Forum Clube Cetico

Discussões => História, Sociedade, Comportamento e Filosofia => Tópico iniciado por: Georg Hagedorn em 21 de Setembro de 2014, 19:39:20

Título: Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Georg Hagedorn em 21 de Setembro de 2014, 19:39:20
Olá, sou novo no Fórum.
 
Algumas pessoas dizem que o Islã irá dominar o mundo daqui em algumas décadas, mas será que isso é verdade? Criei o tópico para discutir se o Islamismo irá realmente dominar a Europa em algums anos ou o mundo como dizem.

Citar
O “Tratado para Recrutamento de Trabalhadores Turcos” (Abkommen zur Anwerbung türkischer Arbeitnehmer) foi gestado num cenário em que a Alemanha enfrentava forte escassez de mão de obra. O problema foi constatado já no início dos anos 50, quando o alto número de mortos e prisioneiros da segunda guerra tornou-se um entrave para a reconstrução da economia do país.

No início, parte da demanda por trabalhadores na Alemanha Ocidental, ocupada pelos Aliados, foi suprida por pessoas vindas da Alemanha Oriental e de outros países do Leste europeu, como Polônia e Hungria. Com a construção do muro de Berlim, porém, o fluxo foi interrompido, exatamente no momento em que a indústria de mineração e siderurgia florescia na região do Ruhr, no oeste do país. Em Berlim, também faltaram trabalhadores para serviços de baixa qualificação, como limpeza de ruas e construção civil.

A solução encontrada foi firmar acordos migratórios com outros países europeus, como Itália, Espanha e Turquia.


Se a própria Alemanha necessitava de mão de obra e permitiu imigração Turca no seu país como eles poderiam ter "invadido" a alemanha?


Citar
Hoje, a comunidade turca na Alemanha conta com cerca de 2,7 milhões de pessoas. Em alguns bairros de Berlim, eles chegam a ser maioria. Apesar de muitos estarem completamente adaptados à vida aqui, os dados mostram que para outros as diferenças ainda estão longe de ser superadas. O percentual de migrantes turcos que terminam a escola é significativamente menor do que entre estrangeiros de outras nacionalidades. O desemprego é outro problema que atinge o grupo com mais força. E a religião, muitas vezes, continua sendo motivo para conflitos.

Citar
De acordo com dados divulgados pelo Departamento Federal de Estatística da Alemanha nesta quinta-feira (05/04), cerca de 6,93 milhões de pessoas com cidadania exclusivamente estrangeira viviam na Alemanha no final de 2011 – 177.300 a mais do que no ano anterior. O crescimento de 2,6% foi o maior dos últimos 15 anos.
A maior parte dos imigrantes, 88%, vêm dos Estados-membros da União Europeia (UE), especialmente do Leste. "Os números elevados se devem, naturalmente, ao fato de que a liberdade de circulação entrou em vigor para os novos Estados da UE no ano passado", diz Ilona Riesen, do Instituto da Economia Alemã em Colônia (IW, na sigla em alemão).
Com exceção da Romênia e da Bulgária, a liberdade de circular vale para todos os parceiros da Alemanha na UE. É particularmente evidente o aumento de cidadãos da Polônia e da Hungria.

A maior parte dos estrangeiros é da União Europeia.   

Citar
Quanto a cerimônias ou eventos religiosos, mais de um terço diz frequentá-los com assiduidade, enquanto a maioria declara comparecer raramente ou nunca. Neste ponto, as mulheres são menos assíduas que os homens. Mesmo assim, a reivindicação por aulas de religião islâmica é forte, tendo sido manifestada por 76% dos entrevistados.

Quanto ao uso do véu islâmico, um assunto controverso na Alemanha, 70% das mulheres muçulmanas afirmam não ter esse hábito. A diferença entre a primeira e a segunda geração não é grande nesse caso, embora um quarto da muçulmanas da primeira geração de imigrantes sempre usem o véu.

A maioria dos filhos de muçulmanos deixa de seguir os costumes pela influência ocidental.

http://www.ufjf.br/ladem/2011/04/06/50-anos-de-imigracao-turca-na-alemanha/
http://www.dw.de/aumenta-n%C3%BAmero-de-imigrantes-na-alemanha/a-15863131
http://www.dw.de/mu%C3%A7ulmanos-da-alemanha-s%C3%A3o-mais-numerosos-e-integrados-do-que-se-pensava/a-4421284[/size]
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 21 de Setembro de 2014, 19:40:33
Não precisa/não é indicado aumentar o tamanho da fonte para todo o texto.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Georg Hagedorn em 22 de Setembro de 2014, 20:51:12
Citar
O número de muçulmanos crescerá 35% nos próximos 20 anos

Segundo as previsões de um estudo publicado pelo Fórum sobre Religião e Vida Pública, do Pew Research Center, um grupo de especialistas americanos informa que a população mundial muçulmana crescerá aproximadamente 35% nos próximos 20 anos, passando de 1 bulhão e 600 milhões de muçulmanos, em 2010, para  2 bilhões e 200 milhões, em 2030.

Segundo esse estudo, nas próximas duas décadas, a comunidade muçulmana crescerá com o dobro da velocidade, aproximadamente, que a população não muçulmana: a um ritmo médio de 1,5% anual, frente a 0,7%, respectivamente.

Se essa tendência se mantiver, os que professam o Islã representarão, em 2030, 26,4% dos habitantes do mundo. No ano passado, 23,4% dos habitantes do mundo eram muçulmanos.

O estudo explica esse aumento pela relativa alta taxa de natalidade dos muçulmanos, pela grande quantidade de muçulmanos que está em idade fértil e pelo aumento da expectativa de vida nos países onde são maioria.

Contudo, o número de muçulmanos aumentará em um ritmo mais lento que o registrado nas últimas décadas. Entre 1990 e 2010, esse setor da população mundial cresceu a um ritmo anual médio de 2,2%, enquanto que, daqui a 2030, calcula-se que será de 1,5%.

Outros dados contidos no informe “O futuro da população muçulmana mundial” afirmam que o Paquistão superará a Indonésia como o país com a maior quantidade de muçulmanos; que, nos Estados Unidos, o número de muçulmanos vai mais que duplica e que quase um quarto da população de Israel professará o Islã.

França e Bélgica terão mais de 10%

Com relação à Europa, o estudo destaca que a França e a Bélgica terão mais de 10% de muçulmanos, e que, na Suécia, representarão 9,9% da população. Mesmo assim, o estudo insiste que nenhum país europeu caminha para ser de maioria muçulmana e prognostica que, dentro de 20 anos, haverá cerca de 8% de fiéis de Alá em todo o continente.

A Espanha recebeu 70 mil imigrantes muçulmanos em 2010, mas eles eram só 13,1% do total de imigrantes que chegaram nesse ano. Essa porcentagem mostra as diferenças com outros países europeus, como a França, onde 68,5% dos imigrantes recebidos eram muçulmanos. No Reino Unido, o número foi de 28,1% dos novos imigrantes.

Por último, o estudo do Pew Research Center indica que, apesar do rápido crescimento do Islã, parece que o Cristianismo seguirá sendo a religião que predomina no mundo nas próximas décadas. Atualmente, há mais de 2 bilhões de cristãos, que representam entre 30 a 35% da população mundial.

Os Muçulmanos tem se reproduzido muito, para pará-los deve se ter algum conflito interno ou outro fator. Há tantas vertentes do Islamismo que acho díficil eles se juntarem como uma força em massa. 



 

Citar
Transição demográfica nos países islâmicos, artigo de José Eustáquio Diniz Alves



Existem diversos vídeos na Internet afirmando que há uma explosão da população muçulmana no mundo e que o crescimento do islamismo ameaça principalmente os países ocidentais e cristãos. Vejamos a realidade dos dados mais recentes, com base no site da divisão de população da ONU (disponível em: http://esa.un.org/unpp/) e do artigo Changes in Fertility Rates Among Muslims in India, Pakistan, and Bangladesh, de Eric Zuehlke (disponível em: http://www.prb.org/).

 

O percentual de muçulmanos no mundo está previsto para atingir um quarto da população mundial até 2020. O maior crescimento das populações muçulmanas decorre de uma transição demográfica iniciada com uma defasagem temporal em relação, não só aos países desenvolvidos, mas também em relação aos países em desenvolvimento, como o Brasil.

 

Considerando 46 países com população majoritariamente muçulmanas, a Taxa de Fecundidade Total (TFT) estava, em 1950, acima de 7 filhos por mulher em 25 deles, entre 6 e 7 filhos em 17 países e entre 5 e 6 filhos em 4 países. Este quadro tinha mudado pouco até 1980-1985. Contudo, a partir de 1985, a fecundidade começou a cair em praticamente todos os países os países muçulmanos (as exceções são apenas Somália, Afeganistão e Yemen). Em 2008, 21 países tinham taxas de fecundidade igual ou abaixo do nível de reposição (2,1 filhos por mulher) que é o número necessário de filhos para manter a população estável no longo prazo. Fecundidade abaixo de 2,1 filhos por mulher signifca que a população vai decrescer no longo prazo.

 

O caso da Indonésia é ilustrativo. O maior país muçulmano – e o quarto maior do mundo – tinha uma população de 77 milhões de habitantes em 1950, chegou a 230 milhões em 2009 e deve atingir 288 milhões em 2050. Mas a TFT já se encontra em torno de 2,1 filhos por mulher atualmente e deve ficar abaixo do nível de reposição na próxima década. Portanto, a população cresce devido à inercia demográfica, ou seja, a população aumenta porque a estrutura etária é jovem e a percentagem de idosos é baixa, mantendo uma diferença positiva entre a taxa de mortalidade e de natalidade. Mas a medida que a população envelhecer o crescimento populacional vai desaparecer. Os dados mostram que a população da Indonésia crescia a 2,3% ao ano no quinquenio 1970-75, caiu para 1,2% entre 2005-10 e deve ter crescimento zero no quinquenio 2045-50. Na segunda metade do século XX deve haver decrescismo populacional no país.

 

Mas cabe ao Irã o recorde na rapidez da transição demográfica. A TFT encontrava-se em torno de 7 filhos por mulher até o quinquenio 1960-65. Caiu para 6,4 filhos em 1970-75 e voltou a subir para 6,6 filhos em 1980-85, logo após a revolução islâmica, liderada pelo aiatolá Khomeini. Porém, entre 1985-90 e 2000-05 a fecundidade caiu para 2,1 filhos por mulher, transformando a transição da fecundidade do Irã na mais rápida ocorrida no mundo. O Brasil, por exemplo, gastou 40 anos para fazer a mesma transição que o Irã fez em 15 anos. A população do país continua crescendo pelo efeito da inércia demográfica, mas também deve apresentar crescimento zero na metade do século XXI, para depois iniciar um declínio progressivo.

 

Estes dois exemplos mostram que os países muçulmanos também passam pela transição demográfica, só que esta transição começou mais tarde em relação à maioria dos países do mundo. Por isto a população nestes países cresce mais do que nos demais. Alguns países que ainda tem altas taxas de fecundidade – como Somalia, Afeganistão e Yemen – são países muito pobres, com baixo nível de educação formal e com alta segregação das mulheres. Outros países não-muçulmanos, mas com as mesmas características (isto é, pobres e com baixo nível de desenvolvimento) também possuem alta fecundidade, como Uganda (41.9% católicos e 42% Protestantes) e Burundi (62% católicos, 5% protestantes e 23% crenças locais).

Foi a única fonte que encontrei desmentindo a alegação que os Muçulmanos serão maioria em algumas décadas. Creio eu que eles poderão virar um movimento popular bastante perigoso para esses países. A imigração em peso aos países é complicada, eles podem optar por ter filhos em peso, aí é questão de tempo Eles não vão conseguir manter esse ritmo de filhos por muito tempo, creio eu. Os países da Europa devem ficar atentos a isso. Há inclusive uma cidade da Europa em que 1/4 da população é Muçulmana, Bruxelas. 

http://amaivos.uol.com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_Canal=38&cod_noticia=16958
http://www.ufjf.br/ladem/2010/04/13/transicao-demografica-nos-paises-islamicos-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Cumpadi em 22 de Setembro de 2014, 23:07:14
Acho que em termos de religião, o que ocorre é que as famílias imigrantes vão perdendo a sua religiosidade ao longo das gerações. Não necessariamente se tornam ateus, mas sua crença vira algo bem mais inócuo que a religião original. Nada de preocupante, inclusive, pela minha experiência são os cristãos que são invasivos/ querem converter todo mundo, não mulçumanos/indus/etc.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Cumpadi em 22 de Setembro de 2014, 23:09:22

Foi a única fonte que encontrei desmentindo a alegação que os Muçulmanos serão maioria em algumas décadas. Creio eu que eles poderão virar um movimento popular bastante perigoso para esses países. A imigração em peso aos países é complicada, eles podem optar por ter filhos em peso, aí é questão de tempo Eles não vão conseguir manter esse ritmo de filhos por muito tempo, creio eu. Os países da Europa devem ficar atentos a isso. Há inclusive uma cidade da Europa em que 1/4 da população é Muçulmana, Bruxelas.
Há uma cidade na Nova Zelândia em que metade dos habitantes são brasileiros... em teoria é um perigo bem maior.  :hihi:

E se você puder parar de negritar tudo eu agradeceria.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 23 de Setembro de 2014, 01:53:02
Tem coisa relacionada, argumentação provavelmente de ambos os lados, nesse tópico:


"Medos da "Eurábia": até que ponto a Europa pode suportar Alá?"
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=21977

Não lembro o quão específico acaba sendo, apesar do enunciado.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Georg Hagedorn em 23 de Setembro de 2014, 15:12:31
Tem boas informações nas primeiras páginas.

Presumo que pode haver alguma rebelião dos radicais muçulmanos, mas nada global e que não dê para controlar. Não acho que países como a Alemanha vão deixar sua potência na mão dos radicais muçulmanos. A não ser que a gente entre em supostas teorias da conspiração onde certos países financiem os radicais para gerar uma guerra.

Citar
Rússia reconhece que fornece armas à Síria
O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov, reconheceu, esta terça-feira, oficialmente que a Rússia continua a fornecer armas ao regime sírio, mas sublinha que elas não são utilizadas nos combates contra a oposição.
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=2275058
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 02 de Outubro de 2014, 02:32:38
https://www.youtube.com/v/6ibKWVTFSak
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Jack Carver em 09 de Setembro de 2015, 16:30:12

https://www.youtube.com/v/v6iBzef-qGc

Rallá UakBah!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Geotecton em 09 de Setembro de 2015, 17:38:37
Em que país foi feito este vídeo?

Espero que o Pasteur o veja e explique o seu conteúdo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 09 de Setembro de 2015, 18:17:25
Em que país foi feito este vídeo?

No mesmo país em que um lindo loiro radical cristão de direita matou 77 pessoas, muitas muçulmanas.

Espero que o Pasteur o veja e explique o seu conteúdo.

Pois não meu caro Geotecton

Não posso provar, mas tenho a mais absoluta certeza que muitos muçulmanos noruegueses foram levados a levantar as mãos por uma questão de temor a represálias de algum radical maluco ou por motivo de constrangimento.

Se lá na Noruega há tantos radicais assim, ou "normais" como diz o Sheik, seria de esperar pelo menos alguns atentados contra gays praticados pela comunidade muçulmana, ou algum apedrejamento ilegal, enfim, algo contra a lei norueguesa, mas a favor da lei divina.

Quanto ao Sheik é óbvio que eu defendo uma deportação se ele for estrangeiro ou mesmo alguma condenação se ele for norueguês.

Capitche!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Fernando Silva em 11 de Setembro de 2015, 10:27:25
Até hoje, alemães orientais e ocidentais ainda se estranham. Por que seria diferente com completos estrangeiros?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pilantrólogo em 11 de Setembro de 2015, 11:56:54
Até hoje, alemães orientais e ocidentais ainda se estranham. Por que seria diferente com completos estrangeiros?

Ao mesmo tempo, são bem unidos quando se trata de escarnecer dos bávaros.
Mesmo dentro da própria Bavária, entre a região da Francônia e o sul, existe uma repulsa.
Existem diversas alianças e diferenças dentro da Alemanha. 

Estrangeiros aqui, de maneira geral, são bem-vindos, na condição de que busquem se integrar e que não cuspam no contrato social.
A ordem fala mais alto do que a origem.   
   
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Jack Carver em 11 de Setembro de 2015, 13:16:02
Em que país foi feito este vídeo?

No mesmo país em que um lindo loiro radical cristão de direita matou 77 pessoas, muitas muçulmanas.

Espero que o Pasteur o veja e explique o seu conteúdo.

Pois não meu caro Geotecton

Não posso provar, mas tenho a mais absoluta certeza que muitos muçulmanos noruegueses foram levados a levantar as mãos por uma questão de temor a represálias de algum radical maluco ou por motivo de constrangimento.

Se lá na Noruega há tantos radicais assim, ou "normais" como diz o Sheik, seria de esperar pelo menos alguns atentados contra gays praticados pela comunidade muçulmana, ou algum apedrejamento ilegal, enfim, algo contra a lei norueguesa, mas a favor da lei divina.

Quanto ao Sheik é óbvio que eu defendo uma deportação se ele for estrangeiro ou mesmo alguma condenação se ele for norueguês.

Capitche!
Se os terroristas muçulmanos que cometeram atentados na Europa nos últimos anos pudessem fazem um número maior de vítimas nas ações, eles fariam com certeza, mas foram apanhados antes. Agora, esse risco aumenta com a chegada de mais muçulmanos, pois com eles, inevitavelmente, chegam mais sujeitos "instáveis". São mais unidos e organizados. E, atentados brutais são o último grau do problema.  Eles têm dificuldade de conviver numa sociedade secular.

 |(

https://www.youtube.com/v/g0sRmpvdIIk
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Geotecton em 11 de Setembro de 2015, 13:40:24
Em que país foi feito este vídeo?
No mesmo país em que um lindo loiro radical cristão de direita matou 77 pessoas, muitas muçulmanas.

Perfeito.

Uma conferência deste tipo, com exaltação do, digamos, judaísmo, poderia ser feita em um país muçulmano como o Iraque ou a Arábia Saudita, de maneira livre e sem ninguém incomodando-os?


Espero que o Pasteur o veja e explique o seu conteúdo.
Pois não meu caro Geotecton

Não posso provar, mas tenho a mais absoluta certeza que muitos muçulmanos noruegueses foram levados a levantar as mãos por uma questão de temor a represálias de algum radical maluco ou por motivo de constrangimento.

Então ficamos no mesmo lugar.

Sem você demonstrar cabalmente a sua afirmação, prevalece o que vídeo expõe, ou seja, um bando de religiosos (islâmicos, no caso) defendendo um estilo de vida anacrônico, anti-humanista e belicoso.


Se lá na Noruega há tantos radicais assim, ou "normais" como diz o Sheik, seria de esperar pelo menos alguns atentados contra gays praticados pela comunidade muçulmana, ou algum apedrejamento ilegal, enfim, algo contra a lei norueguesa, mas a favor da lei divina.

Sim, é uma interpretação plausível.

Mas é possível que eles não o façam por temerem as sanções do sistema legal norueguês.


Quanto ao Sheik é óbvio que eu defendo uma deportação se ele for estrangeiro ou mesmo alguma condenação se ele for norueguês.

Dele, de todos os integrantes da mesa e de todos os demais imbecis que levantaram as mãos. Se estes idiotas não querem viver em um mundo civilizado laico, que voltem para as suas tocas impregnadas de religião.


Capitche!

Entendido.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 13:57:01
Jack, por favor, desenvolva mais essa idéia de que "eles tem mais dificuldades em viver numa sociedade secular". Eles quem? Os muçulmanos em geral,  os terroristas muçulmanos ou radicais muçulmanos.  Não ficou claro.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Gaúcho em 11 de Setembro de 2015, 14:57:57
Muçulmanos radicais e terroristas. Se você não é radical, você é, no mínimo, tolerante.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 15:11:58
Muçulmanos radicais e terroristas. Se fosse não é radical, você é, no mínimo, tolerante.

A segunda frase não entendi.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Gaúcho em 11 de Setembro de 2015, 15:26:16
Arrumei :P
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 15:40:13
Muçulmanos radicais e terroristas. Se você não é radical, você é, no mínimo, tolerante.

Deixa eu ver se eu entendi:

os muçulmanos moderados são no mínimo tolerantes com as atitudes dos radicais, para não dizer culpados pela atitudes destes, já que não fazem nada para inibir a sua violência. Correto?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Gaúcho em 11 de Setembro de 2015, 15:53:57
Muçulmanos radicais e terroristas. Se você não é radical, você é, no mínimo, tolerante.

Deixa eu ver se eu entendi:

os muçulmanos moderados são no mínimo tolerantes com as atitudes dos radicais, para não dizer culpados pela atitudes destes, já que não fazem nada para inibir a sua violência. Correto?

Nops. Eu quis dizer que quem tem dificuldade em conviver em uma sociedade secular são os muçulmanos radicais/terroristas. Muçulmanos moderados não diferem em nada de religiosos moderados de qualquer outra religião, não tendo, portanto, nenhuma dificuldade em conviver numa sociedade laica/secular.

Eu quis dizer tolerante com outras religiões/costumes, não tolerante com terroristas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 15:57:12
Muçulmanos radicais e terroristas. Se você não é radical, você é, no mínimo, tolerante.

Deixa eu ver se eu entendi:

os muçulmanos moderados são no mínimo tolerantes com as atitudes dos radicais, para não dizer culpados pela atitudes destes, já que não fazem nada para inibir a sua violência. Correto?

Nops. Eu quis dizer que quem tem dificuldade em conviver em uma sociedade secular são os muçulmanos radicais/terroristas. Muçulmanos moderados não diferem em nada de religiosos moderados de qualquer outra religião, não tendo, portanto, nenhuma dificuldade em conviver numa sociedade laica/secular.

Eu quis dizer tolerante com outras religiões/costumes, não tolerante com terroristas.

Ah , ok!  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Jack Carver em 11 de Setembro de 2015, 20:43:46
Jack, por favor, desenvolva mais essa idéia de que "eles tem mais dificuldades em viver numa sociedade secular". Eles quem? Os muçulmanos em geral,  os terroristas muçulmanos ou radicais muçulmanos.  Não ficou claro.
No âmbito geral. Eles resistem de maneira contraproducente os hábitos do novo lar, pois eles vêm de uma cultura de ensinamentos morais forte intransigível, e não querem só comida e moradia. Então, em menor grau(exigir censura) ou maior grau(atentados) acaba gerando distorções indesejáveis no modo de viver dessa nova e mais tolerante sociedade a que eles encontram.
Mesmo que a maioria não aja como a ínfima minoria(instáveis) por diversos motivos, dentre os quais temer a Justiça local - ou a ameaça ao melhor modo de sobreviver -, essa maioria acaba por ignorar, quando não, opinar favoravelmente estando claramente justificado nos seus livros sagrados.
Nos países de onde eles vêm é só a minoria ínfima que vai lá e executa os castigos medievais, enquanto que a maioria já acostumada, consente e/ou vibra. Se isso por si só não é uma ameaça iminente a uma outra cultura...

Enfim, quer dizer então que os "moderados"(maioria) são culpados pelos atos extremos de um ridículo grupo? Não, mas eles são a base necessária, o ambiente comum à esses, afim de cometerem atos insanos, pois onde tem muitos muçulmanos vão aparecer esses terroristas e eles vão reagir a menor "provocação".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 21:50:00
Jack, desculpe, mas essa análise é típica de quem tem uma visão carregada de estereótipos e generalizações. Você está colocando muita gente no mesmo saco.  Conhece pelo menos alguma família de muçulmanos? Dos que conhece aqui que eu me lembre são dois: Dr. Manhattan e parcus. Pergunte pra eles sobre a experiência pessoal deles.  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islãmico"
Enviado por: Jack Carver em 11 de Setembro de 2015, 22:52:41
Pasteur, você viu os vídeos que postei acima? Já é um demostrativo experimental e tanto, e veja que é só um pequeno apanhado. Passe a vista nos posts do Georg Hagedorn.
Não é necessário consultar os foristas citados sobre suas experiências, uma vez que o Brasil não tem histórico de atentados que justifiquem(ainda) uma preocupação sobre os muçulmanos no país, mas na Europa há muito o que discutir sobre. Outro detalhe é que não cheguei a alegar que é impossível muçulmanos se adequarem ao costume local depois de anos de convívio, que com certeza é um fator que deve ser levado em consideração na análise. Mas reitero, quanto mais muçulmanos naquele continente, maior o risco de terror.
Tem lugares que as ruas são fechadas e o trânsito interrompido por conta dos momentos de oração. Olha que ridículo, mano:
 
https://www.youtube.com/v/IGjPc2P7ILs
https://www.youtube.com/v/eX7oezVO1Bk

(https://barenakedislam.files.wordpress.com/2010/07/mus4a.jpg)
(https://eduardojunior.files.wordpress.com/2015/06/2015-06-19t134801z_59281174.jpg?w=595&h=397)
(http://www.barenakedislam.com/wp-content/uploads/2012/09/2-solat.jpg)
(http://www.barenakedislam.com/wp-content/uploads/2013/07/priere.jpg)
(http://cdn4.img.sputniknews.com/images/102383/47/1023834780.jpg)
(https://barenakedislam.files.wordpress.com/2010/07/mus1a.jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-VwBV5yt6WDY/TreZ7ERTs8I/AAAAAAAAI38/kM3KkMNY0jU/s1600/Russian%2BMuslims%2BBlock%2BMoscow%2BStreet.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 11 de Setembro de 2015, 22:55:21
PQP!!!

Como as religiões formam idiotas em abundância.

Mais que as ideologias políticas anacrônicas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 23:12:19
Jack, por que essas bundas pra cima te agride tanto? Quer dizer que essas bundas pra cima são a prova que eles não se integram? Tudo que é diferente da sua cultura é ridículo?

Geo, todos esses que estão rezando na rua são idiotas? Ou todos que rezam em todas as religiões são idiotas?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 11 de Setembro de 2015, 23:25:01
[...]
Geo, todos esses que estão rezando na rua são idiotas? Ou todos que rezam em todas as religiões são idiotas?

A pergunta é séria?

Repare no que eu escrevi

PQP!!!

Como as religiões formam idiotas em abundância.

Mais que as ideologias políticas anacrônicas.

Há, em algum trecho, a mais leve menção a uma só religião?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Setembro de 2015, 23:29:30
Geo, por que você disse indignado PQP? Como você chegou à conclusão  que as religiões formam idiotas em abundância?  Eu achei que foi depois de ver tanta bunda pra cima no meio da rua...   :lol:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 11 de Setembro de 2015, 23:38:01
Geo, por que você disse indignado PQP? Como você chegou à conclusão  que as religiões formam idiotas em abundância?  Eu achei que foi depois de ver tanta bunda pra cima no meio da rua...   :lol:

Um bando de pessoas prostradas na rua em direção a um local no 'fim do mundo' é a mesma idiotice que um bando de pessoas prostradas em frente a um pedaço de gesso sob forma humana.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 00:03:18
Geo, por que você disse indignado PQP? Como você chegou à conclusão  que as religiões formam idiotas em abundância?  Eu achei que foi depois de ver tanta bunda pra cima no meio da rua...   :lol:

Um bando de pessoas prostradas na rua em direção a um local no 'fim do mundo' é a mesma idiotice que um bando de pessoas prostradas em frente a um pedaço de gesso sob forma humana.

Geo, uma pessoa pode rezar e fazer maravilhas pela ciência.  Não vou citar as centenas ou milhares de exemplos, porque você já sabe quem são estas personagens.

Para um ateu pode ser muito esquisito pensar na lógica de tal rito, mas muitas pessoas tem medo da morte e querem acreditar que ela não é o fim de tudo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 00:36:39
Que bobagem! Quanta paranóia! Que que tem gente! Vocês estão confundindo as coisas! Isso não é nada! Parem de ser alarmistas!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 00:42:56
Os foristas que são contra a imigração numa enquete de outro tópico,  minoria lá,  estão animados aqui...  ::)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 00:56:47
É. E vice versa...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 01:04:48
Alertem a Merkel, Hollande, Cameron, Obama e outros que eles não sabem o perigo que estão correndo aceitando esses refugiados que adoram empinar a bunda pra cima...  :stunned:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 01:07:08
É, enquanto eles estiverem assim o único porém é o metano...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fabrício em 12 de Setembro de 2015, 07:12:52
Colocar a bunda pra cima para rezar não é problema quando se está em uma mesquita, mas uma multidão fazendo isso no meio da rua não dá pra tolerar. E se cristãos começarem a formar multidões para celebrar cultos ou missas com frequência no meio da rua vai ser intolerável também.

Mas não sei até que ponto isso está tão disseminado na Europa ou é um alarmismo exagerado. Se selecionarmos situações aqui e ali, podemos ter a sensação de que o problema é muito maior do que é na verdade. Pelo menos não tenho visto na imprensa relatos disso acontecendo com tanta frequência (bundas pra cima no meio da rua  :hihi:)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 12 de Setembro de 2015, 08:56:50
É, enquanto eles estiverem assim o único porém é o metano...

E se atirarem o problema será do chumbo. Rá!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fernando Silva em 12 de Setembro de 2015, 09:48:49
Um bando de pessoas prostradas na rua em direção a um local no 'fim do mundo' é a mesma idiotice que um bando de pessoas prostradas em frente a um pedaço de gesso sob forma humana.
O "na rua" faz muita diferença. E se você quiser passar por lá bem nessas horas? Vai exigir que eles abram passagem?
Eles provavelmente se sentem livres para bloquear as ruas porque já tomaram o bairro inteiro.
Em breve, se sentirão com autoridade para impor outras coisas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 11:24:35
Colocar a bunda pra cima para rezar não é problema quando se está em uma mesquita, mas uma multidão fazendo isso no meio da rua não dá pra tolerar. E se cristãos começarem a formar multidões para celebrar cultos ou missas com frequência no meio da rua vai ser intolerável também.

O problema é quando as mesquitas estão superlotadas...

Eles não ocupam as ruas por opção e sim por falta de opção.

Mas não sei até que ponto isso está tão disseminado na Europa ou é um alarmismo exagerado. Se selecionarmos situações aqui e ali, podemos ter a sensação de que o problema é muito maior do que é na verdade. Pelo menos não tenho visto na imprensa relatos disso acontecendo com tanta frequência (bundas pra cima no meio da rua  :hihi:)

Por isso que gosto de ler os seus posts sempre carregado de bom senso!  :ok:

Na França foi proibido desde 2011 essas rezas nas ruas, pelo que li, em Paris mais ou menos 1000 pessoas rezavam nas ruas. São milhões de muçulmanos residindo lá. Arrumaram um quartel desativado pra eles rezarem.

Tá vendo! O pessoal não sabe da real e ficam estereotipando...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 11:49:30
Um bando de pessoas prostradas na rua em direção a um local no 'fim do mundo' é a mesma idiotice que um bando de pessoas prostradas em frente a um pedaço de gesso sob forma humana.
O "na rua" faz muita diferença. E se você quiser passar por lá bem nessas horas? Vai exigir que eles abram passagem?
Eles provavelmente se sentem livres para bloquear as ruas porque já tomaram o bairro inteiro.
Em breve, se sentirão com autoridade para impor outras coisas.

Qual a porcentagem de ruas que eram bloqueadas? Talvez 0,0000001%? 

Intolerância.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 12:05:09
Um bando de pessoas prostradas na rua em direção a um local no 'fim do mundo' é a mesma idiotice que um bando de pessoas prostradas em frente a um pedaço de gesso sob forma humana.
O "na rua" faz muita diferença. E se você quiser passar por lá bem nessas horas? Vai exigir que eles abram passagem?
Eles provavelmente se sentem livres para bloquear as ruas porque já tomaram o bairro inteiro.
Em breve, se sentirão com autoridade para impor outras coisas.

Qual a porcentagem de ruas que eram bloqueadas? Talvez 0,0000001%? 

Intolerância.
Não há "níveis toleráveis" se for a porta da sua casa ou sua passagem.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Jack Carver em 12 de Setembro de 2015, 13:05:40
Pasteur, Pasteur, Pasteur, Pasteur, meu, caro! Não se pode abrir precedentes. Se 0,000001% for um trecho de uma rua de certo movimento, já ferrou, entendeste? E é claro que o Estado teve e deve interferir. Lembre-se que isso é uma evidência de que eles são bem unidos e resistem aos costumes dos habitantes locais, vão empurrando seus modos 'de grão em grão'. Postei ali dois vídeos além das fotos.
Eu me pergunto se nos guetos, as escolas dos filhos deles são baseados no ensino laico e se não há leis paralelas às do Estado funcionado para a comunidade.
Espere até que os novos habitantes sejam cada vez maior e teremos mais surpresas.

PS: Aliás, onde já se viu os profissionais da arte agora temerem fazer caricaturas/charges de Maomé no próprio país? A que ponto chegou-se...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 13:19:13
Está acontecendo agora com a West Civilization em relação aos muçulmanos mais ou menos o mesmo que aconteceu com os nativos da América à época dos descobrimentos, a maioria sucumbiu  a todo tipo de zica(o qual não tinham nenhuma espécie de imunidade) e ao fascínio dos colonizadores.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 12 de Setembro de 2015, 13:24:01
E digo mais, o inevitável lado "bonzinho" do islmamismo é o que vai seduzir a juventude dessa gente. Como "é de menino que se torce o pepino", nada mais será como antes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Setembro de 2015, 14:11:32
Um pouco de generalização do tipo de vocês:

enezima tentativa de cair vossas fichas:

A Europa tem que bloquear a entrada de judeus pois há muita chance dos gays tomarem facadas pelas costas (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/07/1662370-judeu-ultraortodoxo-esfaqueia-seis-em-parada-gay-de-jerusalem.shtml).

Percebe o quão ridícula é essa frase? É do tipo disso que canso de ler por aqui. :sorry:

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Jack Carver em 12 de Setembro de 2015, 15:15:01
Está acontecendo agora com a West Civilization em relação aos muçulmanos mais ou menos o mesmo que aconteceu com os nativos da América à época dos descobrimentos, a maioria sucumbiu  a todo tipo de zica(o qual não tinham nenhuma espécie de imunidade) e ao fascínio dos colonizadores.
Heeh, isso seria uma real possibilidade de médio-longo prazo. A curto-médio prazo, uma das possibilidades é o desencadeamento resultante dessas atuais políticas de imigração. Resumindo: Por falta de confiança política por parte dos eleitores, os partidos nacionalistas poderiam ganhar terreno fácil, então. E após eventual consolidação desses partidos pela Europa, poderia gerar um problemão com as "minorias"; rigidez no controle social, perseguições institucionalizadas e conflitos civis. 
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 13 de Setembro de 2015, 09:09:11
http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=4773054&eng_source=114483&eng_subid=null&eng_click=cc9f183b228142a8b95d4ba983600a8c

Obviamente....
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 16:39:39
Difícil enquadrar o assunto da matéria abaixo. Islamismo? Feminismo?
Muita dificuldade para saber em qual tópico publicar a notícia.
Também muita dificuldade em analisar todo o imbróglio.
Todos certos?
Todos errados?
Certos os primeiros?
Certos os segundo?

 :?: :?: :?:

Citar
A resposta à intrigante questão maometana (http://www.oantagonista.com/posts/a-resposta-a-intrigante-questao-maometana)
Sociedade 13.09.15 12:09

Duas militantes do movimento Femen irromperam no "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, quando dois maometanos com túnicas brancas abordavam uma questão intrigante: "se um homem deve ou não bater na sua mulher".
As duas mulheres, de origem argelina e tunisiana, subiram ao palco, exibiram os seus torsos nus e gritaram, em árabe e francês, "Ninguém me submete, ninguém me possui, eu sou meu próprio profeta".
Foram retiradas pela polícia, antes que maometanos, aos gritos de "Putas sujas! e "Vamos matá-las", as linchassem, aos pontapés, depois de terem sido jogadas no chão.
A questão intrigante dos dois palestrantes foi respondida, portanto.

Vejam o vídeo:

https://www.youtube.com/v/a_vEg3KdZ1s


Gostei dos comentários abaixo. É muito fácil fazer protestos dentro de ambiente seguro, como um culto cristão, e vilipendiar seus valores.
Muito corajosa a ação das duas ativistas, agindo dentro de uma "toca de leões".
Mesmo corajosa, a forma de protesto também vilipendia os valores islâmicos e agride frontalmente quem pensa diferente, e invade um espaço reservado a orações.
É uma análise muito difícil a que temos diante de nós.

Espero que não tenham sido agredidas fisicamente ou até mesmo algo mais grave à sua (delas) integridade física.

Citar
Pablo 12 minutos atrás
Dá gosto ver um debate tão civilizado no conteúdo e na forma.


clesia 2 horas atrás
Vixe! Agora sim deu pane na cabecinha dos esquerdopatas. À quem irão defender?
Enfim 2 loucas suicidas resolveram defender quem realmente necessita, que são as mulheres muçulmanas e não as ocidentais.
Sempre me deu nos nervos vê-las invadirem igrejas cristãs arrancarem as roupas e fazerem arruaça em total desrespeito aos fiéis que nada tem com suas loucuras.
Desrespeitar e agredir cristãos que não irão revidar é muito fácil e cômodo.
Fazer o mesmo com o Islã são outros 500. Já que querem ser notícia vão atazaná-los e se tornarem úteis.

Mas uma coisa é certa: o tratamento que o islamismo dá às mulheres é inaceitável num mundo moderno e civilizado.
Eles reproduzem a época das cavernas em pleno século 21, isso sim.
Parabéns às mocinhas pela coragem e oportunidade para trazer o assunto, mais uma vez, ao centro do debate.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 16:45:14
Duas babacas querendo aparecer.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 16:54:06
Duas babacas querendo aparecer.


Então, todas as mulheres muçulmanas devem baixar a cabeça e esperar a pancada do marido, caladinhas.
É isso?
Você defende que marido pode bater na esposa?
Qual a sua opinião?

Apesar do protesto desrespeitoso, elas chamam a atenção do mundo para um assunto sério, uma covardia sem limites, um tema tabu que vai chegar ao século 30 incólume se nada for feito.

Tenho pena das mulheres muçulmanas e eu faria alguma coisa ao meu alcance para mudar esse quadro.

Mais um comentário duro:

Citar
Thiago 4 horas atrás
Onde estão os grupelhos de esquerda que sempre aparecem para defender o tal multiculturalismo?? Onde estão os mesmos grupos que criticam rispidamente Israel e mostram-se tão generosos com os terroristas islâmicos?? Os grupos feminazis que sempre fazem gritaria, onde estão?? Onde foram parar todos?? Estão escondidos junto com a imprensa "PROGRESSISTA"?? Nessas horas todos os grupos alinham o discurso, ou melhor, o não discurso, e fazem todos a mesma coisa... SILÊNCIO. É interessante reparar nessas coisas, nesse SILÊNCIO desses grupelhos que dizem ser ter forte, tão influente.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 13 de Setembro de 2015, 17:36:55
Só 2, 87 coisinhas. O protesto delas é justo? O protesto delas é eficiente, ou seria melhor protestar assim sozinhas cada uma debaixo da cama em seus quartos num dia frio de chuva, com a porta trancada e a luz apagada?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 17:42:38
Duas babacas querendo aparecer.


Então, todas as mulheres muçulmanas devem baixar a cabeça e esperar a pancada do marido, caladinhas.
É isso?
Você defende que marido pode bater na esposa?
Qual a sua opinião?

Apesar do protesto desrespeitoso, elas chamam a atenção do mundo para um assunto sério, uma covardia sem limites, um tema tabu que vai chegar ao século 30 incólume se nada for feito.

Tenho pena das mulheres muçulmanas e eu faria alguma coisa ao meu alcance para mudar esse quadro.

Mais um comentário duro:

Citar
Thiago 4 horas atrás
Onde estão os grupelhos de esquerda que sempre aparecem para defender o tal multiculturalismo?? Onde estão os mesmos grupos que criticam rispidamente Israel e mostram-se tão generosos com os terroristas islâmicos?? Os grupos feminazis que sempre fazem gritaria, onde estão?? Onde foram parar todos?? Estão escondidos junto com a imprensa "PROGRESSISTA"?? Nessas horas todos os grupos alinham o discurso, ou melhor, o não discurso, e fazem todos a mesma coisa... SILÊNCIO. É interessante reparar nessas coisas, nesse SILÊNCIO desses grupelhos que dizem ser ter forte, tão influente.

Você acredita que todas as mulheres muçulmanas apanham e são desrespeitadas, que se submetem, que ficam trancafiadas em casa à espera do marido? Ou a maioria são?

O estereótipo em toda sua força!!!

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 17:49:14
Você acredita que todas as mulheres muçulmanas apanham e são desrespeitadas, que se submetem, que ficam trancafiadas em casa à espera do marido? Ou a maioria são?

O estereótipo em toda sua força!!!

Mas e a sua opinião?
Você viu que no meu comentário existe uma pergunta direcionada a você?
Vou repeti-la:

Então, todas as mulheres muçulmanas devem baixar a cabeça e esperar a pancada do marido, caladinhas.
É isso?
Você defende que marido pode bater na esposa?
Qual a sua opinião?

 :?: :?: :?:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 17:55:52
Você acredita que todas as mulheres muçulmanas apanham e são desrespeitadas, que se submetem, que ficam trancafiadas em casa à espera do marido? Ou a maioria são?

O estereótipo em toda sua força!!!

Mas e a sua opinião?
Você viu que no meu comentário existe uma pergunta direcionada a você?
Vou repeti-la:

Então, todas as mulheres muçulmanas devem baixar a cabeça e esperar a pancada do marido, caladinhas.
É isso?
Você defende que marido pode bater na esposa?
Qual a sua opinião?

 :?: :?: :?:


Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 18:03:00
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 18:05:00
Como você, Pasteur, insiste em defender este anacronismo, chamado islamismo, vou fazer duas perguntas para evitar qualquer tipo de tergiversação:

a) Nos países sob a lei muçulmana, as mulheres tem os mesmo direitos que os homens?

b) Nos países sob a lei muçulmana, há alguma perspectiva de mudança da situação das mulheres?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 18:07:39
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

E parece ignorar que nos países muçulmanos mais atrasados onde a lei muçulmana é o ordenamento jurídico, as mulheres são pessoas de segunda classe.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 18:12:37
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 13 de Setembro de 2015, 18:20:29
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!
Mas e quanto aos muçulmanos, a eles interessa o "que está escrito"?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 18:22:25
Como você, Pasteur, insiste em defender este anacronismo, chamado islamismo, vou fazer duas perguntas para evitar qualquer tipo de tergiversação:

a) Nos países sob a lei muçulmana, as mulheres tem os mesmo direitos que os homens?

Não. Mas o que importa é: como as muçulmanas vivem: todas são submissas? Nenhuma tem liberdade? Nenhuma usa biquíni? Nenhuma é líder de algum país? Não confunda lei anacrônica com o modo de vida das muçulmanas.

b) Nos países sob a lei muçulmana, há alguma perspectiva de mudança da situação das mulheres?

Só se a lei deixar de ser a muçulmana como na Argélia por exemplo. Por mim nenhum país seria regido por alguma lei muçulmana. Mas mais uma vez: meu foco não está nas leis e sim em como elas vivem.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 18:23:05
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

E parece ignorar que nos países muçulmanos mais atrasados onde a lei muçulmana é o ordenamento jurídico, as mulheres são pessoas de segunda classe.

Já respondido!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 18:24:31
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!
Mas e quanto aos muçulmanos, a eles interessa o "que está escrito"?

Depende do muçulmano e de qual parte do que está escrito!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fabrício em 13 de Setembro de 2015, 18:25:39
Cara, quando o tema da discussão é "se o homem deve ou não bater na sua mulher" tem alguma coisa MUITO errada com quem está discutindo e assistindo ao debate. Normalmente não tenho simpatia por esse tipo de protesto, mas nesse caso acho que foi plenamente justificável.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Diegojaf em 13 de Setembro de 2015, 18:26:43
Como você, Pasteur, insiste em defender este anacronismo, chamado islamismo, vou fazer duas perguntas para evitar qualquer tipo de tergiversação:

a) Nos países sob a lei muçulmana, as mulheres tem os mesmo direitos que os homens?

b) Nos países sob a lei muçulmana, há alguma perspectiva de mudança da situação das mulheres?

Lembrando que as mulheres possuem mais liberdade no Irã do que no Japão...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 13 de Setembro de 2015, 18:35:03
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!
Mas e quanto aos muçulmanos, a eles interessa o "que está escrito"?

Depende do muçulmano e de qual parte do que está escrito!
Ah sim, sempre é bom relembrar a do verdadeiro esco6...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 18:39:54
Gabarito!!! Precisa mesmo responder??? Lógico que eu não defendo o marido bater na esposa! Não me interessa os absurdos que estão escritos nos livros "sagrados" e sim a realidade. Elas são mesmo desrespeitadas? Apanham mesmo? Já te peguntei isso!

Você afirma que nenhuma mulher muçulmana apanha do marido?
Que tudo isso é estereótipo e desinformação?
Que o "Salão da Mulher Muçulmana", em Pontoise, na França, onde era abordada a questão de que um homem deve ou não bater na sua mulher é mera retórica?

Eu não só acredito que inúmeras muçulmanas são açoitadas pelos maridos como também pelos clérigos muçulmanos, até em praça pública.
E você sabe disso.
Você está negando que isso exista?

E mais: se nada for feito, elas seguirão apanhando por décadas adiante. O que as "babacas" que você falou estão fazendo é tentar botar o assunto na pauta para que não se perpetue.

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!
Mas e quanto aos muçulmanos, a eles interessa o "que está escrito"?

Depende do muçulmano e de qual parte do que está escrito!
Ah sim, sempre é bom relembrar a do verdadeiro esco6...
Ah sim, sempre é bom colocar todo mundo no mesmo saco!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 19:09:50
Eu não estou entendendo (até estou) a sua forma de responder.

Primeiro, você diz que o que eu acredito estar acontecendo é apenas estereótipo.
Aqui:

Você acredita que todas as mulheres muçulmanas apanham e são desrespeitadas, que se submetem, que ficam trancafiadas em casa à espera do marido? Ou a maioria são?

O estereótipo em toda sua força!!!

Pelo que se pode ser nas suas palavras, você questiona se eu acredito que muçulmanas realmente apanham dos maridos.
E afirma com exclamação que eu faço um estereótipo.

Ou seja, as mulheres NÃO apanham dos maridos, pois se trata de um estereótipo.
Foram as suas palavras.

Aí eu respondo que sim, que acredito que elas apanham mesmo, afinal, os fatos evidenciam isso quase todo dia.
Mulheres apanham em casa e na praça.

Então, lá vem você dizer que não afirmou que elas não apanham.
Aqui:

Não afirmei que nenhuma mulher apanha do marido, foi você que disse que tem pena das mulheres muçulmanas. Não é só porque está escrito que um homem pode bater numa mulher que eles batem. Já disse: NÃO ME INTERESSA O QUE ESTÁ ESCRITO!

Ou seja, primeiro você diz uma coisa (estereótipo) e depois vem com o seu oposto (não afirmou que não apanham = admite que elas apanham).

O que é isso?
Labirinto lógico?
Tentativa de confundir?
Cortina de fumaça?

Eu sou claro, eu não uso de confusão para emitir o que penso e acho:
As mulheres muçulmanas são agredidas, são desclassificadas como ser humano e são desrespeitadas nos seus direitos básicos não só pela doutrina muçulmana, mas também por muitos maridos que seguem as leis de sua religião.
E sim, tenho pena das que sofrem tais abusos.

Acredito ainda que muitas são felizes e satisfeitas com suas vidas, algumas até apanhando e também acreditando que deva ser assim.

E sim, desejo que esse quadro mude. Desejo que a humanidade caminhe para exterminar, aniquilar, extinguir essa forma desumana de pisar nos direitos das mulheres muçulmanas.

Já você, pelo que entendi, gosta de rodeios. Disse uma coisa e contradisse logo a seguir.
E concorda comigo que marido não pode bater na esposa. Essa parte é boa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 19:23:34
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 19:25:08
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 19:27:21
Gabarito, quer que eu busque taxas de homicídios de mulheres em países muçulmanos e não muçulmanos pra você comparar? Quero ver de quem você sentirá mais pena!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 19:30:38
Quer que eu busque taxas de homicídios de mulheres em países muçulmanos e não muçulmanos pra você comparar? Quero ver de quem você sentirá mais pena!

Isto, busque.

Mas seja coerente ao menos uma vez neste tópico e mostre e compare as estatísticas de mulheres assassinadas que ocorreram por causa de textos religiosos e não por causas outras, como crimes passionais e latrocínio.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 19:31:49
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?

Geotecton, não generalize, seja mais específico. A muçulmana da Arábia vive diferente da muçulmana do Irã que vive diferente do que da do Afeganistão que vive diferente do que das francesas e assim por diante.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 19:35:28
Quer que eu busque taxas de homicídios de mulheres em países muçulmanos e não muçulmanos pra você comparar? Quero ver de quem você sentirá mais pena!

Isto, busque.

Mas seja coerente ao menos uma vez neste tópico e mostre e compare as estatísticas de mulheres assassinadas que ocorreram por causa de textos religiosos e não por causas outras, como crimes passionais e latrocínio.

Desculpe Geo, você sabe que isso é impossível.  Não tem com saber a motivação de cada morte de mulheres.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 19:51:16
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?

Geotecton, não generalize, seja mais específico. A muçulmana da Arábia vive diferente da muçulmana do Irã que vive diferente do que da do Afeganistão que vive diferente do que das francesas e assim por diante.

Isto é óbvio, especialmente se você comparar com as que estão na França, porque nesta o humanismo ocidental é a base da lei geral.

Mas todas as mulheres muçulmanas são oprimidas pela mesma lei religiosa, a Charia, em especial nas relações familiares. Quando o país é uma teocracia ou usa como base legal a religião, a opressão sai do ambiente familiar e se espraia por toda a sociedade.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 19:56:14
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?

Geotecton, não generalize, seja mais específico. A muçulmana da Arábia vive diferente da muçulmana do Irã que vive diferente do que da do Afeganistão que vive diferente do que das francesas e assim por diante.

Isto é óbvio, especialmente se você comparar com as que estão na França, porque nesta o humanismo ocidental é a base da lei geral.

Mas todas as mulheres muçulmanas são oprimidas pela mesma lei religiosa, a Charia, em especial nas relações familiares. Quando o país é uma teocracia ou usa como base legal a religião, a opressão sai do ambiente familiar e se espraia por toda a sociedade.

Não,  não.  Os muçulmanos variam em obediência às escrituras. Variam muito.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 19:58:14
Quer que eu busque taxas de homicídios de mulheres em países muçulmanos e não muçulmanos pra você comparar? Quero ver de quem você sentirá mais pena!
Isto, busque.

Mas seja coerente ao menos uma vez neste tópico e mostre e compare as estatísticas de mulheres assassinadas que ocorreram por causa de textos religiosos e não por causas outras, como crimes passionais e latrocínio.
Desculpe Geo, você sabe que isso é impossível.  Não tem com saber a motivação de cada morte de mulheres.

Então ficamos com as informações anedóticas e com o que sabemos do contexto de cada civilização.

Neste caso, a opressão às mulheres impostas pelo islamismo hoje é muito maior que o cristianismo, por exemplo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 13 de Setembro de 2015, 20:03:30
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?

Geotecton, não generalize, seja mais específico. A muçulmana da Arábia vive diferente da muçulmana do Irã que vive diferente do que da do Afeganistão que vive diferente do que das francesas e assim por diante.

Isto é óbvio, especialmente se você comparar com as que estão na França, porque nesta o humanismo ocidental é a base da lei geral.

Mas todas as mulheres muçulmanas são oprimidas pela mesma lei religiosa, a Charia, em especial nas relações familiares. Quando o país é uma teocracia ou usa como base legal a religião, a opressão sai do ambiente familiar e se espraia por toda a sociedade.

Não,  não.  Os muçulmanos variam em obediência às escrituras. Variam muito.

Então eu suponho que nos países teocráticos (legislados com base na Charia), as mulheres não tem problemas, certo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 20:59:57
Quer que eu busque taxas de homicídios de mulheres em países muçulmanos e não muçulmanos pra você comparar? Quero ver de quem você sentirá mais pena!
Isto, busque.

Mas seja coerente ao menos uma vez neste tópico e mostre e compare as estatísticas de mulheres assassinadas que ocorreram por causa de textos religiosos e não por causas outras, como crimes passionais e latrocínio.
Desculpe Geo, você sabe que isso é impossível.  Não tem com saber a motivação de cada morte de mulheres.

Então ficamos com as informações anedóticas e com o que sabemos do contexto de cada civilização.

Neste caso, a opressão às mulheres impostas pelo islamismo hoje é muito maior que o cristianismo, por exemplo.

A taxa de homicídios de mulheres sem contar com a motivação é um indicio poderoso de como são tratadas.

Soa tão esquisito: as mulheres muçulmanas são mais maltratadas mas menos assassinadas. Estranho, né?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 21:08:27
Gabarito,  você disse que tem pena das muçulmanas, que elas apanham, generalizando.

É obvio que algumas apanham. A sua pergunta sobre se eu não acredito que nenhuma mulher apanha é tentativa de jogar uma cortina de fumaça na sua observação generalizadora de que as muçulmanas são dignas de pena.

E elas não são, sob a perspectiva do humanismo ocidental?

Geotecton, não generalize, seja mais específico. A muçulmana da Arábia vive diferente da muçulmana do Irã que vive diferente do que da do Afeganistão que vive diferente do que das francesas e assim por diante.

Isto é óbvio, especialmente se você comparar com as que estão na França, porque nesta o humanismo ocidental é a base da lei geral.

Mas todas as mulheres muçulmanas são oprimidas pela mesma lei religiosa, a Charia, em especial nas relações familiares. Quando o país é uma teocracia ou usa como base legal a religião, a opressão sai do ambiente familiar e se espraia por toda a sociedade.

Não,  não.  Os muçulmanos variam em obediência às escrituras. Variam muito.

Então eu suponho que nos países teocráticos (legislados com base na Charia), as mulheres não tem problemas, certo?

Claro que tem. Eu também prefiro liberdade total, óbvio. Mas é falsa essa idéia que as mulheres são mais maltratadas que as outras.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 13 de Setembro de 2015, 21:17:47

A taxa de homicídios de mulheres sem contar com a motivação é um indicio poderoso de como são tratadas.


Ah, sim, assim como o é a taxa de homicídios de títeres, quando o titereiro é bonzinho.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 13 de Setembro de 2015, 21:20:40


Soa tão esquisito: as mulheres muçulmanas são mais maltratadas mas menos assassinadas. Estranho, né?
Pois é, já que eu tenho uma mulher pra espancar e humilhar que sentido tem matá-la?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 21:22:11
A taxa de homicídios de mulheres sem contar com a motivação é um indicio poderoso de como são tratadas.

Soa tão esquisito: as mulheres muçulmanas são mais maltratadas mas menos assassinadas. Estranho, né?

O tema aqui é a religião muçulmana agredindo as mulheres.
A religião muçulmana apedrejando as mulheres.
A religião muçulmana estimulando e apoiando os maridos a baterem em suas mulheres.
A religião muçulmana instituindo que é legítimo bater nas mulheres em nome dela, dos preceitos dessa religião.

Isso é inegável.

Se mulheres são agredidas em outros países, por outros motivos, devido a outras culturas (Japão, por exemplo, como até já foi citado) isso TAMBÉM é um problema, mas não é o tema desse debate. Esse debate aponta e acusa e denuncia que em plena civilização moderna, mulheres são vítimas de agressões EM NOME de uma religião violenta (já que aceita, apoia e justifica tais agressões).

Se você quiser mostrar números de assassinatos e agressões de mulheres em outros países, sob outras culturas, por motivos diversos, siga em frente. Eu também condeno essas agressões e assassinatos.

Vá lá, abra um tópico e aponte que o ciúme é a causa da morte de muitas mulheres. Isso é errado.
Vá lá, abra um tópico e aponte que a bebida/alcoolismo é a causa da morte de muitas mulheres. Isso é errado e eu também serei um soldado para combater esse abuso.

Mas aqui nós estamos apontando e denunciando que a religião islâmica defende a agressão de mulheres, faz com que seus seguidores apedrejem até a morte mulheres adúlteras, apoia maridos a baterem em suas esposas, desrespeitam direitos básicos à vida e à dignidade das mulheres muçulmanas.

Isso é inaceitável!

Ponto.

Não se pode defender tal princípio e atitude.
Religião que defende essa barbárie (REPETINDO EM CAIXA ALTA, BARBÁRIE) é religião dos tempos em que não existia civilização.

Mas existem outras mortes e agressões a mulheres, é claro.
O que não é honesto é desviar o debate para esse outro assunto, diverso do atual, para encobrir esses fatos que estão agora sob a luz da análise.

Abra um tópico e aponte os diversos motivos de morte de mulheres.
Existem muitos motivos e infelizmente muitas mulheres morrem todos os dias. Somos todos contra isso também.

Tu quoque não apaga o fato concreto: maridos são autorizados a bater em esposas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 13 de Setembro de 2015, 21:24:58
A taxa de homicídios de mulheres sem contar com a motivação é um indicio poderoso de como são tratadas.

Soa tão esquisito: as mulheres muçulmanas são mais maltratadas mas menos assassinadas. Estranho, né?

Nao, nao é estranho. Porque a ideia é fazer as mulheres serem submissas, restringir os seus direitos. Imagine que uma mulher, de acordo com a cultura, nao deve em hipotese alguma deixar o lar e deve se dedicar exclusivamente a ele, além de ser completamente submissa ao marido. Embora isso seja opressao, a mulher nao está sujeita aos perigos que sofreria se fosse livre para sair de casa, o que inclui assassinatos, além de que, como é conhecido em sociedades patriarcais, o marido também deve estar disposto a proteger sua esposa e filhos.

E só pra clarear, eu nao estou dizendo que isso é o que de fato acontece em todo o isla, mas só pra dizer que nao existe algo estranho nisso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 21:37:21
Gabarito, não é honesto você dizer que tem pena das muçulmanas. Pode dizer que tem pena das muçulmanas que apanham porque um texto religioso ridículo autorizam os homens a baterem nelas e alguns deles o seguem.

Uma coisa é ter um texto ridículo mandando fazer. Outra coisa é obedecer.

Por favor, seja mais específico da próxima vez.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 21:40:32
Entropia, tem lógica o que você disse, mas seria bom pesquisar mais sobre as diversos estilos de vidas das mulheres muçulmanas para não cair na armadilha da generalização.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 13 de Setembro de 2015, 21:41:55
Gabarito, não é honesto você dizer que tem pena das muçulmanas. Pode dizer que tem pena das muçulmanas que apanham porque um texto religioso ridículo autorizam os homens a baterem nelas e alguns deles o seguem.

Uma coisa é ter um texto ridículo mandando fazer. Outra coisa é obedecer.

Por favor, seja mais específico da próxima vez.

Está bem, Pasteur, aceito sua crítica.
Eu não fui claro ao me referir à pena que sentia pelas mulheres muçulmanas.
Eu queria dizer que tenho pena daquelas que estão sob o jugo de maridos seguidores radicais da lei.
Mas eu também disse que sei que muitas são felizes nas suas vidas, mais até do que muitas ocidentais, livres e ateias. Eu sei disso.

Toda generalização carrega erro nos seus postulados (menos essa frase, para não cair num paradoxo :)).

Sei que há muitas pessoas felizes e realizadas vivendo sob o véu do islamismo. Sei disso.

Sigamos.
 :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Setembro de 2015, 21:43:30
 :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 16 de Setembro de 2015, 17:10:42
Citar
EUA: Estudante de 14 anos é detido por construir relógio confundido com bomba

Após repercussão nacional, Obama convidou Ahmed Mohamed para levar invento à Casa Branca; Marck Zuckerberg também declarou apoio ao estudante

O estudante Ahmed Mohamed, morador de Irving (Texas), saiu da escola algemado após um relógio que construiu em casa ter sido confundido com uma bomba na segunda-feira (14/09). Ahmed, que tem 14 anos e começou a estudar na MacArthur High School há apenas poucas semanas, costumava construir aparelhos por conta própria, como rádios e alto-falantes com Bluetooth.

No último domingo (13/09), Ahmed resolveu fazer um relógio digital em casa e mostrar a seus professores no dia seguinte. Segundo o estudante, seu professor de engenharia recomendou que Ahmed não mostrasse o aparelho a nenhum outro docente. Ahmed afirmou que sua professora de inglês confiscou o relógio e, pouco depois, ele foi retirado da sala pelo diretor.

“Eles me levaram para uma sala com cinco policiais onde me interrogaram e vasculharam as minhas coisas. Pegaram o meu tablet e minha invenção”, disse Ahmed. “Eles disseram, ‘Você tentou fazer uma bomba?’ Eu disse que não, que estava tentando fazer um relógio”.

(http://www.operamundi.com.br/media/images/ahmedmohameddallasnews.png)
Ahmed disse que foi levado à delegacia algemado e teve as suas digitais registradas.

O caso repercutiu pelos Estados Unidos e causou indignação nas redes sociais, inclusive com acusações de racismo. Nesta quarta-feira (16/09), o chefe de polícia local declarou que nenhuma queixa seria prestada contra Ahmed.

O presidente norte-americano, Barack Obama, demonstrou apoio ao estudante nesta quarta-feira através do Twitter. “Relógio legal, Ahmed. Quer trazê-lo para a Casa Branca? Nós deveríamos inspirar mais garotos como você a gostar de ciência. É o que torna a América incrível”, diz a mensagem.

(https://pbs.twimg.com/profile_images/600314410003865600/laIuu4bB_bigger.jpg)President Obama (http://s://twitter.com/POTUS)

Cool clock, Ahmed. Want to bring it to the White House? We should inspire more kids like you to like science. It's what makes America great.
13: 58 - 16 set 2015

Marck Zuckerberg, criador do Facebook, postou também nesta quarta-feira em seu perfil pessoal que “ter a habilidade e a ambição de consturir algo legal deveria levar a aplausos, não à prisão. O futuro pertence a pessoas como Ahmed”. A mensagem diz ainda que se o estudante quiser visitar o Facebook, Zuckerberg ficará feliz em recebê-lo.

Fonte (http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/41656/eua+estudante+de+14+anos+e+detido+por+construir+relogio+confundido+com+bomba.shtml)

Citar
(http://s2.glbimg.com/fnRftgVC342y9c5r3lodHeoxUJc=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/09/16/a30.jpg)

(http://s2.glbimg.com/p2dGgePrOiKq3mv4PaWdxmGlD5c=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/09/16/ahmed-algemas1.jpg)

Fico feliz com as palavras dos presidentes dos EUA e do Facebook e também pela indignação nas redes sociais.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 16 de Setembro de 2015, 17:23:04
Citar
Segundo o estudante, seu professor de engenharia recomendou que Ahmed não mostrasse o aparelho a nenhum outro docente. Ahmed afirmou que sua professora de inglês confiscou o relógio e, pouco depois, ele foi retirado da sala pelo diretor

Olha aí! Mais um motivo para criticar a área de Humanas (http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=29371.0).  :hihi:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Setembro de 2015, 14:53:20
https://www.youtube.com/v/20Zzyf67e7Q

 :medo:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 18 de Setembro de 2015, 17:22:27
Americanos fazendo americanices  :enjoo:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150918_fuzil_cristao_ab
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Hold the Door em 24 de Setembro de 2015, 02:01:53
Tem várias coisas estranhas nessa história do garoto.

Ele diz que "inventou um relógio", mas uma análise da foto do circuito mostra que é um relógio comercial de 1986. Ele apenas tirou da carcaça original e colocou em um estojo de lápis em forma de maleta vendida na Amazon. Para fazer isso não é necessária nenhuma habilidade eletrônica, apenas saber fazer uns furos em acrílico e apertar uns parafusos. Ou seja, ele está sendo, no mínimo, desonesto na sua afirmação.

Se a intenção era mostrar o circuito interno, então por que ele escolheu uma maleta opaca, quando o mesmo modelo em acrílico transparente era vendido no mesmo link?

Segundo o depoimento da professora, o relógio fazia barulho, por isso ela o notou. Esse é um relógio que só funciona ligado na tomada e o som que produz é do alarme. A bateria só serve como back up, para manter a programação na memória. Então, isso significa que ao invés de manter o relógio desligado dentro da mochila onde não seria notado, como foi recomendado pelo professor de engenharia, ele ligou o relógio na tomada e programou o alarme para tocar durante a aula de inglês. Por qual motivo ele fez isso, chamando a atenção da professora?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Diegojaf em 24 de Setembro de 2015, 06:23:34
Tem várias coisas estranhas nessa história do garoto.

Ele diz que "inventou um relógio", mas uma análise da foto do circuito mostra que é um relógio comercial de 1986. Ele apenas tirou da carcaça original e colocou em um estojo de lápis em forma de maleta vendida na Amazon. Para fazer isso não é necessária nenhuma habilidade eletrônica, apenas saber fazer uns furos em acrílico e apertar uns parafusos. Ou seja, ele está sendo, no mínimo, desonesto na sua afirmação.

Se a intenção era mostrar o circuito interno, então por que ele escolheu uma maleta opaca, quando o mesmo modelo em acrílico transparente era vendido no mesmo link?

Segundo o depoimento da professora, o relógio fazia barulho, por isso ela o notou. Esse é um relógio que só funciona ligado na tomada e o som que produz é do alarme. A bateria só serve como back up, para manter a programação na memória. Então, isso significa que ao invés de manter o relógio desligado dentro da mochila onde não seria notado, como foi recomendado pelo professor de engenharia, ele ligou o relógio na tomada e programou o alarme para tocar durante a aula de inglês. Por qual motivo ele fez isso, chamando a atenção da professora?

Você sabe que copiou na íntegra a "análise " de um site conspiracionista americano que foi replicado em vários outros blogs do mesmo estilo, certo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fabrício em 24 de Setembro de 2015, 06:38:37
Mesmo que o relógio do moleque não seja lá grande coisa, algema-lo e levar pra delegacia foi um exagero evidente. E preconceituoso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 24 de Setembro de 2015, 08:50:13
Tem várias coisas estranhas nessa história do garoto.

Ele diz que "inventou um relógio", mas uma análise da foto do circuito mostra que é um relógio comercial de 1986. Ele apenas tirou da carcaça original e colocou em um estojo de lápis em forma de maleta vendida na Amazon. Para fazer isso não é necessária nenhuma habilidade eletrônica, apenas saber fazer uns furos em acrílico e apertar uns parafusos. Ou seja, ele está sendo, no mínimo, desonesto na sua afirmação.

Se a intenção era mostrar o circuito interno, então por que ele escolheu uma maleta opaca, quando o mesmo modelo em acrílico transparente era vendido no mesmo link?

Segundo o depoimento da professora, o relógio fazia barulho, por isso ela o notou. Esse é um relógio que só funciona ligado na tomada e o som que produz é do alarme. A bateria só serve como back up, para manter a programação na memória. Então, isso significa que ao invés de manter o relógio desligado dentro da mochila onde não seria notado, como foi recomendado pelo professor de engenharia, ele ligou o relógio na tomada e programou o alarme para tocar durante a aula de inglês. Por qual motivo ele fez isso, chamando a atenção da professora?

Você sabe que copiou na íntegra a "análise " de um site conspiracionista americano que foi replicado em vários outros blogs do mesmo estilo, certo?

E qual é este site?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Hold the Door em 24 de Setembro de 2015, 14:25:26
Você sabe que copiou na íntegra a "análise " de um site conspiracionista americano que foi replicado em vários outros blogs do mesmo estilo, certo?

Não, não sei.

A única coisa que eu li foi um artigo mostrando tecnicamente que o circuito não foi feito por ele, mas era de um relógio comercial de 1986, inclusive com foto do anúncio do tal relógio e um link para o estojo que ele comprou na Amazon. O texto também discutia a paranóia americana com atentados desde 11 de setembro e sobre como o caso foi considerado uma hoax bomb, não uma bomba de verdade, o que é completamente não conspiracionista, mas não entrei nessa parte.

O resto é conclusão minha, por exemplo, ao me perguntar por que alguém iria colocar a suposta invenção que era pra mostrar pra todo mundo em um invólucro opaco e ao entrar no link do Amazon e perceber que havia o mesmo modelo em acrílico transparente.

E a conclusão de que ele deveria ter ligado o relógio na tomada e programado pra despertar durante a aula foi baseado no depoimento da professora que ouviu o relógio fazendo barulho durante a aula e o fato, para quem é da época e conhece esse tipo de relógio, de que eles não funcionavam fora da tomada, com a bateria apenas servindo para manter a programação de hora deles.

Se algum site conspiracionista chegou a mesma conclusão é porque é óbvia, mas isso não muda o fato de que o garoto trapaceou quando disse que inventou ou criou o relógio, nem responde aos outros questionamentos feitos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Barata Tenno em 24 de Setembro de 2015, 16:46:43
Ele comprou um relógio de 1986, desmontou e colocou numa caixa de lápis ou montou um relógio do mesmo modelo de um de 1986? Porque no segundo caso ainda é uma coisa bem legal pra um moleque de 14 anos.

Outra coisa, um professor da escola ja tinha analisado o relógio. Esses professores nnao conversam entre si? Um não poderia ter dito pro outro que não era uma bomba antes de chamarem a polícia?

Outra, menor de idade sendo alguemado e interrogado sem a presença dos pais e de advogados. Tantos erros nisso....
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sergiomgbr em 24 de Setembro de 2015, 16:55:40
Para o pobrizim do mininim parecer bonzim ele não precisa apenas sê-lo, ele tem que parecer sê-lo...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Hold the Door em 24 de Setembro de 2015, 20:35:19
Ele desmontou um relógio de 1986 e colocou em uma caixa de lápis.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Hold the Door em 24 de Setembro de 2015, 20:43:11
Quanto ao professor de engenharia elétrica, pela recomendação de colocar o relógio dentro da mochila e não mostrar, ele percebeu que a aparência dele ia causar problemas com os outros. Talvez tivesse pensado que se saísse comentando com os demais que um aluno construiu um relógio digital dentro de uma maleta, ia provocar exatamente essa reação por parte deles que queria evitar, mesmo afirmando que é apenas um relógio. E como o aluno supostamente não iria mostrar pra ninguém, também não era necessário sair comentando.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Barata Tenno em 25 de Setembro de 2015, 02:50:12
Quanto ao professor de engenharia elétrica, pela recomendação de colocar o relógio dentro da mochila e não mostrar, ele percebeu que a aparência dele ia causar problemas com os outros. Talvez tivesse pensado que se saísse comentando com os demais que um aluno construiu um relógio digital dentro de uma maleta, ia provocar exatamente essa reação por parte deles que queria evitar, mesmo afirmando que é apenas um relógio. E como o aluno supostamente não iria mostrar pra ninguém, também não era necessário sair comentando.

Só causaria problemas se os colegas de profissão não botassem fé na capacidade desse professor em diferenciar um relógio de uma bomba. Se o Snow chega pra mim e diz que fulano mostrou pra ele um relógio na maleta, eu não ia achar ele incapaz de diferenciar um relógio de uma bomba.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fernando Silva em 25 de Setembro de 2015, 08:20:11
Citar
1.2 - Cativos nas terras bárbaras - A história extraordinária dos escravos europeus na terra islâmica

Giles Milton / Comentários por Michel Castillon e Nicole Guiraud - 2006 - Petite Bibliothèque Payot

Os muçulmanos entraram pela primeira vez em 714 naquilo que era a França da época. Tomaram Narbonne, que se tornou sua base durante os 40 anos seguintes, e dali partiram para ataques metódicos.

Devastaram o Languedoc de 714 a 725, destruíram Nîmes em 725, devastaram a margem direita do Rhône e subiram até mesmo a Sens.
Em 721, um exército muçulmano com 100.000 soldados montou um cerco diante de Toulouse, defendida por Eudes, o duque de Aquitânia.
Charles Martel enviou tropas para ajudar Eudes. Depois de 6 meses de cerco, Eudes saiu e esmagou os muçulmanos, que recuaram desordenadamente para a Espanha e perderam, ao longo da campanha, 80.000 soldados.

Esta batalha de Toulouse é pouco lembrada porque Eudes era da dinastia merovíngia e os Capetos, que estavam se tornando os reis da França, não queriam admitir uma vitória merovíngia.

Os muçulmanos perceberam que era perigoso atacar a França contornando os Pireneus pelo leste e passaram a atacar passando pelo oeste.
15.000 cavaleiros muçulmanos tomaram e destruíram Bordeaux, depois a região do Loire e montaram um cerco a Poitiers até serem finalmente detidos por Carlos Martel e Eudes a 20km ao norte de Poitiers, em 732.

Os muçulmanos sobreviventes se dispersaram em pequenos bandos e continuaram a causar destruição na Aquitânia. Novos soldados se juntavam a eles de tempos em tempos para participar das pilhagens. Estes bandos só foram finalmente eliminados em 808, por Carlos Magno.

Os ataques a leste continuaram até que, em 737, Carlos Martel desceu em direção ao sul com um exército poderoso e retomou, sucessivamente, Avignon, Nîmes, Maguelone, Agde, Béziers e montou um cerco diante de Narbonne.

Entretanto, um ataque dos saxões ao norte da França obrigou Carlos Martel a deixar a região. Em 759, enfim, Pepino o Breve retomou Narbonne e esmagou definitivamente os invasores muçulmanos. Estes também se dispersaram em pequenos bandos, como tinha acontecido a oeste, e continuaram a devastar o país, principalmente deportando homens para se tornarem escravos castrados, e as mulheres para fazerem parte dos haréns da África do Norte, onde geraram muitos muçulmanos (ainda hoje existem árabes com olhos azuis devido a esses cruzamentos forçados).

A base desses bandos ficava em Fraxinetum (a atual Garde-Freinet, no Massif des Maures, na Provença).
Uma zona com uns 10.000 km² acabou totalmente despovoada.

Em 972, os bandos muçulmanos capturaram Mayeul, o abade de Cluny, na estrada do Monte Genèvre. A repercussão foi imensa.
Guilherme II, conde da Provença, levou 9 anos numa campanha eleitoral para motivar os provençais e, a partir de 983, começou uma caçada metódica aos bandos muçulmanos, grandes e pequenos.
Em 990, os últimos foram destruídos. Eles tinham aterrorizado a França durante 2 séculos.
Mas nem por isso terminou a pressão dos muçulmanos.

Ela continuou durante os 250 anos seguintes por meio de ataques relâmpagos a partir do mar. Os homens capturados eram enviados aos campos de castração na Córsega e, em seguida, aos banhos do Dar al Islam. As mulheres jovens iam para os haréns.
As bases dos piratas muçulmanos ficavam na Córsega, Sardenha, Sicília, nas costas da Espanha e da África do Norte.
Toulon foi inteiramente destruída pelos muçulmanos em 1178 e 1197. Com a população massacrada ou deportada, a cidade ficou deserta.
Finalmente, tendo os muçulmanos sido expulsos da Córsega, Sicília, Sardenha, do sul da Itália e do norte da Espanha, seus ataques ao território francês terminaram, embora tenha continuado os ataques de piratas no mar.

Foi apenas em 1830 que a França, irritada com os ataques, se decidiu a atingir a cabeça da serpente e invadiu a Argélia (que não existia como país na época, já que o país foi criado pela França em 1835) para destruir, em definitivo, as últimas bases dos piratas muçulmanos.

E hoje, mentes esclarecidas da política nos aborrecem com suas histórias de colonização, culpando-nos por atrocidades em muitos casos mentirosas.

http://alger26mars1962.fr/index.php?option=com_content&view=article&id=47:1-2-captifs-en-barbarie-l-histoire-extraordinaire-des-esclaves-europeens-en-terre-d-islam-giles-milton-notes-de-michel-castillon-et-de-nicole-guiraud&catid=26&Itemid=127
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 25 de Setembro de 2015, 10:25:10
Franceses burros: depois de toda essa história ainda deixam 5 milhões de muçulmanos viverem em seu território.  :nao3:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Diegojaf em 25 de Setembro de 2015, 10:50:16
Ele desmontou um relógio de 1986 e colocou em uma caixa de lápis.

E por isso ele merece ser preso? Por usar o termo incorreto ao se referir a algum projeto?

O vídeo do momento é de um cara com mestrado em engenharia fazendo o que ele fez em poucos segundos. Uau. O cara é melhor que um moleque de 14 anos. Fascinante.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Diegojaf em 25 de Setembro de 2015, 10:51:39
E qual é este site?

Google: "ahmed smear campaign" e vá nos sites da fox, young conservatives e até mesmo no storm front.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 25 de Setembro de 2015, 11:18:35
Tem várias coisas estranhas nessa história do garoto.

Ele diz que "inventou um relógio", mas uma análise da foto do circuito mostra que é um relógio comercial de 1986. Ele apenas tirou da carcaça original e colocou em um estojo de lápis em forma de maleta vendida na Amazon. Para fazer isso não é necessária nenhuma habilidade eletrônica, apenas saber fazer uns furos em acrílico e apertar uns parafusos. Ou seja, ele está sendo, no mínimo, desonesto na sua afirmação.

Se ele fez só isso realmente foi  picareta, mas nem o nome desse engenheiro está disponível. Ainda há coisas pra esclarecer. Íncrivel, se for picareta mesmo, conseguiu enganar Obama, Zuckerberg e outros grandes nomes. Prefiro esperar os próximos capítulos dessa novela.

Se a intenção era mostrar o circuito interno, então por que ele escolheu uma maleta opaca, quando o mesmo modelo em acrílico transparente era vendido no mesmo link?

Discordo. Para ver o circuito interno é só abrir a maleta opaca.

Segundo o depoimento da professora, o relógio fazia barulho, por isso ela o notou. Esse é um relógio que só funciona ligado na tomada e o som que produz é do alarme. A bateria só serve como back up, para manter a programação na memória. Então, isso significa que ao invés de manter o relógio desligado dentro da mochila onde não seria notado, como foi recomendado pelo professor de engenharia, ele ligou o relógio na tomada e programou o alarme para tocar durante a aula de inglês. Por qual motivo ele fez isso, chamando a atenção da professora?

Vamos esperar mais fatos/dados...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 25 de Setembro de 2015, 11:21:44
Ele desmontou um relógio de 1986 e colocou em uma caixa de lápis.

Será? É o que diz esse engenheiro desconhecido.

Obs: A polícia depois do inquérito não o acusou de nada. Ainda vamos saber de mais detalhes. Aguardemos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Brienne of Tarth em 28 de Setembro de 2015, 18:51:48
(https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xaf1/v/t1.0-9/11954793_1242924939067202_393415918182519607_n.jpg?oh=d2f195543403c8e763c1afedd36f0a67&oe=568CB7E6)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 28 de Setembro de 2015, 19:00:36
Brienne, essa tinha que ir pro tópico nonsense com Imagens (http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=2456.msg866941;boardseen#new) de tão nonsense que é.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Brienne of Tarth em 28 de Setembro de 2015, 21:40:57
Aos moderadores, minha humilde concordância caso  haja tal consenso... :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 08 de Abril de 2016, 06:36:02
http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/ativista_espancado_ate_a_morte_no_bangladesh____policia.html

Mais um exemplo do perigo islâmico... da forma como estupidifica as massas em muitos países...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 17 de Abril de 2016, 12:26:05
Mas para o pessoal da esquerda isso é culpa do ocidente imperialista ou de uma interpretação tosca do islã, eles não são tão ruins assim
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Abril de 2016, 16:35:20
Não. A esquerda meio que como regra (não sem muitas exceções) não é complacente conra o conservadorismo/tradicionalismo ou mesmo contra o anti-intelectualismo, é algo ao que é até consideravelmente intolerante, apesar de ao mesmo tempo também pregar tolerância com diversidade racial/cultural/sexual, quando esta não é danosa às pessoas.

Você está confundindo essas duas coisas, algo meio como "a sociedade deve combater o racismo, os negros são discriminados no mercado de trabalho, dando maiores chances de envolvimento com o crime, e depois são vítimas de discriminação racial até em suas penas", e então se atacar isso dizendo que "a esquerda quer pegar leve com os bandidos", "a sociedade não deve discriminar os gays", "a esquerda defende a legalização da pedofilia".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 22 de Abril de 2016, 21:40:21
É que a turma do  multiculturalismo e do "veja bem" geralmente é de esquerda,  que os males do islã são culpa do ocidente ou de um desvio dentro da religião.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 23 de Abril de 2016, 10:54:21
http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/professor_do_bangladesh_morto_a_facada.html

Mais um exemplo do perigo islâmico... da forma como estupidifica as massas em muitos países...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 23 de Abril de 2016, 11:21:09
http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/professor_do_bangladesh_morto_a_facada.html

Mais um exemplo do perigo islâmico... da forma como estupidifica as massas em muitos países...

Você acha certo se pegar um ou outro caso e culpar as massas?

Posso fazer isso também com os cristãos, não como tu quoque, mas só pra você perceber o quanto é ridículo.

Se quiser posso trazer alguns casos estúpidos de cristãos e falar como isso estupidifica as massas. É só pedir...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 23 de Abril de 2016, 16:04:13
Você acha certo se pegar um ou outro caso e culpar as massas?
Posso fazer isso também com os cristãos, não como tu quoque, mas só pra você perceber o quanto é ridículo.
Se quiser posso trazer alguns casos estúpidos de cristãos e falar como isso estupidifica as massas. É só pedir...

E o que interessa "os casos estúpidos de cristãos" num tópico sobre o perigo islâmico?... Cristãos, hindus, norte-coreanos, castristas, nazis, não são o tema em apreço...

E não é um caso ou outro, mas recorrentes... E não se trata de mera estupidificação... mas de estupidificação mortal... E aí nada se compara hoje ao que está a acontecer no contexto do islamismo...

E a culpa não é propriamente "das massas", mas de quem as "educa" de modo a provocar este tipo de reações... Afinal massas são massas não se pode esperar muito delas...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 23 de Abril de 2016, 20:32:46
Se quiser posso trazer alguns casos estúpidos de cristãos e falar como isso estupidifica as massas. É só pedir...

Mais interessante talvez fosse especular sobre os fatores que fazem com que cristãos* estejam, ao menos hoje, aparentemente comparativamente mais imunizados desse tipo de radicalismo religioso.

Podem ser diferenças apenas situacionais ou também inerentes a diferenças religiosas.


* ou mesmo outros grupos radicais, como nazistas, que aparentemente ainda ficam um pouco atrás de radicais/fundamentalistas muçulmanos em termos de prática, tanto de atentados terroristas como de "violência política/legal/para-legal"  -- eles não têm um estado ou regiões dominadas, ao estilo que fazia o KKK (e que por vezes ensaiam grupos muçulmanos em alguns países ocidentais, desde os Panteras Negras/Nação do Islã, até mais recentemente as "patrulha-sharia"). O mais próximo parece ser de um lado do espectro gangues menos ativas, e do outro, talvez propostas políticas de cunho nacionalista, ainda dentro de parâmetros legais, "por acaso" muito impulsionado pelos problemas sociais relacionados ao conflito cultural com comunidades muçulmanas minimamente integradas, e novos imigrantes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Abril de 2016, 02:04:57
Nossa! O cristianismo é um perigo, temos que acabar com essa religião maléfica!!!111!!

Uma pesquisadinha breve aqui no país mais católico do mundo (tomara que vocês não me provoquem, se não, trago toneladas de exemplos) :

Citar
Após ataques a templos, crimes de intolerância religiosa são investigados

(http://s2.glbimg.com/VVUMnUbuB39NpuPEhlnJfhkf8uc=/300x225/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/07/29/fogocentroespirita620x465_4.jpg)

Um setor exclusivo para investigar crimes motivados por intolerância religiosa foi criado nesta quinta-feira (13) pela Polícia Civil em Mato Grosso. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp-MT), o delegado Luciano Inácio da Silva foi designado para investigar os crimes. A polícia não tem um número oficial de casos de intolerância no estado.
O secretário de Segurança Pública, Mauro Zaque, assinou uma portaria oficializando a criação do setor para investigações. O documento ainda deve ser publicado no Diário Oficial do Estado (DOE). Líderes e representantes de centros espíritas, candomblé e umbanda também participaram da reunião. Os religiosos procuraram a secretaria para cobrar maiores investigações em supostos crimes praticados contra os grupos e templos religiosos.

Um dos casos citados pelo representante ocorreu no final de julho em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá. Vândalos invadiram o Centro Espírita Associação A Caminho da Luz e atearam fogo no local. Nenhuma pessoa foi presa ou identificada.
Em Cuiabá, no dia 1º de agosto, uma casa que realizava cerimônia de umbanda teve parte da estrutura queimada. “Esse setor que foi criado vai pelo menos ser um ponto de referencia para aqueles que estão sofrendo qualquer tipo de intolerância. Não necessariamente as pessoas vão ter que ir pra terreiro ou candomblé. Conhecendo já basta, pois aí a pessoa não vai mais criticar ou ter um ato de intolerância”, opinou Montezuma.
O setor vai funcionar em horário comercial dentro da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cuiabá, localizada na Avenida Tenente Coronel Duarte (Prainha), região central da capital mato-grossense.

“Às vezes na delegacia esses casos de intolerância religiosa eram registrados como briga, discussão ou invasão, quando na verdade se tratava de algo mais sério. Dessa forma, criamos o setor de atendimento de crimes praticados contra a intolerância religiosa. Os grupos alegavam que os crimes eram tratados como crimes comuns”, disse o secretário Mauro Zaque.
Conforme o secretário, mesmo que os crimes sejam registrados em outras delegacias, eles devem ser redirecionados para o setor de investigação exclusivo na DHPP. “Entendo que as religiões de origem africana talvez sejam desconhecidas até de certa forma agredidas. Eu quero entender e compreender a religião e poder tomar as medidas para centralizar as denúncias e informações de onde estão vindo esses ataques”, declarou o delegado nomeado para o setor, Luciano Inácio.
A pena para esse tipo de crime, segundo o delegado, varia entre 1 a 3 anos de prisão.
http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2015/08/apos-ataques-templos-crimes-de-intolerancia-religiosa-sao-investigados.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Abril de 2016, 04:19:49
Citar
http://www.thewire.com/global/2013/12/13-countries-where-atheism-punishable-death/355961/

There Are 13 Countries Where Atheism Is Punishable by Death

[...]Afghanistan, Iran, Malaysia, Maldives, Mauritania, Nigeria, Pakistan, Qatar, Saudi Arabia, Somalia, Sudan, United Arab Emirates and Yemen. With the exception of Pakistan, those countries all allow for capital punishment against apostasy, i.e., the renunciation of a particular religion. Pakistan, meanwhile, imposes the death penalty for blasphemy, which can obviously include disbelief in God.  [...]

The study's interactive map gives a good, broad, overview of which countries punish apostasy and blasphemy by death (black), with prison time (red), or place legal restrictions on (non-)religious speech and thought (yellow):

(http://cdn.theatlantic.com/assets/media/img/posts/2013/12/Screen_Shot_2013_12_10_at_9.32.54_AM-1/78d064b5a.png)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Abril de 2016, 10:34:50
Lamento essas leis anacrônicas, até em alguns estados dos EUA, mas quero saber quantos ateus são mortos de fato em cada país.

10 ateus que fizeram mal a humanidade (http://querosaberaverdadesim.blogspot.com.br/2011/07/10-ateus-que-fizeram-mal-humanidade.html)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Luiz F. em 24 de Abril de 2016, 11:19:32
Que blog esquisito.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 24 de Abril de 2016, 12:03:51
Lamento essas leis anacrônicas, até em alguns estados dos EUA, mas quero saber quantos ateus são mortos de fato em cada país.

10 ateus que fizeram mal a humanidade (http://querosaberaverdadesim.blogspot.com.br/2011/07/10-ateus-que-fizeram-mal-humanidade.html)

Pra avaliar a intolerância em um país o importante é a motivacao da morte e nao o número, nao podem ser consideradas, por exemplo, as mortes de ateus em acidentes de carro.

Mussolini e Napoleao ateus?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Abril de 2016, 12:22:52
(http://pnsdr.com/img/frase/na/po/napoleao_bonaparte_todas_as_religioes_f_ol.jpg?1440771314)

Aqui a viúva de Mussolini diz que ele era ateu. No início da vida se declarava ateu e depois cristão. (http://menezesciencia.blogspot.com.br/2012/12/10-mortes-de-personalidades-peculiares.html)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Luiz F. em 24 de Abril de 2016, 13:13:47
Essa frase do napoleão faz dele no máximo irreligioso e não ateu.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Abril de 2016, 18:01:30
Lamento essas leis anacrônicas, até em alguns estados dos EUA, mas quero saber quantos ateus são mortos de fato em cada país.

10 ateus que fizeram mal a humanidade (http://querosaberaverdadesim.blogspot.com.br/2011/07/10-ateus-que-fizeram-mal-humanidade.html)

Provavelmente o número é ínfimo, aumentando mais consideravelmente se incluir penas de morte por apostasia em geral, e outras coisas como homossexualidade, ou ser vítima de estupro, talvez ter cachorro de estimação, sei lá.

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/saudiarabia/11431509/Saudi-Arabia-court-gives-death-penalty-to-man-who-renounced-his-Muslim-faith.html

Executions In Iran Have Surged This Year, Report Finds
And trials in the country are “blatantly unfair,” Amnesty International says.
http://www.huffingtonpost.com/entry/amnesty-iran-executions_us_55b13ca5e4b08f57d5d40bd2







(http://pnsdr.com/img/frase/na/po/napoleao_bonaparte_todas_as_religioes_f_ol.jpg?1440771314)

Aqui a viúva de Mussolini diz que ele era ateu. No início da vida se declarava ateu e depois cristão. (http://menezesciencia.blogspot.com.br/2012/12/10-mortes-de-personalidades-peculiares.html)


Quando o Dawkins ou o Dennett escreverem "a bíblia do ateu", e as pessoas começarem a sair por aí matando de acordo com instruções dela, então poderemos começar a falar de perigo do ateísmo dawki-dennetânico. Até lá é algo meio como "perigo a-astrológico", não dá para fazer uma associação geral, mesmo que houver instâncias de justificação de violência na descrença na astrologia, porque não faz parte "canônica" de uma corrente de pensamento.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Abril de 2016, 18:48:30
Não precisa de "bíblia do ateu" para um possível ódio contra religiosos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Abril de 2016, 18:58:53
Não, mas então seria "o perigo do ódio contra os religiosos", que não é codificado/canonizado no ateísmo, ou no deísmo, ou no "arreligionismo", etc, diferentemente de como costuma ser com os "perigos religiosos", canônicos, ou mais solidamente codificado apocrifamente ou no mínimo mantido por tradição oral, ou movimento mais delineado.

Algo como um site/ONG, "religião é câncer", com lema, "câncer precisa ser extirpado", comumente incitando ou fazendo apologia a violência contra religiosos, possibilitaria começar a falar do "perigo RéCista".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Abril de 2016, 17:46:29
http://exame.abril.com.br/mundo/noticias/quem-e-o-grupo-extremista-que-decapitou-o-refem-canadense


("Coincidentemente" é um grupo islâmico)


Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Abu_Sayyaf

Abu Sayyaf (Listeni/ˌɑːbuː/ /sɑːˌjɔːf/; Arabic: جماعة أبو سياف‎; Jamāʿah Abū Sayyāf, ASG, Filipino: Grupong Abu Sayyaf)[22] is a militant group based in and around Jolo and Basilan islands in the southwestern part of the Philippines, where for more than four decades, Moro groups have been engaged in an insurgency for an independent province in the country. The group is considered very violent,[23] and was responsible for the Philippines' worst terrorist attack, the bombing of Superferry 14 in 2004, which killed 116 people.[24] The name of the group is derived from the Arabic ابو, abu ("father of") and sayyaf ("swordsmith").[25] As of 2012, the group was estimated to have between 200 and 400 members,[26] down from 1250 in 2000.[27]

...

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Abril de 2016, 18:32:34
Normal: terrorista decapitou refém: se for islâmico é culpa do Islamismo. Se for cristão então não, vamos ver a motivação. Do lado de lá é Islão, do lado de cá aí não.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Abril de 2016, 18:42:45
"Só os terroristas auto-declaradamente islâmicos que não são praticam o verdadeiro islamismo."

Pode estar certo que um eventual "Estado Cristão" que estivesse fazendo as mesmas coisas e embebendo todo seu discurso em cristianismo contra os infiéis, teria a mesma condenação, ao menos entre muitos ateus, bem como similar tentativa de isolar do "verdadeiro cristianismo" por parte de outros cristãos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Abril de 2016, 20:18:48
Se você ler um pouco do link que você próprio trouxe...

The commander of the Philippines military’s Western Mindanao Command Lieutenant General Rustico Guerrero, also describes Abu Sayyaf as "a local group with a local agenda."

Two kidnapping victims, (Martin and Gracia Burnham) who were kept in captivity by ASG for over a year, "gently engaged their captors in theological discussion" and found Abu Sayyaf fighters to be unfamiliar with the Qur'an.


Mas é simples: se for do lado de lá é porque é islâmico, mesmo se o cara não souber merda nenhuma de islamismo, estiver atrás de dinheiro poder, drogas...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Abril de 2016, 21:00:16
Eles juraram lealdade ao EI. O fato de alguém dizer que eles não tem familiaridade com o corão não quer dizer absolutamente nada, ainda mais se essa "familiaridade" for em torno de como não interpretá-lo literalmente.


Ainda da wikipédia, no quadro informativo:

Ideology   Islamism
Islamic fundamentalism
Salafi[1]
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Abril de 2016, 21:33:19
Familiaridade não como interpretação,  mas como pouco conhecimento mesmo. Não inventa história.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 27 de Abril de 2016, 00:48:33
Você tem mais detalhes do que o cara alega ser a evidência de falta de familiaridade desses fundamentalistas islâmicos com o islamismo? :hein:


Eu não estou "inventando" nada, apenas supondo, de acordo com o padrão geral de tentativas de dissociação que são feitas.



A "interpretação literal" eles muito provavelmente conhecem -- só que essa estaria "errada", o texto mesmo, literal. Precisa de alguma outra "familiaridade", um entendimento que é por algum motivo mais complicado de se chegar do que só lendo o texto, e que no entanto alegadamente seria o "verdadeiro".

Provavelmente não é. Duvido que haja suporte lingüístico e histórico aos malabarismos feitos, da mesma forma que duvido de malabarismos similares para os "não permitirás a uma bruxa viver" e etc. É assim com o cristianismo, e é assim com o islamismo e outras religiões.


É apenas sorte do desenvolvimento cultural paralelo à tradição religiosa que os seguidores das religiões foram deixando o barbarismo de lado e o enfraquecendo com malabarismos interpretativos e outros enfoques. Mas ele está latente nos textos, e será reavivado sempre que o ambiente for favorável.

Porque não existe um deus que ditou qualquer livro sagrado. São criações humanas, de povos bárbaros e ignorantes, criações essas moldadas apenas pela capacidade de serem transmitidas culturalmente, custe o que custar.







http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2016/01/31/boko-haram-queima-criancas-vivas-em-atentado-na-nigeria.htm
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 27 de Abril de 2016, 06:25:18
É, está escrito em textos sagrados que tem pedir milhões em resgate, vender drogas e queimar crianças vivas... ::)

Pra mim ficou bastante claro quando disseram sobre familiaridade, mas fique à vontade pra flexibilizar/adulterar a mensagem do refém.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 27 de Abril de 2016, 16:51:18
"É, está escrito em mein kampf que os judeus devem ser mortos em câmaras de gás, e pilhar suas riquezas".

Logo, o anti-semitismo, o racismo e nazismo, talvez nem Hitler (que talvez não fosse verdadeiramente nazista ele mesmo!) não podem ser culpados do holocausto.

Faça-me o favor...

A declaração dos reféns é apenas de que os membros do grupo não tem familiaridade com a religião que seguem, na avaliação deles, mas não especificam mais do que isso, e ainda se restringe a um subgrupo indefinido dos membros do grupo. Você está imaginando que os fundamentalistas não conhecem o texto, eu estou supondo que seja o padrão de seguirem o texto literal, e não com as interpretações amenizantes e etc e tal. Por isso querem impor coisas como sharia, são muçulmanos, só faz sentido sendo muçulmanos. Negar isso implica numa teoria de conspiração das mais espalhafatosas.

No mínimo se é obrigado a admitir que conhecer mal ao islamismo está espantosamente mais associado a terrorismo do que mau conhecimento do cristianismo e outras religiões... "engraçado".


Repito: o islã não é "a religião verdadeira". Como qualquer outra, é uma criação humana, sem inspiração mágica, e que para se perpetuar e promover poderá usar de violência. Esses são apenas os fatos, sem excepcionalismo, sem misticismo, sem negacionismo, sem falso escocês. Os grupos são aquilo que se rotulam ser em seus rótulos mais essenciais, tirando qualquer assunção sobre serem "os verdadeiros escolhidos de deus" -- isso apenas significa que é no que crêem, evidentemente.



Tanto so sunitas quanto xiitas são muçulmanos. Se formos levar a sério esse papo de "a minha versão X é o verdadeiro islã, o fundamentalismo islâmico dos terroristas que querem sharia e implementação de uma nação islmâmica não", a coisa já começaria daí, já que seguidores desde essas vertentes poderão considerar a outra um falso islã.









Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 27 de Abril de 2016, 17:13:34
Perdeu playboy:  :histeria:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_de_Godwin

Não sabia que mein kampf era a "bíblia dos nazistas" e que alguém só pode ser considerado nazista se seguir esse livro: isso é uma novidade!

O seu erro, como o da maioria é confundir terrorista com religioso. Isso explica tudo! A religião é usada como instrumento para se chegar ao poder, riqueza. Gritam "Deus é grande" enquanto atingem seu objetivo mor que é o terreno.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 27 de Abril de 2016, 17:18:40
Independentemente do livro de hitler não ser "bíblia" dos nazista, é "possível" "sustentar" igualmente que o holocausto não foi algo que seguia aos "verdadeiros ideais" nazistas. (Se não for negado completamente, como fazem muitos neonazistas... e muçulmanos)

Não, eu não confundi terrorista com religioso. Apenas admito que os terroristas de motivação religiosa são religiosos, que seguem a religião que promovem com terrorismo. Não é uma conspiração para promover uma religião falsa por gente que não crê verdadeiramente naquilo que promove.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 27 de Abril de 2016, 17:25:53
Então queimar crianças vivas é uma forma de promover a religião dos terroristas segundo a ótica deles.

Muito bem, vai seguindo nessa linha que você está cada vez melhor...  ::)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 27 de Abril de 2016, 18:01:34
Sim, eles devem considerar como uma tática válida de jihad, inspirar terror, e conquistar território.


(Boko Haram é outro grupo consensualmente tido como terrorista islamista*)


OU, podem ser judeus financiados pelo George Soros agindo sob falsos motivos, verdadeiramente servindo à domunação judaico-capitalista global.

OU, reptilianos, idem, mas servindo à conquista terrestres pelos greys.



*
Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Boko_Haram#Ideology

Boko Haram was founded as a Sunni Islamic fundamentalist sect, influenced by the Wahhabi movement, advocating a strict form of Sharia law. It developed into a Salafist-jihadi group in 2009. The movement is diffuse, and fighters associated with it do not necessarily follow Salafi doctrine.[36][37][38][39][40] The group has denounced the members of the Sufi, the Shiite, and the Izala sects as infidels.[41] Boko Haram seeks the establishment of an Islamic state in Nigeria. It opposes the Westernization of Nigerian society and the concentration of the wealth of the country among members of a small political elite, mainly in the Christian south of the country.[42][43] Nigeria is Africa's biggest economy, but 60% of its population of 173 million (2013) live on less than $1 a day.[44][45][46] The sharia law imposed by local authorities, beginning with Zamfara in January 2000 and covering 12 northern states by late 2002, may have promoted links between Boko Haram and political leaders, but was considered by the group to have been corrupted.[47]:101[48][49][50]

According to Borno Sufi Imam Sheik Fatahi, Yusuf was trained by Kano Salafi Izala Sheik Ja'afar Mahmud Adamu, who called him the "leader of young people"; the two split some time in 2002–04. They both preached in Maiduguri's Indimi Mosque, which was attended by the deputy governor of Borno.[33][51] Many of the group were reportedly inspired by Mohammed Marwa, known as Maitatsine ("He who curses others"), a self-proclaimed prophet (annabi, a Hausa word usually used only to describe the founder of Islam) born in Northern Cameroon who condemned the reading of books other than the Quran.[30][52][53][54] In a 2009 BBC interview, Yusuf, described by analysts as being well-educated, reaffirmed his opposition to Western education. He rejected the theory of evolution, said that rain is not "an evaporation caused by the sun", and that the Earth is not a sphere.[55]





Negar essa associação segue mais ou menos aquelas lógicas datenescas: na prisão não tem nenhum religioso ou crente, porque quem cometeu algum crime não tem verdadeiramente Deus no coração. Pior: esses grupos não são gangues que calham de seguir a religião local, são voltadas especificamente a promoção de sua visão religiosa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 27 de Abril de 2016, 19:32:43
http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/boko-haram-mata-44-pessoas-em-mesquita-na-nigeria

http://nelsonfrancojobim.blogspot.com.br/2015/10/boko-haram-ataca-mais-duas-mesquitas-na.html?m=1

Sua visão do problema é muito superficial,  simplória, lugar-comum. Com todo o respeito!  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 27 de Abril de 2016, 19:44:23
Não, não é. Essa tentativa de "refutação" que é muito superficial, simplória, com todo o respeito.

Simplesmente não tem nada de "inesperado" ou incompatível com serem muçulmanos ao matar outros muçulmanos (que por sua vez eles não consideram os verdadeiros muçulmanos, já que são menos literalistas) como parte de sua guerra santa de promoção de sua visão religiosa. Podem até matar o próprio líder, como fizeram num desses grupos.


Citação de: PiG
[...]atuação violenta do Boko Haram, que quer derrubar o governo e criar um estado islâmico no norte do país.
O Boko Haram geralmente ataca igrejas, mas às vezes têm como alvo mesquitas também, cujos fiéis discordam de suas crenças.[...]
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 27 de Abril de 2016, 20:08:03
Eu compreendo a sua visão do problema.   :)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 06 de Maio de 2016, 18:20:40
Citar
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres (http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2016/05/06/trabalhista-khan-se-torna-primeiro-prefeito-muculmano-de-londres-apos-campanha-agressiva.htm)

(http://imguol.com/c/noticias/88/2016/05/05/5mai2016---o-candidato-trabalhista-a-prefeitura-de-londres-sadiq-khan-e-sua-mulher-saadiya-deixam-secao-eleitoral-no-sul-da-capital-inglesa-1462459589832_615x300.jpg)
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres

Filho de um motorista de ônibus, Sadiq Khan se tornou o primeiro prefeito muçulmano de Londres nesta sexta-feira (6), derrotando um adversário conservador que tentou ligá-lo ao extremismo e garantindo uma vitória mais que necessária para o opositor Partido Trabalhista.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, enviou seus parabéns antes mesmo de Khan ter recebido a notificação oficial de seu triunfo, um remédio parcial para as dores dos Trabalhistas, que sofreram derrotas em várias outras eleições locais na quinta-feira.

Duramente golpeados na Escócia, onde ficaram na terceira colocação, atrás do Partido Nacionalista Escocês e do governista Partido Conservador, os Trabalhistas se saíram melhor do que o esperado na Inglaterra, poupando seu líder de inclinação esquerdista de um questionamento precoce.

Mas o grande prêmio foi a disputa por Londres, que colocou em confronto Khan, de 45 anos, que cresceu em moradias populares da capital, e o conservador Zac Goldsmith, de 41 anos, filho de um bilionário do setor financeiro.



Uma fonte a par da apuração disse que Khan não podia mais ser derrotado. De Blasio disse no Twitter: "Enviando felicitações ao novo prefeito de Londres e colega na defesa das moradias acessíveis, @SadiqKhan".

A margem de vitória de Khan promete ser menor do que o imaginado, um possível sinal de que a campanha violenta, marcada por acusações de antissemitismo entre os Trabalhistas, pode ter cobrado seu preço.

O legislador irá substituir o conservador Boris Johnson, que comandou a metrópole de 8,6 milhões de habitantes durante oito anos. Um dos principais defensores da saída britânica da União Europeia, Johnson é visto como um forte concorrente para a sucessão do primeiro-ministro britânico, David Cameron, como líder partidário e premiê.

Os Conservadores estavam determinados a manter o cargo, que não controla o centro financeiro londrino, mas exerce influência na defesa dos interesses da capital junto ao governo. O prefeito é responsável por áreas como policiamento, transporte, moradia e meio-ambiente.

Para o mundo que eu quero descer! Onde já se viu? Uma Europa sendo invadida por esses terroristas ou projeto de terroristas que se multiplicam como coelhos, a Europa virando uma Eurábia em poucos anos e esses londrinos idiotas elegendo esse prefeito muçulmano com cara de bonzinho, mas uma cobra venenosa por dentro, vão se aproximando como quem não quer nada e dão o bote! Onde vamos parar? Temos que proteger a nossa querida Europa desses vermes! Vamos fazer uma campanha alertando esses londrinos imbecis antes que seja tarde e contamine o restante da Europa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 06 de Maio de 2016, 19:59:47
O cristianismo começou assim, de mansinho. Hoje temos Olavo de Carvalho.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 07 de Maio de 2016, 00:40:02
(http://og.infg.com.br/in/19253331-06d-431/FT1086A/420/BRITAIN-POLITICS_LONDON-MAYOR-GA02N73J6.1.jpg)
Candidato neonazista dá as costas a novo prefeito de Londres
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 07 de Maio de 2016, 02:17:38
(http://og.infg.com.br/in/19253331-06d-431/FT1086A/420/BRITAIN-POLITICS_LONDON-MAYOR-GA02N73J6.1.jpg)
Candidato neonazista dá as costas a novo prefeito de Londres


Muita gente viraria as costas a um prefeito neonazista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 07 de Maio de 2016, 07:51:33
Citar
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres (http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2016/05/06/trabalhista-khan-se-torna-primeiro-prefeito-muculmano-de-londres-apos-campanha-agressiva.htm)

(http://imguol.com/c/noticias/88/2016/05/05/5mai2016---o-candidato-trabalhista-a-prefeitura-de-londres-sadiq-khan-e-sua-mulher-saadiya-deixam-secao-eleitoral-no-sul-da-capital-inglesa-1462459589832_615x300.jpg)
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres

Filho de um motorista de ônibus, Sadiq Khan se tornou o primeiro prefeito muçulmano de Londres nesta sexta-feira (6), derrotando um adversário conservador que tentou ligá-lo ao extremismo e garantindo uma vitória mais que necessária para o opositor Partido Trabalhista.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, enviou seus parabéns antes mesmo de Khan ter recebido a notificação oficial de seu triunfo, um remédio parcial para as dores dos Trabalhistas, que sofreram derrotas em várias outras eleições locais na quinta-feira.

Duramente golpeados na Escócia, onde ficaram na terceira colocação, atrás do Partido Nacionalista Escocês e do governista Partido Conservador, os Trabalhistas se saíram melhor do que o esperado na Inglaterra, poupando seu líder de inclinação esquerdista de um questionamento precoce.

Mas o grande prêmio foi a disputa por Londres, que colocou em confronto Khan, de 45 anos, que cresceu em moradias populares da capital, e o conservador Zac Goldsmith, de 41 anos, filho de um bilionário do setor financeiro.



Uma fonte a par da apuração disse que Khan não podia mais ser derrotado. De Blasio disse no Twitter: "Enviando felicitações ao novo prefeito de Londres e colega na defesa das moradias acessíveis, @SadiqKhan".

A margem de vitória de Khan promete ser menor do que o imaginado, um possível sinal de que a campanha violenta, marcada por acusações de antissemitismo entre os Trabalhistas, pode ter cobrado seu preço.

O legislador irá substituir o conservador Boris Johnson, que comandou a metrópole de 8,6 milhões de habitantes durante oito anos. Um dos principais defensores da saída britânica da União Europeia, Johnson é visto como um forte concorrente para a sucessão do primeiro-ministro britânico, David Cameron, como líder partidário e premiê.

Os Conservadores estavam determinados a manter o cargo, que não controla o centro financeiro londrino, mas exerce influência na defesa dos interesses da capital junto ao governo. O prefeito é responsável por áreas como policiamento, transporte, moradia e meio-ambiente.

Para o mundo que eu quero descer! Onde já se viu? Uma Europa sendo invadida por esses terroristas ou projeto de terroristas que se multiplicam como coelhos, a Europa virando uma Eurábia em poucos anos e esses londrinos idiotas elegendo esse prefeito muçulmano com cara de bonzinho, mas uma cobra venenosa por dentro, vão se aproximando como quem não quer nada e dão o bote! Onde vamos parar? Temos que proteger a nossa querida Europa desses vermes! Vamos fazer uma campanha alertando esses londrinos imbecis antes que seja tarde e contamine o restante da Europa.

Que treta desonesta  :olheira:... É evidente que o homem venceu como trabalhista e não como muçulmano..., nem a mulher usa qualquer cobertura na cabeça de justificação religiosa nem ele fez campanha em prol de princípios muçulmanos a aplicar em Londres..., até ouvi dizer que era um defensor dos direitos humanos de raiz liberal ocidental... Se separa a religião da política porquê destacá-lo como "muçulmano" em vez de democrata ou trabalhista ou defensor dos direitos humanos?... Ou porque não apontar que defensor de casamento homossexual vence câmara de Londres (como é o caso)????

Como é que Sadiq encara pessoalmente o islamismo?... E, já agora, como o vêem os militantes combatentes islamitas?... Tudo isso é relevante para levar a sério um título que destaca o islamismo do presidente da câmara antes de qualquer outra das suas caraterísticas...
 
http://economico.sapo.pt/noticias/muculmano-sadiq-khan-eleito-mayor-de-londres_248944.html

Que tal antes o título de: Muçulmano derrota Judeu para a câmara de Londres? :idea: (se o que importa é a origem ou a crença religiosa...).

Só mais uma "curiosidade" especialmente relevante... Em 2008, Sadiq  foi nomeado Ministro de Estado das Comunidade... Bem antes de ser presidente de câmara já fora ministro trabalhista...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 07 de Maio de 2016, 09:51:51
Citar
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres (http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/reuters/2016/05/06/trabalhista-khan-se-torna-primeiro-prefeito-muculmano-de-londres-apos-campanha-agressiva.htm)

(http://imguol.com/c/noticias/88/2016/05/05/5mai2016---o-candidato-trabalhista-a-prefeitura-de-londres-sadiq-khan-e-sua-mulher-saadiya-deixam-secao-eleitoral-no-sul-da-capital-inglesa-1462459589832_615x300.jpg)
Trabalhista Sadiq Khan se torna o primeiro prefeito muçulmano de Londres

Filho de um motorista de ônibus, Sadiq Khan se tornou o primeiro prefeito muçulmano de Londres nesta sexta-feira (6), derrotando um adversário conservador que tentou ligá-lo ao extremismo e garantindo uma vitória mais que necessária para o opositor Partido Trabalhista.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, enviou seus parabéns antes mesmo de Khan ter recebido a notificação oficial de seu triunfo, um remédio parcial para as dores dos Trabalhistas, que sofreram derrotas em várias outras eleições locais na quinta-feira.

Duramente golpeados na Escócia, onde ficaram na terceira colocação, atrás do Partido Nacionalista Escocês e do governista Partido Conservador, os Trabalhistas se saíram melhor do que o esperado na Inglaterra, poupando seu líder de inclinação esquerdista de um questionamento precoce.

Mas o grande prêmio foi a disputa por Londres, que colocou em confronto Khan, de 45 anos, que cresceu em moradias populares da capital, e o conservador Zac Goldsmith, de 41 anos, filho de um bilionário do setor financeiro.



Uma fonte a par da apuração disse que Khan não podia mais ser derrotado. De Blasio disse no Twitter: "Enviando felicitações ao novo prefeito de Londres e colega na defesa das moradias acessíveis, @SadiqKhan".

A margem de vitória de Khan promete ser menor do que o imaginado, um possível sinal de que a campanha violenta, marcada por acusações de antissemitismo entre os Trabalhistas, pode ter cobrado seu preço.

O legislador irá substituir o conservador Boris Johnson, que comandou a metrópole de 8,6 milhões de habitantes durante oito anos. Um dos principais defensores da saída britânica da União Europeia, Johnson é visto como um forte concorrente para a sucessão do primeiro-ministro britânico, David Cameron, como líder partidário e premiê.

Os Conservadores estavam determinados a manter o cargo, que não controla o centro financeiro londrino, mas exerce influência na defesa dos interesses da capital junto ao governo. O prefeito é responsável por áreas como policiamento, transporte, moradia e meio-ambiente.

Para o mundo que eu quero descer! Onde já se viu? Uma Europa sendo invadida por esses terroristas ou projeto de terroristas que se multiplicam como coelhos, a Europa virando uma Eurábia em poucos anos e esses londrinos idiotas elegendo esse prefeito muçulmano com cara de bonzinho, mas uma cobra venenosa por dentro, vão se aproximando como quem não quer nada e dão o bote! Onde vamos parar? Temos que proteger a nossa querida Europa desses vermes! Vamos fazer uma campanha alertando esses londrinos imbecis antes que seja tarde e contamine o restante da Europa.

Que treta desonesta  :olheira:... É evidente que o homem venceu como trabalhista e não como muçulmano..., nem a mulher usa qualquer cobertura na cabeça de justificação religiosa nem ele fez campanha em prol de princípios muçulmanos a aplicar em Londres..., até ouvi dizer que era um defensor dos direitos humanos de raiz liberal ocidental... Se separa a religião da política porquê destacá-lo como "muçulmano" em vez de democrata ou trabalhista ou defensor dos direitos humanos?... Ou porque não apontar que defensor de casamento homossexual vence câmara de Londres (como é o caso)????

Como é que Sadiq encara pessoalmente o islamismo?... E, já agora, como o vêem os militantes combatentes islamitas?... Tudo isso é relevante para levar a sério um título que destaca o islamismo do presidente da câmara antes de qualquer outra das suas caraterísticas...
 
http://economico.sapo.pt/noticias/muculmano-sadiq-khan-eleito-mayor-de-londres_248944.html

Que tal antes o título de: Muçulmano derrota Judeu para a câmara de Londres? :idea: (se o que importa é a origem ou a crença religiosa...).

Só mais uma "curiosidade" especialmente relevante... Em 2008, Sadiq  foi nomeado Ministro de Estado das Comunidade... Bem antes de ser presidente de câmara já fora ministro trabalhista...

Fala isso pro David Cameron (http://www.telegraph.co.uk/news/2016/04/20/david-cameron-called-racist-after-accusing-sadiq-khan-over-links/), pra esse cara que virou a bunda e pra todos da extrema direita européia!

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 07 de Maio de 2016, 10:05:50
Será que a recíproca seria verdadeira?

Citar
Londres-Meca (http://www.oantagonista.com/posts/londres-meca)
Mundo 06.05.16 20:01

Londres terá o primeiro prefeito muçulmano.

O multiculturalismo será perfeito quando o prefeito de Meca puder ser um cristão.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 07 de Maio de 2016, 10:29:09
Será que a recíproca seria verdadeira?

Citar
Londres-Meca (http://www.oantagonista.com/posts/londres-meca)
Mundo 06.05.16 20:01

Londres terá o primeiro prefeito muçulmano.

O multiculturalismo será perfeito quando o prefeito de Meca puder ser um cristão.



Só depois que a Arábia Saudita virar uma democracia. Mais fácil acontecer na Tunísia...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Maio de 2016, 11:37:06
Talvez não haja, mas sob essas colocações parece um pouco haver a sugestão com uma "lógica" de que "não deveria haver prefeitos da religião X numa região de religião majoritária Y até que haja prefeitos da religião Y em regiões com religião majoritária X". O que na prática é a afirmação de que os prefeitos tem sempre que ser da religião majoritária.

OK mencionar o contraste como uma "cobrança" do mesmo tipo de tolerância, liberdade, e cidadania, mas então não deve haver qualquer aversão a situação presente onde há toda essa tolerância, liberdade, e cidadania.

Apenas analisando pelo fato superficial. Se estiver havendo políticas preferenciais, discriminatórias, como uma espécie de secessão/invasão através da democracia, então isso é todo um outro problema distinto.

Assim como é OK qualquer permutação de prefeitos católicos ou protestantes lá naquelas bandas da Irlanda e etc e tal.




Mas "multiculturalismo" como quase "indivíduos-embaixadas", legislação a grupos adaptada a diferentes origens nacionais e étnicas, isso eu acho bastante indesejável e algo que em última instância não deva existir, muito embora talvez seja razoável ter uma espécie de política de "assimilação gradual", aumentando a "hospitalidade" do país a pessoas de culturas diferentes (e logo sua integração), desde que não atropelando os direitos dos outros ou mesmo dos próprios imigrantes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 11 de Maio de 2016, 20:31:49
ISIS kills Christians for refusing to convert to Islam

http://www.express.co.uk/news/world/669405/ISIS-kills-Christians-for-refusing-convert-Islam-sickening-video

(http://cdn.images.express.co.uk/img/dynamic/78/590x/ISIS-video-669405.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Maio de 2016, 21:06:19
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 11 de Maio de 2016, 21:35:05
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Assim bem específico não tem, mas aqui tem vários similares:

http://www.thereligionofpeace.com/pages/quran/violence.aspx

Há 30 ocorrências ao termo "kill" nesta página.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Maio de 2016, 22:06:07
Um post sobre contradições do Alcorão: tirem suas conclusões:

:muculmano:  Se um muçulmano tiver a coragem da simples tarefa de enxergar as várias contradições em seu livro sagrado, acabará abandonando a religião. Desconfio haver muitos muçulmanos que já perceberam isso. O problema é que muitas pessoas necessitam de alguma religião e acabam se enganando e ficando só com as partes boas do livro. :louva:

Citar
2.62 Os fiéis, os judeus, os cristãos, e os sabeus, enfim todos os que crêem em Deus, no Dia do Juízo Final, e praticam o bem, receberão a sua recompensa do seu Senhor e não serão presas do temor, nem se atribuirão.

5.51 Ó fiéis, não tomeis por confidentes os judeus nem os cristãos; que sejam confidentes entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por confidentes, certamente será um deles; e Deus não encaminha os iníquos.

5.82 Constatarás que os piores inimigos dos fiéis, entre os humanos, são os judeus e os idólatras. Constatarás que aqueles que estão mais próximos do afeto dos fiéis são os que dizem: Somos cristãos!, porque possuem sacerdotes e não ensoberbecem de coisa alguma.


Vou postando aos poucos...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 11 de Maio de 2016, 22:09:50
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Embutido nos vários trechos que incitam e clamam a morte dos infiéis?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 11 de Maio de 2016, 23:35:46
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Embutido nos vários trechos que incitam e clamam a morte dos infiéis?

Você viu como o Alcorão se refere aos cristãos no meu último post.

Por que será que os muçulmanos ficaram 700 anos em Portugal e Espanha e houve tolerância?  Esse argumento é poderoso pois 700 anos não é 700 dias.  Lá o islamismo não é maioria.

Igrejas há na maioria dos países com maioria muçulmana.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 12 de Maio de 2016, 00:03:32

Você viu como o Alcorão se refere aos cristãos no meu último post.

Por que será que os muçulmanos ficaram 700 anos em Portugal e Espanha e houve tolerância?  Esse argumento é poderoso pois 700 anos não é 700 dias.  Lá o islamismo não é maioria.

Igrejas há na maioria dos países com maioria muçulmana.


Os muçulmanos, quando dominaram a Península ibérica, viviam sob uma outra perspectiva em  sua religião.  A dos Mutazilites, que exaltava o uso da razão para chegara "verdade" em sua religião. Esse texto explica um pouco isso:

Citar
O Oriente Médio precisa de um Voltaire?

[...]Felizmente, não obstante, o Islã teve os seus próprios Voltaire; mas, lamentavelmente, esses foram enterrados pelo fanatismo há vários séculos, e seguem sepultados. Nesse sentido, a salvação do Islã não está na importância de Voltaire, mas no desenterro destas figuras “voltaireanas”, mas não por outro senão o da própria civilização islâmica.

Todas essas figuras defenderam o uso da racionalidade. Averróis, por exemplo, disse que uma doutrina a qual chega-se pela razão, pode-se argumentar, ainda que contradiga os parâmetros da fé. Ibn al-Rawandi foi ainda mais longe, ao ponto de rechaçar a historicidade dos milagres, a veracidade das história sobre Maomé, e a própria existência de Deus.[...]

[...]Até o século VIII, os mutazilites, uma escola filosófica que exaltava o uso da razão (mas, não ao ponto de abraçar o ateísmo), influenciou sobre o califado. Foi a época dourada da civilização islâmica. Mas, tal como conta Robert Reilly em seu livro The Closing of the Muslim Mind, o declive do Islã começou quando os mutazilites perderam o favor dos califas, e foram reprimidos, no século X. Em seu lugar, os azarias foram favorecidos. Os mutazilites opuseram-se à doutrina de que o Corão é um livro não-criado e eterno (crer-se que é eterno seria idolatria, pois isso faria do Corão um deus em si mesmo, opinavam os mutazilites), enquanto que os azarias opinavam que o Corão não foi criado. Até hoje, a interpretação dos azarias tem prevalecido. E isso propicia o fanatismo, pois, ao considerar que o Corão é um livro não-criado e eterno, considera-se que ele é atemporal, e nesse sentido, não é propriamente contextualizável em épocas históricas: é um livros para todas as épocas, e, sendo assim, deve interpretar-se literalmente em sua totalidade.

De acordo com Reilly e outros historiadores, o maior responsável individual do declive do Islã no fanatismo, na ignorância e na barbárie, foi o filósofo Al-Ghazali, o máximo exponente dos azarias. Al-Ghazali promovia a ideia de que Deus não está sujeito a nenhuma lei, e pode atuar caprichosamente. Assim, as coisas não sucedem porque obedecem a uma sequência de causa e efeito, mas simplesmente porque Deus decide como cada coisa ocorra. Essa doutrina, que hoje é chamada “ocasionalismo”, basicamente destrói qualquer noção de causalidade: evento X não é causa de evento Y; evento X ocorre porque Deus quis assim, e evento Y ocorre porque Deus quis assim. Se Deus quiser atuar de forma diferente, assim o fará, e é inútil que tratemos de entender suas razões. Em frente a isso, sugeria Al-Ghazali, não vale a pena aplicar a racionalidade, pois Deus simplesmente não está sujeito à lógica. Tratar de compreender a Deus e de aplicar a racionalidade do mundo é, pois, a incoerência dos filósofos (este é o título da obra-prima de Al-Ghazali).[...]

https://www.universoracionalista.org/o-oriente-medio-precisa-de-um-voltaire/


Al Ghazali viveu entre 1058 e 1111, quando os muçulmanos começaram a entrar em decadência na Península Ibérica, e a mergulhar em sua própria Idade das Trevas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 09:08:29
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Se não houvesse no corão a possibilidade de tal sugestão então os muçulmanos que matam aqueles que não se convertem ao islamismo não estariam realmente fazendo isso motivados por radicalismo religioso? :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Maio de 2016, 09:14:58
Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Se não houvesse no corão a possibilidade de tal sugestão então os muçulmanos que matam aqueles que não se convertem ao islamismo não estariam realmente fazendo isso motivados por radicalismo religioso? :hein:


Não, é só uma estratégia para tomar o poder. Não tem suporte na religião como já mostrei.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 09:33:34
Como que é?

Se perguntar a eles, qual é o suporte disso no corão, então eles vão ficar meio sem jeito "erm... hã... é que... bem, não importa, o corão não é completo mas sentimos que é o que temos que fazer", ou algo assim? Não vão conseguir fazer qualquer ligação com religião?

Você realmente acredita que eles não tem uma visão religiosa extremista, que é uma "fachada" para prejudicar o islamismo? :hein:

É uma das teorias de conspiração mais bizarras que eu já vi.






Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Assim bem específico não tem, mas aqui tem vários similares:

http://www.thereligionofpeace.com/pages/quran/violence.aspx

Há 30 ocorrências ao termo "kill" nesta página.

Acho que em linhas gerais eles comandam não se ter amigos entre infiéis, e matá-los onde os encontrarem, com pequenas ressalvas, que podem racionalizadas dependendo de conforme puderem interpretar serem eles invasores, agressores, ou servos de Satã.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Maio de 2016, 10:01:50
Como que é?

Se perguntar a eles, qual é o suporte disso no corão, então eles vão ficar meio sem jeito "erm... hã... é que... bem, não importa, o corão não é completo mas sentimos que é o que temos que fazer", ou algo assim? Não vão conseguir fazer qualquer ligação com religião?

Você realmente acredita que eles não tem uma visão religiosa extremista, que é uma "fachada" para prejudicar o islamismo? :hein:

É uma das teorias de conspiração mais bizarras que eu já vi.






Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Assim bem específico não tem, mas aqui tem vários similares:

http://www.thereligionofpeace.com/pages/quran/violence.aspx

Há 30 ocorrências ao termo "kill" nesta página.

Acho que em linhas gerais eles comandam não se ter amigos entre infiéis, e matá-los onde os encontrarem, com pequenas ressalvas, que podem racionalizadas dependendo de conforme puderem interpretar serem eles invasores, agressores, ou servos de Satã.

Permita corrigir sua pergunta:

Você realmente acredita que eles não tem uma visão religiosa extremista, que é uma "fachada" para prejudicar o islamismo? que é usada pra tomar poder?

Esqueceu de propósito o que o Alcorão diz sobre os cristãos? E nem comentou nada sobre os 700 anos de domínio da península Ibérica. :(
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 12 de Maio de 2016, 10:13:31
O corão não transforma as pessoas em extremistas. Ok.

Até porque as pessoas em geral só querem a paz, independente do que seus líderes ou livros sagrados pregam.

Mas o corão apoia o extremismo dos islâmicos. O corão dá legitimidade tranquilamente. Quem sabe se o corão fosse mais light como o novo testamento teríamos menos extremistas islâmicos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 10:24:14


Permita corrigir sua pergunta:

Você realmente acredita que eles não tem uma visão religiosa extremista, que é uma "fachada" para prejudicar o islamismo? que é usada pra tomar poder?

Esqueceu de propósito o que o Alcorão diz sobre os cristãos? E nem comentou nada sobre os 700 anos de domínio da península Ibérica. :(

Essa revisão da pergunta não dissocia o Estado Islâmico do Islamismo, que é o que você tenta fazer, apenas coloca o islamismo como uma ferramenta para a conquista de poder. Se pudermos considerar o conjunto de motor e mapa como ferramenta, OK.


Já quanto ao resto, o que tem a ver uma coisa com outra?

Você parece querer que uma corrente religiosa/ideológica seja associada só a seu histórico supostamente positivo, enquanto tenta racionalizar um negacionismo dos seguidores com um histórico/presente negativo.

Eu me esquecer do que o corão por ventura diga sobre cristãos que amenizasse o que os radicais lembram sobre outras coisas que dizem sobre eles/infiéis, não tem relevância, mas sim o fato dos radicais só lembrarem isso, que também está lá, também faz parte.

É natural as religiões terem essas ambiguidades e as leituras pesarem para um lado ou outro no decorrer da história. Em parte, graças a essas leituras seletivas serem vastamente mais populares, o cristianismo não é proporcionalmente tão extremista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 12 de Maio de 2016, 11:18:41
É meio básico, conforme demonstrado noutros tópicos, que o ISIS é bizarro justamente por seguir anacronicamente e ao pé da letra, quando conveniente, os dizeres de um livro do naipe do Corão.

O mesmo aconteceria com organizações cristãs que seguissem as recomendações mais bizarras encontradas na Bíblia.

Alguém aqui ainda não tinha visto esse argumento do Pasteur de que um muçulmano que mata outro não é, portanto, muçulmano de verdade?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 11:34:23
A URSS não foi socialista porque não culminou verdadeiramente no bem-estar social em larga escala de toda população.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Maio de 2016, 11:44:08
É meio básico, conforme demonstrado noutros tópicos, que o ISIS é bizarro justamente por seguir anacronicamente e ao pé da letra, quando conveniente, os dizeres de um livro do naipe do Corão.

O mesmo aconteceria com organizações cristãs que seguissem as recomendações mais bizarras encontradas na Bíblia.

Alguém aqui ainda não tinha visto esse argumento do Pasteur de que um muçulmano que mata outro não é, portanto, muçulmano de verdade?

Seguir o Corão ao pé da letra é não matar outros muçulmanos, nem cristãos e nem judeus.



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Maio de 2016, 11:49:22
Incrível! Algumas pessoas que tendem à realidade caricata, quando lêem as palavras "700 anos" parece que estão vendo duas palavras frias, não lhe ocorrendo nenhum tipo a mais de emoção que essas palavras oferecem. Se você disser 700 anos ou 7 dias dá quase no mesmo pra elas!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 11:50:37
É meio básico, conforme demonstrado noutros tópicos, que o ISIS é bizarro justamente por seguir anacronicamente e ao pé da letra, quando conveniente, os dizeres de um livro do naipe do Corão.

O mesmo aconteceria com organizações cristãs que seguissem as recomendações mais bizarras encontradas na Bíblia.

Alguém aqui ainda não tinha visto esse argumento do Pasteur de que um muçulmano que mata outro não é, portanto, muçulmano de verdade?

Seguir o Corão ao pé da letra é não matar outros muçulmanos, nem cristãos e nem judeus.





Exceto quando estiverem sob as circunstâncias em que o corão manda matar as pessoas.

Ou esses trechos são sempre anulados por outros e continuam lá, a toa?




Incrível! Algumas pessoas que tendem à realidade caricata, quando lêem as palavras "700 anos" parece que estão vendo duas palavras frias, não lhe ocorrendo nenhum tipo a mais de emoção que essas palavras oferecem. Se você disser 700 anos ou 7 dias dá quase no mesmo pra elas!

E algumas pessoas querem associar ideologias* seletivamente apenas a amostras supostamente ideais (no que aparenta ser m idealismo romântico) e racionalizar a negação da associação ao que for moralmente indefensável.

* ou ideologias seletas, também; não valendo a mesma lógica para qualquer outra.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Maio de 2016, 11:58:32
É meio básico, conforme demonstrado noutros tópicos, que o ISIS é bizarro justamente por seguir anacronicamente e ao pé da letra, quando conveniente, os dizeres de um livro do naipe do Corão.

O mesmo aconteceria com organizações cristãs que seguissem as recomendações mais bizarras encontradas na Bíblia.

Alguém aqui ainda não tinha visto esse argumento do Pasteur de que um muçulmano que mata outro não é, portanto, muçulmano de verdade?

Seguir o Corão ao pé da letra é não matar outros muçulmanos, nem cristãos e nem judeus.





Exceto quando estiverem sob as circunstâncias em que o corão manda matar as pessoas.

Ou esses trechos são sempre anulados por outros e continuam lá, a toa?

Em quais circunstâncias esses decapitados cristãos estavam?


Incrível! Algumas pessoas que tendem à realidade caricata, quando lêem as palavras "700 anos" parece que estão vendo duas palavras frias, não lhe ocorrendo nenhum tipo a mais de emoção que essas palavras oferecem. Se você disser 700 anos ou 7 dias dá quase no mesmo pra elas!

E algumas pessoas querem associar ideologias seletivamente apenas a amostras supostamente ideais e racionalizar a negação da associação ao que for moralmente indefensável.

Não disse?

 "700 anos" viraram simplesmente "amostras".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Maio de 2016, 12:09:57
É meio básico, conforme demonstrado noutros tópicos, que o ISIS é bizarro justamente por seguir anacronicamente e ao pé da letra, quando conveniente, os dizeres de um livro do naipe do Corão.

O mesmo aconteceria com organizações cristãs que seguissem as recomendações mais bizarras encontradas na Bíblia.

Alguém aqui ainda não tinha visto esse argumento do Pasteur de que um muçulmano que mata outro não é, portanto, muçulmano de verdade?

Seguir o Corão ao pé da letra é não matar outros muçulmanos, nem cristãos e nem judeus.





Exceto quando estiverem sob as circunstâncias em que o corão manda matar as pessoas.

Ou esses trechos são sempre anulados por outros e continuam lá, a toa?

Em quais circunstâncias esses decapitados cristãos estavam?

Só posso especular, não tendo visto qualquer exposição vinda deles mesmos, mas imagino que mesmo isso servisse:

"2:191 And slay them wherever ye find them, and drive them out of the places whence they drove you out, for persecution is worse than slaughter. And fight not with them at the Inviolable Place of Worship until they first attack you there, but if they attack you (there) then slay them. Such is the reward of disbelievers."

No site indicado anteriormente pelo Lorentz bem como no Skeptic's annotated bible deve haver mais possibilidades de alguém intepretar "erroneamente" algumas instruções de como e quando matar para aquela situação:

http://skepticsannotatedbible.com/quran/cruelty/long.html
http://skepticsannotatedbible.com/quran/int/long.html



Citar

Incrível! Algumas pessoas que tendem à realidade caricata, quando lêem as palavras "700 anos" parece que estão vendo duas palavras frias, não lhe ocorrendo nenhum tipo a mais de emoção que essas palavras oferecem. Se você disser 700 anos ou 7 dias dá quase no mesmo pra elas!

E algumas pessoas querem associar ideologias seletivamente apenas a amostras supostamente ideais e racionalizar a negação da associação ao que for moralmente indefensável.

Não disse?

 "700 anos" viraram simplesmente "amostras".

Tudo é "amostra", ou, não me ocorre agora termo melhor para se referir a essa seletividade florida do que "amostra", que ao mesmo tempo não sugerisse ser uma "fração pequena". Falta de vocabulário mesmo, não realidade caricata, apenas não-florida.

Citar
La Convivencia ("The Coexistence") is the period of Spanish history from the Muslim Umayyad conquest of Hispania in the early eighth century until the expulsion of the Jews in 1492. In the different Moorish Iberian kingdoms, it is widely claimed that the Muslims, Christians and Jews lived in relative peace. This period of religious diversity differs from later Spanish and Portuguese history when Catholicism became the sole religion in the Iberian Peninsula as a result of expulsions and forced conversions.

However, the historicity of the above stereotypical view of the supposed intercultural harmony has also been argued by many to be a "myth" and to depend too strongly on unreliable documentation.[1] During the same time, the Christians' reclaiming of the parts of the Iberian Peninsula that the Moorish Muslims had conquered was ongoing.

https://en.wikipedia.org/wiki/La_Convivencia
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 16 de Maio de 2016, 00:45:34

Você viu como o Alcorão se refere aos cristãos no meu último post.

Por que será que os muçulmanos ficaram 700 anos em Portugal e Espanha e houve tolerância?  Esse argumento é poderoso pois 700 anos não é 700 dias.  Lá o islamismo não é maioria.

Igrejas há na maioria dos países com maioria muçulmana.


Os muçulmanos, quando dominaram a Península ibérica, viviam sob uma outra perspectiva em  sua religião.  A dos Mutazilites, que exaltava o uso da razão para chegara "verdade" em sua religião. Esse texto explica um pouco isso:

Citar
O Oriente Médio precisa de um Voltaire?

[...]Felizmente, não obstante, o Islã teve os seus próprios Voltaire; mas, lamentavelmente, esses foram enterrados pelo fanatismo há vários séculos, e seguem sepultados. Nesse sentido, a salvação do Islã não está na importância de Voltaire, mas no desenterro destas figuras “voltaireanas”, mas não por outro senão o da própria civilização islâmica.

Todas essas figuras defenderam o uso da racionalidade. Averróis, por exemplo, disse que uma doutrina a qual chega-se pela razão, pode-se argumentar, ainda que contradiga os parâmetros da fé. Ibn al-Rawandi foi ainda mais longe, ao ponto de rechaçar a historicidade dos milagres, a veracidade das história sobre Maomé, e a própria existência de Deus.[...]

[...]Até o século VIII, os mutazilites, uma escola filosófica que exaltava o uso da razão (mas, não ao ponto de abraçar o ateísmo), influenciou sobre o califado. Foi a época dourada da civilização islâmica. Mas, tal como conta Robert Reilly em seu livro The Closing of the Muslim Mind, o declive do Islã começou quando os mutazilites perderam o favor dos califas, e foram reprimidos, no século X. Em seu lugar, os azarias foram favorecidos. Os mutazilites opuseram-se à doutrina de que o Corão é um livro não-criado e eterno (crer-se que é eterno seria idolatria, pois isso faria do Corão um deus em si mesmo, opinavam os mutazilites), enquanto que os azarias opinavam que o Corão não foi criado. Até hoje, a interpretação dos azarias tem prevalecido. E isso propicia o fanatismo, pois, ao considerar que o Corão é um livro não-criado e eterno, considera-se que ele é atemporal, e nesse sentido, não é propriamente contextualizável em épocas históricas: é um livros para todas as épocas, e, sendo assim, deve interpretar-se literalmente em sua totalidade.

De acordo com Reilly e outros historiadores, o maior responsável individual do declive do Islã no fanatismo, na ignorância e na barbárie, foi o filósofo Al-Ghazali, o máximo exponente dos azarias. Al-Ghazali promovia a ideia de que Deus não está sujeito a nenhuma lei, e pode atuar caprichosamente. Assim, as coisas não sucedem porque obedecem a uma sequência de causa e efeito, mas simplesmente porque Deus decide como cada coisa ocorra. Essa doutrina, que hoje é chamada “ocasionalismo”, basicamente destrói qualquer noção de causalidade: evento X não é causa de evento Y; evento X ocorre porque Deus quis assim, e evento Y ocorre porque Deus quis assim. Se Deus quiser atuar de forma diferente, assim o fará, e é inútil que tratemos de entender suas razões. Em frente a isso, sugeria Al-Ghazali, não vale a pena aplicar a racionalidade, pois Deus simplesmente não está sujeito à lógica. Tratar de compreender a Deus e de aplicar a racionalidade do mundo é, pois, a incoerência dos filósofos (este é o título da obra-prima de Al-Ghazali).[...]

https://www.universoracionalista.org/o-oriente-medio-precisa-de-um-voltaire/


Al Ghazali viveu entre 1058 e 1111, quando os muçulmanos começaram a entrar em decadência na Península Ibérica, e a mergulhar em sua própria Idade das Trevas.

Isso tambem foi enterrado pelos cruzados, que muitos falam que foram herois. Eram barbaros cristaos que comparados com os arabes e islamicos de muitos locais eram muito mais atrasados em conhecimentos.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 16 de Maio de 2016, 00:46:59
   E, falando em islã, o carequinha ataca novamente (ele é uma "figura") agora apelando pra demografia e afirmando que marxismo contamina a mente ate mesmo de direitistas pra ter menos filhos ( :histeria: ).
Resumindo, quer que cristaos tenham mais filhos pra superar islamicos, pois eles seriam um risco, segundo ele:



https://www.youtube.com/v/HjgcVmY9_LI

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 16 de Maio de 2016, 19:21:54
Quanto maior a população e menores os recursos, maior será a tendência a conflitos por recursos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 16 de Maio de 2016, 20:23:37
Citar
https://www.youtube.com/v/HjgcVmY9_LI

É impressionante a quantidade de tolices ditas em menos de 5 minutos.

Só não supera as asneiras dilmo/lulo/petistas/esquerdistas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 19 de Maio de 2016, 20:30:04
Citar
https://www.youtube.com/v/HjgcVmY9_LI

É impressionante a quantidade de tolices ditas em menos de 5 minutos.

Só não supera as asneiras dilmo/lulo/petistas/esquerdistas.


O cara quer que o pessoal faça filho só pra não permitir que islâmicos tenham mais filhos. Como se só islâmicos tivessem muitos filhos, ele esqueceu chineses, indianos, etc. que nem são islâmicos e talvez nem se deixassem se levar por essa religião tão fácil.

Se fosse um argumento em favor de ter mais filhos pra ter mais mão-de-obra jovem no futuro até teria lógica, mas nem isso.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 19 de Maio de 2016, 21:34:20
O infeliz flertou com o nazismo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 19 de Maio de 2016, 22:21:39
O infeliz flertou com o nazismo.

Lei de Godwin?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Maio de 2016, 15:25:57
Fico curioso sobre o quanto citam "lei de Godwin" com gente defendendo o nazismo de fato.

"Eu acredito que a raça branca é superior e precisa de seu território vital expandido, com as outras raças varridas dele, para que possamos viver em prosperidade e harminia, livres dos problemas oriundos da escória subumana."

"Mas isso é nazismo!"

"Lei de Godwin! Venci!!!!!11  :yahoo: Mestiços e pessoas de outras raças, vocês tem então um mês para se retirar, ou requisitar avaliação de valor em serviço da raça ariana, para uma espécie de Visa racial."
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 20 de Maio de 2016, 17:45:30
Fico curioso sobre o quanto citam "lei de Godwin" com gente defendendo o nazismo de fato.

Só se aplica quando quem cita nazis não concorda com o que escreve mas pretende desarmar o adversário ou colocá-lo psicologicamente na defensiva, doutro modo fica sem sentido... Julgo eu...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 20 de Maio de 2016, 20:11:04
Fico curioso sobre o quanto citam "lei de Godwin" com gente defendendo o nazismo de fato.

"Eu acredito que a raça branca é superior e precisa de seu território vital expandido, com as outras raças varridas dele, para que possamos viver em prosperidade e harminia, livres dos problemas oriundos da escória subumana."

"Mas isso é nazismo!"

"Lei de Godwin! Venci!!!!!11  :yahoo: Mestiços e pessoas de outras raças, vocês tem então um mês para se retirar, ou requisitar avaliação de valor em serviço da raça ariana, para uma espécie de Visa racial."

hehe

Isso seria o típico fallacy fallacy. Só porque A apontou que B cometeu uma falácia, não significa que A automaticamente está certo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Maio de 2016, 21:17:58
http://www.dailymail.co.uk/news/article-3561086/Mother-converted-Islam-moved-Syria-says-tricked.html

https://www.rt.com/uk/197464-jihad-syria-mom-rescue/

Isis in Syria: Mother publically executed by her jihadi son for abandoning Islam (https://uk.news.yahoo.com/isis-syria-mother-publically-executed-185448044.html)



Haveria fóruns online onde muçulmanos anti-terroristas confrontam os simpáticos ao Estado Islâmico, Al Qaeda e etc, em suas interpretações do corão? Ou mesmo contestando-os nos espaços onde eles fazem propaganda/recrutamento?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 22 de Maio de 2016, 01:21:20
Fico curioso sobre o quanto citam "lei de Godwin" com gente defendendo o nazismo de fato.

"Eu acredito que a raça branca é superior e precisa de seu território vital expandido, com as outras raças varridas dele, para que possamos viver em prosperidade e harminia, livres dos problemas oriundos da escória subumana."

"Mas isso é nazismo!"

"Lei de Godwin! Venci!!!!!11  :yahoo: Mestiços e pessoas de outras raças, vocês tem então um mês para se retirar, ou requisitar avaliação de valor em serviço da raça ariana, para uma espécie de Visa racial."

Deveriam criar Lei do politicamente correto pra usar como contra-argumentação pra quando toda vez q algum Danilo gentili por aí usasse "humor" como desculpa pra fazer piada de raças.

Seria algo como: Toda vez que um real racista disfarçado usasse argumento dessa Lei de Godwin (mas popularmente chamada de mimimi) ou usar desculpa de combater o politicamente correto, usaria a Lei do politicamente correto pra argumentar.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 22 de Maio de 2016, 08:48:10
http://www.jn.pt/mundo/interior/lider-dos-talibas-no-afeganistao-alvejado-em-ataque-americano-5187033.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+JN-ULTIMAS+(JN+-+Ultimas)

Chefe dos Talibãs foi para os anjinhos?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 03 de Junho de 2016, 16:29:44
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=828262

Mais um exemplo do perigo islâmico para a liberdade individual de cada cidadão
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Junho de 2016, 18:04:24
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=828262

Mais um exemplo do perigo islâmico para a liberdade individual de cada cidadão

Isso não impedirá o povo iraniano de beber. Quem sabe se um dia essa ditadura cair, vai ter menos gente aporrinhando...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 10 de Junho de 2016, 05:45:04
http://www.cmjornal.xl.pt/cm_ao_minuto/detalhe/trabalhador_de_mosteiro_hindu_agredido_ate_a_morte_no_bangladesh.html

Um caso isolado sem significado especial?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 12 de Junho de 2016, 15:22:31
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Junho de 2016, 15:51:54
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 12 de Junho de 2016, 19:25:59
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Junho de 2016, 20:06:40
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 12 de Junho de 2016, 20:23:18
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Euler1707 em 12 de Junho de 2016, 20:47:49
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?
Não somente tolerado, mas como incentivado. O EI, por exemplo, quer ensinar aos gays como voar:

(http://ejesa.statig.com.br/bancodeimagens/25/jz/xe/25jzxe0e6nv0dgqvlsph1hckr.jpg)

Adivinhem no que eles se baseiam para cometer tais atrocidades?
Coisas assim também eram feitas por cristãos, alguns mais moderados, outros mais radicais (dependendo da seita ao qual pertenciam), mas essas coisas acabaram mudando com o iluminismo. Os islâmicos já foram mais pacíficos no passado, mas hoje se assemelham aos cristãos da idade média, e isso porque não tiveram a chance de viver um Illuminismo. O Illuminismo é o responsável pela sociedade ocidental moderna e também o responsável pelo sectarismo e abrandamento do cristianismo, uma religião que se baseia num livro muito similar ao Alcorão, mas ao contrário deste último
, não é tão levado à sério por seus religiosos como é o alcorão pelos mulçumanos (embora, ainda hoje, temos sim alguns radicais cristãos que deveriam ser vigiados pela sociedade).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Junho de 2016, 20:53:19
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 12 de Junho de 2016, 21:08:38
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.

Este é um ponto. E, talvez, seja O ponto.

Tanto o cristianismo, como o judaísmo e o islamismo são contra a homossexualidade. Então faz parte da 'visão de mundo' de todos os adeptos destas religiões. E é difícil não aceitar como plausível, a hipótese que afirma que as religiões são a base desta violência contra os homossexuais.

Mesmo que a imensa maioria dos religiosos não chegue a praticar atos de violência física contra os homossexuais, basta que se acrescente algo que insufle os ânimos, e a situação rapidamente pode desembocar em uma tragédia. No Ocidente isto é grandemente aplacado pela tradição humanista e pelo laicismo. Nos países islâmicos, tais 'freios' ou não existem ou são muito fracos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Junho de 2016, 21:12:43
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.

Este é um ponto. E, talvez, seja O ponto.

Tanto o cristianismo, como o judaísmo e o islamismo são contra a homossexualidade. Então faz parte da 'visão de mundo' de todos os adeptos destas religiões. E é difícil não aceitar como plausível, a hipótese que afirma que as religiões são a base desta violência contra os homossexuais.

Mesmo que a imensa maioria dos religiosos não chegue a praticar atos de violência física contra os homossexuais, basta que se acrescente algo que insufle os ânimos, e a situação rapidamente pode desembocar em uma tragédia. No Ocidente isto é grandemente aplacado pela tradição humanista e pelo laicismo. Nos países islâmicos, tais 'freios' ou não existem ou são muito fracos.

Não sei... preciso fazer um levantamento estatístico sobre ataques homofóbicos vs países...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: El Elyon em 12 de Junho de 2016, 21:15:08
Citar
Não sei... preciso fazer um levantamento estatístico sobre ataques homofóbicos vs países...

Que provavelmente não diria muito, já que primeiro a noção de homofobia como um ato criminoso teria que ser reconhecida legalmente.

Contudo, para quem se interessa a ILGA tem o State-Sponsored Homophobia (http://ilga.org/downloads/02_ILGA_State_Sponsored_Homophobia_2016_ENG_WEB_150516.pdf) (Aviso: link direto ao .pdf), que é a base para esse artigo do The Atlantic: The Global Map of Homophobia (http://www.citylab.com/politics/2014/02/global-map-homophobia/8309/).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 12 de Junho de 2016, 21:17:40
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.

Este é um ponto. E, talvez, seja O ponto.

Tanto o cristianismo, como o judaísmo e o islamismo são contra a homossexualidade. Então faz parte da 'visão de mundo' de todos os adeptos destas religiões. E é difícil não aceitar como plausível, a hipótese que afirma que as religiões são a base desta violência contra os homossexuais.

Mesmo que a imensa maioria dos religiosos não chegue a praticar atos de violência física contra os homossexuais, basta que se acrescente algo que insufle os ânimos, e a situação rapidamente pode desembocar em uma tragédia. No Ocidente isto é grandemente aplacado pela tradição humanista e pelo laicismo. Nos países islâmicos, tais 'freios' ou não existem ou são muito fracos.

Não sei... preciso fazer um levantamento estatístico sobre ataques homofóbicos vs países...

Não precisa se dar ao trabalho.

Ao que parece, na maioria dos casos os adeptos religiosos, por diversos motivos mas com base em seus "textos sagrados", são os principais causadores de violência contra os homossexuais.

Outro importante grupo de praticantes de violência são os países ditatoriais com ideologia socialista e ou comunista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 12 de Junho de 2016, 21:24:16
Citar
Não podemos ignorar a religião do atirador de Orlando

Douglas Murray, The Spectator
trad. Daniel Lopes

Na noite passada, um atirador atacou uma boate gay em Orlando, Flórida. Até agora, pelo menos 50 pessoas foram confirmadas mortas e outras 42 feridas – o que faz do ocorrido o pior assassinato em massa com arma de fogo da história americana. O atirador aparentemente foi um cidadão dos EUA chamado Omar Mateen. Até o FBI agora admite que ele teria “inclinações” para a ideologia islâmica radical. Seus pais, afegãos, disseram estar chocados.

Eis uma previsão. Se o atirador da noite passada tivesse sido um fundamentalista cristão, toda e qualquer pessoa com quem ele tivesse se associado no passado estaria agora sendo perseguida não só pelas autoridades, mas também pela imprensa. Figuras conhecidas de igrejas e líderes por todo o país e no resto do mundo teriam condenado o ato e dito o quão importante é erradicar esse tipo de ódio do coração das pessoas. Todo grupo, indivíduo ou companheiro de viagem que estivesse de alguma forma associado com a ideologia do atirador estaria para sempre manchado por associação, mesmo que não tivesse conexão com o atirador em si.

Mas o ataque em Orlando parece ter sido realizado por um radical muçulmano, não um radical cristão. E, assim, as autoridades minimizarão o componente ideológico. Enquanto isso, líderes dos EUA e de outros países tentarão negar a conexão ideológica ou dizer – na melhor das hipóteses – que é importante não apontar o dedo para uma única ideologia. Quase todo imã nos Estados Unidos e alhures negará que haja qualquer conexão entre as crenças do atirador e as suas próprias.

Se algum jornalista investigar com quais mesquitas ou grupos o atirador estava associado, a totalidade dos líderes da comunidade muçulmana americana insistirá que qualquer identificação das crenças do atirador é, na verdade, “islamofóbica”. Dessa forma, o ódio que impulsionou o atirador não apenas continuará vivo, mas evoluirá. Que é o que o resto de nós poderia pensar ter sido o objetivo desde o início.

Tem apenas dois meses que nós britânicos ficamos sabendo que 52 por cento dos muçulmanos britânicos acreditam que ser gay deveria se tornar algo ilegal no Reino Unido. Quando essa pesquisa foi divulgada, praticamente a totalidade da liderança muçulmana no país e seus porta-vozes atacaram, não a intolerância de sua própria comunidade, mas a pesquisa.

É sempre assim. E, não obstante, há uma ligação perfeitamente direta desse tipo de crença para o que aconteceu na Flórida na noite passada. Nós, e eles, admitiríamos isso se qualquer outra comunidade religiosa estivesse no foco. Mas não quando é o islã.
http://www.revistaamalgama.com.br/06/2016/nao-podemos-ignorar-religiao-do-atirador-de-orlando/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Junho de 2016, 21:31:47
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.

Este é um ponto. E, talvez, seja O ponto.

Tanto o cristianismo, como o judaísmo e o islamismo são contra a homossexualidade. Então faz parte da 'visão de mundo' de todos os adeptos destas religiões. E é difícil não aceitar como plausível, a hipótese que afirma que as religiões são a base desta violência contra os homossexuais.

Mesmo que a imensa maioria dos religiosos não chegue a praticar atos de violência física contra os homossexuais, basta que se acrescente algo que insufle os ânimos, e a situação rapidamente pode desembocar em uma tragédia. No Ocidente isto é grandemente aplacado pela tradição humanista e pelo laicismo. Nos países islâmicos, tais 'freios' ou não existem ou são muito fracos.

Não sei... preciso fazer um levantamento estatístico sobre ataques homofóbicos vs países...

Deve seguir o mesmo padrão geral de violência com motivação religiosa, onde umas religiões são mais comumente violentas que outras.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 12 de Junho de 2016, 21:39:41
O mais bizarro é que não demorará muito para o foco principal de motivação do ataque ser desviado para o direito de portar armas dos cidadãos. Lamentável.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 12 de Junho de 2016, 22:04:06
O mais bizarro é que não demorará muito para o foco principal de motivação do ataque ser desviado para o direito de portar armas dos cidadãos. Lamentável.

Pelo que eu sei, já foi.

E pelo Obama.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 12 de Junho de 2016, 22:35:59
Pelo que eu sei, já foi.

E pelo Obama.

Pô, o Obamão tava indo tão bem nos últimos dias...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Junho de 2016, 22:46:14
http://www.oantagonista.com/posts/jihadistas-comemoram-massacre-em-orlando

Mas não teve nada a ver com islamismo ou educação islamita... O Estado Islâmico é que se está precipitar  8-)

Você dá muito crédito a o que eles dizem. Inocente!

http://www.jn.pt/mundo/interior/autor-do-massacre-de-orlando-jurou-lealdade-ao-estado-islamico-5224361.html

Fonte policial americana... outro inocente!

É compreensível que você confunda EI com islamismo.  :ok:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465748300_171535.html


Suponho que o homossexualismo é amplamente tolerado pelo islamismo, certo?

Acho que nenhuma religião tolera o  homossexualismo em seus textos. Coisa bem diferente em prática dos fiéis.

Este é um ponto. E, talvez, seja O ponto.

Tanto o cristianismo, como o judaísmo e o islamismo são contra a homossexualidade. Então faz parte da 'visão de mundo' de todos os adeptos destas religiões. E é difícil não aceitar como plausível, a hipótese que afirma que as religiões são a base desta violência contra os homossexuais.

Mesmo que a imensa maioria dos religiosos não chegue a praticar atos de violência física contra os homossexuais, basta que se acrescente algo que insufle os ânimos, e a situação rapidamente pode desembocar em uma tragédia. No Ocidente isto é grandemente aplacado pela tradição humanista e pelo laicismo. Nos países islâmicos, tais 'freios' ou não existem ou são muito fracos.

Não sei... preciso fazer um levantamento estatístico sobre ataques homofóbicos vs países...

Deve seguir o mesmo padrão geral de violência com motivação religiosa, onde umas religiões são mais comumente violentas que outras.

Não sabia que você também se guia por caricaturas...

No Brasil, 250 pessoas foram assassinadas em ataques homofóbicos ou transfóbicos em 2010, alerta ONU (https://nacoesunidas.org/no-brasil-250-pessoas-foram-assassinadas-em-ataques-homofobicos-ou-transfobicos-em-2010-alerta-alta-comissaria-de-direitos-humanos-da-onu/)

De novo, preciso ver as estatisticas!

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Junho de 2016, 08:45:45
Não tem nada de caricaturas. Seguidores de certas religiões atualmente matam mais por motivos religiosos do que seguidores outras.

Não é de se surpreender que aqueles que matem mais em geral por motivos religiosos também matem ou matassem mais especificamente a homossexuais, em vez de dar algum desconto nisso, o que seria muito inesperado.

Se algo assim for aparente, o que deve ocorrer é apenas menos homossexuais "fora do armário" nessas culturas, a fim de proteger a própria vida ou no mínimo o bem-estar.


As estatísticas de crime de ódio podem parecer fontes de informação ideais se supomos que tenham de fato um grau de refinamento impecável em seu levantamento, em vez de, em alguns locais, tenderem a considerar quaisquer crimes violentos contra homossexuais como crime de ódio, em vez de crime comum ou mesmo violência doméstica, e em outros, ignorarem essa motivação completamente. Então cria uma ilusão de precisão que não existe. Apenas a noção geral de que os seguidores de diversas religiões não são homogeneamente propensos à violência religiosa é algo de certa forma mais informativo, embora não possa ambicionar ter a mesma aparência de precisão que estatísticas criminais dariam, aceitas como "perfeitas".













O mais bizarro é que não demorará muito para o foco principal de motivação do ataque ser desviado para o direito de portar armas dos cidadãos. Lamentável.

Pelo que eu sei, já foi.

E pelo Obama.

( Poderia apostar que não antes de duzentos comentaristas da Fox e etc dizerem que nada disso aconteceria se a população tivesse menor restrição em se armar. )

O que é natural, dado que a facilidade em qualquer um obter armas aumenta mesmo as chances disso, como percebem a maioria dos outros países, que evitam a mesma situação exótica dos EUA com políticas mais restritivas ao porte de arma.


Citar
http://www.thetruthaboutguns.com/2012/12/robert-farago/incendiary-images-of-the-day-spree-killing-data-from-mother-jones/

(http://truthaboutguns-zippykid.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/2012/12/Screen-Shot-2012-12-13-at-9.30.15-AM1.png)

(http://truthaboutguns-zippykid.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/2012/12/Screen-Shot-2012-12-13-at-9.51.52-AM.png)

(http://truthaboutguns-zippykid.netdna-ssl.com/wp-content/uploads/2012/12/Screen-Shot-2012-12-13-at-9.47.51-AM.png)




https://www.youtube.com/v/bX4qUsgHa4Y

Os defensores do armamento indiscriminado da população vão entrar em negação, como sempre.


(http://66.media.tumblr.com/2cbe6de3972f3f284eed5f9dc107eaa3/tumblr_inline_nna9dp5Ssf1safd2x_1280.jpg)

https://www.youtube.com/v/0rR9IaXH1M0
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 13 de Junho de 2016, 09:46:37
A solução mais fácil para os mass shootings nos EUA (devido à Segunda Emenda) é armar mais pessoas e incentivar o treinamento de todos no uso das armas, e em como reagir a um mass shooting.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 13 de Junho de 2016, 09:50:11
É necessário também um maior rigor do serviço de inteligência com suspeitos de envolvimento com terrorismo.

Esse atirador de Orlando já tinha sido investigado e descartado.

Deveriam criar um sistema especial de vigilância cibernética para suspeitos com potencial de praticarem ataques desse tipo (no caso atual, jovens muçulmanos), vasculhando suas redes sociais e mensagens em busca de indícios (eles sempre deixam alguma coisa).

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 13 de Junho de 2016, 11:31:05
Não, não é. Essa tentativa de "refutação" que é muito superficial, simplória, com todo o respeito.

Simplesmente não tem nada de "inesperado" ou incompatível com serem muçulmanos ao matar outros muçulmanos (que por sua vez eles não consideram os verdadeiros muçulmanos, já que são menos literalistas) como parte de sua guerra santa de promoção de sua visão religiosa. Podem até matar o próprio líder, como fizeram num desses grupos.

Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Se não houvesse no corão a possibilidade de tal sugestão então os muçulmanos que matam aqueles que não se convertem ao islamismo não estariam realmente fazendo isso motivados por radicalismo religioso? :hein:


Não, é só uma estratégia para tomar o poder. Não tem suporte na religião como já mostrei.

Alcorão 58:22 louva os Muçulmanos que lutam e matam seus próprios membros familiares não-Muçulmanos: “Não encontrarás povo algum que creia em Alá e no Dia do Juízo final, que tenha relações com aqueles que contrariam Alá e o Seu Mensageiro, —ainda que sejam seus pais ou seus filhos, seus irmãos ou parentes.”
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Junho de 2016, 12:09:27
Não, não é. Essa tentativa de "refutação" que é muito superficial, simplória, com todo o respeito.

Simplesmente não tem nada de "inesperado" ou incompatível com serem muçulmanos ao matar outros muçulmanos (que por sua vez eles não consideram os verdadeiros muçulmanos, já que são menos literalistas) como parte de sua guerra santa de promoção de sua visão religiosa. Podem até matar o próprio líder, como fizeram num desses grupos.

Onde está no Alcorão a passagem que fala que deve-se matar/decapitar cristãos que não se convertem ao islamismo?

Se não houvesse no corão a possibilidade de tal sugestão então os muçulmanos que matam aqueles que não se convertem ao islamismo não estariam realmente fazendo isso motivados por radicalismo religioso? :hein:


Não, é só uma estratégia para tomar o poder. Não tem suporte na religião como já mostrei.

Alcorão 58:22 louva os Muçulmanos que lutam e matam seus próprios membros familiares não-Muçulmanos: “Não encontrarás povo algum que creia em Alá e no Dia do Juízo final, que tenha relações com aqueles que contrariam Alá e o Seu Mensageiro, —ainda que sejam seus pais ou seus filhos, seus irmãos ou parentes.”

Leia só o que está entre aspas e não a desonesta afirmação antes (que eu sei que não é sua, porque foi copiada). Diz que o paraíso é só pros fiéis e não pra qualquer um mesmo que seja um parente. Pessoal forçando demais a barra...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Junho de 2016, 15:42:34
A solução mais fácil para os mass shootings nos EUA (devido à Segunda Emenda) é armar mais pessoas e incentivar o treinamento de todos no uso das armas, e em como reagir a um mass shooting.


Alguma evidência disso?

Porque acho que nem tem bem protocolo certo para como proceder, mesmo para quem já deveria ser entendido no assunto, vide o estrago que faz um cara numa base militar em 2009. E mesmo "havendo", não deve ser coisa que se consiga treinar civis para fazerem. O procedimento preferível mesmo deve ser só tentar fugir, exceto em caso de condições excepcionais de certeza e possibilidade de alvejar.


Para qualquer outra coisa, não devem ser baixas as chances desse tipo de iniciativa acabar levando a um aumento dramático de mortes por "fogo amigo" nesses casos, já que os atiradores não estarão sempre identificiados para conveniência daqueles que se julguem preparados a detê-los, que também não estarão identificados como não-atiradores em massa e portanto seriam também possíveis alvos de outros que se colocam na mesma posição. A possibilidade de confusão não deve ser pequena, e nem mesmo dos atiradores assimilarem o protocolo e o explorarem, se passando por pessoas que estivessem agindo em defesa.

Acho que passado um eventual momento inicial onde eles obviamente atirassem contra uma multidão, será sempre complicado identificar quem é atirador em massa e quem é só uma pessoa qualquer. Talvez o maior indício fosse o tipo de arma, ainda que pistolas semi-automáticas possam ser modificadas para virar metralhadoras.

https://www.youtube.com/v/AqwPY-0UpjY



E quandos os caras estão inspirados mesmo:


https://www.youtube.com/v/EqpxeWQ_XJw

Se existe a lógica de que restringir o porte de arma incentiva o mercado negro, então esse hipotético preparo civil "ergue a barra" para o preparo dos malucos atiradores que se tornarão cada vez mais preparados para massacres contra população armada.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 18 de Junho de 2016, 16:18:05
http://www.oantagonista.com/posts/invasao-barbara-em-istambul

Um grupo de fanáticos muçulmanos atacou uma lojinha de música em Istambul, onde jovens calmamente ouviam Radiohead e bebiam cerveja.

O pretexto da invasão bárbara foi o Ramadã.

https://www.youtube.com/v/gUvEI3ksFVs
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 26 de Junho de 2016, 19:51:35
Pelo que eu sei, já foi.

E pelo Obama.

Pô, o Obamão tava indo tão bem nos últimos dias...

Mas não fique triste, o aumento de venda de armas de fogo aumentou. Agora comemore e pegue sua arma atire pro alto (mas num lugar onde policia nao pode ver).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 26 de Junho de 2016, 19:57:29
   Tem esse canal Khadija Kafir (nome ironico) de uma pessoa claramente anti-islamica, que em alguns video tem cara-de-pau de tentar sensibilizar ateus pra causa anti-islamica (como se cristianismo não tivesse vindo do mesmo saco de fezes: Judaismo).

   Aqui um video parcial onde ela mostra o ponto de vista anti-islamico sobre islamicos em Londres:

https://www.youtube.com/v/WGVBVu3oxR8

   Video onde pega depoimentos isolados (talvez nem tanto) com intenção clara de fazer ateus se sensibilizarem e agir contra islã na porrada (até sou a favor, mas desde q o cristianismo vá junto, mas ai muita gente nao vai gostar):

https://www.youtube.com/v/K29wSu-imYE

   Video duma apresentadora egipcia islamica sem véu e gritando contra um homem ateu "convidado". O cara refutou ela muito bem (menos na parte que fala que Suécia é toda ateia, não sei se foi ele ou foi ela que disse isso, não sei se a legenda tava bem sincrnizada)

https://www.youtube.com/v/G2NM0U5afv8

   Video com ironia sobre multiculturalismo onde se cria um paradoxo em defender islamicos e gays:

https://www.youtube.com/v/xokveGbtXqk
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Julho de 2016, 18:35:07
https://www.youtube.com/v/fmyFNk55q-Y






Citar
http://www.bbc.com/news/world-europe-36682523
Frenchman stabbed by couple shouting 'Allahu Akbar'

[...] The victim told investigators the assailants shouted "Allahu Akbar", meaning "God is greatest", and called him an "infidel dog" before running away.
He is director at Restos du Coeur, a charity which gives food packages and hot meals to the needy. [...]

In June, a policeman and his partner were stabbed to death outside of Paris by a man who claimed allegiance to the Islamic State.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 03 de Julho de 2016, 20:48:18
Citar
Video duma apresentadora egipcia islamica sem véu e gritando contra um homem ateu "convidado". O cara refutou ela muito bem (menos na parte que fala que Suécia é toda ateia, não sei se foi ele ou foi ela que disse isso, não sei se a legenda tava bem sincronizada)

https://www.youtube.com/v/G2NM0U5afv8

O programa é uma demonstração escabrosa de unilateralismo, na qual a apresentadora demonstra todo o seu fanatismo religioso.

Ainda que alguns de seus argumentos sejam limitados, o rapaz ateu é muito corajoso, se apresentando publicamente.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 04 de Julho de 2016, 21:25:51
Citar
Video duma apresentadora egipcia islamica sem véu e gritando contra um homem ateu "convidado". O cara refutou ela muito bem (menos na parte que fala que Suécia é toda ateia, não sei se foi ele ou foi ela que disse isso, não sei se a legenda tava bem sincronizada)

https://www.youtube.com/v/G2NM0U5afv8

O programa é uma demonstração escabrosa de unilateralismo, na qual a apresentadora demonstra todo o seu fanatismo religioso.

Ainda que alguns de seus argumentos sejam limitados, o rapaz ateu é muito corajoso, se apresentando publicamente.

E ainda por cima gritando pra um homem, sendo que homem no mundo islamico parece ter prioridade sobre mulheres. E ainda por cima sem usar véu. O "feminismo" islamico é uma coisa muito estranha.

_____________________

Agora virando pro outro lado da moeda:

   EUA: Cidadão dos Emirados Árabes Unidos preso por engano

https://www.youtube.com/v/bashgPl-0DM






Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Julho de 2016, 20:48:21
https://www.youtube.com/v/nF6DT5Y-CLs

Bom ver mais da "esquerda pop" aderindo à oposição à "esquerda regressiva".

Os TYTs me pareciam mais ou menos moderados mas ainda pendendo a uma postura mais "segura" aos olhos dos politicamente corretos hipersensíveis, agora já estão dando uns jabs. Vindo de quem vem, por maior proximidade, devem surtir mais efeito do que de posições mais facilmente rotuláveis como "extrema direita" (!) como do Sam Harris ou mesmo Bill Maher.

Com sorte esse fenômeno em breve minguará e voltará a ser apenas a paródia que era antes de se tornar realidade.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 14 de Julho de 2016, 22:12:52
...devem surtir mais efeito do que de posições mais facilmente rotuláveis como "extrema direita" (!) como do Sam Harris ou mesmo Bill Maher.

Alguém rotulava Bill Maher como extrema-direita? O cara até apoiador do Sanders é.

A única coisa que achei a respeito foi isso:
http://www.clarionproject.org/videos/real-or-racist-ben-affleck-bill-maher-debate-islamic-extremism
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Julho de 2016, 22:28:34
"Extrema-direita" específica ao tema "muçulmanos". Não acompanho mas é bem provável que ele já tenha sido comparado a Hitler. :biglol:

Já ao menos esse cara ex-TYT acaba sendo um choque um pouco menor, acho. Tanto talvez por posições algo mais moderadas em algum grau, como por maior cuidado com a linguagem, ainda sem ser num policiamento ultra-PC. Apenas algo mais palatável, não tão imediatamente rejeitado, pelos mais PCs.

Algo meio com o caso de um biólogo ou zoólogo que relatou conseguir falar um bocado sobre evolução para cristãos fundamentalistas, causando boa impressão e os fazendo achar tudo muito interessante, até eventualmente usar o termo "evolução" mesmo, que já ergue as defesas e os coloca mais pré-dispostos a negação.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 14 de Julho de 2016, 22:46:36
Eu sempre achei engraçado um programa chamado The Young TURKS ser apresentado por um turco e uma...armênia. ARMÊNIA!!!! Os armênios tem uma treta maligna com os turcos!

https://en.wikipedia.org/wiki/Armenian_Genocide

Eu tenho curiosidade da opinião dos TYT's sobre o Genocídio Armênio.

Mas bem, o PC faz coisas impossíveis, feministas e gays fizeram protestos ano passado a favor dos muçulmanos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 14 de Julho de 2016, 22:58:49
Eu sempre achei engraçado um programa chamado The Young TURKS ser apresentado por um turco e uma...armênia. ARMÊNIA!!!! Os armênios tem uma treta maligna com os turcos!

https://en.wikipedia.org/wiki/Armenian_Genocide

Eu tenho curiosidade da opinião dos TYT's sobre o Genocídio Armênio.

Mas bem, o PC faz coisas impossíveis, feministas e gays fizeram protestos ano passado a favor dos muçulmanos.

Armênios e turcos tinham uma treta.

E nem todos os muçulmanos odeiam gays e feministas, mas a maioria dos terroristas talvez...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 14 de Julho de 2016, 23:13:51
Armênios e turcos tinham uma treta.

E nem todos os muçulmanos odeiam gays e feministas, mas a maioria dos terroristas talvez...

Cara, não existem nem sequer relações diplomáticas formais entre os dois países.
https://en.wikipedia.org/wiki/Armenia%E2%80%93Turkey_relations

É claro que os muçulmanos não odeiam gays e feministas. Eles até toleram e deixam viver livremente como eles quiserem, assim como os cristãos convictos daqui. :ok:

Demonstração de amor a Turquia no centro de Yerevan:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/12/Turkish_flag_being_burned_Yerevan_2013.jpg/300px-Turkish_flag_being_burned_Yerevan_2013.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 15 de Julho de 2016, 00:04:11
Inclusive rolando uma guerrinha entre Armênia e Turquia/Azerbaijão naquele enclave na região que não lembro o nome
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 00:22:04
Pronto: é só colar uma figura de meia dúzia queimando uma bandeira pra provar a inimizade entre os povos...

Falta de relações diplomáticas entre governos não diz nada sobre relações entre pessoas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Julho de 2016, 05:38:48
Eu sempre achei engraçado um programa chamado The Young TURKS ser apresentado por um turco e uma...armênia. ARMÊNIA!!!! Os armênios tem uma treta maligna com os turcos!

https://en.wikipedia.org/wiki/Armenian_Genocide

Eu tenho curiosidade da opinião dos TYT's sobre o Genocídio Armênio.

Mas bem, o PC faz coisas impossíveis, feministas e gays fizeram protestos ano passado a favor dos muçulmanos.


Citar

http://rationalwiki.org/wiki/The_Young_Turks#Armenian_Genocide_shiftiness

Armenian Genocide shiftiness

TYT host Cenk Uygur, who is Turkish-American, has been accused of denying the Armenian Genocide, something that members of the Armenian-American community protested over as recently as February 2012,[11][12][13] based on two pieces he wrote in 1991[14] and 1999.[15] In 2009, Cenk and his co-host Ana Kasparian (Armenian-American herself) appeared side by side on RT discussing Turkish-Armenian reconciliation, with Kasparian expressing strong support for the idea that Turkey should recognize the genocide.[16] Kasparian defended him on Twitter in 2010 saying "that op-ed is from 11 years ago" and "people change their political opinions all the time."[17] She did so again in 2012 against a fellow Armenian-American on the latter's blog,[18] though in both cases she does not directly address his current views on the issue.
Additionally, the program shares its name with the Turkish regime which had undertaken the Armenian Genocide.[19] Uygur has stated it was based on the dictionary definition meaning "young progressives looking to overthrow an established system," though he did not directly address his past writings.[20] Note that dictionaries also list the historical Turkish regime as the origin of the term; this meaning is what offends some Armenians.[21] Given his Turkish background, it seems unlikely that Uygur would be unaware of the historical regime and its connection to the Armenian Genocide.
In 2011, Cenk compared denial of the Armenian Genocide to denial of the Holocaust.[22] In fact, on 2007, he directly compared Recep Tayyip Erdogan's denial of the Armenian Genocide with Mahmoud Ahmadinejad's denial of the Holocaust.[23] In 2013 during a Reddit "Ask Me Anything" session Cenk opted not to clarify his position, despite the fact that the most upvoted question was regarding the Genocide.[24]
On April 24th, 2015, the 100th anniversary of the atrocity, The Young Turks once again refused to remark on the Armenian Genocide. They chose instead to talk about such pertinent topics as "Popeye's offers pregnant woman her job back" as well as "Hot new restaurant features half-naked men as their special." However, the Armenian-American co-host, Ana Kasparian, dedicated a video about it on her channel, as did TYT affiliate Kyle Kulinski of Secular Talk, and Uygur himself had no part in those aforementioned videos since he was in another state at the time. A year later on April 1st, 2016, while discussing racial appropriation on the show, Kasparian mentioned the Armenian Genocide in Uygur's presence, however he didn't comment on it nor did he seem to mind her bringing it up during the discussion.[25]
On April 22, 2016, Cenk finally acknowledged the Armenian Genocide, posted a retraction of his articles from 1991 and 1999, and issued an apology for his earlier denial. [26]
To put all doubts to rest of Cenk not 'properly'[27] recanting his earlier stance on the event, TYT aired an entire segment on the topic over a month later when the German parliament voted on recognizing the Armenian Genocide. The video itself even went so far as including graphic images of the event.[28] Kasparian, the Armenian whose family survived the genocide, presented the news story, rather than Uygur himself, although she had his blessing for the segment.


https://www.youtube.com/v/OFBxKhADoYU

https://www.youtube.com/v/ptFiiQk5k1Y


http://www.nytimes.com/2016/04/24/world/europe/turkeys-seizure-of-churches-and-land-alarms-armenians.html?_r=0
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 15 de Julho de 2016, 09:51:18
Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 10:41:24

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 15 de Julho de 2016, 10:45:07
Não fez um mês inteiro de ramadã, não era muçulmano de verdade. Mesma coisa com "cristãos" que não assassinam pessoas que trabalham aos sábados.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 10:49:47
Não fez um mês inteiro de ramadã, não era muçulmano de verdade. Mesma coisa com "cristãos" que não assassinam pessoas que trabalham aos sábados.

Responde o resto.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Julho de 2016, 11:06:20
"A maioria dos pobres não é criminosa, logo pobreza não é um problema relacionado a criminalidade".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 11:19:39
" O terrorismo islâmico tem simpatia pelo brasileiro".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 15 de Julho de 2016, 11:33:15

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!

Você é contra os bombardeios atualmente feitos no Iraque e Síria?  :hein:

Eu já vi em outro tópico você defendendo a intervenção armada dos países ocidentais no Oriente Médio pra combater o EI, e aqui você recrimina essa intervenção e diz que ela causa mais ataques terroristas.

O que você defende e quer afinal?


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 11:36:19
Citar
http://rationalwiki.org/wiki/The_Young_Turks#Armenian_Genocide_shiftiness

Armenian Genocide shiftiness

TYT host Cenk Uygur, who is Turkish-American, has been accused of denying the Armenian Genocide, something that members of the Armenian-American community protested over as recently as February 2012,[11][12][13] based on two pieces he wrote in 1991[14] and 1999.[15] In 2009, Cenk and his co-host Ana Kasparian (Armenian-American herself) appeared side by side on RT discussing Turkish-Armenian reconciliation, with Kasparian expressing strong support for the idea that Turkey should recognize the genocide.[16] Kasparian defended him on Twitter in 2010 saying "that op-ed is from 11 years ago" and "people change their political opinions all the time."[17] She did so again in 2012 against a fellow Armenian-American on the latter's blog,[18] though in both cases she does not directly address his current views on the issue.
Additionally, the program shares its name with the Turkish regime which had undertaken the Armenian Genocide.[19] Uygur has stated it was based on the dictionary definition meaning "young progressives looking to overthrow an established system," though he did not directly address his past writings.[20] Note that dictionaries also list the historical Turkish regime as the origin of the term; this meaning is what offends some Armenians.[21] Given his Turkish background, it seems unlikely that Uygur would be unaware of the historical regime and its connection to the Armenian Genocide.
In 2011, Cenk compared denial of the Armenian Genocide to denial of the Holocaust.[22] In fact, on 2007, he directly compared Recep Tayyip Erdogan's denial of the Armenian Genocide with Mahmoud Ahmadinejad's denial of the Holocaust.[23] In 2013 during a Reddit "Ask Me Anything" session Cenk opted not to clarify his position, despite the fact that the most upvoted question was regarding the Genocide.[24]
On April 24th, 2015, the 100th anniversary of the atrocity, The Young Turks once again refused to remark on the Armenian Genocide. They chose instead to talk about such pertinent topics as "Popeye's offers pregnant woman her job back" as well as "Hot new restaurant features half-naked men as their special." However, the Armenian-American co-host, Ana Kasparian, dedicated a video about it on her channel, as did TYT affiliate Kyle Kulinski of Secular Talk, and Uygur himself had no part in those aforementioned videos since he was in another state at the time. A year later on April 1st, 2016, while discussing racial appropriation on the show, Kasparian mentioned the Armenian Genocide in Uygur's presence, however he didn't comment on it nor did he seem to mind her bringing it up during the discussion.[25]
On April 22, 2016, Cenk finally acknowledged the Armenian Genocide, posted a retraction of his articles from 1991 and 1999, and issued an apology for his earlier denial. [26]
To put all doubts to rest of Cenk not 'properly'[27] recanting his earlier stance on the event, TYT aired an entire segment on the topic over a month later when the German parliament voted on recognizing the Armenian Genocide. The video itself even went so far as including graphic images of the event.[28] Kasparian, the Armenian whose family survived the genocide, presented the news story, rather than Uygur himself, although she had his blessing for the segment.

Parece uma questão ambígua. O cara tinha uma opinião semelhante a da maioria dos turcos, mas resolveu  mudar pero no mucho nos últimos tempos.


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

O caminhão ainda não passou.

http://veja.abril.com.br/mundo/brasileiro-do-estado-islamico-planejava-atentado-nas-olimpiadas/

Veja Islamofóbica!!

Pronto: é só colar uma figura de meia dúzia queimando uma bandeira pra provar a inimizade entre os povos...

Falta de relações diplomáticas entre governos não diz nada sobre relações entre pessoas.
Existem milhares de notícias que evidenciam o ódio(sim, a palavra é ódio) que um povo sente pelo outro. O que não impede que duas pessoas com origens nestes dois países diferentes possam ser amigas. Mas com certeza há um problema quando há um conflito ideológico entre duas pessoas que apresentam um programa que teoricamente tem um a direção ideológica bem definida.

"A maioria dos pobres não é criminosa, logo pobreza não é um problema relacionado a criminalidade".

Essa falácia de nem todo X faz Y é um dos principais problemas quando se discute o  islamismo na atualidade. É óbvio que nem todo muçulmano é terrorista, mas há um número grande o suficiente de muçulmanos terroristas, e é uma questão que deve ser discutida.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 15 de Julho de 2016, 11:36:30
Pelo que me lembro, ataques terroristas islâmicos ocorrem muito antes do Iraque receber a primeira bomba ocidental
 
O 11 de setembro, que iniciou a cruzada maluca do Bush, foi feito (segundo Bin Laden) porque os EUA estacionaram tropas na Arábia Saudita durante a Guera do Golfo. Não foi citado bombardeios de civis como causa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 11:39:59
Inclusive rolando uma guerrinha entre Armênia e Turquia/Azerbaijão naquele enclave na região que não lembro o nome

Cáucaso.

Atualmente há pequenos conflitos(tensões), mas não sei se a Turquia tá no meio.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_de_Nagorno-Karabakh#Actualidade
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 11:56:55

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!

Você é contra os bombardeios atualmente feitos no Iraque e Síria?  :hein:

Eu já vi em outro tópico você defendendo a intervenção armada dos países ocidentais no Oriente Médio pra combater o EI, e aqui você recrimina essa intervenção e diz que ela causa mais ataques terroristas.

O que você defende e quer afinal?


Se não me engano já te respondi: o Ocidente é responsável por ter deixado um governo fraco na região, tem toda a responsabilidade de arrumar a caca. Agora que produziu terroristas quer lavar as mãos dizendo que é culpa do Islã. Aqui ó!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 12:01:15
Pelo que me lembro, ataques terroristas islâmicos ocorrem muito antes do Iraque receber a primeira bomba ocidental
 
O 11 de setembro, que iniciou a cruzada maluca do Bush, foi feito (segundo Bin Laden) porque os EUA estacionaram tropas na Arábia Saudita durante a Guera do Golfo. Não foi citado bombardeios de civis como causa.

Ah bom! Pensei que atacaram as torres porque lá estava cheio de infiéis...

Viés político.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 12:03:39
Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

O caminhão ainda não passou.

http://veja.abril.com.br/mundo/brasileiro-do-estado-islamico-planejava-atentado-nas-olimpiadas/

Veja Islamofóbica!!

E com certeza vão atacar a delegação brasileira pra tirar o atraso...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 15 de Julho de 2016, 12:04:38
Pelo que me lembro, ataques terroristas islâmicos ocorrem muito antes do Iraque receber a primeira bomba ocidental
 
O 11 de setembro, que iniciou a cruzada maluca do Bush, foi feito (segundo Bin Laden) porque os EUA estacionaram tropas na Arábia Saudita durante a Guera do Golfo. Não foi citado bombardeios de civis como causa.

Ah bom! Pensei que atacaram as torres porque lá estava cheio de infiéis...

Viés político.

Bin Laden considerou o estacionamento de tropas (com autorização do governo saudita) como uma 'profanação' do sagrado solo árabe por infiéis.

Viés muito político...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 15 de Julho de 2016, 12:06:41

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!

Você é contra os bombardeios atualmente feitos no Iraque e Síria?  :hein:

Eu já vi em outro tópico você defendendo a intervenção armada dos países ocidentais no Oriente Médio pra combater o EI, e aqui você recrimina essa intervenção e diz que ela causa mais ataques terroristas.

O que você defende e quer afinal?


Se não me engano já te respondi: o Ocidente é responsável por ter deixado um governo fraco na região, tem toda a responsabilidade de arrumar a caca. Agora que produziu terroristas quer lavar as mãos dizendo que é culpa do Islã. Aqui ó!

Me diga aí como o Ocidente pode colocar um governo 'forte' lá?

Algum candidato em vista?

Talvez algum parente do Saddan possa nos salvar.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Julho de 2016, 12:54:34

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!

Você é contra os bombardeios atualmente feitos no Iraque e Síria?  :hein:

Eu já vi em outro tópico você defendendo a intervenção armada dos países ocidentais no Oriente Médio pra combater o EI, e aqui você recrimina essa intervenção e diz que ela causa mais ataques terroristas.

O que você defende e quer afinal?


Se não me engano já te respondi: o Ocidente é responsável por ter deixado um governo fraco na região, tem toda a responsabilidade de arrumar a caca. Agora que produziu terroristas quer lavar as mãos dizendo que é culpa do Islã. Aqui ó!

"O islã não tem nada a ver com isso porque os EUA deixaram um governo fraco que não consegue resistir contra àqueles radicais islâmicos."

"No Afeganistão ao menos os EUA fizeram um trabalho melhor, tiraram do poder o grupo islâmico fundamentalista, e foi possível estabelecer um governo mais forte e mais capaz de conter os radicais islâmicos. O que isso tem a ver com islã eu não consigo entender."
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 13:12:30
Qual a ideologia política desses radicais políticos, já que eles não são islâmicos? Deve ser a mesma da bancada evangélica que não é evangélica já que há um interesse político por trás.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Julho de 2016, 13:51:44
Misofobia:

Citar
[...] In a speech on Palestinian TV on September 16th, Abbas proudly stated “we bless every drop of blood spilled for Jerusalem. With the help of Allah, every shaheed (martyr) will be in heaven.” He then added “Al-Aksa is ours and so is the Church of the Holy Sepulchre. They [Jews] have no right to desecrate them with their filthy feet.” [...]

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/israel/11921994/Why-is-the-world-ignoring-a-wave-of-terror-in-Israel.html

Se as pessoas forem mais higiênicas, esses radicais da higiene devem se acalmar.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 15:26:36
Misofobia:

Citar
[...] In a speech on Palestinian TV on September 16th, Abbas proudly stated “we bless every drop of blood spilled for Jerusalem. With the help of Allah, every shaheed (martyr) will be in heaven.” He then added “Al-Aksa is ours and so is the Church of the Holy Sepulchre. They [Jews] have no right to desecrate them with their filthy feet.” [...]

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/israel/11921994/Why-is-the-world-ignoring-a-wave-of-terror-in-Israel.html

Se as pessoas forem mais higiênicas, esses radicais da higiene devem se acalmar.

Israel quando subjuga um povo, é o civilizado. Quando o agredido reage é terrorista religioso.

Critério ridículo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 15:58:40
Citar
Governo vai revisar plano de segurança para a Olimpíada
O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, general Sergio Etchegoyen, disse nesta sexta-feira que o governo vai revisar as medidas de segurança no país para a Olimpíada após o atentado em Nice, na França, que deixou ao menos 84 mortos e 100 feridos nesta quinta-feira.
http://veja.abril.com.br/brasil/apos-ataque-na-franca-governo-vai-revisar-medidas-de-seguranca-para-a-rio-2016/

Citar
O EI agora tem um recrutador de brasileiros: Ismail al-Brazili
Relatório da Abin revela que o grupo extremista faz esforços para obter seguidores no Brasil – e que o país está exposto a um ataque terrorista.
http://veja.abril.com.br/brasil/o-ei-agora-tem-um-recrutador-de-brasileiros-ismail-al-brazili/

Obviamente é blefe dos radicais políticos, que estão convertendo para sua ideologia política(e não religiosa) pessoas carentes e aliciando para a guerra santa política contra o Brasil. Mas o Brasil não corre perigo, já que não  bombardeou o EI no Iraque e na Síria.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 16:01:30
Israel quando subjuga um povo, é o civilizado. Quando o agredido reage é terrorista religioso.

Critério ridículo.

Israel foi muito criticado quando mandou colonos de maneira ilegal aos olhos internacionais para o território palestino na Cisjordânia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Julho de 2016, 16:07:54
Misofobia:

Citar
[...] In a speech on Palestinian TV on September 16th, Abbas proudly stated “we bless every drop of blood spilled for Jerusalem. With the help of Allah, every shaheed (martyr) will be in heaven.” He then added “Al-Aksa is ours and so is the Church of the Holy Sepulchre. They [Jews] have no right to desecrate them with their filthy feet.” [...]

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/israel/11921994/Why-is-the-world-ignoring-a-wave-of-terror-in-Israel.html

Se as pessoas forem mais higiênicas, esses radicais da higiene devem se acalmar.

Israel quando subjuga um povo, é o civilizado. Quando o agredido reage é terrorista religioso.

Critério ridículo.

"Tu quoque" é igualmente ridículo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 15 de Julho de 2016, 16:41:39
Pasteur disse que a culpa do EI existir é dos EUA, por ter derrubado um governo 'forte' no Iraque e permitido a ascensão desses grupos radicais.

Então ele está dizendo, indiretamente, que a população muçulmana não está preparada pra viver numa democracia e precisa de governos autoritários/opressores para viver na linha.

É isso?  :hein:



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 15 de Julho de 2016, 17:35:12
Pasteur disse que a culpa do EI existir é dos EUA, por ter derrubado um governo 'forte' no Iraque e permitido a ascensão desses grupos radicais.

Então ele está dizendo, indiretamente, que a população muçulmana não está preparada pra viver numa democracia e precisa de governos autoritários/opressores para viver na linha.

É isso?  :hein:

Lógico que não! Existem países muçulmanos democráticos como Tunísia e Turquia.

Se você diminui a força de um governo, grupos criminosos podem adquirir poder. Espera-se que gente decente governe e com poder de não deixar esses criminosos mandarem.

Imagine se por um acaso o Brasil seja atacado e seu exército fique em frangalhos: PCC e Comando Vermelho fazendo a festa não significa que brasileiros não estejam preparados pra viver numa democracia.

As más linguas dizem que na parte Síria o ditador libertou milhares de criminosos para atrapalhar os planos dos rebeldes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 15 de Julho de 2016, 17:35:14
Terrorista de Nice é ligado ao Islã radical, diz premier francês

http://oglobo.globo.com/mundo/terrorista-de-nice-ligado-ao-isla-radical-diz-premier-frances-19725099
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 15 de Julho de 2016, 18:22:26
Treta forte na Turquia  rolando agora
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lakatos em 15 de Julho de 2016, 19:00:48
Golpe de estado, ao que tudo indica.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: El Elyon em 15 de Julho de 2016, 19:33:24
Citar
Golpe de estado, ao que tudo indica.

As Forças Armadas Turcas seguem a sua impecável tradição de derrubar governos que as desagradam, especialmente se são demasiadamente pró-Islâmicos em sua percepção - e tentativas similares ocorreram mesmo nos anos 90, como 1993 e 1997 e creio que umas 8 vezes durante o século XX (desde a queda do Império Turco-Otomano). Curiosamente, eles nunca ficaram por longos períodos no Governo, mesmo tendo o poder e oportunidade para fazer isso. Dessa vez, entretanto, até mesmo a oposição turca não tem muitas simpatias com as Forças Armadas.

 

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Sdelareza em 15 de Julho de 2016, 20:52:57
Pasteur disse que a culpa do EI existir é dos EUA, por ter derrubado um governo 'forte' no Iraque e permitido a ascensão desses grupos radicais.

Então ele está dizendo, indiretamente, que a população muçulmana não está preparada pra viver numa democracia e precisa de governos autoritários/opressores para viver na linha.

É isso?  :hein:

Não acredito que seja possível impor de uma vez uma democracia à força num regime tradicionalmente marcados
por governos autoritários, mas que deve ser um processo gradual.

Foi possível colocar regimes democráticos no Japão e na Alemanha do oeste depois da segunda guerra pois já existiam antes
 instituições relativamente democráticas nesses países (antes da Alemanha nazista e do governo militarista japonês).

Acho que foi apenas no século 17 que na Inglaterra um parlamento começou a limitar os poderes do rei.
E nessa época, Thomas Hobbes (autor do Leviatã) defendia um governo forte como o único capaz de impor a ordem
e não via com bons olhos regimes democráticos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 15 de Julho de 2016, 21:05:05
https://www.youtube.com/v/xUONqP3TL-s
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 21:06:45
Os militares turcos são fortemente kemalistas e nacionalistas.

https://www.youtube.com/v/xUONqP3TL-s

E mesmo assim ele continuou  enfiado com os fusionistas no Partido Republicano.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 15 de Julho de 2016, 21:22:39
Ah, não postei por causa da Turquia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 15 de Julho de 2016, 21:26:02
Ah, não postei por causa da Turquia.

Me referia ao que Ron Paul disse mesmo. O comentário sobre a Turquia foi "em separado".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 16 de Julho de 2016, 09:53:49
Terrorista de Nice é ligado ao Islã radical, diz premier francês

http://oglobo.globo.com/mundo/terrorista-de-nice-ligado-ao-isla-radical-diz-premier-frances-19725099

O ministro do interior, Bernard Cazeneuve, disse que não há nenhuma evidência dessa ligação.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gigaview em 16 de Julho de 2016, 13:52:12
Atualmente quando um maluco comete um ato maluco que envolve muitas mortes logo se procura saber qual é a religião do maluco. Se for muçulmano logo vira terrorista até que se prove o contrário, se for de outra religião fica registrado como mais um maluco. A maioria dos muçulmanos paga pelos atos de uma minoria terrorista e de uma minoria menor ainda de malucos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 16 de Julho de 2016, 17:54:01
Atualmente quando um maluco comete um ato maluco que envolve muitas mortes logo se procura saber qual é a religião do maluco. Se for muçulmano logo vira terrorista até que se prove o contrário, se for de outra religião fica registrado como mais um maluco. A maioria dos muçulmanos paga pelos atos de uma minoria terrorista e de uma minoria menor ainda de malucos.

 :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 17 de Julho de 2016, 10:17:11
http://www.dn.pt/mundo/interior/sonhou-ser-futebolista-agora-quer-ficar-no-poder-ate-2023-5289146.html

Cheira a futura crescente autocracia...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Julho de 2016, 11:18:51
http://www.dn.pt/mundo/interior/sonhou-ser-futebolista-agora-quer-ficar-no-poder-ate-2023-5289146.html

Cheira a futura crescente autocracia...

Putin 2
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 18 de Julho de 2016, 10:19:29
Irmão diz que matou paquistanesa por causa de fotos sensuais dela

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/07/irmao-diz-que-matou-paquistanesa-por-causa-de-fotos-sensuais-dela.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 18 de Julho de 2016, 11:07:27
Irmão diz que matou paquistanesa por causa de fotos sensuais dela

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/07/irmao-diz-que-matou-paquistanesa-por-causa-de-fotos-sensuais-dela.html

Citar
De acordo com a UNFPA, cinco mil mulheres são vítimas do crime de honra todos os anos. Os países com maior incidência são Bangladesh, Brasil, Equador, Egipto, Índia, Israel, Itália, Jordânia, Marrocos, Paquistão, Suécia, Turquia, Uganda e Reino Unido.

https://feministactual.wordpress.com/category/crime-de-honra/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 18 de Julho de 2016, 11:41:37
Irmão diz que matou paquistanesa por causa de fotos sensuais dela

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/07/irmao-diz-que-matou-paquistanesa-por-causa-de-fotos-sensuais-dela.html

Citar
De acordo com a UNFPA, cinco mil mulheres são vítimas do crime de honra todos os anos. Os países com maior incidência são Bangladesh, Brasil, Equador, Egipto, Índia, Israel, Itália, Jordânia, Marrocos, Paquistão, Suécia, Turquia, Uganda e Reino Unido.

https://feministactual.wordpress.com/category/crime-de-honra/

5000 honour killings internationally per year.
1000 honour killings occur in India
1000 honour killings occur in Pakistan
12 honour killings per year in UK

http://hbv-awareness.com/statistics-data/

E lembrando que esses crimes ficam completamente impunes em países como o Paquistão, onde o "perdão da família" é o suficiente.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 18 de Julho de 2016, 11:46:28
Citar
[...]Eighty-three percent of Pakistanis support stonings for adultery according to a Pew survey, and only 8 percent oppose it. Even those who chose modernity over Islamic fundamentalism overwhelmingly favor stonings, according to Pew research.[...]

Citar
[...]Those who are stoned in an honor killing are oftentimes accused of committing adultery. Both genders face stonings in Pakistan and across 14 Muslim countries, but women are more frequently the targets.[...]

Citar
[...]The reason is rooted in sexual inequality in such countries, where the punishment has survived through some interpretations of sharia, or Islamic law, that say adultery is punishable by stoning.[...]

https://www.washingtonpost.com/news/morning-mix/wp/2014/05/28/in-pakistan-honor-killings-claim-1000-womens-lives-annually-why-is-this-still-happening/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Brienne of Tarth em 18 de Julho de 2016, 15:03:16
Há algum dado (estatístico ou não) de mortes de homens pelos mesmos motivos? O Corão também se estende AOS adúlteros...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 18 de Julho de 2016, 18:42:56
Citar
(4)   Islam plays a prominent role in public debates on honor killings, yet honor killings are a pre-Islamic tribal tradition and an extra-judicial punishment that is not part of Sharia law. Honor killings occur among Christian minorities in Arab countries, as well as among the Sikh community in India (and among their respective immigrant communities in the West). They appear to be non-existent in some Muslim-dominate countries, such as Oman, and less frequent in others, such as Algeria and Tunisia. Nonetheless, some interpretations of Islamic law, such as those that promote the lawfulness of husbands’ physical violence against wives, the criminalization of pre- and extramarital sexual relationships, and the use of flogging or stoning if prosecuted as hadd (religious) crimes (which does not happen in most Muslim countries), may contribute indirectly to honor killings.

http://blog.oup.com/2014/07/five-important-facts-about-honor-killings/

Nem vou citar crimes passionais do Ocidente, que vão falar que é outra coisa e tals, sendo que poderei irritar algumas pessoas. Então deixa pra lá...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 18 de Julho de 2016, 18:59:56
http://www.dn.pt/mundo/interior/sonhou-ser-futebolista-agora-quer-ficar-no-poder-ate-2023-5289146.html

Cheira a futura crescente autocracia...

Putin 2
Agora ele pode limpar as FA dos comandantes laicos. Islamização da antigamente(há até 5-6 anos atrás) laica e elogiada Turquia. Isso é mais uma prova que os democratas-religiosos(democracia cristã, democracia islâmica, democracia judaica) são na verdade incompatíveis com a democracia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 18 de Julho de 2016, 19:11:56
http://www.dn.pt/mundo/interior/sonhou-ser-futebolista-agora-quer-ficar-no-poder-ate-2023-5289146.html

Cheira a futura crescente autocracia...

Putin 2
Agora ele pode limpar as FA dos comandantes laicos. Islamização da antigamente(há até 5-6 anos atrás) laica e elogiada Turquia. Isso é mais uma prova que os democratas-religiosos(democracia cristã, democracia islâmica, democracia judaica) são na verdade incompatíveis com a democracia.

A democracia do Putin é o que?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 18 de Julho de 2016, 19:34:44
A democracia do Putin é o que?

Democracia putinesca.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Putinismo
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Julho de 2016, 22:06:07
Há algum dado (estatístico ou não) de mortes de homens pelos mesmos motivos? O Corão também se estende AOS adúlteros...

Você está achando que as religiões são sexualmente igualitaristas?

http://skepticsannotatedbible.com/quran/women/long.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 18 de Julho de 2016, 22:48:49
Citar
Grupo no Brasil declara apoio ao Estado Islâmico
Especialista informou que o grupo está aproveitando o momento para espalhar a ideologia extremista antes da competição esportiva
Um grupo extremista no Brasil declarou lealdade ao Estado Islâmico (EI) e criou um canal chamado Ansar al-Khilafah Brazil no aplicativo Telegram, que se assemelha ao popular WhatsApp. A informação foi divulgada pela especialista americana em monitoramento de atividades terroristas na web Rita Katz, do SITE Intelligence Group, nesta segunda-feira. De acordo com Katz, esta é a primeira vez que uma organização anuncia aliança com o Estado Islâmico na América do Sul. Dentro do grupo no Telegram, o Ansar al-Khilafah Brazil comentou que, “se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treinamento dado à polícia brasileira não servirá em nada”, referindo-se ao apoio que agências internacionais de inteligência têm oferecido ao governo brasileiro na prevenção de ataques terroristas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
Em um post no Twitter, Katz ressaltou que o grupo está aproveitando o momento para espalhar a ideologia extremista antes da competição esportiva. No fim de maio, o EI criou o primeiro canal em português da organização, também dentro do Telegram. A página, para propaganda do califado, é uma versão em português do já existente Nashir Channel. Procurada pela ANSA, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ainda não retornou ao contato sobre a suposta aliança de um grupo no Brasil ao Estado Islâmico. O cientista político Heni Ozi Cukier, professor de Relações Internacionais da ESPM, disse que qualquer ameaça precisa ser verificada para se constatar se é falsa ou real. “Pode ser só uma oportunidade de aterrorizar antes dos Jogos”, afirmou, destacando, porém, que, caso seja verdadeira, o Brasil precisa aumentar sua vigilância. Na semana passada, a Assembleia Nacional da França publicou o relatório de uma audição com o chefe da Direção de Inteligência Militar (DRM), general Christophe Gomart, no qual o especialista admitia ter informações de que o Estado Islâmico planejara um atentado contra a delegação francesa durante os Jogos. As Olimpíadas do Rio de Janeiro ocorrerão entre os dias 5 e 21 de agosto. Devido ao massacre em Nice há quatro dias, quando Mohamed Bouhlel atropelou uma multidão e matou 84 pessoas, o governo brasileiro adotou medidas extras de segurança para os Jogos. Neste domingo foi realizado o terceiro treinamento de forças conjuntas para simular a cerimônia de abertura, que ocorrerá no Maracanã. A estimativa é de que cinco mil homens da Força Nacional de Segurança Pública e 21 mil oficiais das Forças Armadas, além do contingente fixo do Rio de Janeiro, façam a segurança durante os Jogos Olímpicos.
http://veja.abril.com.br/mundo/grupo-no-brasil-declara-apoio-ao-estado-islamico/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 18 de Julho de 2016, 23:11:40
Parece notícia plantada pra aterrorizar. Típico do EI: sabe usar a Internet muito a seu favor. A Alqaeda deve estar aprendendo...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 19 de Julho de 2016, 01:32:22
Atualmente quando um maluco comete um ato maluco que envolve muitas mortes logo se procura saber qual é a religião do maluco. Se for muçulmano logo vira terrorista até que se prove o contrário, se for de outra religião fica registrado como mais um maluco. A maioria dos muçulmanos paga pelos atos de uma minoria terrorista e de uma minoria menor ainda de malucos.

Acho que os terroristas islâmicos aceitam de braços abertos a afiliação espontânea de malucos à ideologia islamista como atacantes suicidas. Então essa separação de ambas não é tão significativa.

É contudo importante notar que a vasta maioria dos ataques suicidas não é conduzida por pessoas com distúrbios psiquiátricos. Nem por vítimas da pobreza, etc.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Brienne of Tarth em 19 de Julho de 2016, 11:39:42
Há algum dado (estatístico ou não) de mortes de homens pelos mesmos motivos? O Corão também se estende AOS adúlteros...

Você está achando que as religiões são sexualmente igualitaristas?

http://skepticsannotatedbible.com/quran/women/long.html

Não, nada disso, só queria saber mesmo se há algum dado.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 21 de Julho de 2016, 10:43:20

Isso nao deveria ser engracado

O caminhão islamista da tolerância está passando pela sua timeline
______________¶___
| RELIGIÃO DA PAZ ||l “”|””\__,_
|___________________|||__|__|__|]
(@)@)*********(@)(@)**(@)
Compartilhe para ele nunca passar perto da sua rua


Esse caminhão não passa em países como o Brasil, por exemplo, que não soltou umas bombinhas da paz na cabeça de milhares de iraquianos, por exemplo. Por que a "religião da paz" só fica estressada por aquelas bandas?

Será que aqui no Brasil o Alcorão é diferente?

Conveniente esquecer da politica e jogar nas costas da religião.

Esse carinha do caminhão, nem fez um mês inteiro de Ramadã, gostava de sair pra dançar e saia com muitas mulheres. Só cego pra não ver o viés político!


Sim, sim é sim. Entao eu suponho que os mais de 100 ataques terroristas nas Filipinas foram também primariamente por razoes políticas, nada a ver com religiao, afinal, devem ter soltado algumas bombinhas de paz em países islâmicos, né? Ops

https://en.wikipedia.org/wiki/Terrorism_in_the_Philippines
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 21 de Julho de 2016, 11:00:32
Sim, sim é sim. Entao eu suponho que os mais de 100 ataques terroristas nas Filipinas foram também primariamente por razoes políticas, nada a ver com religiao, afinal, devem ter soltado algumas bombinhas de paz em países islâmicos, né? Ops

https://en.wikipedia.org/wiki/Terrorism_in_the_Philippines

E nas Filipinas nós temos a diferenciação de terrorismo político e religioso. O "Novo Exército do Povo" marxista(político) e a cédula do EI(religioso). Em falar que o Marxismo é uma religião cheio de dogmas também, então...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 21 de Julho de 2016, 11:21:11
Não há total distinção não só por haver religiosidade na política, mas também por haver política mesclada ao terrorismo religioso. Essas narrativas de opressão contra os EUA e etc dos EI/Al Qaeda/etc devem ter muita similaridade com narrativas de grupos como a Gangue de Baader-Meihoff (comunista).

O islamismo parece ser inerentemente ou no mínimo "zeitgeisticamente" muito menos laico, então há também uma gradação mais sutil entre o fim das injustiças políticas e o estabelecimento do califado, vontade divina, e etc. Enquanto que os políticos param sem ter esse apelo religioso literal, apenas na "religiosidade política".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Julho de 2016, 00:59:07
Parece notícia plantada pra aterrorizar. Típico do EI: sabe usar a Internet muito a seu favor. A Alqaeda deve estar aprendendo...

Citar
http://oglobo.globo.com/rio/suspeitos-presos-por-terrorismo-faziam-parte-de-grupo-chamado-defensores-da-sharia-19758118

[...] Segundo a Justiça Federal, quebras de sigilo de dados e telefônicos revelaram indícios de que os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, além do uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos. [...]

[...] Uma ONG com atuação na área humanitária e educacional também é investigada por participação no caso. [...]



Citar
http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/pf-cumpre-12-mandatos-de-prisao-contra-suspeitos-de-terrorismo-no-brasil/

[....]

Estes atos – tentativa de comprar arma, contato com o Estado Islâmico e tentativa de treinar artes marciais e tiros – motivaram os pedidos de prisão. Um dos alvos da operação chegou a cumprir seis anos por homicídio [...]
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 22 de Julho de 2016, 01:25:46
Parece notícia plantada pra aterrorizar. Típico do EI: sabe usar a Internet muito a seu favor. A Alqaeda deve estar aprendendo...

Citar
http://oglobo.globo.com/rio/suspeitos-presos-por-terrorismo-faziam-parte-de-grupo-chamado-defensores-da-sharia-19758118

[...] Segundo a Justiça Federal, quebras de sigilo de dados e telefônicos revelaram indícios de que os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, além do uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos. [...]

[...] Uma ONG com atuação na área humanitária e educacional também é investigada por participação no caso. [...]



Citar
http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/pf-cumpre-12-mandatos-de-prisao-contra-suspeitos-de-terrorismo-no-brasil/

[....]

Estes atos – tentativa de comprar arma, contato com o Estado Islâmico e tentativa de treinar artes marciais e tiros – motivaram os pedidos de prisão. Um dos alvos da operação chegou a cumprir seis anos por homicídio [...]

http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/07/21/juiz-defende-prisoes-mas-alerta-nao-quer-dizer-que-sao-terroristas.htm



Moraes, no entanto, disse que os detidos não tiveram qualquer contato com membros do Estado Islâmico e que se trata de uma “célula absolutamente amadora”, porque não tinha “nenhum preparo”. (http://www.alagoas24horas.com.br/989689/em-operacao-antiterror-pf-prende-10-pessoas-suspeitas-de-ligacao-com-ei/)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Julho de 2016, 02:01:24
:hein:

...

"Não quer dizer que são terroristas" pois foram presos antes de cometer atos terroristas, tal como uma tentiva de assassinato impedida previne que o perpetrador seja "assassino".


Eles juraram fidelidade ao Estado Islâmico.



Agora é "torcer" para que eventuais células mais preparadas também sejam pegas antes de porem o terrorismo em prática.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 22 de Julho de 2016, 06:31:34
:hein:

...

"Não quer dizer que são terroristas" pois foram presos antes de cometer atos terroristas, tal como uma tentiva de assassinato impedida previne que o perpetrador seja "assassino".


Prototerroristas? Filoterroristas? Criptoterroristas?... :?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 22 de Julho de 2016, 06:41:30
:hein:

...

"Não quer dizer que são terroristas" pois foram presos antes de cometer atos terroristas, tal como uma tentiva de assassinato impedida previne que o perpetrador seja "assassino".


Eles juraram fidelidade ao Estado Islâmico.



Agora é "torcer" para que eventuais células mais preparadas também sejam pegas antes de porem o terrorismo em prática.

Só essa possibilidade? Tem certeza de que iriam de fato cometer algum atentado?

Não poderia ser um bando de moleques imbecis jogando conversa fiada?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Skorpios em 22 de Julho de 2016, 07:47:57
Não poderia ser um bando de moleques imbecis jogando conversa fiada?

Um deles aparentemente era do Paraná, onde pela fronteira com o Paraguai entra muito do armamento utilizado pelas quadrilhas profissionais brasileiras, e onde é fácil arrumar um fuzil e os imbecis estavam procurando comprar armamento pela internet.
Até nas favelas de qualquer parte do país teriam mais facilidade em encontrar do que na internet. Tendo a concordar com o Pasteur. Não significa que não se deva agir contra esse tipo de gente, quando e se aparecer.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 22 de Julho de 2016, 08:05:16
Não poderia ser um bando de moleques imbecis jogando conversa fiada?

Um deles aparentemente era do Paraná, onde pela fronteira com o Paraguai entra muito do armamento utilizado pelas quadrilhas profissionais brasileiras, e onde é fácil arrumar um fuzil e os imbecis estavam procurando comprar armamento pela internet.
Até nas favelas de qualquer parte do país teriam mais facilidade em encontrar do que na internet. Tendo a concordar com o Pasteur. Não significa que não se deva agir contra esse tipo de gente, quando e se aparecer.

 :ok:

Estou curioso para saber a religião de cada um dos 10 envolvidos e qual o papel de cada um, a gravidade dos atos de cada um deles!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Julho de 2016, 09:27:57
:hein:

...

"Não quer dizer que são terroristas" pois foram presos antes de cometer atos terroristas, tal como uma tentiva de assassinato impedida previne que o perpetrador seja "assassino".


Prototerroristas? Filoterroristas? Criptoterroristas?... :?

"Planejadores de terrorismo"?


:hein:

...

"Não quer dizer que são terroristas" pois foram presos antes de cometer atos terroristas, tal como uma tentiva de assassinato impedida previne que o perpetrador seja "assassino".


Eles juraram fidelidade ao Estado Islâmico.



Agora é "torcer" para que eventuais células mais preparadas também sejam pegas antes de porem o terrorismo em prática.

Só essa possibilidade? Tem certeza de que iriam de fato cometer algum atentado?

Não poderia ser um bando de moleques imbecis jogando conversa fiada?


"Possibilidade" existe até de que todos ouvissem a Jesus nos seus corações em última hora, e desistissem de tudo, e virassem pregadores evangélicos. Certeza é só de que juraram fidelidade ao Estado Islâmico, comemoraram o atentado mais violento deles, e que planejavam tentar algo similar.


Espero que não seja comum que "moleques imbecis jogando conversa fora" jurem fidelidade ao Estado Islâmico e comecem a se mover preparatoriamente para cometer atentados, mesmo que atrapalhadamente.

Isso só deve teoricamente aumentar as chances de N em cada 10 deles fazerem algum estrago, bem como, pior, haver outros tantos mais hábeis fora do radar.

E ainda tem o preocupante possível envolvimento de uma ONG "humanitária".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 22 de Julho de 2016, 11:38:58
Será que é essa ONG que faz trabalhos em favelas e converte pessoas em vulnerabilidade para o Islã?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Julho de 2016, 12:01:41
Não sei, mas calha do islamismo vir se expandindo em periferias brasileiras ao longo dos anos.

Torço que tenhamos sorte de ter uma versão bem zen-tropical cor-de-rosa dessa combinação, em vez de uma combinação da revolta de excluídos do discurso socialista/rapper com radicalismo religioso legitimado por deus. Junto com as "intolerâncias sociais moderadas" que devem vir junto com a maioria das versões mais ordinárias/não tão cor-de-rosa do islamismo (tal como no cristianismo em versões menos light do que "catolicismo não-praticado").




Citar
http://veja.abril.com.br/blog/a-boa-e-velha-reportagem/como-curar-um-radical-islamico/

[...]

4) Diversas mesquitas têm grupos de discussão em que os imãs tentam fazer como Meskine: mostrar que o Corão não deve ter uma leitura enviesada, violenta, que estimule o assassinato e a intolerância.

Esse programa tem tido efeito reduzido por vários motivos. Entre eles: os jovens param de frequentar as mesquitas com imãs moderados assim que começam a demonstrar sinais de radicalização e buscam líderes religiosos que fazem pregações informais em apartamentos da periferia das cidades francesas; a reincidência no radicalismo islâmico é alta, de 20%, equivalente à de dependentes químicos; e as prisões são verdadeiros ninhos de radicalização, pois os jihadistas ali presos têm fácil acesso a jovens muçulmanos detidos por crimes comuns e não há clérigos moderados suficientes para fazer o trabalho inverso (são apenas 182 para uma população carcerária de 30.000 muçulmanos).

A guerra ideológica necessária para combater a radicalização dos jovens muçulmanos da Europa, portanto, ainda está engatinhando. Ainda há muito por fazer e uma grande parcela da responsabilidade terá de ser assumida, com vigor, pelos muçulmanos moderados.

Imagino que a aparentemente praticamente invariável inadmissibilidade de muçulmanos ou simpatizantes em falar de "radicalismo islâmico", não sendo "o verdadeiro islã", também seja obstáculo. Se não existe tal coisa como "radicalismo islâmico", então não tem nada com que os moderados precisem se preocupar para prevenir, não há o que falar em "reformas", etc. É tudo alguma outra coisa que não tem nada a ver, só uma curiosa coincidência.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 22 de Julho de 2016, 12:15:26
Não sei, mas calha do islamismo vir se expandindo em periferias brasileiras ao longo dos anos.

Torço que tenhamos sorte de ter uma versão bem zen-tropical cor-de-rosa dessa combinação, em vez de uma combinação da revolta de excluídos do discurso socialista/rapper com radicalismo religioso legitimado por deus. Junto com as "intolerâncias sociais moderadas" que devem vir junto com a maioria das versões mais ordinárias/não tão cor-de-rosa do islamismo (tal como no cristianismo em versões menos light do que "catolicismo não-praticado").
Já pensou uma "Bancada Islâmica" no Congresso Nacional do futuro? Eles poderiam se unir a Bancada Evangélica e Católica, já que concordariam em muito aspectos. E poderiam ajudar a enterrar ainda mais o nosso eternamente inexistente estado laico.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 22 de Julho de 2016, 13:43:34
POR DENTRO DA ESTRATÉGIA DE RECRUTAMENTO DO EI NO BRASIL.
http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36839598
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 28 de Julho de 2016, 10:49:13
Citar

Papa diz que atentados mostram que mundo está em guerra (http://veja.abril.com.br/mundo/papa-atentados-mundo-esta-guerra/)

Francisco ressaltou, porém, que não se trata de uma guerra religiosa, mas sim de conflitos de interesses pessoais e econômicos

(https://abrilveja.files.wordpress.com/2016/07/mundo-papa-entrevista-20160727-001.jpg?quality=70&strip=all&w=680&h=453&crop=1)
Papa Francisco fala com a imprensa durante viagem à Polônia. O líder da Igreja Católica participa da Jornada Mundial da Juventude no país de João Paulo II - 27/07/2016 (Filippo Monteforte/Reuters)

O papa Francisco disse nesta quarta-feira que a série de ataques recentes, incluindo o assassinato de um padre na França, é prova de que o “mundo está em guerra”. Em conversa com repórteres a bordo do avião rumo à Polônia, o pontífice ressaltou que não se refere a uma guerra religiosa, mas sim a uma dominação de interesses pessoais e econômicos.

“A palavra que está sendo repetida geralmente é insegurança, mas a palavra real é guerra. Vamos reconhecer isto. O mundo está em estado de guerra em partes e pedaços”, disse Francisco antes da visita de cinco dias à Polônia, acrescentando que ataques podem ser vistos como uma nova guerra mundial.

“Agora há esta (guerra), que talvez não seja orgânica, mas é organizada e é uma guerra”, afirmou. “Não devemos ter medo de falar esta verdade. O mundo está em guerra, porque perdeu a paz.”

Cerca de 15 minutos depois, após agradecer a jornalistas individualmente, Francisco pegou o microfone novamente para esclarecer que não se referia a uma guerra religiosa. “Não uma guerra de religião. Há uma guerra de interesses. Há uma guerra por dinheiro. Há uma guerra por recursos naturais. Há uma guerra pela dominação de povos. Isto é a guerra”, disse.

O pontífice chamou Jacques Hamel, o padre degolado por militantes islâmicos durante um sequestro em uma igreja na França na terça-feira, de “um padre sagrado”, mas disse que ele é somente uma de muitas vítimas inocentes.

(Com Reuters)

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Luiz F. em 28 de Julho de 2016, 11:18:56
Se o PAPA falou, então só pode ser verdade. :)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 28 de Julho de 2016, 11:23:23
Religioso chefe de uma religião de histórico sangrento falando sobre como a religião não tem envolvimento em episódio de religiosos terem degolado outro religioso dentro de ambiente religioso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Julho de 2016, 16:20:15
Se o PAPA falou, então só pode ser verdade. :)

Correto.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Infalibilidade_papal


Ou seja, os membros do EI e outros grupos "religiosos" radicais estão MENTINDO. Safados! Provavelmente por baixo dos panos a coisa é toda ecumênica e todos sabem que não tem nada de califado mundial nem nada.

Uma vez postaram uma imagem onde a Iluminatti controlava como marionete os líderes religiosos, que controlam o povo. Talvez o papa esteja querendo "sair", revelar tudo a público, nas entrelinhas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 28 de Julho de 2016, 17:12:35
Ainda bem que o papa falou o que falou. Só faltava ele ter dito que o Islã está tentando exterminar com a civilização ocidental e que deveríamos nos lançar em uma cruzada santa.

Já não basta um piromaníaco alucinado tentando ser eleito presidente dos EUA, a galera aqui quer que um líder mundial do calibre do papa solte bravatas idiotas e sem sentido.

Não há uma guerra religiosa. O Islã não está em guerra com o cristianismo. Dizer que todo islamita é um terrorista é o mesmo que dizer que todo homem é um estuprador em potencial ou que toda mulher é puta. E, gostemos ou não, muito do problema do radicalismo islâmico nasceu justamente de guerra de interesses, guerra por recursos naturais e guerra por dominação de povos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 28 de Julho de 2016, 17:46:15
O Papa foi prudente. Se ele falasse que o o EI está travando uma guerra religiosa(o que realmente é), as coisas ficariam ainda pior. Principalmente para os católicos romanos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Julho de 2016, 18:10:33
Não há uma guerra religiosa. O Islã não está em guerra com o cristianismo. Dizer que todo islamita é um terrorista [...]

Nunca houve guerras mundiais então. Não foram todos países do mundo uns contra os outros, e toda população mundial, soldados.

Aqueles que declaram jihad estão sim, declarando e praticando uma guerra religiosa, mesmo que seus alvos não estejam.

A guerra ter elementos ou mesmo motivações materiais não tira seu caráter religioso. Religiões são essencialmente malhas sociais de grupos/tribos em competição por recursos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 28 de Julho de 2016, 20:45:19
Ainda bem que o papa falou o que falou. Só faltava ele ter dito que o Islã está tentando exterminar com a civilização ocidental e que deveríamos nos lançar em uma cruzada santa.

Já não basta um piromaníaco alucinado tentando ser eleito presidente dos EUA, a galera aqui quer que um líder mundial do calibre do papa solte bravatas idiotas e sem sentido.

A função de um líder religioso é mesmo ficar falando estupidez e coisas sem sentido o tempo todo.

Mas acho que ninguém aqui quer ou espera que o Papa vá chamar outras gangues místicas pra briga.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Julho de 2016, 21:47:56
JP2 sofreu ataque terrorista muçulmano e depois converteu o cara. Muito foda.

"Bitches, come on, be catholics. You know you want it."
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Spencer em 28 de Julho de 2016, 22:01:52


Já não basta um piromaníaco alucinado tentando ser eleito presidente dos EUA, a galera aqui quer que um líder mundial do calibre do papa solte bravatas idiotas e sem sentido.

 
No meu ponto de vista os atos de terrorismo são comparáveis aos crimes contra a humanidade, O mundo está perplexo, mas catatônico.
Em momentos assim, personagem exótico como DTrump pode assumir a figura de um heroico justiceiro na imaginação de muitos americanos e o resultado das eleições por lá, antes tão previsível poderá surpreender.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 28 de Julho de 2016, 22:14:52
Spencer, por favor, corrija a citação. Não fui eu o autor da frase quotada em seu post.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 29 de Julho de 2016, 01:06:59
O ISIS tem como maior inimigo os xiitas, como pode ser uma guerra religiosa do islamismo contra o Ocidente?

O problema do mundo islâmico é o excesso de conservadorismo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 29 de Julho de 2016, 01:11:50
Não só Trump, na Europa, grupos ultra-nacionalistas e neonazistas crescem. A islamofobia e o islamofascimo se utilizam para inflar. Cada um com sua teoria conspiratória.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Spencer em 29 de Julho de 2016, 08:59:12
Spencer, por favor, corrija a citação. Não fui eu o autor da frase quotada em seu post.
Very sorry, my friend.
De fato a citação foi de I am not Johnny Ramone
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 09:31:28
O ISIS tem como maior inimigo os sunitas,

Você quis dizer xiitas aí?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 09:32:57
O maior problema do Islã não é o conservadorismo, é a não-aceitação da separação entre religião e estado, e a falta de um senso de "viva e deixe viver".

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 09:43:46
O ISIS tem como maior inimigo os sunitas,

Você quis dizer xiitas aí?

Não, ele quis dizer sunitas mesmo, pois são as maiores vítimas entre atentados e guerras e são os que levam a má fama das atrocidades desse grupo. Só quem pensa numa guerra religiosa pra não perceber esse fato gritante!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 09:47:29
O maior problema do Islã não é o conservadorismo, é a não-aceitação da separação entre religião e estado, e a falta de um senso de "viva e deixe viver".

Essas frases generalizadoras me dão calafrios!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Julho de 2016, 10:16:17
A realidade dá calafrios mesmo. Tentar desviar os olhos do que é comum para algo melhor que existe ou existia (ter "generalização" como algo inerentemente inválido, ou tentar imputar uma generalização maior, inválida, a qualquer generalização possível, como forma de espantalho) é uma forma comum de tentar reduzir esse desconforto, mas é em última instância algo improdutivo. É fingir não ver como problema um problema que apenas aumenta. Quanto mais pessoas houver admitindo os problemas e dispostas a fazer algo para mudá-los, melhor.

https://en.wikipedia.org/wiki/Liberal_Muslim_movements#Reform

https://en.wikipedia.org/wiki/Political_aspects_of_Islam


Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Islam_and_secularism#Opposition_and_critique

Secularism and religion[edit]
Islamists believe that Islam fuses religion and politics, with normative political values determined by the divine texts.[86] It is argued that this has historically been the case and the secularist/modernist efforts at secularizing politics are little more than jahiliyyah (ignorance), kafir (unbelief/infidelity), irtidad (apostasy) and atheism.[71][87] "Those who participated in secular politics were raising the flag of revolt against Allah and his messenger."[88]

Saudi scholars denounce secularism as strictly prohibited in Islamic tradition. The Saudi Arabian Directorate of Ifta', Preaching and Guidance, has issued a directive decreeing that whoever believes that there is a guidance (huda) more perfect than that of the Prophet, or that someone else's rule is better than his is a kafir.[89]

It lists a number of specific tenets which would be regarded as a serious departure from the precepts of Islam, punishable according to Islamic law. For example:

The belief that human made laws and constitutions are superior to the Shari'a.
The opinion that Islam is limited to one's relation with God, and has nothing to do with the daily affairs of life.
To disapprove of the application of the hudud (legal punishments decreed by God) that they are incompatible in the modern age.
And whoever allows what God has prohibited is a kafir.[90]
In the words of Tariq al-Bishri, "secularism and Islam cannot agree except by means of talfiq [combining the doctrines of more than one school, i.e., falsification], or by each turning away from its true meaning."[91]






O ISIS tem como maior inimigo os sunitas,

Você quis dizer xiitas aí?

Não, ele quis dizer sunitas mesmo, pois são as maiores vítimas entre atentados e guerras e são os que levam a má fama das atrocidades desse grupo. Só quem pensa numa guerra religiosa pra não perceber esse fato gritante!

Os trotskistas são as maiores vítimas dos stalinistas, pois levam a má fama das atrocidades desse grupo. Só quem pensa numa divergência política não percebe esse fato gritante!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 29 de Julho de 2016, 11:01:43
É interessante como "generalizacao" é gritado aos 4 ventos aqui. Sendo que existem pesquisas que mostram o quanto a populacao islâmica é contaminada com ideias fundamentalista

Só um exemplo rápido:
No Egito, afeganistao, Paquistao e jordao de 76-86% dos muculmanos concordam que apostasia deve ser penalizada com morte. Bem generalizadora a estatística né? E se você pegar uma estatística de todos os países entrevistados(nota, nao foram todos os países de maioria islâmica que participaram da pesquisa, Arabia saudita e Iran, por exemplo, porque será?) . Cerca de 27% dos muculmanos concordam com isso, em valores numéricos isso é quanto... hm. Em torno de 237 milhoes de muculmanos, bem pouquinha gente.

http://www.pewforum.org/2013/04/30/the-worlds-muslims-religion-politics-society-beliefs-about-sharia/

Mais sobre os ideais de paz da religiao islâmica aqui:
http://www.pewforum.org/2013/04/30/the-worlds-muslims-religion-politics-society-overview/

E um vídeo que coloca tudo disso mastigadinho
https://www.youtube.com/v/pSPvnFDDQHk
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 11:43:28
Já disse que essas pesquisas PEW sobre Sharia tem má fé!

Se você perguntar pra um crente de qualquer religião que o Deus dele disse alguma barbaridade, a resposta do crente tenderá a concordar com a barbaridade pelo temor de discordar do divino. E apenas uma extrema minoria dos que concordaram vão de fato praticar alguma coisa lamentável. É só ver as estatísticas.

Cansativo ter que repetir coisas óbvias a toda hora.

Quando o cabra não quer abrir os olhos pra realidade não adianta nem vir com estatísticas porque o pensamento já está cristalizado...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 29 de Julho de 2016, 11:51:02
JP2 sofreu ataque terrorista muçulmano e depois converteu o cara. Muito foda.

"Bitches, come on, be catholics. You know you want it."


O cristianismo é o que ainda salva(rá) esse mundo, apesar dos esforços comunistas e político-corretos pra acabar com a família e a moral cristã. #mito #joãoPauloMito #foraPT #deixaOTemerTrabalhar
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 12:07:53
Esse terrorista apostata que tentou matar o papa, está demorando pra ser morto! De acordo com a pesquisa PEW o que não falta é gente tentando matá-lo.... ::)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 29 de Julho de 2016, 12:24:30
O cara ainda está vivo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Julho de 2016, 12:57:16
Esse terrorista apostata que tentou matar o papa, está demorando pra ser morto! De acordo com a pesquisa PEW o que não falta é gente tentando matá-lo.... ::)

Se isso for "verdade" é apenas parte da encenação (como grupos terroristas "islâmicos" e alguns de seus atentados) que eles fazem para ocultar do mundo que o Islã é a religião mais pacífica e secular do mundo, na atualidade e por toda história.

(https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/5a/f6/dd/5af6dd119ec7378d39340d96b3d501bc.jpg)


Mais encenação. Exemplos GRITANTE das FARSAS:


Foto ADULTERADA:

(https://i0.wp.com/bp1.blogger.com/_UgnxmbviHxI/R1HxRwQbgiI/AAAAAAAACvI/HecuWU33OVQ/s400/hope-it-is-a-joke.jpg)


Foto ORIGINAL:

(https://sciencenotes.files.wordpress.com/2008/03/behead.jpg?w=780)



Mais farsantes:

(https://d1s6yijfrvmtp9.cloudfront.net/wp-content/uploads/2011/02/07133222/down-with-democracy-we-want-just-islam.jpg)

(http://dennishollingsworth.us/archives/images/FreedomGoToHell.gif)

(http://4.bp.blogspot.com/_QfVWU-2pVL4/StpZyHK_HJI/AAAAAAAAJGU/JQEtbHFOhX8/s1600/Muslims%2Bcarrying%2Bbanners%2Bdeclaring%2B'Islam%2Bwill%2Bdominate%2Bthe%2Bworld'%2Bprotest%2Bat%2Bthe%2Bvisit%2Bof%2BMr%2BWilders%2Bto%2Bthe%2BUK.jpg)


A pergunta que devemos fazer é: quem ganha com essas encenações de um problema inexistente? :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 29 de Julho de 2016, 13:05:28
Os EUA.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 29 de Julho de 2016, 13:11:51
Já disse que essas pesquisas PEW sobre Sharia tem má fé!

Se você perguntar pra um crente de qualquer religião que o Deus dele disse alguma barbaridade, a resposta do crente tenderá a concordar com a barbaridade pelo temor de discordar do divino. E apenas uma extrema minoria dos que concordaram vão de fato praticar alguma coisa lamentável. É só ver as estatísticas.

Cansativo ter que repetir coisas óbvias a toda hora.

Quando o cabra não quer abrir os olhos pra realidade não adianta nem vir com estatísticas porque o pensamento já está cristalizado...

Você deveria ganhar o troféu "não deem ouvidos para essas pessoas, eu que sei a motivação verdadeira de todas elas".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 13:59:43
Esse terrorista apostata que tentou matar o papa, está demorando pra ser morto! De acordo com a pesquisa PEW o que não falta é gente tentando matá-lo.... ::)

Se isso for "verdade" é apenas parte da encenação (como grupos terroristas "islâmicos" e alguns de seus atentados) que eles fazem para ocultar do mundo que o Islã é a religião mais pacífica e secular do mundo, na atualidade e por toda história.

(https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/5a/f6/dd/5af6dd119ec7378d39340d96b3d501bc.jpg)


Mais encenação. Exemplos GRITANTE das FARSAS:


Foto ADULTERADA:

(https://i0.wp.com/bp1.blogger.com/_UgnxmbviHxI/R1HxRwQbgiI/AAAAAAAACvI/HecuWU33OVQ/s400/hope-it-is-a-joke.jpg)


Foto ORIGINAL:

(https://sciencenotes.files.wordpress.com/2008/03/behead.jpg?w=780)



Mais farsantes:

(https://d1s6yijfrvmtp9.cloudfront.net/wp-content/uploads/2011/02/07133222/down-with-democracy-we-want-just-islam.jpg)

(http://dennishollingsworth.us/archives/images/FreedomGoToHell.gif)

(http://4.bp.blogspot.com/_QfVWU-2pVL4/StpZyHK_HJI/AAAAAAAAJGU/JQEtbHFOhX8/s1600/Muslims%2Bcarrying%2Bbanners%2Bdeclaring%2B'Islam%2Bwill%2Bdominate%2Bthe%2Bworld'%2Bprotest%2Bat%2Bthe%2Bvisit%2Bof%2BMr%2BWilders%2Bto%2Bthe%2BUK.jpg)


A pergunta que devemos fazer é: quem ganha com essas encenações de um problema inexistente? :hein:

Espantalho.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 14:00:38
Já disse que essas pesquisas PEW sobre Sharia tem má fé!

Se você perguntar pra um crente de qualquer religião que o Deus dele disse alguma barbaridade, a resposta do crente tenderá a concordar com a barbaridade pelo temor de discordar do divino. E apenas uma extrema minoria dos que concordaram vão de fato praticar alguma coisa lamentável. É só ver as estatísticas.

Cansativo ter que repetir coisas óbvias a toda hora.

Quando o cabra não quer abrir os olhos pra realidade não adianta nem vir com estatísticas porque o pensamento já está cristalizado...

Você deveria ganhar o troféu "não deem ouvidos para essas pessoas, eu que sei a motivação verdadeira de todas elas".

Espantalho.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 29 de Julho de 2016, 15:25:15
Já disse que essas pesquisas PEW sobre Sharia tem má fé!

O que vale mesmo é a palavra do Pasteur

Se você perguntar pra um crente de qualquer religião que o Deus dele disse alguma barbaridade, a resposta do crente tenderá a concordar com a barbaridade pelo temor de discordar do divino. E apenas uma extrema minoria dos que concordaram vão de fato praticar alguma coisa lamentável. É só ver as estatísticas.

Cansativo ter que repetir coisas óbvias a toda hora.

Isso é uma mistura de Non-Sequitur com Declive escorregadio? Você viu as estatísticas para crimes de honra? Cortar a mao de ladroes? Apedrejamento? Como você sabe? Eu sei que apenas uma minoria iria querer se explodir em nome de Alá. Mas quantos nao endorsariam um apedrejamento, ou apoiariam a morte de um apóstata? Ameaca de morte já é suficiente pra você?

Você pode dizer o quanto quiser que apenas uma minoria estaria disposta a fazer isso. Mas a grande parcela que concorda. Aceitaria o estado fazer uma coisa dessas, ergo, votaria pra que isso fosse legal. É o propósito da pergunta. O problema é essa grande número que concorda com isso. E eles veem os terroristas e acreditam que existam justificativas para os ataques matando várias pessoas. Nao fazem, mas apoiam. Isso é um problema.

Quando o cabra não quer abrir os olhos pra realidade não adianta nem vir com estatísticas porque o pensamento já está cristalizado...

Lamentável, nao é mesmo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Julho de 2016, 16:16:49
Só vou confiar no Pasteur se ele for engenheiro ou ter um p.h.D em física.

......

Essas fotos dos protestos islâmicos(que não são islâmicos) é na Inglaterra?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Julho de 2016, 17:03:20
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 17:14:26
Pasteur está escorregando demais para o lado 'religioso' das convicções, igual certo petista daqui que sumiu após sua linha de pensamento ficar indefensável.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Spencer em 29 de Julho de 2016, 17:22:24
Pasteur está escorregando demais para o lado 'religioso' das convicções, igual certo petista daqui que sumiu após sua linha de pensamento ficar indefensável.
Nesses momentos sou obrigado a reconhecer minha diminuta inteligência:
não consigo compreender por qual razão pessoas normais defendem o PT ou o Islamismo fundamentalista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 17:42:41
... Mas a grande parcela que concorda. Aceitaria o estado fazer uma coisa dessas, ergo, votaria pra que isso fosse legal. É o propósito da pergunta. O problema é essa grande número que concorda com isso. E eles veem os terroristas e acreditam que existam justificativas para os ataques matando várias pessoas. Nao fazem, mas apoiam. Isso é um problema.

Pergunta pra um cristão se eles acham certo alguém ir pro inferno eternamente se não aceitar Jesus. Por que a PEW não faz uma pesquisa dessa?

Significa que o cristão que respondeu que deve ir pro inferno é radical?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 17:47:08
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"

"A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais criminosos na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano o poder dos criminosos explode (no pun intended) mas o que obviamente não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu e não adianta mostrar evidências e estatísticas porque o pensamento está moldado em caricaturas"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 17:50:03
Pasteur está escorregando demais para o lado 'religioso' das convicções, igual certo petista daqui que sumiu após sua linha de pensamento ficar indefensável.

A sua previsão é essa de que vou sumir? Difícil quando os fatos corroboram com a nossa posição.

Ao invés dessa resposta esperava alguma linha sua justificando o fato de a maior vítima do EI ser composta de sunitas...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 17:50:31
... Mas a grande parcela que concorda. Aceitaria o estado fazer uma coisa dessas, ergo, votaria pra que isso fosse legal. É o propósito da pergunta. O problema é essa grande número que concorda com isso. E eles veem os terroristas e acreditam que existam justificativas para os ataques matando várias pessoas. Nao fazem, mas apoiam. Isso é um problema.

Pergunta pra um cristão se eles acham certo alguém ir pro inferno eternamente se não aceitar Jesus. Por que a PEW não faz uma pesquisa dessa?

Significa que o cristão que respondeu que deve ir pro inferno é radical?



Falsa analogia.

Estamos falando de intervenção concreta na vida alheia no aqui e agora, não ameaças sobrenaturais para o pós-vida.

Se 'radicalismo' muçulmano se resumisse a ameaçar as pessoas com o mármore do inferno, estaríamos em um paraíso de tolerância religiosa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 17:52:40
Pasteur está escorregando demais para o lado 'religioso' das convicções, igual certo petista daqui que sumiu após sua linha de pensamento ficar indefensável.
Nesses momentos sou obrigado a reconhecer minha diminuta inteligência:
não consigo compreender por qual razão pessoas normais defendem o PT ou o Islamismo fundamentalista.

Quem está defendendo os radicais? Aliás o que é pra você o Islamismo fundamentalista: é aquele que apoia ou pratica atentados ou aquele com uma visão conservadora do Islã?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 17:53:27
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"

"A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais criminosos na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano o poder dos criminosos explode (no pun intended) mas o que obviamente não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu e não adianta mostrar evidências e estatísticas porque o pensamento está moldado em caricaturas"

Os líderes do EI vieram dos presídios de lá?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 17:56:00
... Mas a grande parcela que concorda. Aceitaria o estado fazer uma coisa dessas, ergo, votaria pra que isso fosse legal. É o propósito da pergunta. O problema é essa grande número que concorda com isso. E eles veem os terroristas e acreditam que existam justificativas para os ataques matando várias pessoas. Nao fazem, mas apoiam. Isso é um problema.

Pergunta pra um cristão se eles acham certo alguém ir pro inferno eternamente se não aceitar Jesus. Por que a PEW não faz uma pesquisa dessa?

Significa que o cristão que respondeu que deve ir pro inferno é radical?



Falsa analogia.

Estamos falando de intervenção concreta na vida alheia no aqui e agora, não ameaças sobrenaturais para o pós-vida.

Se 'radicalismo' muçulmano se resumisse a ameaçar as pessoas com o mármore do inferno, estaríamos em um paraíso de tolerância religiosa.

A analogia só foi feita para medir o radicalismo da pessoa e não sobre efeitos práticos de nossa vida diária.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 18:01:18
Aliás o que é pra você o Islamismo fundamentalista: é aquele que apoia ou pratica atentados ou aquele com uma visão conservadora do Islã?


Para o nível do Islã, um muçulmano que seja contra a aplicação da lei religiosa pelo estado e o uso da violência contra 'infiéis' por motivos religiosos seria um progressista, independente do que ele pense e da visão que tenha sobre a moral islâmica.

Claro que para outras religiões, a escala muda, devido à (bem) menor prevalência desse tipo de visão 'intervencionista' entre seus fiéis.

O mais radical dos cristãos defende a proibição do casamento gay e a expulsão deles de templos. Um muçulmano que defenda algo menos do que a morte, prisão ou punição física de homossexuais seria um exemplo de 'progressista' entre eles.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 18:11:37
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"

"A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais criminosos na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano o poder dos criminosos explode (no pun intended) mas o que obviamente não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu e não adianta mostrar evidências e estatísticas porque o pensamento está moldado em caricaturas"

Os líderes do EI vieram dos presídios de lá?

Não sei, pra ser criminoso não precisa ser necessariamente condenado e preso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 18:23:24
Aliás o que é pra você o Islamismo fundamentalista: é aquele que apoia ou pratica atentados ou aquele com uma visão conservadora do Islã?


Para o nível do Islã, um muçulmano que seja contra a aplicação da lei religiosa pelo estado e o uso da violência contra 'infiéis' por motivos religiosos seria um progressista, independente do que ele pense e da visão que tenha sobre a moral islâmica.

Claro que para outras religiões, a escala muda, devido à (bem) menor prevalência desse tipo de visão 'intervencionista' entre seus fiéis.

O mais radical dos cristãos defende a proibição do casamento gay e a expulsão deles de templos. Um muçulmano que defenda algo menos do que a morte, prisão ou punição física de homossexuais seria um exemplo de 'progressista' entre eles.

Todos os radicais que eu conheço dizem que essa matança só valia pra época em que Maomé era atacado, sempre como defesa. Então na sua concepção, DDV, essas pessoas (que eu chamo de radicais por serem mais religiosos) são na verdade progressistas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 29 de Julho de 2016, 18:53:34
Aliás o que é pra você o Islamismo fundamentalista: é aquele que apoia ou pratica atentados ou aquele com uma visão conservadora do Islã?


Para o nível do Islã, um muçulmano que seja contra a aplicação da lei religiosa pelo estado e o uso da violência contra 'infiéis' por motivos religiosos seria um progressista, independente do que ele pense e da visão que tenha sobre a moral islâmica.

Claro que para outras religiões, a escala muda, devido à (bem) menor prevalência desse tipo de visão 'intervencionista' entre seus fiéis.

O mais radical dos cristãos defende a proibição do casamento gay e a expulsão deles de templos. Um muçulmano que defenda algo menos do que a morte, prisão ou punição física de homossexuais seria um exemplo de 'progressista' entre eles.

Todos os radicais que eu conheço dizem que essa matança só valia pra época em que Maomé era atacado, sempre como defesa. Então na sua concepção, DDV, essas pessoas (que eu chamo de radicais por serem mais religiosos) são na verdade progressistas.

Muito pouco.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Julho de 2016, 18:59:10
Então os caras defendem execução como "defesa" contra gays? :hein:

:rola:


Maomé e sua tribo, atacados por hordas gays querendo sodomizar todo mundo... :histeria:




Teoria da conspiração -- Estado Islâmico como gangue laica/ecumênica sob uma VASTA cortina de fumaça religiosa (os membros do EI conhecidos freqüentemente têm background religioso, e o aliciamento conhecido -- talvez parte da farsa -- é também de natureza religiosa). Mais "generalização boazinha"; a maioria dos muçulmanos é boazinha, logo não há terrorismo de motivação religiosa, só crimes que tem isso como fachada por razões secretas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 29 de Julho de 2016, 19:12:38
O grande amigo Agnóstico já nos avisava.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 20:35:25
Então os caras defendem execução como "defesa" contra gays? :hein:

:rola:

Que caras? Os do EI??  :hein:

Maomé e sua tribo, atacados por hordas gays querendo sodomizar todo mundo... :histeria:

Não duvido que Maomé e sua tribo matou gays. Tem algum link? Anyway, só disse que os radicais racionalizam defendendo que a violência era justificada em tempos de guerra das primeiras tribos e não hoje. Não deu pra entender?


Teoria da conspiração -- Estado Islâmico como gangue laica/ecumênica sob uma VASTA cortina de fumaça religiosa (os membros do EI conhecidos freqüentemente têm background religioso, e o aliciamento conhecido -- talvez parte da farsa -- é também de natureza religiosa). Mais "generalização boazinha"; a maioria dos muçulmanos é boazinha, logo não há terrorismo de motivação religiosa, só crimes que tem isso como fachada por razões secretas.

Vish, abusou de espantalho hoje, hein? Deixa um pouco pra amanhã!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 20:37:12
O grande amigo Agnóstico já nos avisava.

Avisava o que?

Povo não aguenta o contraditório que começa a apelar!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Julho de 2016, 21:47:52
Pasteur, você mora em algum país de maioria islâmica? Ou você trabalha em alguma coisa que lhe dá contato com a religião? Só por curiosidade mesmo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Julho de 2016, 21:57:28
Pasteur, você mora em algum país de maioria islâmica? Ou você trabalha em alguma coisa que lhe dá contato com a religião? Só por curiosidade mesmo.

Gauss, sou filho de libaneses muçulmanos sunitas, conheço dezenas e dezenas de muçulmanos brasileiros e libaneses. Não acredito em nenhuma religião.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Julho de 2016, 22:11:40
Pasteur, você mora em algum país de maioria islâmica? Ou você trabalha em alguma coisa que lhe dá contato com a religião? Só por curiosidade mesmo.

Gauss, sou filho de libaneses muçulmanos sunitas, conheço dezenas e dezenas de muçulmanos brasileiros e libaneses. Não acredito em nenhuma religião.

Ah, entendo. Quando você fala sobre o islamismo você talvez fale pensando em sua família e amigos. Eles não devem ser radicais(com certeza não são). Mas por que não vemos dentre os muçulmanos um movimento que visa acabar com esses radicais que mancham a moral dos demais? O terrorismo tem manchado a moral não só dos muçulmanos, mas com povos que praticam a religião em geral(principalmente os árabes). Para se ter uma noção, tenho um amigo que tem ascendência libanesa(aqui no RS na região de POA tem muitos devido a imigração ainda no século XIX), ele é católico como  a maioria dos libaneses que vieram pra cá, mas o apelido dele é Osama(por causa do Bin Laden, e de seu sobrenome claramente árabe).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Julho de 2016, 23:02:46
Então os caras defendem execução como "defesa" contra gays? :hein:

:rola:

Que caras? Os do EI??  :hein:

Citação de: Pasteur
Todos os radicais que eu conheço dizem que essa matança só valia pra época em que Maomé era atacado, sempre como defesa



Citar
Maomé e sua tribo, atacados por hordas gays querendo sodomizar todo mundo... :histeria:

Não duvido que Maomé e sua tribo matou gays. Tem algum link? Anyway, só disse que os radicais racionalizam defendendo que a violência era justificada em tempos de guerra das primeiras tribos e não hoje. Não deu pra entender?

E os "moderados" são os caras cujas fotos eu postei (se não for mais encenação, como o E"I"), e aquele cara da palestra sobre por que matar gays é um ato de piedade...



Citar

Teoria da conspiração -- Estado Islâmico como gangue laica/ecumênica sob uma VASTA cortina de fumaça religiosa (os membros do EI conhecidos freqüentemente têm background religioso, e o aliciamento conhecido -- talvez parte da farsa -- é também de natureza religiosa). Mais "generalização boazinha"; a maioria dos muçulmanos é boazinha, logo não há terrorismo de motivação religiosa, só crimes que tem isso como fachada por razões secretas.

Vish, abusou de espantalho hoje, hein? Deixa um pouco pra amanhã!

Você só acusa de espantalho mas não expõe como esse resumo diverge do que seria o que você realmente defende. A mim isso parece mesmo a síntese do que você vem dizendo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Julho de 2016, 00:03:31
Nunca disse que eram laicos. Pelo menos estou na companhia de um tremendo especialista em religiões: o Papa.

Aliás a turma aqui entrou em polvorosa depois que postei sobre as afirmações do grande Papa Francisco...   :histeria:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Julho de 2016, 00:19:03
E o que dizer de um dos maiores especialistas em terrorismo do mundo?: Robert Pape (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1308200614.htm)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 30 de Julho de 2016, 00:49:57
O ISIS tem como maior inimigo os sunitas,

Você quis dizer xiitas aí?



Opa, confundi, afinal, sunitas moderados também são mortos pela EI.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 30 de Julho de 2016, 00:58:28
Pasteur, como é vista a questão do apedrejamento de adúlteras pelos islâmicos moderados?

A Sharia, pelo que sei, além de interpretativa não é algo sempre aplicado.
https://en.wikipedia.org/wiki/Application_of_Islamic_law_by_country#Sharia_in_the_world

Quais os países de maioria islâmica com secularismo atualmente? Turquia e Síria não contam mais...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 30 de Julho de 2016, 01:02:09
Achei: https://en.wikipedia.org/wiki/Islam_and_secularism
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Julho de 2016, 11:32:49
Achei: https://en.wikipedia.org/wiki/Islam_and_secularism

A Tunísia foi esquecida e é atualmente um dos maiores exemplos de democracia em um país onde a maioria da população é muçulmana.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Julho de 2016, 11:39:50
Pasteur, como é vista a questão do apedrejamento de adúlteras pelos islâmicos moderados?

Eu vou dar uma pesquisada em que países o apedrejamento é mais aplicado. O apedrejamento é pré-islâmico, algumas comunidades judias a praticavam e não consta no Alcorão. Então me parece mais cultura local, senão seria uma prática mais generalizada.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Julho de 2016, 11:45:48
Eu já desconfiava que era prática cada vez mais rara e parece mais comum em grupos terroristas como Talibã e Al Shabab.

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/mundo/2010/09/10/interna_mundo,212399/pena-de-apedrejamento-comeca-a-diminuir-no-mundo-islamico.shtml
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 30 de Julho de 2016, 18:34:32
Valeu!

Já sabia que mutilação genital feminina não tem relações com o islamismo, é prática regional em países da África subsariana.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 31 de Julho de 2016, 18:04:18
Mas é estimulada e valorizada pelo islamismo.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 31 de Julho de 2016, 22:59:59
Como assim? É principalmente feito na África,  alguns países cristãos o fazem,  não consta em nenhuma religião e é estimulada pelo islamismo???
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 31 de Julho de 2016, 23:54:31
Mas é estimulada e valorizada pelo islamismo.
Em muitos países da África Subsaariana e no Iemen é feito. Aparentemente é mais cultural, e muitos povos usam o sincretismo religioso para justificar o  ato(cristãos, muçulmanos, tribalistas, etc.).
Em vermelho e marrom países com grande incidência
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/79/Female_genital_cutting.jpg/800px-Female_genital_cutting.jpg)
Índices:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/86/Female_Genital_Mutilation_age_0-14.svg/langpt-800px-Female_Genital_Mutilation_age_0-14.svg.png)

Fonte: Wikipédia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 01 de Agosto de 2016, 19:52:49
Me expressei mal, se o islã tivesse esse valor civilizatório  todo teria condenado tais práticas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 01 de Agosto de 2016, 20:11:16
A visão de Raheel Raza, uma muçulmana sunita:

https://www.youtube.com/v/QMWvUA09X0w
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 01 de Agosto de 2016, 22:08:29
Este vídeo é devastador.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 01 de Agosto de 2016, 22:53:49
Tinha colocado esse vídeo hà umas páginas atrás, só que sem legenda, nao sabia que tinha uma... Mas pesquisa da PEW tem má fé, que coisa nao?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 01 de Agosto de 2016, 23:15:08
Muito bom.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 01 de Agosto de 2016, 23:18:53
Vamos fazer um bolão pra ver qual será a resposta do Pasteur? Escolham a sua opção!

1 - Essa mulher está mentindo, se fosse islâmica mesmo, não estaria fazendo vídeos!
2 - hahaha, se islâmicos fossem mesmo perigosos, essa mulher estaria viva pra fazer esse vídeo?
3 - Aff, cristãos são muito piores.
4 - A PEW é tendenciosa, mentira essa pesquisa.
5 - E a Tunísia?? Ninguém fala da Tunísia!!
6 - Espantalho.
7 - O Ben Affleck sim... esse manja! Esse tem historia no real Islam! Essa véia aí não.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 01 de Agosto de 2016, 23:25:54
Vamos fazer um bolão pra ver qual será a resposta do Pasteur? Escolham a sua opção!

1 - Essa mulher está mentindo, se fosse islâmica mesmo, não estaria fazendo vídeos!
2 - hahaha, se islâmicos fossem mesmo perigosos, essa mulher estaria viva pra fazer esse vídeo?
3 - Aff, cristãos são muito piores.
4 - A PEW é tendenciosa, mentira essa pesquisa.
5 - E a Tunísia?? Ninguém fala da Tunísia!!
6 - Espantalho.
7 - O Ben Affleck sim... esse manja! Esse tem historia no real Islam! Essa véia aí não.

O Ben Affleck é o Batman!

Eu acredito nele.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 01 de Agosto de 2016, 23:26:12
A visão de Raheel Raza, uma muçulmana sunita:

https://www.youtube.com/v/QMWvUA09X0w

O Obama não sabe o que fala e nem a Hillary, precisam de alguém alertá-los sobre o perigo que o mundo está correndo com milhões e milhões de muçulmanos que apoiam o extremismo. Agora sim, chegou a heroína, uma muçulmana sunita que veio salvar a humanidade da cegueira em que se encontram os maiores líderes do mundo tomados pelo politicamente correto. O que seria da nossa vida se não fossem as honestas muçulmanas  (:hein:) Irshad Manji e Raheel Raza. Elas estão aí pra fazer a reforma do Islã e o Pasteur atrasando, se enganando, contribuindo para o retrocesso dessa comunidade colocando panos quentes em casa crítica que essa religião recebe. Parabéns pra essas bravas mulheres. Vamos comprar seus livros e distribuí-los entre a população muçulmana, contribuindo pra reforma, é o mínimo que podemos fazer pra agradecer a essas almas tão positivas e iluminadas!

Obs: Johnny aposto que você no fundo já concorda com alguma coisa!  :histeria:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 01 de Agosto de 2016, 23:28:32

Obs: Johnny aposto que você no fundo já concorda com alguma coisa!  :histeria:


Legal ter levado na brincadeira.  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 02 de Agosto de 2016, 00:55:54
E o que dizer de um dos maiores especialistas em terrorismo do mundo?: Robert Pape (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1308200614.htm)

Serve de "refutação" a noções simplistas de que apenas há soldados suicidas entre muçulmanos, e que religião seria a única motivação, mas apenas isso. Não apaga as motivações religiosas declaradas e possivelmente independentes de qualquer aspecto político/nacionailista, ou mesmo mescladas a isso -- conforme citado anteriormente, é comum no islã a aceitação de teocracia/califado. É algo que seria, como fator inerente a interpretações fundamentalistas, comum a praticamente toda religião, pois é um fenômeno social pré-estatal e que se coloca como inerentemente superior à "lei do homem", mas calha de ter sido heterogênea a evolução do laicismo, independentemente de qualquer elemento mais "amigável" ao laicismo no cristianismo e em outras religiões (talvez o "a César o que é de César" tenha contribuído).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 02 de Agosto de 2016, 08:07:50
E o que dizer de um dos maiores especialistas em terrorismo do mundo?: Robert Pape (http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft1308200614.htm)

Serve de "refutação" a noções simplistas de que apenas há soldados suicidas entre muçulmanos, e que religião seria a única motivação, mas apenas isso. [...]

Quando alguém fala de terrorista suicida, homem-bomba você lembra do que?  :stunned:

Lembre-se: 95% dos ataques suicidas não tiveram motivação religiosa!!!!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 02 de Agosto de 2016, 09:04:07
Atualmente, os mais comuns, por todo o mundo, são os homens-bombas muçulmanos, então é natural que, sem maior especificidade pensemos imediatamente nesses.

Esses "95%" (que incluem grupos inteiros de terroristas não-muçulmanos) não fazem com que os "5%" desapareçam. Ao mesmo tempo, não é algo cuja distinção vá sempre ser nítida e incontestável, temos que ver exatamente quais foram os critérios. "Califado" é uma noção política e religiosa. Grupos como EI, Al Qaeda, Boko Haram, Exército do Islã, Hezbolah, Irmandade Islâmica, Nação Islâmica, etc, etc, etc*, são islâmicos, comumente já no nome. E em suas declarações eles vão enfatizar isso, não tentar se afastar, "mas isso não é uma questão religiosa; convocamos pessoas de quaisquer religiões a se juntar a nós em nossa causa política, com total liberdade para continuar professando sua religião. É apenas uma causa política que nos une; não é, portanto, uma jihad, como a mídia ignorante comumente confunde -- travamos uma guerra completamente livre de qualquer motivação religiosa".


* Citando apenas os que tiverem "islam" no nome -- tirando subdivisões do "Estado Islâmico" -- apesar de haver outros tantos de nome árabe e que não surpreenderiam se forem também islâmicos:

Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_designated_terrorist_groups

Aden-Abyan Islamic Army
al-Gama'a al-Islamiyya
Al-Itihaad al-Islamiya
Ansar al-Islam
Armed Islamic Group of Algeria
East Turkestan Islamic Party
Egyptian Islamic Jihad
Great Eastern Islamic Raiders' Front
Harkat-ul-Jihad al-Islami
Harkat-al-Jihad al-Islami in Bangladesh
Harakat Sham al-Islam
Hezb-e Islami Gulbuddin
Islamic Jihad
Islamic Jihad Union
Islamic Movement of Uzbekistan
Jamiat-e Islami
Jemaah Islamiyah   
Khuddam ul-Islam   
Libyan Islamic Fighting Group
Moroccan Islamic Combatant Group
Palestinian Islamic Jihad
Society of the Revival of Islamic Heritage
Students Islamic Movement of India



Movement for Oneness and Jihad in West Africa
Muslim Brotherhood
Palestine al-muslima


(Os últimos três tem só "muslim" e/ou "jihad")


Mas deve haver uma quantidade ainda maior que é de radicais islâmicos que se denominam assim, só não já no nome do grupo (ou ao menos não tendo o nome em árabe com "islã", podendo ainda assim ser algo islâmico). E ainda tem listas como essa:

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_charities_accused_of_ties_to_terrorism

Com uma série de grupos de "caridade" também ligados a islamismo.


A forçação de barra necessária para tentar dissociar totalmente religião do terrorismo islâmico consegue ficar acima da credulidade necessária para petistas acharem ainda que o partido é santo e imaculado.


Não deveria ser necessário dizer, mas parece que é impossível não "interpretarem" dessa forma. Essa correlação absurda não faz com que todo muçulmano seja terrorista ou compactue com terrorismo. Mas é falsa a idéia de que religiões são onibelevolentes e só promovem paz e harmonia entre as pessoas e nações. O islã não é exceção, por mais que se repita o mantra de ser "religião da paz". Se faz mais visto por ser a religião da jihad.

Negar essa associação e debochar de quem vê nela um problema sério, arriscando a vida por ser considerado apóstata, não ajuda em nada. É só algo que se faz para se reconfortar pessoalmente, para aliviar a dissonância cognitiva.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 02 de Agosto de 2016, 09:57:36
Citação de: Buckaroo Banzai
Esses "95%" (que incluem grupos inteiros de terroristas não-muçulmanos) não fazem com que os "5%" desapareçam. Ao mesmo tempo, não é algo cuja distinção vá sempre ser nítida e incontestável, temos que ver exatamente quais foram os critérios.

Acho que você não entendeu: 95% dos atentados suicidas não necessariamente foram de não-muçulmanos, provavelmente muitos eram muçulmanos, mas a motivação não foi religiosa. Tá difícil separar uma coisa de outra né?  :)


Citação de: Buckaroo Banzai
A forçação de barra necessária para tentar dissociar totalmente religião do terrorismo islâmico consegue ficar acima da credulidade necessária para petistas acharem ainda que o partido é santo e imaculado. [...]

Mas é falsa a idéia de que religiões são onibelevolentes e só promovem paz e harmonia entre as pessoas e nações. O islã não é exceção, por mais que se repita o mantra de ser "religião da paz". Se faz mais visto por ser a religião da jihad.

Negar essa associação e debochar de quem vê nela um problema sério, arriscando a vida por ser considerado apóstata, não ajuda em nada. É só algo que se faz para se reconfortar pessoalmente, para aliviar a dissonância cognitiva.

Fique à vontade para tentar colocar palavras na minha boca, apesar dessa atitude ser desonesta, isso não me irrita mais, já acostumei. Mais uma vez: Não tento dissociar totalmente, mas apenas diminuir a relação pro nível real. Trouxe o que o especialista disse: 5%. Mas pra vocês, sejam honestos, era bem mais que isso. E você não me respondeu o que vem primeiro na sua mente quando ouve a palavra homem-bomba.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 02 de Agosto de 2016, 10:04:18
Citação de: Buckaroo Banzai
Esses "95%" (que incluem grupos inteiros de terroristas não-muçulmanos) não fazem com que os "5%" desapareçam. Ao mesmo tempo, não é algo cuja distinção vá sempre ser nítida e incontestável, temos que ver exatamente quais foram os critérios.

Acho que você não entendeu: 95% dos atentados suicidas não necessariamente foram de não-muçulmanos, provavelmente muitos eram muçulmanos, mas a motivação não foi religiosa. Tá difícil separar uma coisa de outra né?  :)

Califado é um conceito político ou religioso?




Citar
Citação de: Buckaroo Banzai
A forçação de barra necessária para tentar dissociar totalmente religião do terrorismo islâmico consegue ficar acima da credulidade necessária para petistas acharem ainda que o partido é santo e imaculado. [...]

Mas é falsa a idéia de que religiões são onibelevolentes e só promovem paz e harmonia entre as pessoas e nações. O islã não é exceção, por mais que se repita o mantra de ser "religião da paz". Se faz mais visto por ser a religião da jihad.

Negar essa associação e debochar de quem vê nela um problema sério, arriscando a vida por ser considerado apóstata, não ajuda em nada. É só algo que se faz para se reconfortar pessoalmente, para aliviar a dissonância cognitiva.

Fique à vontade para tentar colocar palavras na minha boca, apesar dessa atitude ser desonesta, isso não me irrita mais, já acostumei. Mais uma vez: Não tento dissociar totalmente, mas apenas diminuir a relação pro nível real. Trouxe o que o especialista disse: 5%. Mas pra vocês, sejam honestos, era bem mais que isso. E você não me respondeu o que vem primeiro na sua mente quando ouve a palavra homem-bomba.

Eu respondi, sim. O seu "nível real" tenta desmentir os próprios terroristas e suas motivações declaradas, tentando tirar as palavras das bocas deles.

"5%" seria o histórico desde os anos 80, e não algo como uma "lei física", ou estatística, com apenas 5% dos últimos atentados suicidas tendo tido motivação religiosa. A coisa pode ter tido a distribuição como que, desde os anos 90, TODOS os ataques suicidas tiveram alguma motivação religiosa, desde que até os anos 90 tenham ocorrido 95% dos casos de homem-bomba. Não estou dizendo que foi assim, só explicando que esses "só 5%" não impede que a maioria ou virtual totalidade dos que presenciamos na atualidade tenham motivação religiosa. (Mas, novamente, dependerá dos critérios de "motivação religiosa" definidos; talvez para esse autor, mesmo o Estado Islâmico seja apenas "nacionalista", por "estado", e nada religioso, apesar de "Islâmico". Não sei.)


(O trabalho também se refere especificamente a terrorismo suicida, e não apenas a terrorismo)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 02 de Agosto de 2016, 10:10:57
Lembrando que, conforme já trazido em tópicos sobre o mesmo tema, atentados suicidas são apenas (pequena) parte dos atentados no geral.


*Sh1t, buckaroo ja editou colocando essa observação.  :sono:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 02 de Agosto de 2016, 10:45:40
Procurando sobre textos do Pape e ISIS, ele diz coisas como que a religião não explica as mudanças de estratégias de alvos do ISIS. "Espantoso". Será que alguém realmente espera que eles estejam lá lendo o corão trechos como "e então deixarás de apenas defender e expandir próprio território, e passará a atacar os inimigos em seu próprio território, pois essa é a vontade de Alá"?

Ironicamente, escrevendo isso, até imagino que deva haver coisas que se aproximem. Mas ao mesmo tempo ninguém espera tal nível de especificidade para poder se considerar haver motivação religiosa significativa. A separação de política e religião existe em graus, e são os menores graus nesses casos.



Quanto a outra colocação do Pasteur, parece que na verdade, em muitos casos os atentados suicidas contados como sem motivação religiosa não foram mesmo conduzidos por muçulmanos, no trecho sublinhado, no final da citação:

Citar
https://www.thenation.com/article/heres-what-a-man-who-studied-every-suicide-attack-in-the-world-says-about-isiss-motives/
...
 He says that religious fervor is not a motive unto itself. Rather, it serves as a tool for recruitment and a potent means of getting people to overcome their fear of death and natural aversion to killing innocents. “Very often, suicide attackers realize they have instincts for self-preservation that they have to overcome,” and religious beliefs are often part of that process, said Pape in an appearance on my radio show, Politics and Reality Radio, last week. But, Pape adds, there have been “many hundreds of secular suicide attackers,” which suggests that radical theology alone doesn’t explain terrorist attacks. From 1980 until about 2003, the “world leader” in suicide attacks was the Tamil Tigers, a secular Marxist nationalist group in Sri Lanka.
...

(mesmo a distinção desse caso como sem influência religiosa ainda adere à essa noção de separação fundamental entre ideologias políticas e religiosas, algo que é debatível; não deve haver separação neurofisiológica precisa de fervor ideológico religioso e político, deve compartilhar muitos dos mesmos mecanismos, especialmente em casos onde os indivíduos não têm religião propriamente dita)

O trecho negritado não é algo que tira religião como motivação. Se ser uma "ferramenta" (requisito!) de recrutamento e meio de fazer a pessoa superar o medo de morrer não é algo que conta como influência religiosa, então isso seria por definição algo praticamente inexistente. Só seria possível falar em motivação religiosa se houvesse profecias nos textos sagrados prevendo exatamente o cenário político atual e instruindo a quem atacar. Mas acho que mesmo disso temos algumas aproximações razoáveis, tirando essa precisão de especificidades proféticas, quanto quer que sejam "teologicamente debatíveis", nas linhas de "mate os infiéis onde quer que os encontre". Por outro lado, talvez Pope afirme que não tem nada no corão falando especificamente de suicídio, ou de suicídio com bombas...



Essas tentativas de dissociar o terrorismo islâmico de religião como simples "nacionalismo" são simplesmente pífias. É sempre um nacionalismo religioso, não secular, onde as pessoas poderiam seguir quaisquer religiões que fosse. É uma guerra pelo domínio de uma religião sobre um território, para expulsão de infiéis, desde cristãos/ocidentais, até apenas não adeptos das mesmas interpretações/vertentes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 02 de Agosto de 2016, 22:47:50
Muçulmanos condenaram o atentado em Paris? Sim, veja abaixo

1) As organizações islâmicas não condenaram o atentado?
Condenaram. A Liga Árabe, que reúne todos os países árabes do mundo, a Al Azhar, considerada o principal centro de ensino islâmico do planeta, e todas as mais importantes organizações islâmicas dos EUA e da Europa condenaram o ataque terrorista. O mesmo vale para Chefes de Estado de todos os países de maioria muçulmana, que enviaram lamentos para os franceses
2) E os indivíduos muçulmanos condenaram o atentado?
Sim, condenaram. Muitos participaram de manifestações condenando o atentado ao redor do mundo. Recomendo a hashtag #notinmyname no Twitter para ver exemplos de condenações
3) Mas os muçulmanos lutam contra os terroristas?
Sim. Centenas de milhares de muçulmanos lutam diariamente contra a Al Qaeda e o ISIS (Grupo Estado Islâmico ou Daesh) na Síria e no Iraque. Não há nenhuma força ocidental lutando contra eles em terra – os EUA participam apenas de operações aéreas e logística. São as Forças Armadas sírias, as Forças Armadas iraquianas, as Forças Armadas libanesas, os curdos (sim, os curdos são muçulmanos) que lutam diariamente contra estas organizações terroristas. Só não cravo que são 100% das forças porque há soldados cristãos no Exército libanês e sírio, além de milícias cristãs pró-Assad na Síria. Jordânia, Arábia Saudita e Egito, entre outros países, agem em parceria com agências de inteligência ocidentais para combater o terror
4) Então os muçulmanos são da paz?
Em sua maioria absoluta, sim. Mas generalizar muçulmanos é um erro. Um turco imigrante na Alemanha não tem nada a ver com uma muçulmana libanesa em Beirute ou um médico no Paquistão. Seria como dizer que um alemão luterano, um católico italiano, um evangélico na Guatemala e um cristão ortodoxo na Síria tivessem as mesmas ideologias. Há várias correntes dentro do islamismo. No caso dos xiitas, há clero (os aiatolás). Nos sunitas, não. E dentro destas vertentes, que não são hás únicas, há vários braços de pensamento. Alguns mais radicais e outros mais moderados. Muçulmano pode ser o Zidane ou o Bin Laden, a Malala ou o Menem, a rainha Rania ou o Mohammad Ali
5) E por que há tanto ataque terrorista cometido por muçulmanos?
Nos dias de hoje, de fato, há muitos ataques terroristas cometidos por muçulmanos. São maioria. Mas trago algumas curiosidades. Nunca um muçulmano sunita havia se matado em nome da religião até o início dos anos 1990. Centenas ou milhares o fizeram depois. Por que? Porque ganhou força uma ideologia radical em algumas mesquitas e madrassas ao redor do mundo. Com o YouTube, o alcance se tornou maior. E líderes terroristas usam a religião, assim como nazistas usaram o nacionalismo, para atrair seguidores e levar adiante ataques violentos. Lembro que muitas regimes ditatoriais, como a Rússia, Cuba, China e Coreia do Norte não são islâmicos. E há países de maioria muçulmana, como o maior deles, a Indonésia, além do Líbano, Paquistão, Turquia, Tunísia e Bangladesh que são democráticos
6) E o que você acha do ataque de hoje?
Foi um ataque de dois terroristas contra a liberdade de expressão. Quem defende a liberdade de expressão deve repudiar este atentado
Post mais cedo
Os principais responsáveis pelo atentado terrorista hoje em Paris que matou 12 pessoas são, primeiro, os dois atiradores e seus cúmplices, se estes existirem; em segundo lugar, a organização à qual pertencem, se é que eles pertencem a algum grupo; em terceiro lugar, a ideologia que seguem. Nenhuma religião é responsável pelas mortes. E nenhum cartoon, por mais racista que seja, justifica o ataque.
E o que sabemos até agora? Sabemos que dois indivíduos invadiram um jornal satírico francês e mataram 12 pessoas. Os atiradores teriam gritado Allahu Akbar antes de fugirem. Ainda não foram capturados. A publicação alvejada publicou no passado cartoons classificados por muitos como islamofóbicos (anti-islã) que foram criticados ao redor do mundo.
A França tem leis que coíbem o antissemitismo, mas não a islamofobia. É diferente dos EUA, onde a primeira emenda da Constituição garante a liberdade de expressão e a pessoa pode ser antissemita e islamofóbica desde que não pregue a violência. Mas, voltando ao atentado, temos as seguintes perguntas
Quem são os terroristas?
Não sabemos ainda. Vídeos mostram dois homens mascarados.
Qual a organização responsável?
Não sabemos ainda. Sequer sabemos se há uma organização envolvida. Pode ter sido um ataque de lobos solitários, como em Sydney. Ou pode não ter sido. O ISIS (Grupo Estado Islâmico ou Daesh) ameaçou recentemente atacar  a Charlie Hebdo. Outros grupos terroristas e indivíduos fizeram o mesmo no passado
Qual ideologia estaria por trás?
Neste caso, provavelmente os atiradores seguem uma versão deturpada do islamismo sunita – o mesmo da Al Qaeda e do ISIS. Noto que os principais grupos islâmicos da França e do mundo condenaram o atentado terrorista de hoje. E associar genericamente o ataque de hoje aos muçulmanos é um erro. Lembro que os dois atiradores possivelmente são muçulmanos e franceses. Mas Zidane, Ribery, Nasri e Benzema (literalmente, quatro dos melhores jogadores da história da França) também são muçulmanos e franceses. Você pode classificar muçulmanos franceses como terroristas ou como craques de futebol melhores do que os brasileiros. Mas ambas classificações seriam erradas. Cada indivíduo é de um jeito. O certo é que ninguém merece morrer por uma piada, mesmo se for racista. Basta não dar risada ou, melhor ainda, reagir com bom humor.

http://internacional.estadao.com.br/blogs/gustavo-chacra/muculmanos-condenaram-o-atentado-em-paris-sim-veja-abaixo/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 02 de Agosto de 2016, 22:54:16
Qual a probabilidade de um muçulmano ser terrorista?
Por Carlos Góes @goescarlos · Em 14/11/2015


Esse texto tem o objetivo de ser curto, mas provocativo. Antes de ventilar preconceitos, vale a pena a gente fazer uma pergunta: “qual a probabilidade de um muçulmano ser um terrorista?” Felizmente, a estatística, com ajuda de algumas extrapolações, ajuda a gente a chegar em algumas aproximações.

De acordo com os princípios de inferência bayesiana, podemos saber qual a probabilidade de um muçulmano ser terrorista se tivermos acesso a três informações:

A probabilidade de um muçulmano ser terrorista = ( probabilidade de um terrorista ser muçulmano * a probabilidade de um ser humano ser terrorista ) / a probabilidade de um ser humano ser muçulmano.

Ou, em notação probabilística:

P[terrorista | muçulmano] = ( p[muçulmano | terrorista] * p[terrorista] ) / p[muçulmano].

Como podemos estimar cada um dos termos?

1. Digamos que 75% de todos os terroristas são muçulmanos – historicamente é bem menos, mas tudo bem, erremos pra cima.

2. Há cerca de 400 casos de terrorismo registrados por ano. Se cada um deles foi cometido por cinco pessoas diferentes, a expectativa de vida média dos terroristas fosse de 80 anos e nenhum deles morrer no atentado, haveria 400 * 5 * 80 = 160 mil terroristas no mundo. A probabilidade de alguém aleatório ser terrorista seria igual a 160.000 / 7.000.000.000 = 0.002%. Seguramente esse número exagera bastante pra cima.

3. Cerca de 25% da população mundial é muçulmana. Então a probabilidade de um humano selecionado aleatoriamente ser muçulmano é de 0.25.

Calculando: P[terrorista | muçulmano] = ( 0.75 * 0.00002 ) / 0.25 = 0.00006 = 0,006%.

Provavelmente esse número exagera pra cima. Mas, mesmo que ele fosse certo, isso significaria que a gente estaria julgando 99,994% dos muçulmanos pelos atos dos 0,006%.

Isso faz sentido? O ponto importante é entender que, mesmo que a probabilidade de um terrorista ser muçulmano seja altíssima, a probabilidade de um muçulmano ser terrorista é muito baixa. Faz pouco sentido, portanto, culpar “os muçulmanos”.

“Os muçulmanos”, como um bloco único, não existem. O Marrocos é completamente diferente da Arábia Saudita. A Indonésia é completamente diferente do Irã. O Quirguistão é completamente diferente da Nigéria. E, dentro de cada um desses países, existe também uma diversidade dentro da própria população. Existem países que têm governos terríveis por uma mistura de irracionalismo religioso e complicações geopolíticas. Mas o mundo islâmico não é homogêneo e a gente precisa entender isso pra debater seriamente. Além disso, é importante ter em mente que a imensa maioria das vítimas do terrorismo são muçulmanas. Veja no gráfico abaixo. Culpar “os muçulmanos” quando eles são as maiores vítimas do terror não faz muito sentido.

(http://mercadopopular.org/wp-content/uploads/2015/11/terrorism.png)

Terroristas são monstros que devem ser punidos com o maior rigor. Mas é importante lembrar que a responsabilidade moral de atos de terror é dos terroristas – e não da imensa maioria de pessoas pacíficas que compartilha de uma característica específica com esses monstros.

http://mercadopopular.org/2015/11/qual-a-probabilidade-de-um-muculmano-ser-terrorista/

Dá Série "Todo homem é estuprador!"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: FZapp em 03 de Agosto de 2016, 07:35:40
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"

"A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais criminosos na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano o poder dos criminosos explode (no pun intended) mas o que obviamente não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu e não adianta mostrar evidências e estatísticas porque o pensamento está moldado em caricaturas"

Está difícil de saber o que você disse ou não disse, mas vou dar o meu pitaco.

Hoje existem muitas evidências de que o DAESH conta nas suas filas com muitos ex-combatentes do Saddam (inclusive do governo) , e inclusive é de orientação sunita e não xiíta. Então talvez sim as forças de coalizão indiretamente tenham provocado um problema ou não resolvê-lo direito. Talvez tenha muito provavelmente dinheiro do ex-governo do Saddam também, porque a resistência à ocupação no Iraque foi nula diante do suposto poderio armamentista, porém ao longo dos anos muitos soldados morreram em ataques suicidas, o que levou a caracterizar como uma guerra de guerrilhas (uma Vietnam sem selva, guardadas as proporções, porque em Vietnam havia mais solodados inexperientes do que no Iraque).

Eu entendo o ponto central do que está dizendo de que terroristas usam o Corão e o interpretam como querem, e ser musulmano não tem relação com jogar bombas por aí. Inclusive o islamismo já teve uma tradição de convivência pacífica com o judaísmo. Mas isso acabou no início do século XX e agora virou uma guerra por territórios, e sejamos sinceros de que judeus também fazem diferenças religiosas, mesmo tendo um estado laico, o que agrava a coisa porque polariza a questão. Não que não haja direitos de fundar o estado de Israel, mas gerou umapolarização de forças que não resolve o problema até agora.

Porém o DAESH, ou Estado Islâmico, queria ser isso mesmo, um estado islâmico, e ao não conseguir, está dando essas reações bem difíceis de conter.

Talvez as posições principais do DAESH no Iraq e Sìria acabem por cair até o final do ano, com as ofensivas recentes das forças de coalizão. Talvez eles novamente consigam se espalhar a tempo e a guerra de guerilhas e de terror continue.

Mas também é verdade que em todo Oriente Médio religião e polĩtica se misturam de jeitos perigosos e só quando isso acabar, isto é, só quando proliferem por um certo tempo estados laicos, com governança real dos seus territórios e garantia de prosperidade, é que teremos esperança de terminar com esse estado de terror. Portanto, há culpados de todos os lados, puxa, como toda guerra ...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 08:00:12
As religiões abraâmicas são um câncer. Todas. Os cristãos poderiam estar produzindo desgraças da mesma magnitude que os islamitas estão fazendo.

A diferença é que o câncer do islamismo encontrou um hospedeiro mais fragilizado do que câncer do cristianismo encontrou. E essa fragilidade tem como responsável as políticas ocidentais no oriente médio.

Seria cômico se não fosse trágico o fato de que Israel, para combater o Fatah, deu amplo suporte ao Hamas no início de sua história. Segundo a visão da época o Hamas era muito mais dócil e maleável do que o politizado fatah.

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus. Agem como se a raiz do problema fosse o islamismo em si, e me parece que um espírito de cruzada está se fortalecendo no mundo cristão. Se o Islamismo é um problema nós temos um bilhão de inimigos ávidos por nos matar e a solução é matá-los antes.

É muito cômodo o sentimento de ter um inimigo e vê-lo como desumanizado.

(http://i67.tinypic.com/2vtrvol.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 08:08:17

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus.

Pode dar mais detalhes sobre esse ponto dos ateus?

O meu espanto se dá é sobre os ateus que somente reconhecem pontos positivos em religiões (de histórico sangrento e bizarro). É praticamente a síntese do comportamento de "má-fé" Sartriano.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 08:15:58
O grande amigo Agnóstico já nos avisava.

Avisava o que?

Povo não aguenta o contraditório que começa a apelar!

Avisava que você deveria ser levado como uma espécie de "carta branca" ou "café com leite" nesses debates, por causa de envolvimento familiar com "a causa".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 08:17:25

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus.

Pode dar mais detalhes sobre esse ponto dos ateus?
Em que sentido?

É só uma opinião pessoal. Eu acho que TODAS as três religiões abraâmicas têm em seus livros sagrados fundamentos suficientes para o extremismo e, da mesma forma, mandamentos (por assim dizer, não sei se no corão há mandamentos) que induzem a bondade e amor ao próximo. A questão é que religião em si é um emburrecedor do ser humano e líderes religiosos a usam da forma que lhes é mais atrativo.

O velho testamento e, pelo menos Paulo, ex Saulo, vulgo "O Escroto", do novo testamento são um mar de podridão genocida, racista, escravocrata, pedófilo, etc.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 08:20:52

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus.

Pode dar mais detalhes sobre esse ponto dos ateus?
Em que sentido?

É só uma opinião pessoal. Eu acho que TODAS as três religiões abraâmicas têm em seus livros sagrados fundamentos suficientes para o extremismo e, da mesma forma, mandamentos (por assim dizer, não sei se no corão há mandamentos) que induzem a bondade e amor ao próximo. A questão é que religião em si é um emburrecedor do ser humano e líderes religiosos a usam da forma que lhes é mais atrativo.

O velho testamento e, pelo menos Paulo, ex Saulo, vulgo "O Escroto", do novo testamento são um mar de podridão genocida, racista, escravocrata, pedófilo, etc.

Eu editei o meu post e completei com mais um trecho que talvez você não tenha visto opr ja estar respondendo:

O meu espanto se dá é sobre os ateus que somente reconhecem pontos positivos em religiões (de histórico sangrento e bizarro). É praticamente a síntese do comportamento de "má-fé" Sartriano.

Minha solicitação de esclarecimento, foi sobre você ter dito que fica espantado com pessoas demonizando o Islã "principalmente ateus"... como assim, principalmente ateus? Qual é seu ponto em relação aos ateus e a aversão ao islamismo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 08:27:39

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus.

Pode dar mais detalhes sobre esse ponto dos ateus?
Em que sentido?

É só uma opinião pessoal. Eu acho que TODAS as três religiões abraâmicas têm em seus livros sagrados fundamentos suficientes para o extremismo e, da mesma forma, mandamentos (por assim dizer, não sei se no corão há mandamentos) que induzem a bondade e amor ao próximo. A questão é que religião em si é um emburrecedor do ser humano e líderes religiosos a usam da forma que lhes é mais atrativo.

O velho testamento e, pelo menos Paulo, ex Saulo, vulgo "O Escroto", do novo testamento são um mar de podridão genocida, racista, escravocrata, pedófilo, etc.

Eu editei o meu post e completei com mais um trecho que talvez você não tenha visto opr ja estar respondendo:

O meu espanto se dá é sobre os ateus que somente reconhecem pontos positivos em religiões (de histórico sangrento e bizarro). É praticamente a síntese do comportamento de "má-fé" Sartriano.

Minha solicitação de esclarecimento, foi sobre você ter dito que fica espantado com pessoas demonizando o Islã "principalmente ateus"... como assim, principalmente ateus? Qual é seu ponto em relação aos ateus e a aversão ao islamismo?

Eu acho que o islamismo DEVE sim ser combatido, só que com a mesma força com que se é combatido o cristianismo e o judaísmo. As três religiões são inimigas da razão e da humanidade. Eu não posso esperar isso de um evanjegue, mas acho que um ateu pode sim perceber esse fato.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 08:31:12

Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus.

Pode dar mais detalhes sobre esse ponto dos ateus?
Em que sentido?

É só uma opinião pessoal. Eu acho que TODAS as três religiões abraâmicas têm em seus livros sagrados fundamentos suficientes para o extremismo e, da mesma forma, mandamentos (por assim dizer, não sei se no corão há mandamentos) que induzem a bondade e amor ao próximo. A questão é que religião em si é um emburrecedor do ser humano e líderes religiosos a usam da forma que lhes é mais atrativo.

O velho testamento e, pelo menos Paulo, ex Saulo, vulgo "O Escroto", do novo testamento são um mar de podridão genocida, racista, escravocrata, pedófilo, etc.

Eu editei o meu post e completei com mais um trecho que talvez você não tenha visto opr ja estar respondendo:

O meu espanto se dá é sobre os ateus que somente reconhecem pontos positivos em religiões (de histórico sangrento e bizarro). É praticamente a síntese do comportamento de "má-fé" Sartriano.

Minha solicitação de esclarecimento, foi sobre você ter dito que fica espantado com pessoas demonizando o Islã "principalmente ateus"... como assim, principalmente ateus? Qual é seu ponto em relação aos ateus e a aversão ao islamismo?

Eu acho que o islamismo DEVE sim ser combatido, só que com a mesma força com que se é combatido o cristianismo e o judaísmo. As três religiões são inimigas da razão e da humanidade. Eu não posso esperar isso de um evanjegue, mas acho que um ateu pode sim perceber esse fato.

Não entendi.

O ponto deve ser qual, exatamente? Que em toda frase contrária ao Islã deve-se incluir também "/cristianismo/judaísmo", dando a entender que se fala exatamente sobre a mesma coisa e que todos são iguais?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 08:39:40
Má fé sartriana não seria uma tentativa de fingir que não se é livre?

Enfim, sinceramente eu fiquei com a impressão que você distorceu o que eu escrevi para justificar uma opinião sua de que o Islã é condição suficiente para o terrorismo. É isso?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 08:47:16
Má fé sartriana não seria uma tentativa de fingir que não se é livre?

Nope.

Enfim, sinceramente eu fiquei com a impressão que você distorceu o que eu escrevi para justificar uma opinião sua de que o Islã é condição suficiente para o terrorismo. É isso?

Nope. Veja que você não me respondeu.

É o comportamento clássico do que a gente observava nos petistas aqui, não é? "Eu acho que o PT tem sim que pagar pelo que fez, mas acho muito engraçado que sobre o HELICOCA ninguém fale nada!!! Que se julgue o PT sim, mas só depois de julgarem o PSDB e o PMDB por crimes muuuuito piores!"

WTF?! Num clube como esse existe bomba de toda qualidade por sobre as religiões. Daí, toda vez que se refere ao Islã, tem que ficar cheio de dedos dizendo que "não que islã seja pior do que as outras religiões... os cristão também são da pesada... os judeus então, nassassenhora!"

Vou colocar algo nesse sentido na minha assinatura e ganhar passe livre pra criticar o Islã (E as demais religiões também, claro...) na sociedade moderna.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 08:57:40
Puta merda. Falácia do petista. É brincadeira.

Tá certo, tem razão, esses islamitas são monstros, depois de todas as flores e mel que nós cristãos ocidentais demos para eles nós recebemos morte em troca.

O islã é uma religião genocida e deve ser extirpada. Vamos torcer para o Trump transformar o oriente médio em um enorme estacionamento de vidro nuclear.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Johnny Cash em 03 de Agosto de 2016, 09:01:02
Ta vendo como é fácil?

Só de propor que eu possa vir a fazer críticas ao Islã na sociedade moderna (isso foi o máximo dito no post), o cara entende que eu disse que os islamitas são monstros e que o Trump tem que detonar todo o oriente médio.


  :lol:  :lol:

É sintomático dos tempos em que vivemos ou num é?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 03 de Agosto de 2016, 09:03:20
Ta vendo como é fácil?

Só de propor que eu possa vir a fazer críticas ao Islã na sociedade moderna (isso foi o máximo dito no post), o cara entende que eu disse que os islamitas são monstros e que o Trump tem que detonar todo o oriente médio.


  :lol:  :lol:

É sintomático dos tempos em que vivemos ou num é?

Você chegou a ler a parte onde eu afirmo que o islã é um câncer?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 09:28:35
Essa situação do Pasteur é bem cômica. "A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano explode (no pun intended) mas não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu", "o Pasteur diz que ele entende as verdadeiras motivações deles, que não são as declaradas por eles", "espantalho!"

"A situação no Oriente Médio não tem nada a ver com islã, acontece que os EUA tiraram um governo que mantinha os muçulmanos radicais criminosos na linha e agora não tem mais, então o radicalismo muçulmano o poder dos criminosos explode (no pun intended) mas o que obviamente não tem nada a ver com o islã, vocês não entendem realmente as motivações deles, só eu e não adianta mostrar evidências e estatísticas porque o pensamento está moldado em caricaturas"

Está difícil de saber o que você disse ou não disse, mas vou dar o meu pitaco.

Hoje existem muitas evidências de que o DAESH conta nas suas filas com muitos ex-combatentes do Saddam (inclusive do governo) , e inclusive é de orientação sunita e não xiíta. Então talvez sim as forças de coalizão indiretamente tenham provocado um problema ou não resolvê-lo direito. Talvez tenha muito provavelmente dinheiro do ex-governo do Saddam também, porque a resistência à ocupação no Iraque foi nula diante do suposto poderio armamentista, porém ao longo dos anos muitos soldados morreram em ataques suicidas, o que levou a caracterizar como uma guerra de guerrilhas (uma Vietnam sem selva, guardadas as proporções, porque em Vietnam havia mais solodados inexperientes do que no Iraque).

Eu entendo o ponto central do que está dizendo de que terroristas usam o Corão e o interpretam como querem, e ser musulmano não tem relação com jogar bombas por aí. Inclusive o islamismo já teve uma tradição de convivência pacífica com o judaísmo. Mas isso acabou no início do século XX e agora virou uma guerra por territórios, e sejamos sinceros de que judeus também fazem diferenças religiosas, mesmo tendo um estado laico, o que agrava a coisa porque polariza a questão. Não que não haja direitos de fundar o estado de Israel, mas gerou umapolarização de forças que não resolve o problema até agora.

Porém o DAESH, ou Estado Islâmico, queria ser isso mesmo, um estado islâmico, e ao não conseguir, está dando essas reações bem difíceis de conter.

Talvez as posições principais do DAESH no Iraq e Sìria acabem por cair até o final do ano, com as ofensivas recentes das forças de coalizão. Talvez eles novamente consigam se espalhar a tempo e a guerra de guerilhas e de terror continue.

Mas também é verdade que em todo Oriente Médio religião e polĩtica se misturam de jeitos perigosos e só quando isso acabar, isto é, só quando proliferem por um certo tempo estados laicos, com governança real dos seus territórios e garantia de prosperidade, é que teremos esperança de terminar com esse estado de terror. Portanto, há culpados de todos os lados, puxa, como toda guerra ...

Concordo com você em quase tudo, principalmente com a porcaria que é misturar estado e religião.  :ok:

Também gostei muito de você ter lembrado da tradição da convivência pacífica entre judeus e muçulmanos. Se esses conflitos fossem algo inerente a essas religiões, isto não teria sido possível. Então isso me faz valorizar outros fatores que levaram a esses problemas atuais.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 10:05:22
A Sharia é um conceito político ou religioso? Ou os dois ao mesmo tempo?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 10:14:05
A Sharia é um conceito político ou religioso? Ou os dois ao mesmo tempo?

https://pt.wikipedia.org/wiki/Charia

A Sharia tem aspectos mais utilizados em alguns países e outros aspectos menos utilizados em outros países de maioria islâmica.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 11:29:29
A Sharia é um conceito político ou religioso? Ou os dois ao mesmo tempo?

https://pt.wikipedia.org/wiki/Charia

A Sharia tem aspectos mais utilizados em alguns países e outros aspectos menos utilizados em outros países de maioria islâmica.

E o conceito de Jihad? Ele está no Corão? Ou é  algo inventado por interpretações?


Os países que não utilizam a Sharia são os laicos como a Tunísia moderna, a antiga Turquia pré-Erdogan e mistos como o Líbano, certo? Não sei se o Paquistão ainda é laico, antigamente ainda era. Como evitar que um povo que segue uma religião que  sustenta uma jurisprudência como a Sharia não a ponha em prática, e seja laico alinhado com o Ocidente? Muito difícil, pois a opinião  geral do povão é aquela que as pesquisas indicam.

Existe um documenta´rio muito bom, que dá na TV Escola se não me angano, chamado "Por que Democracia? Num dos episódios que é apresentado por uma muçulmana paquistanesa, é abordado esse tipo de assunto. Infelizmente o vídeoestá indisponível, mas têm a sinopse nosite.

Citar
Episódio: Jantar com o presidente

Sinopse

O general Pervez Musharraf assumiu a presidência do Paquistão em 2001, depois de um bem-sucedido golpe militar. Tendo como pano de fundo um jantar na residência oficial, a Casa do Exército, o documentário mostra um pouco da vida política desse país ainda regido por regras tribais. Trabalhadores e intelectuais, jornalistas e empresários também são convidados ao debate e discutem se é possível e como um líder militar pode desempenhar um papel importante na orientação do Estado para a democracia moderna.
http://tvescola.mec.gov.br/tve/video/por-que-democracia-jantar-com-o-presidente

Edit: Achei o ep. em inglês no Youtube:
https://www.youtube.com/v/gh4o6Wju3rI
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 12:07:59
E o conceito de Jihad? Ele está no Corão? Ou é  algo inventado por interpretações?

Vamos ver como interpretam dois dos mais famosos Xeques brasileiros:

Citar
Como o Alcorão é manipulado para justificar o terrorismo de radicais islâmicos? (http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2016/01/07/como-o-alcorao-e-manipulado-para-justificar-o-terrorismo-de-radicais-islamicos.htm)

Para insurgentes e terroristas de inspiração islâmica, a justificativa para o uso da violência está nas palavras do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. E para quem lê os versículos isoladamente, sem levar em contra o contexto em que ele é citado e a época da qual ele se refere, algumas palavras podem parecer um convite para a barbárie –mas não são.

"Extremismo surge quando há terreno fértil, e o fanatismo religioso, em geral de todas as religiões, é igual ao mosquito da dengue: precisa de água parada para procriar e se espalha rapidamente", analisa o xeque Rodrigo Rodrigues, da mesquita do Pari, em São Paulo. "Em qualquer situação e problema social, econômico ou político, tudo isso é propício. As pessoas conseguem ter visões apocalípticas de qualquer texto sagrado, e assim os textos corânicos ganham um significado totalmente deturpado", explica o xeque Rodrigues.

Hani Hazime, especialista em estudos islâmicos da UFRJ, lembra ainda que os grupos radicais elegem versículos que incentivam a lutar contra os infiéis e ignoram completamente o que está escrito antes e depois, e muitas vezes são trechos que explicam, contextualizam e até deslegitimam o banho de sangue proposto por estes grupos em suas próprias interpretações. "O Alcorão nunca falou em luta contra os cristãos, por exemplo. No livro, são citados como 'o povo da Bíblia', mas nunca como inimigos".
Na verdade, a mensagem islâmica transmitida no Alcorão tem a mesma base do judaísmo e do cristianismo. "O Alcorão fala bastante dos judeus, dos cristãos, isto porque existe afinidade do Islã com os fiéis destas religiões, por causa de suas origens. Então os muçulmanos não são contra estas pessoas, a não ser que eles lutem contra outros muçulmanos", diz o xeque Jihad Hammadeh, da Wamy (Assembleia Mundial da Juventude Islâmica).

Aliás, o próprio nome do xeque Jihad Hammadeh tem o significado deturpado pelos terroristas. A jihad, traduzida por extremistas como "guerra santa", na verdade significa empenho, esforço, batalha pelo bem. "Qualquer pessoa que faça um bem está em uma jihad. E isto inclui desde recolher o lixo do chão até a defender a pátria com a sua própria vida", explica o xeque Hammadeh.

Apesar de os trechos fazerem referências ao uso da violência, é preciso interpretá-lo de acordo com o contexto do capítulo –sura ou surata, como o Alcorão é dividido. Muitos foram revelados pelo profeta Maomé durante guerras, e citam frequentemente os idólatras. O xeque Rodrigues explica que os idólatras eram os povos que viviam em Meca antes da revelação do Alcorão. "Eles adoravam ídolos, estátuas, dezenas de deuses, eram pagãos da Árabia primitiva que negavam a mensagem de Maomé e a combatia em guerras", diz o xeque Rodrigues.

A própria sharia, lei islâmica que tem como base os ensinamentos do Alcorão e na biografia do profeta Maomé, deriva de interpretações –no caso do Estado Islâmico (facção terrorista que controla partes da Síria e do Iraque), uma legislação em uma versão brutal. É por causa de sua própria interpretação, por exemplo, que a Arábia Saudita proíbe as mulheres de dirigirem, e que o Irã condenou Sakineh Mohammadi Ashtiani à morte por apedrejamento por adultério.

A pedido do UOL, alguns dos trechos usados pelos grupos radicais para justificar o uso da violência foram analisados pelos xeques Hammadeh e Rodrigues. A versão do Alcorão apresentada nesta reportagem é a traduzida para o português pelo professor de árabe da USP Helmi Nars.

Veja as interpretações:

2- A sura da vaca
191. E matai-os, onde quer que os acheis, e fazei-os sair de onde quer que vos façam sair. E a sedição pela idolatria é pior do que o morticínio. E não os combatais nas imediações da Mesquita Sagrada, até que eles vos combatam nela. Então, se eles vos combaterem, matai-os. Assim é a recompensa dos renegadores da Fé.

Xeque Hammadeh: O versículo tem um contexto. Houve um acordo com os idólatras, inimigos dos muçulmanos. O acordo premia que os muçulmanos viajariam com segurança, sem serem incomodados, e vice-versa. Mas um grupo isolado rompeu o pacto e matou alguns muçulmanos. Então, Deus revelou este versículo, prevendo a pena de morte. Mas como o acordo não foi quebrado por todos, a punição não é aplicada a todas as pessoas. Por isso, Maomé pede para buscar os que quebraram o acordo e os mate.

Xeque Rodrigues: Quem interpreta este versículo como um incentivo à violência ignora o 190, dizendo que o muçulmano só combate quando é agredido e ele não pode ser o primeiro a agredir. Neste contexto, os idólatras, o povo de Meca, tinha expulsado o profeta Maomé e seus seguidores, mataram muitas pessoas, e foi travada uma guerra aberta com os muçulmanos. E o trecho diz: expulsaram vocês? Expulse-os. Matou vocês? Mate-os. É aí que está o problema destes movimentos que usurpam os versículos: eles usam este versículo como se fosse escrito sobre hoje. Chegam na França, onde pessoas estavam se divertindo em um bar, em um restaurante, e detona uma bomba. 'Combato aquele povo', dizem. Mas eles são os idólatras de Meca? Que agressão aquelas pessoas fizeram para iniciar uma guerra?

5- A sura da mesa servida

33. A recompensa dos que fazem guerra a Allah e a Seu Mensageiro, e se esforçam em semear a corrupção na terra, não é senão serem mortos ou serem crucificados ou terem cortadas as mãos e os pés, de lados opostos, ou serem banidos da terra. Isso lhes é ignomínia, na vida terrena, e, na Derradeira Vida, terão formidável castigo

Xeque Hammadeh: Este versículo fala justamente de terrorismo. Deus fala para as pessoas que praticam o terror que esta é a punição para crimes tão graves como colocar a vida das pessoas em risco, criar terrorismo na sociedade, para que sirva de lição para as pessoas. Existe um castigo severo.

Xeque Rodrigues: O contexto histórico deste versículo retrata os que combatem a Deus e seus mensageiros, atacando os muçulmanos, tomando seus bens, os expulsando de suas terras. Fala sobre o revide quando o muçulmano é atacado. Mas um radical tira este versículo do contexto e o usa, por exemplo, no caso do jornal "Charlie Hebdo". Eles acham que o jornal está fazendo charge, debochando do profeta, do Alcorão, e Deus mandou puni-los. Mas em um Estado islâmico de direito, e em qualquer outro Estado constituído efetivamente, onde existem leis, direitos e deveres para todos os cidadãos, quem decide as punições é a Justiça. Os EUA têm pena de morte, não tem? Este versículo é um dos usados também na Arábia Saudita para julgar alguns crimes, como latrocínio. E sempre quem decide quem morre é a Justiça.

9- A sura do arrependimento
3. E é uma proclamação de Allah e de Seu Mensageiro aos homens, no dia da Peregrinação maior: que Allah e Seu Mensageiro estão em rompimento com os idólatras - então, se vos voltais arrependidos, ser-vos-á melhor. E, se voltais as costas, sabei que não escapareis do castigo de Allah. E alvissara, Muhammad, aos que renegam a Fé doloroso castigo.

5. E, quando os meses sagrados passarem, matai os idólatras, onde quer que os encontreis, e apanhai-os e sediai-os, e ficai a sua espreita, onde quer que estejam. Então, se se voltam arrependidos e cumprem a oração e concedem az-zakãh¹, deixai-lhes livre o caminho. Por certo, Allah é Perdoador, Misericordiador.

Xeque Hammadeh: Este versículo fala sobre o período de 4 meses sagrados em que as tribos árabes fazem um pacto: nos meses da peregrinação, qualquer guerra que existisse seria interrompida. As pessoas estão indo e vindo em paz, no caminho para adorar a Deus. Deus diz para o profeta Maomé que se existir alguma guerra com os idólatras, já que eles eram os maiores inimigos dos muçulmanos, ela deve ser parada. Após este período, o conflito pode ser retomado –a não ser que eles queiram a rendição, um acordo ou que se convertam ao Islã. O que se fala muito é que os muçulmanos sempre estão em constante guerra com os não-muçulmanos, e isso não é verdade. Existem guerras em alguns momentos por causa de agressões. Fora isso, estamos em constante paz, independentemente da religião do outro.

Xeque Rodrigues: Quando começou a guerra entre os muçulmanos e o povo de Meca, e os muçulmanos dominaram toda a Arábia, Deus avisou que os idólatras deveriam devolver a cidade de Meca sem enfrentamentos. Eles teriam quatro meses para fazer um acordo, se converter ao islamismo ou entregar Meca. Depois deste prazo, a anistia se encerraria. E quem não cedesse às armas e seguisse armado, enfrentaria a guerra.

111. Por certo, Allah comprou aos crentes suas pessoas e suas riquezas, pelo preço por que terão o Paraíso. Combatem no caminho de Allah: então, eles matam e são mortos. E promessa, que, deveras, Lhe impende, na Tora e no Evangelho e no Alcorão. E quem mais fiel a seu pacto que Allah? Então, exultai pela venda que fizestes. E esse é o magnífico triunfo.

Xeque Hammadeh: Este versículo incentiva as pessoas a lutarem pela causa de Allah. O que seria esta causa? A Justiça, tudo o que Deus aprova, como legítima defesa, se nós formos agredidos. Por exemplo, se eu enfrento um ladrão, um bandido, um agressor que quer estuprar uma mulher, e eu salvar a vítima, mas morrer na tentativa de contê-lo, isto não é considerado suicídio. É um ato de heroísmo aprovado por Deus. Como muçulmano, terei como recompensa o Paraíso, já que eu defendi a causa de Allah. Estou fazendo algo positivo. É um ato de violência, mas para o bem. Este é o cerne da questão: se é para o bem ou para o mal, se Deus aprova ou não. E a causa de Allah não é matar não-muçulmanos. Se o bandido for muçulmano, como é este grupo que se denomina Estado Islâmico, mas que na verdade é pseudoislâmico, os que estão lá e morrem os enfrentando são heróis.

Xeque Rodrigues: Esse versículo também foi usado pela Al Qaeda, de Osama bin Laden. Ele fala na guerra, para os que têm medo de se sacrificarem, de deixar para trás as casas, famílias, bosques, em vez de defender a religião, a cidade, os filhos. Que eles saibam que Deus já cuidou de tudo. Mas este trecho é usado pelos grupos porque eles justificam o uso da violência usando as palavras deste versículo, para matar pessoas que não têm nada a ver com a história. Mas estas palavras são usadas, na verdade, por todos os lados, Como um comandante do Exército Livre da Síria (opositor) vai falar para os soldados enfrentarem o Exército do ditador Bashar al-Assad? Ele usa este versículos e argumenta para seus homens: 'como você vai construir um futuro para os seus filhos? Não existe sacrifício sem derramamento de sangue.'

47- A sura de Muhammad
4. Então, quando deparardes, em combate, os que renegam a fé, golpeai-lhes os pescoços, até quando os dizimardes, então, acorrentai-os firmemente. Depois, ou fazer- lhes mercê, ou aceitar-lhes resgate, até que a guerra deponha seus fardos. Essa é a determinação. E, se Allah quisesse, defender-Se-ia deles, mas Ele vos ordenou a guerra, para pôr-vos à prova, uns com outros. E aos que são mortos, no caminho de Allah, Ele não lhes fará sumir as boas obras

Xeque Hammadeh: Este é mais um caso em que o contexto traz o conceito de legítima defesa. O que tem na guerra? Espadas. Então Deus diz que, se vocês encontrarem as pessoas com quem estão em guerra, que os expulsa de suas residências, que os agrediu, tiraram sua dignidade, então as vítimas estão livres para resgatar isto, mas só se for legítimo. E qual é a definição disto tudo: matar, acabar com a guerra, quando se ganha ou perde, ou com a existência de um acordo que deve ser cumprido. E muitas vezes as pessoas questionam: mas por que Deus está fazendo isto comigo? Deus está testando a sua fé e se você merece mesmo esta Justiça, terá que lutar por ela.

Xeque Rodrigues: É um versículo que foi revelado em uma guerra. Fala dos incrédulos na batalha, então deve-se considerar que o oponente é um idólatra, não-muçulmano em guerra contra a religião dele. E como é que estes grupos radicais fazem para justificar o uso deste trecho? Eles dizem que a pessoa deixa de ser muçulmana porque não os apoiam. Se não apoia a sua causa, o incrédulo pode ser até mesmo próprio muçulmano. A Al Qaeda usou esta argumentação, o EI usa também. Na Síria, os diferentes grupos radicais consideram seus rivais como incrédulos, mesmo que sejam todos muçulmanos. Quem não aceita o julgamento do EI se converte no incrédulo que o Alcorão mandou matar. E os muçulmanos que não aceitam esta interpretação são os primeiros a morrer. E são vítimas duas vezes: primeiro destes grupos radicais, e depois do preconceito motivado por causa das ações destes grupos.

¹ Parte dos bens concedida em caridade
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 03 de Agosto de 2016, 12:24:27
Qual a probabilidade de um muçulmano ser terrorista?
Por Carlos Góes @goescarlos · Em 14/11/2015


Eu fico imaginando porque o pessoal tem mania de atacar argumentos batidos. Ninguém aqui tá dizendo que todo muculmano é terrorista. O fato quao fortemente a religiao/cultura islâmica influencia nisso. E a influencia é enorme. Homens bombas se explodindo nao sao o único problema vindo de lá. Existem instituicoes eleitas democraticamente que querem espalhar a Sharia pelo mundo. E uma grande, gigantesca quantidade de muculmanos tem ideais que sao incompatíveis com o "ocidente". Apostasia, chicotadas, Crimes de honra, pena de morte pra homossexuais e etc. Veja o vídeo que postaram da Raheel Raza

E nao é simplesmente uma questao de "Ah, eles pensao isso, sao feios". Existem efeitos práticos e mensuráveis de como essas visoes impactam em termos de crimes, por exemplo. Aqui temos as estatísticas criminais da alemanha:

http://i.imgur.com/EHbUiOU.jpg

Por que será que todos os crimes aí citados tem uma lideranca extremamente expressiva de imigrantes vindo de países islâmicos? Especialmente estupro e abuso sexual de criancas. Coincidência? Nao, eles trazem consigo ideais que simplesmente nao sao compatíveis. O maior exemplo disso atualmente foi o incidência em Colônia Alemanha, no ano novo, onde quase 500 mulheres foram vítimas de todo tipo de assédio e até estupro. E todos os criminosos eram vindo ou do norte da áfrica, ou do oriente médio. A maioria dos muculmanos nao faz esse tipo de coisa? Ok, mas o suficiente(300kk+) possuem ideais que influenciam nisso. Dizer que nao tem nada a ver é se botar na ignorância.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 12:36:39
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

As desculpas de interpretação desses xeques são incrivelmente parecidas com as dos cristãos de alguns trechos da Bíblia. Os religiosos sempre vem com  o papo: "Bem, mas veja bem o o contexto..."; "Ora, o que está aqui é algo que se refere na verdade aquilo..." ; "Jesus não estava querendo  falar espada num sentido literal, espada pode ser traduzido do  aramaico como sinônimo de amor..."; A ambiguidade interpretativa é clara nestes textos.

Citar
Xeque Rodrigues: É um versículo que foi revelado em uma guerra. Fala dos incrédulos na batalha, então deve-se considerar que o oponente é um idólatra, não-muçulmano em guerra contra a religião dele. E como é que estes grupos radicais fazem para justificar o uso deste trecho? Eles dizem que a pessoa deixa de ser muçulmana porque não os apoiam. Se não apoia a sua causa, o incrédulo pode ser até mesmo próprio muçulmano. A Al Qaeda usou esta argumentação, o EI usa também. Na Síria, os diferentes grupos radicais consideram seus rivais como incrédulos, mesmo que sejam todos muçulmanos. Quem não aceita o julgamento do EI se converte no incrédulo que o Alcorão mandou matar. E os muçulmanos que não aceitam esta interpretação são os primeiros a morrer. E são vítimas duas vezes: primeiro destes grupos radicais, e depois do preconceito motivado por causa das ações destes grupos

E onde estão movimentos islâmicos organizados que protestam e agem contra esses radicais e suas ações? Temos exemplos isolados de muçulmanos que criticam abertamente esses tipos, ou de curdos que lutam por uma questão política, mas a maioria das organizações islâmicas logo acusam críticos (inclusive críticos muçulmanos) de islamofobia. É mais que claro que os que mais sofrem nas mãos dos radicais são os próprios muçulmanos, então porque acobertar?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 03 de Agosto de 2016, 12:45:38
Muçulmanos condenaram o atentado em Paris? Sim, veja abaixo

Lindo, porém

http://www.pewresearch.org/files/old-assets/pdf/muslim-americans.pdf#page=97

26% Dos Muculmanos Britânicos veem alguma justificativa nos atentados suicidas
35% Dos franceses
13% dos alemaes

:/

Nota: Europa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 12:48:39
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

As desculpas de interpretação desses xeques são incrivelmente parecidas com as dos cristãos de alguns trechos da Bíblia. Os religiosos sempre vem com  o papo: "Bem, mas veja bem o o contexto..."; "Ora, o que está aqui é algo que se refere na verdade aquilo..." ; "Jesus não estava querendo  falar espada num sentido literal, espada pode ser traduzido do  aramaico como sinônimo de amor..."; A ambiguidade interpretativa é clara nestes textos.

Citar
Xeque Rodrigues: É um versículo que foi revelado em uma guerra. Fala dos incrédulos na batalha, então deve-se considerar que o oponente é um idólatra, não-muçulmano em guerra contra a religião dele. E como é que estes grupos radicais fazem para justificar o uso deste trecho? Eles dizem que a pessoa deixa de ser muçulmana porque não os apoiam. Se não apoia a sua causa, o incrédulo pode ser até mesmo próprio muçulmano. A Al Qaeda usou esta argumentação, o EI usa também. Na Síria, os diferentes grupos radicais consideram seus rivais como incrédulos, mesmo que sejam todos muçulmanos. Quem não aceita o julgamento do EI se converte no incrédulo que o Alcorão mandou matar. E os muçulmanos que não aceitam esta interpretação são os primeiros a morrer. E são vítimas duas vezes: primeiro destes grupos radicais, e depois do preconceito motivado por causa das ações destes grupos

E onde estão movimentos islâmicos organizados que protestam e agem contra esses radicais e suas ações? Temos exemplos isolados de muçulmanos que criticam abertamente esses tipos, ou de curdos que lutam por uma questão política, mas a maioria das organizações islâmicas logo acusam críticos (inclusive críticos muçulmanos) de islamofobia. É mais que claro que os que mais sofrem nas mãos dos radicais são os próprios muçulmanos, então porque acobertar?

Não é acobertar, mas sim não identificá-los como muçulmanos. Sabem enxergar terroristas como criminosos. Se você procurar existem inúmeras organizações criticando. Procure no Google.

Cadê os movimentos organizados que criticam os traficantes no Rio de Janeiro?  ::) Como se critica funcionasse...

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 12:53:05
Muçulmanos condenaram o atentado em Paris? Sim, veja abaixo

Lindo, porém

http://www.pewresearch.org/files/old-assets/pdf/muslim-americans.pdf#page=97

26% Dos Muculmanos Britânicos veem alguma justificativa nos atentados suicidas
35% Dos franceses
13% dos alemaes

:/

Nota: Europa.


E como reverter o que as pesquisas mostram hoje? Se corretas, elas convergem para uma evidência de que o islã radical aborda facilmente uma centena de milhões de pessoas.

As pesquisas não distinguem radicais de extremistas. E nesse caso, você procurando encontra isso:
Citar
Surveys Show Muslims in Every Country Less Likely to Justify Killing Civilians than Americans and Israelis

I recently published an article entitled Gallup Poll: Jews and Christians Way More Likely than Muslims to Justify Killing Civilians.  The poll found that Muslim-Americans (21%) were far less likely than their fellow Jewish (52%) and Christian (58%) countrymen to think it is sometimes justifiable to target and kill civilians.  (For the record, these numbers were 64% in Mormons and 43% in people with no religion/atheists/agnostics.)
http://www.loonwatch.com/2011/08/surveys-show-muslims-in-every-country-less-likely-to-justify-killing-civilians-than-americans-and-israelis/

Esse link leva pra vários outros com números comparativos bem diferentes, não só nos EUA, mas também na Inglaterra, Alemanha...

(http://i0.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians.jpg)

(http://i2.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians-2.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Agosto de 2016, 12:53:52
As religiões abraâmicas são um câncer. Todas. Os cristãos poderiam estar produzindo desgraças da mesma magnitude que os islamitas estão fazendo.

Ateus mesmo poderiam. Contudo, diferentes religiões devem ser diferentemente propensas por já codificarem coisas mais próximas ou mais distantes de resolução violenta de conflitos, algo provavelmente até intrínseco ao seu histórico, suas origens. Assim, seguidores de diferentes religiões devem ter diferentes tamanhos de pavios, por assim dizer. A diferença tenderá a se tornar menor conforme for o abandono dos valores religiosos estritos por valores seculares. Talvez isso seja o principal ponto a favor dos cristãos, judeus, e seguidores de quase quaisquer outras religiões não-abraâmicas.


Citar
A diferença é que o câncer do islamismo encontrou um hospedeiro mais fragilizado do que câncer do cristianismo encontrou. E essa fragilidade tem como responsável as políticas ocidentais no oriente médio.

Você parece sugerir que os conflitos permeados por motivações religiosas no oriente médio e arredores sejam todos unificados contra o ocidente, e não também internos, inclusive de muçulmanos orientais contra muçulmanos orientais.



Citar
Seria cômico se não fosse trágico o fato de que Israel, para combater o Fatah, deu amplo suporte ao Hamas no início de sua história. Segundo a visão da época o Hamas era muito mais dócil e maleável do que o politizado fatah.

E seria cômico por que exatamente? Por depositar demasiada fé na moderação desse grupo religioso?




Citar
Eu fico espantado com as pessoas demonizando o islã, principalmente ateus. Agem como se a raiz do problema fosse o islamismo em si, e me parece que um espírito de cruzada está se fortalecendo no mundo cristão. Se o Islamismo é um problema nós temos um bilhão de inimigos ávidos por nos matar e a solução é matá-los antes.

Apenas sob uma visão muito simplista do poder da religião/ideologia/condições sociais influenciarem o comportamento das pessoas.

De forma similar, você poderia dizer que os ateus/não-religiosos/moderados também são irracionais em temer uma bancada evangélica, pois se o cristianismo/evangelicismo fosse o problema, estaríamos já sendo queimados em fogueiras por paganismo e bruxaria. A influência religiosa se dá de forma mais gradativa. Pobreza e desigualdade também são associadas a criminalidade e violência, mas não é o caso de todo pobre ser criminoso; armas são também associadas a violência, mas há até inversões regionais da correlação entre violência e posse de armas. Essas coisas não nos dizem que esses fatores não tem nada a ver com a história, apenas que são relações mais complexas, que não tem nisso o único fator. O que imagino ser algo aceito por pelo menos uns 60% de todos que admitem que a religião é um fator significativo na questão do extremismo islâmico. Os grupos terroristas no oriente médio NUNCA são "laicos", de orientação exclusivamente política, é sempre a fusão política e religiosa praticamente inerente a qualquer religião, e historicamente ainda muito mais forte no islã.
 

Citar
É muito cômodo o sentimento de ter um inimigo e vê-lo como desumanizado.

...como "porcos", "infiéis", "ateus"?

O radicalismo de direita tem mesmo essa propensão, e isso é de fato um sério risco atual, que se você for ver por aqui mesmo, provavelmente a maior parte dos foristas rejeita. Admitir que ideologia (mesmo permeada de crenças sobrenaturais, isso é, ideologia religiosa) influencia as ações dos seus aderentes não é o mesmo que desumanizar todo o grupo, muito menos o grupo maior do qual o um subgrupo mais problemático faça parte.



...



As pessoas tem um pensamento tão binário, isso é cansativo. Ou você acha que é tudo paz-e-amor e os problemas não tem nada a ver com coisa alguma, ou você é um neonazista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 12:59:25
Não é acobertar, mas sim não identificá-los como muçulmanos. Sabem enxergar terroristas como criminosos. Se você procurar existem inúmeras organizações criticando. Procure no Google.
O próprio xeque Rodrigues do texto que você citou (creio que seja o  mesmo) trouxe um jihadista para SP nesses tempos. :ok:
Citação de: Pasteur
Cadê os movimentos organizados que criticam os traficantes no Rio de Janeiro?  ::) Como se critica funcionasse...
Existem vários movimentos que criticam o tráfico organizado. Pesquise no Google. Critica não funciona diretamente, mas esses movimentos organizados podem servir de conscientização e apoio para a comunidade.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Agosto de 2016, 13:07:00
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

As desculpas de interpretação desses xeques são incrivelmente parecidas com as dos cristãos de alguns trechos da Bíblia. Os religiosos sempre vem com  o papo: "Bem, mas veja bem o o contexto..."; "Ora, o que está aqui é algo que se refere na verdade aquilo..." ; "Jesus não estava querendo  falar espada num sentido literal, espada pode ser traduzido do  aramaico como sinônimo de amor..."; A ambiguidade interpretativa é clara nestes textos.

Citar
Xeque Rodrigues: É um versículo que foi revelado em uma guerra. Fala dos incrédulos na batalha, então deve-se considerar que o oponente é um idólatra, não-muçulmano em guerra contra a religião dele. E como é que estes grupos radicais fazem para justificar o uso deste trecho? Eles dizem que a pessoa deixa de ser muçulmana porque não os apoiam. Se não apoia a sua causa, o incrédulo pode ser até mesmo próprio muçulmano. A Al Qaeda usou esta argumentação, o EI usa também. Na Síria, os diferentes grupos radicais consideram seus rivais como incrédulos, mesmo que sejam todos muçulmanos. Quem não aceita o julgamento do EI se converte no incrédulo que o Alcorão mandou matar. E os muçulmanos que não aceitam esta interpretação são os primeiros a morrer. E são vítimas duas vezes: primeiro destes grupos radicais, e depois do preconceito motivado por causa das ações destes grupos

E onde estão movimentos islâmicos organizados que protestam e agem contra esses radicais e suas ações? Temos exemplos isolados de muçulmanos que criticam abertamente esses tipos, ou de curdos que lutam por uma questão política, mas a maioria das organizações islâmicas logo acusam críticos (inclusive críticos muçulmanos) de islamofobia. É mais que claro que os que mais sofrem nas mãos dos radicais são os próprios muçulmanos, então porque acobertar?

Não é acobertar, mas sim não identificá-los como muçulmanos. Sabem enxergar terroristas como criminosos. Se você procurar existem inúmeras organizações criticando. Procure no Google.

Cadê os movimentos organizados que criticam os traficantes no Rio de Janeiro?  ::) Como se critica funcionasse...



Falsa analogia. Mesmo o seu queridinho Robert Pape diz que a religião é ferramenta de aliciamento para o terrorismo, o que não ocorre na crimianlidade comum no Rio.

Então seria de se esperar maior ação de religiosos preocupados com isso em enfrentar essa pregação do radicalismo, dos "imãs das ruas" e etc. E até deve haver algo assim (acho que recentemente postei trecho de notícia que mencionava um caso), gostaria de saber quais as proporções. Não parece ser um movimento "em massa". O mais comum deve ser só a repetição do mantra de "religião da paz".

Isso deve ser dificultado pela religião ter mesmo esses fatores bélicos embutidos, então requerer manobras que os fundamentalistas conseguem rebater facilmente, tal como seria argumentar a favor de uma interpretção cristã ou muçulmana contra misoginia ou homofobia. Algumas vezes você vai até ver gente citando partes da bíblia que nem existem tentando sustentar esse tipo de coisa, como uma confusão do episódio em que Jesus impede o apedrejamento da mulher com Sodoma e Gomorra.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 14:26:10
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

Não é o acusado de jihadismo, mas o anfitrião dele que aparece na matéria negando que o acusado de jihadismo tenha feito pregações radicais.

Pode ser que seja um radical que não fez a pregação radical no Brasil.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 14:36:18
Olha aqui no Programa Pânico da Jovem Pan, super simpático e moderado:


https://www.youtube.com/v/fk2fEJaryFA
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 03 de Agosto de 2016, 15:41:06
Qual a probabilidade de um muçulmano ser terrorista?
Por Carlos Góes @goescarlos · Em 14/11/2015


Eu fico imaginando porque o pessoal tem mania de atacar argumentos batidos. Ninguém aqui tá dizendo que todo muculmano é terrorista. O fato quao fortemente a religiao/cultura islâmica influencia nisso. E a influencia é enorme. Homens bombas se explodindo nao sao o único problema vindo de lá.

Aqui eu não sei, mas já debati recentemente com pessoas que acreditam nessa conspiração, e tá rolando uma modinha "deus vult" nas redes sociais que tá enchendo o saco. Tá virando um fla x flu.

A religião é um mal, não tenho dúvidas. O islamismo ainda é ultra-conservador, bem atraso, concordo também.

A sharia é interpretativa como toda parte de qualquer religião, ela tem vários níveis. Até no RU é usada (para muçulmanos, claro). O mundo islâmico não se resume na Arábia Saudita. A diversidade de costumes e crenças no islamismo é tão vasto quanto no cristianismo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 03 de Agosto de 2016, 15:46:15
Comentaram que o próprio Maomé era um terrorista e que esse pessoal do EI (e outros grupos) está seguindo suas ordens melhor que os moderados. Não conheço a história, o contexto, o islamismo tão bem assim, e nem cheguei perto de um alcorão. Tem alguma verdade nisso? Não espero que Maomé seja um anjo, mas...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 16:44:28
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

Não é o acusado de jihadismo, mas o anfitrião dele que aparece na matéria negando que o acusado de jihadismo tenha feito pregações radicais.

Pode ser que seja um radical que não fez a pregação radical no Brasil.

Eu sei. Por isso que eu perguntei antes: Por que os muçulmanos ditos "moderados" não se organizam para combater e afastar essas pessoa(os radicais) ao invés de acobertar? Esse xeque Rodrigues trouxe um jihadista para cá para pregar para pessoas em vulnerabilidade das favelas paulistanas e imigrantes como diz a matéria. Você têm noção do perigo de um radical(ou seja, um não-moderado) vir fazer isso aqui?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 17:12:51
Esse xeque Rodrigues não é o mesmo que este aqui?
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/

Não é o acusado de jihadismo, mas o anfitrião dele que aparece na matéria negando que o acusado de jihadismo tenha feito pregações radicais.

Pode ser que seja um radical que não fez a pregação radical no Brasil.

Eu sei. Por isso que eu perguntei antes: Por que os muçulmanos ditos "moderados" não se organizam para combater e afastar essas pessoa(os radicais) ao invés de acobertar? Esse xeque Rodrigues trouxe um jihadista para cá para pregar para pessoas em vulnerabilidade das favelas paulistanas e imigrantes como diz a matéria. Você têm noção do perigo de um radical(ou seja, um não-moderado) vir fazer isso aqui?

Pelo que vi da matéria ele não o considerou como sendo um radical, ou pelo menos não viu uma pregação radical, apesar de que em outras partes da Europa ele foi barrado...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 17:26:30
Um cara barrado em 30 países por associação ao extremismo provavelmente não é extremista.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 17:36:51
Terceira vez: talvez ele não tenha feito pregação extremista na mesquita do Xeque Rodrigues.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: FZapp em 03 de Agosto de 2016, 17:38:28
Comentaram que o próprio Maomé era um terrorista e que esse pessoal do EI (e outros grupos) está seguindo suas ordens melhor que os moderados. Não conheço a história, o contexto, o islamismo tão bem assim, e nem cheguei perto de um alcorão. Tem alguma verdade nisso? Não espero que Maomé seja um anjo, mas...

Quem está dizendo isso ?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Agosto de 2016, 17:41:52
É uma afirmação vaga comum que os religiosos moderados, de qualquer religião, tendem a ser por em parte serem menos fundamentalistas, menos fiéis ao que se poderia dizer ser a essência da religião. Vale tanto para muçulmanos não seguindo fatwas e jihadistas, quanto cristãos permitindo a bruxas viverem e etc. Os apologistas das religiões tentarão defender a obediência a esses preceitos ou trechos como "errada", com variados graus de racionalização.

Sam Harris deve fazer afirmações bem nessa linha, freqüentemente.

Uma contra-argumentação mais neutra é de que, na prática, os mais devotos calham de mais comumente ter interpretações, ainda que seletivas, também mais moderadas. Enquanto os mais radicais tenderão a ser "born-agains" e com menos tempo de estudo e conhecimento.

Algo similar também deve acontecer com "nazistas de poltrona" e skinheads.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 03 de Agosto de 2016, 17:43:58
Terceira vez: talvez ele não tenha feito pregação extremista na mesquita do Xeque Rodrigues.

Citar
[...]Segundo um frequentador do templo, em nenhuma das palestras públicas Al-Arifi deu mostras de radicalismo. Mas nos encontros pessoais, nos quais era apresentado ou falava rapidamente com alguns brasileiros convertidos, ele fazia uma abordagem mais contundente. Al-Arifi dizia: “Você é um bom muçulmano?”. Ao ouvir um “sim”, ele completava: “Então, diga-me qual é a sua jihad”. Depois de ouvir as explicações sobre o esforço que cada um dizia fazer, ele parabenizava, mas fazia uma ressalva enigmática: “Nunca se esqueça daqueles irmãos que literalmente dão a vida pela religião”.[...]
http://veja.abril.com.br/mundo/um-jihadista-no-brasil/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 17:51:12
Comentaram que o próprio Maomé era um terrorista e que esse pessoal do EI (e outros grupos) está seguindo suas ordens melhor que os moderados. Não conheço a história, o contexto, o islamismo tão bem assim, e nem cheguei perto de um alcorão. Tem alguma verdade nisso? Não espero que Maomé seja um anjo, mas...

Eu creio que Maomé e sua tribo tenha feito barbaridades naquela época. Não consigo imaginar nenhum líder militar daquela época santinho. Consta que foi mulherengo, assassino, pedófilo...

Mas os crentes costumam dar uma perfumada em tudo, nas interpretações, na história e para eles Maomé era um poço de virtudes. No final das contas a esmagadora maioria dos fiéis querem uma religião para se apegar já que tem medo do fim. Não querem encher o saco de ninguém, querem é adorar a Deus e ganhar um lugar no paraíso como os judeus e os cristãos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Agosto de 2016, 18:01:09
Sobre essa acusação de pedofilia. Eu sempre pensei que esses casamentos arranjados com crianças fossem consumados só bem mais tarde. Como uma decisão "política".

Por outro lado em literatura religiosa mesmo tem umas coisas bem escabrosas, sobre como crianças bem pequenas podem ser usadas como escravas sexuais (se não me engano, muçulmanos fazendo acusações sobre judaísmo), então não sei exatamente qual seria o padrão de comportamento, nem como teria sido nesse caso específico.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 03 de Agosto de 2016, 21:05:17
Esse link leva pra vários outros com números comparativos bem diferentes, não só nos EUA, mas também na Inglaterra, Alemanha...

(http://i0.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians.jpg)

(http://i2.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians-2.jpg)

Eu na verdade fiquei mais impressionado como tem muita gente que aceita isso, anyway. A pesquisa aqui se limita a muculmanos americanos, eu estava falando de Europeus, sem contradicao aqui, a menos que você acha que a pesquisa da pew tá errada.

E by the way, você tem mais dessas pesquisas suportanto isso? dando uma olhada em outras polls de Muculmanos americanos a situacao nao melhora muito e parece contradizer o que tá nessa

Nessa poll 29% concordam que violência é justificada em relacoes a insultos ao profeta maomé
25% concordam que violência contra americanos nos EUA pode ser justificado como parte do "Jihad global"
19% acha válido o uso de violência nos EUA pra fazer com que a Shariah seja a lei do país
e 24% concordam com a questao 18, que eu tô com preguica de traduzir aqui, em relacao a "ofensa contra o Isla"
http://www.centerforsecuritypolicy.org/wp-content/uploads/2015/06/150612-CSP-Polling-Company-Nationwide-Online-Survey-of-Muslims-Topline-Poll-Data.pdf

Aqui, 19% de muculmanos americanos veem justificativas em atentados suicidas(nota: menor do que a média global) Dados no apêndice A
http://www.pewforum.org/files/2013/04/worlds-muslims-religion-politics-society-full-report.pdf

E 26% de muculmanos americanos jovens também justificam atentados suicidas
http://www.pewresearch.org/files/old-assets/pdf/muslim-americans.pdf#page=60

Eu gostaria de ver algumas perguntas sendo dirigidas a Cristaos, Mormons, Ateus e etc análogas a essa, e ver qual é o grau de aceitacao. Violência contra civis pode ser uma pergunta muito ampla, o que fez com que mesmo os que menos justificam isso sendo um valor grande, 22%. Sei lá se justificaram por guerras ou qualquer outra coisa. Mas em relacao a religiao, essas aí cima nao sao muito generosas.

Agora voltando a Europa, só uma bombinha de paz aqui
http://www.dailywire.com/news/4829/how-many-british-muslims-wouldnt-report-terror-michael-qazvini
2/3 dos muculmanos do reino unido nao iriam comunicar a polícia se soubessem de alguém se envolvendo com terroristas ou planejando alguma coisa relacionada.

Novamente(é comum meus posts serem ignorados). O problema vai alêm dos próprios "Allahu akbar" que se explodem por aí.

EDIT: E também estou curioso em saber das justificativas de que nao tem nada a ver com religiao sobre as estatísticas criminais da Alemanha que postei, e os incidêntes em Colônia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 22:35:35
[...]Aqui temos as estatísticas criminais da alemanha:

http://i.imgur.com/EHbUiOU.jpg

Por que será que todos os crimes aí citados tem uma lideranca extremamente expressiva de imigrantes vindo de países islâmicos? Especialmente estupro e abuso sexual de criancas. Coincidência? Nao, eles trazem consigo ideais que simplesmente nao sao compatíveis. O maior exemplo disso atualmente foi o incidência em Colônia Alemanha, no ano novo, onde quase 500 mulheres foram vítimas de todo tipo de assédio e até estupro. E todos os criminosos eram vindo ou do norte da áfrica, ou do oriente médio. A maioria dos muculmanos nao faz esse tipo de coisa? Ok, mas o suficiente(300kk+) possuem ideais que influenciam nisso. Dizer que nao tem nada a ver é se botar na ignorância.

Não entendo alemão. Tem em inglês?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 22:42:45
(http://i0.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians.jpg)

(http://i2.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians-2.jpg)


Entropia, gostaria que você fosse mais objetivo na análise dessa pesquisa acima: no aguardo.

Gostei dessa por comparar vários grupos. As outras ficam focadas só em um grupo e a comparação fica prejudicada. Objetividade em primeiro lugar.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 03 de Agosto de 2016, 22:45:30
http://www.dailywire.com/news/4829/how-many-british-muslims-wouldnt-report-terror-michael-qazvini

Alguém mais além do Entropia dá algum crédito pra essa pesquisa? Tem cara de ser extremamente fake.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Agosto de 2016, 10:52:28
(http://i0.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians.jpg)

(http://i2.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians-2.jpg)


Entropia, gostaria que você fosse mais objetivo na análise dessa pesquisa acima: no aguardo.

Gostei dessa por comparar vários grupos. As outras ficam focadas só em um grupo e a comparação fica prejudicada. Objetividade em primeiro lugar.

O corão justifica algumas vezes/dependendo (qual a diferença de "algumas vezes" e "depende"? "Depende" é condicional, e "algumas vezes", aleatório, "de lua"?) a violência contra as pessoas, logo esses do grupo "muçulmanos" que responderam "nunca" não são muçulmanos (idem para as outras religiões, que também legitimam a violência entre grupos). Não é esse o critério quando é para dissociar a violência, não estar instruída minuciosamente e incontestavelmente nos textos sagrados?


O melhor tipo de pesquisa de opinião é aquele indireto, onde se pergunta por coisas associadas ao que se quer chegar, em vez de ir diretamente ao assunto, que aumenta muito as chances das pessoas disfarçarem.










EDIT: E também estou curioso em saber das justificativas de que nao tem nada a ver com religiao sobre as estatísticas criminais da Alemanha que postei, e os incidêntes em Colônia.

Diferentes "valores" culturais não significativamente/exclusivamente ditados por religião (até mesmo negados). Há, em diferentes países, mesmo com as mesmas religiões predominantes, diferentes padrões de criminalidade. Algumas vezes serão tecidas racionalizações da criminalidade com teor religioso, mas é algo que, mais do que as ações que tentam rotular como meramente políticas dos grupos terroristas muçulmanos, algo mais independente de um corpo de crenças religiosas.

Isso, combinado a segregação/alienação social, deve explicar já satisfatoriamente a coisa de forma que a religião seja mais ou menos desprezível. Muito embora vá haver forte correlação, e causal, entre alguns desses valores, como misoginia e homofobia, e religião. Então não é algo 100% distinto, também.

Deve ocorrer algo proporcional com imigrantes de outras origens/religiões, mas com valores e condições sócio-econômicas similares.



Sobre os incidentes em Colônia, já ouvi dizer, sem verificar, que ainda assim a taxa de estupros/molestação sexual baixou apesar dos imigrantes/refugiados (talvez em outros países/em geral -- o que não deve ser de qualquer forma entendido como menor propensão a estupro, só que ainda está dentro da mesma margem de flutuação). Esse tipo de problema não é fundamentalmente diferente do problema dos "nossos" estupradores e machistas cristãos, só mais alastrado. Não podemos "dar uma de Trump" e dizer que são hordas de estupradores e etc e tal.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 04 de Agosto de 2016, 11:40:51
Sobre os incidentes em Colônia, já ouvi dizer, sem verificar, que ainda assim a taxa de estupros/molestação sexual baixou apesar dos imigrantes/refugiados (talvez em outros países/em geral -- o que não deve ser de qualquer forma entendido como menor propensão a estupro, só que ainda está dentro da mesma margem de flutuação). Esse tipo de problema não é fundamentalmente diferente do problema dos "nossos" estupradores e machistas cristãos, só mais alastrado. Não podemos "dar uma de Trump" e dizer que são hordas de estupradores e etc e tal.

O estupro em geral talvez tenha caído. Mas o  número de casos aumentou muito em festivais, e foi feito em sua maioria por pessoas de origem no norte  da África e Oriente Médio. E as polícias tentaram botar panos quentes, o que é um erro pois é um prato cheio para extremistas difamarem.

http://epoca.globo.com/ideias/noticia/2016/01/onda-de-ataques-mulheres-leva-merkel-rever-acolhimento-aos-refugiados.html

http://www.jn.pt/mundo/interior/policia-sueca-admite-ter-ocultado-vaga-de-agressoes-sexuais-em-festival-4974634.html

Creio que um povo que vive em uma região ultra-conservadora, onde as mulheres andam de maneira muito mais "prudente" para os padrões Ocidentais, chega na Europa e vê as europeias usando roupa mais curta, talvez na mente cultural deles eles levem um choque e achem que as mulheres daqui andam assim porque querem algo. Talvez até eles tenham uma imagem estereotipada das europeias. Mas é só um palpite.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Agosto de 2016, 14:02:17
Por "panos quentes" eu entenderia "fazer de conta que não aconteceu", que não deve ser o que está acontecendo. Em vez disso, o que alguns devem estar rotulando assim é são meramente cuidados de relações públicas em não criar uma nova "questão judia", em vez de alardear com todos megafones que muçulmanos cometeram esses crimes, em desproporção ao alarde quando os mesmos crimes são cometidos por nacionais ou imigrantes não-muçulmanos.

Em blogs de direita você vai ver coisas como uma descrição do ato que foi feito de darem flores aos refugiados como "darem flores aos estupradores". Não sei se há extrema dificuldade em não fazer generalizações estupidamente grosseiras, ou se é sempre algo deliberado, mas é um problema.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 04 de Agosto de 2016, 14:31:14
[...]Aqui temos as estatísticas criminais da alemanha:

http://i.imgur.com/EHbUiOU.jpg

Por que será que todos os crimes aí citados tem uma lideranca extremamente expressiva de imigrantes vindo de países islâmicos? Especialmente estupro e abuso sexual de criancas. Coincidência? Nao, eles trazem consigo ideais que simplesmente nao sao compatíveis. O maior exemplo disso atualmente foi o incidência em Colônia Alemanha, no ano novo, onde quase 500 mulheres foram vítimas de todo tipo de assédio e até estupro. E todos os criminosos eram vindo ou do norte da áfrica, ou do oriente médio. A maioria dos muculmanos nao faz esse tipo de coisa? Ok, mas o suficiente(300kk+) possuem ideais que influenciam nisso. Dizer que nao tem nada a ver é se botar na ignorância.

Não entendo alemão. Tem em inglês?

Nao, a fonte mais detelhada é do departamento de criminalística alemao, onde as informacoes estao ainda mais dispersas do que aí, mas ao lado de todos os crimes em alemao tem o seu equivalente em inglês. E o texto anterior só fala um pouco do que significa a estatística e da populacao consultada.

http://www.dailywire.com/news/4829/how-many-british-muslims-wouldnt-report-terror-michael-qazvini

Alguém mais além do Entropia dá algum crédito pra essa pesquisa? Tem cara de ser extremamente fake.

Realmente nao importa se é válida ou nao pra você. Se algum argumento embasado em fatos seu conseguir demonstrar que a pesquisa é tendenciosa ou fake. Ótimo, é um indício de problema a menos em relacao a isso.
(http://i0.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians.jpg)

(http://i2.wp.com/www.loonwatch.com/wp-content/uploads/2011/08/kill-civilians-2.jpg)


Entropia, gostaria que você fosse mais objetivo na análise dessa pesquisa acima: no aguardo.

Gostei dessa por comparar vários grupos. As outras ficam focadas só em um grupo e a comparação fica prejudicada. Objetividade em primeiro lugar.

A comparacao ficaria melhor se colocassem estatísticas relacionando Muculmanos, Cristaos, Ateus, Judeus... Em relacao a aspectos de sua religiao. Como por exemplo: "Crimes em defesa do Cristianismo" Isso sim eu consideraria o mais objetivo. O que eu vi nessa pesquisa é uma grande quantidade de gente que justifica morte de civis, o que em si já é bastante impressionante. Os dados sao dos EUA o que nao necessariamente condiz com o resto do mundo. Ao meu ver, o fato de muculmanos terem escores menores em relacao ao resto pode ter a ver com relacao a Adesao da cultura americana, que tem uma Cultura Crista bastante ligada a revoltas armadas de civis, intervecionismo militar externo e mais atualmente Guerras em geral por parte do Governo.

Imagino que a menor concordância seja pela a normal falta de simpatia que os Islâmicos do país tem em relacao a isso, vendo o quanto dano os EUA fez na própria regiao do Oriente médio, o que possivelmente daria uma pista em relacao a menor concordância em ataques militares que matam Civis.  Eu acho que a pesquisa seria mais esclarecedora se estendesse em várias perguntas do que cair em amplas. E eu pedi pra você mais dessas polls porque outras aparentemente a contradizem. 89% dos muculmanos aqui estao caindo no "Nunca" em relacao a violência contra civis. Mas em outras 3 o número sobe pra >20% quando tem Sharia, Maomé e alá no meio. Há uma diferenca e contradicao clara aqui. E por isso pedi ou Polls feitas com outras religioes ou mais dessas em relacao a islâmicos.

Diferentes "valores" culturais não significativamente/exclusivamente ditados por religião (até mesmo negados). Há, em diferentes países, mesmo com as mesmas religiões predominantes, diferentes padrões de criminalidade. Algumas vezes serão tecidas racionalizações da criminalidade com teor religioso, mas é algo que, mais do que as ações que tentam rotular como meramente políticas dos grupos terroristas muçulmanos, algo mais independente de um corpo de crenças religiosas.

Isso, combinado a segregação/alienação social, deve explicar já satisfatoriamente a coisa de forma que a religião seja mais ou menos desprezível. Muito embora vá haver forte correlação, e causal, entre alguns desses valores, como misoginia e homofobia, e religião. Então não é algo 100% distinto, também.

Deve ocorrer algo proporcional com imigrantes de outras origens/religiões, mas com valores e condições sócio-econômicas similares.

Sobre os incidentes em Colônia, já ouvi dizer, sem verificar, que ainda assim a taxa de estupros/molestação sexual baixou apesar dos imigrantes/refugiados (talvez em outros países/em geral -- o que não deve ser de qualquer forma entendido como menor propensão a estupro, só que ainda está dentro da mesma margem de flutuação). Esse tipo de problema não é fundamentalmente diferente do problema dos "nossos" estupradores e machistas cristãos, só mais alastrado. Não podemos "dar uma de Trump" e dizer que são hordas de estupradores e etc e tal.


A Cultura é o que importa mesmo, me atenho a escrever Religiao pelo quao intimamente com o estado e cultura deles está ligado. Realmente nao interessa se certos preceitos estao escritos no alcorao ou sao resultados da Shariah, o que importa é que eles trazem essas visoes consigo. E é difícil acreditar que o fato do Paquistao ser líder em crimes de abuso contra a crianca, sendo quase o dobro do segundo colocado na Alemanha, seja em relacao a fatores Socio-Econômicos e nao coisas intrínsecas a cultura deles. Como o casamento com meninas de 13 anos. As estatísticas mostram uma Clara liderância dos crimes vindo de imigrantes de países islâmicos. E quando se olha pros Crimes de Gregos, Indianos, Tailandeses. Vê-se que os crimes cometidos por estes sao menores do que os crimes cometidos pelos próprios alemaes. E nao creio que Esses 3 citados sejam em sua maioria pessoas de boa qualidade sócio-econômica.

E pra ilustrar ainda mais, o fato de estarem ocorrendo uma grande ocorrência de "Gang Rapes" na Suécia e no Reino Unido, também aponta pra um fato cultural fortíssimo. Como o abuso de 1400 criancas no reino unido por Islâmicos, que desfrutaram de uma liberdade tremenda pelo fato de uma atitude politicamente correta com medo de serem chamados de Racistas
http://www.bbc.com/news/uk-england-south-yorkshire-28939089

17 casos de Assédios mostram um padrao, maioria esmagadora de muculmanos
http://www.thetimes.co.uk/tto/news/uk/crime/article2863078.ece

E aqui, casos de "Rape" e "Grooming Gangs"
http://4freedoms.com/group/uk/forum/topics/muslim-pimping-grooming-gangs-the-times-survey

Os nomes mostram alguma coisa que possa ser relacionada?
E aqui: http://www.dailymail.co.uk/news/article-2526896/Revealed-Catalogue-police-failures-let-Rochdale-sex-grooming-gangs-flourish-claims-damning-police-report.html.

Entao, realmente é complicado e difícil de acreditar que Comparando com fatores socio-econômicos iguais o resultado seja o mesmo, e o . Há uma clara tendência aqui. E o fato de nao haver outros tipos de imigrantes envolvidos nisso também evidencia. E como eu disse, o fato da maioria deles nao fazer isso, nao exclui que o fator religioso/cultural deles tenha forte influência. E esse é o problema
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Agosto de 2016, 17:56:49
A Cultura é o que importa mesmo, me atenho a escrever Religiao pelo quao intimamente com o estado e cultura deles está ligado. Realmente nao interessa se certos preceitos estao escritos no alcorao ou sao resultados da Shariah, o que importa é que eles trazem essas visoes consigo. E é difícil acreditar que o fato do Paquistao ser líder em crimes de abuso contra a crianca, sendo quase o dobro do segundo colocado na Alemanha, seja em relacao a fatores Socio-Econômicos e nao coisas intrínsecas a cultura deles. Como o casamento com meninas de 13 anos. As estatísticas mostram uma Clara liderância dos crimes vindo de imigrantes de países islâmicos. E quando se olha pros Crimes de Gregos, Indianos, Tailandeses. Vê-se que os crimes cometidos por estes sao menores do que os crimes cometidos pelos próprios alemaes. E nao creio que Esses 3 citados sejam em sua maioria pessoas de boa qualidade sócio-econômica.

E pra ilustrar ainda mais, o fato de estarem ocorrendo uma grande ocorrência de "Gang Rapes" na Suécia e no Reino Unido, também aponta pra um fato cultural fortíssimo. Como o abuso de 1400 criancas no reino unido por Islâmicos, que desfrutaram de uma liberdade tremenda pelo fato de uma atitude politicamente correta com medo de serem chamados de Racistas
http://www.bbc.com/news/uk-england-south-yorkshire-28939089

17 casos de Assédios mostram um padrao, maioria esmagadora de muculmanos
http://www.thetimes.co.uk/tto/news/uk/crime/article2863078.ece

E aqui, casos de "Rape" e "Grooming Gangs"
http://4freedoms.com/group/uk/forum/topics/muslim-pimping-grooming-gangs-the-times-survey

Os nomes mostram alguma coisa que possa ser relacionada?
E aqui: http://www.dailymail.co.uk/news/article-2526896/Revealed-Catalogue-police-failures-let-Rochdale-sex-grooming-gangs-flourish-claims-damning-police-report.html.

Entao, realmente é complicado e difícil de acreditar que Comparando com fatores socio-econômicos iguais o resultado seja o mesmo, e o . Há uma clara tendência aqui. E o fato de nao haver outros tipos de imigrantes envolvidos nisso também evidencia. E como eu disse, o fato da maioria deles nao fazer isso, nao exclui que o fator religioso/cultural deles tenha forte influência. E esse é o problema

É ainda uma generalização grosseira se você não considera essas outras variáveis e pensa só em nacionalidade de origem, ou pior, religião. Por que você simplesmente não explica ainda uma maioria esmagadora de não-criminosos. Na verdade é apenas uma maior prevalência de criminalidade, ou tipos de criminalidade, dentro de algumas populações.

É uma generalização similar a se falar da "criminalidade dos negros", mesmo que você não a atribua a propensões inatas. Possivelmente, se fossem "sorteados" brasileiros de toda a população, incluindo a da população carcerária, para esses países, o resultado seria consideravelmente aproximado. Poderia ficar ainda bem atrás, mas talvez ajude a enxergar o problema na generalização. Seja como "brasileiros", ou "cristãos".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 04 de Agosto de 2016, 19:56:10
Todo o meu ponto é relacionado ao quao forte é a influência da Cultura, Religiao e visoes sobre o "ocidente" sobre os atos de criminalidade praticados por eles(E como essas ideias influenciam eles a se omitirem em relacoes a perigos como terrorismo, vide a pesquisa que eu postei). E, pelas estatísticas que eu postei e outras notícias, incidentes e Etc, eu acho que é muito grande. Eu nao nego a existência de fatores socioeconômicos, mas se você pegar países Como Brasil, Índia, tailandia e Grécia por exemplo, há uma diferenca muito grande. Mesmo sabendo que o padrao socioeconômico deles nao é alto. A alta representatividade dos crimes, mesmo sendo apenas uma minoria da populacao, se comparado a outros imigrantes evidencia isso.

E um problema maior que eu também disse foi o fato de esconder ou omitir certos fatos, por medo politicamente correto de "Racismo". Como no caso do abuso de criancas que eu falei, que durou tanto tempo e teve tantas vítimas por causa disso. E o mais impressionante é como os grupos se formam e se organizam pra fazer.

É a observacao dessa influência. E por isso, precisa-se dar uma atencao especial e menos amenizadora.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Agosto de 2016, 20:03:08
A diferença é grande, em países, mas se você cercar mais as populações/áreas problemáticas dos países, ela se reduz. E ainda vai ter sempre uma maioria da população que não é criminosa. Como em favelas, por exemplo. Mesmo que haja valores piores em geral.

As leis de alguns desses lugares ainda devem estancar a criminalidade real de forma análoga a que gangues em favelas também funcionam em parte como polícia, e punem mais severamente "crimes não autorizados".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 04 de Agosto de 2016, 22:17:59
Entao se pegar toda aquela galera de diferentes nacionalidades das estatísticas, botar todas em uma situacao socioeconômica semelhante, as taxas de crimes per capita vao ser as mesmas ou suficientemente semelhantes? Seria legal ter algumas estatísticas disso. Considerando a situacao isso evidenciaria que a influência da Cultura e da religiao deles pode ser desprezível ou nao tao alta? Entao o qual seria a influência?

Nao tenho muita pesquisa sobre criminalidade em geral, mas eu até concordo que em termos de crimes como Roubos e assassinatos, o fator socioeconômico pode colocar todo mundo na mesma linha ou próximo. Mas em termos de Assédio, abuso de criancas e Estupro, essas fatores tem tanto peso assim? Acho difícil de acreditar nisso, pois devido aos fatos sobre Gang Rapes do reino unido, Suécia, os incidentes na Alemanha, que o fato de serem Muculmanos seja apenas uma coincidência com serem pessoas de razao socioeconômica mais baixa.

o Fato de Paquistaneses terem uma incidência de 7,2/100000 de abuso de menores e os oriundos da Somália(o segundo colocado) 4,2/100000 indica pelo menos uma influência nesse caso, pois é algo próximo do dobro. E nao creio que as diferencas econômicas e sociais desses 2 grupos seja dramaticamente diferente.  Muculmanos serem apenas 5% da populacao britânica, mas cometerem 28% dos crimes de estupro também parece ser muito pra ser explicado majoritariamente por esse fator.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Agosto de 2016, 23:09:01
Eu não tenho dados, é mais um chutão com uma "explicação" de que eles não são todos "estupradores religiosos". Devem ser na maioria famílias/pessoas em níveis mais razoáveis de funcionalidade/pró-socialidade, ainda que sofrível, da forma que será com populações que sofrem mais de patologias sociais.

Não nego um possível grau de influência da religião do grupo com um "perfil" diferenciado dos crimes, mas isso pode ser em parte também algo como atribuir a "católicos" o perfil de crimes da máfia italiana, ou pedofilia, se formos direto na igreja mesmo.

Provavelmente os criminosos comuns não têm grande elaboração de motivações ou mesmo racionalizações religiosas para os seus crimes (imagino que não deva ir muito além de serem desprezados como "os outros"/infiéis, nada mais profundo do que algo como "se eu roubo é porque Deus deixa, deixa porque aquele que eu roubei é pior do que eu", um "embasamento" "religioso" 99% inventado), então essas diferenças ficam melhor enquadradas mais abrangentemente, como "culturais". Fora das gangues/perpetradores, alguns desses crimes podem nem ter qualquer grau mais elevado de tolerância, podendo até ser algo que considerassem merecer uma pena mais pesada (mutilação ou morte -- e aqui até mais provavelmente com embasamento religioso, desconfio) do que os europeus têm.



Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Bacha_bazi

Bacha bāzī (Persian: بچه بازی‎‎, literally "boy play"; from بچه bacha, "child", and بازی bāzī, "game") is a slang term in Afghanistan for a wide variety of activities that involve child sexual abuse and pederasty. The perpetrator is commonly called bacha Baz (meaning "pedophile" in Persian). It may include to some extent child pornography, sexual slavery, and child prostitution in which prepubescent and adolescent boys are sold to wealthy or powerful men for entertainment and sexual activities.[1] Bacha bazi has existed throughout history,[2] and is currently reported in various parts of Afghanistan.[3][4][5][6][7] Force and coercion are a common component of this abuse, and security officials state they are unable to end it because many of the men involved in bacha bazi-related activities are powerful and well-armed warlords including former Northern Alliance commanders.[8][9][10]

During the Taliban's rule (1994-2001), bacha bazi officially carried the death penalty.[11][12] The practice of dancing boys is illegal under Afghan law, being "against both sharia law and the civil code",[13] but the laws are seldom enforced against powerful offenders and police have been reportedly complicit in related crimes.[14][15]

A controversy arose after allegations surfaced that US forces in Afghanistan after the Invasion of Afghanistan deliberately ignored bacha bazi.[16] The military denied this, instead claiming the abuse was largely the responsibility of the local Afghan government.[17]




Citar
https://www.theguardian.com/commentisfree/2010/apr/25/middle-east-child-abuse-pederasty


Some Muslims are fond of condemning western morality – alcoholism, nudity, premarital sex and homosexuality often being cited as examples. But Muslims do not have a monopoly on morality. In the west, child marriages and sex with children are illegal. Unfortunately, the same cannot be said for many Muslim countries.

I recently saw the documentary on the Dancing Boys of Afghanistan. It exposed an ancient custom called "bacha bazi" (boy for play), where rich men buy boys as young as 11 from impoverished families for sexual slavery. The boys are dressed in women's clothes and made to dance and sing at parties, before being carted away by the men for sex. Owning boys is considered a symbol of status and one former warlord boasted of having up to 3,000 boys over a 20-year period, even though he was married, with two sons. The involvement of the police and inaction of the government means this form of child prostitution is widespread.

[...]

A similar shift in social attitudes is also required in traditional Muslim societies. Having boy sex slaves or child brides should not be seen as badges of honour. Instead, Muslims need to do more to attach shame to such practices; otherwise, acceptance of this behaviour will make them complicit in the sexual exploitation of children. I fail to understand why Muslims are so vocal on abuses by the west in Abu Ghraib, Guantánamo, Iraq and Afghanistan, but display moral blindness when it comes to children? It's about time this silence was broken, so these violations of innocence can be stopped.

A too-passive attitude in dealing with child abuse has rubbed off on Muslim communities in Britain, too. I have heard many stories at first hand of child sexual abuse and rape, which show that the issue is not being addressed at all. Those who have had the courage to speak out have been met with reactions of denial and shame. Such attitudes mean that children will continue to suffer in silence. Sexual abuse of children happens in all communities, as has been revealed by the recent Catholic church scandal. At least, they have finally started to take action. Muslim communities should learn from this and also start being more open, instead of continuing to sweeping the issue under the carpet.

I am finding that more and more Muslims feel it is their duty to criticise others for actions they consider sinful – quoting the following popular saying of Muhammad to justify their interference:

"If you see something wrong, you should correct it with your hand and if you are unable to, then speak out against it and if you cannot do that, then feel that it is wrong in your heart."

I wonder how, then, Muslims can remain silent when it comes to the sexual abuse of children?

[...]
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 05 de Agosto de 2016, 02:29:38
Citação de: Entropia
o Fato de Paquistaneses terem uma incidência de 7,2/100000 de abuso de menores e os oriundos da Somália(o segundo colocado) 4,2/100000 indica pelo menos uma influência nesse caso, pois é algo próximo do dobro.

Adoro estatísticas, números, porque eles são isentos de preconceito. Vamos lá: já que começou, termine: quero os números de todos os países e não só desses dois.  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 05 de Agosto de 2016, 03:07:01
Aproveita e já coloca o ranking de estupros por 100 mil de cada país.  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 05 de Agosto de 2016, 10:39:10
Adoro estatísticas, números, porque eles são isentos de preconceito. Vamos lá: já que começou, termine: quero os números de todos os países e não só desses dois.  :ok:

Já comecei, já terminei e já coloquei 2 vezes o link das estatísticas criminais aqui. Você reclamou por estar em alemao, mas se é só os Números que lhe interessam, vá lá, todos os crimes tem suas traducoes em inglês e os números fresquinhos pra olhar. E, honestamente, quase todos os meus questionamentos feitos nao foram respondidos por você e ainda está pedindo "mais dados" além dos diversos que eu coloquei, basicamente ignorados.

Aproveita e já coloca o ranking de estupros por 100 mil de cada país.  :ok:

Ooh. Embora possa se dizer irrelevante os estupros em cada país, já que as estatísticas citadas sao da Europa. Eu fui atrás da fonte mais rápida

https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_statistics

E, cara, já comeca mal

Citar
Afghanistan
Main article: Rape in Afghanistan
Rape in Afghanistan is a crime which can be legally prosecuted, but in practice it is very rarely reported, because of the immense risks that women face if they report it. Rape victims in the country face a double risk of being subjected to violence: on one hand they can become victims of honor killings perpetrated by their families, and on the other hand they can be victimized by the laws of the country: they can be charged with adultery, a crime that can be punishable by death.

Citar
Algeria

 Article 336 of the Penal Code stipulates that rape is a punishable offence, but does not give a definition of rape (which is left to the courts). The lack of a clear definition of rape in Algerian law makes it difficult for women to report the act and seek legal remedies.

In 2001, in Hassi Messaoud, women accused of being prostitutes have been targeted in mob attacks, and physically and sexually assaulted.

There have been continuous allegations that during the Algerian War French troops had engaged in acts of torture and rape against Algerians.

E, para o País que eu chamei mais atencao

Citar
Pakistan
Main article: Rape in Pakistan
Rape in Pakistan has been notable, and continues to be a tool for suppressing women in the country.[173] One of the notable cases, in which Uzma Ayub, a 16-year-old girl, was abducted by a soldier and policeman, she was repeatedly raped by several persons which included an army official and a policemen. Her brother was murdered. In one case, a teenage girl was burnt alive, as she resisted the rape.
[...]

Recently, a massive and perhaps the largest ever child molesting crime discovered in Pakistani history. About 280 were raped and filmed. Some of these rapists used these video clips to blackmail the parents of those children. Most of victims were below 14 years old.[180] Malik Ahmed Saeed Khan, a member of Provincial Assembly (MPA) of Punjab, also a member of the ruling party, Pakistan Muslim League, was accused for his involvement in this series of crimes,[181] including selling rape video clips (around 400 clips) to international market.[182]

Sobre esse segundo parágrafo, há alguma dúvida de que os Escores altos de abuso de criancas na alemanha e Gang Rapes no reino unido é coincidência?

Vamos olhar o artigo Rape In Pakistan? Vamos? VAMOS!

https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_in_Pakistan

Citar
Rape in Pakistan came to international attention after the politically sanctioned rape of Mukhtaran Bibi.[1][2] The group War Against Rape (WAR) has documented the severity of rape in Pakistan, and the police indifference to it.[3]

Hahaha. Difícil a situacao nao? E pra reforcar uma coisa e discordar de você com relacao a números. Estatísticas e números precisam de uma interpretacao para serem úteis em alguma coisa, entao, nao basta simplesmente jogar e tirar uma conclusao. Principalmente no caso de estupro, existem em diversos países diversas definicoes. Alguns já colocam qualquer atividade sexual forcada, outros a penetracao. E comparar 2 números com diferentes definicoes irá te levar a resultados errados. E pra relevância dessa discussao, nao dá pra comparar números de estupros com esses países, devido a forte repressao e forte falta de denúncias, por causa de perigo de morte pras próprias mulheres. No Paquistao há até "Estupros de Honra" e a polícia é indiferente. Qualquer estatística vindo daí vai ser extremamente abafada. Imagina se a gente considerar estupros maritais. hmm.

Agora, nao vou mais trazer dado nenhum. Já trouxe trocentos links e pesquisas que foram solenemente ignorados por você. Você seleciona uma parcela do meu post pra responder e já até "refutou" uma pesquisa achando que ela é fake. Convenhamos, nao tô vendo nenhuma vontade de discussao aqui. Suas respostas, quando houve, se resumiram a argumentos da ignorância e evidência anedótica. Se resolva aí e quem sabe a discussao pode continuar.

Eu não tenho dados, é mais um chutão com uma "explicação" de que eles não são todos "estupradores religiosos". Devem ser na maioria famílias/pessoas em níveis mais razoáveis de funcionalidade/pró-socialidade, ainda que sofrível, da forma que será com populações que sofrem mais de patologias sociais.

Não nego um possível grau de influência da religião do grupo com um "perfil" diferenciado dos crimes, mas isso pode ser em parte também algo como atribuir a "católicos" o perfil de crimes da máfia italiana, ou pedofilia, se formos direto na igreja mesmo.

Provavelmente os criminosos comuns não têm grande elaboração de motivações ou mesmo racionalizações religiosas para os seus crimes (imagino que não deva ir muito além de serem desprezados como "os outros"/infiéis, nada mais profundo do que algo como "se eu roubo é porque Deus deixa, deixa porque aquele que eu roubei é pior do que eu", um "embasamento" "religioso" 99% inventado), então essas diferenças ficam melhor enquadradas mais abrangentemente, como "culturais". Fora das gangues/perpetradores, alguns desses crimes podem nem ter qualquer grau mais elevado de tolerância, podendo até ser algo que considerassem merecer uma pena mais pesada (mutilação ou morte -- e aqui até mais provavelmente com embasamento religioso, desconfio) do que os europeus têm.


Eu nao disse serem estupradores religiosos, minha birra é mais com a cultura deles, realmente também nao creio que os motivos tenham qualquer justificativa religiosa, a parte de já ter visto alguma coisa no alcorao com relacao a "estupros em guerra" de estrangeiros. Mas acho que a cultura deles influência bastante, as estatísticas e o fato da "organizacao" de estupros me fazem pensar nisso. Mas  Fair enough to me, irei procurar mais coisas relacionadas a essas explicacoes.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 05 de Agosto de 2016, 11:31:45
A maioria dos países do Oriente Médio vivem em sociedades tribais. É óbvio que é de se esperar esses dados vindos de lá. O Pasteur pensa que quando falamos isto estamos querendo falar do islã em geral. Mas países como a europeia Bósnia têm índices de estupros parecidos com países europeus (menores que o do Brasil). Na verdade, só houve alta taxa de casos de estupro durante a  Guerra da Bósnia, perpetrado em sua maioria por sérvios.

https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_during_the_Bosnian_War
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 05 de Agosto de 2016, 13:22:38
Vou pedir licença a Pasteur para trazer um pouco mais de dados do mundo real, com nome e endereço, que não seja um mero número estatístico.
Coisa simples, aqui bem ao lado, nas Olimpíadas, ontem mesmo:

Citar
O jornalista do O Globo deu uma "pequena" aliviada nos termos da matéria, mas nada que a Caneta Desesquerdizadora não resolvesse. Aí fomos pesquisar o perfil do tal boxeador no Foicebook ( https://www.facebook.com/hassan.saada.5 ) e descobrimos que ele é... islâmico. Aaaaaa, agora entendemos o motivo da suavidade na matéria.
(https://scontent.fudi1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13882360_266465080404103_6752060614495657455_n.png?oh=aedf02d42afe550d416503608d2124f1&oe=582A34D4)

Numa boa, tá, Pasteur?
Continuamos amigos. :)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 05 de Agosto de 2016, 13:44:49
Tranquilo Gabarito! Com certeza!

Quando eu tiver um tempo eu mesmo vou trazer aquelas listinhas bonitinhas com números frios, mesmo com alguma inconsistência / diferença de definição é sempre melhor que nada e sem aquele monte de lero lero  do nosso colega Entropia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 05 de Agosto de 2016, 14:22:56
Tranquilo Gabarito! Com certeza!

Quando eu tiver um tempo eu mesmo vou trazer aquelas listinhas bonitinhas com números frios, mesmo com alguma inconsistência / diferença de definição é sempre melhor que nada e sem aquele monte de lero lero  do nosso colega Entropia.

Definicao de Lero Lero:

Citar


Inconsistent definitions of rape, different rates of reporting, recording, prosecution and conviction for rape create controversial statistical disparities, and lead to accusations that many rape statistics are unreliable or misleading. In some jurisdictions, male-female rape is the only form of rape counted in the statistics [1] and countries may or may not criminalize marital rape.

Rape is severely under-reported. In many parts of the world, rape is very rarely reported, due to the extreme social stigma cast on those who have been raped[citation needed], or the fear of being disowned by their families, or subjected to violence, including honor killings.[2] Furthermore, in countries where adultery or premarital sex are illegal, victims of rape can face prosecution under these laws, if there is not sufficient evidence to prove a rape in the court. Even if they can prove their rape case, evidence during investigation may surface showing that they were not virgins at the time of the rape, which, if they are unmarried, opens the door for prosecution.[3]

https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_statistics


Mesmo assim, dá pra comparar as estátísticas com todas essas diferencas, certo?. Mas tá bom, vamos esperar os números geladinhos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 05 de Agosto de 2016, 22:42:44
Vou pedir licença a Pasteur para trazer um pouco mais de dados do mundo real, com nome e endereço, que não seja um mero número estatístico.
Coisa simples, aqui bem ao lado, nas Olimpíadas, ontem mesmo:

Citar
O jornalista do O Globo deu uma "pequena" aliviada nos termos da matéria, mas nada que a Caneta Desesquerdizadora não resolvesse. Aí fomos pesquisar o perfil do tal boxeador no Foicebook ( https://www.facebook.com/hassan.saada.5 ) e descobrimos que ele é... islâmico. Aaaaaa, agora entendemos o motivo da suavidade na matéria.
(https://scontent.fudi1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13882360_266465080404103_6752060614495657455_n.png?oh=aedf02d42afe550d416503608d2124f1&oe=582A34D4)

Numa boa, tá, Pasteur?
Continuamos amigos. :)

Acho que por essa descrição do texto seria ainda, no máximo, tentativa de estupro; não se pode dizer que houve de fato. (Acho). Pela "solicitação", também acho que é capaz que não fosse ser condenado nem a isso, no máximo a algo mais nas linhas de "molestação" mesmo, não lembro o termo. :hein:

Também acho exagerado trazer instâncias isoladas para esse tópico. Fica bem algo pouco diferente de ter colocado também em vermelho "E NEGRO" nas "correções".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 06 de Agosto de 2016, 07:33:21

Acho que por essa descrição do texto seria ainda, no máximo, tentativa de estupro; não se pode dizer que houve de fato. (Acho). Pela "solicitação", também acho que é capaz que não fosse ser condenado nem a isso, no máximo a algo mais nas linhas de "molestação" mesmo, não lembro o termo. :hein:


Eu também acho que estupro é diferente da tentativa.
Mas a descrição do crime mudou.
E eu só fiquei sabendo depois daquele rumoroso caso do estupro coletivo onde se alegava inicialmente 33 estupradores contra uma vítima. Parece que esse número caiu para 2 ou 3, nem sei direito. A delegada dizia que "existe a prova material". Tal prova era um vídeo em que o "estuprador" bolinava uma moça desacordada.
Basta que haja "ato libidinoso" para se configurar estupro segundo a nova redação da lei (https://jus.com.br/artigos/13359/a-nova-lei-do-estupro).
Logo, basta tocar nas partes íntimas para ser um estuprador.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Agosto de 2016, 12:37:41
Não falava de opinião pessoal sobre o que acho que deveria ser, mas opinião leiga do que supunha que fossem as leis...

Acho  que essa redação e o texto não suportam uma abrangência maior nessa direção, me parece que se refere mais a homens poderem ser também estuprados de forma diversa de serem penetrados.

Mas como fica então "constrangimento ilegal" e "importunação ofensiva ao pudor"? Já vira tudo estupro? :hein:

Isso está muito confuso. Nesse texto aí é dito que um monte de condenados a estupro terão penas revisadas e reduzidas, e em outro é dito ainda algo ainda mais contraditório, requerendo que a recusa da vítima seja "escandalosa" (não lembro os termos exatos, algo com "inequívoca", haver resistência física, etc, algo que a meu ver peca na direção contrária, em desconsiderar como estupro algo que é).

http://www.conjur.com.br/2014-jul-04/violencia-acariciar-partes-intimas-nao-atentado-pudor

http://tarcisiobaiano.jusbrasil.com.br/artigos/324012853/beije-a-vontade-mas-nao-force-a-barra?ref=topic_feed

Eu admito perfeitamente uma assimetria assumida/geral entre ameaça implícita partindo de homens ou de mulheres, mas ainda assim está parecendo algo estranho. Ainda mais considerando ter havido a solicitação de prostituição, aparenemente não colocada nem pela defesa, mas já na descrição das vítimas...

:maluco:

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 06 de Agosto de 2016, 23:52:15
Aquela listinha bonitinha sobre taxa de estupros por país, apesar de incompleta está nesse link logo abaixo. Podemos dar uma aliviada na situação da Suécia porque parece que o critério deles de notificação é muito "elástico" se comparado com qualquer outro país. Pode desprezar também alguns países islâmicos por sub-notificação, mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

http://www.nationmaster.com/country-info/stats/Crime/Rape-rate

E a conclusão do site, que qualquer cego vê:

Citar
Interesting observations about Crime > Rape rate

South Africa has had the highest rape rate since 2004.
Sweden ranked first for rape rate amongst European Union in 2010.
All of the top 3 countries by rape rate are Sub-Saharan African.
Belgium ranked first for rape rate amongst NATO countries in 2010.
Australia ranked second for rape rate amongst High income OECD countries in 2010.
All of the top 6 countries by rape rate are Christian.
United States ranked third for rape rate amongst Cold countries in 2010.
France ranked second for rape rate amongst Eurozone in 2009.
Iceland ranked third for rape rate amongst Europe in 2009.
Moldova ranked first for rape rate amongst Eastern Europe in 2010.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 07 de Agosto de 2016, 14:27:25
Aquela listinha bonitinha sobre taxa de estupros por país, apesar de incompleta está nesse link logo abaixo. Podemos dar uma aliviada na situação da Suécia porque parece que o critério deles de notificação é muito "elástico" se comparado com qualquer outro país. Pode desprezar também alguns países islâmicos por sub-notificação, mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

http://www.nationmaster.com/country-info/stats/Crime/Rape-rate

Você dizendo isso parece aquelas questoes de física: Despreze o atrito e a resistência do ar. A gente faz uma ponte assim, né?  :ok:.  :ok:. Mas, vamos olhar essas estatísticas, sim?
.
Ah, mas antes disso, ênfase em uma frase:

Citar
mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

Olhando o link temos a seguinte situacao:

Sem dados:
Afeganistao; Paquistao(Olha ele aqui de novo); Indonesia; Iran; Niger; Nigeria; Iraque; Arábia Saudita; Uzbekistao; Malásia; Somália; Tunísia; Emirados Árabes unidos

Agora, peco uma coisa a você Pasteur. Identifique alguns desses países aqui:
https://en.wikipedia.org/wiki/Muslim_world#Countries_with_the_largest_Muslim_populations_.282010.29.

E veja a relevância deles, digamos em populacao.

Eu sugiro agora, que você procure eles no google pra algumas informacoes, vou facilitar aqui, já comecando
https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_in_Pakistan
https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_in_Saudi_Arabia

Agora, por última, veja quais desses países sao relevantes nas estatísticas que eu coloquei sobre a Alemanha, por favor. Estupros e abuso de criancas, achou uns deles nos primeiros lugares? Oh!

http://imgur.com/EHbUiOU


Estupro marital legal e Subnotificacoes excessivas
Egito
https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_in_Egypt
OBS: mesmo assim Egito nao é relevante nas estatísticas da Europa, pois mesmo entre as minorias de islâmicos, nao estao presentes

Yemen(Nota para o Caso de abuso sexual de criancas e estupro)
https://en.wikipedia.org/wiki/Rape_statistics#Yemen

OBS: Novamente, nao relevante para as estatísticas da Europa, mesmo assim.



Sobrando assim, as estatísticas representativas:
Turquia; Kazaquistao; Kyrgistao(nao sei traduzir); Turqmenistao;Tajquistao; Kuwait; Bósnia-Herzergovina; Argélia

Aqui, veja aquele link ali em cima sobre as populacoes e consulte estes aqui.

Agora vá para a estatística da Alemanha e veja a relevância deles lá. Estupros e abuso de criancas, quantos deles aparecem? Pois é, né?

Lembra da frase que era pra dar ênfase? Vamos repetir ela três vezes aqui

Citar
mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

Citar
mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

Citar
mas não dá pra escapar da impressão geral que esses países nos dá, que é a de ter as menores taxas de estupros no geral.

Como é que uma estatística que exclui 13 países de maioria islâmica, sendo eles da lista dos mais populosos. Pode ser representativo do mundo islâmico? Isso sem nem considerar Sub-Notificacao e ausência de estupro marital ilegal?  :hein: . E você tem apenas 8 deles com uma estatística representativa, sendo 6 deles representando uma parcela ínfima da populacao Muculmana? Além de esses mesmos 6 nao fazerem nenhuma diferenca nas estatísticas europeias que eu coloquei?

Isso sem nem mencionar que o ponto nao é nem discutir os países islâmicos aqui. Mas sim a influência da Cultura, Shariah e Religiao nos crimes e terrorismo, analisando países do ocidente. Eu tô dizendo o que o pedrinho tá fazendo na Escola enquanto que você tá dizendo o que ele faz em casa(com várias omissoes). Se um nao acontece em um lugar, nao significa que nao aconteca no outro, e nem que seja isento de qualquer coisa que o pedrinho aprendeu em casa.

E by the way, ainda estou esperando sua análise nas estatísticas de Terrorismo, Rape gangs, e o próprio link das estatísticas da Alemanha, que nao houve nenhum comentário a respeito. Se você for ou quiser fazer, claro.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Agosto de 2016, 14:48:34
Simplificando a análise, a um nível apenas mais "proto-empírico", mas talvez mais objetivo. Crimes como estupro, são correlatos a valores como misoginia? Existe variação de misoginia correlacionada a vertentes religiosas? Se sim, é praticamente inevitável também uma correlação com estupro, mesmo que não seja tão direta. Isso é, pode haver influência de valores também mais punitivos coibindo a prática de crimes.

No entanto, em alguns casos, o que observamos é uma verdadeira atribuição de culpa à vítima, não só por questionar o que vestia e como se comportava antes de sofrer o crime, mas ao considerá-la legalmente criminosa e punível de forma baŕbara.

As religiões e valores associados não são inócuos ou só positivos à sociedade, e variam de religião em religião. A mera presença da religião nominalmente não será exatamente determinante, já que ela pode ser enfraquecida com graus variados de adoção a valores humanistas, que podem vir a ser chamados de valores "verdadeiros" da religião pelos apologistas.

No outro sentido, valores culturais que se pudesse considerar "extra-religiosos" tenderão a enviesar a interpretações religiosas mais nocivas do que estas consideradas "verdadeiras" em outro contexto sócio-cultural.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 07 de Agosto de 2016, 19:05:04
E by the way, ainda estou esperando sua análise nas estatísticas de Terrorismo, Rape gangs, e o próprio link das estatísticas da Alemanha, que nao houve nenhum comentário a respeito. Se você for ou quiser fazer, claro.

Cara eu só comento dados de sites confiáveis. Não é qualquer linkizinho de extrema-direita que você traz aqui que eu vou engolir. Cheque seus dados primeiro. Por exemplo, aposto de a maioria aqui confia no Independent:

Citar
Refugees responsible for tiny proportion of sex crimes in Germany despite far-right claims following Cologne attacks (http://www.independent.co.uk/news/world/europe/refugees-responsible-for-tiny-proportion-of-sex-crimes-in-germany-despite-far-right-claims-following-a6884166.html)

Most crimes committed by migrants in 2015 were theft, counterfeiting and travelling on public transport without tickets

(http://static.independent.co.uk/s3fs-public/styles/story_large/public/thumbnails/image/2016/01/09/16/Pegida-Cologne5.jpg)
Far-right groups have claimed the arrival of refugees is putting German women at risk Reuters

Refugees and migrants are responsible for a tiny fraction of sex crimes in Germany, a leaked police report has revealed.

Anti-immigration campaigners and far-right groups have used the assaults in Cologne and other cities on New Year’s Eve to claim that the arrival of more than a million asylum seekers in Germany is putting women at risk.

But figures from the Bundeskriminalamt (Federal Criminal Police Office) showed under 1 per cent of crimes committed by migrants in 2015 were sexual offences.

“The overwhelming majority of asylum seekers do not commit crimes,” a spokesperson said.

A detailed report seen by Germany’s Bild newspaper listed a total of 1,688 sex crimes committed by asylum seekers, refugees and illegal immigrants in 2015 – 3.6 per cent of the nationwide total of almost 47,000.

Of those, 458 were rapes or sexual assaults.

Refugees make up roughly 2 per cent of Germany’s population, the The Local reported, meaning the rate of sexual offences is disproportionately high.

But the website pointed out that the figure was “skewed” by the fact the vast majority of sexual offences are committed by men, who also make up the majority of recent migrants arriving in Germany.

The time period analysed does not include the assaults on New Year’s Eve, which are the subject of an ongoing investigation. Police have received reports of 433 reports of sexual attacks on that night in Cologne alone.

The vast majority of suspects in that case come from Algeria and Morocco and police statistics indicate that North African migrants are more likely to commit crimes than those from Syria, Iraq or Afghanistan, where the majority of refugees arriving in Germany originate.

A summary of the Bundeskriminalamt’s report released to the Independent showed that 82 per cent of offences by immigrants were non-violent, mostly theft, counterfeiting and travelling on public transport without a ticket.

In 28 recorded killings, only one of the victims was German and most incidents were between people of the same nationality.

The figures showed that while crime rose as a whole in Germany in 2015, the rate did not correspond to the huge number of people arriving and actually slowed after Angela Merkel opened the borders to Syrians in August.

Crimes committed against asylum seekers and refugees, however, are at an all-time high. More than 1,000 offences at migrant accommodation were recorded last year, including 177 violent incidents – four times the figure in 2014.

The Bundeskriminalamt also raised concern about the “radicalisation of social discourse” between groups supporting and opposing refugees, which have peaked in angry clashes at demonstrations.

Thomas de Maizière, the German interior minister, said extremist groups were “manipulating people with rumours and half-truths” and that hatred must be fought with facts.

“The current trend shows that refugees are just as unlikely to commit crimes as comparable groups among the current population,” he added.“The majority of them don't commit crimes, they are seeking protection and peace in Germany.”
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Entropia em 07 de Agosto de 2016, 20:22:34
Cara eu só comento dados de sites confiáveis. Não é qualquer linkizinho de extrema-direita que você traz aqui que eu vou engolir. Cheque seus dados primeiro. Por exemplo, aposto de a maioria aqui confia no Independent:

Ah Claro claro claro. Os dados da Alemanha sao de extrema direita, sendo que a fonte é o próprio departamento de criminalística Alemao (PKS) ok, ok. E eu ainda até coloquei um link direto pra nao ter que ficar procurando direto do site. As outras pesquisas que eu postei sao tudo extrema direita né? Ótimo!  :ok: . Tudo que discorda de você é extrema-direita.

Espantalho, argumento da ignorância e Ad hominem. Parabéns, cara.

E esse seu último post com a notícia só prova, no mínimo, que você nao lê meus posts.

Encerro minha participacao aqui. Nao vou ficar perdendo tempo com trollagem.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 07 de Agosto de 2016, 21:04:32
Ok, então você não gostou da matéria do Independent? Já disse que preciso checar essas informações do site alemão que parecem ser absurdas. Acho que vou fazer um curso de alemão para poder te satisfazer.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 10:56:59
Vou pedir licença a Pasteur para trazer um pouco mais de dados do mundo real, com nome e endereço, que não seja um mero número estatístico.
Coisa simples, aqui bem ao lado, nas Olimpíadas, ontem mesmo:

Citar
O jornalista do O Globo deu uma "pequena" aliviada nos termos da matéria, mas nada que a Caneta Desesquerdizadora não resolvesse. Aí fomos pesquisar o perfil do tal boxeador no Foicebook ( https://www.facebook.com/hassan.saada.5 ) e descobrimos que ele é... islâmico. Aaaaaa, agora entendemos o motivo da suavidade na matéria.
(https://scontent.fudi1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13882360_266465080404103_6752060614495657455_n.png?oh=aedf02d42afe550d416503608d2124f1&oe=582A34D4)

Numa boa, tá, Pasteur?
Continuamos amigos. :)

Gabarito, você ainda tem aquela caneta desesquerdizadora? É que tem mais um boxeador preso desta vez da Namibia e cristão...

http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/boxeador-da-namibia-preso-por-estupro-teve-prisao-decretada-pela-justica-19876461.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 08 de Agosto de 2016, 11:12:22

Gabarito, você ainda tem aquela caneta desesquerdizadora? É que tem mais um boxeador preso desta vez da Namibia e cristão...

http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/boxeador-da-namibia-preso-por-estupro-teve-prisao-decretada-pela-justica-19876461.html

Valeu, Pasteur.
Anotado.

Esses caras devem ter vento nas cabeças.
Será que na terra deles é só chegar e ir em frente com qualquer uma?
Esse foi um caso "comum", entra nas estatísticas de países africanos, sem ligação com islamismo.
Seria ele um estuprador cristão? Se sim, entra nas estatísticas dos cristãos.

Seja qual for sua religião, um autêntico cabeça-de-vento criminoso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 08 de Agosto de 2016, 13:22:20
Gabarito, você ainda tem aquela caneta desesquerdizadora? É que tem mais um boxeador preso desta vez da Namibia e cristão...

http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/boxeador-da-namibia-preso-por-estupro-teve-prisao-decretada-pela-justica-19876461.html

Em qual parte da notícia menciona que ele é cristão?

Eu não consegui localizar.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 13:48:51
Gabarito, você ainda tem aquela caneta desesquerdizadora? É que tem mais um boxeador preso desta vez da Namibia e cristão...

http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/boxeador-da-namibia-preso-por-estupro-teve-prisao-decretada-pela-justica-19876461.html

Em qual parte da notícia menciona que ele é cristão?

Eu não consegui localizar.

Usei o mesmo critério que usaram para classificar o outro boxeador preso de islâmico, que é simplesmente ter vindo de uma região com a população de maioria islâmica. A Namíbia tem 90% de cristãos...

Você tentou localizar também a religião do outro boxeador?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 08 de Agosto de 2016, 15:02:07
Gabarito, você ainda tem aquela caneta desesquerdizadora? É que tem mais um boxeador preso desta vez da Namibia e cristão...

http://extra.globo.com/esporte/rio-2016/boxeador-da-namibia-preso-por-estupro-teve-prisao-decretada-pela-justica-19876461.html
Em qual parte da notícia menciona que ele é cristão?

Eu não consegui localizar.
Usei o mesmo critério que usaram para classificar o outro boxeador preso de islâmico, que é simplesmente ter vindo de uma região com a população de maioria islâmica. A Namíbia tem 90% de cristãos...

Entendido.


Você tentou localizar também a religião do outro boxeador?

Em qual postagem eu fiz alguma afirmação/ilação sobre o primeiro boxeador?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 08 de Agosto de 2016, 15:12:16
Menção a religião de indivíduos nesse contexto só deverá vir de panfletos religiosos/ideológicos, com direitistas conservadores cristãos colocando sob o holofote islamismo/judaísmo de indivíduos, e como "tu quoque", muçulmanos/judeus enfatizando cristianismo ou judaísmo de algum criminoso, mesmo que qualquer ligação ideológica seja num nível ainda mais tênue do que ATEÍSMO=COMUNISMO.

O "esquerdismo" correspondente também se enquadrará no segundo caso, "tu quoque", mas talvez mais comumente tente colocar no holofote a religião de indivíduos que tem chances de sofrerem preconceito pela religião, mas que tenham feito algo heróico/positivo. Como o caso do muçulmano que ajudou outras pessoas a escaparem de terroristas (muçulmanos) e coisas assim.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 15:15:17

Você tentou localizar também a religião do outro boxeador?

Em qual postagem eu fiz alguma afirmação/ilação sobre o primeiro boxeador?

Em nenhuma! Era apenas uma simples curiosidade...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 08 de Agosto de 2016, 18:44:05
Para começar a apontar a cor, a orientação sexual, e outros do individuo será um pulo. Essa caneta desesquerdizadora está virando uma caneta conservadora trumpeana.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 08 de Agosto de 2016, 20:02:04
Citar
Choque de civilizações em uma imagem (http://rodrigoconstantino.com/artigos/choque-de-civilizacoes-em-uma-imagem/)
8 de agosto de 2016

(http://rodrigoconstantino.com/assets/jpg/blog-973.jpg)

Citar
A imagem de uma egípcia e uma alemã disputando uma bola no vôlei de praia está rodando o mundo (http://veja.abril.com.br/esporte/contraste-cultural-a-imagem-que-esta-rodando-o-mundo/) pelas redes sociais – graças ao contraste cultural. Enquanto a alemã Kira Walkenhorst, de 26 anos, veste um biquíni, do outro lado da rede está Doaa Elghobashy, atleta de 19 anos que usa hijab (espécie de véu sob a cabeça) e calça leg em respeito à sua religião. Capturada por Lucy Nicholson, da agência de notícias Reuters, a fotografia também registra um feito inédito: essa foi a primeira vez que uma dupla do Egito disputou uma Olimpíada na modalidade.

Nada Meawad, companheira de Elghobashy, também entrou em campo com o corpo coberto, mas explicou que não competiu usando o hijab, pois segue uma linha religiosa diferente. O véu, segundo o islã, serve para preservar a privacidade e os princípios da mulher. Questionada após o jogo, Elghobashy disse que o hijab em nada atrapalha seu desempenho nas competições. Elghobashy e Meawad perderam de 2 sets a zero para as alemãs Walkenhorst e Laura Ludwig, mas seguem disputando contra a Itália na próxima terça-feira e Canadá, na quinta.

De fato, o contraste é gritante. Mas há outras imagens que chocam ainda mais, como esta:

(http://rodrigoconstantino.com/assets/jpg/blog-974.jpg)

Há quem diga que retratam o “choque de civilizações”, descrito por Samuel Huntington, mas há também quem diga que simbolizam o “encontro de civilizações”, um convívio pacífico entre as diferenças. Talvez seja um pouco das duas coisas, mas se tiver que escolher, fico com a primeira opção. Até porque sei que o outro lado não encara muito bem essas tais diferenças, que não costuma apreciar tanto a pluralidade.

Um amigo jornalista assim resumiu a coisa: “Já eu vejo o excesso em ambas. São tão extremas que impossibilitam a harmonia”. Segundo esse colega, que é conservador, a cultura ocidental também extrapolou para o outro lado, o da quase nudez explícita, o dos corpos reverenciados e expostos como prêmios.

Outro amigo, advogado, escreveu: “Ambos denotam as diferenças. O conflito, contudo, só se materializa após a demonstração da intolerância, e da convicção de que um precisa desaparecer — ou sucumbir –para que o outro possa existir”.

Exato. O problema é que sabemos da intolerância de um dos lados. O Islã não convive bem com as moças seminuas, e isso está claro. No mais, nós, ocidentais, valorizamos bastante o direito de escolha individual. Ou seja, se a mulher realmente quiser se resguardar mais e ocultar quase todo o corpo, seria um direito seu, mas isso jamais poderia ser imposto a ela, como acontece em vários países muçulmanos.

Que há algo de muito errado numa cultura que impõe uma vestimenta que tampa a mulher toda, isso parece inegável. É muito medo mesmo do feminino, de seu poder de sedução. Acredito ser possível também uma análise conservadora de que o pêndulo exagerou e o Ocidente trata como normal não ocultar parte alguma do corpo em público. Mas não vou bancar o tucano e pregar um “equilíbrio” aqui: fico com a liberdade ocidental, sem dúvida.

Um topless na praia ou a exposição excessiva das partes íntimas no Carnaval podem incomodar os mais conservadores e denotar uma sociedade com valores degradados, mas com certeza a solução não é meter uma burca nelas! Que as feministas acabem tomando o partido dos muçulmanos só para cuspir na civilização ocidental “machista”, que transformaria a mulher em “objeto”, é algo realmente bizarro, que demonstra como ele não tem nada a ver com os direitos das mulheres, e sim com uma agenda esquerdista.

Mais bizarro ainda, claro, é ver feministas lutando contra essa “objetificação da mulher” em passeatas com tudo de fora e “vadia” escrito em suas testas. Não poderia haver maior contradição do que repudiar o culto ao corpo feminino enaltecendo justamente o corpo feminino e o direito de a mulher ser uma vagabunda. Exigir algum respeito aos homens depois não faz o menor sentido.

Em suma, a mulher ocidental pode ter se vulgarizado demais sob o feminismo contraditório, pode ter se tornado justamente aquilo que pretendia denunciar: um objeto de desejo sexual apenas, que tende a ser até diminuído com sua banalização e acesso mais facilitado (pura lei econômica na oferta e demanda). Mas é mil vezes preferível conviver com esses excessos e preservando a liberdade individual do que cair no extremo oposto, que é esconder o corpo todo, usando roupas claramente inadequadas para um esporte na praia.

O risco, como mostra Michel Houellebecq em Subsmissão, é o Ocidente sequer perceber a incompatibilidade e, enquanto celebra a “diversidade”, acabar sendo engolido pelo lado totalitário aos poucos. Quem acha exagero deveria ler sobre o que se passa em Londres (http://rodrigoconstantino.com/artigos/o-primeiro-prefeito-muculmano-de-londres-pretende-banir-imagens-sensuais-de-mulheres/), com um prefeito muçulmano. Um amigo administrador cravou a “piada”: “No caso dos jogos, dizem as más línguas que, daqui a 3 ou 4 Olimpíadas, os uniformes das duas equipes serão os mesmos… Quem viver verá”.

No jogo de vôlei na praia a dupla ocidental venceu com facilidade. Será que no jogo cultural será assim também?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 08 de Agosto de 2016, 20:03:39
Citação da notícia acima sobre o novo prefeito de Londres, o primeiro muçulmano, em outra notícia mais abaixo:

O atual prefeito de Londres Sadiq Khan que tinha dito que não iria para os EUA caso Trump ganhasse, convidou-o para conhecer famílias muçulmanas em Londres.

O ex-prefeito de Londres foi ainda melhor, dizendo que:

Citação de: Boris Johnson
'The only reason I wouldn't visit some parts of New York is the real risk of meeting Donald Trump'

 :ok: :ok: :ok:

Você ficou sabendo dessa notícia, Pasteur?
O novo prefeito muçulmano andou testando seu poder de influência e mudanças sociais.

Citar
O primeiro prefeito muçulmano de Londres pretende banir imagens sensuais de mulheres (http://rodrigoconstantino.com/artigos/o-primeiro-prefeito-muculmano-de-londres-pretende-banir-imagens-sensuais-de-mulheres/)
14 de junho de 2016

(http://rodrigoconstantino.com/assets/png/blog-124-768x404.png)

Virgem Maria! A esquerda “progressista” ficou em polvorosa com “o primeiro prefeito muçulmano” de Londres, a capital dos gentlemen conservadores. Celebraram esse “avanço”, que chega a dar calafrios em quem leu Submissão, do francês Michel Houellebecq. Confrontaram Trump: o prefeito de Londres seria barrado nos Estados Unidos? Enfim, ficaram animadinhos com esse símbolo de um mundo mais tolerante e plural…

Ou não é bem assim? A “marcha dos oprimidos” tem unido um monte de coisas diferentes, cujo único denominador comum é o ódio ao homem branco ocidental. Nessa “revolução das vítimas” vale tudo, inclusive gays se juntando a muçulmanos, uma combinação, no mínimo, estranha, quiçá explosiva.

Feministas ao lado de islâmicos para atacar os padres velhinhos? E não as avisaram como as mulheres costumam ser tratadas nos países islâmicos? Ou será que é isso que as feministas recalcadas querem no fundo: ferrar com as belas e independentes?

Então vejam só essa notícia no site do Breitbart (http://www.breitbart.com/london/2016/06/13/londons-muslim-mayor-ban-bikini-images-public/) (aquele com quem fui comparado pela revista “Foreign Policy”, o que me deixou muito honrado):

Citar
London’s Muslim Mayor To Ban Sexualised Images Of Women (http://www.breitbart.com/london/2016/06/13/londons-muslim-mayor-ban-bikini-images-public/)

London’s first ever Muslim Mayor is set to ban images of ‘unrealistic’ scantily clad women from ads on public transport, which could see the city adopt some of the most censorious policies in the Western world.

Sadiq Khan argued for the move by appropriating the language of feminism, claiming that alluring images of beautiful women could make them “ashamed of their bodies”.

Ironically, the policy is likely to please both the misogynistic Islamist and prudish, third wave feminist, whose ends appear increasingly similar.

The announcement comes five years after suspected Islamists began painting over images of bikini clad women in Tower Hamlets in East London, and last year after feminists begansimilarly defacing images of women in bikinis on London transport.

Images of women are banned in public across large parts of the Muslim world, and the phenomenon is now spreading in the Western world.

Germany’s ‘progressive’ Justice Minister, Heiko Maas, recently promised to ban ads which “reduce women or men to sexual objects” in an attempt to create a “modern gender image” following the mass sex attacks on New Year’s Eve in Cologne, committed by mostly Muslim migrants.

The London Mayor echoed these sentiments. He said in a statement: “As the father of two teenage girls, I am extremely concerned about this kind of advertising which can demean people, particularly women, and make them ashamed of their bodies. It is high time it came to an end.

“Nobody should feel pressurised, while they travel on the tube or bus, into unrealistic expectations surrounding their bodies and I want to send a clear message to the advertising industry about this.”

(https://pbs.twimg.com/media/Ck0xNs5VAAAVsHO.jpg)
Preparadas para o novo traje de banho europeu?

Em resumo: imagens sensuais de mulheres podem transmitir a ideia delas como objeto de prazer dos homens, e isso é um absurdo. Logo, o governo deve simplesmente proibir anúncios com mulheres bonitas em poses sensuais, para proteger as adolescentes. As feministas fazem coro a essa repressão! Muçulmanos reacionários e feministas unidos em prol do moralismo puritano da era secular.

Deu nó na cabeça de alguns? Não deveria. É isso mesmo. A esquerda é incoerente, mas tem método. O politicamente correto é uma praga totalitária. O novo moralismo vem dos “progressistas”. E se, para tanto, eles tiverem que contar com a ajuda de muçulmanos que gostam de suas mulheres totalmente cobertas, então paciência.

Os “progressistas” pregam a sexualização cada vez mais precoce, e depois se juntam a muçulmanos para barrar simples propagandas com mulheres bonitas sem tanta roupa (sem burca?). Esqueçam os biquínis em locais públicos, moças! O Islã vem aí para “curar” essa pouca-vergonha ocidental. Será que as idiotas úteis que acreditaram nas feministas ficarão felizes com isso?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 08 de Agosto de 2016, 20:27:21
Essa "notícia" cheira a distorção sensacionalista racistóide de sites como esse Breitbart.

Em outras fontes parece que se trata especificamente de um banimento a essa campanha especificamente, duma mulher em forma e texto perguntando, "você está com o corpo pronto para a praia", que a esquerda "progressiva" enxerga como forma de envergonhar nocivamente a pessoas com sobrepeso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 08 de Agosto de 2016, 20:42:56
Acho que conservadores não gostam de mulher,  é algo que deixa os caras perturbados
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gabarito em 08 de Agosto de 2016, 20:43:48
Essa "notícia" cheira a distorção sensacionalista racistóide de sites como esse Breitbart.

Em outras fontes parece que se trata especificamente de um banimento a essa campanha especificamente, duma mulher em forma e texto perguntando, "você está com o corpo pronto para a praia", que a esquerda "progressiva" enxerga como forma de envergonhar nocivamente a pessoas com sobrepeso.

Bom fazer o contrapeso.
Eu não conheço o Breitbart nem fui pesquisar mais a fundo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 08 de Agosto de 2016, 21:13:04
Acho que conservadores não gostam de mulher,  é algo que deixa os caras perturbados

É só  analisar os religiosos. A palavra sexo causa pavor entre eles. Devem sofrer de uma mistura de Ginofobia e Sexofobia.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 08 de Agosto de 2016, 21:25:48
Os conservadores e religiosos (e algumas mulheres) colocam o sexo como algo muito mais 'significativo', intenso e 'coisa de outro mundo' do que é na realidade. Acho interessante isso.

Não vêem apenas como um pedaço de carne cheio de sangue sendo introduzido em um tubo de tecido recoberto com dobras, com certeza.  :hihi:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 08 de Agosto de 2016, 21:31:23
Tal reducionismo é apenas relativismo esquerdista para legitimar masturbação, prostituição, homossexualismo, pedofilia, zoofilia, necrofilia, etc, etc, etc.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 08 de Agosto de 2016, 21:45:23
Tal reducionismo é apenas relativismo esquerdista para legitimar masturbação, prostituição, homossexualismo, pedofilia, zoofilia, necrofilia, etc, etc, etc.

Pura verdade!

Quem disse que comer pelo cu e cagar pela boca não é o 'normal'? Quem nos impôs essa visão?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 22:11:12
Alguém tem algum número mostrando quantas muçulmanas europeias usam a burca? Ou mesmo o hijab?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 08 de Agosto de 2016, 22:28:33
Alguém tem algum número mostrando quantas muçulmanas europeias usam a burca? Ou mesmo o hijab?

Não achei, mas a proibição das mesmas na França causou revolta entre as muçulmanas.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/07/1479127-corte-europeia-confirma-lei-francesa-que-proibe-burca-em-locais-publicos.shtml

Não sei o quanto o islamismo influenciou nisso, mas até onde eu saiba as mulheres árabes não  usavam até o surgimento do islamismo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 22:50:34
Alguém tem algum número mostrando quantas muçulmanas europeias usam a burca? Ou mesmo o hijab?

Não achei, mas a proibição das mesmas na França causou revolta entre as muçulmanas.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/07/1479127-corte-europeia-confirma-lei-francesa-que-proibe-burca-em-locais-publicos.shtml

Não sei o quanto o islamismo influenciou nisso, mas até onde eu saiba as mulheres árabes não  usavam até o surgimento do islamismo.

Essa matéria que você trouxe diz que 2 mil dos 5 milhões de muçulmanos usam a burca (ou usavam). Quanto dá isso em porcentagem? 2mil de 2,5milhões de muçulmanas= 0,08%!!!!!!!11!!!!!!!!!!

Hijab não está proibido na França. Mas deve ser minoria também...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 08 de Agosto de 2016, 23:10:01
Holanda...

População muçulmana = 800 mil

Mulheres muçulmanas = 400 mil

Uso do véu que cobre o rosto = 300 pessoas

Porcentagem de muçulmanas que não cobrem o rosto = 99,925%!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Alguém aqui imaginava que era tão poucas mulheres que usavam esse véu que cobre o rosto.

Para quem não sabia, repita comigo:

fui acometido pela propaganda anti-islâmica tão comum da extrema-direita e estou tomado por uma imagem estereotipada dessas pessoas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 09 de Agosto de 2016, 00:48:47
O texto diz que cerca de 2.000 usam burcas ou véus que cobrem o rosto.

Seriam no caso a Burca:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/7e/Burqa_Afghanistan_01.jpg/200px-Burqa_Afghanistan_01.jpg)

E a Nicabe:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/07/Woman_in_niqab%2C_Aleppo_%282010%29.jpg/200px-Woman_in_niqab%2C_Aleppo_%282010%29.jpg)

Os véus comuns que não cobrem o rosto, como a mundialmente famosa Malala Yousafzai usa não devem constar nessa lista, pois só cobrem a cabeça e não o rosto:
(http://gate.ahram.org.eg/Media/News/2015/12/22/2015-635864060933396562-339_main.jpg)

 Você acha que somente 0,08% das muçulmanos usam o véu?  Sério? Realmente o Ultradirietismo do ocidente nos deixa cego.



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 09 de Agosto de 2016, 00:55:36
Tal reducionismo é apenas relativismo esquerdista para legitimar masturbação, prostituição, homossexualismo, pedofilia, zoofilia, necrofilia, etc, etc, etc.

Pura verdade!

Quem disse que comer pelo cu e cagar pela boca é o 'normal'? Quem nos impôs essa visão?

https://en.wikipedia.org/wiki/Red_Hot_Catholic_Love
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 09 de Agosto de 2016, 06:10:40
O texto diz que cerca de 2.000 usam burcas ou véus que cobrem o rosto.

Seriam no caso a Burca:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/7e/Burqa_Afghanistan_01.jpg/200px-Burqa_Afghanistan_01.jpg)

E a Nicabe:
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/07/Woman_in_niqab%2C_Aleppo_%282010%29.jpg/200px-Woman_in_niqab%2C_Aleppo_%282010%29.jpg)

Os véus comuns que não cobrem o rosto, como a mundialmente famosa Malala Yousafzai usa não devem constar nessa lista, pois só cobrem a cabeça e não o rosto:
(http://gate.ahram.org.eg/Media/News/2015/12/22/2015-635864060933396562-339_main.jpg)

 Você acha que somente 0,08% das muçulmanos usam o véu?  Sério? Realmente o Ultradirietismo do ocidente nos deixa cego.

Gauss, o que você  mostrou com esse post?

Estou dizendo apenas do véu que cobre o rosto. Quantas você pensava que cobria o rosto na Europa? Confessa, não era bem mais que 0,08%?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 09 de Agosto de 2016, 10:53:24


Gauss, o que você  mostrou com esse post?

Estou dizendo apenas do véu que cobre o rosto. Quantas você pensava que cobria o rosto na Europa? Confessa, não era bem mais que 0,08%?

Na verdade você perguntou o seguinte:

Alguém tem algum número mostrando quantas muçulmanas europeias usam a burca? Ou mesmo o hijab?

O véu entra no conceito de Hijab, não?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 09 de Agosto de 2016, 11:29:56


Gauss, o que você  mostrou com esse post?

Estou dizendo apenas do véu que cobre o rosto. Quantas você pensava que cobria o rosto na Europa? Confessa, não era bem mais que 0,08%?

Na verdade você perguntou o seguinte:

Alguém tem algum número mostrando quantas muçulmanas europeias usam a burca? Ou mesmo o hijab?

O véu entra no conceito de Hijab, não?


Sim, eu gostaria de saber também a estimativa de quantas pessoas usam o hijab. Mas o número que nós temos refere-se apenas ao véu que cobre o rosto. E afirmei que 0,08% usam o véu que cobre o rosto.

Estou curioso em saber qual a porcentagem que o povo aqui do CC imaginava que as mulheres usavam esse véu que cobre o rosto na Europa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 09 de Agosto de 2016, 11:46:26
Eu sempre soube que era uma minoria. Só na Arábia Saudita e no Afeganistão têm uma grande escala de uso se não me engano.

Já a Hijab com o  véu  tradicional na cabeça deve ser uma minoria em países como a Turquia(no passado pré-Erdogan laico), na Tunísia, na Bósnia ou no Líbano, países mais próximos do Ocidente. Mas uma maioria em outros países como Paquistão, Bangladesh, Indonésia, EAU, Qatar e outros.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 09 de Agosto de 2016, 12:03:36

Na Indonésia é minoria...

Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Hijab_by_country

The hijab is a relatively new phenomenon in Indonesia. Even before Western influence, most Indonesian women (especially Javanese) rarely covered their hair except when praying, and even then the hair was only loosely covered by a transparent cloth.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 09 de Agosto de 2016, 13:00:56
Risca da lista então. Países que tem forte influência ocidental geralmente não praticam muito a Hijab, pelo que estou lendo. São mais comuns em sociedades tribais como o Paquistão, Afeganistão, etc.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Rhyan em 09 de Agosto de 2016, 16:52:10
Ela tem 18 anos e encara a praia com roupa comprida por parceira muçulmana

Nada Meawad fez história ao lado de Doaa Elghobashy. Elas se tornaram a primeira dupla do Egito a disputar uma partida de vôlei de praia. As atenções das câmeras e do público ficaram quase todas em cima de Doaa, que usa o hijab, véu sobre a cabeça. Mas Nada, mesmo com os cabelos soltos, também merece atenção.

Ambas são muçulmanas, mas levam a vida seguindo preceitos diferentes do islamismo. Nada, que tem 18 anos, não se preocupa com as regras que impedem que ela mostre seu corpo no vôlei de praia. A garota usa biquíni e atua sem o hijab, o véu sobre a cabeça.

Mas, ela teve de se adaptar aos costumes de sua companheira, que faz o uso do véu e calça para atuar, para poder estar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. “Na verdade, nós temos que usar o mesmo tipo de roupa. É por isso que eu estou usando calças. Normalmente, eu posso usar uma camiseta e biquínis”, disse Nada depois da partida, lembrando que a Federação Internacional de Vôlei (Fivb) obriga que as duplas usam o mesmo traje.

O uso do véu não é uma obrigação das muçulmanas. Segundo Howyda Mondy, chefe da delegação do Egito, o uso é opcional e essa foi a escolha de Doaa.

REUTERS/Ruben Sprich
Doaa Elghobashy usa o hijab e cobre todo o corpo dentro e fora de quadra
imagem: REUTERS/Ruben Sprich
Nada não tem contato com a praia há muito tempo. São apenas três meses na modalidade. Ela nem conquistou a vaga para a Olimpíada do Rio de Janeiro. Foi na verdade convocada pelo Comitê Olímpíco do Egito, pois Doaa fazia dupla com Lamies Nossie na classificação.

Esse pouco entrosamento entre as atletas explica um pouco o sentimento delas depois da derrota por 2 a 0 para as alemãs Laura Ludwig e Kira Walkenhorst, por 2 a 0.

“Foi muito rápido o jogo, mas estamos felizes porque estamos em um dos melhores lugares do mundo para se jogar vôlei de praia. Pensamos que, por só jogarmos essa modalidade há um ano e meio, estamos orgulhosas. Se tivéssemos a mesma estrutura e condição do time alemão, teríamos ido melhor”, disse Doaa.

Apesar de terem entrado para a história, tanto Doaa como Nada não têm o futuro garantido no vôlei de praia. Ambas são atletas de quadra e ainda não decidiram se farão uma escolha ou se atuarão nas duas modalidades.

http://olimpiadas.uol.com.br/noticias/redacao/2016/08/08/ela-tem-18-anos-e-encara-a-praia-com-roupa-comprida-por-parceira-muculmana.htm
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 09 de Agosto de 2016, 18:06:54
Comentário de um internauta nesse link acima que o Libertário trouxe:

Citar
Robinson Pereira

Não vejo insanidade nenhuma. São culturas diferentes. Aqui no Ocidente compactuamos com uma cultura de exposição do corpo feminino de uma forma que nem sempre é iniciativa da mulher. O fato das mulheres terem se acostumado com essa exposição não as torna menos submissas. Estive em um país muçulmano e vi mulheres muçulmanas na praia, de short, de biquíni, mulheres andando nas ruas de calça jeans, nada dessa imagem que temos - deturpada - de como se comportam as mulheres nos países islâmicos. Engolimos essa imagem como se fosse assim com todas, da mesma forma como em outros países os estrangeiros acreditam em imagens deturpadas das mulheres daqui e acabam indo para a cadeia como os boxeadores de Marrocos e da Namíbia. Estereotipar está errado, de um lado quanto do outro.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 16 de Agosto de 2016, 08:39:02




POR QUE TEMOS MEDO DE OFENDER ISLÂMICOS?

Cristopher Hitchens

Extraído da revista Época
09/08/2007 - Edição nº 481


O site on faith (sobre fé) dedicou a semana passada a uma discussão sobre o islã. Como sempre, houve uma busca por versões “moderadas” dessa fé antes mesmo de a discussão começar. Se eu fosse muçulmano, essa seria a parte mais “ofensiva”. Por que eu deveria provar que minha crença mais profunda é compatível com moderação? Um muçulmano só precisa afirmar que existe um só Deus e que Maomé foi seu profeta, trazendo as palavras finais de Deus para a humanidade. Dessa forma, a crença islâmica é radical desde o início.



Nenhum ser humano pode afirmar com certeza que Deus existe. Está ainda mais além da capacidade cognitiva de qualquer pessoa afirmar sem problemas que o
senhor da criação disse suas palavras definitivas a um mercador analfabeto na Arábia do século VII. Quem alardeia acontecimentos fantásticos por definição não
tem idéia do que diz (e isso inclui quem afirma que Moisés abriu o Mar Vermelho ou que uma virgem ficou grávida).


Por que, então, deveríamos ser obrigados a “respeitar” os que insistem que só eles sabem algo que não se pode saber? E que, ainda por cima, pode se transformar em permissão para matar? Como de vez em quando desafio a propaganda islâmica publicamente, ouço que teria “insultado 1,5 bilhão de muçulmanos”. Há um tom de ameaça nessa afirmação. Não acho que Maomé tenha feito uma “viagem noturna” a Jerusalém em um cavalo alado. E não importa que 10 bilhões de pessoas digam o contrário. Mas uma ameaça real de violência está por trás da exigência dos muçulmanos por “respeito”.



Um estudante da Pace University, em Nova York, foi preso por crime de ódio porque jogou fora um Alcorão. Nada me causa mais repulsa que maltratar livros. Mas, se eu quiser cuspir sobre uma cópia dos escritos de Ayn Rand, Karl Marx ou James Joyce, é problema meu. Quando entro em um quarto de hotel e jogo pela janela a cópia não-solicitada da Bíblia ou do Livro dos Mórmons, não estou infringindo a lei, exceto talvez em relação ao lixo. Por que fazemos essa distinção para o Alcorão? Por medo. Porque os fanáticos por esse livro provaram mais de uma vez que falam sério quando o assunto é intimidação.



O incidente na Pace University é ainda mais absurdo se lembrarmos que os islâmicos são os atuais líderes no campeonato mundial de queima de livros. Depois dos rumores de que um Alcorão teria sido jogado na privada em Guantánamo, uma turba queimou uma biblioteca antiga no Afeganistão onde (como observou secamente o presidente Hamid Karzai) havia cópias antigas do mesmo livro. Não satisfeitos com incendiar cópias dos Versos Satânicos, linchadores islâmicos pediram que o autor, Salman Rushdie, também fosse queimado. Muitos autores, muçulmanos ou não, estão mortos ou escondidos por escrever sobre afirmações inacreditáveis do islã. E é para aplacar esse fanatismo que um estudante de Nova York foi preso.


É preciso acabar com isso. Quando vamos ver alguém ser preso por defender que livros sejam queimados em nome de Deus? Se a polícia realmente estiver interessada, posso ajudar a identificar pessoas que fizeram ameaças físicas contra a publicação nos Estados Unidos de umas charges dinamarquesas.


É comum dizer que a oposição ao jihadismo só aumenta o recrutamento. Se for verdade, funciona para os dois lados. Que tal lembrar aos islâmicos que sua política na Caxemira fez com que 1 bilhão de hindus se transformassem em inimigos?


Os inimigos da intolerância não podem ser tolerantes ou neutros sem fazer um convite ao próprio suicídio. Os que fazem apologia do fanatismo, da censura e do
assassinato suicida não podem se abrigar sob a sombra do pluralismo que estão abertamente tentando destruir.



http://www.rolim.com.br/2002/_pdfs/hitchens2pqofender.pdf















Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 16 de Agosto de 2016, 09:13:32
Por falar nisso, como é a produção científica e acadêmica no mundo islâmico?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 16 de Agosto de 2016, 10:48:22
Por falar nisso, como é a produção científica e acadêmica no mundo islâmico?

Parecido com a da América Latina e África cristã:

(http://hypescience.com/wp-content/uploads/2015/07/mapa-mundo-artigos-cient%C3%ADficos.png)
Se o mundo fosse mapeado de acordo com quantos trabalhos de investigação científica cada país produz, assumiria uma aparência bizarra e irregular.

http://hypescience.com/mapa-mundo-ciencia-producao-cientifica/

Mas já foi diferente: por que será?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Agosto de 2016, 00:08:43
Por falar nisso, como é a produção científica e acadêmica no mundo islâmico?

Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Al-Ghazali

Abū Ḥāmid Muḥammad ibn Muḥammad al-Ghazālī (/ɡæˈzɑːli/; Arabic: ابو حامد محمد ابن محمد الغزالي‎‎; c. 1058 – 18 December 1111), shortened as Al-Ghazali and known as Algazelus or Algazel to the Western medieval world, was a Muslim theologian, jurist, philosopher, and mystic of Persian descent.[14][15]

Al-Ghazali has been referred to by some historians as the single most influential Muslim after the Islamic prophet Muhammad.[16] Within Islamic civilization he is considered to be a Mujaddid or renewer of the faith, who, according to tradition, appears once every century to restore the faith of the community.[17][18][19] His works were so highly acclaimed by his contemporaries that al-Ghazali was awarded the honorific title "Proof of Islam" (Hujjat al-Islam).[1] Others have cited his opposition to certain strands of Islamic philosophy as a detriment to Islamic scientific progress.[20][page needed][21][better source needed]

...

Incoherence of the Philosophers[edit]
His 11th century book titled The Incoherence of the Philosophers marks a major turn in Islamic epistemology. The encounter with skepticism led al-Ghazali to embrace a form of theological occasionalism, or the belief that all causal events and interactions are not the product of material conjunctions but rather the immediate and present Will of God.

The Incoherence also marked a turning point in Islamic philosophy in its vehement rejections of Aristotle and Plato. The book took aim at the falasifa, a loosely defined group of Islamic philosophers from the 8th through the 11th centuries (most notable among them Avicenna and Al-Farabi) who drew intellectually upon the Ancient Greeks.

In the next century, Averroes drafted a lengthy rebuttal of al-Ghazali's Incoherence entitled The Incoherence of the Incoherence; however, the epistemological course of Islamic thought had already been set.[25] Al-Ghazali gave as an example of the illusion of independent laws of cause the fact that cotton burns when coming into contact with fire. While it might seem as though a natural law was at work, it happened each and every time only because God willed it to happen—the event was "a direct product of divine intervention as any more attention grabbing miracle". Averroes, by contrast insisted while God created the natural law, humans "could more usefully say that fire cause cotton to burn -- because creation had a pattern that they could discern." [26] [27][28]

...

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 17 de Agosto de 2016, 07:33:53
Por falar nisso, como é a produção científica e acadêmica no mundo islâmico?
Por falar nisso, como é a produção científica e acadêmica no mundo islâmico?



A sua pergunta foi muito genérica, o chamado mundo islâmico inclui desde países que (ainda) são laicos, com países não laicos  (e não democráticos, incluindo o mais ditatorial deles que é a rica Arábia Saudita ).

E a Arábia Saudita não é um país islâmico qualquer, além de ser um país (relativamente) rico é também o centro de propagação do wahabismo* no mundo (que é a raiz ideológica do ISIS).  E é praticamente um Estado Islãmico. 

Então se queremos saber  o que seria um mundo islâmico "pra valer", e também quisermos saber  sobre a produção científica em um estado islâmico  é interessante saber  sobre a educação científica na Arábia Saudita e a o conteúdo preciso da produção científica, e não uma estatística genérica sobre quantidade de artigos  num "mundo islâmico".


Sem falar que a Arábia Saudita  é amigona do grande irmão  (o que é mais um indicativo de sua  importância).


Decididamente não é um país islâmico (qualquer), é o país islâmico.


A Arábia Saudita é que realmente interessa.





*conf.  http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/bbc/2016-01-02/o-que-e-o-wahabismo-a-raiz-ideologica-do-estado-islamico.html



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 17 de Agosto de 2016, 08:27:26


Me refiro a qualidade da produção cientifica deles.

Nao vejo eles produzindo nada, patenteando nada, apenas comprando tudo e que são bons em áreas como engenharia civil e industria do petróleo

Um biólogo ou astrofísico muçulmano consegue se criar na academia ?

Ou o alto conselho Jedi para a defesa da fé vai riscar tudo nestas disciplinas que estejam contra a escritura?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 17 de Agosto de 2016, 08:38:46


Me refiro a qualidade da produção cientifica deles.

Nao vejo eles produzindo nada, patenteando nada, apenas comprando tudo e que são bons em áreas como engenharia civil e industria do petróleo

Um biólogo ou astrofísico muçulmano consegue se criar na academia ?

Ou o alto conselho Jedi para a defesa da fé vai riscar tudo nestas disciplinas que estejam contra a escritura?



Aqui você modificou de forma significativa a sua questão,  pois  produção científica  do "mundo islâmico"   é uma questão significativamente diferente  da produção científica de um muçulmano qualquer.   

Obviamente  nem todo muçulmano é wahabita (ou coisa semelhante), entretanto na Arábia Saudita quase todos os muçulmanos devem ser wahabitas.  Então  a possibilidade  do conjunto possível de  produção científica de um muçulmano na Arábia Saudita  sofrer interferências  da  religião ( e ter sido mais restrito por causa dela)  certamente é muito maior, do que a de um muçulmano na França (nascido e criado na França por pais não wahabitas).




Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 10:19:51


Me refiro a qualidade da produção cientifica deles.

Nao vejo eles produzindo nada, patenteando nada, apenas comprando tudo e que são bons em áreas como engenharia civil e industria do petróleo

Um biólogo ou astrofísico muçulmano consegue se criar na academia ?

Ou o alto conselho Jedi para a defesa da fé vai riscar tudo nestas disciplinas que estejam contra a escritura?

Esse alto conselho Jedi para defesa da fé tem atrapalhado também a América Latina e a África cristã também: que droga!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 17 de Agosto de 2016, 10:38:32


E a princípio, mesmo na Arábia Saudita pode haver áreas de produção científica em boa quantidade e qualidade,  pois mesmo uma vertente mais radical como o wahabismo não deverá ter conflitos com todas as áreas científicas,  provavelmente apenas algumas áreas poderão ser mais impactadas (de forma significativa) por crenças religiosas.  Para exemplificar uma área que certamente sofre esse impacto é o da biologia evolutiva. Outra área provável de sofrer interferência é a cosmologia.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 17 de Agosto de 2016, 10:45:06


Abaixo segue um exemplo que mostra haver, sim,  áreas  com boas  pesquisas científicas  até na  radical Arábia Saudita:


Capacitando a descoberta: O novo Shaheen XC40 da KAUST ocupa o sétimo lugar na classificação dos dez melhores supercomputadores do mundo



THUWAL, Arábia Saudita, 13 de julho de 2015 /PRNewswire/ -- O Shaheen XC40, o novo sistema Cray da KAUST - King Abdullah University of Science and Technology (Universidade de Ciência e Tecnologia Rei Abdullah) é o sétimo supercomputador mais rápido do mundo, de acordo com a lista TOP500 divulgada hoje na International Supercomputing Conference (Conferência Internacional de Supercomputação) em Frankfurt, Alemanha.


Para visualizar o comunicado para a imprensa em multimídia, clique aqui:

http://www.multivu.com/players/English/7572551-kaust-shaheen-XC40-supercomputer/ "O Shaheen XC40 reafirma o compromisso da KAUST capacitando nossos pesquisadores e parceiros com recursos de computação de alto desempenho", disse Jean-Lou Chameau, Presidente da KAUST. "Ele vai aprimorar ainda mais nossa educação e esforços de pesquisa e apoiar nossa visão de sermos um destino para o talento e causarmos impacto global na ciência e
na tecnologia".


O predecessor do Shaheen XC40, um sistema Blue Gene/P chamado Shaheen, é um sistema IBM em uso desde a inauguração da KAUST em 2009. O primeiro Shaheen foi usado em uma vasta série de campos desde modelagem do clima global e investigação de plasmoides causados por vento solar até modelagem de reservas petróleo e bioinformáticas de plantas tolerantes ao sal e à seca.


Supercomputação para colaboração e impacto nacional


Uma série de instituições sauditas usa o sistema Shaheen da KAUST e devem continuar a acelerar suas pesquisas no Shaheen XC40 atualizado. Organizações tais como King Fahd University of Petroleum and Minerals (Universidade de Petróleo e Minerais Rei Fahd), King Saud University (Universidade Rei Saud), King Abdulaziz University (Universidade Rei Abdulaziz) e KACST - King Abdulaziz City for Science and Technology (Cidade da Ciência e Tecnologia Rei Abdulaziz) já utilizam as capacidades de supercomputação da KAUST para desenvolver seu trabalho e examinar novos campos de pesquisa, contribuindo ainda mais para a diversificação econômica da Arábia Saudita.


A indústria petroquímica da nação também continua a ser um dos grandes usuários da HPC – high performance computing (computação de alto desempenho) na região, com companhias tais como a Saudi Aramco e Saudi Basic Industries Corporation (SABIC) usando os recursos de supercomputação da KAUST para melhorar seus negócios de petróleo e gás e na pesquisa química e de catálise química.


"O sistema Shaheen XC40 contribuirá para a melhoria das principais indústrias da Arábia Saudita e facilitará a transição da nação na direção de uma economia baseada no conhecimento", disse Jean M. Fréchet, Vice-Presidente de Pesquisa da KAUST. "O impacto de investimentos tais como o Shaheen e o Shaheen XC40 vai além da HPC e atinge todas as áreas da ciência. A KAUST oferece suas instalações e excepcional especialização científica para ajudar a fortalecer a posição da Arábia Saudita como um centro de rápido crescimento para a pesquisa e a inovação".

Sobre a KAUST

A KAUST - King Abdullah University of Science and Technology – (Universidade de Ciência e Tecnologia Rei Abdullah) é uma universidade internacional de nível de graduação localizada à beira do Mar Vermelho na Arábia Saudita. A KAUST se dedica ao progresso da ciência e tecnologia através da pesquisa, educação e inovação transdisciplinar. http://www.kaust.edu.sa 



http://www.multivu.com/players/English/7572551-kaust-shaheen-XC40-supercomputer/links/7572551-LT-Portuguese.pdf   



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 17 de Agosto de 2016, 13:51:17
É fui preconceituoso nessa, admito, achava que a unica produção tecnológica/cientifica dos caras era a de burkas com wi-fi ou pedras teleguiadas e que o resto eles compram com os infiéis do ocidente hedonista.  :(
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Agosto de 2016, 15:38:15


Me refiro a qualidade da produção cientifica deles.

Nao vejo eles produzindo nada, patenteando nada, apenas comprando tudo e que são bons em áreas como engenharia civil e industria do petróleo

Um biólogo ou astrofísico muçulmano consegue se criar na academia ?

Ou o alto conselho Jedi para a defesa da fé vai riscar tudo nestas disciplinas que estejam contra a escritura?

Esse alto conselho Jedi para defesa da fé tem atrapalhado também a América Latina e a África cristã também: que droga!

Como fica a produção científica proporcional ao PIB? Os países muçulmanos ricos ainda são proporcionais aos países mais lenientes a interpretações religiosas moderadas e ao naturalismo?



(http://4.bp.blogspot.com/-YbABVCZzKIg/UBA-aSPD8cI/AAAAAAAAABc/iKPALZl5VEI/s800/GDPQ.jpg)

Produção científica de impacto:

(http://www.scimagolab.com/blog/wp-content/uploads/2011/05/wo1-1024x544.png)

http://www.scimagolab.com/blog/2011/scientific-excellence-georeferenced-the-neighborhood-matters/


(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/80/Islam_attitudes.png/600px-Islam_attitudes.png)

(https://knowyourstat.files.wordpress.com/2012/05/wvsreligaffil_2005-20083.jpg)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 17 de Agosto de 2016, 16:29:34


O Buckaroo é o Rei dos Gráficos.   


                                               :rei:     


   :louva:   :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva:






Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 17 de Agosto de 2016, 17:55:13
Citação de: Pasteur

Mas já foi diferente: por que será?

Provavelmente porque no início a cultura pré-islâmica predominava entre os povos conquistados (persas, judeus, hindus, gregos, etc), e a "arabização" ou mesmo "islamização" plena dessas sociedades levou séculos para ser completada.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Agosto de 2016, 18:06:20
https://www.youtube.com/v/Fl1nJC3lvFs

Mike Neil DeGrasse Tyson - The Intellectual Collapse of Islam


https://www.theguardian.com/commentisfree/belief/2009/nov/27/islam-science-ghazali
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 20:32:48


Me refiro a qualidade da produção cientifica deles.

Nao vejo eles produzindo nada, patenteando nada, apenas comprando tudo e que são bons em áreas como engenharia civil e industria do petróleo

Um biólogo ou astrofísico muçulmano consegue se criar na academia ?

Ou o alto conselho Jedi para a defesa da fé vai riscar tudo nestas disciplinas que estejam contra a escritura?

Esse alto conselho Jedi para defesa da fé tem atrapalhado também a América Latina e a África cristã também: que droga!

Como fica a produção científica proporcional ao PIB? Os países muçulmanos ricos ainda são proporcionais aos países mais lenientes a interpretações religiosas moderadas e ao naturalismo?

(http://4.bp.blogspot.com/-YbABVCZzKIg/UBA-aSPD8cI/AAAAAAAAABc/iKPALZl5VEI/s800/GDPQ.jpg)


Humm, não sei se essa foi uma boa estratégia sua de distração: Luxemburgo está atrás até do Egito em produção científica...  :no:

http://www.nature.com/nature/journal/v522/n7556_supp/fig_tab/522S34a_T1.html
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 20:35:31

Produção científica de impacto:

(http://www.scimagolab.com/blog/wp-content/uploads/2011/05/wo1-1024x544.png)


Sem novidades, esse gráfico tem mensagem semelhante a esse:

(http://hypescience.com/wp-content/uploads/2015/07/mapa-mundo-artigos-cient%C3%ADficos.png)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 20:39:02


O Buckaroo é o Rei dos Gráficos.   


                                               :rei:     


   :louva:   :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva: :louva:

Pensei que ele iria me explicar por que a América Latina e a África Cristã são raquíticas em produção científica... :sleepy:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 20:40:48
Citação de: Pasteur

Mas já foi diferente: por que será?

Provavelmente porque no início a cultura pré-islâmica predominava entre os povos conquistados (persas, judeus, hindus, gregos, etc), e a "arabização" ou mesmo "islamização" plena dessas sociedades levou séculos para ser completada.

Mas a era de ouro da ciência no Islã superou o Ocidente em produção científica: as invasões externas devem ter minado o progresso da região.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Agosto de 2016, 20:48:14
Conforme coloquei na mesma mensagem, acho a defasagem dos países islâmicos não é tão equiparável a essa quando se considera também o PIB.

Mas deve haver uma correlação negativa com qualquer religião, com alta religiosidade, muito embora o islâ pareça ser mesmo inerentemente mais afetado devido a essa influência anti-científica de Al-Gazali, segundo em influência depois de Maomé. Tal como seriam sub-divisões do cristianismo mais medievalescas.

https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_attitudes_towards_science


Humm, não sei se essa foi uma boa estratégia sua de distração: Luxemburgo está atrás até do Egito em produção científica...  :no:

http://www.nature.com/nature/journal/v522/n7556_supp/fig_tab/522S34a_T1.html

Luxemburgo é cherry-picking por definição, e o Egito é um dos países islâmicos com maior número de não-religiosos. O ranking que você usou ainda considera quantidade.




Citação de: Pasteur

Mas já foi diferente: por que será?

Provavelmente porque no início a cultura pré-islâmica predominava entre os povos conquistados (persas, judeus, hindus, gregos, etc), e a "arabização" ou mesmo "islamização" plena dessas sociedades levou séculos para ser completada.

Mas a era de ouro da ciência no Islã superou o Ocidente em produção científica: as invasões externas devem ter minado o progresso da região.

Acho que de modo geral não houve tanta produção científica quanto os apologistas gostam de afirmar, mas mais assimilação do que já existia. Exemplo clássico são os algarismos árabes, que são na verdade indianos.




Citar
Islam and science
The road to renewal

After centuries of stagnation science is making a comeback in the Islamic world



http://www.economist.com/news/international/21570677-after-centuries-stagnation-science-making-comeback-islamic-world-road

THE sleep has been long and deep. In 2005 Harvard University produced more scientific papers than 17 Arabic-speaking countries combined. The world’s 1.6 billion Muslims have produced only two Nobel laureates in chemistry and physics. Both moved to the West: the only living one, the chemist Ahmed Hassan Zewail, is at the California Institute of Technology. By contrast Jews, outnumbered 100 to one by Muslims, have won 79. The 57 countries in the Organisation of the Islamic Conference spend a puny 0.81% of GDP on research and development, about a third of the world average. America, which has the world’s biggest science budget, spends 2.9%; Israel lavishes 4.4%.

Many blame Islam’s supposed innate hostility to science. Some universities seem keener on prayer than study. Quaid-i-Azam University in Islamabad, for example, has three mosques on campus, with a fourth planned, but no bookshop. Rote learning rather than critical thinking is the hallmark of higher education in many countries. The Saudi government supports books for Islamic schools such as “The Unchallengeable Miracles of the Qur’an: The Facts That Can’t Be Denied By Science” suggesting an inherent conflict between belief and reason.

[...]

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Agosto de 2016, 23:43:32
A esperança de uma explicação é a última que morre: por que a AL e África Cristã produzem pouco e quase não ganharam prêmios nobels? Peçam ajuda para Neil DeGrasse Tyson. Quem sabe ele se saia melhor do que no campo dele...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 17 de Agosto de 2016, 23:55:23
A esperança de uma explicação é a última que morre: por que a AL e África Cristã produzem pouco e quase não ganharam prêmios nobels? Peçam ajuda para Neil DeGrasse Tyson. Quem sabe ele se saia melhor do que no campo dele...

Não é tão pouco Nobel assim...
https://pt.wikipedia.org/wiki/Laureados_com_o_Nobel_por_pa%C3%ADs

É pouco se compararmos com os países de primeiro mundo.

A AL produz mais artigos científicos que o OM. O Brasil é o 15º país que mais produz. O primeiro país islâmico que mais produz é a laica(até bem pouco tempo atrás) Turquia. O Irã,que tem um controverso programa nuclear, também está bem no ranking em 22º. É importante frisar que o Brasil produz muito mais que esses dois países e somente somando que os dois passam o  Brasil.
http://www.scimagojr.com/countryrank.php

OM:
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Middle%20East
AL(praticamente o Brasil leva nas costas):
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Latin%20America
África(África do Sul produz praticamente mais que os islâmicos juntos):
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Africa

Os melhores países para a ciência:
http://www.scientificamerican.com/article/the-worlds-best-countries-science/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 18 de Agosto de 2016, 00:05:24
A esperança de uma explicação é a última que morre: por que a AL e África Cristã produzem pouco e quase não ganharam prêmios nobels? Peçam ajuda para Neil DeGrasse Tyson. Quem sabe ele se saia melhor do que no campo dele...

Não é tão pouco Nobel assim...
https://pt.wikipedia.org/wiki/Laureados_com_o_Nobel_por_pa%C3%ADs

É pouco se compararmos com os países de primeiro mundo.

A AL produz mais artigos científicos que o OM. O Brasil é o 15º país que mais produz. O primeiro país islâmico que mais produz é a laica(até bem pouco tempo atrás) Turquia. O Irã,que tem um controverso programa nuclear, também está bem no ranking em 22º. É importante frisar que o Brasil produz muito mais que esses dois países e somente somando que os dois passam o  Brasil.
http://www.scimagojr.com/countryrank.php

OM:
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Middle%20East
AL(praticamente o Brasil leva nas costas):
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Latin%20America
África(África do Sul produz praticamente mais que os islâmicos juntos):
http://www.scimagojr.com/countryrank.php?region=Africa

Os melhores países para a ciência:
http://www.scientificamerican.com/article/the-worlds-best-countries-science/

O país com o maior número de católicos do mundo nunca ganhou um nobel! Qual seria a explicação??  :stunned:

Pau que bate em...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 18 de Agosto de 2016, 00:18:46
O país com o maior número de católicos do mundo nunca ganhou um nobel! Qual seria a explicação??  :stunned:

Pau que bate em...

O país mais protestante do mundo é o que mais venceu. A diferença é que apesar do cristianismo ser nocivo para a ciência,no Ocidente existe um conceito chamado secularismo e toda uma cultura que se desenvolveu em torno de ideias básicas de liberdade que não é visto em muitos países islâmicos. Creio que deva ser cultural, pois a maioria dos muçulmanos que vão  viver em países ocidentais se integram relativamente bem a cultura local e tornam-se legítimos cidadãos destes países. Se vão viver no Brasil então, nem se fala.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Agosto de 2016, 00:49:29
Tudo bem, Pasteur, religiosidade não é associada a rejeição à ciência (e se isso existisse, seria homogêneo por todas religiões, homogêneas em todos atributos, e sempre benignas) e isso evidentemente então não afeta a produção científica dos países, cuja variação só se deve a outras razões. Como nacionalismo.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 19 de Agosto de 2016, 20:01:40
Citar
Alemanha dá primeiro passo rumo à proibição parcial da burca (http://correiodopovo.com.br/Noticias/Internacional/2016/08/595507/Alemanha-da-primeiro-passo-rumo-a-proibicao-parcial-da-burca)

Ministro do interior defendeu "mostrar o rosto" ao volante, em escolas, serviços públicos e tribunais

O ministro do Interior alemão pediu nesta sexta-feira uma proibição parcial da burca, num momento em que a integração está no centro do debate político após dois ataques terroristas em julho e antes de importantes eleições regionais.

"Estamos de acordo em rejeitar a burca, estamos de acordo que também queremos introduzir legalmente a obrigação de mostrar o rosto onde for necessário para nossa sociedade: ao volante, nos processos administrativos (...) nas escolas e nas universidades, nos serviços públicos, ante os tribunais", disse Thomas de Maizière em declarações à rede de televisão ZDF. De Maizière sustentou que um véu inteiro não é compatível com "uma sociedade cosmopolita".

"Queremos mostrar nossos rostos uns aos outros e esta é a razão pela qual concordamos em rejeitar isso, agora a questão é como traduzimos isso em uma lei", disse. Esta proposta ocorre num momento em que há uma polêmica na França pela decisão de vários prefeitos de proibir o burkini, traje de banho que cobre a mulher da cabeça aos tornozelos. De Maizière defendeu uma proibição parcial da burca, enquanto setores mais duros do partido da chanceler Angela Merkel, a União Democrata Cristã, apoiam uma proibição total.

A proibição parcial provavelmente ganharia apoios no Parlamento, sustentou o ministro, que na semana passada havia dito que uma proibição total do véu seria, em sua opinião, inconstitucional. No entanto, não estabeleceu um calendário para introduzir esta proibição, que foi defendida há tempos pelos conservadores, mas que não conta com a adesão dos sociais-democratas (SPD), sócios de Merkel no governo. "Vamos etapa por etapa, mas acredito que muitas coisas podem ser aprovadas", disse.

Após uma série de ataques em julho, alguns dos quais reivindicados pelo grupo Estado Islâmico (EI), o ministro anunciou no dia 11 de agosto uma série de medidas para reforçar a segurança no país. Tanto o ministro do Interior quanto a chanceler Merkel reiteraram nos últimos dias que o véu integral não é um problema de segurança, mas uma barreira para a integração. "Do meu ponto de vista, uma mulher com véu integral não tem quase nenhuma oportunidade de se integrar", disse Merkel em uma entrevista publicada nesta sexta-feira em um jornal regional.

Duas eleições

A postura que De Maizière defende agora representa uma concessão à ala mais conservadora, quando se aproximam duas eleições em Estados chave no próximo mês, em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e em Berlim, num momento em que o partido de extrema-direita populista Alternativa para a Alemanha (AfD) está posicionado para ter um avanço importante.

A Alemanha, que acolheu mais de um milhão de refugiados em 2015, ficou abalada em julho pelo ataque com um machado cometido em um trem por um adolescente de 17 anos, provavelmente afegão, que deixou cinco feridos, e por um atentado lançado por um suicida que feriu 15 pessoas nas imediações de um festival de música.

Atingida pelas críticas e enfrentando uma queda de popularidade, Merkel disse que a ameaça terrorista não tem relação com sua política de abertura aos demandantes de asilo. "O fenômeno do terrorismo islamita do EI não é um fenômeno que tenha chegado até nós com os refugiados, era algo que já existia", declarou em um comício.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 19 de Agosto de 2016, 20:16:27
Acho bom! Esses 0,08% que usam burca fazem muita propaganda negativa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Agosto de 2016, 11:01:23
Citar
http://www.theaustralian.com.au/news/inquirer/indonesia-trying-to-keep-a-lid-on-terror/news-story/50e2ecb28d1d788391059cbf43572b18

...

The biggest stumbling block for Islamic State so far is that its form of extremist Sunni Wahhabism has struggled to take root in Indonesia’s secular democracy, where the state ideology, Pancasila, recognises six official religions, not just Islam. When Islamic State declared its self-proclaimed caliphate in the Middle East in mid-2014, imams in Indonesia’s mosques were quick to criticise the behaviours of the terror group as being incompatible with Islam.

The IIPB’s Taufik says moderates continue to be the dominant force in Indonesian Islam but he worries the balance is shifting and there is a “rising of conservatism in Islam in Indonesia”.

The Arab influence in Indonesian Islam has grown as a result of a concerted campaign from mostly Saudi Sunnis to fund school mosques and imams in Indonesia. Six satellite TV stations promote Wahhabi teachings around the clock. More women now wear the hijab in Indonesia than they once did. This is a battle of ideologies that will shape Indonesian Islam into the future even if, for now, the moderates still retain the upper hand.

Even so, the rise of Islamic State has revitalised jihadist networks in Indonesia, including ones that have been largely dormant since the spate of major attacks against Australians and other westerners in the 2000s beginning with the Bali bombing in 2002 and ending with the 2009 attacks on the Ritz-Carlton and JW Marriott hotels.

But the impact of this revitalisation has been diluted by a rift between Indonesia’s formerly dominant terror group, Jemaah ­Islamiah, which carried out the Bali bombings, and the newcomer in Islamic State. This rift has slowed down the ability of Islamic State to tap into Indonesia’s jihadist base, despite the high-profile defection of former JI spiritual leader Abu Bakar Bashir to Islamic State.

...

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Agosto de 2016, 14:41:47
Povo sempre tentando linkar terrorismo com religião. O Wahhabismo/Salafismo é apenas e tão somente um ramo mais conservador do Islã. Não confundir conservadorismo religioso islâmico com terrorismo. Acho que o Buckaroo mesmo já tinha dito não ter visto  tanta religiosidade em terroristas...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Agosto de 2016, 14:47:30
Acho que não. O que devo ter dito é que há religiosidade mais e menos associada ao terrorismo/belicismo. Mas é algo absolutamente indissociável no discurso jihadista/sacro-bélico.

A dissociação é apenas negação da realidade, do discurso declarado, imaginado como sendo uma "farsa" de não-crentes, baseando-se mito da "religião verdadeira".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Agosto de 2016, 15:30:47
A maior parte dos terroristas islâmicos são altamente religiosos ou não?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Agosto de 2016, 17:34:33
Não tenho conhecimento das leituras de "religiômetros" comparativas.

O que me lembro de já ter lido é que são comumente aliciados por "imãs das ruas", fora dos centros religiosos tradicionais, não completamente contaminados. Eles no entanto podem tentar converter a familiares e etc, para o seu extremismo.

A mim isso parece um nível de religiosidade no mínimo "médio-alto", não é uma prática religiosa "periférica" à vida do indivíduo, e é também tema central dos grupos jihadistas, comumente citando a religião já em seus nomes e bandeiras, não sendo grupos seculares, com objetivos seculares, que calham de ter maioria de uma religião. Num dos casos mais inesperadamente chocantes, não por violência, mas pelo resultado, um menino pequeno que esteve em mãos do EI, retorna â família, ou, é recuperado, mas menciona ao vivo para a reportagem, para choque da própria mãe, que o EI está certo, eles são os verdadeiros defensores do islã.

Apologistas tentam forçar dissociação dizendo que segundo alguém, os terroristas comumente não teriam "conhecimento profundo" sobre religião; a mim isso é equivalente a dizer que neonazistas violentos não têm conhecimentos profundos sobre literatura anti-semita, cultura européia, biologia, e política, ou outros equivalentes para radicais ecologistas, comunistas, de outras religiões/cultos, etc (o quer que não fosse ser prontamente desconsiderado por um pseudo "reductio ad Hitlerium"), não sendo todos verdadeiramente estudiosos profundos das causas pelas quais lutam.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 24 de Agosto de 2016, 18:13:14

A maior parte dos terroristas muçulmanos não são altamente religiosos, diga-se de passagem.


And now?

Esse Wahhabismo tá esquisito!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Agosto de 2016, 18:21:40
Citar
Citar
A maior parte dos terroristas muçulmanos não são altamente religiosos, diga-se de passagem.

Contudo, eles geralmente costumam ser recém-convertidos ou recém-aderentes a grupos político-religiosos, não?

Não me lembro. Acho que algo assim. Algo no sentido de que é mais provável estarem tramando algum plano terrorista com um grupinho fechado, depois de jogar futebol do que numa mesquita, junto com o imam, a família, e todos os outros freqüentadores.


"Não ser altamente religioso" não é realmente a melhor maneira de expressar isso. Seria mais adequado apenas a ênfase de estarem saindo de uma vertente principal para uma periférica, e poderem não ser contra coisas como jogar futebol, que poderíamos imaginar ir contra estereótipos de religiosidade estrita.







https://www.theguardian.com/world/2016/aug/24/french-police-make-woman-remove-burkini-on-nice-beach

Baniram até "burkini"? O que estão esperando, que vão passar de ultra-conservadores a top-lessers liberais na base da canetada?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 25 de Agosto de 2016, 10:55:56

https://www.theguardian.com/world/2016/aug/24/french-police-make-woman-remove-burkini-on-nice-beach

Baniram até "burkini"? O que estão esperando, que vão passar de ultra-conservadores a top-lessers liberais na base da canetada?

Citar
(https://static01.nyt.com/images/2016/08/25/world/25burkini-web/25burkini-web-master768.jpg)

Secularismo?


Citar
(http://og.infg.com.br/in/19957416-d8c-908/FT1086A/420/freirass2.jpg)

Vão multá-las também?



Citar
(https://pbs.twimg.com/media/CqnGiyNW8AA3_fk.jpg:large)

Pode isso Arnaldo?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 25 de Agosto de 2016, 14:14:42
(https://static01.nyt.com/images/2016/08/25/world/25burkini-web/25burkini-web-master768.jpg)

Richard Dawkins assistindo a coisa, satisfeito, ao fundo, no centro da foto.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: El Elyon em 26 de Agosto de 2016, 01:00:52
Citar
Secularismo?

Sim, mais especificamente, laicité. Existem diversas maneiras de ser secularista, e algumas delas são abertamente antirreligiosas (vide ateísmo estatal em na antiga URSS) ou com certas características que são próximas disso (kemalismo turco e laicité francesa - ambas tentam suprimir manifestações de religiosidade no "espaço público"). Também tem fortes elementos de assimilacionismo/supremacia cultural.

Citar
Vão multá-las também?

Não ficaria tão surpreso se fossem - mas não apostaria muito nisso.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Fernando Silva em 05 de Setembro de 2016, 13:39:34
Não sei se já postaram: um comparativo no mapa entre as 548 batalhas travadas pela jihad islâmica (200 só na Espanha / Portugal) e as relativamente poucas durante as "terríveis" cruzadas.

https://www.facebook.com/batmancadevc/videos/1776586432597620/

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 05 de Setembro de 2016, 18:50:32
Os bizantinos, povos do báltico e eslavos sofreram mais nas mãos dos cruzados que os próprios muculmanos
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Setembro de 2016, 17:57:50
(http://67.media.tumblr.com/80e9d0f51a30bd1a632dd9439d8cdc62/tumblr_mkure7zQgW1qi4d1uo1_540.jpg)

(http://67.media.tumblr.com/b71927f7e3f0cce23ec93a2e8873e67a/tumblr_mkure7zQgW1qi4d1uo3_540.jpg)

http://heaveniswheremyheartis.tumblr.com/post/47306605052/photographs-courtesy-of-the-alif-laam


Curioso que não haja mulheres entre eles aí na foto.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 17 de Setembro de 2016, 18:24:28
Tem uma de hijab amarelo lá atrás.  :)

Esse é um ato de quem poderia cometer violência contra as mulheres: homens.
 
Já achou algum pelo em ovo :?:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Setembro de 2016, 15:54:00
Você não consegue não ser defensivo em momento algum? É evidente a diferença com os mais comuns, protestos não-muçulmanos, contra a violência doméstica e a favor dos direitos das mulheres, que costumam ter uma composição preponderantemente feminina, ou muito mais próxima de 50% quando não for. Que além disso, são também mais comuns e mais volumosos, em vez de uns cinco caras com duas placas. Já pensou como seria a imagem do islã se esses protestos fossem mais parecidos com os não-muçulmanos e mais comuns do que aqueles com muito mais homens dizendo que tem que matar todo mundo e submeter todos ao islã?

Também é engraçado se pensar que, a lei de xária poderia também ser dita ser "a favor dos direitos da mulher" (o que quer que o corão defina assim) e "contra a violência doméstica" (novamente, como quer que seja abordado em variações de lei de xária).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Skorpios em 26 de Setembro de 2016, 07:01:56
Não tem muito a ver com o "perigo islâmico", mas vai aqui mesmo.

Citar
Escritor jordaniano é morto após "insulto ao islã" (http://www.dw.com/pt-br/escritor-jordaniano-%C3%A9-morto-ap%C3%B3s-insulto-ao-isl%C3%A3/a-35886786)

Controverso autor Nahed Hattar é alvejado em frente a tribunal. Ele seria julgado por "provocar conflito sectário" em razão de caricatura que criticava religiosidade distorcida do "Estado Islâmico".

O escritor jordaniano Nahed Hattar, que se tornou centro de controvérsias após publicar uma caricatura considerada blasfema pelo islã, foi assassinado neste domingo (25/09) em Amã, em frente ao tribunal onde seria julgado.

Ao chegar ao Palácio da Justiça, onde responderia pela acusação de "provocar o conflito sectário e insultar os sentimentos e crenças religiosas", Hattar foi alvejado com três tiros.

A imprensa jordaniana identificou o autor dos disparos como Riad Abdullah, um imã de uma mesquita local, com idade acima dos 40 anos. Sua motivação teria sido o ódio ao autor em razão do cartum polêmico.

A caricatura, publicada na página de Hattar no Facebook, retratava um muçulmano no paraíso, deitado com duas mulheres, pedindo que Alá lhe servisse vinho e castanhas.

O escritor de 55 anos chegou a ser preso em agosto passado, sendo libertado mais tarde após pagamento de fiança. Seus familiares dizem que a caricatura queria ilustrar o que Hattar classificava de visão religiosa distorcida do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

Figura controversa

O governo da Jordânia condenou o crime. Um porta-voz de Amã informou que o assassino está sob custódia e será "duramente castigado". "Confiamos plenamente que nossa Justiça e nossos aparatos de segurança aplicarão um justo castigo ao criminoso que cometeu esse crime horrível", disse.

A Frente de Ação Islâmica, braço político do grupo Irmandade Muçulmana, criticou aqueles que decidem fazer justiça com as próprias mãos e pediu que o assassinato não acirre as tensões entre muçulmanos e cristãos.

Hattar era uma figura controversa na Jordânia. Há alguns anos ele alegou ter sido preso e torturado várias vezes pelo regime do antigo rei Hussein, em razão dos textos críticos que escrevia. Cristão de nascimento, ele se dizia ateu. Era um forte defensor do presidente sírio, Bashar al-Assad, e crítico do "Estado Islâmico" e da Al Qaeda.

RC/efe/ap
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Setembro de 2016, 08:17:39
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 09:11:54
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.

O islamismo é a única religião "gostosona" que pode limitar a liberdade de expressão alheia?

Fazer o que terroristas querem é incentivar novos e mais audaciosos atos.

Se você der a mão, logo vão pedir o pé e mais tarde o corpo inteiro.




Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Setembro de 2016, 09:34:55
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.

O islamismo é a única religião "gostosona" que pode limitar a liberdade de expressão alheia?

Fazer o que terroristas querem é incentivar novos e mais audaciosos atos.

Se você der a mão, logo vão pedir o pé e mais tarde o corpo inteiro.

Ok, total apoio, vai lá no Afeganistão nas cercanias do Talibã dizer que Maomé é troxa!

Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

 :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 10:51:59
Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

Se eu fizer isso, o que acontecerá comigo? Levarei 3 tiros do pastor?

 :hein:




Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Setembro de 2016, 10:57:46
Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

Se eu fizer isso, o que acontecerá comigo? Levarei 3 tiros do pastor?

 :hein:

Talvez... ou possivelmente de algum outro fiel, mas mais provavelmente será linchado.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 26 de Setembro de 2016, 11:12:39
Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

Se eu fizer isso, o que acontecerá comigo? Levarei 3 tiros do pastor?

 :hein:

Talvez... ou possivelmente de algum outro fiel, mas mais provavelmente será linchado.

Vai tomar uma cacetada de bíblias voadoras.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 12:56:23
Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

Se eu fizer isso, o que acontecerá comigo? Levarei 3 tiros do pastor?

 :hein:

Talvez... ou possivelmente de algum outro fiel, mas mais provavelmente será linchado.

Não acho impossível ser linchado dentro de uma igreja evangélica, mas é MUITO improvável.

O desfecho mais comum seria a pessoa ser "contida" e o pastor tentar fazer exorcismo enquanto a polícia é acionada para prender por perturbação de cerimônia religiosa ou levar ao hospício.

E de qualquer forma, a vítima do clérigo islâmico não perturbou nenhuma cerimônia religiosa, apenas fez umas caricaturas.

Pergunto: se eu fizer uma caricatura zombando de Jesus, o que aconteceria comigo?  :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 26 de Setembro de 2016, 13:08:43
Pergunto: se eu fizer uma caricatura zombando de Jesus, o que aconteceria comigo?  :hein:
Vai ter câncer.
(https://scontent-grt2-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13895511_1131046080290646_8709443783386895529_n.jpg?oh=a6d4b43bbe278aa4cafd2e1815dc1aac&oe=5883E937)
(Imagina uma montagem assim do Maomé).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 13:15:47
Acho curioso esse auto-engano do Pasteur, sugerindo que o islamismo e cristianismo hoje estão no mesmo patamar de violência e obscurantismo.

Ele acredita realmente nisso ou está apenas 'militando'?

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Setembro de 2016, 14:37:42
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.

O islamismo é a única religião "gostosona" que pode limitar a liberdade de expressão alheia?

Fazer o que terroristas querem é incentivar novos e mais audaciosos atos.

Se você der a mão, logo vão pedir o pé e mais tarde o corpo inteiro.



Você entra em academia de jiu-jitsu e quartéis de quadrilhas para chamar todo mundo de viadinho, só por princípios de liberdade de expressão? :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 26 de Setembro de 2016, 14:48:37
Pergunto: se eu fizer uma caricatura zombando de Jesus, o que aconteceria comigo?  :hein:

Se você fizer uma caricatura num jornal local com muitos moradores evangélicos que te conhecem, sabem onde você mora, aposto que você não ficaria tranquilo....

Queria ver você fazer isso num daqueles países da África subsaariana...

Acho curioso esse auto-engano do Pasteur, sugerindo que o islamismo e cristianismo hoje estão no mesmo patamar de violência e obscurantismo.

Compare muçulmanos com renda per capta alta com cristãos de renda per capta super baixa: acha justo? Não né? Pois é isso que está sendo esquecido quando se comparam religiões.

Quando você fala de obscurantismo cristão você nunca lembra dos ataques às vezes com mortes em clínicas de aborto americanas, né? Seria auto-engano?


Ele acredita realmente nisso ou está apenas 'militando'?

Sempre tento desfazer/amenizar a caricatura incrustada nas mentes ocidentais.  :wink:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 14:51:07
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.

O islamismo é a única religião "gostosona" que pode limitar a liberdade de expressão alheia?

Fazer o que terroristas querem é incentivar novos e mais audaciosos atos.

Se você der a mão, logo vão pedir o pé e mais tarde o corpo inteiro.



Você entra em academia de jiu-jitsu e quartéis de quadrilhas para chamar todo mundo de viadinho, só por princípios de liberdade de expressão? :hein:


Não, mas posso escrever artigos e fazer caricaturas dos mesmos, como de fato muitos já fazem.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 26 de Setembro de 2016, 15:00:42
Pergunto: se eu fizer uma caricatura zombando de Jesus, o que aconteceria comigo?  :hein:

Se você fizer uma caricatura num jornal local com muitos moradores evangélicos que te conhecem, sabem onde você mora, aposto que você não ficaria tranquilo....

Morto eu não serei.

E você especificou condicionais em demasia (jornal local de cidade pequena). Para a analogia ser semelhante, o autor da caricatura anti-cristã deveria ter a cabeça colocada a prêmio milionário pelo presidente ou ministro de algum país cristão distante.



 
Citação de: Pasteur
Acho curioso esse auto-engano do Pasteur, sugerindo que o islamismo e cristianismo hoje estão no mesmo patamar de violência e obscurantismo.

Compare muçulmanos com renda per capta alta...

... Que são a maioria dos líderes terroristas, além de ministros de certos países que oferecem recompensa milionária pela cabeça de algum escritor ocidental.


Citar
com cristãos de renda per capta super baixa:

Eu teria MUITO mais medo de muçulmanos ricos do que de cristãos pobres, sem nenhuma sombra de dúvida.

Citação de: Pasteur
Quando você fala de obscurantismo cristão você nunca lembra dos ataques às vezes com mortes em clínicas de aborto americanas, né? Seria auto-engano?

Sou contra o aborto irrestrito e não sou cristão. Você deve usar como analogia uma "causa" que seja puramente religiosa.


Citação de: Pasteur
Ele acredita realmente nisso ou está apenas 'militando'?

Sempre tento desfazer/amenizar a caricatura incrustada nas mentes ocidentais.  :wink:

Negar a realidade piora as coisas. Deixa a sua posição mais ridícula.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Setembro de 2016, 15:22:40
Que bom que o autor do crime foi preso e será punido, mas se há algum risco, pra quê provocar uma reação criminosa se já ocorreram diversos exemplos de retaliação? Não se trata de culpar a vítima, mas há que se tomar precauções para se minimizar os riscos.

O islamismo é a única religião "gostosona" que pode limitar a liberdade de expressão alheia?

Fazer o que terroristas querem é incentivar novos e mais audaciosos atos.

Se você der a mão, logo vão pedir o pé e mais tarde o corpo inteiro.



Você entra em academia de jiu-jitsu e quartéis de quadrilhas para chamar todo mundo de viadinho, só por princípios de liberdade de expressão? :hein:


Não, mas posso escrever artigos e fazer caricaturas dos mesmos, como de fato muitos já fazem.



Sem dúvida! As chances de morrer disso são incomparavelmente menores.


https://www.youtube.com/v/5thChfm8vLs





:?: Pergunta legal: um líder muçulmano declarar uma fatwa ordenando matar alguém, seria crime, no Brasil, ou possibilitado por liberdade religiosa? :hein:

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 26 de Setembro de 2016, 15:26:16
Sou contra o aborto irrestrito e não sou cristão. Você deve usar como analogia uma "causa" que seja puramente religiosa.
Mas nem por isso você sai por aí fazendo atentados contra clínicas de aborto. Aquelas fundamentalistas cristãos ao qual o Pasteur se refere fazem.

Um foi dentro de uma igreja, inclusive: http://oglobo.globo.com/mundo/medico-americano-pro-aborto-assassinado-3114285
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Setembro de 2016, 17:20:13
Eu não acho que as coisas sejam iguais, mas penso que o cristianismo teria o potencial de trocar de lugar com o islamismo, no decorrer da história. Mesmo hoje houve alguma celebração por cristãos daquela chacina gay por um muçulmano, e já até ouvi no rádio algo que não era ainda declarar "devemos apedrejar adúlteras", com todas as letras, mas o esclarecimento de que Jesus não estava simplesmente "dando uma lição de moral" no "atire a primeira pedra", como é a versão politicamente correta mainstream, mas dando uma lição como "jurista", demonstrando (acho que aos judeus que o avaliavam) saber que, naquela situação especificamente, não deveria haver apedrejamento.

Também já vi comentários de cristãos chamando o Dawkins de covarde por atacar mais o cristianismo do que o islamismo. Um pouco como se os cristãos aproveitassem o islã para fazer o papel de "policial mau".



Não que tal "virada" ou apenas agravamento do cristianismo tenha altas chances de ocorrer. Não acho que a tendência ao humanismo seja algo imparável, mas acho mais provável que continue sendo essa a tendência geral.

Já com o islamismo, é dificílimo ter o mesmo otimismo. A impressão que passa é mais justamente o contrário. Quaisquer que sejam os fatores políticos que se mesclem ao problema, que sejam até as eventuais causas últimas de tudo, a religião parece ser um agravante tremendo, que torna a coisa incomparavelmente pior do que a mesma situação política num cenário "laico", sem a divisão religiosa, ou mesmo mesclado a uma narrativa cristã.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 20 de Dezembro de 2016, 07:33:05
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/berlim-homem-encontrado-morto-dentro-do-camiao-era-polaco

Asilado político será o autor do ato terrorista.

Mas há dúvidas.

http://www.dn.pt/mundo/ao-vivo/interior/provavel-atentado-terrorista-em-berlim-siga-ao-minuto-5562226.html?utm_source=Push&utm_medium=Web
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 20 de Dezembro de 2016, 08:48:33
Ou entra na Universal e grita que Jesus é bunda mole e gay.

Se eu fizer isso, o que acontecerá comigo? Levarei 3 tiros do pastor?

 :hein:

Talvez... ou possivelmente de algum outro fiel, mas mais provavelmente será linchado.

Não acho impossível ser linchado dentro de uma igreja evangélica, mas é MUITO improvável.

O desfecho mais comum seria a pessoa ser "contida" e o pastor tentar fazer exorcismo enquanto a polícia é acionada para prender por perturbação de cerimônia religiosa ou levar ao hospício.

E de qualquer forma, a vítima do clérigo islâmico não perturbou nenhuma cerimônia religiosa, apenas fez umas caricaturas.

Pergunto: se eu fizer uma caricatura zombando de Jesus, o que aconteceria comigo?  :hein:

Não se engane, os cristãos ocidentais não são tão melhores que islâmicos assim. Por causa de uma bobagem de animação (onde Jesus nem é derrotado; aliás já ) como esse vídeo fizeram tantos ataques ao tal Felipe Castanhari que teve que retirar a animação. Isso só pra citar exemplo:

https://www.youtube.com/v/1yiq4wOMfHM


Graças ao novo inquisidor cruzado de youtube e seus milhões (carece de fontes) de seguidores:

https://www.youtube.com/v/13z4ngFQUjQ


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 20 de Dezembro de 2016, 09:10:38
Por fanatismo eu não sei, mas já houve várias tretas (algumas até violentas) dentro de igrejas, mas isso não é tão divulgado e as pessoa então que igreja são tudo lugar de gente santinha que não faz confusão.

O Caio Fábio disse que em muita assembléias de Deus era que nem máfia, tinha confusão:

https://www.youtube.com/v/O_OdG_ENXy4

Confusão entre católicos e protestantes:

https://www.youtube.com/v/d1KC8zi58Jc

Confusão com pregadores barbudos com cara de aiatolás evangelicos:

https://www.youtube.com/v/STV1VeXCA6M


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: André Luiz em 27 de Dezembro de 2016, 10:58:18
Chamando ou não de islamismo, os caras do EI tem uma inspiração religiosa por trás de suas ações,  os caras acham que estão fazendo o trabalho de Deus expurgando o mal.
 
Esse fenômeno nao é novo, a religião sempre transformou o convarde em guerreiro,  berserker viking, samurai,  cruzado,  legionário romano....
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 28 de Dezembro de 2016, 16:25:15
http://www.dn.pt/mundo/interior/mulher-decapitada-no-afeganistao-por-ter-saido-sem-o-marido-5574903.html

Mais um caso a não confundir com o "verdadeiro" islamismo (seja lá isso o que for...).
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 28 de Dezembro de 2016, 16:33:35
http://www.dn.pt/mundo/interior/mulher-decapitada-no-afeganistao-por-ter-saido-sem-o-marido-5574903.html

Mais um caso a não confundir com o "verdadeiro" islamismo (seja lá isso o que for...).

Certamente falarão que isso tem mais a ver com a cultura da região do que com o próprio Islamismo. Pois o Islã não dá suporte para esse tipo de barbárie. :hihi:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Dezembro de 2016, 16:35:22
Faz a gente se perguntar como é que esse tipo de insanidade não se auto-extinguiu ainda. Parece ser o "equilíbrio perfeito" entre insanidade e capacidade de perpetuação.




http://www.dn.pt/mundo/interior/mulher-decapitada-no-afeganistao-por-ter-saido-sem-o-marido-5574903.html

Mais um caso a não confundir com o "verdadeiro" islamismo (seja lá isso o que for...).

Certamente falarão que isso tem mais a ver com a cultura da região do que com o próprio Islamismo. Pois o Islã não dá suporte para esse tipo de barbárie. :hihi:

(https://www.amnesty.org.uk/webfm_send/135)[/quote]

 Não é nada além do esperado que uma cultura que força as mulheres a se objetificarem usando minissaias não tarde a matá-las.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 28 de Dezembro de 2016, 18:05:01
http://www.dn.pt/mundo/interior/mulher-decapitada-no-afeganistao-por-ter-saido-sem-o-marido-5574903.html

Mais um caso a não confundir com o "verdadeiro" islamismo (seja lá isso o que for...).

Ten essa lei no Afeganistão ou é coisa do Talibã?

Mostra pra mim onde no Alcorão está escrito que a mulher tem que sair acompanhada do marido e a pena é a decapitação.
No aguardo! :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 28 de Dezembro de 2016, 18:09:48
Ten essa lei no Afeganistão ou é coisa do Talibã?

Mostra pra mim onde no Alcorão está escrito que a mulher tem que sair acompanhada do marido e a pena é a decapitação.
No aguardo! :ok:

Todas as decisões do Taliban são feitas através da interpretação do Corão. Cada um interpreta o Corão da forma que melhor convir.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 28 de Dezembro de 2016, 18:17:56
Ten essa lei no Afeganistão ou é coisa do Talibã?

Mostra pra mim onde no Alcorão está escrito que a mulher tem que sair acompanhada do marido e a pena é a decapitação.
No aguardo! :ok:

Todas as decisões do Taliban são feitas através da interpretação do Corão. Cada um interpreta o Corão da forma que melhor convir.

E você acreditou nisso?  ::)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 28 de Dezembro de 2016, 18:21:52
Ten essa lei no Afeganistão ou é coisa do Talibã?

Mostra pra mim onde no Alcorão está escrito que a mulher tem que sair acompanhada do marido e a pena é a decapitação.
No aguardo! :ok:

Todas as decisões do Taliban são feitas através da interpretação do Corão. Cada um interpreta o Corão da forma que melhor convir.

E você acreditou nisso?  ::)
Então a mídia 'mainstream' e os especialistas estão errados? O Taliban não é um grupo fundamentalista islâmico, que usa a religião como instrumento para suas ações?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Dezembro de 2016, 19:35:16
Sim. Objetivos políticos da patriarquia. A associação disso com o islã é apenas islamofobia fascista. O verdadeiro islã é até mais igualitário e benevolente com as mulheres do que o cristianismo burguês patriarcal europeu -- muito embora, todas as religiões sejam igualmente benevolentes, quando devidamente eliminadas as distorções políticas e culturais de influências como a patriarquia, o capitalismo, ou o fascismo em geral. Apenas calha do cristianismo ser a que mais sofre disso, dado o ápice do domínio do homem heterossexual branco se deu na sociedade ocidental (que os racistas chamam de "judaico-cristã" a fim de excluir os outros), em parte devido ao uso do cristianismo como ferramenta de subjugação.






http://www.dn.pt/mundo/interior/mulher-decapitada-no-afeganistao-por-ter-saido-sem-o-marido-5574903.html

Mais um caso a não confundir com o "verdadeiro" islamismo (seja lá isso o que for...).

Ten essa lei no Afeganistão ou é coisa do Talibã?


O Talibã é um grupo fundamentalista islãmico que domina parte do Afeganistão. Isso deve ser parte da xária desses fundamentalistas islãmicos, não é de leis afegãs oficiais.

A eventual oficialização disso com um domínio maior do fundamentalismo islâmico sobre o estado não descaracterizaria a ligação com o islamismo, apenas mostraria o quão forte ela é, da mesma forma que as leis anti-sodomia em estados americanos têm influência cristã, além de serem politicamente oficializadas pelo estado.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 28 de Dezembro de 2016, 20:02:46
O Talibã está negando qualquer envolvimento...

Enquanto isso, aguardando o link do crime com o Alcorão... :bola:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 28 de Dezembro de 2016, 22:03:59
Enquanto isso, aguardando o link do crime com o Alcorão... :bola:

Sabes onde tem o Corão online, em Português ou em Inglês?

É bem provável que há algum trecho que em uma interpretação forçada ele associe como justificativa ao crime.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 01:22:58
As apologias do Pasteur chegam no nível de "me mostre onde no corão fala para decapitar os infiéis com facas de aço inoxidável especificamente :bola: ".


Se não tiver a data e o nome de quem é responsável por fazer uma barbaridade no corão, cada um pode fazer o que for, e não tem nada a ver com o livro.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lakatos em 29 de Dezembro de 2016, 02:54:17
As apologias do Pasteur chegam no nível de "me mostre onde no corão fala para decapitar os infiéis com facas de aço inoxidável especificamente :bola: ".


Se não tiver a data e o nome de quem é responsável por fazer uma barbaridade no corão, cada um pode fazer o que for, e não tem nada a ver com o livro.

Isso me lembra de um professor de ensino religioso no ensino fundamental, que era muçulmano e sempre que surgia o assunto sobre terrorismo ele pegava o Corão na mochila, mostrava para a sala e dizia: "Esse é o Corão, eu lá li x vezes e em nenhum lugar diz para sair derrubando prédios onde quer que seja!"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 08:16:59
As apologias do Pasteur chegam no nível de "me mostre onde no corão fala para decapitar os infiéis com facas de aço inoxidável especificamente :bola: ".


Se não tiver a data e o nome de quem é responsável por fazer uma barbaridade no corão, cada um pode fazer o que for, e não tem nada a ver com o livro.


Olha o avião!  ::)

Dispenso-te de dizeres o modo da punição, diga-me apenas onde eu encontro que a mulher tem que ser morta se andar sem o marido. 
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 10:33:00


Olha o avião!  ::)

(https://crberryauthor.files.wordpress.com/2015/09/article-2418617-0049e46600000258-889_634x671.jpg)



Citar
Dispenso-te de dizeres o modo da punição, diga-me apenas onde eu encontro que a mulher tem que ser morta se andar sem o marido. 

Talvez não tenha uma passagem tão literal para seus critérios inalcançáveis de atribuição ao islã, mas pode olhar por aqui, se quiser realmente procurar de onde tiram a inspiração disso -- talvez tenha até algo que te force a uma tentativa de dissociação patética como aquela da lei de proibição de dirigir não ter nada a ver com o islã, mas são coisas tão repugnantes que requer um esforço maior do que estou disposto em fazer agora para continuar lendo.


https://en.wikipedia.org/wiki/Taliban_treatment_of_women

https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_religious_police

http://skepticsannotatedbible.com/quran/women/long.html





As apologias do Pasteur chegam no nível de "me mostre onde no corão fala para decapitar os infiéis com facas de aço inoxidável especificamente :bola: ".


Se não tiver a data e o nome de quem é responsável por fazer uma barbaridade no corão, cada um pode fazer o que for, e não tem nada a ver com o livro.

Isso me lembra de um professor de ensino religioso no ensino fundamental, que era muçulmano e sempre que surgia o assunto sobre terrorismo ele pegava o Corão na mochila, mostrava para a sala e dizia: "Esse é o Corão, eu lá li x vezes e em nenhum lugar diz para sair derrubando prédios onde quer que seja!"




https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Destruction_of_churches_by_Muslims
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 10:47:04


Olha o avião!  ::)

(https://crberryauthor.files.wordpress.com/2015/09/article-2418617-0049e46600000258-889_634x671.jpg)



Citar
Dispenso-te de dizeres o modo da punição, diga-me apenas onde eu encontro que a mulher tem que ser morta se andar sem o marido. 

Talvez não tenha uma passagem tão literal para seus critérios inalcançáveis de atribuição ao islã, mas pode olhar por aqui, se quiser realmente procurar de onde tiram a inspiração disso -- talvez tenha até algo que te force a uma tentativa de dissociação patética como aquela da lei de proibição de dirigir não ter nada a ver com o islã, mas são coisas tão repugnantes que requer um esforço maior do que estou disposto em fazer agora para continuar lendo.


https://en.wikipedia.org/wiki/Taliban_treatment_of_women

https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_religious_police

http://skepticsannotatedbible.com/quran/women/long.html

Não apela Buckaroo, você não precisa disso!  :)

Você está usando o "olha o avião" seguidamente. Relaxa.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 10:48:36
Apelar? Dizer para ler sobre as práticas e bases textuais das práticas é "apelar"? Apelar ao que, a realidade?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Dezembro de 2016, 13:36:39
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 15:19:29
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?

Vai comparar a declaração do Papa com um crime de um homem numa area de um grupo terrorista que ainda negou ter sido o autor!

Allah W Akbar!

 :facada:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 15:27:15
O esforço do Pasteur para se fazer de desentendido é fantástico.

Incrível como a necessidade de manter/racionalizar uma boa imagem para as superstições de estimação toma precedência ao sofrimento das pessoas com a brutalidade irracional motivada pelas mesmas superstições.

Lembra algo daquela fábula do sapo que morre cozido sem perceber, ou da famosa citação do reverendo sobre os nazistas indo atrás de diversos grupos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 15:45:12
Vocês querem colar à força esse crime como sendo islâmico!

Tem que forçar muito a barra...

Como diria Luís Inácio: menas companheiro!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: AlienígenA em 29 de Dezembro de 2016, 16:02:25
E o que seria/faria ser um crime religioso (de qualquer religião), Pasteur?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 16:03:04
Agora a polícia islâmica impondo a sharia não é algo islâmico. É esse o nível que chegamos.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 16:17:07
Agora a polícia islâmica impondo a sharia não é algo islâmico. É esse o nível que chegamos.

Ninguém sabe se foi essa tal de polícia islãmica, o que quer que isso signifique, que cometeu esse crime.

Olha o nível: agora matar uma esposa desacompanhada, sem nem o marido saber, virou Sharia!

O povo tá exagerando demais. Affff...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 16:19:33
E o que seria/faria ser um crime religioso (de qualquer religião), Pasteur?

Por exemplo, matar em nome da religião sendo previsto em algum mandamento divino dessa religião.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Dezembro de 2016, 16:46:33
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?

Vai comparar a declaração do Papa com um crime de um homem numa area de um grupo terrorista que ainda negou ter sido o autor!

Allah W Akbar!

 :facada:
A declaração do Papa afeta milhares de fiéis que vivem em uma zona de risco onde há epidemia de uma doença incurável e mortal. E na Bíblia não há nenhum trecho que diz diretamente que é proibido o uso de métodos contraceptivos, assim como no Corão não há nenhum trecho que diz que uma mulher deva ser decapitada se andar sem o marido. Portanto, as ações do Papa e das pessoas ligadas ao Talibã que cometeram o crime não devem ter um fundo religioso, pois tanto a Bíblia quanto o Corão não devem permitir nenhum tipo de interpretação que corrobore com esses tipos de pensamentos. :stunned:

Citar
[...]Zabiullah Amani confirmou o crime em Latti e disse que o grupo de homens armados responsável tem ligações aos talibãs. O marido da vítima está fora do país, no Irão.

A aldeia está sob o controlo dos talibãs e ninguém foi preso, mas os talibãs rejeitam qualquer envolvimento.[...]

Você acredita nas autoridades afegãs ou no Talibã? :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 29 de Dezembro de 2016, 16:48:57
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?

Camisinha nos tempos bíblicos?... ::)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 29 de Dezembro de 2016, 17:04:41
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?

Camisinha nos tempos bíblicos?... ::)

Esse é o exercício mental que o Pasteur tenta passar quando defende o Islã.

Óbvio que assim como a Bíblia não proíbe diretamente o uso de camisinhas ou a contracepção, no Alcorão ou na Suna não há trechos que dizem para os fiéis saírem decapitando mulheres desacompanhadas do marido, ou que os homens devem amarrar explosivos no corpo, mas assim como a Bíblia permite a interpretação para o Papa proibir a camisinha para seus fiéis, o Corão permite interpretações para que os fiéis pratiquem atrocidades. E isso não tira o fundo religioso de ambas as ações.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 17:32:02
Agora a polícia islâmica impondo a sharia não é algo islâmico. É esse o nível que chegamos.

Ninguém sabe se foi essa tal de polícia islãmica

É, foi só um cara isolado, que não tem em suas ações um pingo sequer de influência da vertente religiosa local que é famosa por crueldade às mulheres e outras barbáries.



Citar
o que quer que isso signifique

https://en.wikipedia.org/wiki/Islamic_religious_police




Citar
Olha o nível: agora matar uma esposa desacompanhada, sem nem o marido saber, virou Sharia!

Citar
Some of the restrictions imposed by Taliban on women in Afghanistan

[...]

Taliban restrictions and mistreatment of women include the:

1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

2- Complete ban on women's activity outside the home unless accompanied by a mahram (close male relative such as a father, brother or husband).

[...]

http://www.rawa.org/rules.htm


"Ah, mas aí não está dizendo nada que a pena estipulada dessa sharia seria decapitação, muito menos decapitação com a baioneta de um fuzil (que não seria necessariamente de um membro da polícia islâmica talibã, tem igual chance de ser de qualquer um), como foi o ocorrido. Hahahaha, esse povo é muito paranóico, não sabem que na verdade toda sharia é benevolente e mesmo o Taliban é, em todos seus aspectos religiosos, também benevolente."
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 17:34:38
O Papa Bento XVI foi para África, que sofre com uma epidemia de AIDS, e disse para as pessoas não usarem camisinha. Onde na Bíblia diz para as pessoas da África ou de qualquer outro continente não usarem camisinha?

Camisinha nos tempos bíblicos?... ::)

Esse é o exercício mental que o Pasteur tenta passar quando defende o Islã.

Óbvio que assim como a Bíblia não proíbe diretamente o uso de camisinhas ou a contracepção, no Alcorão ou na Suna não há trechos que dizem para os fiéis saírem decapitando mulheres desacompanhadas do marido, ou que os homens devem amarrar explosivos no corpo, mas assim como a Bíblia permite a interpretação para o Papa proibir a camisinha para seus fiéis, o Corão permite interpretações para que os fiéis pratiquem atrocidades. E isso não tira o fundo religioso de ambas as ações.

Qual é a interpretação que te faz pensar que há um fundo religioso?

obs: ainda acho um disparate comparar uma declaração do Papa com uma ação de um terrorista/criminoso. Não pega bem insistir nessa história: dexa quéto.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 29 de Dezembro de 2016, 18:10:14

Taliban restrictions and mistreatment of women include the:

1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

2- Complete ban on women's activity outside the home unless accompanied by a mahram (close male relative such as a father, brother or husband).

[...]

http://www.rawa.org/rules.htm


Muita esperteza mostrar somente os dois primeiros,  porque olhando as outras leis dos talibãs fica ainda mais claro que é totalmente oposto o que prega o Islã.

O problema de vocês é confundir grupo terrorista com grupo religioso terrorista. O mesmo erro de sempre.

Lamentável.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 29 de Dezembro de 2016, 19:44:00
Não é "claro" coisa nenhuma, ELES SÃO ISLÂMICOS. Citei apenas essas duas porque me parecem já ser suficientes como indício das motivações religiosas na visão de xária -- lei islâmica -- deles.


O seu problema é a negação de qualquer elo religioso de grupos terroristas que se declaram religiosos*, algumas vezes já no nome.

Parece até espantalho criado pela extrema-direita para fazer a posição mais tolerante com muçulmanos parecer apenas ingenuidade irracional e mentirosa.



* ou especificamente islâmicos

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 01:19:07
Não é "claro" coisa nenhuma, ELES SÃO ISLÂMICOS. Citei apenas essas duas porque me parecem já ser suficientes como indício das motivações religiosas na visão de xária -- lei islâmica -- deles.


O seu problema é a negação de qualquer elo religioso de grupos terroristas que se declaram religiosos*, algumas vezes já no nome.

Parece até espantalho criado pela extrema-direita para fazer a posição mais tolerante com muçulmanos parecer apenas ingenuidade irracional e mentirosa.



* ou especificamente islâmicos

Então posso pegar um criminoso aqui que mata gays, mulheres e dizer: ELES SÃO CRISTÃOS.

Vish...

Tô com preguiça de abrir as outras leis do talibã... mas tá bem claro que não tem nada ver. Se você insistir, podemos discutir uma a uma.  :wink:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 30 de Dezembro de 2016, 09:57:28


O islã e a "matança" de inocentes

Denis MacEoin

“Nenhuma religião admite a matança de inocentes”. – Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, 10 de setembro de 2014.

“O islamismo é uma religião de paz”. – David Cameron, primeiro-ministro do Reino Unido, 13 de setembro de 2014.

“Existe um lugar para a violência no islamismo. Existe um lugar para a jihad (guerra santa) no islamismo”. – imã Anjem Choudary, do Reino Unido, CBN News, 5 de abril de 2010.

Lamentavelmente, é impossível reinterpretar o Corão de uma maneira “moderada”. A interpretação moderna mais famosa, de Sayyd Qutb (morto em 1966), ideólogo da Fraternidade Muçulmana, leva o leitor cada vez mais ao território político, no qual a jihad é a raiz da ação.

Somente na Índia, entre 60 e 80 milhões de hindus podem ter sido assassinados pelos exércitos muçulmanos entre os anos 1000 e 1525.

Antes que o Estado Islâmico decapitasse o terceiro ocidental, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou que: “O ISIL não é islâmico. Nenhuma religião admite a matança de inocentes”.

Bem, não exatamente!

Com que freqüência – a despeito do atual espetáculo do Estado Islâmico [EI, IS, ISIL ou ISIS] na Síria e no Iraque – ouvimos os políticos ou os líderes eclesiásticos dizendo que o islamismo é uma religião de paz; que o extremismo islâmico é uma inovação moderna, um profundo desvio de algum “verdadeiro” islamismo imaginado, e até mesmo que seu próprio nome, a palavra “islã”, significa “paz”!

Não são apenas os muçulmanos que dizem que o islamismo é uma religião de paz: alguns políticos ocidentais e líderes eclesiásticos também repetem isso.

Foi o que enfatizou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, no dia 13 de setembro de 2014, na BBC, em resposta à decapitação pelo ISIS do agente humanitário britânico David Haines.

O ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse[1] o mesmo mais de uma vez,[2] inclusive em um discurso[3] que fez no dia 7 de setembro de 2001.

Da mesma forma, o ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair afirmou: “Não existe um problema com o islamismo. Para aqueles dentre nós que o estudamos, não há dúvida sobre sua natureza verdadeira e pacífica”.[4]

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não questionava nada antes, assim como não questiona nada agora. Em novembro de 2010, em Mumbai, na Índia, ele disse: “A religião [o islamismo] ensina a paz, a justiça, a imparcialidade e a tolerância. Todos nós reconhecemos que essa grandiosa religião não pode justificar a violência”.[5]

O papa Francisco I fez declarações semelhantes: “Tendo-nos deparado com episódios desconcertantes de fundamentalismo violento, nosso respeito aos verdadeiros seguidores do islamismo deveria nos levar a evitar generalizações odiosas, pois o islamismo autêntico e a leitura adequada do Corão se opõem a toda forma de violência”.[6]

O islamita britânico Anjem Choudary, entretanto, em uma entrevista à CBN News,[7] em 2010, rejeitou categoricamente tais interpretações do islamismo:

“Não se pode dizer que o islamismo seja uma religião de paz”, disse ele. “Porque islã não significa paz. Islã significa submissão. Portanto, o muçulmano é uma pessoa que se submete. Existe um lugar para a violência no islamismo. Existe um lugar para a jihad no islamismo”.

“Existe um lugar para a violência no islamismo. Existe um lugar para a jihad no islamismo”.
Choudary está certo. Embora a palavra árabe para paz, salam, e a palavra árabe para submissão, islam, venham da mesma raiz de três consoantes, elas têm significados bastante distintos e vêm de diferentes formas verbais. Ninguém que saiba a língua árabe cometeria o erro de tomar uma palavra pela outra.

Islã não significa “paz”. Islã significa “submissão”. Sua raiz, salam, significa paz, mas não no sentido ocidental da palavra. A palavra significa a paz que prevalecerá no mundo assim que a humanidade se converter ao islã, embora ainda esteja em discussão a qual das suas ramificações.[8]

O curioso é que ninguém, que eu saiba, tem colocado muita ou qualquer ênfase na história inicial do islamismo. Por qualquer critério, essa história inicial demonstra tristemente que o islamismo jamais foi uma religião de paz e que os jihadistas modernos, especialmente os salafistas, buscam sua inspiração diretamente nas ações das primeiras três gerações da fé: os “salaf” (antepassados/ancestrais), os companheiros do profeta, seus filhos e seus netos. O que é preocupante, ou deveria ser, é que essas figuras servem como modelos construtivos para os muçulmanos atualmente.

O Corão está repleto de injunções para lutar a jihad; os próprios radicais modernos dizem que tiram sua inspiração de lá. Há estimativas de cerca de 164 versos sobre a jihad[9] no Corão. E esses não incluem inúmeras passagens ordenando ou descrevendo a guerra santa na Hadith, ou seja, na biografia do profeta. Alguns exemplos (traduções do autor) incluem:

“Deixem que aqueles que vendem a vida deste mundo pela vida por vir lutem da maneira de Deus; quer ele seja morto ou viva vitoriosamente, lhe daremos uma poderosa recompensa” (4.74).

“Lançarei medo nos corações dos incrédulos. Portanto, cortem a cabeça deles e cortem as pontas de todos os dedos deles” (8.12).

“Matem os incrédulos onde quer que vocês os encontrem; levem-nos cativos e os deixem sitiados; e montem tocaias contra eles, fazendo-os cair em emboscadas” (9.5).

Lamentavelmente, é impossível reinterpretar o Corão de uma maneira “moderada”. A mais famosa tafsir (interpretação) moderna do livro sagrado é uma obra de vários volumes intitulada In the Shade of the Qu’ran [À Sombra do Corão]. Ela foi escrita por Sayyd Qutb (morto em 1966), ideólogo da Fraternidade Muçulmana, freqüentemente considerado como o pai do moderno radicalismo. Sua interpretação leva o leitor cada vez mais ao território político, no qual a jihad é a raiz da ação.

Lamentavelmente, é impossível reinterpretar o Corão de uma maneira “moderada”.
O Corão contém muitos versos pacíficos e moderados, e esses poderiam muito bem ser usados para criar uma reforma genuína – alguma coisa que vários reformadores sinceros tentaram fazer. Mas há algo que chama a atenção. Todos esses versos moderados foram escritos na fase inicial da carreira de Maomé, quando ele morava em Meca e aparentemente tinha decidido seduzir as pessoas. Quando se mudou para Medina, em 622 d.C., tudo mudou. Logo ele se tornou um líder religioso, político e militar. Durante os dez anos seguintes, como suas propostas religiosas às vezes não eram bem-vindas, seus versos pacíficos deram lugar aos versículos da jihad e aos seus discursos (ou conversações filosóficas) intolerantes contra os judeus, os cristãos e os pagãos. Quase todos os livros de tafsir pressupõem que os versos escritos mais tarde revogam os que foram escritos mais cedo. Isto significa que os versos pregando amor por todos já não são mais aplicáveis, exceto com relação aos companheiros muçulmanos. Os versos que ensinam a jihad, a submissão e as doutrinas relacionadas continuam formando a base para a abordagem de muitos muçulmanos aos não-crentes.

Um problema é que ninguém pode mudar o Corão de forma nenhuma. Se o livro contém a palavra direta de Deus, então a remoção de um simples til ou de um ponto acima ou abaixo de uma letra seria uma blasfêmia da pior espécie.[10] Qualquer mudança sugeriria que o texto na terra não combina com a tábua no céu – a “Mãe do Livro”, da forma como Maria é a Mãe de Cristo – pois esse é o Corão original eterno. Se um ponto pudesse ser mudado, talvez outros pudessem ser mudados, e palavras longas poderiam ser substituídas por outras palavras. O próprio Corão condena os judeus e os cristãos por terem manipulado seus livros sagrados, de forma que nem a Torá nem os Evangelhos podem ser considerados como a Palavra de Deus. O Corão nos pega em uma armadilha por sua absoluta imutabilidade.

O pecado que ataca os políticos, líderes eclesiásticos e multiculturalistas ocidentais modernos é sua pronta aceitação da ignorância e a promoção de sua própria ignorância à categoria de erudição. O islã é um dos tópicos mais importantes da história humana, mas quantas crianças ouvem detalhes como os mencionados acima em suas aulas de história? Quantos livros-texto pintam uma figura honesta sobre como o islamismo começou e como ele teve continuidade como um pano de fundo para a maneira que ele prossegue hoje?

Além disso, a quantos verdadeiros especialistas é negado o contato com governos e políticos para que mentiras não se tornem a base de decisões governamentais no Ocidente? Quantas vezes a verdade será sacrificada por causa de fábulas, enquanto os extremistas muçulmanos bombardeiam, atiram e decapitam em seu caminho para o poder?

Esses fatos não vêm de relatos modernos do Ocidente; eles estão lá nos textos que alicerçam o islamismo, nas histórias de al-Waqidi e de al-Tabari. Ninguém está inventando isso. Os muçulmanos que evitam sua própria história deveriam ser confrontados por ela em todas as futuras discussões.

Quantas vezes a verdade será sacrificada por causa de fábulas, enquanto os extremistas muçulmanos bombardeiam, atiram e decapitam em seu caminho para o poder?
Infelizmente, até muitos muçulmanos moderados ainda falham em ver a realidade por detrás de alguns aspectos elementares de sua própria religião. Logo após os atentados em Londres, em 7 de julho de 2005, o jornal The Guardian perguntou a várias pessoas sobre suas visões a respeito dos ataques. Um jovem e simpático líder muçulmano disse que ficou horrorizado com os assassinatos cometidos por quatro de seus correligionários. Ele afirmou que, se pelo menos os jovens lessem o Corão, eles se voltariam contra todas as formas de extremismo violento.

Todos os combatentes jihadistas do mundo constantemente lêem e citam o Corão, onde eles encontram mais do que suficientes justificativas para os ataques violentos contra os não-muçulmanos, apóstatas e “hipócritas” (munafiqun – uma palavra tomada diretamente do Corão, significando algo semelhante a apóstatas, ou pessoas que abandonaram a fé).

Não considerando o Corão, os seis livros do Hadith e a biografia do profeta (o Sira) representam um mundo nascido em violência. Maomé, depois de mudar sua residência para Medina, levou seus seguidores a batalhas e a ataques a áreas tribais. Ele lutou em conflitos importantes como as batalhas de Badr, Uhud e al-Khandaq. Ibn Ishaq, seu biógrafo, diz que ele lutou em vinte e sete batalhas. Além disso, ele enviou tenentes a caravanas de invasão – as invasões são conhecidas como ghazwat. Cerca de 100 dessas invasões aconteceram principalmente para chamar os árabes ao islamismo. Se eles se desviassem da fé verdadeira, os “apóstatas”, como os pagãos, deveriam ser combatidos até aceitarem o islamismo ou serem mortos – como estamos vendo atualmente no Estado Islâmico (EI).

Maomé ordenou e apoiou cerca de quarenta e três assassinatos de oponentes, inclusive de vários poetas, que o haviam desafiado em versos. Mais conhecidas são suas represálias contra três tribos judaicas, duas das quais foram expulsas de Medina, enquanto que os homens da terceira, a Banu Qurayza, foram condenados à morte por Sa’d ibn Mu’adh, cujo julgamento foi endossado por Maomé. Mais de 900 homens da tribo – inclusive meninos de treze anos para cima – foram decapitados; as mulheres e crianças foram vendidas como escravas, ou algumas das mulheres foram feitas concubinas dos homens muçulmanos.[11] O período de Medina não foi nada mais do que rodadas de violência sobre violência, todas ordenadas e realizadas pelo “Profeta da Paz”.

Maomé morreu no ano 632 d.C., e deveria ser sucedido por seu sogro Abu Bakr (morto em 634), tido pelos sunitas como o primeiro califa, ou por seu genro Ali, tido pelos xiitas como o primeiro dos doze imãs – desta forma provocando o primeiro cisma do islamismo, entre os sunitas e os xiitas, nos dias da morte de Maomé.

A primeira tarefa à qual Abu Bakr se dedicou como califa foi lançar uma série de ataques através da Península Arábica. As tribos dos beduínos, que tinham seguido seu costume de suprimir sua lealdade quando o líder de uma tribo associada morresse, aparentemente creram que sua fidelidade ao islamismo havia terminado quando Maomé partiu deste mundo. Abu Bakr tratou isto como uma apostasia e enviou aliados para forçarem os homens das tribos a voltarem para o aprisco do islamismo. Essas Guerras dos Ridda resultaram em quinze batalhas. Quando as coisas tinham sossegado, Abu Bakr enviou exércitos muçulmanos para conquistarem o Iraque (uma província do Império Persa Sassânida) e o Levante (parte do Império Bizantino Cristão).

Quando Abu Bakr, já um homem velho, morreu de febre, em agosto de 634 d.C., foi sucedido por Umar ibn al-Khattab (morto em 644). Sob seu governo, o Império Sassânida inteiro e dois terços do Império Bizantino foram conquistados pelo islamismo. Batalha após batalha, derramamento de sangue após derramamento de sangue. Em 644 d.C., um grupo de persas, irados por causa da conquista, conspirou para matar Umar e foi bem sucedido quando um ex-escravo, mais conhecido como Abu Lu’lu’, o assassinou durante as orações.

Embora o terceiro dos quatro “Califas Corretamente Guiados”, Uthman ibn Affan (morto em 656), já estivesse com 65 anos em sua ascensão, durante seu reinado aconteceram batalhas para conquistar ou alinhar a metade do mundo conhecido. Suas conquistas se estenderam até o Paquistão moderno, o Irã, o Afeganistão, o Azerbaijão, o Daguestão, o Turcomenistão e a Armênia. A Sicília e Chipre foram capturadas. Os exércitos [islâmicos] entraram no Norte da África e mais tarde na Península Ibérica e no Sul da Itália.

Já no final de sua vida, entretanto, Uthman tornou-se impopular para muitos. Medina, onde ele tinha sua capital, tornou-se um ninho de intrigas e distúrbios. Em 656, uma revolta armada teve início e 1.000 rebeldes, com ordem para assassinar o califa, partiram do Egito para Medina. Alguns entraram em sua casa e o assassinaram; depois, os defensores do califa se voltaram contra os rebeldes e a luta armada estourou. A religião da paz continuava em marcha.

Uthman foi seguido pelo genro de Maomé, Ali (morto em 661), o último dos quatro Califas Rashidun (Guiados Corretamente). Quase que imediatamente, Ali foi envolvido em uma rixa que terminou em guerra civil. Ele enfrentou a esposa do profeta, A’isha, na Batalha do Camelo em 656, quando 10.000 foram mortos. Ele também enfrentou as forças de Mu’awiya (mais tarde o primeiro dos Califas Omíadas) em Siffin (657), onde Ali perdeu 25.000 homens e Mu’awiya perdeu 45.000. Ali foi assassinado em sua capital, Kufa, por um muçulmano extremista, durante as orações, em 661.

Os omíadas tomaram o poder e estabeleceram sua capital de longa duração, Damasco. Mas a violência prosseguiu rapidamente. Em 680, quando Yasid (morto 683), filho de Mu’awiya, assumiu o califado, um neto de Maomé, Husayn, filho de Ali, rebelou-se e levantou forças para atacar Yazid. Os dois lados se encontraram em Karbala, em 680. Na luta, Husayn, sua família e seus seguidores, todos pereceram. Isto marca o momento mais crucial na cisão entre a minoria xiita (para quem Husayn é o terceiro dos imãs) e a maioria sunita.

O restante da história islâmica é marcada pelas jihads anuais, guerras entre diferentes governos e impérios muçulmanos. Somente na Índia, entre sessenta e oitenta milhões de hindus podem ter sido assassinados durante os séculos de invasões dos exércitos muçulmanos, desde o ano 1000 até o ano 1525.[12] Será que isso é algo que deva ser esquecido?

Enquanto o Corão estiver nas prateleiras de todas as mesquitas e livrarias muçulmanas, homens e mulheres jovens, em suas thawbs e hijabs, podem encontrar nele a perfeita justificativa para continuarem suas empreitadas no caminho da jihad e da matança de inocentes. (Denis MacEoin – www.gatestoneinstitute.org – Beth-Shalom.com.br)

Denis MacEoin se formou com um B.A. e um mestrado em Língua Inglesa e Literatura no Trinity College, Dublin (Irlanda), seguido por um segundo M.A. de 4 anos em persa, árabe e Estudos Islâmicos em Edimburgo e um doutorado em Estudos Persas/Islâmicos em Cambridge (Grã-Bretanha). Ele lecionou Estudos Árabes e Islâmicos na Universidade de Newcastle, escreveu vários livros e numerosos artigos acadêmicos, bem como muitos textos jornalísticos. Recentemente, produziu relatórios sobre literatura de ódio, a sharia (lei islâmica), e as escolas islâmicas.

Notas:
http://georgewbush-whitehouse.archives.gov/news/releases/2001/09/20010917-11.html
http://www.danielpipes.org/blog/2007/10/bush-returns-to-the-religion-of-peace
https://www.youtube.com/watch?v=9–ZoroJdVnA
http://www.westcoasttruth.com/western-dhimmi-politicians–-the-black-heart-series-by-ralph-ellis.html
http://www.hindustantimes.com/india-news/mumbai/islam-great-but-distorted-by-few-extremists-obama/article1-623013.aspx
http://exlaodicea.wordpress.com/2014/01/10/pope-francis-and-the-religion-of-peace/
http://www.cbn.com/cbnnews/world/2010/March/UK-Muslim-Leader-Islam-Not-a-Religion-of-Peace/
Ver?http://www.religioustolerance.org/faisal01.htm;?http://www.al-islami.com/islam/religion–of–peace.php;http://d1.islamhouse.com/data/en/ih–books/single/en–Islam–Is–The–Religion–Of–Peace.pdf;http://www.studymode.com/essays/Islam-a-Religion-Of-Peace-212736.html
http://www.answering-islam.org/Quran/Themes/jihad–passages.html
O ponto, ou?nuqta, é de enorme importância no xiismo, pois o imã Ali afirmou que ele é o ponto debaixo da letra b no início da primeira palavra do Corão, bismillah, o que faz dele o primeiro de todos os seres criados. Seitas tais como os Nuqtavis e os Babis no Irã têm atribuído significados profundos a isso. Pode ser um ponto, mas ele pode significar um mundo de coisas.
Ver William Montgomery Watt,?Muhammad at Medina [Maomé em Medina], pp. 208-216, Oxford, 1956, o estudo definitivo sobre esse período. O autor foi aluno de Watt nos anos 1970.
K.S. Lal,?Growth of Muslim Population of Medieval India (1000-1800) [O Crescimento da População Muçulmana da Índia Medieval (1000-1800)].
 
Extraído de Revista Notícias de Israel janeiro de 2015
Revista mensal com artigos sobre Israel, profecias bíblicas, e notícias internacionais comentadas. Entenda como o que ocorre no Oriente Médio afeta sua vida e o futuro de todos nós.


http://www.beth-shalom.com.br/artigos/isla_matanca_inocentes.html


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 10:07:05
Incrível como alguns merdas, como esse Anjem Choudary, condenado a 5 anos e meio de prisão, tem voz na extrema-direita e nos detratores do islamismo como desse site bethshalom e outros!

Pra tristeza dos islamofobes ele ficará 5 anos longe da propaganda favorita desses grupos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: AlienígenA em 30 de Dezembro de 2016, 10:33:24
E o que seria/faria ser um crime religioso (de qualquer religião), Pasteur?

Por exemplo, matar em nome da religião sendo previsto em algum mandamento divino dessa religião.

Mas e se os preceitos religiosos não estiverem escritos de forma clara e objetiva, de modo que precisem ser interpretados, podendo, inclusive, levar a diferentes interpretações? Isso não ocorre no islã? Não existem dissidências?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 11:08:13
E o que seria/faria ser um crime religioso (de qualquer religião), Pasteur?

Por exemplo, matar em nome da religião sendo previsto em algum mandamento divino dessa religião.

Mas e se os preceitos religiosos não estiverem escritos de forma clara e objetiva, de modo que precisem ser interpretados, podendo, inclusive, levar a diferentes interpretações? Isso não ocorre no islã? Não existem dissidências?

Nesse caso concordo com você, porém o caso da mulher decapitada por andar sozinha não é um exemplo de interpretação, é um total disparate com o que prega essa religião.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 30 de Dezembro de 2016, 11:28:21
Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 30 de Dezembro de 2016, 11:59:33
E o que seria/faria ser um crime religioso (de qualquer religião), Pasteur?

Por exemplo, matar em nome da religião sendo previsto em algum mandamento divino dessa religião.

Mas e se os preceitos religiosos não estiverem escritos de forma clara e objetiva, de modo que precisem ser interpretados, podendo, inclusive, levar a diferentes interpretações? Isso não ocorre no islã? Não existem dissidências?

Nesse caso concordo com você, porém o caso da mulher decapitada por andar sozinha não é um exemplo de interpretação, é um total disparate com o que prega essa religião.

"Nenhum verdadeiro escocês". De novo.


Se todos muçulmanos moderados se convertessem para outra coisa, não teria mais ninguém para falar "isso não é o verdadeiro islã" em referência ao islã extremista. Seria exclusividade deles, os únicos dizendo ser muçulmanos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 12:46:21
Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.

Boa Lorentz!  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 30 de Dezembro de 2016, 12:54:08
Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.

O tema central da discussão não é se existem moderados, pois isso existe um monte, é a maioria entre os muçulmanos. E sim se extremistas são muçulmanos ou não. O Pasteur diz que não. Numa falácia típica do "Verdadeiro Escocês".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 30 de Dezembro de 2016, 12:55:57
Não é "claro" coisa nenhuma, ELES SÃO ISLÂMICOS. Citei apenas essas duas porque me parecem já ser suficientes como indício das motivações religiosas na visão de xária -- lei islâmica -- deles.


O seu problema é a negação de qualquer elo religioso de grupos terroristas que se declaram religiosos*, algumas vezes já no nome.

Parece até espantalho criado pela extrema-direita para fazer a posição mais tolerante com muçulmanos parecer apenas ingenuidade irracional e mentirosa.



* ou especificamente islâmicos

Então posso pegar um criminoso aqui que mata gays, mulheres e dizer: ELES SÃO CRISTÃOS.

Vish...

Tô com preguiça de abrir as outras leis do talibã... mas tá bem claro que não tem nada ver. Se você insistir, podemos discutir uma a uma.  :wink:

Não é "preguiça", mas medo de aceitar a realidade de frente. Ou fingimento.

Para você, é mais importante maquiá-la do que aceitar (ao menos publicamente) que superstições queridas podem resultar em brutalidade desumana.

Você SABE que os talibãs não são só uns caras que "por acaso" não gostam de modernidade e são violentos com mulheres, e "por acaso" são muçulmanos (muito menos que apenas fingiriam ser). Da mesma forma que não é o caso com os amish, embora com um grau incomparavelmente menor de violência.


É muito irônico impressionante os malabarismos que faz para isso. Essa forma de "dissociação" do islã com a violência, segue exatamente a lógica oposta da atribuição de não-violência na criminalidade normal. Quando são mesmo crimes sem qualquer relação com religião, sua ausência é atribuida magicamente ao islã; quando fazem parte de interpretações religiosas, então não tem nada a ver, é uma "falsa xária não-islâmica".

Aqueles interessados em promover islamofobia diriam que isso é um exemplo de "taqiya", dissimulação islâmica.









Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.

Isso no entanto não exclui a religião como causa. Até porque para aqueles que estão perseguindo os que fogem, aqueles que fogem é que são os falsos muçulmanos! :biglol:

(E tragicamente, talvez seja até mais defensável ser verdade mesmo, tendo fundamentalismo, fidelidade à palavra, como "verdadeira" religião, e não meramente o mais comum)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Lorentz em 30 de Dezembro de 2016, 13:34:51
Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.

Isso no entanto não exclui a religião como causa. Até porque para aqueles que estão perseguindo os que fogem, aqueles que fogem é que são os falsos muçulmanos! :biglol:

(E tragicamente, talvez seja até mais defensável ser verdade mesmo, tendo fundamentalismo, fidelidade à palavra, como "verdadeira" religião, e não meramente o mais comum)

Não exclui. E o que você escreveu faz sentido.

Mas os seres humanos em geral querem a paz e o sossego. Os belicosos são uma minoria e usarão o que estiver ao seu alcance para justificar os seus atos. O que o Pasteur não admite é que o islamismo é uma das ferramentas mais convenientes que existem para justificar a violência. Não é preciso criar malabarismos lógicos para justificar. Como você disse, o verdadeiro malabarismo é para justificar não odiar o restante da humanidade e viver em paz.

Se o islamismo fosse como o budismo, o terrorismo islâmico certamente existiria, mas aposto que seria menor e menos sedutor.

O fato de jovens europeus serem seduzidos pelo terrorismo islâmico a ponto de abandonar tudo e ir lutar pelo ISIS mostra o quanto essa religião facilita o trabalho.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 15:08:40
Acho que o fato dos refugiados que querem fugir da violência serem da mesma religião de quem prega a violência mostra que não é a religião em si o principal fator da violência e terrorismo.

Se fosse, os sírios iriam adorar o ISIS e apoiariam as ações.

O tema central da discussão não é se existem moderados, pois isso existe um monte, é a maioria entre os muçulmanos. E sim se extremistas são muçulmanos ou não. O Pasteur diz que não. Numa falácia típica do "Verdadeiro Escocês".

A discussão nem é essa também. Eles são muculmanos, porém fazem algumas barbaridades não seguindo a religiâo deles. Como criminosos daqui o fazem não porque são cristãos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 30 de Dezembro de 2016, 15:18:44
Não é "preguiça", mas medo de aceitar a realidade de frente. Ou fingimento.

Me aguarde!

Agora estou indo pro Guarujá acompanhar a virada do ano dos infiéis!

Depois seleciono algumas das leis ridículas dos talibãs e vamos ver você dançar pra explicar!  :louva:

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 30 de Dezembro de 2016, 15:43:22
A discussão nem é essa também. Eles são muculmanos, porém fazem algumas barbaridades não seguindo a religiâo deles. Como criminosos daqui o fazem não porque são cristãos.

Viu? Você nega a realidade. O Taliban, o EI e a al-Qaeda fazem em nome da religião, enquanto os criminosos daqui, como PCC, CV ou seja lá o que fazem por causa do crime organizado. Esses grupos islâmicos fazem as atrocidades usando a religião como pretexto. Se as facções criminosas daqui utilizassem o cristianismo e os "ensinamentos" bíblicos como pretexto para suas ações, sua comparação faria sentido. Enquanto isso, é só a desonestidade intelectual de sempre.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 30 de Dezembro de 2016, 16:23:51
Não é "preguiça", mas medo de aceitar a realidade de frente. Ou fingimento.

Me aguarde!

Agora estou indo pro Guarujá acompanhar a virada do ano dos infiéis!

Depois seleciono algumas das leis ridículas dos talibãs e vamos ver você dançar pra explicar!  :louva:



Teoricamente quem deveria explicar são os muçulmanos seguidores dessa vertente.

Os talibãs pertencem ao ramo Deobandi do islamismo:

Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Deobandi

[...]

Fiqh (Islamic law)[edit]
Deobandis are strong proponents of the doctrine of Taqlid. In other words, they believe that a Muslim must adhere to one of the four schools (madhhabs) of Sunni Islamic Law and generally discourage inter-school eclecticism.[18] They themselves are predominantly followers of the Hanafi school.[19][20] Students at madrasas affiliated with the Deobandi movement study the classic books of Hanafi Law such as Nur al-Idah, Mukhtasar al-Quduri, Sharh al-Wiqayah, and Kanz al-Daqa’iq, culminating their study of the madhhab with the Hidayah of al-Marghinani.[21]

With regard to views on Taqlid, one of their main opposing reformist groups are the Ahl-i Hadis, also known as the Ghair Muqallid, the nonconformists, because they eschewed taqlid in favor of the direct use of Quran and Hadith.[22] They often accuse those who adhere to the rulings of one scholar or legal school of blind imitation, and frequently demand scriptural evidence for every argument and legal ruling.[23] Almost since the very beginnings of the movement, Deobandi scholars have generated a copious amount of scholarly output in an attempt to defend their adherence to a madhhab in general. In particular, Deobandis have penned much literature in defense of their argument that the Hanafi madhhab is in complete accordance with the Quran and Hadith.[24]

In response to this need to defend their madhhab in the light of scripture, Deobandis became particularly distinguished for their unprecedented salience to the study of Hadith in their madrasas. Their madrasa curriculum incorporates a feature unique among the global arena of Islamic scholarship, the Daura-e Hadis, the capstone year of a student's advanced madrasa training, in which all six canonical collections of the Sunni Hadith (the Sihah Sittah) are reviewed.[25] In a Deobandi madrasa, the position of Shaykh al-Hadith, or the resident professor of Sahih Bukhari, is held in much reverence.

[...]


Não é largamente considerado um "islamismo falso" nem nada (isso não passa de papo furado diversionista, teoria da conspiração), mesmo que não seja a linha majoritária.


Esses outros artigos podem ainda ter informação relevante ao caso em particular:

https://en.wikipedia.org/wiki/Islam_and_domestic_violence
https://en.wikipedia.org/wiki/Taliban_treatment_of_women
https://en.wikipedia.org/wiki/Women_in_Islam
https://en.wikipedia.org/wiki/Gender_segregation_and_Muslims

Apesar de não ser "doméstica" a violência, ainda deve ter coisas sobre como a mulher vale de duas a quatro vezes menos que o homem e tudo mais.









Será que, da mesma forma que tem religiosos (cristãos geralmente) que gostam de atribuir os crimes dos comunistas e dos nazistas ao ateísmo, haveria também algum esforço ecumênico ou islâmico para dizer que os terroristas muçulmanos seriam também na verdade ateus? Exige uma negação consideravelmente maior da realidade, mas não me surpreenderia se visse isso. Talvez o Pasteur pudesse até "fundar" esse movimento. :biglol:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 30 de Dezembro de 2016, 22:13:00
A discussão nem é essa também. Eles são muculmanos, porém fazem algumas barbaridades não seguindo a religiâo deles. Como criminosos daqui o fazem não porque são cristãos.

Viu? Você nega a realidade. O Taliban, o EI e a al-Qaeda fazem em nome da religião, enquanto os criminosos daqui, como PCC, CV ou seja lá o que fazem por causa do crime organizado. Esses grupos islâmicos fazem as atrocidades usando a religião como pretexto. Se as facções criminosas daqui utilizassem o cristianismo e os "ensinamentos" bíblicos como pretexto para suas ações, sua comparação faria sentido. Enquanto isso, é só a desonestidade intelectual de sempre.

Não mais. Fazem isso em nome de Jesus também:

https://www.youtube.com/v/mQpXk8HcOrY


Tem até traficante recebendo curso bancado por Igreja Batista:

https://www.youtube.com/v/ZESMx5wG_2U

[flash=600,400]



Sobre terroristas islâmicos, sim eles são islâmicos. Nem adianta alguém usar falácia de escocês.
tanto como a Klu KLux Klan, um grupo terrorista étnico-cristão-político que atacavam (hoje não tanto por causa das militâncias anti-racismo, etc) grupos como católicos/não-brancos (eles tinham pensamento WASP [anglo-são protestante] ) que praticaram ataques como os de Massacre de Greensboro (onde comunistas e negros), etc.

Mas melhor conferir se cada um desses grupos obedecem literalmente ou distorcem a Biblia, Alcorão, ou ainda pegam passagens isoladas fora de contexto.
Já vi até num telejornal um islâmico que teria matado mãe e irmã, citando certa passagem do Alcorão, mas depois no próprio jornal mostrou que a passagem nem existia ou existia em outro local.

Se puder, queria passagens especificas do Alcorão onde diz que atrocidades feitas pelo EI tem fundamento ou autoridade na escritura islâmica.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 01 de Janeiro de 2017, 03:00:49

Gauss, você relatou desonestidade intelectual de minha parte, então vamos voltar um pouco:



O tema central da discussão não é se existem moderados, pois isso existe um monte, é a maioria entre os muçulmanos.

Sim.


E sim se extremistas são muçulmanos ou não.

Também não é essa a discussão! Os terroristas realmente são muçulmanos! O que está sendo disputado é a motivação dos atos!


O Pasteur diz que não.


Nunca disse que eles não são muçulmanos!


Numa falácia típica do "Verdadeiro Escocês".

Viu? Você entendeu tudo errado!


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 01 de Janeiro de 2017, 04:02:55


Taliban restrictions and mistreatment of women include the:

1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

2- Complete ban on women's activity outside the home unless accompanied by a mahram (close male relative such as a father, brother or husband).

[...]

http://www.rawa.org/rules.htm



Chegou a hora do Buckaroo rebolar um pouco pra explicar alguns pontos ridículos dos talibãs:


Citar
1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

Estranho, né? Mulheres não podem trabalhar mas algumas medicas e enfermeiras podem! Explica Buck!!!!!

Onde no Alcorão está escrito que mulheres não podem trabalhar, mas médicas sim! PQP!!!!

Citar
5- Ban on women studying at schools, universities or any other educational institution. (Taliban have converted girls' schools into religious seminaries.)


Não tem nada no Alcorão proibindo as mulheres de estudar!

Citar

- Ordered that men not shave or trim their beards, which should grow long enough to protrude from a fist clasped at the point of the chin.

- All boy students must wear turbans. They say "No turban, no education".


Buck, tem certeza que estamos falando da religião islâmica? Não tem nada disso!!!

Citar
https://noticias.terra.com.br/mundo/asia/eua-lutam-para-conter-fluxo-de-dinheiro-para-cofres-talibas,5bacb08b03cea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Islamismo ligado a sequestros e produção de drogas ilícitas? Só na sua cabeça!

Buck, não é feio reconhecer que está errado!  :wink:



Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Janeiro de 2017, 11:52:33


Taliban restrictions and mistreatment of women include the:

1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

2- Complete ban on women's activity outside the home unless accompanied by a mahram (close male relative such as a father, brother or husband).

[...]

http://www.rawa.org/rules.htm



Chegou a hora do Buckaroo rebolar um pouco pra explicar alguns pontos ridículos dos talibãs:


Citar
1- Complete ban on women's work outside the home, which also applies to female teachers, engineers and most professionals. Only a few female doctors and nurses are allowed to work in some hospitals in Kabul.

Estranho, né? Mulheres não podem trabalhar mas algumas medicas e enfermeiras podem! Explica Buck!!!!!

Onde no Alcorão está escrito que mulheres não podem trabalhar, mas médicas sim! PQP!!!!

Como disse antes, eu não sou talibã, nem mesmo muçulmano, então é bem estranho que eu tenha que "explicar" isso. Minha "explicação" geral é que as práticas religiosas serão comumente inconsistentes, adaptadas aos costumes da sociedade. De forma análoga a que a interpretação fiel da bíblia talvez proibisse que mulheres pregassem, mas há pastoras.

De qualquer forma, esse site de esclarecimento sobre islamismo parece ter uma série de explicações específicas, e, muito embora não sejam talibãs, algumas coisas parecem "compatíveis", suficientemente na mesma linha:


Citar
https://islamqa.info/en/106815

Citar
I am a 20-year-old girl studying engineering. I work during the summer in a stationary store; in order to pay my college fees, am I sinful? I wear niqab, and sometimes feel that no religious man proposes to me for this reason.
Published Date: 2008-02-12
Praise be to Allaah.
Firstly:

The basic principle is that a woman should remain at home, and not go out except for necessary purposes. Allaah says (interpretation of the meaning):

“And stay in your houses, and do not display yourselves like that of the times of ignorance”

[al-Ahzaab 33:33].

[...]

Secondly:

It is permissible for a woman to go out of her house for work, but that is subject to certain conditions. If they are met, it is permissible for her to go out. They are:

-         That she needs to work in order to acquire the money she needs, as in your case.

-         The work should be suited to the nature of woman, such as medicine, nursing, teaching, sewing, and so on.

-         The work should be in a place that is only for women, and there should be no mixing with non-mahram men.

[...]



Dá uma grande pena dessas pessoas, em especial das mulheres, ler essas "explicações" que dão para essas sandices. Os "Alá/Maomé seja louvado" repetidos como cacoete dão ainda um especto híbrido de terror e humor.




Citar
Citar
5- Ban on women studying at schools, universities or any other educational institution. (Taliban have converted girls' schools into religious seminaries.)


Não tem nada no Alcorão proibindo as mulheres de estudar!


Provavelmente as explicações são derivações das mesmas justificativas de mulheres e homens não-aparentados serem proibidos de ficar congregando, bem como não serem todas áreas de atividade apropriadas para as mulheres.


Citar
https://islamqa.info/en/1200

[...]

The Prophet (May peace and blessings be upon him) enforced separation of men and women even at Allaah’s most revered and preferred place, the mosque. This was accomplished via the separation of the women’s rows from the men’s; men were asked to stay in the mosque after completion of the obligatory prayer so that women will have enough time to leave the mosque; and, a special door was assigned to women. Evidence of the foregoing are:

Umm Salamah (May Allah be pleased with her) said that after Allah’s Messenger (May peace and blessings be upon him) said "as-Salamu ‘Alaykum wa Rahmatullah’ twice announcing the end of prayer, women would stand up and leave. He would stay for a while before leaving. Ibn Shihab said that he thought that the staying of the Prophet (May peace and blessings be upon him) was in order for the women to be able to leave before the men who wanted to depart." Narrated by al-Bukhari under No. 793.

Abu Dawood under No. 876 narrates the same hadith in Kitab al-Salaat under the title "Insiraaf an-Nisaa’ Qabl al-Rijaal min al-Salaah" (Departure of Women before Men after the Prayer). Ibn ‘Umar said that Allah’s Messenger (May peace and blessings be upon him) said: "We should leave this door (of the mosque) for women." Naafi’ said: "Ibn ‘Umar never again entered through that door until he died." Narrated by Abu Dawood under No. 484 in "Kitab as-Salah" under the Chapter entitled: "at-Tashdid fi Thalik".

Abu Hurayrah said that the Prophet (May peace and blessings be upon him) said: ""The best of the men’s rows is the first and the worst is the last, and the best of the women’s rows is the last and the worst in the first." Narrated by Muslim under No. 664.

This is the greatest evidence that the Law of Islam (Shari'ah) forbids meeting and mixing of men and women. The farther the men are from the women’s rows, the better, and vice versa.

If these procedures and precautions were prescribed and adhered to in a mosque, which is a pure place of worship where people are as far away as they ever are from the arousal of desire and temptation, then no doubt the same procedures need to be followed even more rigorously at other places.

[...]



Citar
Citar

- Ordered that men not shave or trim their beards, which should grow long enough to protrude from a fist clasped at the point of the chin.

- All boy students must wear turbans. They say "No turban, no education".


Buck, tem certeza que estamos falando da religião islâmica? Não tem nada disso!!!

Citar
https://islamqa.info/en/1189

What is the ruling on shaving the beard or removing part of it?
Published Date: 1998-10-01
Praise be to Allaah.

Shaving the beard is haraam because of the saheeh ahaadeeth that clearly state this, and because of the general application of texts that forbid resembling the kuffaar.

[...]

Citar
https://islamqa.info/en/2436

Praise be to Allaah.

Allaah says (interpretation of the meaning):

“O Children of Adam! Take your adornment (by wearing your clean clothes) while praying…” [al-A’raaf 7:31]

If covering the head is customarily regarded as a part of adornment in a particular country, then the head should be covered, otherwise it does not have to be covered. And Allaah knows best.





Citar
Citar
https://noticias.terra.com.br/mundo/asia/eua-lutam-para-conter-fluxo-de-dinheiro-para-cofres-talibas,5bacb08b03cea310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

Islamismo ligado a sequestros e produção de drogas ilícitas? Só na sua cabeça!

Buck, não é feio reconhecer que está errado!  :wink:

Para os que crêem nisso, esse verso justifica o seqüestro dos infiéis inimigos:

Citar
If you encounter the disbelievers in a battle, strike-off their heads. Take them as captives when they are defeated. Then you may set them free as a favor to them, with or without a ransom, when the battle is over. This is the Law. Had God wanted, He could have granted them (unbelievers) victory, but He wants to test you through each other. The deeds of those who are killed for the cause of God will never be without virtuous results.

Não sei se tem algo específico para produção de drogas, mas não me parece inimaginável que racionalizem que, se podem matar e seqüestrar os inimigos de Alá, poderiam bem vender drogas para eles também.



Se quiser mais esclarecimentos, pode procurar nesses sites. A mim e a todos é óbvio que os grupos que se auto-denominam muçulmanos e que são considerados muçulmanos por todos não-teóricos da conspiração, são muçulmanos.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 01 de Janeiro de 2017, 12:16:39
A mim e a todos é óbvio que os grupos que se auto-denominam muçulmanos e que são considerados muçulmanos por todos não-teóricos da conspiração, são muçulmanos.

Como já disse ao Gauss a uns dois posts atrás, não está sendo discutido a religião deles e sim a motivação de seus atos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Janeiro de 2017, 12:56:21
Que, nas palavras deles, é muitas vezes religiosa. Incluindo a xária do talibã em questão agora, não surpreendentemente.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 01 de Janeiro de 2017, 15:21:40
Nunca disse que eles não são muçulmanos!
Posso ter entendido errado, mas você deu a entender diversas vezes que esses grupos não são muçulmanos de verdade, pois eles estão supostamente contrariando a religião deles.


Aqui você diz que o EI não é islâmico:
Entre as entidades, comunidades, seitas, nações, estados... que se afirmam islamitas, quais são afinal aqueles em que devemos ignorar ou mesmo recusar a sua assunção islâmica e tomarmos a posição de que utilizam apenas o islamismo para outros fins?

O Irão? A Arábia Saudita? A comunidade Ismaelita Aga Khan? o Estado Islâmico? O Paquistão?... etc... Quais aqueles que se afirmam taxativamente islamita a quem nós devemos dizer: - "a mim não me enganas tu!"...  :?

Todos esses você pode considerar islâmico, exceto o GRUPO TERRORISTA "Estado Islâmico". Ninguém diz "estado terrorista" só porque eles se autointitulam "estado" e sim "grupo terrorista". O mesmo deveria ser também pra "islâmico".

Quem sabe isso ajuda: http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/nao-e-estado-nem-e-islamico-e-organizacao-criminosa/

E aqui dá a entender:
Ao que parece divulgaram um video do cara fazendo juramento ao EI.

Deturparam Maomé de novo.

Vocês consideram o Estado Islâmico um grupo terrorista religioso e eu apenas um grupo terrorista que usa o nome da religião, mas com objetivos mundanos.

Negócio fechado!  :ok:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Janeiro de 2017, 16:28:28
O grupo terrorista se chama "estado islâmico" por almejar ter o reconhecimento como estado, que não tem, ok. Mas isso não diz nada sobre a religião que os motiva a fundar esse estado teocrático islâmico (califado).

O mais próximo de "análogo" aí seria a maioria dos religiosos rejeitar seus métodos e interpretações, e assim colocá-los como meramente "seita", que geralmente é a linha de defesa/racionalização nesse tipo de coisas.

Mas, diferentemente de "estados", esse não-reconhecimento não quer dizer nada, o que eles seguem continua sendo a religião deles, mesmo que tenha muitos aspectos rejeitados pela maioria dos seguidores de algo mais próximo. Religião, ou seita, como preferirem -- são na prática, sinônimos.

Dizer que "não é o verdadeiro islã" é algo como dizer "não é a verdadeira religião, que é o taoísmo, a única religião verdadeira". Viés absoluto de uma dada perspectiva religiosa, e não a realidade objetiva, de que o que praticam é sua religião -- fenômeno social, não "verdade absoluta".
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 01 de Janeiro de 2017, 17:02:04
Pior mesmo é esse site que conheço lá pra 2009 ou 2010, que tentar induzir a pensar que os Islã é científico. Isso pode ser um outro perigo, o do Islamismo "científico" tipo um Design inteligente islâmico que tenta passar uma pseudociência e os mais desinformados podem cair nessa mais fácil:

http://www.islamreligion.com/pt/category/33/evidencia-de-que-o-isla-e-verdade (http://www.islamreligion.com/pt/category/33/evidencia-de-que-o-isla-e-verdade)

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1/atmosfera-da-terra (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1/atmosfera-da-terra)

http://www.islamreligion.com/pt/articles/216/o-alcorao-sobre-o-desenvolvimento-embrionario-humano (http://www.islamreligion.com/pt/articles/216/o-alcorao-sobre-o-desenvolvimento-embrionario-humano)

(Esse aqui é uma caso pro Geotecton (http://clubecetico.org/forum/index.php?action=profile;u=3246) tratar sobre... talvez vale um tópico específico?)
http://www.islamreligion.com/pt/articles/215/o-alcorao-sobre-as-montanhas (http://www.islamreligion.com/pt/articles/215/o-alcorao-sobre-as-montanhas)

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1560/o-alcorao-sobre-o-universo-em-expansao-e-teoria-do-bing-bang (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1560/o-alcorao-sobre-o-universo-em-expansao-e-teoria-do-bing-bang)

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra)

http://www.islamreligion.com/pt/articles/5195/alguns-dos-milagres-cientificos-em-resumo (http://www.islamreligion.com/pt/articles/5195/alguns-dos-milagres-cientificos-em-resumo)




Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 01 de Janeiro de 2017, 20:40:54
Os textos sobre geologia são muito piores que os dos adventistas.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 02 de Janeiro de 2017, 01:36:43
Os textos sobre geologia são muito piores que os dos adventistas.

Sério?
Eu queria saber, pelo menos, em resumo que pontos lá tem incoerência

e tem esse artigo sobre o ponto mais baixo da Terra:

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra)
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Geotecton em 02 de Janeiro de 2017, 08:38:21
Os textos sobre geologia são muito piores que os dos adventistas.

Sério?
Eu queria saber, pelo menos, em resumo que pontos lá tem incoerência

e tem esse artigo sobre o ponto mais baixo da Terra:

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra)


Esta semana será complicada profissionalmente para mim.

Assim que eu puder, apresento um resumo dos pontos mais críticos dos textos.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Agnoscetico em 03 de Janeiro de 2017, 17:03:16
Os textos sobre geologia são muito piores que os dos adventistas.

Sério?
Eu queria saber, pelo menos, em resumo que pontos lá tem incoerência

e tem esse artigo sobre o ponto mais baixo da Terra:

http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra (http://www.islamreligion.com/pt/articles/1563/vitoria-dos-romanos-e-o-ponto-mais-baixo-na-terra)


Esta semana será complicada profissionalmente para mim.

Assim que eu puder, apresento um resumo dos pontos mais críticos dos textos.

OK
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Jack Carver em 05 de Janeiro de 2017, 20:59:47
https://www.youtube.com/v/bfXuG1AgaNA
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 05 de Janeiro de 2017, 23:01:01
https://www.youtube.com/v/bfXuG1AgaNA

http://www.thelocal.se/20170103/swedish-video-of-new-years-fireworks-being-shot-at-crowds-goes-viral

Segundo a matéria, a policia confirma a pratica de soltar fogos de artifícios em direção às pessoas por vários anos. Não diz que é prática dos imigrantes.

Esse palhaço do vídeo chuta coisas sem saber, no melhor estilo Fake News.

Pra se ter uma ideia do estilo desse bobalhão é só ver os outros vídeos do canal dele no youtube.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pagão em 06 de Janeiro de 2017, 07:51:05
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/lider-da-al-qaida-acusa-chefe-do-estado-islamico-por-propaganda-desonesta

E qual deles é o verdadeiro terrorismo de pretexto islâmico?...  :?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 06 de Janeiro de 2017, 08:33:18
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/lider-da-al-qaida-acusa-chefe-do-estado-islamico-por-propaganda-desonesta

E qual deles é o verdadeiro terrorismo de pretexto islâmico?...  :?

Nenhum!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 06 de Janeiro de 2017, 08:37:44
Ambos.

http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/lider-da-al-qaida-acusa-chefe-do-estado-islamico-por-propaganda-desonesta

E qual deles é o verdadeiro terrorismo de pretexto islâmico?...  :?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Janeiro de 2017, 14:56:09
A disputa é inclusive sobre quem é mais fielmente islâmico.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 12 de Janeiro de 2017, 12:45:35
http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 12 de Janeiro de 2017, 12:51:44
http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

O caminho da Europa parece claramente definido.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: DDV em 12 de Janeiro de 2017, 12:57:38
É a roda da história.


"In a 2008 blog post for Psychology Today titled "Why we are losing this war", Kanazawa claims that Americans are unable to win in the Middle East—and in the "global clash of civilizations"—because they do not hate their enemies enough"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Janeiro de 2017, 13:03:52
http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

Quem diria hein?  DDV caindo na onda Fake News Breitbart! Não imaginava tanta inocência...

Pensando bem acho que dá pra entender: deve ser a carga astronômica de estereótipos que pesam sobre os ombros!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 12 de Janeiro de 2017, 13:10:44
http://www.dailymail.co.uk/news/article-4036112/More-1-000-demonstrators-hear-Muslim-speaker-call-global-Islamic-rule-steps-London-s-Syrian-Embassy.html

http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

Quem diria hein?  DDV caindo na onda Fake News Breitbart! Não imaginava tanta inocência...

Pensando bem acho que dá pra entender: deve ser a carga astronômica de estereótipos que pesam sobre os ombros!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 12 de Janeiro de 2017, 13:30:21
Putz, o Daily Mail também é Fake News?

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4036112/More-1-000-demonstrators-hear-Muslim-speaker-call-global-Islamic-rule-steps-London-s-Syrian-Embassy.html

http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

Quem diria hein?  DDV caindo na onda Fake News Breitbart! Não imaginava tanta inocência...

Pensando bem acho que dá pra entender: deve ser a carga astronômica de estereótipos que pesam sobre os ombros!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 12 de Janeiro de 2017, 13:40:12
Putz, o Daily Mail também é Fake News?

http://www.dailymail.co.uk/news/article-4036112/More-1-000-demonstrators-hear-Muslim-speaker-call-global-Islamic-rule-steps-London-s-Syrian-Embassy.html

http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.

Quem diria hein?  DDV caindo na onda Fake News Breitbart! Não imaginava tanta inocência...

Pensando bem acho que dá pra entender: deve ser a carga astronômica de estereótipos que pesam sobre os ombros!

São uns safadinhos....
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 12 de Janeiro de 2017, 13:55:39
Tudo forjado. Islã é a religião da paz.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Janeiro de 2017, 14:04:50
Nossa! Quanta gente inocente!  :histeria:

A minha beleza está um pouco cansada, mas quando eu tiver tempo, se não aparecer nenhuma alma caridosa antes, eu mostro o quanto tudo isso é ridículo e patético!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Janeiro de 2017, 15:08:14
A minha beleza está um pouco cansada, mas quando eu tiver tempo, se não aparecer nenhuma alma caridosa antes, eu mostro o quanto tudo isso é ridículo e patético!

Se isso for seguir o padrão de sempre, então a realidade é algo muito mais preocupante do que essas notícias podem fazer parecer. :(




http://www.express.co.uk/news/world/743825/1000-Muslims-close-London-streets-chant-Allahu-Akbar-demand-Islamic-caliphate


O Estado Islâmico é bem mais popular entre a população islâmica mundial do que sonha nossa vã filosofia.



Não necessariamente o EI/ex-Al Qaeda do Iraque (que deve ser consideravelmente impopular, até por estar precisando fazer guerras para conquistar território em vez de ter adesão espontânea das populações muçulmanas numa expansão pacífica), mas o conceito de um estado islâmico. Isso é praticamente parte da religião.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Janeiro de 2017, 15:12:27
A minha beleza está um pouco cansada, mas quando eu tiver tempo, se não aparecer nenhuma alma caridosa antes, eu mostro o quanto tudo isso é ridículo e patético!

Se isso for seguir o padrão de sempre, então a realidade é algo muito mais preocupante do que essas notícias podem fazer parecer. :(

Você também Buckaroo?!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 12 de Janeiro de 2017, 21:02:48
Tem que ser muito inocente pra cair nessa de que 1000 muçulmanos londrinos estão pedindo um califado mundial. A polícia certamente iria prender alguém fazendo algo parecido como uma apologia ao EI, como já prendeu:

https://www.theguardian.com/uk-news/2016/aug/16/anjem-choudary-convicted-of-supporting-islamic-state


Aquela manifestação foi um protesto contra o que estava acontecendo em Aleppo:

http://www.middleeasteye.net/news/hundreds-gather-london-condemn-inhumanity-aleppo-401671229


Os Fake News sempre fazem o mesmo: registram um radical e tentam denegrir a todos como fizeram acima: um protesto a favor de Aleppo virou mil islâmicos demandando um califado mundial.

Tenha dó!

Cadê os principais veiculos de comunicação ingleses denunciando esse fato? Tem que desconfiar, por favor!

Por que o theguardian e similares não disseram nada?

Isso aqui é Clube Cético ou o que?

É só pra negar a existência de Deus mais nada? O resto engole fácil! Até moderador!!!!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 13 de Janeiro de 2017, 08:28:44
Tem que ser muito inocente pra cair nessa de que 1000 muçulmanos londrinos estão pedindo um califado mundial. A polícia certamente iria prender alguém fazendo algo parecido como uma apologia ao EI, como já prendeu:

https://www.theguardian.com/uk-news/2016/aug/16/anjem-choudary-convicted-of-supporting-islamic-state


Aquela manifestação foi um protesto contra o que estava acontecendo em Aleppo:

http://www.middleeasteye.net/news/hundreds-gather-london-condemn-inhumanity-aleppo-401671229


Os Fake News sempre fazem o mesmo: registram um radical e tentam denegrir a todos como fizeram acima: um protesto a favor de Aleppo virou mil islâmicos demandando um califado mundial.

Tenha dó!

Cadê os principais veiculos de comunicação ingleses denunciando esse fato? Tem que desconfiar, por favor!

Por que o theguardian e similares não disseram nada?

Isso aqui é Clube Cético ou o que?

É só pra negar a existência de Deus mais nada? O resto engole fácil! Até moderador!!!!

Anotado. Devemos gostar do The Guardian e não do Daily Mail.

Só para constar, se fosse aqui no Brasil a Folha de São Paulo e o UOL, principais meios, publicariam algo do tipo "Minorias vítimas de preconceitos realizam manifestação por seus direitos". E a Veja arremataria: "A sexualidade fluída da geração jihad (E você não tem nada a ver com isso!)"
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 13 de Janeiro de 2017, 08:46:35
LOL.

middleeasteye.net = OK

dailymail.co.uk = NOPE

TÁ.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 08:50:11
http://listverse.com/2015/06/23/10-egregiously-false-stories-in-the-daily-mail/

http://realorsatire.com/dailymail-co-uk/

Só pesquisar, tem muita coisa...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 08:52:55
LOL.

middleeasteye.net = OK

dailymail.co.uk = NOPE

TÁ.

Onde está a notícia desse grave fato nos principais veículos ingleses?

Se fosse no Brasil iria aparecer no JN, O Globo, Veja, etc...

Por que não tem nada lá?????

Afffffff......
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gaúcho em 13 de Janeiro de 2017, 09:07:21
Um bando de imbecis se reuniu para pedir um califado mundial. Por que diabos isso deveria ser uma grande notícia? É basicamente o comportamento padrão esperado desse pessoal.

Grande repercussão teria se eles tivessem se reunido para declararem que não se importam se alguém desenhar Maomé e que, apesar das restrições da religião deles, eles sabem que não podem interferir na vida dos outros e não se importam com mulheres de biquíni na praia e homossexualismo alheio. Isso sim seria surpresa digna de ser noticiada.

"HUGE NEWS! Muçulmanos pedem a aplicação da sharia em todos os lugares"

Uhu, big news...
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 09:33:27
Surpresa pra você que não conhece a realidade de milhões de muçulmanos perfeitamente integrados na cultura local de cada país.

Apesar de você querer miminizar, é sim muito grave alguém fazer apologia ao EI,  mas você nem viu o link que eu postei do clerigo preso.  Não viu porque é parcial.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 13 de Janeiro de 2017, 09:37:14
Surpresa pra você que não conhece a realidade de milhões de muçulmanos perfeitamente integrados na cultura local de cada país.

Apesar de você querer miminizar, é sim muito grave alguém fazer apologia ao EI,  mas você nem viu o link que eu postei do clerigo preso.  Não viu porque é parcial.

Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 10:10:59
Surpresa pra você que não conhece a realidade de milhões de muçulmanos perfeitamente integrados na cultura local de cada país.

Apesar de você querer miminizar, é sim muito grave alguém fazer apologia ao EI,  mas você nem viu o link que eu postei do clerigo preso.  Não viu porque é parcial.

Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

http://www.leonardpierce.com/blog/2015/03/10/the-myth-of-muslim-silence/
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 13 de Janeiro de 2017, 10:13:13
Surpresa pra você que não conhece a realidade de milhões de muçulmanos perfeitamente integrados na cultura local de cada país.

Apesar de você querer miminizar, é sim muito grave alguém fazer apologia ao EI,  mas você nem viu o link que eu postei do clerigo preso.  Não viu porque é parcial.

Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

http://www.leonardpierce.com/blog/2015/03/10/the-myth-of-muslim-silence/

Mito? Não me parece.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 10:36:20
Surpresa pra você que não conhece a realidade de milhões de muçulmanos perfeitamente integrados na cultura local de cada país.

Apesar de você querer miminizar, é sim muito grave alguém fazer apologia ao EI,  mas você nem viu o link que eu postei do clerigo preso.  Não viu porque é parcial.

Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

http://www.leonardpierce.com/blog/2015/03/10/the-myth-of-muslim-silence/

Mito? Não me parece.

Você leu?

Tem esse também:

http://www.huffingtonpost.com/kamran-pasha/the-big-lie-about-muslim_b_188991.html

Aliás tem toneladas de informações na Web.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 13 de Janeiro de 2017, 10:37:37
Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

Exatamente!
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 13 de Janeiro de 2017, 10:40:20
Você leu?

Tem esse também:

http://www.huffingtonpost.com/kamran-pasha/the-big-lie-about-muslim_b_188991.html

Aliás tem toneladas de informações na Web.

Huffington Post é um santuário do Politicamente Correto e da esquerda mundial.

Se Daily Mail=Fake News, o que dizer do HP?
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 11:00:04
Você leu?

Tem esse também:

http://www.huffingtonpost.com/kamran-pasha/the-big-lie-about-muslim_b_188991.html

Aliás tem toneladas de informações na Web.

Huffington Post é um santuário do Politicamente Correto e da esquerda mundial.

Se Daily Mail=Fake News, o que dizer do HP?

Tem bastante material, é só você pesquisar.

Aliás você viu o link?:

http://listverse.com/2015/06/23/10-egregiously-false-stories-in-the-daily-mail/

http://realorsatire.com/dailymail-co-uk/

Só pesquisar, tem muita coisa...

Ou vamos ficar dando voltas??
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Pasteur em 13 de Janeiro de 2017, 11:02:24
Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

Exatamente!

Você abriu algum link de ontem pra hoje?   :hein:
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Gauss em 13 de Janeiro de 2017, 11:35:16
Sim, nesse ponto você está correto. Eu tenho amigos na comunidade muçulmana e a convivência é ótima, mesmo com os originados de outros países. Mas o que incomoda é um certo silêncio diante do que acontece em nome do Islã, mesmo se considerarmos como uma suposta deturpação da doutrina.

Exatamente!

Você abriu algum link de ontem pra hoje?   :hein:
Abri. E não falaram nada do que eu já não saiba.
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Shadow em 13 de Janeiro de 2017, 14:58:51
http://www.oantagonista.com/posts/sou-submetido-a-ala

 Mundo 13.01.17 14:47

O jornal Liberation divulgou trechos de uma carta que teria sido escrita por Salah Abdeslam, um dos líderes dos atentados de 13 de novembro de 2015 em Paris - o terrorista está preso e nunca abriu a boca.

Vejam alguns trechos:

"Em primeiro lugar, não tenho medo de deixar algo escapar porque não me envergonho do que sou - além disso, que coisa pior poderiam dizer de mim além do que já disseram."

"Não busco nem me elevar em terra, nem cometer desordem, só quero a reforma, sou muçulmano, ou seja, submetido a Alá."
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Janeiro de 2017, 15:32:18
Sem ler tudo desde a última mensagem que li antes, o Daily Mail é meio tabloidinho não lá 100% confiável mesmo.

É dos tablóides ingleses que vem o termo pejorativo "tablóide".

Ainda assim, não parece ter nem nada muito surpreendente/chocante nesse caso. Deve ser bastante comum o suporte a um califado pelos muçulmanos, ainda que não seja necessariamente o auto-denominado EI, ou que sejam ainda contra esse EI (apesar de talvez suscetíveis a sua propaganda).

Pode de qualquer forma ter havido distorção ou acréscimo, como é típico dos alt-righters/fox-newsers da vida (provavelmente sugerindo ou aumentando a associação de manifestações ao EI-terrorista), mas não fui atrás.







Sobre protestos, a impressão que passa é que serão mais comumente sobre coisas idiotas, como cachorros em ônibus, do que contra o EI ou Al Qaeda. Geralmente esses deverão acabar embutidos em algum protesto contra islamofobia, já que a aparente omissão anterior ajuda a fortalecer o sentimento anti-muçulmano.

E por falar nisso:

http://www.snopes.com/millions-of-muslims-marched-against-the-islamic-state/


Ao mesmo tempo...


Thousands of Hard-Line Muslims Rally Against Jakarta’s Governor for Alleged Blasphemy

The candidacy of Basuki T. Purnama has long been controversial among ultra-conservative Muslims, who argue they shouldn’t have a non-Muslim leader

http://time.com/4558113/jakarta-blasphemy-protest-basuki/










Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Asia_Bibi_blasphemy_case

Aasiya Noreen (Urdu: آسیہ نورین‎ ALA-LC Āsiyaah Naurīn IPA: [ˈɑːsiɑː nɔːˈriːn] better known as Asia Bibi,[1][2] Urdu: آسیہ بی بی‎ ALA-LC Āsiyah Bī Bī IPA: [ˈɑːsiɑː biː biː], born c. 1971)[1] is a Pakistani Christian woman who was convicted of blasphemy by a Pakistani court, receiving a sentence of death by hanging. In June 2009, Noreen was involved in an argument with a group of Muslim women with whom she had been harvesting berries after the other women grew angry with her for drinking the same water as them. She was subsequently accused of insulting the Islamic prophet Muhammad, a charge she denies, and was arrested and imprisoned. In November 2010, a Sheikhupura judge sentenced her to death. If executed, Noreen would be the first woman in Pakistan to be lawfully killed for blasphemy.[3][4]

The verdict, which was reached in a district court and would need to be upheld by a superior court, has received worldwide attention. Various petitions, including one that received 400,000 signatures, were organized to protest Noreen's imprisonment, and Pope Benedict XVI publicly called for the charges against her to be dismissed. She received less sympathy from her neighbors and Islamic religious leaders in the country, some of whom adamantly called for her to be executed. Christian minorities minister Shahbaz Bhatti and Muslim politician Salmaan Taseer were both assassinated for advocating on her behalf and opposing the blasphemy laws.[5] Noreen's family went into hiding after receiving death threats, some of which threatened to kill Asia if released from prison.

....
Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: JJ em 19 de Janeiro de 2017, 10:10:53


Uma coisa que eu acho incrível é que haja ateus e agnósticos que  defendam o islamismo, sendo que em vários países islâmicos  não existe liberdade para  uma pessoa  deixar a religião islâmica e se mostrar ateia ou agnóstica, nem mesmo existe liberdade para existir um fórum cético que possa criticar a crença em deuses e a religião islâmica.


Título: Re:Analisando o "Perigo Islâmico"
Enviado por: Muad'Dib em 19 de Janeiro de 2017, 10:27:18



Uma coisa que eu acho incrível é que haja ateus e agnósticos que  defendam o islamismo, sendo que em