Forum Clube Cetico

Discussões => Laicismo, Política e Economia => Tópico iniciado por: Gabarito em 09 de Janeiro de 2016, 13:43:16

Título: O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 09 de Janeiro de 2016, 13:43:16
É muita informação interessante sobre um mesmo assunto e o melhor mesmo é criar um tópico próprio.
Mauricio Macri está trazendo uma revolução de ideias e estilo de governar, dando um banho de água fria na Esquerda Latino Americana que comanda vários países do continente.

A última dele, que me convenceu a abrir um tópico específico, foi essa aqui:

Citar
NADA DE AVIÃO PRESIDENCIAL! MACRI VIAJARÁ PARA FÓRUM ECONÔMICO NA SUÍÇA DE LINHA AÉREA.

Enquanto Dilma Rousseff viaja o mundo com comitivas gigantescas, muitas vezes usando até mais de um avião presidencial com custo caríssimo para os pagadores de impostos, Macri vai aposentar o velho avião presidencial argentino e fará sua primeira viagem internacional de linha aérea, como qualquer cidadão argentino faria.

Isso é mais um sinal de austeridade do mais novo mito da América Latina, que também trocou os carros importados do governo por carros nacionais, está cortando impostos e burocracia, e acabando com milhares de cargos comissionados que só inchavam a folha de pagamentos do Estado.

Aliás, o objetivo de Macri no fórum de Davos é mostrar que novos tempos chegaram ao seu país, e que está aberto a investimentos externos. Dilma, por sua vez, ficou no Brasil para lutar por aumento de impostos.

O Brasil precisa de um Mauricio Macri urgente.

http://www.clarin.com/politica/Mauricio_Macri-Davos-vuelo-Tango_01_0_1500449976.html

(https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xta1/t31.0-8/12401994_337275686396581_6322929241542472540_o.png)




Abaixo, outras notícias que mostram que o sujeito veio determinado a fazer a coisa certa:


Citar
O presidente recém-eleito da Argentina, Maurício Macri, irá ao Fórum econômico de Davos, na Suíça. O objetivo é dizer que os tempos em seu país mudaram, e que estará aberto aos investimentos externos.

Dilma, por sua vez, não vai. Ficará no Brasil aumentando os impostos em cima dos brasileiros.

Não é a toa que, por exemplo, a revista Financial Times já diz que a Argentina está tomando o lugar do Brasil aos olhos do mundo. O governo de Dilma vai manter o caminho do país no caminho do retrocesso, enquanto o país de Macri, abandonando políticas intervencionistas, terá progresso nos próximos anos.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/01/1726371-macri-vai-a-davos-e-jornal-ve-argentina-tomar-lugar-do-brasil.shtml

(https://scontent-gru2-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xtl1/t31.0-8/12496434_336742029783280_7775159373154431599_o.png)



Citar
Macri está sendo o terror do Foro de São Paulo.

Tá acabando com os médicos cubanos e já avisou: não vai financiar ditaduras.

http://radio.estadao.com.br/audios/detalhe/radio-estadao,presidente-da-argentina-manda-descredenciar-os-medicos-cubanos-e-afirma-que-nao-financiara-ditaduras,529769

(https://fbcdn-sphotos-b-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfp1/t31.0-8/12491988_336958126428337_7092738097297888299_o.png)




Citar
Macri, liberal, atrai investimentos e oportunidades para a Argentina. O presidente recém-eleito está cortando impostos, derrubando barreiras e o resultado é esse que o liberalismo canta faz tempo: o país voltará a crescer com empregos e sonhos.

Já no Brasil, Dilma segue com a política intervencionista de sempre. Investidores vão buscar outro lugar para levar seus recursos. Não é por acaso que o mais novo levantamento aponta que o país pode perder até 2 milhões e 200 mil postos de trabalho em 2016.

Mais liberalismo é mais liberdade, mais prosperidade, mais emprego, mais sonho, mais felicidade.

(https://fbcdn-sphotos-f-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpf1/v/t1.0-9/1923838_336239173166899_7227889311349546761_n.png?oh=d3adf07e282a33bafb2f0d218f97aaea&oe=57436577&__gda__=1459343798_81e8ae65c529207016cc11f98a5584ec)




Citar
Macri decreta fim do órgão regulador de monopólios de meios de comunicação (http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/12/macri-decreta-fim-do-orgao-regulador-de-monopolios-de-meios-de-comunicacao-4941217.html)
30/12/2015 - 12h43min

O presidente argentino Mauricio Macri eliminou nesta quarta-feira por decreto o órgão que regulava os monopólios nos meios de comunicação audiovisuais, com o argumento de pôr fim ao que considerou "guerra contra o jornalismo", anunciou o chefe de Gabinete, Marcos Peña.

"Cria-se o Ente Nacional de Telecomunicações. Absorve os organismos AFSCA e AFTIC" (siglas de agências de controle antimonopolista e tecnológico), disse Peña em coletiva de imprensa na Casa Rosada, sede de governo.

Ambos órgãos reguladores sofreram intervenção há uma semana com a força policial após uma ordem de despejo da justiça. Eles tinham sido criados pela Lei dos Meios em 2009, com apoio quase unânime do Congresso e iniciativa da presidente Cristina Kirchner.

Em outra medida que tende a desarticular políticas implementadas pelo kirchnerismo em seus 12 anos no poder, Peña disse que "começa uma política do século XXI. Termina a guerra contra o jornalismo".

Peña se referiu ao enfrentamento ao poderoso grupo de comunicação Clarín, um dos maiores da América Latina, que travou uma guerra em suas publicações e nos tribunais contra a orientação peronista de centro-esquerda do governo de Kirchner.

A Lei dos Meios obrigava os grupos com hegemonia em televisão a cabo, televisão aberta e rádios a desprender-se de algumas unidades de negócios. O Clarín conseguiu impedir sua aplicação com uma batalha judicial que ainda continua nos tribunais.

"Acreditamos no jornalismo crítico. Não acreditamos nos monopólios da economia", explicou Peña.

O chefe de Gabinete anunciou que o governo enviará ao Congresso um projeto de nova Lei dos Meios. Macri é um líder da direita liberal que está em descordo aos Kirchner.

Apenas uma semana depois da posse de Macri, em 10 de dezembro, dezenas de milhares de manifestantes se reuniram na frente do Palácio do Congresso em defesa da Lei dos Meios, que permitiu outorgar centenas de licenças a novas emissoras audiovisuais de conteúdos.


Argentina tem uma galeria de Prêmios Nobels, Argentina tem uma coleção de Prêmios Oscars, Argentina já tem até papa.
Agora, Argentina dá outro passo à frente com um presidente liberal, cheio de boas ideias.

Que esses ventos não se esqueçam de passar por aqui também.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: DDV em 09 de Janeiro de 2016, 14:09:01
A Argentina já foi um dos países top no mundo até a época de Perón.

Tanto que existia um ditado na Europa: "rico como um argentino".

E conforme tópico que eu criei comentando, a Argentina foi o único caso na História de um país rico que tornou-se pobre.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 09 de Janeiro de 2016, 14:14:52
Justus para presidente do Brasil!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 09 de Janeiro de 2016, 14:16:13
A Argentina já foi um dos países top no mundo até a época de Perón.

Tanto que existia um ditado na Europa: "rico como um argentino".

E conforme tópico que eu criei comentando, a Argentina foi o único caso na História de um país rico que tornou-se pobre.

Tem um economista que dizia que existem 4 divisões econômicas no mundo: primeiro mundo, terceiro mundo, Japão (fazem muito com pouco) e Argentina (fazem pouco com muito)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: DDV em 09 de Janeiro de 2016, 14:17:50
A Argentina já foi um dos países top no mundo até a época de Perón.

Tanto que existia um ditado na Europa: "rico como um argentino".

E conforme tópico que eu criei comentando, a Argentina foi o único caso na História de um país rico que tornou-se pobre.

Tem um economista que dizia que existem 4 divisões econômicas no mundo: primeiro mundo, terceiro mundo, Japão (fazem muito com pouco) e Argentina (fazem pouco com muito)

 :lol:

Faz sentido.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 09 de Janeiro de 2016, 15:31:53
Espero que esse cara consiga tirar a Argentina do buraco em que a Cretina enterrou fundo. Seria o último prego no caixão da corja populista do Fidel.

Se a população tiver emprego e grana sobrando enterra a corja imunda de uma vez.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 09 de Janeiro de 2016, 15:40:09
Um possível problema é que devem reduzir as relações comerciais com os países vizinhos, pela "traição" implícita, e talvez até intenção até de sabotagem no que for possível.

Mas, talvez isso seja compensado com ampliação do comércio com outros países, e, se protecionismo tem algum efeito positivo, acaba sendo um "protecionismo forçado", que talvez tenha o mesmo efeito positivo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 09 de Janeiro de 2016, 15:44:37
Um possível problema é que devem reduzir as relações comerciais com os países vizinhos, pela "traição" implícita, e talvez até intenção até de sabotagem no que for possível.

Mas, talvez isso seja compensado com ampliação do comércio com outros países, e, se protecionismo tem algum efeito positivo, acaba sendo um "protecionismo forçado", que talvez tenha o mesmo efeito positivo.

Possivelmente ele vai correr para o lado dos gringos ou dos europeus ao invés de fazer comércio com caloteiros da AL.

Mais um motivo para apoiar o cara.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 09 de Janeiro de 2016, 19:33:40
1 mês de governo

(https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xft1/t31.0-8/12402239_939314672843364_3791381361090916339_o.jpg)

Será que mantém o pique?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 09 de Janeiro de 2016, 21:37:39
Ele está bancando o presidente competente só para ser reeleito. Interesseiro!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 09 de Janeiro de 2016, 22:29:43
1 mês de governo

Será que mantém o pique?

Possivelmente, principalmente depois que a população sentir a melhora no bolso.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 13 de Janeiro de 2016, 12:15:36
Citar
Macri corta impostos e receita agrícola cresce 100%

O governo Mauricio Macri faz o que o governo Dilma não sabe ou não quer fazer: reduzir o peso e o papel do Estado na economia para reativá-la.

Uma das primeiras medidas de Macri foi acabar com o controle cambial e estabelecer um radical corte de impostos que afetavam o setor agrícola, o grande motor da economia Argentina. Hoje, o jornal Clarín informa que a receita deste setor cresceu “apenas” 100% .

É verdade que a desvalorização do peso contribui no momento e é possível que em médio preso ocorra uma valorização da moeda argentina, contudo o câmbio livre e o corte de impostos proporcionam melhores condições de competitividade. O valor da moeda e os preços dos produtos se ajustarão de acordo com a lei de oferta e demanda e não mais de acordo com a cabeça de um burocrata.

Ao incapaz governo brasileiro, Macri tem oferecido um curso de economia a distância. Pena que Dilma e sua turma não aprendem nada e não esquecem nada.

http://brasileiroemalerta.blogspot.com.br/2016/01/macri-corta-impostos-e-receita-agricola.html

Curva de Laffer mandou um abraço pro Brasil.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 13 de Janeiro de 2016, 12:22:53
Ótimo!

Mas o governo passou a arrecadar mais? De quanto foi a diminuição na(s) taxa(s)?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Janeiro de 2016, 12:27:02
Existe a proposta de ceder o Brasil como território à Argentina?  :'(
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 13 de Janeiro de 2016, 18:01:20
Citar
Em apenas um mês, Macri vem se tornando um mito na América Latina.

O setor agrícola argentino comemora as medidas liberais como o corte de impostos e burocracia nas exportações e já celebra o aumento de 100% nas receitas.

Dilma segue aumentando impostos.

http://www.clarin.com/br/Receita-agricola-argentino-medidas-governo_0_1502250126.html

(https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xlp1/v/t1.0-9/12540590_338054989651984_5540921524100306436_n.png?oh=f46ec28d8b8dda494985522663dd42d9&oe=57025C57)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 13 de Janeiro de 2016, 18:27:38
Será que barateia o preço do pãozinho qui prá nóis?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 13 de Janeiro de 2016, 18:36:22
Será que barateia o preço do pãozinho qui prá nóis?

Não, se baixar o preço na Argentina o Dilmão aumenta aqui para compensar.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 14 de Janeiro de 2016, 17:44:24
♪♫ Don't cry for me, Argentina...

Citar
Quem lacrou de novo? Sim, ele mesmo.

Macri só usará hospitais públicos durante sua presidência. O discurso se confirmou nessa semana quando o presidente argentino, ao se machucar brincando com sua filha, recorreu ao Hospital Fernandéz.

Enquanto isso, no Brasil, Lula, ao inaugurar uma unidade do SUS, disse que "dava vontade de ficar doente só para ser atendido nela", mas foi se atender, claro, no Sírio-Libanês.

http://www.lanacion.com.ar/1862120-mauricio-macri-se-atendera-en-hospitales-publicos-durante-su-presidencia

(https://scontent.fudi1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xpf1/t31.0-8/12469480_338363922954424_586092961006506959_o.png)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Janeiro de 2016, 18:59:58
Os mortadelas de aluguel não fizeram nenhuma declaração a respeito na internet?

Por exemplo, coisas como "Esse cara está tomando o lugar na fila de quem realmente precisa!" :lol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 14 de Janeiro de 2016, 19:15:17
Os mortadelas de aluguel não fizeram nenhuma declaração a respeito na internet?

Por exemplo, coisas como "Esse cara está tomando o lugar na fila de quem realmente precisa!" :lol:

Pelas redes, eu tenho visto a comparação entre o "Presidente Trabalhador do Povo" e o "Presidente Liberal e Elitista":

(https://scontent.fudi1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xtl1/v/t1.0-0/s526x395/12509893_338378996286250_2751021340392927468_n.png?oh=f0f58e5cb1787990337ed1e6e80d8c08&oe=573CD7FA)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 14 de Janeiro de 2016, 19:34:27
Por que tem tão poucos negros na Argentina?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 14 de Janeiro de 2016, 19:39:18
Por que tem tão poucos negros na Argentina?

Porque não foram escravagistas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 14 de Janeiro de 2016, 20:08:32
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/onde-foram-parar-negros-argentina-434210.shtml
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Janeiro de 2016, 20:30:57
Os mortadelas de aluguel não fizeram nenhuma declaração a respeito na internet?

Por exemplo, coisas como "Esse cara está tomando o lugar na fila de quem realmente precisa!" :lol:

Pelas redes, eu tenho visto a comparação entre o "Presidente Trabalhador do Povo" e o "Presidente Liberal e Elitista":

Sim, mas essas são do MBL.

Eu queria saber o que os mortadelas de aluguel acham do empresário malvado que cortou impostos e aumentou a arrecadação, se trata em hospital público, viaja em avião comum e deu uma banana para aqueles vagabundos do Foro de SP. :lol:

E é apoiado pela população. :biglol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 14 de Janeiro de 2016, 20:47:30


A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?


Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Janeiro de 2016, 21:10:53


A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?


Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?





A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 14 de Janeiro de 2016, 21:15:18

A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?


A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.



Acho que você está subestimando bastante o poder de influência da Globo e até da Record,  e superestimando o poder dessas redinhas de exibicionismo.




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 14 de Janeiro de 2016, 21:21:12
A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?

A fonte das notícias sobre Macri são principalmente de jornais argentinos, como O Clarin e La Nación.
Como a imprensa brasileira possui contratos com o governo federal e não quer se indispor com ele, vai evitar ao máximo fazer as comparações.

Portanto, não espere essas notícias por aqui.
Mas como Arcanjo Lúcifer já falou, os monopólios de notícias já caíram com a chegada da internet em todo lugar.
Quem precisa de Globo e Record?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 14 de Janeiro de 2016, 21:25:03

A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?


A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.



Acho que você está subestimando bastante o poder de influência da Globo e até da Record,  e superestimando o poder dessas redinhas de exibicionismo.

Muito pelo contrário, eu cresci em uma época em que não existia internet e só havia meia dúzia de canais de televisão aberta se vc tivesse sorte de conseguir sintonizar todos eles.

Dito isso é fácil explicar como a Bobo se manteve como "líder de audiência" por tanto tempo, simplesmente não existia concorrência.

OK, a Record tem apoio da igreja evangélica, mas qual é a porcentagem da população não evangélica que assiste a Record?

Não tem essa influência toda mesmo.

Acho que sites como o Youtube, que qualquer um acessa de qualquer lugar em que estiver, tem muito mais influência hoje que essas redes de televisão.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 14 de Janeiro de 2016, 21:48:55
Veja a fonte. Não é da imprensa daqui.
Eis um trecho:

Citar

[...]

Durante doce años de subsidio despilfarrador, dichos artistas prefirieron refugiarse al amparo del Estado, actuando para y por el Gobierno que actuó como único demandante de sus servicios.  No cabe en estas líneas abrir un juicio de valor sobre dicha actitud.

Se dieron cuenta que maximizaban utilidades seduciendo a un Gobierno dispuesto a pagar los millones que son muy difíciles de conseguir en el mercado privado.

Si esa actitud es moral o inmoral hoy no es relevante. El punto es que la sociedad avaló y votó a un gobierno que no tuvo escrúpulos en destinar millones de pesos durante doce años en financiar artistas con afinidad ideológica.

[...]


Citar
Macri acaba com a "Lei Rouanet" da Argentina.

Macri acabou com subsídios do governo a artistas e produtoras, medida muito utilizada durante o kirchnerismo. Assim como aqui, os artistas beneficiados eram governistas.

http://www.libertadyprogresonline.org/2016/01/13/libertad-medios-comunicacion/

(https://scontent.fudi1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xft1/v/t1.0-0/p235x350/12417697_338394292951387_1306130040034757321_n.png?oh=73df961261bf5a9034d5084a396ad0aa&oe=570BDBC2)

Resumo: o sujeito está passando um trator em cima das medidas equivocadas criadas e mantidas pelo governo anterior.
Esperemos uns anos e vamos tirar outro retrato da Argentina para avaliar o saldo.

O grande problema é que aqui, a incompetência e teimosia criminosa continuam desviando o país da rota do progresso, do desenvolvimento e do futuro.
Não administra, não lidera, não gera confiança, mente e dissimula "diuturna" e "noturnamente", compra e aluga base de apoio, mantém dinossauro de cargos de confiança como moeda de troca e afunda, cada vez mais, o país inteiro.

Por baixo disso tudo existe uma imprensa melindrosa, uma oposição frouxa e um povo acomodado.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 15 de Janeiro de 2016, 07:39:59
A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?


A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.



Acho que você está subestimando bastante o poder de influência da Globo e até da Record,  e superestimando o poder dessas redinhas de exibicionismo.

Muito pelo contrário, eu cresci em uma época em que não existia internet e só havia meia dúzia de canais de televisão aberta se vc tivesse sorte de conseguir sintonizar todos eles.

Dito isso é fácil explicar como a Bobo se manteve como "líder de audiência" por tanto tempo, simplesmente não existia concorrência.

OK, a Record tem apoio da igreja evangélica, mas qual é a porcentagem da população não evangélica que assiste a Record?

Não tem essa influência toda mesmo.

Acho que sites como o Youtube, que qualquer um acessa de qualquer lugar em que estiver, tem muito mais influência hoje que essas redes de televisão.




O Youtube é um mar de vídeos e  programinhas, sendo muitos contraditórios entre si, no que se refere à política, e outras vezes são radicais só assistidos por grupelhos radicais minoritários,  e com audiências pulverizadas.  Acho que você continua superestimando o poder desses vídeos e  programinhas.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 15 de Janeiro de 2016, 07:48:13

Por baixo disso tudo existe uma imprensa melindrosa, uma oposição frouxa e um povo acomodado.




Os donos da grande mídia que é a TV tem seus próprios interesses imediatos,  a oposição é dividida e  cheia de contradições,  e o povo seguiria líderes fortes se existissem,  mas  no momento não existem.




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 15 de Janeiro de 2016, 07:49:11

 e um povo acomodado.



A  maioria das pessoas querem mesmo é encherem a cara de whisky ou cerveja  (ou outra droga alcoólica).  Querem é farra regada a droga álcool.

Tem outro grande grupo que não precisa de drogas alcoólicas, mas que precisa de  mensagens de  pastores.

O que se pode esperar de farristas alcoólicos e de igrejeiros ?


Dos igrejeiros eu tenho lá minhas dúvidas, mas dos farristas alcoólicos... o consumo per capita brasileiro de alcool deve ser historicamente menor do que o de (quase) todos os países sérios da modernidade.

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a9/Alcohol_consumption_per_capita_world_map.PNG)

Conte-me na lista dos que estão jogando a média brasileira pro alto.

Não é bem isso que atrapalha nossa "consciência política".

O ajuste mental nerd muitas vezes contribui pra uma visão meio conservadora demais relacionada ao consumo de drogas, incluindo o alcool. Acho que muito em parte por causa da sociabilidade que envolve o uso de entorpecentes.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 15 de Janeiro de 2016, 07:56:53
**ainda:

Citar
High development index implies that the inhabitants of a country have
a long and healthy life, more access to knowledge and a decent standard
of living. Population with a favorable view on these indicators
are not only exposed, but they are also active drug users. The higher
the index of human development is, the higher the drug consumption
rates are, which indicate that although the human development index
can reflect material or economic improvements, it is not necessarily
traduced in the human value of the people or society and does not
assure quality of life or well-being.


http://www.medigraphic.com/pdfs/salmen/sam-2014/sam141e.pdf



Citar
Alcohol drinking is associated with the socioeconomic status of a country too, e.g. income, education
and employment status (Bloomfi eld, Grittner, Kramer & Gmel, 2006). As was shown in Sweden, an
increasing strength of the national economy went along with a decrease of youngsters’ alcohol use
(Svensson & Hagquist, 2009). The distribution of wealth in a society may indirectly affect young people
and the amount of alcohol being used. Research on the direction of the association between alcohol
use and income has proved to be very inconsistent. Some studies found a positive relationship which
means that a higher income also increases the odds of reporting hazardous use behaviour, because
with the economic means the opportunities to use alcohol in a hazardous manner also increase (Keyes
& Hasin, 2008). Different kinds of research supported a negative relationship by which adolescents
living in a family with low affl uence report higher rates of substance use than more affl uent adolescents
(Elgar, Roberts, Parry-Langdon, & Boyce, 2005). Education is another indicator infl uencing alcohol
use, with inconsistent results regarding the direction of the association. A negative association
between educational level and heavy drinking has been found to exist only in some countries, while in
others a positive association between educational attainment and heavy drinking has been evident
(Kuntsche, et al., 2006). The unemployment rate of a country, another indicator worth exploring in this
fi eld, is also ambiguous (Hammer & Vaglum, 1990).


http://www.aaaprevent.eu/doc/2708Hoofdstuk18.pdf
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Janeiro de 2016, 12:56:17
Sobre a heterogeneidade das associações de patologias sociais com a ingestão de bebidas alcoólicas:

https://www.youtube.com/v/wOkpKAr9GqA
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Dr. Manhattan em 15 de Janeiro de 2016, 13:47:43
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/onde-foram-parar-negros-argentina-434210.shtml

Totalemente off-topic: O correto não seria "Aonde foram parar os negros da Argentina?"
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 15 de Janeiro de 2016, 13:48:11
http://www.oantagonista.com/posts/a-revolucao-macri

Citar
A revolução Macri

Mundo 15.01.16 11:10
Mauricio Macri decretou a liberação de todos os documentos oficiais sobre o promotor Alberto Nisman, morto depois de denunciar o pacto entre Cristina Kirchner e o Irã para acobertar os terroristas que assassinaram 85 pessoas na Amia.

A Argentina mudou.


Repitam comigo: cocodrilo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Janeiro de 2016, 14:03:41
http://guiadoestudante.abril.com.br/aventuras-historia/onde-foram-parar-negros-argentina-434210.shtml

Totalemente off-topic: O correto não seria "Aonde foram parar os negros da Argentina?"

Acho que não. Mas acho que seria correto "aonde vão parar", pela idéia de algo a ocorrer, em vez de ocorrido/estático. Talvez se resuma com algo como "onde estão"/"aonde vão"... :hein:



Citar
7) SEGUNDO CADERNO – p. 3 – GENTE BOA / Na cama da marquesa

- “O museu fechou para virar Museu da Moda e ninguém me informa aonde foi parar a colcha que eu doei” diz.

Crítica: erro de regência / grafia

Certo: “O museu fechou para virar Museu da Moda e ninguém me informa onde foi parar a colcha que eu doei” diz.

http://oglobo.globo.com/opiniao/autocritica-de-globo-nos-dias-23-24-25-de-fevereiro-de-2013-7670331






http://www.oantagonista.com/posts/a-revolucao-macri

Citar
A revolução Macri

Mundo 15.01.16 11:10
Mauricio Macri decretou a liberação de todos os documentos oficiais sobre o promotor Alberto Nisman, morto depois de denunciar o pacto entre Cristina Kirchner e o Irã para acobertar os terroristas que assassinaram 85 pessoas na Amia.

A Argentina mudou.


Repitam comigo: cocodrilo.

El cocodrilo és un animal muy peligroso para el perro, pero no para las gaviotas qui volan. El libro estás en la mesita.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 15 de Janeiro de 2016, 14:09:53
Gaviota!?

O espanhol parece cada vez mais alguém com dificuldades de falar o português.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Janeiro de 2016, 14:12:58
Eu tenho a teoria de que foi Torquemada quem efetivamente moldou o espanhol, com problemas pessoais na fala. "Atirem-no aos cocodrilos!", "er... crocodilos, senhor". "Atirem ese vierme a los cocodrilos también!", "si senior..."
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 15 de Janeiro de 2016, 14:20:45
Uno no deve enojárse or tiener rabia, con el propio modo de preguntar en pañol.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 15 de Janeiro de 2016, 14:28:35
Yo tengo un "problema", no se si és asi qui se debe escribir "problema" en castellano!!! ¿¿¿¿¿ pobrema, problemo, plobrema, problemia, probliema ????? Cómohace?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 15 de Janeiro de 2016, 18:15:36
A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?


A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.



Acho que você está subestimando bastante o poder de influência da Globo e até da Record,  e superestimando o poder dessas redinhas de exibicionismo.

Muito pelo contrário, eu cresci em uma época em que não existia internet e só havia meia dúzia de canais de televisão aberta se vc tivesse sorte de conseguir sintonizar todos eles.

Dito isso é fácil explicar como a Bobo se manteve como "líder de audiência" por tanto tempo, simplesmente não existia concorrência.

OK, a Record tem apoio da igreja evangélica, mas qual é a porcentagem da população não evangélica que assiste a Record?

Não tem essa influência toda mesmo.

Acho que sites como o Youtube, que qualquer um acessa de qualquer lugar em que estiver, tem muito mais influência hoje que essas redes de televisão.




O Youtube é um mar de vídeos e  programinhas, sendo muitos contraditórios entre si, no que se refere à política, e outras vezes são radicais só assistidos por grupelhos radicais minoritários,  e com audiências pulverizadas.  Acho que você continua superestimando o poder desses vídeos e  programinhas.





Foi através de sites como Youtube, FacebooK (que eu odeio) e Watsap que organizaram aquelas manifestações do ano passado.

Passando de pessoa a pessoa.

E tem as filmagens de celular do pessoal nas ruas, qualquer um filma algo que aconteceu e coloca no Youtube sem que precise de alguma rede Bobo.

Já contei a história da ponte aqui próxima de casa, na época ninguém quis colocar uma palavra na televisão ou na  mídia impressa mas se fosse hoje seria diferente.

Quantas pessoas a Record colocou na rua?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 15 de Janeiro de 2016, 18:24:02
http://www.oantagonista.com/posts/a-revolucao-macri

Citar
A revolução Macri

Mundo 15.01.16 11:10
Mauricio Macri decretou a liberação de todos os documentos oficiais sobre o promotor Alberto Nisman, morto depois de denunciar o pacto entre Cristina Kirchner e o Irã para acobertar os terroristas que assassinaram 85 pessoas na Amia.

A Argentina mudou.


Repitam comigo: cocodrilo.

Já estou até com vontade de me mudar para Argentina, vou treinar um portunhol para alguma emergência.

"El sapaton enterrou mi país em la mierda, por isso aora estoy aqui". :lol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 18 de Janeiro de 2016, 10:53:16
Citar
Macri dona su sueldo como presidente a comedor comunitario
El mandatario de Argentina daba su salario a la misma institución cuando gobernaba Buenos Aires; en el comedor comen alrededor de 1,800 personas cada día.

Viernes, 15 de enero de 2016 a las 17:29

BUENOS AIRES (AFP) — Mauricio Macri donará su sueldo como presidente de Argentina a un comedor comunitario al que ya concedía su salario cuando era alcalde de Buenos Aires (2007-2015), informaron este viernes fuentes de Casa de Gobierno a la prensa.

El destinatario de la donación, de unos 4,400 dólares, es el comedor Los Piletones de la Fundación Margarita Barrientos, que atiende a diario 1,800 personas en Villa Soldati, un barrio pobre al sur de la capital argentina.

Madre de 10 hijos, Barrientos abrió el comedor en 1996 y luego inauguró una guardería, un centro de salud, una sala de atención a ancianos y una biblioteca, según la página web de la ONG.

Macri dio las instrucciones para donar su sueldo, informó el diario Clarín citando fuentes de la Casa Rosada.

http://www.cnnexpansion.com/economia/2016/01/15/macri-dona-su-sueldo-para-atender-un-comedor-comunitario


Evitei as piadinhas tradicionais sobre o comedor...



Não precisando do próprio salário há vários anos, fica claro que esse magnata só está lá mesmo para defender os próprios interesse empresariais, usando a fome desses esfomeados como artimanha propagandiosa politiqueira.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 18 de Janeiro de 2016, 11:15:01
Já tinha saído na semana  passada.
Mesmo assim, ainda vale um Thug Life:

(https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfp1/v/t1.0-9/12509778_338760029581480_596200027907746084_n.png?oh=98ad35df963a1c722f9deab954040e44&oe=5707FF15&__gda__=1462917006_37bef96733bab6989f4b34df14f4e34c)

Citar
A lacração não para!

Macri vai doar seu salário de presidente a uma comunidade carente em Buenos Aires! Uma cozinha que serve 1800 pessoas diariamente irão receber os cerca de 4400 dólares do presidente argentino.
Los Piletones ainda costumam ter visitas do novo mito da América Latina.

http://www.cnnexpansion.com/economia/2016/01/15/macri-dona-su-sueldo-para-atender-un-comedor-comunitario
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 18 de Janeiro de 2016, 12:55:44
A Dilma certamente doaria metade de seu salário, mas infelizmente não conseguiram dobrar o salário neste ano para conseguirem doar metade, então nada feito.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Skorpios em 18 de Janeiro de 2016, 14:19:43
O salário da Dilma foi reduzido (http://www.valor.com.br/politica/4253364/corte-de-dilma-inclui-o-proprio-salario-e-3-mil-cargos-comissionados) seus coxinhas fanáticos. Nunca na história desse país um presidente fez isso. Reconheçam a grandeza de nossa líder.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 18 de Janeiro de 2016, 14:30:22
O salário da Dilma foi reduzido (http://www.valor.com.br/politica/4253364/corte-de-dilma-inclui-o-proprio-salario-e-3-mil-cargos-comissionados) seus coxinhas fanáticos.

http://www.implicante.org/blog/dilma-prometeu-cortar-3-mil-cargos-comissionados-mas-nao-cortou-nem-350/

Nunca na história desse país um presidente fez isso. Reconheçam a grandeza de nossa líder.

Não teve presidente porque o santo Aécio ainda era governador: http://www.jogodopoder.com/blog/aecio-neves-politica/aecio-neves/gestao-aecio-quando-foi-governador-de-mg-cortou-45-do-salario/

Se ele cortou 45% quando era governador, com certeza cortaria 90% ao ser presidente.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 18 de Janeiro de 2016, 19:32:41
O salário da Dilma foi reduzido (http://www.valor.com.br/politica/4253364/corte-de-dilma-inclui-o-proprio-salario-e-3-mil-cargos-comissionados) seus coxinhas fanáticos. Nunca na história desse país um presidente fez isso. Reconheçam a grandeza de nossa líder.


Acreditar em alguma coisa que essa senhora promete é exercício de inocência aplicada aos trouxas.
Alguém que já é avó, com o peso dos anos que podiam lhe auferir respeito e dignidade, auferem vergonha por tanta inclinação à mentira compulsiva.
O que lerão seus netos nos livros de história daqui a uns 20 anos?
Triste.

Citar
Não cortou salário como prometeu.

Adivinha quem voltou a defender mais impostos hoje? Sim, Dilma. E, na cara de pau, sem cortar gastos, disse que é a única maneira de reequilibrar as contas públicas. COVARDE!

http://oglobo.globo.com/brasil/reequilibrar-brasil-implica-em-aumentar-impostos-diz-dilma-18480961

(https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xat1/t31.0-8/12484762_338546172936199_628658604334617515_o.png)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 18 de Janeiro de 2016, 21:52:59
Ela devia aumentar os impostos, sim.

De quem votou nela!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 19 de Janeiro de 2016, 13:57:56
Não diretamente feito pelo Macri, mas já algo provocado pelas atitudes dele no comando:

Citar
Preços dos Carros da Audi cai pela Metade (mas só na Argentina, graças ao novo Governo)!
http://autovideos.com.br/precos-carros-audi-cai-metade-argentina-gracas-novo-governo/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 19 de Janeiro de 2016, 14:08:28
Tudo isso é apenas machismo. Os grandes capitalistas colaborando e investindo pesado para a exaltação de um presidento homem que toma o lugar de uma das únicas presidentas da história da humanidade.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 19 de Janeiro de 2016, 14:38:29
É tão básico, que não tem outra explicação que não seja ignorância ou má-fé. Nosso governo prefere ter 100 empresas pagando R$1.000,00 de imposto, do que ter 100.000 empresas pagando R$100,00 de impostos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 19 de Janeiro de 2016, 18:45:08
É tão básico, que não tem outra explicação que não seja ignorância ou má-fé. Nosso governo prefere ter 100 empresas pagando R$1.000,00 de imposto, do que ter 100.000 empresas pagando R$100,00 de impostos.

Soda é saber que empresários apoiaram o PT nesses anos todos, mesmo sabendo perfeitamente o que fariam com a economia do país.

Eu até entendo que um Zé Mortadela vote neles, eu até entendo que empresários como o Odebrecht apoiem o PT, o que não entendo é que gente supostamente esclarecida entre na conversa dessa corja imunda.

Não me passa pela cabeça que alguém que tem um mínimo de vivência ou alguma escolaridade vote em um ignorante que não arrumaria emprego como porteiro de zona se estivesse fora da vida pública.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 21 de Janeiro de 2016, 19:16:01
A surra continua:

Citar
Macri em Davos já garantiu bilhões de reais em investimento externo para a Argentina nos próximos anos.

As medidas de abertura de mercado e facilidade de comércio deixaram CEOs confiantes para gerar mais empregos e renda no país vizinho.

Enquanto isso, a capacidade de investimentos no Brasil caiu pela metade em apenas três anos com Dilma. Consequentemente, desemprego dispara e renda cai.


http://www.lanacion.com.ar/1864018-importantes-multinacionales-prometieron-a-macri-inversiones-por-mas-de-us-1000-millones

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/sob-dilma-capacidade-de-investimento-do-brasil-caiu-55

(https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xpl1/t31.0-8/12440456_339592726164877_5461128080381571837_o.png)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 21 de Janeiro de 2016, 19:36:05
Desperta até esperança da América do Sul finalmente aprender.

Acho que se a coisa ainda não estivesse tão mal a primeira reação da maioria seria coisas nas linhas de "o único argentino que presta foi Che Guevara". Mas como está até preferem não falar nada por enquanto.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 21 de Janeiro de 2016, 20:56:30
Desperta até esperança da América do Sul finalmente aprender.

Acho que se a coisa ainda não estivesse tão mal a primeira reação da maioria seria coisas nas linhas de "o único argentino que presta foi Che Guevara". Mas como está até preferem não falar nada por enquanto.

Reparou que ninguém ( Me referindo aos esquerdinhas) apareceu com aquela desculpa de que havia uma guerra econômica contra a Argentina como fazem em relação a Cuba e Venezuela?

Ao que parece a tal "guerra econômica" que f*** todo país em que os mortadelas colocam as patas só funciona enquanto são eles que comandam tudo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Janeiro de 2016, 10:28:16
São os grandes países capitalistas, o Estadunidos e diversos países europeus, que impõem essa guerra. Macriminoso é claramente um entreguista, se rendeu, com bandeirinha branca e tudo, e agora está sendo recompensado por essa traição. Enquanto que aqueles que ousam lutar por uma América Latina verdadeiramente livre são punidos sem dó.

Inicialmente pensavam que a Dilma também seria submissa aos grandes interesses capitalistas mundiais:

(http://msalx.veja.abril.com.br/2014/08/09/1910/economist-original.jpeg?1402461290)   

...e depois viram que não seria bem assim, então tinham que colocar essa "mulherzinha de país de terceiro mundo" em seu devido lugar.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Janeiro de 2016, 10:40:40
Finalmente!

Antes tarde do que nunca.

A imprensa brasileira começou a notar que existe notícia ao sul do Rio Grande do Sul e que o atual presidente da Argentina pode ajudar a vender jornal.
A Folha trouxe uma boa matéria da excelente impressão que Maurício Macri está causando em Davos:

Citar
Em Davos, Argentina vira exemplo ao Brasil (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/01/1732277-em-davos-argentina-vira-exemplo-ao-brasil.shtml?cmpid=newsfolha)
CLÓVIS ROSSI
ENVIADO ESPECIAL A DAVOS
22/01/2016 02h08

Um dos mais conhecidos analistas econômicos do Brasil, frequentador assíduo do Fórum de Davos, pede o anonimato para produzir a mais perfeita e irônica visão de como é vista, pela elite mundial, a ascensão de Mauricio Macri à Presidência argentina:

"A melhor notícia para o Brasil nos últimos tempos é Mauricio Macri", ironiza. E explica: seu exemplo servirá de estímulo para que o Brasil faça as reformas há tanto prometidas e sempre adiadas.

(http://f.i.uol.com.br/folha/mundo/images/1602162.jpeg)
   Ruben Sprich/Reuters    
O argentino Mauricio Macri (à dir.) encontra o premiê britânico, David Cameron, em Davos, na Suíça

Pelo menos em um ponto, Macri quer mesmo servir de modelo: na defesa dos os presos políticos na Venezuela e na pregação por democracia e direitos humanos.

"Em todas as instâncias a que irei nos próximos dias ou meses, vou falar disso", disse o presidente em encontro com os jornalistas do International Media Council, criado pelo Fórum Econômico Mundial.

Sua chanceler, Susana Malcorra, explicitou as instâncias e são realmente todas as regionais: Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe, Unasul, Organização dos Estados Americanos.

A julgar pelo entusiasmo de Macri, ele não é modelo só para o Brasil: o presidente acha que, "de repente, está todo o mundo indo na mesma direção" em relação à Venezuela. Menos o Brasil, ressalvou, "pelo problema que é a fronteira", sem detalhes.

O modelo que Macri vendeu na campanha eleitoral e nos seus primeiros 40 dias de governo atraiu de fato a atenção de Davos, a ponto de ter mobilizado até Martin Wolf, principal colunista do "Financial Times" e um dos mais respeitados do mundo, para a entrevista desta quinta (21).

"A Argentina está interessante", explicou Wolf.

Qual é o roteiro que Macri vendeu nos seus dois dias no encontro anual-2016 do Fórum Econômico Mundial?

Responde o próprio presidente: "Um país aberto, confiável, com regras estáveis para todos".

Música para os ouvidos dos executivos que formam a clientela básica de Davos, dos quais a antecessora de Macri, Cristina Kirchner, fugiu durante os 12 anos de reinado dos Kirchner.

Já Macri veio com um time completo de auxiliares, que trouxe ao seu encontro com os jornalistas, algo inusitado nesse modelo de conversa.

Deixou até que respondessem, junto com ele, além da chanceler Susana Malcorra, o ministro da Economia, Alfonso Prat-Gay, e o peronista Sergio Massa, derrotado no pleito que, em segundo turno, entronizou Macri.

Permitiu-se até uma brincadeira com o impecável inglês de Prat-Gay, que serviu de tradutor ao espanhol de Massa: "Se você não der certo na economia, já tem lugar como tradutor".

ABUTRES

Novidades na entrevista não surgiram, mas serviram para confirmar a moderação do novo presidente, um contraste até forçado com o estilo belicoso de Cristina.

Anunciou, por exemplo, a intenção de acertar as contas com os chamados "fundos abutre, que estão impedindo a Argentina de entrar no mercado de crédito.

Se houver o acerto ("tão rápido e justo quanto possamos obter", ressalvou Prat-Gay) e o crédito voltar, a Argentina poderá dobrar a produção de alimentos, diz Macri.

Com o premiê britânico, David Cameron, com quem se reuniu no mesmo dia, Macri repetiu a histórica reivindicação argentina pela soberania sobre as ilhas Malvinas, mas sem deixar de "sentar-se para discutir sobre tudo".

Macri manteve 19 reuniões com líderes políticos e empresariais em Davos, sempre com a mensagem: "A Argentina está madura para voltar ao mundo".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Janeiro de 2016, 10:55:55
Putz, mas até ele tem essa fixação com as Ilhas Falkland. Acho que talvez tenha que fazer essa pose para não ser atacado pelos opositores como capitalista-entreguista-coxinha.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 23 de Janeiro de 2016, 09:51:28
Putz, mas até ele tem essa fixação com as Ilhas Falkland. Acho que talvez tenha que fazer essa pose para não ser atacado pelos opositores como capitalista-entreguista-coxinha.

Esse cara parece ser muito mais racional que os idiotas que estavam na presidência antes dele, acho que a coisa vai acabar em algum acordo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 23 de Janeiro de 2016, 09:58:31
Putz, mas até ele tem essa fixação com as Ilhas Falkland. Acho que talvez tenha que fazer essa pose para não ser atacado pelos opositores como capitalista-entreguista-coxinha.

Exatamente. Eu avalio que ele citou as ilhas de forma polida para lembrar aos britânicos que quase todos os argentinos as consideram como seu território, ganhando assim 'pontos' junto aos mais nacionalistas de seu país mas fazendo-o de forma cortês para não melindrar os europeus.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 28 de Janeiro de 2016, 10:33:57
Citar
Argentina coloca aviões presidenciais à venda e Macri passa a utilizar somente voos comerciais

O presidente argentino Mauricio Macri anunciou esta semana que o país irá aposentar a sua frota de aviões presidenciais. A medida faz parte de um programa de redução de gastos públicos.

Conhecido como Tango 1, o Boing 757 que transportava o chefe de estado da Argentina até então irá passar por uma vistoria e será colocado à venda. A aeronave é orçada em mais de US$ 20 milhões (cerca de R$ 80 milhões).

Menores, os aviões Tango 2 e 3, dois Fokker F-28, também serão comercializados. Somente o Tango 10, um Learjet 60, continuará sob administração da presidência.

O Boing 757 presidencial argentino ficou famoso nos anos 90, ainda na gestão de Carlos Menem. Na época, em 1992, o governo do país contava com a frota presidencial mais moderna da América Latina.

Entretanto, com a piora da situação econômica nos últimos 16 anos, alguns setores da sociedade passaram a questionar a necessidade de uma frota especialmente para o presidente. Nesta mesma discussão, a antecessora de Macri, Cristina Kirchner, foi bastante criticada em 2014 depois de adquirir um Boeing 737-500 com 21 anos de uso – a aeronave em questão deverá ser repassada à viação Aerolineas Argentinas.

Para endossar a sua decisão, Macri publicou nas redes sociais uma foto de sua passagem para Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial. Foi o primeiro voo comercial de um presidente argentino em mais de dez anos.

http://www.leianoticias.com.br/site/argentina-coloca-avioes-presidenciais-a-venda-e-macri-passa-a-utilizar-somente-voos-comerciais/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Janeiro de 2016, 16:39:25
O aumento de mais de 300% nas contas de luz dos argentinos é melhor do que parece
by RENATA BARRETO


Caríssimos leitores do Breaking Goods. Sei que só o fato de estarem aqui lendo um artigo na minha humilde coluna já significa que seus horizontes são mais amplos que apenas os das mídias comuns e que, provavelmente e assim espero, vocês não são pessoas de ler apenas as manchetes e já tirar conclusões. Acertei? Bem, se por acaso cometeu esse erro, ainda há tempo de consertar. Nesta semana foi noticiada mais uma das várias medidas tomadas pelo novo presidente da Argentina, Mauricio Macri, em que se fala do aumento expressivo nas contas de luz no país, na casa dos 300%. Quem ainda tem preguiça de ler o texto todo e ir mais a fundo entender o que está acontecendo, pensou logo de cara: Mas que sacanagem! Mas vamos lá. Como sempre digo, é preciso sempre dissecar bem as informações para conseguir entender a realidade. Se me permitir, te ajudo nessa. Bora?

Desde que o casal Kirchner assumiu o país, primeiro com Nestór e depois com Cristina, a Argentina passou a ter uma intervenção fortíssima do Estado, que já não era das menores. Neste artigo aqui eu conto a história desde de Perón, caso queiram se situar melhor no caos econômico que a Argentina se enfiou. O preço da energia estava subsidiado há 12 anos. Ah, mas que legal, energia barata para todo mundo! Parece legal, mas não é. Como diria o mestre Milton Friedman, não existe almoço grátis. O país enfrenta inflação alta e muitos itens caros, mas algumas coisas se mantiveram baratas com esse subsídio do governo, como o transporte público, a luz e o gás. Só que um detalhe, esse subsídio acabava por beneficiar os mais ricos, que gastavam muito e sem qualquer critério, pagando muito pouco. Houve um abandono dos critérios de formação de preço e quando este se torna artificial, o custo aos cofres públicos e ao contribuinte é pesado. Estima-se que só o subsídio de energia tenha custado US$25 bilhões ao país.

Outro problema que é causado quando se criam preços artificiais e operações deficitárias (custo maior que receita) é desestimular o investimento privado no setor. Com isso, o serviço fica cada vez pior e já houve blecautes em algumas regiões. Ou seja, é preciso tirar a artificialidade do preço, atrair investimentos no setor e melhorar as condições do serviço com um preço justo. Essa história lhes parece familiar? Durante muito tempo a Petrobrás fez o mesmo, pagando mais caro do que vendia os combustíveis para manter a inflação controlada. O fato de o nosso governo querer que a empresa fosse seu instrumento de política monetária custou muito caro e agora a Petrobrás, não só por esses motivos, está em frangalhos. A conta sempre chega.

Macri está tomando diversas medidas interessantes na Argentina e é preciso atenção para elas. É apenas o começo e ainda há muito o que acontecer para saber se poderemos ter um novo país, como prometido em campanha, mas posso dizer que so far, so good. Macri está dando um show de liberalismo econômico e bem que podia dar umas aulas para Dilma.

Em pouco mais de um mês de mandato, retirou os impostos de algumas commodities como soja e milho e trigo, fazendo com que as exportações disparassem. Ontem mesmo foi divulgado que após 10 anos sem exportar para a Coréia do Sul e Vietnã, os argentinos voltaram a enviar seu trigo para o oriente. Outra coisa importante para retomada das exportações foi ter liberado o câmbio. O governo controlava o mercado de dólares e dificultava a compra da moeda para importações o que obrigava os exportadores a converter os dólares em pesos com uma taxa que não era real, estava valorizada artificialmente. O Banco Central basicamente, pagava menos de 70% do valor real dos produtos vendidos ao exterior, o que desestimulou fortemente os empresários que estocaram suas produções. Com a chegada de mais dólares na Argentina, teremos o começo do alívio das pífias reservas internacionais e mais confiança num mercado que não mais é artificial. Vejam que a regulação pelo mercado acaba sendo sempre melhor.

Outra coisa que foi bastante importante e teve significância clara de que não se deve suportar mais uma máquina pública inchada foi a demissão de diversos servidores da época Kirchner que estavam mais para funcionários fantasmas que outra coisa. Também começou a descredenciar os médicos cubanos por não apoiar uma ditadura e duvidar da eficiência destes, assim como bateu de frente com a Venezuela ao dizer que o país deve ser sumariamente retirado do Mercosul por conta de suas políticas econômicas fracassadas. Começou a retomada das relações com o resto do Mercosul, Estados Unidos e União Europeia e voltou do Fórum Econômico Mundial com boas impressões e mais de US$80 bilhões em investimentos ao seu país. Enquanto isso, nosso ministro da Fazenda fazia um discurso torpe (queria usar outra palavra) dizendo que tínhamos que aproveitar uma “boa crise” para sensibilizar o Congresso a aprovar a CPMF. Que vergonha.

Voltando aos subsídios de energia, essa medida foi bastante importante para começar a ter algum ajuste fiscal no país, sendo que quase 5% do PIB corresponde aos subsídios, ou seja, em torno de US$70 bilhões. Em sua campanha, Macri disse claramente que isso seria uma das medidas adotadas, não sendo então uma surpresa, diferentemente das campanhas eleitorais que vimos por aqui. Mesmo com o ajuste, as tarifas continuarão acessíveis, na verdade hoje elas eram ridículas de tão baratas. Para ser barato desse jeito, a produção enérgica deveria ser compatível, o que não é. Os argentinos acabaram, inclusive, sendo estimulados a não economizar em nada, usando os equipamentos mais antigos de calefação e ar condicionado que demandam mais energia, sem se importar com o gasto. É preciso fazer toda uma reformulação na economia da Argentina e alguns impactos iniciais serão sentidos, mas posso garantir que se as medidas de Macri continuarem avançando e ele conseguir fazer tudo que se comprometeu, teremos uma Argentina bastante diferente em alguns anos. Seu maior desafio será conseguir pagar a dívida a qual foi dada o calote há mais de 10 anos, além de ajustar as contas e retomar a credibilidade internacional. Eu acredito.

Portanto, meus caros e queridos leitores, sejam bons pupilos e leiam sempre as matérias inteiras antes de emitir opiniões, entendam melhor como as coisas funcionam na realidade e, de preferência, compartilhem com os coleguinhas mais desavisados que ainda sofrem da velha preguiça mental do raciocínio lógico.

Conto com vocês.


Renata Barreto é economista, empresária, atua no mercado de capitais há 12 anos, com experiência em trading, estruturações e advisory, nos mercados doméstico e internacional



http://www.breakinggoods.com.br/noticias/desvendando-a-economia/o-aumento-de-mais-de-300-nas-contas-de-luz-dos-argentinos-e-melhor-do-que-parece/

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 31 de Janeiro de 2016, 22:19:21
Gostaria da opinião do Fzzap sobre o governo Macri. Tenho lido algumas coisas como governar por decreto, decretos anulando leis, juízes da suprema corte sendo nomeados também por decreto, sem submeterem-se ao senado, pressão para renúncia da procuradora da República,  dimuição dos poderes do Ministério público, suspensão por decreto da aplicação do novo código de processo penal e outras coisas mais. Gostaria de saber se é isso mesmo e o q queje os argentinos estão achando disso, tanto a população quanto as instituições.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: EuSouOqueSou em 01 de Fevereiro de 2016, 00:27:36
Mais uma do governo Macri:

Na Argentina, milhares de vagabundos protestam nas ruas porque a mamata acabou (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/na-argentina-milhares-de-demissoes-acendem-debate-sobre-funcionalismo.html)

 :hihi:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 01 de Fevereiro de 2016, 00:59:59
Mais uma do governo Macri:

Na Argentina, milhares de vagabundos protestam nas ruas porque a mamata acabou (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/na-argentina-milhares-de-demissoes-acendem-debate-sobre-funcionalismo.html)

 :hihi:

Certamente ocorrerão injustiças. Mas o Macri está correto ao 'mandar às favas' porque eu acho que a maioria deles é um bando de 'parasitas'.

Enquanto isto, por aqui...

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 01 de Fevereiro de 2016, 07:10:51
Mais uma do governo Macri:

Na Argentina, milhares de vagabundos protestam nas ruas porque a mamata acabou (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/na-argentina-milhares-de-demissoes-acendem-debate-sobre-funcionalismo.html)

 :hihi:

Certamente ocorrerão injustiças. Mas o Macri está correto ao 'mandar às favas' porque eu acho que a maioria deles é um bando de 'parasitas'.

Enquanto isto, por aqui...



Como pode dizer que a maioria seja de parasitas?  Qual a evidência?  O que houve foi uma demissão em massa cujo critério parece ter sido o tempo que a pessoa entrou. Há meios de saber quais seriam os fantasmas e demiti-los. Ou então,  se o objetivo for reduzir a carga sobre as finanças, que deixe isso claro, com critérios objetivos. Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 01 de Fevereiro de 2016, 12:01:28
Mais uma do governo Macri:

Na Argentina, milhares de vagabundos protestam nas ruas porque a mamata acabou (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/na-argentina-milhares-de-demissoes-acendem-debate-sobre-funcionalismo.html)

 :hihi:

Certamente ocorrerão injustiças. Mas o Macri está correto ao 'mandar às favas' porque eu acho que a maioria deles é um bando de 'parasitas'.

Enquanto isto, por aqui...



Como pode dizer que a maioria seja de parasitas?  Qual a evidência?  O que houve foi uma demissão em massa cujo critério parece ter sido o tempo que a pessoa entrou. Há meios de saber quais seriam os fantasmas e demiti-los. Ou então,  se o objetivo for reduzir a carga sobre as finanças, que deixe isso claro, com critérios objetivos. Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=692

Citar
[...]O governo reformista da Nova Zelândia fez apenas duas perguntas básicas a cada uma de suas agências, secretarias e ministérios: O que você está fazendo? e O que você deveria estar fazendo? Ato contínuo, foi dito a cada órgão que ele deveria eliminar tudo aquilo que ele não deveria estar fazendo.  Isso não parece algo muito sensato?  Não parece muito claro?

'Parem de ficar cavando buracos apenas para serem enchidos novamente.  Parem com a gastança.'  Essa simples abordagem, franca e direta, reduziu o número de funcionários públicos no Ministério dos Transportes da Nova Zelândia de 5.600 para meros 53.  Já o número de empregados parasitas no Ministério do Meio Ambiente caiu de 17.000 para apenas 17.

McTigue era ele próprio Ministro do Trabalho.  Ele acabou sendo o único funcionário que restou quando o processo de corte eliminou 28.000 empregados.  Como o próprio McTigue diz, quase tudo que o Ministério fazia era construção e engenharia — mas havia muitas pessoas que poderiam fazer tudo isso sem o envolvimento do governo.[...]

A Argentina está no caminho certo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 01 de Fevereiro de 2016, 13:26:25
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.

Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 01 de Fevereiro de 2016, 14:33:58
Mais uma do governo Macri:

Na Argentina, milhares de vagabundos protestam nas ruas porque a mamata acabou (http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/na-argentina-milhares-de-demissoes-acendem-debate-sobre-funcionalismo.html)

 :hihi:

Gostei da boa definição usada: Gordura Militante.   :lol:
Citar
Macri segue mitando no governo argentino e cortando gastos.

Já são quase 20 mil cortes no funcionalismo público. Muitos destes cargos comissionados foram entregues a militantes do Kirchnerismo pouco antes da ex-presidente deixar o cargo, o ministro da finanças os classificou como "gordura militante".

Enquanto isso, Dilma cortou um total de 0 cargos comissionados desde sua promessa de reduzir a máquina pública.

http://oglobo.globo.com/mundo/macri-promove-demissao-em-massa-na-casa-rosada-no-ministerio-de-cultura-18570570

(https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xpf1/v/t1.0-0/s526x395/12642839_341514695972680_7368244476650595792_n.png?oh=33e89e76433352875852ee654ddd4652&oe=572A0EA2)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Cumpadi em 01 de Fevereiro de 2016, 20:15:50
Absurdo, todos deveriam ter o direito de trabalhar de militante comunista se quisessem. Isso é claramente perseguição política.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 01 de Fevereiro de 2016, 20:28:05
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.

Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?

Das Comunicações e da Integração nacional? Sim. Ou então outro ministério teria de assumir essas funções. onde ficariam a ANATEL, ECT e a Telebrás? Políticas de comunicação seriam definidas por qual órgão? E a regulação da Radiodifusão? Acabaria com a Defesa Civil? Mas não só isso. Nas universidades, por exemplo, durante muito tempo muitos cursos funcionaram somente a base de professores substitutos (não sei como se encontram agora), sem eles esses cursos parariam.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 01 de Fevereiro de 2016, 20:33:21
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.
Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?
Das Comunicações e da Integração nacional? Sim.

Não, nenhum deles.

O primeiro pode ser absorvido sob a forma de secretaria por outro ministério.

O segundo não serve para anda.


Ou então outro ministério teria de assumir essas funções.

Já respondido.


Onde ficariam a ANATEL, ECT e a Telebrás?

A primeira pode ser transformada em secretaria.

As outras duas podem ser privatizadas.


Políticas de comunicação seriam definidas por qual órgão?

Pela secretaria de comunicações dentro de algum ministério.


E a regulação da Radiodifusão?

Idem ao anterior.


Acabaria com a Defesa Civil?

Não.

Ela seria absorvida por outro ministério.


Mas não só isso. Nas universidades, por exemplo, durante muito tempo muitos cursos funcionaram somente a base de professores substitutos (não sei como se encontram agora), sem eles esses cursos parariam.

E?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 01 de Fevereiro de 2016, 20:49:06
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.
Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?
Das Comunicações e da Integração nacional? Sim.

Não, nenhum deles.

O primeiro pode ser absorvido sob a forma secretaria por outro ministério.

Mas TODO o pessoal dele fora demitido. Então como seria absorvido como secretaria? Contrataria outro pessoal?

Citar
O segundo não serve para anda.

Como não serve? E a Defesa Civil? E as obras contra seca? As políticas de desenvolvimento do Nordeste, da Amazônia, do Centro Oeste e do Vale do São Francisco? Tudo bem dizer que suas ações poderiam ser absorvidas por outros ministérios, mas não dizer que não serve para nada.

Citar

Ou então outro ministério teria de assumir essas funções.

Já respondido.


Onde ficariam a ANATEL, ECT e a Telebrás?

A primeira pode ser transformada em secretaria.

As outras duas podem ser privatizadas.

E seria uma secretaria no lugar de uma agência? Ou seja, com mais ingerência política e mais cargos? Mesmo assim ficaria onde? Com quais funcionários se foram demitidos?

Citar

Políticas de comunicação seriam definidas por qual órgão?

Pela secretaria de comunicações dentro de algum ministério.

Isso é apenas mudar status do órgão e a importância que se dá à política de comunicações, mas não extingui-lo. Existem secretaria maiores que ministérios.

Citar
E a regulação da Radiodifusão?

Idem ao anterior.


Acabaria com a Defesa Civil?

Não.

Ela seria absorvida por outro ministério.

Mas contrataria outras pessoas? Porque todos foram para a rua.

Citar
Mas não só isso. Nas universidades, por exemplo, durante muito tempo muitos cursos funcionaram somente a base de professores substitutos (não sei como se encontram agora), sem eles esses cursos parariam.

E?

E não é apenas uma questão de sair demitindo tudo mundo. Tem que haver um planejamento mesmo para demissões sob pena de paralisar serviços.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 01 de Fevereiro de 2016, 21:01:00
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.
Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?
Das Comunicações e da Integração nacional? Sim.

Não, nenhum deles.

O primeiro pode ser absorvido sob a forma secretaria por outro ministério.

Mas TODO o pessoal dele fora demitido. Então como seria absorvido como secretaria? Contrataria outro pessoal?

Citar
O segundo não serve para anda.

Como não serve? E a Defesa Civil? E as obras contra seca? As políticas de desenvolvimento do Nordeste, da Amazônia, do Centro Oeste e do Vale do São Francisco? Tudo bem dizer que suas ações poderiam ser absorvidas por outros ministérios, mas não dizer que não serve para nada.

Citar

Ou então outro ministério teria de assumir essas funções.

Já respondido.


Onde ficariam a ANATEL, ECT e a Telebrás?

A primeira pode ser transformada em secretaria.

As outras duas podem ser privatizadas.

E seria uma secretaria no lugar de uma agência? Ou seja, com mais ingerência política e mais cargos? Mesmo assim ficaria onde? Com quais funcionários se foram demitidos?

Citar

Políticas de comunicação seriam definidas por qual órgão?

Pela secretaria de comunicações dentro de algum ministério.

Isso é apenas mudar status do órgão e a importância que se dá à política de comunicações, mas não extingui-lo. Existem secretaria maiores que ministérios.

Citar
E a regulação da Radiodifusão?

Idem ao anterior.


Acabaria com a Defesa Civil?

Não.

Ela seria absorvida por outro ministério.

Mas contrataria outras pessoas? Porque todos foram para a rua.

Citar
Mas não só isso. Nas universidades, por exemplo, durante muito tempo muitos cursos funcionaram somente a base de professores substitutos (não sei como se encontram agora), sem eles esses cursos parariam.

E?

E não é apenas uma questão de sair demitindo tudo mundo. Tem que haver um planejamento mesmo para demissões sob pena de paralisar serviços.

Para não ficarmos em um looping coloquial sem fim, vou assim resumir:

a) Revisão geral das atribuições do estado brasileiro.

b) Readequação do estado brasileiro, conforme o que for apurado do item anterior.

c) Demissão maciça de funcionários em excesso e cobrança efetiva de desempenho dos que ficarem.

d) Eliminação de todas as benesses e vantagens de todos os funcionários públicos (incluindo os de carreira de estado) de todos os entes da federação, equiparando-os sempre que possível, com o setor privado. Em caso de discordância destes funcionários, repito para eles uma frase dita com frequência por aqui:

"A porta é a serventia da casa".


P.S.

Também é necessária uma ampla revisão da previdência pública e dos chamados 'direitos trabalhistas'.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 01 de Fevereiro de 2016, 21:54:33
Temos 39 ministérios, se cortarem 30 e demitirem todos os vagabundos que o Lulla contratou ainda assim não fariam falta alguma.

O governo militar tinha 12 ministérios com muito menos gente.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Fevereiro de 2016, 21:59:17
A idéia deve ser chegar ao comunismo através de gradual contratação de todo mundo para trabalhar no governo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 01 de Fevereiro de 2016, 22:15:22
Olha os cortes que a NZ fez! Ministério do Meio Ambiente passou de dezessete mil empregados para apenas dezessete. De vinte e oito mil no Ministério do Trabalho para apenas um empregado. E isso em uma país sério como a NZ. Imagina o quanto de inútil existem nos ministérios aqui do Brasil. Dá pra eliminar, fácil, uns trinta e dois ministérios e noventa e nove porcento do pessoal.

Acorda.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 01 de Fevereiro de 2016, 22:30:11
A idéia deve ser chegar ao comunismo através de gradual contratação de todo mundo para trabalhar no governo.

A idéia é encher o setor público com cabos eleitorais que contribuam com uma mesada ao partido.

É para isso que precisam de 39 ministérios com centenas de vagabundos em cada um e é para isso que precisam deles nas estatais.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 01 de Fevereiro de 2016, 23:16:59
A idéia deve ser chegar ao comunismo através de gradual contratação de todo mundo para trabalhar no governo.

A idéia é encher o setor público com cabos eleitorais que contribuam com uma mesada ao partido.

É para isso que precisam de 39 ministérios com centenas de vagabundos em cada um e é para isso que precisam deles nas estatais.

Não, Arcanjo. Você esqueceu que a Dilma cortou ou dissolveu 8 ministérios, ficando com 31. Foi por isso que não usei o exemplo óbvio do ministério da Pesca, pois esse dançou.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 08:57:14
Se lá for como aqui, significa que alguns órgãos vão simplesmente parar por falta de funcionários.
Seria um impacto muito grande pro Brasil se o ministério do Esporte, Comunicações ou da Integração Nacional fosse extinto e todo mundo que trabalha nele fosse pra rua?
Das Comunicações e da Integração nacional? Sim.

Não, nenhum deles.

O primeiro pode ser absorvido sob a forma secretaria por outro ministério.

Mas TODO o pessoal dele fora demitido. Então como seria absorvido como secretaria? Contrataria outro pessoal?

Citar
O segundo não serve para anda.

Como não serve? E a Defesa Civil? E as obras contra seca? As políticas de desenvolvimento do Nordeste, da Amazônia, do Centro Oeste e do Vale do São Francisco? Tudo bem dizer que suas ações poderiam ser absorvidas por outros ministérios, mas não dizer que não serve para nada.

Citar

Ou então outro ministério teria de assumir essas funções.

Já respondido.


Onde ficariam a ANATEL, ECT e a Telebrás?

A primeira pode ser transformada em secretaria.

As outras duas podem ser privatizadas.

E seria uma secretaria no lugar de uma agência? Ou seja, com mais ingerência política e mais cargos? Mesmo assim ficaria onde? Com quais funcionários se foram demitidos?

Citar

Políticas de comunicação seriam definidas por qual órgão?

Pela secretaria de comunicações dentro de algum ministério.

Isso é apenas mudar status do órgão e a importância que se dá à política de comunicações, mas não extingui-lo. Existem secretaria maiores que ministérios.

Citar
E a regulação da Radiodifusão?

Idem ao anterior.


Acabaria com a Defesa Civil?

Não.

Ela seria absorvida por outro ministério.

Mas contrataria outras pessoas? Porque todos foram para a rua.

Citar
Mas não só isso. Nas universidades, por exemplo, durante muito tempo muitos cursos funcionaram somente a base de professores substitutos (não sei como se encontram agora), sem eles esses cursos parariam.

E?

E não é apenas uma questão de sair demitindo tudo mundo. Tem que haver um planejamento mesmo para demissões sob pena de paralisar serviços.

Para não ficarmos em um looping coloquial sem fim, vou assim resumir:

a) Revisão geral das atribuições do estado brasileiro.

b) Readequação do estado brasileiro, conforme o que for apurado do item anterior.

c) Demissão maciça de funcionários em excesso e cobrança efetiva de desempenho dos que ficarem.

d) Eliminação de todas as benesses e vantagens de todos os funcionários públicos (incluindo os de carreira de estado) de todos os entes da federação, equiparando-os sempre que possível, com o setor privado. Em caso de discordância destes funcionários, repito para eles uma frase dita com frequência por aqui:

"A porta é a serventia da casa".


P.S.

Também é necessária uma ampla revisão da previdência pública e dos chamados 'direitos trabalhistas'.



Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua. Posso até concordar com a maioria desses pontos (talvez discordemos da forma e sempre admitindo que posso estar redondamente enganado).

A pergunta que faço (e que não sei a resposta) é: foi isso que foi feito na Argentina?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 10:07:30
Olha os cortes que a NZ fez! Ministério do Meio Ambiente passou de dezessete mil empregados para apenas dezessete. De vinte e oito mil no Ministério do Trabalho para apenas um empregado. E isso em uma país sério como a NZ. Imagina o quanto de inútil existem nos ministérios aqui do Brasil. Dá pra eliminar, fácil, uns trinta e dois ministérios e noventa e nove porcento do pessoal.

Acorda.

Só um adendo. Parte dessa informação é devido a falha de tradução.  O ministério do trabalho não ficou com 1 servidor. O ministério do trabalho da Nova Zelândia é bem considerável (ainda que tenha sido fundido com outro em 2012). O nome é Department of Labor. O que ficou com "1 funcionário" foi o Ministry of Works, que era uma espécie de grande empresa de engenharia pública da Nova Zelândia,  que foi privatizado. Executava serviços como construção de represas, estradas de ferro, aeródromos... Deve ter tido uma importância grande na formação do estado neozelandês, quando surgiu no século XIX, e durante a segunda guerra mundial. Nos anos 80, já não deve ser necessária.

https://en.m.wikipedia.org/wiki/Department_of_Labour_(New_Zealand)
https://en.m.wikipedia.org/wiki/New_Zealand_Ministry_of_Works
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Maurice_McTigue
http://cafr1.com/April-04.html

E, ainda assim, a proporção de servidores públicos na Nova Zelândia é maior que no Brasil.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/05/100520_relatorio_ocde_servidores_rw.shtml
http://www.oecd-ilibrary.org/sites/gov_glance-2011-en/05/01/index.html?itemId=/content/chapter/gov_glance-2011-27-en
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Diegojaf em 02 de Fevereiro de 2016, 10:34:14
Gostaria da opinião do Fzzap sobre o governo Macri. Tenho lido algumas coisas como governar por decreto, decretos anulando leis, juízes da suprema corte sendo nomeados também por decreto, sem submeterem-se ao senado, pressão para renúncia da procuradora da República,  dimuição dos poderes do Ministério público, suspensão por decreto da aplicação do novo código de processo penal e outras coisas mais. Gostaria de saber se é isso mesmo e o q queje os argentinos estão achando disso, tanto a população quanto as instituições.

A questão do Ministro do STF de lá foi por uma questão de tempo, já que o Congresso deles estava de férias e ele não tem maioria para convocar uma sessão extraordinária e precisava preencher a vaga, então, ao invés de esperar ele nomeou o cara por conta própria, mas a nomeação vai ter que ser confirmada pelo Congresso do mesmo jeito.

Ainda é cedo para dizer se ele está tomando medidas efetivas ou só está limpando o ambiente para criar um novo aparelhamento. O primeiro governo da Dilma me mostrou que não se pode criar expectativas em primeiro ano de governo nenhum.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 10:42:11
Outro erro de tradução é o ministério de meio ambiente. O ministério do meio ambiente é Ministry for the Environment, que foi criado em 1986. O que o artigo coloca é o Serviço Florestal que era responsável pelas reservas públicas e parques florestais. Era também uma "empresa madeireira". O serviço foi extinto em 1987, a  parte de conservação ambiental dos parques ficou a cargo do Department of Conservation.  E a parte da madeireira estatal foi para a New Zealand Forestry Corporation. Os reservas em terra maori, política e biossegurança passou para o Ministry of Forestry (que depois se fundiu com o Ministry of Agriculture - 1995 - e depois foi criado o Ministry of Primary Industry - 2012). Parte das terras madeireiras foram privatizadas, bem como as operações madeireiras. Daí você consegue ver como 17.000 se tornam 17. Através da privatização da indústria madeireira (que nem deveria estar sob controle estatal, logo de começo).

https://en.m.wikipedia.org/wiki/New_Zealand_Forest_Service
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Department_of_Conservation_(New_Zealand)
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Ministry_of_Agriculture_and_Forestry_(New_Zealand)
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Ministry_for_Primary_Industries_(New_Zealand)
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Ministry_for_the_Environment_(New_Zealand)

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Diegojaf em 02 de Fevereiro de 2016, 10:48:35
Lembrando também que o fato de "extinguir cargos" não quer dizer colocar ninguém na rua. O governo de Minas na semana passada "extinguiu" 160 mil postos que estavam vagos sem mandar ninguém pra rua. É uma prerrogativa do Executivo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Fevereiro de 2016, 11:23:44

Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua.

Derfel, eu não quero que os ministérios sejam fechados da noite pro dia, mas perguntei qual seria o impacto se alguns ministérios desaparecessem. Você falou que sem o ministério das comunicações algumas agências ficariam a esmo. O exercício é pensar se existe uma forma de resolver o problema sem colocar o Estado no meio. É óbvio que caso remova os ministérios, tudo o que eles fazem ficaria parado, e isso seria ruim porque as coisas só funcionam por aqui através do governo. Mas será que não há outra maneira de fazer isso? Não daria pra privatizar? Não daria para atribuir as funções para outro ministério, com muito menos funcionários?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 11:54:46
O Ministério dos Transportes também imagino que seja erro de tradução,  isso porque no texto é Department of Transportation e ministério dos transportes é Ministry of Transport e ele é enorme. Possui 4 entidades da Coroa (Crown entities): Civil Aviation Authority (CAA), Maritime New Zealand (MNZ), New Zealand Transport Agency (NZTA) e Transport Accident Investigation Commission (TAIC); e 3 estatais: Airways Corporation of New Zealand Limited (Airways New Zealand), Meteorological Service of New Zealand Limited (MetService) e New Zealand Railways Corporation (NZRC) (KiwiRail).

Isso dá muito mais que 53 empregados (e o ministério é de 1962). Não achei o que seria realmente o Department of Transportation,  mas fazendo uma analogia com o homólogo americano (ou americanos,  já que são estaduais), acho que seria o correspondente ao nosso DETRAN. Acredito que esse serviço, pelo menos a parte de emissão de carteiras de motorista e similares,  tenha sido privatizada.
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Ministry_of_Transport_(New_Zealand)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Fevereiro de 2016, 11:57:10
[...]
E, ainda assim, a proporção de servidores públicos na Nova Zelândia é maior que no Brasil.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/05/100520_relatorio_ocde_servidores_rw.shtml
http://www.oecd-ilibrary.org/sites/gov_glance-2011-en/05/01/index.html?itemId=/content/chapter/gov_glance-2011-27-en

Ou seja, mostra que a situação pode ser absurda também nos demais países.

E a isto some-se a baixíssima produtividade e o custo elevadíssimo do setor público, que segundo dados do primeiro link consomem cerca de 27% do PIB, o que coloca o Brasil o 5o mais caro entre 31 países da OCDE.

Os trechos negritados infra, extraídos do primeiro link, no entanto, são justificativas risíveis

Citar
Quando considerados ainda em conjunto o custo das remunerações dos servidores públicos e os serviços públicos produzidos pelo setor privado e pagos pelo governo, isso atinge 27% do PIB, deixando o Brasil em quinto na comparação com os países membros da OCDE.

Segundo o estudo, isso se deve a uma combinação de fatores, como as remunerações excessivamente baixas no setor privado para certas funções,

A remuneração do setor privado não é "baixa". Ela é uma função do mercado.


Citar
a proporção maior de cargos qualificados no setor público

Em quais áreas?

Certamente não nas que eu conheço profissionalmente.


Citar
e “a escolha que tem sido feita de pagar relativamente bem os servidores públicos em posições essenciais para motivar seu compromisso e atrair e reter uma força de trabalho altamente qualificada”.

Não!

É porque a sociedade civil privada é impositivamente dependente (refém!) do setor público (logo, deles funcionários), resultante da maneira patrimonialista que o estado brasileiro foi formado desde o tempo colonial e pela força que eles possuem em pleitear "direitos" cada vez maiores às expensas da população produtiva.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 12:05:54

Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua.

Derfel, eu não quero que os ministérios sejam fechados da noite pro dia, mas perguntei qual seria o impacto se alguns ministérios desaparecessem. Você falou que sem o ministério das comunicações algumas agências ficariam a esmo. O exercício é pensar se existe uma forma de resolver o problema sem colocar o Estado no meio. É óbvio que caso remova os ministérios, tudo o que eles fazem ficaria parado, e isso seria ruim porque as coisas só funcionam por aqui através do governo. Mas será que não há outra maneira de fazer isso? Não daria pra privatizar? Não daria para atribuir as funções para outro ministério, com muito menos funcionários?

Claro que existem outras formas, outros modelos. Algumas coisas podem ser privatizadas,  outras não. Mas a responsabilidade do Estado que precisa ser executada em qualquer lugar do mundo. E uma dessas responsabilidades é definir políticas e normas.

Além disso, dá para discutir modelos e processos com argumentos. Mas quando a opinião é apenas "não serve para nada e todos devem ir para rua" e chamar todos de parasitas do estado (que nem estou dizendo que você tenha chamado de parasitas, mas em algum post foi colocado aqui, acho que do MBL), além de inviabilizar o debate, considero, sinceramente, ofensivo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 12:13:21
[...]
E, ainda assim, a proporção de servidores públicos na Nova Zelândia é maior que no Brasil.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/05/100520_relatorio_ocde_servidores_rw.shtml
http://www.oecd-ilibrary.org/sites/gov_glance-2011-en/05/01/index.html?itemId=/content/chapter/gov_glance-2011-27-en

Ou seja, mostra que a situação pode ser absurda também nos demais países.

E a isto some-se a baixíssima produtividade e o custo elevadíssimo do setor público, que segundo dados do primeiro link consomem cerca de 27% do PIB, o que coloca o Brasil o 5o mais caro entre 31 países da OCDE.

Os trechos negritados infra, extraídos do primeiro link, no entanto, são justificativas risíveis

Citar
Quando considerados ainda em conjunto o custo das remunerações dos servidores públicos e os serviços públicos produzidos pelo setor privado e pagos pelo governo, isso atinge 27% do PIB, deixando o Brasil em quinto na comparação com os países membros da OCDE.

Segundo o estudo, isso se deve a uma combinação de fatores, como as remunerações excessivamente baixas no setor privado para certas funções,

A remuneração do setor privado não é "baixa". Ela é uma função do mercado.


Citar
a proporção maior de cargos qualificados no setor público

Em quais áreas?

Certamente não nas que eu conheço profissionalmente.


Citar
e “a escolha que tem sido feita de pagar relativamente bem os servidores públicos em posições essenciais para motivar seu compromisso e atrair e reter uma força de trabalho altamente qualificada”.[/b]

Não!

É porque a sociedade civil privada é impositivamente dependente (refém!) do setor público (logo, deles funcionários), resultante da maneira patrimonialista que o estado brasileiro foi formado desde o tempo colonial e pela força que eles possuem em pleitear "direitos" cada vez maiores às expensas da população produtiva.


Geo, isso é um retrato de um período histórico,  no caso 2008, e trata de um estudo que não está sendo apresentado. Acho melhor ler o estudo original para entender as conclusões que podem, inclusive,  nem se referirem ao Brasil especificamente,  mas à média dos países estudados. Vou tentar achar aqui.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Fevereiro de 2016, 13:28:56

Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua.

Derfel, eu não quero que os ministérios sejam fechados da noite pro dia, mas perguntei qual seria o impacto se alguns ministérios desaparecessem. Você falou que sem o ministério das comunicações algumas agências ficariam a esmo. O exercício é pensar se existe uma forma de resolver o problema sem colocar o Estado no meio. É óbvio que caso remova os ministérios, tudo o que eles fazem ficaria parado, e isso seria ruim porque as coisas só funcionam por aqui através do governo. Mas será que não há outra maneira de fazer isso? Não daria pra privatizar? Não daria para atribuir as funções para outro ministério, com muito menos funcionários?

Claro que existem outras formas, outros modelos. Algumas coisas podem ser privatizadas,  outras não. Mas a responsabilidade do Estado que precisa ser executada em qualquer lugar do mundo. E uma dessas responsabilidades é definir políticas e normas.

Além disso, dá para discutir modelos e processos com argumentos. Mas quando a opinião é apenas "não serve para nada e todos devem ir para rua" e chamar todos de parasitas do estado (que nem estou dizendo que você tenha chamado de parasitas, mas em algum post foi colocado aqui, acho que do MBL), além de inviabilizar o debate, considero, sinceramente, ofensivo.

os parasitas do Estado não são quaisquer funcionários públicos. Um médico trabalhando num hospital público, um professor, um policial, esses muitas vezes trabalham em condições inferiores e não ganham tanto quanto deveriam. Os parasitas são aqueles como os que o Macri demitiu, que só compareciam em seus postos de trabalho no dia do recebimento do salário, e que eram chamados de "nhoques" porque neste dia do salário serviam nhoque no almoço. Não tem como não considerar isso um parasita. E temos muitos desses por aqui.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 14:40:12

Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua.

Derfel, eu não quero que os ministérios sejam fechados da noite pro dia, mas perguntei qual seria o impacto se alguns ministérios desaparecessem. Você falou que sem o ministério das comunicações algumas agências ficariam a esmo. O exercício é pensar se existe uma forma de resolver o problema sem colocar o Estado no meio. É óbvio que caso remova os ministérios, tudo o que eles fazem ficaria parado, e isso seria ruim porque as coisas só funcionam por aqui através do governo. Mas será que não há outra maneira de fazer isso? Não daria pra privatizar? Não daria para atribuir as funções para outro ministério, com muito menos funcionários?

Claro que existem outras formas, outros modelos. Algumas coisas podem ser privatizadas,  outras não. Mas a responsabilidade do Estado que precisa ser executada em qualquer lugar do mundo. E uma dessas responsabilidades é definir políticas e normas.

Além disso, dá para discutir modelos e processos com argumentos. Mas quando a opinião é apenas "não serve para nada e todos devem ir para rua" e chamar todos de parasitas do estado (que nem estou dizendo que você tenha chamado de parasitas, mas em algum post foi colocado aqui, acho que do MBL), além de inviabilizar o debate, considero, sinceramente, ofensivo.

os parasitas do Estado não são quaisquer funcionários públicos. Um médico trabalhando num hospital público, um professor, um policial, esses muitas vezes trabalham em condições inferiores e não ganham tanto quanto deveriam. Os parasitas são aqueles como os que o Macri demitiu, que só compareciam em seus postos de trabalho no dia do recebimento do salário, e que eram chamados de "nhoques" porque neste dia do salário serviam nhoque no almoço. Não tem como não considerar isso um parasita. E temos muitos desses por aqui.

E que são uma minoria, mas são tratados como a regra no serviço público nestas discussões.

Quanto à Argentina, não conheço o quadro o suficiente para opinar, por isso pedi a opinião do Fzzap, mas, pelo que li, não acretdito que TODOS os demitidos sejam fantasmas. São milhares e de um tempo muito específico de contrato, a mim me
Arece mais um expurgo que qualquer outra coisa. Mas é uma visão de alguém vendo de longe, sem a noção de todo o quadro. Não sei nem como se dá o  proc3sso de contratação lá.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Fevereiro de 2016, 15:12:48
os parasitas do Estado não são quaisquer funcionários públicos.

Depende. Se recebem benesses resultantes de atos corporativistas, sim, são 'parasitas'.


Um médico trabalhando num hospital público, um professor, um policial, esses muitas vezes trabalham em condições inferiores e não ganham tanto quanto deveriam.

O "quanto deveriam (ganhar)" é subjetivo. Quem deveria determinar isto no setor público não poderia ser os mesmos que vão se beneficiar.

E tudo isto deveria ser acompanhado de uma revisão dos direitos trabalhistas inclusive do setor privado.


Os parasitas são aqueles como os que o Macri demitiu, que só compareciam em seus postos de trabalho no dia do recebimento do salário, e que eram chamados de "nhoques" porque neste dia do salário serviam nhoque no almoço. Não tem como não considerar isso um parasita. E temos muitos desses por aqui.

Existem às centenas de milhares em todos os entes da federação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Fevereiro de 2016, 15:26:12
Estava tentando aliviar um pouco. Mas concordo com tudo o que o Geo comentou.

O problema já começa quando o salário e benefícios para certos grupos são considerados por muitos como um "direito", como se o país tivesse como principal obrigação sustentar uma determinada classe em detrimento de outra.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 15:52:49
E quais benesses? Quais salários? Vocês falam como se o funcionalismo fosse algo homogêneo,  o que não é. Existe diferença entre os entes,  entre os poderes, entre órgãos e entidades. O que você não considera justo, especificamente?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Fevereiro de 2016, 16:00:52
E quais benesses? Quais salários? Vocês falam como se o funcionalismo fosse algo homogêneo,  o que não é. Existe diferença entre os entes,  entre os poderes, entre órgãos e entidades. O que você não considera justo, especificamente?

"certos grupos" "considerados por muitos". Estou me esforçando para apontar que o problema não é geral.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Luiz F. em 02 de Fevereiro de 2016, 16:04:39
No Brasil, muitos cargos só existem em função da burocracia. Uma desburocratização do estado e se corta uma grande quantidade de pessoal.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Fevereiro de 2016, 16:19:19
E quais benesses? Quais salários? Vocês falam como se o funcionalismo fosse algo homogêneo,  o que não é. Existe diferença entre os entes,  entre os poderes, entre órgãos e entidades. O que você não considera justo, especificamente?

É claro que não é uma situação homogênea porque há milhares de entes federativos, cada um com dezenas de autarquias e repartições, muitas delas com regras específicas de remuneração.

O que eu não considero justo?

Vou citar apenas um exemplo: A minha esposa trabalha no turno da manhã na prefeitura local e na parte da tarde em um dos componentes do 'sistema S', ambas como odontóloga. Até 2009 (ou 2010, não me lembro com precisão) os salários eram semelhantes nos respectivos empregos. Então houve uma greve do setor de saúde da prefeitura, que foi comandada pelo respectivo sindicato 'barnabé', na qual a principal exigência foi a dos salários passarem a ser reajustados por um índice simplesmente exorbitante.

O prefeito daquela época (subproduto e aliado do atual governador) cedeu integralmente às chantagens, digo, pedidos, dos 'barnabés'. Hoje o salário de minha esposa na prefeitura é mais do que o dobro do outro emprego, mesmo sem ela ter agregado nenhum valor ao serviço e sem ter melhorado o rendimento e a eficiência (continua atendendo o mesmo número de pacientes por hora).

Eu preciso discorrer sobre as implicações econômico-financeiras disto, incluindo o impacto nas contas públicas do município e sobre a injustiça com a população que paga a 'festa'?


P.S. 1

Eu conheço pelo menos mais uma centena de casos análogos ao da minha esposa.

P.S. 2

Substituí os nomes dos empregadores para evitar qualquer retaliação do sindicato dos 'barnabés' ou da prefeitura contra a minha esposa.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 16:49:15
Então houve uma greve de uma categoria (que provavelmente foi de toda a saúde, porque dificilmente o sindicato dos odontologistas tem força para algo assim) que conseguiu uma demanda da categoria e isso é uma benesse injusta? Não existem greves no setor privado? Um metalúrgico não pode ganhar mais que outro de outra empresa após o final de uma greve? Será que o salário dela no SESC não estaria também defasado? A diferença entre os dois empregos, além do resultado da greve, não seria também resultado de outros fatores, como a existência de um plano de carreira em um que inexiste em outro?

Não vejo como direito a greve e reivindicações de categoria podem estar classificadas como benesses dos servidores.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Fevereiro de 2016, 17:07:34
Então houve uma greve de uma categoria (que provavelmente foi de toda a saúde, porque dificilmente o sindicato dos odontologistas tem força para algo assim) que conseguiu uma demanda da categoria e isso é uma benesse injusta?

Sim, a greve foi de todo o setor de saúde como eu já havia escrito.

Sim, é uma benesse porque os salário deles (e todos os demais benefícios a ele vinculados, incluindo aposentadoria) são pagos com os tributos arrecadados da população. Logo, quem deve, senão determinar mas pelo menos opinar sobre o valor deles, é a população, seja por consulta direta, seja por representantes dela, que não o prefeito porque este age politicamente em causa própria.


Não existem greves no setor privado?

Sim.

E?


Um metalúrgico não pode ganhar mais que outro de outra empresa após o final de uma greve?

Sim, pode.

Mas estes salários não são pagos com dinheiro de impostos subtraídos coercitivamente da população pelo estado.


Será que o salário dela no SESC não estaria também defasado?

Talvez.


A diferença entre os dois empregos, além do resultado da greve, não seria também resultado de outros fatores, como a existência de um plano de carreira em um que inexiste em outro?

Possivelmente.

Mas isto apenas reforça o que eu escrevi criticamente sobre 'benesses' porque a aposentadoria, por exemplo, da imensa maioria dos atuais funcionários públicos na ativa não será custeada por eles e sim por impostos da parte escrava, digo, do setor privado da população.


Não vejo como direito a greve e reivindicações de categoria podem estar classificadas como benesses dos servidores.

Quando você estiver do lado de quem paga e carrega todo o fardo do estado, talvez você consiga ver.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Fevereiro de 2016, 20:22:42
O Geo criticando o sistema porque sua esposa ganha demais. Isso é machismo!

E para que não haja dúvidas: Isso é machismo! Isso é machismo!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 21:52:41
Geo, como é que não seria por tributos, se justamente é um serviço público? Quanto a opinar sobre os salários de servidores, os eleitores não escolheram seus representantes? Acho que faz parte do sistema democrático representativo moderno o povo delegar para seus representantes essas decisões.  Além disso, em uma empresa de capital aberto, os acionistas são chamados para votar o valor a ser pago por cada empregado/categoria ou é uma decisão dos executivos?

Impostos são a base para os serviços do estado, cujos funcionários devem ser pagos com o dinheiro desses mesmos impostos, afinal o Estado não cria recursos do nada. Isso será verdade em qualquer Estado do mundo, a menos que já exista algum estado anarquista. Pode-se dizer que a carga tributária será maior ou menor dependendo do país, mas isso também depende do tipo de Estado dessa sociedade,  com maior ou menor estado de bem estar social. Mas isso é (ou foi) uma decisão tomada pela sociedade em algum momento.

A aposentadoria é outra coisa que vai variar muito de ente para ente, de órgão para órgão e poder para poder. E dentro desses mesmos há uma diferença entre os servidores. Muitos servidores são CLT e se aposentam pelo INSS como qualquer outro da iniciativa privada. Existem ainda institutos de previdência cujos contribuintes ainda não se aposentaram, existem previdências complementares. Aposentadorias são diferentes até dependendo de que ano o servidor engressou no serviço, lembrando que o desconto para o INSS é sobre o teto da aposentadoria e para o servidor público é sobre os rendimentos integrais.

http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/cidades/detalhes-fazem-diferenca-na-aposentadoria-dos-servidores/?cHash=f04fadc5dc5c5b8754aa5c2e030603b8

http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=8862
https://jus.com.br/artigos/7347/regras-de-aposentadoria-no-servico-publico
http://douglascr.jusbrasil.com.br/artigos/170846508/aposentadoria-do-servidor-publico

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 02 de Fevereiro de 2016, 22:00:57
O Geo criticando o sistema porque sua esposa ganha demais. Isso é machismo!

E para que não haja dúvidas: Isso é machismo! Isso é machismo!

Lembrando que o fato dela trabalhar em dois lugares como odontóloga não significa que tenha o mesmo trabalhos.  Isso varia tanto em produtividade (em um local ela pode atender 30 pacientes por turno e em outro 10 por turno), quanto por responsabilidade e serviço (em um seria apenas clínico ambulatorial, em outro possui uma responsabilidade por território até 40000 pessoas, envolve planejamento, promoção da saúde e controle epidemiológico) ou especialidade (em um como clínica e outro como especialista em periodontia, por exemplo).
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 03 de Fevereiro de 2016, 16:26:30
Citar
Macri e o samba-da-petista-doida - KIM KATAGUIRI
FOLHA DE SP - 02/02

Parrilla
Um dia após assumir a presidência, Macri reuniu-se com candidatos que o enfrentaram nas eleições. Também fez um churrasco para 24 governadores. Excelente maneira de se fazer amigos. Ainda mais quando o corte é argentino. Isso mostra que ele sabe que, num momento de crise, é importante unir as forças políticas do país.

A culpa é deles!
Enquanto isso, o PT de Dilma, no Brasil, utiliza seu tempo de TV para atacar figuras da oposição. Seus defensores, verdadeiros buldogues do governismo, polarizam o debate político berrando insistentemente seus bordões de ódio. Ao invés do diálogo, o discurso de "nós contra eles".

Cobrar menos, arrecadar mais
Macri mostra que é possível fazer ajustes diminuindo impostos. Reduziu de 35% para 30% o imposto de exportação da soja e acabou com o mesmo imposto para carne, milho, trigo, girassol e para as chamadas "economias regionais". Em pouquíssimo tempo, o setor agrícola celebrou um aumento de 100% nas receitas.

Para compensar a diminuição de impostos, o presidente argentino corta gastos e dá exemplo. Cristina Kirchner e sua equipe sempre utilizaram carros importados de luxo. Macri os substituiu por modelos nacionais e mais modestos. Abriu mão de seu salário. O dinheiro será doado para um restaurante comunitário que serve 1.800 pessoas diariamente num bairro pobre de Buenos Aires. Sem cortar gastos, seria demagogia; cortando-os, vira um exemplo.

Menos exemplo, mais cobrança
Já a solução encontrada por Dilma Rousseff é aumentar os gastos e propor novos impostos. Apesar de ter se posicionado contra a CPMF antes das eleições, a presidente agora trata o imposto como uma espécie de panaceia. Felizmente ainda não tem votos para aprova-la. Em 2014, o governo Dilma bateu recorde em gastos secretos com cartões corporativos: R$ 8,7 milhões, o maior valor desde 2001. Neste ano, quase todos os Ministérios preveem aumento de custeio.

Crise para quem?
Em uma de suas idas a Nova York no ano passado, Dilma levou diversos ministros, secretários e até a filha. Todos ficaram num dos hotéis mais luxuosos da cidade. Quando a presidente foi a Paris para participar da Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, torraram-se R$ 200 mil com hospedagem e R$ 90 mil com aluguel de carros.

Nem a coxinha ficou de fora do aumento de gastos da presidente. Neste ano, haverá um aumento de 40% nos gastos com pães, biscoitos e salgadinhos que abastecem o Palácio do Planalto. Repito uma das perguntas preferidas dos petistas: "Crise pra quem?".

Imprensa livre
Macri derrubou um dos símbolos da política kirchnerista, a lei contra a concentração dos meios de comunicação audiovisuais, que obrigava o principal veículo da imprensa, o Clarín, a diminuir seu investimento na área. Liberdade de imprensa.

Imprensa golpista!
No Brasil, vândalos depredaram a sede do grupo Abril, que edita a revista Veja. O ataque foi uma reação a uma matéria que denunciou que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula "sabiam de tudo" em relação ao petrolão. Além disso, o governo insiste em querer regular a imprensa, ou, como líderes do PT dizem, "democratizar a mídia".

Hermanos decolando
O presidente argentino foi ao Fórum Econômico Mundial, em Davos. Viajou com sua equipe num avião comercial. Voltou de lá com a garantia do presidente da Coca-Cola de que a Argentina receberá um investimento de US$ 1 bilhão.

Discurso e cofres vazios
Dilma não foi ao encontro. No seu lugar, compareceu o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, que fez alguns discursos sobre "mudanças estruturais" que "precisam ser discutidas" e defendeu a recriação da CPMF. Voltou com tapinhas nas costas.

Nova liderança
O governo de Macri ajuda até o nosso pais. Recentemente, a Argentina chegou a um acordo com seus sócios (Brasil, Uruguai, Paraguai e inclusive Venezuela) para impulsionar as negociações com União Europeia, Japão, Canadá, Rússia e Índia.

Fala que eu te escuto
Macri também erra. Nomeou por decreto dois juízes da Corte Suprema, alegando que seria importante ocupar cadeiras vagas. A lei argentina permite, mas a democracia se ofende. Duramente criticado, voltou atrás. Erra e se corrige.

Tudo invenção dos golpistas
Já a nossa presidente, cujos erros são incontáveis, nunca recua. Prefere chamar seus críticos de "golpistas" e agir como se Brasil estivesse uma maravilha.

Amigos da Rainha
"Ah, mas esse mauricinho neoliberal com certeza tirou a comida da mesa dos pobres!". Será? Macri não mexeu em programas sociais e até aumentou valores repassados por alguns deles. No Brasil, também é possível fazer cortes substanciais sem cortar um centavo do Bolsa Família, que, apesar de toda a propaganda oficial, recebe muito menos recursos do que o Bolsa Empreiteira, o Bolsa Juros, o Bolsa BNDES e o Bolsa Amigos da Rainha.

Eficiente, não exótico
O presidente argentino defende a austeridade no discurso e, tudo indica, a pratica como política de governo. À diferença do uruguaio José Mujica, parece querer convencer pela eficiência, não pelo exotismo.

Meta aberta
Dilma, em seus discursos, defende um tal ajuste fiscal. Saúda a mandioca, lamenta não poder estocar vento e promete dobrar a meta indefinida. Na prática, vive uma vida de luxo e aprova a gastança generalizada de seus ministérios. A hipocrisia não a preocupa. É só passar a conta para o pagador de impostos.

Bolso esquerdo só tem peixe
Macri fez sua campanha dançando –e bem, diga-se. Dilma fez sua campanha mentindo. O que mais se aproxima da presidente no mundo da música é o funk ostentação. Sem a parte do "funk". E com o detalhe do uso de dinheiro público.

Dança
A Argentina é a terra do tango. Dramático. Trágico até. Macri parece preferir a alegria da cúmbia. No Brasil de Dilma, é carnaval o ano todo. O governo toca o samba-da-petista-doida. Nós dançamos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 05 de Fevereiro de 2016, 21:00:15
Citar
http://www.oantagonista.com/posts/mais-um-exemplo-argentino

Mais um exemplo argentino

Brasil 05.02.16 20:34
Amado Boudou, vice de Cristina Kirchner no segundo mandato, está sendo processado por viajar duas vezes em jatinhos de empresários.

O Brasil é ridículo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 08 de Fevereiro de 2016, 15:50:56
Eu estava conversando ontem com meu tio, e ele disse que um conhecido que está morando em Buenos Aires comentou que a população em geral está extremamente otimista.

Em teoria, Macri poderá tomar todas as medidas impopulares necessárias agora que a população irá endossar.

O Aécio chegou a mencionar isso nas eleições, dizendo que caso fosse eleito aproveitaria os primeiros meses de alta popularidade para realizar as reformas mais impopulares.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 08 de Fevereiro de 2016, 17:47:04
Que os coxinhas estão otimistas, não é nem um pouco surpreendente. O que desperta preocupação àqueles que acreditam que o valor da vida humana não é ditado por quanto se tem no bolso é saber como está o povo pobre, ainda mais em um país que foi mais longe do que o PSDB jamais sonhou ousou em termos de limpeza étnica dos "indesejáveis".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 10 de Fevereiro de 2016, 21:22:23
O Brasil continua descendo a ladeira com as agências de classificação de riscos de investimento.
Aí do lado, a Argentina já retomou o caminho da subida.

Citar
S&P eleva grau da Argentina

A agência de classificação de risco Standard & Poor's elevou o rating da Argentina na semana passada. É mais investimento internacional indo para o país governado pelo liberal Macri.

Enquanto isso, é esperado que o Brasil, no rumo de um estado cada vez mais inchado, tenha suas notas rebaixadas novamente.

http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/s-p-eleva-rating-da-petrobras-argentina-de-ccc-para-b

(https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xft1/v/t1.0-9/12662570_343448555779294_9175343257824840168_n.png?oh=db349479d343b0f40ddab38bbcae4535&oe=5765188A&__gda__=1466689792_e147aa20a64a397a092bb13d58f65d41)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 18 de Fevereiro de 2016, 17:05:38
Citar
Contra inflação, Argentina aumenta faixa de isenção do Imposto de Renda

Na tentativa de segurar a inflação, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, anunciou nesta quinta-feira (18) um aumento no piso do Imposto de Renda.

A partir de 1º de março, só pagarão a alíquota aqueles que receberem mais de 30 mil pesos (cerca de R$ 8.000) por mês –antes, o mínimo era de 15 mil pesos (cerca de R$ 4.000). A mudança é retroativa a 1º de janeiro. Apenas 10% da população tem hoje um salário superior aos 15 mil pesos.

"Alguém que tinha um salário líquido de 21.300 pesos passará a ganhar 26.600 pesos", exemplificou o presidente no anúncio na Casa Rosada, onde estavam presentes também governadores e dirigentes sindicais.

A alteração era uma promessa de campanha e vinha sendo planejada há algum tempo, mas foi antecipada devido às dificuldades que o governo enfrenta na negociação dos reajustes salariais.

Com a alta do piso do IR, Macri espera que os trabalhadores reduzam os pedidos de aumentos. Sindicatos defendem um incremento salarial de pelo menos 32%, o que impactaria na inflação do país.

A meta do governo é ter uma inflação menor de 25% neste ano. Em 2015, apenas na cidade de Buenos Aires, os preços avançaram 26,9%.

Os detalhes da mudança (que podem beneficiar uma parte maior da população) ainda não foram divulgados.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/02/1740707-contra-inflacao-argentina-aumenta-faixa-de-isencao-do-imposto-de-renda.shtml

Com isso, ele praticamente extinguiu o IR, visto que menos de 5% dos argentinos ganham acima de trinta mil pesos.

A aula continua.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 18 de Fevereiro de 2016, 18:58:40
Pelo que entendi, antes apenas 10% da população pagava imposto. Agora uma proporção menor pagará imposto de renda (que não sei qual seria o percentual), diante disso,  qual o impacto disso sobre o que esperavam? A ideia seria que isso diminuísse a pressão sobre os reajustes salariais, mas e os outros 90%?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 18 de Fevereiro de 2016, 19:39:18
Está sendo uma verdadeira palestra de como se governa um país com seriedade e vontade de arrumar a bagunça que havia.

Citar
Segue a mitagem do presidente argentino.

Dilma combate a inflação?

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/02/1740707-contra-inflacao-argentina-aumenta-faixa-de-isencao-do-imposto-de-renda.shtml

(https://fbcdn-photos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpf1/v/t1.0-0/s480x480/12745664_345007508956732_1844318070062994438_n.png?oh=e05ee2a9a997124ae8f4df38c97f18b1&oe=575AC363&__gda__=1462386398_8980ed8482ba76c0dc35215a65beba39)



Eu vejo o PT com um pé fora do governo, vejo Lula dizendo que o partido não apoiará o governo caso a crise não seja domada antes de junho, eu estou convencido (tomando emprestado as palavras do apedeuta) de que o PT está doidinho para virar oposição, coisa que ele sabe fazer como ninguém. Ou seja, Dilma renunciar e entregar essa batata quentíssima que ela e o PT estão segurando para o primeiro aventureiro que lance mão da cadeira de presidente seria algo que muitos petistas gostariam que acontecesse, pois daria chance para o partido pular na jugular de quem estivesse no comando e assim obter alguns nutrientes para enfrentar 2018.

Mas...

Há dois motivos que fazem com que DilMentira não renuncie.

O primeiro é o mais óbvio e todos já sabem: a petezada não quer perder as boquinhas, as mamatas, os carguinhos, os cascalhos para Blogs Sujos, a sangria institucional para os bandidos soldados do MST, CUT, MTST, Vila Campesina e milhares de outras ONGuinhas companheiras, etc e etc e etc.

O segundo é mais sutil e eu cheguei a ele depois de ver o PT se estraçalhando todo na opinião pública e, mesmo assim, não abrir mão do governo, podendo montar de novo no touro bravo e reconquistar alguns votos posando de paladino na oposição. Esse motivo não é nem do PT em si, mas de DilMentira ela própria. Ela chegou a um ponto de muita mágoa do povo, do país e dos brasileiros que passaram a vaiá-la, a baterem panelas a cada fala sua e todas as demonstrações de repulsa, antipatia e repúdio ao que ela é e ao que representa. Essa mágoa e sentimento de um misto de ter sido traída e abandonada a levou à teimosia criminosa de não largar o osso enquanto não causar o máximo de mal possível a todo o país e a todos os habitantes. É a sua vingança fria, aquela do "vocês me repelem, mas eu dou o troco de quebrar e espatifar completamente o país em que vocês moram". As taxas e estatísticas todas apontam para isso mesmo. De uns meses pra cá, o país está atingindo todos os recordes possíveis de quebradeira geral, de PIB, de desemprego, de endividamento, de classificação de risco, tudo. Ela está conseguindo seu intento. Está dando um bom troco ao cidadão acomodado que vê Faustão e futebol ao domingos, enche as ruas no Carnaval e não quer nem saber de participação política.

Um "casal" feito um para o outro.
DilMentira e a grande maioria desse gigante eternamente adormecido se merecem.

Argentina já decolou. Boa sorte, hermanos!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 18 de Fevereiro de 2016, 19:48:03
Eu quero muito que o governo Macri resolva os problemas que a Cretina largou para trás e faça o país avançar.

Enterraria de vez o populismo desses imbecis da esquerda escrota.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 18 de Fevereiro de 2016, 20:28:34
Não entendi. Como ele acabou com o imposto de renda dos mais pobres se apenas os 10% mais ricos eram tributados? O que significa isso em termos de tributação? Os recursos para manter o governo vêm dos impostos. Se a renda não é tributada (e já não era antes), significa que a produção é tributada? Essa não é justamente uma crítica ao sistema tributário brasileiro?   Que se tributa a cadeia produtiva e não a renda?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: MarcoPolo em 18 de Fevereiro de 2016, 21:03:42
Ele acaba de alterar uma das fontes do problema.. não dá para arrumar tudo ao mesmo tempo. Espero que tenha um plano para alterar com calma a tributação sobre consumo. Não tem que ter muita dúvida.. mudanças graduais.

Decisão corajosa e correta. Vamos ver.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: DDV em 18 de Fevereiro de 2016, 22:02:20
A Argentina já foi rica uma vez. Será que voltará a ser?

Se mantiver esse ritmo por uma década, é bem capaz.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 18 de Fevereiro de 2016, 22:11:31
Ainda não entendi. Que problema ele resolveu com isso? Ou a notícia está errada e falta alguma coisa ou continua a mesma coisa. Se antes apenas 10% pagavam imposto e agora é um número ainda mais reduzido, então não se resolveu nada.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 18 de Fevereiro de 2016, 22:25:38
Ainda não entendi. Que problema ele resolveu com isso? Ou a notícia está errada e falta alguma coisa ou continua a mesma coisa. Se antes apenas 10% pagavam imposto e agora é um número ainda mais reduzido, então não se resolveu nada.

Eu acho que há algum erro na informação sobre a quantidade de argentinos que pagam imposto de renda ou sobre as faixas de tributação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: MarcoPolo em 19 de Fevereiro de 2016, 02:12:00
Ainda não entendi. Que problema ele resolveu com isso? Ou a notícia está errada e falta alguma coisa ou continua a mesma coisa. Se antes apenas 10% pagavam imposto e agora é um número ainda mais reduzido, então não se resolveu nada.

Ele corrigiu pela inflação a parcela isenta de imposto, com a intenção de reduzir a forte tendência dos sindicatos quererem reposição salarial a partir de aumento nominal dos salários. O cara ganha X e levava X/3, agora ganha X e leva X/2 (só para explicação, números irreais), mantendo a base X, o que significa que não será necessário colocar mais tanto dinheiro novo no mercado porque ele tirou dinheiro do governo, assim evitando a inflação, que é seu alvo agora.

No final, a inflação tira dinheiro de todo mundo, incluindo governo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 19 de Fevereiro de 2016, 07:07:31
Mas que afeta um número ínfimo de trabalhadores, menos que 10%. Então por que diminuiria a tendência dos sindicatos em pedir a reposição nominal dos salários? Para a massa não houve diferença.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 19 de Fevereiro de 2016, 07:12:48
Fazendo uma analogia tosca. É como se no Brasil apenas juízes e altos funcionários pagassem imposto e passassem a também não pagar e com isso achar que os outros mais de 90% do funcionalismo (que não receberam nada) ficassem satisfeitos porque aqueles já ganhavam muito vão poder ganhar mais. Sem contar todo o restante dos trabalhadores da iniciativa privada.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Skorpios em 19 de Fevereiro de 2016, 07:48:59
Concordo com as colocações do Derfel. Enquanto isso aqui o governo não corrige a tabela do IR e eu pago mais sobre uma aposentadoria do INSS que já é miserável.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: MarcoPolo em 19 de Fevereiro de 2016, 08:14:42
Os percentuais podem estar errados, o aumento proposto pelos sindicatos (mais de 30% imagino devido à inflação) pode colocar mais gente nos "10%"..
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 19 de Fevereiro de 2016, 09:59:09
Eu nem fazia ideia que a arrecadação de IR na Argentina era tão distinta assim.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 19 de Fevereiro de 2016, 16:29:15
Concordo com as colocações do Derfel. Enquanto isso aqui o governo não corrige a tabela do IR e eu pago mais sobre uma aposentadoria do INSS que já é miserável.

Acho que deveria ser feita toda uma reforma. Não só corrigir a tabela, mas fazer com que quem ganhe muito tenha um contribuição maior, em contra partida reduzir os impostos que incidem sobre a produção. Mas fazer de forma que estados e municípios não sejam prejudicados. Talvez ficarem mais livres para legislar sobre tributação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 19 de Fevereiro de 2016, 17:31:19
Concordo com as colocações do Derfel. Enquanto isso aqui o governo não corrige a tabela do IR e eu pago mais sobre uma aposentadoria do INSS que já é miserável.
Acho que deveria ser feita toda uma reforma. Não só corrigir a tabela, mas fazer com que quem ganhe muito tenha um contribuição maior, em contra partida reduzir os impostos que incidem sobre a produção. Mas fazer de forma que estados e municípios não sejam prejudicados. Talvez ficarem mais livres para legislar sobre tributação.

Fazer uma reforma tributária, objetivando uma melhoria significativa na relação benefício/custo, é simplesmente impossível no Brasil porque o setor público deseja continuar se locupletando do setor privado.

E deixar que os entes federados legislem absolutamente livres sobre tributação é terminar de escancarar as portas para o suicídio financeiro do Brasil. Não que não seja o melhor (em tese) mas com o atual baixíssimo grau de consciência cívica da população e o elevadíssimo grau de safadeza dos chamados 'homens públicos', deixar que a caterva político-estatal legisle de forma livre é para lá de temerário.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: MarcoPolo em 19 de Fevereiro de 2016, 20:27:19
Concordo com as colocações do Derfel. Enquanto isso aqui o governo não corrige a tabela do IR e eu pago mais sobre uma aposentadoria do INSS que já é miserável.

Acho que deveria ser feita toda uma reforma. Não só corrigir a tabela, mas fazer com que quem ganhe muito tenha um contribuição maior, em contra partida reduzir os impostos que incidem sobre a produção. Mas fazer de forma que estados e municípios não sejam prejudicados. Talvez ficarem mais livres para legislar sobre tributação.

A principal reforma é no Gasto. Sem isso nada adianta.
Espero que o Macri continue cortando gastos e fazendo as demissões necessárias.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Cumpadi em 20 de Fevereiro de 2016, 01:08:49
A Argentina já foi rica uma vez. Será que voltará a ser?

Se mantiver esse ritmo por uma década, é bem capaz.
Infelizmente o problema é que a louca não foi eleita por acaso. Metade da população é tão doida quanto e não permitirá grandes mudanças. Imagino que a maior parte empregos públicos por lá devem funcionar como os daqui, uma vez contratado, não dá para mandar embora até morrer. É uma estratégia muito boa de perpetuar problemas indefinidamente pela esquerda.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 20 de Fevereiro de 2016, 10:30:15
A Argentina já foi rica uma vez. Será que voltará a ser?

Se mantiver esse ritmo por uma década, é bem capaz.
Infelizmente o problema é que a louca não foi eleita por acaso. Metade da população é tão doida quanto e não permitirá grandes mudanças. Imagino que a maior parte empregos públicos por lá devem funcionar como os daqui, uma vez contratado, não dá para mandar embora até morrer. É uma estratégia muito boa de perpetuar problemas indefinidamente pela esquerda.

Com a obrigatoriedade do voto impresso a coisa pode mudar.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 20 de Fevereiro de 2016, 11:05:21
A Argentina já foi rica uma vez. Será que voltará a ser?

Se mantiver esse ritmo por uma década, é bem capaz.
Infelizmente o problema é que a louca não foi eleita por acaso. Metade da população é tão doida quanto e não permitirá grandes mudanças. Imagino que a maior parte empregos públicos por lá devem funcionar como os daqui, uma vez contratado, não dá para mandar embora até morrer. É uma estratégia muito boa de perpetuar problemas indefinidamente pela esquerda.

Com a obrigatoriedade do voto impresso a coisa pode mudar.

 Desde 2011 até hoje vem sendo introduzida a urna eletrônica com com o voto impresso. 33% da província de Salta votaram nessas urnas naquele ano. A previsão era o uso de 66% em 2013 e 100% em 2015. Não sei as metas foram cumpridas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 20 de Fevereiro de 2016, 11:39:07
A Argentina já foi rica uma vez. Será que voltará a ser?

Se mantiver esse ritmo por uma década, é bem capaz.
Infelizmente o problema é que a louca não foi eleita por acaso. Metade da população é tão doida quanto e não permitirá grandes mudanças. Imagino que a maior parte empregos públicos por lá devem funcionar como os daqui, uma vez contratado, não dá para mandar embora até morrer. É uma estratégia muito boa de perpetuar problemas indefinidamente pela esquerda.

Com a obrigatoriedade do voto impresso a coisa pode mudar.

 Desde 2011 até hoje vem sendo introduzida a urna eletrônica com com o voto impresso. 33% da província de Salta votaram nessas urnas naquele ano. A previsão era o uso de 66% em 2013 e 100% em 2015. Não sei as metas foram cumpridas.

Possivelmente não só foram cumpridas, como foram dobradas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 20 de Fevereiro de 2016, 13:53:06
 200%? :biglol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 24 de Fevereiro de 2016, 11:06:40
Citar
Governo Macri pode demitir mais 25 mil funcionários públicos esse mês

O ministro de modernização da Argentina, Andrés Ibarra, confirmou hoje que o governo está analisando a possibilidade de demitir mais 25 mil funcionários públicos este mês. “Pode haver mais demissões de funcionários que não cumprem funções específicas ou que têm origem em militância financiada com dinheiro público. Estamos dentro do prazo de três meses para fazer uma análise de todas as áreas do governo”, afirmou o ministro.

Os sindicatos de funcionários públicos farão um protesto amanhã em Buenos Aires contra as demissões.

Com informações do La Nación

http://www.ilisp.org/noticias/governo-macri-pode-demitir-mais-25-mil-funcionarios-publicos-esse-mes/

Enquanto isso, nossos Ministérios e milhares de cargos de confiança continuam intactos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 24 de Fevereiro de 2016, 12:30:36
Acho que essa notícia é, na verdade, de janeiro, mas que só agora o ILISP publicou, como se fosse algo novo. O ILISP parece até o comitê de campanha do Macri, o que até entendo os motivos, mas quando se traz a fim de se formar uma imagem do que ocorre na Argentina dentro de uma discussão, não sei se seria uma boa fonte. Aqui é outra notícia, mais recente:

Citar
Mauricio Macri frustra expectativas de reajustes salariais e redução tributária na Argentina
Governo argentino revê reforma tributária e desmente promessas de reajuste do magistério
OtrosGuardarEnviar a notícia por emailImprimir
ALEJANDRO REBOSSIO
Twitter
Buenos Aires 23 FEV 2016 - 16:00   CET
O presidente da Argentina, Mauricio Macri, com dirigentes sindicais na quinta-feira passada, após anunciar uma redução de impostos.
O presidente da Argentina, Mauricio Macri, com dirigentes sindicais na quinta-feira passada, após anunciar uma redução de impostos.  EFE
MAIS INFORMAÇÕES
Argentina anuncia cortes de energia pela primeira vez em 27 anos
Em busca da paz com professores, Mauricio Macri oferece até 40% de aumento
Macri recorre ao ativismo social na luta contra a inflação na Argentina
Empresas brasileiras retomam investimentos na Argentina com Macri no poder
Macri faz seu primeiro grande ajuste: 300% de aumento na conta de luz
O Governo de Mauricio Macri anunciou na semana passada medidas favoráveis aos trabalhadores argentinos, em meio a uma rápida aceleração da inflação, cujo índice anual saltou de 25% para 30% em três meses. Esse pacote de bondades, no entanto, acabou sendo fortemente diluído. Dias atrás, o ministro da Educação, Esteban Bullrich, ofereceu um aumento de até 40% aos professores, mas 72 horas depois o próprio Macri advertiu que nenhuma província argentina poderá conceder mais do que 25%. Paralelamente, o chefe de Estado da Argentina anunciou uma redução do imposto de renda, mas no dia seguinte esclareceu que pelo menos até 2017 esse benefício será menor do que se previa, enquanto a imprensa local alertava que a reforma tributária poderá deixar mais prejudicados do que beneficiados.

Em seus dois primeiros meses de Governo, Macri, um ex-empresário que há 13 anos se envolveu na política, se dedicou a adotar medidas que promovessem os investimentos, como a desvalorização do peso, a eliminação de impostos sobre agricultura, mineração e indústria e a elevação das tarifas de eletricidade. Todas essas medidas foram justificadas pelo novo Executivo pela necessidade de corrigir erros dos 12 anos de kirchnerismo, mas acabaram prejudicando o poder de compra dos assalariados. E isso que o encarecimento da energia elétrica ainda não se materializou nas contas de luz das famílias e empresas. Enfrentando uma discreta pressão social por causa da inflação, Macri procurou manter a lua-de-mel que costuma beneficiar os novos presidentes em seus primeiros 100 dias de mandato, e para isso reagiu com algumas medidas, que também incluem um aumento das aposentadorias e pensões, conforme um mecanismo aprovado durante o kirchnerismo, e do salário-família.

Mas ficou pelo caminho a promessa de um forte aumento salarial para o magistério. A data-base do reajuste salarial dos professores é a primeira do ano na Argentina, ditando um certo parâmetro para as negociações das demais categorias. As aulas começam na próxima segunda-feira, já sob uma ameaça de greve.

A redução do imposto de renda, por outro lado, entrou em vigor, mas poderá beneficiar pouca gente. O Governo inicialmente havia informado que 180.000 indivíduos deixariam de pagar o tributo, e outros 1,3 milhão desembolsariam menos, o que resultaria em um aumento de 22% da massa salarial líquida. Mas o Executivo chegou a prometer também que reajustaria automaticamente a tabela de isenções conforme a inflação, e 24 horas depois Macri esclareceu que isso só poderá acontecer a partir de 2017, por causa do impacto que a mudança teria sobre a arrecadação num momento em que a Argentina busca reduzir seu déficit fiscal, que é de 7% do PIB, segundo cálculos oficiais. Dessa forma, os aumentos salariais negociados em 2016 poderão acabar anulando a redução tributária anunciada com tanto entusiasmo pelo presidente argentino.

A imprensa colocou em dúvida os benefícios da oferta anunciada por Macri. O jornal Clarín calculou que se o contribuinte receber neste ano um reajuste salarial de 29,5%, ligeiramente inferior à inflação atual, na prática receberá apenas 20% a 23% a mais, já que o restante ficará com a Fazenda. Ou seja, sofrerá uma perda de poder aquisitivo. Outro jornal, o Página/12, calcula que os reajustes salariais, que costumam acontecer entre março e junho, farão com que 221.000 argentinos hoje isentos do IR passem a pagar o tributo. Além disso, outros 230.000 beneficiários de uma isenção determinada pelo kirchnerismo também começarão a ser taxados. Assim, em vez de haver 180.000 argentinos que passariam a ficar isentos, o número total de contribuintes do imposto de renda subiria em 270.000, calcula o Página/12. A conta também será negativa para os pensionistas: 40.000 ficarão isentos, mas outros 110.000 passarão a contribuir, segundo o Clarín. Os sindicalistas, que inicialmente elogiaram a reforma tributária macrista, agora a criticam.

Na campanha eleitoral, Macri havia negado a intenção de desvalorizar o peso, e o hoje ministro da Fazenda, Alfonso Prat-Gay, declarava que uma alta do dólar frente ao peso “não afetaria praticamente ninguém”. Desde dezembro, porém, o dólar subiu 54%, e isso se refletiu numa disparada da inflação. O ministro da Agroindústria, Ricardo Buryaile, prometeu em dezembro que tentaria convencer supermercados e frigoríficos a recuarem seus preços para os níveis de novembro, o que não aconteceu. Em janeiro, Prat-Gay também falou de um pacto social entre patrões e sindicatos, sem resultados. A questão da inflação, um problema grave na Argentina há nove anos, e a deterioração do poder aquisitivo, agora ameaçador, preocupam as classes média e baixa, num país onde há apenas três meses 51% dos eleitores elegeram Macri como alternativa ao kirchnerismo. Resta ver, agora, se a população atribuirá esses ajustes a uma herança maldita kirchnerista ou à forma como Macri está se desfazendo das políticas dos últimos anos – ou então uma mistura de ambas as coisas.

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/02/22/internacional/1456157203_755565.html

Pessoalmente,  espero que ele consiga fazer as mudanças necessárias e que a Argentina consiga um crescimento acelerado e sustentável. Mesmo porque uma Argentina forte é bom para o Brasil.

O que acho passível de crítica é a forma como ele está sendo visto, como um salvador da pátria ou um heroi que veio salvar a todos do comunismo e levar-nos a uma era dourada. E essa idéia estar difundida no exterior é ainda mais estranho.

Não sei como ele está sendo visto no próprio país.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 24 de Fevereiro de 2016, 13:00:10
Não do comunismo, do populismo.

E é meio má-fé da reportagem dizer que o dólar "subiu" 54%. Ele sempre teve esse valor, mas era mantido em um valor menor por um controle de câmbio artificial do governo. É a mesma coisa que falar, se a Venezuela acabar com o controle de câmbio artificial do valor da sua moeda frente o dólar, que o dólar "subiu" 1500%.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 24 de Fevereiro de 2016, 13:28:36
Gaúcho, não sei quanto ao populismo.  Isso só se saberá com o tempo. E ainda que o seja, a crítica permanece.

Quanto ao dólar, não é má fé. Ele subiu mesmo 54%, se antes era mantido artificialmente é irrelevante, já que o que importa são as relações comerciais e o impacto sobre a inflação (que pode até ser transitória). Câmbio paralelo é uma outra história.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 24 de Fevereiro de 2016, 13:41:47
[...]
Quanto ao dólar, não é má fé. Ele subiu mesmo 54%, se antes era mantido artificialmente é irrelevante, já que o que importa são as relações comerciais e o impacto sobre a inflação (que pode até ser transitória). Câmbio paralelo é uma outra história.

a) O dólar não subiu, ele foi igualado ao que se pratica no mercado efetivamente porque antes era controlado politicamente e não pela conjuntura de mercado.

b) A taxa de inflação na Argentina era (ainda é) irreal porque também era manipulada pelo governo, assim como é maciçamente na Venezuela e assim como é no Brasil, ainda que em menor escala por aqui.

Me admira você afirmar que é "irrelevante" a manietação governamental. É um absurdo semelhante ao que os petistas fazem ao afirmarem que a crise no Brasil é por causa da "Lava Jato".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 24 de Fevereiro de 2016, 14:46:52
Gaúcho, não sei quanto ao populismo.  Isso só se saberá com o tempo. E ainda que o seja, a crítica permanece.

Quanto ao dólar, não é má fé. Ele subiu mesmo 54%, se antes era mantido artificialmente é irrelevante, já que o que importa são as relações comerciais e o impacto sobre a inflação (que pode até ser transitória). Câmbio paralelo é uma outra história.

Rapaz...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 24 de Fevereiro de 2016, 15:48:58
[...]
Quanto ao dólar, não é má fé. Ele subiu mesmo 54%, se antes era mantido artificialmente é irrelevante, já que o que importa são as relações comerciais e o impacto sobre a inflação (que pode até ser transitória). Câmbio paralelo é uma outra história.

a) O dólar não subiu, ele foi igualado ao que se pratica no mercado efetivamente porque antes era controlado politicamente e não pela conjuntura de mercado.

Ele subiu como subiu em relação a boa parte das moedas do mundo, mas concordo que ele era mantindo artificialmente baixo,  muito mais baixo.

Citar
b) A taxa de inflação na Argentina era (ainda é) irreal porque também era manipulada pelo governo, assim como é maciçamente na Venezuela e assim como é no Brasil, ainda que em menor escala por aqui.
Mas existem outras instituições que estimam e estimavam a inflação (que se trata mesmo de uma estimativa, já que pode variar entre pessoas e lugares), no entanto, o que se observou foi um aumento dos níveis de inflação,  mesmo no período em que ele é presidente, o que,  claro, não deveria deixar de ocorrer, justamente por causa da liberação de preços controlados, como a energia, e a alta do dólar. Um aumento de 300% da energia vai ter um impacto importante na inflação,  a despeito da necessidade que havia do aumento para se tornar viável o negócio.

Citar
Me admira você afirmar que é "irrelevante" a manietação governamental. É um absurdo semelhante ao que os petistas fazem ao afirmarem que a crise no Brasil é por causa da "Lava Jato".

Geo, é irrelevante na medida que, imagino, trocas comerciais de importação e exportação deviam ser feitas pelo câmbio oficial, o que, me parece, foi um dos motivos da queda das exportações argentinas e da falta de dólares no país. Se há uma grande desvalorização do dólar oficial, isso tem um impacto forte nos preços que utilizam o câmbio oficial nas suas transações comerciais.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 24 de Fevereiro de 2016, 15:58:30
A energia também era quase de graça na Argentina, graças aos subsídios do governo. Mesmo com esse aumento de 300%, os argentinos ainda vão estar pagando muito barato na energia, mas, sim, impactará na inflação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 24 de Fevereiro de 2016, 16:42:23
Geo, como é que não seria por tributos, se justamente é um serviço público?

Tributos que são o resultado de coerção estatal, em um sistema no qual a população não pode sequer limitar, quanto mais diminuir, os benefícios auferidos pelos "barnabés".


Quanto a opinar sobre os salários de servidores, os eleitores não escolheram seus representantes?

Sim.


Acho que faz parte do sistema democrático representativo moderno o povo delegar para seus representantes essas decisões.

Sim.

Mas é uma tremenda ingenuidade esperar que os "representantes" da população se preocupem com a racionalidade financeira do estado ou que entrem em litígio com os "barnabés". O que mais se observa, é um conluio entre os "representantes" e os "barnabés", especialmente se aqueles forem de esquerda.


Além disso, em uma empresa de capital aberto, os acionistas são chamados para votar o valor a ser pago por cada empregado/categoria ou é uma decisão dos executivos?

Geralmente é uma decisão dos executivos.

No entanto sua analogia é completamente falha. No setor privado, especialmente em empresas de grande porte, os funcionários são cobrados continuamente por melhorias nos resultados e nas metas. Não há nada parecido com isto no setor público, a não ser pontualmente.

Em tempo. O valor do salário no setor privado é uma combinação de diversos fatores mas nenhum deles provem da espoliação dos impostos.


Impostos são a base para os serviços do estado,

Sim.


cujos funcionários devem ser pagos com o dinheiro desses mesmos impostos,

Sim.

Mas não devem ser de valores elevados e nem devem receber benesses corporativistas.


afinal o Estado não cria recursos do nada.

Não somente isto.

O estado é um sorvedouro de recursos e geralmente é um entrave ao setor produtivo privado.


Isso será verdade em qualquer Estado do mundo, a menos que já exista algum estado anarquista.

Sim.


Pode-se dizer que a carga tributária será maior ou menor dependendo do país, mas isso também depende do tipo de Estado dessa sociedade,

E principalmente da qualidade do seu povo e de seus políticos.


com maior ou menor estado de bem estar social.

O tamanho do bem estar social não é o determinante e sim a racionalidade financeira e a qualidade da população e dos seus representantes.


Mas isso é (ou foi) uma decisão tomada pela sociedade em algum momento.

É mesmo?

Eu não lembro, em momento algum, ter permitido ou autorizado que "barnabés" ganhassem salários "astronômicos", aposentadoria integral, auxílios-"qualquer-coisa", licenças prêmios, entre outros absurdos.


A aposentadoria é outra coisa que vai variar muito de ente para ente, de órgão para órgão e poder para poder. E dentro desses mesmos há uma diferença entre os servidores. Muitos servidores são CLT e se aposentam pelo INSS como qualquer outro da iniciativa privada.

A maioria ganha muito mais do que o setor privado.

 
Existem ainda institutos de previdência cujos contribuintes ainda não se aposentaram, existem previdências complementares. Aposentadorias são diferentes até dependendo de que ano o servidor engressou no serviço, lembrando que o desconto para o INSS é sobre o teto da aposentadoria e para o servidor público é sobre os rendimentos integrais.

Não, o desconto não incide sobre o total dos proventos e sim apenas sobre a parte tributável.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Onsigbare em 24 de Fevereiro de 2016, 16:52:58
resumo: enxugando o estado (muito bom!), só espero que não esteja fazendo isso para colocar os seus parasitas... (aquela velha desculpa da restruturação)
               Controlar a inflação com um aumento da energia elétrica em até 500% vai ser um desafio
                Será que terá sucesso aquele seu pedido à população tipo "fiscal do Sarney" para controlar os preços nos supermercados? 
                É claro que a imprensa vai lhe dar todo o apoio, ele tem que aproveitar, e mostrar a que veio.
                Uma coisa já notei, ele anuncia medidas populares e horas depois diz que não, como foi o caso do aumento do magistério... e outras coisas que seriam prá já e agora já fala em 2017...
               
               
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 24 de Fevereiro de 2016, 23:07:54
Geo, como é que não seria por tributos, se justamente é um serviço público?

Tributos que são o resultado de coerção estatal, em um sistema no qual a população não pode sequer limitar, quanto mais diminuir, os benefícios auferidos pelos "barnabés".

Aqui vamos ficar dando voltas em um argumento circular. Para tentar interromper isso, concordemos ao menos que todo estado moderno precisa de um corpo de servidores públicos e recursos advindos de tributos para manter este corpo e executar suas ações. Os tributos são impostos, de maneira coerciva,  pelo estado, mas regulados, bem como os benefícios do funcionalismo,  pela legislação que, em uma democracia representativa,  é construída pelos representantes eleitos e com poderes delegados pelo povo.

Citar
Quanto a opinar sobre os salários de servidores, os eleitores não escolheram seus representantes?

Sim.


Acho que faz parte do sistema democrático representativo moderno o povo delegar para seus representantes essas decisões.

Sim.

Mas é uma tremenda ingenuidade esperar que os "representantes" da população se preocupem com a racionalidade financeira do estado ou que entrem em litígio com os "barnabés". O que mais se observa, é um conluio entre os "representantes" e os "barnabés", especialmente se aqueles forem de esquerda.

Mas enquanto não houver uma forma de viabilizar uma democracia direta em um estado-nação grande é o que temos de melhor. Cá comigo imagino que uma democracia direta se preocuparia ainda menos com a racionalidade financeira do estado (o que é uma opinião desprovida de quaisquer fundamentos científicos, apenas achismo). Algo mais próximo a isso seria um despotismo esclarecido de uma forma que seria um tanto idealizada. Na democracia representativa se observa um "conluio" entre o funcionalismo e os representantes porque o funcionalismo pode ser uma força política importante,  e isso seria independente de ser esquerda ou direita, ligada mais diretamente à importância que o funcionalismo tem naquele tempo/lugar específico.

Citar

Além disso, em uma empresa de capital aberto, os acionistas são chamados para votar o valor a ser pago por cada empregado/categoria ou é uma decisão dos executivos?

Geralmente é uma decisão dos executivos.

No entanto sua analogia é completamente falha. No setor privado, especialmente em empresas de grande porte, os funcionários são cobrados continuamente por melhorias nos resultados e nas metas metas. Não há nada parecido com isto no setor público, a não ser pontualmente.

Em tempo. O valor do salário no setor privado é uma combinação de diversos fatores mas nenhum deles provem da espoliação dos impostos.

Não era para ser um exemplo perfeito.  Apenas para mostrar que certas decisões podem e devem ser tomadas por um poder executovo, sem a necessidade de uma consulta constante. A ideia não era fazer um paralelo entre funcionários públicos e privados. O valor do salário não provem da espoliação dos impostos nem no privado nem no público. A espoliação dos impostos provê recursos para o pagamento desses salários, o que é uma coisa diferente. E esses recursos provenientes dos impostos podem servir não somente para pagar salários do funcionalismo público, como também do iniciativa privada, quando uma empresa presta serviço ao estado, seja direta ou indiretamente.

Citar

Impostos são a base para os serviços do estado,

Sim.


cujos funcionários devem ser pagos com o dinheiro desses mesmos impostos,

Sim.

Mas não devem ser de valores elevados e nem devem receber benesses corporativistas.

Mas valores elevados não são a regra, mas a exceção. Existe uma elite do funcionalismo que realmente recebe valores muito mais altos que o razoável,  porém a maior parte do funcionalismo público (que se encontra no executivo dos municípios) deve receber algo similar ao da iniciativa privada (dependendo da categoria, acima ou abaixo dessa média). Agora, as benesses corporativas, hoje, quais seriam? Existe uma virtual estabilidade, já que processos administrativos que gerem demissão não são comuns, e uma aposentaria que, hoje, se aproxima ao que existe já no meio privado. Mas quais são as outras benesses corporativistas?


afinal o Estado não cria recursos do nada.

Não somente isto.

O estado é um sorvedouro de recursos e geralmente é um entrave ao setor produtivo privado.


Isso será verdade em qualquer Estado do mundo, a menos que já exista algum estado anarquista.

Sim.


Pode-se dizer que a carga tributária será maior ou menor dependendo do país, mas isso também depende do tipo de Estado dessa sociedade,

E principalmente da qualidade do seu povo e de seus políticos.
Qualidades essas que  sofrem modificação com o tempo.


com maior ou menor estado de bem estar social.

O tamanho do bem estar social não é o determinante e sim a racionalidade financeira e a qualidade da população e dos seus representantes.

Claro que o estado de bem estar social é determinante. Não é o único determinate, como mostra os outros exemplos que você deu, mas (e aqui é outro achismo meu) o estado de bem estar social pode, com o tempo, gerar uma racionalidade financeira melhor (até para poder lidar com os problemas que este estado de bem estar social pode ocasionar), como uma qualidade  melhor da população (mais educada e mais saudável - note que não estou dizendo que o Brasil atingiu esse nível ainda) e uma consequente melhoria de seus representantes.

Citar

Mas isso é (ou foi) uma decisão tomada pela sociedade em algum momento.

É mesmo?

Eu não lembro, em momento algum, ter permitido ou autorizado que "barnabés" ganhassem salários "astronômicos", aposentadoria integral, auxílios-"qualquer-coisa", licenças prêmios, entre outros absurdos.


Estava me referindo ao estado de bem estar social

Citar
A aposentadoria é outra coisa que vai variar muito de ente para ente, de órgão para órgão e poder para poder. E dentro desses mesmos há uma diferença entre os servidores. Muitos servidores são CLT e se aposentam pelo INSS como qualquer outro da iniciativa privada.

A maioria ganha muito mais do que o setor privado.

Porque a maioria entrou para o serviço público anteriormente às reformas da previdência,  mas é algo que mudará com o tempo.

Citar

Existem ainda institutos de previdência cujos contribuintes ainda não se aposentaram, existem previdências complementares. Aposentadorias são diferentes até dependendo de que ano o servidor engressou no serviço, lembrando que o desconto para o INSS é sobre o teto da aposentadoria e para o servidor público é sobre os rendimentos integrais.

Não, o desconto não incide sobre o total dos proventos e sim apenas sobre a parte tributável.
Ainda assim, não é sobre o teto. Ou não era, pois imagino que na última reforma o desconto também ficou sobre o teto da aposentadoria.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 24 de Fevereiro de 2016, 23:23:30
Geo, como é que não seria por tributos, se justamente é um serviço público?
Tributos que são o resultado de coerção estatal, em um sistema no qual a população não pode sequer limitar, quanto mais diminuir, os benefícios auferidos pelos "barnabés".

Aqui vamos ficar dando voltas em um argumento circular. Para tentar interromper isso, concordemos ao menos que todo estado moderno precisa de um corpo de servidores públicos e recursos advindos de tributos para manter este corpo e executar suas ações. Os tributos são impostos, de maneira coerciva,  pelo estado, mas regulados, bem como os benefícios do funcionalismo,  pela legislação que, em uma democracia representativa,  é construída pelos representantes eleitos e com poderes delegados pelo povo.

Sim, precisa de um núcleo 'pensante e ativo' mais bem remunerado e os seus auxiliares-executores, com remunerações mais modestas.

Para que fique claro: Não tenho qualquer dúvida sobre a existência, em grande quantidade, de bons funcionários públicos em todas as instâncias. Um dos problemas está em vagabundos (numerosos, infelizmente), sustentados por sindicatos e políticos, que, ao que parece para quem está fora, propositalmente prestam um serviço de péssima qualidade.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 07 de Março de 2016, 14:29:43
Citar
Macri corta propagandas estatais e canal de esquerda argentino fecha as portas

O canal de esquerda argentino CN23 fechou as portas no último dia 1° de março. Após a posse de Macri e o corte de propagandas estatais, o canal não conseguiu se sustentar e demitiu nessa semana 136 de 160 dos seus funcionários, bem como cortou o seu sinal de transmissão.

O canal CN23 foi o que publicou a polêmica frase “La tienen adentro” (algo como “ela fud… eles”) logo após as urnas serem fechadas (e muito antes do resultado oficial) na reeleição da Cristina Kirchner em 2011.

http://www.ilisp.org/noticias/macri-corta-propagandas-estatais-e-canal-de-esquerda-argentino-fecha-as-portas/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 07 de Março de 2016, 14:54:33
Citar
Macri corta propagandas estatais e canal de esquerda argentino fecha as portas

O canal de esquerda argentino CN23 fechou as portas no último dia 1° de março. Após a posse de Macri e o corte de propagandas estatais, o canal não conseguiu se sustentar e demitiu nessa semana 136 de 160 dos seus funcionários, bem como cortou o seu sinal de transmissão.

O canal CN23 foi o que publicou a polêmica frase “La tienen adentro” (algo como “ela fud… eles”) logo após as urnas serem fechadas (e muito antes do resultado oficial) na reeleição da Cristina Kirchner em 2011.

http://www.ilisp.org/noticias/macri-corta-propagandas-estatais-e-canal-de-esquerda-argentino-fecha-as-portas/

Ele obviamente está abrindo espaço para criar seu PIG.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 07 de Março de 2016, 15:19:55
Geo, como é que não seria por tributos, se justamente é um serviço público?
Tributos que são o resultado de coerção estatal, em um sistema no qual a população não pode sequer limitar, quanto mais diminuir, os benefícios auferidos pelos "barnabés".

Aqui vamos ficar dando voltas em um argumento circular. Para tentar interromper isso, concordemos ao menos que todo estado moderno precisa de um corpo de servidores públicos e recursos advindos de tributos para manter este corpo e executar suas ações. Os tributos são impostos, de maneira coerciva,  pelo estado, mas regulados, bem como os benefícios do funcionalismo,  pela legislação que, em uma democracia representativa,  é construída pelos representantes eleitos e com poderes delegados pelo povo.

Sim, precisa de um núcleo 'pensante e ativo' mais bem remunerado e os seus auxiliares-executores, com remunerações mais modestas.

Para que fique claro: Não tenho qualquer dúvida sobre a existência, em grande quantidade, de bons funcionários públicos em todas as instâncias. Um dos problemas está em vagabundos (numerosos, infelizmente), sustentados por sindicatos e políticos, que, ao que parece para quem está fora, propositalmente prestam um serviço de péssima qualidade.


E de qualquer forma poderíamos perguntar quais serviços que o governo presta, que são realmente relevantes, e que não podem ser prestados pela iniciativa privada ?

Acho que são bem poucos. 

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 07 de Março de 2016, 22:43:14
Por que tem tão poucos negros na Argentina?

Porque não foram escravagistas.

Porque morreram libertando o resto do país. E porque os que sobraram migraram pela temperatura hostil.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 07 de Março de 2016, 23:00:43
Ainda não entendi. Que problema ele resolveu com isso? Ou a notícia está errada e falta alguma coisa ou continua a mesma coisa. Se antes apenas 10% pagavam imposto e agora é um número ainda mais reduzido, então não se resolveu nada.

Eu acho que há algum erro na informação sobre a quantidade de argentinos que pagam imposto de renda ou sobre as faixas de tributação.

Um resumo (em espanhol) sobre a proposta: http://www.lanacion.com.ar/1874800-ganancias-las-claves-de-lo-que-viene

Não é só 10% de trabalhadores que pagam imposto de rendas, o problema é que ultimamente vinha aumentando o trabalho informal, e a antiga AFIP, a entidade reguladora, era tão dependente politicamente da presidenta que distorceu todos os estudos, assim como outros órgãos estatais manipulados para gerar falsas boas notícias de um governo corrupto e alienado.

a proposta do governo visa basicamente aumentar o piso para não atingir tantos aposentados, pensionistas e assalariados, embora possa ser afetado plas tentativas dos sindicatos de fazer ajustes no salário.

Temos que acompanhar para saber se as medidas terão um efeito prático, mas o efeito prático de estabelecer confiança com o contribuinte já foi atingido.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 07 de Março de 2016, 23:21:39

Bem, ESSA é uma opinião consistente. Bem melhor que fechar os ministérios e botar todos os parasitas na rua. Posso até concordar com a maioria desses pontos (talvez discordemos da forma e sempre admitindo que posso estar redondamente enganado).

A pergunta que faço (e que não sei a resposta) é: foi isso que foi feito na Argentina?

Não tenho informação de ter cortado ministérios, mas sim enxugou os existentes demitindo funcion[arios principalmente de autarquias que funcionavam como redutos políticos da facção camporista (kirchnerista).

Também demitiu e colocou novos gestores nas principais agências reguladoras e de controle como AFIP (a receita Federal basicamente) e INDEC (como o IBGE aqui), órgãos que tinham perdido totalmente a credibilidade. Ouvi uma reportagem onde o novo gestor do INDEC onde fala que havia mais trituradoras de papel do que computadores:

https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0ahUKEwjgg4m5g7DLAhXCUZAKHWItDJEQFggdMAA&url=http%3A%2F%2Fwww.lanacion.com.ar%2F1870507-jorge-todesca-en-el-indec-sobran-picadoras-de-papeles-y-faltan-computadoras&usg=AFQjCNE-xVGTiYV5PxEHE3OxCJYF0yqIKw&sig2=STZGbgs0q5YjRNa0hJRzBA

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 08 de Março de 2016, 00:55:08
Seria interessante sabermos o que os funcionários desses órgãos do governo tem a dizer sobre as demissões, digo, o que os funcionários honestos remanescentes tem a dizer sobre as demissões.

Imagino que deve ser um alívio se ver livre de um bando de parasitas que ocupavam cargos de chefia apenas por indicação política.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 09 de Março de 2016, 17:59:39
Pelo que dá para ouvir a reportagem, no caso do INDEC, uma boa parcela de funcionários eram concursados e estavam muito desmotivados com a política adotada, e o novo gestor espera conseguir melhor resultados agora.

Aliás, o fato do dólar ter disparado foi que estava 'reprimido' num valor irreal, e quando as travas artificiais do 'corralito' caíram, o dólar disparou, por causa da demanda.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 09 de Março de 2016, 20:00:51
Pelo que dá para ouvir a reportagem, no caso do INDEC, uma boa parcela de funcionários eram concursados e estavam muito desmotivados com a política adotada, e o novo gestor espera conseguir melhor resultados agora.

Aliás, o fato do dólar ter disparado foi que estava 'reprimido' num valor irreal, e quando as travas artificiais do 'corralito' caíram, o dólar disparou, por causa da demanda.

Espero que a situação na Argentina só melhore daqui para frente.

Essa corja imunda esquerdista acabou com todos os países em que botaram as patas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 11 de Março de 2016, 11:45:38
Citar
Após medidas liberais de Macri, produtos argentinos irão “invadir” supermercados brasileiros

Após o governo Macri derrubar as alíquotas de exportação argentinas, os produtos hermanos aparecem cada vez mais nas gôndolas dos supermercados brasileiros. Os alfajores Havanna e os sorvetes Freddo planejam até 50 novos espaços no Brasil neste ano e investimentos de R$ 13 milhões. As famosas carnes argentinas, como picanha e bife de chorizo, são cada vez mais importadas pelos brasileiros após o fim do câmbio artificial. Com custos tributários e trabalhistas menores, os doce de leites, queijos, peixes e vinhos argentinos também devem chegar ao Brasil com preços competitivos em breve.

Com a derrubada das barreiras tarifárias promovida por Macri, as empresas argentinas poderão acessar recursos externos, aumentando sua competitividade. Enquanto o Brasil se enfraquece, a Argentina tende a se fortalecer no comércio exterior. José Augusto de Castro, da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), prevê aumento de importações e cita o avanço de malte de cerveja, chocolates, azeitonas e azeites, além de um novo fato que ocorre desde que Macri chegou ao poder: “o mundo está olhando para a Argentina.”

http://www.ilisp.org/noticias/apos-medidas-liberais-de-macri-produtos-argentinos-irao-invadir-supermercados-brasileiros/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 11 de Março de 2016, 12:20:38
Vamos armar um bolão sobre quanto tempo vai demorar para sapecarem uma sobre-taxa básica encima dos vinhos argentinos que estarão "ameaçando a indústria nacional".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 11 de Março de 2016, 13:17:24
Estado precisa me proteger dessas picanhas argentinas neoliberais opressoras.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 11 de Março de 2016, 13:30:55
Vamos armar um bolão sobre quanto tempo vai demorar para sapecarem uma sobre-taxa básica encima dos vinhos argentinos que estarão "ameaçando a indústria nacional".

Só no próximo governo.

O plano de governo do Dilmão atualmente é se manter no emprego e não dormir na cadeia.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Onsigbare em 11 de Março de 2016, 14:10:09
...quando recentemente estive na Argentina, encontrei uma velha amiga, que agora mora lá, ela me orientou nas compras, pois eles tem muita porcaria para vender aos turistas, enquanto que consomem produtos de melhor qualidade, o inverso aqui no Brasil onde os produtos tipo exportação são de melhor qualidade dos que o povão consome.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 29 de Março de 2016, 13:54:06
Citar
Após governo Macri reduzir impostos e gastos estatais, inflação diminui na Argentina

Após adotar uma estratégia liberal de redução da impressão de dinheiro feita pelo estado – por meio da redução do principal motivo para que ela ocorra, os gastos do estado – e redução de impostos e burocracia para destravar setores importantes da economia argentina como a agropecuária e a mineração, o governo do presidente Maurício Macri começa a colher os primeiros frutos.

De acordo com os primeiros dados oficiais de inflação – manipulados por nove anos pelo governo da socialista Cristina Kirchner e trazidos novamente à realidade pelo governo Macri – colhidos na província de San Luis, a inflação segue alta – 2,7% em fevereiro – mas diminuiu drasticamente em comparação com dezembro (6,5% no mês) e janeiro (4,2% no mês). A inflação acumulada em 12 meses está em 36% – ainda acima da meta do governo Macri deste ano (25%) – mas o governo acredita que a mesma irá cair ainda mais no segundo semestre, alcançando a meta estipulada para este ano de ajuste na economia argentina.

Como informou o próprio Macri seguidas vezes em entrevistas, expondo sua visão liberal, “o principal culpado pela inflação é um governo que gasta mal e mais do que pode. A emissão de moeda pelo governo é a responsável pela inflação“. Como se vê, a solução dos problemas econômicos começa com o correto entendimento de suas causas.

http://www.ilisp.org/noticias/apos-governo-macri-reduzir-impostos-e-gastos-estatais-inflacao-diminui-na-argentina/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 29 de Março de 2016, 14:19:34
O Macri faz parecer que todos os problemas econômicos são simples de resolver. Talvez eles realmente sejam simples.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 29 de Março de 2016, 14:33:44
É simples: é só o governo não atrapalhar.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 29 de Março de 2016, 19:10:55
O Macri faz parecer que todos os problemas econômicos são simples de resolver. Talvez eles realmente sejam simples.

E são, mas para que a Cretina deve acabar com a miséria permitindo que as empresas respirem e gerem empregos se o populismo garante os votos dos dependentes do Bolsa Mortadela argentino?

Igrejas e políticos populistas vivem da miséria dos outros.

Pode acreditar que os esquerdinhas argentinos estão metendo o sarrafo no Macri.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: DDV em 29 de Março de 2016, 20:08:25
O Macri faz parecer que todos os problemas econômicos são simples de resolver. Talvez eles realmente sejam simples.

E são, mas para que a Cretina deve acabar com a miséria permitindo que as empresas respirem e gerem empregos se o populismo garante os votos dos dependentes do Bolsa Mortadela argentino?

Igrejas e políticos populistas vivem da miséria dos outros.

Pode acreditar que os esquerdinhas argentinos estão metendo o sarrafo no Macri.





Esquerdistas só prosperam onde há miséria e dependência do estado.

Quando há prosperidade, passam a criticar o "consumismo" e amplificam (ou inventam) pseudoproblemas para tentarem se manter relevantes.   
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 29 de Março de 2016, 21:22:45
O Macri faz parecer que todos os problemas econômicos são simples de resolver. Talvez eles realmente sejam simples.

E são, mas para que a Cretina deve acabar com a miséria permitindo que as empresas respirem e gerem empregos se o populismo garante os votos dos dependentes do Bolsa Mortadela argentino?

Igrejas e políticos populistas vivem da miséria dos outros.

Pode acreditar que os esquerdinhas argentinos estão metendo o sarrafo no Macri.





Esquerdistas só prosperam onde há miséria e dependência do estado.

Quando há prosperidade, passam a criticar o "consumismo" e amplificam (ou inventam) pseudoproblemas para tentarem se manter relevantes.   

Tiram o dobro das pessoas sem que percebam mas devolvem metade com muita pompa e alarde.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 30 de Março de 2016, 08:41:55

Esquerdistas só prosperam onde há miséria e dependência do estado.

Quando há prosperidade, passam a criticar o "consumismo" e amplificam (ou inventam) pseudoproblemas para tentarem se manter relevantes.   



Quer dizer que a vasta gama de movimentos,  incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas só prosperam onde há onde há miséria e dependência do Estado ?


 :?:


Esquerda política
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

No campo da política, política de esquerda descreve uma posição que apoia a igualdade social.[1] [2] [3] [4] Normalmente, envolve uma preocupação com os cidadãos que são considerados em desvantagem em relação aos outros e uma suposição de que há desigualdades injustificadas que devem ser reduzidas ou abolidas. [3]

Os termos "direita" e "esquerda" foram criados durante a Revolução Francesa (1789–99), e referiam-se ao lugar onde políticos se sentavam no parlamento francês, os que estavam sentados à direita da cadeira do presidente parlamentar foram amplamente favoráveis ao Ancien Régime.[5] [6] [7] [8]

O uso do termo "esquerda" tornou-se mais proeminente após a restauração da monarquia francesa em 1815 e foi aplicado aos "Independentes".[9] Mais tarde, o termo foi aplicado a uma série de movimentos sociais, especialmente o republicanismo, o socialismo,[10] o comunismo e o anarquismo.[11] Atualmente, o termo "esquerda" tem sido usado para descrever uma vasta gama de movimentos,[12] incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas.[13] [14]





Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 30 de Março de 2016, 10:51:38
Quer dizer que a vasta gama de movimentos,  incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas só prosperam onde há onde há miséria e dependência do Estado ?

Esses foram movimentos vindos de liberais que a Esquerda incorporou para ganhar poder, mas não necessariamente se importa com elas, até porque muitas das piores tiranias (portanto, sem direitos civis e liberdade) são só de viés esquerdista, mas admiradas pelos esquerdistas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 30 de Março de 2016, 18:49:01
Quer dizer que a vasta gama de movimentos,  incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas só prosperam onde há onde há miséria e dependência do Estado ?

Esses foram movimentos vindos de liberais que a Esquerda incorporou para ganhar poder, mas não necessariamente se importa com elas, até porque muitas das piores tiranias (portanto, sem direitos civis e liberdade) são só de viés esquerdista, mas admiradas pelos esquerdistas.


Muitas e muitas pessoas com valores considerados de esquerda tem valores que incorporam e/ou fazem parte de movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas.  Inclusive muitos direitistas  consideram que o ambientalismo,  movimentos antiguerra e direitos humanos são  agendas de esquerda. São comuns acusações de direitistas contra esses movimentos.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 30 de Março de 2016, 21:06:50
Quer dizer que a vasta gama de movimentos,  incluindo o movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas só prosperam onde há onde há miséria e dependência do Estado ?

Esses foram movimentos vindos de liberais que a Esquerda incorporou para ganhar poder, mas não necessariamente se importa com elas, até porque muitas das piores tiranias (portanto, sem direitos civis e liberdade) são só de viés esquerdista, mas admiradas pelos esquerdistas.


Muitas e muitas pessoas com valores considerados de esquerda tem valores que incorporam e/ou fazem parte de movimentos pelos direitos civis, movimentos antiguerra e movimentos ambientalistas.  Inclusive muitos direitistas  consideram que o ambientalismo,  movimentos antiguerra e direitos humanos são  agendas de esquerda. São comuns acusações de direitistas contra esses movimentos.

O que apenas demonstra que estes direitistas e os esquerdistas são, todos, desinformados.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 31 de Março de 2016, 08:05:29
O Macri faz parecer que todos os problemas econômicos são simples de resolver. Talvez eles realmente sejam simples.

Na verdade o Macri sabe que isto é temporário, o problema de fundo, que vai demorar mais para resolver, é melhorar as exportações com reformas de infraestrutura mas que agora não há dinheiro para serem feitas.

O primeiro passo nas contas era ajustar as saídas cortando o que é supérfluo e principalmente mandando bons sinais para investidores, restaurar a confiança dos mercados externos. Com isso foi possível negociar as dívidas e se entender melhor com grupos econômicos que com certeza voltarão a investir.

Outros passos terão que ser dados na direção a procurar investimentos sem se endividar, e continuar investindo na educação para parar de ser o celeiro do mundo , que é ridículo, e se concentrar em outras atividades econômicas mais lucrativas, que podem até ser no setor agrário, mas com mais inteligência (aliás, nos ũltimos 30 anos vem perdendo setor a setor do Brasil, em setores inclusive que sempre foi líder como carne e leite e derivados).

Outras coisa importante que está fazendo é o que mencionei antes, recuperar a confiança nos índices econômicos, que eram todos artificiais e distorcidos com fins políticos.

Mas eu não vou voltar lá, podem tirar o cavalinho da chuva :P
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Fabrício em 31 de Março de 2016, 08:26:51
Citação de: FZapp
Mas eu não vou voltar lá, podem tirar o cavalinho da chuva

 :lol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 31 de Março de 2016, 19:53:45
Mais dois anos de governo Dilmão se não derem um bota fora na louca e essa república bananense vai ficar pior que país africano.

Eu queria ter alguém com a mentalidade do Macri para se candidatar aqui.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 02 de Abril de 2016, 17:51:04
É simples: é só o governo não atrapalhar.

O Macri não é nenhum austrian mas tá acertando bem dentro do seu limite. Mesmo assim, não será tão simples reverter todos os erros da louca da Kirchner.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 02 de Abril de 2016, 21:03:36


http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/01/internacional/1459536107_743633.html
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Abril de 2016, 21:07:38


http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/01/internacional/1459536107_743633.html

Juca, vc sabe perfeitamente que a Cretina manipulava índices tal qual o PT fez aqui.

É natural que usando novos índices o número real de pobres apareça e até aumente, mais ou menos como cancelar o método de classificação como o PT fez no governo Lulla enfiando sei lá quanta gente na nova "crassi média" da noite para o dia com 100 reais a mais no bolso.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 02 de Abril de 2016, 21:24:58
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Abril de 2016, 21:40:42
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Ué, e o dinheiro antes vinha de onde? Não era dos pobres na forma de impostos?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 02 de Abril de 2016, 21:41:33
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Ué, e o dinheiro antes vinha de onde? Não era dos pobres na forma de impostos?

Não entendi.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Abril de 2016, 21:45:01
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Ué, e o dinheiro antes vinha de onde? Não era dos pobres na forma de impostos?

Não entendi.

Os aumentos dele foram de sacanagem ou serviram para reduzir subsídios e inflação?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Abril de 2016, 22:02:07
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Atualizou preços represados para manipular índices de inflação como fizeram com a Petrofraude aqui.

O resultado é um rombo no orçamento que agora sai do bolso dos mesmos  pobres.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 02 de Abril de 2016, 22:16:10
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Atualizou preços represados para manipular índices de inflação como fizeram com a Petrofraude aqui.

O resultado é um rombo no orçamento que agora sai do bolso dos mesmos  pobres.

Antes os pobres pensavam que eram ricos e gastavam como tais. Agora estão se ajustando.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 02 de Abril de 2016, 23:03:02
Pode ser, mas o cara colocou aumentos de 300% de uma vez só em tarifas públicas e em 3 meses produziu 1,4 milhões de pobres, será que não podia ter feito um ajuste mais gradual?

Não houve aumento nenhum, só corte de subsídios. Exceto o aumento para polícias e/ou professores, não lembro bem.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 02 de Abril de 2016, 23:04:31
Juca, é igual o que a Dilma fez com o preço do petróleo antes das  eleições. Os preços administrados da Kirchner deveriam estar explodindo, ainda mais com aquela maluquice cambial.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Abril de 2016, 23:52:25
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/01/internacional/1459536107_743633.html

O Arcanjo já respondeu.

No tempo daquela idiota, havia uma manipulação dos dados, mais do que se tem por aqui. Muito mais.

O que o Macri está fazendo é recolocar a economia no prumo usando os instrumentos conhecidos. Quando a inflação for estabilizada e houver um ganho de produtividade, ocorrerá uma diminuição na pobreza.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 02 de Abril de 2016, 23:53:54
Juca, é igual o que a Dilma fez com o preço do petróleo antes das  eleições. Os preços administrados da Kirchner deveriam estar explodindo, ainda mais com aquela maluquice cambial.

E mais o crime cometido na gestão temerária do setor elétrico.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Abril de 2016, 08:51:17
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/01/internacional/1459536107_743633.html

O Arcanjo já respondeu.

No tempo daquela idiota, havia uma manipulação dos dados, mais do que se tem por aqui. Muito mais.

O que o Macri está fazendo é recolocar a economia no prumo usando os instrumentos conhecidos. Quando a inflação for estabilizada e houver um ganho de produtividade, ocorrerá uma diminuição na pobreza.

Engraçado como esse pessoal da esquerda, falando de modo geral sem querer ofender ninguém aqui do CC, considera uma "diminuição da pobreza" o fato de existirem milhares de pessoas sem emprego cuja única fonte de renda é o compra voto governamental, tanto aqui quanto na Argentina.

Compra voto que afundou a economia dos dois países com a cobrança de impostos e produziu os miseráveis que precisam da cesta básica de do compra voto.

É um círculo.

O cara vive sem emprego, ganha uma cesta básica e R$ 100,00 para aparecer nas estatísticas com a nova classe média do dia para noite, mas paga um absurdo em impostos e vive na miséria justamente para "ganhar" o compra voto.

E acham que houve uma "diminuição da pobreza" com o mesmo número de desempregados.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Skorpios em 03 de Abril de 2016, 15:11:16
No tempo daquela idiota, havia uma manipulação dos dados, mais do que se tem por aqui. Muito mais.

Espera só até o impedimento ser derrotado.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Derfel em 03 de Abril de 2016, 16:54:11
http://brasil.elpais.com/brasil/2016/04/01/internacional/1459536107_743633.html

O Arcanjo já respondeu.

No tempo daquela idiota, havia uma manipulação dos dados, mais do que se tem por aqui. Muito mais.

O que o Macri está fazendo é recolocar a economia no prumo usando os instrumentos conhecidos. Quando a inflação for estabilizada e houver um ganho de produtividade, ocorrerá uma diminuição na pobreza.

Geo, o índice de pobreza e o de inflação de que trata o artigo não é o oficial, mas o da Universidade Católica, que o próprio Macri utilizava em sua campanha e que era contestado pelo governo Kirchner.
A forma para reduzir isso parece que foi uma ampliação de um tipo de bolsa família de lá:

"O organismo prevê que a pobreza vai diminuir ligeiramente este mês, para 32,6%, graças à expansão da assistência social aprovada pelo Governo para as famílias com rendimentos mais baixos. Estas famílias se beneficiam de um aumento nas aposentadorias e ajudas por filho, e também terão tarifas reduzidas nos transportes públicos, nas contas de água, luz e energia elétrica. "

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 03 de Abril de 2016, 17:38:36
Sim, por isso Macri não rejeita esses dados, como diz a notícia.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 03 de Abril de 2016, 20:06:44
Juca, é igual o que a Dilma fez com o preço do petróleo antes das  eleições. Os preços administrados da Kirchner deveriam estar explodindo, ainda mais com aquela maluquice cambial.

É , foi mais ou menos isso. Acontece que a inflação ainda está crescendo e o governo está se ajustando, por isso eu dizia que vai precisar cortar mais gastos do governo, mas isso pode comprometer o investimento. A jogada por agora foi a de tentar que entre mais dinheiro, mas essa é uma solução mais a médio prazo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 03 de Abril de 2016, 22:57:22
Culpar o Macri por esses índices me lembra o pessoal culpando o Joaquim Levy pela crise.

É , foi mais ou menos isso. Acontece que a inflação ainda está crescendo e o governo está se ajustando, por isso eu dizia que vai precisar cortar mais gastos do governo, mas isso pode comprometer o investimento. A jogada por agora foi a de tentar que entre mais dinheiro, mas essa é uma solução mais a médio prazo.

Austeridade com aumento de impostos gera depressão. E nunca funciona muito bem, tem que cortar na pele mesmo.
(http://www.mises.org.br/images/articles/2015/Abril/cewolf.png)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: MarceliNNNN em 04 de Abril de 2016, 00:04:26
Kirchner ficou 8 anos no Governo e foi o Macri que em três meses produziu 1,4 milhões de pobres. Ta "serto".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: DDV em 04 de Abril de 2016, 07:25:28
O problema é que se as medidas estabilizadoras do Macri não produzirem algum efeito "popular" até as próximas eleições, poderá o populismo de esquerda voltar ao poder, pôr tudo a perder e fazer com que tudo seja em vão. E aí seriam mais outras décadas perdidas.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gaúcho em 04 de Abril de 2016, 10:04:00
Macri já tem quase 70% de aprovação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Jurubeba em 04 de Abril de 2016, 10:37:10
O problema é que se as medidas estabilizadoras do Macri não produzirem algum efeito "popular" até as próximas eleições, poderá o populismo de esquerda voltar ao poder, pôr tudo a perder e fazer com que tudo seja em vão. E aí seriam mais outras décadas perdidas.
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Enquanto isso, no Brasil...

Saudações
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 04 de Abril de 2016, 14:36:42
Macri já tem quase 70% de aprovação.

Grosseiramente os não-pobres?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: El Elyon em 04 de Abril de 2016, 17:08:35
Citar
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

O que não parece ter grande relevância a médio-longo prazo, dado o fraco desempenho econômico do país durante o Século XX (http://www.economist.com/news/briefing/21596582-one-hundred-years-ago-argentina-was-future-what-went-wrong-century-decline).

Citar
A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Não incomoda você o tom de "O Grande Salvador da Pátria" que atribui ao Presidente Macri?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Jurubeba em 04 de Abril de 2016, 17:31:24
Citar
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

O que não parece ter grande relevância a médio-longo prazo, dado o fraco desempenho econômico do país durante o Século XX (http://www.economist.com/news/briefing/21596582-one-hundred-years-ago-argentina-was-future-what-went-wrong-century-decline).

Citar
A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Não incomoda você o tom de "O Grande Salvador da Pátria" que atribui ao Presidente Macri?
Não sei se é um salvador da pátria. Não o considero assim. O Brasil passa por uma crise tão grande, em todos os setores e mais notadamente na economia, onde as alternativas apresentadas pelo governo se resumem a repetir exatamente o que nos trouxe até aqui, que ver um vizinho que se encontrava em condições similares se afastar, por mínimo que seja, do populismo e do keynesianismo, abrindo perspectivas reais de melhora, causa comoção e euforia.

Se tivéssemos 1/3 disso por aqui, diante do sufoco que estamos, imagino que a euforia seria similar.

Saudações
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 04 de Abril de 2016, 17:46:04
O problema é que se as medidas estabilizadoras do Macri não produzirem algum efeito "popular" até as próximas eleições, poderá o populismo de esquerda voltar ao poder, pôr tudo a perder e fazer com que tudo seja em vão. E aí seriam mais outras décadas perdidas.



Acho que não, o pessoal já cansou de ver onde o populismo da esquerda termina.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 04 de Abril de 2016, 18:02:50
Citar
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

O que não parece ter grande relevância a médio-longo prazo, dado o fraco desempenho econômico do país durante o Século XX (http://www.economist.com/news/briefing/21596582-one-hundred-years-ago-argentina-was-future-what-went-wrong-century-decline).

Citar
A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Não incomoda você o tom de "O Grande Salvador da Pátria" que atribui ao Presidente Macri?
Não sei se é um salvador da pátria. Não o considero assim. O Brasil passa por uma crise tão grande, em todos os setores e mais notadamente na economia, onde as alternativas apresentadas pelo governo se resumem a repetir exatamente o que nos trouxe até aqui, que ver um vizinho que se encontrava em condições similares se afastar, por mínimo que seja, do populismo e do keynesianismo, abrindo perspectivas reais de melhora, causa comoção e euforia.

Se tivéssemos 1/3 disso por aqui, diante do sufoco que estamos, imagino que a euforia seria similar.

Saudações

E começou o primeiro round na Argentina.

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/04/oposicao-argentina-pede-a-macri-que-esclareca-presenca-no-panama-papers-5753897.html
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Jurubeba em 04 de Abril de 2016, 18:38:46
Citar
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

O que não parece ter grande relevância a médio-longo prazo, dado o fraco desempenho econômico do país durante o Século XX (http://www.economist.com/news/briefing/21596582-one-hundred-years-ago-argentina-was-future-what-went-wrong-century-decline).

Citar
A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Não incomoda você o tom de "O Grande Salvador da Pátria" que atribui ao Presidente Macri?
Não sei se é um salvador da pátria. Não o considero assim. O Brasil passa por uma crise tão grande, em todos os setores e mais notadamente na economia, onde as alternativas apresentadas pelo governo se resumem a repetir exatamente o que nos trouxe até aqui, que ver um vizinho que se encontrava em condições similares se afastar, por mínimo que seja, do populismo e do keynesianismo, abrindo perspectivas reais de melhora, causa comoção e euforia.

Se tivéssemos 1/3 disso por aqui, diante do sufoco que estamos, imagino que a euforia seria similar.

Saudações

E começou o primeiro round na Argentina.

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/04/oposicao-argentina-pede-a-macri-que-esclareca-presenca-no-panama-papers-5753897.html
Hum...

Muito embora o que eu escrevi não tenha nexo com a matéria, ficarei antenado para ver se há informações sobre fraudes e desvio de dinheiro público ligados ao tema.

Saudações
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 04 de Abril de 2016, 19:31:11
Citar
Há uma diferença na Argentina quando comparamos com o Brasil: a população de lá tende a ser mais esclarecida e participativa.

O que não parece ter grande relevância a médio-longo prazo, dado o fraco desempenho econômico do país durante o Século XX (http://www.economist.com/news/briefing/21596582-one-hundred-years-ago-argentina-was-future-what-went-wrong-century-decline).

Citar
A Argentina provavelmente se posicionará como o país mais influente e próspero da América do Sul até o final do governo Macri. Só a moral que ele dará ao país com sua política o colocará na crista da onda com a população.

Não incomoda você o tom de "O Grande Salvador da Pátria" que atribui ao Presidente Macri?
Não sei se é um salvador da pátria. Não o considero assim. O Brasil passa por uma crise tão grande, em todos os setores e mais notadamente na economia, onde as alternativas apresentadas pelo governo se resumem a repetir exatamente o que nos trouxe até aqui, que ver um vizinho que se encontrava em condições similares se afastar, por mínimo que seja, do populismo e do keynesianismo, abrindo perspectivas reais de melhora, causa comoção e euforia.

Se tivéssemos 1/3 disso por aqui, diante do sufoco que estamos, imagino que a euforia seria similar.

Saudações

E começou o primeiro round na Argentina.

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/04/oposicao-argentina-pede-a-macri-que-esclareca-presenca-no-panama-papers-5753897.html

Eu tenho pelo menos um cliente ou conheço alguém que tem uma offshore.

E não há nada de errado nisto.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 04 de Abril de 2016, 20:43:48
Verdade, então repita isso aqui (http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=29676.0)  :)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 04 de Abril de 2016, 21:01:11
Verdade, então repita isso aqui (http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=29676.0)  :)

Não entendi a sua ironia _Juca_.

Você sabe que ter uma offshore não é ilegal, certo?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 05 de Abril de 2016, 18:54:52
Verdade, então repita isso aqui (http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=29676.0)  :)

Só é ilegal se for uma empresa de fachada para esquentar dinheiro roubado, ou será que o panamenho que é sócio em 10.000 empresas consegue cuidar de todas elas?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 25 de Maio de 2016, 08:51:29
Economia argentina piora com Macri, e país vive sob expectativa de 2017

LUCIANA DYNIEWICZ
DE BUENOS AIRES
21/05/2016 02h00

10.dez.2015/AFP

A dancinha é uma marca registrada do novo presidente argentino; ele a fez em todas as suas vitórias eleitorais
Aclamada pelo mercado no começo deste ano, após a chegada do presidente Mauricio Macri, a Argentina viu sua situação econômica se deteriorar nos últimos meses e vive sob a expectativa de o cenário melhorar em 2017.

O FMI estima agora que o PIB vai recuar 1% neste ano (0,3 ponto mais que na projeção anterior), e a Moody's prevê cenário pior: recuo de 1,5%. Em outubro, a agência falava em uma recuperação modesta para este ano, após baixa de 1% em 2015.

A avaliação dos economistas é que a crise decorre dos reajustes feitos por Macri, que incluem a redução de subsídios e a desvalorização do peso. A expectativa, porém, é que essas mudanças na política econômica revertam o panorama a partir de 2017.

Por enquanto, o cenário é desanimador. A inflação acelerada vem acentuando a crise e provocando descontentamento na população.

Nos últimos dias, professores, funcionários do Judiciário e médicos fizeram paralisações por reajustes salariais.

Para o analista político Jorge Giacobbe, a inflação é a principal responsável pela retração da popularidade de Macri, que ainda é elevada (na casa dos 60%), mas caiu dez pontos percentuais desde que ele foi eleito, em novembro do ano passado.

De janeiro a abril, a inflação (sob efeito da desvalorização do peso e de reajustes de serviços básicos, como transporte e energia) foi de 19%.

Com o avanço dos preços, o poder de compra dos argentinos diminuiu, e o consumo caiu 3,6% em abril e 2,3% no primeiro quadrimestre, segundo a consultoria CCR.

O cenário já era ruim em anos anteriores, mas não de forma tão aguda como agora. Nos períodos de janeiro a abril de 2015 e 2014, a redução no consumo foi de 1,1% e 1,5%, respectivamente.

"Nesse período, é natural haver uma retração [nas compras], porque as datas-base são entre março e maio. No começo do ano, o salário real dos trabalhadores está em seu nível mais baixo", diz Sandra Dalinger, gerente da CCR.

O que mudou em 2016 é que a desvalorização do peso de mais de 40% –promovida por Macri em dezembro– foi muito acentuada e os acordos entre patrões e empregados estão demorando mais para sair.

Dalinger diz que os reajustes salariais não ativarão a economia de forma imediata. "Deveremos sentir uma melhora leve no segundo semestre, mas não vai compensar o resultado do começo do ano."

Na tentativa de amenizar a situação, o programa Preços Cuidados, criado por Cristina Kirchner para impedir as empresas de reajustarem constantemente os valores de seus produtos, foi ampliado.

No início deste mês, Macri acrescentou 176 itens, incluindo carnes, frutas e verduras, na lista de mercadorias cujos preços são controlados. Em janeiro, havia reduzido a lista de 520 para 317.

REFLEXO NO BRASIL

Como a Argentina é o terceiro principal parceiro comercial do Brasil (atrás de China e EUA), uma freada em sua economia tem impacto no outro lado da fronteira. Esse reflexo, porém, deverá ser modesto, segundo economistas, porque a Argentina vinha apresentando um desempenho fraco nos últimos anos.

"O cenário já era bastante negativo. Este ano não será muito diferente, e a queda no PIB é consequência da arrumação que se está fazendo na casa", diz Silvio Campos Neto, da Tendência Consultoria.

Para o economista, os reajustes adotados por Macri "trazem alguma esperança de crescimento nos próximos anos. A expectativa é que 2017 seja melhor".

O argentino Dante Sica, diretor da consultoria Abeceb, destaca que, apesar do estancamento econômico, a Argentina manteve as importações do Brasil nos quatro primeiros meses de 2016, com uma leve alta de 0,78%.



http://m.folha.uol.com.br/mercado/2016/05/1773596-economia-argentina-piora-com-macri-e-pais-vive-sob-expectativa-de-2017.shtml


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 25 de Maio de 2016, 08:54:18


Provavelmente é um freio de arrumação necessário.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 25 de Maio de 2016, 08:59:26
Folha...Folha...

Fazendo o seu famoso 'jogo duplo'.

Se não houvesse um 'quê' de mau-caratismo nela, seria informado aos seus leitores que a situação da Argentina não deteriorou por causa das ações do Macri, e sim porque ainda são o reflexo inercial da política catastrófica feita por aquele casal de vagabundos que ocupou a presidência nos últimos 12 anos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Skorpios em 25 de Maio de 2016, 09:18:40
Folha...Folha...

Fazendo o seu famoso 'jogo duplo'.

Se não houvesse um 'quê' de mau-caratismo nela, seria informado aos seus leitores que a situação da Argentina não deteriorou por causa das ações do Macri, e sim porque ainda são o reflexo inercial da política catastrófica feita por aquele casal de vagabundos que ocupou a presidência nos últimos 12 anos.

O que provavelmente acontecerá aqui também. E a Folha noticiara também...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 25 de Maio de 2016, 11:28:48
Você ganha 10, gasta 11 e fica devendo 1 todo mês, que vai se acumulando.

Aí chega alguém e te obriga a gastar 9, ou seja, 2 a menos, para ir pagando a dívida.

Alguém diz que a situação piorou porque agora você tem menos dinheiro disponível, e culpa quem forçou a economia.

Ser populista é fácil.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Johnny Cash em 25 de Maio de 2016, 11:46:32
Petistas quando questionados sobre resultados ruins do governo, sempre se defendiam com algo no sentido de: "mas 13 anos não suficientes pra solucionar toda a herança terrível do FHC!!!!"

Agora, acham que o Macri em alguns meses, ou o Temer em alguns dias, já tem a falha do "neoliberalismo" constatada.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 25 de Maio de 2016, 21:40:43
"Piora com Macri" foi sacanagem, por mais que ele tenha cometido erros como proibir o Uber, aumentar salários de funças e aumentar o mínimo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Rhyan em 25 de Maio de 2016, 21:41:34
Culpavam até o Joaquim Levy pela crise por alguns meses de tentativa de medidas mais racionais.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Julho de 2016, 10:03:27
A Rede Globo e a Record estão mostrando bastante o que o Macri está fazendo ?

Ou são só mensagens espalhadas no facebaboseira ?


A Bobo e a Record não mandam mais nada depois que inventaram a internet, qualquer criança tem celular, qualquer um tem um computador em casa.

Esse negócio de que toda informação depende da Bobo já ficou para trás há muito tempo.

O sujeito só não toma conhecimento se não quiser.



Acho que você está subestimando bastante o poder de influência da Globo e até da Record,  e superestimando o poder dessas redinhas de exibicionismo.

Muito pelo contrário, eu cresci em uma época em que não existia internet e só havia meia dúzia de canais de televisão aberta se vc tivesse sorte de conseguir sintonizar todos eles.

Dito isso é fácil explicar como a Bobo se manteve como "líder de audiência" por tanto tempo, simplesmente não existia concorrência.

OK, a Record tem apoio da igreja evangélica, mas qual é a porcentagem da população não evangélica que assiste a Record?

Não tem essa influência toda mesmo.

Acho que sites como o Youtube, que qualquer um acessa de qualquer lugar em que estiver, tem muito mais influência hoje que essas redes de televisão.




O Youtube é um mar de vídeos e  programinhas, sendo muitos contraditórios entre si, no que se refere à política, e outras vezes são radicais só assistidos por grupelhos radicais minoritários,  e com audiências pulverizadas.  Acho que você continua superestimando o poder desses vídeos e  programinhas.





Foi através de sites como Youtube, FacebooK (que eu odeio) e Watsap que organizaram aquelas manifestações do ano passado.

Passando de pessoa a pessoa.

E tem as filmagens de celular do pessoal nas ruas, qualquer um filma algo que aconteceu e coloca no Youtube sem que precise de alguma rede Bobo.

Já contei a história da ponte aqui próxima de casa, na época ninguém quis colocar uma palavra na televisão ou na  mídia impressa mas se fosse hoje seria diferente.

Quantas pessoas a Record colocou na rua?



Arcanjo,


A Record  ou a TV  Globo  não parecem se interessar por promoverem mudanças políticas significativas, o interesse primordial delas é que pessoas assistam seus programas, pois a  audiência e o interesse dos anunciantes são  o mais importante para definir o faturamento delas.  Quanto maior a audiência  (e o interesse dos anunciantes), maior a possibilidade de ganho delas. Isto é o que realmente importa.




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Março de 2017, 14:13:28
Por que parou a seqüência de notícias da Argentina aqui? As coisas começaram a esculhambar ou ficou tudo numa relativa mesmice, nada mais impressionante? Como andam de PIB e etc e tal a essa altura?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 22 de Março de 2017, 15:45:05
Por que parou a seqüência de notícias da Argentina aqui? As coisas começaram a esculhambar ou ficou tudo numa relativa mesmice, nada mais impressionante? Como andam de PIB e etc e tal a essa altura?

É que só fazia muito sentido enquanto a Dilma estava no poder, como contraponto. E depois vai aparecendo os problema inerentes a qualquer governo e o desgaste começa a aparecer.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 22 de Março de 2017, 17:36:50
Por que parou a seqüência de notícias da Argentina aqui? As coisas começaram a esculhambar ou ficou tudo numa relativa mesmice, nada mais impressionante? Como andam de PIB e etc e tal a essa altura?

É que só fazia muito sentido enquanto a Dilma estava no poder, como contraponto. E depois vai aparecendo os problema inerentes a qualquer governo e o desgaste começa a aparecer.


Pois é, no início o MBL até fazia imagem dele de óculos preto como se fosse o modernão, agora esqueceram dele.

Tinha aquelas imagens de  "Onde está Wally?" ,  agora  poderiam fazer "Onde está o Macri?"   :biglol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lorentz em 22 de Março de 2017, 17:56:19
Por que parou a seqüência de notícias da Argentina aqui? As coisas começaram a esculhambar ou ficou tudo numa relativa mesmice, nada mais impressionante? Como andam de PIB e etc e tal a essa altura?

É que só fazia muito sentido enquanto a Dilma estava no poder, como contraponto. E depois vai aparecendo os problema inerentes a qualquer governo e o desgaste começa a aparecer.


Pois é, no início o MBL até fazia imagem dele de óculos preto como se fosse o modernão, agora esqueceram dele.

Tinha aquelas imagens de  "Onde está Wally?" ,  agora  poderiam fazer "Onde está o Macri?"   :biglol:


Bom saber que você acompanha as páginas do MBL pra concluir que esqueceram dele.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 22 de Março de 2017, 18:15:30
Bom saber que você acompanha as páginas do MBL pra concluir que esqueceram dele.


Fui agora na página do MBL e não vi nada atual sobre o Macri.  Mas aproveitei para ver sobre o projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento. Que pelo visto anda devagar lá no Congresso.    :no:

https://comunidade.mbl.org.br/t/revogacao-do-estatuto-do-desarmamento/28


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 22 de Março de 2017, 18:42:09
Se o cara não aparece não quer dizer que tudo corre melhor que no governo da Cretina? Ela ou algum amigo sempre estavam metidos em uma falcatrua e se não mostram nada sobre o Macri, apesar da oposição bolivariana,  ele transformou a Argentina em uma ditadura bolivariana ou simplesmente descobriram nada de errado.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Março de 2017, 19:39:38
https://www.bloomberg.com/news/articles/2017-03-21/argentine-economy-exits-recession-easing-pressure-on-macri

Podiam fazer mais posts com fotos com os oculinhos pixelados.




Citar
http://www.economist.com/news/americas/21718907-new-argentina-prepares-electoral-test-pros-and-cons-mauricio-macris-gradualism

....

Mr Macri still has much going for him. Mario Blejer, a former central-bank governor, thinks GDP will grow by 4% this year. Deficit-cutting is easier because spending under the Kirchners was corrupt and wasteful: contracts for new roads are being signed for up to 40% less than previously budgeted, says Guillermo Dietrich, the transport minister. The Peronists are divided. Many Argentines have tired of the permanent confrontation engendered by Ms Fernández, who is defending herself from corruption charges.

“Our biggest asset is that we are underestimated,” says Mr Peña. “Without that, we wouldn’t be here.” It is all but impossible for the government to win a congressional majority in October. But it must avoid the perception of defeat, which would make Mr Macri’s government seem like a parenthesis in a populist country rather than the start of a new era. The election comes before the full benefit of more rational policies becomes clear. Even so, many Argentines seem to recognise that Mr Macri is Argentina’s best chance in a generation of breaking out of its vicious circle of populism and decline.

...






Citar
... That coincides with a series of what pundits call “unforced errors” by the government. They range from the trivial (a row over moving a public holiday) to the troubling: a now-cancelled write-down of a disputed debt owed to the state by a firm owned by Mr Macri’s father. ...

Subsídio nepotista... :/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lakatos em 23 de Março de 2017, 00:15:24
Há alguns meses teve até fila quilométrica para entrar no Brasil e comprar produtos por causa da inflação lá. Pensei que haviam comentado aqui.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2016/08/inflacao-leva-argentinos-compras-em-cidades-do-rio-grande-do-sul.html

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/10/10/internacional/1476123604_147462.html

Os petistóides não se seguram na inveja vendo os resultados de Macri! Nunca os argentinos viajaram tanto para fazer compras no exterior!!!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 23 de Março de 2017, 08:28:51
Aquilo ali é a Argentina, politicamente tão malucos quanto os brasileiros. Nossos hermanos sem dúvida.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gauss em 23 de Março de 2017, 20:03:01
Há alguns meses teve até fila quilométrica para entrar no Brasil e comprar produtos por causa da inflação lá. Pensei que haviam comentado aqui.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2016/08/inflacao-leva-argentinos-compras-em-cidades-do-rio-grande-do-sul.html

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/10/10/internacional/1476123604_147462.html

Os petistóides não se seguram na inveja vendo os resultados de Macri! Nunca os argentinos viajaram tanto para fazer compras no exterior!!!
Ele assumiu após 12 anos de kirchnerismo e pegou uma economia destroçada. Qualquer reforma econômica de longo prazo tem inícios ruins.* Atualmente a Argentina começa a colher os frutos de suas reformas, como  o Buckaroo postou.


*Veja o exemplo da Nova Zelândia, mais precisamente a partir da adoção da "Rogernomics".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Lakatos em 24 de Março de 2017, 02:23:24
Há alguns meses teve até fila quilométrica para entrar no Brasil e comprar produtos por causa da inflação lá. Pensei que haviam comentado aqui.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2016/08/inflacao-leva-argentinos-compras-em-cidades-do-rio-grande-do-sul.html

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/10/10/internacional/1476123604_147462.html

Os petistóides não se seguram na inveja vendo os resultados de Macri! Nunca os argentinos viajaram tanto para fazer compras no exterior!!!
Ele assumiu após 12 anos de kirchnerismo e pegou uma economia destroçada. Qualquer reforma econômica de longo prazo tem inícios ruins.* Atualmente a Argentina começa a colher os frutos de suas reformas, como  o Buckaroo postou.


*Veja o exemplo da Nova Zelândia, mais precisamente a partir da adoção da "Rogernomics".

Não tomei partido quanto a isso, apenas parodiei um discurso comum.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 15:26:15
Fechando o ano na Argentina:
Citar
Governo Macri (https://www.facebook.com/mblivre/photos/a.204296283027856.1073741829.204223673035117/768600773264068/?type=3&theater)
  • Reforma da previdência aprovada;
  • Reforma Trabalhista aprovada;
  • Ajustes fiscais;
  • Abertura de mercado;
  • Austeridade;
  • Fim de mamatas.
Tudo que a esquerda não recomenda, foi feito. O resultado está aí.

https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm

(https://s20.postimg.org/qadwlr4fh/Governo_Macri.jpg)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 22 de Dezembro de 2017, 23:01:38
Fechando o ano na Argentina:
Citar
Governo Macri (https://www.facebook.com/mblivre/photos/a.204296283027856.1073741829.204223673035117/768600773264068/?type=3&theater)
  • Reforma da previdência aprovada;
  • Reforma Trabalhista aprovada;
  • Ajustes fiscais;
  • Abertura de mercado;
  • Austeridade;
  • Fim de mamatas.
Tudo que a esquerda não recomenda, foi feito. O resultado está aí.

https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm

(https://s20.postimg.org/qadwlr4fh/Governo_Macri.jpg)

Maurício Macri ainda não deveria ser motivo de orgulho. Crescimento do PIB da Argentina segundo o Dr. Google:

2015: + 2,6%
2016: -2,3%
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:09:11
É alguém que está arrumando a casa bagunçada deixada pela maluquinha hermana.
Cumprindo uma agenda que a esquerda critica e condena.
O resultado não chega tão a galope como se poderia desejar, mas já se pode ver nesse último trimestre uma alta de 4,2%.
Se o desejo de criticar for maior do que o de enxergar a recuperação e a realidade,...
...nada mais pode ser feito.

Citar
PIB da Argentina cresce 4,2% no 3º trimestre (https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm)

EFE
20/12/201719h16

Buenos Aires, 20 dez (EFE).- O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina registrou alta de 4,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período no ano passado, informou nesta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

O PIB argentino também subiu 0,9% frente ao segundo semestre e, no acumulado dos três primeiros, o indicador subiu 2,5% na comparação com o período equivalente em 2016.

No ano passado, a economia argentina teve queda de 2,3%, após uma alta de 2,1% em 2015. Para 2017, de acordo com as metas da Lei de Orçamento, o governo do presidente Mauricio Macri esperava inicialmente que o PIB aumentasse 3,5%, mas ao apresentar em setembro o projeto de Orçamento para 2018, o número foi revisto para uma alta de 3% neste ano e de 3,5% em 2018.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 22 de Dezembro de 2017, 23:16:05
É alguém que está arrumando a casa bagunçada deixada pela maluquinha hermana.
Cumprindo uma agenda que a esquerda critica e condena.
O resultado não chega tão a galope como se poderia desejar, mas já se pode ver nesse último trimestre uma alta de 4,2%.
Se o desejo de criticar for maior do que o de enxergar a recuperação e a realidade,...
...nada mais pode ser feito.

Citar
PIB da Argentina cresce 4,2% no 3º trimestre (https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm)

EFE
20/12/201719h16

Buenos Aires, 20 dez (EFE).- O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina registrou alta de 4,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período no ano passado, informou nesta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

O PIB argentino também subiu 0,9% frente ao segundo semestre e, no acumulado dos três primeiros, o indicador subiu 2,5% na comparação com o período equivalente em 2016.

No ano passado, a economia argentina teve queda de 2,3%, após uma alta de 2,1% em 2015. Para 2017, de acordo com as metas da Lei de Orçamento, o governo do presidente Mauricio Macri esperava inicialmente que o PIB aumentasse 3,5%, mas ao apresentar em setembro o projeto de Orçamento para 2018, o número foi revisto para uma alta de 3% neste ano e de 3,5% em 2018.

A verdade é que esses cheerleading político em cima de políticos supostamente liberais só aumenta o risco de fomentar os argumentos dos  esquerdistas brasileiros.

Mesmo que um país latino americano fosse governado por Milton Friedman ressucitado, ele frequentemente teria a restrição de outros políticos esquerdistas, da desaprovação popular das medidas impopulares e necessárias e de não poder, essencialmente, governar por decreto.

Não sei se esse será o caso da Argentina, mas há alguma evidência de que esse seja o caso. Até o Instituto Liberal admitiu isso:

Citar
É uma pena, mas a Argentina não é um bom exemplo a ser seguido

(...)

Semana passada o processo de reformas na Argentina foi interrompido por protestos ditos populares (link aqui), especificamente os protestos impediram a aprovação da reforma da previdência proposta pelo presidente Macri. Não vou analisar os méritos da proposta, pelo que vi tem um aumento da idade mínima de aposentadoria, por lá isso existe, e uma redução dos prazos de reajustes das pensões que atualmente são semestrais e passariam a ser trimestrais. O aumento da idade me parece uma medida necessária, queiramos ou não os sistemas previdenciários vão ter de se adaptar às mudanças demográficas. O reajuste trimestral me parece um equívoco, reduzir prazos de reajustes alimenta a inércia inflacionária e deixa ainda mais difícil controlar a inflação que por lá já anda em absurdos 25% ao ano.

Fonte: https://www.institutoliberal.org.br/blog/economia/e-uma-pena-mas-argentina-nao-e-um-bom-exemplo-ser-seguido/

Se a inflação galopante bagunçar tudo de novo na Argentina, podem esperar para ver certos "intelectuais" brasileiros tentando convencer pobres leitores de que é "culpa do Neoliberalismo" do governo que os cheerleads políticos brasileiros "neoliberais" definiram como "liberal".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:21:24
Fico fora dessa eterna briguinha conceitual Liberal x Anarquista x Neoliberal x Escola A x Escola B x Milton Friedman x Escola de Frankfurt x ...
Vejo vocês aqui defendendo ala essa, ala aquela e nunca se sai da masturbação teórica e torcida de futebol.

Cheerleader político joga confetes e serpentinas baratas e sem fundamentação.
Prefiro olhar o que acontece no mundo real.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:26:26
Macri está obtendo resultados.
Ponto.

Temer está obtendo resultados.
Ponto.

Quem colocou a equipe econômica atual não foram os marcianos.
Quem equilibra o Congresso com importantes reformas não são os jupterianos.

O Brasil e a Argentina estão mostrando resultados.
E resultados sólidos, com administração responsável.
Resultados concretos e palpáveis.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:28:02
A crítica que eu faço de Temer foram aos aumentos ao funcionalismo que deu meses atrás.
Tem mais coisa errada também, que me foge a memória agora, mas no balanço do governo, é muita coisa positiva.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 22 de Dezembro de 2017, 23:28:50
Fico fora dessa eterna briguinha conceitual Liberal x Anarquista x Neoliberal x Escola A x Escola B x Milton Friedman x Escola de Frankfurt x ...
Vejo vocês aqui defendendo ala essa, ala aquela e nunca se sai da masturbação teórica e torcida de futebol.

Cheerleader político joga confetes e serpentinas baratas e sem fundamentação.
Prefiro olhar o que acontece no mundo real.

MBL é liberal e defendeu que há evidências na Argentina que corroboram as precrições da doutrina política deles. Por que isso seria diferente de cheerleading político?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:30:56

MBL é liberal e defendeu que há evidências na Argentina que corroboram as precrições da doutrina política deles. Por que isso seria diferente de cheerleading político?

Acho que você não entendeu.
Eu olhei o resultado --- > PIB em alta resultado de uma agenda boa.
Se é liberal, vascaíno, qualquer coisa...
Não é o foco que eu dei.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 22 de Dezembro de 2017, 23:31:22
Macri está obtendo resultados.
Ponto.

Temer está obtendo resultados.
Ponto.

Quem colocou a equipe econômica atual não foram os marcianos.
Quem equilibra o Congresso com importantes reformas não são os jupterianos.

O Brasil e a Argentina estão mostrando resultados.
E resultados sólidos, com administração responsável.
Resultados concretos e palpáveis.

Concordo que a saída dos comunistas beneficiou Brasil e Argentina. Mas é bom moderação na empolgação com os substitutos. O telhado é de vidro. No Brasil, o telhado de vidro do governo substituto é o orçamento público. Na Argentina, é o (des)controle da inflação.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gabarito em 22 de Dezembro de 2017, 23:34:46
Acho que o remédio que eles estão aplicando é adequado.
Só o tempo poderá dizer se os pacientes vão se recuperar completamente depois do tratamento.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 22 de Dezembro de 2017, 23:37:17
Acho que o remédio que eles estão aplicando são adequados.
Só o tempo poderá dizer se os pacientes vão se recuperar completamente depois do tratamento.

O problema nem sempre é o tipo do remédio usado no tratamento, mas sim a dosagem. Uma dosagem fraca do remédio também mata.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 23 de Dezembro de 2017, 05:44:39
Macri está obtendo resultados.
Ponto.

Temer está obtendo resultados.
Ponto.

Quem colocou a equipe econômica atual não foram os marcianos.
Quem equilibra o Congresso com importantes reformas não são os jupterianos.

O Brasil e a Argentina estão mostrando resultados.
E resultados sólidos, com administração responsável.
Resultados concretos e palpáveis.

Concordo que a saída dos comunistas beneficiou Brasil e Argentina. Mas é bom moderação na empolgação com os substitutos. O telhado é de vidro. No Brasil, o telhado de vidro do governo substituto é o orçamento público. Na Argentina, é o (des)controle da inflação.

Mas ainda estaremos melhor que com os vagabundos no governo.

Imagine qual seria a situação do país hoje com o Dilmão ainda na presidência.


Ao que parece a população está abrindo os olhos a respeito dessas baratas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 01 de Janeiro de 2018, 17:21:45

Eu tenho algumas críticas sobre aos ajustes da previdência, não do fato de fazer e sim de como foi feito, mas em geral foi bem discutido e acordado.

O balanço geral da Arg é positivo sim porém principalmente ajustando contas públicas, além de ter eliminado esquemas de roubalheira instalados por CFK e aliados.

Serão só ganhos circunstanciais se não conseguir formar gerações que evitem o populismo peronista e que avancem pela otimização tecnológica e por favorecer os amiguinhos e bater nos inimigos. TOmara que essa forma burra de política esteja fora de uma vez.

Eu concordo com Arcanjo da nula visão econômica da Dilma porém o problema é que a governabilidade de Temer fez ele permitir muitas concessões de caudilhos regionais que só apoiam o governo mediante a extorsão, um jeito peemedebista de governar que não tem futuro.

Algo parecido tem acontecido com governadores peronistas com Macri, a forma dele 'embarcar' no governo é a partir de conchavos que só favorecem caudilhos regionais a continuarem seu regime quase feudalista que necessitamos combater.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 01 de Janeiro de 2018, 23:21:38
Citar
Eu concordo com Arcanjo da nula visão econômica da Dilma porém o problema é que a governabilidade de Temer fez ele permitir muitas concessões de caudilhos regionais que só apoiam o governo mediante a extorsão, um jeito peemedebista de governar que não tem futuro.

Vc tem razão, é um erro trocar votos por favores, mas na véspera do bota fora do Dilmão nosso ilustre ex presidente até montou um escritório em um quarto de hotel para receber parlamentares e comprar votos.

Lembra disso?

Pode acreditar, estaríamos mais falidos que a Venezuela com mais três anos de Dilmão com compra de votos para se manter no cargo antes e depois da votação.

Imagino quantas estatais ela criaria com a desculpa de investir na economia com novas obras, e imagino o que fariam com as contas públicas para se manter até 2018 e eleger um sucessor.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 02 de Janeiro de 2018, 01:39:18
Não estava falando mal da Dilma ou Temer e sim de um modelo de governabilidade que não cabe mais porém é o atual modus operandi. Acho que você entendeu, mas só para reforçar.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 02 de Janeiro de 2018, 06:42:45
Não estava falando mal da Dilma ou Temer e sim de um modelo de governabilidade que não cabe mais porém é o atual modus operandi. Acho que você entendeu, mas só para reforçar.

Sim, eu entendi.

Infelizmente para acabar com a prática só mesmo fechando Congresso e fazendo novas eleições a partir do zero sem que os ratos possam participar dela.

De modo definitivo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 15:52:58
Não estava falando mal da Dilma ou Temer e sim de um modelo de governabilidade que não cabe mais porém é o atual modus operandi. Acho que você entendeu, mas só para reforçar.

Sim, eu entendi.

Infelizmente para acabar com a prática só mesmo fechando Congresso e fazendo novas eleições a partir do zero sem que os ratos possam participar dela.

De modo definitivo.



Para acabar totalmente, talvez,  mas para diminuir, basta que se reduzam as atribuições do Estado, pois ao diminuir estas atribuições estará se diminuindo também o poder de barganha dos políticos. 

Menos Constituição (intervencionista) e menos leis (intervencionistas)  => menos poder de barganha para os políticos.

Manter a Constituição e manter leis (intervencionistas) => manter poder de barganha para os políticos.

Manter Constituição e criar mais leis (intervencionistas) => aumentar poder de barganha para os políticos.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Janeiro de 2018, 18:21:33
E como implantar tal coisa no país onde 3/4 do congresso deve favores a empreiteiros?

Fazer esses ratos diminuírem sua participação no governo como?

Chegamos ao mesmo ponto em que os venezuelanos estão, ou tiramos todos de uma vez ou as baratas voltam.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 18:29:24
E como implantar tal coisa no país onde 3/4 do congresso deve favores a empreiteiros?

Fazer esses ratos diminuírem sua participação no governo como?

Chegamos ao mesmo ponto em que os venezuelanos estão, ou tiramos todos de uma vez ou as baratas voltam.


Oferecendo vantagens rápidas para eles. Seria um toma lá da cá imediato, calculado e racional,  para diminuir no futuro as possibilidades de toma lá dá cá.




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Janeiro de 2018, 18:37:34
E como implantar tal coisa no país onde 3/4 do congresso deve favores a empreiteiros?

Fazer esses ratos diminuírem sua participação no governo como?

Chegamos ao mesmo ponto em que os venezuelanos estão, ou tiramos todos de uma vez ou as baratas voltam.


Oferecendo vantagens rápidas para eles. Seria um toma lá da cá imediato, calculado e racional,  para diminuir no futuro as possibilidades de toma lá dá cá.






Sei, e quem seria o honestissimo chefe do toma lá, capaz de fazer seus parlamentares deixarem tudo de lado para votar projetos pela diminuição do estado?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 18:41:55

Oferecendo vantagens rápidas para eles. Seria um toma lá da cá imediato, calculado e racional,  para diminuir no futuro as possibilidades de toma lá dá cá.

Sei, e quem seria o honestissimo chefe do toma lá, capaz de fazer seus parlamentares deixarem tudo de lado para votar projetos pela diminuição do estado?


Deixar tudo de lado ? Porque ?

Eles teriam incentivos  rápidos para aprovarem as mudanças. 

Isto seria uma ação pragmática,  não  seria  questão de honestidade, e sim de interesses.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 18:43:51


Pessoas são movidas a incentivos, desde que se possa criar os incentivos adequados é possível fazer com que pessoas ajam da forma que se quer.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Janeiro de 2018, 18:49:26
Porque quanto mais burocracia melhor, é o que permite toda a impunidade, todas as negociatas.

Que interesse teriam em acabar com a burocracia que abre brechas no monte de leis inúteis que só servem para arrastar processos por décadas?

Para quê aceitariam diminuir o tamanho do estado que permite a contratação de cabos eleitorais e criação de empresas que são mercadoria de troca?



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 19:04:26
Porque quanto mais burocracia melhor, é o que permite toda a impunidade, todas as negociatas.

Que interesse teriam em acabar com a burocracia que abre brechas no monte de leis inúteis que só servem para arrastar processos por décadas?

Para quê aceitariam diminuir o tamanho do estado que permite a contratação de cabos eleitorais e criação de empresas que são mercadoria de troca?


Como eu já escrevi, bastaria que fossem desenhados incentivos adequados. Vou exemplificar, uma das coisas que mais movem os congressistas são as verbas parlamentares para projetos em seus estados de origem,  uma coisa que poderia ser feita seria duplicar ou até mesmo triplicar essa verbas ( e mesmo assim ainda seria uma pequena fração do orçamento total do governo), e liberá-las pouco a pouco em troca de aprovações importantes. 

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Janeiro de 2018, 19:14:25
Não foi exatamente o que quebrou o país? Distribuição de verbas para emendas parlamentares que se tornaram uma inesgotável fonte de desvios?

E vc quer triplicar ou quadruplicar?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Janeiro de 2018, 19:28:27
Não foi exatamente o que quebrou o país? Distribuição de verbas para emendas parlamentares que se tornaram uma inesgotável fonte de desvios?

E vc quer triplicar ou quadruplicar?


Não, não foi.  As verbas parlamentares são pequenas em relação às outras rubricas do orçamento.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Janeiro de 2018, 22:25:00
Não foi exatamente o que quebrou o país? Distribuição de verbas para emendas parlamentares que se tornaram uma inesgotável fonte de desvios?

E vc quer triplicar ou quadruplicar?


Não, não foi.  As verbas parlamentares são pequenas em relação às outras rubricas do orçamento.




As verbas podem ser pequenas em relação ao orçamento mas só como exemplo do que o toma lá dá  cá pode fazer, a Petrobrás entrou em um acordo nos EUA para pagar 10 bilhões aos acionistas que foram prejudicados.

É apenas o estrago de uma das empresas roubadas no governo PT.

O estrago não se resume ao tamanho da propina recebida ou ao dinheiro desviado, a empresa deixa de render e produzir o que poderia, as outras sofrem com concorrência desleal, a população deixa de ter serviços melhores e mais baratos para ficar nas mãos de apadrinhados.

Essa merda só vai acabar quando o otário do brasileiro entender que em país onde o jeitinho ajuda uns a levarem vantagem sobre os outros todo mundo vive na lama.

O melhor modo de acabar com o toma lá dá cá é  fazer o que o Moro está fazendo, colocar vagabundo na cadeia seja quem for.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 04 de Janeiro de 2018, 07:56:28
Não foi exatamente o que quebrou o país? Distribuição de verbas para emendas parlamentares que se tornaram uma inesgotável fonte de desvios?

E vc quer triplicar ou quadruplicar?

Não, não foi.  As verbas parlamentares são pequenas em relação às outras rubricas do orçamento.


As verbas podem ser pequenas em relação ao orçamento mas só como exemplo do que o toma lá dá  cá pode fazer, a Petrobrás entrou em um acordo nos EUA para pagar 10 bilhões aos acionistas que foram prejudicados.

É apenas o estrago de uma das empresas roubadas no governo PT.

O estrago não se resume ao tamanho da propina recebida ou ao dinheiro desviado, a empresa deixa de render e produzir o que poderia, as outras sofrem com concorrência desleal, a população deixa de ter serviços melhores e mais baratos para ficar nas mãos de apadrinhados.

Essa merda só vai acabar quando o otário do brasileiro entender que em país onde o jeitinho ajuda uns a levarem vantagem sobre os outros todo mundo vive na lama.

O melhor modo de acabar com o toma lá dá cá é  fazer o que o Moro está fazendo, colocar vagabundo na cadeia seja quem for.


Mas a troca de favores a que eu estou me referindo é algo legal, não é algo ilegal.  Pode ser eticamente feio para alguns, mas em termos de política realista é um caminho bem viável.  O contrário tende a ser uma mera fantasia, ou seja, imaginar que pessoas normais (no Brasil, e em países similares) com poder vão fazer algo significativo sem que recebam nada de significativo em troca.  Isso é de uma ingenuidade política enorme.


 :)



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 04 de Janeiro de 2018, 08:02:15



Muitas  pessoas  parecem não entender ou não querer entender e aceitar a importância da ideia de que: pessoas são movidas a incentivos (ou que pessoas reagem a incentivos).


 :)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 04 de Janeiro de 2018, 08:33:56

Como está na oração de São Francisco: é dando que se recebe. 


 :hihi:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 04 de Janeiro de 2018, 20:29:21
Citar
Mas a troca de favores a que eu estou me referindo é algo legal, não é algo ilegal.  Pode ser eticamente feio para alguns, mas em termos de política realista é um caminho bem viável.  O contrário tende a ser uma mera fantasia, ou seja, imaginar que pessoas normais (no Brasil, e em países similares) com poder vão fazer algo significativo sem que recebam nada de significativo em troca.  Isso é de uma ingenuidade política enorme.

Por isso eu disse que o brasileiro nunca sairá da merda, não sou ingênuo a ponto de pensar que um dia essa República Bananeira vai mudar.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 04 de Janeiro de 2018, 20:33:06

Como está na oração de São Francisco: é dando que se recebe. 


 :hihi:

O São Francisco pode dar para todo mundo se quiser.

Pouco importa.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 11 de Maio de 2018, 22:02:14
É alguém que está arrumando a casa bagunçada deixada pela maluquinha hermana.
Cumprindo uma agenda que a esquerda critica e condena.
O resultado não chega tão a galope como se poderia desejar, mas já se pode ver nesse último trimestre uma alta de 4,2%.
Se o desejo de criticar for maior do que o de enxergar a recuperação e a realidade,...
...nada mais pode ser feito.

Citar
PIB da Argentina cresce 4,2% no 3º trimestre (https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm)

EFE
20/12/201719h16

Buenos Aires, 20 dez (EFE).- O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina registrou alta de 4,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período no ano passado, informou nesta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

O PIB argentino também subiu 0,9% frente ao segundo semestre e, no acumulado dos três primeiros, o indicador subiu 2,5% na comparação com o período equivalente em 2016.

No ano passado, a economia argentina teve queda de 2,3%, após uma alta de 2,1% em 2015. Para 2017, de acordo com as metas da Lei de Orçamento, o governo do presidente Mauricio Macri esperava inicialmente que o PIB aumentasse 3,5%, mas ao apresentar em setembro o projeto de Orçamento para 2018, o número foi revisto para uma alta de 3% neste ano e de 3,5% em 2018.

A verdade é que esses cheerleading político em cima de políticos supostamente liberais só aumenta o risco de fomentar os argumentos dos  esquerdistas brasileiros.

Mesmo que um país latino americano fosse governado por Milton Friedman ressucitado, ele frequentemente teria a restrição de outros políticos esquerdistas, da desaprovação popular das medidas impopulares e necessárias e de não poder, essencialmente, governar por decreto.

Não sei se esse será o caso da Argentina, mas há alguma evidência de que esse seja o caso. Até o Instituto Liberal admitiu isso:

Citar
É uma pena, mas a Argentina não é um bom exemplo a ser seguido

(...)

Semana passada o processo de reformas na Argentina foi interrompido por protestos ditos populares (link aqui), especificamente os protestos impediram a aprovação da reforma da previdência proposta pelo presidente Macri. Não vou analisar os méritos da proposta, pelo que vi tem um aumento da idade mínima de aposentadoria, por lá isso existe, e uma redução dos prazos de reajustes das pensões que atualmente são semestrais e passariam a ser trimestrais. O aumento da idade me parece uma medida necessária, queiramos ou não os sistemas previdenciários vão ter de se adaptar às mudanças demográficas. O reajuste trimestral me parece um equívoco, reduzir prazos de reajustes alimenta a inércia inflacionária e deixa ainda mais difícil controlar a inflação que por lá já anda em absurdos 25% ao ano.

Fonte: https://www.institutoliberal.org.br/blog/economia/e-uma-pena-mas-argentina-nao-e-um-bom-exemplo-ser-seguido/

Se a inflação galopante bagunçar tudo de novo na Argentina, podem esperar para ver certos "intelectuais" brasileiros tentando convencer pobres leitores de que é "culpa do Neoliberalismo" do governo que os cheerleads políticos brasileiros "neoliberais" definiram como "liberal".

Eu disse para tomar cuidado com cheerleading político. Não foi por falta de aviso, Gabarito, EU AVISEI!

Por que a Argentina está de volta aos braços do FMI?

Fonte: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-44035325
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Fernando Silva em 12 de Maio de 2018, 08:44:34
Macri tentou um processo lento apostando na estabilidade mundial. A estabilidade não durou muito.
Citar
O presidente argentino, Mauricio Macri, deu azar. A política econômica que tentou — do ajuste gradual ou do liberal com coração — só daria certo em um ambiente externo muito favorável aos países emergentes, como ocorreu até pouco tempo. Ou seja, a aposta de Macri não era maluca. Fazia sentido. Mas não contava com o aquecimento da economia americana e com tensões internacionais.

O mundo estava assim: dólar barato e abundante, disponível para investimentos e empréstimos; juros internacionais muito baixos; forte crescimento global, elevando demanda e preços de commodities.

Com isso, Macri conseguiu regularizar a situação externa do país — encerrando uma moratória de décadas e captando empréstimos novos de nada menos que US$ 100 bilhões. Havia confiança no governo e na sua política de desmontar os estragos da era Kirchner, promovendo o equilíbrio das contas internas e externas de maneira gradual.

Foi um erro, muitos dizem hoje. Mas, na hora, quando se elegeu em 2015, era diferente. Os preços estavam congelados; as tarifas eram baratas à custa de subsídios pagos pelo governo; este se financiava com dívida cada vez mais cara ou, especialmente, imprimindo dinheiro e fazendo uma baita inflação. E, para completar, os Kirchner haviam feito uma intervenção no IBGE deles e entregavam números falsos. A inflação real passava dos 50%. No oficial, aparecia como menos de 15%.

Esse populismo funciona por algum tempo, ganha eleições e depois desaba, deixando uma conta pesada para o sucessor. Aconteceu no Brasil também, mas com limites: a inflação de Dilma estourou, mas com 11%, e sem roubo nos dados.

Em resumo, a Argentina precisava de um choque de realismo e de verdade.

Mas se Macri descongelasse todos os preços, cortasse todos os subsídios e reduzisse fortemente o gasto público — isso produziria um pico de inflação, a tal inflação corretiva, que não poderia mais ser mascarada. Um golpe brutal: todos os preços subindo ao mesmo tempo, com o governo gastando menos, inclusive em programas sociais. Donde: recessão.

Muitas vezes, esse caminho é inevitável, quando a crise avança a tal ponto que o ajuste se faz na marra. Não é que o governo decide gastar menos. Simplesmente acaba o dinheiro.

Como contava com os dólares baratos, Macri tentou o gradualismo. A inflação, por exemplo, cairia para 40% em 2016, para 17% no ano seguinte e assim por diante, até chegar a civilizados 5% em 2019.

Assim, nem todos os preços foram descongelados, muitos foram liberados aos poucos, os subsídios públicos foram reduzidos, mas não eliminados. Resultado: a inflação caiu, mas não no ritmo desejado ou necessário. Estava, por exemplo, em 25% antes da crise atual.

Ainda assim, Macri estava dobrando a aposta. Iniciou um programa para estimular o crescimento, confiando que as peças se encaixariam em 2019, a tempo das eleições.

Começou a dar errado a partir dos Estados Unidos. A economia americana já estava em aceleração, crescendo mais que os outros desenvolvidos, e pegou embalo com duas políticas de Trump, a redução de impostos (que deixou para empresas e pessoas mais dinheiro para investimento e consumo) e o aumento do gasto público. Logo, todo mundo concluiu, a inflação vai reaparecer e o Fed, o banco central deles, vai subir os juros. No mercado, os juros já estavam em alta. O título de dez anos do Tesouro americano, durante muito tempo com rendimento perto de zero, já está pagando 3% ao ano. O papel alemão equivalente dá 0,5%.
https://oglobo.globo.com/opiniao/a-licao-argentina-22667944
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 08:57:59


E o herói da  direita está fracassando com sua política na Argentina:



O temor de uma nova crise domina a Argentina: “Voltar ao FMI significa entregar o país”




A decisão de Macri de negociar um resgate do Fundo desperta os temores dos piores episódios econômicos

FEDERICO RIVAS MOLINA

MAR CENTENERA

Buenos Aires 10 MAI 2018 - 21:31   CEST




O Fundo Monetário Internacional só traz más lembranças na Argentina. É quase uma palavra ruim, associada às políticas de ajuste e às piores catástrofes financeiras. “É como voltar para trás”, “Isso nós já vivemos”, “É mais do mesmo”, se ouvia nas ruas de Buenos Aires quase no mesmo momento em que o presidente Mauricio Macri anunciava na televisão que pediria um resgate financeiro ao Fundo, o primeiro em 15 anos. Os argentinos têm motivos para pensar assim. O primeiro empréstimo que o Fundo deu ao país sul-americano foi em 1957, para um governo militar. Desde então, sua presença acompanhou todas as crises econômicas que sacodem a Argentina de forma cíclica.



Nos anos noventa, o Fundo acompanhou com paixão a conversibilidade aplicada por Domingo Cavallo durante o Governo de Carlos Menem. E hoje todos associam o Fundo ao fracasso daquele modelo em 2001. O Governo de Fernando de la Rúa havia acordado com o Fundo uma blindagem financeira de 38 bilhões de dólares para sustentar a paridade de um peso-um dólar herdada do menemismo. Mas só houve dois desembolsos. A suspensão do terceiro precipitou o fim da conversibilidade e a eclosão da pior crise econômica de que os argentinos se lembram.



Eduardo Duhalde, sucessor de emergência de De la Rúa, recorreu duas vezes ao Fundo, que colocava condições cada vez mais duras, sempre relacionadas à redução dos gastos públicos e do déficit fiscal. O Fundo nunca foi o principal credor da Argentina, mas de sua aprovação dependia a chegada dos investimentos: daí o peso de suas receitas. Em 2006, o presidente Néstor Kirchner conseguiu eliminar o déficit, graças às receitas extraordinárias das exportações de matérias-primas. Os países emergentes viviam anos de prosperidade econômica e o kirchnerismo quis dar um golpe de efeito: cancelou a dívida de 9,8 bilhões que a Argentina tinha com o FMI e se declarou livre de qualquer condicionamento. As bandeiras de uma suposta soberania econômica estavam muito altas e os argentinos acompanharam o kirchnerismo com seus votos.



Mas o vento de popa não durou. Os preços das matérias-primas caíram e a Argentina passou a gastar mais do que produzia. O kirchnerismo decidiu então se financiar em pesos, sobretudo com o dinheiro dos fundos de pensão. Fechado o crédito externo, emprestava a si mesmo com a emissão de moeda. Em troca, não precisava prestar contas a ninguém. Macri chegou ao poder em 2015 e disse que a situação herdada era insustentável. Voltou então aos mercados internacionais. Primeiro pagou 9,3 bilhões para os chamados fundos abutres para acabar com o litígio por causa do calote da dívida externa declarada em 2001. Em dois anos tomou mais de 50 bilhões de dólares no mercado internacional, mas isso não foi suficiente para fazer do peso uma moeda à prova de tempestades externas. Hoje disse que pedirá ajuda ao Fundo novamente, e os argentinos têm dificuldade em acreditar que desta vez será diferente.



“Voltar a essa situação provoca angústia”, diz Ezequiel, um professor que tinha 22 anos quando da crise de 2001. Outros falam em “decepção”, ou simplesmente “raiva”. “Não sei se o povo argentino vai tolerar isso, talvez esteja esperando, mas existe toda uma geração de 40 anos para cima que sabe o que aconteceu com o FMI. Sempre que suas receitas foram aplicadas as consequências foram pagas pelos trabalhadores”, acrescenta Ezequiel, que espera que as pessoas saiam às ruas para protestar.



Carlos, dono de uma floricultura em Villa Ortúzar, um bairro de classe média de Buenos Aires, teme a palavra “ajuste”. “Voltar ao FMI significa entregar o país, é isso que Macri está fazendo. Em pouco tempo dirão que precisam fazer mais ajustes, ajustar os aposentados, vender empresas públicas.” Ele não acredita, além disso, que o Fundo tenha “mudado”, como diz sua diretora-geral, Christine Lagarde. “É mais do mesmo, ou até pior, porque cada vez apertam mais os que têm menos e cresce o fosso entre as pessoas que têm dinheiro e os pobres.” Quem é mais velho, como Graciela, aposentada, vê uma nova crise no horizonte. “Estou com muito medo porque já vivemos isso. A última vez que o FMI veio, acabamos tendo uma grande crise. Eu não entendo muito de política, mas o que eu sei é que meu dinheiro não é suficiente”, diz.



A inquietude atingiu até mesmo aqueles que votaram em Macri, com a esperança de que os problemas herdados do kircherismo fossem resolvidos. Nacho tem 24 anos, de manhã dirige um táxi e à noite trabalha um quiosque de doces. Diz que sabe “muito pouco” sobre o FMI, mas não tem muitas expectativas em relação à ajuda que pode chegar. “É um desastre”, diz ele, “tudo sobe e o dinheiro não é suficiente. Ganho 16.000 pesos (cerca de 2.550 reais) e pago 12.000 (1.912 reais) de aluguel. Sou anti-kirchnerista porque eles roubaram tudo, mas Macri disse que iria fazer uma mudança e isso não aconteceu. Votei em Macri e agora me arrependo, não voto mais nele”. É possível que o dinheiro do Fundo dê um pouco de oxigênio para a economia argentina, mas em troca o Governo deverá pagar um alto preço político.



https://brasil.elpais.com/brasil/2018/05/08/internacional/1525812410_093182.html



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 09:03:20

PERTO DE QUEBRAR, EM NOVO FRACASSO NEOLIBERAL, ARGENTINA SOBE JUROS A 40%



247 - Governo Macri está naufragando na Argentina e lançando o país numa crise brutal, no que parece ser uma antecipação do que aguarda o Brasil sob o governo Temer. Voo curto como o da galinha para os governos neoliberais na América Latina. Ontem, o Banco Central argentino havia elevado a taxa de juros para 33,25% ao ano. Hoje (4), elevou de novo para 40%. Segundo reportagem do Valor Econômico, o risco cambial assombra a Argentina, "o peso é a moeda que mais perdeu valor frente ao dólar neste ano, 16,6%, e em 12 meses, 31,57%."


Uma das "bíblias" das publicações neoliberais globais, a revista norte-americana Forbes, afirma que aos investidores "parece ter chegado a hora de sair da Argentina. Leia aqui.


O presidente Mauricio Macri chegou à presidência da Argentina em 2015 saudado por toda a direita e o mercado financeiro na América Latina e no mundo como "exemplo de competência". A imprensa conservadora e os analistas econômicos neoliberais no Brasil usaram Macri, oriundo do setor privado, como contraponto ao que apontavam como "fracasso dos governos do PT". O sonho neoliberal durou dois anos.


O clima no país começa a beirar o pânico, com inflação alta, economia parada, juros em disparada, pobreza disseminada e, agora, crise cambial, que são os fantasmas dos anos 1980 e 1990. Escreveu o Valor:


"A forte desvalorização do peso fez muitos argentinos voltarem ao passado, quando não tinham nenhuma confiança em sua moeda e, por isso, compravam dólares e realizavam operações com a moeda americana. O momento ainda não é comparável ao das últimas décadas do século XX, mas recentemente poupadores procuraram converter depósitos em pesos para dólares a fim de driblar a depreciação da moeda local.


Para tentar conter a queda do peso, ontem o banco central da Argentina elevou a taxa de juros para 33,25% ao ano. Em seis dias, a taxa aumentou seis pontos percentuais. Ainda assim, a moeda argentina continuou perdendo valor. No mercado, a expectativa é que haja nova alta dos juros em breve.


'Há uma paranoia natural de que a moeda vai sair do controle em algum momento', disse ontem Walter Stoeppelwerth, diretor do Balanz Capital, um banco de investimentos de Buenos Aires, citado pelo Financial Times. 'Os argentinos são mais sensíveis ao risco cambial do que em qualquer outra nação da região, com exceção talvez da Venezuela'."



https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/353646/Perto-de-quebrar-em-novo-fracasso-neoliberal-Argentina-sobe-juros-a-40.htm


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 09:05:59
1 mês de governo

Será que mantém o pique?

Possivelmente, principalmente depois que a população sentir a melhora no bolso.



Parece que não está tendo melhora no bolso.   Acho que o pique dele já era.



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 09:08:26
É muita informação interessante sobre um mesmo assunto e o melhor mesmo é criar um tópico próprio.
Mauricio Macri está trazendo uma revolução de ideias e estilo de governar, dando um banho de água fria na Esquerda Latino Americana que comanda vários países do continente.




Parece que agora a direita é que está levando um banho de água fria.   



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Junho de 2018, 09:08:48
É claro que a situação não tem nada a ver com os anos da Cretina e do Néstor no governo arrombado o cofre.

Argentina só passou a existir no dia em que o Macri assumiu.

Nós tb estaríamos em uma situação melhor com o Dilmão fodendo tudo.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Junho de 2018, 09:11:05
Faça o seguinte, vote no Dilmão novamente.

A solução do PT é gastar mais dinheiro público aumentando a dívida para gerar arrecadação depois.

Tal como os gastos da Copa de deixaram o país nadando em dinheiro.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 09:18:40
Faça o seguinte, vote no Dilmão novamente.



Nunca afirmei que a Dilma tinha sido uma boa escolha.  Certamente que a  Dilma foi um dos piores erros do PT.  Mas, o  quadrilhão do PMDB que ficou no lugar  também não é algo que preste.








Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Junho de 2018, 09:24:17
A Cretina é só um DIlmão fabricado na Argentina.

As duas arrebentam a Argentina e o Brasil.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 03 de Junho de 2018, 09:26:17
A propósito, o PT se aliou ao quadrilhão  por concordar com seus métodos.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Fernando Silva em 03 de Junho de 2018, 09:50:17
PERTO DE QUEBRAR, EM NOVO FRACASSO NEOLIBERAL, ARGENTINA SOBE JUROS A 40%

https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/353646/Perto-de-quebrar-em-novo-fracasso-neoliberal-Argentina-sobe-juros-a-40.htm
Primeiro problema:  a fonte do artigo. É suspeita até que se prove a culpa.

Segundo problema: Macri era a melhor opção disponível. Reeleger a Cristina Kirchner não era uma opção.

As coisas vão mal na Argentina? Sim, mas antes iam pior. E Macri realmente pode não conseguir consertar o país destruído pelos antecessores sem que isto implique em "fracasso do neoliberalismo" (seja lá o que "neoliberalismo" signifique).
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 03 de Junho de 2018, 11:06:23

PERTO DE QUEBRAR, EM NOVO FRACASSO NEOLIBERAL, ARGENTINA SOBE JUROS A 40%



247 - Governo Macri está naufragando na Argentina e lançando o país numa crise brutal, no que parece ser uma antecipação do que aguarda o Brasil sob o governo Temer. Voo curto como o da galinha para os governos neoliberais na América Latina. Ontem, o Banco Central argentino havia elevado a taxa de juros para 33,25% ao ano. Hoje (4), elevou de novo para 40%. Segundo reportagem do Valor Econômico, o risco cambial assombra a Argentina, "o peso é a moeda que mais perdeu valor frente ao dólar neste ano, 16,6%, e em 12 meses, 31,57%."


Uma das "bíblias" das publicações neoliberais globais, a revista norte-americana Forbes, afirma que aos investidores "parece ter chegado a hora de sair da Argentina. Leia aqui.


O presidente Mauricio Macri chegou à presidência da Argentina em 2015 saudado por toda a direita e o mercado financeiro na América Latina e no mundo como "exemplo de competência". A imprensa conservadora e os analistas econômicos neoliberais no Brasil usaram Macri, oriundo do setor privado, como contraponto ao que apontavam como "fracasso dos governos do PT". O sonho neoliberal durou dois anos.


O clima no país começa a beirar o pânico, com inflação alta, economia parada, juros em disparada, pobreza disseminada e, agora, crise cambial, que são os fantasmas dos anos 1980 e 1990. Escreveu o Valor:


"A forte desvalorização do peso fez muitos argentinos voltarem ao passado, quando não tinham nenhuma confiança em sua moeda e, por isso, compravam dólares e realizavam operações com a moeda americana. O momento ainda não é comparável ao das últimas décadas do século XX, mas recentemente poupadores procuraram converter depósitos em pesos para dólares a fim de driblar a depreciação da moeda local.


Para tentar conter a queda do peso, ontem o banco central da Argentina elevou a taxa de juros para 33,25% ao ano. Em seis dias, a taxa aumentou seis pontos percentuais. Ainda assim, a moeda argentina continuou perdendo valor. No mercado, a expectativa é que haja nova alta dos juros em breve.


'Há uma paranoia natural de que a moeda vai sair do controle em algum momento', disse ontem Walter Stoeppelwerth, diretor do Balanz Capital, um banco de investimentos de Buenos Aires, citado pelo Financial Times. 'Os argentinos são mais sensíveis ao risco cambial do que em qualquer outra nação da região, com exceção talvez da Venezuela'."



https://www.brasil247.com/pt/247/mundo/353646/Perto-de-quebrar-em-novo-fracasso-neoliberal-Argentina-sobe-juros-a-40.htm




JJ fazendo suas jotajotices. No post 11 de Maio de 2018, 22:02:14, eu quotei um post de data anterior a essa crise aí, salientando que o governo Macri, a despeito de ser menos pior do que o da Cristina - ESSA SIM RESPONSÁVEL PELA IMENSA MAIOR PARTE DA CRISE ATUAL-, pouco tinha a ver com direita econômica. Mas o que o JJ faz? Ignora o que foi já discutido no fórum anteriormente e põe seus spams da Esgotosfera...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 03 de Junho de 2018, 17:44:59
Faça o seguinte, vote no Dilmão novamente.




Em o 2014 eu votei no Super Mega Hiper Ultra Gold Platinum Master Plus Blaster Force Advanced Speed Big Good   ilibado  Aécio Neves. 


:ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok: :ok:




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 13:49:50

12/05/2018 às 21h03

Com a crise na Argentina, Brasil vê riscos comerciais e políticos



BRASÍLIA - A crise na Argentina pode levar à redução das exportações brasileiras de carros e peças para o país vizinho, segundo avaliação de especialistas. Atualmente, a participação da Argentina nas exportações brasileiras é de cerca de 8% e a maior parte é do setor de veículos. De janeiro a abril, as exportações totalizaram US$ 74,29 bilhões. Desse total, US$ 6,06 bilhões são referentes à Argentina. Dos produtos exportados para o país vizinho, cerca de 33% são automóveis.


A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) informou que ainda não tem uma previsão de quanto podem cair as exportações com a crise. A associação disse apenas que 76% das exportações do setor vão para a Argentina. Em seguida vem o México (7%), Chile (5%), Uruguai (4%), a Colômbia (3%) e Peru (2%).


Em crise econômica, a Argentina decidiu recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para equilibrar a situação financeira do país. A decisão foi tomada depois da disparada do dólar. O governo quer obter respaldo financeiro para acalmar os ânimos dos investidores e frear a saída de capitais do país, cuja economia, segundo o presidente argentino, Maurício Macri, é
uma das mais dependentes de recursos estrangeiros.


O ex-secretário de Comércio Exterior, Welber Barral, lembra que a Argentina é o principal importador de produtos manufaturados no Brasil. "Os principais produtos são automóveis e peças de carro. Evidentemente, uma crise na Argentina afeta esses setores", disse. Para Barral, se a Argentina conseguir o empréstimo no FMI, o nível de especulação cambial diminuirá, o
que fará com que o país não diminua muito as importações.


Entretanto, Barral disse que o efeito da crise argentina no Brasil deve ficar restrito a esse segmento, sem contagiar toda a economia brasileira. "O Brasil tem reservas internacionais altas, inflação relativamente sob controle. Então, o Brasil não está na mesma situação da Argentina. Mas em termos de exportações, sim. O Brasil pode ser afetado pela queda das exportações",
disse.


Segundo Barral, a competitividade do setor automotivo brasileiro é maior na Argentina por conta do Mercado Comum do Sul (Mercosul). "Os produtos brasileiros não pagam imposto de importação na Argentina", explicou. Além disso, ele disse que o mercado argentino é maior do que de outros países.


"Enquanto na Argentina tem um mercado de 42 milhões de pessoas, no Uruguai, por exemplo, são 3 milhões", disse. A pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação
Getúlio Vargas (FGV), Lia Baker Valls Pereira, também considera que o efeito da crise argentina no Brasil se restringirá à balança comercial.


"No Brasil, a exportação não é o principal elemento do PIB [Produto Interno Bruto]. A Argentina é a terceira importadora do Brasil. É muito localizado, afetaria mais a exportação de automóvel", opinou a pesquisadora.


"O empréstimo do FMI vem cheio de restrições. A Argentina tem um problema de déficit fiscal, déficit externo, tem inflação alta. A Argentina vai se comprometer a um controle inflacionário e fiscal mais austero", disse.


Pereira acrescentou que o presidente argentino Mauricio Macri optou por fazer um ajuste gradual na economia, mas não conseguiu. No último dia 8, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou não há possibilidade de "contágio" da crise argentina no Brasil. "Nós temos uma situação externa extremamente confortável, um déficit em conta-corrente pequeno, que é financiado por investimentos diretos estrangeiros. Temos reservas extremamente elevadas, de US$ 383 bilhões. Não vejo nenhum impacto. A situação [do Brasil] é completamente diferente da Argentina."



http://www.valor.com.br/empresas/5520913/com-crise-na-argentina-brasil-ve-riscos-comerciais-e-politicos



Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 13:53:48

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 13:57:02


Enquanto isso,  o malévolo new  socialist  Evo  Maldales, está  levando o terror do crescimento econômico para  a bolivariana Bolívia.


 :biglol:

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 16 de Junho de 2018, 14:04:57

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 14:06:55

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a Argentina no caminho do progresso ?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 16 de Junho de 2018, 14:10:26

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a argentina no caminho do progresso ?




Como eu já disse implicitamente lá atrás, Macri é um governo social democrata.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 14:11:07

Já estou até com vontade de me mudar para Argentina, vou treinar um portunhol para alguma emergência.

"El sapaton enterrou mi país em la mierda, por isso aora estoy aqui". :lol:



Ainda está com vontade de mudar para a  Argentina ?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 14:15:05

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a argentina no caminho do progresso ?




Como eu já disse implicitamente lá atrás, Macri é um governo social democrata.


A Noruega e a Suécia são  sociais democracias.  Qual o problema em ser um social democrata e com as sociais  democracias ? Quais os grandes problemas das sociais democracias Noruega e Suécia ?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 16 de Junho de 2018, 14:17:15
A surra continua:

Citar
Macri em Davos já garantiu bilhões de reais em investimento externo para a Argentina nos próximos anos.

As medidas de abertura de mercado e facilidade de comércio deixaram CEOs confiantes para gerar mais empregos e renda no país vizinho.

Enquanto isso, a capacidade de investimentos no Brasil caiu pela metade em apenas três anos com Dilma. Consequentemente, desemprego dispara e renda cai.


http://www.lanacion.com.ar/1864018-importantes-multinacionales-prometieron-a-macri-inversiones-por-mas-de-us-1000-millones

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/sob-dilma-capacidade-de-investimento-do-brasil-caiu-55

(https://scontent.frao1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xpl1/t31.0-8/12440456_339592726164877_5461128080381571837_o.png)




Cadê o resultado desse bilhões que o Macrito garantiu ?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 16 de Junho de 2018, 16:42:06

Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a argentina no caminho do progresso ?




Como eu já disse implicitamente lá atrás, Macri é um governo social democrata.


A Noruega e a Suécia são  sociais democracias.  Qual o problema em ser um social democrata e com as sociais  democracias ? Quais os grandes problemas das sociais democracias Noruega e Suécia ?




A social democracia pode ser insuficiente para reverter um prévio estrago socialista. Por causa da inércia dos problemas macroeconômicos, isso pode requerer uma sobrecompensação maior do que um ajuste gradual ou social democrata.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 31 de Agosto de 2018, 14:56:33
Citar
Mauricio Macri está trazendo uma revolução de ideias e estilo de governar, dando um banho...

Olha só o estilo do Marci governar:
http://criticadaeconomia.com.br/mauricio-macri-perde-controle-da-economia-e-trabalhadores-decretam-greve-geral/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 31 de Agosto de 2018, 15:47:04
Citar
Mauricio Macri está trazendo uma revolução de ideias e estilo de governar, dando um banho...

Olha só o estilo do Marci governar:
http://criticadaeconomia.com.br/mauricio-macri-perde-controle-da-economia-e-trabalhadores-decretam-greve-geral/

O maior erro dele foi o de querer fazer uma transição gradual da catástrofe econômica advinda do período dos dois idiotas que o precederam no governo da Argentina, em especial com os absurdos subsídios em diversos setores e com o enorme crescimento das despesas com custeio do governo, fatores que levaram a um aumento da dívida e ao rebaixamento das reservas em dólares.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Setembro de 2018, 11:18:27
Então o ideal seria ir direto da catástrofe para a perfeita funcionalidade próspera, sem qualquer estado intermediário de funcionalidade? :hein:

Não que eu discorde...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 11 de Setembro de 2018, 14:12:05
Citação de: idéias radicais
https://www.youtube.com/v/kSfaZwmHwy0

O peso argentino despencou 39 pesos por dólar, Macri já pede arrego no arrego que pediu para o FMI, a inflação dispara e pode ser que não vimos o pior ainda. A esquerda brasileira sai correndo para culpar isso no liberalismo, mas não é por aí.

O fato é que Macri não resolveu o déficit da Argentina. Na verdade chegou a bater um déficit maior do que a Cristina Kirchner. Também não parou de imprimir moeda. Muito menos simplificou o ambiente empreendedor no país, e para botar o último prego no caixão, aumentou impostos.

É só mais um soça.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 11 de Setembro de 2018, 15:49:43
O fato é que direita e esquerda, principalmente em países da AL, seguem basicamente as mesmas diretrizes. O únicos que poderíamos diferenciar mais são a extrema direita e a extrema esquerda, que é a minoria dos políticos no mundo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 11 de Setembro de 2018, 16:10:32
Depende de como se define "esquerda" e "direita".

Se a definição for a do espectro de intervencionismo econômico, não. Porque então se tem de um lado alto intervencionismo e do outro baixo, e não se pode dizer que são a mesma coisa.

Se a definição é apenas um rótulo arbitrário, marketing, então as coisas ficam mais "liberadas", e praticamente sem sentido. Direita e esquerda são só brandings mais pró-negócios e/ou pró-povo, e associações históricas, independentemente de qualquer prática concreta.





Curiosidade: o quanto dependia apenas de Macri levar as coisas mais adiante, ao nível que se supõe ser funcional, versus ser algo atravancado por parte do governo mais kirchneriano?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 11 de Setembro de 2018, 16:52:56
As diretrizes básicas que tanto centro como centro esquerda e centro direita seguem em sentido econômico, é endividamento acentuado para estimulo e austeridade.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 09:42:14


O new liberal macrito  e sua política  com  sua  linda  administração   fracassada :


Governo Bolsonaro: quem são os líderes estrangeiros que assistirão à posse? | Política | G1


https://g1.globo.com/politica/noticia/2018/12/31/governo-bolsonaro-quem-sao-os-lideres-estrangeiros-que-assistirao-a-posse.ghtml 5/12


Argentina: Mauricio Macri


No posto desde 2015, o presidente e ex-empresário se elegeu com uma coalizão de partidos de direita e promoveu uma série de reformas fiscais no cargo. Hoje enfrenta uma crise econômica, com forte desvalorização do peso e alta inação.


https://g1.globo.com/politica/noticia/2018/12/31/governo-bolsonaro-quem-sao-os-lideres-estrangeiros-que-assistirao-a-posse.ghtml

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 09:43:14


Enquanto o socialista bolivariano  Evo Morales  consegue ótimos resultados na bolivariana  Bolívia  o chacrete Macrete liberal colhe fracasso com sua política na Argentina.


Mais um fracasso de um neo liberal.   :ok:


Mais uma vaca neo liberal que atolou no brejo.  :ok:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 09:46:00

E convenientemente os fãzocas neo liberais brazucas esqueceram do  neo liberal  Macri . 


É muito conveniente.   :ok:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 10:08:06
Finalmente!

Antes tarde do que nunca.

A imprensa brasileira começou a notar que existe notícia ao sul do Rio Grande do Sul e que o atual presidente da Argentina pode ajudar a vender jornal.
A Folha trouxe uma boa matéria da excelente impressão que Maurício Macri está causando em Davos:

Citar
Em Davos, Argentina vira exemplo ao Brasil (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/01/1732277-em-davos-argentina-vira-exemplo-ao-brasil.shtml?cmpid=newsfolha)
CLÓVIS ROSSI
ENVIADO ESPECIAL A DAVOS
22/01/2016 02h08

Um dos mais conhecidos analistas econômicos do Brasil, frequentador assíduo do Fórum de Davos, pede o anonimato para produzir a mais perfeita e irônica visão de como é vista, pela elite mundial, a ascensão de Mauricio Macri à Presidência argentina:

"A melhor notícia para o Brasil nos últimos tempos é Mauricio Macri", ironiza. E explica: seu exemplo servirá de estímulo para que o Brasil faça as reformas há tanto prometidas e sempre adiadas.

(http://f.i.uol.com.br/folha/mundo/images/1602162.jpeg)
   Ruben Sprich/Reuters    
O argentino Mauricio Macri (à dir.) encontra o premiê britânico, David Cameron, em Davos, na Suíça







 É  realmente   um   p###   exemplo  ...   de fracasso


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 31 de Dezembro de 2018, 10:47:45

E convenientemente os fãzocas neo liberais brazucas esqueceram do  neo liberal  Macri . 


É muito conveniente.   :ok:


Enquanto o socialista bolivariano  Evo Morales  consegue ótimos resultados na bolivariana  Bolívia  o chacrete Macrete liberal colhe fracasso com sua política na Argentina.


Mais um fracasso de um neo liberal.   :ok:


Mais uma vaca neo liberal que atolou no brejo.  :ok:

Haja paciência para aguentar tanta bobagem dita por você JJ.

Macri fez o que disse? Agiu da maneira correta? A Argentina estava em boas condições quando ele tomou posse?

Impressionante como você gosta de distorcer os fatos.

Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal? Fez as mudanças necessárias? Ou foi só no papo, mudou pouco para dizer que fez minimamente algo?


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 31 de Dezembro de 2018, 10:49:40
Vou colocar dois links, em vídeo para ficar bem fácil de você entender.  :)


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 31 de Dezembro de 2018, 10:52:07
Eu reluto em comentar seus deboches trolls, mas tenho pena dos novatos e de quem é de fora do CC que não te conhecem bem, vai que caem no bait do JJ.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 11:10:20


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 11:12:03


Deu certo ?  =>  É um verdadeiro liberal.


Não deu certo ? =>  Não  é  um verdadeiro liberal.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 11:15:00


Acho que o  verdadeiro  liberal  é  o Evo Morales.    :ok:


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 31 de Dezembro de 2018, 11:17:34



E  bolivarianismo  é  o  verdadeiro  liberalismo.   :ok:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 31 de Dezembro de 2018, 11:45:42


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .




Você sequer tem entendimento da falácia do escocês de verdade. Falácia do escocês de verdade é apelo à pureza da característica do tipo do agente para blindar esse tipo de agente de críticas relevantes. Mas o que se tem não é apenas não pureza, mas antagonismo total entre os maiores agentes da crise e o liberalismo.  Crise causada por esbórnia fiscal é causada pelo liberalismo? Esbórnia fiscal ou conivência com esbórnia  fiscal é liberalismo? Não existe nem remota semelhança entre esbórnia fiscal causadora de desastre econômico (que na sua maior parte foi liderado por Kichner) e liberalismo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 31 de Dezembro de 2018, 11:47:41


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .

Não é falácia, é fato.

Uma coisa é você dizer algo, outra é fazer.

Macri não tomou atitudes liberais condizentes com o que ele afirmou na campanha, e isso é um FATO deixado bem claro nos dois vídeos indicados.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 31 de Dezembro de 2018, 11:49:20
Mais um clickbait do JBait.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gigaview em 31 de Dezembro de 2018, 12:14:58
 :histeria:

...com espasmos de impulsos esquerdóides.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 31 de Dezembro de 2018, 13:03:31


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .

Não é falácia, é fato.

Uma coisa é você dizer algo, outra é fazer.

Macri não tomou atitudes liberais condizentes com o que ele afirmou na campanha, e isso é um FATO deixado bem claro nos dois vídeos indicados.

Desculpe, qual foi a atitude , considerada liberal, que Macri disse que faria e não fez ?

Algumas das coisas que falou e disse por exemplo foi recortar funcionalismo.

Eu considero que algumas das coisas que fez foram positivas, como uma boa limpa no Indec (no que seria aqui o IBGE), uma transparência que o órgão não tinha.

Quanto a funcionalismo, embora dissesse cortar, não produziu o efeito que disse porque não seria algo rápido, e posso dizer que já sabia disso.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 31 de Dezembro de 2018, 14:05:16


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .

Não é falácia, é fato.

Uma coisa é você dizer algo, outra é fazer.

Macri não tomou atitudes liberais condizentes com o que ele afirmou na campanha, e isso é um FATO deixado bem claro nos dois vídeos indicados.

Desculpe, qual foi a atitude , considerada liberal, que Macri disse que faria e não fez ?

Algumas das coisas que falou e disse por exemplo foi recortar funcionalismo.

Eu considero que algumas das coisas que fez foram positivas, como uma boa limpa no Indec (no que seria aqui o IBGE), uma transparência que o órgão não tinha.

Quanto a funcionalismo, embora dissesse cortar, não produziu o efeito que disse porque não seria algo rápido, e posso dizer que já sabia disso.

Um dos grandes problemas do Macri foi o gradualismo dele e a falta de apoio dos poderes e da população.

Quando Macri fez o ajuste tarifário, ele não foi seguido por uma política fiscal e monetária austera, o que ocasionou no agravamento da situação.
Após um ano de governo, o que Mauricio Macri conseguiu fazer na Argentina?  (https://mises.org.br/Article.aspx?id=2645)

Caso queira, de forma mais breve o vídeo a seguir resume a situação, expondo os pontos que seriam necessários mas não foram postos em prática.

Ainda há alguns pontos destacados nos vídeos indicados por mim na página anterior.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gorducho em 31 de Dezembro de 2018, 14:28:39
"Gradualismos" nunca dão certo em casos  catastróficos ou cronicamente catastroficos como o da Argentina.
Mas eu acho que e causo perdido, missão impossível: tem províncias que tem + empregados públicos que privados :!:
A essas alturas do campeonato quiçá o menos pior fosse redolarizar, mas sem aquele sistema que tinha as contas duplas. Acabar c/o tragico ARS. O meio circulante ser $ billete mesmo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Hugo em 01 de Janeiro de 2019, 23:23:35
É muita informação interessante sobre um mesmo assunto e o melhor mesmo é criar um tópico próprio.
Mauricio Macri está trazendo uma revolução de ideias e estilo de governar, dando um banho de água fria na Esquerda Latino Americana que comanda vários países do continente.


Que esses ventos não se esqueçam de passar por aqui também.

Ok, ok, ok.... se desse certo seria competência. Se deu errado... foi culpa do antecessor.... sempre a mesma lorota.  :)

Que esses ventos passem longe por aqui... :histeria:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 02 de Janeiro de 2019, 00:03:35
O voo de galinha e queda da Argentina já não é novidade há muito tempo e eu já tinha avisado isso ao Gabarito:

Fechando o ano na Argentina:
Citar
Governo Macri (https://www.facebook.com/mblivre/photos/a.204296283027856.1073741829.204223673035117/768600773264068/?type=3&theater)
  • Reforma da previdência aprovada;
  • Reforma Trabalhista aprovada;
  • Ajustes fiscais;
  • Abertura de mercado;
  • Austeridade;
  • Fim de mamatas.
Tudo que a esquerda não recomenda, foi feito. O resultado está aí.

https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm

(https://s20.postimg.org/qadwlr4fh/Governo_Macri.jpg)

Maurício Macri ainda não deveria ser motivo de orgulho. Crescimento do PIB da Argentina segundo o Dr. Google:

2015: + 2,6%
2016: -2,3%


E a minha previsão sobre as falsidades que certos esquerdistas brasileiros diriam em caso de crise argentina se confirmou de forma nostradâmica:

É alguém que está arrumando a casa bagunçada deixada pela maluquinha hermana.
Cumprindo uma agenda que a esquerda critica e condena.
O resultado não chega tão a galope como se poderia desejar, mas já se pode ver nesse último trimestre uma alta de 4,2%.
Se o desejo de criticar for maior do que o de enxergar a recuperação e a realidade,...
...nada mais pode ser feito.

Citar
PIB da Argentina cresce 4,2% no 3º trimestre (https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2017/12/20/pib-da-argentina-cresce-42-no-3-trimestre.htm)

EFE
20/12/201719h16

Buenos Aires, 20 dez (EFE).- O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina registrou alta de 4,2% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período no ano passado, informou nesta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística e Censos (Indec).

O PIB argentino também subiu 0,9% frente ao segundo semestre e, no acumulado dos três primeiros, o indicador subiu 2,5% na comparação com o período equivalente em 2016.

No ano passado, a economia argentina teve queda de 2,3%, após uma alta de 2,1% em 2015. Para 2017, de acordo com as metas da Lei de Orçamento, o governo do presidente Mauricio Macri esperava inicialmente que o PIB aumentasse 3,5%, mas ao apresentar em setembro o projeto de Orçamento para 2018, o número foi revisto para uma alta de 3% neste ano e de 3,5% em 2018.

A verdade é que esses cheerleading político em cima de políticos supostamente liberais só aumenta o risco de fomentar os argumentos dos  esquerdistas brasileiros.

Mesmo que um país latino americano fosse governado por Milton Friedman ressucitado, ele frequentemente teria a restrição de outros políticos esquerdistas, da desaprovação popular das medidas impopulares e necessárias e de não poder, essencialmente, governar por decreto.

Não sei se esse será o caso da Argentina, mas há alguma evidência de que esse seja o caso. Até o Instituto Liberal admitiu isso:

Citar
É uma pena, mas a Argentina não é um bom exemplo a ser seguido

(...)

Semana passada o processo de reformas na Argentina foi interrompido por protestos ditos populares (link aqui), especificamente os protestos impediram a aprovação da reforma da previdência proposta pelo presidente Macri. Não vou analisar os méritos da proposta, pelo que vi tem um aumento da idade mínima de aposentadoria, por lá isso existe, e uma redução dos prazos de reajustes das pensões que atualmente são semestrais e passariam a ser trimestrais. O aumento da idade me parece uma medida necessária, queiramos ou não os sistemas previdenciários vão ter de se adaptar às mudanças demográficas. O reajuste trimestral me parece um equívoco, reduzir prazos de reajustes alimenta a inércia inflacionária e deixa ainda mais difícil controlar a inflação que por lá já anda em absurdos 25% ao ano.

Fonte: https://www.institutoliberal.org.br/blog/economia/e-uma-pena-mas-argentina-nao-e-um-bom-exemplo-ser-seguido/

Se a inflação galopante bagunçar tudo de novo na Argentina, podem esperar para ver certos "intelectuais" brasileiros tentando convencer pobres leitores de que é "culpa do Neoliberalismo" do governo que os cheerleads políticos brasileiros "neoliberais" definiram como "liberal".
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 02 de Janeiro de 2019, 01:23:18
Não quer dizer que por que o Macri não tenha conseguido resultados melhores que os governos anteriores que isso anule o fato da Argentina estar melhor que antes, com eles.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 02 de Janeiro de 2019, 11:45:01
Não quer dizer que por que o Macri não tenha conseguido resultados melhores que os governos anteriores que isso anule o fato da Argentina estar melhor que antes, com eles.

Concordo. Para mim o problema foi o discurso de cantar vitória antes dos resultados.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: FZapp em 02 de Janeiro de 2019, 11:46:44


Já não foi discutido as ações do Macri aqui no CC? Ele foi mesmo liberal?


A velha  e  carcomida  desculpa   falácia  "não  é  (não foi)  um verdadeiro escocês" 


Não deu certo ?  É porque não é um verdadeiro  escocês .

Não é falácia, é fato.

Uma coisa é você dizer algo, outra é fazer.

Macri não tomou atitudes liberais condizentes com o que ele afirmou na campanha, e isso é um FATO deixado bem claro nos dois vídeos indicados.

Desculpe, qual foi a atitude , considerada liberal, que Macri disse que faria e não fez ?

Algumas das coisas que falou e disse por exemplo foi recortar funcionalismo.

Eu considero que algumas das coisas que fez foram positivas, como uma boa limpa no Indec (no que seria aqui o IBGE), uma transparência que o órgão não tinha.

Quanto a funcionalismo, embora dissesse cortar, não produziu o efeito que disse porque não seria algo rápido, e posso dizer que já sabia disso.

Um dos grandes problemas do Macri foi o gradualismo dele e a falta de apoio dos poderes e da população.

Quando Macri fez o ajuste tarifário, ele não foi seguido por uma política fiscal e monetária austera, o que ocasionou no agravamento da situação.
Após um ano de governo, o que Mauricio Macri conseguiu fazer na Argentina?  (https://mises.org.br/Article.aspx?id=2645)

Caso queira, de forma mais breve o vídeo a seguir resume a situação, expondo os pontos que seriam necessários mas não foram postos em prática.

Ainda há alguns pontos destacados nos vídeos indicados por mim na página anterior.

Cuidado que o Raphaelito do Falácias Radicais não é fonte segura.

Mas basicamente foi isso, houve ajustes de tarifas, um leve ajuste fiscal, poucas políticas de incentivo à produção, e o rombo era grande. Não existem milagres. Mas os entusiastas do liberalismo como se fosse panacéia agora querem dizer que Macri é comunista.

Pelamor também né?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gorducho em 02 de Janeiro de 2019, 12:06:55
que isso anule o fato da Argentina estar melhor que antes, com eles.
Bien sûr: isso não se discute.
O problema é que eles não conseguem superar o Perón; a coisa é MUITO arraigada.
Por isso acho que é causo perdido; ingovernável.
A eliminação de banco central e moeda locais seria uma forma de forçar uma queda ao mundo da realidade possível. Mas teria que ser acompanhada de flexibilidade de preços (pra poder ajustar a quantidade de moeda ao todo da economia real, por supuesto). Mas aí vêm as pressões políticas e rigidezes de preços (principalmente os salários, claro)  que acabam derrubando qq. plano economicamente coerente.
NÃO TEM COMO
Eu acompanho a Argentina desde a Plata Dulce  :'(
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 13 de Fevereiro de 2019, 09:46:06

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a argentina no caminho do progresso ?


Como eu já disse implicitamente lá atrás, Macri é um governo social democrata.



Talvez ele não fosse antes, talvez ele até tivesse algumas ideias liberais, e talvez ele até quisesse implantar algumas medidas liberais, entretanto,  uma vez no governo ele pode ter percebido que não teria  o poder necessário para implementar tais medidas  liberais, pois estas são impopulares e também anticorporativistas, e  são quase  impossíveis de serem implementadas, de forma relativamente segura, sólida e rápida, sem que haja um  forte  poder que seja capaz  de romper  o  poder  dos líderes  populistas  e corporativistas .


 
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 13 de Fevereiro de 2019, 09:56:27
que isso anule o fato da Argentina estar melhor que antes, com eles.
Bien sûr: isso não se discute.
O problema é que eles não conseguem superar o Perón; a coisa é MUITO arraigada.
Por isso acho que é causo perdido; ingovernável.
NÃO TEM COMO


Tem como, sim.

Há sim uma possibilidade para mudar tal cenário, e que não demandaria décadas para ser implementada (e que mesmo assim não teria altas chances de sucesso, que seria via um processo custoso e muito  demorado de  educação popular), qual seja: um governo forte e que seja fortemente  liberal econômico. Não precisa chegar ao ponto de jogar opositores de um helicóptero,  mas precisa ser suficientemente forte para tratorar as  lideranças  populistas e corporativistas (que sejam anti livre mercado).


 
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 09 de Março de 2019, 10:30:27
 "A Argentina está a um passo de um colapso econômico", diz Forbes.

Ajuda humanitária pra Argentina urgente!!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 09 de Março de 2019, 10:32:50
Neoliberalista fazendo neliberalise  :histeria:

https://www.facebook.com/480091065773000/posts/628277937620978/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gorducho em 09 de Março de 2019, 10:52:32
O País Irmão é um causo à parte na Criação Divina: não tem jeito; é absolutamente ingovernável :!:
VÁRIAS Provincias tienen + empleados públicos que privados ¡y por ahí se van las cosas! ::)
E eles NÃO superam o Perón :no:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 09 de Março de 2019, 13:09:59
Neoliberalista fazendo neliberalise  :histeria:

https://www.facebook.com/480091065773000/posts/628277937620978/
Pelamor, já vi coisa de melhor qualidade em jornaleco de pelego de quinta!
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 09 de Março de 2019, 17:36:21
Foda-se a honestidade intelectual.

O negócio é compartilhar idiotices como o Peter fez.

Belo exemplo!  :)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 09 de Março de 2019, 18:06:54
Neoliberalista fazendo neliberalise  :histeria:

https://www.facebook.com/480091065773000/posts/628277937620978/


Dica para o Peter: o neoliberalismo foi destruído na Venezuela.  Lá não tem essa praga de liberalismo e tampouco de neoliberalismo.


O que você acha de mudar  para lá ? 


 :D
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 10:37:01
que isso anule o fato da Argentina estar melhor que antes, com eles.
Bien sûr: isso não se discute.
O problema é que eles não conseguem superar o Perón; a coisa é MUITO arraigada.
Por isso acho que é causo perdido; ingovernável.
A eliminação de banco central e moeda locais seria uma forma de forçar uma queda ao mundo da realidade possível. Mas teria que ser acompanhada de flexibilidade de preços (pra poder ajustar a quantidade de moeda ao todo da economia real, por supuesto). Mas aí vêm as pressões políticas e rigidezes de preços (principalmente os salários, claro)  que acabam derrubando qq. plano economicamente coerente.
NÃO TEM COMO
Eu acompanho a Argentina desde a Plata Dulce  :'(


Me parece que a Argentina só teria uma solução relativamente rápida se acontecesse de ter um governo suficientemente forte e suficientemente liberal econômico de modo que tivesse o poder necessário para impor um liberalismo econômico pra valer. Caso contrário, esqueça, a oposição política e o povo com mentalidade estatista travam e impedem quaisquer tentativas de implementar um real  liberalismo econômico.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 10:47:09

A Argentina continua inviável. Qual realmente é o problema com o país?

O mesmo de sempre



Na semana passada, mais uma vez a Argentina sofreu um novo episódio de "crise cambial". Na quinta e na sexta-feira (4 e 5 de maio), o peso argentino se depreciou 9% em relação ao dólar, caindo de 20,50 pesos por dólar para 22,25 pesos por dólar.


Para tentar conter essa desvalorização, o Banco Central da Argentina aumentou a taxa básica de juros de 30,50% para 40% ao longo do curso de dois dias consecutivos. Isso ocorreu apenas uma semana após ele já ter elevado os juros em 3,25 pontos percentuais (de 27,25% para 30,50%), e de ter vendido US$ 7,3 bilhões de suas reservas internacionais.


O Banco Central argentino também anunciou que utilizaria "todas as ferramentas disponíveis" para reduzir a inflação de preços — que, em março, chegou a 25% no acumulado de 12 meses — para a sua meta, que é de 15% (um valor insanamente alto).


Políticos do governo se uniram ao Ministro da Fazenda e declararam, em uma coletiva de imprensa, que o governo reduziu sua meta para o déficit fiscal deste ano, de 3,2% do PIB para 2,7% do PIB.


Já ontem, dia 9 de maio, o governo anunciou que estava recorrendo ao FMI para negociar um empréstimo de US$ 30 bilhões (o que equivale à metade das atuais reservas internacionais do país). O objetivo é usar esses dólares para tentar conter a desvalorização cambial.


O roteiro é o mesmo de sempre: os investidores estrangeiros começaram a sair do país, trocando pesos por dólar. Ato contínuo, o governo anunciou medidas monetárias e fiscais mais "austeras", mas essas não foram suficientes para acalmar o mercado financeiro. O movimento de saída continuou. Isso obrigou o governo a recorrer ao FMI, que empresta sem seguir critérios de mercado.


Ou seja, dado que os credores dos títulos argentinos estão perdendo seu encanto com o país, o governo recorreu ao FMI, que faz empréstimos mais baratos e não mais exige "severos" cortes de gastos, como fazia antes.


Por ora, o peso parou de se desvalorizar. Após o dólar bater em 23,15 pesos, ele voltou para os atuais 22,50 pesos. De acordo com alguns analistas da mídia financeira (ver aqui, aqui e aqui), a crise foi, ao menos temporariamente, resolvida.


O problema: o mesmo de sempre


Há um fato que deve ser ressaltado: a depreciação do peso não é, em si mesma, uma crise que requer tratamento paliativo. A depreciação do peso é meramente uma consequência. Mais ainda: ela é um alerta salutar, assim como a coluna de mercúrio subindo em um termômetro.


Sendo assim, vender reservas internacionais e tentar reverter a saída de capitais por meio de aumento na taxa básica de juros — tudo para tentar arrefecer o aumento dos preços das moedas estrangeiras — equivale a submergir o termômetro em uma água gelada, o que não tem serventia alguma para resolver a doença do paciente.


Eis a verdadeira crise que aflige a Argentina: sua política monetária, a qual sempre foi um fracasso. Curiosamente, isso nem sequer é comentado pela "mídia especializada", que não aborda o assunto ao falar da recente depreciação do peso.


Muitos imaginavam que, desde que o supostamente "pró-mercado" Maurício Macri se tornou presidente em dezembro de 2015, a Argentina entraria no caminho virtuoso da desregulamentação, da desburocratização, e do maior rigor fiscal e monetário. [N. do E.: este Instituto sempre alertou que isso não estava acontecendo]. Mas esses desejos não se concretizaram.


Por mais que Macri tenha tido algum êxito em algumas políticas pontuais, a realidade é que, no campo monetário, ele tem se mostrado tão ruim quanto — se não pior que — sua antecessora, uma populista de esquerda.


Para comprovar isso, basta olhar para apenas três indicadores que comprovam essa afirmação: a taxa de câmbio peso-dólar e a evolução da base monetária e da oferta monetária desde que Macri assumiu a presidência.


Como Ludwig von Mises já havia explicado ainda no início do século XX, o mais sensível indicador da inflação de preços de um país é sua taxa de câmbio. Como podemos ver no gráfico abaixo, o preço do dólar disparou de aproximadamente 10 pesos ao final de 2015, quando Macri aboliu o cepo cambial, para os 22 pesos atuais.


Isso significa que o dólar encareceu mais de 100% em dois anos e meio — ou, o que dá no mesmo, que o peso se desvalorizou 54% neste período.


historical.png


Gráfico 1: evolução da taxa de câmbio da Argentina


A única causa de tamanha depreciação da moeda e de toda essa inflação de preços cronicamente vivenciada pela Argentina — a inflação de preços média do país é de 30% — é, como Mises também ensinou, a expansão da quantidade de dinheiro na economia.


Como mostra o gráfico abaixo, a expansão da base monetária — uma variável totalmente sob controle do Banco Central argentino — foi de mais de 65% desde janeiro de 2016.


argentina-money-supply-m0.png


Gráfico 2: evolução da base monetária argentina


Como consequência, a quantidade de dinheiro em posse de pessoas físicas e jurídicas continuou crescendo tão ou mais intensamente sob o governo Macri em relação ao governo Kirchner. O M1 cresceu mais de 70% no mesmo período, o que equivale a uma inflação monetária média de 24% ao ano.


argentina-money-supply-m1.png

Gráfico 3: evolução do M1 argentino


Com tamanho descontrole monetário — o qual só perde para a Venezuela —, não é de se estranhar que a Argentina tenha uma inflação de preços cronicamente alta e sofra frequentes crises cambiais.


[N. do E.: a título de comparação, essas mesmas variáveis para o Brasil são incrivelmente módicas. Veja a expansão da nossa base monetária e do nosso M1 para o mesmo período. Por isso nossa inflação de preços é menor e nossa taxa de câmbio oscila muito menos].


Mas por que ocorre todo esse descalabro monetário na Argentina?


Todos querem ser bancados pelo governo


Como a Argentina possui um longo histórico de calotes nos investidores estrangeiros (o último ocorreu em 2014), o governo tem dificuldades para financiar seus déficits orçamentários. Consequentemente, ele recorre àquela medida que sempre foi uma tradição na América Latina: utilizar seu Banco Central para imprimir dinheiro e financiar diretamente o governo. (A Venezuela também faz isso, mas em escala várias vezes maior).


Consequentemente, a base monetária e a oferta monetária do país aumentam sem qualquer restrição.


O mais curioso é que o déficit fiscal da Argentina não foi gerado por uma carga tributária baixa, mas, pelo contrário, por uma excessiva. O relatório de competitividade global do Fórum Econômico Mundial 2017-2018 mostra que a Argentina é a 92ª entre 128 nações analisadas. Ainda mais impressionante: a carga tributária da Argentina é simplesmente a mais alta das 138 economias.


Entre 2002 e 2017, a carga tributária do país — federal, províncias e municípios — aumentou mais de 10 pontos percentuais em relação ao PIB. Ao mesmo tempo, a inflação de preços — o imposto sobre os mais pobres — também se descontrolou.


Esses dois fatores, inflação e alta carga tributária, impactam negativamente a competitividade do país e sua facilidade de atrair capital, investir e criar empregos, relegando um país de enorme potencial às últimas posições do ranking mundial.


Mas eis o mais impressionante de tudo: segundo o relatório, os gastos públicos consolidados do país chegaram a 47,9% do PIB em 2016, uma cifra claramente desproporcional.


E, de acordo com o Ministério do Trabalho, em apenas duas províncias do país o funcionalismo público representa menos que 30% da população total empregada. Em sete províncias, a força de trabalho empregada no setor público é maior que a do setor privado (entre 51% e 69% da força de trabalho são funcionários públicos). No geral, em 65% das províncias, a fatia de funcionários públicos excede 40% da força de trabalho empregada.



O Ministério do Trabalho estima que mais de 4 milhões de empregos são bancados por impostos, uma cifra que aumentou 60% desde 2002. Destes 4 milhões de funcionários públicos, pelo menos 300.000 foram indicados por critérios políticos pelo governo Kirchner e simplesmente nem sequer aparecem para trabalhar.


O próprio Macri, ao tomar posse, anunciou aumentos para os aposentados e para os salários dos professores, e não fez nenhuma indicação de que privatizaria a Aerolíneas Argentinas, que foi estatizada pelos Kirchners, e que dá um prejuízo ao Tesouro argentino de 2 milhões de dólares por dia.


Mas não é só o setor estatal o principal causador do problema. O governo também concede generosos subsídios ao setor privado. Consequentemente, a Argentina possui um modelo que aumentou desproporcionalmente a carga tributária sobre os setores mais produtivos para subsidiar os setores menos produtivos e também para pagar o enorme aumento ocorrido no funcionalismo público.


Ou seja, trata-se de um modelo que desestimula o investimento privado em setores não subsidiados e estimula os setores protegidos pelo governo. Trata-se simplesmente da premiação do rent-seeking.


Sendo assim, não é surpresa nenhuma que a produtividade argentina seja muito baixa e que as receitas tributárias não sejam suficientes para cobrir os gastos do governo, mesmo tendo aumentado 10 pontos percentuais em relação ao PIB. E como o país não possui confiança no mercado de crédito, restou ao governo — que não quer cortar gastos — apenas imprimir dinheiro para bancar tudo isso.


E isso gerou toda a atual situação.


Conclusão


Reduções nos déficits e aumentos nas taxas de juros não impedirão novas crises cambiais caso o governo argentino continue imprimindo dinheiro para financiar seus gastos, os quais claramente não cabem no orçamento. Preços continuarão subindo e a moeda continuará se desvalorizando.


Se o governo argentino realmente quiser abolir suas crises cambiais, a solução tem de ser radical: seu Banco Central tem de ser proibido de imprimir dinheiro para financiar o Tesouro. Adicionalmente, novas expansões da base monetária também têm de ser abolidas.


Isso faria com que os juros subissem ainda mais no curto prazo. Haveria recessão, demissões e vários investimentos seriam abortados. No entanto, essa política monetária mais restritiva faria com que o peso se apreciasse no mercado internacional. Neste ponto, com o peso estável, o Banco Central argentino deveria ser abolido e a economia, dolarizada (o que seria mais fácil do que parece, dado que vários argentinos já poupam em dólares).


Caso tal medida seja considerada muito radical, simplesmente abolir todas as barreiras legislatórias que proíbem transações legais em moeda estrangeira, ou mesmo em ouro ou prata, já traria concorrência ao Banco Central argentino, que seria obrigado a gerenciar o peso de maneira menos pródiga.


Fora isso, nada mudará.

 

https://mises.org.br/Article.aspx?id=2887&ac=216064

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 10:59:55


A Argentina é um país com alto grau de estatização na economia,  não é a toa que  está  com problemas  econômicos tão sérios.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Pregador em 10 de Março de 2019, 14:14:48

A Argentina continua inviável. Qual realmente é o problema com o país?

O mesmo de sempre



Na semana passada, mais uma vez a Argentina sofreu um novo episódio de "crise cambial". Na quinta e na sexta-feira (4 e 5 de maio), o peso argentino se depreciou 9% em relação ao dólar, caindo de 20,50 pesos por dólar para 22,25 pesos por dólar.


Para tentar conter essa desvalorização, o Banco Central da Argentina aumentou a taxa básica de juros de 30,50% para 40% ao longo do curso de dois dias consecutivos. Isso ocorreu apenas uma semana após ele já ter elevado os juros em 3,25 pontos percentuais (de 27,25% para 30,50%), e de ter vendido US$ 7,3 bilhões de suas reservas internacionais.


O Banco Central argentino também anunciou que utilizaria "todas as ferramentas disponíveis" para reduzir a inflação de preços — que, em março, chegou a 25% no acumulado de 12 meses — para a sua meta, que é de 15% (um valor insanamente alto).


Políticos do governo se uniram ao Ministro da Fazenda e declararam, em uma coletiva de imprensa, que o governo reduziu sua meta para o déficit fiscal deste ano, de 3,2% do PIB para 2,7% do PIB.


Já ontem, dia 9 de maio, o governo anunciou que estava recorrendo ao FMI para negociar um empréstimo de US$ 30 bilhões (o que equivale à metade das atuais reservas internacionais do país). O objetivo é usar esses dólares para tentar conter a desvalorização cambial.


O roteiro é o mesmo de sempre: os investidores estrangeiros começaram a sair do país, trocando pesos por dólar. Ato contínuo, o governo anunciou medidas monetárias e fiscais mais "austeras", mas essas não foram suficientes para acalmar o mercado financeiro. O movimento de saída continuou. Isso obrigou o governo a recorrer ao FMI, que empresta sem seguir critérios de mercado.


Ou seja, dado que os credores dos títulos argentinos estão perdendo seu encanto com o país, o governo recorreu ao FMI, que faz empréstimos mais baratos e não mais exige "severos" cortes de gastos, como fazia antes.


Por ora, o peso parou de se desvalorizar. Após o dólar bater em 23,15 pesos, ele voltou para os atuais 22,50 pesos. De acordo com alguns analistas da mídia financeira (ver aqui, aqui e aqui), a crise foi, ao menos temporariamente, resolvida.


O problema: o mesmo de sempre


Há um fato que deve ser ressaltado: a depreciação do peso não é, em si mesma, uma crise que requer tratamento paliativo. A depreciação do peso é meramente uma consequência. Mais ainda: ela é um alerta salutar, assim como a coluna de mercúrio subindo em um termômetro.


Sendo assim, vender reservas internacionais e tentar reverter a saída de capitais por meio de aumento na taxa básica de juros — tudo para tentar arrefecer o aumento dos preços das moedas estrangeiras — equivale a submergir o termômetro em uma água gelada, o que não tem serventia alguma para resolver a doença do paciente.


Eis a verdadeira crise que aflige a Argentina: sua política monetária, a qual sempre foi um fracasso. Curiosamente, isso nem sequer é comentado pela "mídia especializada", que não aborda o assunto ao falar da recente depreciação do peso.


Muitos imaginavam que, desde que o supostamente "pró-mercado" Maurício Macri se tornou presidente em dezembro de 2015, a Argentina entraria no caminho virtuoso da desregulamentação, da desburocratização, e do maior rigor fiscal e monetário. [N. do E.: este Instituto sempre alertou que isso não estava acontecendo]. Mas esses desejos não se concretizaram.


Por mais que Macri tenha tido algum êxito em algumas políticas pontuais, a realidade é que, no campo monetário, ele tem se mostrado tão ruim quanto — se não pior que — sua antecessora, uma populista de esquerda.


Para comprovar isso, basta olhar para apenas três indicadores que comprovam essa afirmação: a taxa de câmbio peso-dólar e a evolução da base monetária e da oferta monetária desde que Macri assumiu a presidência.


Como Ludwig von Mises já havia explicado ainda no início do século XX, o mais sensível indicador da inflação de preços de um país é sua taxa de câmbio. Como podemos ver no gráfico abaixo, o preço do dólar disparou de aproximadamente 10 pesos ao final de 2015, quando Macri aboliu o cepo cambial, para os 22 pesos atuais.


Isso significa que o dólar encareceu mais de 100% em dois anos e meio — ou, o que dá no mesmo, que o peso se desvalorizou 54% neste período.


historical.png


Gráfico 1: evolução da taxa de câmbio da Argentina


A única causa de tamanha depreciação da moeda e de toda essa inflação de preços cronicamente vivenciada pela Argentina — a inflação de preços média do país é de 30% — é, como Mises também ensinou, a expansão da quantidade de dinheiro na economia.


Como mostra o gráfico abaixo, a expansão da base monetária — uma variável totalmente sob controle do Banco Central argentino — foi de mais de 65% desde janeiro de 2016.


argentina-money-supply-m0.png


Gráfico 2: evolução da base monetária argentina


Como consequência, a quantidade de dinheiro em posse de pessoas físicas e jurídicas continuou crescendo tão ou mais intensamente sob o governo Macri em relação ao governo Kirchner. O M1 cresceu mais de 70% no mesmo período, o que equivale a uma inflação monetária média de 24% ao ano.


argentina-money-supply-m1.png

Gráfico 3: evolução do M1 argentino


Com tamanho descontrole monetário — o qual só perde para a Venezuela —, não é de se estranhar que a Argentina tenha uma inflação de preços cronicamente alta e sofra frequentes crises cambiais.


[N. do E.: a título de comparação, essas mesmas variáveis para o Brasil são incrivelmente módicas. Veja a expansão da nossa base monetária e do nosso M1 para o mesmo período. Por isso nossa inflação de preços é menor e nossa taxa de câmbio oscila muito menos].


Mas por que ocorre todo esse descalabro monetário na Argentina?


Todos querem ser bancados pelo governo


Como a Argentina possui um longo histórico de calotes nos investidores estrangeiros (o último ocorreu em 2014), o governo tem dificuldades para financiar seus déficits orçamentários. Consequentemente, ele recorre àquela medida que sempre foi uma tradição na América Latina: utilizar seu Banco Central para imprimir dinheiro e financiar diretamente o governo. (A Venezuela também faz isso, mas em escala várias vezes maior).


Consequentemente, a base monetária e a oferta monetária do país aumentam sem qualquer restrição.


O mais curioso é que o déficit fiscal da Argentina não foi gerado por uma carga tributária baixa, mas, pelo contrário, por uma excessiva. O relatório de competitividade global do Fórum Econômico Mundial 2017-2018 mostra que a Argentina é a 92ª entre 128 nações analisadas. Ainda mais impressionante: a carga tributária da Argentina é simplesmente a mais alta das 138 economias.


Entre 2002 e 2017, a carga tributária do país — federal, províncias e municípios — aumentou mais de 10 pontos percentuais em relação ao PIB. Ao mesmo tempo, a inflação de preços — o imposto sobre os mais pobres — também se descontrolou.


Esses dois fatores, inflação e alta carga tributária, impactam negativamente a competitividade do país e sua facilidade de atrair capital, investir e criar empregos, relegando um país de enorme potencial às últimas posições do ranking mundial.


Mas eis o mais impressionante de tudo: segundo o relatório, os gastos públicos consolidados do país chegaram a 47,9% do PIB em 2016, uma cifra claramente desproporcional.


E, de acordo com o Ministério do Trabalho, em apenas duas províncias do país o funcionalismo público representa menos que 30% da população total empregada. Em sete províncias, a força de trabalho empregada no setor público é maior que a do setor privado (entre 51% e 69% da força de trabalho são funcionários públicos). No geral, em 65% das províncias, a fatia de funcionários públicos excede 40% da força de trabalho empregada.



O Ministério do Trabalho estima que mais de 4 milhões de empregos são bancados por impostos, uma cifra que aumentou 60% desde 2002. Destes 4 milhões de funcionários públicos, pelo menos 300.000 foram indicados por critérios políticos pelo governo Kirchner e simplesmente nem sequer aparecem para trabalhar.


O próprio Macri, ao tomar posse, anunciou aumentos para os aposentados e para os salários dos professores, e não fez nenhuma indicação de que privatizaria a Aerolíneas Argentinas, que foi estatizada pelos Kirchners, e que dá um prejuízo ao Tesouro argentino de 2 milhões de dólares por dia.


Mas não é só o setor estatal o principal causador do problema. O governo também concede generosos subsídios ao setor privado. Consequentemente, a Argentina possui um modelo que aumentou desproporcionalmente a carga tributária sobre os setores mais produtivos para subsidiar os setores menos produtivos e também para pagar o enorme aumento ocorrido no funcionalismo público.


Ou seja, trata-se de um modelo que desestimula o investimento privado em setores não subsidiados e estimula os setores protegidos pelo governo. Trata-se simplesmente da premiação do rent-seeking.


Sendo assim, não é surpresa nenhuma que a produtividade argentina seja muito baixa e que as receitas tributárias não sejam suficientes para cobrir os gastos do governo, mesmo tendo aumentado 10 pontos percentuais em relação ao PIB. E como o país não possui confiança no mercado de crédito, restou ao governo — que não quer cortar gastos — apenas imprimir dinheiro para bancar tudo isso.


E isso gerou toda a atual situação.


Conclusão


Reduções nos déficits e aumentos nas taxas de juros não impedirão novas crises cambiais caso o governo argentino continue imprimindo dinheiro para financiar seus gastos, os quais claramente não cabem no orçamento. Preços continuarão subindo e a moeda continuará se desvalorizando.


Se o governo argentino realmente quiser abolir suas crises cambiais, a solução tem de ser radical: seu Banco Central tem de ser proibido de imprimir dinheiro para financiar o Tesouro. Adicionalmente, novas expansões da base monetária também têm de ser abolidas.


Isso faria com que os juros subissem ainda mais no curto prazo. Haveria recessão, demissões e vários investimentos seriam abortados. No entanto, essa política monetária mais restritiva faria com que o peso se apreciasse no mercado internacional. Neste ponto, com o peso estável, o Banco Central argentino deveria ser abolido e a economia, dolarizada (o que seria mais fácil do que parece, dado que vários argentinos já poupam em dólares).


Caso tal medida seja considerada muito radical, simplesmente abolir todas as barreiras legislatórias que proíbem transações legais em moeda estrangeira, ou mesmo em ouro ou prata, já traria concorrência ao Banco Central argentino, que seria obrigado a gerenciar o peso de maneira menos pródiga.


Fora isso, nada mudará.

 

https://mises.org.br/Article.aspx?id=2887&ac=216064



Sério que eles (desse artigo) acham que pode ser bom dolarizar a economia e acabar com o banco central? funcionará no curto prazo, mas a longo prazo a Argentina perderá todo o controle sobre a economia. O combalido parque industrial será esmagado de vez. Eu concordo que o gasto com funcionalismo é muito exagerado e é preciso reverter isso. Eles precisam dar um jeito de demitir o excedente de servidores públicos, livrar-se de algumas estatais (as que dão prejuízo) e implementar uma nova moeda. Algo parecido como foi feito no Brasil. O triste é que eles não tem as reservas de dólares que nós tínhamos e o parque industrial deles é ridículo perto do nosso.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Pregador em 10 de Março de 2019, 14:17:50
Outra solução mais bizarra é fechar a economia drasticamente e forçar a industrialização na marra, como fizemos aqui, desde Getulio até o fim do governo militar. Mas isso vai fazer o povo sofrer muito com a defasagem tecnógica num mundo conectado como o de hoje.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 14:25:11
Outra solução mais bizarra é fechar a economia drasticamente e forçar a industrialização na marra, como fizemos aqui, desde Getulio até o fim do governo militar. Mas isso vai fazer o povo sofrer muito com a defasagem tecnológica num mundo conectado como o de hoje.


Para industrializar é necessário, entre outras coisas, vários tipos de bens de capital, e como eles certamente pouco produzem bens de capital eles teriam que importar, mas para importar uma grande quantidade de bens de capital são necessários muitos dólares, os quais eles não tem.  E também seria necessário que os argentinos tivessem renda suficiente para consumir os bens (mais caros ) que seriam produzidos internamente,  mas se estão em crise isso já significa que o povo está sem a renda necessária para tal. 


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 14:27:50


Quando o Estado é o grande causador de problemas econômicos não haverá uma saída eficaz se não for atacado este grande causador.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 10 de Março de 2019, 15:12:53


A Argentina é um país com alto grau de estatização na economia,  não é a toa que  está  com problemas  econômicos tão sérios.

 :biglol:

https://www.facebook.com/2009881949291424/posts/2280252275587722/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Euler1707 em 10 de Março de 2019, 15:58:14


A Argentina é um país com alto grau de estatização na economia,  não é a toa que  está  com problemas  econômicos tão sérios.

 :biglol:

https://www.facebook.com/2009881949291424/posts/2280252275587722/

Na tabela acima não consta a Venezuela, embora o estudo conte como estatizados aqueles serviços públicos que antes eram conssessão do estado. Se, no entanto, o estudo contasse como estatizados aqueles serviços que antes eram de prerrogativa privada, o sonho de todo socialista como o Peter Joseph, a Venezuela constaria no topo da lista com 3/4 das 526 empresas, que dá 394 empresas, que ou foram criadas, ou compradas, ou expropriadas durante os governos de Chavez e Maduro, para que o estado Venezuelano tomasse o monopólio de setores que eles considerassem estratégicos:

Citação de: Como Chávez e Maduro destruíram o setor privado na Venezuela
Atualmente, 526 empresas estão sob o controle do governo da Venezuela, quatro vezes mais do que o Brasil, que conta com 130, e dez vezes mais do que a Argentina, que tem 52. No ano passado, elas empregavam 440,7 mil pessoas ou 5,6% da população ocupada formalmente.

Três em cada quatro empresas estatais foram criadas, expropriadas ou confiscadas durante os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro. "

"A política de estatização dos meios de produção foi apresentada no Plano de Desenvolvimento Econômico e Social da Nação 2007-2013, também conhecido como Primeiro Plano Socialista da Nação. Pretendeu-se dar uma base jurídica a este modelo, mas a proposta foi rejeitada em um referendo nacional em 2007. A prática acabou sendo imposta por leis, decretos e ações por parte do governo venezuelano. "

[...]

"Dados públicos mostram o impacto da desestruturação do setor produtivo. Segundo o Ministério da Alimentação, em 2005, 63,9% dos alimentos comprados pelo governo venezuelano eram de origem interna. Dez anos depois – último dado disponível – esse percentual tinha caído para 9,97%. Desde 2016, o aparato de produção e distribuição de alimentos está nas mãos do Ministério da Defesa. "

[...]

"Parte dessas empresas está sob o controle da PDVSA, a petrolífera venezuelana. Em 2000, ela tinha participação acionária em 17 empresas, não incluindo associações estratégicas. Quinze anos depois eram 114, das quais 42 se dedicam a atividades não petrolíferas. Além do petróleo, a empresa atua nos setores agroalimentar, transporte, comércio, construção e indústria.

À medida que a PDVSA passou a se dedicar também a outros setores, a produção de petróleo caiu. No ano passado, segundo a petrolífera britânica BP, a produção foi a menor desde 1989. Segundo o Petroguia, um site venezuelano em temas energéticos, a expectativa para este ano é de que a produção de petróleo caia para 800 mil barris diários, dos quais 300 mil são consumidos internamente e outros 500 mil são exportados para Rússia e China.

Em 2008, a PDVSA adquiriu a Lácteos Los Andes, que se dedicava à produção de leite e seus derivados, sucos e gelatinas.
Desde a aquisição, esteve vinculada a três ministérios. A alta direção foi trocada cinco vezes e, entre 2008 e 2016, mais do que duplicou o número de funcionários, passando de 3.144 a 6.735. A produção caiu 48% entre 2007 e 2015. "

[...]

fonte (https://www.gazetadopovo.com.br/mundo/como-chavez-e-maduro-destruiram-o-setor-privado-na-venezuela-bckop22i8n94dxmt4np4yz4di/)


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 10 de Março de 2019, 16:00:17

https://www.facebook.com/2009881949291424/posts/2280252275587722/


Talvez no caso de saneamento básico (que são o caso da maioria das reestatizações) a estatização funcione razoavelmente bem. Mas, isto não é verdade para a grande maioria da produção de bens e serviços. No geral a iniciativa privada, num ambiente de economia  livre e com concorrência, produz melhor e mais barato.


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 10 de Março de 2019, 19:36:20
A coisa é simples, serviço público não gera riqueza. País que insiste em manter a área privada em função da pública tem sempre o mesmo destino.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 11 de Março de 2019, 07:48:45
A Argentina é um país com alto grau de estatização na economia,  não é a toa que  está  com problemas  econômicos tão sérios.

 :biglol:

https://www.facebook.com/2009881949291424/posts/2280252275587722/

Observem a sequência de fontes:

Veio do Facebook, que retirou do UOL e cuja base veio da TNI, uma ONG esquerdista com interesses diretos nisto, pois que assessora as recém prestadoras de serviços re estatizadas, trabalhando quase sempre com municípios, onde podem exercer uma maior influência.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 11 de Março de 2019, 09:01:20
Eis um exemplo de 'safadeza informativa' da TNI e propagada por incautos.


Citação de: Relatório da TNI
[...]
Da ilha de Kauai a Boulder, Estados Unidos da América

As desprivatizações puseram a democracia energética em prática. Devido aos custos de importação de carvão, gás e outros recursos, a ilha havaiana de Kauai enfrentou pressões únicas para encontrar fontes de energia alternativas.

Em 2002, a Kauai Island Utility Cooperative (KIUC) adquiriu uma empresa de energia/telecomunicações privada sediada no Connecticut que estava a vender o seu negócio de eletricidade para se concentrar nas telecomunicações.

A KIUC tornou-se assim a primeira cooperativa de geração, transmissão e distribuição de energia sem fins lucrativos do estado, detida e controlada pelos membros a quem serve.

Esta companhia de titularidade local e controlo democrático presta serviços de eletricidade fiáveis e de baixo custo, tendo o objetivo de se basear a 50% em energias renováveis até 2023. Em 2016, a KIUC já atingira a marca de 38% de energias renováveis.

Fonte (https://www.tni.org/files/publication-downloads/rps_portuguese_web.pdf)

Eis uma síntese histórica obtida da compilação da Wikipedia e do site da KIUC:

Citar
O fornecimento de energia na ilha de Kauai (no estado insular do Hawaí) era feito pela Kauaʻi Electric desde 1905, uma divisão da Citizens Utilities Company e que foi adquirida por uma cooperativa, a Kauaʻi Island Utility Cooperative, em 2002.

Quase toda a energia era derivada de hidroeletricidade da usina instalada no rio Wainiha, ou seja, razoavelmente 'limpa'. Com o aumento da demanda por causa do crescimento populacional e da atividade econômica, a partir de 1966, a ilha começou a usar, de forma crescente, o carvão e o óleo diesel.

Quando foi adquirida, em 2002, a Kauaʻi Electric já havia começado a ampliar a sua matriz energética, com solar e a biomassa.

Fonte 1: https://en.wikipedia.org/wiki/Kaua%CA%BBi_Island_Utility_Cooperative

Fonte 2: http://website.kiuc.coop/renewables

Onde está a 'safadeza informativa'?

1) A empresa privada Kauaʻi Electric não foi estatizada. Ela foi adquirida por cidadãos que formaram uma cooperativa de geração e distribuição de energia, em que há a participação orgânica de empresas privadas, incluindo o planejamento e a produção, e a parceria com outras.

Eis dois exemplos:

https://aesdistributedenergy.com/

https://www.greenenergykauai.com/


2) Os donos da Kauaʻi Electric estavam mudando o foco de negócios, abandonando a área de produção de energia e reforçando a área de telecomunicações. Não houve má-fé e sim mudança de prioridade, sendo que o tipo da ação implementada é comum no ambiente empresarial e social do EUA.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 16 de Abril de 2019, 09:28:22
States, Trump, CIA, Estado Profundo, alguém... invadam a Argentina do Macri Neoliberal, argentinos morrendo de fome!!!

E olha que não teve embargo, nem guerra não convencional  :o

Citar
Miséria cresce sob Macri e quase uma a cada três pessoas é pobre na Argentina

https://www.brasildefato.com.br/2019/04/09/miseria-cresce-sob-macri-e-quase-uma-a-cada-tres-pessoas-e-pobre-na-argentina/
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 16 de Abril de 2019, 12:58:51
States, Trump, CIA, Estado Profundo, alguém... invadam a Argentina do Macri Neoliberal, argentinos morrendo de fome!!!

E olha que não teve embargo, nem guerra não convencional  :o

Citar
Miséria cresce sob Macri e quase uma a cada três pessoas é pobre na Argentina

https://www.brasildefato.com.br/2019/04/09/miseria-cresce-sob-macri-e-quase-uma-a-cada-tres-pessoas-e-pobre-na-argentina/

Houve incompetência mesmo.

Vamos ignorar os fatos pré Macri, as imbecilidades que ele fez que não tem haver com o "Neoliberalismo" e vamos culpar as mínimas atitudes que podem ser consideradas liberais como causadoras de todo o mal.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 16 de Abril de 2019, 17:59:05
E claro, colocar a culpa da situação incomparavelmente pior da Venezuela em sanções eestaduunidenses que praticamente nunca existiram ou só atingiram cúpula do governo.





A coisa é simples, serviço público não gera riqueza. País que insiste em manter a área privada em função da pública tem sempre o mesmo destino.

A iniciativa privada é em larga escala serviço público e propriedade pública (negociada no mercado de ações).
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 16 de Abril de 2019, 18:24:09
States, Trump, CIA, Estado Profundo, alguém... invadam a Argentina do Macri Neoliberal, argentinos morrendo de fome!!!

E olha que não teve embargo, nem guerra não convencional  :o

Citar
Miséria cresce sob Macri e quase uma a cada três pessoas é pobre na Argentina

https://www.brasildefato.com.br/2019/04/09/miseria-cresce-sob-macri-e-quase-uma-a-cada-tres-pessoas-e-pobre-na-argentina/


Macrito,   o  new  libeural,  está  sendo  um  new  fiasco na Argentina.


 :biglol:

A quase totalidade da crise argentina foi criada pela socialista Cristina Kirchner. Somente socialistas não reconhecem isso. Portanto, percebe-se claramente o embuste de usar contiguidades temporais para apontar relação de causalidade.



Mas, cadê  a  capacidade  e  a  competência   do   new   libeural  Macri  para consertar os erros e colocar a argentina no caminho do progresso ?




Como eu já disse implicitamente lá atrás, Macri é um governo social democrata.


A Noruega e a Suécia são  sociais democracias.  Qual o problema em ser um social democrata e com as sociais  democracias ? Quais os grandes problemas das sociais democracias Noruega e Suécia ?




A social democracia pode ser insuficiente para reverter um prévio estrago socialista. Por causa da inércia dos problemas macroeconômicos, isso pode requerer uma sobrecompensação maior do que um ajuste (fiscal*) gradual ou social democrata.

*P.S.: Pequeno acréscimo que fiz ao post antigo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 16 de Abril de 2019, 19:10:28
E claro, colocar a culpa da situação incomparavelmente pior da Venezuela em sanções eestaduunidenses que praticamente nunca existiram ou só atingiram cúpula do governo.





A coisa é simples, serviço público não gera riqueza. País que insiste em manter a área privada em função da pública tem sempre o mesmo destino.

A iniciativa privada é em larga escala serviço público e propriedade pública (negociada no mercado de ações).
E o dinheiro público na verdade é uma concessão do indivíduo enquanto privado... É, belíssima epifania.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 17 de Abril de 2019, 12:27:32
Macri, o liberal que congela preços

https://www.oantagonista.com/mundo/macri-o-liberal-que-congela-precos/

Parece que não aprendem com o passado.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 17 de Abril de 2019, 16:33:58
Macri, o liberal que congela preços

https://www.oantagonista.com/mundo/macri-o-liberal-que-congela-precos/

Parece que não aprendem com o passado.


Como esse post contrasta com os posts do início desse tópico...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 16:41:55
States, Trump, CIA, Estado Profundo, alguém... invadam a Argentina do Macri Neoliberal, argentinos morrendo de fome!!!

E olha que não teve embargo, nem guerra não convencional  :o

Citar
Miséria cresce sob Macri e quase uma a cada três pessoas é pobre na Argentina

https://www.brasildefato.com.br/2019/04/09/miseria-cresce-sob-macri-e-quase-uma-a-cada-tres-pessoas-e-pobre-na-argentina/

Sem menosprezar os erros administrativos do Macri, incluindo o mais recente de querer um 'congelamento' de preços dos produtos ditos básicos, vale ressaltar a sordidez dos esquerdopatas do link supra.

Eles "ignoram" que a situação econômica da Argentina estava muito pior antes do Macri, já caminhando para um início de hiperinflação e com manipulação ostensiva dos índices econômicos por parte do casal Kirchner, em que passaram 12 anos destruindo toda a economia da Argentina, sem contar com o enriquecimento ilícito dos dois.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 16:43:14
Macri, o liberal que congela preços

https://www.oantagonista.com/mundo/macri-o-liberal-que-congela-precos/

Parece que não aprendem com o passado.


Como esse post contrasta com os posts do início desse tópico...

Porquê?

Ele voltou a usar avião próprio?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 17 de Abril de 2019, 16:52:23
Macri, o liberal que congela preços

https://www.oantagonista.com/mundo/macri-o-liberal-que-congela-precos/

Parece que não aprendem com o passado.


Como esse post contrasta com os posts do início desse tópico...

Porquê?

Ele voltou a usar avião próprio?

Porque antes era o "superliberal" salvador da Argentina, agora é o liberal esculachado.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 16:53:12
Eis um exemplo de 'safadeza informativa' da TNI e propagada por incautos.


Citação de: Relatório da TNI
[...]
Da ilha de Kauai a Boulder, Estados Unidos da América

As desprivatizações puseram a democracia energética em prática. Devido aos custos de importação de carvão, gás e outros recursos, a ilha havaiana de Kauai enfrentou pressões únicas para encontrar fontes de energia alternativas.

Em 2002, a Kauai Island Utility Cooperative (KIUC) adquiriu uma empresa de energia/telecomunicações privada sediada no Connecticut que estava a vender o seu negócio de eletricidade para se concentrar nas telecomunicações.

A KIUC tornou-se assim a primeira cooperativa de geração, transmissão e distribuição de energia sem fins lucrativos do estado, detida e controlada pelos membros a quem serve.

Esta companhia de titularidade local e controlo democrático presta serviços de eletricidade fiáveis e de baixo custo, tendo o objetivo de se basear a 50% em energias renováveis até 2023. Em 2016, a KIUC já atingira a marca de 38% de energias renováveis.

Fonte (https://www.tni.org/files/publication-downloads/rps_portuguese_web.pdf)

Eis uma síntese histórica obtida da compilação da Wikipedia e do site da KIUC:

Citar
O fornecimento de energia na ilha de Kauai (no estado insular do Hawaí) era feito pela Kauaʻi Electric desde 1905, uma divisão da Citizens Utilities Company e que foi adquirida por uma cooperativa, a Kauaʻi Island Utility Cooperative, em 2002.

Quase toda a energia era derivada de hidroeletricidade da usina instalada no rio Wainiha, ou seja, razoavelmente 'limpa'. Com o aumento da demanda por causa do crescimento populacional e da atividade econômica, a partir de 1966, a ilha começou a usar, de forma crescente, o carvão e o óleo diesel.

Quando foi adquirida, em 2002, a Kauaʻi Electric já havia começado a ampliar a sua matriz energética, com solar e a biomassa.

Fonte 1: https://en.wikipedia.org/wiki/Kaua%CA%BBi_Island_Utility_Cooperative

Fonte 2: http://website.kiuc.coop/renewables

Onde está a 'safadeza informativa'?

1) A empresa privada Kauaʻi Electric não foi estatizada. Ela foi adquirida por cidadãos que formaram uma cooperativa de geração e distribuição de energia, em que há a participação orgânica de empresas privadas, incluindo o planejamento e a produção, e a parceria com outras.

Eis dois exemplos:

https://aesdistributedenergy.com/

https://www.greenenergykauai.com/


2) Os donos da Kauaʻi Electric estavam mudando o foco de negócios, abandonando a área de produção de energia e reforçando a área de telecomunicações. Não houve má-fé e sim mudança de prioridade, sendo que o tipo da ação implementada é comum no ambiente empresarial e social do EUA.


Interessante que esta postagem não teve nenhuma resposta dos esquerdistas, dos estatólatras e dos anti-capitalistas do fórum.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 16:53:53
Macri, o liberal que congela preços

https://www.oantagonista.com/mundo/macri-o-liberal-que-congela-precos/

Parece que não aprendem com o passado.


Como esse post contrasta com os posts do início desse tópico...

Porquê?

Ele voltou a usar avião próprio?

Porque antes era o "superliberal" salvador da Argentina, agora é o liberal esculachado.

A propaganda engana.

Vide os três meses do Bozo e os petistas por 13 anos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 17 de Abril de 2019, 17:37:25
Mas com 3 meses já teria que ter acontecido o quê? Nem no governo em que aconteceu o New Deal resultados mais substanciais teriam sido obtidos em 3 ou mesmo 6 meses.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: _Juca_ em 17 de Abril de 2019, 17:51:28

Interessante que esta postagem não teve nenhuma resposta dos esquerdistas, dos estatólatras e dos anti-capitalistas do fórum.

Dos esquerdistas não tem mesmo, agora vamos ter que achar algum estatólatra e anticapitalista para ingressar no fórum, porque hoje em dia não consigo achar nenhum, ainda mais definidos por esses termos pejorativos.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 18:05:24
Interessante que esta postagem não teve nenhuma resposta dos esquerdistas, dos estatólatras e dos anti-capitalistas do fórum.

Dos esquerdistas não tem mesmo, agora vamos ter que achar algum estatólatra e anticapitalista para ingressar no fórum, porque hoje em dia não consigo achar nenhum, ainda mais definidos por esses termos pejorativos.

Não encontrou um anticapitalista no fórum? Busque por Peter Joseph.

Não encontrou nenhum estatólatra? Busque por Hugo. Ehhh... espere. Este não adianta buscar porque ele sumiu de vez, agora que as lorotas fantasiosas em que ele defendia sucumbiram diante da realidade.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 17 de Abril de 2019, 18:06:19
Mas com 3 meses já teria que ter acontecido o quê? Nem no governo em que aconteceu o New Deal resultados mais substanciais tetiam sido obtidos em 3 ou mesmo 6 meses.

Bastou a ingerência do Bozo na Petrobrás para desmanchar a fantasia da retórica.

Não precisa ter acontecido mais nada.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 17 de Abril de 2019, 18:21:23
Mas com 3 meses já teria que ter acontecido o quê? Nem no governo em que aconteceu o New Deal resultados mais substanciais tetiam sido obtidos em 3 ou mesmo 6 meses.

Bastou a ingerência do Bozo na Petrobrás para desmanchar a fantasia da retórica
.

Não precisa ter acontecido mais nada.

Que seria qual? Governo bom não governa com retórica, governo ideológico é que governa com retórica, não concorda? Corrija-se a rota e simbora.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 17 de Abril de 2019, 19:13:31
Mas com 3 meses já teria que ter acontecido o quê? Nem no governo em que aconteceu o New Deal resultados mais substanciais teriam sido obtidos em 3 ou mesmo 6 meses.


3 meses é pouco ? Ok.


Então, diga aí o que você realmente espera em termos de resultados concretos, verificáveis e significativos em:

1) 1 ano;

2) 2 anos;

3) 3 anos;

4) 4 anos.



Ou na realidade você considera que não será obtido qualquer resultado positivo e significativo (realmente relevante) nesses períodos pelo governo Bolso ?





Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 17 de Abril de 2019, 20:06:27
Já postei aqui o que que eu digamos, espero, JJ. Minimo de roubamentos possiveis ou nenhum roubo. É só.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Agnoscetico em 18 de Abril de 2019, 09:40:06
Não tinha visto esse tópico, tinha postado em outro também

Macri congela preços na Argentina

TV Coiote


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Peter Joseph em 25 de Abril de 2019, 09:52:17
Citar
Por que a Argentina de Macri caminha para o colapso?

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 25 de Abril de 2019, 10:20:01
Já postei aqui o que que eu digamos, espero, JJ. Minimo de roubamentos possiveis ou nenhum roubo. É só.


Ok, então para você educação pública pode continuar ruim,  sistema público de sáude pode continuar precário,  desemprego pode continuar alto  (13 milhões de desempregados),  número de homicídios pode continuar 30 por 100.000 ou até aumentar. 


Você não se importa com essas coisas, elas não te incomodam. Para você tais coisas são irrelevantes. Ok ?     :ok:




Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 25 de Abril de 2019, 10:27:48
Já postei aqui o que que eu digamos, espero, JJ. Minimo de roubamentos possiveis ou nenhum roubo. É só.


Ok, então para você educação pública pode continuar ruim,  sistema público de sáude pode continuar precário,  desemprego pode continuar alto  (13 milhões de desempregados),  número de homicídios pode continuar 30 por 100.000 ou até aumentar. 


Você não se importa com essas coisas, elas não te incomodam. Para você tais coisas são irrelevantes. Ok ?     :ok:
Caramba, quanta generalizacao, jj, fião.  Podia ao menos refletir antes sobre o que tem intenção de postar, pra variar.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Zero em 25 de Abril de 2019, 12:34:47
Citar
Por que a Argentina de Macri caminha para o colapso?

States, Trump, CIA, Estado Profundo, alguém... invadam a Argentina do Macri Neoliberal, argentinos morrendo de fome!!!

E olha que não teve embargo, nem guerra não convencional  :o

Citar
Miséria cresce sob Macri e quase uma a cada três pessoas é pobre na Argentina

https://www.brasildefato.com.br/2019/04/09/miseria-cresce-sob-macri-e-quase-uma-a-cada-tres-pessoas-e-pobre-na-argentina/

Houve incompetência mesmo.

Vamos ignorar os fatos pré Macri, as imbecilidades que ele fez que não tem haver com o "Neoliberalismo" e vamos culpar as mínimas atitudes que podem ser consideradas liberais como causadoras de todo o mal.

Após um ano de governo, o que Mauricio Macri conseguiu fazer na Argentina?
https://mises.org.br/Article.aspx?id=2645

As lições da Argentina: gradualismo e medo de reformas são fatais para uma economia
https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2938
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 29 de Abril de 2019, 09:39:35
Já postei aqui o que que eu digamos, espero, JJ. Minimo de roubamentos possiveis ou nenhum roubo. É só.


O número alto de desempregados no Brasil e falta de empregos é algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ?  É algo que o governo deve agir para diminuir de forma significativa ou não ?

A educação pública precária é algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ? É algo que o governo deve agir para melhorar de forma significativa ou não ?

A saúde pública precária e a falta de acesso da boa parte da população a bons serviços de saúde é algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ? É algo que o governo deve agir para melhorar de forma significativa ou não ?

A grande falta de acesso à recursos econômicos de grande parte da população é é algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ?

Um alto índice de Gini para você é algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ?

O baixo índice de resolução de homicídios intencionais por parte da polícia civil é  algo que lhe incomoda ou não lhe incomoda ?
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 29 de Abril de 2019, 10:58:54
JJ me ispiras assim a imaginar um antagonista para a caneta desesquerdizadora, El Pelegon Panfleton, o militonto problema, tipo um garoto prodígio do Batman ao contrário! :lol:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: JJ em 29 de Abril de 2019, 11:15:07
JJ me ispiras assim a imaginar um antagonista para a caneta desesquerdizadora, El Pelegon Panfleton, o militonto problema, tipo um garoto prodígio do Batman ao contrário! :lol:



sergiomgbr,  me inspiras assim a imaginar um bolsominion embromador,  El bolsonminion  Embromation, o bolsotonto problema, tipo um garoto coroinha do Bolsoman !


 :biglol:


Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Sergiomgbr em 29 de Abril de 2019, 11:43:23
Entendo. ::)
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 21 de Agosto de 2019, 20:49:27
Uns números que desmascaram de vez a narrativa da "austeridade neoliberal" na Argentina. Do início até metade do mandato, o governo Macri AUMENTOU o déficit fiscal primário (déficit fiscal excluído o pagamento de juros da dívida pública). E o modesto esforço posterior apenas deixou inalterado o déficit fiscal que herdou do governo anterior:

Citação de: Alexandre Schwartsman
(...) Ao assumir Macri herdou um déficit fiscal na casa de 5% do PIB, dos quais 4% do PIB correspondiam ao balanço primário (isto é, sem considerar o pagamento de juros). Ao contrário, porém, do que se anunciava, jamais houve um programa de austeridade: até o final de 2017 o déficit fiscal aumentou para quase 6% do PIB, principalmente por conta da piora do desempenho primário; apenas a partir de meados de 2018 se observa algum esforço, mas que mantém o resultado negativo na casa de 5% do PIB. (...)

Fonte: http://maovisivel.blogspot.com/2019/08/argentina-entre-desonra-e-guerra.html?m=1
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Agosto de 2019, 17:11:25
Deturparam o neoliberalismo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Geotecton em 22 de Agosto de 2019, 17:16:17
Deturparam o neoliberalismo.

Na realidade, o Macri não o aplicou por medo.

Avaliou que uma 'dosagem progressiva' seria o melhor.

Agora repetiu o erro crasso de congelamento de preços e de elevação artificial de salário.

Todos nós sabemos como isto acabará.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gorducho em 22 de Agosto de 2019, 17:51:23
Todos nós sabemos como isto acabará.
Meus 2 pullovers pra inverno real —de lana cruda de oveja — foram comprados em autrais :twisted:
Me ficou na memória porque foi baratíssimo e era bem tarde da noite...
Ainda os tenho 100% em forma depois de ∞s lavagens ("a frio", claro) :stunned:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gigaview em 22 de Agosto de 2019, 18:20:11
Já é uma tradição coxinha aproveitar as crises econômicas argentinas como shopping season e reclamar do excesso de hermanos vendendo bugigangas nas praias Búzios feito chineses ilegais recém saídos de containers. Ninguém pensa em ajudar essa pobre gente.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Gorducho em 22 de Agosto de 2019, 18:37:13
Lhe asseguro que não foi o caso :!: Tavum lá porque sim; certamente a serviço...
O que :ok: adquiri especulativamente n'alguma outra ocasião foi um excelente casaco koreano sintético c/capuz. Esse se terminou + foi noutra onda de importações deles (não me lembro + em que moeda).
Só respondi c/conhecimento prático: SIM  :ok: sabemos que o resultado será + 1 hiper  :twisted:
By the way: sou de antes da plata dulce...
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Muad'Dib em 01 de Setembro de 2019, 07:17:40
https://www.google.com.br/search?q=mbl+macri&client=opera&hs=MK5&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=0iX621lUC9t7cM%253A%252COstyePFNpeEdHM%252C_&vet=1&usg=AI4_-kTTISDcxZHMxninn9fMJIYqjbIz0w&sa=X&ved=2ahUKEwj86Yb_sK_kAhW5IbkGHcK2D-8Q9QEwAXoECAUQCQ#imgrc=hTcy7O_DS-MS-M:&vet=1

O Macri foi de deus dos liberais econômicos para socialista.

É igual quando a "esquerda" diz que nunca houve comunismo no mundo. Religiosidade total.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 01 de Setembro de 2019, 08:35:54
Não se preocupe, os argentinos corrigirão o enorme erro elegendo novamente a Cretina Calote para fazer o mesmo que o maridinho fez em 2005.

E tome mais um calote que o próximo presidente terá que corrigir.

Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 01 de Setembro de 2019, 08:37:38
Se bem que, pensando melhor, quem elege e reelege as versões argentinas do Dilmão e do Sarney merece ser obrigado a conviver com eles.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 01 de Setembro de 2019, 10:59:17
https://www.google.com.br/search?q=mbl+macri&client=opera&hs=MK5&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=0iX621lUC9t7cM%253A%252COstyePFNpeEdHM%252C_&vet=1&usg=AI4_-kTTISDcxZHMxninn9fMJIYqjbIz0w&sa=X&ved=2ahUKEwj86Yb_sK_kAhW5IbkGHcK2D-8Q9QEwAXoECAUQCQ#imgrc=hTcy7O_DS-MS-M:&vet=1

O Macri foi de deus dos liberais econômicos para socialista.

É igual quando a "esquerda" diz que nunca houve comunismo no mundo. Religiosidade total.

Desculpe, mas esse papo de isentão esquerdista é furado. Ninguém filosoficamente existente já disse que a liberdade econômica nunca foi implementada na política. Por outro lado, não falta gente na esquerda que diz que o comunismo ou o socialismo nunca foi razoavelmente implementado e os que dizem que já foi implementado com sucesso tentam reescrever os livros da História.

Ademais, o que diz um militante raramente tem importância intelectual. Com raras exceções, militância é feita para agir, não para pensar. Militância e filosofia frequentemente entram em conflito.

O governo Macri começou a primeira metade do mandato presidencial aumentando o déficit fiscal primário na Argentina. Esssa conta do fracasso deve ser depositada na ideologia dos estatistas.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Setembro de 2019, 13:35:24
https://www.google.com.br/search?q=mbl+macri&client=opera&hs=MK5&tbm=isch&source=iu&ictx=1&fir=0iX621lUC9t7cM%253A%252COstyePFNpeEdHM%252C_&vet=1&usg=AI4_-kTTISDcxZHMxninn9fMJIYqjbIz0w&sa=X&ved=2ahUKEwj86Yb_sK_kAhW5IbkGHcK2D-8Q9QEwAXoECAUQCQ#imgrc=hTcy7O_DS-MS-M:&vet=1

O Macri foi de deus dos liberais econômicos para socialista.

É igual quando a "esquerda" diz que nunca houve comunismo no mundo. Religiosidade total.

Tanto a ""esquerda"" que diz que "nunca houve comunismo [estatal] no mundo," quanto aqueles que criticam que Macri foi mais propaganda liberal do que prática (o chamando de socialista só como piada, se for o caso), estão corretos. Nisso especificamente, ao menos.




O governo Macri começou a primeira metade do mandato presidencial aumentando o déficit fiscal primário na Argentina. Esssa conta do fracasso deve ser depositada na ideologia dos estatistas.

E talvez não a Macri em si, se esse aumento de déficit tiver sido algo legalmente compulsório, que não pudesse imediatamente evitar, senão ditatorialmente, ilegalmente.









Citar
MBL apaga post dizendo que Macri ia salvar a Argentina

:hehe:
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Muad'Dib em 01 de Setembro de 2019, 14:06:54
Não sei se é assim tão simples.

O Macri é um liberal sim. Ele gostaria de aplicar tudo o que a cartilha liberal prega, mas a realidade é que a cartilha liberal fica bonitinha somente na teoria, quando se tenta colocá-la na prática, ou o responsável pela implementação vê que não vai ter um resultado aceitável, ou a medida é extremamente impopular e a população não aceita.

Dizer que o Macri não era um liberal de verdade é fugir do fato que um liberal foi eleito e não conseguiu fazer o que queria. Se lembrar do fuzuê que foi feito quando ele foi eleito, do quanto de fogos o forista Gabarito soltou, do que o MBL e os seus minions falaram...

Liberalismo só é possível ser implantado se for por vias de autoritarismo. Se não der certo para o povão, foda-se, é só aumentar a repressão.

"Esquerda" eu meio que disse por achar meio besta o termo. Tanto direita quanto esquerda me parece definir pouca coisa hoje em dia.

Na verdade eu não entendo muito de economia, essas são coisas que me parecem meio que óbvias. E quanto mais eu tento entender, mais eu fico com a impressão que tanto o liberalismo econômico, Ancaps e socialistas são utopias que parecem excelentes no papel mas na prática não tem como deixar a sociedade menos badernada do que está hoje.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Setembro de 2019, 14:26:48
Eu não disse que "ele pessoalmente, em suas crenças pessoais, não é liberal de verdade." Não faço idéia.

Como você mesmo disse, pode se dever apenas a "quando se tenta colocá-la na prática, ou o responsável pela implementação vê que não vai ter um resultado aceitável, ou a medida é extremamente impopular e a população não aceita."

Além de resistência política. Como aqui mesmo, uma reforma da previdência poderia ter vindo ainda com Temer, mas elemendos do próprio governo atual preferiram adiar. Embora, no caso, diversos deles talvez de fato se oponham intimamente, mas se vejam obrigados a levar adiante alguma coisa devido ao "branding" com o qual se elegeram. Quanto mais dissociados puderem ser, melhor. A reforma indo adiante inclusive nem é a do governo, mas do congresso, e leva jeito de ser também o caso com a tributária.




Liberalismo só é possível ser implantado se for por vias de autoritarismo. Se não der certo para o povão, foda-se, é só aumentar a repressão.

Bobagem da grossa. Com algumas exceções pontuais, o liberalismo econômico está justamente nos países que também são livres em outros aspectos!

(https://cdn.howmuch.net/articles/1-world-map-b37c.jpg)
https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_economic_freedom


"Na verdade isso é um índice de opressão burguesa do povo, não indíce de liberdade econômica; os países verdadeiramente economicamente livres são aqueles socialistas, onde as pessoas tem a liberdade de trabalhar no que quiserem, SE quiserem trabalhar, pois todas suas necessidades básicas são dadas como DIREITO e não como uma mercadoria a qual um indivíduo considerado sem valor de mercado pode não ter recursos para comprar."




Citar
Na verdade eu não entendo muito de economia, essas são coisas que me parecem meio que óbvias. E quanto mais eu tento entender, mais eu fico com a impressão que tanto o liberalismo econômico, Ancaps e socialistas são utopias que parecem excelentes no papel mas na prática não tem como deixar a sociedade menos badernada do que está hoje.

Anarco-capitalismo e socialismo são utopias/viajações na maionese, liberalismo moderado é o que vigora nos países mais desenvolvidos (democracias sociais ou estados do bem-estar social), com melhor qualidade de vida, não-autoritários -- liberais no sentido mais amplo. Disso alguns vão derivar exageros anti-estatistas/anarco-capitalistas, sim, mas isso não muda o fato. Mesmo a crítica de alguns especialistas do FMI à "agenda neoliberal" não é contra o liberalismo de maneira generalizada, mas a alguns pontos específicos:

https://www.imf.org/external/pubs/ft/fandd/2016/06/ostry.htm

https://www.youtube.com/v/LwOlJQDUOtY

Desconsidere só o "neoliberalismo não existe."
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Muad'Dib em 01 de Setembro de 2019, 14:43:29
Liberalismo moderado europeu (social democracia) é justamente o que os liberais daqui da America do Sul estão atacando como socialismo.
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: Buckaroo Banzai em 01 de Setembro de 2019, 20:33:05
Acho que a opinião não é monolítica, embora uma parte significativa das vozes mais barulhentas, infantis, têm essa visão caricatural, alimentada por memes e astroturfing.

Ao mesmo tempo, isso acaba ganhando força significativa por "99%" da esquerda ter uma visão de economia indefensável, "não existe rombo na previdência," etc. Vários desses erros críticos são quase que óbvios, então isso acaba facilitando um "parasitismo" de idéias alinhadas na oposição à esquerda.

Um efeito meio "menino gritando Lobo," só que em vez de falar mentira deliberada, é só bobagem de um culto.

Infelizmente essas coisas tem "nichos" suscetíveis a credulidade, dos dois lados, e isso vem se acentuando preocupantemente nos últimos anos.

Felizmente pelo menos parte de alguns movimentos barulhentos está "acordando" um pouco ao menos para essas coisas, como parece ter ocorrido com o MBL:

https://www.youtube.com/v/PVXbji4gNZA

O Marco Antonio Villa também talvez possa se dizer estar numa situação similar, agora atacado como "petista."

Não vejo nada muito análogo na esquerda, embora haja alguma heterogeneidade, como o pessoal que, apesar de estar a anos-luz de qualquer bolsonarismo, é de vez em quando xingado de "neoliberal" e etc (como o pessoal do "foro de Teresina" ou o MyNews).
Título: Re:O novo estilo de governo na Argentina - Mauricio Macri
Enviado por: -Huxley- em 01 de Setembro de 2019, 21:41:03
O prolongamebto dessa discussão "Macri é liberal versus Macri não é liberal" é um blablablá de verbalismo. Se a autoridade pública argentina responsável pelo aumento do déficit fiscal primário é liberal, então eu prefiro ser antiliberal mesmo. Os latino-americanos economicamente racionais sabem muito bem o quão benéfico é não ser escravizado por encargos de dívida pública por causa de políticos que fazem bosta com o orçamento público.

E a alegação de que a liberdade econômica nunca teve espaço na política, exceto pelo autoritarismo, é falsa. Por exemplo, o Reino Unido e a Nova Zelândia da década de 1980 experimentaram avanços significativos na liberdade econômica em regimes plenamente democráticos.

E, pelo amor de Deus, deem mais ouvidos a intelectuais e menos ouvidos a militantes. Intelectuais foram Friedrich Hayek, John Maynard Keynes, Karl Popper, etc. MBLeiros, apesar de importantes fazedores de campanhas de esclarecimento sobre o que não funciona (socialismo, por exemplo) são, no máximo, projetos de intelectuais.