento da carreira de estado para profissionais de saúde no SUS Derfel o dinheiro existe , o Brasil é um dos que tem a menor participação percentual de gastos públicos para a saúde.
Existe a proposta de obrigar a um investimento mínimo da União (que hoje varia de acordo com o PIB). Existe um percentual mínimo dos estados e municípios que já são utilizados e passados (tem município com mais de 22% do OGM comprometido com a Saúde), mas em uma carreira SUS, de uma hora para outra, todos os recursos gastos hoje por estados e municípios cairiam na União (que a bem da verdade já fornece 10650 reais por equipe da ESF - em alguns municípios - e podendo aumentar mais outros tantos com o PMAQ)
Citar
E a percentagem alta de especialistas em relação aos generalistas é uma consequência tardia da ausência de políticas reais de interiorização dos profissionais , para se manter em um mercado saturado só se especializando ou sub-especializando ( como é o meu caso , p.ex.)
Acho que a especialização é mais decorrência do modelo que adotamos. Políticas de interiorização já ocorreram, como o PITS, FIES, PROVAB (hoje), e já houve uma interiorização maior da saúde, mas os grandes centros são muito atrativos tanto financeiramente quanto em qualidade de vida.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 30 de Maio de 2013, 04:00:52
A maioria dos médicos que conheço falam que é muito difícil o Revalida (aqui falo dos da academia que conheço, do ms e alguns que já fizeram a prova).

Aqui está o link do Revalida de 2011. Leia algumas questões e me diga se você gostaria de ser atendido por um médico que não as soubesse.  :)


https://docs.google.com/viewer?pid=explorer&srcid=0Bziurl5hXOcMbEdqbEo2ODFpOXM&docid=21d4fd51538188c008667de8c8284115|023a2b3daca0109fd363d3de004a3e5c&chan=EQAAABq%2FE0TmiIEFTk%2FhNg8CznzDbCtoeBI%2FPDSC8%2FcwcBQz&a=v&rel=zip%3Bz1%3BProva+Discursiva_Revalida+2012.PDF

Você viu as questões da prova, Derfel?

Não tem nenhuma pegadinha ou conhecimento de especialidade. São todas questões básicas das grandes áreas, de situações do dia-a-dia que todo médico generalista deve saber. Não tem como considerar uma prova dessa difícil. E muito menos muito difícil. E também não tem como considerar alguém apto a exercer a medicina generalista se não consegue ser aprovado em uma prova dessas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 30 de Maio de 2013, 06:10:11
Ângelo, esse é 1/3 da prova. Existem ainda 110 questões objetivas e uma prova prática. As questões objetivas e discursivas são realizadas em um mesmo dia em 8h. A prática é no dia seguinte. E ainda o idioma tem um peso grande (por mais que a pessoa já fale o português como segunda ou terceira língua, sua instrução foi em outra). As questões objetivas estão aqui: https://docs.google.com/viewer?pid=explorer&srcid=0Bziurl5hXOcMbEdqbEo2ODFpOXM&docid=21d4fd51538188c008667de8c8284115|023a2b3daca0109fd363d3de004a3e5c&chan=EQAAABq%2FE0TmiIEFTk%2FhNg8CznzDbCtoeBI%2FPDSC8%2FcwcBQz&a=v&rel=zip%3Bz1%3BProva+Discursiva_Revalida+2012.PDF

Acho que nossos colegas médicos podem dizer algo sobre o nível das questões (apesar de haver um viés, dado ao nível de conhecimento dos que sei que são médicis, pelo menos). Não questiono a existência da prova, mas tem alguma coisa errada quando menos de 10% conseguem passar e você como professor sabe disso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 30 de Maio de 2013, 10:19:01
Não vi toda a prova objetiva, li mais ou menos metade dela. Mas as questões que vi também seguem o mesmo padrão da discursiva. Questões das grandes áreas que cobram conhecimento de medicina generalista e englobam casos freqüentes do dia-a-dia.

Certamente tem algo errado quando o índice de aprovação de uma prova é 10%, mas, até onde eu vi da prova objetiva e da discursiva, também certamente não é essa parte a culpada.

Quanto ao peso da língua, nada mais justo. Afinal, se forem aprovados, eles vão atender queixas em português e precisam entender o que o paciente está falando. Com um agravante. A prova é toda em linguagem técnica, muito mais fácil. As queixas são em linguagem totalmente coloquial. Muitas vezes a queixa resume-se a "runheira". Se ele não souber conversar em uma linguagem que o paciente entenda, nunca vai sair do lugar na história e vai acabar fazendo exatamente aquilo que não é recomendado, pedir um monte de exames atirando pra todo lado na esperança de acertar alguma coisa.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 30 de Maio de 2013, 13:13:21
Eu ia comentar isto. Talvez a aprovação baixa tenha mais a ver com a língua do que com o conhecimento técnico. Português não é uma linguagem fácil de se aprender.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FSeNn em 30 de Maio de 2013, 14:53:15
Uma conhecida minha ,foi estudar medicina em Cuba há uns anos atrás.... provavelmente ela estará no meio desses 6 mil médicos.
Ela conseguiu a vaga por intermédio do PT ,  cujo a família era militante a anos.

ah... o PT...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 30 de Maio de 2013, 18:16:45
Eu não tinha me dado conta da gravidade do problema do idioma. Ainda mais em várias regiões, e regiões mais pobres. Talvez fosse interessante (além de pensarem mais em algo como médicos brasileiros próximos das localidades para essas regiões, talvez trazendo outros para substituí-los nas regiões "boas") ter alguma espécie de "curso" no linguajar da região a ser atendida.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 30 de Maio de 2013, 20:07:51
Só para título de comparação, em 2011 de 17 formados na Espanha, 17 foram reprovados. Existem problemas reais, como das escolas bolivianas que realmente são muito ruins, mas o índice de aprovação deveria ser pelo menos similar ao Chile, por exemplo, em que gira em torno de 20%. Além do idioma existe também uma questão de escola (que não sei até que ponto existe nesta prova) existem condutas diferentes para a mesma situação de acordo com a escola (existe isso até mesmo dentro do próprio país). Um exemplo foi en relação ao transporte de urgência durante o acidente da Princesa Diana, a conduta francesa era muito diferente da americana (o que levou a uma crítica por causa da sua morte).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 31 de Maio de 2013, 11:05:32
Não pude acompanhar o tópico todo por um problema de tempo, mas achei essa matéria que tem a ver:

http://www.politicaeconomia.com/2011/03/paraguai-rejeita-medicos-cubanos.html

Citar
Paraguai rejeita médicos cubanos: "formação medíocre" impede exercício de profissão no país

Citar
Enquanto o Brasil se esforça para fazer o reconhecimento automático dos diplomas dos médicos cubanos em território brasileiro, o nosso vizinho Paraguay rejeitou os médicos cubanos em seu país.

Segundo o reitor da Faculdade de Medicina Nacional do Paraguay, "médicos cubanos tem têm habilidades e conhecimentos de uma licenciatura em Enfermagem".

As autoridades médicas paraguaias consideram que os médicos formados em Cuba não têm formação suficiente para exercer a medicina em seu país, disse segunda-feira o reitor da Faculdade de Medicina da Universidade Nacional do Paraguai, Aníbal Filartiga.

Um estudo comparativo entre os currículos dos cursos de medicina em Cuba e no Paraguay mostrou que o currículo da ELAM - Escola Cubana de Medicina - é medíocre.

 Anualmente, Cuba disponibiliza cerca de 500 vagas para estudantes estrageiros estudarem medicina em Cuba, de forma gratuita, tendo em vista que o governo cubano gasta entre US$ 60.000 a US$ 70.000 dólares anuais com jovens paraguaios para estudar medicina em Cuba.

As autoridades médicas do Paraguay rejeitaram a equiparação automática dos currículos dos médicos paraguaios com os médicos cubanos.

Médicos cubanos também tem dificuldades de exercer sua profissão nos EUA

Além do Paraguai, outro país que apresenta restrições aos currículos dos médicos cubanos é os Estados Unidos da América. O governo americano tem um programa especial de vistos - que facilita a imigração de médicos e enfermeiros.

Sendo assim, muitos médicos cubanos em missões no exterior, fogem das delegações e vão a embaixadas americanas solicitar o visto de imigração, no que são atendidos na maior parte das vezes. Ocorre que, quando chegam aos Estados Unidos, os médicos cubanos sofrem com imensas dificuldades para poder exercer a profissão.

O governo cubano trata os médicos cubanos que fogem como "traidores da pátria", e, assim, colocam todo tipo de dificuldade, proibindo-os inclusive de visitar Cuba novamente. Além disso, para poderem exercer sua profissão nos EUA, os médicos precisam de um reconhecimento oficial, que envolve comunicação entre os governos dos EUA e de Cuba.

Em procedimentos que revelam o grau de mesquinhez do governo de Cuba, as informações que são solicitadas pelo governo americano sobre currículos e demais dados técnicos, necessários para a validação do currículo em território americano, são negadas pelo governo cubano.


É evidente que esse tipo de procedimento do governo de Cuba é mais um exemplo de violação dos Direitos Humanos em Cuba, tendo em vista que o governo de Cuba se acha proprietário dos médicos cubanos, proibindo-os de sair da ilha ou emigrar para qualquer outro país. Ou seja, são tratados como escravos do regime
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 31 de Maio de 2013, 12:52:10
Eu ia comentar isto. Talvez a aprovação baixa tenha mais a ver com a língua do que com o conhecimento técnico. Português não é uma linguagem fácil de se aprender.
Pra quê conhecer a língua quando for ser médico no Brasil? Principalmente em áreas carentes... Todo mundo sabe que pobres e miseráveis falam cubano, boliviano, espanhol, e tudo fluentemente.

...

Não vou falar nem dos militantes brasileiros formados em Cuba que querem vir nessa leva de médicos "cubanos". Fora que nem sabemos como é a medicina em Cuba, não dá pra acreditar no que uma ditadura diz.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 31 de Maio de 2013, 13:06:37
Citar
História de um médico cubano, por Sandro Vaia
O Dr. Gilberto Velazco nasceu em 1980 em Havana e recebeu seu diploma de médico em 15 de julho de 2005.

No depoimento que me deu por e-mail e por telefone, disse que a sua graduação foi antecipada em um ano depois de uma “formação crítica e gravemente ruim”, excessivamente teórica, feita através de livros desatualizados, velhos, rasgados, faltando páginas, além de “uma forte doutrinação política”.

No hospital onde fez residência havia apenas dois aparelhos de raio X para atender todas as ocorrências noturnas de Havana e não dispunha sequer de reagentes para exames de glicemia.

Pouco adiantava prescrever remédios para os pacientes porque a maioria deles não estava disponível nas farmácias.

A situação médica no país é tão precária que Cuba está vivendo atualmente uma epidemia inédita de cólera e dengue.

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2013/05/31/historia-de-um-medico-cubano-por-sandro-vaia-498552.asp
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 01 de Junho de 2013, 10:19:14
Só para título de comparação, em 2011 de 17 formados na Espanha, 17 foram reprovados. Existem problemas reais, como das escolas bolivianas que realmente são muito ruins, mas o índice de aprovação deveria ser pelo menos similar ao Chile, por exemplo, em que gira em torno de 20%. Além do idioma existe também uma questão de escola (que não sei até que ponto existe nesta prova) existem condutas diferentes para a mesma situação de acordo com a escola (existe isso até mesmo dentro do próprio país). Um exemplo foi en relação ao transporte de urgência durante o acidente da Princesa Diana, a conduta francesa era muito diferente da americana (o que levou a uma crítica por causa da sua morte).

Considerando que o índice de aprovação aqui é 10%, não é uma diferença tão grande em relação aos 20% do Chile para você dizer que a reprovação aqui é absurda e há algo de errado com a prova.

Se há problemas de barreira linguística e de condutas diferentes, isso não é um defeito da prova. Em qualquer lugar do mundo que você for prestar prova, você tem que saber a língua nativa do local e conhecer as condutas adotadas lá. Por que aqui deveria ser diferente? O que eles querem? Que façamos a prova em espanhol e cobrando as condutas cubanas, bolivianas ou espanholas para tornar a prova mais "justa" para eles?

Se querem exercer a medicina no Brasil, são eles que tem que saber português e as condutas adotadas aqui. Se não sabem nem isso, tem que ser reprovados mesmo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 01 de Junho de 2013, 10:51:35
Só para título de comparação, em 2011 de 17 formados na Espanha, 17 foram reprovados. Existem problemas reais, como das escolas bolivianas que realmente são muito ruins, mas o índice de aprovação deveria ser pelo menos similar ao Chile, por exemplo, em que gira em torno de 20%. Além do idioma existe também uma questão de escola (que não sei até que ponto existe nesta prova) existem condutas diferentes para a mesma situação de acordo com a escola (existe isso até mesmo dentro do próprio país). Um exemplo foi en relação ao transporte de urgência durante o acidente da Princesa Diana, a conduta francesa era muito diferente da americana (o que levou a uma crítica por causa da sua morte).

Considerando que o índice de aprovação aqui é 10%, não é uma diferença tão grande em relação aos 20% do Chile para você dizer que a reprovação aqui é absurda e há algo de errado com a prova.

Se há problemas de barreira linguística e de condutas diferentes, isso não é um defeito da prova. Em qualquer lugar do mundo que você for prestar prova, você tem que saber a língua nativa do local e conhecer as condutas adotadas lá. Por que aqui deveria ser diferente? O que eles querem? Que façamos a prova em espanhol e cobrando as condutas cubanas, bolivianas ou espanholas para tornar a prova mais "justa" para eles?

Se querem exercer a medicina no Brasil, são eles que tem que saber português e as condutas adotadas aqui. Se não sabem nem isso, tem que ser reprovados mesmo.

Até onde eu li, nos EUA o cara tem que primeiro ser aprovado em uma prova de proficiência em inglês e só depois é autorizado a começar o processo de validação do diploma de outro país, e mesmo assim, tem que se submeter a um ano de residência.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 01 de Junho de 2013, 13:05:13
Só para título de comparação, em 2011 de 17 formados na Espanha, 17 foram reprovados. Existem problemas reais, como das escolas bolivianas que realmente são muito ruins, mas o índice de aprovação deveria ser pelo menos similar ao Chile, por exemplo, em que gira em torno de 20%. Além do idioma existe também uma questão de escola (que não sei até que ponto existe nesta prova) existem condutas diferentes para a mesma situação de acordo com a escola (existe isso até mesmo dentro do próprio país). Um exemplo foi en relação ao transporte de urgência durante o acidente da Princesa Diana, a conduta francesa era muito diferente da americana (o que levou a uma crítica por causa da sua morte).

Considerando que o índice de aprovação aqui é 10%, não é uma diferença tão grande em relação aos 20% do Chile para você dizer que a reprovação aqui é absurda e há algo de errado com a prova.

Se há problemas de barreira linguística e de condutas diferentes, isso não é um defeito da prova. Em qualquer lugar do mundo que você for prestar prova, você tem que saber a língua nativa do local e conhecer as condutas adotadas lá. Por que aqui deveria ser diferente? O que eles querem? Que façamos a prova em espanhol e cobrando as condutas cubanas, bolivianas ou espanholas para tornar a prova mais "justa" para eles?

Se querem exercer a medicina no Brasil, são eles que tem que saber português e as condutas adotadas aqui. Se não sabem nem isso, tem que ser reprovados mesmo.

Até onde eu li, nos EUA o cara tem que primeiro ser aprovado em uma prova de proficiência em inglês e só depois é autorizado a começar o processo de validação do diploma de outro país, e mesmo assim, tem que se submeter a um ano de residência.

A fluência no idioma me parece uma condição tão óbvia para que qualquer profissional, mas principalmente um médico, trabalhar em um país estrangeiro que nem vale a pena discutir.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 01 de Junho de 2013, 16:19:57
Não seja preconceituoso. Pensar que médicos brasileiros são mercenários arrogantes é uma atitude preconceituosa tão grande quanto achar que cubanos podem ser monges abnegados. Existem médicos e médicos en qualquer lugar do mundo. Quanto a existir algum dispositivo para obrigar o estrangeiro a permanecer no município, que eu saiba não existe nenhum. Posso pensar que se o processo de revalidação necessitar uma complementação da formação, a permanência do profissional por 1 ano no município pode ser um requisito para permanecer no programa, com a formação sendo feita com o telessaúde e modular nas universidades. Se cumprirem a carga horária já está de bom tamanho.

Na verdade conheço médicos jovens do interior do estado que vem estudar e voltam para sua região, mesmo com os problemas todos de infraestrutura de manter consultório, e sem hospitais. A maioria fica nas regiões centrais porque fazer freguesia mais fácil, se houvesse infraestrutura é claro que ficaria na sua região.

Ninguém sai de seu lugar se não tem necessidade, digo isso por experiência própria.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 01 de Junho de 2013, 20:50:03
Não se pode comparar o interior do estado de SP com o interior do Amazonas ou mesmo do RN
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 01 de Junho de 2013, 22:18:09
Só para título de comparação, em 2011 de 17 formados na Espanha, 17 foram reprovados. Existem problemas reais, como das escolas bolivianas que realmente são muito ruins, mas o índice de aprovação deveria ser pelo menos similar ao Chile, por exemplo, em que gira em torno de 20%. Além do idioma existe também uma questão de escola (que não sei até que ponto existe nesta prova) existem condutas diferentes para a mesma situação de acordo com a escola (existe isso até mesmo dentro do próprio país). Um exemplo foi en relação ao transporte de urgência durante o acidente da Princesa Diana, a conduta francesa era muito diferente da americana (o que levou a uma crítica por causa da sua morte).

Considerando que o índice de aprovação aqui é 10%, não é uma diferença tão grande em relação aos 20% do Chile para você dizer que a reprovação aqui é absurda e há algo de errado com a prova.

Se há problemas de barreira linguística e de condutas diferentes, isso não é um defeito da prova. Em qualquer lugar do mundo que você for prestar prova, você tem que saber a língua nativa do local e conhecer as condutas adotadas lá. Por que aqui deveria ser diferente? O que eles querem? Que façamos a prova em espanhol e cobrando as condutas cubanas, bolivianas ou espanholas para tornar a prova mais "justa" para eles?

Se querem exercer a medicina no Brasil, são eles que tem que saber português e as condutas adotadas aqui. Se não sabem nem isso, tem que ser reprovados mesmo.

Até onde eu li, nos EUA o cara tem que primeiro ser aprovado em uma prova de proficiência em inglês e só depois é autorizado a começar o processo de validação do diploma de outro país, e mesmo assim, tem que se submeter a um ano de residência.

Me parece que nos EUA isso varia de estado para estado. Acho que 1 em 5 e 1 em 10 possuem uma diferença significativa. Quanto ao português, existe a obrigatoriedade do exame de proficiência em português, além das provas, e esse não é o português técnico. Convêm lembrar que a maior parte da literatura da área está ou em inglês ou em espanhol, pouco em português (e menos ainda em português e disponível internacionalmente), então isso não teria um peso na prova (não que eu não ache que tenha que estar em português mesmo)? Quanto à escola, isso tem um importância grande (mas não sei até que ponto nestas provas), não é apenas a conduta que se adota em um país, mas em uma escola, por exemplo, a escola de Bauru pode ter alguma conduta diferente da escola do Rio de janeiro, além disso, a sociedade de pediatria às vezes tem uma conduta diferente da sociedade de cardiologia para um mesmo problema (e nem por isso a escola A ou a Sociedade B esteja mais certa ou mais errada que outra) - essa diferença não é algo aberrante, a essência permanece, mas influi na hora de discutir o melhor momento para uma cirurgia ou se deve ou não autorizar uma viagem, por exemplo.

EDIT; havia esquecido uma ?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Junho de 2013, 09:55:08
E enquanto se discute a falta de condições para os médicos brasileiros atenderem a população dos lugares mais afastados:

http://apatotadopitaco.blogspot.com.br/2013/05/governo-brasileiro-doa-us-10-milhoes.html

Citar
Nada contra os palestinos, um povo sofrido que luta desesperadamente pelo direito de ter sua própria terra, em absoluto. O que não se entende é como o Brasil, com todos os problemas e dramas enfrentados por sua população na área da saúde, resolve sair por aí usando o dinheiro do contribuinte em iniciativas que não lhe trazem nenhum benefício. Confira a historinha abaixo.

Alexandre Padilha, nosso ministro da Saúde, inaugurou neste sábado (04/05) um centro médico na cidade de Dura, no sul da Cisjordânia, construído inteiramente com com o meu, o seu, o nosso dinheiro, doado a custo zero pelo governo brasileiro ao governo da Palestina.

Considerando a medida uma "contribuição" aos "esforços pela paz" na região, Padilha explicou que dos US$ 10 milhões doados pelo Brasil à Autoridade Palestina, US$ 4 milhões saíram dos cofres do Ministério da Saúde, e estão sendo investidos em centros de reabilitação e de tratamento materno-infantil.

- Foi uma cerimônia bastante emocionante - disse o ministro depois da visita de três dias a Israel e Palestina, acrescentando que "os palestinos em Dura ficaram muito agradecidos pela nossa contribuição, que faz parte da colaboração do Brasil para ajudar na construção do Estado Palestino".

Muito emocionados e agradecidos devem ter ficado também todos os brasileiros que já passaram pela experiência de buscar socorro médico nos hospitais e postos de saúde por esse Brasil afora, menos, é claro, os que morreram nas filas de espera e no chão de seus corredores, é claro...

http://noticias.terra.com.br/brasil/politica/palestinos-inauguram-centro-medico-construido-com-doacao-do-brasil,3d64ece0aef6e310VgnVCM10000098cceb0aRCRD.html

Citar
Palestinos inauguram centro médico construído com doação do Brasil

Citar
De acordo com Padilha, dos US$ 10 milhões doados pelo Brasil para a Autoridade Palestina, US$ 4 milhões são provenientes do ministério da Saúde e estão sendo investidos em centros de reabilitação e de tratamento materno-infantil. "Consideramos a contribuição à saúde como parte dos esforços pela paz nesta região", acrescentou o ministro.

Ao que parece o problema no Brasil não é falta de verbas, né?

Engraçado, tem gente sendo atendida no chão dos hospitais brasileiros, postos de saúde no fim do mundo onde não existem médicos por total falta de condições, querem trazer militantes petistas médicos cubanos formados em Cuba para fazer a cabeça dos capiaus ocupar as vagas...    ...mas podem doar 10 milhões de dólares para construirem um hospital lá no exterior.

Sou só eu que desconfio de algo no meio desse interesse todo em trazer os pajés os médicos formados em Cuba com indicação do PT e do MST?





Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Muad'Dib em 02 de Junho de 2013, 10:14:04
10 milhões de dólares nem arranham o problema de saúde pública no Brasil. Isso ai nem sequer é uma atitude humanitária do governo brasileiro, é mais uma tentativa de se firmar na "questão israelo-palestina". É uma atitude política visando visibilidade internacional. Atitude mixuruca diga-se de passagem.

Mas, política ou não, esse dinheiro faz mais diferença lá do que aqui. Se bem empregado é lógico.

O que eu não me conformo é com o dinheiro empregado na Copa e nas Olimpíadas. Por mais que haja ganhos políticos (ou perdas em caso de fiasco) com esses eventos é imoral gastar o que tão gastando enquanto a população vive um caos social.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Junho de 2013, 10:34:12
Acho que dez milhões podem nem arranhar o problema do Brasil, mas tb não é trocado para pinga se vc levar em consideração que existe gente sendo atendida no chão por falta de vagas.

Se o problema é relações públicas internacionais, que usem verba de propaganda.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pregador em 02 de Junho de 2013, 12:15:27
Não vejo problema em construir o posto de atendimento médico na palestina com dinheiro público. O problema no Brasil não é falta de verba. O problema não é falta de dinheiro. Os problemas são outros...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 02 de Junho de 2013, 12:48:49
Se está sobrando dinheiro que o apliquem em infraestrutura ou diminuam os impostos, o que ocorre na palestina não é problema do contribuinte brasileiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pregador em 02 de Junho de 2013, 13:13:48
Se está sobrando dinheiro que o apliquem em infraestrutura ou diminuam os impostos, o que ocorre na palestina não é problema do contribuinte brasileiro.

A questão é que se ninguém se importar com a Palestina, provavelmente eles serão exterminados. Eles não podem resolver aquilo sozinhos. Depende muito deles, claro, mas não somente deles.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 02 de Junho de 2013, 13:20:46
O povo brasileiro também não conseguirá resolver os seus problemas sem um governo presente. Muito antes de resolver os problemas dos outros temos que resolver os nossos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 02 de Junho de 2013, 13:38:31
Nem me faça começar a discutir a besteira religiosa que envolve todo o problema da Palestina.

Terra Santa meu ovo. Se mude para algum lugar onde você não seja exterminado e seja feliz.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gigaview em 02 de Junho de 2013, 13:56:10
Citar
Why The Unqualified Cuban Doctors Will Kill The Ghanaian People
Feature Article of Sunday, 5 May 2013
Columnist: Tawiah, Francis

Why The Unqualified Cuban Doctors Will Kill The Ghanaian People

Once renowned, Cuban Doctors fail their medical Exams

Dr. Nancy Magarita Gonzalez Rodriguez goes over an x-ray with her
students at the Latin American School of Medical Sciences in Havana,
Cuba. Students who graduate from the Caribbean and try to practise in
Brazil have overwhelmingly failed a medical exam there, according to
Brazil's Ministry of Education.

Many people still believe that Cuban health care is among the most
efficient in the world, as it is often advertised by the regime, but the
same doctors who support the supposed renowned health care system on the
Caribbean island, however, are struggling to re-validate their diploma
to practise legally in Brazil.

At the most recent re-validation test, which includes proficiency in
Portuguese, their medical knowledge and clinical practises, none of the
doctors who graduated from Cuba were approved. From 2005 to the present
day the most recent exam administered more than 300 Cuban doctors have
applied, but only 25 doctors were authorised officially to work in
Brazil, according to the Ministry of Education.

Their results, in fact, ARE AMONG THE WORST of the average of 600
professionals, ranging in homelands from Argentina, Bolivia, the United
States and European counties who go through the process.

The Brazilian Medical Association attributes the apparent failure of so
many doctors in the test to the lack of quality of universities in
countries like Cuba and Bolivia. According to the association, the
teaching of medicine in these places are at the level of a nursing major
in Brazil.

In the United States, the situation is similar. According to the
Association of American Physicians and Surgeons, more than 75 percent of
those with Cuban medical degrees fail in the exam of the Educational
Commission for Foreign Medical Graduates for licensing in the U.S.

Most of them also fail to receive certification as "physician assistants".

For Humberto Fontova, a Cuban refugee and political commentator in the
U.S., the results are not a surprise. "The Cuban health students don't
learn what most medical students in most countries learn in most medical
schools," Fontova said.

Since former president, LuizInácio Lula Silva, took office in 2003 the
government tried to facilitate the use of the work from Cuban doctors in
Brazil. A proposal of automatic authorisation for all doctors from the
island to work in Brazil was approved in the House of Representatives,
but later reproved by the Senate.

Despite that, many Cuban doctors are being encouraged by both
governments to come to Brazil's poorest areas. One of the reasons is the
Brazilian government's program for "The Health of the Family," which is
focused on preventive care a speciality of the Cuban health system.

*** Meanwhile, Governor Ricardo MontinhoParaíba, a northern state and
one of the poorest in the nation, went to Cuba in September to hire
doctors. But according to Paraíba Council of Physicians, just one Cuban
was approved to be a doctor in the state. Montinho later gave up on the
idea. "I just wanted to improve the services of my state," said Montinho.

*** In the very distant centre-western state of Tocantins more than 500
Cuban doctors were hired illegally to work for "The Health of the
Family." A state court decided to ban the work of these professionals.

The medical associations in Brazil deny that doctors don't want to work
in poor and distant areas. They also say that there is no way to adopt a
different procedure and doctors working illegally would be prosecuted.
"We just need a good career plan for the doctors to go into the
interior. We can't open exceptions for specific countries and have to
ask for a test like other countries do with us. Argentina and U.S. have
good universities and their students are approved here," said Dr.
Fernando Matos, president of Rio Grande do Sul's Council of Physicians,
who worries about the work of Uruguayans doctors in his state border.

*** The test, however, has been criticised by Brazilians who study in
other countries. At a private institution, they pay over $1,500 a month
for tuition, while in Cuba it's no more than $200. In Cuba, moreover,
applicants just need approval from the Workers Party, the Brazilian
Communist Party or other institutions aligned with Castro's regime. "The
test is really to reprove everybody", has said AfonsoMagalhães,
president of the Association of Brazilian Students of Medicine in Cuba.

Ghanaian people must be very careful about those bogus Cuban quark
Doctors in Ghana. Most of them are not really qualified as Doctors.

FRANCIS TAWIAH (Duisburg - Germany)
http://humanrightsincuba.blogspot.com.br/2013/05/why-unqualified-cuban-doctors-will-kill.html
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Junho de 2013, 22:00:17
Se está sobrando dinheiro que o apliquem em infraestrutura ou diminuam os impostos, o que ocorre na palestina não é problema do contribuinte brasileiro.

A questão é que se ninguém se importar com a Palestina, provavelmente eles serão exterminados. Eles não podem resolver aquilo sozinhos. Depende muito deles, claro, mas não somente deles.

Eles que se virem com os problemas deles, o que não acho certo é EU ter de pagar a conta deles enquanto tb preciso pagar uma consulta médica para mim, aqui mesmo onde o serviço público é uma merda e precisaria esperar meses por uma vaga se não tivesse como pagar.

Por falar nisso, vcs sabem que nossa ilustre presidenta perdoou a dívida de uns caloteiros africanos, não sabem? Algo como 900 milhões...ao que parece não falta verba pública por aqui.


*E ainda é possível que um dia qualquer Israel acerte uma bomba no hospital novo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: caerus em 03 de Junho de 2013, 00:34:23
Se está sobrando dinheiro que o apliquem em infraestrutura ou diminuam os impostos, o que ocorre na palestina não é problema do contribuinte brasileiro.

A questão é que se ninguém se importar com a Palestina, provavelmente eles serão exterminados. Eles não podem resolver aquilo sozinhos. Depende muito deles, claro, mas não somente deles.

E? Se você está preocupado doe seu dinheiro para eles, vá para lá fazer ajuda humanitária ou qualquer coisa, o estado brasileiro não é uma instituição de caridade e deve investir o dinheiro público em serviços destinados apenas aos contribuintes brasileiros.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 03 de Junho de 2013, 03:56:17
E eu ainda acho que pelo menos metade desses médicos vai fugir pras cidades grandes assim que conseguirem autorização de trabalho no Brasil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 03 de Junho de 2013, 08:22:48
Talvez sim. Mas metade ainda é um número bom.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 03 de Junho de 2013, 10:13:48
E eu ainda acho que pelo menos metade desses médicos vai fugir pras cidades grandes assim que conseguirem autorização de trabalho no Brasil.

O que não seria nenhum problema, dado que o objetivo principal do governo é introduzir os médicos do PT e MST no país, sendo o atendimento a áreas carentes um pretexto.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 21 de Junho de 2013, 23:20:17
(https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-frc3/992970_387490621356996_1478080270_n.jpg)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 22 de Junho de 2013, 17:59:30
Recebi hoje a tarde pelo e-mail do CREMERJ

Citar
Medida anunciada pela presidente Dilma é repudiada pelas entidades médicas nacionais

Para a AMB, CFM e Fenam, a medida tem valor inócuo, paliativo, populista e esconde a falta os reais problemas que afetam o Sistema Único de Saúde (SUS), além de expor a população pobre a riscos
As entidades médicas nacionais divulgaram neste sábado (22) nota de repúdio ao anúncio de importação de médicos estrangeiros feito pela presidente Dilma Rousseff, durante pronunciamento em cadeia nacional no dia 21. "O caminho trilhado é de alto risco e simboliza uma vergonha nacional. Ele expõe a população, sobretudo a parcela mais vulnerável e carente, à ação de pessoas cujos conhecimentos e competências não foram devidamente comprovados. Além disso, tem valor inócuo, paliativo, populista e esconde os reais problemas que afetam o Sistema Único de Saúde (SUS)", ressalta o texto.
 
No documento, as entidades cobram o aumento dos investimentos na área da saúde e a qualificação do setor no país. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que Governos de países com economias mais frágeis investem mais que o Brasil na assistência. Na Argentina, o percentual de aplicação fica em 66%. No Brasil, esbarra em 47%. Além disso, há denúncias de que o recurso orçado não é devidamente aplicado.
 

"O apelo desesperado das ruas é por mais investimentos do Estado em saúde. É assim o Brasil terá a saúde e os "hospitais padrão Fifa", exigidos pela população, e não com a importação de médicos",afirmam as entidades. De forma conjunta, a Associação Médica Brasileira (AMB), a Associação Nacional dos Médicos Resisdentes (ANMR), o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) prometem usar todos os mecanismos possíveis para barrar a decisão, inclusive na Justiça.

 

Confira a íntegra do documento

 

Carta aberta aos médicos e à população brasileira

A SAÚDE PÚBLICA E A VERGONHA NACIONAL


Há alguns anos, a presidente Dilma Rousseff foi vítima de grave problema de saúde. O tratamento aconteceu em centros de excelência do país e sob a supervisão de homens e mulheres capacitados em escolas médicas brasileiras. O povo quer acesso ao mesmo e não quer ser tratado como cidadão de segunda categoria, tratado por médicos com formação duvidosa e em instalações precárias.

Por isso, a Associação Médica Brasileira (AMB), a Associação Nacional dos Médicos Resisdentes (ANMR), o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) manifestam publicamente seu repúdio e extrema preocupação com o anúncio de "trazer de imediato milhares de médicos do exterior", feito nesta sexta-feira (21), durante pronunciamento em cadeia de rádio e TV.

O caminho trilhado é de alto risco e simboliza uma vergonha nacional. Ele expõe a população, sobretudo a parcela mais vulnerável e carente, à ação de pessoas cujos conhecimentos e competências não foram devidamente comprovados. Além disso, tem valor inócuo, paliativo, populista e esconde os reais problemas que afetam o Sistema Único de Saúde (SUS).

Será que os "médicos importados"- sem qualquer critério de avaliação ou com diplomas validados com regras duvidosas - compensarão a falta de leitos, de medicamentos, as ambulâncias paradas por falta de combustível, as infiltrações nas paredes e as goteiras nos hospitais? Onde estão as medidas para dotar os serviços de infraestrutura e de recursos humanos valorizados? Qual o destino dos R$ 17 bilhões do orçamento do Governo Federal para a saúde que não foram aplicados como deveriam, em 2012? Porque vetaram artigos da Emenda Constitucional 29, que se tivesse colocada em prática teria permitido uma revolução na saúde?

Os protestos não pedem "médicos estrangeiros", mas um SUS público, integral, gratuito, de qualidade e acessível a todos. É preciso reconhecer que é a falta de investimentos e a gestão incompetente desse sistema que afastam os médicos brasileiros do interior e da rede pública, agravando o caos na assistência.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), os Governos de países com economias mais frágeis investem mais que o Brasil no setor. Na Argentina, o percentual de aplicação fica em 66%. No Brasil, esbarra em 47%. O apelo desesperado das ruas é por mais investimentos do Estado em saúde. É assim que o Brasil terá a saúde e os "hospitais padrão Fifa", exigidos pela população, e não com a "importação de médicos".

A AMB, o CFM e a Fenam -assim como outras entidades e instituições, os 400 mil médicos brasileiros e a população conscientes da fragilidade da proposta de "importação" - não admitirão que se coloque em risco o futuro de um modelo enraizado na nossa Constituição e a vida de nossos cidadãos. Para tanto, tomarão tomas as medidas possíveis, inclusive jurídicas, para assegurar o Estado Democrático de Direito no país, com base na dignidade humana.

 

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA (AMB)

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS RESIDENTES (ANMR)

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS (FENAM)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 22 de Junho de 2013, 18:35:56
Luiz Souto, o que você acha deste artigo:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

Caso tenha algum estudante de medicina ou médico, comente também.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 22 de Junho de 2013, 19:26:31
Luiz Souto, o que você acha deste artigo:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

Caso tenha algum estudante de medicina ou médico, comente também.

Diagnóstico e elaboração de plano terapêutico não são coisas tãaaaao simples assim como o texto dá a entender. Há muitas nuances envolvidas e a quantidade de conhecimentos exigidos (memorizados de livros-textos enormes e obtidos em anos de prática em internatos e/ou residências) é muito grande. Um profissional que não se dedicou especificamente a estudar e memorizar esse conhecimento (como enfermeiros, farmacêuticos, médicos mal-formados, fonoaudiólogos, psicólogos, etc) certamente não possuem a competência necessária para fazer diagnósticos e elaborarem planos terapêuticos com segurança. Um enfermeiro experiente (acredito) é o que mais se aproxima dessa competência, já que ele trabalha diretamente envolvido com todo tipo de paciente e aplicando as prescrições médicas, mas os demais profissionais citados não. Acredito que enfermeiros e fisioterapeutas podem ser treinados para fazerem alguns procedimentos normalmente de competência do médico, entretanto, eles não saberiam "se virar" se algo der errado, necessitando supervisão médica.

Concordo que um médico mal-formado (ou um enfermeiro) pode (ou não) ser melhor do que médico nenhum, não há como negar isso. Mas se o governo brasileiro resolver enveredar pelo lado da "improvisação" também nessa área (a exemplo do que já faz em outras), fodeu tudo! Por que não criar um curso mais curto, simples e barato de "meio-médicos" para atender as áreas carentes?  :)




Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 22 de Junho de 2013, 19:52:56
Luiz Souto, o que você acha deste artigo:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

Caso tenha algum estudante de medicina ou médico, comente também.

Diagnóstico e elaboração de plano terapêutico não são coisas tãaaaao simples assim como o texto dá a entender. Há muitas nuances envolvidas e a quantidade de conhecimentos exigidos (memorizados de livros-textos enormes e obtidos em anos de prática em internatos e/ou residências) é muito grande. Um profissional que não se dedicou especificamente a estudar e memorizar esse conhecimento (como enfermeiros, farmacêuticos, médicos mal-formados, fonoaudiólogos, psicólogos, etc) certamente não possuem a competência necessária para fazer diagnósticos e elaborarem planos terapêuticos com segurança. Um enfermeiro experiente (acredito) é o que mais se aproxima dessa competência, já que ele trabalha diretamente envolvido com todo tipo de paciente e aplicando as prescrições médicas, mas os demais profissionais citados não. Acredito que enfermeiros e fisioterapeutas podem ser treinados para fazerem alguns procedimentos normalmente de competência do médico, entretanto, eles não saberiam "se virar" se algo der errado, necessitando supervisão médica.

Concordo que um médico mal-formado (ou um enfermeiro) pode (ou não) ser melhor do que médico nenhum, não há como negar isso. Mas se o governo brasileiro resolver enveredar pelo lado da "improvisação" também nessa área (a exemplo do que já faz em outras), fodeu tudo! Por que não criar um curso mais curto, simples e barato de "meio-médicos" para atender as áreas carentes?  :)

Eu acho que poderiam treinar, sei lá, enfermeiros para que pudessem quebrar o galho nessas questões que você citou.

Acho também que alguns procedimentos exclusivamente médicos os enfermeiros poderiam atuar. Mas aprovando o Ato Médico a coisa tende a piorar.

Off: e o que você acha do Ato Médico? O Luiz Souto também pode comentar.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 22 de Junho de 2013, 20:10:39
Os 6.000 médicos serão obrigados a ficar onde o governo quer?
Por que raios um médico bom ficaria num lugar ruim, principalmente se estrangeiro. Nem os nossos querem? Será tipo um contrato? Alguém sabe como isso se dará?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 22 de Junho de 2013, 20:32:12
Luiz Souto, o que você acha deste artigo:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

Caso tenha algum estudante de medicina ou médico, comente também.

Diagnóstico e elaboração de plano terapêutico não são coisas tãaaaao simples assim como o texto dá a entender. Há muitas nuances envolvidas e a quantidade de conhecimentos exigidos (memorizados de livros-textos enormes e obtidos em anos de prática em internatos e/ou residências) é muito grande. Um profissional que não se dedicou especificamente a estudar e memorizar esse conhecimento (como enfermeiros, farmacêuticos, médicos mal-formados, fonoaudiólogos, psicólogos, etc) certamente não possuem a competência necessária para fazer diagnósticos e elaborarem planos terapêuticos com segurança. Um enfermeiro experiente (acredito) é o que mais se aproxima dessa competência, já que ele trabalha diretamente envolvido com todo tipo de paciente e aplicando as prescrições médicas, mas os demais profissionais citados não. Acredito que enfermeiros e fisioterapeutas podem ser treinados para fazerem alguns procedimentos normalmente de competência do médico, entretanto, eles não saberiam "se virar" se algo der errado, necessitando supervisão médica.

Concordo que um médico mal-formado (ou um enfermeiro) pode (ou não) ser melhor do que médico nenhum, não há como negar isso. Mas se o governo brasileiro resolver enveredar pelo lado da "improvisação" também nessa área (a exemplo do que já faz em outras), fodeu tudo! Por que não criar um curso mais curto, simples e barato de "meio-médicos" para atender as áreas carentes?  :)

Eu acho que poderiam treinar, sei lá, enfermeiros para que pudessem quebrar o galho nessas questões que você citou.

Acho também que alguns procedimentos exclusivamente médicos os enfermeiros poderiam atuar. Mas aprovando o Ato Médico a coisa tende a piorar.

Off: e o que você acha do Ato Médico? O Luiz Souto também pode comentar.

O Ato Médico, em minha opinião, apenas formalizou na lei algo que já era praticado e quase consensual.

Acho que outros profissionais poderiam praticar "atos médicos" se reformarem os seus cursos para abarcarem todo o conhecimento necessário para tal, incluindo os necessários para manejarem problemas que porventura ocorram. O que não pode é alguém formado em uma área X querer ter a liberdade de fazer algo da área Y. Se ele quisesse fazer Y, que se formasse em Y, oras!  :)

 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 22 de Junho de 2013, 20:40:47
Os 6.000 médicos serão obrigados a ficar onde o governo quer?
Por que raios um médico bom ficaria num lugar ruim, principalmente se estrangeiro. Nem os nossos querem? Será tipo um contrato? Alguém sabe como isso se dará?

Serão acorrentados a pesadíssimas bolas de ferro. Ou seja, nada muito diferente do que já vivem em Cuba  :hihi:...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 22 de Junho de 2013, 20:45:18
Aí é que você se engana DDV, a maioria dos médicos (os que já fizeram residência) trabalham sem conhecimentos extensos de outras áreas da medicina, e se esquecem até do básico das outras áreas. A boa parte do que é ensinado está aí para ser esquecido. A maior parte dos médicos não precisa saber os nomes dos ossos da mão para excercer a medicina, as proteínas que compõe a parede celular de bactérias, as enzimas envolvidas na apoptose, a forma das fezes 1,2,3,4,5 (a 3 é a salsicha), quais são as características histológicas de um corte de ovário, de glândula adrenal, etc. Isso falando dos dois primeiros anos de curso, que em resumo são uma perda de tempo.

Agora falando de medicina mesmo, os médicos desde sempre dividem o conhecimento nas especialidades, e apesar de parecer que não para um leigo, o conhecimento que se espera de um clínico geral é algo bastante arbitrário. Alguns acham que tinham que saber o mais comum de cada área, mas aí: se a pessoa já vai aprender o que é asma e como diagnosticar, por que não ensinar logo doenças interticiais? Se já se vai exigir que se saiba o básico sobre infarto, por que não exigir o conhecimento de angina prinzmetal? Para os ditadores de currívulo, o tempo e memória não são escassos, nada se perde quando acrecenta-se algo ao currículo.

E ainda quanto a doenças que não requerem urgência no tratamento e poderiam ser melhor avaliadas por um especialista experiente como Parkinson (qualquer um pode ver um tremor e encaminhar a um neurologista, isso se o paciente não for diretamente a um neurologista). Pode ser comum, mas por que não ser avaliado logo por um neurologista? É realmente benéficos que todos os médicos saibam as doenças comuns a fundo, inclusive todos os diagnósticos diferenciais? E imagine que com o passar dos anos o conhecimento dos médicos já formados vão ficando desatualizados, possivelmente resultando em um tratamento substandard para os pacientes. Será que a solução será então é forçar todos os médicos a fazerem curso de atualização a cada X anos sobre tudo de medicina? (novamente é bem capaz que venham com ideias assim, e é bem fácil coisas assim serem aprovadas, já que na teoria elas consideram apenas os benefícios, jamais custos)

Por fim, qual é a forma certa de se formar um médico? Um curso de 6 anos? um de 5? um de 3? E realmente é necessário 10 anos para se formar um especialista (isso é o que demora atualmente, considerando curso + residências). Deixo essa questão de lado aqui, não por ela ser menos importante, mas por ela ser o mais difícil de se mexer, poucos gostam de mexer na tradição, muito menos médicos. É aquela história, na hora de negar a aprovação de um novo remédio é super simples, não é necessário lá muitas evidências (aqui no Brasil nem se aprovou a vacina contra herpes zoster, o remédio contra intoxicação por cianeto), para aprovar precisa de mil e um gastos e processos burocráticos.

E olha o quão arrogante é essa gente, elas sabem exatamente quantos médicos o Brasil precisa! Ou não são, quem sabe é senso comum que 1 a mais ou 1 a menos será extremamente prejudicial para o bom funcionamento da medicina brasileira, e eu é quem não fui avisado.  Aceito as afirmações que não há falta de médicos e que as capitais estão super-lotadas de médicos no dia que eu não mais ouvir, aqui não se marca mais consulta na neuro/ reumato/ cardiologia por falta de vagas, apesar da existência de ambulatórios que atendem pacientes todos os dias, no meio da capital federal.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 22 de Junho de 2013, 20:56:06
parcus, eu não me referia aos conhecimentos detalhados de tudo o que é ensinado no curso, mas apenas aos conhecimentos clínicos práticos mesmos, que não são tão simples e poucos assim. O argumento não é contra a especialização e sim contra a má formação ou "improvisação" de outros profissionais. Não tenho absolutamente nada contra a especialização, muito pelo contrário.



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 22 de Junho de 2013, 21:05:37
A maior parte dos médicos não precisa saber os nomes dos ossos da mão para excercer a medicina, as proteínas que compõe a parede celular de bactérias, as enzimas envolvidas na apoptose, a forma das fezes 1,2,3,4,5 (a 3 é a salsicha), quais são as características histológicas de um corte de ovário, de glândula adrenal, etc. Isso falando dos dois primeiros anos de curso, que em resumo são uma perda de tempo.

Discordo que sejam pura perda de tempo o ensino destas coisas nos anos iniciais. Não consigo ver como um alguém completamente "clueless" em anatomia, histologia e fisiologia possa entender e absorver facilmente os conhecimentos de patologia e clínica. O sujeito ficaria boiando quando estivesse lendo sobre doenças, sintomas,patologia, diagnóstico, etc. Teria muito mais dificuldade com certeza.

Esses conhecimentos não são ensinados para serem guardados e rapidamente lembrados em todos os seus detalhes, mas apenas para dar uma noção, para "localizar" o médico (e outros profissionais) no organismo humano e fazer o entendimento do que vem pela frente mais rápido e fácil. A partir daí, ele pode a qualquer momento consultar livros e relembrar rapidamente sempre que necessário (ao contrário de um leigo, que teria que "começar do zero").
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 22 de Junho de 2013, 21:16:28
parcus, eu não me referia aos conhecimentos detalhados de tudo o que é ensinado no curso, mas apenas aos conhecimentos clínicos práticos mesmos, que não são tão simples e poucos assim. O argumento não é contra a especialização e sim contra a má formação ou "improvisação" de outros profissionais. Não tenho absolutamente nada contra a especialização, muito pelo contrário.
Mas isso de conhecimentos práticos mesmos é arbitrário, você pode justificar para praticamente tudo que um paciente X poderia, talvez, dependendo da circunstância, se beneficiar se seu médico da família/ clínico geral puder fazer um diagnóstico diferencial (não precisando encaminhar a um especialista), ou o fazer mais rápido ou preciso. Sempre é possível imaginar um benefício de um pouco mais de exigência ou uma exigência diferente. Essa questão tangência a questão da especialização, não vejo como falar de formação médica sem falar de especialização.

Você pode ter um pé no chão e deixar que o mercado defina o que é suficiente ou não ou tentar impor suas barreiras arbitrárias através do governo. Como sei que a população, e muito menos os médicos tem capacidade para entender este ponto, penso que a validação automatica do diploma de, digamos países desenvolvidos e alguns países subdesenvolvidos seja uma ideia politicamente viável em nosso país. A população não tem o que perder aumentando a concorrência na saúde brasileira.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 22 de Junho de 2013, 21:22:45
, penso que a validação automatica do diploma de, digamos países desenvolvidos e alguns países subdesenvolvidos seja uma ideia politicamente viável em nosso país. A população não tem o que perder aumentando a concorrência na saúde brasileira.

Concordo. Se um médico formado já tem autorização para exercer a sua profissão em um país como os EUA ou Alemanha, não vejo por quê não validar automaticamente a sua formação aqui no Brasil. Só tenho o pé atrás com certos países subdesenvolvidos e exigiria proficiência na língua portuguesa e um "cursinho" rápido sobre a epidemiologia e a realidade da saúde brasileira (ex: ter que se virar com menos recursos).

 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 22 de Junho de 2013, 22:04:15
Luiz Souto, o que você acha deste artigo:

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

Caso tenha algum estudante de medicina ou médico, comente também.

Diagnóstico e elaboração de plano terapêutico não são coisas tãaaaao simples assim como o texto dá a entender. Há muitas nuances envolvidas e a quantidade de conhecimentos exigidos (memorizados de livros-textos enormes e obtidos em anos de prática em internatos e/ou residências) é muito grande. Um profissional que não se dedicou especificamente a estudar e memorizar esse conhecimento (como enfermeiros, farmacêuticos, médicos mal-formados, fonoaudiólogos, psicólogos, etc) certamente não possuem a competência necessária para fazer diagnósticos e elaborarem planos terapêuticos com segurança. Um enfermeiro experiente (acredito) é o que mais se aproxima dessa competência, já que ele trabalha diretamente envolvido com todo tipo de paciente e aplicando as prescrições médicas, mas os demais profissionais citados não. Acredito que enfermeiros e fisioterapeutas podem ser treinados para fazerem alguns procedimentos normalmente de competência do médico, entretanto, eles não saberiam "se virar" se algo der errado, necessitando supervisão médica.

Concordo que um médico mal-formado (ou um enfermeiro) pode (ou não) ser melhor do que médico nenhum, não há como negar isso. Mas se o governo brasileiro resolver enveredar pelo lado da "improvisação" também nessa área (a exemplo do que já faz em outras), fodeu tudo! Por que não criar um curso mais curto, simples e barato de "meio-médicos" para atender as áreas carentes?  :)


Vamos por partes:

 O uso de algoritmos para diagnóstico e tratamento é uma excelente ferramenta para racionalizar e agilizar o atendimento e tratamento , especialmente em casos de emergência ( vide os protocolos de atendimento de dor torácica para diferenciar os casos de doença coronariana de outras patologias). Mas para empregar um algoritmo de forma adequada pressupõe-se que o profissional tem que estar bem formado para poder utilizar a ferramenta de forma adequada. Para usar um algoritmo de dor torácica por exemplo ele tem que estar familiarizado com as alterações eletrocardiográficas de doença coronariana para poder definir onde encaixar o paciente.
Um médico tem na sua formação , quando estuda cardiologia , aulas de eletrocardiografia e o que eu mais faço é ensinar a médicos recém formados que atendem na Emergência do hospital onde trabalho a interpretar adequadamente os eletros que  me trazem. O curso de Enfermagem também tem mas com complexidade menor , avalie a dificuldade de um enfermeiro para fazer um diagnóstico diferencial. No fim das conta seria necessário investir em um reforço maior para profissionais não médicos que para médicos a fim de que apliquem um algoritmo com segurança ( tanto para eles quanto para os pacientes) na ausência de um médico.
Mas um enfermeiro de boa formação não poderia fazer este papel , alguém pergunta? Com certeza , um enfermeiro bem formado tem mais competẽncia que um médico meia-boca (digo isso por experiência própia com ambos). Só que um enfermeiro bem formado tem os mesmos custos e exigências que um médico , se o médico não aceita as condições de trabalho inóspitas porque o enfermeiro as aceitaria?

Dizer que meio médico é melhor que nenhum médico tem sentido...em um país miserável. E  pela mesma lógica e em um país miserável meio enfermeiro é melhor que enfermeiro nenhum , meio fisioterapeuta é melhor que fisioterapeuta nenhum , meio dentista é melhor que dentista nenhum...
Só que nós não somos um pais miserável , muito pelo contrário. Somos um país que não constroi efetivamente um sistema de saúde público e universal de qualidade porque não interessa a quem está no poder que isto aconteça.
Vou dar um exemplo da minha experiência de médico militar de como um serviço de saúde público pode funcionar em um local de dificil acesso.Em diversos municipios da região Norte quem presta assistẽncia á população (inclusive a indígena) são as unidades de saúde do Exército. Os batalhões de fronteira possuem não só médicos mas farmacêuticos , dentistas , enfermeiros.Os hospitais da fronteira norte como o de Tabatinga e o de São Miguel da Cachoeira servem de retaguarda para os casos mais graves.As vagas de profissionais são ocupadas por que as Forças Armadas são uma carreira de Estado , o profissional de uma região pode ser movimentado para outra por necessidade do serviço. Se falta anestesista em Tabatinga e há folga em Santa Maria ou Porto Alegre alguém é movimentado - e ganha os custos de transporte além pontos para a quantificação de mérito para fins de promoção. Se estiver em uma guarnição especial  seu tempo de permanência é contado em dobro para fins de reserva (no Exército a classificação da guarnição é que nem a de feijão - a especial é a  pior). É a regra do jogo e quem faz o concurso sabe disso ( assim como sabe que os militares especificamente não tem carga horária).
Não é por outro motivo que o CFM defende que o profissional do SUS seja uma carreira de Estado , com garantia de salário e plano de carreira definido .

A contratação de médicos estrangeiros ( leia-se cubanos) é dada como medida paliativa.
Oras , medida paliativa ( que é um termo médico!) significa que ou o caso é insolúvel e só resta minorar o sofrimento ou que a medida definitiva está sendo providenciada. Nenhuma das opções se aplica.
A primeira é falsa porque SUS realmente universal e de boa qualidade é possível.A segunda é falsa porque o governo não apresenta o que fará para não precisar mais dos médicos estrangeiros contratados.
E vamos ser claros , se as condições oferecidas não são atraentes para que um profissional saia do mercado saturado dos grandes centros urbanos quão na pior deverá estar o médico estrangeiro contratado para trabalhar nas mesmas condições? E se melhores condições serão oferecidas para que contratá-los ?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 22 de Junho de 2013, 22:12:41

O Ato Médico, em minha opinião, apenas formalizou na lei algo que já era praticado e quase consensual.

Acho que outros profissionais poderiam praticar "atos médicos" se reformarem os seus cursos para abarcarem todo o conhecimento necessário para tal, incluindo os necessários para manejarem problemas que porventura ocorram. O que não pode é alguém formado em uma área X querer ter a liberdade de fazer algo da área Y. Se ele quisesse fazer Y, que se formasse em Y, oras!  :)

Nada a acrescentar  :)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 22 de Junho de 2013, 22:39:30
Os 6.000 médicos serão obrigados a ficar onde o governo quer?
Por que raios um médico bom ficaria num lugar ruim, principalmente se estrangeiro. Nem os nossos querem? Será tipo um contrato? Alguém sabe como isso se dará?

Serão acorrentados a pesadíssimas bolas de ferro. Ou seja, nada muito diferente do que já vivem em Cuba  :hihi:...

Pois é, já deve ser do costume deles. E serão realmente cubanos. Ontem no pronunciamento isso não ficou claro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 22 de Junho de 2013, 23:14:42
DDV e Luiz Souto, pela lei do Ato Médico, se não me engano houve mudança da lei inicial, um dentista terá autonomia no que faz atualmente?

Pelo que eu ouvi falar, dizem que se um cara quiser ir num psicólogo ou nutricionista, ele deverá passar primeiramente no médico e esse deverá encaminhá-lo. O mesmo acontecerá se alguém procurar um fisioterapeuta para fazer pilates?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 22 de Junho de 2013, 23:49:17
DDV e Luiz Souto, pela lei do Ato Médico, se não me engano houve mudança da lei inicial, um dentista terá autonomia no que faz atualmente?

Pelo que eu ouvi falar, dizem que se um cara quiser ir num psicólogo ou nutricionista, ele deverá passar primeiramente no médico e esse deverá encaminhá-lo. O mesmo acontecerá se alguém procurar um fisioterapeuta para fazer pilates?

Isso é bobagem. É uma tática baseada na desinformação e vem sendo amplamente divulgado pelos que são contra o ato médico, mas sequer o leram. Existem artigos específicos no ato médico garantindo as competências próprias das demais profissões e excluindo a odontologia do âmbito do ato médico (paragrafos 6 e 7 do artigo 4ª). O texto, na íntegra:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=85DF3FF95F3DD25CDBD40BF34E9EFA3B.node1?codteor=432204&filename=PL+7703/2006
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 23 de Junho de 2013, 10:21:39
DDV e Luiz Souto, pela lei do Ato Médico, se não me engano houve mudança da lei inicial, um dentista terá autonomia no que faz atualmente?

Pelo que eu ouvi falar, dizem que se um cara quiser ir num psicólogo ou nutricionista, ele deverá passar primeiramente no médico e esse deverá encaminhá-lo. O mesmo acontecerá se alguém procurar um fisioterapeuta para fazer pilates?

Isso é bobagem. É uma tática baseada na desinformação e vem sendo amplamente divulgado pelos que são contra o ato médico, mas sequer o leram. Existem artigos específicos no ato médico garantindo as competências próprias das demais profissões e excluindo a odontologia do âmbito do ato médico (paragrafos 6 e 7 do artigo 4ª). O texto, na íntegra:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=85DF3FF95F3DD25CDBD40BF34E9EFA3B.node1?codteor=432204&filename=PL+7703/2006

Eu já havia lido a lei e não tinha achado nada do que estava dizem por aí, mas talvez eu não tenha lido ou entendido determinada parte da lei.

Sempre foi exclusividade dos médicos o diagnóstico nosológico e a prescrição terapêutica ou essa lei apenas está "definindo" bem os papéis dos médicos e isso não irá interferir em outra profissões?

Na lei fala que ficam resguardadas as competências próprias das demais profissões da saúde, mas o Ato Médico não vai alterar alguma coisa dessas competências?

Eu sei que a lei diz que não é privativo do médico o diagnóstico psicológico e diz que o psicólogo está com a competência resguardada, mas não será mesmo necessário ir a um médico para que ele possa encaminhar o paciente ao psicólogo?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 23 de Junho de 2013, 10:40:28
DDV e Luiz Souto, pela lei do Ato Médico, se não me engano houve mudança da lei inicial, um dentista terá autonomia no que faz atualmente?

Pelo que eu ouvi falar, dizem que se um cara quiser ir num psicólogo ou nutricionista, ele deverá passar primeiramente no médico e esse deverá encaminhá-lo. O mesmo acontecerá se alguém procurar um fisioterapeuta para fazer pilates?

Isso é bobagem. É uma tática baseada na desinformação e vem sendo amplamente divulgado pelos que são contra o ato médico, mas sequer o leram. Existem artigos específicos no ato médico garantindo as competências próprias das demais profissões e excluindo a odontologia do âmbito do ato médico (paragrafos 6 e 7 do artigo 4ª). O texto, na íntegra:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=85DF3FF95F3DD25CDBD40BF34E9EFA3B.node1?codteor=432204&filename=PL+7703/2006

Eu já havia lido a lei e não tinha achado nada do que estava dizem por aí, mas talvez eu não tenha lido ou entendido determinada parte da lei.

Sempre foi exclusividade dos médicos o diagnóstico nosológico e a prescrição terapêutica ou essa lei apenas está "definindo" bem os papéis dos médicos e isso não irá interferir em outra profissões?

Na lei fala que ficam resguardadas as competências próprias das demais profissões da saúde, mas o Ato Médico não vai alterar alguma coisa dessas competências?

Eu sei que a lei diz que não é privativo do médico o diagnóstico psicológico e diz que o psicólogo está com a competência resguardada, mas não será mesmo necessário ir a um médico para que ele possa encaminhar o paciente ao psicólogo?

O diagnóstico nosológico sempre foi médico mas de uns tempos para cá outros profissionais passaram a fazer diagnósticos e solicitar exames e propor tratamentos. Já vi solicitação de ressonância magnética de joelho feita por fisioterapeuta com diagnóstico ( feito pelo mesmo) de degeneração de menisco. Só que o curso que ele fez não o habilita a este diagnóstico , mas ao diagnóstico funcional do joelho. Um bom profissional suspeitaria da possibilidade de lesão meniscal e encaminharia ao ortopedista para avaliar , já que outras patologias ( inclusive artrite causada por doenças sistêmicas como lupus) podem se manifestar da mesma forma.

O Ato Médico não altera nenhuma competência de nenhuma outra profissão , que inclusive já estão regulamentadas em leis própias . Os médicos estão fazendo a sua com atraso.

Ninguém precisa passar no médico para consultar um psicólogo ou nutricionista ou fisioterapeuta. Se a coordenadora da escola do seu filho considerar que o comportamento dele merece avaliação psicológica ela pode sugerir a avaliação por um psicólogo , não precisa de aval médico. da mesma forma ninguém precisa de médico para autorizar fazer Pilates. O que se espera é que um bom profissional de psicologia ao suspeitar de que a criança do exemplo tenha um problema que possa necessitar tratamento medicamentos o encaminhe a um médico. Da mesma forma um bom fisioterapeuta vai colher a história e solicitar atestado médico para liberar atividade física se ver que a pessoa tem algum problema atual ou passado( por exemplo infarto prévio , ou diabetes)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 23 de Junho de 2013, 12:31:39
DDV e Luiz Souto, pela lei do Ato Médico, se não me engano houve mudança da lei inicial, um dentista terá autonomia no que faz atualmente?

Pelo que eu ouvi falar, dizem que se um cara quiser ir num psicólogo ou nutricionista, ele deverá passar primeiramente no médico e esse deverá encaminhá-lo. O mesmo acontecerá se alguém procurar um fisioterapeuta para fazer pilates?

Isso é bobagem. É uma tática baseada na desinformação e vem sendo amplamente divulgado pelos que são contra o ato médico, mas sequer o leram. Existem artigos específicos no ato médico garantindo as competências próprias das demais profissões e excluindo a odontologia do âmbito do ato médico (paragrafos 6 e 7 do artigo 4ª). O texto, na íntegra:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=85DF3FF95F3DD25CDBD40BF34E9EFA3B.node1?codteor=432204&filename=PL+7703/2006

Eu já havia lido a lei e não tinha achado nada do que estava dizem por aí, mas talvez eu não tenha lido ou entendido determinada parte da lei.

Sempre foi exclusividade dos médicos o diagnóstico nosológico e a prescrição terapêutica ou essa lei apenas está "definindo" bem os papéis dos médicos e isso não irá interferir em outra profissões?

Na lei fala que ficam resguardadas as competências próprias das demais profissões da saúde, mas o Ato Médico não vai alterar alguma coisa dessas competências?

Eu sei que a lei diz que não é privativo do médico o diagnóstico psicológico e diz que o psicólogo está com a competência resguardada, mas não será mesmo necessário ir a um médico para que ele possa encaminhar o paciente ao psicólogo?

O diagnóstico nosológico sempre foi médico mas de uns tempos para cá outros profissionais passaram a fazer diagnósticos e solicitar exames e propor tratamentos. Já vi solicitação de ressonância magnética de joelho feita por fisioterapeuta com diagnóstico ( feito pelo mesmo) de degeneração de menisco. Só que o curso que ele fez não o habilita a este diagnóstico , mas ao diagnóstico funcional do joelho. Um bom profissional suspeitaria da possibilidade de lesão meniscal e encaminharia ao ortopedista para avaliar , já que outras patologias ( inclusive artrite causada por doenças sistêmicas como lupus) podem se manifestar da mesma forma.

O Ato Médico não altera nenhuma competência de nenhuma outra profissão , que inclusive já estão regulamentadas em leis própias . Os médicos estão fazendo a sua com atraso.

Ninguém precisa passar no médico para consultar um psicólogo ou nutricionista ou fisioterapeuta. Se a coordenadora da escola do seu filho considerar que o comportamento dele merece avaliação psicológica ela pode sugerir a avaliação por um psicólogo , não precisa de aval médico. da mesma forma ninguém precisa de médico para autorizar fazer Pilates. O que se espera é que um bom profissional de psicologia ao suspeitar de que a criança do exemplo tenha um problema que possa necessitar tratamento medicamentos o encaminhe a um médico. Da mesma forma um bom fisioterapeuta vai colher a história e solicitar atestado médico para liberar atividade física se ver que a pessoa tem algum problema atual ou passado( por exemplo infarto prévio , ou diabetes)

Que bom, então. Não é aquele terrorismo propagado por aí sobre tudo ter que passar pelos médicos.

Mas pelo que andei lendo, acupuntura terá que ser com indicação médica. Certo?

E o caso do fisioterapeuta que você citou ele não poderá mais fazer o que fez, até porque ele não tem mesmo competência para isso (segunda o que você escreveu).

Hoje vemos que praticamente nenhum lugar desportivo solicita qualquer avaliação médica para começar a realizar esportes. O mais perto disso é quando a pessoa vai a um lugar desses porque o médico indicou ou prescreveu.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 23 de Junho de 2013, 12:32:27
Ah, lembrei de outra coisa, dizem que até tatuagem teria que ter prescrição médica. Procede?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 23 de Junho de 2013, 13:20:43
Ah, lembrei de outra coisa, dizem que até tatuagem teria que ter prescrição médica. Procede?

Nunca vi nada quanto a isso. As restrições constantes no PL sobre procedimentos invasivos se referem àqueles com fim terapêutico e não estético.
Daqui a pouco vão dizer que um kayapó para colocar botoque vai ter que ter atestado médico ( e da FUNAI!)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 23 de Junho de 2013, 13:29:31
Ah, lembrei de outra coisa, dizem que até tatuagem teria que ter prescrição médica. Procede?

Nunca vi nada quanto a isso. As restrições constantes no PL sobre procedimentos invasivos se referem àqueles com fim terapêutico e não estético.
Daqui a pouco vão dizer que um kayapó para colocar botoque vai ter que ter atestado médico ( e da FUNAI!)

 :biglol:

Tem um outro post meu antes desse que você comentou. Vê o que você acha do que escrevi. Obrigado.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 23 de Junho de 2013, 13:54:05
Ah, lembrei de outra coisa, dizem que até tatuagem teria que ter prescrição médica. Procede?

Nunca vi nada quanto a isso. As restrições constantes no PL sobre procedimentos invasivos se referem àqueles com fim terapêutico e não estético.
Daqui a pouco vão dizer que um kayapó para colocar botoque vai ter que ter atestado médico ( e da FUNAI!)

 :biglol:

Tem um outro post meu antes desse que você comentou. Vê o que você acha do que escrevi. Obrigado.
Ah, tá.

Bom , acupuntura foi definida como especialidade médica ( na verdade privativa para médicos , dentistas e médicos veterinários).
Eventos esportivos abertos como a corrida da São Silvestre não exigem atestado para participação mas obrigatoriamente tem que haver um esquema de atendimento médico para urgências. Já atletas de competição todos têm que ter acompanhamento médico. Inclusive em todo Congresso Brasileiro de Cardiologia e Congresso Brasileiro de Arritmias Cardiacas há alguma discussão sobre eventos cardiovasculares associados à atividade física.
Aqui no Rio uma boa parte do profissionais de educação física exigem atestado médico para admitir um aluno em academia.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 23 de Junho de 2013, 15:09:47
Luiz Souto, a proposta de carreira SUS já é discutida, formalmente, desde 2010. Na semana passada foi publicada nova portaria sobre o assunto: http://www.conass.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2578&catid=6&Itemid=14
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 23 de Junho de 2013, 15:25:25
Luiz Souto, a proposta de carreira SUS já é discutida, formalmente, desde 2010. Na semana passada foi publicada nova portaria sobre o assunto: http://www.conass.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=2578&catid=6&Itemid=14
Sim porque o CFM iniciou uma campanha nacional pela carreira de estado.
As discussões existem desde 2010 mas quanto de  empenho político o governo botou na questão? Não estou dizendo que soluções não estejam sendo discutidas mas o grau de prioridade dado.
Se fosse o mesmo dado à preparação para a Copa...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 27 de Junho de 2013, 22:03:35
(http://img835.imageshack.us/img835/8805/fk3r.jpg)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 28 de Junho de 2013, 07:36:19
Estava vendo ontem no Jornal Nacional pessoas protestando contra o ato médico (http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/06/27/interna_cidadesdf,373765/protesto-contra-ato-medico-reune-profissionais-de-saude-na-esplanada.shtm). Se isso passar, tenho medo que, daqui a pouco, eu vá a um PS e seja diagnosticado por um auxiliar de enfermagem.
Nada contra esses profissionais, mas é o médico que estudou para isso.
Por outro lado, construir mais hospitais é interessante, mas o que vejo na prática, pelo menos aqui, é que os hospitais já estabelecidos, não conseguem suprir o quadro de certas especialidades como pediatras e, graças ao valor pago pelo SUS por procedimentos, estão com enormes déficits.
Me pergunto se reajustar essa tabela de honorários, não seria uma medida efetiva para melhorar o atendimento à população. 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 28 de Junho de 2013, 08:53:18
Carreira de Estado para médico do SUS a pretexto de interiorizar a medicina?

É uma desculpa mais que esfarrapada para tornar os médicos do SUS uma classe de privilegiados, aos moldes do que ocorre hoje com os juízes, desembargadores, embaixadores e outros "sortudos" (não, não é sorte).

Resumindo: Mais despesas fixas para o setor privado pagar via impostos, taxas, contribuições, emolumentos, etc; de tal modo que aumentará o 'assalto', pelo Estado, dos setores produtivos da Sociedade.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 28 de Junho de 2013, 09:01:46
Carreira de Estado para médico do SUS a pretexto de interiorizar a medicina?

É uma desculpa mais que esfarrapada para tornar os médicos do SUS uma classe de privilegiados, aos moldes do que ocorre hoje com os juízes, desembargadores, embaixadores e outros "sortudos" (não, não é sorte).

Resumindo: Mais despesas fixas para o setor privado pagar via impostos, taxas, contribuições, emolumentos, etc; de tal modo que aumentará o 'assalto', pelo Estado, dos setores produtivos da Sociedade.

Solução Geo, solução, cadê?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 28 de Junho de 2013, 10:16:18
É tudo uma simples questão de oferta e demanda. No passado recente, pediatras ganhavam muito pouco (não sei se devido à grande oferta). A fama espalhou, os médicos pararam de fazer residência para pediatria e hoje temos escassez de pediatras.

Trazer médico do exterior seria uma medida emergencial lógica SE, e apenas SE, esses médicos fossem submetidos às mesmas exigências técnicas dos nacionais. Como a infraestrutura nesses rincões do interior é péssima*, apenas médicos que já estão em condições ruins** aceitariam trabalhar nesses locais por um salário médio. Logo, apenas médicos de determinados países pobres, de formação duvidosa (que até o Paraguai rejeitou) aceitarão ir pra esses locais.

Se os médicos cubanos e bolivianos (provavelmente os únicos dispostos a irem a esses locais) vierem, é mandatório que sejam submetidos a testes que demonstrem conhecimento equivalente aos formados aqui (seria MUITO injusto para os médicos nacionais serem submetidos a condições mais rigorosas para obterem essa mesma licença para exercerem a medicina)***. Não se pode também criar categorias distintas de médicos (o governo está querendo proibir que os médicos trazidos pra esses locais exerçam procedimentos mais complexos ou arriscados). Também há dúvidas sobre o que obrigaria os médicos cubanos/bolivianos a ficarem nesses locais indesejados. O que impediria que eles, após obterem uma licença em condições "facilitadas", "desertem" e corram para os grandes centros?

Soluções que eu considero adequadas:

1- Trazer médicos estrangeiros que passarem no Revalida e demonstrem proficiência na língua portuguesa.

2- Aumentar o salário ou os benefícios para os locais indesejados.

3- Longo prazo: melhorar a infraestrutura e os serviços dos locais indesejados.


O Brasil forma atualmente 17 000 médicos por ano. É um índice alto, e a relação médicos/habitantes está acima do recomendado pela OMS, demonstrando que não é "falta de médicos" o problema.




* Ouvi falar recentemente de uma cidade onde se pagava 15 000 reais, porém pra chegar à mesma são 120 km de estrada de chão e a cidade não tem água encanada. Um médico recém formado pode facilmente ganhar 25 000 ou mais preenchendo seu tempo com plantões, psf e ambulatórios em uma cidade grande.

** Ou se vierem sob condições trabalhistas e civis "alternativas" (regime de servidão análogo ao de países comunistas).


*** Sem contar os riscos para a população atendida, mas que (ao que parece) é a menor das preocupações dos governantes. Acham que "meio médico" é melhor que médico nenhum e querem apenas alguém com o título e a licença de médico para taparem os buracos e dizerem que fizeram sua parte.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 28 de Junho de 2013, 10:44:34
Sobre o Revalida:

Citar
[...]

Em princípio, não seria absurdo exigir que os cubanos ou qualquer outro médico disposto a atuar no Brasil passe por um processo de certificação como o Revalida, o exame do Ministério da Educação para reconhecer diplomas emitidos fora do Brasil. Na edição de 2012, apenas 77 dos 884 candidatos (8,71%) foram aprovados. No ano anterior, haviam sido 9,6%.

O problema aqui é que estamos cobrando dos estrangeiros algo que não exigimos dos médicos formados por aqui mesmo. Pelas regras atuais, basta ser aprovado em curso regular reconhecido pelo MEC para ter o direito de exercer a medicina. Como os estudantes que concluem a graduação no Brasil não fazem o Revalida, não sabemos como eles se sairiam. Existem, contudo, outros testes e eles não pintam um quadro muito otimista.

Desde o ano passado, o Cremesp obriga todos os recém-formados a realizar uma prova de conclusão. O exame não tem caráter eliminatório, de modo que o aluno, se não quiser, não precisa se esforçar para ir bem. Em 2012, 54,5% dos quase 2.500 graduandos do Estado de São Paulo não acertaram 60% dos testes.

E vale notar que estudantes que acabaram de concluir o curso estão com a matéria relativamente fresca na cabeça. Se fôssemos pôr à prova também os médicos um pouco mais velhos, que tenham se fixado numa especialidade qualquer e já tenham esquecido tudo o que não usam, os resultados provavelmente seriam bem piores.

[...]

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

É um assunto complexo. Mas o principal problema é de toda a estrutura atual que nem valorizou o profissional adequadamente nem propiciou recursos e infraestrutura nas áreas mais distantes. Não se estala um dedo e o paraíso baixa sobre a Terra.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 28 de Junho de 2013, 10:57:26
Sobre o Revalida:

Citar
[...]

Em princípio, não seria absurdo exigir que os cubanos ou qualquer outro médico disposto a atuar no Brasil passe por um processo de certificação como o Revalida, o exame do Ministério da Educação para reconhecer diplomas emitidos fora do Brasil. Na edição de 2012, apenas 77 dos 884 candidatos (8,71%) foram aprovados. No ano anterior, haviam sido 9,6%.

O problema aqui é que estamos cobrando dos estrangeiros algo que não exigimos dos médicos formados por aqui mesmo. Pelas regras atuais, basta ser aprovado em curso regular reconhecido pelo MEC para ter o direito de exercer a medicina. Como os estudantes que concluem a graduação no Brasil não fazem o Revalida, não sabemos como eles se sairiam. Existem, contudo, outros testes e eles não pintam um quadro muito otimista.

Desde o ano passado, o Cremesp obriga todos os recém-formados a realizar uma prova de conclusão. O exame não tem caráter eliminatório, de modo que o aluno, se não quiser, não precisa se esforçar para ir bem. Em 2012, 54,5% dos quase 2.500 graduandos do Estado de São Paulo não acertaram 60% dos testes.

E vale notar que estudantes que acabaram de concluir o curso estão com a matéria relativamente fresca na cabeça. Se fôssemos pôr à prova também os médicos um pouco mais velhos, que tenham se fixado numa especialidade qualquer e já tenham esquecido tudo o que não usam, os resultados provavelmente seriam bem piores.

[...]

http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/05/1283389-de-meios-medicos-e-medicos-inteiros.shtml

É um assunto complexo. Mas o principal problema é de toda a estrutura atual que nem valorizou o profissional adequadamente nem propiciou recursos e infraestrutura nas áreas mais distantes. Não se estala um dedo e o paraíso baixa sobre a Terra.

A prova do Revalida é "mamão com açúcar" se comparada ao provão de MEC e esses exames de conclusão. É mais ou menos como comparar o ENEM com os vestibulares de federais.

Eu gostaria de ver médicos recém-formados fazendo o Revalida.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 28 de Junho de 2013, 14:18:10
O provão do Enade a galera só assina e vai embora, já que não vale nada mesmo...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 28 de Junho de 2013, 14:23:57
Carreira de Estado para médico do SUS a pretexto de interiorizar a medicina?

É uma desculpa mais que esfarrapada para tornar os médicos do SUS uma classe de privilegiados, aos moldes do que ocorre hoje com os juízes, desembargadores, embaixadores e outros "sortudos" (não, não é sorte).

Resumindo: Mais despesas fixas para o setor privado pagar via impostos, taxas, contribuições, emolumentos, etc; de tal modo que aumentará o 'assalto', pelo Estado, dos setores produtivos da Sociedade.

Solução Geo, solução, cadê?

Solução de mercado: O SUS contrato médicos pagando um salário substancialmente maior que o mercado mas sob um regime CLT.

Solução de Estado: O país obriga os médicos formados pelas escolas públicas a ficarem durante um período servindo no interior, com um salário que pode ser semelhante ao do item anterior.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: O Grande Capanga em 28 de Junho de 2013, 21:21:18
http://www.youtube.com/v/039zUS_NXS8
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 28 de Junho de 2013, 22:26:05
Citar
O problema aqui é que estamos cobrando dos estrangeiros algo que não exigimos dos médicos formados por aqui mesmo. Pelas regras atuais, basta ser aprovado em curso regular reconhecido pelo MEC para ter o direito de exercer a medicina. Como os estudantes que concluem a graduação no Brasil não fazem o Revalida, não sabemos como eles se sairiam. Existem, contudo, outros testes e eles não pintam um quadro muito otimista.

Independente dos médicos brasileiros terem ou não algo semelhante ao revalida (algo que deve ser instituído nos próximos anos), o argumento é ridículo. Em nenhum país do mundo a revalidação de diplomas é automática, você sempre tem que se submeter a algum exame, em geral bem mais rigoroso que o brasileiro*, se quiser exercer a medicina. Existem diferenças na qualidade de formação, currículo, epidemiologia, condutas e sistemas de saúde que precisam ser avaliados para alguém que se formou em outra realidade e quer trabalhar aqui.

*Nos EUA, por exemplo, além da proficiência prévia no inglês, a prova consiste de 3 fases, duas teóricas englobando todo conhecimento desde o ciclo básico até as matérias médicas, com duração de cerca de 8, 9 horas cada, e uma prática de cerca de 12 horas de duração. Além disso, se aprovado, você recebe apenas o título de médico. Mesmo que já tenha feito residência aqui no Brasil, seu título de especialista não é reconhecido.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 28 de Junho de 2013, 22:44:05
Concordo, Angelo. Por isso que eu coloquei que o tema é complexo.

E, no mais, será muito oportuno que os estudantes também passem por uma "homologação" de seus conhecimentos antes de "pegarem no batente", assim como a OAB faz com os seus. Como você disse, isso será instituído mais adiante. Será bem-vindo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 28 de Junho de 2013, 23:28:48
Em nenhum país do mundo a revalidação é automática? E por que um médico americano pode ir trabalhar na Austrália sem burocracia? É interessante também como depositam confiança incondicional nos nossos médicos, por que eles são melhores em decidir quem pode ou não ser médico que os de Portugal?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 29 de Junho de 2013, 02:09:31
Em nenhum país do mundo a revalidação é automática? E por que um médico americano pode ir trabalhar na Austrália sem burocracia?

Sem burocracia? Qualquer americano que vá trabalhar na Austrália tem que passar por um período de 1 ano de prática supervisionada e somente se cumprir satisfatoriamente esse período recebe a licença para trabalhar.

Citar
The Competent Authority Pathway is intended for overseas-trained non-specialists, but it is also available to specialists, including general practitioners. If you have passed the examinations or you have completed training through an AMC‑designated competent authority, you can apply to the AMC for assessment under this pathway. The AMC-designated competent authorities are:

General Medical Council (United Kingdom—for the PLAB examination or for graduates of GMC-accredited medical courses in the United Kingdom)
Medical Council of Canada (LMCC)
Educational Commission for Foreign Medical Graduates of the United States (USMLE)
Medical Council of New Zealand (NZREX)
Medical Council of Ireland (graduates of medical courses in Ireland accredited by the Medical Council of Ireland).
If the AMC is satisfied that you are eligible for this pathway, it issues an Advanced Standing Certificate, which enables you to apply to the Medical Board of Australia for limited registration. Once granted limited registration, you undertake 12 months supervised practice with an accredited provider. If you satisfactorily complete the supervised practice period, the AMC issues your AMC Certificate, which enables you to apply to the Medical Board of Australia for general registration.

http://www.amc.org.au/index.php/ass/apo


É interessante também como depositam confiança incondicional nos nossos médicos, por que eles são melhores em decidir quem pode ou não ser médico que os de Portugal?

Os médicos de Portugal tem total capacidade para decidir quem pode ou não ser médico...em Portugal. No dia que eles também souberem melhor que os brasileiros os consensos, condutas, epidemiologia e características do nosso sistema de saúde, quem sabe sejam convidados a escolher no lugar dos nossos "incompetentes" médicos nacionais...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 29 de Junho de 2013, 09:19:34
http://www.youtube.com/v/039zUS_NXS8

Matou a pau, excelente discurso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 29 de Junho de 2013, 12:37:21
É incomparável a burocracia de um médico brasileiro indo para a Austrália da de um médico americano. 12 meses de "estágio" não é nada de burocracia em comparação.
Os médicos de Portugal tem total capacidade para decidir quem pode ou não ser médico...em Portugal. No dia que eles também souberem melhor que os brasileiros os consensos, condutas, epidemiologia e características do nosso sistema de saúde, quem sabe sejam convidados a escolher no lugar dos nossos "incompetentes" médicos nacionais...
Consenso brasileiro... É bem melhor pegar o consenso americano para praticamente tudo, os brasileiros frequentemente estão desatualizados e em geral usam as mesmas pesquisas que os americanos, raramente algo é relevante só para o médico brasileiro. Epidemiologia, isso qualquer médico em teoria é para saber lidar (e sem contar que eu não confiaria nas brasileiras, não acho elas confiáveis, não dá para saber se uma coisa é verdade quando é duvidoso a qualidade dos diagnósticos Brasil afora), pois varia não de país para país, mas de hospital para hospital. As únicas coisas que tem de mais é aprender a lidar com essa burocracia ridícula que temos aqui para que o paciente possa comprar um remédio na farmácia (e aqui ressalto comprar, por que para pegar de graça tem outra burocracia) e Desaprender a trabalhar com tecnologia, por que sabe como é né, mandar receita por e mail/ fax para o paciente é inaceitável, não tem o carimbo e assinatura, fazer uma consulta usando fotos/ vídeos com seu médico de confiança que não pode atender presencialmente no dia. Esses médicos ousados e acham que isso aqui é o que? Um país desenvolvido? Aqui seguimos leis de Brasil! Eu acho que as pessoas que defendem esse tipo de idiotice deviam se sujeitar a isso voluntariamente, sem meter os outros no meio.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 29 de Junho de 2013, 15:05:37
É incomparável a burocracia de um médico brasileiro indo para a Austrália da de um médico americano. 12 meses de "estágio" não é nada de burocracia em comparação.
Os médicos de Portugal tem total capacidade para decidir quem pode ou não ser médico...em Portugal. No dia que eles também souberem melhor que os brasileiros os consensos, condutas, epidemiologia e características do nosso sistema de saúde, quem sabe sejam convidados a escolher no lugar dos nossos "incompetentes" médicos nacionais...
Consenso brasileiro... É bem melhor pegar o consenso americano para praticamente tudo, os brasileiros frequentemente estão desatualizados e em geral usam as mesmas pesquisas que os americanos, raramente algo é relevante só para o médico brasileiro. Epidemiologia, isso qualquer médico em teoria é para saber lidar (e sem contar que eu não confiaria nas brasileiras, não acho elas confiáveis, não dá para saber se uma coisa é verdade quando é duvidoso a qualidade dos diagnósticos Brasil afora), pois varia não de país para país, mas de hospital para hospital. As únicas coisas que tem de mais é aprender a lidar com essa burocracia ridícula que temos aqui para que o paciente possa comprar um remédio na farmácia (e aqui ressalto comprar, por que para pegar de graça tem outra burocracia) e Desaprender a trabalhar com tecnologia, por que sabe como é né, mandar receita por e mail/ fax para o paciente é inaceitável, não tem o carimbo e assinatura, fazer uma consulta usando fotos/ vídeos com seu médico de confiança que não pode atender presencialmente no dia. Esses médicos ousados e acham que isso aqui é o que? Um país desenvolvido? Aqui seguimos leis de Brasil! Eu acho que as pessoas que defendem esse tipo de idiotice deviam se sujeitar a isso voluntariamente, sem meter os outros no meio.

Os consensos nacionais baseiam-se nos estudos com evidências significativas ( lembrando que todo consenso e diretriz tem que colocar no inicio a hierarquia de evidência e o grau de recomendação utilizado). O fato de que a maioria dos estudos randomizados multicêntricos sejam internacionais não prescinde da confecção de consensos ou diretrizes nacionais , pois a aplicabilidade exige a adequação á realidade nacional.
E falando especificamente da minha área (Cardiologia) o Brasil tem participado de diversos estudos multicêntricos internacionais , além de estar desenvolvendo pesquisas multicêntricas nacionais ( como os Registros Brasileiros Cardiovasculares (http://socios.cardiol.br/iep-hcor/registros.asp)) .
Quanto às diretrizes americanas , eu prefiro muito mais as diretrizes da Sociedade Européia de Cardiologia que são efetivamente multinacionais e , para mim , mais ponderadas. Seria interessante que você analisasse uma diretriz americana e européia sobre o mesmo tema para ver que há diferenças significativas embora os estudos analisados sejam majoritáriamente os mesmos. O mesmo vale para diretrizes nacionais.

O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.
A consulta á distância pode ser feita se você for o médico do paciente , ela ocorrer de forma excepcional por não poder ser presencial e tão logo possível uma avaliação presencial deve ser realizada com o lançamento do atendimento e conduta no registro médico. É o que está no artigo 37 do Código de Ética Médica:

É vedado ao médico:
Art. 37. Prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 29 de Junho de 2013, 16:23:50

Art. 37. Prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento. [/i]
Em caso de urgência o paciente estará morrendo em um hospital, muito difícil de comparar isso com o que eu disse. Não há problema algum em querer ser acompanhado por um médico específico à distância, ele já saberá sua história, terá seus exames, você saberá quem é, etc. Bem melhor que confiar num mané qualquer no meio de outra cidade só por que não é uma "emergência".

Quanto ao roubo de informações privativas, o governo faz isso o tempo todo, para mim o menos importante é um mané qualquer souber que eu tive uma faringite, câncer, pinto em sanfona, não dou a mínima para essa possibilidade. Quem tiver medo disso tem todo o direito de não se submeter a isso, mas não de me proibir de fazer isso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 29 de Junho de 2013, 20:14:54
Ângelo, uma contribuição de TI sobre o que você escreveu :

Citar
O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.

Envio de receita médica por e-mail até concordo, pois é a grande minoria que utiliza e-mails criptografados, mas prontuário eletrônico é algo hoje mais seguro do que prontuário em papel, o que acontece é que ainda é incipiente, utilizado por poucas instituições e não totalmente regularizado. Porém tem sido uma forma bastante eficaz inclusive de reduzir custos (uma equipe consegue se reunir virtualmente e discutir um caso que em outro meio seria impossível, além de poder criar redes de atendimento maiores, coisa que o Brasil aproveitaria muito, dadas as distâncias de centenas de kilómetros de uma cidade a outra).

Obs: há mais de uma implementação de prontuário eletrônico, conheço uma particular via XML meio que copiada de lá fora, acredito que em poucos anos será uma realidade no Brasil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Luiz Souto em 29 de Junho de 2013, 22:24:21
Ângelo, uma contribuição de TI sobre o que você escreveu :

Citar
O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.

Envio de receita médica por e-mail até concordo, pois é a grande minoria que utiliza e-mails criptografados, mas prontuário eletrônico é algo hoje mais seguro do que prontuário em papel, o que acontece é que ainda é incipiente, utilizado por poucas instituições e não totalmente regularizado. Porém tem sido uma forma bastante eficaz inclusive de reduzir custos (uma equipe consegue se reunir virtualmente e discutir um caso que em outro meio seria impossível, além de poder criar redes de atendimento maiores, coisa que o Brasil aproveitaria muito, dadas as distâncias de centenas de kilómetros de uma cidade a outra).

Obs: há mais de uma implementação de prontuário eletrônico, conheço uma particular via XML meio que copiada de lá fora, acredito que em poucos anos será uma realidade no Brasil.


O post foi meu Fzapp  :)
O prontuário eletrônico exclusivo ( sem contraparte em papel) ainda está em discussão pela questão de segurança dos dados em relação não só a fraude mas a acesso por quem não tenha obrigação ao sigilo.
E há também preocupação com perda de dados , que eu pessoalmente acho o mais sério. O hospital em que trabalho tem informatizada a prescrição médica ( que é impressa) , a solicitação e  resultado de exames laboratoriais , a solicitação e cobrança de  materiais e procedimentos , internação e alta. O prontuário com a evolução da equipe multidisciplinar é feito por escrito. Ano passado no hospital em que trabalho houve uma série de picos de luz em um dia por conta da Light , queimou uma parte do servidor e todos os dados de uma semana foram para o espaço. Se não houvesse o prontuário em papel com as evoluções e as prescricões os dados não seriam recuperados ( deu quinze dias de trabalho de todos os setores para recuperar tudo).


Art. 37. Prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento. [/i]
Em caso de urgência o paciente estará morrendo em um hospital, muito difícil de comparar isso com o que eu disse. Não há problema algum em querer ser acompanhado por um médico específico à distância, ele já saberá sua história, terá seus exames, você saberá quem é, etc. Bem melhor que confiar num mané qualquer no meio de outra cidade só por que não é uma "emergência".

Quanto ao roubo de informações privativas, o governo faz isso o tempo todo, para mim o menos importante é um mané qualquer souber que eu tive uma faringite, câncer, pinto em sanfona, não dou a mínima para essa possibilidade. Quem tiver medo disso tem todo o direito de não se submeter a isso, mas não de me proibir de fazer isso.

Leia de novo:
" salvo casos de urgência , emergência E impossibilidade comprovada de realizá-lo"
 Como o paciente tem direito de escolher seu médico se você , excepcionalmente ,  não pode atendê-lo pessoalmente não há problema de fazer uma consulta virtual para um problema específico , desde que  ciente das limitações desta. Consultas a distâncias são excepcionais.

Mas dúvidas sobre o uso de tecnologias para acesso remoto a pacientes não é exclusividade dos "sub". Na minha especialidade se discute muito a monitorização a distância de pacientes com dispositivos cardíacos implantàveis ( marcapassos e cardiodesfibriladores) , já que os modelos atuais tem incorporados plataformas de acesso remoto que permitem verficar o estado do dispositivo e receber avisos de alerta ( como acionamento de desfibrilador). A revista da sociedade européia de arritmologia , Europace ,  lançou em número especial este mês só sobre o assunto em virtude de existirem muitas dúvidas em relação a diversos aspectos destes procedimentos , desde implicações éticas até a questão do reembolso por sistemas de saúde.

E , por último , espero que você saiba que além de prescrição para faringite médicos fazem atestados de sanidade física , afastamento de trabalho etc... que têm implicação legal ( incluindo obteção de direitos pecuniários). Você certamente imagina o que uma fraude de seguro de acidente de trabalho em que um atestado fraudado com seu nome causa de transtorno , imagine se não houvesse restrição legal á emissão exclusivamente eletrõnica deste documentos 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 07 de Julho de 2013, 18:25:31
Citar
Médico estrangeiro chega em agosto

Médicos estrangeiros recrutados no programa que o Ministério da Saúde lançou na segunda-feira (1º) começam a trabalhar em setembro nos municípios brasileiros. Documento preliminar ao qual a reportagem teve acesso mostra que os profissionais selecionados no edital de chamamento deverão desembarcar no País em agosto e, dias depois, serão encaminhados para o processo de capacitação, com duração prevista de três semanas.

O projeto prevê que, na primeira etapa de agosto, serão convocados profissionais procedentes da Espanha e de Portugal. Na segunda fase, programada para outubro, começam a chegar profissionais procedentes de Cuba. Na terceira fase, inicialmente prevista para novembro, viriam médicos de outros países.

A estimativa é de que, neste ano, cheguem 4 mil profissionais estrangeiros para trabalhar nos serviços públicos de saúde municipais. Em três anos, o governo prevê que 10 mil médicos formados no exterior cheguem ao País.

As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2013/07/06/medico-estrangeiro-chega-em-agosto.htm
E quando eu digo que protesto pacífico não adianta nada....
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 07 de Julho de 2013, 18:36:25
E quando eu digo que protesto pacífico não adianta nada....

E nesse caso específico, nos moldes de "Saúde Padrão FIFA", parece que foi ainda pior e o tiro saiu pela culatra.
A dona Dilma comprou briga com uma grande quantidade de médicos brasileiros.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 07 de Julho de 2013, 19:07:53
Na verdade ela foi bem oportunista, aproveitou os protestos pra enfiar goela abaixo esses médicos estrangeiros dizendo que estava fazendo algo pela saúde.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Dr. Manhattan em 08 de Julho de 2013, 08:52:14
Citar
Brasil desiste de vinda de 6.000 médicos cubanos

 O Brasil paralisou as negociações com Cuba para a vinda de 6.000 médicos cubanos ao país e deve lançar nesta semana programa para atrair profissionais estrangeiros tratando Espanha e Portugal como países "prioritários".

Nem o Ministério da Saúde nem o Itamaraty, que havia anunciado a tratativa em maio e agora diz que ela está congelada, explicam as razões da mudança de planos.
 Também não dizem o porquê do tratamento "não prioritário" a Cuba, já que a ilha preenche os principais requisitos do programa: médicos por habitante bem acima do recomendado pela OMS e língua próxima do português.

"Trata-se de uma cooperação que tem grande potencial e à qual atribuímos valor estratégico", disse o chanceler Antonio Patriota, em maio, ao mencionar a negociação.

Já o Ministério da Saúde informa que escolheu atrair médicos como "pessoa física", e não considerar a oferta do contingente feita pelo governo cubano, nos moldes que a ilha faz na Venezuela.

Desta maneira, o ministério evita abrir mais um flanco de críticas na implementação de um programa que já provoca outras resistências.

Nos bastidores, repete-se que a negociação com Cuba foi aventada por Patriota, e não pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Há motivos para o recuo. Além da sensibilidade que envolve o regime comunista de Cuba -aliado do governo e do PT e alvo dos conservadores-, o motivo principal é que as missões cubanas são aclamadas pelo trabalho humanitário, como no Haiti, mas não escapam de críticas de ativistas de direitos humanos e trabalhistas na versão remunerada.

 VENEZUELA

No modelo usado na Venezuela, Cuba funciona como uma empresa terceirizada que fornece profissionais. O governo contratante paga a Havana pelos serviços e os médicos recebem só uma parte.

Apesar disso, o programa é considerado atrativo para os profissionais, que ganham cerca de US$ 40 na ilha e, com ele, têm acesso a benefícios.

O formato também é criticado por ex-participantes, que acusam o governo comunista de submetê-los a um duro regulamento disciplinar e impor regras de pagamento como poupança compulsória para evitar "deserção".

A regra disciplinar na Venezuela, vigente em 2010, incluía pedir autorização para pernoitar fora do alojamento, proibição de dirigir e a obrigação de informar sobre namoros. Falar com a imprensa também estava vetado.


"Não vislumbro essa solução feita na Venezuela no Brasil. Ele não é compatível com as leis trabalhistas brasileiras e a Constituição brasileira", diz o procurador-geral do Ministério Público do Trabalho, José de Lima Ramos Pereira.

 REVÉS PARA HAVANA

A desistência do Brasil é um revés para Havana, que tem dito que o envio dos médicos ao exterior é sua maior fonte de divisas e deseja ampliá-lo.

O que vai aos caixas estatais por serviços médicos -cerca de US$ 6 bilhões anuais segundo estimativas- é maior do que o arrecadado com turismo ou exportação de níquel.

O Ministério da Saúde diz que não há restrições se médicos cubanos quiserem se inscrever individualmente no programa. Brasileiros com formação no exterior entrarão na categoria "estrangeiros". Ou seja, brasileiros formados em Cuba, em tese, podem participar.

A pasta, no entanto, não prevê fazer campanha para divulgar o programa na ilha, ao contrário do que estuda fazer em Espanha e Portugal.   

fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1307830-brasil-desiste-de-vinda-de-6000-medicos-cubanos.shtml

Sobre o trecho em negrito: Taí uma coisa que eu não sabia: que Cuba lucra usando esses médicos em regime de semi-escravidão. Uau, a Utopia Socialista Cubana nunca deixa de nos surpreender!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Diegojaf em 08 de Julho de 2013, 08:59:38
Trabalho escravo para médicos. É o paraíso socialista sobre a terra, realmente...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Julho de 2013, 09:01:36
Trabalho escravo para médicos. É o paraíso socialista sobre a terra, realmente...

Uma coisa temos que admitir, criatividade para f**** a vida dos habitantes não falta ao regime de Cuba...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 08 de Julho de 2013, 09:23:45
Trabalho escravo para médicos. É o paraíso socialista sobre a terra, realmente...

Uma coisa temos que admitir, criatividade para f**** a vida dos habitantes não falta ao regime de Cuba...

Calma, chegaremos lá. ::)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 08 de Julho de 2013, 09:56:57
Lendo essas notícias, fico realmente com pena dos habitantes de lá, médicos também.
Escravos...

Isso sim, todos escravos e aprisionados numa uma ilha, tal qual Alcatraz.

Não é sarcasmo. Fico mesmo com pena.

E o nosso ex é amigo pessoal do ex "todo comandante" de lá e irmão do atual. A nossa atual apoia integralmente o governo de lá e assim caminhamos todos para o futuro.

Força, povo cubano!
Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 08 de Julho de 2013, 10:26:52
Ângelo, uma contribuição de TI sobre o que você escreveu :

Citar
O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.

Envio de receita médica por e-mail até concordo, pois é a grande minoria que utiliza e-mails criptografados, mas prontuário eletrônico é algo hoje mais seguro do que prontuário em papel, o que acontece é que ainda é incipiente, utilizado por poucas instituições e não totalmente regularizado. Porém tem sido uma forma bastante eficaz inclusive de reduzir custos (uma equipe consegue se reunir virtualmente e discutir um caso que em outro meio seria impossível, além de poder criar redes de atendimento maiores, coisa que o Brasil aproveitaria muito, dadas as distâncias de centenas de kilómetros de uma cidade a outra).

Obs: há mais de uma implementação de prontuário eletrônico, conheço uma particular via XML meio que copiada de lá fora, acredito que em poucos anos será uma realidade no Brasil.


O post foi meu Fzapp  :)
O prontuário eletrônico exclusivo ( sem contraparte em papel) ainda está em discussão pela questão de segurança dos dados em relação não só a fraude mas a acesso por quem não tenha obrigação ao sigilo.
E há também preocupação com perda de dados , que eu pessoalmente acho o mais sério. (...)

Desculpe Luiz, li tanta coisa que me confundi !

Quanto à perda de dados você está certo, o problema é que os prontuários são muito grandes (porque contém imagens de todo o histórico, que nunca morre), mas me parece que houve algum problema ou técnico ou de grana mesmo para realizar os devidos backups incrementais. Se fosse pela companhia de luz a empresa onde trabalho teria ido para o saco faz tempo... no último grande apagão (aquele que veio em cascata desde o Furnas e desligou metade do estado) a minha empresa ficou com o gerador quase 6 horas, teve banco que desligou boa parte da operação para economizar energia.

Mas prontuário eletrônico exclusivo acho que não existe nem lá fora, não sei bem. Aqui as implementações ainda são de entidades privadas, então quando se integrar melhor o sistema imagino que haverá outros meios de gravar os dados.

Quanto a proteger, eles são gravados de forma criptografada, porém o problema ainda é de serem muito grandes (criptografar imagens de 30 Mb é todo um assunto). Mas como disse em dois ou tres anos isso será uma realidade.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 08 de Julho de 2013, 10:51:00
Quando fiz o pedido para minha cardiologista, de ser tratado de acordo com a Resolução CFM 1.995/12, ela registrou o mesmo no computador dela e disse que estava salvo no meu prontuário e não poderia ser alterado.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 08 de Julho de 2013, 11:18:40
Reportagem da Folha (http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1307830-brasil-desiste-de-vinda-de-6000-medicos-cubanos.shtml)
O legal é o infográfico:  "Com excelentes índices de saúde, Cuba envia médicos em missões humanitárias (...) "   Pensam que as pessoas são trouxas? :nojo:

Nem sabemos como é o ensino de medicina lá, mas sabemos que Hugo Chavez (que o diabo o tenha) foi diagnosticado errado em Cuba e recebeu um tratamento que piorou o câncer dele.

Além do problema da língua e dos militantes, vai saber a capacitação profissional desses médicos cubanos, e também como vão dar um diagnóstico se no interior não tem nem um aparelho de raio-x (imagine outros).

Sobre estrutura...

Eu conheço o exame da fitinha de urina, você só sabe que a pessoa tá com infecção, mas não sabe onde, sabe se tem ph diferente mas não sabe se existe mesmo um cálculo... Todo esses exames simples (não sei se essa é a palavra certa) no fundo não servem pra muita coisa, tudo tem que ser repetido em laboratório sofisticado muitas vezes.  O interior tem essas coisas? Não tem nem remédio....

O que esses médicos vão poder fazer no interior sem uma estrutura adequada? Essa é a pergunta. 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 12:57:50
Agora deu pena dos colegas cubanos.

Bem que o governo poderia fazer um esquema para trazer esses médicos para cá (o maior número que conseguir) e, uma vez aqui, concederem asilo político e cidadania para todos. Os que passarem no Revalida ganhariam a licença médica e os demais poderiam (temporariamente) trabalhar em outras coisas enquanto conseguem a qualificação.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 08 de Julho de 2013, 13:11:19
Reportagem da Folha (http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1307830-brasil-desiste-de-vinda-de-6000-medicos-cubanos.shtml)
O legal é o infográfico:  "Com excelentes índices de saúde, Cuba envia médicos em missões humanitárias (...) "   Pensam que as pessoas são trouxas? :nojo:

Nem sabemos como é o ensino de medicina lá, mas sabemos que Hugo Chavez (que o diabo o tenha) foi diagnosticado errado em Cuba e recebeu um tratamento que piorou o câncer dele.

De onde é sua fonte ? Pelo que li na época até a Dilma ofereceu tratamento na Beneficência Portuguesa e foi o orgulho que o fez demorar... quando chegou em Cuba não tinha mais o que fazer do que tratar os sintomas, só que não foi isso que publicaram, para que o Chávez ganhasse a eleição. Os médicos cubanos não fizeram mais do que podiam, mas claro, num centro de diagnóstico em Miami no tempo certo e talvez Hugo Chávez estaria vivo, mas você acha que poderia admitir que seria salvo por malditos médicos capitalistas ianques ? Melhor morrer teimando...  :?



Citação de: Fabi
Além do problema da língua e dos militantes, vai saber a capacitação profissional desses médicos cubanos, e também como vão dar um diagnóstico se no interior não tem nem um aparelho de raio-x (imagine outros).

Sobre estrutura...

Eu conheço o exame da fitinha de urina, você só sabe que a pessoa tá com infecção, mas não sabe onde, sabe se tem ph diferente mas não sabe se existe mesmo um cálculo... Todo esses exames simples (não sei se essa é a palavra certa) no fundo não servem pra muita coisa, tudo tem que ser repetido em laboratório sofisticado muitas vezes.  O interior tem essas coisas? Não tem nem remédio....

O que esses médicos vão poder fazer no interior sem uma estrutura adequada? Essa é a pergunta. 

Você tem razão quanto à infraestrutura, acho que deve haver técnicos que continuam aconselhando a Dilma a lutar contra a 'comodidade' dos médicos que preferem os altos salarios das capitais a se arriscar a atender no interior.

De fato os médicos que tentam trabalhar sério no interior são a minoria em comparação aos que mesmo se formando na capital acabam não voltando.

Mas a verdade é que isso acontece em toads as profiss~]oes, na minha (TI) principalmente, onde trabalhar no interior significa ser escravo de uma ou outra empresa, a disputa de vagas se dá nos grandes centros.

Porém mesmo assim um médico que queira atuar seriamente em regiões disantes não dispõe da rede, não dispõe de centros de diagnósticos, hospitais, não dispõe de nada mesmo. Então treinar e capacitar médicos estrangeiros não vai resolver muita coisa.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 08 de Julho de 2013, 13:19:21
De onde é sua fonte ?

[...]


Citação de: O Globo
‘Em Cuba, erraram diagnóstico e tratamento de Chávez’, diz médico venezuelano

José Rafael Marquina, famoso por revelar detalhes sobre a saúde do presidente venezuelano, questiona falta de experiência dos médicos cubanos


http://oglobo.globo.com/mundo/em-cuba-erraram-diagnostico-tratamento-de-chavez-diz-medico-venezuelano-7662642

Dr. Google está cheio de referências a esse erro no diagnóstico.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: FZapp em 08 de Julho de 2013, 13:32:24
Ok, mas o motivo do câncer se alastrar foi por não ter se tratado a tempo -veja os comentários já em março de 2012 do 'El Universal', jornal venezuelano :

http://www.eluniversal.com/opinion/120304/el-cancer-y-el-laberinto-de-la-sucesion

Provavelmente a própria demora e a confiança em médicos inexperientes o levou a isso, mas culpar os médicos cubanos pela evolução da doença é exagerado.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 08 de Julho de 2013, 16:18:30
Citar
Estudantes de medicina terão que trabalhar 2 anos no SUS para ter diploma
Norma vale para estudantes que ingressarem em 2015

Continue lendo (http://oglobo.globo.com/pais/estudantes-de-medicina-terao-que-trabalhar-2-anos-no-sus-para-ter-diploma-8960019)
Agora estamos salvos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 08 de Julho de 2013, 16:19:52
De onde é sua fonte ? Pelo que li na época até a Dilma ofereceu tratamento na Beneficência Portuguesa e foi o orgulho que o fez demorar... quando chegou em Cuba não tinha mais o que fazer do que tratar os sintomas, só que não foi isso que publicaram, para que o Chávez ganhasse a eleição.
Eles diagnosticaram um tipo de câncer e era outro:

"De acordo com o médico, a preocupação em torno do estado de saúde do líder político aumentou quando se descobriu que sua doença não se tratava de um câncer de cólon, como os médicos cubanos haviam diagnosticado inicialmente, mas um rabdomiossarcoma no músculo psoas (localizado na cavidade pélvica).
— O tumor não foi tratado como deveria. Deram [a Chávez] medicamentos de quimioterapia para o câncer de cólon. O rabdomiossarcoma responde muito melhor à radioterapia do que à quimioterapia. Ao alterar o tratamento, há riscos de que ocorra uma mutação no tumor e que ele se torne resistente. O tratamento inicial não serviu para nada. Houve uma recidiva em tempo recorde — comentou Marquina.
(http://oglobo.globo.com/mundo/em-cuba-erraram-diagnostico-tratamento-de-chavez-diz-medico-venezuelano-7662642)

Você tem razão quanto à infraestrutura, acho que deve haver técnicos que continuam aconselhando a Dilma a lutar contra a 'comodidade' dos médicos que preferem os altos salarios das capitais a se arriscar a atender no interior.
É que existe médicos e médicos. Existe aquele filhinho de papai, playboyzinho que trata mal os pacientes, acha que é dono do mundo, não sabe ouvir um não etc etc etc..* E existe médicos como o Luiz Souto que (deve fazer isso) se dispõe a explicar pro paciente o que ele tá sentindo, qual é a doença etc etc.

Dependendo da proporção de médicos que esses técnicos conhecem se é mais tipo Luiz Souto ou se é mais do tipo playboyzinho, maior é a bronca com a classe médica e mais medidas contra a "Máfia branca" a presidente vai tomar.

*Eu conheci uma hiena louca que vive fazendo os pacientes passarem por sofrimento desnecessário na hora de fazer procedimentos porque gosta de estar com a razão.

Porém mesmo assim um médico que queira atuar seriamente em regiões disantes não dispõe da rede, não dispõe de centros de diagnósticos, hospitais, não dispõe de nada mesmo. Então treinar e capacitar médicos estrangeiros não vai resolver muita coisa.
Vou contar um causo...

O máximo que eu fui pro interior e precisei de médico foi quando eu torci o pé numa praia mais preservada, onde no centro tinha um postinho de saúde que era assim: A sala de recepção e a sala do médico. Pra ver se eu tinha rompido os ligamentos** eu precisava daquela ressonância magnética (um aparelho caro, um exame caro), mas nem aparelho de Raio-X tinha no lugar. Laboratório, procedimentos mais complicados, isso só em sonho.

E se for ver, a maioria das cidades do interior o posto de saúde é assim: a recepção, o consultório e as vezes uma sala de procedimentos. Se tentam construir um hospital ou um posto de saúde mais estruturado os políticos do interior sempre desviam dinheiro e o hospital nunca é inaugurado, as vezes fica até abandonado com os aparelhos novos mofando...

Cidade do interior é terrível, tem nepotismo, desvio descarado de dinheiro, e o prefeito se bobear tem até capanga pra mandar matar quem se opõe a situação. E pra não dizerem que to exagerando vejam a história da cidade onde mandaram matar aqueles cachorros, o irmão do prefeito era secretário de obras, o delegado é o cunhado (ou algum tipo de "aparentado") do prefeito, a esposa tinha outro cargo na prefeitura...é o retrato do interior do Brasil em regiões pobres.

** Eu vivo torcendo o joelho e o pé, não lembro se na verdade eu tinha torcido o joelho.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Julho de 2013, 16:30:53
Citar
Estudantes de medicina terão que trabalhar 2 anos no SUS para ter diploma
Norma vale para estudantes que ingressarem em 2015

Continue lendo (http://oglobo.globo.com/pais/estudantes-de-medicina-terao-que-trabalhar-2-anos-no-sus-para-ter-diploma-8960019)
Agora estamos salvos.

A notícia fala que até os estudantes das faculdades privadas serão obrigados  :o! Eu imaginei que seria obrigatório para os estudantes de universidades federais, como uma "contrapartida" pelo estudo gratuito (não que eu concorde com isso). Mas é pior do que eu pensava... Pode isso, Arnaldos do fórum? O médico pode ser obrigado a trabalhar no SUS? Não seria inconstitucional?

Acho que esse contato muito frequente com Cuba não está fazendo bem para o Brasil...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 16:44:57
É incomparável a burocracia de um médico brasileiro indo para a Austrália da de um médico americano. 12 meses de "estágio" não é nada de burocracia em comparação.
Os médicos de Portugal tem total capacidade para decidir quem pode ou não ser médico...em Portugal. No dia que eles também souberem melhor que os brasileiros os consensos, condutas, epidemiologia e características do nosso sistema de saúde, quem sabe sejam convidados a escolher no lugar dos nossos "incompetentes" médicos nacionais...
Consenso brasileiro... É bem melhor pegar o consenso americano para praticamente tudo, os brasileiros frequentemente estão desatualizados e em geral usam as mesmas pesquisas que os americanos, raramente algo é relevante só para o médico brasileiro. Epidemiologia, isso qualquer médico em teoria é para saber lidar (e sem contar que eu não confiaria nas brasileiras, não acho elas confiáveis, não dá para saber se uma coisa é verdade quando é duvidoso a qualidade dos diagnósticos Brasil afora), pois varia não de país para país, mas de hospital para hospital. As únicas coisas que tem de mais é aprender a lidar com essa burocracia ridícula que temos aqui para que o paciente possa comprar um remédio na farmácia (e aqui ressalto comprar, por que para pegar de graça tem outra burocracia) e Desaprender a trabalhar com tecnologia, por que sabe como é né, mandar receita por e mail/ fax para o paciente é inaceitável, não tem o carimbo e assinatura, fazer uma consulta usando fotos/ vídeos com seu médico de confiança que não pode atender presencialmente no dia. Esses médicos ousados e acham que isso aqui é o que? Um país desenvolvido? Aqui seguimos leis de Brasil! Eu acho que as pessoas que defendem esse tipo de idiotice deviam se sujeitar a isso voluntariamente, sem meter os outros no meio.

Os consensos nacionais baseiam-se nos estudos com evidências significativas ( lembrando que todo consenso e diretriz tem que colocar no inicio a hierarquia de evidência e o grau de recomendação utilizado). O fato de que a maioria dos estudos randomizados multicêntricos sejam internacionais não prescinde da confecção de consensos ou diretrizes nacionais , pois a aplicabilidade exige a adequação á realidade nacional.
E falando especificamente da minha área (Cardiologia) o Brasil tem participado de diversos estudos multicêntricos internacionais , além de estar desenvolvendo pesquisas multicêntricas nacionais ( como os Registros Brasileiros Cardiovasculares (http://socios.cardiol.br/iep-hcor/registros.asp)) .
Quanto às diretrizes americanas , eu prefiro muito mais as diretrizes da Sociedade Européia de Cardiologia que são efetivamente multinacionais e , para mim , mais ponderadas. Seria interessante que você analisasse uma diretriz americana e européia sobre o mesmo tema para ver que há diferenças significativas embora os estudos analisados sejam majoritáriamente os mesmos. O mesmo vale para diretrizes nacionais.

O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.
A consulta á distância pode ser feita se você for o médico do paciente , ela ocorrer de forma excepcional por não poder ser presencial e tão logo possível uma avaliação presencial deve ser realizada com o lançamento do atendimento e conduta no registro médico. É o que está no artigo 37 do Código de Ética Médica:

É vedado ao médico:
Art. 37. Prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento.


Mas existem algumas iniciativas de uso de TI na teleconsultoria. Pelo Telessaúde (www.telessaude.org.br) um profissional da AB pode consultar um médico regulador e discutir um caso à distância, se necessário com um especialista do hospital universitário por videoconferência. Existem também ferramentas de telecardiologia e teledermatologia. No RN funciona também a telepediatria, principalmente na área de endocrinologia. Veja bem: não é o paciente que é consultado a distância, é o médico (ou outro profissional da equipe) da unidade que consulta o especialista.

No caso do prontuário eletrônico, alguns municípios já o utilizam (Florianópolis é um caso) e a ideia é que seja difundido com o tempo via o e-SUS (http://dab.saude.gov.br/portaldab/esus.php). A forma como será feita a implantação é que está em discussão (pessoalmente acho que deveria ter uma base nacional). Sei que a Bahia está implantando dois datacenters (cada um em uma região) para armazenar os prontuários eletrônicos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 16:53:02
É incomparável a burocracia de um médico brasileiro indo para a Austrália da de um médico americano. 12 meses de "estágio" não é nada de burocracia em comparação.
Os médicos de Portugal tem total capacidade para decidir quem pode ou não ser médico...em Portugal. No dia que eles também souberem melhor que os brasileiros os consensos, condutas, epidemiologia e características do nosso sistema de saúde, quem sabe sejam convidados a escolher no lugar dos nossos "incompetentes" médicos nacionais...
Consenso brasileiro... É bem melhor pegar o consenso americano para praticamente tudo, os brasileiros frequentemente estão desatualizados e em geral usam as mesmas pesquisas que os americanos, raramente algo é relevante só para o médico brasileiro. Epidemiologia, isso qualquer médico em teoria é para saber lidar (e sem contar que eu não confiaria nas brasileiras, não acho elas confiáveis, não dá para saber se uma coisa é verdade quando é duvidoso a qualidade dos diagnósticos Brasil afora), pois varia não de país para país, mas de hospital para hospital. As únicas coisas que tem de mais é aprender a lidar com essa burocracia ridícula que temos aqui para que o paciente possa comprar um remédio na farmácia (e aqui ressalto comprar, por que para pegar de graça tem outra burocracia) e Desaprender a trabalhar com tecnologia, por que sabe como é né, mandar receita por e mail/ fax para o paciente é inaceitável, não tem o carimbo e assinatura, fazer uma consulta usando fotos/ vídeos com seu médico de confiança que não pode atender presencialmente no dia. Esses médicos ousados e acham que isso aqui é o que? Um país desenvolvido? Aqui seguimos leis de Brasil! Eu acho que as pessoas que defendem esse tipo de idiotice deviam se sujeitar a isso voluntariamente, sem meter os outros no meio.

Os consensos nacionais baseiam-se nos estudos com evidências significativas ( lembrando que todo consenso e diretriz tem que colocar no inicio a hierarquia de evidência e o grau de recomendação utilizado). O fato de que a maioria dos estudos randomizados multicêntricos sejam internacionais não prescinde da confecção de consensos ou diretrizes nacionais , pois a aplicabilidade exige a adequação á realidade nacional.
E falando especificamente da minha área (Cardiologia) o Brasil tem participado de diversos estudos multicêntricos internacionais , além de estar desenvolvendo pesquisas multicêntricas nacionais ( como os Registros Brasileiros Cardiovasculares (http://socios.cardiol.br/iep-hcor/registros.asp)) .
Quanto às diretrizes americanas , eu prefiro muito mais as diretrizes da Sociedade Européia de Cardiologia que são efetivamente multinacionais e , para mim , mais ponderadas. Seria interessante que você analisasse uma diretriz americana e européia sobre o mesmo tema para ver que há diferenças significativas embora os estudos analisados sejam majoritáriamente os mesmos. O mesmo vale para diretrizes nacionais.
Só gostaria de acrescentar que o Brasil possui um sistema  epidemiológico muito eficiente. Ainda que haja falhas nos sistemas de informação, essas falhas acontecem em qualquer sistema de informação, em qualquer lugar do mundo. Por isso os bancos de dados passam por uma crítica de dados e uma limpeza. Ainda assim, o Brasil é referência mundial em sistema passivo de informação.

Citar
O envio de receita médica por e-mail não é recomendado pelo mesmo motivo que o prontuário eletrônico exclusivo: não haver garantia de evitar fraude ou quebra do sigilo médico.
A consulta á distância pode ser feita se você for o médico do paciente , ela ocorrer de forma excepcional por não poder ser presencial e tão logo possível uma avaliação presencial deve ser realizada com o lançamento do atendimento e conduta no registro médico. É o que está no artigo 37 do Código de Ética Médica:

É vedado ao médico:
Art. 37. Prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 17:47:44
De onde é sua fonte ? Pelo que li na época até a Dilma ofereceu tratamento na Beneficência Portuguesa e foi o orgulho que o fez demorar... quando chegou em Cuba não tinha mais o que fazer do que tratar os sintomas, só que não foi isso que publicaram, para que o Chávez ganhasse a eleição.
Eles diagnosticaram um tipo de câncer e era outro:

"De acordo com o médico, a preocupação em torno do estado de saúde do líder político aumentou quando se descobriu que sua doença não se tratava de um câncer de cólon, como os médicos cubanos haviam diagnosticado inicialmente, mas um rabdomiossarcoma no músculo psoas (localizado na cavidade pélvica).
— O tumor não foi tratado como deveria. Deram [a Chávez] medicamentos de quimioterapia para o câncer de cólon. O rabdomiossarcoma responde muito melhor à radioterapia do que à quimioterapia. Ao alterar o tratamento, há riscos de que ocorra uma mutação no tumor e que ele se torne resistente. O tratamento inicial não serviu para nada. Houve uma recidiva em tempo recorde — comentou Marquina.
(http://oglobo.globo.com/mundo/em-cuba-erraram-diagnostico-tratamento-de-chavez-diz-medico-venezuelano-7662642)

Não sei especificamente sobre esses tumores, mas posso me basear nos tumores da cavidade oral: nem sempre é fácil chegar a um diagnóstico e muitas lesões se confundem (além de poderem ser uma metástase e não o tumor original). Quem acaba dando a palavra final é o patologista juntamente com o cirurgião que fez a biópsia (não é a toa que quando encaminha-se uma peça ou ao especialista muitas vezes envia um D0, D1 e até um D2). Foi o caso? não sei. Ainda que tudo esteja certo, ainda assim erros diagnósticos acontecem, em Cuba, no Brasil, nos EUA.

Citar
Você tem razão quanto à infraestrutura, acho que deve haver técnicos que continuam aconselhando a Dilma a lutar contra a 'comodidade' dos médicos que preferem os altos salarios das capitais a se arriscar a atender no interior.
É que existe médicos e médicos. Existe aquele filhinho de papai, playboyzinho que trata mal os pacientes, acha que é dono do mundo, não sabe ouvir um não etc etc etc..* E existe médicos como o Luiz Souto que (deve fazer isso) se dispõe a explicar pro paciente o que ele tá sentindo, qual é a doença etc etc.

Dependendo da proporção de médicos que esses técnicos conhecem se é mais tipo Luiz Souto ou se é mais do tipo playboyzinho, maior é a bronca com a classe médica e mais medidas contra a "Máfia branca" a presidente vai tomar.

*Eu conheci uma hiena louca que vive fazendo os pacientes passarem por sofrimento desnecessário na hora de fazer procedimentos porque gosta de estar com a razão.

Porém mesmo assim um médico que queira atuar seriamente em regiões disantes não dispõe da rede, não dispõe de centros de diagnósticos, hospitais, não dispõe de nada mesmo. Então treinar e capacitar médicos estrangeiros não vai resolver muita coisa.
Vou contar um causo...

O máximo que eu fui pro interior e precisei de médico foi quando eu torci o pé numa praia mais preservada, onde no centro tinha um postinho de saúde que era assim: A sala de recepção e a sala do médico. Pra ver se eu tinha rompido os ligamentos** eu precisava daquela ressonância magnética (um aparelho caro, um exame caro), mas nem aparelho de Raio-X tinha no lugar. Laboratório, procedimentos mais complicados, isso só em sonho.

Sério que você queria tudo isso na Atenção Básica??? Procedimentos ortopédicos não são para ser executados na AB, para isso existem a média e alta complexidade (que não devem existir mesmo em municípios muito pequenos) e as unidades de referência em municípios pólo. Agora, quando não existia a ressonância magnética, como era feito o diagnóstico? Não era feito? E não é tanto tempo assim (RM de corpo inteiro só surgiu em 1977). O problema é que, hoje, muitos médicos utilizam exames diagnósticos como muleta (e incluo os dentistas aqui também).

Citar
E se for ver, a maioria das cidades do interior o posto de saúde é assim: a recepção, o consultório e as vezes uma sala de procedimentos. Se tentam construir um hospital ou um posto de saúde mais estruturado os políticos do interior sempre desviam dinheiro e o hospital nunca é inaugurado, as vezes fica até abandonado com os aparelhos novos mofando...

A UBS padrão hoje (existem muitas que não são assim) é uma recepção, consultório médico, de enfermagem, odontológico, sala de curativos, sala de vacina, expurgo, esterilização, sala de observação. É esse o padrão que o MS financia pelo Requalifica UBS, na construção, ampliação e reforma. Quanto aos hospitais, esses pequenos hospitais em municípios pequenos (se demanda para tanto) é um dos motivos da falta de recursos em hospitais regionais que deveriam dar resposta à região.
Citar
Cidade do interior é terrível, tem nepotismo, desvio descarado de dinheiro, e o prefeito se bobear tem até capanga pra mandar matar quem se opõe a situação. E pra não dizerem que to exagerando vejam a história da cidade onde mandaram matar aqueles cachorros, o irmão do prefeito era secretário de obras, o delegado é o cunhado (ou algum tipo de "aparentado") do prefeito, a esposa tinha outro cargo na prefeitura...é o retrato do interior do Brasil em regiões pobres.

** Eu vivo torcendo o joelho e o pé, não lembro se na verdade eu tinha torcido o joelho.

Cidade pequena tem tudo isso, mas também existem cidade que não tem (e capitais que têm).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 17:57:55
Citar
Estudantes de medicina terão que trabalhar 2 anos no SUS para ter diploma
Norma vale para estudantes que ingressarem em 2015

Continue lendo (http://oglobo.globo.com/pais/estudantes-de-medicina-terao-que-trabalhar-2-anos-no-sus-para-ter-diploma-8960019)
Agora estamos salvos.

A notícia fala que até os estudantes das faculdades privadas serão obrigados  :o! Eu imaginei que seria obrigatório para os estudantes de universidades federais, como uma "contrapartida" pelo estudo gratuito (não que eu concorde com isso). Mas é pior do que eu pensava... Pode isso, Arnaldos do fórum? O médico pode ser obrigado a trabalhar no SUS? Não seria inconstitucional?

Acho que esse contato muito frequente com Cuba não está fazendo bem para o Brasil...

Não é o serviço civil obrigatório. É uma mudança na grade curricular prevendo um estágio na Atenção Básica (coisa que algumas universidades já estavam começando a oferecer, mesmo as particulares). Como é uma questão curricular não pode ser obrigatório para as públicas e inexistente para as privadas: isso seria criar formações diferentes. Na verdade é algo que eu já imaginava que deveria ocorrer com o PROVAB e acaba tornando o curso parecido (mas não igual) com o sistema de graduação britânico. Aliás, o sistema pensado para o Mais Médicos não é nada mais, nada menos que uma expansão do PROVAB.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Dodo em 08 de Julho de 2013, 19:00:52
Citar
Estudantes de medicina terão que trabalhar 2 anos no SUS para ter diploma
Norma vale para estudantes que ingressarem em 2015

Continue lendo (http://oglobo.globo.com/pais/estudantes-de-medicina-terao-que-trabalhar-2-anos-no-sus-para-ter-diploma-8960019)
Agora estamos salvos.

A notícia fala que até os estudantes das faculdades privadas serão obrigados  :o! Eu imaginei que seria obrigatório para os estudantes de universidades federais, como uma "contrapartida" pelo estudo gratuito (não que eu concorde com isso). Mas é pior do que eu pensava... Pode isso, Arnaldos do fórum? O médico pode ser obrigado a trabalhar no SUS? Não seria inconstitucional?

Acho que esse contato muito frequente com Cuba não está fazendo bem para o Brasil...

Não é o serviço civil obrigatório. É uma mudança na grade curricular prevendo um estágio na Atenção Básica (coisa que algumas universidades já estavam começando a oferecer, mesmo as particulares). Como é uma questão curricular não pode ser obrigatório para as públicas e inexistente para as privadas: isso seria criar formações diferentes. Na verdade é algo que eu já imaginava que deveria ocorrer com o PROVAB e acaba tornando o curso parecido (mas não igual) com o sistema de graduação britânico. Aliás, o sistema pensado para o Mais Médicos não é nada mais, nada menos que uma expansão do PROVAB.

Aumentam as vagas nos cursos de medicina, daí diminuem os candidatos, oito anos para se formar? Compensa o cara fazer direito em cinco anos, estudar três anos para um concurso e virar juiz, vai ganhar muito mais e ter menos dor de cabeça.

Achei isso meio absurdo:

Citar
Os dois anos de treinamento no SUS não eliminarão o internato realizado no quinto e no sexto anos do curso de medicina, período em que os estudantes passam por diversas áreas da saúde. De acordo com informações do governo, a diferença é que, ao atuar no SUS, irão assumir gradativamente mais responsabilidades, "exercendo de fato procedimentos médicos em UBS e urgência e emergência".

Notícia completa: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/07/08/medicos-formados-terao-de-atuar-dois-anos-no-sus-anuncia-governo.htm
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 19:09:42

Aumentam as vagas nos cursos de medicina, daí diminuem os candidatos, oito anos para se formar? Compensa o cara fazer direito em cinco anos, estudar três anos para um concurso e virar juiz, vai ganhar muito mais e ter menos dor de cabeça.
acho que não: http://economia.ig.com.br/carreiras/2013-07-03/medicos-e-militares-ganham-o-maior-salario-filosofos-e-teologos-o-menor.html

O curso de medicina, hoje, é de 6 anos. Por essa lógica ainda compensaria fazer direito.

Citar
Achei isso meio absurdo:

Citar
Os dois anos de treinamento no SUS não eliminarão o internato realizado no quinto e no sexto anos do curso de medicina, período em que os estudantes passam por diversas áreas da saúde. De acordo com informações do governo, a diferença é que, ao atuar no SUS, irão assumir gradativamente mais responsabilidades, "exercendo de fato procedimentos médicos em UBS e urgência e emergência".

Notícia completa: http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/07/08/medicos-formados-terao-de-atuar-dois-anos-no-sus-anuncia-governo.htm

Não entendi. Por que?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Dodo em 08 de Julho de 2013, 19:26:17
A atuação no SUS deveria ser uma formação complementar (não obrigatória) e não uma condição para se ter o diploma. Quero deixar claro que não conheço a fundo o curso de medicina ou até a legislação específica, mas isso cheira a, pelo menos assim me parece, uma imposição, com o agravante que não vai acrescentar nada na formação do médico, só a prática de trabalhar em algum PS ou posto de saúde, algo que ele fatalmente a maioria parece acabar pro fazer até se firmar no mercado (pesquisando em alguns sites e com alguns colegas a coisa parece funcionar assim... caso alguém tenha uma informação diferente, jogue ela aqui). Enfim, sei lá, é o que me pareceu. Eu precisaria de mais dados para dar uma opinião mais aprofundada.

Por isso usei os termos: ACHEI, A MIM ME PARECE, SEI LÁ...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 19:31:21
Medicina dá trabalho demais no ingresso, na formação e é uma atividade estressante pra caralho. Só mesmo as vantagens salariais e principalmente o mercado de trabalho são capazes de compensar isso e incentivar o pessoal comum (os que não tem "vocação", que não sonham desde criancinha em ser médico, etc) a entrar por esse caminho. Se começarem a colocar ainda mais dificuldades no processo, no longo prazo o mercado talvez "ajuste" a demanda por formação médica de forma a trazer as coisas para os patamares de sempre (vejam o que ocorreu com as especialidades de pediatria e obstetrícia).
 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 19:34:13
Não é apenas estágio no SUS, mas uma experiência na Atenção Básica. Mesmo que ele nunca atue na AB ou no SUS novamente, sendo apenas especialista, boa parte de seus pacientes terão a continuidade de seu tratamento e o acompanhamento pela equipe da AB. Saber como funciona e as dificuldades e facilidades encontradas é importante para o tratamento e conhecer seu paciente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 19:38:12
Agora um pai contribuinte desembolsar 3000 - 4000 pilas/mês durante 6 anos para formar um filho médico e ainda este ser obrigado a trabalhar 2 anos no SUS deve ser doloroso. Sabe-se lá o que ele irá ganhar nesse período e o desperdício de tempo, oportunidade e energia que isso representará para a sua vida. Imaginem um cara que planeja desde a adolescência ser um cirurgião plástico ou dermatologista em um grande centro... 

Talvez alguns sejam convencidos a seguir outra carreira.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 19:40:53
Não é apenas estágio no SUS, mas uma experiência na Atenção Básica. Mesmo que ele nunca atue na AB ou no SUS novamente, sendo apenas especialista, boa parte de seus pacientes terão a continuidade de seu tratamento e o acompanhamento pela equipe da AB. Saber como funciona e as dificuldades e facilidades encontradas é importante para o tratamento e conhecer seu paciente.

Trabalhar em hospital precário com máquinas quebradas ou ultrapassadas e onde exames demoram dias (os mais simples) a semanas para serem realizados não ajudam PORRA NENHUMA na formação de ninguém. Isso eu lhe garanto!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 19:42:13
Atenção Básica! Não é média e alta!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 19:44:37
Quanto ao salário. Tomando por base a bolsa do PROVAB, deve ser R$ 8000,00 (que deve aumentar para 10.000 em breve). Acho que não é um salário para morrer de fome.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 08 de Julho de 2013, 19:47:26
Não é apenas estágio no SUS, mas uma experiência na Atenção Básica. Mesmo que ele nunca atue na AB ou no SUS novamente, sendo apenas especialista, boa parte de seus pacientes terão a continuidade de seu tratamento e o acompanhamento pela equipe da AB. Saber como funciona e as dificuldades e facilidades encontradas é importante para o tratamento e conhecer seu paciente.
Não quando as dificuldades são criadas pelo próprio SUS. Aí um dia o médico faz uma merda que poderia ser evitada com um pouco de estudo e prática específicos, aí ninguém perceberá que ele poderia ter aprendido a coisa melhor se não tivesse gastado 2 anos no SUS como um otário. Aliás ninguém vai nem saber do erro, nem o próprio médico que o fez.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 08 de Julho de 2013, 19:52:05
Estágio no SUS é bom para saber o que não fazer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 19:58:07
Atenção Básica! Não é média e alta!

Piorou.

Imagine agora um cara que planeja ser neurocirurgião, otorrino, cirurgão plástico, dermatologista e etc atendendo durante 2 anos as mesmas coisas de sempre, que são: crianças com resfriado (que as mães trazem ao médico por não terem coisa melhor a fazer pra passarem o tempo), verminoses, velhas com dor na coluna ou nas juntas, hipertensos e diabéticos descompensados que, quando você vai ver, é porque não estão tomando o remédio (por preguiça, ignorância ou falta deles mesmo), diarréias, micoses, mulher com cólica ou com infecção vaginal, labirintite, gente querendo relatório para "tentar a sorte" no INSS, gente querendo atestado pra faltar no trabalho, pré-natal (quando os exames chegam, a possível toxoplasmose existente já detonou o concepto), viciados em benzodiazepínicos querendo receita, gente pedindo exames sem necessidade (os preferidos são USG transvaginal e de abdomen total). Se você tiver "sorte", encontrará uma tuberculose ou hanseníase de vez em quando.

Agora diga-me COMO isso durante 2 anos é imprescindível ou mesmo importante para a formação de TODO médico?

 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 20:06:01
Quanto ao salário. Tomando por base a bolsa do PROVAB, deve ser R$ 8000,00 (que deve aumentar para 10.000 em breve). Acho que não é um salário para morrer de fome.

Isso depende da carga horária. Um médico ocupando todo o seu tempo com plantões em vários locais pode tirar 25 000 ou mais. Se o cara for obrigado a trabalhar todos os dias recebendo esse salário do PROVAB, faça você mesmo aí os cálculos do prejuízo que ele terá.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 08 de Julho de 2013, 20:13:26
Pra atenção básica, não seria bom o governo acertar contratos, mesmo que temporários, com médicos estrangeiros? Alguma avaliação tem que ter, mas não pode importar em excesso de exação. Ou então fazer um curso básico por aqui do que o governo (e as entidades médicas) entendam por "atenção básica".
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 08 de Julho de 2013, 20:23:13
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.

Não só receber grana, como também mau costume e vícios do SUS.

Eu acho que na cabeça do Derfel o SUS é "bom" e os médicos uns relaxados ou mal-acostumados por optarem por grandes centros ou pela saúde privada. É isso o que dá a entender das postagens dele.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Südenbauer em 08 de Julho de 2013, 20:59:09
Citar
Estudantes de medicina terão que trabalhar 2 anos no SUS para ter diploma
Norma vale para estudantes que ingressarem em 2015

Continue lendo (http://oglobo.globo.com/pais/estudantes-de-medicina-terao-que-trabalhar-2-anos-no-sus-para-ter-diploma-8960019)
Agora estamos salvos.
Acho que tem que separar o tópico, esse assunto merece atenção.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:00:50
Não é apenas estágio no SUS, mas uma experiência na Atenção Básica. Mesmo que ele nunca atue na AB ou no SUS novamente, sendo apenas especialista, boa parte de seus pacientes terão a continuidade de seu tratamento e o acompanhamento pela equipe da AB. Saber como funciona e as dificuldades e facilidades encontradas é importante para o tratamento e conhecer seu paciente.
Não quando as dificuldades são criadas pelo próprio SUS. Aí um dia o médico faz uma merda que poderia ser evitada com um pouco de estudo e prática específicos, aí ninguém perceberá que ele poderia ter aprendido a coisa melhor se não tivesse gastado 2 anos no SUS como um otário. Aliás ninguém vai nem saber do erro, nem o próprio médico que o fez.

Quer dizer que ele gastou seis anos na faculdade e não estudou??? Passou por diversas disciplinas, mais os internatos nas clínicas das especialidades e não aprendeu nada antes de chegar ao estágio (que, por sinal, é supervisionado por um tutor)? E o que tem 2 anos de estágio no SUS (que, garanto, ele vai aprender muita coisa) com erro médico?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:05:11
Estágio no SUS é bom para saber o que não fazer.
OK. Imagino então que devo não saber nada. Ou só sei o que não fazer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Julho de 2013, 22:12:50
Obrigar os médicos a trabalhar no SUS é mais um dos absurdos que o governo vem acumulando para tentar fazer gambiarras na saúde. Tenho dúvidas se isso é constitucional.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:14:58
Atenção Básica! Não é média e alta!

Piorou.

Imagine agora um cara que planeja ser neurocirurgião, otorrino, cirurgão plástico, dermatologista e etc atendendo durante 2 anos as mesmas coisas de sempre, que são: crianças com resfriado (que as mães trazem ao médico por não terem coisa melhor a fazer pra passarem o tempo), verminoses, velhas com dor na coluna ou nas juntas, hipertensos e diabéticos descompensados que, quando você vai ver, é porque não estão tomando o remédio (por preguiça, ignorância ou falta deles mesmo), diarréias, micoses, mulher com cólica ou com infecção vaginal, labirintite, gente querendo relatório para "tentar a sorte" no INSS, gente querendo atestado pra faltar no trabalho, pré-natal (quando os exames chegam, a possível toxoplasmose existente já detonou o concepto), viciados em benzodiazepínicos querendo receita, gente pedindo exames sem necessidade (os preferidos são USG transvaginal e de abdomen total). Se você tiver "sorte", encontrará uma tuberculose ou hanseníase de vez em quando.

Agora diga-me COMO isso durante 2 anos é imprescindível ou mesmo importante para a formação de TODO médico?

 

Acho que está na hora de rever seus conceitos. Atenção Básica é muito mais que isso. Além do mais, quem controla e mantém o paciente é a Atenção Básica. Quando o médico se torna neurocirurgião, otorrino, dermatologista ou seja lá o que for, ele vai atender um paciente que vai retornar ao seu território e vai ser acompanhado por uma equipe da AB. Ele vai ter o conhecimento do processo e do fluxo de atendimento, além da realidade de vida daquele cliente. Partindo do seu conceito, imagino que um médico que queira se especializar em neurocirurgia não deva fazer seu estágio na maternidade, na pediatria, na cardiologia... O que você propõe seria acabar com o curso de medicina e formar apenas especialistas direto???

Ademais, o tempo na Atenção Básica é de apenas um ano. O outro ano é na rede de Urgência e Emergência: SAMU e PS.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:15:26
Obrigar os médicos a trabalhar no SUS é mais um dos absurdos que o governo vem acumulando para tentar fazer gambiarras na saúde. Tenho dúvidas se isso é constitucional.

É o que é feito no Reino Unido.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 08 de Julho de 2013, 22:18:25
Obrigar os médicos a trabalhar no SUS é mais um dos absurdos que o governo vem acumulando para tentar fazer gambiarras na saúde. Tenho dúvidas se isso é constitucional.

É o que é feito no Reino Unido.

Prova de que não é só no Brasil que se faz merda  :hihi:...

Mas duvido um pouco de que as condições de trabalho dos médicos lá sejam iguais às dos médicos do SUS.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:20:27
Quanto ao salário. Tomando por base a bolsa do PROVAB, deve ser R$ 8000,00 (que deve aumentar para 10.000 em breve). Acho que não é um salário para morrer de fome.

Isso depende da carga horária. Um médico ocupando todo o seu tempo com plantões em vários locais pode tirar 25 000 ou mais. Se o cara for obrigado a trabalhar todos os dias recebendo esse salário do PROVAB, faça você mesmo aí os cálculos do prejuízo que ele terá.


A carga horária é de 40h semanais: 32h atendendo e 8h para estudos. Isso não impede que ele tire plantão nos outros horários. Para comparação, a bolsa de residência médica é R$ 2.861,79 para 60h.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:22:29
Obrigar os médicos a trabalhar no SUS é mais um dos absurdos que o governo vem acumulando para tentar fazer gambiarras na saúde. Tenho dúvidas se isso é constitucional.

É o que é feito no Reino Unido.

Prova de que não é só no Brasil que se faz merda  :hihi:...

Mas duvido um pouco de que as condições de trabalho dos médicos lá sejam iguais às dos médicos do SUS.

Claro que não. Lá possuem um sistema muito mais desenvolvido, porém com uma população menor e um investimento maior, comparativamente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 08 de Julho de 2013, 22:29:28
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:31:41
Pra atenção básica, não seria bom o governo acertar contratos, mesmo que temporários, com médicos estrangeiros? Alguma avaliação tem que ter, mas não pode importar em excesso de exação. Ou então fazer um curso básico por aqui do que o governo (e as entidades médicas) entendam por "atenção básica".
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.
Atenção Básica é um conceito internacional. Tanto é que a maior estudiosa do assunto era Barbara Starfield dos EUA. Contratos temporários serão feitos, como são feitos hoje com os médicos brasileiros, até porque não se pode trabalhar sem esses contratos. Um curso será oferecido nas universidades por 3 semanas. Se o candidato não passar será eliminado do programa.

Quanto a "novatos" recebendo grana do SUS, é o que ocorre hoje. A maioria dos municípios do interior só consegue médicos recém-formados, que passam alguns meses saltando de município em município por quem dá mais até que passe em uma prova de residência.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:35:11
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.


Vai fazer parte da formação. Da grade curricular. Quando ele estiver formado, ele define para onde vai sua força de trabalho. O que acontecerá é que além de passar pelas clínicas das especialidades, terá de passar pela "clínica da Atenção Básica" e pela "clínica da Urgência e Emergência". São mais duas disciplinas, por assim dizer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 08 de Julho de 2013, 22:39:56
Pra atenção básica, não seria bom o governo acertar contratos, mesmo que temporários, com médicos estrangeiros? Alguma avaliação tem que ter, mas não pode importar em excesso de exação. Ou então fazer um curso básico por aqui do que o governo (e as entidades médicas) entendam por "atenção básica".
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.
Atenção Básica é um conceito internacional. Tanto é que a maior estudiosa do assunto era Barbara Starfield dos EUA. Contratos temporários serão feitos, como são feitos hoje com os médicos brasileiros, até porque não se pode trabalhar sem esses contratos. Um curso será oferecido nas universidades por 3 semanas. Se o candidato não passar será eliminado do programa.
Eu não conheço a área, muito menos suas especificidades. Parece uma coisa boa.

Quanto a "novatos" recebendo grana do SUS, é o que ocorre hoje. A maioria dos municípios do interior só consegue médicos recém-formados, que passam alguns meses saltando de município em município por quem dá mais até que passe em uma prova de residência.
É... Tem que ver como é a realidade dos fatos. Se isso já ocorre de maneira velada, até justificaria uma regulação federal. Mas com cuidado, né. Obrigar a galera inteira é foda.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 08 de Julho de 2013, 22:41:52
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.


Vai fazer parte da formação. Da grade curricular. Quando ele estiver formado, ele define para onde vai sua força de trabalho. O que acontecerá é que além de passar pelas clínicas das especialidades, terá de passar pela "clínica da Atenção Básica" e pela "clínica da Urgência e Emergência". São mais duas disciplinas, por assim dizer.
Respeitando o direito do indivíduo bem fazer o que quiser de sua iniciativa, não seria melhor abrir essas cadeiras como opções?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:50:28
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.

Não só receber grana, como também mau costume e vícios do SUS.

Pelo contrário, é justamente acabar com vícios e mau costume. O PROVAB é um exemplo. Como os médicos do programa são obrigados a cumprirem a carga horária, já que são supervisionados e não recebem os incentivos (10% de bonificação na prova de residência) se não cumprirem, isso acabou levando, em alguns lugares, médicos de outras equipes a se enquadrarem. O normal é serem contratados por 40h, pagos por 40h e cumprirem apenas 10 ou 20h (normalmente vão dois dias na semana e ficam até o meio-dia).

Citar
Eu acho que na cabeça do Derfel o SUS é "bom"
Ah, o SUS é bom sim. Possui muitos problemas, está desestruturado em muitos lugares, possui problemas de infra-estrutura em muitos outros e sofre com má gestão em outros tantos, mas é bom.

Citar
e os médicos uns relaxados ou mal-acostumados por optarem por grandes centros ou pela saúde privada. É isso o que dá a entender das postagens dele.


Não. Não acho isso. Acho que um direito do profissional trabalhar onde quiser. Porém existe um problema de pessoal no SUS, particularmente no interior, e se os médicos não querem ir para lá, precisa-se buscar outras fontes. Acredito que o maior problema não seja infra-estrutura da saúde (ainda que seja precária em muitos lugares), mas sim a infra-estrutura da própria cidade. Não é fácil morar em uma cidade que parece do faroeste: apenas uma rua com casas de um lado e do outro. Muitas vezes sem luz o tempo todo, sem água, sem celular, sem internet, sem um local para diversão como cinemas, restaurantes, teatros e mesmo uma sorveteria. A carreira SUS talvez (talvez) possa resolver isso, mas até lá deve-se deixar comunidades assim desassistidas?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 08 de Julho de 2013, 22:53:16
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.


Vai fazer parte da formação. Da grade curricular. Quando ele estiver formado, ele define para onde vai sua força de trabalho. O que acontecerá é que além de passar pelas clínicas das especialidades, terá de passar pela "clínica da Atenção Básica" e pela "clínica da Urgência e Emergência". São mais duas disciplinas, por assim dizer.
Respeitando o direito do indivíduo bem fazer o que quiser de sua iniciativa, não seria melhor abrir essas cadeiras como opções?
Não seria melhor oftalmo ser opção? Se você nunca vai atender criança na sua especialidade, a pediatria não deveria ser opcional? Para quê se estuda epidemiologia? e por aí vai...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _tiago em 08 de Julho de 2013, 22:58:32
Não te entendi.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 09 de Julho de 2013, 00:12:03
Quanto ao salário. Tomando por base a bolsa do PROVAB, deve ser R$ 8000,00 (que deve aumentar para 10.000 em breve). Acho que não é um salário para morrer de fome.

Isso depende da carga horária. Um médico ocupando todo o seu tempo com plantões em vários locais pode tirar 25 000 ou mais. Se o cara for obrigado a trabalhar todos os dias recebendo esse salário do PROVAB, faça você mesmo aí os cálculos do prejuízo que ele terá.


A carga horária é de 40h semanais: 32h atendendo e 8h para estudos. Isso não impede que ele tire plantão nos outros horários. Para comparação, a bolsa de residência médica é R$ 2.861,79 para 60h.

O projeto do governo impede que ele dê plantões ou trabalhe em outros locais que não as vinculadas à sua faculdade.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 09 de Julho de 2013, 00:23:48
Aliás, a "condição jurídica" do estudante nesse projeto é algo singular. Ele não tem crm nesses dois anos, mas um registro provisório que só vale nos locais onde é permitido trabalhar. Então, ele não tem crm, mas pode ditar condutas e prescrever nos locais onde trabalha, mesmo sem ser "médico formado". Tecnicamente isso é exercício ilegal da medicina.

Além disso, o projeto prevê que ele "responde pelos erros médicos". Só que ele não é médico, é estudante ainda. Ou seja, ganha todas as responsabilidades de um médico, sem os respectivos direitos.

Outra coisa bizarra é essa história de abater um ano de residência de disciplinas básicas como cirurgia e ginecologia e obstetrícia com esses dois anos. Isso não faz o mínimo sentido e vai obrigar as residências a acrescentar mais um ano a formação para compensar esse desconto artificial.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 00:50:13
Não é apenas estágio no SUS, mas uma experiência na Atenção Básica. Mesmo que ele nunca atue na AB ou no SUS novamente, sendo apenas especialista, boa parte de seus pacientes terão a continuidade de seu tratamento e o acompanhamento pela equipe da AB. Saber como funciona e as dificuldades e facilidades encontradas é importante para o tratamento e conhecer seu paciente.
Não quando as dificuldades são criadas pelo próprio SUS. Aí um dia o médico faz uma merda que poderia ser evitada com um pouco de estudo e prática específicos, aí ninguém perceberá que ele poderia ter aprendido a coisa melhor se não tivesse gastado 2 anos no SUS como um otário. Aliás ninguém vai nem saber do erro, nem o próprio médico que o fez.

Quer dizer que ele gastou seis anos na faculdade e não estudou??? Passou por diversas disciplinas, mais os internatos nas clínicas das especialidades e não aprendeu nada antes de chegar ao estágio (que, por sinal, é supervisionado por um tutor)? E o que tem 2 anos de estágio no SUS (que, garanto, ele vai aprender muita coisa) com erro médico?

Se o indivíduo recém-formado for obrigado a perder seu tempo no SUS, ele não apenas deixará de aprender muita coisa que veria em hospitais melhores ou na residência, mas ainda "desaprenderá" algumas coisas, e a troco de nada.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:09:04

Acho que está na hora de rever seus conceitos. Atenção Básica é muito mais que isso.

Mostre.

Citação de: Derfel
Além do mais, quem controla e mantém o paciente é a Atenção Básica.

E...?

Citação de: Derfel
Quando o médico se torna neurocirurgião, otorrino, dermatologista ou seja lá o que for, ele vai atender um paciente que vai retornar ao seu território e vai ser acompanhado por uma equipe da AB.

E...?


Citação de: Derfel
Ele vai ter o conhecimento do processo e do fluxo de atendimento,

Isso pode ser aprendido em no máximo 5 horas de leitura ou até menos.


Citação de: Derfel
além da realidade de vida daquele cliente.

1 ou 2 anos para ver isso é nonsense e você sabe disso.

Citação de: Derfel
Partindo do seu conceito, imagino que um médico que queira se especializar em neurocirurgia não deva fazer seu estágio na maternidade, na pediatria, na cardiologia... O que você propõe seria acabar com o curso de medicina e formar apenas especialistas direto???

1- Eu já mostrei acima o que um médico da Atenção Básica "aprenderá". Ele estará INCOMPARAVELMENTE, DE LONGE melhor num hospital privado/terceirizado (que inclusive têm maior rotatividade de pacientes, visto que estes não costumam ficar 90% do tempo de internamento apenas esperando resultados de exames ou na fila de procedimentos) ou numa residência.

2- É nonsense comparar áreas do conhecimento da medicina com o "conhecimento" sobre o SUS, querer equipará-las em importância e carga horária é delírio ridículo, nonsense e "clueless".

3- Essas disciplinas têm carga horária de 2 a 8 horas/dia, por um semestre (maioria) ou 1 ano (algumas). A "disciplina" SUS teria 8 horas/dia durante 2 anos...


Citação de: Derfel
Ademais, o tempo na Atenção Básica é de apenas um ano. O outro ano é na rede de Urgência e Emergência: SAMU e PS.

O SAMU é até legal (para aprendizado).

O PS varia com o local. O dos grandes centros é bom em número e variedade de casos (embora sejam um caos e estresse tremendo). Os PS das cidades pequenas não diferem muito do que eu falei sobre a Atenção Básica..

Aprendizado não justifica 1 ano obrigatório nesses locais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:11:09
Quanto ao salário. Tomando por base a bolsa do PROVAB, deve ser R$ 8000,00 (que deve aumentar para 10.000 em breve). Acho que não é um salário para morrer de fome.

Isso depende da carga horária. Um médico ocupando todo o seu tempo com plantões em vários locais pode tirar 25 000 ou mais. Se o cara for obrigado a trabalhar todos os dias recebendo esse salário do PROVAB, faça você mesmo aí os cálculos do prejuízo que ele terá.


A carga horária é de 40h semanais: 32h atendendo e 8h para estudos. Isso não impede que ele tire plantão nos outros horários. Para comparação, a bolsa de residência médica é R$ 2.861,79 para 60h.

A residência médica é opcional e a importância dela para o aprendizado é real.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:13:21
Quanto a "novatos" recebendo grana do SUS, é o que ocorre hoje.

Mas não é obrigatório. Quem quer faz e quem tem outros planos para a sua vida não é atrapalhado.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:15:54
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.


Vai fazer parte da formação. Da grade curricular. Quando ele estiver formado, ele define para onde vai sua força de trabalho. O que acontecerá é que além de passar pelas clínicas das especialidades, terá de passar pela "clínica da Atenção Básica" e pela "clínica da Urgência e Emergência". São mais duas disciplinas, por assim dizer.

Bullshit. O objetivo é apenas postergar a diplomação, "chantageando" os médicos a trabalharem no SUS por salários mais baixos. A intenção de "melhorar o aprendizado" só existe mesmo no c* de quem fala isso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:32:02
Melhor que obrigar novatos a receber grana do SUS.

Não só receber grana, como também mau costume e vícios do SUS.

Pelo contrário, é justamente acabar com vícios e mau costume. O PROVAB é um exemplo. Como os médicos do programa são obrigados a cumprirem a carga horária, já que são supervisionados e não recebem os incentivos (10% de bonificação na prova de residência) se não cumprirem, isso acabou levando, em alguns lugares, médicos de outras equipes a se enquadrarem. O normal é serem contratados por 40h, pagos por 40h e cumprirem apenas 10 ou 20h (normalmente vão dois dias na semana e ficam até o meio-dia).

Não sei se em todos os locais é assim, mas na maioria das vezes não existe demanda de pacientes suficiente para 40h semanais. Quem fez essa lei provavelmente é um idiota que não conhece de perto a realidade desses locais. O correto seria haver mais opções de contratos (Ex: 20 horas semanais), variando de local a local conforme a demanda.

Os caras querem o quê? Que os médicos atendam todos os pacientes, façam as visitas necessárias e depois fiquem no postinho olhando para as paredes descascadas esperando o tempo passar?

Além disso, a maioria dos médicos só aceita trabalhar por 5000-8000 reais se a carga horária for de no máximo 20 horas. Querer que um médico trabalhe 40 horas por esse salário, podendo o mesmo ganhar o triplo em outros locais, é ridículo.



Citação de: Derfel
Citar
Eu acho que na cabeça do Derfel o SUS é "bom"
Ah, o SUS é bom sim. Possui muitos problemas, está desestruturado em muitos lugares, possui problemas de infra-estrutura em muitos outros e sofre com má gestão em outros tantos, mas é bom.

Eu conheço o SUS por ambos os lados e só posso lhe dizer uma coisa: vivemos em mundos diferentes.

A Atenção Básica é até boa em alguns lugares. Na maioria porém falta de medicamentos até receituários para escrever prescrições. A atenção secundária e terciária é um caos, quase um inferno na terra (com exceção de alguns oásis, geralmente terceirizados).


Citação de: Derfel
Citar
e os médicos uns relaxados ou mal-acostumados por optarem por grandes centros ou pela saúde privada. É isso o que dá a entender das postagens dele.


Não. Não acho isso. Acho que um direito do profissional trabalhar onde quiser.

Existem pessoas que não acham?  :o

Citação de: Derfel

 Porém existe um problema de pessoal no SUS, particularmente no interior, e se os médicos não querem ir para lá, precisa-se buscar outras fontes.

Correto, mas não apenas isso. Existe também a opção lógica de tentar atrair os médicos que AGORA não querem ir para lá, mas sem obrigá-los ou chantageá-los.


Citação de: Derfel
Acredito que o maior problema não seja infra-estrutura da saúde (ainda que seja precária em muitos lugares), mas sim a infra-estrutura da própria cidade. Não é fácil morar em uma cidade que parece do faroeste: apenas uma rua com casas de um lado e do outro. Muitas vezes sem luz o tempo todo, sem água, sem celular, sem internet, sem um local para diversão como cinemas, restaurantes, teatros e mesmo uma sorveteria. A carreira SUS talvez (talvez) possa resolver isso, mas até lá deve-se deixar comunidades assim desassistidas?


O problema são ambos.

Mas a infraestrutura da cidade não seria um problema tão grande se não houvesse essa babaquice de querer que os médicos fiquem a semana toda lá (40 horas ou nada), ao invés de criar contratos com menores cargas horárias, com mais de um médico revezando o cargo. Isso me parece algo tão lógico que não entendo como já não pensaram nisso antes.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:37:04
Derfel, uma coisa é o governo fazer um contrato com médicos, novatos ou não, estrangeiros ou não, para que os mesmos fiquem em localidades determinadas por ele. Outra, é obrigar um indivíduo, que deveria ser livre no cuidado de sua força de trabalho, a fazer o que o governo quer.


Vai fazer parte da formação. Da grade curricular. Quando ele estiver formado, ele define para onde vai sua força de trabalho. O que acontecerá é que além de passar pelas clínicas das especialidades, terá de passar pela "clínica da Atenção Básica" e pela "clínica da Urgência e Emergência". São mais duas disciplinas, por assim dizer.
Respeitando o direito do indivíduo bem fazer o que quiser de sua iniciativa, não seria melhor abrir essas cadeiras como opções?
Não seria melhor oftalmo ser opção? Se você nunca vai atender criança na sua especialidade, a pediatria não deveria ser opcional? Para quê se estuda epidemiologia? e por aí vai...

 :o
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:39:56
Aliás, a "condição jurídica" do estudante nesse projeto é algo singular. Ele não tem crm nesses dois anos, mas um registro provisório que só vale nos locais onde é permitido trabalhar. Então, ele não tem crm, mas pode ditar condutas e prescrever nos locais onde trabalha, mesmo sem ser "médico formado". Tecnicamente isso é exercício ilegal da medicina.

Além disso, o projeto prevê que ele "responde pelos erros médicos". Só que ele não é médico, é estudante ainda. Ou seja, ganha todas as responsabilidades de um médico, sem os respectivos direitos.

Outra coisa bizarra é essa história de abater um ano de residência de disciplinas básicas como cirurgia e ginecologia e obstetrícia com esses dois anos. Isso não faz o mínimo sentido e vai obrigar as residências a acrescentar mais um ano a formação para compensar esse desconto artificial.

O tanto de malabarismos e arremedos jurídicos e até constitucionais para implementarem essas medidas (obrigar recém-formados a trabalhar no SUS e desobrigar estrangeiros de revalidação/crm) não será pequeno. Eu estou curioso para ver como será.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:41:46
Aliás, a "condição jurídica" do estudante nesse projeto é algo singular. Ele não tem crm nesses dois anos, mas um registro provisório que só vale nos locais onde é permitido trabalhar. Então, ele não tem crm, mas pode ditar condutas e prescrever nos locais onde trabalha, mesmo sem ser "médico formado". Tecnicamente isso é exercício ilegal da medicina.

Além disso, o projeto prevê que ele "responde pelos erros médicos". Só que ele não é médico, é estudante ainda. Ou seja, ganha todas as responsabilidades de um médico, sem os respectivos direitos.

Outra coisa bizarra é essa história de abater um ano de residência de disciplinas básicas como cirurgia e ginecologia e obstetrícia com esses dois anos. Isso não faz o mínimo sentido e vai obrigar as residências a acrescentar mais um ano a formação para compensar esse desconto artificial.

É só um adiamento ad hoc da diplomação, uma chantagem para obrigá-los a trabalhar no SUS. Eles poderiam muito bem dispensar essa desculpinha idiota de "formação".

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 01:53:35
Há um outro problema seríssimo com o trabalho em locais longínquos na forma que o PSF quer (40 horas semanais, o que é sinônimo de dedicação exclusiva): os calotes.

Calotes a médicos são MUITO comuns (em épocas próximas a eleições, quando o atual prefeito não é candidato, os casos aumentam). Como os médicos não têm um contrato seguro, estão constantemente sujeitos a calotes. E se estiverem dependentes desse único emprego (o que ocorre se estiverem nesses locais distantes nos moldes exigidos pelo PSF), irão se fuder bonito!

É por isso que os médicos evitam pôr todos os ovos numa única cesta sempre que podem. Trabalhar em locais isolados e distantes dificulta essa estratégia.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 09 de Julho de 2013, 02:01:13
Outra coisa bizarra é essa história de abater um ano de residência de disciplinas básicas como cirurgia e ginecologia e obstetrícia com esses dois anos. Isso não faz o mínimo sentido e vai obrigar as residências a acrescentar mais um ano a formação para compensar esse desconto artificial.

" O novo formato do curso de Medicina é inspirado no modelo existente em países como Inglaterra e Suécia, diz o Ministério da Saúde.

Concluído o curso de seis anos, o estudante passa para um segundo ciclo, de dois anos, onde terá de atuar em serviços públicos de saúde. A exigência do segundo ciclo será universal: tanto para estudantes de instituições da rede pública quanto privada de ensino."

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/curso-de-medicina-passara-de-6-para-8-anos-em-2015

Será que vai mesmo haver o corte?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 09 de Julho de 2013, 02:17:49
Citar
" O novo formato do curso de Medicina é inspirado no modelo existente em países como Inglaterra e Suécia, diz o Ministério da Saúde.

Eu gostaria mesmo de saber se o sistema de saúde onde os médicos ingleses e suecos são obrigados a trabalhar é igual ao nosso.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 05:29:23
O médico na ESF pode sim ser contratado por 20, 30 ou 40h e seu trabalho vai além de atender (ainda que exista uma demanda muito grande para isso, ao contrário do que você imagina). O sistema de saúde do Reino Unido e dos países escandinavos é muito parecido com o nosso, mas claro que não estou falando em infraestrutura.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 08:25:27
Citando a PNAB 2011:

Atribuições do médico na AB:

Citar
São atribuições comuns a todos os profissionais:

I - participar do processo de territorialização e mapeamento da área de atuação da equipe, identificando grupos, famílias e indivíduos expostos a riscos e vulnerabilidades;

II - manter atualizado o cadastramento das famílias e dos indivíduos no sistema de informação indicado pelo gestor municipal e utilizar, de forma sistemática, os dados para a análise da situação de saúde considerando as características sociais, econômicas, culturais, demográficas e epidemiológicas do território, priorizando as situações a serem acompanhadas no planejamento local;

III - realizar o cuidado da saúde da população adscrita, prioritariamente no âmbito da unidade de saúde, e quando necessário no domicílio e nos demais espaços comunitários (escolas, associações, entre outros);

IV - realizar ações de atenção a saúde conforme a necessidade de saúde da população local, bem como as previstas nas prioridades e protocolos da gestão local;

V - garantir da atenção a saúde buscando a integralidade por meio da realização de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde e prevenção de agravos; e da garantia de atendimento da demanda espontânea, da realização das ações programáticas, coletivas e de vigilância à saúde;

VI - participar do acolhimento dos usuários realizando a escuta qualificada das necessidades de saúde, procedendo a primeira avaliação (classificação de risco, avaliação de vulnerabilidade, coleta de informações e sinais clínicos) e identificação das necessidades de intervenções de cuidado, proporcionando atendimento humanizado, se responsabilizando pela continuidade da atenção e viabilizando o estabelecimento do vínculo;

VII - realizar busca ativa e notificar doenças e agravos de notificação compulsória e de outros agravos e situações de importância local;

VIII - responsabilizar-se pela população adscrita, mantendo a coordenação do cuidado mesmo quando esta necessita de atenção em outros pontos de atenção do sistema de saúde;

IX - praticar cuidado familiar e dirigido a coletividades e grupos sociais que visa propor intervenções que influenciem os processos de saúde doença dos indivíduos, das famílias, coletividades e da própria comunidade;

X - realizar reuniões de equipes a fim de discutir em con-junto o planejamento e avaliação das ações da equipe, a partir da utilização dos dados disponíveis;

XI - acompanhar e avaliar sistematicamente as ações implementadas, visando à readequação do processo de trabalho;

XII - garantir a qualidade do registro das atividades nos sistemas de informação na Atenção Básica;

XIII - realizar trabalho interdisciplinar e em equipe, integrando áreas técnicas e profissionais de diferentes formações;

XIV - realizar ações de educação em saúde a população adstrita, conforme planejamento da equipe;

XV - participar das atividades de educação permanente;

XVI - promover a mobilização e a participação da comunidade, buscando efetivar o controle social;

XVII - identificar parceiros e recursos na comunidade que possam potencializar ações intersetoriais; e

XVIII - realizar outras ações e atividades a serem definidas de acordo com as prioridades locais.

...

Do Médico:

I - realizar atenção a saúde aos indivíduos sob sua responsabilidade;

II -realizar consultas clínicas, pequenos procedimentos cirúrgicos, atividades em grupo na UBS e, quando indicado ou necessário, no domicílio e/ou nos demais espaços comunitários (escolas, associações etc);

III - realizar atividades programadas e de atenção à demanda espontânea;

IV - encaminhar, quando necessário, usuários a outros pontos de atenção, respeitando fluxos locais, mantendo sua responsabilidade pelo acompanhamento do plano terapêutico do usuário;

V - indicar, de forma compartilhada com outros pontos de atenção, a necessidade de internação hospitalar ou domiciliar, man-tendo a responsabilização pelo acompanhamento do usuário;

VI -contribuir, realizar e participar das atividades de Educação Permanente de todos os membros da equipe; e

VII -participar do gerenciamento dos insumos necessários para o adequado funcionamento da USB.

A AB por Barbara Starfield

Citar
De acordo com Barbara Starfield, as principais características da atenção primária à saúde (APS) são:
Constituir a porta de entrada do serviço — espera-se da APS que seja mais acessível à população, em todos os sentidos, e que com isso seja o primeiro recurso a ser buscado. Dessa forma, a autora fala que a APS é o Primeiro Contato da medicina com o paciente.
Continuidade do cuidado — a pessoa atendida mantém seu vínculo com o serviço ao longo do tempo, de forma que quando uma nova demanda surge esta seja atendida de forma mais eficiente; essa característica também é chamada de longitudinalidade.
Integralidade — o nível primário é responsável por todos os problemas de saúde; ainda que parte deles seja encaminhado a equipes de nível secundário ou terciário, o serviço de Atenção Primária continua co-responsável. Além do vínculo com outros serviços de saúde, os serviços do nível primário podem lançar mão de visitas domiciliares, reuniões com a comunidade e ações intersetoriais. Nessa característica, a Integralidade também significa a abrangência ou ampliação do conceito de saúde, não se limitando ao corpo puramente biológico.
Coordenação do cuidado — mesmo quando parte substancial do cuidado à saúde de uma pessoa for realizado em outros níveis de atendimento, o nível primário tem a incumbência de organizar, coordenar e/ou integrar esses cuidados, já que freqüentemente são realizados por profissionais de áreas diferentes ou terceiros, e que portanto têm pouco diálogo entre si.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Aten%C3%A7%C3%A3o_prim%C3%A1ria_%C3%A0_sa%C3%BAde

Além disso, a AB é a porta de entrada prioritária da AB e, ainda que não seja resolutiva em todos os casos (80% apenas, segundo a literatura), é onde o problema é diagnosticado e é de onde o usuário é encaminhado  para a atenção especializada (onde o médico da AB deve acompanhar o usuário e depois manter, quando retornar ao território)

É onde também existe uma porta de entrada da urgência, é onde se dá o primeiro nível de atenção da Atenção Domiciliar. O médico deve também ter um conhecimento de epidemiologia, indicadores de saúde, planejamento em equipe, atende também a saúde mental, realiza inquéritos sanitários e deve realizar investigações de óbitos (como no caso de mulheres MIF).

Existem outras atribuições também.

Leitura para contribuir para o debate:

http://www.abem-educmed.org.br/pdf_caderno3/cadernos/papel_rede_atencao_basica.pdf
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 08:26:36
Citar
Falta de médicos não é exclusividade de países pobres ou em desenvolvimento
Por Leoleli Camargo , iG São Paulo* | 09/07/2013 06:00
Texto
88 pessoas lendo
0
Comentários
 

Saiba como Estados Unidos, Espanha, Canadá e República Dominicana lidam com a demanda por médicos

 
Angel Franco/The New York Times
Paciente é atendido no corredor do Montefiore Medical Center, em Nova York: reforma vai sobrecarregar o sistema de saúde nos EUA
Se a oferta e a demanda por médicos fosse medida apenas pela proporção estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como ideal, ou seja, 1 médico para cada grupo de mil habitantes, o Brasil não estaria discutindo a importação de médicos estrangeiros.

A falta de especialistas e generalistas para fazer frente a uma demanda cada vez maior por serviços de saúde é considerada pela entidade como um problema mundial, do qual padecem até mesmo nações desenvolvidas.

De acordo com a mais recente estimativa (2011) da Associação Americana de Faculdades de Medicina, os Estados Unidos enfrentam hoje a falta de nada menos que 20 mil médicos – o país tem hoje cerca de 800 mil profissionais registrados na Associação Médica Americana.

A falta de generalistas e especialistas, estimam as duas entidades, deve quintuplicar ao longo da próxima década, por conta do envelhecimento da população e da aposentadoria de muitos destes profissionais – quase metade do total de médicos que atuam nos EUA hoje tem mais de 50 anos.

Programa Mais Médicos:
Aluno de Medicina terá de passar 2 anos trabalhando no SUS para receber diploma
Recrutamento de médicos estrangeiros é criado por medida provisória

Para agravar mais ainda a situação, em 2014, cerca de 16 milhões de americanos devem ingressar no sistema de saúde do país por meio do Medicaid, o programa aprovado na grande reforma de saúde proposta pelo presidente Obama no ano passado.

Desde a aprovação da reforma, entidades médicas vêm manifestando publicamente a preocupação de que o contingente atual de médicos não dará conta da demanda imposta pelo ingresso desta massa de potenciais pacientes nos hospitais e clínicas do país.

Para fazer frente a esse problemão, algumas iniciativas vêm sendo postas em prática desde o ano passado. Mais escolas de medicina foram abertas, muitas entidades de ensino já existentes aumentaram o número vagas de graduação e algumas instituições estão focando esforços em aumentar o número de estudantes interessados em atuar como generalistas ou médicos de família.

O governo anunciou também que a reforma de saúde deve aumentar o número de vagas de residência médica – hoje são 110 mil posições de residente para todo o país. A vinda de profissionais formados no Exterior, especialmente para trabalhar com saúde da família e atenção primária também pode ajudar a fazer frente a essa demanda – em 2010, 13% das vagas de residência nos EUA foram preenchidas por médicos que fizeram medicina em outros países. Neste quesito, no entanto, os americanos são irredutíveis: para praticar medicina de família por lá, é preciso completar a residência médica nos Estados Unidos.

Especialistas frustrados

Um minucioso levantamento feito em 2010 pelo Conselho Geral de Colégios Oficiais de Médicos da Espanha apontou que o país conta com 205 mil os profissionais registrados como médicos. Desse total, 174 mil estão exercendo a profissão, mas apenas um terço faz isso dentro do Sistema Nacional de Saúde. Desde 2001 o governo espanhol passou a estimular a criação de mais vagas nas faculdades de Medicina (de 4.371 em 2001 para 7.000 em 2011), o que ampliou em 12,2% o total de médicos do país. Entretanto, as medidas não foram suficientes para resolver um problema que o conselho classificou como um velho problema no país: a má distribuição de profissionais pelo território espanhol.

Veja protestos dos médicos brasileiros contra o projeto de contratação de profissionais estrangeiros:


Em São Paulo, o protesto dos médicos aconteceu na avenida Paulista e reuniu 5 mil pessoas, de acordo com a PM. Foto: Paula Pacheco/iG1/13
Embora as faculdades de medicina espanholas despejem no mercado cerca de 3,6 mil novos médicos a cada ano, o número é insuficiente para preencher as 7 mil vagas de residência médica espalhadas pelo país. Essa discrepância ocorre porque apenas os melhores colocados na prova nacional de seleção para residência médica, conhecida como MIR, conseguem escolher a área em que irão se especializar e a cidade onde cursarão a residência. Em teoria, o modelo atual da prova foi desenvolvido justamente para gerir melhor a oferta e a demanda de especialistas nas diversas regiões do país. Na prática, a grande maioria que não alcança os escores mais altos precisa se contentar literalmente com o que sobrou: uma especialização diferente daquela desejada, em uma cidade distante do local de domicílio. O resultado disso? Um grande contingente de médicos frustrados e falta de especialistas em determinadas regiões do país.

Segundo apontou o relatório, o aumento da demanda por serviços de saúde surgida com o envelhecimento da população, com a crise econômica e também com a aposentadoria de uma parte significativa de médicos atuantes foi levemente atenuado com o ingresso de especialistas e generalistas de outros países da União Europeia, mas não foi resolvido. O ministério da saúde espanhol estima que em 2050 o déficit de médicos na Espanha chegará a 25 mil.

Médicos mal distribuídos

Para estimular a ida de médicos aos rincões onde poucos se aventuram a viver, muitas províncias do Canadá estabeleceram programas de incentivo que incluem melhores salários, bônus para quem optar por praticar medicina de família, subsídios para remoção e estabelecimento dos especialistas com suas famílias em regiões remotas, redução da carga de trabalho e descentralização da figura do médico no atendimento – algumas tarefas antes atribuídas eles passaram a ser exercidas também por outros profissionais de saúde, mediante treinamento e com supervisão médica. Outra medida adotada pelo governo canadense foi aumentar a concessão de licenças para estrangeiros atuarem no país – após a aprovação em exames de acreditação.

Em 2011, 51% dos médicos canadenses atuavam como médicos de família, um aumento de 14% desde 2007, apontou o Instituto Nacional de Saúde do Canadá. A análise do levantamento feito pelo governo mostrou também que mais generalistas estão atuando nas zonas rurais do país, o segundo maior do mundo em área total depois da Rússia. Ainda assim, faltam médicos para atender a população que vive nas regiões mais remotas e inóspitas do país, o que levou ao fechamento de muitos serviços públicos de saúde nestes locais.

Investimento em atenção primária

A pequena República Dominicana começou a enfrentar a falta de médicos com planejamento, ainda no final da década de 1960. A primeira medida foi aumentar o número de vagas nos cursos de medicina, especialmente nas universidades públicas.

“Até então era difícil seguir a carreira. Havia poucas vagas e as oportunidades para estudar medicina eram muito raras”, conta Dolores Mejia de La Cruz, diretora do departamento de Medicina Interna do Hospital General de la Plaza de la Salud, de Santo Domingo.

Após a ampliação na graduação, o governo dominicano passou a obrigar os estudantes a trabalhar por um ano em áreas menos favorecidas, como uma exigência para obter a licença para praticar a medicina no país. Com isso, ampliou-se o número de clínicas de atenção primária em zonas rurais.

Além disso, o governo dominicano investiu em atenção primária, estabelecendo medicina familiar como uma especialidade e oferecendo mais oportunidades de trabalho e salários mais altos nesta área. Hoje, conta a médica, o médico da família é valorizado e visto com respeito. Atualmente, a proporção de médicos no país é de cerca de 9 mil profissionais para uma população de 10 milhões.
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-07-09/falta-de-medicos-nao-e-exclusividade-de-paises-pobres-ou-em-desenvolvimento.html
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 09 de Julho de 2013, 11:35:34
Citar
" O novo formato do curso de Medicina é inspirado no modelo existente em países como Inglaterra e Suécia, diz o Ministério da Saúde.

Eu gostaria mesmo de saber se o sistema de saúde onde os médicos ingleses e suecos são obrigados a trabalhar é igual ao nosso.

Citar
No Reino Unido, residência dura dois anos; curso leva cinco

Citado pelo governo brasileiro como exemplo a ser seguido na formação de médicos, o Reino Unido obriga todo recém-formado a cumprir dois anos de treinamento no sistema público de saúde.

Depois de deixar a faculdade, que dura em média cinco anos, o futuro doutor recebe um registro provisório e precisa se inscrever no chamado "The Foundation Programme".

Nesta etapa, o residente fica à disposição do NHS (Serviço Nacional de Saúde, na sigla em inglês), que pode alocá-lo conforme sua demanda.

O piso salarial nesta fase é de 22,4 mil libras anuais (cerca de R$ 75,85 mil) no primeiro ano.

Depois de 12 meses, o médico pode receber o registro permanente da profissão. O piso salarial sobe para 27,8 mil libras anuais (cerca de R$ 94,1 mil).

Embora os políticos em Brasília repitam que o SUS é inspirado no NHS, o sistema britânico está anos-luz à frente do modelo brasileiro e é motivo de orgulho no país.

Todo cidadão do Reino Unido tem direito a se inscrever na unidade de saúde mais próxima para receber atendimento e fazer consultas gratuitas.

Além disso, a maioria dos remédios é fornecida de graça: o paciente só paga a receita, que custa 7,85 libras (R$ 26,57).

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1308346-no-reino-unido-residencia-dura-dois-anos-curso-leva-cinco.shtml
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Feliperj em 09 de Julho de 2013, 12:12:02
Dilma afundando de vez a saúde no Brasil... 

Citar
Os governos do Brasil e de Cuba, com o apoio da Organização Pan-Americana da Saúde, estão acertando como será a vinda de 6.000 médicos cubanos para trabalharem nas regiões brasileiras mais carentes. Os detalhes estão em negociação. Os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e o cubano Bruno Eduardo Rodríguez Parrilla, anunciaram nesta segunda-feira (6) a parceria...

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2013/05/06/brasil-trara-6-mil-medicos-cubanos-para-atender-moradores-de-areas-carentes.htm

Possivelmente são 6.000 guerrilheiros disfarçados de médicos!!!!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Feliperj em 09 de Julho de 2013, 12:16:38
Obrigar os médicos a trabalhar no SUS é mais um dos absurdos que o governo vem acumulando para tentar fazer gambiarras na saúde. Tenho dúvidas se isso é constitucional.

E comparar essa iniciativa ao sistema Britânico!!!!PQP!!!! Paguem o salário que é pago lá, que vai é faltar vaga no SUS para estes 2 primeiros anos!! O populismo é sempre populismo!! Fico pensando para onde serão enviados os novos engenheiros, enfermeiras, etc....
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 13:36:28
O salário de lá é menor que o daqui. Leia o post do Ângelo. Aqui será de R$120.000,00 anuais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 09 de Julho de 2013, 13:48:42
120 mil para os médicos já formados que serão "importados". Os estudantes de universidades públicas que irão fazer o estágio de 2 anos vão receber apenas uma bolsa do governo federal, a qual ainda não foi informado nenhum valor, exceto que no caso de escolas particulares os alunos ficarão isentos da mensalidade durante os dois anos.

Tenho certeza que a bolsa vai ser bem menor do que os R$75.000/94.000 que os residentes do Reino Unido recebem por ano.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Zóio de Vidro em 09 de Julho de 2013, 14:59:34
Não dá para comparar - mas lá quando precisam de uma especialidade pegam um avião e vão para onde é o melhor - Eles tem $$$ - parte dele foi do próprio Brazil - Portugal em ouro e muitos outros $$$ vieram das colônias anexadas. Nem sei onde a medicina hoje é melhor, acho que cada qual tem especialistas famosos e visitados por habitantes de outros países.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Feliperj em 09 de Julho de 2013, 15:32:39
120 mil para os médicos já formados que serão "importados". Os estudantes de universidades públicas que irão fazer o estágio de 2 anos vão receber apenas uma bolsa do governo federal, a qual ainda não foi informado nenhum valor, exceto que no caso de escolas particulares os alunos ficarão isentos da mensalidade durante os dois anos.

Tenho certeza que a bolsa vai ser bem menor do que os R$75.000/94.000 que os residentes do Reino Unido recebem por ano.

Ou seja, sucateamos a mão de obra local (o que vem fazendo com os médicos ao longo do tempo, em termos de salário é vergonhoso) e valorizamos a mão de obra estrangeira (CUBANA)..SUPERFATURADA!!!!!! Fala sério!!


Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Feliperj em 09 de Julho de 2013, 15:34:57
Não dá para comparar - mas lá quando precisam de uma especialidade pegam um avião e vão para onde é o melhor - Eles tem $$$ - parte dele foi do próprio Brazil - Portugal em ouro e muitos outros $$$ vieram das colônias anexadas. Nem sei onde a medicina hoje é melhor, acho que cada qual tem especialistas famosos e visitados por habitantes de outros países.

Este discurso da época do descobrimento não cabe mais; eles tem dinheiro pois souberam construir um país, uma sociedade. Se a população brasileira não tem condições de fazer o mesmo, certamente não é pela questão do ouro que nos foi roubado.

Abs
Felipe
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 17:40:30
120 mil para os médicos já formados que serão "importados". Os estudantes de universidades públicas que irão fazer o estágio de 2 anos vão receber apenas uma bolsa do governo federal, a qual ainda não foi informado nenhum valor, exceto que no caso de escolas particulares os alunos ficarão isentos da mensalidade durante os dois anos.

Tenho certeza que a bolsa vai ser bem menor do que os R$75.000/94.000 que os residentes do Reino Unido recebem por ano.

Esses 10.000 é o valor que será pago pelo PROVAB. Hoje a bolsa do PROVAB é 8.000,00 (o que dá 96.000,00 ano) e esse é o programa que é base para que o MS está propondo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 09 de Julho de 2013, 17:43:03
A propósito, esses recursos já existem, fazem parte do PAB Variável (lembrar que esses estudantes atuarão na ESF) que, hoje, é R$10.950,00 por equipe (os 8.000 são descontados desse valor).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Zóio de Vidro em 09 de Julho de 2013, 17:46:36
Não dá para comparar - mas lá quando precisam de uma especialidade pegam um avião e vão para onde é o melhor - Eles tem $$$ - parte dele foi do próprio Brazil - Portugal em ouro e muitos outros $$$ vieram das colônias anexadas. Nem sei onde a medicina hoje é melhor, acho que cada qual tem especialistas famosos e visitados por habitantes de outros países.

Este discurso da época do descobrimento não cabe mais; eles tem dinheiro pois souberam construir um país, uma sociedade. Se a população brasileira não tem condições de fazer o mesmo, certamente não é pela questão do ouro que nos foi roubado.

Abs
Felipe
Uma coisa não nega a outra - Sabedoria eles tiveram em ser imperialistas - Falta de sabedoria dos nossos governantes que sempre abriram as peras a los estrangeiros - Isso continua - Estamos colônia do mesmo jeito. Coisas tem que ser feitas - não fazer sempre foi o lema. Continuamos assim?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Feliperj em 10 de Julho de 2013, 16:40:31
120 mil para os médicos já formados que serão "importados". Os estudantes de universidades públicas que irão fazer o estágio de 2 anos vão receber apenas uma bolsa do governo federal, a qual ainda não foi informado nenhum valor, exceto que no caso de escolas particulares os alunos ficarão isentos da mensalidade durante os dois anos.

Tenho certeza que a bolsa vai ser bem menor do que os R$75.000/94.000 que os residentes do Reino Unido recebem por ano.

Esses 10.000 é o valor que será pago pelo PROVAB. Hoje a bolsa do PROVAB é 8.000,00 (o que dá 96.000,00 ano) e esse é o programa que é base para que o MS está propondo.

Ainda não entendi : quanto vão receber os médico que serão obrigados a trabalhar no SUS ?

Abs
Felipe
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 10 de Julho de 2013, 17:22:15
Ainda não sei. Mas, com base no PROVAB e no recurso do PAB variável, será de 8.000,00 a 10.000,00.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 10 de Julho de 2013, 18:09:48
Sério que você queria tudo isso na Atenção Básica??? Procedimentos ortopédicos não são para ser executados na AB, para isso existem a média e alta complexidade (que não devem existir mesmo em municípios muito pequenos) e as unidades de referência em municípios pólo. Agora, quando não existia a ressonância magnética, como era feito o diagnóstico? Não era feito? E não é tanto tempo assim (RM de corpo inteiro só surgiu em 1977). O problema é que, hoje, muitos médicos utilizam exames diagnósticos como muleta (e incluo os dentistas aqui também).
Todos os casos médicos que você imaginar são mais complexos do que parecem. Uma criança de 2 anos cai no chão, bate a cabeça, fica com um corte, e precisa de Raio-X, e observação. Intoxicação alimentar, dependendo da bactéria é um deus nos acuda, e nem é todo antibiótico que funciona. Quando a pessoa é hipertensa e tá quase num estado onde vai enfartar? Você precisa de exames, um cardiologista. Mesmo quando "controlam" a hipertensão, a pessoa precisa do acompanhamento de um cardiologista, sempre tem que fazer aqueles exames por causa do histórico familiar...  Ou seja, pense num caso e ele vai ter uma complicação.

E você que é dentista de posto de saúde sabe que algumas pessoas esperam até o dente quase cair pra se consultar aí o caso é grave e precisa de um monte de recursos. A maioria das pessoas do interior e mais velhas são assim, esperam até a doença estar insuportável pra se consultar aí não adianta um médico numa sala com um receituário.

Eu sei que você vai dizer que atenção básica não é só isso, mas aí vamos entrar numa área onde o médico não pode fazer nada, tipo saneamento básico. Como o médico vai construir um esgoto? Promover o tratamento da água em municípios onde nem tem água?

Sério, deixar nas mãos do médico a responsabilidade por coisas que ele não pode controlar, num local onde ele não consegue trabalhar e achar que isso vai resolver o problema da saúde no interior do Brasil... não dá, não vai resolver. E talvez daqui há 5 anos nós vamos estar discutindo sobre como as medidas do governo não deram certo.

A UBS padrão hoje (existem muitas que não são assim) é uma recepção, consultório médico, de enfermagem, odontológico, sala de curativos, sala de vacina, expurgo, esterilização, sala de observação. É esse o padrão que o MS financia pelo Requalifica UBS, na construção, ampliação e reforma.
UBS padrão é o que deveria ser e não o que realmente é. Quantos postos de saúde no interior a UBS é o que eu disse: uma recepção, o consultório, e o açougue digo sala de procedimentos (se tiver).
Cidade pequena tem tudo isso, mas também existem cidade que não tem (e capitais que têm).
Sim... E soluções pra desfazer isso?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 10 de Julho de 2013, 18:10:05
Estudantes de medicina vão ganhar R$10.000 por mês no SUS, durante um "estágio obrigatório", durante dois anos, antes mesmo de terem um diploma? :?

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 10 de Julho de 2013, 18:20:35
Estudantes de medicina vão ganhar R$10.000 por mês no SUS, durante um "estágio obrigatório", durante dois anos, antes mesmo de terem um diploma? :?



Eu não entendo por que diabos o governo não fala de uma vez que está fazendo isso só pra obrigar os médicos a trabalharem no SUS, ao invés de ficar com essa conversa oligofrênica de "estágio importante pra formação médica". Ele sabe que ninguém acredita nisso e nem mesmo as faculdades e entidades médicas (onde estão as pessoas que realmente sabem o que é importante ou não pra formação de um médico) foram consultadas, ao que parece.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 10 de Julho de 2013, 19:06:51
120 mil para os médicos já formados que serão "importados". Os estudantes de universidades públicas que irão fazer o estágio de 2 anos vão receber apenas uma bolsa do governo federal, a qual ainda não foi informado nenhum valor, exceto que no caso de escolas particulares os alunos ficarão isentos da mensalidade durante os dois anos.

Tenho certeza que a bolsa vai ser bem menor do que os R$75.000/94.000 que os residentes do Reino Unido recebem por ano.

Ou seja, sucateamos a mão de obra local (o que vem fazendo com os médicos ao longo do tempo, em termos de salário é vergonhoso) e valorizamos a mão de obra estrangeira (CUBANA)..SUPERFATURADA!!!!!! Fala sério!!




Agora vcs entenderam.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 13 de Julho de 2013, 13:47:14
(https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn1/1012172_269631459844281_133398384_n.jpg)

é para  :lol: ou para  :chorao: ?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 13 de Julho de 2013, 19:14:28
Citar
Diplomas que mais ajudam no Revalida
Os dados do Inep sobre as provas aplicadas em 2012 indicam que os cursos de medicina de Portugal são os que melhor preparam os médicos para a aprovação no Revalida. No ano passado, dos oito diplomados no país incritos na prova, três conseguiram passar, o equivalente a 37%.
No lado oposto da tabela estão as universidades bolivianas, que expediram a maioria dos diplomas de quem se inscreveu no Revalida mais recente. Apenas 4% dos 411 inscritos na prova formados em instituições bolivianas conseguiram a permissão do governo federal para exercer a medicina no Brasil.

A Venezuela ficou na segunda posição no ano passado. As instituições do país aprovaram 27% de seus estudantes que participaram da prova.
Entre os 26 candidatos que se formaram em medicina na Espanha, 19% conseguiram a aprovação. Na edição de 2011 do Revalida, porém, todos os 16 candidatos formados em instituições espanholas foram reprovados. Estudantes de instituições de outros dez países europeus não especificados pelo Inep tiveram índice de aprovação de 24%.

http://g1.globo.com/educacao/noticia/2013/07/revalida-exame-para-medicos-de-fora-sera-aplicado-alunos-do-brasil.html
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 13 de Julho de 2013, 19:38:05
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Julho de 2013, 07:26:22
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf


Peraí, os brasileiros tiveram 70% de aprovação enquanto os outros não tiveram nem 10%?

E aquela coisa toda de quererem cabos eleitorais petistas médicos cubanos com aprovação automática?

Com a excelente medicina cubana que dá pau até nos gringos não seria de se esperar um resultado um pouco acima disso?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Julho de 2013, 09:43:40
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf


Peraí, os brasileiros tiveram 70% de aprovação enquanto os outros não tiveram nem 10%?

E aquela coisa toda de quererem cabos eleitorais petistas médicos cubanos com aprovação automática?

Com a excelente medicina cubana que dá pau até nos gringos não seria de se esperar um resultado um pouco acima disso?

Esses 70% foram um teste experimental do revalida em uma universidade federal brasileira. Se for aplicado em alguma uniesquina por aqui, com certeza vai ter reprovação em massa. Mas o ponto que eu queria mostrar é que o revalida é sim uma prova fácil e quem tem boa formação é aprovado tranqüilamente. Se os cubanos não passaram não foi por culpa de uma suposta "reserva de mercado". Foi porque eles eram ruins mesmo.

Ah, e outra coisa a se notar também: "Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade"
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Julho de 2013, 10:39:59
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf


Peraí, os brasileiros tiveram 70% de aprovação enquanto os outros não tiveram nem 10%?

E aquela coisa toda de quererem cabos eleitorais petistas médicos cubanos com aprovação automática?

Com a excelente medicina cubana que dá pau até nos gringos não seria de se esperar um resultado um pouco acima disso?

Esses 70% foram um teste experimental do revalida em uma universidade federal brasileira. Se for aplicado em alguma uniesquina por aqui, com certeza vai ter reprovação em massa. Mas o ponto que eu queria mostrar é que o revalida é sim uma prova fácil e quem tem boa formação é aprovado tranqüilamente. Se os cubanos não passaram não foi por culpa de uma suposta "reserva de mercado". Foi porque eles eram ruins mesmo.

Ah, e outra coisa a se notar também: "Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade"

Se não me engano foi na UFRN, com uma amostra, e deve-se ter cuidado com vieses. O exame é composto por 3 fases: uma prova objetiva, uma discursiva e uma prática. Qual prova foi feita? Foi o processo todo? Ainda assim, as provas discursiva e prática possuem um componente de subjetividade que tem uma interferência de acordo com o objetivo do exame (provar que o Revalida é fácil). Se 10% de aprovação é pouco, 70% é muito. Se assim fosse, países que possuem um curso de medicina de tradição e fortemente estabelecido teriam uma média de aprovação similar a esses 70%, o que não ocorre (só ver os resultados de países como portugal, espanha, eua e argentina). Está havendo um briga política muito grande em cima dessa ideia e esse tipo de pesquisa é mais um instrumento.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Julho de 2013, 10:44:13
As informações sobre a Revalida, como a distribuição de aprovação por nacionalidade e por país da instituição formadora está disponível na Internet.  Eu tenho os dados de 2011 que encontrei pelo google.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Julho de 2013, 10:49:36
Lendo o artigo, é informado que só foi aplicada a primeira etapa com conhecimentos de clínica médica.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Julho de 2013, 10:52:50
Se não me engano foi na UFRN, com uma amostra, e deve-se ter cuidado com vieses. O exame é composto por 3 fases: uma prova objetiva, uma discursiva e uma prática. Qual prova foi feita? Foi o processo todo? Ainda assim, as provas discursiva e prática possuem um componente de subjetividade que ter jma interferência de acordo com o objetivo do exame (provar que o Revalida é fácil). Se 10% de aprovação é pouco, 70% é muito. Se assim fosse, países que possuem um curso de medicina de tradição e fortemente estabelecido teriam uma média de aprovação similar a esses 70%, o que não ocorre (só ver os resultados de países como portugal, espanha, eua e argentina). Está havendo um briga política muito grande em cima dessa ideia e esse tipo de pesquisa é mais um instrumento.

Foram feitas as provas objetiva e discursiva. E foi um teste aplicado pelo próprio governo, tanto que ele ficou segurando o resultado por um ano e só liberou agora. E quanto ao resultado de 70% parecer muito, lembre-se que isso não representa o resultado do Brasil todo, mas de um curso de qualidade. Obviamente, como eu disse na minha mensagem anterior, se for aplicado nas uniesquinas, será reprovação em massa, o que fará a média do Brasil todo ficar bem menor que esses 70%. E é exatamente por isso também que países com boa formação não chegam perto desse índice, já que não vem apenas alunos das boas escolas prestar a prova.

Mas parece que você ainda não pegou o ponto que eu estou querendo demonstrar. Essa prova não é difícil, muito menos dificílima, como dizem por aí. Alunos de boa formação passam com tranquilidade. Só os tranqueiras são reprovados.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Julho de 2013, 11:37:39
Na matéria que você postou informa que foi aplicada apenas a primeira etapa, de clínica médica. De qualquer forma, posso verificar melhor amanhã com o pessoal de lá.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Julho de 2013, 11:55:56
Na matéria que você postou informa que foi aplicada apenas a primeira etapa, de clínica médica. De qualquer forma, posso verificar melhor amanhã com o pessoal de lá.

Derfel, a primeira etapa consiste nas provas objetiva e discursiva. A segunda etapa é a prova prática de habilidades clínicas.

Citar
O Revalida será realizado em duas etapas, sendo a primeira constituída de prova teórica e a segunda de prova prática de habilidades clínicas. A avaliação será feita a partir da matriz de correspondência curricular, documento elaborado pela subcomissão de revalidação tendo como referência as diretrizes curriculares nacionais do curso de medicina no Brasil.

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=267&Itemid=321
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 14 de Julho de 2013, 12:14:17
Eu ouvi esses dias na TV pessoas do governo dizendo que os médicos estrangeiros deveriam ser avaliados pelas universidades brasileiras ao invés do Revalida. Eles insinuavam que as provas das universidades (aos quais os médicos formados aqui se submetem) seriam mais fáceis do que o Revalida, mas na verdade é o oposto! O Revalida é um exame bem prático e objetivo, enquanto as provas das universidades estão cheias de "picuinhas", pegadinhas e exigem MUITO mais conteúdo do que o necessário para a boa prática médica*.


*Isso ocorre por diversos motivos. Um deles é a separação estanque com que cada disciplina é ministrada na faculdade. Professores de oftalmologia exigem do aluno praticamente todo o conhecimento da área, o de urologia, o de ortopedia e o de otorrino idem (num mesmo semestre). Isso resulta em alunos estudando centenas de páginas nos dias que antecedem as provas e, após aprovados, esquecem quase tudo depois. Em minha opinião deveria haver uma maior integração entre todas as disciplinas, ministrando e cobrando apenas o necessário para o médico generalista.


Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 14 de Julho de 2013, 13:27:56
Eu ouvi esses dias na TV pessoas do governo dizendo que os médicos estrangeiros deveriam ser avaliados pelas universidades brasileiras ao invés do Revalida. Eles insinuavam que as provas das universidades (aos quais os médicos formados aqui se submetem) seriam mais fáceis do que o Revalida, mas na verdade é o oposto! O Revalida é um exame bem prático e objetivo, enquanto as provas das universidades estão cheias de "picuinhas", pegadinhas e exigem MUITO mais conteúdo do que o necessário para a boa prática médica*.


*Isso ocorre por diversos motivos. Um deles é a separação estanque com que cada disciplina é ministrada na faculdade. Professores de oftalmologia exigem do aluno praticamente todo o conhecimento da área, o de urologia, o de ortopedia e o de otorrino idem (num mesmo semestre). Isso resulta em alunos estudando centenas de páginas nos dias que antecedem as provas e, após aprovados, esquecem quase tudo depois. Em minha opinião deveria haver uma maior integração entre todas as disciplinas, ministrando e cobrando apenas o necessário para o médico generalista.



Centenas de páginas nada, os alunos mau tocam em livros hoje em dia (e acho que nunca tocaram de verdade, com o método de ensino usado aqui), só usam o caderno e olhe lá. Isso já é o suficiente para que consigam as notas máximas. Isso por si só não é ruim, mas gostaria de saber como esse tipo de cultura os impacta depois de formados, quando não têm mais os professores dando a eles tudo o que tem de saber. Ademais muito dessa informação não aumentam o valor do trabalho do médico, o que agrega valor a um conhecimento é sua escassez, quando todo mundo sai saindo a mesma coisa, o valor do conhecimento cai, por isso acho que a especialização precoce na medicina é a maior possibilidade de ganho em eficiência. Mas nossos planejadores centrais, por "motivos óbvios" (como dizem meus professores) acham que todo médico deve se formar um generalista inútil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 14 de Julho de 2013, 14:45:50
Agora querem escravizar outras áreas:
Citar
Projeto cria estágio obrigatório até para terapeuta

Projeto pronto para votação em plenário obriga estágio de um ano para formados em medicina, odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional

Enquanto o governo publica medida provisória para obrigar estudantes de medicina a estagiarem por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS), está pronto para votação na Câmara um projeto de lei que estende essa obrigação para os estudantes de odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional. Contudo, o prazo desse estágio é de apenas um ano.
A ideia do Projeto de Lei 2598/2007 é levar para áreas carentes profissionais da área de saúde formados em instituições públicas ou que receberem ajuda do governo. Para tanto, será elaborado um regulamento em até seis meses após a aprovação da medida por representantes dos ministérios da Educação e Saúde, além dos conselhos de secretários de Saúde estaduais e municipais (Conass e Conasems).

O autor da proposta é o deputado e médico Geraldo Resende (PMDB-MS), que destaca a má distribuição dos profissionais da saúde no Brasil. “Este desequilíbrio produz uma situação em que milhões de cidadãos das áreas periféricas e zonas rurais são segregados do acesso à saúde, em claro atentado a princípios e garantias constitucionalmente estabelecidos”, justifica o peemedebista.

Para o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a proposta de estágio obrigatório de dois anos no SUS para os estudantes de medicina vai humanizar esses profissionais. “Tenho certeza que com isso vamos ter mais médicos no SUS e melhores médicos no Brasil, mais humanos, vivendo o dia a dia da saúde pública”, analisou.

Por sua vez, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, destaca que a proposta não se trata de um serviço social obrigatório, mas de um trabalho remunerado e localizado. “Os médicos vão continuar trabalhando ligados às faculdades onde estudam”, resumiu Padilha. “Esta é uma medida importante, mas transitória para levar médicos para o Brasil. Estamos abertos a discutir outras formas para aumentar a presença [de médicos]“, complementou.

O debate em torno do estágio obrigatório para estudantes de medicina surgia na segunda-feira passada (8), quando a presidenta Dilma Rousseff anunciou o programa Mais Médicos.  Segundo Dilma, o programa vai oferecer bolsa federal de R$ 10 mil a médicos que atuarão na atenção básica da rede pública de saúde, sob a supervisão de instituições públicas de ensino. Com a mudança nos currículos, a estimativa é a entrada de 20,5 mil médicos na atenção básica.

Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/projeto-cria-estagio-obrigatorio-ate-para-terapeuta/
Sabe o que tá faltando no interior também? Engenheiros....  :twisted:
Empresas... Que tal seria uma proposta que obrigasse os empresários a atuarem um ano no interior pra levar o desenvolvimento pra regiões carentes?   :twisted:

Precedentes... deixando essas ideias passarem estamos abrindo precedentes pra outras ideias mais loucas...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Julho de 2013, 16:01:49
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf


Peraí, os brasileiros tiveram 70% de aprovação enquanto os outros não tiveram nem 10%?

E aquela coisa toda de quererem cabos eleitorais petistas médicos cubanos com aprovação automática?

Com a excelente medicina cubana que dá pau até nos gringos não seria de se esperar um resultado um pouco acima disso?

Esses 70% foram um teste experimental do revalida em uma universidade federal brasileira. Se for aplicado em alguma uniesquina por aqui, com certeza vai ter reprovação em massa. Mas o ponto que eu queria mostrar é que o revalida é sim uma prova fácil e quem tem boa formação é aprovado tranqüilamente. Se os cubanos não passaram não foi por culpa de uma suposta "reserva de mercado". Foi porque eles eram ruins mesmo.

Ah, e outra coisa a se notar também: "Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade"

Pois é, essa coisa toda de quererem aprovação automática só para cubanos estava cheirando mal desde o começo, ainda mais que o governo não divulgou o resultado desfavorável.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Julho de 2013, 16:47:09
Citar
Brasileiros são aprovados no Revalida

Acadêmicos de medicina têm 70% de aprovação em exame do governo federal, enquanto estrangeiros não
atingiram 10%. Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade

Página 7: http://portal.cfm.org.br/images/stories/JornalMedicina/2013/jornal%20221.pdf


Peraí, os brasileiros tiveram 70% de aprovação enquanto os outros não tiveram nem 10%?

E aquela coisa toda de quererem cabos eleitorais petistas médicos cubanos com aprovação automática?

Com a excelente medicina cubana que dá pau até nos gringos não seria de se esperar um resultado um pouco acima disso?

Esses 70% foram um teste experimental do revalida em uma universidade federal brasileira. Se for aplicado em alguma uniesquina por aqui, com certeza vai ter reprovação em massa. Mas o ponto que eu queria mostrar é que o revalida é sim uma prova fácil e quem tem boa formação é aprovado tranqüilamente. Se os cubanos não passaram não foi por culpa de uma suposta "reserva de mercado". Foi porque eles eram ruins mesmo.

Ah, e outra coisa a se notar também: "Governo não divulga resultado, mas o CFM tem acesso à informação com exclusividade"

Pois é, essa coisa toda de quererem aprovação automática só para cubanos estava cheirando mal desde o começo, ainda mais que o governo não divulgou o resultado desfavorável.
Não é só para cubanos, é para um caso muito especial e desde o início  a meta era mais portugueses e espanhóis.  Em dezembro, em um fórum que fui no Rio (onde me encontrei com o Luiz Souto), só estavam presentes britânicos,  Canadenses, portugueses e espanhóis.  Curiosamente não estava nenhum cubano (e já se falava em médicos estrangeiros). Em algum momento alguém veio com essa história de 6.000 cubanos,  provavelmente alguém do ministério do exterior.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 14 de Julho de 2013, 22:43:41
Agora querem escravizar outras áreas:
Citar
Projeto cria estágio obrigatório até para terapeuta

Projeto pronto para votação em plenário obriga estágio de um ano para formados em medicina, odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional

Enquanto o governo publica medida provisória para obrigar estudantes de medicina a estagiarem por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS), está pronto para votação na Câmara um projeto de lei que estende essa obrigação para os estudantes de odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional. Contudo, o prazo desse estágio é de apenas um ano.
A ideia do Projeto de Lei 2598/2007 é levar para áreas carentes profissionais da área de saúde formados em instituições públicas ou que receberem ajuda do governo. Para tanto, será elaborado um regulamento em até seis meses após a aprovação da medida por representantes dos ministérios da Educação e Saúde, além dos conselhos de secretários de Saúde estaduais e municipais (Conass e Conasems).

O autor da proposta é o deputado e médico Geraldo Resende (PMDB-MS), que destaca a má distribuição dos profissionais da saúde no Brasil. “Este desequilíbrio produz uma situação em que milhões de cidadãos das áreas periféricas e zonas rurais são segregados do acesso à saúde, em claro atentado a princípios e garantias constitucionalmente estabelecidos”, justifica o peemedebista.

Para o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a proposta de estágio obrigatório de dois anos no SUS para os estudantes de medicina vai humanizar esses profissionais. “Tenho certeza que com isso vamos ter mais médicos no SUS e melhores médicos no Brasil, mais humanos, vivendo o dia a dia da saúde pública”, analisou.

Por sua vez, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, destaca que a proposta não se trata de um serviço social obrigatório, mas de um trabalho remunerado e localizado. “Os médicos vão continuar trabalhando ligados às faculdades onde estudam”, resumiu Padilha. “Esta é uma medida importante, mas transitória para levar médicos para o Brasil. Estamos abertos a discutir outras formas para aumentar a presença [de médicos]“, complementou.

O debate em torno do estágio obrigatório para estudantes de medicina surgia na segunda-feira passada (8), quando a presidenta Dilma Rousseff anunciou o programa Mais Médicos.  Segundo Dilma, o programa vai oferecer bolsa federal de R$ 10 mil a médicos que atuarão na atenção básica da rede pública de saúde, sob a supervisão de instituições públicas de ensino. Com a mudança nos currículos, a estimativa é a entrada de 20,5 mil médicos na atenção básica.

Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/projeto-cria-estagio-obrigatorio-ate-para-terapeuta/
Sabe o que tá faltando no interior também? Engenheiros....  :twisted:
Empresas... Que tal seria uma proposta que obrigasse os empresários a atuarem um ano no interior pra levar o desenvolvimento pra regiões carentes?   :twisted:

Precedentes... deixando essas ideias passarem estamos abrindo precedentes pra outras ideias mais loucas...

Só digo que isso está ficando cada vez mais interessante. Espero realmente que esse projeto englobe muitas e muitas profissões. Então vou ficar só de camarote vendo muitas opiniões mudarem...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 15 de Julho de 2013, 00:32:46
As informações sobre a Revalida, como a distribuição de aprovação por nacionalidade e por país da instituição formadora está disponível na Internet.  Eu tenho os dados de 2011 que encontrei pelo google.

Se for ver os dados verá que:

- Metade dos que fazem a prova são brasileiros, metade dos que fazem a prova tem diploma Boliviano

- Só 16 cubanos fizeram os Revalida 2011 e 2012, com aprovação de 25% em 2012- 4 cubanos

- Com DIPLOMA CUBANO (cubanos + brasileiros) foram 140/182 com aprovação de 11% apenas.  Expurgando os Cubanos vemos que o índice de aprovação da ELAN é em torno de 10%

(http://img40.imageshack.us/img40/2672/4u4z.jpg) (http://imageshack.us/photo/my-images/40/4u4z.jpg/)

Uploaded with ImageShack.us (http://imageshack.us)

(http://img29.imageshack.us/img29/7/67yw.jpg) (http://imageshack.us/photo/my-images/29/67yw.jpg/)

Uploaded with ImageShack.us (http://imageshack.us)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 15 de Julho de 2013, 05:27:20
Agora querem escravizar outras áreas:
Citar
Projeto cria estágio obrigatório até para terapeuta

Projeto pronto para votação em plenário obriga estágio de um ano para formados em medicina, odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional

Enquanto o governo publica medida provisória para obrigar estudantes de medicina a estagiarem por dois anos no Sistema Único de Saúde (SUS), está pronto para votação na Câmara um projeto de lei que estende essa obrigação para os estudantes de odontologia, enfermagem, farmácia, nutrição, fonoaudiologia, fisioterapia, psicologia e terapia ocupacional. Contudo, o prazo desse estágio é de apenas um ano.
A ideia do Projeto de Lei 2598/2007 é levar para áreas carentes profissionais da área de saúde formados em instituições públicas ou que receberem ajuda do governo. Para tanto, será elaborado um regulamento em até seis meses após a aprovação da medida por representantes dos ministérios da Educação e Saúde, além dos conselhos de secretários de Saúde estaduais e municipais (Conass e Conasems).

O autor da proposta é o deputado e médico Geraldo Resende (PMDB-MS), que destaca a má distribuição dos profissionais da saúde no Brasil. “Este desequilíbrio produz uma situação em que milhões de cidadãos das áreas periféricas e zonas rurais são segregados do acesso à saúde, em claro atentado a princípios e garantias constitucionalmente estabelecidos”, justifica o peemedebista.

Para o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, a proposta de estágio obrigatório de dois anos no SUS para os estudantes de medicina vai humanizar esses profissionais. “Tenho certeza que com isso vamos ter mais médicos no SUS e melhores médicos no Brasil, mais humanos, vivendo o dia a dia da saúde pública”, analisou.

Por sua vez, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, destaca que a proposta não se trata de um serviço social obrigatório, mas de um trabalho remunerado e localizado. “Os médicos vão continuar trabalhando ligados às faculdades onde estudam”, resumiu Padilha. “Esta é uma medida importante, mas transitória para levar médicos para o Brasil. Estamos abertos a discutir outras formas para aumentar a presença [de médicos]“, complementou.

O debate em torno do estágio obrigatório para estudantes de medicina surgia na segunda-feira passada (8), quando a presidenta Dilma Rousseff anunciou o programa Mais Médicos.  Segundo Dilma, o programa vai oferecer bolsa federal de R$ 10 mil a médicos que atuarão na atenção básica da rede pública de saúde, sob a supervisão de instituições públicas de ensino. Com a mudança nos currículos, a estimativa é a entrada de 20,5 mil médicos na atenção básica.

Fonte: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/projeto-cria-estagio-obrigatorio-ate-para-terapeuta/
Sabe o que tá faltando no interior também? Engenheiros....  :twisted:
Empresas... Que tal seria uma proposta que obrigasse os empresários a atuarem um ano no interior pra levar o desenvolvimento pra regiões carentes?   :twisted:

Precedentes... deixando essas ideias passarem estamos abrindo precedentes pra outras ideias mais loucas...

Só digo que isso está ficando cada vez mais interessante. Espero realmente que esse projeto englobe muitas e muitas profissões. Então vou ficar só de camarote vendo muitas opiniões mudarem...
Apenas não concordo com odontologia e enfermagem.  Essas duas deveriam terdois anos de estágio: um na atenção básica e outro na urgência. No caso da odontologia permitiria a criação do serviço de urgência, que é quase inexistente na maioria dos municípios,  uma capacitação maior em bucofacial e em odotologia em UTI.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 17 de Julho de 2013, 08:00:01
Citar
Emendas do Congresso desfiguram proposta para atrair médico


Emendas apresentadas por deputados e senadores à medida provisória que cria o "Mais Médicos" colocam sob risco os pontos centrais do programa lançado pelo governo federal para facilitar a vinda de médicos estrangeiros ao Brasil e adicionar dois anos a cursos de medicina.

Foram propostas 567 alterações ao texto original. Ao menos 58 delas, de congressistas da base do governo e da oposição, atingem a espinha dorsal do programa.

Isso porque excluem a criação do 2º ciclo nos cursos de medicina (em que o aluno trabalha no SUS por dois anos) ou porque exigem que o médico estrangeiro tenha seu diploma revalidado para atuar no Brasil --exigência dispensada pelo governo.

"É a única medida provisória que deu unanimidade, só que contrária. Não conheço uma pessoa que defenda", diz o deputado Eleuses Paiva (PSD-SP), autor de 31 emendas ao texto do Executivo.

O relator da medida ainda não foi definido. A comissão que vai analisar o texto pode ser instalada hoje.

A deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ) afirma que foi procurada por universidades públicas que relataram não ter estrutura para manter os estudantes por mais dois anos na graduação. O texto prevê que os dois anos de serviço no SUS estariam nos currículos de quem entrar na faculdade a partir de 2015.

As emendas propostas aumentam as exigências para entrada dos médicos estrangeiros e limitam o prazo de vigência do "Mais Médicos".

Uma das mudanças sugeridas determina a comprovação de conhecimentos em português pelos médicos estrangeiros. Outras definem que o período do programa será de até três anos --a medida original permite prorrogação por outros três anos.

Ontem, o ministro Aloizio Mercadante (Educação) disse que o governo está disposto a "aprimorar" o texto com comissão de reitores criada para debater as mudanças.

Ele insinuou que os ataques ao projeto partem de uma parcela mais favorecida. Segundo Mercadante, não houve reclamações entre os estudantes de medicina beneficiários do Fies, programa de financiamento estudantil do governo. "Porque são estudantes de medicina pobres, ninguém criticou. Ninguém questionou.

Finalmente o Congresso fazendo um bom trabalho  :hihi:... o perigo é o monstro que pode acabar saindo disso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Julho de 2013, 08:58:18
O problema, no Brasil, sempre foi o congresso, por pior que seja os demais poderes. Mas imaginava que isso pudesse acontecer.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 17 de Julho de 2013, 09:43:46
O problema, no Brasil, sempre foi o congresso, por pior que seja os demais poderes. Mas imaginava que isso pudesse acontecer.

O Congresso, ahh, o Congresso brasileiro...


Citar
Parlamentares brasileiros têm o 6º salário mais desproporcional do mundo
InfoMoneyInfoMoney – ter, 16 de jul de 2013 09:12 BRT

SÃO PAULO - O Brasil aparece em 6º lugar entre os países que têm os salários de parlamentares mais desproporcionais do mundo, em relação à população. Segundo o blog Graphic Details, da revista britânica The Economist, os congressistas do País ganham, em média, US$ 157,6 mil por ano - cerca de 13 vezes mais que a renda per capita da população brasileira.

O levantamento, que mostra quantas vezes os parlamentares recebem a mais que a população, tomou como base informações dos sites de governos oficiais de 29 países e um levantamento do governo britânico elaborado pela "Independent Parliamentary Standards Authority".

No topo da lista, os parlamentares nigerianos ganham, em média, 116 vezes mais que a população do País. O Quênia aparece em seguida, com uma diferença salarial de 76 vezes de parlamentares e população local. Já entre os países com as menores diferenças, aparecem a Noruega (29º), Espanha (28º) e Sri Lanka (27º).

Um dos salários mais altos do mundo
A diferença entre os salários da população brasileira e parlamentares fica à frente de países como Estados Unidos (13º), Reino Unido (21º), Espanha (28º) e Noruega (29º). Além disso, a média salarial dos parlamentares brasileiros (US$ 157,6 mil por ano) é muito superior que maioria dos países citados, atrás somente da Austrália (US$ 201,2 mil), Nigéria (US$ 189,5 mil), Itália (US$ 182 mil) e Estados Unidos (US$ 174 mil).
Posição    Países    Salários de parlamentares (em relação à população)

*The Economist
Código: [Selecionar]
1 Nigéria 116 vezes
2 Quênia 76 vezes
3 Gana 29 vezes
4 Indonésia 18 vezes
5 África do Sul 14 vezes
6 Brasil 13 vezes
7 Tailândia 9 vezes
8 Índia 7 vezes
9 Itália 5 vezes
10 Bangladesh  5 vezes
11 Israel 3 vezes
12 Hong Kong 3 vezes
13 Estados Unidos  3 vezes
14 Japão 2,5 vezes
15 Cingapura 2,3 vezes


http://br.financas.yahoo.com/noticias/parlamentares-brasileiros-t%C3%AAm-6-sal%C3%A1rio-121200382.html

Piores do que nós somente Nigéria, Quênia, Gana, Indonésia e África do Sul.
Que triste. :(
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 17 de Julho de 2013, 10:35:07
Piores do que nós somente Nigéria, Quênia, Gana, Indonésia e África do Sul.
Que triste. :(

Realmente, é triste. Mas não se preocupe. Se depender dos políticos, daqui a pouco estaremos em primeiro lugar. :twisted:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 17 de Julho de 2013, 10:38:43
O problema, no Brasil, sempre foi o congresso, por pior que seja os demais poderes. Mas imaginava que isso pudesse acontecer.

O Congresso é uma merda, de fato, mas neste caso nem culpo nossos honrados deputados e senadores. O Governo quer enfiar goela abaixo do Congresso uma MP autoritária e sem sentido, é óbvio que ela seria crivada de emendas. O material inicial já é ruim, e a tendência é que fique pior no Congresso.

Mas talvez a estratégia seja  esta mesmo, a MP sair tão deformada do Congresso que fique impraticável. Aí o Governo pode comodamente jogar a culpa pelo fracasso no Legislativo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 17 de Julho de 2013, 10:40:52
Piores do que nós somente Nigéria, Quênia, Gana, Indonésia e África do Sul.
Que triste. :(

Realmente, é triste. Mas não se preocupe. Se depender dos políticos, daqui a pouco estaremos em primeiro lugar. :twisted:

Eles são brasileiros e não desistem nunca!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 17 de Julho de 2013, 15:01:21
O problema, no Brasil, sempre foi o congresso, por pior que seja os demais poderes. Mas imaginava que isso pudesse acontecer.

Medidas de tamanha intensidade e alcance na vida de muitas pessoas não podem ficar a cargo de um punhado de gente (a presidente e alguns ministros), ainda mais gente que não conhece porra nenhuma de medicina e seu currículo. Eu soube que nem as universidades tinham sido ouvidas sobre a decisão de aumentar a duração do curso!


Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 17 de Julho de 2013, 15:06:50
E conforme foi dito, foi uma MP que conseguiu unanimidade contra, de tão ruim, autoritária e dispensável que é (o CFM já pensa em entrar com ADIns). Como não é uma pauta de interesse direto/imediato dos parlamentares, você não deveria concluir automaticamente que todos eles estejam errados enquanto apenas a Dilma e 2 ministros estão cobertos de razão.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 17 de Julho de 2013, 15:11:35
E ainda tem quem defenda essas medidas estapafúrdias.

Qual é a dificuldade em notar que o problema é má-gestão e infraestrutura e plano de carreiras inexistentes?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 17 de Julho de 2013, 15:20:00
http://www.expressomt.com.br/politica/alvaro-dias-anuncia-apresentacao-de-emendas-a-mp-dos-medicos-70658.html



    O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) anunciou em Plenário nesta segunda-feira (15) que apresentará emendas à Medida Provisória 621/2013, a chamada MP dos Médicos
 


A proposta, enviada ao Congresso Nacional pela presidente Dilma Rousseeff, cria o Programa Mais Médicos, com a finalidade de atrair recursos humanos da área médica para o Sistema Único de Saúde (SUS). Para o parlamentar, a medida é uma demonstração da “absoluta incapacidade” do governo de resolver problemas cruciais do país.

Alvaro classificou como “desatino” a decisão do governo de equacionar o problema da saúde por medida provisória, obrigando os estudantes de Medicina de universidades públicas a trabalharem dois anos no SUS, com o que chamou de “auxílio mágico” de médicos estrangeiros.

O senador citou ainda declarações do médico Fernando Rivas, representante do Conselho Geral do Colégio de Médicos da Espanha e responsável por negociar com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, a vinda de médicos espanhóis ao Brasil. Rivas explicou que o conselho estuda a parceria, mas quer garantias de trabalho para os profissionais, como saber as reais condições de infraestrutura dos hospitais em que esses médicos serão lotados – com detalhes sobre número de leitos, quantidade de funcionários, recursos e acesso a remédios.

Para o conselheiro, os médicos espanhóis “não serão a solução” para os problemas da saúde no Brasil e haveria o temor de que a medida para atrair profissionais estrangeiros tenha meta “mais direcionada às eleições do que a resolver a questão da saúde”.

- É terrível constatar que o governo é passivo, sem criatividade, não oferece respostas aos problemas do país. E quando oferece são respostas estapafúrdias, como a de criar uma assembleia constituinte exclusiva e depois um plebiscito para realizar a reforma política. Quero afirmar que estamos preparando emendas à MP, na tentativa de alterar o conteúdo desta medida que não consideramos solução para os problemas de saúde do Brasil – comentou Alvaro Dias.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 17 de Julho de 2013, 15:28:39
Na minha opinião (que pode estar errada e mudar), a declaração do governo de priorizar médicos de Portugal e Espanha é apenas uma cortina de fumaça temporária. O governo sabe que muito dificilmente encontrará médicos desses 2 países dispostos a trabalhar nas condições deploráveis dos locais que os médicos brasileiros não querem ir, e muito menos na quantidade necessária. Acredito que os médicos bolivianos e principalmente cubanos são o objetivo final de todo esse processo.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 17 de Julho de 2013, 16:00:45
Portugueses e espanhóis não virão sob as condições que o governo impõe.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Julho de 2013, 20:25:20
Já ouviram falar disso aqui?

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=DA92C752DB17CBBA3B202C66BFDF9534.node1?codteor=113882&filename=PL+65/2003

Citar
PROJETO DE LEI N° , DE 2003
( Do Sr. Arlindo Chinaglia
)

*Projeto de lei nº 65/03..... ví um comentário no Orkut, procurei no Google pelo nome do parlamentar e o número citado que realmente existe.

Citar
Proíbe a criação de novos cursos médicos e a ampliação de vagas nos cursos existentes, nos próximos dez anos e dá outras providencias.

O Congresso Nacional decreta:
Art. 1º Fica vedada a criação de novos cursos médicos nos dez anos seguintes à promulgação desta Lei.
Art. 2º Fica vedada a ampliação de vagas nos cursos médicos existentes nos dez anos seguintes à promulgação desta Lei.
Art. 3º O Poder Executivo encaminhará ao Congresso Nacional, no prazo de 120 (cento e vinte ) dias, a contar da data da publicação desta Lei, projeto de lei que disporá sobre as atribuições e composição da Comissão de Especialistas em Ensino Médico do MEC, para sua adequação ao disposto nesta Lei.

 Art. 4º O Poder Executivo, ouvido o Conselho Federal de Medicina, regulamentará, no prazo de 90 dias a contar da publicação desta Lei, normas específicas para a validação de cursos de medicina feitos no exterior.

A justificativa para importarem (cabos eleitorais petistas) (pajés) médicos cubanos não é a falta de profissionais na saúde pública?

Citar
JUSTIFICAÇÃO
O primeiro objetivo desta Projeto de Lei é o de proteger a população do País contra
a gravíssima ameaça resultante de cursos de Medicina de má qualidade, no Brasil ou no
exterior.
O segundo objetivo é o de proteger os médicos brasileiros formados em instituições
de bom nível, ainda a grande maioria, do aviltamento das suas condições de trabalho –
contra a invasão do mercado de trabalho por diplomados em Medicina, sem adequada
condição de exercê-la.

 O Brasil já tem uma relação de médicos por habitante acima do índice recomendado por instituições internacionais que é de 12 médicos para 10.000 habitantes. Essa proporção
deverá continuar crescendo com rapidez, uma vez que o aumento da população de médicos
– que tem se mantido constante – é maior do que a taxa de crescimento do total da população (que tem decrescido ).

Ao impedir a criação de novos cursos de Medicina e congelar o número de vagas, o Projeto contribui para barrar os interesses de uma verdadeira indústria no ensino. A esse respeito, grandes empresas de saúde já estão se apoderando/fundando escolas médicas, onde o objetivo não é aperfeiçoar o aparelho formador, mas sim obter mão-de-obra barata já a partir do trabalho dos estudantes e pós-graduandos e, posteriormente, com a super-
oferta no mercado.

 A situação atual do mercado de trabalho já é muito mais grave em várias regiões e centros urbanos nacionais. Com as mudanças ora propostas, haverá uma melhor adequação do número de médicos às necessidades da população brasileira, que terá melhores
profissionais e em número suficiente para atendê-la
.

Peraí, deixe eu ver se entendi direito: Em 2003 quando o PT assumiu o poder havia a preocupação em impedir o crescimento de vagas nos cursos de medicina com  a justificativa de que havia um excesso de profissionais saturando o mercado, por coincidência mais ou menos na mesma época em que começaram a enviar cabos eleitorais para Cuba justamente para estudar medicina....


Citar
Art. 4º O Poder Executivo, ouvido o Conselho Federal de Medicina, regulamentará,
no prazo de 90 dias a contar da publicação desta Lei, normas específicas para a validação
de cursos de medicina feitos no exterior.


...mas deixavam em aberto uma brecha para trazer de volta esse pessoal em um futuro próximo...

Citar
O Projeto de Lei estabelece, ainda, que o Poder Executivo deverá definir normas para controle de entrada de profissionais de outros países no mercado brasileiro. É de extrema importância que seja tomada tal medida, em vista da globalização da economia e especialmente da integração de nossa nação no Mercosul. O intercâmbio científico, cultural, econômico e social é uma realidade que devemos impulsionar, e para que isso ocorra em benefício de nossas populações, cada poder nacional deve ter regras democráticas. No exercício da medicina é necessário que os cursos feitos no exterior sejam validados como dispõe o art. 4º do presente projeto de Lei.

Entendi errado?

Por outra coincidência, o referido parlamentar é petista.

Ou seja, o cara apresenta um projeto de lei que impede a criação de vagas e cursos na mesma época em que a esquerda começava a enviar "candidatos e médico" lá para Cuba?

Interessante.

Só eu vejo algo errado nisso ou entendi mal?

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 18 de Julho de 2013, 20:32:13
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Julho de 2013, 20:33:40
Então, o que vc acha disso?

Entendi errado?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 18 de Julho de 2013, 20:37:52
Então, o que vc acha disso?

Entendi errado?

Considerando a politicalha que corre neste país, a sua interpretação pode ser a correta.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Julho de 2013, 20:42:03
Não tenho o estudo que vcs têm, mas pode acreditar que conheço muito bem o caráter das pessoas.

Dá para ver de longe que eles têm interesses escondidos nessa sujeira toda.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 18 de Julho de 2013, 21:08:30
Enquete sobre a obrigação de médicos trabalharem no SUS:  http://www12.senado.gov.br/noticias

Por enquanto, 93% votaram contra.
 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 18 de Julho de 2013, 22:11:19
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todos as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.
Já era corporativismo naquela época. A propósito, o Chinaglia é médico. Ainda assim, ele deveria ter consultado a Constituição antes:
Citar
Art. 200. Ao sistema único de saúde compete, além de outras atribuições, nos termos da lei:
...
III - ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde;
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 18 de Julho de 2013, 22:12:56
Enquete sobre a obrigação de médicos trabalharem no SUS:  http://www12.senado.gov.br/noticias

Por enquanto, 93% votaram contra.
 

Não esperaria algo diferente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 18 de Julho de 2013, 23:14:15
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.

É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 18 de Julho de 2013, 23:23:31
Voce acha que é esse tipo de estrutura que os médicos estão reclamando? Sério?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 18 de Julho de 2013, 23:42:26
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.

É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.

Juca, eu tenho certeza que se houvessem nesses locais...


1- Contratos de trabalho não-precários, não sujeitos a calotes constantes, dado que os médicos dependeriam integralmente desse vínculo para sua renda*;

2- Condições mínimas de infraestrutura de saúde (instalações, instrumentos, profissionais, laboratórios para exames básicos e medicamentos);

3- Mais opções de contrato, sem essa baboseira do médico ficar para sempre morando na cidade para criar vínculo com o povo (sabe-se Deus pra quê). Opções de contrato flexíveis permitiria que mais médicos revezassem, o que eliminaria o problema de ter que viver em locais onde às vezes nem água encanada tem.

4- Salários e benefícios "competitivos" com os existentes nas demais localidades para a mesma carga de trabalho.


...duvido muito que a falta de médicos seria um grande problema, dado que o Brasil forma 17 000 médicos por ano e tem quase o dobro da relação médico/habitantes recomendada pela ONU.


*Um adendo: conheço uma cidade (vizinha à minha) que está oferecendo um salário substancialmente maior do que todas as demais da região, mas não está conseguindo médicos porque nos últimos anos ela deu calote em todos os que entraram.



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Julho de 2013, 00:00:11
Voce acha que é esse tipo de estrutura que os médicos estão reclamando? Sério?

Não, não vi eles reclamarem disso. Mas eu moro numa cidade do interior de SP de 50 mil habitantes, a 1 hora de dois aeroportos e vários shoppings, comércio forte e muito variado, várias indústrias de porte grande, agricultura forte, bom índice de IDH tanto da Fierj como do governo, tem um belo clube de campo e alguma vida noturna no fim de semana, bons restaurantes e pizzarias tanto aqui, quanto em cidades bem próximas. E não só, dois hospitais com UTI e muito bem equipados, vários, muitos postos de saúde, todos limpos, organizados e que tem um atendimento satisfatório, dois planos de saúde que cobrem os moradores, além de claro, o SUS, emfim existe estrutura, e mesmo assim eu lhe garanto que há dificuldades em certos períodos em achar médicos de certas especialidades, como um neurologista por exemplo, e há demanda para isso, muitas vezes há somente um especialista que cobre no seu plano de saude e no SUS e ele vem de outra cidade. Eles estão todos muito concentrados nos centros maiores, onde todos tem que se deslocar com uma frequencia maior do que me parece certa para serem atendidos. Aí eu fico imaginando como é nas pequenas cidadezinhas pobres dos estados mais pobres da União, deve ser calamitoso, pra dizer o mínimo.

Edit.: e nunca ouvi falar que a prefeitura deu calote no sistema de saúde.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 19 de Julho de 2013, 00:24:03
Edit.: e nunca ouvi falar que a prefeitura deu calote no sistema de saúde.

Não, o calote é nos profissionais de saúde mesmo.  O SUS tem gestão municipal, então que contrata sã os municipios.  Como não é do interesse deles (e pelo que parece tambem do governo federal) os raros concursos públicos que existem tem baixa procura, e quem passa normalmente desiste logo. o salário base de um médico varia entre 1000 e 200 reais em media.
Coincidência ou não essas mesma prefeituras fazem "chamadas" pagando como terceirização salários bem maiores, porém sem nenhuma garantia trabalhista -não tem 13, ferias remuneradas, licença medica, estabilidade.  é muito comum no interior que haja calote (todos os meus amigos que foram fazer pe de meia no nordeste tomaram calote, 100% mesmo) seja porque o prefeito não foi reeleito (e ai é calote em todo mundo mesmo) ou porque o médico naõ compactuou com algum "pedido" do prefeito.

Eu poderia falar que me espata muito um governo do PT oferecer um programa como o Mais Médicos desprezando totalmente as conquistas trabalhistas históricas, mas o que esperar de um partido que era historicamente contra o imposto sindical obrigatório e o unicismo sindical, mas depois que chegou ao poder...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 19 de Julho de 2013, 00:55:33
[...]
Eu poderia falar que me espata muito um governo do PT oferecer um programa como o Mais Médicos desprezando totalmente as conquistas trabalhistas históricas, mas o que esperar de um partido que era historicamente contra o imposto sindical obrigatório e o unicismo sindical, mas depois que chegou ao poder...

Resumiu tudo!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Julho de 2013, 07:08:32
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.

É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.

Juca, eu tenho certeza que se houvessem nesses locais...


1- Contratos de trabalho não-precários, não sujeitos a calotes constantes, dado que os médicos dependeriam integralmente desse vínculo para sua renda*;
Um dos motivos dos contratos precários de trabalho é justamente o não interesse no concurso. E isso decorre de dois motivos: a diminuição da liberdade do médico em se mudar de município, indo para outro que se paga mais e o salário reduzido em relação ao contrato precarizado. Ninguém pode ganhar mais que o prefeito, que nesses municípios ganha de 4.000 a 5.000 reais, o que fica bem aquém dos 18.000 que alguns municípios pagam. Porém, eles não dependem integralmente desse vínculo para sua renda, já que ele pode ter outro vínculo com outro município ou com o próprio, pode tirar plantões com vínculo ou sem e, se for economicamente viável para ele, ter seu consultório particular no município ou em outro vizinho. O calote se dá por duas causas: se paga um salário mais alto que o município tem condições de suportar e por causa de cortes por irregularidades nas equipes ou na saúde, a grande maioria das vezes causadas pelos próprios médicos: duplicidade de equipe e não cumprimento da carga horária.
Citar

2- Condições mínimas de infraestrutura de saúde (instalações, instrumentos, profissionais, laboratórios para exames básicos e medicamentos);
Sinceramente, é irrelevante. Existem municípios no estado com estruturas precárias e outros com estruturas excelentes e todos com problemas para atrair médicos e todos aqueles que os possuem (salvo raríssimas exceções) não cumprem a carga horária.  O restante da equipe não falta (na verdade, a unidade é mantida por enfermeiros e técnicos).
Citar

3- Mais opções de contrato, sem essa baboseira do médico ficar para sempre morando na cidade para criar vínculo com o povo (sabe-se Deus pra quê). Opções de contrato flexíveis permitiria que mais médicos revezassem, o que eliminaria o problema de ter que viver em locais onde às vezes nem água encanada tem.
Existe toda uma lógica da criação de vínculo que pode ser discutida e me parece meio óbvia, então pode ser discutido depois. O médico é o único profissional dentro da ESF que possu essa flexibilidade. Ele pode ser contratado por 20h, 30h ou 40h, mas, claro, isso influi no repasse do MS, que é feito proporcionalmente (e o que é justo e lógico, não?).
Citar
4- Salários e benefícios "competitivos" com os existentes nas demais localidades para a mesma carga de trabalho.
Isso já existe. Na verdade o que ocorre é um leilão, com municípios tentando sempre atrair os médicos dos vizinhos, incluindo oferencendo salários maiores com menor carga horária, como dois dias na semana por meio expediente (ainda que tudo isso seja irregular).
Citar

...duvido muito que a falta de médicos seria um grande problema, dado que o Brasil forma 17 000 médicos por ano e tem quase o dobro da relação médico/habitantes recomendada pela ONU.


*Um adendo: conheço uma cidade (vizinha à minha) que está oferecendo um salário substancialmente maior do que todas as demais da região, mas não está conseguindo médicos porque nos últimos anos ela deu calote em todos os que entraram.




Relação que não é considerada para um serviço público de saúde universal e está sendo revista, haja vista o alerta que a OMS deu em maio para a baixa relação de médicos por habitante que existe no Brasil e a necessidade de aumentar seu número.  Bem como o mesmo problema que enfrenta hoje os EUA, mesmo tendo uma relação muito maior que a nossa. Parte é devido ao tipo de medicina praticada que demanda cada vez mais mão de obra.
Quanto ao município que você cita, veja a resposta anterior. Aqui existem municípios que passaram 1 ano com recursos bloqueados por irregularidades em auditorias, você acha que esses municípios conseguem sustentar seus profissionais apenas co  fpm?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Julho de 2013, 08:54:36
Edit.: e nunca ouvi falar que a prefeitura deu calote no sistema de saúde.

Não, o calote é nos profissionais de saúde mesmo.  O SUS tem gestão municipal, então que contrata sã os municipios.  Como não é do interesse deles (e pelo que parece tambem do governo federal) os raros concursos públicos que existem tem baixa procura, e quem passa normalmente desiste logo. o salário base de um médico varia entre 1000 e 200 reais em media.
Coincidência ou não essas mesma prefeituras fazem "chamadas" pagando como terceirização salários bem maiores, porém sem nenhuma garantia trabalhista -não tem 13, ferias remuneradas, licença medica, estabilidade.  é muito comum no interior que haja calote (todos os meus amigos que foram fazer pe de meia no nordeste tomaram calote, 100% mesmo) seja porque o prefeito não foi reeleito (e ai é calote em todo mundo mesmo) ou porque o médico naõ compactuou com algum "pedido" do prefeito.

Eu poderia falar que me espata muito um governo do PT oferecer um programa como o Mais Médicos desprezando totalmente as conquistas trabalhistas históricas, mas o que esperar de um partido que era historicamente contra o imposto sindical obrigatório e o unicismo sindical, mas depois que chegou ao poder...

Osler, eu estou falando da prefeitura daqui, mas sobretudo também dos planos de saúde privados.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 19 de Julho de 2013, 12:33:16
Planos de saúde privados? Aqueles que pagam 20 a 30 reais por consulta? E sem direito a receber pelo retorno dentro de 1 mês?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 19 de Julho de 2013, 12:35:20
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.
É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.
Juca, eu tenho certeza que se houvessem nesses locais...

1- Contratos de trabalho não-precários, não sujeitos a calotes constantes, dado que os médicos dependeriam integralmente desse vínculo para sua renda*;
Um dos motivos dos contratos precários de trabalho é justamente o não interesse no concurso. E isso decorre de dois motivos: a diminuição da liberdade do médico em se mudar de município, indo para outro que se paga mais e o salário reduzido em relação ao contrato precarizado. Ninguém pode ganhar mais que o prefeito, que nesses municípios ganha de 4.000 a 5.000 reais, o que fica bem aquém dos 18.000 que alguns municípios pagam. Porém, eles não dependem integralmente desse vínculo para sua renda, já que ele pode ter outro vínculo com outro município ou com o próprio, pode tirar plantões com vínculo ou sem e, se for economicamente viável para ele, ter seu consultório particular no município ou em outro vizinho. O calote se dá por duas causas: se paga um salário mais alto que o município tem condições de suportar e por causa de cortes por irregularidades nas equipes ou na saúde, a grande maioria das vezes causadas pelos próprios médicos: duplicidade de equipe e não cumprimento da carga horária.

Eu conheço vários médicos que são funcionários públicos com carga horária semanal de 40 horas que simplesmente não cumprem esta carga embora recebam regularmente o seu salário mensal na faixa de R$ 11.000,00. Soube que já foram alvos de denúncias mas que simplesmente em nada resultaram.


2- Condições mínimas de infraestrutura de saúde (instalações, instrumentos, profissionais, laboratórios para exames básicos e medicamentos);
Sinceramente, é irrelevante. Existem municípios no estado com estruturas precárias e outros com estruturas excelentes e todos com problemas para atrair médicos e todos aqueles que os possuem (salvo raríssimas exceções) não cumprem a carga horária.  O restante da equipe não falta (na verdade, a unidade é mantida por enfermeiros e técnicos).

Infelizmente é verdade. O que mais se vê são médicos preocupados apenas com a sua remuneração e não com o cumprimento de suas obrigações contratuais, que diga-se de passagem, eles não foram coagidos a aceitar.


3- Mais opções de contrato, sem essa baboseira do médico ficar para sempre morando na cidade para criar vínculo com o povo (sabe-se Deus pra quê). Opções de contrato flexíveis permitiria que mais médicos revezassem, o que eliminaria o problema de ter que viver em locais onde às vezes nem água encanada tem.
Existe toda uma lógica da criação de vínculo que pode ser discutida e me parece meio óbvia, então pode ser discutido depois. O médico é o único profissional dentro da ESF que possui essa flexibilidade. Ele pode ser contratado por 20h, 30h ou 40h, mas, claro, isso influi no repasse do MS, que é feito proporcionalmente (e o que é justo e lógico, não?).

Sim é justo e lógico. Mas infelizmente não há punições (ou são muito brandas) nem para os administradores e nem para os médicos que descumprem os contratos.


4- Salários e benefícios "competitivos" com os existentes nas demais localidades para a mesma carga de trabalho.
Isso já existe. Na verdade o que ocorre é um leilão, com municípios tentando sempre atrair os médicos dos vizinhos, incluindo oferecendo salários maiores com menor carga horária, como dois dias na semana por meio expediente (ainda que tudo isso seja irregular).

Fato. Fui consultado, por um amigo médico, que buscava informações para constituir uma empresa para trabalhar apenas duas vezes por semana (duas tardes, para ser mais exato) em um certo município distante 80 Km de Curitiba, para prestar serviços médicos sob uma remuneração mensal de R$ 12.000,00.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Geotecton em 19 de Julho de 2013, 12:40:01
Planos de saúde privados? Aqueles que pagam 20 a 30 reais por consulta? E sem direito a receber pelo retorno dentro de 1 mês?

Concordo, Ângelo.

Mas o que devemos escrever sobre os médicos que cobram R$ 250,00 a R$ 500,00 por consultas que duram no máximo 20 minutos?
 
Se formos invocar 'regras de mercado' então as consultas de R$ 20,00 a R$ 30,00 pagas um mês depois são tão válidas quanto as de cima.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 19 de Julho de 2013, 13:12:01
Planos de saúde privados? Aqueles que pagam 20 a 30 reais por consulta? E sem direito a receber pelo retorno dentro de 1 mês?

Concordo, Ângelo.

Mas o que devemos escrever sobre os médicos que cobram R$ 250,00 a R$ 500,00 por consultas que duram no máximo 20 minutos?
 
Se formos invocar 'regras de mercado' então as consultas de R$ 20,00 a R$ 30,00 pagas um mês depois são tão válidas quanto as de cima.

Geo, uma boa consulta médica, com uma boa anamnese e exame físico completo e minucioso demanda tempo. Certamente não pode ser feito em apenas 20 minutos. Dependendo da especialidade, pode levar uma hora ou mais. Isso implica em poucos pacientes por dia no consultório, e portanto, uma consulta de alto valor para cobrir os altos custos de manutenção do consultório e ainda ter um ganho suficiente.

A conseqüência disso é simples: Você pode ter médicos realizando péssimos atendimentos por 250 a 500 reais, mas nunca vai conseguir ter um médico realizando um ótimo atendimento por 20 a 30 reais, mesmo que o profissional seja muito bom.

As "regras de mercado", no caso da medicina, implicam em uma deterioração da qualidade do atendimento em relação direta com a diminuição do preço das consultas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 19 de Julho de 2013, 13:31:34
Um dos motivos dos contratos precários de trabalho é justamente o não interesse no concurso. E isso decorre de dois motivos: a diminuição da liberdade do médico em se mudar de município, indo para outro que se paga mais e o salário reduzido em relação ao contrato precarizado. Ninguém pode ganhar mais que o prefeito, que nesses municípios ganha de 4.000 a 5.000 reais, o que fica bem aquém dos 18.000 que alguns municípios pagam. Porém, eles não dependem integralmente desse vínculo para sua renda, já que ele pode ter outro vínculo com outro município ou com o próprio, pode tirar plantões com vínculo ou sem e, se for economicamente viável para ele, ter seu consultório particular no município ou em outro vizinho. O calote se dá por duas causas: se paga um salário mais alto que o município tem condições de suportar e por causa de cortes por irregularidades nas equipes ou na saúde, a grande maioria das vezes causadas pelos próprios médicos: duplicidade de equipe e não cumprimento da carga horária.

Eu conheço vários médicos que são funcionários públicos com carga horária semanal de 40 horas que simplesmente não cumprem esta carga embora recebam regularmente o seu salário mensal na faixa de R$ 11.000,00. Soube que já foram alvos de denúncias mas que simplesmente em nada resultaram.

Da mesma forma eu posso passar a tarde toda colocando vários depoimentos de médicos que se mudaram para o interior, realizaram seu trabalho de forma exemplar, inclusive utilizando recursos próprios, já que a prefeitura não disponibilizava nada e no final desistiram após não receberem sequer um mês do que foi estabelecido no contrato.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 19 de Julho de 2013, 15:36:24
Citar
Federação de médicos rompe com governo e recorre ao STF contra MP


A Fenam (Federação Nacional dos Médicos), que agrega entidades médicas sindicais, anunciou que vai deixar seis comissões que integra na esfera do governo federal e outros cinco colegiados do Conselho Nacional de Saúde (órgão vinculado ao Ministério da Saúde).

A decisão é uma reação à medida provisória que criou o Mais Médicos --programa do Executivo para distribuir médicos estrangeiros e brasileiros no interior do país, e aumentar o curso de medicina com dois anos de serviços prestados no SUS-- e aos vetos da lei do "Ato Médico" --que regulamenta a medicina.

A entidade integra colegiados que discutem uso racional de medicamentos, inclusão de procedimentos no rol dos planos de saúde, vigilância sanitária, entre outros.

Também nesta sexta-feira (19), a entidade informou que vai ingressar com duas ações judiciais com o objetivo de suspender os efeitos da medida provisória do Mais Médicos.

Até terça-feira, uma ação civil pública deve ser apresentada à Justiça Federal questionando a dispensa da realização de concursos públicos, a dispensa da revalidação dos diplomas para atuação no país, e se há urgência, de fato, para as mudanças propostas serem feitas via medida provisória.

A ideia também é, nos próximos 15 dias, apresentar uma ação direta de inconstitucionalidade ao STF (Supremo Tribunal Federal) com questionamentos semelhantes.

Além disso, a Fenam promete uma batalha nos Estados contra o Mais Médicos, pois vai orientar que sindicatos médicos analisem ações judiciais locais e que os médicos inscritos no programa ingressem com ações cobrando direitos trabalhistas não previstos na medida do governo.

Em junho, entidades médicas classificaram como "inócua, paliativa e populista" a medida de trazer médicos do exterior para que trabalhem no SUS.

SAÍDA DE COMISSÕES

A entidade resolveu deixar os 11 colegiados, porque parte deles se mostrou "meramente decorativa", diz o presidente da Fenam, Geraldo Ferreira Filho. Ele cita como exemplo o grupo de trabalho formado pelo Ministério da Saúde, em 19 de junho, para "elaboração de proposta de provimento e fixação de profissionais médicos em situação de escassez no SUS" no prazo de 60 dias.

Menos de três semanas depois de criado o grupo, a presidente Dilma Rousseff anunciou o programa Mais Médicos.

"Foi criado um grupo de trabalho de fantasia, uma enrolação para os médicos. O governo atropelou, é um desrespeito", critica o presidente da Fenam.

A saída dos colegiados do Conselho Nacional de Saúde, explica, deve-se ao fato de a presidência do conselho ter se mobilizado a favor do veto a trechos do "Ato Médico". "Deveria ter discutido antes com as entidades médicas."

A saída de dez comissões será oficializada nesta sexta-feira; a última deve ser oficializada na próxima semana, após a conclusão de uma discussão sobre a extensão da residência médica de pediatria, diz Ferreira Filho.

NO CONGRESSO

A Fenam promete se mobilizar, no Congresso, para reverter os vetos ao "Ato Médico" e para derrubar a medida provisória do Mais Médicos. "Não aproveitamos nada dessa medida", afirma o presidente da entidade.

Os médicos questionam, no programa, a inexistência de parte dos direitos trabalhistas (por se tratar de uma bolsa e, não, de um contrato de trabalho); a abertura do país a médicos estrangeiros sem revalidação do diploma pelo governo; e a ampliação do curso de medicina, com dois anos extra de trabalho na rede pública.

"Por trás de tudo isso está a campanha eleitoral, evidentemente", dispara Ferreira Filho.

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1313533-federacao-de-medicos-rompe-com-governo-e-recorre-ao-stf-contra-mp.shtml
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Julho de 2013, 15:43:20
Tudo previsível. Só esquecem de mencionar que bolsa não desconta iprf e se trata de uma bolsa de estudos porque está atrelada a um curso de especialização.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 19 de Julho de 2013, 15:46:15
Tudo previsível. Só esquecem de mencionar que bolsa não desconta iprf e se trata de uma bolsa de estudos porque está atrelada a um curso de especialização.

Previsível mas nem por isso menos correto  :hihi:...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 19 de Julho de 2013, 16:29:33
Osler, eu estou falando da prefeitura daqui, mas sobretudo também dos planos de saúde privados.
Não entendi sua colocação então, o que quer dizer?

Planos de saúde privados? Aqueles que pagam 20 a 30 reais por consulta? E sem direito a receber pelo retorno dentro de 1 mês?
E que pagam com 45, 60 dias de atraso além do índice de Glozas -includo aí a famigerada glosa técnica
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Julho de 2013, 16:36:30
Osler, eu estou falando da prefeitura daqui, mas sobretudo também dos planos de saúde privados.
Não entendi sua colocação então, o que quer dizer?



Que mesmo em uma cidade pequena estruturada há certa dificuldade em conseguir profissionais, seja no setor privado, seja no público e a prefeitura daqui não dá calote nos médicos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Julho de 2013, 17:35:19
Tudo previsível. Só esquecem de mencionar que bolsa não desconta iprf e se trata de uma bolsa de estudos porque está atrelada a um curso de especialização.

Previsível mas nem por isso menos correto  :hihi:...
O quê? A ação ou a bolsa?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Julho de 2013, 18:57:38
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.

É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.

Juca, eu tenho certeza que se houvessem nesses locais...


1- Contratos de trabalho não-precários, não sujeitos a calotes constantes, dado que os médicos dependeriam integralmente desse vínculo para sua renda*;
Um dos motivos dos contratos precários de trabalho é justamente o não interesse no concurso. E isso decorre de dois motivos: a diminuição da liberdade do médico em se mudar de município, indo para outro que se paga mais e o salário reduzido em relação ao contrato precarizado. Ninguém pode ganhar mais que o prefeito, que nesses municípios ganha de 4.000 a 5.000 reais, o que fica bem aquém dos 18.000 que alguns municípios pagam.

Ou seja, o problema está na lei que parece ser feita para Marte, totalmente fora da realidade do mercado brasileiro.

Como os médicos não vão deixar de ganhar de 15 000 a 25 000 por 40 horas semanais em outros locais para ganhar 5000-8000 pelas mesmas 40 horas em um PSF, as prefeituras tentam "dar um jeitinho" para conseguir oferecer remuneração compatível com o determinado pelo mercado.


Citação de: Derfel
Porém, eles não dependem integralmente desse vínculo para sua renda, já que ele pode ter outro vínculo com outro município ou com o próprio, pode tirar plantões com vínculo ou sem e,

A maioria dos locais isolados e carentes de médicos não oferecem estas opções.


Citar
se for economicamente viável para ele, ter seu consultório particular no município ou em outro vizinho.

Quando não faltam as condições, falta mercado.

Citar
O calote se dá por duas causas: se paga um salário mais alto que o município tem condições de suportar

Está tentando redefinir a palavra "calote"? A prefeitura simplesmente oferece um contrato e não cumpre. Isso espanta profissionais em qualquer lugar do mundo. Cabe à prefeitura não oferecer o que não puder dar.

Citar
e por causa de cortes por irregularidades nas equipes ou na saúde, a grande maioria das vezes causadas pelos próprios médicos: duplicidade de equipe e não cumprimento da carga horária.

Aí não seria "calote", seria o mero desconto de uma falta ou irregularidade. Quando uso a palavra "calote", refiro-me à definição comum mesmo (trabalhar/vender e não receber).

Citação de: Derfel
Citar
2- Condições mínimas de infraestrutura de saúde (instalações, instrumentos, profissionais, laboratórios para exames básicos e medicamentos);
Sinceramente, é irrelevante. Existem municípios no estado com estruturas precárias e outros com estruturas excelentes e todos com problemas para atrair médicos

É uma condição necessária mas não suficiente. Eu citei 4 condições mínimas. Não adianta ter estrutura excelente (uma raridade, que até hoje eu nunca vi com meus próprios olhos) e não oferecer um salário "competitivo".


Citar
e todos aqueles que os possuem (salvo raríssimas exceções) não cumprem a carga horária.

Já respondido na primeira parte do post: a lei determina uma determinada carga horária (40 horas) e um teto salarial (que não deve ficar acima de 7000), mas o mercado determina que um médico trabalhando 40 horas deva receber pelo menos 15 000. A discrepância entre a lei e a realidade é "resolvida" com o jeitinho oferecido pelas prefeituras. Não são os médicos que prometem trabalhar 40 horas e não cumprem, são as próprias prefeituras que oferecem essa condição a eles, pois elas sabem que se oferecerem apenas o possível pela lei (fora da realidade), nem terão conversa.

Citar
  O restante da equipe não falta (na verdade, a unidade é mantida por enfermeiros e técnicos).

Por que o salário de técnicos e enfermeiros é menor e facilmente enquadrável no esquema oferecido pela lei.

Citação de: Derfel
Citar
3- Mais opções de contrato, sem essa baboseira do médico ficar para sempre morando na cidade para criar vínculo com o povo (sabe-se Deus pra quê). Opções de contrato flexíveis permitiria que mais médicos revezassem, o que eliminaria o problema de ter que viver em locais onde às vezes nem água encanada tem.
Existe toda uma lógica da criação de vínculo que pode ser discutida e me parece meio óbvia, então pode ser discutido depois.

Eu estou curioso para sabê-la.

Citar
O médico é o único profissional dentro da ESF que possu essa flexibilidade. Ele pode ser contratado por 20h, 30h ou 40h, mas, claro, isso influi no repasse do MS, que é feito proporcionalmente (e o que é justo e lógico, não?).

Conforme já dito acima,se o oferecido pelo MS não estiver de acordo com a realidade do mercado, não adianta.


Citação de: Derfel
Citar
4- Salários e benefícios "competitivos" com os existentes nas demais localidades para a mesma carga de trabalho.
Isso já existe. Na verdade o que ocorre é um leilão, com municípios tentando sempre atrair os médicos dos vizinhos, incluindo oferencendo salários maiores com menor carga horária, como dois dias na semana por meio expediente (ainda que tudo isso seja irregular).

Já dito acima o por quê disso.

O que eu estou tentando dizer, sendo mais específico, é que um município deve oferecer um salário que varie de forma inversamente proporcional às condições de trabalho, vida, oportunidade e segurança salarial que ele apresenta. Quanto pior o município, maior deve ser o salário oferecido para compensar.

Citação de: Derfel
Citar
...duvido muito que a falta de médicos seria um grande problema, dado que o Brasil forma 17 000 médicos por ano e tem quase o dobro da relação médico/habitantes recomendada pela ONU.


*Um adendo: conheço uma cidade (vizinha à minha) que está oferecendo um salário substancialmente maior do que todas as demais da região, mas não está conseguindo médicos porque nos últimos anos ela deu calote em todos os que entraram.





Relação que não é considerada para um serviço público de saúde universal e está sendo revista, haja vista o alerta que a OMS deu em maio para a baixa relação de médicos por habitante que existe no Brasil e a necessidade de aumentar seu número.  Bem como o mesmo problema que enfrenta hoje os EUA, mesmo tendo uma relação muito maior que a nossa. Parte é devido ao tipo de medicina praticada que demanda cada vez mais mão de obra.

Se os médicos brasileiros fossem mais uniformemente distribuídos, não haveria problemas. s razões da má distribuição já foram expostas.

Citar
Quanto ao município que você cita, veja a resposta anterior. Aqui existem municípios que passaram 1 ano com recursos bloqueados por irregularidades em auditorias, você acha que esses municípios conseguem sustentar seus profissionais apenas co  fpm?

Uma prefeitura séria dispensa o médico (ou nem contrata) se ver que não tem condições de pagá-lo. Eu já vi prefeituras com gestões séria suspenderem temporariamente os serviços enquanto ajustam suas finanças. Calote não se justifica sob nenhum ponto de vista.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Julho de 2013, 18:58:56
E outro aspecto:

Se o argumento usado para favorecer a classe médica é válido (algo como "impedir o alastramento de profissionais de má-qualidade por causa de cursos fracos"), então o mesmo deve ser estendido para todas as demais atividades profissionais.

Do contrário é puro corporativismo.
É o que eu sempre achei, que existe uma forte dose de corporativismo. Se falta médico em regiões mais remotas e o salário não é ruim, o que falta? Estrutura. O governo devia fazer colégios particulares, shoppings, academias, clubes, e resorts nas cidadezinhas do sertão e da floresta.

Posso estar sendo excessivamente maldoso e parcial, mas me parece um componente do qual ninguém coloca no caldo.
Juca, eu tenho certeza que se houvessem nesses locais...

1- Contratos de trabalho não-precários, não sujeitos a calotes constantes, dado que os médicos dependeriam integralmente desse vínculo para sua renda*;
Um dos motivos dos contratos precários de trabalho é justamente o não interesse no concurso. E isso decorre de dois motivos: a diminuição da liberdade do médico em se mudar de município, indo para outro que se paga mais e o salário reduzido em relação ao contrato precarizado. Ninguém pode ganhar mais que o prefeito, que nesses municípios ganha de 4.000 a 5.000 reais, o que fica bem aquém dos 18.000 que alguns municípios pagam. Porém, eles não dependem integralmente desse vínculo para sua renda, já que ele pode ter outro vínculo com outro município ou com o próprio, pode tirar plantões com vínculo ou sem e, se for economicamente viável para ele, ter seu consultório particular no município ou em outro vizinho. O calote se dá por duas causas: se paga um salário mais alto que o município tem condições de suportar e por causa de cortes por irregularidades nas equipes ou na saúde, a grande maioria das vezes causadas pelos próprios médicos: duplicidade de equipe e não cumprimento da carga horária.

Eu conheço vários médicos que são funcionários públicos com carga horária semanal de 40 horas que simplesmente não cumprem esta carga embora recebam regularmente o seu salário mensal na faixa de R$ 11.000,00. Soube que já foram alvos de denúncias mas que simplesmente em nada resultaram.


2- Condições mínimas de infraestrutura de saúde (instalações, instrumentos, profissionais, laboratórios para exames básicos e medicamentos);
Sinceramente, é irrelevante. Existem municípios no estado com estruturas precárias e outros com estruturas excelentes e todos com problemas para atrair médicos e todos aqueles que os possuem (salvo raríssimas exceções) não cumprem a carga horária.  O restante da equipe não falta (na verdade, a unidade é mantida por enfermeiros e técnicos).

Infelizmente é verdade. O que mais se vê são médicos preocupados apenas com a sua remuneração e não com o cumprimento de suas obrigações contratuais, que diga-se de passagem, eles não foram coagidos a aceitar.


3- Mais opções de contrato, sem essa baboseira do médico ficar para sempre morando na cidade para criar vínculo com o povo (sabe-se Deus pra quê). Opções de contrato flexíveis permitiria que mais médicos revezassem, o que eliminaria o problema de ter que viver em locais onde às vezes nem água encanada tem.
Existe toda uma lógica da criação de vínculo que pode ser discutida e me parece meio óbvia, então pode ser discutido depois. O médico é o único profissional dentro da ESF que possui essa flexibilidade. Ele pode ser contratado por 20h, 30h ou 40h, mas, claro, isso influi no repasse do MS, que é feito proporcionalmente (e o que é justo e lógico, não?).

Sim é justo e lógico. Mas infelizmente não há punições (ou são muito brandas) nem para os administradores e nem para os médicos que descumprem os contratos.


4- Salários e benefícios "competitivos" com os existentes nas demais localidades para a mesma carga de trabalho.
Isso já existe. Na verdade o que ocorre é um leilão, com municípios tentando sempre atrair os médicos dos vizinhos, incluindo oferecendo salários maiores com menor carga horária, como dois dias na semana por meio expediente (ainda que tudo isso seja irregular).

Fato. Fui consultado, por um amigo médico, que buscava informações para constituir uma empresa para trabalhar apenas duas vezes por semana (duas tardes, para ser mais exato) em um certo município distante 80 Km de Curitiba, para prestar serviços médicos sob uma remuneração mensal de R$ 12.000,00.


Veja as respostas dadas ao Derfel e, se necessário, comente-as.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 19 de Julho de 2013, 19:06:07
Tudo previsível. Só esquecem de mencionar que bolsa não desconta iprf e se trata de uma bolsa de estudos porque está atrelada a um curso de especialização.

Previsível mas nem por isso menos correto  :hihi:...
O quê? A ação ou a bolsa?

A ação.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 19 de Julho de 2013, 19:19:53
Eu conheço vários médicos que são funcionários públicos com carga horária semanal de 40 horas que simplesmente não cumprem esta carga embora recebam regularmente o seu salário mensal na faixa de R$ 11.000,00. Soube que já foram alvos de denúncias mas que simplesmente em nada resultaram.
Como o DDV explicou via de regra nesses locais meons cotatados (e também nos grandes centros) funciona a Lei de Vampeta.  E não, não concordo com esse tipo de postura dos colegas, não trabalho no serviço público exatamente por isso.
Outro dia almoçando com uns amigos discutíamos justamente isso, de todos os médicos na mesa NENHUM cumpria a carga horário.  Aliás nos hospitais públicos que frequentei não conheci nenhum médico que cumprisse a carga horaria total, deve até existir mas eu não conheço.  Mas nas unidades que frequentei toda a equipe de sáude era assim, do diretor do hospital ao faxineiro.  Num desses hospitais haviam lotados 18 colhedores de sangue, que faziam um esquema de trabalhar um dia e folgar 17...

Infelizmente é verdade. O que mais se vê são médicos preocupados apenas com a sua remuneração e não com o cumprimento de suas obrigações contratuais, que diga-se de passagem, eles não foram coagidos a aceitar.
Vide acima

Sim é justo e lógico. Mas infelizmente não há punições (ou são muito brandas) nem para os administradores e nem para os médicos que descumprem os contratos.
Porquê existe um acordo tacito a respeito, porque os níveis de controle são frouxos, porque o dono é a Viúva, porque quem deveria fiscalizar e quem deveria punir tambem não cumpre horario ou tem rabo preso, etc...


Fato. Fui consultado, por um amigo médico, que buscava informações para constituir uma empresa para trabalhar apenas duas vezes por semana (duas tardes, para ser mais exato) em um certo município distante 80 Km de Curitiba, para prestar serviços médicos sob uma remuneração mensal de R$ 12.000,00.
Sim, isso é corriqueiro e sabido
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 19 de Julho de 2013, 19:27:27
Planos de saúde privados? Aqueles que pagam 20 a 30 reais por consulta? E sem direito a receber pelo retorno dentro de 1 mês?

Concordo, Ângelo.

Mas o que devemos escrever sobre os médicos que cobram R$ 250,00 a R$ 500,00 por consultas que duram no máximo 20 minutos?
 
Se formos invocar 'regras de mercado' então as consultas de R$ 20,00 a R$ 30,00 pagas um mês depois são tão válidas quanto as de cima.

Uma consulta clínica de primeira vez pode ser realizada a contento em uma hora, sabendo que há uma variação grande.  Um paciente jovem e hígido que vem ao consultorio fazer check-up consome menos tempo que um com caso clínico complexo que veio ouvir uma segunda opinião.
Pacientes já conhecidos, que retornam ao consultorio acho que em meia hora também dá pra resolver.
De qualquer forma eu agendo de hora em hora, assim fica mais fácil de lidar e diminui a chance de atrasos na consulta.

Como o Ângelo comentou você pode ter consultas ruins em uma hora, mas dificilmente tem uma consulta muito boa em 20 minutos, mas estou falando de clinica medica num contexto ambulatorial.  Uma consulta dermatológica simples, um trauma atendido por um ortopedista, podem ser mas rapidos em perder a qualidade (embora não devessem e eu reconhecer que muitas vezes o especialista praticamente não conversa nem se interessa por nada fora da sua especialidade).

Quanto ao preço Geo, fica tranquilo, quando vier ao Rio eu te atendo com desconto  :hihi:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 19 de Julho de 2013, 19:29:57
Que mesmo em uma cidade pequena estruturada há certa dificuldade em conseguir profissionais, seja no setor privado, seja no público e a prefeitura daqui não dá calote nos médicos.
POrque existem diversas razões para os médicos não quererem sair dos grandes centros, isso é universal, mesmo em Portuga e na Espanha há dificuldade na captaçao de médicos para trabalharem no interior.
A única maneira de se resolver isso é aumentando os ganhos (diretos ou indiretos) de quem vai trabalhar nesses lugares.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 19 de Julho de 2013, 19:30:11
Eu conheço vários médicos que são funcionários públicos com carga horária semanal de 40 horas que simplesmente não cumprem esta carga embora recebam regularmente o seu salário mensal na faixa de R$ 11.000,00. Soube que já foram alvos de denúncias mas que simplesmente em nada resultaram.
Como o DDV explicou via de regra nesses locais meons cotatados (e também nos grandes centros) funciona a Lei de Vampeta.  E não, não concordo com esse tipo de postura dos colegas, não trabalho no serviço público exatamente por isso.
Outro dia almoçando com uns amigos discutíamos justamente isso, de todos os médicos na mesa NENHUM cumpria a carga horário.  Aliás nos hospitais públicos que frequentei não conheci nenhum médico que cumprisse a carga horaria total, deve até existir mas eu não conheço.  Mas nas unidades que frequentei toda a equipe de sáude era assim, do diretor do hospital ao faxineiro.  Num desses hospitais haviam lotados 18 colhedores de sangue, que faziam um esquema de trabalhar um dia e folgar 17...


Sim é justo e lógico. Mas infelizmente não há punições (ou são muito brandas) nem para os administradores e nem para os médicos que descumprem os contratos.



modo Derfel / Juca

ah mas o sus e o funcionalismo são bons.. o atendimento é bom e os funcionários são comprometidos.. não é porque os gestores ignorem finanças e os administradores sejam péssimos e o serviço reclamado pelo Brasil inteiro,  isso não é evidência para dizer que o sus seja ruim,  até porque ele é descentralizado.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Julho de 2013, 19:30:33
http://www.estadao.com.br/noticias/geral,medicos-espanhois-alertam-sobre-meta-eleitoral-no-brasil,1052325,0.htm



Médicos espanhóis alertam sobre meta eleitoral no Brasil




Os médicos espanhóis garantem que não serão a solução para os problemas da saúde no Brasil e temem que, por pressão política, o governo acelere medidas para atrair profissionais como uma meta "mais direcionada às eleições do que para resolver a questão da saúde no País". Quem faz o alerta é o Conselho Geral do Colégio de Médicos da Espanha, que nesta semana negocia os termos de um acordo com o governo brasileiro e, amanhã em Madri, apresentará ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, as condições que exigem para que a oferta de trabalho do Brasil seja considerada.

O grupo não descarta o interesse. Mas quer certas garantias. A principal é que as condições de infraestrutura dos hospitais para onde esses médicos serão levados sejam informadas com detalhes, com o número de leitos, quantidade de funcionários, recursos e acesso a remédios. "Não queremos ser enganados", disse ao Estado o médico Fernando Rivas, responsável do conselho pelas negociações com o Brasil. Pelo projeto brasileiro, os médicos estrangeiros não precisariam passar por exames. Mas teriam contratos limitados a alguns anos e teriam de escolher entre seis cidades oferecidas pelo governo, todas no interior ou em regiões pobres.

Ontem (10), o governo iniciou a promoção do projeto em uma turnê que começou em Santiago de Compostela. Coube ao secretário de Gestão do Trabalho, Mozart Sales, fazer a apresentação, se reunir com a conselheira de Saúde da Galícia, Rocio Mosquera, e visitar a Faculdade de Medicina. Segundo ele, desde terça-feira, cerca de 50 pessoas procuraram informações sobre o projeto, que espera atrair 7 mil médicos estrangeiros. Sales completa a viagem nesta semana com encontros em Barcelona e Madri, depois de já ter passado por Lisboa.

A oferta é vista com desconfiança entre os médicos espanhóis. Segundo eles, o que o governo apresenta nas palestras é apenas o dado demográfico das cidades, nível de renda e principais problemas de saúde. Mas não os recursos que garantam hospitais na região. "Os médicos espanhóis não são a solução para as questões de saúde no Brasil", declarou Rivas.

"Podemos ajudar. Mas, pelas condições que nos foram apresentadas, não acredito que mais de uma centena de médicos na Espanha aceite ir ao Brasil. Não haverá uma onda de médicos daqui indo para o Brasil, isso eu posso garantir." Rivas passou os últimos dois dias em conversas com a delegação do Ministério da Saúde que está na Espanha, que receberá visita do ministro Padilha hoje (11) e amanhã (12).

Vagas

Segundo o conselho, o governo já informou que cerca de 94 municípios terão vagas abertas e que as chamadas serão realizadas a cada 40 ou 60 dias. Os salários seriam de cerca de R$ 10 mil, considerado "bom" para os espanhóis. Mas Rivas, apesar de ver o projeto de uma forma positiva, alerta que isso não será suficiente para o programa funcionar. "O que mais nos preocupa é a falta de informação sobre as cidades para onde esses médicos serão mandados", explicou Rivas.

"Queremos saber quantas ambulâncias o hospital tem e quais equipamentos. O que não queremos é publicidade enganosa. Os médicos espanhóis têm hoje a chance de ir ao Catar, à Alemanha e ao Reino Unido e, em cada um desses casos, podem ligar e saber exatamente qual a situação. Queremos a mesma coisa do Brasil, mesmo que a informação não seja boa. Mas pelo menos que seja a verdadeira."

Google A delegação do governo brasileiro chegou a causar surpresa entre os responsáveis da Espanha quando sugeriu que procurassem as cidades no Google . Rivas admite que a situação econômica na Espanha é das mais graves e que 2 mil médicos já deixaram o País nos últimos 12 meses e 3,3 mil estão desempregados. Por isso, ele não descarta que "os mais desesperados" considerem a proposta brasileira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.





 :stunned: para a parte em negrito. Que amadorismo da zorra! Poderiam passar sem essa.






Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 19 de Julho de 2013, 19:46:36
Citar
Google A delegação do governo brasileiro chegou a causar surpresa entre os responsáveis da Espanha quando sugeriu que procurassem as cidades no Google

Se eles não tinham se tocado ainda da organização que os aguardava por aqui, acho que isso resolveu qualquer dúvida.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 24 de Julho de 2013, 09:51:51
Uma pergunta: onde está escrito que a recomendação da OMS é de 1 para 1.000?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Dr. Manhattan em 24 de Julho de 2013, 10:33:06
Pergunta aos médicos daqui: o governo chegou a fazer algum debate/reunião/enquete acerca dessas propostas de aumento do tempo do curso de Medicina ou da obrigatoriedade de se trabalhar no SUS?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 24 de Julho de 2013, 10:47:34
Pergunta aos médicos daqui: o governo chegou a fazer algum debate/reunião/enquete acerca dessas propostas de aumento do tempo do curso de Medicina ou da obrigatoriedade de se trabalhar no SUS?
Não. A obrigatoriedade de trabalho no sus (ao menos na AB ) já é discutido há muitos anos ( pelo menos desde de 2007 ) , mas não com aumento do tempo do curso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 24 de Julho de 2013, 17:13:45
Citar
Braço da ONU diz ver com ‘entusiasmo’ programa Mais Médicos

Compartilhe:TwitterA Organização Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) divulgou um comunicado dizendo que acompanha os debates sobre o programa Mais Médicos do governo federal e que “vê com entusiasmo o recente pronunciamento do governo brasileiro” sobre o tema.De acordo com a instituição, ligada à Organização das Nações Unidas, a medida é coerente  com suas resoluções e recomendações sobre cobertura universal em saúde, fortalecimento da atenção básica e primária no setor, além de construir maior equidade nos benefícios que a população recebe do Sistema Único de Saúde (SUS).“O Brasil apresenta uma média de médicos com relação a sua população menor que a média regional e a de países com sistemas de referência, tanto nas Américas como em outras regiões do mundo. Para a Organização, são corretas as medidas de levar médicos, em curto prazo, para comunidades afastadas e de criar, em médio prazo, novas faculdades de medicina e ampliar a matrícula de estudantes de regiões mais deficientes, assim como o numero de residências médicas. Países que têm os mesmos problemas e preocupações do Brasil estão colhendo resultados da implementação dessas medidas”, diz o comunicado.
http://poderonline.ig.com.br/index.php/2013/07/24/onu-divulga-comunicado-de-apoio-ao-programa-mais-medicos/
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 24 de Julho de 2013, 17:23:14
A notícia original: http://www.onu.org.br/programa-mais-medicos-e-coerente-com-recomendacoes-da-organizacao-pan-americana-da-saude/
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 24 de Julho de 2013, 17:35:27
Sobre o mito do 1 médico a cada 1.000 (porque despois do que já pesquisei me parece um mito que vem sendo repetido), acho que encontrei a origem:

Citar
Há de fato excesso de Médicos por Habitante ? Na década de quarenta, o Brasil estabeleceu o salário mínimo como uma referência econômica das necessidades básicas de uma família da época. Os tempos evoluíram assim como a inflação e os custos de vida. Afirmar hoje que o salário mínimo é suficiente, certamente não te levará a nenhum tribunal mas é bom falar isso longe de um psiquiatra ou de um delegado: o primeiro pode te enviar para um manicômio por insanidade e o segundo para a cadeia por injúria.No Brasil se defende um Médico para cada 1.000 habitantes. Mas será que esse índice é procedente ? A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Organização Pan-americana da Saúde (OPAS) não recomendam nem estabelecem taxas ideais de número de leitos por habitante a serem seguidas e cumpridas por seus países membros. Tampouco definem e recomendam o número desejável de médicos, enfermeiros e dentistas por habitante.Não existe, ainda, orientação sobre a duração ideal das consultas médicas ou um número desejável de pacientes atendidos por hora. A OMS define apenas padrões “duros”, ou seja, para os quais existe evidência inquestionável, demonstrada por pesquisa, e reprodutível em qualquer tempo e lugar. Em determinadas situações, podem ser estabelecidas “metas”, ou seja, objetivos quantificados ou qualificados que devem ser alcançados, em determinado tempo ou lugar, em função de um projeto. O exemplo são as metas de “Saúde para Todos no Século 21”, acordadas pelos países membros da organização.Governos, nacionais, regionais e locais têm autonomia para definir suas políticas de saúde e podem estabelecer, em conjunto ou separadamente, metas a serem atingidas. Como resultado da IIIº Reunião Especial de Ministros de Saúde das Américas, ocorrida em Santiago do Chile, em outubro de 1972, foi concluído, com cooperação da OPAS, um Plano Decenal de Saúde para as Américas. O documento continha uma série de recomendações para os países americanos, entre os quais alcançar uma média regional de 8 médicos, 2 odontólogos, 4,5 enfermeiros e 14,5 auxiliares de enfermaria para cada 10.000 habitantes – valores associados a uma realidade de 30 anos atrás. Embora corroborado pela OPAS/OMS, o documento não se constitui uma resolução da organização. No entanto, a decisão sobre os rumos a tomar em relação à cobertura de assistência médica e à disponibilidade de leitos e profissionais de saúde cabe ao governo de cada país.A definição de índices, como número de leitos ou médicos por habitantes depende de fatores regionais, sócio-econômicos, culturais e epidemiológicos, entre outros, que diferem de região para região, país para país. Isso torna impossível, além de pouco válido, o estabelecimento de uma “cifra ideal” a ser aplicada de maneira generalizada por todos os países do planeta.O Brasil, país de dimensões continentais, ilustra bem o problema: o número ideal de médicos e leitos para uma população rural na Região Norte, onde um dos principais problemas de saúde é a malária, não pode ser o mesmo que o exigido na Região Metropolitana de São Paulo, que tem alta concentração de população urbana e cuja demanda por assistência médica e internação hospitalar tem como causas principais as doenças crônicas (ex:câncer e diabetes) e fatores externos (ex: acidentes de trânsito, homicídios e violência). A quantidade de leitos hospitalares ou de profissionais de saúde em relação ao número de habitantes também não são índices suficientes para avaliação de um sistema de saúde. Por exemplo, uma pequena cidade que não dispõe de leitos porque faz parte de um consórcio de municípios. No caso, é mais economicamente viável transportar os pacientes a um hospital de referência numa cidade vizinha e repassar a esta cidade uma parcela dos impostos do que construir um hospital próprio. Seu índice de leitos/habitantes é zero e nem por isso a população está mal assistida. Outro exemplo vem de países industrializados, como o Canadá. Lá, o número de leitos por habitante tem sido reduzido drasticamente nos últimos anos, como resultado da estratégia de investir em tecnologia e no aumento da capacidade resolutiva do sistema de saúde. Exames que antecedem uma cirurgia, por exemplo, são feitos a nível ambulatorial. A idéia é deixar o paciente o menor tempo possível internado.Não podemos generalizar conceitos e pior, não evoluir nos pontos de vista. Não creio que há excesso de médicos enquanto houver filas de pacientes, atendimentos relâmpagos e reclamações de relacionamento médico-paciente por falta de atenção e desinteresse. O problema está nos insuficientes honorários médicos e na falta de salários dignos para o exercício de uma profissão de grande responsabilidade. Precisamos focar a raiz dos problemas senão mais uma vez, ficaremos na contra mão da evolução e novamente, resolvendo com grande eficiência os problemas errados.Dr. Assad Frangieh é Diretor Médico do BrasilMedicina.Contato por E-mailEsse artigo contou com trechos reproduzidos de documentos da Organização Pan Americana da Saúde.
http://www.brasilmedicina.com.br/noticias/pgnoticias_det.asp?Codigo=570&AreaSelect=1
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 24 de Julho de 2013, 20:58:00
Como eu já esperava, o governo não só excluiu os principais cursos de medicina do Revalida, como escolheu cursos de baixo conceito no índice de qualidade do MEC.

O objetivo é mais do que claro, proporcionar um fracasso retumbante nessa prova brasileira do Revalida para poder afirmar que ela é dificílima de ser feita e com isso criar outra prova tão fácil que qualquer "médico" estrangeiro passe, mesmo não entendendo nada de medicina...

Citar
Só 3 cursos de Medicina de SP farão Revalida

São Paulo - Os principais cursos de Medicina de São Paulo - Unicamp, USP, Unesp e Unifesp - estão fora da lista de instituições que terão alunos inscritos para realizar o pré-teste do Revalida, aplicado pelo Ministério da Educação (MEC) para revalidar diplomas de médicos formados no exterior. Também ficaram de fora cursos tradicionais como o da Santa Casa e o da PUC-SP.
A reportagem teve acesso à lista de instituições. São Paulo tem 38 cursos, mas só 3 participarão do exame, todos de instituições particulares: os das Universidades de Ribeirão Preto, Marília e Oeste Paulista. As duas primeiras têm nota 3 (regular) no Conceito Preliminar de Curso (CPC), índice de qualidade do MEC, publicado em 2010. A do Oeste Paulista teve nota 2, nível insatisfatório.
Leia mais em: http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2013/07/24/so-3-cursos-de-medicina-de-sp-farao-revalida.htm
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 26 de Julho de 2013, 19:02:16
Interessante....

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/07/1316341-cubano-apresentado-como-parente-de-fidel-castro-e-atendido-no-hc.shtml

Citar
Cubano apresentado como parente de Fidel Castro é atendido no HC

Citar
Um homem cubano foi internado anteontem no setor de urologia do Hospital das Clínicas de São Paulo após tentativas frustradas de diagnóstico de um problema crônico na ilha comunista.

Segundo a Folha apurou, Fidel Castro Puebla foi apresentado por um integrante do governo brasileiro ao HC como sendo parente do ex-líder Fidel Castro.

Sua presença era tratada ontem com sigilo nos corredores do setor de urologia, cujos quartos foram recém-inaugurados com a melhor hotelaria do complexo do HC.

Sem saber que conversava com a reportagem da Folha, um dos acompanhantes do cubano afirmou que o homem fora acomodado na ala infantil da urologia do hospital para "não chamar a atenção", já que "não poderia estar internado no HC".

O acompanhante disse ainda que Castro Puebla sofre, há três anos, de um problema crônico não diagnosticado no sistema de saúde cubano. E que, para ser atendido no sistema público brasileiro, o homem teria alegado ter sofrido mal estar em solo brasileiro.

Pela legislação brasileira, estrangeiros podem ser atendidos em hospitais do SUS em situações de emergência. Pelas vias normais, o paciente só tem acesso ao HC por meio de encaminhamento de outros hospitais da capital, ambulatórios, postos de saúde ou serviços de resgate.

 Castro Puebla viajou ao Brasil acompanhado de um parente e, após realizar uma tomografia e uma arteriografia (espécie de radiografia das artérias), faria uma cirurgia urológica na manhã de hoje.

A Folha apurou que ele estava sob os cuidados da equipe do urologista Miguel Srougi, um dos mais renomados cirurgiões da área.

O médico não quis comentar o assunto. O Ministério da Saúde disse desconhecer o caso.

 DIRCEU

Procurado por sua reconhecida ligação com a família Casto, o ex-ministro José Dirceu (PT) disse que consultaria a Embaixada de Cuba.

Depois, Dirceu informou que o homem não seria parente nem de Raul nem de Fidel, mas filho de Raul Castro Mercader, um ex-combatente, e Ester Puebla, uma generala. "É uma coincidência de nome", disse. Num terceiro telefonema, disse que o cubano não estava internado.

A Folha viu o prontuário de Fidel Puebla no hospital.

Sua internação no hospital público paulista ocorreu 15 dias após o governo federal brasileiro anunciar que paralisou as negociações com Cuba para a vinda ao país de 6.000 médicos da ilha.

A importação de profissionais cubanos, anunciada em maio pelo Itamaraty, deveria suprir regiões do Brasil em que há falta de médicos.

O governo pretende agora atrair profissionais da saúde da Espanha e de Portugal.

 OUTRO LADO

O Itamaraty afirmou não ter recebido nem feito nenhum pedido de internação ao Hospital das Clínicas.

Na Embaixada de Cuba, nenhum funcionário foi localizado na noite de ontem para dar informações.

Procurado na noite de ontem, o Ministério da Saúde disse, por meio de sua assessoria de imprensa, que desconhece o episódio.

A assessoria do Hospital das Clínicas afirmou que não havia encontrado ninguém na chefia da urologia para comentar as condições em que Fidel Castro Puebla foi internado na unidade.

O urologista Miguel Srougi, chefe do setor, não quis comentar o assunto.


O Fidel chamou um médico espanhol quando a coisa apertou, a petistada rica se trata no Sírio Libanês, um parente do Coma Andante vem se tratar no Brasil e o único comuna rico que fez a asneira de se tratar em Cuba já virou adubo.

E insistem em dizer que os pajés cubanos são bons médicos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 26 de Julho de 2013, 23:19:52
Uma correção e uma preocupação. Estrangeiros não são admitidos no sus apenas em emergência. Estando no Brasil ele é atendido em qualquer ponto do sistema (pode-se até questionar isso, mas é o que é posto). A preocupação é a informação que a Folha teve acesso ao prontuário do paciente. Esse é um documento sigiloso que não deve sair da esfera médico-paciente. Quanto aos médicos cubanos, já foi dito e redito que os maiores problemas deles é na formação especializada e na questão tecnológica, o que não significa que sejam maus médicos (ainda que existam maus médicos e bons médicos lá como aqui também). Outro ponto, não é incomum grupos de pessoas importantes do Brasil saírem para tratamento nos EUA e nem por isso os médicos daqui são ruins.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 27 de Julho de 2013, 12:34:45
Uma correção e uma preocupação. Estrangeiros não são admitidos no sus apenas em emergência. Estando no Brasil ele é atendido em qualquer ponto do sistema (pode-se até questionar isso, mas é o que é posto). A preocupação é a informação que a Folha teve acesso ao prontuário do paciente. Esse é um documento sigiloso que não deve sair da esfera médico-paciente. Quanto aos médicos cubanos, já foi dito e redito que os maiores problemas deles é na formação especializada e na questão tecnológica, o que não significa que sejam maus médicos (ainda que existam maus médicos e bons médicos lá como aqui também). Outro ponto, não é incomum grupos de pessoas importantes do Brasil saírem para tratamento nos EUA e nem por isso os médicos daqui são ruins.

A questão é que os petistas se desmancham em louvores ao sistema de saúde cubano, mas correm para o Sírio Libanês sempre que podem.

E essa coisa toda de tentarem enfiar cubanos pela janela no serviço público está fedendo desde o começo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 27 de Julho de 2013, 13:41:12
Primeiro é preciso diferenciar serviço de sistema. E em segundo lugar, cubanos não são prioridade para o MS, mas a ideia foi uma iniciativa fácil da CNM que não é PT, mas um pool de diversos partidos, que foi encampada pelo ministério do exterior.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 31 de Julho de 2013, 14:45:09
Citar
Governo desiste de incluir dois anos a mais na graduação de medicina
Pelo programa Mais Médicos, estudante prestaria serviço no SUS.

Ministro diz que agora proposta é transformar 2 anos extras em residência.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, afirmou nesta quarta-feira (31) que o governo dediciu alterar um dos pontos do programa Mais Médicos: o que previa a ampliação de seis para oito anos do período de graduação em medicina – nos dois anos extras eles teriam de prestar serviços no Sistema Único de Saúde (SUS).
De acordo com o ministro, o governo decidiu acatar a proposta da comissão de especialistas coordenada pelo ex-ministro Adib Jatene que analisa o programa. Pela proposta, os dois anos extras serão aproveitados como residência médica, que tem caráter de especialização e atualmente não é obrigatória. Com isso, os estudantes de medicina não ficariam impedidos de se formar após os seis anos de curso.
Se prevalecesse a proposta original do programa Mais Médicos, a formação em medicina poderia durar até dez anos: oito de graduação (obrigatórios) e dois de especialização (residência médica).
Segundo a nova proposta, os médicos recém-formados farão a especialização durante a residência médica, como atualmente, mas, no primeiro ano, a atuação será necessariamente no setor de urgência e emergência de uma unidade do SUS. No segundo ano, o recém-formado atuaria na área de especialização que escolheu.
O ministro Mercadante afirmou que o governo pretende assegurar, até 2017, acesso a bolsa de residência médica para todos os estudantes formados em medicina. Segundo a assessoria do Ministério da Educação, quando as bolsas estiverem disponíveis, a residência médica passará a ser obrigatória.
De acordo com a assessoria, ainda não há uma definição sobre os casos de médicos recém-formados que optarem por fazer clínica geral e decidirem não se especializar. Não se sabe se, nessa hipótese, o recém-formado faria somente o primeiro de residência em um setor de urgência e emergência do SUS ou se teria de cumprir os dois anos.
A obrigatoriedade de prestação de serviços por dois anos no SUS era um motivos de crítica das entidades médicas ao programa Mais Médicos, do governo federal.

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/07/governo-desiste-de-incluir-dois-anos-mais-na-graduacao-de-medicina.html
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 31 de Julho de 2013, 17:35:54
Uma pena
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 31 de Julho de 2013, 18:26:18
Na verdade, pelo que parece o governo apenas transformou os dois anos de serviço no SUS no "primeiro" ano de residência. Não ficou claro ainda em que condições e onde isso será feito, mas me parece que isso vai obrigar alguns serviços a encarar isso como "pré-residência", acrescentando um ano-extra para não prejudicar a formação. E também ao que parece o governo conseguiu economizar uma boa grana, já que dificilmente o residente vai receber algo diferente da bolsa atual de residência nesse primeiro ano.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 31 de Julho de 2013, 18:31:26
Parece que a moda está pegando.
A fila pode andar para os advogados:

Citação de: Estadão
Direito pode incluir estágio em favela
OAB propôs ao Ministério da Educação alteração nos cursos; para a Ordem, hoje essas experiências não passam de ‘faz de conta’
30 de julho de 2013 | 23h 14

Lisandra Paraguassu

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) propôs ao Ministério da Educação uma alteração no currículo dos cursos de Direito, que poderão incluir um estágio em comunidades carentes do País. O estágio, de seis meses, seria dentro do período do curso.

A proposta foi apresentada nesta segunda-feira, 29, pelo presidente da OAB, Marcus Vinícius Coelho, durante evento em Teresina. "A grade curricular do curso é do século 19, e a metodologia e o sistema de avaliação são precários. Queremos um curso de Direito que prepare cidadãos conscientes de seu papel no mundo e não meramente burocratas ou tecnocratas", disse ele.

A OAB propõe ainda um aumento de disciplinas para o curso. Nesse período, os estudantes teriam de fazer um estágio "de verdade", segundo Coelho. Hoje, o estágio já é previsto na grade curricular e deve ser realizado em fóruns, juizados e tribunais, mas são experiências de "faz de conta", de acordo com o presidente da Ordem.

Ao Estado, Coelho disse que o estágio não deverá ser obrigatoriamente em comunidades carentes, mas terá de dar aos estudantes experiência prática no exercício do Direito. "O estágio será em favelas, em empresas, em escritórios, em tribunais, enfim, onde o estudante tiver sua vocação e sua afinidade. Vivemos em um país democrático e plural, onde a liberdade das pessoas desenvolverem suas potencialidades deve ser respeitada."

A criação de novos cursos de Direito está suspensa desde o início deste ano, quando a OAB e o Ministério da Educação firmaram um acordo para criar um marco regulatório para a área. Por 12 meses, a criação de novas faculdades ficará parada, até que a OAB apresente e o MEC aprove um novo currículo para a área. Segundo Coelho, a maioria dos alunos sai das instituições de ensino superior sem conhecimentos básicos, como processo eletrônico e prática do Direito. Procurado, o MEC não se pronunciou sobre a proposta da OAB de incluir estágio em comunidades carentes.

Médicos

A ideia de propor que estudantes façam algum trabalho social veio à tona com a decisão do governo federal de incluir na formação de médicos dois anos de trabalho remunerado no Sistema Único de Saúde (SUS). Os dois casos, no entanto, são diferentes. O estágio em comunidades carentes seria uma alternativa ao que já existe hoje, e não um período extra.

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,direito-pode-incluir-estagio-em-favela,1058946,0.htm
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 31 de Julho de 2013, 19:26:44
Serviço público compulsório será a nova forma de aumentar a tributação.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 31 de Julho de 2013, 19:30:09
:hehe: Bem feito.

O próximo tem que ser os engenheiros... :twisted:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 31 de Julho de 2013, 19:46:28
Uma pena

Para uma medida que foi feita às pressas, com clara intenção eleitoreira e ainda por cima atropelando até mesmo a comissão que já existe e estudava as mudanças curriculares no curso de medicina?

Não foi feito um estudo, por exemplo, de como esse gap de dois anos sem formandos afetaria a disponibilidade de residentes nos cursos, de como isso afetaria os hospitais-escolas (em que o trabalho é basicamente feito pelos residentes) e o impacto que isso teria na saúde pública (uma vez que em muitos locais é o hospital-escola que carrega a saúde pública da região "nas costas").
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 31 de Julho de 2013, 20:19:51
Uma pena o amadorismo dos nossos governantes já não me surpreender mais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: José H. em 31 de Julho de 2013, 20:46:59
Parece que a moda está pegando.
A fila pode andar para os advogados:

Citação de: Estadão
Direito pode incluir estágio em favela
OAB propôs ao Ministério da Educação alteração nos cursos; para a Ordem, hoje essas experiências não passam de ‘faz de conta’
30 de julho de 2013 | 23h 14

Lisandra Paraguassu

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) propôs ao Ministério da Educação uma alteração no currículo dos cursos de Direito, que poderão incluir um estágio em comunidades carentes do País. O estágio, de seis meses, seria dentro do período do curso.

A proposta foi apresentada nesta segunda-feira, 29, pelo presidente da OAB, Marcus Vinícius Coelho, durante evento em Teresina. "A grade curricular do curso é do século 19, e a metodologia e o sistema de avaliação são precários. Queremos um curso de Direito que prepare cidadãos conscientes de seu papel no mundo e não meramente burocratas ou tecnocratas", disse ele.

A OAB propõe ainda um aumento de disciplinas para o curso. Nesse período, os estudantes teriam de fazer um estágio "de verdade", segundo Coelho. Hoje, o estágio já é previsto na grade curricular e deve ser realizado em fóruns, juizados e tribunais, mas são experiências de "faz de conta", de acordo com o presidente da Ordem.

Ao Estado, Coelho disse que o estágio não deverá ser obrigatoriamente em comunidades carentes, mas terá de dar aos estudantes experiência prática no exercício do Direito. "O estágio será em favelas, em empresas, em escritórios, em tribunais, enfim, onde o estudante tiver sua vocação e sua afinidade. Vivemos em um país democrático e plural, onde a liberdade das pessoas desenvolverem suas potencialidades deve ser respeitada."

A criação de novos cursos de Direito está suspensa desde o início deste ano, quando a OAB e o Ministério da Educação firmaram um acordo para criar um marco regulatório para a área. Por 12 meses, a criação de novas faculdades ficará parada, até que a OAB apresente e o MEC aprove um novo currículo para a área. Segundo Coelho, a maioria dos alunos sai das instituições de ensino superior sem conhecimentos básicos, como processo eletrônico e prática do Direito. Procurado, o MEC não se pronunciou sobre a proposta da OAB de incluir estágio em comunidades carentes.

Médicos

A ideia de propor que estudantes façam algum trabalho social veio à tona com a decisão do governo federal de incluir na formação de médicos dois anos de trabalho remunerado no Sistema Único de Saúde (SUS). Os dois casos, no entanto, são diferentes. O estágio em comunidades carentes seria uma alternativa ao que já existe hoje, e não um período extra.

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,direito-pode-incluir-estagio-em-favela,1058946,0.htm

Sou estudante de Direito e concordo plenamente com a ideia. A realidade dos nossos cursos de Direito hoje é lastimável, especialmente nas faculdades particulares, onde o alto nível de reprovação dos alunos pode gerar consequências negativas para a instituição. Por essa razão, as provas são ridiculamente fáceis e há inúmeras "ajudinhas" para aqueles que não atingiram a nota média.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 31 de Julho de 2013, 22:02:08
Uma pena

Para uma medida que foi feita às pressas, com clara intenção eleitoreira e ainda por cima atropelando até mesmo a comissão que já existe e estudava as mudanças curriculares no curso de medicina?

Não foi feito um estudo, por exemplo, de como esse gap de dois anos sem formandos afetaria a disponibilidade de residentes nos cursos, de como isso afetaria os hospitais-escolas (em que o trabalho é basicamente feito pelos residentes) e o impacto que isso teria na saúde pública (uma vez que em muitos locais é o hospital-escola que carrega a saúde pública da região "nas costas").
Existe uma concorrência acirrada para residência,  maior que para o curso de medicina (a exceção de cursos como pediatria e medicina da saúde da família e comunidade), não acho que faltaria residentes, talvez apenas a concorrência fosse menor. Porém, enquanto eu escutava a Voz do Brasil na volta para casa, talvez não seja tão ruim. Um grande problema na proposta anterior era não mexer no currículo da graduação e parece que agora isso será feito. A universalização da residência pode levar à viabilização de uma proposta que fizemos ao DAB, que seria o financiamento de uma equipe ampliada da ESF, com profissionais com especialização na área, que eventualmente substituiria as equipes atuais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 31 de Julho de 2013, 23:33:20
Uma pena

Para uma medida que foi feita às pressas, com clara intenção eleitoreira e ainda por cima atropelando até mesmo a comissão que já existe e estudava as mudanças curriculares no curso de medicina?

Não foi feito um estudo, por exemplo, de como esse gap de dois anos sem formandos afetaria a disponibilidade de residentes nos cursos, de como isso afetaria os hospitais-escolas (em que o trabalho é basicamente feito pelos residentes) e o impacto que isso teria na saúde pública (uma vez que em muitos locais é o hospital-escola que carrega a saúde pública da região "nas costas").
Existe uma concorrência acirrada para residência,  maior que para o curso de medicina (a exceção de cursos como pediatria e medicina da saúde da família e comunidade), não acho que faltaria residentes, talvez apenas a concorrência fosse menor. Porém, enquanto eu escutava a Voz do Brasil na volta para casa, talvez não seja tão ruim. Um grande problema na proposta anterior era não mexer no currículo da graduação e parece que agora isso será feito. A universalização da residência pode levar à viabilização de uma proposta que fizemos ao DAB, que seria o financiamento de uma equipe ampliada da ESF, com profissionais com especialização na área, que eventualmente substituiria as equipes atuais.

Muita dessa concorrência acirrada é alimentada pelos 15000 médicos que se formam cada ano. Dois anos seguidos sem formar ninguém diminuiria bastante a procura por determinados cursos. Para residência em medicina de família, que ainda está se solidificando e tem baixíssima procura, seria um tiro de misericórdia. Praticamente obrigaria a começar tudo de novo do zero.

E o meu ponto não é bem esse. Pode até ser que não haja maiores conseqüências, mas a questão principal é que não foi feito nenhum estudo do impacto, nenhuma projeção, nenhum planejamento. Simplesmente, como sempre acontece, alguém surgiu com uma idéia "genial" e decidiram tudo na canetada, sem consultar ninguém. Mais ou menos como aquela idéia "genial" de fazer aquela missa do Papa em um manguezal aterrado nas coxas sem nem considerar a possibilidade de chuva. Depois não dá certo e ninguém "sabe" porque...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 01 de Agosto de 2013, 20:06:01
Uma pena

Trabalho compulsório nos outros é refresco.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gaúcho em 01 de Agosto de 2013, 21:07:08
O que mais me impressionou foi descobrir que alguém ouve a Voz do Brasil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 01 de Agosto de 2013, 21:58:55
Uma pena

Trabalho compulsório nos outros é refresco.


Servi 4 anos ao Exército.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 01 de Agosto de 2013, 22:00:59
O que mais me impressionou foi descobrir que alguém ouve a Voz do Brasil.
É a hora que volto do trabalho, oras. O rádio está ligado na CBN e, de repente,  em Brasília 19h... :lol: Mas tem coisas interessantes lá.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 02 de Agosto de 2013, 07:53:06
O que mais me impressionou foi descobrir que alguém ouve a Voz do Brasil.

 :biglol:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 02 de Agosto de 2013, 18:08:05
Pergunta aos médicos daqui: o governo chegou a fazer algum debate/reunião/enquete acerca dessas propostas de aumento do tempo do curso de Medicina ou da obrigatoriedade de se trabalhar no SUS?
Não. A obrigatoriedade de trabalho no sus (ao menos na AB ) já é discutido há muitos anos ( pelo menos desde de 2007 ) , mas não com aumento do tempo do curso.
Ja havia discussões no governo há muito tempo sobre o serviço civil obrigatório, extensão do curso e/ou residência é inveação recente.
Curioso que o governo havia criado um grupo de discussões com associações médicas justamente sobre esse tema, e 2-4 semanas depois anunciou o Mais Médicos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 03 de Agosto de 2013, 05:19:16
As manifestações precipitaram as ações.  Os estados também não foram avisados.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Agosto de 2013, 07:34:01
O que mais me impressionou foi descobrir que alguém ouve a Voz do Brasil.

Essa coisa ainda está no ar ainda hoje?

Tb tinha um tal "Projeto Minerva" que o pessoal chamava de "Projeto me enerva"  :lol:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 04 de Agosto de 2013, 09:36:40
Aqui vai o link para o teste do Revalida (prova objetiva de 2011). Dêem uma olhada nas questões. Para ser aprovado no Revalida, basta apenas acertar 50% delas. Há uma parte subjetiva com questões abertas que são ainda mais fáceis do que essas (coisas bobas, do tipo "como se trata uma faringite bacteriana" e etc).

http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/revalida/
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Cumpadi em 06 de Agosto de 2013, 01:06:40
...(coisas bobas, do tipo "como se trata uma faringite bacteriana" e etc). ...
Você usaria um macrolídio, um aminoglicosídio, uma tetraciclina? Depois disso escolha o antibiótico. E aproveite e justifique por que não escolheu os outros (saber que uma coisa pode ser usada para faringite é fácil, o que é melhor já é outra história, principalmente quando você já teve suas aulas há 30 anos e está em uma especialidade que não lida com isso há 20).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 06 de Agosto de 2013, 22:58:27
Eu recomendo um bom xarope. Xarope cura tudo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: caerus em 07 de Agosto de 2013, 17:52:03
Qual a justificativa que a OAB dá para cartelizar a advocacia?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: caerus em 07 de Agosto de 2013, 17:55:51
Parece que a moda está pegando.
A fila pode andar para os advogados:

Citação de: Estadão
Direito pode incluir estágio em favela
OAB propôs ao Ministério da Educação alteração nos cursos; para a Ordem, hoje essas experiências não passam de ‘faz de conta’
30 de julho de 2013 | 23h 14

Lisandra Paraguassu

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) propôs ao Ministério da Educação uma alteração no currículo dos cursos de Direito, que poderão incluir um estágio em comunidades carentes do País. O estágio, de seis meses, seria dentro do período do curso.

A proposta foi apresentada nesta segunda-feira, 29, pelo presidente da OAB, Marcus Vinícius Coelho, durante evento em Teresina. "A grade curricular do curso é do século 19, e a metodologia e o sistema de avaliação são precários. Queremos um curso de Direito que prepare cidadãos conscientes de seu papel no mundo e não meramente burocratas ou tecnocratas", disse ele.

A OAB propõe ainda um aumento de disciplinas para o curso. Nesse período, os estudantes teriam de fazer um estágio "de verdade", segundo Coelho. Hoje, o estágio já é previsto na grade curricular e deve ser realizado em fóruns, juizados e tribunais, mas são experiências de "faz de conta", de acordo com o presidente da Ordem.

Ao Estado, Coelho disse que o estágio não deverá ser obrigatoriamente em comunidades carentes, mas terá de dar aos estudantes experiência prática no exercício do Direito. "O estágio será em favelas, em empresas, em escritórios, em tribunais, enfim, onde o estudante tiver sua vocação e sua afinidade. Vivemos em um país democrático e plural, onde a liberdade das pessoas desenvolverem suas potencialidades deve ser respeitada."

A criação de novos cursos de Direito está suspensa desde o início deste ano, quando a OAB e o Ministério da Educação firmaram um acordo para criar um marco regulatório para a área. Por 12 meses, a criação de novas faculdades ficará parada, até que a OAB apresente e o MEC aprove um novo currículo para a área. Segundo Coelho, a maioria dos alunos sai das instituições de ensino superior sem conhecimentos básicos, como processo eletrônico e prática do Direito. Procurado, o MEC não se pronunciou sobre a proposta da OAB de incluir estágio em comunidades carentes.

Médicos

A ideia de propor que estudantes façam algum trabalho social veio à tona com a decisão do governo federal de incluir na formação de médicos dois anos de trabalho remunerado no Sistema Único de Saúde (SUS). Os dois casos, no entanto, são diferentes. O estágio em comunidades carentes seria uma alternativa ao que já existe hoje, e não um período extra.

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,direito-pode-incluir-estagio-em-favela,1058946,0.htm

Sou estudante de Direito e concordo plenamente com a ideia. A realidade dos nossos cursos de Direito hoje é lastimável, especialmente nas faculdades particulares, onde o alto nível de reprovação dos alunos pode gerar consequências negativas para a instituição. Por essa razão, as provas são ridiculamente fáceis e há inúmeras "ajudinhas" para aqueles que não atingiram a nota média.

Pra que, se já tem a prova da OAB que supostamente garante a competência dos que passam? Quem achar necessário fazer estagio pode fazer sozinho.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 07 de Agosto de 2013, 18:12:21
Qual a justificativa que a OAB dá para cartelizar a advocacia?

Aferição da qualificação técnica necessária ao exercício da advocacia em caráter preventivo, com vistas a evitar que a atuação do profissional inepto cause prejuízo à sociedade.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 11 de Agosto de 2013, 19:48:26
Parece que a moda está pegando.
A fila pode andar para os advogados:

É, meus amigos, a fila está andando pra valer. A fila chegou aos engenheiros e segue andando:

Citar
Por prefeitos, Dilma estuda importar engenheiros
Para 'núcleo duro' do governo, medida ajuda o repasse de verba federal para municípios
11 de agosto de 2013 | 10h 39

Débora Bergamasco / Brasília - O Estado de S.Paulo

A presidente Dilma Rousseff já está estudando um modo de facilitar a vinda de engenheiros estrangeiros para trabalhar no Brasil, assim como fez com profissionais da área da saúde, no Programa Mais Médicos. Alguns ministros do chamado "núcleo duro" do governo estão tentando provar para a petista que a medida ajudaria a solucionar um dos problemas que atravancam o andamento de obras e o repasse de verba federal para municípios.

Hoje, faltam nas prefeituras especialistas dispostos a trabalhar na elaboração de projetos básico e executivo, fundamentais para que a cidade possa receber recursos da União.

As travas no repasse de dinheiro já foram identificadas por Dilma como um dos obstáculos para que o Executivo consiga impulsionar o crescimento econômico e acelerar obras de infraestrutura - dois gargalos que poderão custar caro para a candidatura à reeleição.

O governo já investe hoje no estágio e na especialização de engenheiros brasileiros no exterior com o Ciência Sem Fronteiras, programa comandado pelos ministérios da Ciência e Tecnologia e da Educação. Mas a ideia estudada no Palácio do Planalto é ir além, aproveitando os profissionais de fora já prontos, para que tragam expertise e preencham lacunas em regiões hoje desprezadas pelos brasileiros. A proposta inicial é importar especialmente mão de obra de nações que enfrentam crise econômica e têm idiomas afins, como Portugal e Espanha.

O plano ainda está em estágio embrionário e setores técnicos do governo ainda não foram comunicados sobre a ideia. O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, acredita que o Mais Médicos pode até servir como uma experiência piloto. Entretanto, aposta mais na eficiência do Ciência Sem Fronteiras. "O ideal não é ter mais, porém melhores engenheiros dispostos a trabalhar em áreas carentes desses profissionais."

Para se ter uma ideia, o Maranhão é hoje o Estado brasileiro que menos abriga empregados da área de engenharia. De acordo com dados do IBGE de 2010, a média é de 1.265 habitantes por engenheiro em todo Maranhão, seguido pelo Piauí (1.197 habitantes por engenheiro) e Roraima (1.023 habitantes por engenheiro). São Paulo é o que mais concentra esse tipo de profissional (148 habitantes por engenheiro).

'Presente de grego'.
Na gestão anterior, o ex-presidente Lula afirmou ter dinheiro em caixa para investir, fez um chamamento aos prefeitos pedindo para que eles encaminhassem a Brasília projetos executivos assinados por engenheiros para que a União pudesse repassar dinheiro para as prefeituras. Dilma também vem reivindicando a mesma iniciativa. Mas há gestores municipais que consideram os programas de transferência voluntária de renda federal um "presente de grego".

Para o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, a falta de engenheiros é apenas uma das dificuldades para que os municípios recebam investimentos federais. "Além da dificuldade em formar um quadro com engenheiro civil, mecânico e agrônomo, a demora na liberação de licença ambiental e a dificuldade para comprovar a propriedade de um terreno também atrapalham muito", avalia Ziulkoski.

Outro imbróglio que ele aponta é a falta de dinheiro para a "contrapartida". Segundo ele, no caso do Bolsa Família, por exemplo, cabe ao município manter atualizado o cadastro dos beneficiários, checar quem morreu, quem arrumou emprego, as crianças que estão na escola. "Tudo tem um custo, é um presente de grego", afirma. "Eu sou o primeiro a dizer aos prefeitos que nem mandem projetos, porque eles nem conseguem manter os que já têm. Só que os 4.100 novos eleitos ainda estão sonhando, achando que podem fazer muita coisa."

A Secretaria de Assuntos Estratégicos está conduzindo um projeto para estimular a entrada de mão de obra estrangeira qualificada em território nacional. Segundo dados de 2010 compilados pela SAE, o número de imigrantes de primeira geração que vive hoje no Brasil representa 0,3% da população (cerca de 600 mil pessoas), diante da média mundial de 3%. A pesquisa cita que "países altamente desenvolvidos como Suíça, Nova Zelândia, Austrália e Canadá possuem mais de 20% da população formada por imigrantes".



http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,por-prefeitos-dilma-estuda-importar--engenheiros--,1062794,0.htm
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pasteur em 11 de Agosto de 2013, 21:22:27

Citar
Por prefeitos, Dilma estuda importar engenheiros
Para 'núcleo duro' do governo, medida ajuda o repasse de verba federal para municípios
11 de agosto de 2013 | 10h 39

[...]

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,por-prefeitos-dilma-estuda-importar--engenheiros--,1062794,0.htm

Acho que a Dilma deve ser alguma associada anônima do Clube Cético e quer atender o pedido da Fabi...   :hihi:

:hehe: Bem feito.

O próximo tem que ser os engenheiros... :twisted:
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 11 de Agosto de 2013, 21:46:17
Se os engenheiros, médicos, etc., brasileiros não querem trabalhar para os governos e prefeituras, por que os estrangeiros vão querer?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 11 de Agosto de 2013, 23:10:48
Porque eles não teriam escolha nos países deles.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 11 de Agosto de 2013, 23:59:35
Se os engenheiros, médicos, etc., brasileiros não querem trabalhar para os governos e prefeituras, por que os estrangeiros vão querer?
Talvez por que nesses outros países, nem só quem tem grana estuda medicina e quer manter seu status quo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 12 de Agosto de 2013, 06:48:13
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se os engenheiros, médicos, etc., brasileiros não querem trabalhar para os governos e prefeituras, por que os estrangeiros vão querer?
Talvez por que nesses outros países, nem só quem tem grana estuda medicina e quer manter seu status quo.

Claro, tenho certeza que em Portugal e na Espanha ou mesmo em Cuba os estudantes de medicina são todos pobres e idealistas. Lutam pela medicina e para ajudar os mais necessitados,  nem pensam em ganhar dinheiro e ter uma boa vida. Bem diferente dos brasileiros, estes mercenários malditos!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Vento Sul em 12 de Agosto de 2013, 10:06:30
Ah os gloriosos médicos brasileiros!  O que não fazem para ajudar esse povo carente...!!!
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 12 de Agosto de 2013, 13:27:41
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 12 de Agosto de 2013, 13:28:11
Ah os gloriosos médicos brasileiros!  O que não fazem para ajudar esse povo carente...!!!

E o que você já fez pelo povo carente?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 12 de Agosto de 2013, 16:05:24
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

Concordo, só fico admirado de médicos de outros países, como Portugal e Espanha, não terem uma opção melhor... talvez eles não conheçam direito o sistema de saúde brasileiro.

Ah os gloriosos médicos brasileiros!  O que não fazem para ajudar esse povo carente...!!!

E quem falou em "ajudar"? Estamos falando em uma relação profissional.

Mas não tem problema, se os malditos médicos brasileiros não "ajudam as pessoas carentes", os estrangeiro com certeza ajudarão.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pregador em 12 de Agosto de 2013, 18:34:38
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

E em que você iria trabalhar lá na África do Sul?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Price em 12 de Agosto de 2013, 19:58:36
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

E em que você iria trabalhar lá na África do Sul?

Viabilidade econômicas em setores variados.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 12 de Agosto de 2013, 22:52:35
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

E em que você iria trabalhar lá na África do Sul?

Viabilidade econômicas em setores variados.
Análise de risco?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Agosto de 2013, 09:16:17
Aumentando o terrorismo... http://poderonline.ig.com.br/index.php/2013/08/14/conselho-federal-de-medicina-divulga-alerta-sobre-mais-medicos/
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 14 de Agosto de 2013, 15:00:32
Aumentando o terrorismo... http://poderonline.ig.com.br/index.php/2013/08/14/conselho-federal-de-medicina-divulga-alerta-sobre-mais-medicos/

Como citar o óbvio é terrorismo?
Se os "médicos" estrangeiros não tem CRM a quem deve ser imputado a responsabilidade ética?  Afinal o Código de Ética Médica só vale para médicos registrados, logo...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Agosto de 2013, 17:09:13
Exatamente por citar o óbvio é terrorismo: não há a necessidade disso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 14 de Agosto de 2013, 17:10:07
Mas para complementar,  o estrangeiro terá sim um registro no crm.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 14 de Agosto de 2013, 18:52:22
Exatamente por citar o óbvio é terrorismo: não há a necessidade disso.
Defina necessário.  É desnecessário o órgão regulador fazer comunicações de alerta quando atribui risco à alguma prática? 
Defina terrorismo.  Por ser desnecessário é terrorismo?  Qual a diferença enter terrorismo e um alerta a colegas que podem possivelmente ser acusados de violações éticas?

Mas para complementar,  o estrangeiro terá sim um registro no crm.
Qualquer médico pode exercer a medicina fora da sua praça desde que em carater episódico ou emergencial.
O dito CRM provisório é um instrumento, como direi, provisório.  A validade padrão é de um mês, serve apenas para não impedir o exercício da profissão pr algum  problema burocrático.
Os CRMS ja anunciaram que vão recorrer a justiça contra a obrigatoriedade de emitir tal certificado sem o cumprimento dos requisitos estabelecidos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 15 de Agosto de 2013, 01:20:20
No entanto existirá o registro provisório para o exercício dentro dos limites do programa e por tempo determinado (provisório). Isso já acontece em países como a Austrália,  por exemplo.

É um terrorismo na medida que visa criar o terror entre os colegas para que, pelo medo, não haja adesão ao programa.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 15 de Agosto de 2013, 07:34:47
Citar
É um terrorismo na medida que visa criar o terror entre os colegas para que, pelo medo, não haja adesão ao programa.

Ou talves o objetivo seja alertar e reforçar o risco ao qual o profissional está exposto. Claro, o CRM não concorda com as condições impostas pelo governo, natural que ele ressalte os pontos onde o profissional que o Conselho representa possa se dar mal. Eu não classificaria isso como "terrorismo". O CRM faria "terrorismo" se estivesse inventando ameaças inexistentes ou espalhando informações falsas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 15 de Agosto de 2013, 08:25:45
No entanto ele não emitiu nota semelhante no PROVAB, que possui a mesma metodologia, e nem nunca emitiu nota semelhante quanto às residências médicas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 15 de Agosto de 2013, 10:54:40
No entanto existirá o registro provisório para o exercício dentro dos limites do programa e por tempo determinado (provisório). Isso já acontece em países como a Austrália,  por exemplo.

É um terrorismo na medida que visa criar o terror entre os colegas para que, pelo medo, não haja adesão ao programa.
O alerta em questão não é para os médicos que se inscreveram no Mais Médicos, e sim aos colegas que vão "supervisionar" profissionais não devidamente registrados nos seus respectivos CRMs

No entanto ele não emitiu nota semelhante no PROVAB, que possui a mesma metodologia, e nem nunca emitiu nota semelhante quanto às residências médicas.
Mas nesse caso falamos de médicos registrados no CRMs, não?

Derfel, vc leu a matéria que vc citou?
IUnclusive essa parte:

"As entidades ressaltam aos gestores públicos e aos médicos supervisores e tutores do Programa “Mais Médicos”que, no exercício dessas funções, também estão sujeitos às regras previstas no Código de Ética Médica, conforme explicito no inciso I do seu Preâmbulo e em seus Princípios Fundamentais.

Ao assumir compromissos com o programa criado pela MP 621/2013, os médicos em cargos de gestão pública ou de supervisão e tutoria de ensino assumem corresponsabilidade com o profissional estrangeiro em caso de:"

PS- negritos meus
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 15 de Agosto de 2013, 22:46:57
No entanto existirá o registro provisório para o exercício dentro dos limites do programa e por tempo determinado (provisório). Isso já acontece em países como a Austrália,  por exemplo.

É um terrorismo na medida que visa criar o terror entre os colegas para que, pelo medo, não haja adesão ao programa.
O alerta em questão não é para os médicos que se inscreveram no Mais Médicos, e sim aos colegas que vão "supervisionar" profissionais não devidamente registrados nos seus respectivos CRMs
Eu sei disso, mas eles irão supervisionar profissionais devidamente registrados nos conselhos.
Citar
No entanto ele não emitiu nota semelhante no PROVAB, que possui a mesma metodologia, e nem nunca emitiu nota semelhante quanto às residências médicas.
Mas nesse caso falamos de médicos registrados no CRMs, não?
Sim, assim como no cask dos estrangeiros.
Citar
Derfel, vc leu a matéria que vc citou?
IUnclusive essa parte:

"As entidades ressaltam aos gestores públicos e aos médicos supervisores e tutores do Programa “Mais Médicos”que, no exercício dessas funções, também estão sujeitos às regras previstas no Código de Ética Médica, conforme explicito no inciso I do seu Preâmbulo e em seus Princípios Fundamentais.

Ao assumir compromissos com o programa criado pela MP 621/2013, os médicos em cargos de gestão pública ou de supervisão e tutoria de ensino assumem corresponsabilidade com o profissional estrangeiro em caso de:"

PS- negritos meus
Li e é onde digo sobre o terrorismo. O objetivo é espalhar o medo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 15 de Agosto de 2013, 23:04:39
É necessário "terrorismo" para achar preocupante liberar para atuar um "médico" que não acerta 50% do teste linkado posts atrás?

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 15 de Agosto de 2013, 23:12:43
A visão do Derfel sobre gestão e accountability sempre me comove
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pregador em 16 de Agosto de 2013, 00:29:57
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

E em que você iria trabalhar lá na África do Sul?

Viabilidade econômicas em setores variados.

Mas que tipo de setor? mineração? informática? petróleo? pastel?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 16 de Agosto de 2013, 00:40:50
Não entendi. Dizer a verdade é terrorismo? Se eu disser pra alguém nao andar na cracolandia de madrugada sozinho contando dinheiro é terrorismo?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 16 de Agosto de 2013, 05:49:12
O uso da verdade pode, sim, ser terrorismo pela forma como é utilizada e pelo superdimensionamento. O objetivo é que define terrorismo ou não (e o objetivo é incutir terror para atingir uma meta política). Além disso, o médico estrangeiro terá um registro no crm, com todos os deveres que qualquer outro médico no Brasil tem (inclusive pagar a anuidade). As únicas diferenças são a restrição da área e local de atuação, o período de validade e a impossibilidade de votar nas eleições dos conselhos. Tudo está previsto na MP, que tem força de lei. Então toda a recomendação que o conselho dá em nota é válida para qualquer tutor, gestor ou supervisor de qualquer programa que envolva qualificação, seja com médico brasileiro ou estrangeiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 16 de Agosto de 2013, 07:57:08
Porque eles não teriam escolha nos países deles.

Será que a melhor opção para um médico ou engenheiro português ou espanhol será trabalhar no SUS ou para prefeituras no Brasil? A coisa lá deve estar feia mesmo... Os cubanos com certeza estão ferrados e viriam. De qualquer forma, vir é uma coisa, ficar é outra.

Se o indivíduo não tem alternativa no país dele não vejo motivo para não ir. Eu mesmo já recebi propostas pra trabalhar na África do Sul recebendo mais, só não fui porque aqui tem trabalho.

E em que você iria trabalhar lá na África do Sul?

Viabilidade econômicas em setores variados.

Mas que tipo de setor? mineração? informática? petróleo? pastel?

O usuário questionado foi banido. Acredito que não poderá responder à pergunta.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 16 de Agosto de 2013, 08:59:28
A visão do Derfel sobre gestão e accountability sempre me comove

Um lencinho resolve seu problema, o sarcasmo não.

Não entendi. Dizer a verdade é terrorismo? Se eu disser pra alguém nao andar na cracolandia de madrugada sozinho contando dinheiro é terrorismo?

Se hipoteticamente nunca houve um roubo na cracolândia, pode ser sim.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 16 de Agosto de 2013, 09:14:53
Um alerta, quando há um risco real, não pode ser considerado terrorismo.
Um alerta, quando não existe qualquer risco, pode ser considerado terrorismo.

O exemplo da cracolândia: existe o risco real de assalto, ao se caminhar à noite contando dinheiro. Alertar alguém sobre isso não é terrorismo.

Alertar alguém que o mundo vai acabar no fechamento do Calendário Maia é terrorismo.

No caso do alerta do Conselho Federal de Medicina, não se constitui terrorismo porque o risco é real. O CFM está prevenindo médicos distraídos e desatentos, ou aqueles que não conhecem todas as implicações legais do exercício da medicina naquelas condições. Não está alarmando um risco inexistente. O risco é real e prevenir isso não é terrorismo. Seria se o risco fosse inexistente.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 16 de Agosto de 2013, 09:21:51

Um alerta, quando há um risco real, não pode ser considerado terrorismo.
Um alerta, quando não existe qualquer risco, pode ser considerado terrorismo.

O exemplo da cracolândia: existe o risco real de assalto, ao se caminhar à noite contando dinheiro. Alertar alguém sobre isso não é terrorismo.

Alertar alguém que o mundo vai acabar no fechamento do Calendário Maia é terrorismo.

No caso do alerta do Conselho Federal de Medicina, não se constitui terrorismo porque o risco é real. O CFM está prevenindo médicos distraídos e desatentos, ou aqueles que não conhecem todas as implicações legais do exercício da medicina naquelas condições. Não está alarmando um risco inexistente. O risco é real e prevenir isso não é terrorismo. Seria se o risco fosse inexistente.

Eu não sei se existe um risco real nesse caso, não sou da área e conheço pouco sobre o assunto. Eu só acho que o argumento do Derfel é válido, porque antes de tudo, esse negócio de tentar impedir que profissionais estrangeiros venham trabalhar aqui, tendo aqui um grande déficit desses mesmos profissionais, me cheira a corporativismo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 16 de Agosto de 2013, 10:28:27
Um alerta, quando há um risco real, não pode ser considerado terrorismo.
Um alerta, quando não existe qualquer risco, pode ser considerado terrorismo.

O exemplo da cracolândia: existe o risco real de assalto, ao se caminhar à noite contando dinheiro. Alertar alguém sobre isso não é terrorismo.

Alertar alguém que o mundo vai acabar no fechamento do Calendário Maia é terrorismo.

No caso do alerta do Conselho Federal de Medicina, não se constitui terrorismo porque o risco é real. O CFM está prevenindo médicos distraídos e desatentos, ou aqueles que não conhecem todas as implicações legais do exercício da medicina naquelas condições. Não está alarmando um risco inexistente. O risco é real e prevenir isso não é terrorismo. Seria se o risco fosse inexistente.
Entendi... quer dizer que se a Al Qaeda disser que vai atacar pontos dos EUA ou embaixadas, sendo que existe o histórico desses atos efetivados pelo grupo, então não é terrorismo?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 16 de Agosto de 2013, 10:40:49
Entendi... quer dizer que se a Al Qaeda disser que vai atacar pontos dos EUA ou embaixadas, sendo que existe o histórico desses atos efetivados pelo grupo, então não é terrorismo?

Não, não é terrorismo. Aqui você está confundindo duas coisas bem diferentes, mas com o mesmo nome.

Atacar embaixadas é terrorismo em substantivo.
Fazer alarmes de riscos inexistentes é terrorismo em metáfora.

O que Bin Laden fazia, atirando aviões em prédios era terrorismo de fato.
Alarmar a população para construir abrigos subterrâneos porque há risco de ataque de alienígenas é fazer terrorismo em metáfora.

Exemplo:
O CFM está alertando que todos os médicos que entrarem no Mais Médicos serão contaminados com o "vírus do sertão das matas de Iracema". -> Isso é terrorismo em metáfora.
A Al-Qaeda atacou (verbo no passado) bases americanas no Paquistão. -> Isso é terrorismo em substantivo.
A Al-Qaeda avisou que vai atacar (construção do verbo no futuro do presente) bases americanas no Afeganistão. -> Isso NÃO é terrorismo! É uma ameaça real.

Resumo:
O CFM não está fazendo terrorismo. Está simplesmente cumprindo com uma de suas atribuições que é orientar os profissionais filiados a seus quadros sobre a legislação e as implicações de determinadas práticas. Isso é uma das atribuições do CFM. Se ele estiver sendo acusado de fazer terrorismo por estar cumprindo seu papel, então estamos perdidos...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Gabarito em 16 de Agosto de 2013, 11:03:09
Completando o raciocínio:
Fazer terrorismo em substantivo é matar inocentes e promover genocídio.
Fazer terrorismo em metáfora é a mesma coisa que causar pânico. Está relacionado também a blefe.

Repetindo o caso da Al-Qaeda.
Eles fazem terrorismo quando matam pessoas inocentes, mas eles NÃO fazem terrorismo quando avisam que vão matar. Nesse caso, estão alertando para algo que pode muito bem acontecer, risco real. Não é um blefe.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Barata Tenno em 16 de Agosto de 2013, 12:24:38
O interessante é que é só os estrangeiros passarem no revalida que acaba a polêmica.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 16 de Agosto de 2013, 15:41:43
Vou tentar ser sintético.

Eu sei disso, mas eles irão supervisionar profissionais devidamente registrados nos conselhos.
Supervisão de médicos a distância.  Bem distante no caso

Profissionais esses:
Sem revalidação de diploma
Com CRM "provisório" de 3 anos
Numa situação híbrida:  Exercem medicina como qualquer médico mas recebem bolsa (?) e necessitam de supervisão (?).  Não são residentes, nem pós graduandos, não desenvolvem trabalho de pesquisa, não tem grade curricular, não apresentam trabalhos, etc...
A lista de incoerências, irresponsabilidade, descaso, contradições e falta de conhecimento sobre a área (medicina e educação) é tão grande que me admira como essas coisas surgem.

Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc...

Mas, como eu já comentei anteriormente, o que se esperar de um partido que sempre apoiou o fim do unicismo sindical e da contribuição sindical obrigatória e quado virou governo...

Sim, assim como no cask dos estrangeiros.
Não existe problema com os estrangeiros, qualquer médico formado fora do Brasil é bem vindo, só é exigido que revalidem o diploma como é feito em quase todos os países do mundo.

Li e é onde digo sobre o terrorismo. O objetivo é espalhar o medo.
Não, vou dar um desconto pelo fato de você não ser da área médica e não participar de pelo menos 20 anos de luta pela melhora do atnedimento e da qualidade dos médicos no seu atendimento a população feita tanto pelo CRM/CFm quanto pelas associações médicas..
Não encare isso como uma crítica a suas posturas em geral, apenas questiono se vcê nesses 20 anos tem acompanhado todo o trabalho desses órgãos, assim como todos as repetidas declarações, denúnicas, processos, manifestações e quiças.
Os CRMs há algum tempo ja adotaram a tática de co-responsabilizar os gestores (e no caso "tutores") como forma de enfrentamento ao descaso do governo para com as boas práticas de saúde da população.  Foi um forma de enfrentar um jogo de empurra.

"Supervisionar" profissionais de formação duvidosa (e serão considerados assim até realizarem revalidação como previsto) à distância é um tremendo risco.  Algum momento vai dar M.. (como já dá quando se faz supervisão de bons profissionais de maneira presencial), o que os conselhos estão alertando é para 1) evitar que incautos caiam nessa roubada 2) evitar que depois os "tutores" alegarem que não sabiam ou não concordam com possíveis  punições 3) dar aos colegas subsídios para recusarem esse tipo de serviço

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 16 de Agosto de 2013, 22:07:05
perfeito
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 16 de Agosto de 2013, 23:15:51
Citação de: Osler link=topic=27545.msg756454#msg7566678503
Vou tentar ser sintético.

Eu sei disso, mas eles irão supervisionar profissionais devidamente registrados nos conselhos.
Supervisão de médicos a distância.  Bem distante no caso

Profissionais esses:
Sem revalidação de diploma
Com CRM "provisório" de 3 anos
Numa situação híbrida:  Exercem medicina como qualquer médico mas recebem bolsa (?) e necessitam de supervisão (?).  Não são residentes, nem pós graduandos, não desenvolvem trabalho de pesquisa, não tem grade curricular, não apresentam trabalhos, etc...
Não há revalidação do diploma, mas não significa ausência de critérios.  Vêm de países com um currículo análogo ao do Brasil, com registro no conselho ou colégio médico do país de origem (o que muitas vezes significa já ter passado por um processo avaliativo para exercer a medicina, o que não ocorre aqui) e passarão por um processo avaliativo e de qualificação de 3 semanas. São médicos E estudantes pós-graduandos, já que o programa é atrelado a um curso de especialização em saúde da família no sistema de saúde brasileiro,  dado o que recebem supervisão,  tutores e bolsa. Ao final devem apresentar um projeto de intervenção. A tutoria é a distância,  mas a supervisão é presencial, cada supervisor deve ter 3 a 10 supervisionados e desenvolvem atividades pedagógicas além daquelas da especialização. Além desses, a comissão estadual também prestará monitoramento tanto ao trabalho deles, quanto nas relações de trabalho, gestão e condições de trabalho.

Citar
A lista de incoerências, irresponsabilidade, descaso, contradições e falta de conhecimento sobre a área (medicina e educação) é tão grande que me admira como essas coisas surgem.
É uma prática já adotada em outros países com condições semelhantes ao do Brasil. Procure alguma coisa sobre IMG nos EUA, como o Health Professional Shortage Area, e o Advanced Standing Certificate e 10-Year Moratorium na Austrália. Ainda é um progfama que teve (e ainda tem) amplo apoio da OPAS/OMS. Foi muito bem estudada pelo SGETS/MS, mais do que eu imaginava, e possui apoio e estudo de alumas faculdades de medicina (como a UFC).
Citar
Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc...
A parte da contratação de estrangeiros (e também dos brasileiros) é uma medida emergencial e para áreas que historicamente não conseguem a contratação de profissionais médicos. O Mais Médicos também envolve a formação de profissionais, adequação do currículo,  universalização da residência médica (de acordo com a necessidade do sistema) E carreira de saúde com vínculos desprecarizados. A carreira ainda se discute se será estadual ou regional,  porém já existem projetos piloto instalados em estados como o Acre e a Bahia (ainda que eu não considere a forma baiana a mais indicada). Outras propostas estão em discussão,  bem como a reativação das mesas de negociação em diversos estados (recentemente houve um fórum sobre as mesas de negociação no Piauí). Então é algo muito maior que apenas a contratação de estrangeiros (mas o debate é reduzido a apenas isso).
Citar
Mas, como eu já comentei anteriormente, o que se esperar de um partido que sempre apoiou o fim do unicismo sindical e da contribuição sindical obrigatória e quado virou governo...
Vide acima. Porém esperemos que não se trate de um programa de governo, mas um programa de estado (e é assim que estamos encarando).
Citar

Sim, assim como no cask dos estrangeiros.
Não existe problema com os estrangeiros, qualquer médico formado fora do Brasil é bem vindo, só é exigido que revalidem o diploma como é feito em quase todos os países do mundo.
Em casos específicos (como o do Mais Médicos) países dispensam a necessidade de revalidação do diploma ou de outro entrave a estrangeiros (como visto de trabalho), como mostrado acima. A revalidação não deixará de ocorrer e será necessária para que o estrangeiro possa atuar fora da área do programa. Quanto a ser bem vindo... O Brasil possui uma das mais baixas taxas de participação de médicos estrangeiros no mercado de trabalho (1, 79%).
Citar
Li e é onde digo sobre o terrorismo. O objetivo é espalhar o medo.
Não, vou dar um desconto pelo fato de você não ser da área médica e não participar de pelo menos 20 anos de luta pela melhora do atnedimento e da qualidade dos médicos no seu atendimento a população feita tanto pelo CRM/CFm quanto pelas associações médicas..
Não encare isso como uma crítica a suas posturas em geral, apenas questiono se vcê nesses 20 anos tem acompanhado todo o trabalho desses órgãos, assim como todos as repetidas declarações, denúnicas, processos, manifestações e quiças.
Os CRMs há algum tempo ja adotaram a tática de co-responsabilizar os gestores (e no caso "tutores") como forma de enfrentamento ao descaso do governo para com as boas práticas de saúde da população.  Foi um forma de enfrentar um jogo de empurra.
:hein: Já leu algum outro post meu?
Citar
"Supervisionar" profissionais de formação duvidosa (e serão considerados assim até realizarem revalidação como previsto) à distância é um tremendo risco.  Algum momento vai dar M.. (como já dá quando se faz supervisão de bons profissionais de maneira presencial), o que os conselhos estão alertando é para 1) evitar que incautos caiam nessa roubada 2) evitar que depois os "tutores" alegarem que não sabiam ou não concordam com possíveis  punições 3) dar aos colegas subsídios para recusarem esse tipo de serviço

O que os conselhos estão fazendo chama-se terrorismo: incutir o terror com o objetivo de não haver a adesão de tutores e supervisores. Intercorrências acontecerão com certeza, como acontecem frequentemente com profissionais brasileiros (e muitas vezes abafadas pelos conselhos), contudo a responsabilização do estrangeiro é a mesma do médico brasileiro segundo a legislação.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 16 de Agosto de 2013, 23:23:11
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 16 de Agosto de 2013, 23:24:38
Completando o raciocínio:
Fazer terrorismo em substantivo é matar inocentes e promover genocídio.
Fazer terrorismo em metáfora é a mesma coisa que causar pânico. Está relacionado também a blefe.

Repetindo o caso da Al-Qaeda.
Eles fazem terrorismo quando matam pessoas inocentes, mas eles NÃO fazem terrorismo quando avisam que vão matar. Nesse caso, estão alertando para algo que pode muito bem acontecer, risco real. Não é um blefe.
Nos dois casos terrorismo significa a mesma coisa: atingir a algum objetivo mediante o terror e o pânico causado. Matar pessoas simplesmente não é terrorismo (é assassinato, massacre, genocídio,  guerra ou qualquer outra coisa) se o objetivo não for causar o terror e a insegurança na população.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 16 de Agosto de 2013, 23:49:16
terrorismo é ficar 20 dias dentro de um corredor de um hospital referência em Brasília com o pulso cortado e ter perdido o movimento dos dedos,  esperando o atendimento do SUS. A reportagem (mais uma) sobre o eficiente SUS do Derfel no JN foi bizarra.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2013, 00:46:00
http://www.youtube.com/v/VVqVGeI6bwk
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 06:53:50
terrorismo é ficar 20 dias dentro de um corredor de um hospital referência em Brasília com o pulso cortado e ter perdido o movimento dos dedos,  esperando o atendimento do SUS. A reportagem (mais uma) sobre o eficiente SUS do Derfel no JN foi bizarra.
O SUS não é meu, mas nosso. Não assisti  à reportagem,  mas motivos de hospitais lotados são sempre os mesmos. E é porque a resposta que deveria ser dada na AB e na média complexidade, bem como em hospitais regionais não é dada. E isso é, também, por falta de pessoal nesses locais. Faltam também especialistas, o que gera uma demanda enorme. E não adianta dizer que dedveriam contratar outros porque muitas vezes não existe. Tome-se o exemplo de Salvador,  existe uma demanda grande por anestesiologistas, mas apenas 2 são formados na residência.  Isso é um problema que afeta a rede pública e privada, mas os efeitos são mais sentidos na pública, até por causa da escala.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 17 de Agosto de 2013, 09:10:55
Minha impressão sobre essa questão é que basicamente existe duas vertentes de argumentação contrária. A primeira é ideológica, se dá sobre a importação de médicos cubanos. Para as pessoas situadas mais a direita existe um grande problema de um governo de esquerda importar médicos cubanos, e os argumentos são variáveis desde a desqualificação dos profissionais até o favorecimento do regime cubano.

 O outro é de cunho corporativista e pra mim mais grave, que é a sistemática contrariedade do CRM sobre o assunto, sem mostrar um caminho viável para o déficit de profissionais no interior do Brasil. Médicos não ganham mal no interior, e podem enfrentar os mesmíssimos problemas que enfrentam nas grandes cidades e outros, que podem ser próprios da grandes ou das pequenas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 17 de Agosto de 2013, 09:25:57
Esse programa tem uma enorme semelhança com a campanha do desarmamento e muito provavelmente motivos similares.

Em ambos os casos, o governo escolhe um problema (real ou não) e o coloca como a causa principal de tudo o mais, tentando vender implicitamente a idéia de que a implementação dessa solução irá resolver os problemas da saúde ou segurança pública, ao mesmo tempo em que tenta minimizar (ou se eximir) das questões mais importantes e fundamentais que são responsabilidade do governo e exigiriam mudanças na gestão que o governo não tem o mínimo interesse em implementar (porque prejudicaria o "sistema" dos corruptos e marajás). Ambas são medidas improvisadas, atropeladas, amadoras e cheias de inconsistências jurídicas, feitas por pessoas que parecem ignorar o assunto que dizem querer resolver, e ambas objetivam atacar apenas a parte mais visível do problema, como uma forma de "marketing" para os eleitores.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 11:10:44
E parece que não leu nada do que postei. O programa não se resume a importação de médicos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 17 de Agosto de 2013, 11:13:02
Minha impressão sobre essa questão é que basicamente existe duas vertentes de argumentação contrária. A primeira é ideológica, se dá sobre a importação de médicos cubanos. Para as pessoas situadas mais a direita existe um grande problema de um governo de esquerda importar médicos cubanos, e os argumentos são variáveis desde a desqualificação dos profissionais até o favorecimento do regime cubano.

 O outro é de cunho corporativista e pra mim mais grave, que é a sistemática contrariedade do CRM sobre o assunto, sem mostrar um caminho viável para o déficit de profissionais no interior do Brasil. Médicos não ganham mal no interior, e podem enfrentar os mesmíssimos problemas que enfrentam nas grandes cidades e outros, que podem ser próprios da grandes ou das pequenas.

E existe quem é contra por ser claríssimo que é como o DDV falou, é uma medida diversionista que finge resolver uma questão grave quando na verdade a tendêcia é que só adicione novos problemas ao já caótico sistema de saúde brasileiro.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabrício em 17 de Agosto de 2013, 11:15:10
E parece que não leu nada do que postei. O programa não se resume a importação de médicos.

Derfel, só você (e talvez o Juca) acredita que o programa na prática vai funcionar como o governo anuncia na teoria. É como o SUS atualmente, na teoria é excelente, na prática uma porcaria.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 12:31:32
O programa já vem melhorando alguma coisa há 2 anos, ainda que de maneira limitada. Houve melhora em processo de trabalho e disponibilidade de profissional na unidade, por exemplo. porém imagino que ninguém pensa que esse programa vai ser uma solução mágica para problemas do sus, porém haverá um alívio (em um primeiro momento) em áreas que chamamos de vazios assistenciais. No longo prazo deve haver uma melhora na formação e uma melhor disponibilidade de profissionais tanto clínicos quanto especialistas (o que vai ser positivo tanto para o sistema público quanto privado)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 17 de Agosto de 2013, 14:14:23
terrorismo é ficar 20 dias dentro de um corredor de um hospital referência em Brasília com o pulso cortado e ter perdido o movimento dos dedos,  esperando o atendimento do SUS. A reportagem (mais uma) sobre o eficiente SUS do Derfel no JN foi bizarra.
O SUS não é meu, mas nosso. Não assisti  à reportagem,  mas motivos de hospitais lotados são sempre os mesmos. E é porque a resposta que deveria ser dada na AB e na média complexidade, bem como em hospitais regionais não é dada. E isso é, também, por falta de pessoal nesses locais. Faltam também especialistas, o que gera uma demanda enorme. E não adianta dizer que dedveriam contratar outros porque muitas vezes não existe. Tome-se o exemplo de Salvador,  existe uma demanda grande por anestesiologistas, mas apenas 2 são formados na residência.  Isso é um problema que afeta a rede pública e privada, mas os efeitos são mais sentidos na pública, até por causa da escala.

Você está errado, por isso que não aprende de maneira alguma.  Não funciona porque há roubo e má gestão. Não funciona por causa de vocês mesmo,  o SUS não é meu, não gerenciaria de maneira irresponsável algo.

enquanto voce(s)  não pararem e afirmarem "não sabemos o que é gestao",  o sus continuará a porcaria que é e as velhas desculpas esfarrapadas de sempre.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 15:55:53
Tá bom, Agnóstico.  :lol:

Vamos fazer um exercício.  Suponhamos que na sua empresa de alta tecnologia haja uma necessidade de expansão,  até porque há uma grande demanda por seus produtos. Porém você precisa contratar pessoal para a expansão.  Há falta no mercado de mão-de-obra especializada. Você não buscaria alternativa de contratação de pessoal no exterior?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 17 de Agosto de 2013, 17:05:19
primeiro lutaria contra um roubo de deve chegar a 40% do recebido com processos e tecnologia.  Sabe, nada que já não exista há 30 anos.

Demitiria metade da maquina inútil,  começando com cargos políticos e funcionários públicos acomodados, e todo o serviço burocrático (ou maior parte dele) seria terceirizado. Centralizaria boa parte desse serviço (folha, agendamentos, controladora, etc..  com conceito de serviços compartilhados.

NÃO HÁ COMO expandir algo em tamanho caos e inépcia.

com isso o que existe seria mais eficiente e poderíamos planejar a expansão rapidamente.

funciona assim no mundo real.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 17 de Agosto de 2013, 17:28:36
claro que aí, como os deputados, os funcionários públicos se apegariam a seus privilégio e direito a ineficiência usando termos como "vendemos nossa saúde"  ou "capitalismo selvagem",  alguns teriam até a coragem de se dizer contra a meritocracia
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 18:03:29
Quer dizer que só com isso  você resolveria a falta de mão-de-obra especializada?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 17 de Agosto de 2013, 19:22:00
Preso por exercício ilegal da medicina foi selecionado no Mais Médicos. (http://construindopensamentos.wordpress.com/2013/08/17/preso-por-exercicio-ilegal-da-medicina-foi-selecionado-no-mais-medicos/)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 20:21:24
É uma notícia de 2005, do Chile. Parece que existe outro no estado autônomo da Murcia, na Espanha. São os mesmos? Se você entrar no Colégio de Médicos da Espanha verá que existe um link para o programa Mais Médicos. Se ele não for um médico registrado no colégio espanhol iria ser indeferido quando chegasse e apresentasse a documentação. Depois verifico melhor isso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 17 de Agosto de 2013, 21:51:27
Só com isso?  É exatamente por isso que o SUS é um lixo e fazer medidas paliativas como essas só fará que ele continue sendo o mesmo que é.

Essa falta de valor ao aspecto gestão e governança que os "gestores" públicos tem é o motivo da situação que vivemos.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 22:49:36
Só com isso?  É exatamente por isso que o SUS é um lixo e fazer medidas paliativas como essas só fará que ele continue sendo o mesmo que é.

Essa falta de valor ao aspecto gestão e governança que os "gestores" públicos tem é o motivo da situação que vivemos.
Acho que você não entendeu. Perguntei se só com isso a sua empresa de tecnologia supera a escassez de mão-de-obra especializada.  Esqueça o sus por um momento.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 17 de Agosto de 2013, 23:49:20
Preso por exercício ilegal da medicina foi selecionado no Mais Médicos. (http://construindopensamentos.wordpress.com/2013/08/17/preso-por-exercicio-ilegal-da-medicina-foi-selecionado-no-mais-medicos/)
Procure aqui: https://cgcom.vuds-omc.es/
Digite em nombre josé e em primer apellido arregui e clique em buscar. O nome em questão aparece com o número do conselho e onde ele está lotado. Só posso imaginar uma de duas coisas: 1) ele possui um homônimo no Chile; 2) alguém no Chile se passou por ele para conseguir o emprego.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 18 de Agosto de 2013, 00:38:21
Citação de: Osler link=topic=27545.msg756454#msg7566678503
Vou tentar ser sintético.

Eu sei disso, mas eles irão supervisionar profissionais devidamente registrados nos conselhos.
Supervisão de médicos a distância.  Bem distante no caso

Profissionais esses:
Sem revalidação de diploma
Com CRM "provisório" de 3 anos
Numa situação híbrida:  Exercem medicina como qualquer médico mas recebem bolsa (?) e necessitam de supervisão (?).  Não são residentes, nem pós graduandos, não desenvolvem trabalho de pesquisa, não tem grade curricular, não apresentam trabalhos, etc...
Não há revalidação do diploma, mas não significa ausência de critérios.  Vêm de países com um currículo análogo ao do Brasil, com registro no conselho ou colégio médico do país de origem (o que muitas vezes significa já ter passado por um processo avaliativo para exercer a medicina, o que não ocorre aqui) e passarão por um processo avaliativo e de qualificação de 3 semanas. São médicos E estudantes pós-graduandos, já que o programa é atrelado a um curso de especialização em saúde da família no sistema de saúde brasileiro,  dado o que recebem supervisão,  tutores e bolsa. Ao final devem apresentar um projeto de intervenção. A tutoria é a distância,  mas a supervisão é presencial, cada supervisor deve ter 3 a 10 supervisionados e desenvolvem atividades pedagógicas além daquelas da especialização. Além desses, a comissão estadual também prestará monitoramento tanto ao trabalho deles, quanto nas relações de trabalho, gestão e condições de trabalho.

Difícil até falar.  Por onde começar?
Já existe um critério para a avaliação de médicos com diploma no exterior, chamado Revalida - prova essa feita pelo governo federal, sob orientação do ministerio da saude e do educação.  Agora cria-se uma outra avaliação em 3 semanas, que até agora não foi divulgada em quais critérios e parâmetros será feito, a qual não foi feito nenhum projeto piloto, na qual não se tem nenhum benchmark...
A argumentação é que vai ser tão rígida como o Revalida (que já é mamão com açucar), que ele não é feito apenas para não liberar esses médicos para trabalharem em qualquer lugar do Brasi. Ahan.  Sei.
Então pressuponho que o índedice de aprovação vai ser parecido com o revalida, não?  Ahan.
E porquê não, seguindo o exemplo Australiano citado abaixo, não se impinge uma moratória de X anos aos médicos formados no exterior?

Você realmente acredita que esse médicos estão indo lá para fazer uma pós graduação?  Sério?

Quanto a supervisão você não acredita realmente o que escreveu, não?  Então temos um porrão de municípios sem médicos, alguns que vão receber apenas um médico (nessa primeira seleção) mas vai haver um supervisor gabaritado em cada um desses municipios, trabalhando presencialmente. Ahan. 
Perguntando:  De onde vão surgir esses supervisores, que alias vão a lugares onde nenhum médico quer ir?  E se existem supervisore/médicos que se disponham a ir nesses lugares supervisionar, porque não existem para trabalhar como médicos?

Citar
A lista de incoerências, irresponsabilidade, descaso, contradições e falta de conhecimento sobre a área (medicina e educação) é tão grande que me admira como essas coisas surgem.
É uma prática já adotada em outros países com condições semelhantes ao do Brasil. Procure alguma coisa sobre IMG nos EUA, como o Health Professional Shortage Area, e o Advanced Standing Certificate e 10-Year Moratorium na Austrália. Ainda é um progfama que teve (e ainda tem) amplo apoio da OPAS/OMS. Foi muito bem estudada pelo SGETS/MS, mais do que eu imaginava, e possui apoio e estudo de alumas faculdades de medicina (como a UFC).
Por favor me mostre com fontes sobre médicos  formados em faculdades estrangeiras que naõ tenham acordo direto e que não tenham feito revalidaçao de diploma clinicando na Austrália e EUA.

Citar
Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc...
A parte da contratação de estrangeiros (e também dos brasileiros) é uma medida emergencial e para áreas que historicamente não conseguem a contratação de profissionais médicos. O Mais Médicos também envolve a formação de profissionais, adequação do currículo,  universalização da residência médica (de acordo com a necessidade do sistema) E carreira de saúde com vínculos desprecarizados. A carreira ainda se discute se será estadual ou regional,  porém já existem projetos piloto instalados em estados como o Acre e a Bahia (ainda que eu não considere a forma baiana a mais indicada). Outras propostas estão em discussão,  bem como a reativação das mesas de negociação em diversos estados (recentemente houve um fórum sobre as mesas de negociação no Piauí). Então é algo muito maior que apenas a contratação de estrangeiros (mas o debate é reduzido a apenas isso).
Perdão, mas o que isso tem a ver com o que eu poste?  Em algum lugar eu falei que o Mais Médicos se resumia a estrangeiros?
Você discorda do que postei em negrito?  Naõ entendi

Citar
Mas, como eu já comentei anteriormente, o que se esperar de um partido que sempre apoiou o fim do unicismo sindical e da contribuição sindical obrigatória e quado virou governo...
Vide acima. Porém esperemos que não se trate de um programa de governo, mas um programa de estado (e é assim que estamos encarando).
Vide acima oque?  Não entendi

Citar

Sim, assim como no cask dos estrangeiros.
Não existe problema com os estrangeiros, qualquer médico formado fora do Brasil é bem vindo, só é exigido que revalidem o diploma como é feito em quase todos os países do mundo.
Em casos específicos (como o do Mais Médicos) países dispensam a necessidade de revalidação do diploma ou de outro entrave a estrangeiros (como visto de trabalho), como mostrado acima. A revalidação não deixará de ocorrer e será necessária para que o estrangeiro possa atuar fora da área do programa. Quanto a ser bem vindo... O Brasil possui uma das mais baixas taxas de participação de médicos estrangeiros no mercado de trabalho (1, 79%).
No aguardo dos links demostrando que os EUA e a Australia aceitam médicos nessas condições.
E sim, os médicos estrangeiros são bme vindos.  Não temos tantos médicos estrangeiros por razões históricas, é um fenômeno mundial que os médicos tendem a querer trabahar nos garndes centros.  Inclusive nos países centrais.

Citar
Li e é onde digo sobre o terrorismo. O objetivo é espalhar o medo.
Não, vou dar um desconto pelo fato de você não ser da área médica e não participar de pelo menos 20 anos de luta pela melhora do atnedimento e da qualidade dos médicos no seu atendimento a população feita tanto pelo CRM/CFm quanto pelas associações médicas..
Não encare isso como uma crítica a suas posturas em geral, apenas questiono se vcê nesses 20 anos tem acompanhado todo o trabalho desses órgãos, assim como todos as repetidas declarações, denúnicas, processos, manifestações e quiças.
Os CRMs há algum tempo ja adotaram a tática de co-responsabilizar os gestores (e no caso "tutores") como forma de enfrentamento ao descaso do governo para com as boas práticas de saúde da população.  Foi um forma de enfrentar um jogo de empurra.
:hein: Já leu algum outro post meu?
Li vários, em grande parte concordo com suas posições, particularmente nessa discussão não.  Oque tentei lhe falar é que as entidades médicas há anos lutarm pela melhora do atendimento da população, a diferença agora é que esses comunidcados aparecem na impernsa, mas os CRMs sempre divulgaram coisas parecidas.  Não é especificamente sobre o mais médicos, a não ser que vc ache que os crms são terroristas há pelo menos 20 anos.

Citar
"Supervisionar" profissionais de formação duvidosa (e serão considerados assim até realizarem revalidação como previsto) à distância é um tremendo risco.  Algum momento vai dar M.. (como já dá quando se faz supervisão de bons profissionais de maneira presencial), o que os conselhos estão alertando é para 1) evitar que incautos caiam nessa roubada 2) evitar que depois os "tutores" alegarem que não sabiam ou não concordam com possíveis  punições 3) dar aos colegas subsídios para recusarem esse tipo de serviço

O que os conselhos estão fazendo chama-se terrorismo: incutir o terror com o objetivo de não haver a adesão de tutores e supervisores. Intercorrências acontecerão com certeza, como acontecem frequentemente com profissionais brasileiros (e muitas vezes abafadas pelos conselhos), contudo a responsabilização do estrangeiro é a mesma do médico brasileiro segundo a legislação.

Se o médico é considerado um estudante, pos graduando ou residente, tendo atendido sob supervisão direta a responsabilização ética dele é diferente de um médico formado que trabalha sem supervisão.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 18 de Agosto de 2013, 00:44:37
Ou é a mesma pessoa e está com diploma falsificado na Espanha também...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 18 de Agosto de 2013, 00:54:36
Minha impressão sobre essa questão é que basicamente existe duas vertentes de argumentação contrária. A primeira é ideológica, se dá sobre a importação de médicos cubanos. Para as pessoas situadas mais a direita existe um grande problema de um governo de esquerda importar médicos cubanos, e os argumentos são variáveis desde a desqualificação dos profissionais até o favorecimento do regime cubano.

 O outro é de cunho corporativista e pra mim mais grave, que é a sistemática contrariedade do CRM sobre o assunto, sem mostrar um caminho viável para o déficit de profissionais no interior do Brasil. Médicos não ganham mal no interior, e podem enfrentar os mesmíssimos problemas que enfrentam nas grandes cidades e outros, que podem ser próprios da grandes ou das pequenas.

Equivoca-se companheiro Juca.
1- Não é apenas os CRMs que são contra, também são todos as outras entidades médicas, incluindo aí os sindicatos que pasmem os senhores, são majoritariamente de "esquerda" e muitos com vínculos estreitos com o PT.
2- A criação de uma carreira de estado é uma das propostas (defendidas há muito tempo) para melhorar o défcit de médicos no interior, é defendida pela maioria das entidades médicas há muito tempo.  Então afirmar que não se mostra um caminho viável não é correto.
3- As razões da dificuldade da interiorização são múltiplas, mas algumas peculiares ao nosso país.  Como o Derfel pode lhe explicar o SUS tem administração mnicipalizada.  Os municípios desses grotões costumam pagar bem utilizando de artifícios para burlar as leis trabalhistas (tercerização), sem utilizar concursos públicos, além de o calote ser frequente
Sugiro, a título de esclarecimento, pesquisar quanto se paga a médicos aprovados em concurso público - vou lhe ajudar, aqui no Rio é entre 1200 a 1800 de salário base inicial.
Além disso temos vários lugares que o problema maior é a violência, como as periferias das grandes cidades.  Esse eu acho um problema que é subestimado nessas discussões, tem lugares que ficam com fama de violentos e ninguem quer trabalhar la (com razão).
Vou lhe contar um historia:  Há alguns anos tercerizaram um Hospital aqui no rio (Hospital da Posse em Nova Iguaçu), que nem é tão barra pesada assim.  Num plantão chegou uma criança grave, que acabou falecendo.  A pediatra, que era uma boa médica e que fez de tudo para salvar a criança, foi dar a noticia para os pais.  A mãe desabou em lágrimas, e o pai falou que ia em casa pegar um revolver e voltar para matar a medica "que tinha matado meu menino".  fomos então ao chefe da segurança. PM fazendo bico.  O mesmo nos falou que 'nesa área se o cara falou que voltava e que vai voltar" e  que não tinha como garantir a segurança da médica.  Ela foi embora, e uma meia hora depois o pai voltou armado, brandindo o revolver na emergencia atras da medica. 
De coração, essa historia e branda perto do que eu ja ouvi, e ja presenciei.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 18 de Agosto de 2013, 00:57:54
Aliás, aproveitando o ensejo, gostaria de perguntar ao companheiro Juca o que ele acha da minha citação:

"Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc.."

PS- eu falei historicametne, hoje acredito que tercerização de atividades não-fins são aceitáveis, e de atividades fins dicutíveis.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 18 de Agosto de 2013, 01:06:09
Só com isso?  É exatamente por isso que o SUS é um lixo e fazer medidas paliativas como essas só fará que ele continue sendo o mesmo que é.

Essa falta de valor ao aspecto gestão e governança que os "gestores" públicos tem é o motivo da situação que vivemos.
Acho que você não entendeu. Perguntei se só com isso a sua empresa de tecnologia supera a escassez de mão-de-obra especializada.  Esqueça o sus por um momento.

Não se usa o termo escassez onde há desperdício. Há desperdício e má gestão. E sim, o cenário mudaria completamente em poucos anos. Não é tecnologia, tecnologia é apenas um suporte necessário. Seria inútil com a filosofia de gestão do SUS.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 18 de Agosto de 2013, 09:52:35
Eu gostaria de saber em que mundo o Derfel vive. Me impressiona o tanto de informações falsas ou cor-de-rosa sobre o sus, a realidade do trabalho médico e as causas de diversos problemas da saúde ou da distribuição de médicos.

Derfel, não me diga que você foi doutrinado tomou curso em algum ISC (Instituto de Saúde Coletiva).



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Donatello em 18 de Agosto de 2013, 15:19:26
O sempre excelente Hélio (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/08/1320978-cor-ou-raca.shtml) Schwartsman (https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&ved=0CC4QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Fcolunas%2Fhelioschwartsman%2F777922-os-ateus-e-o-mal.shtml&ei=0RARUqL2GJOA8gT_qIGQDQ&usg=AFQjCNG2fbOBmdflIs0UEaJtu62OHLLm-A&sig2=P1k9w3siQ73MeUP4QQ5u7w&bvm=bv.50768961,d.eWU) (maldito sobrenome que eu sempre tenho que dar ctrl+c ctrl+v) falou ontem na coluna dele sobre o tema.


Citar
Menos médicos (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/08/1327856-menos-medicos.shtml)


SÃO PAULO - É preciso muito otimismo ou então estar em campanha eleitoral para deixar de qualificar a primeira fase do Mais Médicos como um fracasso. Segundo o próprio Ministério da Saúde, foram habilitados para atuar no programa 1.618 profissionais, o que corresponde a apenas 10,5% da demanda apresentada pelos municípios. O que fazer para resolver o problema?

Comecemos pelo que não fazer e saudemos a sabedoria do governo por ter recuado da esdrúxula ideia de ressuscitar uma corveia feudal, pela qual todos os formandos em medicina estariam obrigados a trabalhar por dois anos para o SUS. Numa sociedade livre, as pessoas têm o direito de escolher onde vão morar e de aceitar ou rejeitar contratos de trabalho.

Restam, assim, as chamadas soluções de mercado. Elas são, em princípio, duas. Ou elevamos os salários até que o profissional se disponha a atuar nas áreas prioritárias, ou produzimos médicos em quantidades tais que eles aceitem ir pelo valor que as autoridades oferecerem. Nenhuma das duas é boa.

A primeira tem seu limite nos caixas das prefeituras e na Lei de Responsabilidade Fiscal. A segunda, além de demandar tempo, tende a achatar o salário de médicos, desorganizando ainda mais o sistema.

O caminho, creio, é atuar no nível da regulação e repensar os modelos. Se não querem trazer os cubanos, muito bem, podemos autorizar enfermeiros que atuem em regiões onde não há médicos a prescrever e realizar certos procedimentos.

Uma tese defendida pela revista "The Economist", com a qual concordo, é a de que, no futuro, devido ao envelhecimento da população e ao aumento da prevalência das doenças crônicas, vai ser economicamente inviável formar tantos médicos quantos seriam necessários pelos padrões do século 20. Isso exigirá ampliar as responsabilidades de outros profissionais da saúde, reservando o médico para casos de maior complexidade.

É significativo que ao mesmo tempo que estamos discutindo o programa Mais Médicos tenhamos uma pressão tão grande (em parte já ganha por eles) da categoria em questão pelo tal Ato Médico que é exatamente o oposto do que o Hélio propõe. Mas ao contrário dele, eu acho que a melhor solução a longo prazo seja sim a ampliação muito significativa da oferta de vagas nas faculdades de medicina, sobretudo nas públicas.

Acho que o grande medo difuso é uma redução da capacidade intelectual/profissional dos médicos se oferta de vagas nos cursos for ampliada. Acreditamos que os médicos que temos são o supra-sumo da inteligência, da capacidade de raciocínio e do conhecimento e que em nenhuma outra profissão dependemos tanto de um controle severo quanto a isso: da decisão de um médico depende diretamente a vida, um indivíduo não muito inteligente/culto expõe o paciente a risco de vida e por isso só os que foram comprovadamente geniais durante todo o processo educacional pré-graduação devem ser aceitos na medicina. O resto que vá fazer enfermagem.

É basicamente este o argumento implícito (nem tanto) da classe para garantir sua grande (ou melhor, pequena) reserva de mercado (diretamente resultante do reduzidíssimo número de vagas universitárias)

E nem é que seja nada absurdo, em linhas gerais até que é bonitinha a lógica: realmente eu não quero um semi-analfabeto que passou na cagada e de raspão em um vestibular frouxo e que concluiu o curso mal e porcamente tendo que repetir a maior parte das disciplinas e passando de raspão na segunda vez fazendo meu diagnóstico diferencial entre câncer no estômago e dispepsia funcional (doenças com sintomas iniciais quase idênticos mas que exigem cuidados diametralmente opostos) caso eu esteja numa situação assim; ou como disse o Parcus, decidindo se vai me prescrever um antibiótico para combater o tipo de bactéria que causa amigdalite ou o que causa gonorréia (se não forem os mesmos, sei lá :) ). É óbvio que tanto a bagagem de conhecimento acadêmico (inclusive aquele obtido nos ensinos fundamental e médio) quanto a inteligência inata do indivíduo devem ter um bom papel na maior ou menor capacidade de um médico fazer diagnósticos rápidos e precisos ou escolher terapias eficazes. Se é pra escolher eu também prefiro um que tenha passado entre os 100 primeiros no geral da UNB e que tenha tido desempenho exemplar, se formando cum laude.

Um problema é que ao contrário do que intuitivamente enxergamos, isto não é tão diferente de qualquer outra área, tirando, talvez, as humanas. Um engenheiro ou um geólogo mal formado podem colocar em risco a vida de milhares de pessoas que utilizam determinado estádio, um biomédico mal formado pode zoar com os resultados dos exames fazendo com que o médico que me atenda continue dando diagnósticos furados mesmo fazendo a sua parte toda certinha, farmacêuticos mal formados podem cometer equívocos na formulação de suas pílulas levando a intoxicação ou ineficácia, engenheiros eletrônicos podem produzir celulares que explodem no meu bolso. Na verdade esta intuição que temos de que a profissão do médico especificamente é mais "crítica" eu acho que tem muito a ver com nossa tendência a acreditarmos, por exemplo, que o ônibus sempre demora mais quando estamos atrasados.

Erros médicos podem levar à morte, erros de engenharia podem levar à morte, erros na composição química de medicamentos e alimentos podem levar à morte. Só que os erros médicos são mais diretamente observados. Se baseado nisso os cursos de Engenharia e Farmácia sofressem as mesmas limitações impostas pelo CFM e se discutíssemos coisas como o Ato Farmaceutico ou o Ato Engenheiro estaríamos numa situação muito complicada no que diz respeito à oferta de serviços que dependam destas profissões também.

Por outro lado (e ainda que eu venha admitir que as comparações são impróprias, que não se pode comparar proporcionalmente o peso do trabalho de um engenheiro com o de um médico, e talvez não se possa mesmo, no risco difuso com que estão relacionados) há outro detalhe: as manipulações protecionistas em relação à profissão médica não têm garantido nem de perto o modelo ideal que está implícito no "argumento" mais acima. Se garantissem nós não teríamos a quantidade de médicos que prescrevem tratamentos alternativos como auriculoterapia, que fazem pós em homeopatia, eu não teria ouvido dia desses de uma médica que trabalha lá no posto que "hoje em dia só morre de câncer quem não luta, quem se entrega à doença" (num contexto em que, durante um bate papo informal, uma auxiliar de enfermagem comparava as diferenças de sobrevida de dois parentes: um morto seis meses após o diagnóstico e outro vivo e curado após ter enfrentado um CA 15 anos antes) e não teríamos tantos médicos diagnosticando virose a qualquer paciente que apareça com dores articulares e febre e hematócritos e plaquetas sem alterações.

Idealizamos que para ser médico o sujeito tenha que ser gênio e em função disso tomamos uma série de medidas protecionistas e, depois, em função de termos tomados estas medidas, assumimos que esta idealização é verdadeira. Arcamos com os custos de uma política especial em relação à profissão e não recebemos nem de longe os benefícios prometidos, num ciclo vicioso.

Acredito fortemente que se o número de vagas (especificamente nas universidades públicas) para as faculdades de medicina duplicassem ou triplicassem até teríamos ganho quanto à competência média dos profissionais (já que haveria disputa na carreira, é um dos aspectos perversos do mercado altamente reservado, faz com que até o médico mais relesmente formado seja muito bem situado no mercado de trabalho: nas demais profissões é comum haver uma peneira ou pelo menos uma estratificação pela qualidade de formação, os piores formados são contratados no máximo para cargos auxiliares, dificilmente passam em concursos...)

Na medicina o cara se forma com CR 4 na Estácio de Sá ou na Gama Filho e passa num concurso para exercer a chefia da UTI pediátrica de um grande hospital público (como único candidato). Acho que se as públicas ampliassem significativamente o número de vagas a carreira ainda continuaria sendo atrativa o suficiente para ter as melhores notas (e, por pressuposto, os melhores alunos) destas universidades e de quebra aumentaria a disputa na profissão, melhorando a qualidade geral do serviço porque pelo menos aquela (enorme) fatia dos profissionais que entraram na carreira apenas pelo pai ter os 3 mil reais de mensalidade ao mês para pagar à Universidade Pagou Passou do shopping mais próximo e não pelo desempenho espetacular num vestibular disputadíssimo encontrariam concorrência.

No meu palpite os principais resultados (positivos ou negativos) gerais seriam:

I - aumento da disponibilidade de profissionais para atender as classes mais baixas e lugares mais distantes, redução de tempo de espera no plano de saúde, ou seja: o óbvio.

II - redução dos esquemões no serviço público de saúde com médicos assinando ponto 5 dias em 2, ou 3, ou 4 unidades diferentes e trabalhando efetivamente 1 dia, 1 dia e meio, 2 dias no máximo, em cada. (No serviço público estes esquemões são generalizados, mas na saúde eles são maiores e são puxados pelos médicos. O médico chega na unidade para se apresentar porque acabou de passar num concurso e já bate na mesa e diz que só vai trabalhar 2 dias, aí o enfermeiro vem atrás e bate na mesa também: se ele só trabalha 2 eu só trabalho 3 e daí se forma o ciclo, se o poder dos médicos em autodefinir a própria carga horária diminui o ciclo se enfraquece: tanto é que em outros setores, como a educação, a coisa não funciona assim tão descaralhada).

III - redução da renda média da categoria mas não o suficiente para deixar a profissão pouco atrativa (é a profissão oficialmente mais bem paga e com maior índice de empregabilidade do país, a pauta que dá origem a este tópico revela que mais de 99% da classe rejeita oportunidades de trabalhar sob uma remuneração de 10, 15 mil reais, só disso dá bem pra deduzir que precisa de muita coisa para torná-la pouco atrativa como os órgãos da classe fazem propaganda).

IV - aumento da eficiência geral do serviço pelo surgimento de algum nível, mesmo que incipiente, de concorrência e meritocracia no mercado de trabalho.



P.s. 1 :Quanto ao tema específico do tópico, não acho uma péssima ideia importar médicos como solução imediatista visto que nosso problema imediato parece ser mesmo a falta deles (não a falta de fato, talvez o número de médicos até seja suficiente, mas a forte reserva de mercado acaba criando um cenário de falta aparente ou aparentemente maior).



P.s. 2 : Não, se tem uma profissão que nunca mesmo passou na minha cabeça exercer foi a medicina. A agonia humana é uma coisa com a qual acredito que nunca aprenderia a lidar bem. ,)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 18 de Agosto de 2013, 18:02:56
Eu gostaria de saber em que mundo o Derfel vive. Me impressiona o tanto de informações falsas ou cor-de-rosa sobre o sus, a realidade do trabalho médico e as causas de diversos problemas da saúde ou da distribuição de médicos.

Derfel, não me diga que você foi doutrinado tomou curso em algum ISC (Instituto de Saúde Coletiva).





mundo do funcionalismo público, conheço bem este mundo. É legal quando você conversa com um funcionário público que não é apaixonado por uma teoria e que vê mais do que a pequena parte que lhe toca no coração, aí é passar horas ouvindo casos de horror, onde a corrupção é só um dos desperdícios.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 18 de Agosto de 2013, 23:25:14
Eu gostaria de saber em que mundo o Derfel vive. Me impressiona o tanto de informações falsas ou cor-de-rosa sobre o sus, a realidade do trabalho médico e as causas de diversos problemas da saúde ou da distribuição de médicos.

Derfel, não me diga que você foi doutrinado tomou curso em algum ISC (Instituto de Saúde Coletiva).




Gostaria de saber porque é recorrente essa pergunta sobre saúde coletiva...

O Derfel tem uma maneira peculiar de buscar "soluções" para as coisas, geralmente propondo uso de leis, coerção estatal (trabalho compulsório, estado podendo definir onde e quanto tempo trabalhar), e chegando ao ponto de imaginar que salários podem ser objetos de pura vontade, planejamento ou determinação estatal.

Fale a verdade Derfel: você já passou por alguma instituição bastante dominada por ideologia estatista e comunistófila*?


*Ex: alguma instituição de "saúde coletiva", "medicina social" ou coisas do tipo.


http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=198.msg463998#msg463998

De qualquer maneira, você sabe o que é saúde coletiva, do trata e o que se estuda nesta eslecialidade? De qualquer maneira, não acho que o sus não tenha problemas ou que tudo é cor de rosa  pelo contrário.  Conheço vários problemas do sistema,  tanto de ordem política,  gerencial, organizacional, estrutural e de financiamento, mas conhecer e reconhecer esses problemas não me impede de reconhecer também o que ele tem de bom e os avanços que já ocorreram. Há 17 anos, quandocomecei no sus, atendia em uma sala com uma e um balde, onde só se fazia extrações (mal possuía fio de sutura, apenas 2 porta-agulhas e uma coiva sem massa). Depois de um tempo tinha que parar o atendimento para que a médica pudesse atender, pois não cabíamos todos na mesma sala. Esse mesmo município hoje tem um serviço de pronto-socorro odontológico 24 horas, tenho a disposição,  nas salas ao lado, 3 cirurgiões bmf, 2 periodontistas, 4 endodontistas, 3 protesistas e 1 odontopediatra com especialização em necessidades especiais (que executa trabalhos com anestesia geral no hospital do município). Se preciso tenho, no mesmo prédio, um laboratório de análises clínicas e neurologista,  otorrinolaringologista,  psiquiatra, cardiologista e gastro (além de outros especialistas). Existem serviços especializados para tratamento de transtornos mentais e de dependentes de drogas nos caps e irá ter um serviço de atendimento à população de rua. A taxa de mortalidade infantil saiu de 35 para 15 por 1.000 nos últimos 10 anos. Tudo isso foram avanços que ocorreram no sus de 97 para cá e vou deixar de reconhecer tudo isso? Existe ainda problema de acesso? Existe, mas o acesso melhorou muito nesse período (e tem que melhorar mais ainda).

Gostaria muito de discutir os problemas do sistema, mas enquanto ficar nessa mesma tecla do sus não funciona e o sus não presta, não dá para avançar na discussão. Gosto mais das colocações do Agnóstico que são mais interessantes,  apesar de achar que ele peca por ser um pouco simplista e não compreender o tamanho e a complexidade do sistema, as especificidades do setor de saúde (e não estou dizendo o público somente) e epidemiologia (o que não impede que ache algumas das ideias dele válidas).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Agosto de 2013, 11:13:21


Citar
Equivoca-se companheiro Juca.
1- Não é apenas os CRMs que são contra, também são todos as outras entidades médicas, incluindo aí os sindicatos que pasmem os senhores, são majoritariamente de "esquerda" e muitos com vínculos estreitos com o PT.

Isso só reforça o meu argumento de que antes de tudo a defesa da classe contra a importação de profissionais parece ser de cunho puramente corporativista. Ademais, eu não faço ligação partidária ideológica da questão, como alguns defensores da argumentação contrária. Pra mim é simples, falta profissional, qual o problema em importá-los?


Citar
2- A criação de uma carreira de estado é uma das propostas (defendidas há muito tempo) para melhorar o défcit de médicos no interior, é defendida pela maioria das entidades médicas há muito tempo.  Então afirmar que não se mostra um caminho viável não é correto.

Ok, mas exatamente como uma carreira de estado mudaria a questão para o interior do Brasil, e mais, como isso resolveria um caso de extrema urgência, que demanda profissionais nesse momento.

Citar
3- As razões da dificuldade da interiorização são múltiplas, mas algumas peculiares ao nosso país.  Como o Derfel pode lhe explicar o SUS tem administração mnicipalizada.  Os municípios desses grotões costumam pagar bem utilizando de artifícios para burlar as leis trabalhistas (tercerização), sem utilizar concursos públicos, além de o calote ser frequente

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

Citar
Sugiro, a título de esclarecimento, pesquisar quanto se paga a médicos aprovados em concurso público - vou lhe ajudar, aqui no Rio é entre 1200 a 1800 de salário base inicial.

É mais ou menos a base inicial no Estado de SP, com teto chegando a 15000. E vou lhe dizer uma coisa, dado o custo de vida nos grandes centros, o salário nas pequenas cidades pode render até uns 50% mais que nas grandes, isso não mostra porque médicos não vão aos recantos do Brasil.

Citar
Além disso temos vários lugares que o problema maior é a violência, como as periferias das grandes cidades.  Esse eu acho um problema que é subestimado nessas discussões, tem lugares que ficam com fama de violentos e ninguem quer trabalhar la (com razão).
Vou lhe contar um historia:  Há alguns anos tercerizaram um Hospital aqui no rio (Hospital da Posse em Nova Iguaçu), que nem é tão barra pesada assim.  Num plantão chegou uma criança grave, que acabou falecendo.  A pediatra, que era uma boa médica e que fez de tudo para salvar a criança, foi dar a noticia para os pais.  A mãe desabou em lágrimas, e o pai falou que ia em casa pegar um revolver e voltar para matar a medica "que tinha matado meu menino".  fomos então ao chefe da segurança. PM fazendo bico.  O mesmo nos falou que 'nesa área se o cara falou que voltava e que vai voltar" e  que não tinha como garantir a segurança da médica.  Ela foi embora, e uma meia hora depois o pai voltou armado, brandindo o revolver na emergencia atras da medica. 
De coração, essa historia e branda perto do que eu ja ouvi, e ja presenciei.

Esse é um problema grave, mas até onde isso pode ser generalizado? Até onde a violência pode forçar toda uma classe médica a se concentrar em "bastiões" de segurança pessoal e ou financeira?
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Agosto de 2013, 11:22:10
Aliás, aproveitando o ensejo, gostaria de perguntar ao companheiro Juca o que ele acha da minha citação:

"Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc.."

PS- eu falei historicametne, hoje acredito que tercerização de atividades não-fins são aceitáveis, e de atividades fins dicutíveis.

Não sei te responder sobre isso, porque não estou olhando o caso sobre o espectro politico partidário. Inclusive, acho que o governo demorou muito para acordar para a situação, que já vem se arrastando há muitos anos. Se houvesse um planejamento no mínimo cuidadoso e uma diferenciação da gestão de lugares remotos e pequenas cidades para grandes aglomerados urbanos e talvez uma política de aproximação da classe médica e de persuasão, talvez o problema fosse mais ameno e menos traumático de ser resolvido, incluindo aí a importação de profissionais.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Agosto de 2013, 11:27:01
Pra mim é simples, falta profissional, qual o problema em importá-los?

Juca mais uma vez falando besteira. Não vi NINGUÉM até o momento contra a "importação" de médicos PER SI. As pessoas são contra a introdução de médicos SEM A REVALIDAÇÃO DO DIPLOMA.

Todo esse problema, essa polêmica, essa discussão, esse desgaste (talvez fosse intenção do governo ter essa polêmica toda para desviar a atenção de outros problemas) e etc SERIAM EVITADOS se o governo pura e simplesmente não inventasse de liberar médicos da validação.

 A prova do Revalida (feita pelo próprio governo federal) é "mamão com açúcar" na minha opinião. Talvez seja considerada inaceitavelmente difícil por outras pessoas. Qual a solução? Simples: reunia-se as entidades responsáveis, far-se-ia uma "calibração" da prova, aplicando-a aos médicos recém-formados ou prestes a se formarem, de forma que o grau de exigência técnica dos estrangeiros não ficasse diferente do brasileiro. Simples.

Você tem alguma objeção a isso? Qual?




Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Agosto de 2013, 11:34:08

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

O problema não é o fato de supostamente as cidades menores darem mais calote, mais o estrago que um calote dado por cidades pequenas causa a mais.

Nas cidades grandes, os médicos podem ter vários vínculos em diversos locais (cidade em si e redondezas), de forma que a sua renda não dependa inteiramente da prefeitura. Em cidades muito afastadas, o médico teria sua renda inteiramente dependente da prefeitura, de forma que irá tomar no c* direitinho se levar calote.

O programa Mais Médicos, por ter o salário pago diretamente pelo governo federal, atraiu uma grande quantidade de interessados, acima do que o governo esperava.



Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 19 de Agosto de 2013, 11:39:04
Até onde a violência pode forçar toda uma classe médica a se concentrar em "bastiões" de segurança pessoal e ou financeira?

A pergunta é séria ou apenas retórica?  :o
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Donatello em 19 de Agosto de 2013, 12:23:17
Citar
Sugiro, a título de esclarecimento, pesquisar quanto se paga a médicos aprovados em concurso público - vou lhe ajudar, aqui no Rio é entre 1200 a 1800 de salário base inicial.

É mais ou menos a base inicial no Estado de SP, com teto chegando a 15000. E vou lhe dizer uma coisa, dado o custo de vida nos grandes centros, o salário nas pequenas cidades pode render até uns 50% mais que nas grandes, isso não mostra porque médicos não vão aos recantos do Brasil.
Vocês estão certos desses números?

Porque eles não batem com estas duas pesquisas no Cathos sobre ofertas de emprego para ambulatório de Clínica Médica nos dois estados citados : [RJ] (http://emprego.catho.com.br/cargos/medico/rj/) [SP] (http://emprego.catho.com.br/cargos/medico/sp/).

As remunerações que dei uma olhada (dentre as que deixavam claro tanto o salário quanto a carga horária) variaram, mas em geral são coisas do tipo uma vaga de 3825,70 (o anúncio informa que a empresa paga os benefícios típicos mais 600 reais adicionais, acho que dá pra entender isso como um cash por fora) por uma carga de 12 horas semanais (se trabalhar sob o mesmo regime 4 vezes por semana ganha cerca de 12 mil com três dias de fuelga pra passear) na capital paulista. Outra vaga, também na capital paulista, paga R$ 6.354,00 por 20 horas. Mais uma, do Rio, pra ganhar R$ 5000 e quebradinhos 20 horas por semana. O piorzinho foi de R$ 6.000 pra 40 horas, também no Rio (que na real, achei bem ruinzinho mesmo, mas me parece que este é o piso real da categoria tanto pelo que eu já tinha em mente quanto pelo que eu vi agora via Googleráculo).

Será que vocês não estão usando eventuais salários/dia como base? Porque é muito comum da propaganda coitadística de algumas classes isso, o trabalhador chorão mostrar no Facebook ou na matéria jornalística a parte do salário no contra-cheque mas tampar a parte da carga-horária. O salário de uma categoria deve ser calculado por 40 ou (no caso de categorias que tenha limitação de carga horária, como jornalista e telefonista) 30 horas, se o cara trabalha só 10 horas por semana tem que multiplicar por 4 ou por 3, senão é manipulação da realidade.

Ou será que estão levando em conta o salário salário base definido em dissídio ou coisa do tipo? Porque se for isso é um péssimo critério, eu dou meu rabo pro médico que me provar que já tendo terminado o curso ganha 1200 pra cumprir carga horária de 40 horas, mas nem sendo muito pereba.

Nos concursos a variação é grande, mas pelo que olhei em alguns que estão abertos [AQUI] (http://www.pciconcursos.com.br/pesquisa/?q=m%C3%A9dico) a renda não costuma sair por menos do que R$ 3.500 20h/sem (o que, reconheço, é pouco, R$ 7.000 pra trabalhar de segunda a sexta e levando em conta a complexidade da profissão e os custos da formação, mas lembro: a carga horária never and nunca é cumprida integralmente no serviço público) mas em muitos casos é bem maior que isso, mesmo nas capitais; pelo que dei uma olhada tem umas variações pra cima e pra baixo, mas a moda mesmo fica em torno das 10 pilas por 40 horas, um pouquinho mais que isso.

E não estou falando que ache absurdo os salários não, médico tem mesmo que ganhar bem, a carreira nas públicas é concorrida pra caralho (quase sempre a mais concorrida), nas particulares é cara pra burro (em geral o curso mais caro), é o curso superior mais longo e pesado (no número e na variedade de disciplinas) que existe. Só que estes salários iniciais de 1200 a 1800 reais me parecem bem fantasiosos (até porque, repito, não faria sentido mesmo: o cara pagar 2000, 3000, 4000 reais de mensalidade durante 6 anos para sair com um diploma no braço pra catar emprego pagando 1500 reais).



Ps.: não tinha visto que o post se referia ao serviço público, especificamente, whatever, não bate do mesmo jeito.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: _Juca_ em 19 de Agosto de 2013, 12:42:49
Minha base foi esse link. (http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,plano-de-carreira-quer-fixar-medico-no-servico-publico-de-sp-,979949,0.htm)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Donatello em 19 de Agosto de 2013, 13:28:10
Pronto,   :)
Citar
O salário nominal inicial para 20 horas passou a ser de R$ 1,9 mil.

Parte da resolução da questão já está nos termos negritados. O 20 horas eu já falei: tem que multiplicar por 2 pra ser um dado honesto* de comparação. E o nominal se refere ao vencimento básico, só que funcionário público nunca recebe só o vencimento, nunca recebe o salário nominal, eu tenho um vencimento que acho que agora tá 1.100 reais e ganho na real pouco mais que 2.000.

Lendo o tal regulamento da notícia vemos que a este salário serão acrescidas pelo menos duas verbas: PPM (uma espécie de prêmio por produtividade que na prática todo médico em atividade ganha independente do que produza, no valor de apenas R$5.025,00) e GDPI (50% do salário nominal, isto é: 1900 reais, caso decida assinar 40 horas por semana). Isto é: num passe de mágica (digo, num toque de realidade e honestidade* intelectual) o salário do médico que queira trabalhar (assinar no ponto) 40 horas passa a ser 10.725 reais em vez de irrisórios 1.900.

O cara só ganha na prática estes 3.800 nominais da carga de 40 horas se estiver de licença médica (e se a doença não for funcional) , pode parecer absurdo que o cara acabe perdendo mais de 60% do salário se ficar doente, mas ele não estaria em melhores condições se fosse funcionário da iniciativa privada, já que o INSS tem um teto apenas 200 reais maior que isso. Isto é: se o cara ganhasse 12.000 num hospital privado e ficasse doente ele ganharia de auxílio-saúde pouco mais de 4000 reais, então o Alkimin está falando a verdade quando diz que as carreiras públicas e privada estão equiparadas (com a diferença que no hospital privado o cabra cumpre a carga horária, mas sei que já falei isso).


* Entenda: a desonestidade não é sua, é do médico, do representante de classe entrevistado, que omite as informações para parecer ao grande público inocente e crédulo de que está passando recebendo um salário de fome quando (se não recebe uma fortuna) tá bem longe de ganhar a miséria que espalha por aí.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Buckaroo Banzai em 19 de Agosto de 2013, 13:45:38

Pra mim é simples, falta profissional, qual o problema em importá-los?

Creio que o enunciado do tópico já é bastante esclarecedor, camarada: "Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes."

Se fosse o FHCerra subsidiando importação para trabalharem no Albert Einstein, seriam só aplausos de pé vindos da direita.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 19 de Agosto de 2013, 14:51:31
Isso só reforça o meu argumento de que antes de tudo a defesa da classe contra a importação de profissionais parece ser de cunho puramente corporativista.

A classe médica não está contra a importação de profissionais. Está contra a dispensa da revalidação para atuação profissional.

Ademais, eu não faço ligação partidária ideológica da questão, como alguns defensores da argumentação contrária. Pra mim é simples, falta profissional, qual o problema em importá-los?

Nenhum problema, desde que eles passem na prova de revalidação. Simples assim.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Hold the Door em 19 de Agosto de 2013, 14:57:41

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

O problema não é o fato de supostamente as cidades menores darem mais calote, mais o estrago que um calote dado por cidades pequenas causa a mais.

Nas cidades grandes, os médicos podem ter vários vínculos em diversos locais (cidade em si e redondezas), de forma que a sua renda não dependa inteiramente da prefeitura. Em cidades muito afastadas, o médico teria sua renda inteiramente dependente da prefeitura, de forma que irá tomar no c* direitinho se levar calote.

Exato. Em uma cidade grande, normalmente o médico já está estabelecido lá, tem vários vínculos. Também toma vários calotes, mas isso não gera um prejuízo tão grande já que sua renda não depende de uma única fonte.

É uma situação muito diferente de um médico que muda para uma cidade do interior, tem gastos com transporte, aluguel de uma casa, entre outras coisas, atraído por um salário aparentemente compensador que vai ser sua única fonte de renda. E após alguns meses simplesmente quebra a cara e tudo o que resta são dívidas e prejuízos quando é obrigado a voltar sem receber um tostão.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Agosto de 2013, 18:24:31

Difícil até falar.  Por onde começar?
Já existe um critério para a avaliação de médicos com diploma no exterior, chamado Revalida - prova essa feita pelo governo federal, sob orientação do ministerio da saude e do educação.  Agora cria-se uma outra avaliação em 3 semanas, que até agora não foi divulgada em quais critérios e parâmetros será feito, a qual não foi feito nenhum projeto piloto, na qual não se tem nenhum benchmark...
A argumentação é que vai ser tão rígida como o Revalida (que já é mamão com açucar), que ele não é feito apenas para não liberar esses médicos para trabalharem em qualquer lugar do Brasi. Ahan.  Sei.
Então pressuponho que o índedice de aprovação vai ser parecido com o revalida, não?  Ahan.
E porquê não, seguindo o exemplo Australiano citado abaixo, não se impinge uma moratória de X anos aos médicos formados no exterior?
Osler, o fato de já existir um método como o Revalida não impede que haja outras formas de avaliação, de acordo com a necessidade do sistema. A própria Austrália citada possui várias formas de ingresso no mercado, desde prova pelo AMC, entrevista, estágio rural supervisionado e moratória, dependendo se o profissional vai ficar na cidade ou no interior rural (www.doctorconnect.gov.au). Particularmente suponho que a aprovação no curso beirará 100%, ainda assim o estrangeiro estará sujeito a uma moratória como a que você sugere, já que durante 3 anos estará com a esfera de atuação restrita à Atenção Básica de sua lotação. Ainda durante todo esse tempo ele estará sendo avaliado pelo supervisores e comissões estaduais, podendo ser desligado do programa a qualquer momento, se descumprir o edital (o que vale para o estrangeiro e brasileiro). Será mesmo desligado? Sim, já que isso já ocorre com o PROVAB e a metodologia é a mesma. Nesses 3 anos, o estrangeiro pode prestar o Revalida, o que o habilitará ao registro pleno e à permanência no País.

Citar
Você realmente acredita que esse médicos estão indo lá para fazer uma pós graduação?  Sério?
Claro que não. Mas a pós-graduação serve para vários propósitos. Primeiro há uma capacitação na Atenção Básica no SUS (e isso é desejável para o sistema), permite uma parceria com as universalidades para monitorar e avaliar os profissionais e, por fim (e talvez o mais importante), permite que se possa pagar diretamente ao profissional SEM o intermediamento do município.
Citar
Quanto a supervisão você não acredita realmente o que escreveu, não?  Então temos um porrão de municípios sem médicos, alguns que vão receber apenas um médico (nessa primeira seleção) mas vai haver um supervisor gabaritado em cada um desses municipios, trabalhando presencialmente. Ahan. 
Perguntando:  De onde vão surgir esses supervisores, que alias vão a lugares onde nenhum médico quer ir?  E se existem supervisore/médicos que se disponham a ir nesses lugares supervisionar, porque não existem para trabalhar como médicos?
Bem, acho que você não entendeu a forma como se dará (e se dá) a supervisão. O supervisor não está 100% do tempo com o médico do programa. Esse supervisor, como disse, é responsável por 3 a 10 profissionais e existe um cronograma de visitas a esses municípios e um cronograma de atividades pedagógicas, muitas vezes pode significar o deslocamento do profissional supervisionado para a sede regional ou a central. Existe uma periodicidade que o supervisor deve cumprir, além do acompanhamento de outras atividades via web.

Citar
Citar
A lista de incoerências, irresponsabilidade, descaso, contradições e falta de conhecimento sobre a área (medicina e educação) é tão grande que me admira como essas coisas surgem.
É uma prática já adotada em outros países com condições semelhantes ao do Brasil. Procure alguma coisa sobre IMG nos EUA, como o Health Professional Shortage Area, e o Advanced Standing Certificate e 10-Year Moratorium na Austrália. Ainda é um progfama que teve (e ainda tem) amplo apoio da OPAS/OMS. Foi muito bem estudada pelo SGETS/MS, mais do que eu imaginava, e possui apoio e estudo de alumas faculdades de medicina (como a UFC).
Por favor me mostre com fontes sobre médicos  formados em faculdades estrangeiras que naõ tenham acordo direto e que não tenham feito revalidaçao de diploma clinicando na Austrália e EUA.
No caso dos EUA, não é dispensa da revalidação, mas a dispensa do visto de trabalho. Na Austrália encontra-se no endereço acima.
Citar
Citar
Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc...
A parte da contratação de estrangeiros (e também dos brasileiros) é uma medida emergencial e para áreas que historicamente não conseguem a contratação de profissionais médicos. O Mais Médicos também envolve a formação de profissionais, adequação do currículo,  universalização da residência médica (de acordo com a necessidade do sistema) E carreira de saúde com vínculos desprecarizados. A carreira ainda se discute se será estadual ou regional,  porém já existem projetos piloto instalados em estados como o Acre e a Bahia (ainda que eu não considere a forma baiana a mais indicada). Outras propostas estão em discussão,  bem como a reativação das mesas de negociação em diversos estados (recentemente houve um fórum sobre as mesas de negociação no Piauí). Então é algo muito maior que apenas a contratação de estrangeiros (mas o debate é reduzido a apenas isso).
Perdão, mas o que isso tem a ver com o que eu poste?  Em algum lugar eu falei que o Mais Médicos se resumia a estrangeiros?
Você discorda do que postei em negrito?  Naõ entendi
Não discordei do que você colocou, apenas disse que isso também está em discussão dentro do próprio programa.
Citar
Citar
Mas, como eu já comentei anteriormente, o que se esperar de um partido que sempre apoiou o fim do unicismo sindical e da contribuição sindical obrigatória e quado virou governo...
Vide acima. Porém esperemos que não se trate de um programa de governo, mas um programa de estado (e é assim que estamos encarando).
Vide acima oque?  Não entendi
As estratégias de desprecarização dos vínculos trabalhistas.
Citar
Citar

Sim, assim como no cask dos estrangeiros.
Não existe problema com os estrangeiros, qualquer médico formado fora do Brasil é bem vindo, só é exigido que revalidem o diploma como é feito em quase todos os países do mundo.
Em casos específicos (como o do Mais Médicos) países dispensam a necessidade de revalidação do diploma ou de outro entrave a estrangeiros (como visto de trabalho), como mostrado acima. A revalidação não deixará de ocorrer e será necessária para que o estrangeiro possa atuar fora da área do programa. Quanto a ser bem vindo... O Brasil possui uma das mais baixas taxas de participação de médicos estrangeiros no mercado de trabalho (1, 79%).
No aguardo dos links demostrando que os EUA e a Australia aceitam médicos nessas condições.
E sim, os médicos estrangeiros são bme vindos.  Não temos tantos médicos estrangeiros por razões históricas, é um fenômeno mundial que os médicos tendem a querer trabahar nos garndes centros.  Inclusive nos países centrais.
Como colocado acima, os EUA dispensam o visto de trabalho convencional e adotam um especial. Na Austrália os dados podem ser vistos no www.doctorconnect.gov.au e no Australian College of rural and Remote Medicine http://www.acrrm.org.au/img-program.
Concordo que países centrais atraiam mais mão-de-obra, porém o Brasil é um país atrativos para outros países da América Latina, por exemplo. Então, ainda assim, a média ainda é muito baixa.
Citar
Citar
Li e é onde digo sobre o terrorismo. O objetivo é espalhar o medo.
Não, vou dar um desconto pelo fato de você não ser da área médica e não participar de pelo menos 20 anos de luta pela melhora do atnedimento e da qualidade dos médicos no seu atendimento a população feita tanto pelo CRM/CFm quanto pelas associações médicas..
Não encare isso como uma crítica a suas posturas em geral, apenas questiono se vcê nesses 20 anos tem acompanhado todo o trabalho desses órgãos, assim como todos as repetidas declarações, denúnicas, processos, manifestações e quiças.
Os CRMs há algum tempo ja adotaram a tática de co-responsabilizar os gestores (e no caso "tutores") como forma de enfrentamento ao descaso do governo para com as boas práticas de saúde da população.  Foi um forma de enfrentar um jogo de empurra.
:hein: Já leu algum outro post meu?
Li vários, em grande parte concordo com suas posições, particularmente nessa discussão não.  Oque tentei lhe falar é que as entidades médicas há anos lutarm pela melhora do atendimento da população, a diferença agora é que esses comunidcados aparecem na impernsa, mas os CRMs sempre divulgaram coisas parecidas.  Não é especificamente sobre o mais médicos, a não ser que vc ache que os crms são terroristas há pelo menos 20 anos.
E o meu assombro foi não pela ação do CRM, mas pelo desconto que me foi dado. Não sou médico, mas de uma área afim, a Odontologia. No serviço público tenho quase 20 anos, participei de conferências de saúde, já atuei na AB e na média complexidade, além do serviço militar. Onde trabalho tenho uma relação grande com os conselhos (todos eles), associações e sindicatos e, de maneira geral, temos trabalhado juntos como parceiros, então eu sei das ações do CRM e do sindicato dos médicos, mas não concordo com o posicionamento que possuem hoje (a propósito, resoluções e notas dos conselhos temos acesso).

Citar
Citar
"Supervisionar" profissionais de formação duvidosa (e serão considerados assim até realizarem revalidação como previsto) à distância é um tremendo risco.  Algum momento vai dar M.. (como já dá quando se faz supervisão de bons profissionais de maneira presencial), o que os conselhos estão alertando é para 1) evitar que incautos caiam nessa roubada 2) evitar que depois os "tutores" alegarem que não sabiam ou não concordam com possíveis  punições 3) dar aos colegas subsídios para recusarem esse tipo de serviço

O que os conselhos estão fazendo chama-se terrorismo: incutir o terror com o objetivo de não haver a adesão de tutores e supervisores. Intercorrências acontecerão com certeza, como acontecem frequentemente com profissionais brasileiros (e muitas vezes abafadas pelos conselhos), contudo a responsabilização do estrangeiro é a mesma do médico brasileiro segundo a legislação.

Se o médico é considerado um estudante, pos graduando ou residente, tendo atendido sob supervisão direta a responsabilização ética dele é diferente de um médico formado que trabalha sem supervisão.
Concordo.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Agosto de 2013, 19:01:46

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

O problema não é o fato de supostamente as cidades menores darem mais calote, mais o estrago que um calote dado por cidades pequenas causa a mais.

Nas cidades grandes, os médicos podem ter vários vínculos em diversos locais (cidade em si e redondezas), de forma que a sua renda não dependa inteiramente da prefeitura. Em cidades muito afastadas, o médico teria sua renda inteiramente dependente da prefeitura, de forma que irá tomar no c* direitinho se levar calote.

Exato. Em uma cidade grande, normalmente o médico já está estabelecido lá, tem vários vínculos. Também toma vários calotes, mas isso não gera um prejuízo tão grande já que sua renda não depende de uma única fonte.

É uma situação muito diferente de um médico que muda para uma cidade do interior, tem gastos com transporte, aluguel de uma casa, entre outras coisas, atraído por um salário aparentemente compensador que vai ser sua única fonte de renda. E após alguns meses simplesmente quebra a cara e tudo o que resta são dívidas e prejuízos quando é obrigado a voltar sem receber um tostão.
Não concordo completamente por causa das causas que levam a um calote, que já postei aqui. E a mais frequente é o descumprimento da carga horária. Quando isso ocorre e é plotado pelos serviços de controle (CGU e DENASUS, por exemplo) há o corte de todos os recursos da saúde do município até que regularize a situação, o que leva, dependendo do município, até 1 ano (nas experiências que tive), com isso ele tem que financiar todo o sistema dele com recursos próprios do FPM. Em algum momento não vai conseguir honrar os compromissos. Existem outras causas também, mas acho que essa é a principal (e é o que aparece mais como dúvida na ouvidoria: profissional denunciando que não está recebendo e querendo saber o porquê. Quando vemos está com os recursos bloqueados).
Quanto a outras fontes de renda, o profissional pode dar plantão no município onde ele se encontra (e ocorre frequentemente) ou em municípios vizinhos, tanto em hospitais quanto no serviço de urgência. Se for perto de um centro regional ainda pode atender no sistema privado. Agora, essa é a realidade daqui (e imagino de em boa parte de outros estados), na região norte não penso ser possível isso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 19 de Agosto de 2013, 19:08:19
Ou é a mesma pessoa e está com diploma falsificado na Espanha também...

Pode ser o mesmo ou não. Por via das dúvidas... http://oglobo.globo.com/pais/estrangeiro-suspeito-de-exercicio-ilegal-da-medicina-tinha-sido-selecionado-pelo-mais-medicos-9612287
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 20 de Agosto de 2013, 01:10:49
Ou é a mesma pessoa e está com diploma falsificado na Espanha também...

Pode ser o mesmo ou não. Por via das dúvidas... http://oglobo.globo.com/pais/estrangeiro-suspeito-de-exercicio-ilegal-da-medicina-tinha-sido-selecionado-pelo-mais-medicos-9612287

O link confirma que, ao contrário do que você tava alegando, ele realmente cometeu exercício ilegal da medicina.

O interessante é que, pelo o que a notícia dá a entender, só foram eliminados da lista porque "caiu na imprensa".

 
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: DDV em 20 de Agosto de 2013, 01:13:28

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

O problema não é o fato de supostamente as cidades menores darem mais calote, mais o estrago que um calote dado por cidades pequenas causa a mais.

Nas cidades grandes, os médicos podem ter vários vínculos em diversos locais (cidade em si e redondezas), de forma que a sua renda não dependa inteiramente da prefeitura. Em cidades muito afastadas, o médico teria sua renda inteiramente dependente da prefeitura, de forma que irá tomar no c* direitinho se levar calote.

Exato. Em uma cidade grande, normalmente o médico já está estabelecido lá, tem vários vínculos. Também toma vários calotes, mas isso não gera um prejuízo tão grande já que sua renda não depende de uma única fonte.

É uma situação muito diferente de um médico que muda para uma cidade do interior, tem gastos com transporte, aluguel de uma casa, entre outras coisas, atraído por um salário aparentemente compensador que vai ser sua única fonte de renda. E após alguns meses simplesmente quebra a cara e tudo o que resta são dívidas e prejuízos quando é obrigado a voltar sem receber um tostão.
Não concordo completamente por causa das causas que levam a um calote, que já postei aqui. E a mais frequente é o descumprimento da carga horária. Quando isso ocorre e é plotado pelos serviços de controle (CGU e DENASUS, por exemplo) há o corte de todos os recursos da saúde do município até que regularize a situação, o que leva, dependendo do município, até 1 ano (nas experiências que tive), com isso ele tem que financiar todo o sistema dele com recursos próprios do FPM. Em algum momento não vai conseguir honrar os compromissos. Existem outras causas também, mas acho que essa é a principal (e é o que aparece mais como dúvida na ouvidoria: profissional denunciando que não está recebendo e querendo saber o porquê. Quando vemos está com os recursos bloqueados).
Quanto a outras fontes de renda, o profissional pode dar plantão no município onde ele se encontra (e ocorre frequentemente) ou em municípios vizinhos, tanto em hospitais quanto no serviço de urgência. Se for perto de um centro regional ainda pode atender no sistema privado. Agora, essa é a realidade daqui (e imagino de em boa parte de outros estados), na região norte não penso ser possível isso.

Não considero calote o "corte de ponto" por não cumprimento da carga horária acordada com a prefeitura. Calote é quando alguém trabalha/vende e não recebe. Simples.

Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 20 de Agosto de 2013, 03:32:18
Ou é a mesma pessoa e está com diploma falsificado na Espanha também...

Pode ser o mesmo ou não. Por via das dúvidas... http://oglobo.globo.com/pais/estrangeiro-suspeito-de-exercicio-ilegal-da-medicina-tinha-sido-selecionado-pelo-mais-medicos-9612287
Uma traficante e um farsante... Só gente altamente qualificada para ser médico no Brasil.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 20 de Agosto de 2013, 03:44:13
Citar
Mais Médicos seleciona e depois suspende sérvia suspeita de tráfico

Médica chegou a ser condenada, mas processo foi anulado e reiniciado.
Inicialmente, ministério disse que caso era válido. Depois, acionou a PF.


Uma médica estrangeira selecionada na primeira rodada do programa Mais Médicos, a sérvia Jelena Cvetkovic, teve sua convocação suspensa para que a Polícia Federal avalie a sua situação, já que ela é acusada de tráfico internacional de drogas no Brasil. O anúncio da suspensão foi feito pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (19).

Jelena responde ao processo em liberdade provisória, depois de obter um habeas corpus. Atualmente, segundo o ministério, ela está na Sérvia e foi um dos 358 estrangeiros selecionados para o programa, de acordo com lista divulgada na semana passada.
Na quinta-feira (15), o G1 consultou o Ministério da Saúde sobre o caso de Jelena. Inicialmente, o ministério disse que a inscrição dela era válida. Nesta segunda, no entanto, a pasta informou que tomou ciência da ação penal e acionou a PF para avaliar o caso. A previsão é que isso ocorra ainda nesta semana. Enquanto a avaliação não sair, ela fica suspensa. O advogado da médica no Brasil não quis comentar sobre sua cliente.

Entenda o caso de Jelena

Jelena foi presa em 2004, em decorrência de uma ação da Polícia Federal na Grande São Paulo contra o tráfico internacional. Na época, ela chegou a ser condenada pela Justiça a quatro anos de prisão - a sérvia ficou cerca de dois anos presa, até 2006, quando o Superior Tribunal de Justiça (STJ) anulou a sentença, acatando pedido de habeas corpus de seu advogado.

O objetivo da operação policial era “desbaratar uma quadrilha formada por sérvios que pretendia se instalar no Brasil para praticar o delito de tráfico internacional de entorpecentes”, segundo documento do STJ com decisão favorável ao pedido de habeas corpus da sérvia.

A ação que levou à detenção de Jelena, em 2004, prendeu pelo menos cinco sérvios e um brasileiro, afirma a Justiça Federal. Ela e o grupo estavam sob “vigilância ininterrupta” da PF, de acordo com o documento do STJ.

As investigações, afirma o texto do habeas corpus, apontam que um sérvio foi contratado pelo grupo como “mula” – termo utilizado para se referir à pessoa que vai levar drogas para fora do país.

O sérvio foi preso levando mais de 11 kg de cocaína escondidos dentro de uma mala. Nos desdobramentos do caso, a PF chegou a Jelena, que foi detida em um hotel. Ela disse que suas vindas ao Brasil, na época, ocorreram para uma cirurgia nos olhos, de acordo com o documento do STJ.

Jelena foi julgada e condenada por tráfico internacional e associação para o tráfico. Após os dois anos presa, ela obteve liberdade provisória e a decisão de seu julgamento foi anulada – o STJ deu parecer favorável aos habeas corpus enviados por seu advogado, Amauri Antônio Ribeiro Martins.
Com a anulação da sentença, o processo na Justiça Federal “recomeçou do zero”. Nos pedidos de habeas corpus, o advogado Martins alegou que houve violação de domicílio, ausência de ordem judicial na operação policial contra a sérvia, prejuízo à defesa e falha no rito do processo, na medida em que a juíza deveria ter feito dois interrogatórios com a acusada, mas realizou apenas um.

O G1 tentou contato com a sérvia por meio de seu advogado, sem sucesso. Martins também não quis falar sobre o caso, apesar de procurado por telefone e pessoalmente.

Consultado sobre se houve recurso contra a anulação do processo, o Ministério Público Federal respondeu que não poderia informar porque ele corre em segredo de Justiça.

O Ministério da Saúde afirmou ao G1 que Jelena está fora do país. A assessoria de imprensa da pasta disse que, pelo relato recebido da Embaixada do Brasil na Sérvia, ela foi pessoalmente entregar os documentos.

Taboão da Serra

Jelena foi escolhida pelo Mais Médicos para trabalhar em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo. O processo "reiniciado" contra ela continua tramitando, de acordo com a Justiça Federal.

O G1 questionou o Ministério da Saúde sobre a médica na quinta-feira (15). Em nota, a pasta havia dito que Jelena “enviou todos os documentos necessários para a finalização do cadastro ao programa”, incluindo uma certidão de “nada consta” de antecedentes criminais na Sérvia (seu país de atuação em medicina) e outra, “emitida no dia 25 de julho de 2013 pela Secretaria de Segurança Pública do Governo do Estado de São Paulo”, diz a pasta.

Nesta seguinda-feira (19) , no entanto, a sérvia já estava temporariamente retirada da lista do programa. Enquanto não sair uma avaliação da PF quanto à situação da estrangeira, ela fica suspensa, disse o ministério.

Boliviano

A lista do Mais Médicos inclui ainda um boliviano com documentação pendente que teve ao menos três processos judiciais movidos contra ele, dois criminais e um civil – por exercício ilegal da medicina, homicídio culposo, e erro médico, respectivamente. Freddy Poquecho que Morales foi indicado pelo programa para trabalhar na cidade de Passos, em Minas Gerais.

A classificação como “documentação pendente” indica que documentos ainda precisam ser enviados pelo profissional para comprovar sua homologação. O G1 não conseguiu localizar o boliviano ou algum advogado dele.

Trabalho ilegal

Uma das ações, movida na 2ª Vara Judicial de Américo Brasiliense, no interior de São Paulo, aponta que o boliviano estaria trabalhando ilegalmente como médico no Pronto Socorro de Rincão, a 290 km de São Paulo, próximo de Araraquara.

A denúncia apresentada à Justiça diz que Morales "exercia a atividade de médico no Pronto Socorro de Rincão sem autorização legal (não era inscrito no CRM)", segundo documento da 2ª Vara Judicial de Américo Brasiliense. "Após ser solicitado documento que comprovasse sua capacitação técnica e o CRM, [o boliviano] nunca mais retornou ao Pronto Socorro Municipal, tomando rumo ignorado.”

O boliviano não foi encontrado pela Justiça e não constituiu advogado – por isso, o processo foi suspenso, segundo o Tribunal de Justiça de São Paulo. Caso Morales seja localizado, a ação penal voltará a ser executada e ele pode ser condenado ou absolvido, disse o TJ-SP.
O caso ocorreu em 2010 – Morales, atualmente, tem 57 anos.

Erro médico

Em outro processo, dessa vez na área civil, no qual foi condenado a pagar indenização, Morales foi acusado de erro no tratamento de uma paciente em um hospital de Porto Ferreira, no interior paulista. O boliviano prescreveu um remédio que pode ter levado a mulher à morte, de acordo com o documento emitido pela Justiça - tanto ele quanto o hospital foram processados.

Um acórdão da 7ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP, que julga um pedido de recurso do hospital, faz referência a uma perícia feita nos prontuários da paciente. Segundo a perícia, a conduta de Morales como médico “foi totalmente inadequada, sem embasamento técnico-científico e concorreu decisivamente para a morte [da mulher]”.

O hospital para o qual ele trabalhou também perdeu o processo. A indenização exigida por danos morais e materiais foi de R$ 100 mil dos dois réus – o documento da Justiça não diz se houve ou não o pagamento do montante pela instituição ou pelo médico. O G1 tentou, sem sucesso, localizar os familiares da mulher.

Homicídio culposo

Na última ação contra Morales, a Justiça o condenou por homicídio culposo. A assessoria de imprensa do TJ-SP não tinha dados sobre onde o caso ocorreu, mas ele foi registrado pelo judiciário em Jaboticabal, que fica a cerca de 80 km de Rincão. A sentença, de um ano de prisão em regime aberto, foi convertida em prestação de serviços à comunidade.

Registrado em fevereiro de 2008, o caso teve apelação dos réus – outro suspeito foi acusado com Morales. Um despacho do TJ-SP de abril de 2012 aponta que o caso deveria ter sido analisado antes de completar quatro anos, o que não ocorreu. Por isso, o crime prescreveu.

Em nota, na quinta-feira (15), o Ministério da Saúde disse que vai analisar a documentação de Morales, caso ela seja enviada, antes de validá-lo como participante do Mais Médicos.

“A validação de todos os documentos, inclusive antecedentes criminais, junto aos consulados e embaixadas é condição fundamental e irrevogável para adesão ao programa e emissão de visto e passagens aéreas pelo governo federal”, afirmou a pasta. “Caso a documentação não esteja de acordo, o Ministério da Saúde não irá validar a participação do médico no programa.”

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/08/mais-medicos-seleciona-e-depois-suspende-servia-suspeita-de-trafico.html
Estamos abrindo as portas para curandeiros e facilitando a instalação de quadrilhas internacionais de tráfico de drogas. Olhe a confusão que o ministério da saúde e seu programa "mais problemas" digo, "mais médicos" estão nos metendo... Tudo pra levar médicos para cidades onde a falta de médicos é o menor dos problemas.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Fabi em 20 de Agosto de 2013, 03:57:28
Nenhum problema, desde que eles passem na prova de revalidação. Simples assim.
Sabe é muito difícil saber o "protocolo" do que fazer com um paciente com varicela que tenha iniciado um tratamento de quimioterapia contra leucemia*. É preciso pensar/saber que quimioterapia contra leucemia destrói o lugar onde produzem glóbulos brancos, e portanto vacinas não funcionam, é preciso saber que varicela é provocada por um vírus e antibióticos não funcionam (antibióticos só funcionam com bactérias) e conhecer tratamentos modernos. Claro que as faculdades brasileiras de medicina ensinam isso mas... e as bolivianas? as paraguaias?

Mas como o Derfel disse é só questão de protocolo, nada de avaliar sintomas, pensar um pouco e saber coisas básicas. Por isso os estrangeiros não precisam do revalida, as faculdades de outros países tem protocolos diferentes, tipo receitar antibiótico para vírus e vacinar pacientes que iniciaram tratamento contra leucemia.

*Uma das questões do revalida.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 20 de Agosto de 2013, 05:24:41

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.

O problema não é o fato de supostamente as cidades menores darem mais calote, mais o estrago que um calote dado por cidades pequenas causa a mais.

Nas cidades grandes, os médicos podem ter vários vínculos em diversos locais (cidade em si e redondezas), de forma que a sua renda não dependa inteiramente da prefeitura. Em cidades muito afastadas, o médico teria sua renda inteiramente dependente da prefeitura, de forma que irá tomar no c* direitinho se levar calote.

Exato. Em uma cidade grande, normalmente o médico já está estabelecido lá, tem vários vínculos. Também toma vários calotes, mas isso não gera um prejuízo tão grande já que sua renda não depende de uma única fonte.

É uma situação muito diferente de um médico que muda para uma cidade do interior, tem gastos com transporte, aluguel de uma casa, entre outras coisas, atraído por um salário aparentemente compensador que vai ser sua única fonte de renda. E após alguns meses simplesmente quebra a cara e tudo o que resta são dívidas e prejuízos quando é obrigado a voltar sem receber um tostão.
Não concordo completamente por causa das causas que levam a um calote, que já postei aqui. E a mais frequente é o descumprimento da carga horária. Quando isso ocorre e é plotado pelos serviços de controle (CGU e DENASUS, por exemplo) há o corte de todos os recursos da saúde do município até que regularize a situação, o que leva, dependendo do município, até 1 ano (nas experiências que tive), com isso ele tem que financiar todo o sistema dele com recursos próprios do FPM. Em algum momento não vai conseguir honrar os compromissos. Existem outras causas também, mas acho que essa é a principal (e é o que aparece mais como dúvida na ouvidoria: profissional denunciando que não está recebendo e querendo saber o porquê. Quando vemos está com os recursos bloqueados).
Quanto a outras fontes de renda, o profissional pode dar plantão no município onde ele se encontra (e ocorre frequentemente) ou em municípios vizinhos, tanto em hospitais quanto no serviço de urgência. Se for perto de um centro regional ainda pode atender no sistema privado. Agora, essa é a realidade daqui (e imagino de em boa parte de outros estados), na região norte não penso ser possível isso.

Não considero calote o "corte de ponto" por não cumprimento da carga horária acordada com a prefeitura. Calote é quando alguém trabalha/vende e não recebe. Simples.


Não se trata de corte de ponto. É corte de recursos do município.  Se ele recebe 50.000 reais por mês como repasse do ministério da saúde,  passa a receber 0.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Skorpios em 20 de Agosto de 2013, 07:26:38
Os políticos daqui estão mesmo contra a  melhoria na saúde (http://wp.clicrbs.com.br/pancho/2013/08/19/blumenau-nao-contrata-medicos-estrangeiros-sem-revalida/?topo=52,2,18,,159,e159).
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 20 de Agosto de 2013, 09:26:02
Essas políticas que o Derfel tanto cita vem funcionando tão bem...
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 20 de Agosto de 2013, 09:31:43
Engraçado que o Derfel da respostas teóricas tendo todo um universo de evidências que desmentem o caráter dessas medidas e mesmo assim argumenta como se estivesse defendendo algo que não é notoriamente uma porcaria. Teoria em detrimento da realidade. Nossos funcionários públicos e políticos são pródigos disso.

Derfel o SUS esta aí,  é a porcaria e roubo que vemos todos os días,  o dia todo. Recomendo que você é seus pares façam alguma coisa para perceber o que está diante de seus olhos,, tente a projeciologia, vai te dar uma visão mais clara da realidade que a sua.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Moro em 20 de Agosto de 2013, 09:36:51
Se apenas os serviços de backoffice do SUS (folha, agendamento, aprovações, contabilidade, planejamento, finanças, agendamentos,  etcc)  fosse centralizado, unificado e terceirizado, já haveria recursos MUITO maiores do que os que temos hoje.

Mas os médicos "gestores"  nem cogitam ou entendem isso.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 20 de Agosto de 2013, 09:47:08
O sempre excelente Hélio (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/08/1320978-cor-ou-raca.shtml) Schwartsman (https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&ved=0CC4QFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Fcolunas%2Fhelioschwartsman%2F777922-os-ateus-e-o-mal.shtml&ei=0RARUqL2GJOA8gT_qIGQDQ&usg=AFQjCNG2fbOBmdflIs0UEaJtu62OHLLm-A&sig2=P1k9w3siQ73MeUP4QQ5u7w&bvm=bv.50768961,d.eWU) (maldito sobrenome que eu sempre tenho que dar ctrl+c ctrl+v) falou ontem na coluna dele sobre o tema.


Citar
Menos médicos (http://www1.folha.uol.com.br/colunas/helioschwartsman/2013/08/1327856-menos-medicos.shtml)


SÃO PAULO - É preciso muito otimismo ou então estar em campanha eleitoral para deixar de qualificar a primeira fase do Mais Médicos como um fracasso. Segundo o próprio Ministério da Saúde, foram habilitados para atuar no programa 1.618 profissionais, o que corresponde a apenas 10,5% da demanda apresentada pelos municípios. O que fazer para resolver o problema?

Comecemos pelo que não fazer e saudemos a sabedoria do governo por ter recuado da esdrúxula ideia de ressuscitar uma corveia feudal, pela qual todos os formandos em medicina estariam obrigados a trabalhar por dois anos para o SUS. Numa sociedade livre, as pessoas têm o direito de escolher onde vão morar e de aceitar ou rejeitar contratos de trabalho.

Restam, assim, as chamadas soluções de mercado. Elas são, em princípio, duas. Ou elevamos os salários até que o profissional se disponha a atuar nas áreas prioritárias, ou produzimos médicos em quantidades tais que eles aceitem ir pelo valor que as autoridades oferecerem. Nenhuma das duas é boa.

A primeira tem seu limite nos caixas das prefeituras e na Lei de Responsabilidade Fiscal. A segunda, além de demandar tempo, tende a achatar o salário de médicos, desorganizando ainda mais o sistema.

O caminho, creio, é atuar no nível da regulação e repensar os modelos. Se não querem trazer os cubanos, muito bem, podemos autorizar enfermeiros que atuem em regiões onde não há médicos a prescrever e realizar certos procedimentos.

Uma tese defendida pela revista "The Economist", com a qual concordo, é a de que, no futuro, devido ao envelhecimento da população e ao aumento da prevalência das doenças crônicas, vai ser economicamente inviável formar tantos médicos quantos seriam necessários pelos padrões do século 20. Isso exigirá ampliar as responsabilidades de outros profissionais da saúde, reservando o médico para casos de maior complexidade.

É significativo que ao mesmo tempo que estamos discutindo o programa Mais Médicos tenhamos uma pressão tão grande (em parte já ganha por eles) da categoria em questão pelo tal Ato Médico que é exatamente o oposto do que o Hélio propõe. Mas ao contrário dele, eu acho que a melhor solução a longo prazo seja sim a ampliação muito significativa da oferta de vagas nas faculdades de medicina, sobretudo nas públicas.

Qual parte já foi ganha em relação a regulamentação do ato médico?  As entidades médicas dizem que "fomos" derrotados com os vetos da Dilma.

Acho que o grande medo difuso é uma redução da capacidade intelectual/profissional dos médicos se oferta de vagas nos cursos for ampliada. Acreditamos que os médicos que temos são o supra-sumo da inteligência, da capacidade de raciocínio e do conhecimento e que em nenhuma outra profissão dependemos tanto de um controle severo quanto a isso: da decisão de um médico depende diretamente a vida, um indivíduo não muito inteligente/culto expõe o paciente a risco de vida e por isso só os que foram comprovadamente geniais durante todo o processo educacional pré-graduação devem ser aceitos na medicina. O resto que vá fazer enfermagem.
É um fenômeno mundial, e tem a ver com  a tal lei da oferta e da procura.  Por N razões é maior a relação candidato vagas para medicina, então o processo de seleção acaba sendo mais estreito.  É assim no Brasil e em quase todos os lugares do mundo.

É basicamente este o argumento implícito (nem tanto) da classe para garantir sua grande (ou melhor, pequena) reserva de mercado (diretamente resultante do reduzidíssimo número de vagas universitárias)

E nem é que seja nada absurdo, em linhas gerais até que é bonitinha a lógica: realmente eu não quero um semi-analfabeto que passou na cagada e de raspão em um vestibular frouxo e que concluiu o curso mal e porcamente tendo que repetir a maior parte das disciplinas e passando de raspão na segunda vez fazendo meu diagnóstico diferencial entre câncer no estômago e dispepsia funcional (doenças com sintomas iniciais quase idênticos mas que exigem cuidados diametralmente opostos) caso eu esteja numa situação assim; ou como disse o Parcus, decidindo se vai me prescrever um antibiótico para combater o tipo de bactéria que causa amigdalite ou o que causa gonorréia (se não forem os mesmos, sei lá :) ). É óbvio que tanto a bagagem de conhecimento acadêmico (inclusive aquele obtido nos ensinos fundamental e médio) quanto a inteligência inata do indivíduo devem ter um bom papel na maior ou menor capacidade de um médico fazer diagnósticos rápidos e precisos ou escolher terapias eficazes. Se é pra escolher eu também prefiro um que tenha passado entre os 100 primeiros no geral da UNB e que tenha tido desempenho exemplar, se formando cum laude.
Não sei bem se o termo reserva de mercado se aplica.  Aqui no brasil temos mais de 11.000 médicos formados anualmente, muito egressos de faculdades privadas onde a seleção é mais "light" pois o fator financeiro conta bastante, os cursos são muito caros.  Até muito recentemtne o controle sobre a a bertura de cursos de medicina era o mais frouxo possível, não ´ea toa que o Brasil possui um número gigantesco delas (mais queo s EUA).

Um problema é que ao contrário do que intuitivamente enxergamos, isto não é tão diferente de qualquer outra área, tirando, talvez, as humanas. Um engenheiro ou um geólogo mal formado podem colocar em risco a vida de milhares de pessoas que utilizam determinado estádio, um biomédico mal formado pode zoar com os resultados dos exames fazendo com que o médico que me atenda continue dando diagnósticos furados mesmo fazendo a sua parte toda certinha, farmacêuticos mal formados podem cometer equívocos na formulação de suas pílulas levando a intoxicação ou ineficácia, engenheiros eletrônicos podem produzir celulares que explodem no meu bolso. Na verdade esta intuição que temos de que a profissão do médico especificamente é mais "crítica" eu acho que tem muito a ver com nossa tendência a acreditarmos, por exemplo, que o ônibus sempre demora mais quando estamos atrasados.
O fato de lidarmos diretamente com a saúde, e a irreversibilidade de de algumas decisões médicas fazem esse diferencial.

Erros médicos podem levar à morte, erros de engenharia podem levar à morte, erros na composição química de medicamentos e alimentos podem levar à morte. Só que os erros médicos são mais diretamente observados. Se baseado nisso os cursos de Engenharia e Farmácia sofressem as mesmas limitações impostas pelo CFM e se discutíssemos coisas como o Ato Farmaceutico ou o Ato Engenheiro estaríamos numa situação muito complicada no que diz respeito à oferta de serviços que dependam destas profissões também.
quais limitações são impostas pelo CFM aos cursos de medicina?  E a área de atuação da maioria das profissões édescrita por lei.  Só profissionais de enfermagem podem aplicar medicações endovenosas, só farmacêuticos podem ser responsáveis por farmácias, etc...  Eu não posso assinar como respnsável pro uma obra, logo o CREA está impondo limites indevidos e criando reserva de mercado?

Por outro lado (e ainda que eu venha admitir que as comparações são impróprias, que não se pode comparar proporcionalmente o peso do trabalho de um engenheiro com o de um médico, e talvez não se possa mesmo, no risco difuso com que estão relacionados) há outro detalhe: as manipulações protecionistas em relação à profissão médica não têm garantido nem de perto o modelo ideal que está implícito no "argumento" mais acima. Se garantissem nós não teríamos a quantidade de médicos que prescrevem tratamentos alternativos como auriculoterapia, que fazem pós em homeopatia, eu não teria ouvido dia desses de uma médica que trabalha lá no posto que "hoje em dia só morre de câncer quem não luta, quem se entrega à doença" (num contexto em que, durante um bate papo informal, uma auxiliar de enfermagem comparava as diferenças de sobrevida de dois parentes: um morto seis meses após o diagnóstico e outro vivo e curado após ter enfrentado um CA 15 anos antes) e não teríamos tantos médicos diagnosticando virose a qualquer paciente que apareça com dores articulares e febre e hematócritos e plaquetas sem alterações.

Idealizamos que para ser médico o sujeito tenha que ser gênio e em função disso tomamos uma série de medidas protecionistas e, depois, em função de termos tomados estas medidas, assumimos que esta idealização é verdadeira. Arcamos com os custos de uma política especial em relação à profissão e não recebemos nem de longe os benefícios prometidos, num ciclo vicioso.
Existem muitos profissionais ruins, assim como nas outras profissões, em parte pela falta d emecanismos de controle externos e internos (aí os CRMs tem sua parcela de culpa) assim como a falta de controle sobre a formação médica (a culpa nesse caso é amior do governo).

Acredito fortemente que se o número de vagas (especificamente nas universidades públicas) para as faculdades de medicina duplicassem ou triplicassem até teríamos ganho quanto à competência média dos profissionais (já que haveria disputa na carreira, é um dos aspectos perversos do mercado altamente reservado, faz com que até o médico mais relesmente formado seja muito bem situado no mercado de trabalho: nas demais profissões é comum haver uma peneira ou pelo menos uma estratificação pela qualidade de formação, os piores formados são contratados no máximo para cargos auxiliares, dificilmente passam em concursos...)

Na medicina o cara se forma com CR 4 na Estácio de Sá ou na Gama Filho e passa num concurso para exercer a chefia da UTI pediátrica de um grande hospital público (como único candidato). Acho que se as públicas ampliassem significativamente o número de vagas a carreira ainda continuaria sendo atrativa o suficiente para ter as melhores notas (e, por pressuposto, os melhores alunos) destas universidades e de quebra aumentaria a disputa na profissão, melhorando a qualidade geral do serviço porque pelo menos aquela (enorme) fatia dos profissionais que entraram na carreira apenas pelo pai ter os 3 mil reais de mensalidade ao mês para pagar à Universidade Pagou Passou do shopping mais próximo e não pelo desempenho espetacular num vestibular disputadíssimo encontrariam concorrência.
Já existe essa peneira no mercado, os melhores profissionais de maneira geral estão na iniciativa privada pois a remuneração e condições de trabalho são melhores.  Mesmo se se formassem mais médicos ainda assim teríamos os melhores nos mesmos lugares.
Outro ponto é a dificuldade de se formarem mais (bons médicos), atualmente o sistema de formação já se encontra  a beira do colapso (problema crônico), e ao contrário do que o governo pensa não é possível aumentar rapidamente o número de vagas nas universidades públicas nos moldes tuais e manter a (pouca0 qualidade existente - mas como não a preucupação com a qualidade....

No meu palpite os principais resultados (positivos ou negativos) gerais seriam:

I - aumento da disponibilidade de profissionais para atender as classes mais baixas e lugares mais distantes, redução de tempo de espera no plano de saúde, ou seja: o óbvio.
Não, o que determina na maioria das vezes a demora no atendimento dos planos de saúde é a restrição da dita "rede credenciada".  SO planos de saúde credenciam poucos médicos para criarem um gargalo no atendimento e com isso poupar gastos

II - redução dos esquemões no serviço público de saúde com médicos assinando ponto 5 dias em 2, ou 3, ou 4 unidades diferentes e trabalhando efetivamente 1 dia, 1 dia e meio, 2 dias no máximo, em cada. (No serviço público estes esquemões são generalizados, mas na saúde eles são maiores e são puxados pelos médicos. O médico chega na unidade para se apresentar porque acabou de passar num concurso e já bate na mesa e diz que só vai trabalhar 2 dias, aí o enfermeiro vem atrás e bate na mesa também: se ele só trabalha 2 eu só trabalho 3 e daí se forma o ciclo, se o poder dos médicos em autodefinir a própria carga horária diminui o ciclo se enfraquece: tanto é que em outros setores, como a educação, a coisa não funciona assim tão descaralhada).
Isso passa por modificações profundas no serviço público, incluindo as questões de gestão e gestão de pessoal.  Você pode hoje num passe de mágica dobrar o número de médicos no serviço público que eu afirmo que o esquemão vai continuar.

III - redução da renda média da categoria mas não o suficiente para deixar a profissão pouco atrativa (é a profissão oficialmente mais bem paga e com maior índice de empregabilidade do país, a pauta que dá origem a este tópico revela que mais de 99% da classe rejeita oportunidades de trabalhar sob uma remuneração de 10, 15 mil reais, só disso dá bem pra deduzir que precisa de muita coisa para torná-la pouco atrativa como os órgãos da classe fazem propaganda).
A maior parte dos meus colegas mantém essa boa remuneração com jornadas semanais em torno de 60 horas.
Existe uma demanda reprimida muito grande, não acho que vá cair a remuneração como alrdeado, mesmo importando médicos ou aumentando o número de formandos.

IV - aumento da eficiência geral do serviço pelo surgimento de algum nível, mesmo que incipiente, de concorrência e meritocracia no mercado de trabalho.
Já existe, vá nosmelhores hospitais e laá encontrará os melhors médicos, vá nos piores e...


P.s. 1 :Quanto ao tema específico do tópico, não acho uma péssima ideia importar médicos como solução imediatista visto que nosso problema imediato parece ser mesmo a falta deles (não a falta de fato, talvez o número de médicos até seja suficiente, mas a forte reserva de mercado acaba criando um cenário de falta aparente ou aparentemente maior).
Novamente, a questão não é ipmortar médicos, é a revalidação dos diplomas.  Além do que é um fenomeno mundial, as pessoa ssaem do seu país atrás de coisas melhroes, a maioria dos médicos que virão para cá vem de países com conjunturas ou estruturas piores que nós.


P.s. 2 : Não, se tem uma profissão que nunca mesmo passou na minha cabeça exercer foi a medicina. A agonia humana é uma coisa com a qual acredito que nunca aprenderia a lidar bem. ,)
Não fiz pediatria por conta isso  :'(
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 20 de Agosto de 2013, 10:57:50
Os políticos daqui estão mesmo contra a  melhoria na saúde (http://wp.clicrbs.com.br/pancho/2013/08/19/blumenau-nao-contrata-medicos-estrangeiros-sem-revalida/?topo=52,2,18,,159,e159).
O Mais Médicos é por adesão, não imposição. O município deve aderir e solicitar o profissional para que ele vá ao município, portanto é desnecessário o decreto e ilegal, já que ele não pode se sobrepor a uma lei federal.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 20 de Agosto de 2013, 11:02:54
Engraçado que o Derfel da respostas teóricas tendo todo um universo de evidências que desmentem o caráter dessas medidas e mesmo assim argumenta como se estivesse defendendo algo que não é notoriamente uma porcaria. Teoria em detrimento da realidade. Nossos funcionários públicos e políticos são pródigos disso.

Derfel o SUS esta aí,  é a porcaria e roubo que vemos todos os días,  o dia todo. Recomendo que você é seus pares façam alguma coisa para perceber o que está diante de seus olhos,, tente a projeciologia, vai te dar uma visão mais clara da realidade que a sua.

Agnóstico, são momentos diferentes. Existem muitos problemas com o MS e na relação com os estados, existem muitos problemas com o SUS, problemas comuns a todos e problemas locais (e mais e diferentes dos que são simplesmente colocados aqui). Acho que ninguém deixa de reconhecer isso. Isso é um ponto. Outro ponto é dizer que tudo é uma porcaria e uma roubalheira. Quando estou defendendo, estou contra a esse tipo de posicionamento.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Derfel em 20 de Agosto de 2013, 11:15:27
Se apenas os serviços de backoffice do SUS (folha, agendamento, aprovações, contabilidade, planejamento, finanças, agendamentos,  etcc)  fosse centralizado, unificado e terceirizado, já haveria recursos MUITO maiores do que os que temos hoje.

Mas os médicos "gestores"  nem cogitam ou entendem isso.
O problema, Agnóstico, é você não entender o sistema. Ele é municipalizado e possui gestão local. Muitos recursos ainda são descentralizados direto para as unidades e grande parte é terceirizado, o que varia de estado a estado, de município a município. A folha, por exemplo, das  UBS, UPAS e hospitais, por exemplo, podem ser feitas por fundações, OS, cooperativas e outras empresas de pessoal. O agendamento é um nível bem local e, dependendo da unidade e, novamente, do ente, é feito também por uma empresa terceirizada e por aí vai. Empresas terceirizadas é o que não falta.
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 20 de Agosto de 2013, 11:27:25


Citar
Equivoca-se companheiro Juca.
1- Não é apenas os CRMs que são contra, também são todos as outras entidades médicas, incluindo aí os sindicatos que pasmem os senhores, são majoritariamente de "esquerda" e muitos com vínculos estreitos com o PT.

Isso só reforça o meu argumento de que antes de tudo a defesa da classe contra a importação de profissionais parece ser de cunho puramente corporativista.
Não, isso só é um contraponto ao argumento ideológico contrário a vina dos cubanos.

Ademais, eu não faço ligação partidária ideológica da questão, como alguns defensores da argumentação contrária. Pra mim é simples, falta profissional, qual o problema em importá-los?
Ocncordo ue num forum com esse acabamos por simplificar as coisas.  Concordo também que uma das soluções para um problema de escasses de qualquer coisa é a importação, o que não necessariamente significa que é a melhor.  Porém mais importante é antes de adotarmos uma decisão (importar médicos) é entender o porquê que faltam médicso.

Citar
2- A criação de uma carreira de estado é uma das propostas (defendidas há muito tempo) para melhorar o défcit de médicos no interior, é defendida pela maioria das entidades médicas há muito tempo.  Então afirmar que não se mostra um caminho viável não é correto.

Ok, mas exatamente como uma carreira de estado mudaria a questão para o interior do Brasil, e mais, como isso resolveria um caso de extrema urgência, que demanda profissionais nesse momento.
Organiza-se um concurso público, quem passasse deveria começar trabalhando no interior, assim com ofunciona nas outras carreiras de estado (CGU, Procuradores, juízes, etc...)

Citar
3- As razões da dificuldade da interiorização são múltiplas, mas algumas peculiares ao nosso país.  Como o Derfel pode lhe explicar o SUS tem administração mnicipalizada.  Os municípios desses grotões costumam pagar bem utilizando de artifícios para burlar as leis trabalhistas (tercerização), sem utilizar concursos públicos, além de o calote ser frequente

Mas a municipalização vale para os grandes centros e as pequenas cidades, não é verdade? E os problemas decorrentes do gerenciamento público não me parecem se diferenciar os grandes  centros contra os  pequenos no que diz respeito ao repasse dos municípios e à qualidade dos gestores, podemos ver bons e mal exemplos talvez sem muitas diferenças. Posso estar enganado, mas seria bom alguma referência de cunho não anedótico que mostrasse que pequenas cidades dão calotes em seus médicos numa proporção maior que nas grandes.
Como já foi dito aqui é muito diferente tomar um calote na cidade onde você mora, e onde você provavelmente tem outras fontes de renda e numa cidade para qual você mudoue é a única fonte de subsistência

Citar
Sugiro, a título de esclarecimento, pesquisar quanto se paga a médicos aprovados em concurso público - vou lhe ajudar, aqui no Rio é entre 1200 a 1800 de salário base inicial.

É mais ou menos a base inicial no Estado de SP, com teto chegando a 15000. E vou lhe dizer uma coisa, dado o custo de vida nos grandes centros, o salário nas pequenas cidades pode render até uns 50% mais que nas grandes, isso não mostra porque médicos não vão aos recantos do Brasil.
Sim, mas como  eu falei a dificuldade de interiorização é multifatorial.  Ademias esses salários grandiosos pagos no interior na maioria das vezes são dados a título de precarização da relação tabalhistas.

Citar
Além disso temos vários lugares que o problema maior é a violência, como as periferias das grandes cidades.  Esse eu acho um problema que é subestimado nessas discussões, tem lugares que ficam com fama de violentos e ninguem quer trabalhar la (com razão).
Vou lhe contar um historia:  Há alguns anos tercerizaram um Hospital aqui no rio (Hospital da Posse em Nova Iguaçu), que nem é tão barra pesada assim.  Num plantão chegou uma criança grave, que acabou falecendo.  A pediatra, que era uma boa médica e que fez de tudo para salvar a criança, foi dar a noticia para os pais.  A mãe desabou em lágrimas, e o pai falou que ia em casa pegar um revolver e voltar para matar a medica "que tinha matado meu menino".  fomos então ao chefe da segurança. PM fazendo bico.  O mesmo nos falou que 'nesa área se o cara falou que voltava e que vai voltar" e  que não tinha como garantir a segurança da médica.  Ela foi embora, e uma meia hora depois o pai voltou armado, brandindo o revolver na emergencia atras da medica. 
De coração, essa historia e branda perto do que eu ja ouvi, e ja presenciei.

Esse é um problema grave, mas até onde isso pode ser generalizado? Até onde a violência pode forçar toda uma classe médica a se concentrar em "bastiões" de segurança pessoal e ou financeira?
É uma realidade, por isso lugars próximas aos grandes centros não preenchem vagas, mesmo pagando mlehor (as vezes)
Título: Re:Brasil trará 6.000 médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Enviado por: Osler em 20 de Agosto de 2013, 11:35:35
Aliás, aproveitando o ensejo, gostaria de perguntar ao companheiro Juca o que ele acha da minha citação:

"Historicamente eu e o PT  somos contra todo tipo de tercerização do serviço público, contra medidas que burlem as leis trabalhistas vigentes, a favor do serviço público universal e de qualidade, a favor da contratação de aprovados em concurso público, da valorização desses funcionários, etc.."

PS- eu falei historicametne, hoje acredito que tercerização de atividades não-fins são aceitáveis, e de atividades fins dicutíveis.

Não sei te responder sobre isso, porque não estou olhando o caso sobre o espectro politico partidário.
heheh, que isso COmpanheiro?  :lol:  Pode abrir seu coração :hihi:
Apenas dê sua opinião, você concorda ou não com a contratação de indivíduos para exercer cargos de atividade fim "burlando" a legislação trabalhista?

Inclusive, acho que o governo demorou muito para acordar para a situação, que já vem se arrastando há muitos anos. Se houvesse um planejamento no mínimo cuidad