Autor Tópico: Expansão do Universo.  (Lida 1389 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Steady State

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 182
Expansão do Universo.
« Online: 26 de Janeiro de 2008, 19:23:09 »
o que prova a expansão do universo é somento o desvio para o vermelho?

Offline FZapp

  • Administradores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.929
  • Sexo: Masculino
  • El Inodoro Pereyra
    • JVMC
Re: Expansão do Universo.
« Resposta #1 Online: 26 de Janeiro de 2008, 19:37:23 »
Não, outras características do universo como a quantidade de deutério no universo precisariam de outra explicação caso o big bang não seja a explicação adequada.
--
Si hemos de salvar o no,
de esto naides nos responde;
derecho ande el sol se esconde
tierra adentro hay que tirar;
algun día hemos de llegar...
despues sabremos a dónde.

"Why do you necessarily have to be wrong just because a few million people think you are?" Frank Zappa

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.272
  • Sexo: Masculino
Re: Expansão do Universo.
« Resposta #2 Online: 27 de Janeiro de 2008, 16:57:55 »
Mas esse tipo de coisa, como quantidade de deutério não é explicada mais especificamente por alguma das diversas teorias (ou possíveis ajustes de valores) da inflação?

Offline FZapp

  • Administradores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.929
  • Sexo: Masculino
  • El Inodoro Pereyra
    • JVMC
Re: Expansão do Universo.
« Resposta #3 Online: 27 de Janeiro de 2008, 22:30:58 »
eu estou na linha onde expansão do universo = teoria do big bang como um todo. A expansão pressupõe que o universo estava antes não expandido, logo Big Bang.

A menos que o Ready State esteja com outra idéia na mente ...

Em todo caso, algum evento que não estrelas precisam ter criado o deutério, e o fato de ser tão comum só se explica mediante as conseqüências da expansão do universo.
--
Si hemos de salvar o no,
de esto naides nos responde;
derecho ande el sol se esconde
tierra adentro hay que tirar;
algun día hemos de llegar...
despues sabremos a dónde.

"Why do you necessarily have to be wrong just because a few million people think you are?" Frank Zappa

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.272
  • Sexo: Masculino
Re: Expansão do Universo.
« Resposta #4 Online: 28 de Janeiro de 2008, 01:45:11 »
Acho que a pergunta do SS era mais sobre a expansão no presente do que necessariamente o BB inicial.

Lembro de ter lido algo como que, os ajustes no BB/inflação para dar conta da matéria escura levam a alguns problemas com o deutério e outras coisas na nucleossíntese, mas não lembro de detalhes minimamente decentes, apenas desse resultado solto e vazio.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.272
  • Sexo: Masculino
Re: Expansão do Universo.
« Resposta #5 Online: 28 de Janeiro de 2008, 01:50:44 »
Não sei se é de alguma relevância:


Nonprimordial Deuterium in the Interstellar Medium

 Abstract
Contrary to a widespread assumption, deuterium is not simply destroyed in stars: deuterium is also synthesized in the atmospheres of active stars. This nonprimordial synthesis of D arises when protons accelerated in flares interact with the atmosphere, create a flux of free neutrons, and these neutrons then undergo radiative capture on atmospheric protons. Radiative capture does not result in excess production of Li, Be, or B. Ejection of flare-processed material contaminates the interstellar medium (ISM), as was originally suggested by Coleman & Worden. Estimates of the amount of flare-created D are subject to considerable uncertainties, but we find, using stellar parameters within permitted ranges, that flares may contribute significantly to the current ISM D content. Observational data indicate that different clouds of gas in the ISM exhibit variations in the value of D/H. We suggest that contamination of the ISM by D-enriched material ejected from stellar flares contributes to the observed D/H inhomogeneity. More precise estimates of the efficiency of D ejection from flares into the solar wind are required to evaluate this suggestion.

http://adsabs.harvard.edu/abs/1999ApJ...511..502M

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.741
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #6 Online: 30 de Dezembro de 2015, 00:00:07 »
Bom, eu que sempre achei essa questão do "desvio para o vermelho", algo simplista e fantasiosa, de repente fico diante desse artigo aqui,

Citar
Peter Moon | Agência FAPESP – Era uma vez uma galáxia muito, muito distante, que existia quando o Universo era muito, muito jovem, apenas 400 milhões de anos após o Big Bang.

Era uma galáxia muito antiga, a mais distante jamais observada. Seus raios de luz viajaram pelo espaço por mais de 13 bilhões de anos – 96% da idade do Universo ou três vezes a idade do Sistema Solar - até serem coletados pelos observatórios espaciais Hubble e Spitzer.

Aquela galáxia tão distante foi apelidada de Tainá, "recém-nascida", no idioma aimará, falado por povos andinos. A análise de sua luz revelou uma galáxia muito jovem e maciça, compacta e repleta de estrelas gigantes azuladas, uma galáxia que não deveria existir… pelo menos de acordo com o modelo atual da evolução do Universo.

Contra fatos e imagens não há argumentos. Sendo assim, muito embora Tainá não devesse existir, ela existe. Logo, quem está incorreta é a teoria, que parece precisar de ajustes, de acordo com o cosmologista madrilenho Alberto Molino Benito, pós-doutorando no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Molino colaborou com o trabalho publicado no periódico The Astrophysical Journal. Seu pós-doutorado é apoiado pela FAPESP e supervisionado pela cosmóloga Claudia Mendes de Oliveira, que estuda a formação e a evolução das galáxias.

Apesar do poder tecnológico combinado do Hubble e do Spitzer, Tainá é tão distante e tão tênue que se torna invisível mesmo para aqueles poderosos observatórios. “Para detectar Tainá, nosso grupo teve que recorrer a técnicas sofisticadas, como a lente gravitacional”, um fenômeno previsto por Albert Einstein na sua Teoria Geral da Relatividade.

Segundo Einstein, a força gravitacional exercida por um corpo de grande massa, como um aglomerado de galáxias, distorce o espaço ao seu redor. Essa distorção acaba funcionando como uma monstruosa lente virtual (ou gravitacional), que deflete e amplifica a luz de objetos muito mais distantes posicionados atrás do aglomerado que se observa.

“Nós vasculhamos o espaço à procura de aglomerados de galáxias maciços que possam agir como lentes gravitacionais para conseguir observar objetos que não deveríamos enxergar de tão tênues”, explica Molino. No caso, os astrônomos usaram o aglomerado gigante de galáxias MACS J0416.1-2403, que fica a 4 bilhões de anos-luz da Terra. O aglomerado tem a massa de um milhão de bilhão de sóis. Essa massa descomunal funcionou como o zoom de uma câmera, tornando 20 vezes mais brilhante a luz de Tainá, posicionada exatamente atrás do aglomerado.

Uma vez que Tainá foi detectada, era preciso determinar sua distância. Para calculá-la, os astrônomos estudaram sua luz por meio de um recurso chamado “desvio para o vermelho fotométrico”.

Funciona deste jeito: quanto mais distante se localiza um objeto astronômico, menor é a frequência de sua luz que chega até nós. Em outras palavras, mais avermelhada a luz fica. Assim, calculou-se que Tainá ficava a 13,3 bilhões de anos-luz de distância da Terra. Sua luz viajou durante este tempo todo para chegar até nós. Vale dizer que observamos Tainá como ela era há 13,3 bilhões de anos, quando o Universo contava apenas 400 milhões de anos.

Estrelas gigantes azuis

A luz de um objeto distante não conta apenas sua localização, idade e distância. “Seu estudo pode revelar o tamanho da galáxia, sua massa, quantas estrelas ela possui e qual a proporção de estrelas jovens e velhas nesta população estelar. Quanto mais estrelas jovens, azuis e brilhantes a galáxia possui, mais jovem ela é”, explica Molino.

No caso de Tainá, trata-se de uma galáxia repleta de estrelas gigantes azuis muito jovens e brilhantes, prontas para explodir em formidáveis supernovas para virar buracos negros. Quanto ao seu tamanho, Tainá era similar à Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia disforme que é um satélite da nossa Via-Láctea.

“400 milhões de anos é muito pouco tempo para a existência de uma galáxia tão bem formada”, diz Molino. “Os modelos mais recentes da evolução do Universo apontam para o surgimento das primeiras galáxias quando ele era bem mais velho.” Por mais velho, Molino entende um Universo adolescente de 1 bilhão de anos – não um recém-nascido de 400 milhões.

Só existe uma explicação para a existência de Tainá – a mais antiga das outras 22 galáxias muito tênues detectadas pelo estudo. “Elas só poderiam se formar tão rapidamente após o Big Bang se a quantidade de matéria escura no Universo fosse maior do que acreditamos”, pondera o cosmólogo.

Matéria escura é um tipo de matéria que compõe 80% da massa do Universo. Vale dizer, há cinco vezes mais matéria escura do que a massa de todos os 100 bilhões de galáxias do Universo observável. O problema é que esta matéria, como o nome indica, é escura, ou seja, invisível, ou melhor, desconhecida. Não sabemos do que é feita. Trata-se de uma das questões mais cruciais da cosmologia atual.

Há várias teorias para explicar o que seria matéria escura. Porém, como ela não interage com a luz, não conseguimos enxergá-la nem conhecer sua substância. Sabe-se apenas que a matéria escura existe devido à sua ação gravitacional sobre as galáxias. Não fosse a matéria escura, as galáxias já teriam há muito se estilhaçado. Sem matéria escura, o Universo não seria como o conhecemos. Talvez não existíssemos.

“A única explicação para Tainá existir e ser como era quando o Universo tinha 400 milhões de anos é graças à matéria escura, que deve ter acelerado o movimento de aglomeração de estrelas para a formação das primeiras galáxias”, explica Molino. “Se existe mais matéria escura, as galáxias podem se formar mais rápido.”

Não é possível pesquisar mais a fundo sobre Tainá e suas irmãs proto-galáxias no Universo recém-nascido, pois a tecnologia à disposição foi empregada até o seu limite. “Para saber mais, para enxergar melhor as primeiras galáxias e inferir a ação da matéria escura, temos que aguardar até 2018, quando será lançado o sucessor do Hubble, o telescópio espacial de nova geração James Webb”, diz Molino.

O James Webb terá um espelho de 6,5 metros de diâmetro, muito maior que os 2,4 metros do Hubble. Esse aumento de tamanho se traduz em aumento de acuidade. Molino e seus colegas contam com a sensibilidade do futuro telescópio espacial para continuar contando galáxias distantes e formar o maior banco de dados tridimensional do Universo. “Só assim poderemos confirmar como se processou a formação e evolução do Universo.”

http://agencia.fapesp.br/astronomos_descobrem_galaxia_que_nao_deveria_existir/22459/

Offline André Luiz

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.652
  • Sexo: Masculino
    • Forum base militar
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #7 Online: 02 de Janeiro de 2016, 21:56:31 »
É algo que está além do meu alcance de compreensão.

O universo se expande sobre o que?

Algo fica para trás ?
 
Tudo o que existe está na borda?

Na crista da onda?

Onde está Wally?

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.741
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #8 Online: 02 de Janeiro de 2016, 22:00:54 »
O espírito de Investigação de André Luiz!

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.735
  • Sexo: Masculino
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #9 Online: 02 de Janeiro de 2016, 22:06:21 »
É algo que está além do meu alcance de compreensão.

O universo se expande sobre o que?

Algo fica para trás ?
 
Tudo o que existe está na borda?

Na crista da onda?

Onde está Wally?

Me parece que é justamente a falta de algo contendo o universo que faz com que qualquer energia cause a expansão. O universo parece expandir para onde é fisicamente possível.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.272
  • Sexo: Masculino
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #10 Online: 02 de Janeiro de 2016, 22:59:41 »
É como naquela ilustração do balão enchendo com os pontos nele/confete colado nele para ilustrar "coisas". Só que em vez do espaço unidimensional/tridimensional do balão, é o espaço "ao todo".

Ou seja, o espaço "entre as coisas" que vai aumentando, e de forma mais ou menos proporcional ao próprio afastamento das coisas. Talvez por progressiva ausência de massa/gravidade para desacelerar isso.






Fred Hoyle, crítico do Big Bang e cunhador do termo, sugeriu uma vez que poderia ser que na verdade a matéria esteja diminuindo. Independentemente desse ser de fato o caso ou não, ainda ilustra como seria a expansão relativa do espaço.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.826
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #11 Online: 02 de Janeiro de 2016, 23:00:42 »
Segundo a teoria gigaview da conspiração gravitacional, existem outros universos que se apertam num espaço multidimensional como bolhas de sabão transparentes. Acho que descobrimos uma galáxia jovem de um outro universo, visível no fundo de um corredor. Na minha teoria, tudo que não se encaixa neste universo pertence a outros universos até que se prove o contrário.

« Última modificação: 02 de Janeiro de 2016, 23:04:50 por Gigaview »
Brandolini's Bullshit Asymmetry Principle: "The amount of effort necessary to refute bullshit is an order of magnitude bigger than to produce it".

Offline André Luiz

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.652
  • Sexo: Masculino
    • Forum base militar
Re:Expansão do Universo.
« Resposta #12 Online: 04 de Janeiro de 2016, 12:50:09 »

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!