Autor Tópico: Alemães comemoram com exposição os 450 anos do livro de Hans Staden  (Lida 613 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Skorpios

  • Visitante
Citar
Alemães comemoram com exposição os 450 anos do livro de Hans Staden

 
Mostra sediada em Wolfhagen, cidade natal do soldado alemão, celebra a publicação de um dos primeiros relatos sobre o Brasil na Europa.

O museu regional de Wolfhagen está apresentando até 6 de maio uma exposição dedicada ao precioso livro Wahrhaftige Historia, escrito por Hans Staden, sobre as duas viagens que realizou ao Brasil entre os anos de 1548 e 1555. Quatrocentos e cinqüenta anos depois de sua primeira edição, o livro permanece um dos mais curiosos documentos sobre a cultura dos índios brasileiros, especialmente os tupinambás, que aprisionaram o navegante e mercenário alemão e quase o devoraram em seus rituais canibalescos.

 

Inaugurada em 2 de março, a exposição contou em seus primeiros dias com uma série de palestras sobre o livro, como "Hans Staden no Estudo Lingüístico", proferida por Harald Thun, e "Hans Staden no Contexto da História dos Descobrimentos Portugueses", por Marília dos Santos Lopes. A mostra, que também será levada a seis capitais brasileiras, exibe ainda máscaras e utensílios indígenas da região do Xingu.

 

Os homens do outro lado do Atlântico

 

O relato de Hans Staden (1525–1579) está para os alemães assim como a carta de Pero Vaz de Caminha para os reis de Portugal.  Em Verdadeira História dos Selvagens, Nus e Devoradores de Homens, Encontrados no Novo Mundo, A América, a reportagem feita por Staden é a descrição de um homem simples, de forte fervor católico, sobre a natureza e a paisagem do Brasil e os costumes de seus habitantes. Uma aventura onde se revelam também as questionáveis formas de colonização empregadas pelos europeus na conquista de outros continentes e o inevitável choque cultural entre os chamados "selvagens" e "civilizados".

 

Segundo a edição Brasiliana da Biblioteca Nacional, de 2001, o livro de Staden foi determinante para os europeus: "A sua influência no meio culto da época ajudou a criar, no imaginário europeu quinhentista, a idéia da terra brasílica como o país dos canibais, devido às ilustrações com cenas de antropofagia". Monteiro Lobato foi taxativo, ao estimar o valor dos escritos do autor alemão: "É obra que devia entrar nas escolas, pois nenhuma dará melhor aos meninos a sensação da terra que foi o Brasil em seus primórdios".

 

Em suas próprias palavras, Staden não pretendia se vangloriar de suas experiências junto a um povo tão exótico para ele. "O porquê de ter escrito este livrinho foi enfatizado por mim em diversos trechos. Todos nós devemos louvar e agradecer a Deus por ter-nos protegido desde o nascimento até os dias de hoje, ao longo de uma vida inteira. Assim como os portugueses, franceses, espanhóis e holandeses, os alemães também participaram da exploração do Brasil no início do século 16. Minha primeira viagem para a América foi em uma nau portuguesa. Éramos três alemães a bordo, Heinrich Brant von Bremen, Hans von Bruchhausen e eu. A segunda viagem ia de Sevilha, na Espanha, para o Rio de La Plata", conta o autor, que na segunda expedição era o único alemão presente. "Acabamos sofrendo um naufrágio em São Vicente. Trata-se de uma ilha que fica bem próxima à terra firme brasileira e é habitada por portugueses."

 

O livro revisitado

 

Os nove meses em que Hans Staden ficou em poder dos tupinambás renderam um relato impressionante em nível antropológico, sociológico, lingüístico e cultural que é constantemente revisitado. O livro, que é considerado um sucesso editorial, já inspirou montagens teatrais pelo mundo afora, semeando a imaginação dos modernistas Raul Bopp e Oswald de Andrade na criação da Revista de Antropofagia, de 1928, onde foi publicado o substancial Manifesto Antropofágico, de Oswald:  "Perguntei a um homem o que era o Direito. Ele me respondeu que era a garantia do exercício da possibilidade. Esse homem chamava-se Galli Mathias. Comi-o".

 

A aventura de Hans Staden acabou sendo levada às telas pelas mãos do cineasta brasileiro Luiz Alberto Pereira em Hans Staden, um dos poucos filmes na história do cinema em que a língua falada pelos atores é, predominantemente, a tupi, e que conquistou diversos prêmios no Brasil e nos Estados Unidos.

 

O livro ganhou em 1998 uma primorosa edição da Dantes Editora e Livraria, do Rio de Janeiro, em tradução de Pedro Süssekind, que traz, além das ilustrações originais, desenhos e gravuras de Theodoro de Bry, Roque Gameiro, Van Stolk,  entre outros.




http://www.dw-world.de/dw/article/0,2144,2428425,00.html

Offline Guinevere

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.861
  • Sexo: Feminino
Re: Alemães comemoram com exposição os 450 anos do livro de Hans Staden
« Resposta #1 Online: 10 de Abril de 2007, 18:48:40 »
450? estou ficando velha!!!

Offline Pregador

  • Conselheiros
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.035
  • Sexo: Masculino
  • "Veritas vos Liberabit".
Re: Alemães comemoram com exposição os 450 anos do livro de Hans Staden
« Resposta #2 Online: 13 de Abril de 2007, 11:35:36 »
Será que é achável este livro para venda?
"O crime é contagioso. Se o governo quebra a lei, o povo passa a menosprezar a lei". (Lois D. Brandeis).

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!