Autor Tópico: Léxico Politicamente-Correto  (Lida 6191 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Aronax

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.250
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #25 Online: 16 de Maio de 2015, 17:29:33 »
Alguns levam isso a sério, vejam esta postagem na página do Facebook do Humaniza Redes:

Fonte: Facebook

No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber).

sempre imaginei que esta expressão vinha do fato de que temporais, e tempestades são negras....ou seja, muitas nuvens escuras, e o dia se torna as vezes quase noite.....
Uma verdade ou um ser pode ser vista de vários pontos, porém a verdade e o ser estão acima de pontos de vista.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 32.078
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #26 Online: 16 de Maio de 2015, 17:48:31 »
Eu já achava que seria uma analogia com o resultado de deixar comida queimar demais sobre o fogo. Ou com "escuridão" de maneira mais abstrata, em contraste com "está tudo muito claro", onde o aspecto "bom" não é em analogia abstrata com uma preferência por pele clara, mas por "visibilidade", por ser facilmente compreensível.

Qualquer que seja a origem exata me parece extremamente duvidoso que a intenção original (ou mesmo comumente ocasional) seja mesmo de se relacionar a situação à cor escura da pele/pessoas. "A coisa está como um(a) preto/a". Parece muita abstração, diferente de expressões realmente racistas.

Como fazer/deixar algo "às escuras", não é "fazer algo como os negros fazem" (ou "fazer para as negras"), só fazer/deixar oculto.



Mas nada disso importa se o seu nicho é explorar o racismo e o sentimento de discriminação das pessoas (sinergeticamente com a boa-vontade de alguns mais ingênuos).


Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #27 Online: 17 de Junho de 2015, 20:32:09 »
Alguns levam isso a sério, vejam esta postagem na página do Facebook do Humaniza Redes:

Fonte: Facebook

No entanto a premissa deles de que a expressão tem origem racista parece estar errada, já que segundo algumas fontes, o preto ai é relativo ao luto, e por tanto, é dai que vem a associação da expressão com situações negativas. (ORIGEM E SIGNIFICADO DE EXPRESSÕES POPULARES, Parte 1, Acervo do Saber).

Texto completo, com mais expressões supostamente racistas:

Tire O Racismo Do Seu Vocabulário: 13 Palavras E Expressões Para Parar De Falar Já



COMPORTAMENTO. 27/01/2015

Nota Da Editora: A autora do texto reuniu a opinião de colegas e amigos negros, que relataram as expressões que os incomodavam antes de desenvolver esse texto. Vale ressaltar também que, conforme uma leitora bem observou, é imprescindível ter em mente ao ler o texto que “por séculos, brancos subordinaram negros e durante todo esse período diversas palavras e frases foram usadas para enfatizar e perpetuar a ideia de submissão e inferioridade negra”.
Vire e mexe me perguntam como não ser racista. E, sinceramente, eu acho a resposta tão complicada, afinal somos educados para o inverso: o racismo é imposto e naturalizado, e, mesmo não querendo (existem casos que ele é sim intencional), muitos acabam reproduzindo o discurso opressivo para com negros.
Desconstruir esse discurso, até em expressões simples e que aparentemente não parecem ser ofensivas, mas no fundo são, é necessário e urgente. Pensando em quebrar esse ciclo, te mostro 13 exemplos de racismo cotidiano presente em expressões e palavras que ouvimos com freqüência, mas que devem ser eliminadas do vocabulário já.


1- “Amanhã é dia de branco”

Qualquer pesquisa rápida no Google mostrará mais de uma origem para essa expressão, e a maioria negando que ela tem algum cunho racista. Porém, vivemos em um país onde a escravidão do povo negro durou mais de 300 anos, e os escravos, mesmo sendo forçados a trabalhar, geralmente eram vistos como “vagabundos”.
As conseqüências disso duram até hoje, o negro é sempre visto como a pessoa que faz “corpo mole”, aquele “malandro” que não faz nada. Inclusive, entre as opiniões que mais afloram quando o assunto é cotas sociais para negros, a de que não existe esforço da nossa parte é a mais frequente. Tanto que podemos fazer um paralelo entre essa e a expressão seguinte.


2- “Serviço de preto”

Comum no nosso dia-a-dia, essa expressão é usada para desqualificar determinado esforço e/ou trabalho, ou seja, fazer “serviço de preto” é igual a ser desleixado. O negro sempre é associado a algo ruim, o “bom” trabalho seria o do branco. Não dá para ser ingênuo e achar que não existe o teor racista, ainda mais quando associamos a outras dessas expressões que colocam o negro como o oposto de positivo, como:


3- “A coisa tá preta”

A expressão “a coisa tá preta” fala por si só: se a coisa está preta, é porque ela não está agradável, ou seja, uma situação desconfortável é o mesmo que uma situação negra? Isso é racismo.


4- “Mercado negro”

O mercado negro é aquele que promove ações ilegais, e mais uma vez é a palavra negro sendo usada com conotação desfavorável. O negro, na expressão, significa ilícito.


5- “Denegrir”

Já a palavra “denegrir” é recorrente quando acreditamos que estamos sendo difamados, é uma palavra vista como pejorativa, porém seu real significado é “tornar negro”. Se tornar algo negro é maldoso, temos mais um caso de racismo.


6- “Inveja branca”

Finalizando a leva de palavras e expressões que associam negro e preto à comportamentos negativos, o exemplo 6, que mostra a “inveja branca” como sendo a inveja boa, “positiva”.


7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.


8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.


9- Negra “de beleza exótica” ou com “traços finos”

O 8 e 9 são próximos, quando se imagina que ser uma mulher negra bonita é ser “tipo exportação”, ter “traços finos” e assim poder ser a dona de uma “beleza exótica”. Ser negro e poder ser considerado bonito está relacionado a não ter traços negros, mas sim aqueles próximos ao que a branquitude pauta como belo, que é o padrão de beleza europeu. Sim, isso é racismo, e dos mais comuns que a gente vê por ai, estão nos hipersexualizando e exotificando quando usam essas expressões.


10- “Não sou tuas negas”

Facilmente explicável se lembrarmos de que quando se tratava do comportamento para com as mulheres negras escravizadas, assédios e estupros eram recorrentes. A frase deixa explícita que com as negras pode tudo, e com as demais não se pode fazer o mesmo, e no tudo está incluso desfazer, assediar, mal tratar, etc, etc.


11- “Cabelo ruim”, “Cabelo de Bombril”, “Cabelo duro” e, a mais desnecessária, “Quando não está preso está armado”

A questão da negação da nossa estética é sempre comum quando vão se referir aos nosso cabelo Afro. São falas racistas usadas, principalmente na fase da infância, pelos colegas, porém que se perpetuam em universidades, ambientes de trabalho e até em programas de televisão, com a presença negra aumentando na mídia. Falar mal das características dos cabelos dos negros também é racismo.


12- “Nasceu com um pé na cozinha”

Expressão que faz associação com as origens, “ter o pé na cozinha” é literalmente ter origens negras. A mulher negra é sempre associada aos serviços domésticos, já que as escravas podiam ficar dentro das casas grandes na parte da cozinha, onde, inclusive, dormiam no chão (sua presença dentro da casa grande facilitava o assédio e estupro por parte dos senhores). Pós-abolição, continuamos sendo estereotipadas como as mulheres da cozinha, já que somos maioria nos serviços domésticos, visto todas as políticas que tentaram e tentam barrar a ascensão negra.


13- “Barriga suja”

Outro termo que faz relação à origem é usado quando a mulher tem um filho negro. Se ela teve um filho negro, algo impuro – como uma “barriga suja” – explica esse fato. É uma das que mais me causa desconforto.

É claro que existem inúmeras outras expressões que apontam claramente o racismo no cotidiano, e, infelizmente, inúmeras pessoas, mesmo sabendo dos fatos e tendo acesso às explicações, vão dizer que tudo é pura banalidade e, provavelmente, continuar usando essas palavras e expressões.

Quando apontamos racismo, a tendência é ouvirmos algo como “não sou racista, tenho amigos e/ou parentes negros”, ou ainda “eu conheço um negro e ele não liga”. O mais irônico é que, quando um negro reproduz conceitos racistas, que vão desde achar que não existe racismo a não se incomodar de ser chamado de moreno, ou achar desnecessárias todas essas explicações aqui dadas, ele logo é taxado como sendo “um negro de alma branca”. Traduzindo: usam uma fala racista para “louvar” seu comportamento não questionador.
É necessário empatia e consciência para que essas palavras e expressões sejam abandonadas de vez. O objetivo desse texto é simples: ENEGRECER ideias.

Ilustração: Ana Maria Sena

Texto Por: Stephanie Ribeiro

Stephanie Ribeiro é militante feminista interseccional, apaixonada pela natureza e acredita na troca de energia com ela, principalmente quando está na água e pisando na terra. Adora escrever, por isso colabora com vários portais e mantém um caderninho preto de bolinhas, que combina com seu vestido preferido, onde escreve e desenha para se sentir feliz, que nem era quando criança. Você pode acompanhá-la por aqui.

Fonte: modifica (arquivado)

Quando leio algo assim já vou logo procurando uma nota no final da página dizendo que o site é um site zoeiro, e este site não era  :susto:
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 32.078
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #28 Online: 17 de Junho de 2015, 21:52:23 »
Não tem também livro-negro, lista-negra, lista-branca? :hein:

Qual será o objetivo do autor em omitir estrategicamente esses termos? :hein:

Offline Johnny Cash

  • Nível 40
  • *
  • Mensagens: 4.693
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #29 Online: 17 de Junho de 2015, 21:55:03 »
Pode ter dado branco no autor.


Offline Terráqueo

  • Nível 16
  • *
  • Mensagens: 415
  • Sexo: Masculino
  • Não me acho um gênio, mas também não um jêneo.
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #31 Online: 17 de Junho de 2015, 22:11:57 »
Não me considero de direita ou de esquerda, mas isso me lembrou este vídeo:

<a href="https://www.youtube.com/v/D6UApFruArQ" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/D6UApFruArQ</a>
"A Terra é o berço da humanidade, mas ninguém pode viver no berço para sempre" - Konstantin Tsiolkovsky.

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #32 Online: 18 de Junho de 2015, 10:29:09 »
A sugestão implícita que ela deixa é que qualquer palavra relacionado ao escuro e associado a algo negativo, e qualquer palavra relacionado ao claro e associado a algo positivo devem ter seu uso abandonado por que representaria racismo contra negros. Aquilo que é representado por uma palavra relacionada a cor clara e associada a algo positivo e/ou aquilo que é representado por uma palavra relacionada a cor escura e associada a algo negativo significaria na interpretação distorcida da realidade desta ativista militante, que o sentido do termo estaria dizendo que pessoas brancas sejam superiores a pessoas negras.

Ela ignora qualquer evidência etimológica e/ou acadêmica que diga o contrário, e parece se basear apenas nos seus próprios preconceitos, o que é irônico, já que ela diz estar combatendo preconceitos enquanto age preconceituosamente.

Abraços!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #33 Online: 23 de Julho de 2015, 12:04:51 »


 :histeria: :histeria:
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Aronax

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.250
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #34 Online: 23 de Julho de 2015, 12:28:16 »

Citar
7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.
Onde estaria nesta expressão vinculação a preto/negro?.....apropriaram-se da palavra cor para sinônimo de negro?
Uma verdade ou um ser pode ser vista de vários pontos, porém a verdade e o ser estão acima de pontos de vista.

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #35 Online: 23 de Julho de 2015, 13:15:11 »

Citar
7- “Da cor do pecado”

Outra expressão que faz a mesma associação de que negro = negativo, só que de forma mais subliminar, não recorrendo a termos como negro ou preto. Geralmente essa expressão é usada como elogio, porém vivemos em uma sociedade pautada na religião, onde pecar não é nada positivo, ser pecador é errado, e ter a sua pele associada ao pecado significa que ela é ruim. Não é uma expressão que remete a um adjetivo positivo, é simplesmente uma ofensa racista mascarada de exaltação à estética e, quase sempre, direcionada a mulheres negras.
Onde estaria nesta expressão vinculação a preto/negro?.....apropriaram-se da palavra cor para sinônimo de negro?
Numa pesquisa que realizei agora, a menção mais antiga a esta expressão que encontrei é em uma música que tem como título o nome "Da cor do pecado", escrita em 1939 e de autoria de Alberto de Castro Simões da Silva, conhecido também como Bororó, um compositor de Música Popular Brasileira (MPB).1, 2 Pela letra da música da para se concluir que "da cor do pecado" se refere a uma mulher sensual de pele morena,3 a musa inspiradora da música teria sido uma prostituta com quem o autor teve um caso4, não da para se concluir qualquer coisa mais a partir das fontes que busquei.



1 - Marcos Antônio Marcondes. Enciclopédia da música brasileira: erudita, folclórica, popular, Volume 2. Art Editora, 1977, p. 952
2 - Alberto de Castro Simões da Silva. Wikipédia. Visitado em 23 de julho de 2015.
3 - Da Cor do Pecado - Bororó. Letras.mus.br. Visitado em 23 de julho de 2015.
4 - HISTÓRIAS POR TRÁS DAS MÚSICAS. Folha de São Paulo. São Paulo, sábado, 28 de fevereiro de 1998. Visitado em 23 de julho de 2015.
« Última modificação: 23 de Julho de 2015, 13:22:10 por Skeptikós »
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #36 Online: 27 de Agosto de 2015, 11:56:00 »
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #37 Online: 27 de Setembro de 2015, 13:06:12 »


Fonte: Aventuras na Justiça Social (página do Facebook)



Fonte: Marina Cochen (25 de setembro de 2015). Reitor do Pedro II rebate críticas ao termo 'alunxs': "Não adianta formar um expert em matemática se não formar um cidadão", afirma Halac. O Globo. Visitado em 27 de setembro de 2015.
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Barata Tenno

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 16.283
  • Sexo: Masculino
  • Dura Lex Sed Lex !
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #38 Online: 27 de Setembro de 2015, 13:39:09 »
Lembrar: antes de fazer imagens sem noção, pesquisar a diferença entre sexo e gênero.
He who fights with monsters should look to it that he himself does not become a monster. And when you gaze long into an abyss the abyss also gazes into you. Friedrich Nietzsche

Offline Skeptikós

  • Nível 36
  • *
  • Mensagens: 3.146
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #39 Online: 27 de Setembro de 2015, 14:17:44 »
É verdade, nesta você está certo!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar.

Offline Aronax

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.250
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #40 Online: 27 de Setembro de 2015, 21:20:33 »
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......
Uma verdade ou um ser pode ser vista de vários pontos, porém a verdade e o ser estão acima de pontos de vista.

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.234
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #41 Online: 27 de Setembro de 2015, 23:01:29 »
Se não pode existir em ciência uma raça negra ou branca ou amarela, e nem lilás, por quê, pra "certas outras razões," pode?

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.222
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #42 Online: 27 de Setembro de 2015, 23:22:24 »
Segundo o critério nazista, para uma pessoa ser considerada negra, judia, etc basta ter na sua arvore genealógica um negro, um judeu, etc até a quinta geração.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.222
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #43 Online: 27 de Setembro de 2015, 23:25:46 »
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.234
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #44 Online: 27 de Setembro de 2015, 23:37:37 »
Citar
8- “Morena”, “mulata” ( por vim seguidos de tipo exportação).

Usado para mulheres e homens, mas mais comum serem usadas para descrever as mulheres, principalmente quando seguidas pelo termo “tipo exportação”. Aqui o objetivo é amenizar o que somos, “clareando” o negro. Não existe justificativa para negar que alguém é negro, possivelmente você pode estar incomodado em dizer “negro”, e se está é porque acredita que chamar alguém de negro é ofensivo, sendo assim embranquece a pessoa – transformando-a em “morena” ou “mulata”, e isso é racismo.
Sempre pensei que deviamos ter uma palavra para os casos de pessoas que não são abertamente negras nem brancas, ou seja, filhos de um(a) branco(a) com um(a) negro(a)....é como o copo com água pela metade....pode ser meio cheio...ou meio vazio....mas automaticamente vejo as pessoas declarando que eta pessoa é negra.....porque nao branca?...se é meio a meio....50/50.......

Existe "mestiço" mas ninguém gosta da palavra.
Porque ninguém gosta de não significar algo, seja bom ou ruim.

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #45 Online: 28 de Setembro de 2015, 11:42:40 »
Se não pode existir em ciência uma raça negra ou branca ou amarela, e nem lilás, por quê, pra "certas outras razões," pode?

A espécie humana em toda a sua diversidade étnica é tão geneticamente semelhante que não há impossibilidade - sequer mesmo uma dificuldade  - de dois indivíduos saudáveis de diferentes etnias produzirem um rebento saudável, fértil e humano.
Não existe diferenciação entre homo sapiens africanensis, caucasianensis e mongoloidensis pois a diferença genética e fenotípica entre humanos, apesar de existente, não afeta a reprodução, diferentemente do que acontece, por exemplo, às variedades de animais e plantas que resultaram da seleção artificial pelo homem de 10.000 anos prá cá.

Dito isso, porque ainda se usa o termo raça (associado a sub-espécie) ao se referir à um grupo que compartilha de certas semelhanças fenotípicas dentro da espécie humana, já que o dito termo é e sempre foi inapropriado?
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Pilantrólogo

  • Nível 17
  • *
  • Mensagens: 458
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #46 Online: 28 de Setembro de 2015, 11:50:03 »
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
"(...) the future is already here. It's just not very evenly distributed." - William Ford Gibson

Offline Brienne of Tarth

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.948
  • Sexo: Feminino
  • Ave, Entropia, morituri te salutant
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #47 Online: 28 de Setembro de 2015, 13:13:16 »
Sim. Quando relaxada, uma vagina varia de 5 a 8 centímetros de profundidade (da vulva até o colo do útero). Quando excitada, expande até alcançar de 10 a 15 centímetros. Quanto ao diâmetro, pode expandir 10 vezes de seu tamanho em repouso. Isso é um artifício do corpo da mulher para receber diversos tipos de pênis e facilitar a passagem do feto. Vaginas, assim como pênis e qualquer outra parte do corpo, variam MUITO de pessoa para pessoa. O Kid tem entre 29 a 33cm... OMOPAI!!! :susto:

Nota: as principais terminações nervosas da vagina estão logo nos seus 5 centímetros iniciais. É ali que a magia acontece.

FONTE:  http://www.muitointeressante.com.br/pq/as-vaginas-tem-um-tamanho-padrao
GNOSE

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.537
  • Sexo: Masculino
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #48 Online: 28 de Setembro de 2015, 13:35:29 »
Citação de: Brienne of Tarth
O Kid tem entre 29 a 33cm... OMOPAI!!! :susto:

 :histeria:
"Deus prefere os ateus"

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.234
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Léxico Politicamente-Correto
« Resposta #49 Online: 28 de Setembro de 2015, 14:00:24 »
Se bem que se Sêo Kid Bengala quisesse perpetuar os genes dele com uma coreana de vulva pequena por meio de cópula, ele poderia acabar lesionando a bichinha. ::)
:nao3:

Algumas coisas beeeem grandes são engolidas(facilmente) por outras que você jamais acreditaria...

« Última modificação: 28 de Setembro de 2015, 14:02:54 por Sergiomgbr »

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!