Autor Tópico: Perguntas sem-vergonha sobre física...  (Lida 112931 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.857
  • Love it or Hate it
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1475 Online: 27 de Dezembro de 2016, 18:56:43 »
Agora entendo porque a 2a. lei de Kepler nunca funciona para a "órbita" de Mercúrio.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.063
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1476 Online: 27 de Dezembro de 2016, 19:52:10 »
A translação leva aproximadamente 365 dias e 6 horas, por isso a cada 4 anos é necessário acrescentar um dia a mais no calendário (ano bissexto).

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.911
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1477 Online: 27 de Dezembro de 2016, 20:50:31 »
Então a gente está adiantando o calendário em mais ou menos 11 minutos a cada ano bissexto.

São 275 minutos a cada século. Isso vindo desde o Papa Gregório já estamos quase entrando no dia errado. 1° de janeiro já é quase 31 de dezembro, na verdade. Não é isso?

Tô começando a achar que tô começando a entender isso. Não é muito problemático sincronizar o relógio astronômico com o tempo convencionado de 24 h, só levando em consideração pequenas variações na duração do dia sideral segundo o esquema de Kepler, mas que talvez mais ou menos se anulem em uma média anual.

Mas não dá pra sincronizar com o calendário, nem acrescentando anos bissextos. Vai chegar em um momento em que as pessoas estarão no dia errado do calendário.

---------------------------------------------------------------------------

Não! É pior, a cada bissexto adiantam o calendário em quase 45 minutos. Então já estamos no dia errado, a menos que já tenha havido alguma correção.
« Última modificação: 27 de Dezembro de 2016, 20:58:29 por Pedro Reis »

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.857
  • Love it or Hate it
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1478 Online: 27 de Dezembro de 2016, 20:57:01 »
Acho legal e admirável essa atitude do Pedro de fazer contas para achar e entender essas diferenças da mecânica celeste. Parabéns!!! Kepler, Galileu e Newton fizeram esses mesmos questionamentos e alguns deles ficaram sem resposta até Einstein. Mais um pouco o Pedro chega numa solução para o problema dos 3 corpos. Espero....

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.911
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1479 Online: 27 de Dezembro de 2016, 20:59:26 »
Acho legal e admirável essa atitude do Pedro de fazer contas para achar e entender essas diferenças da mecânica celeste. Parabéns!!! Kepler, Galileu e Newton fizeram esses mesmos questionamentos e alguns deles ficaram sem resposta até Einstein. Mais um pouco o Pedro chega numa solução para o problema dos 3 corpos. Espero....

Vai que eu encontro algum erro...

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.063
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1480 Online: 27 de Dezembro de 2016, 21:12:03 »
Então a gente está adiantando o calendário em mais ou menos 11 minutos a cada ano bissexto.

São 275 minutos a cada século. Isso vindo desde o Papa Gregório já estamos quase entrando no dia errado. 1° de janeiro já é quase 31 de dezembro, na verdade. Não é isso?

Tô começando a achar que tô começando a entender isso. Não é muito problemático sincronizar o relógio astronômico com o tempo convencionado de 24 h, só levando em consideração pequenas variações na duração do dia sideral segundo o esquema de Kepler, mas que talvez mais ou menos se anulem em uma média anual.

Mas não dá pra sincronizar com o calendário, nem acrescentando anos bissextos. Vai chegar em um momento em que as pessoas estarão no dia errado do calendário.

---------------------------------------------------------------------------

Não! É pior, a cada bissexto adiantam o calendário em quase 45 minutos. Então já estamos no dia errado, a menos que já tenha havido alguma correção.

A cada 100 anos um ano que seria bissexto é normal, também para compensar essas diferenças mínimas. E a cada 400, um ano que não seria bissexto por causa dessa regra, na verdade é. Mas nenhum calendário consegue compatibilizar completamente essas diferenças. A ideia é que elas sejam tão mínimas que só necessitem de alguma correção (acrescentar ou remover um dia do calendário "por decreto") a cada milhares de anos, e o calendário gregoriano cumpre bem isso.
« Última modificação: 27 de Dezembro de 2016, 21:14:09 por Lakatos »

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.857
  • Love it or Hate it
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1481 Online: 27 de Dezembro de 2016, 21:26:23 »
Acho legal e admirável essa atitude do Pedro de fazer contas para achar e entender essas diferenças da mecânica celeste. Parabéns!!! Kepler, Galileu e Newton fizeram esses mesmos questionamentos e alguns deles ficaram sem resposta até Einstein. Mais um pouco o Pedro chega numa solução para o problema dos 3 corpos. Espero....

Vai que eu encontro algum erro...

O Lakatos não ia dar esse mole. Parabéns prá ele também pela didática e pelo saco de jó.

(Encerra aqui o espírito fru-fru pós natalino gigaviewed.)

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.099
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1482 Online: 28 de Dezembro de 2016, 12:42:46 »
Mas nenhum calendário consegue compatibilizar completamente essas diferenças. A ideia é que elas sejam tão mínimas que só necessitem de alguma correção (acrescentar ou remover um dia do calendário "por decreto") a cada milhares de anos, e o calendário gregoriano cumpre bem isso.

Ou é o que eles querem que nós acreditemos.

https://en.wikipedia.org/wiki/Phantom_time_hypothesis

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.640
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1483 Online: 29 de Dezembro de 2016, 01:01:26 »
Não que todo mundo tenha que ser especialista em tudo, mas ao menos deveria ser evitado o primeiro abismo do senso comum, com o mesmo cuidado que temos de abrir um livro de física antes de dizer que "é óbvio que a Terra não gira, senão as coisas jogadas para cima na vertical cairiam longe de onde foram arremessadas". Infelizmente, o contato que se têm com a vida cotidiana acaba sendo tido como uma fonte de conhecimento suficiente para "refutar" tudo que é dito por estudiosos de ciências humanas/sociais como mera bobagem ou invencionice.

O problema dessas áreas é que elas não são muito "limpas", não se baseiam tanto em evidências empíricas (como a Biologia, a Física ou a Química, por exemplo) e permitem interpretações diferentes conforme convém com a linha ideológica do pesquisador (não que não haja um enviesamento em outras áreas do conhecimento, porém, o próprio mecanismo científico dá conta de eliminar o que é falso). Quer um exemplo prático? Em qual área que surgiram e vivem os pós-modernos?
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.063
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1484 Online: 29 de Dezembro de 2016, 02:35:57 »
O problema dessas áreas é que elas não são muito "limpas", não se baseiam tanto em evidências empíricas (como a Biologia, a Física ou a Química, por exemplo) e permitem interpretações diferentes conforme convém com a linha ideológica do pesquisador (não que não haja um enviesamento em outras áreas do conhecimento, porém, o próprio mecanismo científico dá conta de eliminar o que é falso).

É uma generalização apressada. A maioria dos estudos em ciências sociais utiliza métodos quantitativos de análise de dados com validação estatística. A questão é que, em certas circunstâncias, os pesquisadores (de qualquer área) precisam elaborar modelos amplos para compreender a realidade e fazer previsões. Dada a dificuldade de falsear esses modelos, os campos de estudo acabam se dividindo em escolas. Mas apesar de essa divisão acontecer bastante em ciências humanas e sociais, acontece também nos mais diversos campos, e até na matemática, ao nível de a validade da demonstração de um teorema ser objeto de disputa por séculos.

Outra coisa: o que predominantemente se faz no Brasil em ciências sociais e mesmo em filosofia não é exatamente pesquisa no sentido de elaborar conhecimento novo e propor ideias originais. O que se faz aqui é majoritariamente exegese. Pegar autores e se aprofundar em seus conceitos, fazer amplas revisões bibliográficas, crítica textual etc. para esmiuçar ideias pré-concebidas. Assim, nossa produção nacional não é parâmetro sequer para o que há de ruim sendo produzido na academia, porque não estamos produzindo basicamente nada. É um grande erro, portanto, tomá-la como representativa do quadro geral.

Citar
Quer um exemplo prático? Em qual área que surgiram e vivem os pós-modernos?

"Eu tenho uma resposta maravilhosa, mas a margem deste post é pequena demais para contê-la."  :lol:
« Última modificação: 29 de Dezembro de 2016, 03:07:53 por Lakatos »

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.640
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1485 Online: 29 de Dezembro de 2016, 12:52:34 »
O problema dessas áreas é que elas não são muito "limpas", não se baseiam tanto em evidências empíricas (como a Biologia, a Física ou a Química, por exemplo) e permitem interpretações diferentes conforme convém com a linha ideológica do pesquisador (não que não haja um enviesamento em outras áreas do conhecimento, porém, o próprio mecanismo científico dá conta de eliminar o que é falso).

É uma generalização apressada. A maioria dos estudos em ciências sociais utiliza métodos quantitativos de análise de dados com validação estatística. A questão é que, em certas circunstâncias, os pesquisadores (de qualquer área) precisam elaborar modelos amplos para compreender a realidade e fazer previsões. Dada a dificuldade de falsear esses modelos, os campos de estudo acabam se dividindo em escolas. Mas apesar de essa divisão acontecer bastante em ciências humanas e sociais, acontece também nos mais diversos campos, e até na matemática, ao nível de a validade da demonstração de um teorema ser objeto de disputa por séculos.
Não estou querendo generalizar, pois eu sei que métodos científicos são utilizados em estudos sociológicos sérios.

Na Matemática, existem teoremas matemáticos ainda não solucionados, que causam discórdia dentro da Academia. Porém, quando são solucionados, revisados por pares até a exaustão, e comprovada a solução, você não têm "Escolas de pensamento matemático"* diferentes discordando sobre a solução. Ninguém da academia hoje discorda da solução do Teorema de Fermat dada por Wiles(até onde eu saiba), por exemplo. Isso não me parece ocorrer dentro das Ciências Sociais e Humanas, que parecem ter várias escolas, que além de discordar de métodos, também discordam de resultados. Me corrija se estou errado, pois não sou da área de CS ou CH e posso estar falando uma besteira muito grande.


*Existem diferentes escolas matemáticas, principalmente no início do século XX, porém, a maioria delas são/eram focadas em métodos, talvez numa questão muito mais filosófica do que prática, e não tentam dar resultados diferentes a equações, ou discordam que 2+2=4.
http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID97/v8_n1_a2003.pdf

Citar
Outra coisa: o que predominantemente se faz no Brasil em ciências sociais e mesmo em filosofia não é exatamente pesquisa no sentido de elaborar conhecimento novo e propor ideias originais. O que se faz aqui é majoritariamente exegese. Pegar autores e se aprofundar em seus conceitos, fazer amplas revisões bibliográficas, crítica textual etc. para esmiuçar ideias pré-concebidas. Assim, nossa produção nacional não é parâmetro sequer para o que há de ruim sendo produzido na academia, porque não estamos produzindo basicamente nada. É um grande erro, portanto, tomá-la como representativa do quadro geral.
Certa vez me falaram que ao menos no ensino de Ciências Humanas, as faculdades são ministradas dentro de um a ótica de uma Escola de Pensamento. Por exemplo, as faculdades de Ciências Humanas da UFRGS e da USP são declaradamente Marxistas. Os próprios professores dizem isso nas aulas, e as mesmas são ministradas com a ótica marxista. Isso também ocorre nas faculdades de Ciências Sociais?

Citar
Quer um exemplo prático? Em qual área que surgiram e vivem os pós-modernos?

"Eu tenho uma resposta maravilhosa, mas a margem deste post é pequena demais para contê-la."  :lol:

Pós-modernos são como aquele primo chato que você tem que aturar. Aceite os filhos das Ciências Sociais e Filososfia. Mas refute os charlatões, e use o mantra do positivista malvadão: "Alegações extraordinárias exigem evidências igualmente extraordinárias". :lol:
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.911
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1486 Online: 29 de Dezembro de 2016, 23:01:36 »
. topico errado

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.063
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1487 Online: 30 de Dezembro de 2016, 00:02:57 »

Não estou querendo generalizar, pois eu sei que métodos científicos são utilizados em estudos sociológicos sérios.

Na Matemática, existem teoremas matemáticos ainda não solucionados, que causam discórdia dentro da Academia. Porém, quando são solucionados, revisados por pares até a exaustão, e comprovada a solução, você não têm "Escolas de pensamento matemático"* diferentes discordando sobre a solução. Ninguém da academia hoje discorda da solução do Teorema de Fermat dada por Wiles(até onde eu saiba), por exemplo. Isso não me parece ocorrer dentro das Ciências Sociais e Humanas, que parecem ter várias escolas, que além de discordar de métodos, também discordam de resultados. Me corrija se estou errado, pois não sou da área de CS ou CH e posso estar falando uma besteira muito grande.

Não estou falando de conjecturas, estou falando realmente de teoremas já provados cuja validade da demonstração é objeto de disputa entre escolas de pensamento. Por exemplo, a lógica intuicionista-construtivista iniciada por Brouwer mas continuada por matemáticos célebres como Andrey Kolmogorov não incorpora tautologias clássicas como a lei do terceiro excluído (base da reductio ad absurdum), a eliminação da dupla negação e a Lei de Peirce. Como consequência disso, um matemático intuicionista não reconhece como legítima a prova clássica de Euclides da irracionalidade da raiz quadrada de quadrados não perfeitos, a prova da infinitude dos números primos e a consistência da teoria dos conjuntos de Zermelo-Fraenkel. Eu nunca estudei a demonstração de Wiles, mas se ele por exemplo usou a lei do terceiro excluído em alguma passagem sua prova não será aceita por pares da escola intuicionista. O próprio Newton da Costa, que é principal lógico brasileiro, disse que se a escola intuicionista prevalecesse, boa parte da matemática já construída (que segue predominantemente a escola formalista de Hilbert) teria que ser refeita do zero. Então não é apenas discussão filosófica sem impacto no dia-a-dia da pesquisa em matemática.

Resumindo: mesmo no corpo de conhecimentos mais rigoroso que a humanidade já concebeu existem leaps of faith e divergência de opinião quanto a resultados já comprovados (ou não) há milênios.

Citar
Certa vez me falaram que ao menos no ensino de Ciências Humanas, as faculdades são ministradas dentro de um a ótica de uma Escola de Pensamento. Por exemplo, as faculdades de Ciências Humanas da UFRGS e da USP são declaradamente Marxistas. Os próprios professores dizem isso nas aulas, e as mesmas são ministradas com a ótica marxista. Isso também ocorre nas faculdades de Ciências Sociais?

Isso não é verdade. Sequer teria como ministrar um curso inteiro baseado em uma ótica estrita de pensamento. Mas embora tenha muito viés político na maioria das universidades brasileiras, é como eu disse: aqui se faz exegese, e não pesquisa original. Então não dá para tomar como "termômetro" do campo de estudo como eu todo.

Citar
Pós-modernos são como aquele primo chato que você tem que aturar. Aceite os filhos das Ciências Sociais e Filososfia. Mas refute os charlatões, e use o mantra do positivista malvadão: "Alegações extraordinárias exigem evidências igualmente extraordinárias".

Esse termo rende muito, até porque há uma confusão grande entre pós-modernismo como tendência filosófica e pós-modernidade como espírito de época, que são coisas relacionadas mas fundamentalmente diferentes.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.857
  • Love it or Hate it
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1488 Online: 30 de Dezembro de 2016, 00:19:53 »
. topico errado

Lembrei daquela estória do cara que entra no elevador e o ascensorista pergunta a ele qual andar deseja ir e ele responde "qualquer um, pois já errei de prédio mesmo..."

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.640
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1489 Online: 30 de Dezembro de 2016, 00:33:32 »
Não estou falando de conjecturas, estou falando realmente de teoremas já provados cuja validade da demonstração é objeto de disputa entre escolas de pensamento. Por exemplo, a lógica intuicionista-construtivista iniciada por Brouwer mas continuada por matemáticos célebres como Andrey Kolmogorov não incorpora tautologias clássicas como a lei do terceiro excluído (base da reductio ad absurdum), a eliminação da dupla negação e a Lei de Peirce. Como consequência disso, um matemático intuicionista não reconhece como legítima a prova clássica de Euclides da irracionalidade da raiz quadrada de quadrados não perfeitos, a prova da infinitude dos números primos e a consistência da teoria dos conjuntos de Zermelo-Fraenkel. Eu nunca estudei a demonstração de Wiles, mas se ele por exemplo usou a lei do terceiro excluído em alguma passagem sua prova não será aceita por pares da escola intuicionista. O próprio Newton da Costa, que é principal lógico brasileiro, disse que se a escola intuicionista prevalecesse, boa parte da matemática já construída (que segue predominantemente a escola formalista de Hilbert) teria que ser refeita do zero. Então não é apenas discussão filosófica sem impacto no dia-a-dia da pesquisa em matemática.

Resumindo: mesmo no corpo de conhecimentos mais rigoroso que a humanidade já concebeu existem leaps of faith e divergência de opinião quanto a resultados já comprovados (ou não) há milênios.
De fato, você está certo. Porém, o Intuicionismo de Brouwer é ainda considerado pela maioria como uma escola marginal, não levada tanto a sério dentro do mundo acadêmico, muito devido ao seu antirrealismo. O assustador de suas ideias serem aceitas pela maioria seria uma estruturação de conceitos básicos como a Teoria dos Conjuntos, por exemplo. Acho que a probabilidade de sucesso de aceitação

Mas é sim uma discussão filosófica, pois lida com a lógica, uma área da Filosofia. O que não significa que não vá ter um impacto prático, me expressei mal e equivocadamente anteriormente.

Citar
Isso não é verdade. Sequer teria como ministrar um curso inteiro baseado em uma ótica estrita de pensamento. Mas embora tenha muito viés político na maioria das universidades brasileiras, é como eu disse: aqui se faz exegese, e não pesquisa original. Então não dá para tomar como "termômetro" do campo de estudo como eu todo.
Ok. É que em conversas de boteco e até mesmo em um vídeo do Pirula já ouvi isso.

Citar
Esse termo rende muito, até porque há uma confusão grande entre pós-modernismo como tendência filosófica e pós-modernidade como espírito de época, que são coisas relacionadas mas fundamentalmente diferentes.
Pode ser tema de tópico.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.911
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1490 Online: 30 de Dezembro de 2016, 00:51:10 »
. topico errado

Lembrei daquela estória do cara que entra no elevador e o ascensorista pergunta a ele qual andar deseja ir e ele responde "qualquer um, pois já errei de prédio mesmo..."

Eu tive que ir para o prédio certo, mas já tinha colado o vídeo aqui sobre antissemitismo.

Acontece que quando é corrigido rápido o fórum não registra que você editou seu comentário.

Offline Lakatos

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 3.063
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1491 Online: 30 de Dezembro de 2016, 01:34:55 »
De fato, você está certo. Porém, o Intuicionismo de Brouwer é ainda considerado pela maioria como uma escola marginal, não levada tanto a sério dentro do mundo acadêmico, muito devido ao seu antirrealismo. O assustador de suas ideias serem aceitas pela maioria seria uma estruturação de conceitos básicos como a Teoria dos Conjuntos, por exemplo. Acho que a probabilidade de sucesso de aceitação

Ironicamente, um dos principais fatores que tornam o intuicionismo impopular é que é muito difícil trabalhar com ele. Afinal, é basicamente uma versão da lógica clássica destituída de algumas ferramentas amplamente usadas. O próprio Brouwer passou por uma espécie de "conversão" para o intuicionismo durante a vida, e há uma diferença brutal entre a produtividade antes e depois da mudança.

Citar
Mas é sim uma discussão filosófica, pois lida com a lógica, uma área da Filosofia. O que não significa que não vá ter um impacto prático, me expressei mal e equivocadamente anteriormente.

Russell discordaria de você afirmando que lógica e matemática são sinônimos, apenas duas palavras distintas para se referir à mesma coisa.

O que matemáticos fazem é efetivamente aplicar leis da lógica na confecção de teoremas. O impacto é direto.


Citação de: Gauss
Citação de: Lakatos
Esse termo rende muito, até porque há uma confusão grande entre pós-modernismo como tendência filosófica e pós-modernidade como espírito de época, que são coisas relacionadas mas fundamentalmente diferentes.
Pode ser tema de tópico.

Acho que já há coisa parecida por aqui.

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.640
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1492 Online: 30 de Dezembro de 2016, 12:49:36 »
Citar
Mas é sim uma discussão filosófica, pois lida com a lógica, uma área da Filosofia. O que não significa que não vá ter um impacto prático, me expressei mal e equivocadamente anteriormente.

Russell discordaria de você afirmando que lógica e matemática são sinônimos, apenas duas palavras distintas para se referir à mesma coisa.

O que matemáticos fazem é efetivamente aplicar leis da lógica na confecção de teoremas. O impacto é direto.
Sim, mas o fato de a Lógica estar relacionada a Filosofia não quer dizer que não seja matemático também, afinal, a Filosofia está presente em toda a atividade humana. A Matemática por si só já é um conceito bastante filosófico, e o próprio Bertrand Russel foi um importante filósofo matemático, principalmente em seus estudos sobre lógica e sua conceituação de Lógica=Matemática.

“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

Offline Alquimista

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.724
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1493 Online: 04 de Janeiro de 2017, 23:28:35 »
Pena que o Thomas Edson perdeu a briga

Mais ou menos, né? De Iitaipu até Bauru (acho) a eletricidade vai em DC.

DC não foi para frente como padrão exatamente porquê não podia ser transmitido a longas distâncias?

DC não foi para frente como padrão exatamente porquê não podia ser transmitido a longas distâncias?

O problema é que os 700 e poucos quilômetros de Itaipu até Bauru são muito próximos de um (sub)múltiplo do comprimento de onda de 60Hz nos fios de cobre, então daria um problema sériod e ressonância, ia precisar de um monte de indutores pra alterar o comprimento efeitvo da linha. Vale mais a pena vc elevar a tensão a milhões de volts e forçar a barra.

O problema do DC é que para transportar por longas distâncias você precisa de tensões muito altas e isso seria perigoso na última milha (entre a subestação e o consumidor final) e seriam necessárias várias estações "repetidoras" para prevenir as quedas te tensão se vc quisesse só trabalhar com tensões baixas.

No caso de Itaipu, eles podem elevar a tensão até 15MV (ou 50MV, não lembro direito) e colocar para passar por torres gigantes, longe do alcance das pessoas e boa. Usar AC seria problemático por causa da ressonância. Eu pergintei exatamente isso pro cara quando visitei lá.

Estava a saborear este tópico como quem não quer nada demais (senão um breve passatempo) quando FUI surpreendido pelo ''Elo CC''.

Então... Gostaria de maiores esclarecimentos sobre o ''Elo CC''.
A exposição do Snow referente ao ''Elo CC'' procede????  Obrigado!
« Última modificação: 04 de Janeiro de 2017, 23:48:16 por Alquimista »
"O Alquimista é o supremo alquimista alfa e o ômega das transmutações aurintelectofilosofais."

Offline Pedro Reis

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.911
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1494 Online: 10 de Janeiro de 2017, 00:11:12 »
Pena que o Thomas Edson perdeu a briga

Mais ou menos, né? De Iitaipu até Bauru (acho) a eletricidade vai em DC.

DC não foi para frente como padrão exatamente porquê não podia ser transmitido a longas distâncias?

DC não foi para frente como padrão exatamente porquê não podia ser transmitido a longas distâncias?

O problema é que os 700 e poucos quilômetros de Itaipu até Bauru são muito próximos de um (sub)múltiplo do comprimento de onda de 60Hz nos fios de cobre, então daria um problema sériod e ressonância, ia precisar de um monte de indutores pra alterar o comprimento efeitvo da linha. Vale mais a pena vc elevar a tensão a milhões de volts e forçar a barra.

O problema do DC é que para transportar por longas distâncias você precisa de tensões muito altas e isso seria perigoso na última milha (entre a subestação e o consumidor final) e seriam necessárias várias estações "repetidoras" para prevenir as quedas te tensão se vc quisesse só trabalhar com tensões baixas.

No caso de Itaipu, eles podem elevar a tensão até 15MV (ou 50MV, não lembro direito) e colocar para passar por torres gigantes, longe do alcance das pessoas e boa. Usar AC seria problemático por causa da ressonância. Eu pergintei exatamente isso pro cara quando visitei lá.

Estava a saborear este tópico como quem não quer nada demais (senão um breve passatempo) quando FUI surpreendido pelo ''Elo CC''.

Então... Gostaria de maiores esclarecimentos sobre o ''Elo CC''.
A exposição do Snow referente ao ''Elo CC'' procede????  Obrigado!

Mas afinal, o que é esse tal de "elo CC"?

Nenhuma alma caridosa para responder postumamente a pergunta do Alquimista?


Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.857
  • Love it or Hate it
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1496 Online: 10 de Janeiro de 2017, 22:36:35 »
Depois de ler o post do Buck, resolvi fazer uma busca sobre esse "Elo CC" e cai no fórum do Clube do Hardware de onde estou afastado há algum tempo das discussões com alguns velhos amigos.

Ví que esse "elo CC" está em discussão lá, num tópico lançado pelo recém banido forista Alquimista. Estranho interesse porque é óbvio que uma pessoa com 2o. grau incompleto não tem base teórica suficiente para participar desse tipo de discussão.

Para minha surpresa, o forista Criaturo também participa do mesmo tópico expondo profundos conhecimentos sobre engenharia elétrica que me deixou curioso.

Por que o Criaturo nunca entrou no mesmo debate aqui no CC? Por que nunca participou de discussão técnica alguma, se limitando às discussões sobre ciência & Fé de sempre. Não acho que esse conhecimento de engenharia combina com a falta de conhecimento sobre Ciência que o Criaturo tem demonstrado nas suas discussões. Achei tão estranho que cheguei a duvidar que sejam a mesma pessoa, mas por outro lado, ter Alquimista e Criaturo postando num fórum sobre energia elétrica é muita coincidência, ambos registrados no mesmo dia!!!  Acho que aí tem treta.

http://www.clubedohardware.com.br/forums/topic/1205460-transmiss%C3%A3o-ac-ou-dc-para-longas-dist%C3%A2ncias/

Pedro, acho que as suas dúvidas podem ser esclarecidas a partir do link do Buck e do link acima. Outra idéia seria perguntar ao próprio Criaturo, que parece que é especialista no assunto ou trabalha na área, abrindo uma conta lá no Clube do Hardware ou aguardar mais uns dias até que vença o período de suspensão aqui no CC para perguntar aqui, diretamente a ele e discutirmos as respostas.
« Última modificação: 10 de Janeiro de 2017, 23:30:18 por Gigaview »

Offline Luiz F.

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.660
  • Sexo: Masculino
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1497 Online: 11 de Janeiro de 2017, 08:47:13 »
Essa é fácil. O Criaturo é apenas um troll. Ele não está no fórum para agregar, mas apenas para encaixar em todas as discussões, de maneira sub-reptícia que ateus são maus, degenerados, infelizes e idiotas ilógicos. Basta prestar bastante atenção nas postagens dele.

É um tipo de trollismo sofisticado e discreto, mas apenas trollismo.
"Você realmente não entende algo se não consegue explicá-lo para sua avó."
Albert Einstein

Offline Johnny Cash

  • Nível 40
  • *
  • Mensagens: 4.891
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1498 Online: 11 de Janeiro de 2017, 10:06:54 »
[...]
É um tipo de trollismo sofisticado e discreto [...]

Você ta de sacanagem.

Offline Gauss

  • Nível 34
  • *
  • Mensagens: 2.640
  • Sexo: Masculino
  • A Lua cheia não levanta-se a Noroeste
Re:Perguntas sem-vergonha sobre física...
« Resposta #1499 Online: 11 de Janeiro de 2017, 10:14:22 »
É um tipo de trollismo sofisticado e discreto, mas apenas trollismo.

É um trollismo descarado, isso sim.
“A matemática é a rainha das ciências.”
Carl Friedrich Gauss.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!