Forum Clube Cetico

Diversão => Piadas e Brincadeiras => Tópico iniciado por: Worf em 07 de Setembro de 2007, 03:16:41

Título: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Worf em 07 de Setembro de 2007, 03:16:41
PC LEXICON


       "Insensitive Term"         "Preferred Term"                     
    ETHNICITY (PC people do not recognize the term "race" as valid)       

              Black               African-American (Note: does not     
                                  include Libyans, Egyptians, white     
                                  Africans. Does include people with   
                                  dark skin regardless of where they   
                                  are from or where they live.)         
            Oriental              Asian-American (Note: not             
                                  considered "real" minorities since   
                                  they tend to do well.)               
             Indian               Native American Indigenous Peoples   
                                  of the North American continent       
                                  (Note: the following teams are not   
                                  PC: Atlanta Braves, Cleveland         
                                  Indians, Washington Redskins. Avoid   
                                  these cities!)                       
             Chicano              Hispanic (Note: the following are     
                                  not PC: Cheech and Chong, Chico and   
                                  the Man, the Cisco Kid, Rosarita     
                                  Salsa, Speedy Gonzales.)             
           White Trash            PC Unaware Rustically Inclined       
       WASP (white male)          Insensitive Cultural Oppressor     
 
                                GENDER            
                       
             Woman                Womyn, Vaginal-American               
              Girl                Pre-Womyn                             
           Housewife              Domestic Engineer                     
            Fireman               Fire Fighter                         
           Stewardess             Flight Attendant                     
           Meter Maid             Parking Enforcement Officer           
            Postman               Postperson                           
            Mailman               Personperson                         
      Policeman (cop, pig)        Law Enforcement Officer Baton Boy     
                                  California Clubber                   
           Prostitute             Sex Surrogate (Teen Victim, see       
                                  Broken Home)                         
     Mankind, human, person       Earth Children     
                   
                          PEOPLE (subgroups)   
                         
           Handicapped            Differently Abled Handicapable       
                                  (Blind: optically darker; Deaf:       
                                  visually oriented)                   
              Poor                Economically Unprepared               
               Bum                Homeless Person Displaced Homeowner   
                                  Philosophy Major                     
             Hunter               Animal Assasin Meat Mercenary Bambi   
                                  Butcher                               
      Commercial Fisherman        Flipper Whipper                       
             Whaler               Blubber Lover                         
       Old Person Elderly         Senior Citizens Time-extended         
                                  Gerontologically Advanced             
          Conservative            Right Wing Extremist Fascist Pig     
          Drug Addict             Chemically Challenged                 
              Bald                Comb-free                             
           Vegetable              Noble Unconscious Hero               
            Bisexual              Sexually Nonpreferential             
          Midget Dwarf            Little People Vertically Challenged   
             Insane               Selectively Perceptive Mental         
                                  Explorer                             
          Tree-hugger             Environmental Activist               
             Logger               Wood Weasel Paper Pirate Treeslayer   
           Obese Fat              Differently Weighted People of Mass   
                                  Gravitationally Challenged           
                               ACADEMIC                                 
            Far East              Asia                                 
           Censorship             Selective Speech                     
               BC                 BCE                                   
         Older Students           Non-traditional Students             
                                  New-traditional Students             
      Learning Disability         Self-paced Cognitive Ability         
            Cheating              Academic Dishonesty                   
            Library               Information Center                   
           Used book              Recycled book                         
              Dorm                Residence Hall                       
            Berkeley              Mecca       
                         
                             MISCELLANEOUS        
                       
          Broken Home             Dysfunctional Family                 
         Mercy Killing            Euthanasia Putting down               
          Cattle Ranch            Cattle Concentration Camp             
                                  "Moo-shwitz"                         
         Ghetto Barrio            Ethnically Homogeneous Area           
                                  Pre-integrated Pre-Nirvana           
           Hamburger              Seared, Mutilated Animal Flesh       
          Cheeseburger            Adding Insult to Injury               
              Tree                Oxygen Exchange Unit                 
              Gang                Youth Group                           
      Pimpmobile Low-rider        Culturally Responsive Transportation 
      Drunk Trashed Wasted         Spatially Perplexed                 
              Slum                Economic Oppression Zone             
             China                Porcelain                             
          Delicatessen            Corpse Farm


Citar
SOCIALLY INTOLERABLE WORDS

These are some, but unfortunately not all, words that are used to describe people. Remember, there are much more eloquent PC ways to say the same thing (and mean the same thing) without offending any of Earth's Children.

Do not use these words.(except when telling other people not to use them). If you hear anyone use these words, regardless of context, respond immediately:

"Alky, Babe, Beaner, Belgian-Bastard, Betty, Bimbo, Bitch, Blonde, Broad, Bum, Canuck, Chick, Chink, Coolie, Coon, Commie, Crip, Dego, Dike, Dot-head, Druggie, Fag, Fairy, Four-Eyes, Fudgepacker, Greaser, Hebe, Hippie,Honky, Hooknose, Indian, Injun, Jap, JAP, Jesus-Freak, Kike, Kraut, Lez, Lush, Nazi, Nigger, Nudnick, Pinko, Polock, Raghead, Redneck, Redskin, Retard,Ruskie, Sambo, Skirt, Spic, Spook, Tart, Toots, Uncle Tom, Vegetable, Wetback, Whore, White-Trash, Wop"
http://www.fiction.net/tidbits/politics/pc.html

Comb free.  :biglol:
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Worf em 07 de Setembro de 2007, 03:25:29
Sempre é divertido relembrar a cartilha do Lula:


http://br.geocities.com/marcioalexandre/cartilhaintegral.PDF

- A coisa ficou preta: forte conotação racista contra os negros, pois associa o preto a uma situação ruim.

Africano– Termo relativo à África, aos seus naturais e habitantes. Sua
utilização genérica muitas vezes serve para negar a diversidade de países e
povos daquele continente oupara discriminá-los, emgeral, inferiorizando-
os.

- Baitola: utilizada para depreciar os homossexuais, assim como bicha e boiola. Sugeridos como corretos: gay e entendido (a).

- Barbeiro: xingamento para motorista inábil. Ofensiva ao profissional especializado em cortar cabelo e aparar a barba.

- Gilete: o termo adequado é bissexual

- Mulher no volante, perigo constante: frase preconceituosa contra as mulheres, a quem se atribui menos habilidade no trânsito em comparação com os homens.

- Xiita: um dos ramos do Islamismo se tornou no Brasil termo pejorativo que caracteriza militantes políticos radicais e inflexíveis.

- Cabeça-chata: termo insultuoso e racista dirigido aos nordestinos.

Comunista – Termo utilizado até recentemente para discriminar ou
justificar perseguições a qualquer militante de esquerda oude causas
sociais. Desde as revoluções que explodiramna Europa, no finaldos anos
40 do século 19, e principalmente depois da Revolução Russa, em1917, os
adeptos do socialismo e do comunismo tornaram-se os principais alvos das
polícias dos Estados liberais e dos propagandistas do capitalismo. Contra
eles foraminventadas as piores calúnias e insultos, para justificar
campanhas de perseguição que resultaramemassassinatos emmassa, de
caráter genocida, por exemplo, durante o regime nazista na Alemanha; o
golpe de Estado de 1965, na Indonésia; e todos os golpes militares
ocorridos nos países latino-americanos, incluindo o Brasil, nas décadas de
60 e 70.

Denegrir oudenigrir – Esse verbo, como sentido de aviltar, diminuir a
pureza, conspurcar, tornou-se ofensivo aos negros e, por essa razão, dev
ser evitado.

“Está russo” – Aexpressão originalé “Está ruço”, comcê-cedilha, isto é,
de coloração pardacenta, enevoada, utilizada para descrever uma situação
difícil, apertada, não resolvida, obscura. Mais recentemente, foiassociada
aos russos, devido às sucessivas crises por eles enfrentadas e que
culminaramno fimda União Soviética, em 1991.

Funcionáriopúblico– O trabalhador do Estado, que exerce ou
desempenha alguma função pública; serventuário. Depois de sistemáticas
campanhas de desprestígio contra o serviço público, iniciadas no governo
Collor (1990-1992), para justificar as políticas do Estado Mínimo do
modelo neoliberal, os trabalhadores dos órgãos, entidades ouempresas
públicas preferemser chamados de servidores públicos. Comisso, querem
enfatizar que servemao público mais do que ao Estado.

Macumbeiro– Expressão que discrimina o praticante da macumba, culto
religioso sincrético de elementos do candomblé, de religiões indígenas e do
catolicismo. Por extensão, refere-se aos fiéis das religiões de origemafro-
brasileira, como a quimbanda e a umbanda, preconceituosamente chamados
de feiticeiros ou bruxos.

Meninode rua – O termo é inadequado para designar as crianças e
adolescentes que passamos dias nas ruas, pois as estatísticas demonstram
que a maioria deles temalguma relação comamigos ouparentes, ainda que
fora do padrão da família tradicional. Meninos emsituação de rua é a
expressão mais correta.

Pessoas especiais – Eufemismo inadequado para se referir às pessoas com
deficiência. Do ponto de vista dos direitos humanos, todas as pessoas, sem
exceção, são especiais.




Político– As frases “todo político é corrupto” e “todos os políticos são
farinha do mesmo saco” (ver) não passamde preconceitos de gente mal
informada. Por essa razão, muitos políticos demagógicos e populistas
propagandeiamque não “políticos tradicionais”, explorando a ignorância e
a ingenuidade da gente despolitizada. :lol:
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Rodion em 07 de Setembro de 2007, 03:52:54
haha, boa.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 08 de Setembro de 2007, 16:08:38
Também há opressão quanto aos brancos na linguagem cotidiana e em ícones opressores e perpetradores de preconceitos, deveriam ir para a versão atualizada da cartilha do Lula:

 - "me deu um branco" - associa as pessoas de cor branca a pessoas de cabeça vazia, ignorantes, incapazes de ter uma resposta coerente, apenas porque tem relativamente pouca melanina na pele.

 - "carta branca", ou "carte blanche", para dar um ar de sofisticação reminescente de um franco-colonialismo arcaico (que ainda exerce um charme para o típico burguês) - significa dar liberdade total a alguém para fazer qualquer coisa como bem entender, sugerindo que todas as pessoas de pele não-escura ajam sempre como bem entendem, sem respeitar as regras ou hierarquias, podendo até mesmo tomar qualquer tipo de ação imoral repreensível devido a uma crença intrínseca em sua superioridade racial e inferioridade dos demais.

 - "está claro que" - colocando a clareza como sinônimo de obviedade, de algo que não passa despercebido, implica que as pessoas de pele clara tenham sempre a necessidade de chamar atenção para si mesmas, fazer escândalos, não podendo haver pessoas de pele clara e que sejam discretas como seres humanos normais.

Outros exemplos de como o racismo anti-pele-clara está imbuído na sociedade podem ser vistos no dia-a-dia, nas propagandas de bronzeador, onde a repugnância pela falta de pigmentação da pele é explícita e gritante, incentivando às pessoas de pele menos pigmentada a terem vergonha de sua raça e tentarem serem aquilo que não são através de auxílios químicos. Num grau mais velado, há as propagandas de tintura para esconder os cabelos brancos, mostrando que nem mesmo o tecido queratinoso está livre do racismo.

Os papéis nos quais os alunos escrevem as lições do professor, geralmente tem folhas brancas, que são preenchidas com alguma tinta ou pó de cor escura, de acordo com o que é ditado pelo professor, a figura hierarquicamente superior, no quadro negro, que inversamente é geralmente riscado com branco. O primeiro contexto é mais um exemplo de como a sociedade tenta colocar o branco como sendo algo vazio, nulo, desprovido de conteúdo, numa posição de humilde aprendiz, enquanto que o segundo coloca a pele escura como uma figura autoritária, a qual de fato dita o conteúdo importante a ser copiado, no qual o branco é apenas um mero detalhe superficial e efêmero, um mero auxiliar que pode ser descartado com um simples gesto de apagador quando não é mais conveniente a sua presença, ao passo que, na folha branca, aquilo que é escrito em tinta escura sobre o papel branco, tem um caráter mais permanente, implicando que a imposição do escuro sobre o claro não está facilmente disposta a revisão, não é algo a ser questionado.

Essas e outras pequenas coisas do dia-a-dia perfazem a complexa colcha de retalhos de informações que resultam na Gestalt que discrimina o branco na sociedade, mina a sua auto-estima, e o faz por vezes, em casos extremos aderir a doutrinas de nacionalismo como uma forma desesperada de auto-afirmação, de fuga dessa imagem imposta subliminarmente pela sociedade que o oprime.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Herf em 08 de Setembro de 2007, 16:16:56
:histeria::histeria::histeria::histeria::histeria::histeria::histeria::histeria::histeria::histeria:
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Andre em 08 de Setembro de 2007, 17:11:13
Continuem... :)

- zero a esquerda ou gauche - associa de maneira perjorativa esquerda ao torto, ao desajustado, em uma óbvia tentativa da burguesia industrial manipular o pensamento dos trabalhadores explorados em suas fábricas através da mais-valia.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Herf em 08 de Setembro de 2007, 18:16:37
- Fazer algo "direito" - evidente associação das práticas da classe dominante de idéias direitistas ao modo correto de desempenhar uma tarefa qualquer. Tem a latente intenção de convencer as massas proletárias de que apenas o que é de "direita" é correto o que é de "esquerda" é errado.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Setembro de 2007, 12:14:25
Darth Vader PC: "Venha para o lado minimamente iluminado, metaforicamente falando, da força"
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Dr. Manhattan em 21 de Setembro de 2007, 12:12:48
Mais:

Expressões que denotam preconceito velado contra Indivíduos Erectalmente Prejudicados:
"Não faça corpo mole", "Deixe de moleza", "Você precisa ser mais rígido", etc.

Termos discriminatórios usados contra Pessoas Metabolicamente Prejudicadas:
"Presunto", "Defunto", "Bateu as botas", "Foi pra terra dos pé-juntos", "Esticou as canelas",
etc.

Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 21 de Setembro de 2007, 14:03:02
termos discriminatórios contra pessoas laboralmente alternativas ou disfuncionais: "preguiçoso", "vagabundo"

termos discriminatórios contra pessoas envolvidas em práticas de desfalques ou improbidade: "ladrão", "corrupto"
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Adriano em 21 de Setembro de 2007, 14:30:24
termo discriminatório contra quem aponta alguma falha do capitalismo: "comunista"

termo discriminatório contra quem tem idéias sociais: "coletivista"
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Mr."A" em 27 de Setembro de 2007, 23:39:55
Esse tópico me lembra um poema de Jô Soares: acho que se chama "O nobre e o pobre". Só que nem lembro do poema direito nem achei no google. É algo mais ou menos assim:

Nobre é delicado. Pobre é fresco.
Nobre é deficiente. Pobre é aleijado.
Nobre ressona. Pobre ronca.
[etc, etc e tal...]
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 16 de Janeiro de 2008, 19:58:04
Alvo - a palavra tem tanto o significado de "branco", quanto de um objeto contra o qual se objetiva atingir com um projétil, como bala ou flecha. "Alvejar" é ao mesmo tempo "tornar branco", quanto atingir com disparos. Quando um negro "alveja" um outro negro, ele está o "tornando branco" em sua mente, agindo como se deveria agir contra um branco; quando alguém atira em qualquer "alvo" para treino, está subliminarmente, sappir-wolficamente, sendo treinado a banalizar o ato de disparar contra brancos.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Felius em 16 de Janeiro de 2008, 21:40:33
termos discriminatórios contra pessoas laboralmente alternativas ou disfuncionais: "preguiçoso", "vagabundo"

termos discriminatórios contra pessoas envolvidas em práticas de desfalques ou improbidade: "ladrão", "corrupto"
Gostei. Sou um cidadao da terra laboralmente alternativo. :P
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Janeiro de 2008, 01:39:27
Errata: cabelo não é "tecido" queratinoso, é integumento.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: uiliníli em 17 de Janeiro de 2008, 02:04:08
"Branco" -  Termo discriminatório utilizado para se referir às pessoas euro-descendentes/pigmentarmente prejudicadas.

"Afro-descendente" - Termo discriminatório usado para se referir aos sub-sahel-afro-descendentes, ou seja, os descendentes de uma vasta gama de povos e culturas africanas que têm em comum o fato de serem constituídas geralmente de pessoas favorecidas pigmentarmente.

"Nego" - termo discriminatório contra pessoas favorecidas pigmentarmente e simultaneamente a forma conjugal do verbo "negar" na 1ª pessoa do singular do presente do indicativa usado pela classe opressora euro-descendente numa forma de inferiorizar as pessoas sub-sahel-afro-descendentes privando delas o direito ao reconhecimento da própria individualidade e, por extensão, toda a sua identidade cultural.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Herf em 17 de Janeiro de 2008, 18:44:36
"Nota preta" - termo utilizado para se referir a uma grande quantidade de dinheiro, sendo o adjetivo "preta" uma tentativa de associar tudo o que é preto, e, em conseqüência, todas as pessoas afro-descendentes, a algo de valor superior, sendo todo o resto (ou seja, todo o universo não-negro, pessoas de cútis clara) algo comparável a uns meros trocados, algo de pouco valor.

"Arma branca" - termo utilizado para se referir a uma arma que oferece pouco perigo, sendo o adjetivo "branca" uma tentativa de associar o caráter fraco das armas em questão a uma suposta fraqueza, inferioridade e, conseqüentemente, uma submissão natural dos euro-descendentes.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Janeiro de 2008, 15:28:46
Um caso similar ao da "arma branca" é o da "bandeira branca", em sinal de desistência em batalha: uma forma de simbolizar metaforicamente (ou não) a admissão de que são brancos, e portanto, incapazes de lutar, indefesos, covardes. De forma similar, a fragilidade da pomba branca, ave de pequeno porte, indefesa e pouca capacidade de vôo, na cor branca, é usada para epitomizar esse estereótipo de passividade e inofensividade das pessoas de cor branca, como símbolo de "paz", como conseqüência da incapacidade de lutar ou fugir.

A bandeira de piratas, negra, com uma caveira branca, simboliza de certa forma o oposto: a morte dos brancos (da cor da caveira) pelos negros (o fundo da bandeira).
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 16 de Outubro de 2009, 03:27:01
O verbo "negar", origina-se da corruptela "nego", significando "agir como negro", na recusa de uma acusação sobre a qual não pode realmente se provar inocente.
Título: Re: Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Eleitor de Mário Oliveira em 16 de Outubro de 2009, 11:38:05
Muito bom! Adorei!
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 16 de Maio de 2015, 14:14:32
Alguns levam isso a sério, vejam esta postagem na página do Facebook do Humaniza Redes (https://www.facebook.com/humanizaredes):
(http://i60.tinypic.com/e18e8w.png)
Fonte: Facebook (https://www.facebook.com/humanizaredes/photos/a.335728896619680.1073741828.334119523447284/351865715005998/?type=1&theater)

No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber (http://www.acervosaber.com.br/curiosidades/origem_frases.php)).
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Terráqueo em 16 de Maio de 2015, 14:28:29
No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber (http://www.acervosaber.com.br/curiosidades/origem_frases.php)).

"Ah, mas se referir preto à morte, algo considerado ruim, é racismo também".
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 16 de Maio de 2015, 14:31:24
Eu não me surpreenderia de ouvir algo assim, pois muito possivelmente o radicalismo de alguns ativistas do movimento negro provavelmente os levariam a uma desculpa como essa como tentativa de justificar a sua posição inicial.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Terráqueo em 16 de Maio de 2015, 14:32:12
(http://www.rapazdoceu.com.br/wp-content/uploads/2014/05/enquanto_isso_na_pia.jpg)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Terráqueo em 16 de Maio de 2015, 14:41:48
Eu não me surpreenderia de ouvir algo assim, pois muito possivelmente o radicalismo de alguns ativistas do movimento negro provavelmente os levariam a uma desculpa como essa como tentativa de justificar a sua posição inicial.

 Desse pessoal com discursos generalistas, extremistas e radicais, pelo menos de todos que já vi até agora, não merecem mais atenção que o cidadão que, há alguns anos, pediu autorização da presidente Dilma para um disco voador poder pousar. :histeria:
 Apesar de que, pelo menos até agora, não vi nenhuma razão para desmerecer algum movimento que, pelo menos em tese, busca igualdade, por causa de gente com discurso radicalista.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Aronax em 16 de Maio de 2015, 17:29:33
Alguns levam isso a sério, vejam esta postagem na página do Facebook do Humaniza Redes (https://www.facebook.com/humanizaredes):
(http://i60.tinypic.com/e18e8w.png)
Fonte: Facebook (https://www.facebook.com/humanizaredes/photos/a.335728896619680.1073741828.334119523447284/351865715005998/?type=1&theater)

No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber (http://www.acervosaber.com.br/curiosidades/origem_frases.php)).

sempre imaginei que esta expressão vinha do fato de que temporais, e tempestades são negras....ou seja, muitas nuvens escuras, e o dia se torna as vezes quase noite.....
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 16 de Maio de 2015, 17:48:31
Eu já achava que seria uma analogia com o resultado de deixar comida queimar demais sobre o fogo. Ou com "escuridão" de maneira mais abstrata, em contraste com "está tudo muito claro", onde o aspecto "bom" não é em analogia abstrata com uma preferência por pele clara, mas por "visibilidade", por ser facilmente compreensível.

Qualquer que seja a origem exata me parece extremamente duvidoso que a intenção original (ou mesmo comumente ocasional) seja mesmo de se relacionar a situação à cor escura da pele/pessoas. "A coisa está como um(a) preto/a". Parece muita abstração, diferente de expressões realmente racistas.

Como fazer/deixar algo "às escuras", não é "fazer algo como os negros fazem" (ou "fazer para as negras"), só fazer/deixar oculto.



Mas nada disso importa se o seu nicho é explorar o racismo e o sentimento de discriminação das pessoas (sinergeticamente com a boa-vontade de alguns mais ingênuos).

Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 17 de Junho de 2015, 20:32:09
Alguns levam isso a sério, vejam esta postagem na página do Facebook do Humaniza Redes (https://www.facebook.com/humanizaredes):
(http://i60.tinypic.com/e18e8w.png)
Fonte: Facebook (https://www.facebook.com/humanizaredes/photos/a.335728896619680.1073741828.334119523447284/351865715005998/?type=1&theater)

No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber (http://www.acervosaber.com.br/curiosidades/origem_frases.php)).

Texto completo, com mais expressões supostamente racistas:

Tire O Racismo Do Seu Vocabulário: 13 Palavras E Expressões Para Parar De Falar Já

(https://archive.today/uHYJA/eefbbadb01ba946cacc8af27e76d5d1c5ed45aa9.jpg)

COMPORTAMENTO. 27/01/2015

Nota Da Editora: A autora do texto reuniu a opinião de colegas e amigos negros, que relataram as expressões que os incomodavam antes de desenvolver esse texto. Vale ressaltar também que, conforme uma leitora bem observou, é imprescindível ter em mente ao ler o texto que “por séculos, brancos subordinaram negros e durante todo esse período diversas palavras e frases foram usadas para enfatizar e perpetuar a ideia de submissão e inferioridade negra”.
Vire e mexe me perguntam como não ser racista. E, sinceramente, eu acho a resposta tão complicada, afinal somos educados para o inverso: o racismo é imposto e naturalizado, e, mesmo não querendo (existem casos que ele é sim intencional), muitos acabam reproduzindo o discurso opressivo para com negros.
Desconstruir esse discurso, até em expressões simples e que aparentemente não parecem ser ofensivas, mas no fundo são, é necessário e urgente. Pensando em quebrar esse ciclo, te mostro 13 exemplos de racismo cotidiano presente em expressões e palavras que ouvimos com freqüência, mas que devem ser eliminadas do vocabulário já.


1- “Amanhã é dia de branco”

Qualquer pesquisa rápida no Google mostrará mais de uma origem para essa expressão, e a maioria negando que ela tem algum cunho racista. Porém, vivemos em um país onde a escravidão do povo negro durou mais de 300 anos, e os escravos, mesmo sendo forçados a trabalhar, geralmente eram vistos como “vagabundos”.
As conseqüências disso duram até hoje, o negro é sempre visto como a pessoa que faz “corpo mole”, aquele “malandro” que não faz nada. Inclusive, entre as opiniões que mais afloram quando o assunto é cotas sociais para negros, a de que não existe esforço da nossa parte é a mais frequente. Tanto que podemos fazer um paralelo entre essa e a expressão seguinte.


2- “Serviço de preto”

Comum no nosso dia-a-dia, essa expressão é usada para desqualificar determinado esforço e/ou trabalho, ou seja, fazer “serviço de preto” é igual a ser desleixado. O negro sempre é associado a algo ruim, o “bom” trabalho seria o do branco. Não dá para ser ingênuo e achar que não existe o teor racista, ainda mais quando associamos a outras dessas expressões que colocam o negro como o oposto de positivo, como:


3- “A coisa tá preta”

A expressão “a coisa tá preta” fala por si só: se a coisa está preta, é porque ela não está agradável, ou seja, uma situação desconfortável é o mesmo que uma situação negra? Isso é racismo.


4- “Mercado negro”

O mercado negro é aquele que promove ações ilegais, e mais uma vez é a palavra negro sendo usada com conotação desfavorável. O negro, na expressão, significa ilícito.


5- “Denegrir”

Já a palavra “denegrir” é recorrente quando acreditamos que estamos sendo difamados, é uma palavra vista como pejorativa, porém seu real significado é “tornar negro”. Se tornar algo negro é maldoso, temos mais um caso de racismo.


6- “Inveja branca”

Finalizando a leva de palavras e expressões que associam negro e preto à comportamentos negativos, o exemplo 6, que mostra a “inveja branca” como sendo a inveja boa, “positiva”.


7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.


8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo (https://archive.is/o/uHYJA/http://arquivo.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-brasil/20612-melanina-tem-de-sobra-nao-precisa-economizar-nao-me-chame-de-moreno).


9- Negra “de beleza exótica” ou com “traços finos”

O 8 e 9 são próximos, quando se imagina que ser uma mulher negra bonita é ser “tipo exportação”, ter “traços finos” e assim poder ser a dona de uma “beleza exótica”. Ser negro e poder ser considerado bonito está relacionado a não ter traços negros, mas sim aqueles próximos ao que a branquitude pauta como belo, que é o padrão de beleza europeu. Sim, isso é racismo, e dos mais comuns que a gente vê por ai, estão nos hipersexualizando e exotificando quando usam essas expressões (https://archive.is/o/uHYJA/http://blogueirasnegras.org/2013/05/29/elogio-racista/).


10- “Não sou tuas negas” (https://archive.is/o/uHYJA/http://www.festivalmarginal.com.br/sexo/voce-usa-a-expressao-eu-nao-sou-tuas-nega-e-hora-de-parar/)

Facilmente explicável se lembrarmos de que quando se tratava do comportamento para com as mulheres negras escravizadas, assédios e estupros eram recorrentes. A frase deixa explícita que com as negras pode tudo, e com as demais não se pode fazer o mesmo, e no tudo está incluso desfazer, assediar, mal tratar, etc, etc.


11- “Cabelo ruim”, “Cabelo de Bombril”, “Cabelo duro” e, a mais desnecessária, “Quando não está preso está armado”

A questão da negação da nossa estética é sempre comum quando vão se referir aos nosso cabelo Afro. São falas racistas (https://archive.is/o/uHYJA/http://www.revistacapitolina.com.br/expressoes-que-voce-deve-parar-de-usar-partir-de-ontem/) usadas, principalmente na fase da infância, pelos colegas, porém que se perpetuam em universidades, ambientes de trabalho e até em programas de televisão, com a presença negra aumentando na mídia. Falar mal das características dos cabelos dos negros também é racismo.


12- “Nasceu com um pé na cozinha”

Expressão que faz associação com as origens, “ter o pé na cozinha” é literalmente ter origens negras. A mulher negra é sempre associada aos serviços domésticos, já que as escravas podiam ficar dentro das casas grandes na parte da cozinha, onde, inclusive, dormiam no chão (sua presença dentro da casa grande facilitava o assédio e estupro por parte dos senhores). Pós-abolição, continuamos sendo estereotipadas como as mulheres da cozinha, já que somos maioria nos serviços domésticos, visto todas as políticas que tentaram e tentam barrar a ascensão negra.


13- “Barriga suja”

Outro termo que faz relação à origem é usado quando a mulher tem um filho negro. Se ela teve um filho negro, algo impuro – como uma “barriga suja” – explica esse fato. É uma das que mais me causa desconforto.

É claro que existem inúmeras outras expressões (https://archive.is/o/uHYJA/http://www.geledes.org.br/17-frases-ridiculas-que-pessoas-negras-estao-acostumadas-ouvir-ditas-pessoas-brancas/%23axzz3NyNeiFEm) que apontam claramente o racismo no cotidiano, e, infelizmente, inúmeras pessoas, mesmo sabendo dos fatos e tendo acesso às explicações, vão dizer que tudo é pura banalidade e, provavelmente, continuar usando essas palavras e expressões.

Quando apontamos racismo, a tendência é ouvirmos algo como “não sou racista, tenho amigos e/ou parentes negros”, ou ainda “eu conheço um negro e ele não liga”. O mais irônico é que, quando um negro reproduz conceitos racistas, que vão desde achar que não existe racismo a não se incomodar de ser chamado de moreno, ou achar desnecessárias todas essas explicações aqui dadas, ele logo é taxado como sendo “um negro de alma branca”. Traduzindo: usam uma fala racista para “louvar” seu comportamento não questionador.
É necessário empatia e consciência para que essas palavras e expressões sejam abandonadas de vez. O objetivo desse texto é simples: ENEGRECER ideias.

Ilustração: Ana Maria Sena

Texto Por: Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro é militante feminista interseccional, apaixonada pela natureza e acredita na troca de energia com ela, principalmente quando está na água e pisando na terra. Adora escrever, por isso colabora com vários portais e mantém um caderninho preto de bolinhas, que combina com seu vestido preferido, onde escreve e desenha para se sentir feliz, que nem era quando criança. Você pode acompanhá-la por aqui (https://archive.is/o/uHYJA/https://www.facebook.com/stephanie.ribeiro.93).

Fonte: modifica (http://www.modefica.com.br/expressoes-rascistas) (arquivado (https://archive.is/uHYJA))

Quando leio algo assim já vou logo procurando uma nota no final da página dizendo que o site é um site zoeiro, e este site não era  :susto:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Junho de 2015, 21:52:23
Não tem também livro-negro, lista-negra, lista-branca? :hein:

Qual será o objetivo do autor em omitir estrategicamente esses termos? :hein:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 17 de Junho de 2015, 21:55:03
Pode ter dado branco no autor.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 17 de Junho de 2015, 22:05:31
Talvez isso esclareça seja uma explicação de fácil assimilação.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Terráqueo em 17 de Junho de 2015, 22:11:57
Não me considero de direita ou de esquerda, mas isso me lembrou este vídeo:

https://www.youtube.com/v/D6UApFruArQ
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 18 de Junho de 2015, 10:29:09
A sugestão implícita que ela deixa é que qualquer palavra relacionado ao escuro e associado a algo negativo, e qualquer palavra relacionado ao claro e associado a algo positivo devem ter seu uso abandonado por que representaria racismo contra negros. Aquilo que é representado por uma palavra relacionada a cor clara e associada a algo positivo e/ou aquilo que é representado por uma palavra relacionada a cor escura e associada a algo negativo significaria na interpretação distorcida da realidade desta ativista militante, que o sentido do termo estaria dizendo que pessoas brancas sejam superiores a pessoas negras.

Ela ignora qualquer evidência etimológica e/ou acadêmica que diga o contrário, e parece se basear apenas nos seus próprios preconceitos, o que é irônico, já que ela diz estar combatendo preconceitos enquanto age preconceituosamente.

Abraços!
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 23 de Julho de 2015, 12:04:51
(https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xtf1/v/t1.0-9/11745760_10204982418148868_4536729545973568498_n.jpg?oh=e99e47ddd5ec894ed541b855eb202d69&oe=56150905&__gda__=1447422753_a8faec38c860c64589ec4b620706d6d7)

 :histeria: :histeria:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Aronax em 23 de Julho de 2015, 12:28:16

Citar
7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.
Onde estaria nesta expressão vinculação a preto/negro?.....apropriaram-se da palavra cor para sinônimo de negro?
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 23 de Julho de 2015, 13:15:11

Citar
7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.
Onde estaria nesta expressão vinculação a preto/negro?.....apropriaram-se da palavra cor para sinônimo de negro?
Numa pesquisa que realizei agora, a menção mais antiga a esta expressão que encontrei é em uma música que tem como título o nome "Da cor do pecado", escrita em 1939 e de autoria de Alberto de Castro Simões da Silva, conhecido também como Bororó, um compositor de Música Popular Brasileira (MPB).1, 2 Pela letra da música da para se concluir que "da cor do pecado" se refere a uma mulher sensual de pele morena,3 a musa inspiradora da música teria sido uma prostituta com quem o autor teve um caso4, não da para se concluir qualquer coisa mais a partir das fontes que busquei.



1 - Marcos Antônio Marcondes. Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica, popular, Volume 2 (https://books.google.com.br/books?id=NGn0AAAAMAAJ&q=%22da+cor+do+pecado%22&dq=%22da+cor+do+pecado%22&hl=pt-BR&sa=X&ved=0CDUQ6AEwBWoVChMIucyJvs3xxgIVyJ6ACh0KjwNJ). Art Editora, 1977, p. 952
2 - Alberto de Castro Simões da Silva (https://pt.wikipedia.org/wiki/Alberto_de_Castro_Sim%C3%B5es_da_Silva). Wikipédia. Visitado em 23 de julho de 2015.
3 - Da Cor do Pecado - Bororó (http://letras.mus.br/bororo/341285/). Letras.mus.br. Visitado em 23 de julho de 2015.
4 - HISTÓRIAS POR TRÁS DAS MÚSICAS (http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:GzdatWn4HdsJ:www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq28029816.htm+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br). Folha de São Paulo. São Paulo, sábado, 28 de fevereiro de 1998. Visitado em 23 de julho de 2015.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 27 de Agosto de 2015, 11:56:00
(https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xat1/v/t1.0-9/s526x395/11222108_885167194898131_4612432465682327213_n.jpg?oh=018ef21b89dcf14c9119868e05ce2519&oe=5668F9A9&__gda__=1446736597_18376211d775493ccaba85a0bc476cd9)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 27 de Setembro de 2015, 13:06:12
(https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/12036843_900828853331965_3377001661016274227_n.jpg?oh=636673b01c1d0047f78eecb7b3a8546c&oe=569C248E)

Fonte: Aventuras na Justiça Social (https://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/photos/pb.827240997357418.-2207520000.1443369417./900828853331965/?type=3&theater) (página do Facebook)

(http://og.infg.com.br/in/17564794-fe0-979/FT1086A/420/pedro-segundo.jpg)

Fonte: Marina Cochen (25 de setembro de 2015). Reitor do Pedro II rebate críticas ao termo 'alunxs': "Não adianta formar um expert em matemática se não formar um cidadão", afirma Halac (http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/reitor-do-pedro-ii-rebate-criticas-ao-termo-alunxs-17608899). O Globo. Visitado em 27 de setembro de 2015.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Barata Tenno em 27 de Setembro de 2015, 13:39:09
Lembrar: antes de fazer imagens sem noção, pesquisar a diferença entre sexo e gênero.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 27 de Setembro de 2015, 14:17:44
É verdade, nesta você está certo!
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Aronax em 27 de Setembro de 2015, 21:20:33
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 27 de Setembro de 2015, 23:01:29
Se não pode existir em ciência uma raça negra ou branca ou amarela, e nem lilás, por quê, pra "certas outras razões," pode?
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Gigaview em 27 de Setembro de 2015, 23:22:24
Segundo o critério nazista, para uma pessoa ser considerada negra, judia, etc basta ter na sua arvore genealógica um negro, um judeu, etc até a quinta geração.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Gigaview em 27 de Setembro de 2015, 23:25:46
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 27 de Setembro de 2015, 23:37:37
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.
Porque ninguém gosta de não significar algo, seja bom ou ruim.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Pilantrólogo em 28 de Setembro de 2015, 11:42:40
Se não pode existir em ciência uma raça negra ou branca ou amarela, e nem lilás, por quê, pra "certas outras razões," pode?

A espécie humana em toda a sua diversidade étnica é tão geneticamente semelhante que não há impossibilidade - sequer mesmo uma dificuldade  - de dois indivíduos saudáveis de diferentes etnias produzirem um rebento saudável, fértil e humano.
Não existe diferenciação entre homo sapiens africanensis, caucasianensis e mongoloidensis pois a diferença genética e fenotípica entre humanos, apesar de existente, não afeta a reprodução, diferentemente do que acontece, por exemplo, às variedades de animais e plantas que resultaram da seleção artificial pelo homem de 10.000 anos prá cá.

Dito isso, porque ainda se usa o termo raça (associado a sub-espécie) ao se referir à um grupo que compartilha de certas semelhanças fenotípicas dentro da espécie humana, já que o dito termo é e sempre foi inapropriado?
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Pilantrólogo em 28 de Setembro de 2015, 11:50:03
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Brienne of Tarth em 28 de Setembro de 2015, 13:13:16
Sim. Quando relaxada, uma vagina varia de 5 a 8 centímetros de profundidade (da vulva até o colo do útero). Quando excitada, expande até alcançar de 10 a 15 centímetros. Quanto ao diâmetro, pode expandir 10 vezes de seu tamanho em repouso. Isso é um artifício do corpo da mulher para receber diversos tipos de pênis e facilitar a passagem do feto. Vaginas, assim como pênis e qualquer outra parte do corpo, variam MUITO de pessoa para pessoa. O Kid tem entre 29 a 33cm... OMOPAI!!! :susto:

Nota: as principais terminações nervosas da vagina estão logo nos seus 5 centímetros iniciais. É ali que a magia acontece.

FONTE:  http://www.muitointeressante.com.br/pq/as-vaginas-tem-um-tamanho-padrao (http://www.muitointeressante.com.br/pq/as-vaginas-tem-um-tamanho-padrao)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Fabrício em 28 de Setembro de 2015, 13:35:29
Citação de: Brienne of Tarth
O Kid tem entre 29 a 33cm... OMOPAI!!! :susto:

 :histeria:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 28 de Setembro de 2015, 14:00:24
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
:nao3:

Algumas coisas beeeem grandes são engolidas(facilmente) por outras que você jamais acreditaria...

(http://thumb.mais.uol.com.br/14697028-wlarge.jpg?ver=1)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Pilantrólogo em 28 de Setembro de 2015, 16:56:03
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
:nao3:

Algumas coisas beeeem grandes são engolidas(facilmente) por outras que você jamais acreditaria...

(http://thumb.mais.uol.com.br/14697028-wlarge.jpg?ver=1)

Pô, Sérgio. Meu conceito de engolir coisas facilmente não incluiu uma mandibula bipartida nem ficar meia hora com uma anta passando pelo gogó.

E citar apenas os casos de sucesso fica fácil ::) :

(http://news.nationalgeographic.com/news/2005/10/images/051006_pythoneatsgator.jpg)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 28 de Setembro de 2015, 17:03:12
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
:nao3:

Algumas coisas beeeem grandes são engolidas(facilmente) por outras que você jamais acreditaria...

(http://thumb.mais.uol.com.br/14697028-wlarge.jpg?ver=1)

Pô, Sérgio. Meu conceito de engolir coisas facilmente não incluiu uma mandibula bipartida nem ficar meia hora com uma anta passando pelo gogó.

E citar apenas os casos de sucesso fica fácil ::) :

(http://news.nationalgeographic.com/news/2005/10/images/051006_pythoneatsgator.jpg)
Não adianta. Pilantrólogo, homens bengalescos vão ter que engolir essa.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Pilantrólogo em 28 de Setembro de 2015, 17:17:52
[...]

Pô, Sérgio. Meu conceito de engolir coisas facilmente não incluiu uma mandibula bipartida nem ficar meia hora com uma anta passando pelo gogó.

E citar apenas os casos de sucesso fica fácil ::) :

(http://news.nationalgeographic.com/news/2005/10/images/051006_pythoneatsgator.jpg)
Não adianta. Pilantrólogo, homens bengalescos vão ter que engolir essa.

Não sendo com truculência, tá valendo.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 29 de Setembro de 2015, 13:21:50
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.
Mulato(a)-moreno(a) é muito mais preciso nesta situação, pois indica ascendência proveniente de negros e brancos, e características físicas mescladas destas duas raças.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 30 de Setembro de 2015, 19:42:39
(https://scontent-gru1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/12036843_900828853331965_3377001661016274227_n.jpg?oh=636673b01c1d0047f78eecb7b3a8546c&oe=569C248E)

Fonte: Aventuras na Justiça Social (https://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/photos/pb.827240997357418.-2207520000.1443369417./900828853331965/?type=3&theater) (página do Facebook)

(http://og.infg.com.br/in/17564794-fe0-979/FT1086A/420/pedro-segundo.jpg)

Fonte: Marina Cochen (25 de setembro de 2015). Reitor do Pedro II rebate críticas ao termo 'alunxs': "Não adianta formar um expert em matemática se não formar um cidadão", afirma Halac (http://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/reitor-do-pedro-ii-rebate-criticas-ao-termo-alunxs-17608899). O Globo. Visitado em 27 de setembro de 2015.

Citar
Feminismo e o preconceito na língua portuguesa

Raquel Felau Guisoni*

Todas as diferenças que vivenciamos na sociedade, tais como, de gênero, raça/etnia, classe e geração se manifestam também na educação e elas estão entrelaçadas entre si, por isso, não podemos tratá-las isoladamente, considerá-las naturais, ou ignorá-las. Dentro desse entrelaçamento as diferenças de classe são mais abrangentes, pois sem esta compreensão, a luta de gênero fica pela metade.

Uma educação igualitária e democrática precisa levar em conta as diversidades sem transformá-las em desigualdades.

É com esta visão é que vamos tratar aqui a especificidade da opressão de gênero. Na concepção feminista emancipacionista, a discriminação e a opressão de gênero tem íntima relação com o processo e surgimento da propriedade privada, transformando a mulher em propriedade do homem.

Sua gênese coincide com o aparecimento das classes sociais, com elas se entrelaçando. Reflete o antagonismo e a luta de classe ao longo da história, nas diversas etapas e em diferentes formações econômicosociais.

Segundo Loreta Valadares, (2004), “ä opressão de gênero se desenvolve junto com a opressão social, de classes, caracterizando
assim a mulher, como oprimida enquanto ser sexual e ser social com seus correspondentes reflexos e formas na superestrutura. E assim como na relação basesuperestrutura esta incide sobre aquela com relativa independência também a especificidade da opressão da mulher assume formas no terreno cultural, político e ideológico (opressão de gênero) que atuam conjuntamente e se entrelaçam à opressão (exploração) social “

“Gênero não paira acima de classe, antes se entrelaça com ela. O conflito de gênero é transversal, ou seja, o que passa através, o que
entrelaça com questões sociais, de classe, dá uma configuração especial a estas relações, adquirindo uma certa independência ao voltar incidir na base material e social. É por isso que nas experiências socialistas a inserção maior da mulher no mundo do trabalho não bastaram para alterar o padrão das relações de gênero. São precisas, não só as transformações econômicas e as políticas sociais, mas também nas políticas culturais, nas mudanças nos costumes, na psicologia, na ideologia. “


A LÍNGUA PORTUGUESA É MACHISTA

Entendendo que a opressão e a discriminação de gênero é abrangente e interligada, um dos aspectos a ser analisado é o referente
à questão cultural e ideológica é a comunicação e a linguagem utilizadas entre as pessoas. Ao analisarmos a língua portuguesa constatamos que ela é machista. Como em outros aspectos da sociedade e da educação a linguagem é discriminatória, não dando visibilidade as mulheres e reforçando os preconceitos. O masculino é genérico em nossa língua.

Analisemos a realidade na área educacional. Quando uma mulher é nomeada professora, sai no documento: professor de
educação infantil e não professora de educação infantil;quando se fala - alunos - só é utilizado o masculino; quando se participa de um congresso, mesmo sendo mulher é chamada de delegado. Isso se apresenta também em regra gramatical, por exemplo, se numa sala de aula só existe um aluno e todas as demais são alunas, deve-se dizer - alunos. Contam que Paulo Freire, destacado educador brasileiro, ao fazer uma palestra para educadores e educadoras resolveu utilizar a linguagem só no feminino justificando ser a maioria mulheres. Foi um fato relevante no sentido de chamar atenção à discriminação sofrida pelas mulheres na linguagem. Tina Amado 2004) relata no seu artigo:“professora ou professor”?, o que mais lhe intrigava era o uso do masculino genérico para designar a profissão docente. Escreve que ao chegar numa escola, na primeira reunião de planejamento, a diretora iniciou dizendo o que o professor devia fazer. E na sala só estavam professoras, o único professor estava ausente. Frente a este fato indagava – por que aquele grupo, só de mulheres, usava o masculino para referir-se a si próprias?

Grande parte dos brasileiros e brasileiras não consideram esta questão um problema ou a tratam
como insignificante.

Hoje já há avanços na percepção da linguagem discriminatória por insistência de feministas e daqueles que já tomaram
consciência da importância da expressão oral e escrita para dar visibilidade às mulheres e não ser machista.

Vários autores ressaltam a importância do estudo de linguagens no âmbito escolar, em particular sobre a sexualidade.Como Guacira Louro (2004) quando afirma que a linguagem oculta o feminino.

No entanto, há muito que fazer. As mulheres e homens, principalmente, nós educadoras e educadores, devemos estar mais atentas e atentos para não utilizar a linguagem sexista e combater, insistentemente, em todos os momentos, a utilização de expressões discriminatórias às mulheres. Podemos também, utilizar o masculino e o feminino concomitantemente, no entanto, ao utilizar esta forma deve-se cuidar para não ser muito repetitiva. Outra maneira é utilizar expressões que englobem homens e mulheres. Exemplo, utilizar a expressão – humanidade, em vez de homens; alunado em vez de alunos; professorado em vez de professores. Por outro lado, os profissionais de linguística precisam estudar e modificar as regras gramaticais machistas. Enfim deve-se utilizar todas as formas e meios para combater a discriminação sexista da linguagem bem como expressões discriminatórias em relação a raça/etnia, classe, geração e orientação sexual.

O grande desafio está em romper as amarras e abraçar a causa da emancipação da mulher em sua especificidade de gênero e na particularidade da língua portuguesa, numa ação interligada com a luta democrática e libertária rumo ao socialismo que abre as portas à completa emancipação das mulheres.

É preciso mobilizar milhares de mulheres – principalmente operárias,camponesas, trabalhadoras em geral, estudantes, profissionais
de educação, intelectuais progressistas - para que a luta possa avançar mais garantindo o que foi conquistado e ampliar cada vez mais.

A luta emancipacionista das mulheres abrange a todos, mulheres e homens e não apenas uma parcela da sociedade.

*Raquel Felau Guisoni – professora de geografia da rede municipal de São Paulo, vice-presidente da CNTE, secretária de formação do Sinpeem, membro do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher.
Fonte: Raquel Felau Guisoni. Feminismo e o preconceito na língua portuguesa. Revista Mátria: A Emancipação da Mulher (http://www.cnte.org.br/images/stories/revistas/revista_matria_2005.pdf).  Publicação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação - CNTE. 8 de março de 2005.

Citar
Língua portuguesa, machista?

A propósito da ideia fácil de que a língua portuguesa seria “machista”, escreve José Augusto Carvalho, formado em Letras Neolatinas pela Ufes, doutorado em Linguística pela Unicamp e em Letras pela USP:

“Preconceito contra a língua

A revista Mátria, publicação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, no seu número de 8 de março de 2005, nas páginas 38-39, traz um artigo intitulado ‘Feminismo e o preconceito na língua portuguesa’, de autoria da profa. Raquel Felau Guisoni, que merece algumas reflexões por causa da afirmação de que a língua portuguesa é machista. A autora baseia-se no fato de que, havendo numa sala um maior número de mulheres do que de homens, a concordância nominal se faz no masculino plural, como se as mulheres fossem deixadas em segundo plano pela gramática. A autora conclui sua análise aconselhando os profissionais da lingüística a estudar e a modificar as regras gramaticais ‘machistas’.

Em primeiro lugar, a autora parece confundir gênero com sexo. O sexo é uma distinção semântica, biológica. O gênero é uma distinção gramatical, lingüística, e, portanto, relativamente arbitrária. Em português, se eu disser que Vera Fischer é um mulherão, estarei usando o masculino para fazer um elogio à exuberante feminilidade da atriz. Em português, normalmente, o aumentativo em –ão é do gênero masculino, mesmo que a palavra-base seja feminina: casa – casarão, panela – panelão (o sentido da palavra-base se alterou), flor – florão (o sentido da palavra-base se alterou), voz – vozeirão, etc. Em alemão, uma regra gramatical ensina que os diminutivos são neutros. Ora, a palavra ‘Fräulein’ significa ‘senhorita’, mas, como é um diminutivo, é do gênero neutro. Não se pode dizer que os alemães desprezam as moças solteiras...

Em português, o plural é marcado com um afixo –s (-es). Por isso eu sei que a palavra ‘pratos’ está no plural. Mas não existe marca para o singular. Sei que ‘prato’ é singular porque não tem o –s de plural. O mesmo fenômeno ocorre com o gênero. Sei que ‘deusa’ é feminino porque tem a marca de feminino, isto é, o afixo –a. Mas eu sei que ‘Deus’ é masculino porque não tem a marca de feminino, isto é, o masculino em português é um gênero não-marcado assim como o singular é um número não-marcado.

Palavras como ‘pente’, ‘ouro’ e ‘mantra’, por exemplo, são arbitrariamente masculinas. Repare-se que ‘linotipo’, por exemplo, é feminino, embora termine em –o, e que ‘poema’ é masculino, embora termine em –a. As terminações –e, –o –a, chamadas vogais temáticas, são apenas classificatórias. Assim ‘samba’ é masculino (em francês, é ‘la samba’, feminino), mas ‘casa’ é feminino, porque o –a aí não designa gênero. O –o de ‘menino’ também não designa gênero; é apenas vogal temática. O masculino NÃO é marcado em português. ‘Mar’, cuja vogal temática só aparece no plural (marEs), era feminino em português antigo, como atestam expressões atuais como ‘preamar’, ‘baixa-mar’ (em francês, ‘mer’, mar, é feminino).

Assim, não é por machismo que se faz a concordância no masculino quando há muitas mulheres numa sala e apenas poucos homens, antes, pelo contrário, por deferência: como o masculino é gênero não-marcado, usa-se o masculino para não ofender os brios de ninguém. Por isso, pronomes como isso, aquilo, quem, tudo, nada etc. exigem a concordância no masculino: Nada (tudo) é ‘perfeito’, isso é ‘bom’, quem é ‘sério’, etc.

Em segundo lugar, o que os lingüistas e gramáticos deveriam fazer, para evitar a idéia de machismo da língua, não é mudar regras, porque as regras estão interiorizadas em cada falante, e ninguém é dono da língua. O que eles deveriam fazer é mudar a terminologia: em lugar de gênero masculino e feminino, deveríamos dizer gênero não-marcado e gênero marcado.

Afinal, o preconceito não está na língua, mas no falante.”
Fonte: Aventuras na Justiça Social (https://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/902388753175975) (página do Facebook).
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Outubro de 2015, 01:09:50
"Aluno" vem do latim, "alumnus", e esse "lumnus" é o mesmo "lumnus" de iluminação. A=sem, então aluno é "sem luz". Sem luz = negro. Coloca os negros e pessoas em situação de aquisição de informações como seres inferiores, que precisam ser "iluminados" por seres superiores, negando a sua agência.







Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.
Mulato(a)-moreno(a) é muito mais preciso nesta situação, pois indica ascendência proveniente de negros e brancos, e características físicas mescladas destas duas raças.

"Mulato" mais, mas acho que "moreno" é mais abrangente, incluindo brancos "puros", apenas não loiros ou ruivos. Ainda que talvez mais recentemente tenha sido usado também para incluir pessoas miscigenadas entre negros e brancos, mas pendendo algo mais ao fenótipo branco.

"Mulato" (tinha escrito "multado"!) tem o pseudo-problema de dizerem ser uma analogia com "mula". Mas é apenas por hibridação, que ainda é tecnicamente o caso, ainda que não interespecífica. Algumas vezes falam como se o problema fosse pelo animal, "mula", não por ser um híbrido, mas por ser "sinônimo" de "burro" e "asno", mas provavelmente nunca foi usado assim o termo, mesmo por pessoas que fossem mais avessas à miscigenação.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Aronax em 22 de Outubro de 2015, 13:47:07
Somos designados como seres "humanos".....parece ter a mesma origem de "homem"...devemos dizer então que somos humanos...ou "mulheranos"?..... :biglol:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Outubro de 2015, 13:55:10
Bem lembrado. "Humano" inerentemente desumaniza a mulher.

Devemos nos dizer "seres pessoais".

E "gente" como sinônimo de "pessoa" desumaniza/despessoaliza aos judeus, não-gentios.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 22 de Outubro de 2015, 14:06:09
 :histeria: :histeria:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 22 de Outubro de 2015, 14:09:21
Somos designados como seres "humanos".....parece ter a mesma origem de "homem"...devemos dizer então que somos humanos...ou "mulheranos"?..... :biglol:
Pois é, Da mesma forma, por quê chamar animal de animal, e não de anibem, já que  bichos não tem maldade?
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Outubro de 2015, 14:15:27
Desculpe, "seres e seras pessoais".

Ou seras na frente, não pelo misognismo benevolente de "primeiro as damas", mas por ordem alfabética apenas, que é o melhor parâmetro para esse tipo de ordenação.

Se bem que talvez a própria ordem alfebética já seja misoginista benevolente, ao colocar o "a", feminino, antes de tudo, normalizando o "primeiro as damas" já na base da alfabetização -- talvez melhor dizendo, aquisição de linguagem.

Chega de ordem alfabética. Deve-se aleatorizar as letras e combiná-las aos números a fim de acabar com a programação subliminar de privilégios e preconceitos.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 22 de Outubro de 2015, 15:14:34
Você parece muito preocupado, mas se mostra absolutamente machista se referindo ao a feminino, quando na verdade o a, deveria ser A A feminina,
bem como o o sempre foi masculino.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 22 de Outubro de 2015, 15:43:50
Na verdade, tanto o masculino como o feminino deveriam ser de modo geral abolidos. Apenas os genitais são coisas que realmente têm gênero, e não precisam de especificação outra além de sua descrição, como artigos em concordância.

E não vamos nos deixar ludibriar pelos direitistas conservadores fascistas que fingem tentar acabar com a genderização idiomática com "x" em vez de "a" e "o". Qualquer uma pessoa com uma capacidade cognitiva não deficitária (não que isso seja um problema) pode perceber que é fácil fazer o "x" pender para algo "a" ou "o", além de soar como o plural com sotaque carioca -- e então o plural não no sentido positivo, verdadeiramente pluralista, de diversidade, mas no fascista, massificador. "X individux" confunde "o(a) indivíduo(a)" com o plural da mesma coisa, e no fascismo há essa mesma opressão  para a conformidade do indivíduo às normas da sociedade totalitária.

O ideal seria substituir o "a" e o "o" por "ei", que, além de serem vogais, não impoem imperialisticamente o sotaque carioca a todas as pessoas, e ficam entre ambas as letras no em AEIOU -- ainda que, conforme coloquei anteriormente, essa mesma ordem já seja algo questionável.


(As palavras e letras riscadas são um exercício interessante que imaginei agora: nos policiar para vermos como o uso de usar artigos é desnecessário e apenas genderiza gratuitamente o idioma)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 18 de Novembro de 2015, 08:00:11
E o governo ataca.

(http://s2.glbimg.com/XgXLnlXJu73hKSiQCIKGM7J4EXc=/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2015/11/18/racismo.jpg)

:/
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 18 de Novembro de 2015, 08:07:36
Negociar também deve ser sempre trocado por sinônimo adequado, evitando o termo "acordar" ao máximo da possibilidade do seu discurso, pois pode na eventualidade do uso, acabar sugerindo que você esta brincando com o martírio daqueles que foram injustamente enforcados, no sentido de "passar a corda por".

Da mesma forma, sonegar também deve ser substituído, principalmente quando sabemos que esse termo se origina do latim sŭbnĕgo, como se apenas cidadãos de pele escura que por ventura estejam em condições inferiores, sub alguma coisa, é que afanassem algo do governo.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Novembro de 2015, 11:47:58
O problema já está no morfema "negar", que deveria ser substituído por "desafirmar".

Negativo ("negro ativo") -- substitua-se por sub/infra-zero.


Mas não são só as pessoas de pigmentação que absorve a maior parte do espectro de luz que são vítimas de discriminações profundamente arraigadas na cultura.

Os povos indígenas, alcunhados de "pele vermelha", por sua "agressividade" (que nada mais é do que a resposta natural ao europeu invasor genocida), ainda têm sua cor "vermelha" usada para simbolizar o perigo ou a ordenar que as pessoas parem no trânsito, como que para evitar serem alvos de flechadas. Sinal esse antecedido pelo amarelo, que coloca aos asiáticos como um perigo intermediário, que requer vigilância, alerta, suspeita. E qual é o sinal que nos diz que está tudo bem? O verde, que era a cor dos olhos, de pessoas brancas, preferida por ninguém menos que Hitler.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 18 de Novembro de 2015, 12:02:34
O vermelho... é tão discriminado que até nas conversas sobre discriminação costuma ser excluído e não ter espaço.

Expressões como "Tô no vermelho", que simbolizariam a profunda enrascada daquele que diz, quase que simulam a situação em que forçam os indígenas a viver. Através da repetição e perpetuação da expressão, forçam as comunidades nativas a viverem em cenários absolutamente ruins.

Da mesma forma já educamos nossas crianças a assimilarem que ir mal nas atividades escolares, o que normalmente significa uma vida adulta sob opressão do capital, é o mesmo que ser indígena, através das notas e boletins vermelhos. As crianças são forçadas a assimilar a agressividade inerente ao vermelho, ao comportamento violento que os pais, retrógrados e brancos, assumem ao verificar as notas "abaixo da média" do que seria o resultado do ser humano europeizado padrão. E notas essas que raramente são de disciplinas de cunho natural, como pajelança, dança da chuva, "enfiar a mão no formigueiro" e outras que trariam à sociedade moderna o verdadeiro conhecimento e humanização da pessoa, ao contrário do que trazem essas frias como matemáticas e coisas do tipo.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Lorentz em 18 de Novembro de 2015, 19:33:52
Negociar também deve ser sempre trocado por sinônimo adequado, evitando o termo "acordar" ao máximo da possibilidade do seu discurso

"Acordar" demonstra neutralidade de cores com o prefixo "a" seguido de "cor".
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Novembro de 2015, 20:10:03
Esse "a" é preposição, não anti-afirmação. "A cor dar" é como lusitano fraseariam "dando a cor". A anti-afirmativa seria em "dis-cor-dar", "não dar a cor". Con(com)-cor-dar = "dar a cor".

Parecem termos relativos subliminarmente ao comércio de escravos.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 18 de Novembro de 2015, 20:26:38
Negociar também deve ser sempre trocado por sinônimo adequado, evitando o termo "acordar" ao máximo da possibilidade do seu discurso

"Acordar" demonstra neutralidade de cores com o prefixo "a" seguido de "cor".

É aí que o racismo se manifesta e deixa claro o quão já está arraigado na nossa sociedade.  A neutralidade de cor aparentemente não fere a pessoa humana, mas só aquelas que não são diariamente intituladas como sendo "de cor", nesse sentido, uma neutralidade seria o mesmo que a anulação da raça e por consequente a manutenção da condição de sub, aquele que não existe no discurso.

Pra você que é branco é fácil falar em neutralidade. Mas para a polícia quem é "de cor" não é neutro. #aecioNever
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Novembro de 2015, 21:08:02
Pra você que é branco é fácil falar em neutralidade.

(https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/75/5a/e7/755ae7cf801525fa781f27d303a7f624.jpg)

A "neutralidade", ou "color blindness", é na verdade apenas fechar os olhos para o racismo, fingir que não se vê.

E que é um problema que nem pode ser reduzido a "cor" no sentido da cor que vemos com nossos olhos:

(https://bossip.files.wordpress.com/2014/03/tumblr_n1s2rntb4y1tucgl1o1_1280.jpg)

(http://rollingout.com/wp-content/uploads/2014/03/I-Too-Am-Harvard-11-650x433.jpg?a5de54)


Não podemos fechar nossos olhos, e mesmo ter eles abertos, ainda não é o suficiente para enxergar toda a dimensão do problema. #AécioFHCSerraPrivatariaTorturaNuncaMais
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Donatello em 20 de Novembro de 2015, 11:24:53
Maluco! mas a página do Governo de Brasília levou uma surra épica nos comentários sobre esta justiçada das 'expressões racistas'. O estagiário que dá as respostas prontas ficou perdidinho :histeria:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 20 de Novembro de 2015, 14:24:06
Verdade. A resposta mais padronizada era sempre "... mas tem gente que se sente ofendida com esses vocábulos", insistindo na ideia de que todo menino mimado ofendido deve provocar mudanças na sociedade através de leis.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Novembro de 2015, 14:53:20
(http://1.bp.blogspot.com/-yP5lxKtoXmo/U8K29PHUkGI/AAAAAAAAZb0/dZJbyCG_9fA/s1600/dougstanhope.png)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 15:20:14
Afff, ainda existe essa de sentar em posição de lotus para parecer cool ...
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Novembro de 2015, 15:27:56
Na posição de lotus os pés ficam sobre as coxas, isso é só um jeito normal/não-esotério de sentar no chão.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 15:33:39
Posição Flor de Lotus,  não Posição de Lotus,
https://www.google.com.br/search?q=posi%C3%A7%C3%A3o+delotus&espv=2&biw=1366&bih=681&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwj56avKw5_JAhXTJJAKHaQXDmAQsAQIIg#tbm=isch&q=posi%C3%A7%C3%A3o+de+lotus (https://www.google.com.br/search?q=posi%C3%A7%C3%A3o+delotus&espv=2&biw=1366&bih=681&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwj56avKw5_JAhXTJJAKHaQXDmAQsAQIIg#tbm=isch&q=posi%C3%A7%C3%A3o+de+lotus)

Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Novembro de 2015, 15:40:36
https://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_position
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 15:43:17
Na posição de lotus os pés ficam sobre as coxas, isso é só um jeito normal/não-esotério de sentar no chão.
Não, não é. Isso é um jeito de(nem de sentar) se postar do tipo, "olha como eu sento do jeito mais  legal e despojado que tem"!
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 15:45:21
https://en.wikipedia.org/wiki/Lotus_position
https://www.google.com.br/search?q=Lotus+position&espv=2&biw=1366&bih=681&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjOm97nxp_JAhVDOZAKHRyeDb4Q_AUIBigB
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Novembro de 2015, 15:58:10
https://www.google.com.br/search?q=sentado+no+chão&tbm=isch (https://www.google.com.br/search?q=sentado+no+chão&tbm=isch)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 20 de Novembro de 2015, 16:05:43
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Sem a dúvida a posição de lótus é a com os pés sobre as coxas, sempre meio relacionado a meditação.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 16:08:47
https://www.google.com.br/search?q=sentado+no+chão&tbm=isch (https://www.google.com.br/search?q=sentado+no+chão&tbm=isch)
Rainha se olhando no espelho,

(http://4.bp.blogspot.com/-b_NlhJUbIdI/VRGgRhzGikI/AAAAAAAAAYE/0OEJgcJ7JVQ/s1600/brancadeneve97.gif)

Rainha se achando o máximo diante do espelho,

(http://4.bp.blogspot.com/-b_NlhJUbIdI/VRGgRhzGikI/AAAAAAAAAYE/0OEJgcJ7JVQ/s1600/brancadeneve97.gif)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 16:11:26
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Ah, não, por que a posição de Índio segundo o Buckaroo é essa,

(https://i.ytimg.com/vi/g38Qbjq_5Ts/hqdefault.jpg)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 16:28:22
Esse nome "posição de lotus" pode designar genericamente a posição tipica de monges para meditação,

(http://www.fatosdesconhecidos.com.br/wp-content/uploads/2015/03/med-600x450.jpg)

(http://hypescience.com/wp-content/uploads/2015/02/monge-mumificado-1-838x559.jpg)

de acordo com o site da imagem acima, o monge mumificado foi encontrado em "posição de lotus"
http://hypescience.com/este-monge-esta-meditando-ha-200-anos/ (http://hypescience.com/este-monge-esta-meditando-ha-200-anos/)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 20 de Novembro de 2015, 16:32:38
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Ah, não, por que a posição de Índio segundo o Buckaroo é essa,

(https://i.ytimg.com/vi/g38Qbjq_5Ts/hqdefault.jpg)


Como assim? Paralisado em pé?
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 17:05:19
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Ah, não, por que a posição de Índio segundo o Buckaroo é essa,

(https://i.ytimg.com/vi/g38Qbjq_5Ts/hqdefault.jpg)


Como assim? Paralisado em pé?
A referência era o desenho do Pica Pau.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 20 de Novembro de 2015, 17:19:21
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Ah, não, por que a posição de Índio segundo o Buckaroo é essa,

(https://i.ytimg.com/vi/g38Qbjq_5Ts/hqdefault.jpg)


Como assim? Paralisado em pé?
A referência era o desenho do Pica Pau.

Bicho, eu acho que eu tô perdendo alguma coisa aqui...
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Sergiomgbr em 20 de Novembro de 2015, 17:21:07
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

Ah, não, por que a posição de Índio segundo o Buckaroo é essa,

(https://i.ytimg.com/vi/g38Qbjq_5Ts/hqdefault.jpg)


Como assim? Paralisado em pé?
A referência era o desenho do Pica Pau.

Bicho, eu acho que eu tô perdendo alguma coisa aqui...
Você está em terreno lúdico.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 20 de Novembro de 2015, 19:41:26
Os povos indígenas, alcunhados de "pele vermelha", por sua "agressividade" (que nada mais é do que a resposta natural ao europeu invasor genocida), ainda têm sua cor "vermelha" usada para simbolizar o perigo ou a ordenar que as pessoas parem no trânsito, como que para evitar serem alvos de flechadas. Sinal esse antecedido pelo amarelo, que coloca aos asiáticos como um perigo intermediário, que requer vigilância, alerta, suspeita. E qual é o sinal que nos diz que está tudo bem? O verde, que era a cor dos olhos, de pessoas brancas, preferida por ninguém menos que Hitler.

O vermelho... é tão discriminado que até nas conversas sobre discriminação costuma ser excluído e não ter espaço.

Expressões como "Tô no vermelho", que simbolizariam a profunda enrascada daquele que diz, quase que simulam a situação em que forçam os indígenas a viver. Através da repetição e perpetuação da expressão, forçam as comunidades nativas a viverem em cenários absolutamente ruins.

Da mesma forma já educamos nossas crianças a assimilarem que ir mal nas atividades escolares, o que normalmente significa uma vida adulta sob opressão do capital, é o mesmo que ser indígena, através das notas e boletins vermelhos. As crianças são forçadas a assimilar a agressividade inerente ao vermelho, ao comportamento violento que os pais, retrógrados e brancos, assumem ao verificar as notas "abaixo da média" do que seria o resultado do ser humano europeizado padrão. E notas essas que raramente são de disciplinas de cunho natural, como pajelança, dança da chuva, "enfiar a mão no formigueiro" e outras que trariam à sociedade moderna o verdadeiro conhecimento e humanização da pessoa, ao contrário do que trazem essas frias como matemáticas e coisas do tipo.

Esta mesma página já versou sobre isso:

(https://fbcdn-sphotos-b-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xtp1/v/t1.0-9/12227817_922332981181552_3350399553828924901_n.png?oh=a65a854583f4c070ad9937a6058d518e&oe=56F5D241&__gda__=1458826871_0b6398ba4712d6775dc2d743e86bfc53)

(https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfl1/v/t1.0-9/12235127_922338161181034_6501864356139072609_n.png?oh=2874c7fb7efcd69c68e265b98ba4c587&oe=56EBFEB2&__gda__=1458818224_782529a8b6924bc75643004227c127b8)

Vermelho e amarelo não, basta de racismo, hehe.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 20 de Novembro de 2015, 19:52:02
Inacreditável. Camaro amarelo? Batom vermelho?

WTF?!

Essas são de mentira, não é possível.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 20 de Novembro de 2015, 22:38:04
:biglol:

Não fossem as imagens usadas e ter exagerado um pouco além da conta, a lei de Poe teria me pegado também.

Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Donatello em 20 de Novembro de 2015, 23:48:08
:histeria:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 28 de Novembro de 2015, 18:34:25
Só agora percebi que cai na Lei de Poe, verifiquei a página oficial no Facebook e de fato não encontrei as supostas postagens.  :histeria:

Acho que devo parar um pouco de acompanhar a atividade de páginas radicais e de páginas que parodiam ou denunciam o radicalismo das primeiras, pois já não consigo mais diferenciar o radicalismo da paródia. hehe
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 28 de Novembro de 2015, 19:47:46
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

O que por sua vez é racista, coloca a posição do índio como num ranking inferior, tendo que se sentar no chão.

Outra expressão racista comumente usada para indoutrinar as crianças pequenas é "fila indiana", que além do racismo, tem o aspecto de reforçar uma visão hierárquica e segregacionista da sociedade.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Lorentz em 29 de Novembro de 2015, 11:09:13
Quero mudar o nome do Pau Brasil, que remete a um país de terceiro mundo que depende da extração de madeira pra sobreviver, o que é ... hmmm... verdade. Além disso, quem nasce no Brasil não é brasiliano, mas "brasileiro", que remete a profissão de extração da madeira.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Johnny Cash em 30 de Novembro de 2015, 08:26:04
Conhecia essa maneira de sentar como sendo "posição de índio". Acho que era assim que chamavam na escola.

O que por sua vez é racista, coloca a posição do índio como num ranking inferior, tendo que se sentar no chão.

Outra expressão racista comumente usada para indoutrinar as crianças pequenas é "fila indiana", que além do racismo, tem o aspecto de reforçar uma visão hierárquica e segregacionista da sociedade.

Correta análise. Muito bem pontuado.

E digo mais, essas filas costumam ser organizadas pelos padrões mais opressores possíveis, sendo um deles o famigerado "por ordem de tamanho", em que toda sorte de viés patriarcal já se impõe ali numa só tacada, forçando os menores e mais frágeis a se posicionarem na frente como se estivessem prontos pra serem sacrificados num fronte medieval.

#foraCaféFilho
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Dezembro de 2015, 16:12:02
O movimento em defesa dos direitos das mulheres está certo em defender um acréscimo ao jargão legal no que concerne ao assassinato de pessoas mulheres e meninas. "Homicídio" faz parecer que apenas homens são vítimas de assassinato. O "homicídio de uma mulher" soa gramaticalmente inapropriado, uma falta de concordância, e isso faz com que subliminarmente as pessoas pensem, "ah, isso não foi verdadeiramente um homicídio, afinal, a vítima foi mulher". Fica clara a gênese no subconsciente de uma desvalorização das mulheres vítimas de assassinato.

Mas o movimento apenas agrava a situação ao sugerir o termo "femicídio" como remediação. Pois o antônimo não é "machicídio", mas "homicídio". Os sexos dos animais, chamamos de fêmea e macho. Mas aos animais "machos de gente", se chama de "homens"; aos animais "fêmeas de gente", se chama de mulheres. Como se vê então, "femicídio" coloca a mulher no patamar de uma reles "fêmea" animal, como um ser que se abate sem qualquer questionamento ético ou moral quando deixa de ter serventia.

Não é uma culpa do movimento, que sofre do mesmo mal já no nome que escolheu para si, feminismo, em vez do que deveria ser correto, mulherismo. Como todos sabemos, as boas intenções não nos garantem imunidade ao sexismo inerente à cultura e até na linguagem. São coisas muito arraigadas que requerem constante vigilância. 

A patriarquia defenderá com toda sua força a manutenção do termo falo-supremacista "homicício", recusando sua substituição para algo verdadeiramente neutro como gentecídio ou pessoacídio, os únicos termos que mantém a pessoalidade/gentalidade (entenda-se por isso o que se costumava ter pelo termo machista "humanidade"). Então não podemos ter isso como primeiro objetivo, o paliativo para amenizar a situação deve ser o uso de mulhericídio como seu correspondente, se realmente pretendemos elevar a importância e a dignidade dessas vítimas da violência patriarcal, e não reafirmar sua condição como animais de abate.

(http://i65.tinypic.com/2gtuc74.jpg)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Fabrício em 06 de Dezembro de 2015, 16:43:31
Rapaz, deve fazer um calor infernal embaixo desse plástico.

E essa aí nem dá para comer, a embalagem está toda estragada, bandeja quebrada, não tem uma espoja para absorver o sangue, fora de refrigeração... cadê a defesa sanitária quando a gente precisa dela?

E está parecendo meio passada também.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 06 de Dezembro de 2015, 17:12:45
E essa aí nem dá para comer

Outro exemplo de objetificação que combina a animalização a que me referia, com sexualização.

Se houvesse alguma analogia anatômica, seria a de que a mulher "come" o homem na penetração. Mas se é justamente o contrário, isso só pode ser explicado pela objetificação/animalização, de toda remoção de agência da mulher.

Não é de se surpreender que o estupro seja uma prática largamente aceita, a linguagem do sexo o torna algo "inexistente", sem sentido como problema. Uma reles galinha não tem direito a qualquer opinião contrária quanto a ser comida, como e quanto quer que se deseje comê-la. É comida, um objeto. Se há alguém que tem o direito de se opor, é apenas o seu dono, e não o objeto.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Fabrício em 06 de Dezembro de 2015, 21:46:26
E essa aí nem dá para comer

Outro exemplo de objetificação que combina a animalização a que me referia, com sexualização.

Se houvesse alguma analogia anatômica, seria a de que a mulher "come" o homem na penetração. Mas se é justamente o contrário, isso só pode ser explicado pela objetificação/animalização, de toda remoção de agência da mulher.

Não é de se surpreender que o estupro seja uma prática largamente aceita, a linguagem do sexo o torna algo "inexistente", sem sentido como problema. Uma reles galinha não tem direito a qualquer opinião contrária quanto a ser comida, como e quanto quer que se deseje comê-la. É comida, um objeto. Se há alguém que tem o direito de se opor, é apenas o seu dono, e não o objeto.

 :lol:
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 23 de Dezembro de 2015, 21:57:53
"Sexo oposto": termo triplamente problemático. Primeiramente pela sexualização do gênero; segundamente, mas não menos importante, por colocar os gêneros supostamente mais comuns como opostos, adversários, e terceiramente, e também não menos importante, promove uma dicotomia heteronormativa cis-gênero, removendo toda a diversidade que existe além dos "dois" gêneros socialmente aceitos e impostos pela sociedade.

O melhor seria, se necessário, se referir a gêneros diversos daquele que se tiver em foco. Note "diverso" em vez de "diferente", favorecendo a consciência da diversidade, em vez de focar na diferença, assim promovendo a aceitação em vez de exclusão. Ao não colocar os gêneros como "opostos", inimigos, remove-se um reforço subliminar das bases da cultura patriarcal de dominação e guerra contra o não-cismacho.




Aliás, "patriarquia" talvez deva ser questionado de forma similar. Igualmente faz uma reificação da condição biológica do progenitor macho ao gênero paterno e à cultura/ideologia problemática, que assim como gênero, não é algo inerente ao sexo biológico supostamente mais comumente associado, na tradição ocidental. Pode haver mães-cismachos, pais-cisfêmeas, mães=transmachos, mães-transfêmeas, pais-cis-X, mães cis-X, paimães-X-X, mãepais-X-X; e cada permutação possível dessas pode ser tanto complacente, vítima, ideóloga ou oposta ao que se rotula preconceituosamente como "patriarquia".

Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 10 de Fevereiro de 2016, 16:29:21


Citar
Parents Dedicate New College Safe Space In Honor Of Daughter Who Felt Weird In Class Once

(http://i.onionstatic.com/onion/5076/5/16x9/600.jpg)
The calming, new-idea-free zone will be open around the clock to comfort students who have read or heard opinions that are at odds with their preexisting worldview.

LYNNFIELD, MA—In an effort to provide sanctuary for Lynnfield College students exposed to perspectives different from their own, a new campus safe space was dedicated Wednesday in honor of Alexis Stigmore, a 2009 graduate who felt kind of weird in class one time.

Addressing students at the dedication ceremony, parents Arnold and Cassie Stigmore noted that while the college had adequate facilities to assist victims of discrimination, abuse, and post-traumatic stress, it had until now offered no comparable safe space for students, like their beloved daughter, who encounter an academic viewpoint that gives them an uncomfortable feeling.

[...]

As they have done often over the years, the Stigmores spoke openly about the time their daughter attended a class in which her political science professor “completely ambushed” her with standard course material that did not fit comfortably within her world outlook. Feeling unsettled, the college student reportedly had no way of coping with the challenging position that did not require her to consider the opinion, analyze its shortcomings, and think of possible counterarguments.

Alexis, then a dean’s-list student in her junior year, described spending 40 harrowing minutes of class in a distressed state, forced to look at the world through the eyes of a set of people she disagreed with.

“I’ll never forget the morning my daughter called and told me in a trembling voice, ‘Mom, my professor said some stuff today I didn’t like,’” recounted an emotional Cassie Stigmore, who also remarked that Alexis was left further traumatized upon looking at the course syllabus and finding it contained a book she did not want to read because it was written by an author whose politics she opposed. “As a parent, I’ll always wish I could have been there for her in that lecture hall, protecting her from those unwelcome concepts.”

[...]

http://www.theonion.com/article/parents-dedicate-new-college-safe-space-honor-daug-50851



Citar
Warning Labels On College Courses?

Some college students are demanding professors put warning labels on courses and books that might offend. And many profs are offended by that.

(http://s3.amazonaws.com/media.wbur.org/wordpress/12/files/2014/05/trigger-500x333.jpg)
This Feb. 5, 2014 file photo shows a statue of a man sleepwalking in his underpants, called “Sleepwalker,” which was part of an exhibit by sculptor Tony Matelli, surrounded by snow on the campus of Wellesley College, in Wellesley, Mass. A student started an online petition to have it moved indoors because it had become “a source of apprehension, fear, and triggering thoughts regarding sexual assault.” (AP)

Should college student assigned “The Great Gatsby” be forewarned that it contains scenes of “gory, abusive, misogynistic violence”?  Should undergrads reading “Huckleberry Finn” get a boldprint warning label of racism – and permission to duck it?  A new push on college campuses is calling for “trigger warnings” up front on potentially disturbing readings and more.  Advocates say it’s to protect the vulnerable.  Critics say it’s hypersensitivity run amuck and a veiled attack on free speech, robust scholarship.  This hour On Point:  Trigger warnings, and what American college kids can handle.

http://onpoint.wbur.org/2014/05/20/trigger-warnings-college-courses
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Donatello em 02 de Junho de 2016, 05:04:59
Guia (https://color.adobe.com/pt/) de termos corretos para evitar classificações equivocadas quanto ao tom de pele em tempos em que os termos negro, pardo, moreno, mulato e afrodescendente são disputados como os mais empoderados e os mais opressores (a depender da qualidade da maconha vendida no DCE) pelos ativistas negros discípulos de MalcomX/Magneto.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 10 de Junho de 2016, 20:16:57
Morador de apartamento → morador em situação de apartamento
Morador de casa → morador em situação de casa
Morando de favor → morador em situação de favor
Morando em casa alugada → morador em situação de aluguel
Morando em casa própria → ocupante de residência da qual crê ser legítimo dono de acordo com crenças capitalistas em propriedade privada





Quero mudar o nome do Pau Brasil, que remete a um país de terceiro mundo que depende da extração de madeira pra sobreviver, o que é ... hmmm... verdade. Além disso, quem nasce no Brasil não é brasiliano, mas "brasileiro", que remete a profissão de extração da madeira.

O próprio nome do país é falocentrista. É por isso que somos tão retrógrados e praticamenta linxamas nossa primeira presidenta mulhar, apenas par sar mulhar.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 19 de Setembro de 2016, 12:36:32
"Passar em branco" - "passar sem que seja dada a atenção merecida"

O termo "passar em branco" tem uma evidente conotação racial depreciativa, e argumentavelmente até mesmo trivializante da violência sexual.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Lakatos em 19 de Setembro de 2016, 20:15:09
Idem com "carta branca", que significa "autorização para fazer o que quiser", ou seja, uma referência ao fato de apenas os brancos serem livres na época da escravidão.

Também há as variações futebolísticas racistas, como o cartão amarelo e o cartão vermelho, associados a punições por mal comportamento e que fazem referência ao preconceito contra imigrantes japoneses e nativos indígenas.

O futebol, aliás, é cheio de expressões preconceituosas. Quem nunca notou a referência à Alemanha nazista na fórmula de organização da Copa do Mundo? O evento começa com a divisão em grupos, simbolizando a separação entre os arianos e os judeus, negros, ciganos etc. A próxima fase é o mata-mata, que nada mais é do que uma referência ao holocausto, culminando com a (solução) final.

(http://www.shoorayner.com/wp-images/uploads/2014/06/fifa-world-cup-drawing-small.jpg)(http://thefederalistpapers.integratedmarket.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2015/08/globe.png)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 19 de Setembro de 2016, 23:01:59
O elo é mais profundo que isso, evidenciado em mensagens subliminares que permeiam todo o esporte:

(http://opiniaotricolor.com.br/wp-content/uploads/2015/02/tusp31.jpg)

(http://l7.alamy.com/zooms/e54ffde90970414a8a4736b59a281077/crowd-in-oberwart-austria-saluting-nazi-flags-celebrating-the-anschluss-e1cwga.jpg)

(https://refnews.files.wordpress.com/2012/06/enrique-osses.png)

(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2014/05/21/article-2634986-0077020000000258-859_306x516.jpg)

(http://obxtrophies.com/wp-content/uploads/soccer-medal.jpg)

(http://p2.la-img.com/1056/36903/15454279_1_l.jpg)

(http://media.gettyimages.com/photos/person-wearing-a-captain-arm-band-picture-id83677468?s=170667a)

(http://www.pzg.biz/armband.jpg)

(http://i.imgur.com/el9yTPg.gif)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 18 de Outubro de 2016, 21:41:35

The Daily Show - Outrage Court: Trigger Warnings
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Julho de 2017, 02:09:36
Me ocorre agora que, em países angófonos, a vacina anti-rábica pode ter algum teor anti-semita subliminar.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Gabarito em 26 de Julho de 2017, 14:38:08
Fim dos vocábulos PAI e MÃE no campo filiação nos documentos de identificação.
Que tal GENITOR 1 e GENITOR 2?
Além de ter que informar também o sexo de cada genitor, claro.

(http://i66.tinypic.com/28kotvs.png)
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Lorentz em 26 de Julho de 2017, 15:19:35
Fim dos vocábulos PAI e MÃE no campo filiação nos documentos de identificação.
Que tal GENITOR 1 e GENITOR 2?
Além de ter que informar também o sexo de cada genitor, claro.

(http://i66.tinypic.com/28kotvs.png)

No caso de uma criança adotada por um casal homossexual, quem será o pai e quem será a mãe? Não é justamente para evitar este tipo de constrangimento que criaram essa regra?

Parece que a adoção de crianças é algo secundário. A família é importante, mas danem-se os órfãos.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Buckaroo Banzai em 26 de Julho de 2017, 15:21:15
Enquanto não banirem isso de casamento gay, a coisa só vai continuar assim, teremos que sofrer dolorosamente esses insultos traumatizantes cada vez mais, destruindo nossas famílias irreparavelmente. Agressões, nos próprios documentos, dia após dia.

Por isso votarei em Bolsonaro, que prometeu dar o kit-hétero nas escolas, distribuir uma CINTA para os pais e mães (os de verdade, não os da fábula gaysquerdista) aplicarem em casa.

E claro, ele acabará com o uso dos termos que NÓS consideramos insensíveis, que ferem NOSSOS sentimentos!

CHEGA de ditadura gay!!!!111 (Termo que provavelmente eles acham erótico por ter o morfema "dura")

#BOLÇONARO2018








No caso de uma criança adotada por um casal homossexual, quem será o pai e quem será a mãe? Não é justamente para evitar este tipo de constrangimento que criaram essa regra?


Acho que o problema é que tecnica/semantica e talvez legalmente pais adotivos não sejam "genitores". Talvez devesse constar "guardião legal 1", "2", "N".

Dessa forma a utilidade GRAMATICALMENTE CORRETA acaba sendo mais para pais transexuais, parece.

Provavelmente o melhor seria "mãe ou pai 1", "mãe ou pai 2", "mãe ou pai 3"*, etc. Pelo significado mais "humano" dessas palavras na criação.



* mesmo sem considerar poligamia, algumas tribos indígenas consideram que as crianças podem ter mais de um pai.



Citar
Parece que a adoção de crianças é algo secundário. A família é importante, mas danem-se os órfãos.

Órfãos poderiam ser todos criados pela Igreja, e teriam como genitores "Jesus" e "Maria", simbolicamente. Então eles teriam uma boa criação, em vez de ter que assistir orgias sodômicas bestiais cotidianamente.

Ao passo que a esquerda quer que todas as crianças não tenham mais guarda dos "pais", que agora inexistem, são reles genitores, procriadores biológicos, e sejam já criados nas creches das faculcracolândias.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 26 de Julho de 2017, 18:59:31
Fim dos vocábulos PAI e MÃE no campo filiação nos documentos de identificação.
Que tal GENITOR 1 e GENITOR 2?
Além de ter que informar também o sexo de cada genitor, claro.

(http://i66.tinypic.com/28kotvs.png)

No caso de uma criança adotada por um casal homossexual, quem será o pai e quem será a mãe? Não é justamente para evitar este tipo de constrangimento que criaram essa regra?

Parece que a adoção de crianças é algo secundário. A família é importante, mas danem-se os órfãos.
Concordo, neste caso é compreensível.
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Skeptikós em 28 de Agosto de 2017, 11:41:16
(https://uploaddeimagens.com.br/images/001/064/217/original/Screenshot_2017-08-28-11-25-22.png?1503931214)

(https://uploaddeimagens.com.br/images/001/064/209/original/Screenshot_2017-08-28-11-25-46.png?1503931110)

(https://uploaddeimagens.com.br/images/001/064/204/original/Screenshot_2017-08-28-11-26-11.png?1503930985)

Fonte (https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10214301497561025&id=1523959627) (arquivo (http://archive.is/fbi0e))
Título: Re:Léxico Politicamente-Correto
Enviado por: Geotecton em 28 de Agosto de 2017, 16:11:43
Perfeito.