Forum Clube Cetico

Discussões => Laicismo, Política e Economia => Tópico iniciado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 11:31:09

Título: Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 11:31:09

Abrindo o tópico aqui em Laicismo, Política e Economia,  pois  como disse muito bem Clausewitz:  "A guerra é a continuação da política por outros meios".  E as armas de guerra são fundamentais nesta atividade.



Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 11:32:39
Como arma a laser começa a sair da ficção científica para ser usada militarmente
24 setembro 2016



Sistema de laser em embarcação americana  Direito de imagemREUTERS

Disparo de arma baseada em laser é mais barato que mísseis e munições tradicionais

O governo britânico está finalizando um acordo de 30 milhões de libras (R$ 127 milhões) com uma empresa fabricante de armamentos para desenvolver o protótipo de uma arma a laser - que deve ser chamada de "Dragonfire" (fogo de dragão, em tradução livre).


O conceito de se usar um raio concentrado de laser para atacar inimigos é comum na ficção científica, especialmente em franquias como Star Wars e Star Trek, mas só nos últimos anos ele começou a dar origem a armas reais.


Muito países já desenvolvem a ideia há anos, em busca de uma nova geração de armamentos. Porém, as pistolas ou fuzis que disparam raios coloridos no cinema parecem ainda estar um pouco distantes da realidade.


Boa parte da pesquisa militar sobre o tema que já veio público se concentra em criar armas laser de grande porte para o uso em navios de guerra. O objetivo delas é destruir mísseis e foguetes que ameacem a embarcação e também usar seu sistema ótico para identificar possíveis alvos a distância.


Em 2014, os Estados Unidos anunciaram ter equipado ao menos um de seus navios de guerra - o USS Ponce - com um protótipo de sistema de arma a laser. Ele é uma espécie de canhão que dispara um feixe de laser invisível. A função da arma é complementar sistemas de defesa do navio de guerra, que são projetados para destruir mísseis já próximos da embarcação.


Durante testes, a arma provou ser efetiva também para desabilitar ou destruir drones e pequenas embarcações hostis. Os militares americanos dizem que os aviões não tripulados e pequenas lanchas podem ser usados contra seus navios por inimigos mais fracos nas chamadas "guerras assimétricas" (quando um Estado luta contra grupos extremistas ou guerrilheiros, por exemplo).


Mira e identificação de alvos


Mas por que desenvolver a tecnologia de armas laser?


O laser já tem aplicações militares conhecidas, especialmente quando se fala em sistemas de mira e identificação de alvos. Ele também chegou a ser usado para cegar inimigos, mas esse tipo de utilização foi banido em tratados internacionais por ser excessivamente cruel.


A pesquisa atual é sobre a utilização do laser como uma espécide de "munição" - substuindo mísseis e projéteis.

Uma das maiores vantagens desse novo tipo de arma seria a redução dos custos. Armas navais convencionais exigem o uso de munições e mísseis que custam milhares de dólares e ocupam muito espaço nas embarcações militares.

Já um disparo de laser custava à Marinha americana à época dos testes apenas cerca de US$ 1. O custo baixo se explica porque ele depende basicamente da geração de energia do navio. Além disso, a nova "munição" não necessitava de grandes locais de armazenamento e o navio não precisava ser reabastecido de munição a laser.

Tecnologia britânica

Militar americano opera sistema de laserDireito de imagemREUTERS


A tecnologia a laser reduz os custos de armamentos em embarcações


A empresa responsável pelo desenvolvimento do equipamento para o Ministério da Defesa da Grã-Bretanha será a fabricante de mísseis MBDA UK Ltd.
Pelo contrato, a empresa terá que criar uma arma de energia laser dirigida (LDEW, na sigla em inglês) que seja capaz de fazer uma demonstração efetiva entre os anos de 2018 e 2019.


Para cumprir a tarefa, a MBDA trabalhará com outras empresas desenvolvedoras de tecnologia militar.


O sistema de armas laser deverá ser capaz de identificar alvos a distância em qualquer tipo de clima ou terreno "com precisão suficiente para permitir um combate seguro e efetivo".


Outra possibilidade da pesquisa, é que o laser seja usado no futuro para proteger tropas terrestres contra ataques de artilharia.


A pesquisa do Dragonfire faz parte de um fundo de inovação do Ministério da Defesa da Grã-Bretanha destinado a, entre outros objetivos, dar vantagem tecnológica para seus militares em combate, segundo o governo.


http://www.bbc.com/portuguese/internacional-37413537


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 28 de Novembro de 2017, 18:32:56
Eu gosto do canhão magnético, achei uma ótima idéia.

https://youtube.com/v/Z7pf2XWzz5M
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 18:41:25
Eu gosto do canhão magnético, achei uma ótima idéia.

https://youtube.com/v/Z7pf2XWzz5M

Precisa de uma estrutura que forneça energia elétrica que não compensa.

Você explode combustível para gerar eletricidade para alimentar os ímãs e impulsionar o projétil. Em teoria é sempre mais eficiente explodir o combustível para impulsionar o projétil, eliminando a etapa intermediária. Sei lá.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 18:47:24
Precisa de uma estrutura que forneça energia elétrica que não compensa.

Você explode combustível para gerar eletricidade para alimentar os ímãs e impulsionar o projétil. Em teoria é sempre mais eficiente explodir o combustível para impulsionar o projétil, eliminando a etapa intermediária. Sei lá.


Se não me engano, a vantagem do canhão eletromagnético é a velocidade final do projétil que é  muito mais alta do que a de um canhão convencional. E é aí que as armas lasers deixarão todas as outras armas no chinelo, pois a velocidade do feixe de laser é a própria velocidade da luz.





Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 18:55:51
Precisa de uma estrutura que forneça energia elétrica que não compensa.

Você explode combustível para gerar eletricidade para alimentar os ímãs e impulsionar o projétil. Em teoria é sempre mais eficiente explodir o combustível para impulsionar o projétil, eliminando a etapa intermediária. Sei lá.


Se não me engano, a vantagem do canhão eletromagnético é a velocidade final do projétil que é  muito mais alta do que a de um canhão convencional. E é aí que as armas lasers deixarão todas as outras armas no chinelo, pois a velocidade do feixe de laser é a própria velocidade da luz.







Mas no caso do laser você precisa manter um contato contínuo do feixe com o alvo para causar dano, e isso não é tão fácil.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 28 de Novembro de 2017, 18:57:29
Eu gosto do canhão magnético, achei uma ótima idéia.

https://youtube.com/v/Z7pf2XWzz5M

Precisa de uma estrutura que forneça energia elétrica que não compensa.

Você explode combustível para gerar eletricidade para alimentar os ímãs e impulsionar o projétil. Em teoria é sempre mais eficiente explodir o combustível para impulsionar o projétil, eliminando a etapa intermediária. Sei lá.

Mas a ideia é essa mesma.

Foi desenvolvido como canhão naval para aproveitar a energia gerada pelo proprio navio e evitar o transporte de explosivos a bordo.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Arcanjo Lúcifer em 28 de Novembro de 2017, 19:01:22
https://youtube.com/v/bvLQLap3CNk
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:03:02
Mas no caso do laser você precisa manter um contato contínuo do feixe com o alvo para causar dano, e isso não é tão fácil.


Quanto mais potente for o laser, menor será esse tempo de "contato contínuo",  se for suficientemente potente esse tempo certamente será ínfimo, talvez tendendo a instantâneo.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 19:10:11
Mas no caso do laser você precisa manter um contato contínuo do feixe com o alvo para causar dano, e isso não é tão fácil.


Quanto mais potente for o laser, menor será esse tempo de "contato contínuo",  se for suficientemente potente esse tempo certamente será ínfimo, talvez tendendo a instantâneo.

Ok, mas aí você precisa de uma estrutura gigante para portar esse laser, e um veículo muito grande vira um alvo mais fácil.

Sei que tudo é muito legal, mas no meio de um combate, esses railguns e lasers seriam alvos fáceis. E seriam destruídos por bombas convencionais.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:14:03


Aqui nesse vídeo tem informações que já dão para dar uma ideia de quão revolucionárias deverão ser as armas lasers de grande potência:





"Será como lutar contra arcos e flechas!"


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 19:20:43


Aqui nesse vídeo tem informações que já dão para dar uma ideia de quão revolucionárias deverão ser as armas lasers de grande potência:





"Será como lutar contra arcos e flechas!"




O laser tem que estar numa distância onde o veículo equipado com ele seja também um alvo. Um míssil, uma bomba ou um torpedo ainda são letais.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:22:09

Ok, mas aí você precisa de uma estrutura gigante para portar esse laser, e um veículo muito grande vira um algo mais fácil.

Sei que tudo é muito legal, mas no meio de um combate, esses railguns e lasers seriam alvos fáceis. E seriam destruídos por bombas convencionais.


Não chega a ser gigante,  os navios atuais são suficientes , mas eles já estão prevendo que será possível instalar até em estruturas menores como aviões.  E quanto a serem alvos fáceis, parece que  muito pelo contrário serão alvos muitíssimo difíceis. O que deverá ser alvo fácil são os meios aéreos que tentarem atacá-lo ou atacar algo que eles estejam protegendo.  Pois desde que a arma laser seja guiada por um adequado sistema que engaje o alvo,  bastará mirar e disparar, e numa fração extremamente pequena de tempo o alvo será atingido (para um alvo a 300 km de distância esse tempo seria de aproximadamente um milésimo de segundo).





Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:25:13
O laser tem que estar numa distância onde o veículo equipado com ele seja também um alvo. Um míssil, uma bomba ou um torpedo ainda são letais.


Mas qualquer projetil lançado pelo meio aéreo, que tente atingir o laser,  será facilmente  interceptado e atingido pelo laser.  Qualquer projetil aéreo atual não passa de uma tartaruga voadora comparada com a velocidade da luz.

A única coisa que poderia atingir a arma laser antes que o laser a atingisse seria outro feixe de laser lançado por um canhão laser adversário (e que tenha engajado o alvo antes do adversário).
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:31:39
O laser tem que estar numa distância onde o veículo equipado com ele seja também um alvo. Um míssil, uma bomba ou um              torpedo               ainda são letais.


Com relação às armas aquáticas como torpedos, eu já não sei dizer, mas com relação às  armas aéreas (que não usem laser), eu acho que é o fim da linha para elas.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 19:39:40
O laser tem que estar numa distância onde o veículo equipado com ele seja também um alvo. Um míssil, uma bomba ou um torpedo ainda são letais.


Mas qualquer projetil lançado pelo meio aéreo, que tente atingir o laser,  será facilmente  interceptado e atingido pelo laser.  Qualquer projetil aéreo atual não passa de uma tartaruga voadora comparada com a velocidade da luz.

A única coisa que poderia atingir a arma laser antes que o laser a atingisse seria outro feixe de laser lançado por um canhão laser adversário.

O laser tem a velocidade da luz, já o sistema de trava e mira que direciona o laser não.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:47:47
O laser tem a velocidade da luz, já o sistema de trava e mira que direciona o laser não.


E nem precisaria (apesar de que certamente é algo muito rápido), pois a grande necessidade de velocidade  advém da distância entre o  alvo e a arma de ataque e da velocidade do alvo. Para clarificar, pense que o grande pulo do gato dos mísseis é  precisamente  a alta velocidade que eles atingem, é a grande velocidade deles que os tornam alvos muito difíceis de serem interceptados. E é aí que entra a velocidade fenomenal da luz, a qual fará os mísseis parecerem  tartarugas anestesiadas.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 19:56:01


A única forma de um meio aéreo escapar de ser atingido por uma arma  laser  será se ele não puder ser detectado e assim engajado, ou se ele atirar antes (de ser detectado e engajado) com uma arma laser,  caso contrário já era.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 20:01:05



A única forma de um meio aéreo escapar de ser atingido por uma arma  laser  será se ela não puder ser detectada e assim engajada, ou se ela atirar antes (de ser detectada e engajada) com uma arma laser,  caso contrário já era.




Ou voar baixo o suficiente a ponto de prejudicar a mira, caso o equipamento esteja no solo apontando para o céu.

Se o foco for eficiente apenas a uma distância pequena, um avião inimigo pode atacar mais de longe.

O avião pode também ficar fazendo curvas para que evite ao máximo o contato com o feixe, e ainda que seja atingido pelo feixe, mudar constantemente de posição faz com que o feixe não fique esquentando um ponto único, demorando muito mais para danificar o avião. Talvez demore o suficiente para que o avião inimigo lance uma bomba a tempo.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 20:12:55

Ou voar baixo o suficiente a ponto de prejudicar a mira, caso o equipamento esteja no solo apontando para o céu.


Que entra na condição que eu coloquei de ser capaz de engajar o alvo. E contra alvos voando baixo, como mísseis de cruzeiro, basta ter lasers de defesa de área,  de forma análoga aos sistemas de mísseis de defesa de área que temos atualmente ou análogo a um sistema como o Phalanx CIWS.



Se o foco for eficiente apenas a uma distância pequena, um avião inimigo pode atacar mais de longe.

Feixes de lasers podem "viajar" a distância de centenas e até milhares de quilômetros (numa fração de segundo), a única exigência é que seja uma trajetória em linha reta.


O avião pode também ficar fazendo curvas para que evite ao máximo o contato com o feixe, e ainda que seja atingido pelo feixe, mudar constantemente de posição faz com que o feixe não fique esquentando um ponto único, demorando muito mais para danificar o avião. Talvez demore o suficiente para que o avião inimigo lance uma bomba a tempo.


Uma vez atingido por um laser de potência suficiente, a única coisa que irá sobrar são pedaços voando em diferentes direções.  E uma bomba ou míssil lançado  (se é que tivesse tido tempo para isso) teria o mesmo destino do pobre avião).


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 20:36:36

Feixes de lasers podem "viajar" a distância de centenas e até milhares de quilômetros (numa fração de segundo), a única exigência é que seja uma trajetória em linha reta.

Em poucas dezenas de quilômetros o avião está protegido pela curvatura da Terra. Além disso, em milhares de quilômetros o feixe perde muita potência. Talvez seja inútil numa distância bem menor.

Outra maneira simples de defletir o laser é carregar um espelhinho na cabine. O piloto reflete o laser de volta e cabuuummm! Isso daria uma continuação de Top Gang.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 28 de Novembro de 2017, 20:37:42
Imagina um avião todo cromado! O laser nunca atingiria!!! mwahahahahah
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 20:42:45

Feixes de lasers podem "viajar" a distância de centenas e até milhares de quilômetros (numa fração de segundo), a única exigência é que seja uma trajetória em linha reta.

Em poucas dezenas de quilômetros o avião está protegido pela curvatura da Terra.



Mas em algum ponto o avião ou o míssil que ele lançar  estará  numa trajetória  retilínea  com  o  canhão laser,  e nesse momento  o míssil  ou o avião  será  destruído.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 20:45:36

 Além disso, em milhares de quilômetros o feixe perde muita potência. Talvez seja inútil numa distância bem menor.



Que eu saiba isto não é verdadeiro.  Que eu saiba a atmosfera  (mesmo centenas ou mesmo milhares de quilômetros de ar)  não  afetam de forma significativa a potência do feixe de laser.

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 20:46:50
Imagina um avião todo cromado! O laser nunca atingiria!!! mwahahahahah


Vão sobrar pedaços cromados voando em várias direções.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 28 de Novembro de 2017, 20:48:50
Outra maneira simples de defletir o laser é carregar um espelhinho na cabine. O piloto reflete o laser de volta e cabuuummm! Isso daria uma continuação de Top Gang.


Ah é, pois é , a tecnologia dos canhões laser  já nasceu derrotada por espelhinhos.  :'(


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 29 de Novembro de 2017, 07:46:20

O futuro chegou! Militares chineses já utilizam armas de laser

Por Rafael Farinaccio | @rfarinaccio
Em Segurança
05 fev 2016 — 20h10



As forças armadas chinesas já estão realizando treinamentos utilizando armas de laser – não como aquelas que os Stormtroopers de Star Wars usam –, mas ainda assim bastante eficazes. Na verdade, elas não possuem poder letal, nem podem ferir de fato um soldado inimigo, mas são utilizadas para interferir cegando um oponente ou atrapalhando dispositivos de visão noturna.

Recomendado para você


Vale ressaltar que esse tipo de arma é proibido desde 1998 após a publicação de um protocolo que impede o uso de dispositivos que podem cegar pessoas, mas aparentemente a aplicação desses novos rifles chineses será contra veículos terrestres, aéreos ou mesmo robôs.


Uma dessas armas, a PY132A, foi exibida recentemente em uma feira de produtos policiais na china e pode ser usada contra drones terroristas. O laser é potente o suficiente para danificar sensores e câmeras e tem capacidade de visão térmica e noturna para uma melhor precisão.


Durante uma guerra, essa arma pode ser muito útil para acabar com sensores térmicos de tanques e outros veículos, desabilitar câmeras de vigilância e afetar outros sistemas eletrônicos cruciais para a batalha. O que se sabe ainda é se os rifles de laser têm potencial para afetar humanos, seja ferindo ou até cegando.


Seja como for, já dá para perceber que a China está pronta para uma possível Terceira Guerra Mundial. Será?


https://www.tecmundo.com.br/tecnologia-militar/96182-futuro-chegou-militares-chineses-utilizam-armas-laser.htm


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 29 de Novembro de 2017, 07:49:06
Conheça a arma a laser dos EUA capaz de destruir qualquer alvo em poucos segundos


 
Como se fosse um filme de ficção científica, ou como se se inspirasse em algum deles, a exemplo da saga Star Wars, a Boeing apresentou a última novidade armamentista do exército norte-americano: o High Energy Mobile Demonstrator (HEL MD), uma arma a laser de 10 kW, que derrubou, nos últimos testes, mais de 150 aviões, foguetes e outros alvos inimigos simulados. A arma possui raios de energia com 2,5 cm de largura, direcionados para atingir um alvo aéreo, que pode estar localizado a quilômetros de distância (assista ao vídeo no final do texto).


Até o momento, ela foi testada como extensão de um veículo blindado, já que a ideia é utilizar os lasers móveis para defender as tropas americanas dos mísseis, morteiros e outros projéteis inimigos - apenas três HEL MD, posicionados estrategicamente, são capazes de defender um batalhão inteiro. Antes de disparar contra seu alvo, o laser tem que localizar e persegui-los, o que não é um mecanismo completamente automático – os operadores no interior do veículo blindado utilizam um controle remoto de videogame para localizar o alvo. Uma vez encontrado, ele pode ser destruído em questão de segundos.


Os engenheiros da Boeing não estão orgulhosos apenas da velocidade e da precisão da arma, mas também de seu baixo custo. Os únicos gastos associados à operação do laser são o custo de funcionamento dos equipamentos elétricos a bordo e o preço do óleo diesel, para que o motor do veículo blindado funcione.


Confira tudo no vídeo abaixo:




https://seuhistory.com/noticias/conheca-arma-laser-dos-eua-capaz-de-destruir-qualquer-alvo-em-poucos-segundos



Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 29 de Novembro de 2017, 10:27:59
Ainda tem que desenvolver lasers mais potentes, mas já estão obtendo alguns resultados interessantes:



COBERTURA ESPECIAL - NUCLEAR - AVIAÇÃO

19 de Agosto, 2014 - 14:50 ( Brasília )

Armas Laser e o futuro dos sistemas de interceptação


O HEL MD da Boeing foi desenvolvido para localizar e engajar objetos voadores com o feixe de luz direcionada.
   
 

KELSEY D. ATHERTON - Texto do Business Insider
Tradução e edição: Nicholle Murmel

 
No dia 18 de julho deste ano, o voo MH-17 da Malasya Airlines foi abatido por um míssil. Os Estados Unidos acreditam que tenha sido um Buk de fabricação soviética, e satélites infravermelhos americanos apontam que o local de lançamento do míssil no leste da Ucrânia - região tomada por separatistas apoiados pelo governo russo. É possível que um aparato da Guerra Fria tenha lançado o míssil, tecnologia contemporânea tenha identificado de onde ele partiu, e a futura tecnologia dos lasers pudesse ter evitado o desastre?


A resposta é um retumbante talvez. Equipar aeronaves comerciais com laser antimísseis é um processo muito mais complexo e caro do que simplesmente evitar rotas aéreas sobre zonas de conflito, e mesmo que os feixes de luz direcionada atuais funcionem contra mísseis pequenos, ainda estão longe de dar conta de armamentos antiaéreos maiores.


Um editorial recente no Wall Street Journal argumenta que lasers contra projeteis menores que mísseis são factíveis agora. Já a National Defense Magazine vê um desenvolvimento mais gradual que pode chegar a produzir sistemas antimísseis. Apesar de a tecnologia ainda estar nos laboratórios e áreas de teste, o campo cada vez mais crescente das armas de energia direcionada sugere que um futuro repleto de lasers para defesa é possível.


O panorama atual dos antimísseis


Abater objetos no ar é difícil e caro. Os esforços dos EUA em prover sistemas de defesa contra mísseis balísticos - uma contramedida anunciada há tempos contra ataques nucleares - são frequentemente tão inócuos que  o Congresso especificou que os testes precisam ser realistas para que os recursos sejam liberados. Mesmo quando não se trata de deter um míssil balístico intercontinental, acertar um foguete com outro foguete é complicado.


O sistema Iron Dome de Israel custa 45 milhões de dólares por um grupo de lançadores e mais 40 mil por foguete disparado. Os projeteis a serem detidos por esse sistema custam 750 dólares cada um para serem fabricados - 40 mil dólares por tentativa de abater um foguete que cusa 750. Uma medida que pode ser onerosa tanto monetariamente como em termos de vidas, caso a precisão do Iron Dome seja inferior ao prometido. (Leia o artigo sobre a performance do Iron Dome)


Mas os lasers poderiam mudar esse cálculo. É verdade que o desenvolvimento do sistema é caro - os EUA já investiram 40 milhões de dólares para construir um canhão contra drones, e aprimorar esse laser certamente custará ainda mais. Porém, uma vez projetado e colocado em uso, o laser se torna muito, muito barato. Conforme o projeto desenvolvido para a Marinha Americana, o sistema custa cerca de 1 dólar por disparo - mais barato do que a munição normalmente usada para o mesmo fim.


Por serem constituídos de luz, os raios laser viajam mais rápido do que qualquer arma com projeteis, e portanto são ideais para detê-los. Nas palavras de Ray Johnson, CTO da Lockheed, “Isso muda o jogo. Se você desenvolve uma arma operacional que dispara a uma velocidade de Mach vezes um milhão, isso muda o jogo”. Mas para chegar nesse ponto de mudar o jogo, os armamentos de luz direcionada precisam ser muito mais potentes do que são atualmente.


Armas laser hoje


Johnson estima que lasers de 100 kilowatts de potência devem entrar em serviço nos próximos anos, e acredita que os de 300kW serão realidade um dia. Mesmo os lasers atuais de 10kW são promissores. No segundo semestre do ano passado, o High Energy Laser Mobile Demonstratos (HEL MD) do Exército americano usou um feixe de luz de 10kW para “engajar” morteiros em voo. “Engajar” pode ser um termo pouco preciso, que define apenas “mirar e atingir”, sem especificar que o feixe deve ser constate “até que o alvo seja destruído”.


O Exército planeja continuar o desenvolvimento do HEL MD com potências de 50 e até 100 kilowatts, com a finalidade de criar um laser tão forte que possa danificar as cargas dos morteiros, desviar sua trajetória ou mesmo explodí-los. A empresa de defesa israelense Rafael também esta desenvolvendo um sistema de armamento laser, e o Office of Naval Research está pesquisando uma versão transportada por caminhão para os Fuzileiros Navais.


O desafio fundamental para os armamentos de luz direcionada é que, diferente de como acontece na ficção científica em que lasers voam como munição, um canhão na vida real precisa direcionar o raio por um longo período de tempo para incinerar o alvo - como uma criança brincando com uma lupa e insetos. Para a criança, o inseto é fácil de capturar, já o laser precisa se manter focado em um alvo que se movimenta enquanto é incinerado. Esse fogo não precisa destruir o míssil inimigo completamente. Em vez disso, pode-se danificar o sistema de guiagem, neutralizando o alvo.


Ainda há um debate consideráverl acerca de qual a potência necessária para neutralizar cada tipo de foguete e míssil, ou mesmo se lasers são realmente capazes disso. Um relatório do Congressional Research Office apresenta pareceres conflitantes.


O futuro da luz direcionada para interceptação


Por ainda estarem em desenvolvimento, não sabemos ainda o quão potentes os lasers podem vir a ser, ou se conseguirão fazer tudo o que se espera, mas eis algumas promessas.



O HEL MD da Boeing foi desenvolvido para localizar e engajar objetos voadores com o feixe de luz direcionada.


A Lockheed divulgou video em que demonstra o uso de um laser contra um foguete de teste que teve a ponta incinerada, explodindo em seguida.


O Airborne Laser Testbed foi projetado pela Boeing e pela Northrop Grumann para a Missile Defense Agency dos Estados Unidos, basicamente colocando um laser no nariz de um 747. O projeto foi cancelado por conta do custo alto e repetidas falhas (ver foto acima).



Tactical High-Energy Laser (foto acima),  THEL, um projeto conjunto entre Israel e os Estado Unidos. Em 2000 –1, nos testes destruiu  28 foguetes Katyusha e  5 granadas de artilharia. Porém, o protótipo tinha o volume de seis ônibus. Volume necesário para conter: centro de comando, radar e o telescópio para rastreamento dos alvos, o laser químico, combustível e tanques para os reagentes, o espelho rotativo para refletir o feixe de energia.
 

Em um vídeo conceitual (abaixo), a BAE Systems mostra seu projeto de laser em uma aeronave-conceito, mostrando o armamento como uma tecnologia garantida para o futuro. O laser abatendo mísseis ar-ar seria um dos muitos recursos desse avião fictício.

 

Veja a parte de Directed Energy System 1min e 20 s


http://www.defesanet.com.br/nuclear/noticia/16449/Armas-Laser-e-o-futuro-dos-sistemas-de-interceptacao/


Taglaser nuclear
Notícias relacionadas


LASER – Não é mais o futuro
CENIPA registra sete denúncias de uso de caneta Raio Laser contra aeronaves, em Rondônia
Governo britânico fecha contrato para produção de arma a laser
LASER – Ataque a avião da Virgin aborta voo
Versão recente de laser da Lockheed Martin destroi motor de caminhão em teste
US Navy declara canhão laser pronto para proteger navios no Golfo Pérsico
Workshop destaca a segurança no emprego de tecnologia laser
Canhão laser da Boeing abate alvos com sucesso em ciclo de testes na Flórida
Marinha americana transforma água do mar em combustível
Marinha dos EUA testará armas eletromagnéticas até o final do ano
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: André Luiz em 29 de Novembro de 2017, 20:10:08
Aquele Boeing 747 com canhão laser foi cancelado justamente por isso, era um trambolho, tinha uma assinatura radar gigantesca e o alvo tinha que ficar convenientemente parado.

No meio do caos da batalha aérea, guerra eletrônica comendo, interferência, mísseis... não ia rolar
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 29 de Novembro de 2017, 20:20:11
Aquele Boeing 747 com canhão laser foi cancelado justamente por isso, era um trambolho, tinha uma assinatura radar gigantesca e o alvo tinha que ficar convenientemente parado.

No meio do caos da batalha aérea, guerra eletrônica comendo, interferência, mísseis... não ia rolar

... mas o laser tem a velocidade da luz! Só os cavaleiros do zodíaco podem parar um laser.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Gigaview em 30 de Novembro de 2017, 01:14:28
Aquele Boeing 747 com canhão laser foi cancelado justamente por isso, era um trambolho, tinha uma assinatura radar gigantesca e o alvo tinha que ficar convenientemente parado.

No meio do caos da batalha aérea, guerra eletrônica comendo, interferência, mísseis... não ia rolar

... mas o laser tem a velocidade da luz! Só os cavaleiros do zodíaco podem parar um laser.

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/northamerica/usa/1385134/Deep-frozen-atoms-stop-beam-of-light-in-its-tracks.html
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 30 de Novembro de 2017, 09:39:28
Aquele Boeing 747 com canhão laser foi cancelado justamente por isso, era um trambolho, tinha uma assinatura radar gigantesca e o alvo tinha que ficar convenientemente parado.

No meio do caos da batalha aérea, guerra eletrônica comendo, interferência, mísseis... não ia rolar

... mas o laser tem a velocidade da luz! Só os cavaleiros do zodíaco podem parar um laser.

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/northamerica/usa/1385134/Deep-frozen-atoms-stop-beam-of-light-in-its-tracks.html

continuo certo (https://vignette.wikia.nocookie.net/saintseya/images/7/7a/P%C3%B3_de_diamante.jpg/revision/latest/scale-to-width-down/635?cb=20120322202119&path-prefix=pt)
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 01 de Dezembro de 2017, 09:31:50
Pentágono acelera elaboração de novas tecnologias para enfrentar os mísseis de Pyongyang
© AFP 2017/ JUNG Yeon-Je
DEFESA
09:50 19.06.2017URL curta73327610


Enquanto a Coreia do Norte continua sua missão incessante de desenvolvimento de míssil balístico intercontinental (ICBM, sigla em inglês), cujo alcance poderia possibilitar um ataque nuclear ao território dos EUA, os norte-americanos se debruçam sobre o desenvolvimento de uma nova ferramenta que seja capaz de derrubá-los.


No início de junho, a Agência de Defesa de Mísseis (MDA, sigla em inglês) do Departamento de Defesa dos EUA publicou uma solicitação de informação (RFI, sigla em inglês) de propostas para a fabricação de um drone de grande altitude e grande autonomia (HALE, sigla em inglês), que contasse com um laser capaz de destruir mísseis balísticos durante sua fase de impulso.


Entre outras coisas, a MDA busca um dispositivo capaz de voar a altitudes superiores a 63 mil pés, ou seja, uns 19 quilômetros, e com uma autonomia de pelo menos 36 horas (sem considerar o voo de 3 mil km de volta à sua estação). Além disso, o drone necessita ter uma capacidade de carga entre 5 mil e 12,5 mil libras, ou seja, entre uns 2.270 e 5.670 quilogramas.


A proposta não deixa dúvidas de que os drones vão ser utilizados para ir de frente às ameaças na região Ásia-Pacífico. De acordo com a RFI, "os aviões propostos devem ser capazes de manter controle de terra contínuo e é esperado que operem desde o centro de Mísseis do Pacífico no Havaí e desde a Base da Força Aérea Edwards na Califórnia".

A MDA planeja implementar a ferramenta solicitada antes de 2023.


De acordo com a edição National Interest, durante muito tempo o Pentágono tem mostrado interesse no uso de armas de energia dirigida, isto é, armas laser, para melhorar os sistemas defensivos dos EUA.

O desafio principal é criar um laser que seja suficientemente potente tanto para destruir um míssil balístico como suficientemente pequeno para caber em um avião não tripulado, sublinhou o colunista Zachary Keck.


"Se os militares conseguirem desenvolver a tecnologia adequada, a energia dirigida poderia ser uma benção para as capacidades da defesa antimíssil dos EUA", destacou Keck.


O jornalista recordou que um dos maiores problemas dos sistemas de defesa antimíssil modernos é que os interceptores utilizados para destruir os mísseis balísticos custam muito mais do que os próprios mísseis. As armas laser poderiam ajudar a diminuir os custos desses sistemas.


Outra vantagem do drone HALE, equipado com laser, é que seria capaz de interceptar os mísseis inimigos durante a fase de impulso, ou seja, nos primeiros cinco minutos do seu lançamento. Atualmente, os dispositivos utilizados pelos EUA podem derrubar os mísseis inimigos somente durante as fases intermediárias e finais.


https://br.sputniknews.com/defesa/201706198681098-pyongyang-misseis-balisticos-tecnologia-eua-defesa-antiaerea/



 :lasergun:



 :hihi:



Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 01 de Dezembro de 2017, 09:51:26

O jornalista recordou que um dos maiores problemas dos sistemas de defesa antimíssil modernos é que os interceptores utilizados para destruir os mísseis balísticos custam muito mais do que os próprios mísseis. As armas lazer poderiam ajudar a diminuir os custos desses sistemas.

Outra vantagem do drone HALE, equipado com lazer, é que seria capaz de interceptar os mísseis inimigos durante a fase de impulso, ou seja, nos primeiros cinco minutos do seu lançamento. Atualmente, os dispositivos utilizados pelos EUA podem derrubar os mísseis inimigos somente durante as fases intermediárias e finais.


Armas de lazer seriam estas:

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/86/Nintendo-Entertainment-System-NES-Zapper-Orange-L.jpg/300px-Nintendo-Entertainment-System-NES-Zapper-Orange-L.jpg)

Elas garantem o lazer e a diversão das crianças com seus videogames.

Ou talvez os EUA realmente encaram manobras militares com uma certa diversão, garantindo o lazer.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 21 de Janeiro de 2018, 13:12:20






Comparação - F-22 Raptor versus Sukhoi T-50

 
Hoje no Mundo Militar


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Sdelareza em 21 de Janeiro de 2018, 18:03:04
Esse tipo de arma a laser ainda está longe de sair da ficção científica:

(http://content.pulse.ea.com/content/legacy/starwars-ea-com/pt_BR/starwars/battlefront/news-articles/collect-iconic-heroes-and-dominate-the-universe-in-star-wars-gal/_jcr_content/featuredImage/renditions/rendition1.img.jpg)

Por quê o sabre de laser, de uso muito comum na saga "Star Wars" ainda não existe?

Por quê ainda não se pode encapsular um raio laser ou limitar seu alcance pelas leis conhecidas da física.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 21 de Janeiro de 2018, 18:21:26
Esse tipo de arma a laser ainda está longe de sair da ficção científica:


Por quê o sabre de laser, de uso muito comum na saga "Star Wars" ainda não existe?

Por quê ainda não se pode encapsular um raio laser ou limitar seu alcance pelas leis conhecidas da física.



Encapsular um raio laser pode e se faz,  veja que fibras óticas conduzindo um raio laser são uma espécie de encapsulamento de um raio laser.  Só que usar um raio laser encapsulado com a função de espada não parece nada promissor e útil como arma.




Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 21 de Janeiro de 2018, 18:29:03

E mesmo na suposição de que se pudesse fazer uma  luz laser que parasse a mais ou menos um metro de distância de seu lançador, e que tivesse resistência mecânica de modo a sair cortando (e servindo para parar um golpe da outra luz laser "dura" (a outra espada laser) ) o corpo do oponente  (como se fosse uma espada),  no que é que isso seria melhor do que uma boa submetralhadora, como  por exemplo, uma Uzi ?



Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 21 de Janeiro de 2018, 18:32:25


Submetralhadora Uzi, um ícone da indústria bélica israelense



Hoje no Mundo Militar

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Janeiro de 2018, 17:53:07
Aquele Boeing 747 com canhão laser foi cancelado justamente por isso, era um trambolho, tinha uma assinatura radar gigantesca e o alvo tinha que ficar convenientemente parado.

No meio do caos da batalha aérea, guerra eletrônica comendo, interferência, mísseis... não ia rolar

Talvez consigam o mesmo efeito com um swarm de drones inteligentes, com lêiseres menores cada um, que se movem aleatoriamente mas continuam mirando no alvo, mesmo em movimento.

Talvez eles possam ter ainda "parceiros" que os defendam de alguns ataques direcionados por calor, seja por serem eles mesmos decoys, ou por dispararem contra algum tipo de míssil que possa ser detonado antecipadamente dessa forma.





Armas de lazer seriam estas:

(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/8/86/Nintendo-Entertainment-System-NES-Zapper-Orange-L.jpg/300px-Nintendo-Entertainment-System-NES-Zapper-Orange-L.jpg)

Elas garantem o lazer e a diversão das crianças com seus videogames.

Ou talvez os EUA realmente encaram manobras militares com uma certa diversão, garantindo o lazer.

(https://http2.mlstatic.com/pistola-master-system-D_NQ_NP_800411-MLB20544054017_012016-F.jpg)
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 22 de Janeiro de 2018, 18:19:54
Talvez consigam o mesmo efeito com um swarm de drones inteligentes, com lêiseres menores cada um, que se movem aleatoriamente mas continuam mirando no alvo, mesmo em movimento.

Talvez eles possam ter ainda "parceiros" que os defendam de alguns ataques direcionados por calor, seja por serem eles mesmos decoys, ou por dispararem contra algum tipo de míssil que possa ser detonado antecipadamente dessa forma.


Papo de maluco.

Isso aí não está longe da cena de Star Wars episódio 3, com aquele míssil de aranhas robóticas que despedaçam a nave.

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Janeiro de 2018, 18:31:05
https://www.youtube.com/v/ndFKUKHfuM0

The Pentagon's Autonomous Swarming Drones Are the Most Unsettling Thing You'll See Today
Ejected from a fighter, the tiny drones collaborate to accomplish their mission—with not a single human involved
http://www.popularmechanics.com/military/aviation/a24675/pentagon-autonomous-swarming-drones/

Citar
The system goes online August 4th, 1997.
Human decisions are removed from strategic defense.
Skynet begins to learn at a geometric rate.
It becomes self-aware at 2:14 a.m. Eastern time, August 29th.
In a panic, they try to pull the plug.
Skynet fights back.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 13 de Maio de 2018, 11:20:15




Combates Aéreos - Combates do Futuro



Através das últimas técnicas em animação computadorizada, foram recriados os momentos culminantes da história dos combates bélicos. A cada semana mostraremos um episódio memorável para que você se sinta bem ali, em meio aos cenários originais, os quais foram reconstituídos a partir dos registros reais destes confrontos. Se você gosta de aviões, de helicópteros, de navios e submarinos, este programa é para você. Você está preparado para enfrentar o inimigo.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 01 de Junho de 2018, 18:25:57






O Wasp e o F-35B


Hoje no Mundo Militar



 
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 07 de Junho de 2018, 10:01:59
https://www.youtube.com/v/tW7IgKJWtqk
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 10 de Junho de 2018, 13:52:56





F-22 Raptor - O primeiro caça de 5ª geração do mundo



Hoje no Mundo Militar


Publicado em 27 de out de 2016


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 10 de Junho de 2018, 14:07:53



Lockheed Martin F-35 Lightning II


Hoje no Mundo Militar

Publicado em 26 de dez de 2016



Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 11 de Junho de 2018, 17:23:35

USAF: reinício da produção do F-22 custaria mais de US$ 50 bilhões


15 de Fevereiro de 2018 7410 50


Por Oriana Pawlyk


Desculpe, fãs de Raptor. Como muitos esperavam, o reinício do F-22 nunca acontecerá.


 
E a razão n° 1 é o custo, de acordo com um novo estudo.

Em um relatório reservado submetido ao Congresso este mês, a Força Aérea dos EUA calculou que custaria aproximadamente “US$ 50 bilhões para obter 194 caças F-22 adicionais, com um custo estimado de US$ 206 milhões a US$ 216 milhões por aeronave”, disseram oficiais ao Military.com na quarta-feira .

“O total inclui uma estimativa de aproximadamente US$ 9,9 bilhões para custos iniciais não recorrentes e US$ 40,4 bilhões para custos de aquisição de aeronaves”, disse o serviço.

A secretária da Força Aérea, Heather Wilson, entregou o relatório aos comitês de defesa do Congresso no dia 9 de junho. No ano passado, o subcomitê das Forças Aéreas e Terrestres do Serviço Armado da Casa encomendou ao serviço um estudo sobre o que seria necessário para reabrir a linha de produção F-22 da Lockheed Martin.

“A Força Aérea não tem planos de reiniciar a linha de produção do F-22, não teria sentido econômico ou operacional”, de acordo com uma declaração da porta-voz da Força Aérea capitão Emily Grabowski.

O serviço, em vez disso, recomendou a aplicação de recursos aos “planos de desenvolvimento de capacidades descritos no Air Superiority 2030 Enterprise Capability Collaboration Team Flight”, disse ela.

O Air Superiority 2030 é o plano para promover avançados aviões de combate, sensores e armas em um ambiente de ameaças crescente e imprevisível.

O potencial projeto do F-22 inevitavelmente custaria bilhões.

De acordo com um estudo do “think tank” Rand de 2010, reiniciar a linha de produção do F-22 para construir apenas mais 75 jatos iria custar cerca de US$ 20 bilhões em dólares ajustados à inflação.

Parte do motivo é que o serviço iria construir um Raptor novo e moderno – não uma versão dos anos 90.

“Você não está construindo o mesmo avião que estava construindo antes, e se torna uma proposição muito mais cara”, disse um analista de defesa em Washington, DC, ao Military.com informalmente em março. “Então, você fabrica um novo “antigo” F-22, ou fabrica um melhor?” disse o analista.

Além disso, o custo previsto pelo Rand era uma estimativa aproximada para reiniciar a produção e construir uma pequena quantidade de aviões. Não levou em conta o custo da contratação de trabalhadores, integração de novas tecnologias furtivas, ou treinamento e equipagem de pilotos adicionais.

Então, a mensagem é clara: F-35 ou nada.

FONTE: military.com


https://www.aereo.jor.br/2018/02/15/usaf-reinicio-da-producao-do-f-22-custaria-mais-de-us-50-bilhoes/


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Junho de 2018, 08:37:15
Mais Bilhões de dólares de interferência na economia:


A invasão dos drones: um negócio de US$ 55 bilhões


Quase um terço dos aviões militares dos Estados Unidos, hoje, não são tripulados – e esse mercado só tende a crescer, em todo o mundo

Por Márcio Juliboni

access_time 10 jan 2012, 18h42

chat_bubble_outline more_horiz

Drone em base dos EUA

Drone em base dos EUA: empresas travam batalha para conquistar um mercado bilionário (Getty Images/)


São Paulo – Há dez anos, os drones pareciam pertencer mais à saga Guerra nas Estrelas, do que à realidade. Mas o fato é que os aviões não tripulados já representam 31% da frota militar dos Estados Unidos. E mais: são um negócio em franca expansão, tanto para veteranas do setor, como a Boeing, como para empresas menos conhecidas, como a General Atomics.


De acordo com um documento divulgado hoje pelo site da Wired, a invasão dos drones acelerou nos últimos anos. Em 2005, por exemplo, apenas 5% da frota militar americana era formada por essas aeronaves. Hoje, há 7.494 drones em operação, contra 10.767 aviões pilotados.


Em um país onde a indústria bélica tem a força, os drones também se tornaram um mercado bilionário. Nos últimos dez anos, esse negócio movimentou 26 bilhões de dólares. E há potencial para muito mais. A Força Aérea americana estima que, em 2020, o mercado mundial de drones alcance 55 bilhões de dólares – sendo 77% dele dominado pelos Estados Unidos.


Alvo: novos contratos


Como tudo que envolve dinheiro, várias empresas já iniciaram uma corrida para dominar a maior fatia desse mercado. Já em 2009, um relatório divulgado pela Forbes informava que a Boeing, por exemplo, espera alcançar 1 bilhão de dólares em faturamento nesse mercado, por volta de 2015. A operação é tocada por meio da Insitu, uma controlada que começou como construtora de bases de lançamento


Mas, ao lado de medalhões como a maior fabricante de aviação dos Estados Unidos, estão concorrentes relativamente novos nesse mercado. Um dos casos de maior sucesso é o da GAA, controlada pela companhia de energia atômica General Atomics.


Criada em 1993, a GAA é responsável pelo desenvolvimento de um dos maiores sucessos do mundo dos drones, o Predator – um avião de ataque já utilizado em missões no Paquistão e no Iêmen, entre outros lugares. Atualmente, as Forças Armadas americanas possuem 161 deles.


Notícias sobre AviaçãoBoeingDronesEmpresasEmpresas americanasExércitoSetor de transporteSetoresVendas


https://exame.abril.com.br/negocios/a-invasao-dos-drones-um-negocio-de-us-26-bilhoes/
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Junho de 2018, 08:45:21
E muitos novos liberais brazucas ficam tentando vender a ideia de que o Estado não deve interferir na economia, entretanto o país mais rico e poderoso do mundo tem um  Estadão  que  interfere de forma significativa na economia.

Ou seja temos um bom  exemplo de mais uma ideia furada que novos liberais brazucas tentam vender. 





Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Lorentz em 12 de Junho de 2018, 16:49:10
E muitos novos liberais brazucas ficam tentando vender a ideia de que o Estado não deve interferir na economia, entretanto o país mais rico e poderoso do mundo tem um  Estadão  que  interfere de forma significativa na economia.

Ou seja temos um bom  exemplo de mais uma ideia furada que novos liberais brazucas tentam vender. 







O país mais rico do mundo tem um Estadão, mas não tem o melhor IDH, a melhor educação, a melhor eleição, as melhores políticas econômicas e sociais ou serviços mais baratos e de melhor qualidade. A China também caminha para ser o mais rico e é uma lástima em vários quesitos.

A riqueza absoluta não é um bom indicador de boa saúde econômica do país.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Junho de 2018, 19:43:24

E muitos novos liberais brazucas ficam tentando vender a ideia de que o Estado não deve interferir na economia, entretanto o país mais rico e poderoso do mundo tem um  Estadão  que  interfere de forma significativa na economia.

Ou seja temos um bom  exemplo de mais uma ideia furada que novos liberais brazucas tentam vender. 







O país mais rico do mundo tem um Estadão, mas não tem o melhor IDH, [...]



Maior IDH ?


Noruega      Ranking IDH Global   País   IDH 2014

Muito Alto Desenvolvimento Humano

1   Noruega   0,944


Carga Tributária (% PIB)

Noruega   42,80%


A Noruega  (proporcionalmente)  também tem um Estadão.








Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Junho de 2018, 19:47:57

Mas, o IDH do Estadão EUA está muito próximo  do Estadão  Noruega.


IDH: 0,920 (Pnud 2016) - desenvolvimento humano muito alto.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 12 de Junho de 2018, 20:13:29
Creio que o IDH americano é muito mais heterogêneo, com maior desigualdade, e mais regiões com IDH de terceiro mundo.

(https://assets.weforum.org/wp-content/uploads/2015/11/1511B11-global-inequality-work-map-GINI.png)

(http://ispol.com/sasha/hdi/USA_HDI.gif)
Citar
(http://4.bp.blogspot.com/_H6XW_a4TYus/SgB91cPAwhI/AAAAAAAAAtw/Q_A2F3RV_u4/s1600/human+development+index+by+state+map.bmp)



...

South Carolina - .871
43. Lithuania - .869
44. Latvia - .863
45. Croatia - .862
46. Argentina - .860
47. Uruguay - .859
48. Cuba - .855
49. Bahamas - .854
50. Costa Rica - .847
51. Mexico - .842
52. Libya - .840
53. Oman - .839
54. Seychelles - .836
55. Saudi Arabia - .835
56. Bulgaria - .834
57. Trinidad and Tobago - .833
58. Panama - .832
59. Antigua and Barbuda - .830
60. Saint Kitts and Nevis - .830
61. Venezuela - .826
62. Romania - .825
63. Malaysia - .823
64. Montenegro - .822
65. Serbia - .821
66. Saint Lucia - .821
Kentucky - .820
67. Belarus - .817
Tennessee - .816
Oklahoma - .815
Alabama - .809

68. Macedonia - .808
69. Albania - .807
70. Brazil - .807
71. Kazakhstan - .807
72. Ecuador - .807
73. Russia - .806
Arkansas - .803
74. Mauritius - .802
75. Bosnia and Herzegovina - .802
Louisiana - .801
West Virginia - .800
Mississippi - .799

76. Turkey - .798


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 21 de Agosto de 2018, 03:16:39
Citar
https://www.youtube.com/v/FyUTNRIuAqc

RAND researchers present an overview of their key findings on hypersonic missiles — a new class of military threat capable of maneuvering and flying faster than 5,000 kilometers per hour. Richard Speier, George Nacouzi, Rich Moore, and 2015–2016 Stanton Nuclear Fellow Carrie Lee describe how speed and maneuverability enable such missiles to penetrate most missile defenses, and further compress the timelines for a response by a nation under attack. This research, sponsored by the Carnegie Corporation of New York for its project Disruptive Technologies and the Future of Deterrence, suggests that there is probably less than a decade available to substantially hinder the potential proliferation of hypersonic missiles and associated technologies.


https://qz.com/1350327/china-tested-a-hypersonic-weapon-the-us-cant-defend-against/

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 26 de Fevereiro de 2019, 10:13:35


Após ‘kill ratio’ de 20:1, caças F-35A assumirão papel de liderança no próximo Red Flag


Por Fernando Valduga - 27/01/2019



Uma formação de F-35A Lightning IIs, das 388ª e 419ª Alas de Caça, sobrevoam a Área de Teste e Treinamento de Utah.(Foto: U.S. Air Force / Staff Sgt. Andrew Lee)


Os pilotos e mantenedores da 388ª Ala de Caça (FW), da Base Aérea de Hill, Utah, levaram seus caças furtivos F-35A e uma “maior letalidade” ao assumirem o papel principal no exercício Red Flag 19-1, na Base da Força Aérea de Nellis, Nevada, EUA.


De 26 de janeiro a 15 de fevereiro, aproximadamente 200 aviadores da Base Aérea de Hill, incluindo reservistas da 419ª Ala de Caça, participarão do que é conhecido como o principal exercício de treinamento de combate da Força Aérea dos EUA.



[...]


“Temos um pacote de software atualizado que melhorou nossa fusão de sensores. Temos um envelope de voo expandido com mais manobrabilidade. Temos a capacidade de empregar mais armas, incluindo o canhão de 25 mm”, disse o tenente-coronel Yosef Morris, comandante do 4º Esquadrão de Caça. “Quando juntamos essas coisas com os dois anos, tivemos que melhorar nossas táticas, estamos trazendo um F-35A muito mais letal para este Red Flag e, finalmente, para o campo de batalha.”


[...]



http://www.cavok.com.br/blog/apos-kill-ratio-de-201-cacas-f-35a-assumirao-papel-de-lideranca-no-proximo-red-flag/
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 26 de Fevereiro de 2019, 10:21:08
Caça F-35 domina mais uma vez o exercício Red Flag com taxa de kills de 20:1


19 de fevereiro de 2019


O F-35 dominou os primeiros exercícios Red Flag deste ano com uma taxa de kills de 20:1.

O Red Flag 19-1 acaba de chegar ao fim e, com base em relatórios oficiais, mais uma vez o F-35 superou os Aggressors.
Os recentes treinos do Red Flag foram realizados ao longo das últimas três semanas e contou com a participação de uma dúzia de caças F-35A da Força Aérea do 4º Esquadrão de Caça da 388th Fighter Wing, juntamente com muitos outros tipos de aeronaves de combate.


De fato, embora os primeiros relatos sugerissem uma “kill ratio” de 15 para 1, o recente depoimento da Força Aérea pelo tenente-general Jerry D. Harris, vice-comandante do Comando de Combate Aéreo caracterizou a taxa de mortalidade como “20:1” significando que, para um F 35A “perdido” em combate simulado em um ambiente de alta ameaça, a aeronave destruiu 20 aeronaves inimigas simuladas pertencentes à “Força Vermelha”.


Dois anos mais tarde, com a subsequente atualização do software Block 3F disponível, que fornece 100 por cento do software necessário para a capacidade de combate total, os F-35 mais uma vez testaram suas habilidades como parte da “Força Azul” na Força Aérea no primeiro combate aéreo realizado na Base Aérea Nellis: um Red Flag “exponencialmente mais desafiador”, de acordo com os aviadores do 4º Esquadrão de Caça da Asa de Combate da 388ª.


De acordo com os aviadores da 388th FW, durante a primeira semana do Red Flag 19-1, os pilotos do F-35 voaram em uma força maior de Blue Air em uma missão contra-aérea. Mais de 60 aeronaves agressoras estavam voando contra elas, cegando muitas das aeronaves de quarta geração com capacidades de ataque eletrônico “robustas”.



https://www.aereo.jor.br/2019/02/19/caca-f-35-domina-mais-uma-vez-o-exercicio-red-flag-com-taxa-de-kills-de-201/


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 26 de Fevereiro de 2019, 10:33:57


Fim da linha para o Su-57?


Por Giordani - 14/07/2018



Foi noticiado na mídia internacional que a Rússia teria cancelado a produção em massa do seu caça furtivo de quinta geração Su-57.


Segundo o Business Insider, a Rússia teria admitido a derrota de seu jato ante o F-35 ao cancelar a produção em massa do Su-57. Já para o jornal The Diplomat, a produção em massa do Su-57 não é necessária agora, conforme disse o vice-ministro da Defesa da Rússia. O fato é que há tempos a mídia indiana vem dizendo que o Su-57, com base nos militares daquele país, não é um caça furtivo de 5ª geração. A decisão da Rússia pode acabar corroborando com tal afirmação.




Caça Su-57 durante show aéreo no MAKS, próximo a Moscou. (Foto: Marina Lystseva)


A Rússia anunciou no início deste mês que o Su-57, sua proposta de entrada no mundo dos caças furtivos de quinta geração, não entraria mais em produção em massa. “O avião provou ser muito bom, inclusive na Síria, onde confirmou seu desempenho e capacidade de combate“, disse o vice-ministro da Defesa russo, Yuri Borisov, na TV russa no dia 2 de julho.


Mas, apesar do elogio ao avião e de afirmações duvidosas sobre suas habilidades, Borisov disse, segundo o The Diplomat, que “a produção em série do Su-57 não faz sentido neste estágio e só ocorrerá quando os caças de combate de quarta geração mais antigos da Força Aérea Russa ficarem atrás de seus equivalentes ocidentais“.


Justin Bronk, um especialista em aviação de combate do Royal United Services Institute, disse que os comentários de Borisov “poderiam ser caridosamente descritos como uma razão excessivamente otimista para a interrupção da produção“.


Basicamente, Borisov disse que “o avião é muito melhor do que tudo que a Rússia não precisa construir” – uma alegação que Bronk acha improvável.
Em vez disso, a Rússia manterá o que é bom, com aeronaves de quarta geração em serviço atualizadas, em vez do Su-57, que foi originalmente concebido para substituir os caças mais antigos.


O Su-57, um avião projetado com uma variedade inovadora de radares para ser o assassino dos jatos furtivos F-35 e F-22 dos EUA, viu um breve período de combate na Síria, mas a implantação durou apenas alguns dias e não aconteceu nada de excepcional.


Acredita-se que o voo, além de fins puramente publicitário, testou mesmo a capacidade de translado do avião.


O custo unitário de um Su-57 é estimado em cerca de US$ 40-45 milhões (2,5 vezes menos do que o F-35). Em junho, o ministério da Defesa da Rússia concedeu à SC Sukhoi Company um contrato inicial para o fornecimento do primeiro lote de 12 aeronaves.


O Su-57 é um multirole, assento único, bimotor de superioridade aérea desenvolvido sob o programa de caça de quinta geração PAK-FA. O Su-57, que fez seu voo inaugural em 2010, foi originalmente projetado para substituir a envelhecida frota de caças MiG-29 e Su-27 da Força Aérea Russa nas décadas de 2020 e 2030. Ao que parece, o cronograma não será mais mantido.


Para diversos analistas militares, a verdadeira razão pela qual a aeronave não vai entrar em produção em massa no curto prazo são as várias dificuldades técnicas que ainda precisam ser superadas. Por exemplo, a indústria de aviação militar russa ainda luta para desenvolver o motor de próxima geração da aeronave. O novo motor, chamado de Saturno izdeliye 30 (supostamente com aumento de empuxo, eficiência de combustível e equipado com empuxo vetorado 3D) não deverá estar pronto para produção em série antes de 2020


[...]


Restante no link:


http://www.cavok.com.br/blog/fim-da-linha-para-o-su-57/comment-page-2/


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Março de 2019, 09:19:15



Barrett M82


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa

O M107.

Um militar norte americano com seu fuzil M82A1.


Barrett M82 é um fuzil de precisão que dispara um projétil de grosso calibre (.50 BMG, com 12,7 mm de diâmetro). Foi desenvolvido a pedido do Exército Norte-Americano, que desejava um fuzil preciso e com alto poder de destruição, para cumprir o papel de arma anti-material (ou seja, projetada não só para deter combatentes humanos, mas também para causar danos materiais, sejam em construções, veículos leves,carros de combate, veículos blindados, eventualmente aeronaves etc.) considerada uma das armas de fogo mais destruidoras da atualidade. É capaz de disparar efetivamente a 1.8Km do alvo (sendo o maximo 6.812,3 M.)[1]


https://pt.wikipedia.org/wiki/Barrett_M82
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Março de 2019, 09:22:33
22 de Novembro, 2012 - 08:52 ( Brasília )
Armas

SNIPER - Novo Recorde de Distância 2.815m


Novo Recorde de Distância para Tiro de Sniper no Afeganistão: 2.815m

Sniper australiano em operação no Afeganistão.

 

Alexandre Beraldi


Uma equipe de snipers das forças especiais australianas utilizou dois fuzis Barret modelo M82 A1 em calibre 12,7x99mm OTAN (.50 BMG) para abater um comandante Taleban à distância de 2,815 metros, estabelecendo um novo recorde mundial.


O feito ocorreu na província de Helmand onde a equipe de snipers do 2º Regimento de Comandos (2nd Commando Regiment) operava. Durante as operações a equipe observou o deslocamento do que parecia uma fração de guerrilheiros Talebans através de suas lunetas de espotagem.


Após a confirmação de que tais alvos eram de fato inimigos e do recebimento de autorização para o engajamento, a equipe procurou identificar o alvo de maior valor no grupo, rapidamente individualizando aquele que seria o comandante da fração.


Ao preparar o disparo e confirmar por meio de todos os instrumentos disponíveis que o alvo se encontrava à distância de 2.815 m, optaram por efetuar o disparo simultâneo de dois fuzis Barret .50 para aumentar as chances de acerto.


Ambos os snipers acionaram os gatilhos de seus fuzis Barret M82 A1 simultaneamente, lançando os dois projéteis de 47 gramas num vôo que durou seis segundos até que um deles atingiu o alvo, neutralizando-o imediatamente.


Como foi utilizada a técnica do disparo simultâneo, não foi possível determinar qual dos snipers atingiu o alvo, sendo apenas certo que um novo recorde de acerto a longa distância foi estabelecido: pouco menos de 3 quilômetros. A esta distância os demais guerrilheiros Talebans não foram capazes nem mesmo de ouvir o disparo.


O recorde anterior pertencia ao sniper inglês Craig Harrison, que utilizando seu fuzil L115 A3 (Accuracy International AWM) no calibre .338 Lapua Magnum (8,6x70mm), foi capaz de abater a guarnição de uma metralhadora de emprego geral PKM, composta por dois guerrilheiros Taleban,  a 2.475 metros de distância. O novo recorde, 340 metros maior, permanece anônimo.



http://www.defesanet.com.br/armas/noticia/8716/SNIPER---Novo-Recorde-de-Distancia--2-815m/

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Março de 2019, 09:33:31

Batalhão “Tonelero” realiza primeiro disparo com o Fuzil de Precisão Antimaterial PGM HECATE II

Luiz Padilha por LUIZ PADILHA   02/09/2014 - 10:30  em Naval   3



Fuzil antimaterial PGM HECATE II


No dia 22 de agosto, foi realizado pelo Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (BtlOpEspFuzNav), Batalhão “Tonelero”, o primeiro disparo para regulagem do Fuzil antimaterial PGM HECATE II, fuzil de alta potência, calibre 12.7 x 99 mm (.50), fabricado pela empresa francesa PGM Précision, recém adquirido pelo Corpo de Fuzileiros Navais.


Na ocasião, a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) apresentava novos produtos desenvolvidos por aquela indústria, entre eles a munição especial .50 a ser utilizada pelos atiradores de precisão. Com essa capacitação, elevamos as possibilidades na atividade de CAÇADOR do BtlOpEspFuzNav, em função do alcance útil de 1800 metros e do poder de parada e perfuração do calibre .50, capaz de penetrar uma chapa de aço temperado com espessura de 22 mm posicionada a 500 metros da posição da arma. Assim, ampliamos a capacidade dos Comandos Anfíbios de cumprir missões de destruição e de neutralização (antimaterial) de alvos relevantes como viaturas blindadas, aeronaves e instalações de interesse.


Estavam presentes ao evento o Vice-Almirante Alipio Jorge Rodrigues da Silva, Diretor de Sistemas de Armas da Marinha; o Contra-Almirante (FN) Gilmar Francisco Ferraço, Comandante do Material de Fuzileiros Navais; além de autoridades e representantes do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira.


https://www.defesaaereanaval.com.br/naval/batalhao-tonelero-realiza-primeiro-disparo-com-o-fuzil-de-precisao-antimaterial-pgm-hecate-ii

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 12 de Março de 2019, 09:41:49

RPG (arma)


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Um soldado afegão disparando um RPG-7, 2013

Um RPG-7.


Um soldado iraquiano com seu RPG.

Um soldado alemão com sua Panzerfaust.


Rocket-propelled grenade, ou RPG (em português: granada lançada por foguete), é uma arma de apoio de fogo da infantaria destinada ao lançamento de granadas especiais com a capacidade de auto-propulsão. Os RPGs têm origem nas armas semelhantes (bazookas norte-americanas e Panzerfaust alemãs) utilizadas na Segunda Guerra Mundial para destruição de carros de combate e infantaria.[1]


Índice
1Histórico
2Modelos
3Referências
4Ver também
Histórico


Após a Segunda Guerra Mundial, o desenvolvimento deste tipo de sistemas lançadores de granadas via combustível propelente, sofreu grandes avanços, tendo o seu apogeu no sistema de origem Soviética/Russa, o conhecido RPG-7, que conjuga as melhores características do Panzerfaust e da bazooka.

No mundo contemporâneo, é muito utilizado por grupos de resistência do Iraque, da Palestina (Hamas), do Líbano (pelo grupo xiita Hezbollah), ainda sendo utilizado por exércitos regulares.

Modelos

O modelo RPG-7V pode levar uma mira telescópica e miras de infravermelhos ou visores noturnos passivos. Todos os modelos de RPG-7 possuem miras ópticas que poderão ser adaptadas para visão noturna.

Dentro da gama de granadas disponíveis atualmente estão as PG-7, PG-7M, PG-7N. A PG-7V tem uma capacidade de penetração de 330mm em blindagem de aço. A versão PG-7VL consegue penetrar até 600mm em blindagens de aço. A PG-7VR é uma granada com ogivas em tandem (uma à frente da outra).

Este desenho foi escolhido para penetrar as mais modernas blindagens reativas e a blindagem por detrás dessa, com que os tanques e blindados modernos podem estar equipados.

As granadas OG-7 e OG-7M possuem ogivas explosivas anti-pessoa. A versão OG-7V é uma granada de 2Kg, com 40mm de diâmetro. Possui uma ogiva de fragmentação efetiva a um alcance máximo de 350m, com um raio de ação 150m.

O Exército Brasileiro emprega atualmente o Lança Rojão AT-4.


https://pt.wikipedia.org/wiki/RPG_(arma)

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 16 de Abril de 2019, 13:18:44
B53


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Teste nuclear com a B46 alterada(renomeada depois de TX-53).

A B53 é uma bomba termonuclear construída pelos Estados Unidos.[1] A bomba tem um poder de destruição equivalente a 9 Megatons.


Foto da B53. Veja como é feita para penetrar na terra.


Índice
1   História
2   Nova estratégia
3   Efeito
4   W53
5   Ver também
6   Referências
7   Ligações externas


História

O desenvolvimento da arma começou em 1955 no laboratório de Los Alamos, em 1958 foi emitido um pedido necessitando um nova bomba de classe C(uma bomba com menos de cinco toneladas com o rendimento de megatons). Uma bomba atualizada da B46(considerada uma B53 experimental) foi testada em junho de 1958 durante a Operação Hardtack I com a alcunha de Oak(carvalho) e um rendimento real de 8,9Mt. Entrou em produção em junho de 1962 ate 1965. Até 1965 haviam sido construídos 340 artefatos, estes artefatos foram usados em serviço pelos aviões B-47 Stratojet, B-58 Hustler e pelo lendário B-52 Stratofortress. Elas começaram a ser desmanteladas a partir de 1967, restando apenas 50 bombas de gravidade e 50 ogivas W53(ver abaixo), depois que uma versao da B53 em forma de ogiva quase detonou em um míssil titan quando este explodiu, todas as ogivas foram aposentadas em 1997, em 2010 as 50 bombas restantes começaram a serem desmanteladas.


Nova estratégia

A B53 foi feita com a esperança de que ao cair penetrasse no solo, já que os soviéticos estavam fazendo túneis bem profundos para resistirem às bombas termonucleares. Se as bombas penetrassem no solo, ao explodir destruiriam o abrigo e certamente matariam quem estivesse lá, não deixando sobreviventes. Esse tipo de bomba passou a ser chamada de arma nuclear anti-bunker (bunker: abrigo subterrâneo).



Efeito

Uma bomba de 9 Mt gera uma bola de fogo de 4–5 km de diâmetro. O calor irradiado é capaz de causar queimaduras fatais a qualquer pessoa que estiver desprotegida a 28 km de distância, e causaria o colapso de todas as estruturas residenciais e industriais dentro de 14.6 quilômetros de distância. Dentro de um raio de 100 km, a maioria das pessoas morreriam por conta de destroços e por conta da radiação.

W53

Pacote físico da W53


Uma ogiva foi feita a partir da B53, esta ogiva foi denominada W53, ela tinha o mesmo pacote físico(o invólucro e os núcleos primários e secundários) e portanto o mesmo projeto da B53 mas ao invés desta a W53 recebeu uma fuselagem para que resistisse a reentrada, foi operada em mísseis Titan. Foi a ogiva com o maior rendimento dos EUA, com um rendimento total de 9 Mt. Em 19 de setembro de 1980, um foguete Titan teve vazamento de combustível e explodiu no silo, a explosão lançou a ogiva que nao detonou e nem houve vazamento de material radioativo. Elas foram aposentadas junto com os Titans em 1988 mas so foram desmanteladas em 1997.


https://pt.wikipedia.org/wiki/B53




Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 16 de Abril de 2019, 13:20:10
A B53 foi a bomba mais poderosa do arsenal nuclear americano, uma bomba  de 9 megatons.  Na sua versão para míssil ela era acondicionada no topo de um míssil Titan II  e recebia a denominação W 53 ( W-53 para LGM-25C Titan II ).


https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_armas_nucleares
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 22 de Abril de 2019, 10:05:14

Poderosa e rara pistola russa é vista pela 1ª vez no Iêmen

(FOTO) © Foto: Vitaly V. Kuzmin

DEFESA

09:23 22.04.2019(atualizado 09:32 22.04.2019)

Como informa o portal Russkoe Oruzhie, a pistola russa semiautomática SR-1 Gyurza é considerada no Iêmen um modelo de arma ligeira exclusiva e muito poderosa.

De acordo com o portal, a arma foi elaborada no Instituto Central de Investigação de Engenharia, que faz parte da corporação estatal Rostec.

Exclusive: Here's something you've never seen before in #Yemen: An extremely rare Russian SR-1 Gyurza 9x21 pistol.

The SR-1, resembling an upscaled Makarov, fires a somewhat unique cartridge & in this case we can see some 7N29 Armour Piercing rounds, designed to defeat kevlar. pic.twitter.com/ctrvI00GYM

— Cᴀʟɪʙʀᴇ Oʙsᴄᴜʀᴀ (@CalibreObscura) 21 de abril de 2019

​Exclusivo: Aqui está algo que você nunca viu antes no Iêmen: a rara pistola russa SR-1 Gyurza. A SR-1, semelhante a uma pistola Makarov, dispara um cartucho de 9x21 mm e, neste caso, podemos ver a munição perfurante 7N29, projetada para perfurar coletes de kevlar


O potente cartucho de 9x21 mm desta pistola pode penetrar facilmente vários tipos de coletes à prova de balas. A SR-1 Gyurza foi fornecida ao Iémen ainda antes do início da guerra civil, em 2014, quando as Forças Armadas do Iêmen compraram um lote de armas ligeiras à Rússia.


https://br.sputniknews.com/defesa/2019042213733579-poderosa-rara-pistola-russa-vista-primeira-vez-iemen-foto/

Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 02 de Maio de 2019, 10:15:22
Davy Crockett (nuclear device)


From Wikipedia, the free encyclopedia


Davy Crockett was a recoilless gun on a tripod for firing the M-388 atomic round


The M-28 or M-29 Davy Crockett Weapon System was the tactical nuclear recoilless gun (smoothbore) for firing the M-388 nuclear projectile that was deployed by the United States during the Cold War. It was one of the smallest nuclear weapon systems ever built, with a yield between 10 and 20 tons TNT equivalent (40–80 gigajoules). It is named after American folk hero, soldier, and congressman Davy Crockett.


[...]

Versions of the W54 warhead were also used in the Special Atomic Demolition Munition project and the AIM-26A Falcon.

Mk-54 (Davy Crockett): 10 or 20 ton yield, Davy Crockett Gun warhead

Mk-54 (SADM): variable yield 10 ton to 1 kiloton, Special Atomic Demolition Munition device

W-54: 250 ton yield, warhead for AIM-26 Falcon air-to-air missile


[...]


https://en.wikipedia.org/wiki/Davy_Crockett_(nuclear_device)


---------------


A Davy Crockett  é uma arma nuclear tática bem pequena com rendimento de apenas 10 a 20 toneladas de TNT. 


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 24 de Maio de 2019, 14:19:43





F-35: DETONANDO MITOS DO CAÇA/1ª PARTE-VÍDEO 614



ARTE DA GUERRA


Publicado em 24 de mai de 2019

Ricardo Nunes, articulista de Defesa e Tecnologia Militar , delineia o projeto e apresenta suas inovações.



--------------------




Vídeo  apresentando informações  sobre o F-35.  De forma resumida podemos dizer que o F-35 é efetivamente um avião avançado e que superou  até mesmo o F-22 em alguns pontos.
Não foi a toa que foi escolhido pela IAF, a qual  tem larga experiência em efetivas operações de guerra no conflituoso ambiente do Oriente Médio.


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Maio de 2019, 14:41:11
Quanto custou seu desenvolvimento, comparado a alternativas próximas? Em quanto tempo se estima se recuperar o investimento?


https://www.vox.com/2015/3/24/8279745/space-budget-nasa

(https://cdn.vox-cdn.com/thumbor/POu43sG1t-w4A5JNYgr6Gk8wn6Y=/0x0:755x378/1200x0/filters:focal(0x0:755x378):no_upscale()/cdn.vox-cdn.com/uploads/chorus_asset/file/3535926/vox-share__18_.0.png)


(https://www.graphicnews.com/links/gn_swf/swf-34500-34999/GN34939R_EN/GN34939-Artboard_1.png)
https://www.graphicnews.com/en/pages/34939/AVIATION-F-35-stealth-fighter-costs


https://www.pogo.org/investigation/2018/08/f-35-program-cutting-corners-to-complete-development/


(https://thumbor.forbes.com/thumbor/960x0/https%3A%2F%2Fblogs-images.forbes.com%2Fniallmccarthy%2Ffiles%2F2018%2F09%2F20180914_F35.jpg)
https://www.forbes.com/sites/niallmccarthy/2018/09/14/the-evolution-of-the-f-35s-unit-cost-infographic/



Me pergunto se com IA e etc não é algo que já nasce meio obsoleto.

https://nationalinterest.org/blog/buzz/no-f-22-or-f-35-dogfights-how-ai-could-kill-all-our-top-gun-fantasies-57972

https://www.youtube.com/v/ndFKUKHfuM0

The Pentagon's Autonomous Swarming Drones Are the Most Unsettling Thing You'll See Today
Ejected from a fighter, the tiny drones collaborate to accomplish their mission—with not a single human involved
http://www.popularmechanics.com/military/aviation/a24675/pentagon-autonomous-swarming-drones/

Citar
The system goes online August 4th, 1997.
Human decisions are removed from strategic defense.
Skynet begins to learn at a geometric rate.
It becomes self-aware at 2:14 a.m. Eastern time, August 29th.
In a panic, they try to pull the plug.
Skynet fights back.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 24 de Maio de 2019, 14:52:02
Analisando a assinatura radar (RCS) do caça F-35

Publicado em 03/11/2017 por tecnomilitar

A capacidade de sobrevivência de uma aeronave pode ser considerada tão importante quanto a letalidade. Uma aeronave que retorna de uma missão irá atacar novamente. Um dos ativos mais importante na garantia da sobrevivência de uma aeronave é sua assinatura radar, quanto maior sua assinatura mais distante pode ser detectada e engajada por um oponente. O Lockheed Martin F-35 “Lightning II” como uma aeronave da Geração 5 possui em sua pequena assinatura radar um dos seus principais atributos. Não é o objetivo desta análise apresentar as técnicas utilizadas para diminuir a assinatura radar da aeronave, mas tão somente a ordem de grandeza da mesma.

[...]




https://tecnomilitar.wordpress.com/2017/11/03/assinatura-radar-rcs-do-f-35/


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 24 de Maio de 2019, 14:53:15
Quanto custou seu desenvolvimento, comparado a alternativas próximas? Em quanto tempo se estima se recuperar o investimento?



Dizem que custou 1,5 trilhão de dólares o programa como um todo. Seja como for, é uma aeronave que parece só não superar o F-22  (de forma geral, pois em alguns aspectos ele superou).


Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Buckaroo Banzai em 24 de Maio de 2019, 18:07:56
Eu me pergunto se esse tipo de programa não deve servir como um superfaturamento de fachada para desenvolvimento de coisas mais secretas.

Nada super-hiper-high-tech com tecnologia dos extraterrestres e poderes mágicos dos antigos egípcios, só coisas que pelo interesse da nação deve se manter mais ocultas. Como talvez um sistema de defesa contra mísseis mais eficaz que o oficialmente divulgado.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: Sergiomgbr em 24 de Maio de 2019, 18:22:07
Eu investiria em neurofísica. Criaria um sistema para raquear o cérebro de todo mundo e controlaria a humanidade toda. Faria todo mundo superar e dispensar religiões e ninguém mais procriaria. O mundo todo passaria a viver idilicamente dançando uma grande ciranda pelo menos uma vez por dia, e todos os esforcos se voltariam a sanar todas as mazelas do mundo é a pesquisas para conseguir vida eterna via renovação celular e cybersuportes de vida.
Título: Re:Guerra - Armas
Enviado por: JJ em 25 de Maio de 2019, 13:37:29
Eu investiria em neurofísica. Criaria um sistema para raquear o cérebro de todo mundo e controlaria a humanidade toda.


Sonhos de um   pseudo  neo  liberal  proto ditador  numa noite de outono.


 :biglol: