Autor Tópico: Sobre o método Paulo Freire  (Lida 5935 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #25 Online: 09 de Setembro de 2008, 17:43:35 »
Me parece que não Dora. Você concordar com o viés de Paulo Freire e como ele oferece esta "libertação" não quer dizer que não seja visto por mim como uma ideologia doutrinadora de esquerda.

“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Dora

  • Nível 00
  • *
  • Mensagens: 6
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #26 Online: 09 de Setembro de 2008, 23:23:07 »
Creio que Paulo Freire não "oferece" uma libertação e nem é uma ideologia doutrinadora de esquerda.Considero Paulo Freire como um cientista social, suas obras demonstram por exemplo, um grande conhecimento das idéias de Piaget e outros cientistas, não são "achismos".São fruto de um trabalho intelectual por excelência mas, extremamente centrados em pessoas. Os alunos não são objetos, são pessoas com sua vivência cultural,social. Lembro que Freire tratava de alfabetização de adultos, em um contexto de pobreza.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #27 Online: 09 de Setembro de 2008, 23:24:40 »
veja outro ponto de vista

Tirando todo o pedagogês e resumindo o assunto, o método Paulo Freire é mais ou menos isso:

1 - É um método de alfabetização voltado para jovens e adultos. Portanto, trata os sujeitos de acordo e não como se fossem crianças.

2 - No lugar de usar as tradicionais cartilhas com frases do tipo "vovô viu a vulva de vovó" ou "o peixe de xale bebe chá" (!), e que tentam alfabetizar pela "hierarquia" letras > sílabas > palavras > texto, utiliza já de início textos completos. Revistas, jornais, quadrinhos, cartazes...

3 - Textos que tem ligação com os alunos. Se é uma turma de alfabetização formada por trabalhadores da construção civil, por exemplo, serão utilizados textos sobre construção, materiais de construção, segurança no trabalho, dentre outros.

4 - Parte do pressuposto de que os alunos não são páginas em branco. Como são pessoas de 15 a 70 anos (ou mais), já trazem muita experiência e conhecimentos úteis. Eles sabem identificar letras e palavras, sabem lidar com dinheiro e, consequentemente, executar as quatro operações matemáticas básicas. Ainda que eles próprios não tenham consciência disso. Então aproveita-se essa experiência e conhecimento dos alunos nas aulas.

5 - O professor se coloca como um amigo dos alunos. Alguem que tanto tem a ensinar quanto a aprender com eles.



Essa é a parte boa. E em geral ninguem critica isso.



As críticas começam quando Paulo Freire diz que o professor não deve ser neutro, quando praticamente convoca os professores a iniciar uma revolução comunista, quando incentiva os profissionais a doutrinar politicamente os alunos, quando começa a falar dos alunos como coitadinhos, oprimidos, vítimas do sistema (e por isso supostamente precisam da doutrinação esquerdiota)...

Tirando o papo furado marxista, é um ótimo método de alfabetização de adultos.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Dora

  • Nível 00
  • *
  • Mensagens: 6
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #28 Online: 10 de Setembro de 2008, 00:40:12 »
Quem diz isso nunca leu Paulo Freire. Isso é o que ele mais combateu, a idéia de coitadinho, da professora tia.
Leia Pedagogia da Autonomia.
Leia esse trecho
"É por esta ética inseparável da prática, jovens ou com adultos, que devemos lutar. E a melhor maneira de por ela lutar é vive-la em nossa prática, é testemunhá-la, vivaz, aos educandos em nossas relações com eles. Na maneira como lidamos com os conteúdos que ensinamos, no modo como citamos autores de cuja obra discordamos ou com cuja obra concordamos. Não podemos basear nossa crítica a um autor na leitura feita por cima de uma ou outra de suas obras. Pior ainda, tendo lido apenas a crítica de quem só leu a contracapa de um de seus livros.
Posso não aceitar a concepção pedagógica desde ou daquela autora e devo inclusive expor aos alunos as razoes por que me oponho a ela mas, o que não posso, na minha crítica, é mentir. É dizer inverdades em torno deles. O preparo científico do professor ou da professora deve coincidir com sua retidão ética. É uma lástima qualquer descompasso entre aquela e esta. Formação científica, correção ética, respeito aos outros, coerência, não permitir que o nosso mal-estar pessoal ou a nossa antipatia com relação ao outro nos façam acusá-lo do que não fez são obrigações a cujo cumprimento devemos humilde mas perseverantemente nos dedicar.
É não só interessante mas profundamente importante que os estudantes percebam as diferenças de compreensão dos fatos, as posições às vezes antagônicas entre professores na apreciação dos problemas e no equacionamento de soluções. Mas é fundamental que percebam o respeito e a lealdade com que um professor analisa e critica as posturas dos outros"

Offline Luis Dantas

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.195
  • Sexo: Masculino
  • Morituri Delendi
    • DantasWiki
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #29 Online: 10 de Setembro de 2008, 01:04:51 »
"Não há educação neutra" realmente parece uma afirmação mais panfletária do que técnica.  E, de fato, reflete uma mentalidade que vê o mundo como uma série de fluxos de doutrinação ideológica. 

A maior parte das matérias acadêmicas não apenas pode ser ideologicamente isenta, mas deve fazê-lo rotineiramente e sem grande esforço.  Se isso não acontece, há motivos para suspeitar da qualidade do ensino.

Educação deve sim estar acima da doutrinação.  Mas não precisa estar sempre olhando para os lados com receio de idéias "estrangeiras", "contaminadoras". 

O que eu vejo neste tópico me faz pensar que o método Paulo Freire é útil de um ponto de vista didático, mas bastante viciado ideologicamente.  Ironicamente, ele pelo visto cai exatamente no erro que alega querer combater.  O faz com proveito para o aprendizado, mas ainda assim o faz.
Wiki experimental | http://luisdantas.zip.net
The stanza uttered by a teacher is reborn in the scholar who repeats the word

Em 18 de janeiro de 2010, ainda não vejo motivo para postar aqui. Estou nos fóruns Ateus do Brasil, Realidade, RV.  Se a Moderação reconquistar meu respeito, eu volto.  Questão de coerência.

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.862
  • Sexo: Masculino
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #30 Online: 10 de Setembro de 2008, 08:13:50 »
Citar
Quem diz isso nunca leu Paulo Freire.
Dora, eu acho que o Orbe leu PF sim... ele é pedagogo.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #31 Online: 10 de Setembro de 2008, 09:41:45 »
"Não há educação neutra" realmente parece uma afirmação mais panfletária do que técnica.  E, de fato, reflete uma mentalidade que vê o mundo como uma série de fluxos de doutrinação ideológica. 

A maior parte das matérias acadêmicas não apenas pode ser ideologicamente isenta, mas deve fazê-lo rotineiramente e sem grande esforço.  Se isso não acontece, há motivos para suspeitar da qualidade do ensino.

Educação deve sim estar acima da doutrinação.  Mas não precisa estar sempre olhando para os lados com receio de idéias "estrangeiras", "contaminadoras". 

O que eu vejo neste tópico me faz pensar que o método Paulo Freire é útil de um ponto de vista didático, mas bastante viciado ideologicamente.  Ironicamente, ele pelo visto cai exatamente no erro que alega querer combater.  O faz com proveito para o aprendizado, mas ainda assim o faz.


2
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #32 Online: 10 de Setembro de 2008, 09:48:39 »
3
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Orbe

  • Nível 24
  • *
  • Mensagens: 1.009
  • Sexo: Masculino
  • ???
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #33 Online: 18 de Setembro de 2008, 13:53:22 »
Citar
Quem diz isso nunca leu Paulo Freire.
Dora, eu acho que o Orbe leu PF sim... ele é pedagogo.

Eu queria ganhar R$ 1,00 pra cada vez que ouço/leio isso depois de criticar PF... Estaria rico.

"Pedagogia do Oprimido". Nem vou colar citação porque o livro inteiro é pura doutrinação para pedagogos.
Se você se importasse não estaria discutindo e sim agindo...

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.108
  • Sexo: Masculino
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #34 Online: 18 de Setembro de 2008, 22:08:37 »
4... Dantas, matou a pau!
"Deus prefere os ateus"

Offline Velho

  • Nível 04
  • *
  • Mensagens: 48
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #35 Online: 26 de Setembro de 2008, 12:21:48 »
Encontrei o seguinte texto pelas minhas andanças pela net, vejamos:

Paulo Freire a Revista Veja

Discute-se a questão da exigência do diploma para a profissão de jornalista. O assunto está na crista das polêmicas atuais. Creio que a discussão vem a calhar, mas deveria ser deslocada para a questão da qualidade dos cursos de jornalismo. Não é só o curso de Direito e o de Administração que estão dando mostras de não formar ninguém. Há muito o curso de jornalismo vem se equiparando ao de Direito na produção de pessoas que não poderiam trabalhar na profissão designada pelo curso.
O exemplo mais vivo disso é o artigo de duas meninas (são jornalistas formadas?) na revista Veja de 20 de agosto de 2008, falando sobre Paulo Freire. É visível que nunca sequer abriram um livro de Paulo Freire. É visível também que estão sob lavagem cerebral, pois ninguém pode, com liberdade e inteligência, escrever que Paulo Freire é “autor de um método de doutrinação esquerdista disfarçado de alfabetização”.
Elas ligam a figura de Chê Guevara a Paulo Freire, para desancar o educador. Ele estaria mais ao lado da guerrilha do que da alfabetização.
Bem, se as duas garotas pudessem ir além do que são e respeitar a exigência de uma boa formação em jornalismo (o mesmo vale para Roberto Romano – que elas citam – que por mágoa pessoal e nada de divergência teórica passou a atacar Paulo Freire de maneira baixa e policialesca nos corredores e na burocracia da Unicamp, nos anos 90 – na época, eu escrevi uma carta para ele, protestando), elas iriam poder notar que nos Estados Unidos não são “os trabalhadores” ou “os oprimidos” que usam o método Paulo Freire somente. Várias prefeituras de cidades americanas experimentaram o método não para um trabalho direcionado para a consciência daqueles que Florestan Fernandes chamava “os de baixo”, mas para a ampliação da consciência política dos “de cima” de modo que eles pudessem compreender as reivindicações dos “de baixo”. Muitos viram que o método Paulo Freire ajuda na redescrição (Rorty) que os jovens mais ricos podem fazer dos mais pobres, compreendendo suas dificuldades. Em vez de se produzir aí a guerrilha e o conflito, o que se cria é uma transformação pacífica e duradoura. Essa descoberta, aliás, havia sido prevista por Freire e experimentada em outros lugares (na Nova Zelândia, por exemplo, onde trabalhei com freirianos).
É interessante notar que uma das testemunhas dessa utilização mais universal do método Paulo Freire é exatamente alguém que, por formação, preferiria a via do conflito mais radical, talvez no velho estilo dos confrontos físicos. Trata-se do professor Peter McLaren, em um belo texto chamado “Paulo Freire e o Primeiro Mundo” que está no livro Paulo Freire – uma biobliografia (Cortez, Unesco e IPF, 1995), livro que tive o prazer de resenhar na época de sua publicação, a pedidos da Folha de São Paulo e Jornal de Resenhas. Ainda como na época, acho que este texto de McLaren diz mais que muitos outros sobre Freire. Capta o verdadeiro espírito da filosofia da educação de Freire, de quem, aliás, fui aluno.
Tenho várias divergências com a filosofia da educação de Paulo Freire. Em parte, concordei com meu outro professor, Dermeval Saviani, sobre alguns traços populistas que poderiam emergir da filosofia da educação de Freire. Debatemos isso nos anos 80. Mas exatamente por debatermos isso, utilizamos Paulo Freire como Freire gostaria de ser utilizado, ou seja, criticamente. E é isso que aparece no texto de McLaren: Paulo Freire sendo utilizado para a consciência dos ricos, não só dos pobres, para o favorecimento da vida democrática. Uma atitude deweyana.
Ou seja, a filosofia da educação de Paulo Freire não é uma filosofia necessariamente do conflito absoluto, e sim da divergência que pode ser superada pelo diálogo. Seria um contra senso que a filosofia de Freire, que se obriga a ser uma “pedagogia do diálogo” (veja o vídeo que acompanha este texto), não pudesse resolver problemas pelo diálogo, sendo apenas uma apologia da violência, um culto a Chê Guevara.
Vamos colocar as coisas de modo correto. Guevara jamais foi admirado por Freire por ser guerrilheiro, e sim por ser rebelde. Freire sempre amou a rebeldia. Mas Freire nunca andou armado ou sequer fez parte de grupos armados. Quando esteve em Cuba, Fidel lhe disse: “Paulo, é ótima essa crítica que faz do capitalismo, mas você deveria poupar a nós, socialistas”. E Freire sorriu e continuou falando do machismo cubano e da falta de democracia em Cuba, irritando até mesmo brasileiros que eram seus amigos. Ou seja, antes de tudo, a filosofia da educação de Freire devia muito mais a John Dewey e aos Estados Unidos, pela via de Anísio Teixeira, do que a qualquer marxismo dogmatizado que lhe caiu no colo ao longo da carreira. E isso ele deixava claro pelas opções de leitura que fazia no tempo em que fui seu aluno na Universidade Católica.
Naquele tempo os cursos de graduação e pós funcionavam. Podíamos se de esquerda para além do que deveríamos ser, talvez, mas não éramos de esquerda pelo modo que as garotas da Veja, de hoje, são de direita, não tínhamos sofrido de lavagem cerebral. Tanto é que a maioria de nós, mesmos os mais radicais, nunca deixaram de perceber que o que mais favorecia uma posição de esquerda sólida era a democracia. Fora da democracia, nada seria interessante. Dermeval Saviani havia optado pelo PC do B! E ninguém incentivava mais a democracia que ele. E não como estratégia apenas, e sim como objetivo final. Se isso era um contra senso, não sei, mas isso vinha a desembocar na minha posição, de defesa da democracia como um ponto do qual não se poderia abrir mão em hora nenhuma – nunca.
Jamais vi qualquer honestidade crítica em quem disse de Paulo Freire coisas que o comprometiam com a não-democracia.
O método Paulo Freire tem um segredo de polichinelo: a consciência política vem junto com a habilidade técnica com a linguagem e vice-versa. Caso isso não ocorra, o educador não conseguiu trabalhar com o método. O método não falha nisso. Ele é intrinsecamente um método de envolvimento fecundo com a linguagem. Para aprender a ler e a escrever é necessário ir andando pelo conhecimento da linguagem em suas estruturas gramaticais que são (como Nietzsche mostrou) estruturas de poder. Não é que para ler e escrever é necessário conhecer a língua como um gramático ou lingüista e, a partir daí, por análise, poder ver seu comprometimento com destinos sociais. É necessário entender como que a linguagem e os jargões que hierarquizam as pessoas são uma e mesma coisa. E isso se faz na pedagogia freireana no uso da linguagem enquanto um uso que importa, que interessa, que motiva os que estão envolvidos no círculo de cultura que favorece o aprendizado. Então, ao ampliar a consciência política – em favor da democracia – aprendemos a manusear a linguagem e o aprendizado da escrita e da leitura sai como que em um processo natural do círculo de cultura freireano.
Quem experimentou o método se encanta porque ocorre um milagre com ele. Quando se menos espera, as pessoas estão lendo e escrevendo e ao mesmo tempo tendo um entendimento bastante profundo do que lêem e escrevem. Mas quem, como as duas garotas de Veja, não foram alfabetizadas corretamente, realmente é difícil entender como que um método de alfabetização pode ou não funcionar.

Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo

Retirado de: http://portal.filosofia.pro.br/

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #36 Online: 26 de Setembro de 2008, 14:56:04 »
Não interessa se seria para a consciência dos ricos e não dos pobres.
Um sistema pedagógico não tem que colocar viés em nada, nem buscar diálogo para o convflito porque só isso mostra que interpreta a questão como sendo um conflito. Não é para criar o problema e mostrar a solução.

Que prefeituras dos EUA utilzam isso??
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Orbe

  • Nível 24
  • *
  • Mensagens: 1.009
  • Sexo: Masculino
  • ???
Re: Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #37 Online: 26 de Setembro de 2008, 17:24:44 »
Quem experimentou o método se encanta porque ocorre um milagre com ele. Quando se menos espera, as pessoas estão lendo e escrevendo e ao mesmo tempo tendo um entendimento bastante profundo do que lêem e escrevem.

Conversa fiada.

Método nenhum faz milagres.

Um bom professor alfabetiza bem até usando cartilhas da década de 1950.
Se você se importasse não estaria discutindo e sim agindo...

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.817
  • Sexo: Masculino
Re:Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #38 Online: 07 de Novembro de 2018, 21:39:40 »





Bolsonaro quer extirpar "método Paulo Freire" do Brasil


Filósofo Paulo Ghiraldelli
Publicado em 28 de set de 2018


Filósofo Paulo Ghiraldelli Jr. explica como Bolsonaro e seus correligionários jamais entenderam Paulo Freire e só repetem jargões de fantasmas criados pela incultura e má fé.




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.817
  • Sexo: Masculino
Re:Sobre o método Paulo Freire
« Resposta #39 Online: 07 de Novembro de 2018, 22:32:42 »


Um comentário bem interessante (na página do vídeo) de uma pessoa que inclusive ia votar no Bolso, mas, que não é nenhuma desequilibrada e/ou desinformada:



CS
1 semana atrás (editado)

Fui professora por 31 anos, voto 17, mas  respeito o trabalho de Paulo Freire. A pedagogia da libertação, da autonomia e outras eram voltadas meramente ao pedagógico, que prega o construtivismo na escola, onde o aluno é protagonista  do processo de ensino aprendizagem.  Ele foi referência em outros países.  E o método Paulo Freire foi muito importante na alfabetização de crianças,  jovens e adultos. Uma alfabetização voltada para atender à linguagem regional do aluno. O método dele foi tão importante que alfabetizava em 30 dias.  O método da formação de palavras a partir de sílabas.  Ca ce ci co cu, a partir daí formam-se palavras.  E depois de formar palavras forma-se frases e textos. Utilizando o mundo em que o aluno estava inserido.
Muito pertinente esse vídeo.  Não se pode  rotular autores por falsas ideologias.
Sou Paulo Freire. E a equipe de Bolsonaro deve valorizar o trabalho desse grande mestre. Já li alguns dos seus livros. Nada a ver com comunismo.  Ele foi criador de um método de ensino que contribuiu muito para a educação do Brasil. E o método ainda é muito utilizado no processo de alfabetização.



 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!