Autor Tópico: Falta de provas.  (Lida 4868 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline FZapp

  • Administradores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.886
  • Sexo: Masculino
  • El Inodoro Pereyra
    • JVMC
Re: Falta de provas.
« Resposta #25 Online: 10 de Outubro de 2010, 09:49:27 »
Mas além de tu achar que o texto esta certo, você também tem que acreditar em uma conspiração mundial, planejada pelos cientistas, para esconder a verdade e, ao mesmo tempo, acreditar que um zé qualquer, em um fórum qualquer, detêm essa verdade verdadeiramente verdadeira.

Então, deve ter muita gente que 'sabe' que 'a evolução está certa' mas que não conseguiria refutar o texto.
--
Si hemos de salvar o no,
de esto naides nos responde;
derecho ande el sol se esconde
tierra adentro hay que tirar;
algun día hemos de llegar...
despues sabremos a dónde.

"Why do you necessarily have to be wrong just because a few million people think you are?" Frank Zappa

Offline Dodo

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.304
Re: Falta de provas.
« Resposta #26 Online: 10 de Outubro de 2010, 10:52:12 »
Porque as olavetes não se reunem no Instituto Olavo de Carvalho (sim, ele existe) ao invés de ficarem torrando o saco dos outros em fóruns diversos?

Ou algum infeliz acha que tem a obrigação de, pelo menos, tentar salvar a alma dos ateus?

Você é único, assim como todos os outros.
Alfred E. Newman

Offline Lion

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.994
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #27 Online: 10 de Outubro de 2010, 11:13:14 »
Porque as olavetes não se reunem no Instituto Olavo de Carvalho (sim, ele existe) ao invés de ficarem torrando o saco dos outros em fóruns diversos?

Ou algum infeliz acha que tem a obrigação de, pelo menos, tentar salvar a alma dos ateus?

Acho que o lance é encher o saco mesmo, não tem nada de salvar as almas dos ateus.

Offline FZapp

  • Administradores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.886
  • Sexo: Masculino
  • El Inodoro Pereyra
    • JVMC
Re: Falta de provas.
« Resposta #28 Online: 10 de Outubro de 2010, 12:04:08 »
Os estão afim de alguns ateus para explicarem as nuâncias secretas da biologia ! :lol:
--
Si hemos de salvar o no,
de esto naides nos responde;
derecho ande el sol se esconde
tierra adentro hay que tirar;
algun día hemos de llegar...
despues sabremos a dónde.

"Why do you necessarily have to be wrong just because a few million people think you are?" Frank Zappa

Offline Contini

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.610
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #29 Online: 11 de Outubro de 2010, 19:45:52 »
O que me incomoda é o porque que esses fanáticos querem tanto que a realidade corrobore suas mitologias! Porque não deixam o mundo natural para a ciencia, já que religião nunca serviu pra explicar nada da natureza e ficam com a religião para "explicar" as coisas imaginárias?
"A idade não diminui a decepção que a gente sente quando o sorvete cai da casquinha"  - anonimo

"Eu não tenho medo de morrer, só não quero estar lá quando isso acontecer"  - Wood Allen

    “O escopo da ciência é limitado? Sim, sem dúvida: limitado a tratar daquilo que existe, não daquilo que gostaríamos que existisse.” - André Cancian

Offline Hugo

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.916
Re: Falta de provas.
« Resposta #30 Online: 11 de Outubro de 2010, 20:05:15 »
Quando um novato vem com essas perguntas, que tal abrir um tópico com essas respostas e mandá-lo logo acessar.

A não ser que aparece algo de novo...
"O medo de coisas invisíveis é a semente natural daquilo que todo mundo, em seu íntimo, chama de religião". (Thomas Hobbes, Leviatã)

Offline Nina

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.805
  • Sexo: Feminino
    • Biociência.org
Re: Falta de provas.
« Resposta #31 Online: 11 de Outubro de 2010, 20:05:55 »
Duvido que tenham tanta criatividade! :P
"A ciência é mais que um corpo de conhecimento, é uma forma de pensar, uma forma cética de interrogar o universo, com pleno conhecimento da falibilidade humana. Se não estamos aptos a fazer perguntas céticas para interrogar aqueles que nos afirmam que algo é verdade, e sermos céticos com aqueles que são autoridade, então estamos à mercê do próximo charlatão político ou religioso que aparecer." Carl Sagan.

Offline _Juca_

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.360
  • Sexo: Masculino
  • Quem vê cara, não vê coração, fígado, estômago...
Re: Falta de provas.
« Resposta #32 Online: 11 de Outubro de 2010, 20:27:25 »
Quando um novato vem com essas perguntas, que tal abrir um tópico com essas respostas e mandá-lo logo acessar.

A não ser que aparece algo de novo...

É um troll Hugo, ele não esta nem aí pro que acontece aqui.

Offline uiliníli

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.107
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #33 Online: 11 de Outubro de 2010, 20:29:33 »
E nem novato é, é o Karanami, já bloqueado por criar uma segunda conta no fórum.

Offline Derfel

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.879
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #34 Online: 12 de Outubro de 2010, 19:52:53 »


Os cientistas que não crêem na existência de um criador inteligente dizem que o homem surgiu como uma evolução de um macaco, mediante mutações e seleção natural, tendo surgido aos poucos macacos cada vez mais semelhantes ao ser humano, até que finalmente surgiu o homem.

Não. Não são os cientistas que não crêem em Deus. São apenas os cientistas e a maioria da população esclarecida. Existem apenas um grupo de fundamentalistas dentre os teístas que negam a TE. O homem e o "macaco" evoluíram de um ancestral comum e não foi uma escalinha como se apresenta em alguns livros didáticos, mas como uma árvore (ou teia) com ramificações e ganhos extintos. Por fim, o homem é um tipo de macaco, por mais que seja difícil você admitir isso.
Citar
Ora, se assim fosse, deveriam existir macacos bem semelhantes ao homem, ou pelo menos deveriam ser encontrados esqueletos de tais animais quase humanos.

E existem. Há vários grupos hoje extintos, desde autralopithecus até o gênero homo, com muitas espécies extintas, com vários fósseis. O Homo floresiense, mesmo, teve uma extinção muito recente, há 13.000 anos ainda havia deles por aí. Outra coisa interessante é a manutenção de características juvenis no homem moderno (na verdade, no gênero homo), como aconteceu com os cães que retiveram características juvenis ao se separarem do lobo. Se você pegar um chimpanzé, nosso parente mais próximo hoje, bebê verá que as proporções cranianas são muito semelhante com a dos humanos. Conforme o chimpanzé cresce, vai adquirindo um prolongamento da face típica dos chimpanzés, já no homem as características se mantém infantis.



Citar
No entanto, não existem tais animais intermediários entre os macacos e os homens, e nunca foi encontrado nenhum esqueleto de tais seres.

Vide acima.

Citar
O padrão genético dos macacos é muito diferente do padrão genético do homem, pois o homem tem 46 cromossomos e o gorila, o chimpanzé e o orangotango têm 48 cromossomos e o gibão tem 44 cromossomos.

E é o se espera de espécies diferentes, não é mesmo? Aliás, não são espécies, mas gêneros diferentes!

Citar
Em um estudo feito pelo The Chimp Sequencing and Analysis Consortium, que reuniu pesquisadores dos Estados Unidos, Alemanha, Israel, Itália e Japão, publicado pelo jornal científico semanal britânico Nature, os cientistas disseram que decifraram o código genético dos chimpanzés, e constataram que o chimpanzé possui cerca de três bilhões de pares de genes, e que desses 3 bilhões de pares de genes, 35 milhões são diferentes dos encontrados no DNA dos humanos.

35 milhões em um universo de 3 bilhões! entre espécies separadas de tal forma que são gêneros diferentes! Relativamente é apenas 1% (ainda que eu soubesse que fosse um pouco mais, cerca de 2%, se for verdade a notícia, então o chimpanzé é ainda mais próximo dos humanos que se pensava. Parabéns, você conseguiu provar que somos ainda mais aparentados com os chimpanzés)!
Citar
Os cientistas diziam que o assim chamado “Homem de Neandertal” era um ser intermediário entre o macaco e o homem.

Nopes. O Homem de Neandertal é apenas uma espécie (ou subespécie) do gênero homo, muito próxima ao sapiens. E ambos descendem do Homo habilis. Viu como você precisa dar uma estudada?
Citar
No entanto, cientistas alemães e americanos conseguiram encontrar fragmentos de DNA do “Homem de Neandertal”, e os compararam com o DNA de seres humanos das diferentes raças, e verificaram que o DNA do “Homem de Neandertal” é totalmente diferente do ser humano.
O que vai a um padrão já suspeitado que seriam espécies diferentes. Acho que a sua confusão é por não entender o que seja o Homem de Neandertal. Resumidamente é o seguinte: A primeira leva de emigrantes humanos que partiram da África não foi de humanos anatomicamente modernos, mas de Homo erectus que se espalharam pela Ásia e Europa. A glaciação acabou por isolar esses grupos dos outros erectus do continente africano. Na Europa, o erectus acabou por se diferenciar em uma espécie nova: o Homo neanderthalensis. Isolados na África, o erectus acabou por originar o sapiens. Eventualmente, o sapiens partiu em novas levas de migrações que atingiu o oriente próximo e a Europa, onde tiveram contato com os neanderthalensis que lá viviam, o que acabou por levar esse último à extinção, seja por guerras, seja por competição.

Citar
A conclusão dos pesquisadores é de que o assim chamado “Homem de Neandertal” não é ancestral nem aparentado com o ser humano.

Eu diria que seria algo como um primo... :)
Citar
Isto põe por terra a teoria dos evolucionistas, e prova que a única explicação possível para a existência do homem é que ele tenha sido criado por um ser super-inteligente.

Essa sua conclusão é a mesma que concluir que alienígenas comeram meu queijo que estava em cima da mesa, já que descobri que não foi minha esposa.
Citar
Portanto, verifica-se que a teoria da evolução não tem nada de científico, já que não existe nada que a comprove, e é na verdade uma lenda, um mito, semelhante aos contos de fadas.
A teoria da evolução é falsa e absurda.

Você não está falando sério, não é mesmo? É mais provável então a história do gêneses??? Acho que você, realmente, não sabe o que significa lenda e mito...

Citar
A Genética comprova que a teoria da evolução é falsa, pois se um indivíduo de uma espécie sexuada sofrer uma mutação que o transforme em um indivíduo de outra espécie, ele não poderá se reproduzir, pois não haverá um indivíduo de sexo oposto da nova espécie, com o qual ele possa cruzar, e o cruzamento entre indivíduos de espécies diferentes é infértil.

Isso porque a evolução se processa por PEQUENAS mutações. Você nunca vai ver uma galinha botar um ovo e sair um cachorro. São essas pequenas mutações e o isolamento de grupos que levam, eventualmente, a uma espécie nova (e nem sempre infértil com o cruzamento com a mais antiga, vide o lobo e o cão)

Offline Mr. Mustard

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.918
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #35 Online: 13 de Outubro de 2010, 12:53:03 »
Estou sem paciência para isso...

Vamos ficar com a verdade absoluta para encerrar logo: Tudo foi criado do nada por uma entidade que ninguém consegue ver e que só serve para encher o saco.

[2]

Offline Pedro Reis

  • Nível 33
  • *
  • Mensagens: 2.473
Re: Falta de provas.
« Resposta #36 Online: 30 de Outubro de 2010, 11:56:51 »
Putz, como vocês são chatos!

Porque você não vai fazer a sua pregação em alguma igreja? Aqui é perda de tempo, todo mundo tem o ensino fundamental completo.

Offline Pedro Reis

  • Nível 33
  • *
  • Mensagens: 2.473
Re: Falta de provas.
« Resposta #37 Online: 30 de Outubro de 2010, 12:22:46 »
Bom... é.. li até o final. Perdi quatro minutos da minha vida.

Posso dizer que já vi textos aborrecionistas muito melhores do que este. Esse é para escola dominical.

Citar

A Evolução do Macaco ao Homem [...]

[...] Os cientistas que não crêem na existência de um criador inteligente dizem que o homem surgiu como uma evolução de um macaco [...]



O nosso ancestral comum era um macaco?

Citar

Ora, se assim fosse, deveriam existir macacos bem semelhantes ao homem, ou pelo menos deveriam ser encontrados esqueletos de tais animais quase humanos.


Interessante contradição. Mais lá na frente você diz que o Neanderthal era um macaco.

Citar
No entanto, não existem tais animais intermediários entre os macacos e os homens, e nunca foi encontrado nenhum esqueleto de tais seres.


Ninguém mais acredita que os Neandhertais foram nossos ancestrais, mas se você acha que eram macacos, bom, taí então um macaco bem semelhante ao Homem.

Citar
O padrão genético dos macacos é muito diferente do padrão genético do homem, pois o homem tem 46 cromossomos e o gorila, o chimpanzé e o orangotango têm 48 cromossomos e o gibão tem 44 cromossomos.

Em um estudo feito pelo The Chimp Sequencing and Analysis Consortium, que reuniu pesquisadores dos Estados Unidos, Alemanha, Israel, Itália e Japão, publicado pelo jornal científico semanal britânico Nature, os cientistas disseram que decifraram o código genético dos chimpanzés, e constataram que o chimpanzé possui cerca de três bilhões de pares de genes, e que desses 3 bilhões de pares de genes, 35 milhões são diferentes dos encontrados no DNA dos humanos.

Portanto, vemos que o código genético do chimpanzé é muito diferente do código genético do ser humano, pois existem 35 milhões de diferenças entre o código genético do chimpanzé e o código genético do ser humano.


O legal aqui é o senso de proporção. Se criacionista soubesse fazer conta ele perbeceria que 35 milhões são 1,2% de 3 bilhões.

98,8% parece bastante coincidente para mim.


Citar

Os cientistas diziam que o assim chamado “Homem de Neandertal” era um ser intermediário entre o macaco e o homem.


Como você está desatualizado...

Citar

No entanto, cientistas alemães e americanos conseguiram encontrar fragmentos de DNA do “Homem de Neandertal”, e os compararam com o DNA de seres humanos das diferentes raças, e verificaram que o DNA do “Homem de Neandertal” é totalmente diferente do ser humano.

A conclusão dos pesquisadores é de que o assim chamado “Homem de Neandertal” não é ancestral nem aparentado com o ser humano.

Isto põe por terra a teoria dos evolucionistas, e prova que a única explicação possível para a existência do homem é que ele tenha sido criado por um ser super-inteligente.


Você ainda não percebeu, mas ISSO PÕE POR TERRA a fábula do Gênesis! Então os "Neanders" não eram humanos? Xiiii... Isso significa que existiu pelo menos uma outra espécie não descendente de Adão e Eva e que também era inteligente, confeccionava utensílios, usava roupas, possuía linguagem.

Como fica aquela história de que este universo foi feito todinho pra nós?


Offline ANDREWaim

  • Nível 16
  • *
  • Mensagens: 440
Re: Falta de provas.
« Resposta #38 Online: 30 de Outubro de 2010, 14:14:44 »
Encontrei algo assim (não sei o quanto isto está certo):

"Chegamos a acreditar que a diferença entre o DNA de homens e chimpanzés seria menor que 2%. Isso era o que indicava a técnica desenvolvida por Dave Kohne e Roy Britten, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), nos EUA. Porém, segundo um trabalho posterior do próprio Britten, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (2002), a diferença genética entre homens e chimpanzés seria um pouco maior, algo em torno de 5%. Ainda assim, é muito pouca diferença para explicar características tão diversas entre as duas espécies. Britten diz que a explicação poderia estar em regiões do DNA que controlam toda uma cadeia de genes."
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u7277.shtml
http://www.oocities.com/~esabio/cibercamera/diferenca.htm


Com o Projeto Genoma "descobriu-se que os genes são raros no DNA [se comparados com - >]. A maior parte da espiral é formada por "DNA lixo", como eram carinhosamente apelidados os trechos de DNA que não codificavam proteínas. (...) O pior é que o Projeto Genoma revelou um protagonista nessa história até então menosprezado: DNA lixo, aquele que não produz proteínas. A pesquisa mostrou que ele não mete a mão na massa - ele é mais um gerentão dos genes mesmo. "A grande surpresa do Projeto Genoma foi descobrir que o DNA antes considerado lixo é justamente o responsável pela interação entre os genes", diz Salmo Raskin, geneticista e presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Genética, que trabalhou no projeto."


Creio que as afirmações que eram feitas no nível de porcentagens comparativas de DNA entre espécies só levavam em consideração os trechos de DNA que realmente continha(m) gene(s) [pois, antes do próprio Genoma ouvia dizer que a diferença genética entre o DNA de homens e chimpanzés seria menor que 2% - e isto já faz muito tempo]. Provavelmente falta mais estudos para podermos realmente precisar a semelhança genética entre espécies. O Genoma foi apenas o começo. Falta estudos sobre como funciona o DNA lixo e a sua diferença entre espécies por exemplo. Além disso há outras pontos para considerarmos:

Antes do Projeto Genoma acreditava-se que cada gene fabricava uma proteína; que os genes agiam sozinhos; que o DNA lixo não tinha função; que as proteínas recebiam ordens dos genes e; que o código genético não mudava. Hoje sabe-se que cada gene pode produzir várias proteínas; que a interação entre genes pode dar novas funções a células; que o DNA antes considerado lixo na verdade regula a interação entre os genes; que as proteínas podem assumir novas funções de acordo com as reações químicas por que passam no corpo, a influência do ambiente em que a pessoa [ou espécie] vive e o envelhecimento do corpo e; que o sistema imunológico pode agir sobre os cromossomos ativando e desativando combinações de DNA.

Uma coisa é certa: Não é tão simples quanto definir uma porcentagem apenas baseado em quantidades vistas ou auferidas. Existe mais para se considerar antes de termos a tal semelhança genética. Se formos olhar apenas para os genes ao definir a semelhança entre espécies, estamos considerando que os diversos mamíferos que conhecemos (uma vaca por exemplo - ou qualquer espécie com menos de 10% de diferença) possuem ancestral comum tão próximo [próximo mesmo] quanto um ancestral comum para o macaco [e isto seria Digievolução].  


fonte base: Super 282
« Última modificação: 30 de Outubro de 2010, 14:31:53 por ANDREWaim »
"A biologia é o estudo das coisas complexas que dão a impressão de ter um design intencional." [?] Richard Dawkins - O Relojoeiro Cego.


Offline Luiz F.

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.725
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #39 Online: 31 de Outubro de 2010, 02:15:48 »
O design inteligente é só um bullshit inventado pelos criacionistas para dar um ar de teoria científica às suas baboseiras.

Eu acho que basear toda sua vida em um livro escrito há 2000 anos atrás é perda de tempo e energia. Pensando sobre isso outro dia eu imaginei o que pode ter acontecido naquela época que originou o cristianismo. Mas lógico essa é só uma suposição.

Bom, na época na região em que tudo acontece os romanos dominavam. Então o aumento da insatisfação fez com que um herói fosse criado no imaginário de alguém que contou essa história inventada para seus filhos como uma forma de reconfortá-los por algum infortúnio. A história era de um homem que seria mandado por deus para desafiar o poder romano na região, e o nome dele era Jesus, o que era plausivel pra nome de um heroi popular(eu vi em algum lugar que esse era um nome comum na época, salvo engano).

Então sabe como é: a história vai passando de boca em boca e aí vale aquele ditado de que "quem conta um conto aumenta um ponto",vão incluindo milagres na história para ter um maior apelo entre as massas, ai a história ganha proporção.

Aí alguns resolvem escrever essa história oral, que já tem status de mito e algumas constantes, e os escritores escrevem essas constantes da história.

Então alguns espertalhões resolvem dizer que foram chegados do herói e começam a arrebatar mais gente dizendo que a história foi verdadeira e que era a vontade desse herói que as pessoas o seguisse e o adorasse.

Finalmente alguém resolve compilar tudo o que foi escrito por diversos escritores em um único livro e aproveitou pra colocar alguns outros contos da mitologia da região, inventou mais algumas histórias para que as histórias se interconectassem , e voilá assim nasce um livro sagrado e uma religião.

Sei lá, basear tudo em um livro é froid. Se for assim então porque não criar uma religião em cima dos livros de J. R. R. Tolkiem e criar o Anelismo onde nós adoraríamos um anel e nossos profetas seriam Gandalf, Aragorn, Legolas
e o avatar dessa religião seria o Frodo, talvez criando o Frodismo onde nós rezariamos para irmos às terras imortais quando morressemos, e morreriamos de medo de irmos para a montanha da perdição.

Talvez essa religião se dividisse em várias seitas como o Elfismo, o Legolismo, o Aragornismo. Alguns ainda adorariam os Robits sendo politeístas, e outros adorariam Sauron e seriam considerados hereges.

E é claro haveria nós os ateus :P

Acho que eu tenho que parar de viajar na maionese. :fiu-fiu:
"Você realmente não entende algo se não consegue explicá-lo para sua avó."
Albert Einstein

Offline biscoito1r

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.739
  • 笑顔
Re: Falta de provas.
« Resposta #40 Online: 19 de Novembro de 2010, 00:25:30 »
Be ashamed to die until you have won some victory for humanity

Offline Chapeu

  • Nível 00
  • *
  • Mensagens: 7
Re: Falta de provas.
« Resposta #41 Online: 02 de Dezembro de 2010, 15:56:18 »
se eu postar um texto gigante que fiz para outro fórum, alguma possibilidade dele ler? hehe

Em tempo, todo o conceito de termodinâmica e entropia está completamente bagunçado para esses criacionistas; mas no final das contas, evolução não tem nada a ver com termodinâmica ou entropia. Processos físicos e químicos tem a ver, mas evolução se faz atráves da transferência de informação (genes) para as próximas gerações, e informação não tem nada a ver com aumento de entropia ou termodinâmica. Não é o indíviduo que fica mais complexo, é a informação que fica ao longo do tempo atráves da seleção natural.

Se armazeno um arquivo em uma memória Flash, DVD, ou seja lá o que for; essa memória irá se corromper com o tempo, mas a informação pode ser passada para outro recipiente antes que isso ocorra, preservando a mesma por tempo indeterminado. Evolução acontece ao nível da informação, moldada pela selação natural, a degradação dos sistemas onde ela é armazenada não pode impedir isso.

Meu texto gigante: (não foi feito apenas por mim, colei coisas que outras pessoas escreveram, editei algumas coisas, acrescentei outras, etc)

[spoiler]


Citar
1° Erro: O homem veio do macaco
.

Essa dúvida permeia uma grande quantidade de mentes criacionistas. Deve-se ficar claro que a Teoria da Evolução (TE) jamais disse que evoluímos dos chimpanzés e gorilas atuais. Os macacos na verdade, pertencem ao gênero Macaca, enquanto os homens pertencem ao gênero Hominidae.

Eles não são descendentes um do outro, mas são descendentes de um primata comum, que não era nem macaco nem homem. Esse ancestral primata se dividiu em dois ramos, um para o Macaca, e outro para o Hominidae.


Citar
2° Erro: As espécies são obrigadas a evoluir
.

Exemplos: “Por que o macaco não evoluiu?”; “Por que as amebas não evoluíram?”

A idéia errônea de que as espécies são obrigadas a evoluir também é muito comum.

Para início de conversa, nenhuma espécie sabe que tem que evoluir. A evolução não segue um rumo, não tem um caminho definido. Ela não diz “Oh, as coisas estão difíceis por aqui, vamos dar uma evoluída para ver se melhora...”

Não. A evolução só ocorre por imposição do meio. É a mudança do meio em que vivem que pode fazer as espécies evoluírem. Ninguém pode reclamar que as amebas não viraram elefantes, porque elas se deram muito bem como amebas, no ambiente em que viviam. Os próprios organismos unicelulares atuais são seres extremamente bem adaptados ao seu ambiente, e comparação de bactérias ou amebas com seres mais simples, que se desenvolveram no mar há eras atrás, é extremamente errada.

Bactérias possuem uma capacidade impressionante de adaptação. Como exemplo: nos anos 70, no Japão, uma nova espécie de bactéria capaz de digerir Nylon surgiu de dejetos industriais; algo que surpreendeu até mesmo os maiores especialistas em evolução. Isso é o resultado de bilhões de anos de evolução bioquímica, bactérias não são exatamente "seres  primitivos que precisam evoluir para formas mais complexas"; elas já são bastante sofisticadas, e o fato de serem seres unicelulares capazes de se multiplicarem rapidamente, e se adaptarem rapidamente,  confere uma grande vantagem evolutiva; de modo que não faz sentido perder essas características em prol de pura complexidade. Não há uma pressão evolutiva que favoreça esse tipo de mudança.

A mutação e seleção natural trabalham de forma a modificar as espécies, tornando-as mais adaptadas ao meio. Não se trata de ganhar alguma habilidade específica como inteligência, mas sim, de ser bem sucedido no meio em que vive, e assim transmitir seus genes para a prole.

Logo, uma característica como a inteligência mais avançada dos humanos, ou a capacidade de camuflagem de uma lula (muito mais sofisticada que qualquer outra espécie) são peculiaridades dessas espécies, e não o objetivo final da evolução, que é algo bem menos específico.

Macacos modernos são precisam de inteligência humana para sobreviver assim como humanos não precisam de uma camuflagem como a lula.


Citar
3° Erro: Ao evoluir, a espécie original desaparece
.

Exemplo: “Se o homem veio do macaco, por que ainda existem macacos?”

Outro engano muito comum. Apesar da idéia inicial errada (que o homem veio do macaco), mesmo assim o surgimento de uma nova espécie não implica necessariamente no desaparecimento da espécie anterior (apesar de acontecer na maioria das vezes).

O que ocorre é uma divisão de um grupo de animais, por motivos diversos, e cada grupo segue a sua linhagem evolutiva independente. Mas não significa necessariamente que uma vai sobrepujar a outra.

Duas populações de uma mesma espécie podem evoluir e se tornarem duas espécies diferentes, se não houver contato entre esses grupos. Mutações ocorridas em uma população que sejam benéficas para a espécie aumentaram sua proporção no "pool" genético, e se tornaram dominantes.

Com o tempo várias mutações acumularam diferenças entre os dois grupos, de forma que aquilo que antes eram duas populações de uma mesma espécie tornam-se duas espécies diferentes.

Citar
4° Erro: Evolução significa melhoria
.

Exemplo: “Os organismos que estão preservados no âmbar são virtualmente parecidos com os de hoje! Porém maiores! Não teria ocorrido uma involução em vez da evolução?”

Essa é a idéia extremamente errada de que evolução é sinônimo de melhoria.

Para começar, a própria definição de melhoria já é complicada, pois que tipo de habilidade é melhor que outra? Um tamanho maior pode ser um problema se você está tentando se esconder, mas pode ser uma vantagem se quer sobrepujar um predador.

A evolução não funciona desse modo, pois ela não “sabe” o que é bom e o que não é. Logo, uma habilidade que a princípio é “boa”, pode ser perdida se ela atrapalha na sobrevivência.

Mais um exemplo, olhos são uma coisa boa se você vive na floresta, mas não inúteis em cavernas e fossas abissais.

A idéia de "utilidade" é relativa, logo, evolução não significa necessariamente melhoria. Repetindo, a evolução não segue um rumo, um caminho definido, ela é uma força que age de forma a tornar a espécie mais bem adaptada ao ambiente, o que não necessariamente significa torná-la mais sofisticada ou complexa.

Citar
5° Erro: Mistura de Teorias
.

Exemplo: “A Evolução diz que tudo surgiu a partir do nada.”

Extremamente comum. A evolução não trata de Origem da Vida, nem de Origem do Universo. É como dizer que para aprender como dirigir um carro é necessário saber como ele foi montado.

O mesmo ocorre com as teorias. Para a Teoria da Evolução, não importa como a vida surgiu, se foi Deus, se foi o acaso, se foram aliens. O que importa é que, se existe vida, ela evolui!

E mesmo assim, a Teoria do Big Bang jamais disse que tudo surgiu do nada. Ela é um modelo que explica o processo de expansão inicial do universo; seja qual for a origem da matéria.

"MAS A TE É UM TEORIA INCOMPLETA POR NÃO EXPLICAR A ORIGEM DA VIDA!"

Incompleta? Não existe algo como uma teoria que explica tudo. A ciência não funciona dessa forma. Ela funciona porque podemos separar fenômenos diversos, e estudá-los de forma individual.

Quando Kepler formulou suas leis do movimento planetário, ele era incapaz de explicar o porquê das órbitas dos planetas seguiram suas leis, a gravidade ainda não era entendida. Mas nem por isso ele estava errado. Newton resolveu esse problema, com a teoria da gravidade ele foi capaz de explicar como funcionava a mecânica celeste, e por tabela; explicar a razão das leis do movimento planetário serem como são.

Mas mesmo Newton tinha suas lacunas. Ele não podia explicar o que exatamente era a gravidade, ou porque a gravidade é uma propriedade natural da matéria. Um grande "furo" por assim dizer; mas nem por isso a teoria da gravidade e suas equações estavam erradas. Einstein resolveu esse problema, e hoje os físicos tentam descobrir um modo de encaixar a Relatividade de Einstein com o mundo subatômico da mecânica quântica.

Agora vejamos: dizer que a TE está errada porque não explica a origem da vida é um erro tão grosseiro quanto dizer que a teoria da gravidade está errada porque não explica a causa da própria gravidade, ou que Einstein esteja errado porque ele não conseguiu encaixar suas descobertas com a mecânica quântica.

Ora; podemos entender como funciona a gravidade, mesmo sem saber o que causa ela; podemos observar os fenômenos da relatividade, mesmo que a relatividade tenha problemas com a mecânica quântica. E certamente as leis de Kepler não estavam erradas porque ele não entendia a causa delas.

Nenhuma teoria explica tudo. A TE não é uma teoria sobre a origem da vida, assim como a gravidade não é uma teoria sobre a sua própria causa. O que dá confiabilidade a uma teoria é a existência de evidências que a favorecem, sua capacidade de prever fenômenos, à observação de dados na natureza que confirmem seus conceitos.


Citar
6° Erro: Teoria não é lei, logo, não tem comprovação


Exemplo: “A Teoria da Evolução é justamente isso: apenas uma teoria.”

Muitas vezes as pessoas confundem “Teoria Científica” com teoria popular, por puro desconhecimento dos termos. Uma teoria científica é o grau máximo de comprovação de uma hipótese.

Da mesma forma que a Teoria da Relatividade, e a Teoria da Gravitação, a Teoria da Evolução é cientificamente aceita por apresentar evidências científicas.

A diferença entre Teoria e Lei, está em próprio conceito. Uma lei é um fenômeno regular que pode ser descrito de alguma forma, geralmente matematicamente. Uma lei não é uma explicação para um fenômeno, ela é a descrição do fenômeno, sem explicá-lo.

Exemplo: a primeira lei de Kepler diz basicamente que as órbitas dos planetas são elipses, com o Sol ocupando um dos focos dessa elipse.

Trata-se de um fato que foi evidenciado de alguma forma (nesse caso por observações astronômicas e matemática). Por se tratar de um fenômeno regular, ou seja, um fenômeno que se comporta de forma uniforme, sem variações ao longo do tempo, foi classificado como uma LEI. Mas essa lei não explica o fenômeno em si, ela não diz por que a órbita dos planetas é uma elipse, apenas dá a descrição do fenômeno. As outras leis de Kepler, que tratam de proporções matemáticas entre as órbitas também não fornecem nenhuma explicação, são basicamente fenômenos da natureza descritos matematicamente.

Teorias por outro lado, são idéias que conseguem explicar o fenômeno, descrevem uma causa, permitem fazer previsões até certo ponto; etc. Uma teoria nasce de hipóteses, que são testadas de alguma forma. Quando há evidência que lhe sustente, e quando há consistência entre as evidências, a hipótese torna-se uma teoria.

É por esse motivo que as leis tendem a ser mais simples que as teorias, porém leis não são imutáveis. Elas podem sofrer revisões e aprimoramentos, de fato uma teoria pode alterar a forma como uma lei é vista. A teoria da gravidade, por exemplo, conseguiu explicar (como já dito acima) as leis de Kepler. E mais tarde a teoria da relatividade deu uma nova visão à gravitação, revisando suas equações, e tornando-a mais precisa em situações específicas, que fogem do padrão cotidiano.

De fato não existe nada imutável em ciência. O que existe são aprimoramentos de idéias. Antes se pensava que a Terra seria o centro do universo. Esse modelo foi depois substituído por outro mais preciso, que dizia que o Sol era o centro do universo, porém um modelo ainda incorreto. Hoje sabemos que o Sol também não é o centro do universo, e sabemos que o nosso próprio universo pode não ser o único.  

A teoria da evolução também passou por vários aprimoramentos com o tempo. Quando foi formulada por Darwin, não se conhecia ainda a causa das mutações. O DNA nem mesmo havia sido descoberto.

Outra confusão é entre teoria e fato. Teoria não é fato, mas existe para explicar os fatos. Dizemos que a evolução é um fato, espécies mudam, espécies surgem com o tempo, e que a teoria da evolução explica o fato.

um bom vídeo explicativo sobre teoria/fato/hipótese.


 

Citar
7º Erro: Não existem provas da Evolução
.

Exemplo: “Não existe o elo perdido.”


Geralmente quem diz isso jamais se deu ao trabalho de pesquisar se essa afirmação é mesmo verdade.

Primeiro, o termo "elo perdido" é incorreto. Não existe "o" elo perdido, porque todas as criaturas são elos perdidos. É como perguntar quantos números existem entre 1 e 2. A resposta é: infinito. É claro, não existem infinitos "elos perdidos", mas a idéia é de que existem sim vários transicionais entre eles (esse sim, o termo correto).

Segundo, a paleontologia está repleta de fósseis transicionais, por mais que os criacionistas digam que não. Temos serpentes com patas, transicionais entre dinos e aves, entre répteis, entre cetáceos, entre todos os grandes grupos de animais.

Só entre os hominídeos temos 20 grupos diferentes, cada um com centenas de membros.

Invalidar tanta evidência é querer, escolher ser cego.

Mas não só de fósseis vive a evolução. O genoma, e o DNA, comprovam o parentesco das espécies. Quanto mais se descobre sobre o genoma, mais se comprova a evolução. Por exemplo, nós compartilhamos cerca de 98% dos nossos genes com os chimpanzés. Como dizer que não somos parentes? Como dizer que isso não é uma evidência da evolução?

Esse vídeo traz um exemplo de evidência do DNA, chamado de ERV (mutações por retro vírus endógenos); que não podem ser explicados de outra forma, que não seja pela ancestralidade comum entre as espécies:

feature=player_embedded

Apesar de tudo isso, a desculpa padrão será sempre de que as evidências não "provam" nada. Mas "PROVA" é um termo incorreto quando estamos falando de ciência empírica; "prova" é um termo matemático, a matemática é o único campo de conhecimento onde se pode de fato, provar com absoluta certeza algo.

A priori, é impossível provar qualquer coisa fora do campo da matemática, embora seja possível evidenciar fatos. O que temos são "graus de certeza". Quanto mais evidências e quanto mais consistência houver entre as evidências, maior será o nosso grau de certeza em uma explicação. Como já dito, temos um conjunto de fatos: como a coluna geológica, as mutações, a seleção natural, processos de adaptação e especiação observados na natureza; fenômenos genéticos, como os ERVs, etc. A TE é uma explicação para esses fatos, ela apresenta um alto grau de certeza porque é coerente com esses fatos. O fato de que não se pode provar definitivamente algo em ciência empírica; não significa que isso possa ser usado como desculpa para qualquer outra explicação. Isso é válido para qualquer outra teoria também, como a teoria da gravidade ou do eletromagnetismo: todas foram construídas a partir de um mesmo processo, o método científico; todas possuem evidências, todas são explicações para fatos, todas apresentam lacunas ou pontos ainda não esclarecidos. Não vemos criacionistas tão empenhados em criticar outras teorias como essas, mas os mesmos julgam que a ciência está irremediavelmente errada toda vez que pesquisa nossas origens, curioso não?

Outras explicações são sim; sempre bem-vindas, mas eles devem preceder de evidências, precisam ser coesas com os fatos, e não devem usar de malabarismos filosóficos ou de apelos às lacunas para se manterem. Não adianta reclamar que as evidências não são suficientes (e o que seria suficiente para um criacionista convicto afinal?); se a explicação alternativa não apresentar evidência alguma. Isso é simplesmente ilógico. Não se critica uma teoria "A" que é baseada em evidência concreta, usando uma "teoria B", que não tem evidência alguma. Aliás, se não há evidências, nem mesmo pode ser chamado de teoria.

Deixo aqui uma frase de um criacionista famoso; Kurt Wise, que ilustra bem o problema em questão:

"[...] se todas as evidências do universo se voltarem contra o criacionismo serei o primeiro a admiti-las, mas continuarei sendo criacionista, porque é isso que a Palavra de Deus parece indicar. Essa é minha posição”.


Ora, se nem todas as evidências do universo não são suficientes para convencer uma pessoa de que está defendendo uma idéia simplesmente errada; o que mais poderia ser? Isso é uma declaração clara de fundamentalismo; e simplesmente não há modo de debater racionalmente o assunto com alguém que simplesmente não aceita os fatos.


Citar
A ciência só aceita explicações naturalistas.

Errado. A ciência não aceita ou rejeita uma explicação por ser "naturalista". Ela aceita por apresentar evidências, e rejeita por não apresentá-las.

Ninguém faz pesquisa científica com um pressuposto inicial de que a explicação tenha que ser algo natural ou sobrenatural. A pesquisa começa com questionamentos sobre como o fenômeno funciona, e com evidências do processo. O estudo das evidências, entre outras coisas; é que leva a formulação de uma teoria para explicá-lo.

Uma explicação sobrenatural pode até ser aceita SE ela for acompanhada de evidências fortes. Curiosamente, não é o que vemos de fato; ao invés disso, defensores de explicações sobrenaturais para qualquer assunto, apenas enrolam e acusam a ciência de "materialismo" por não aceitar suas explicações.

“EVIDÊNCIAS SÃO PASSÍVEIS DE INTERPRETAÇÕES DIVERSAS, DEPENDE DA "COSMO-VISÃO" DO CIENTISTA"

Quem afirma isso está basicamente repetindo o mesmo erro acima, tentando soar um pouco mais "filosófico". Basicamente isso equivale a dizer que se o cientista tem uma visão "materialista" sobre a natureza, ele irá interpretar as evidências de uma forma materialista, e se o cientista tem uma visão mais "espiritual" ele irá interpretar de uma forma não materialista.

Isso não passa de um engodo. Como já dito acima, qualquer teoria deve ser baseada em fatos e evidências, e não em alguma "cosmo visão" ou qualquer outra alegoria filosófica.

Evidências podem sim, ser interpretadas de formas diferentes, levando à formulação de várias hipóteses, mas o método científico funciona como um filtro, que elimina hipóteses ruins, na medida em que novas evidências surgem, e que são feitas previsões. Todo cientista que valoriza o princípio da imparcialidade, irá interpretar as evidências, apenas pela lógica, e não por uma visão materialista ou espiritual, ou qualquer outra coisa do gênero.

Embora uma única evidência possa levar a várias hipóteses, um conjunto de evidências irá direcionar para uma única explicação, e quando está apresenta consistência, a hipótese torna-se teoria, e não é possível que todo um conjunto de evidências consistente possa ser interpretado de formas completamente diferentes.

Exemplo:

Digamos que um policial encontra o corpo de mulher morta em seu apartamento. A perícia examina a cena do crime e constata os seguintes fatos:

- o relógio de pulso dela está quebrado, e marca 10:00 horas.
- há sinais de luta no apartamento.
- A mulher está próxima ao telefone, e o telefone está fora do gancho.
- o legista calcula a hora da morte aproximada às 10:00, baseado na perda de temperatura do corpo.
-  investigação descobre que a mulher ligou para a polícia pouco antes da 10 horas, mas foi interrompida, e a ligação foi cortada.
- A câmera de segurança do edifício identifica um homem saindo apressado do prédio às 10:05 horas.
- Ao procurar pelo homem, a polícia encontra a arma do crime em sua posse, com vestígios de sangue da vítima.


Aqui podemos, por simples lógica chegar à conclusão de houve uma luta por volta das 10 horas, e que a mulher foi morta nesse momento. Isso é o que chamamos de "CONSISTÊNCIA" entre evidências. Todas elas apontam para a mesma história.

Um advogado de defesa poderia argumentar que alguma evidência estivesse errada, como por exemplo, dizer que o relógio de pulso quebrou antes, e não durante a luta. Ou dizer que a companhia telefônica se enganou, e que a ligação não ocorreu às 10 horas. Bem, é razoável supor que uma ou outra evidência possa estar errada.

Mas não estamos falando de uma ou duas evidências apenas, mas sim de todo um conjunto de evidências; e supor que todas elas estivessem erradas, é altamente improvável. Além disso, existe consistência entre as evidências, elas apontam para o mesmo horário; e isso não seria algo esperado caso as evidências estivessem todas erradas. Nesse caso, você esperaria que cada uma delas apontasse para uma conclusão diferente.

Agora digamos que nosso advogado de defesa tente argumentar que as evidências estão sendo interpretadas de forma errada, por causa da "cosmo visão materialista" do júri. Alguém que tente usar desse tipo de argumento em um tribunal, no mínimo iria arrancar algumas risadas. Lógica não depende de "cosmo visão". Evidências são imparciais; e mesmo que algumas estejam erradas, a consistência entre elas é inegável.

A teoria da evolução apresenta evidências entre áreas diversas, como paleontologia, geologia, física, genética, ecologia. Há um grande número de evidências, e há consistência entre elas. Idéias criacionistas, como dizer que o universo ou a Terra tem 10 mil anos de idade, ou que um dilúvio foi o responsável pela formação da coluna geológica, ou que não existe "macro evolução"; não apresentam consistência com os fatos, ou são fisicamente impossíveis, ou são simplesmente opiniões e especulações baseadas em nada.

Como podemos ver, evidências não estão tão abertas assim às interpretações diversas, como algumas pessoas querem fazer parecer.

« Última modificação: 02 de Dezembro de 2010, 15:59:20 por Chapeu »

Offline Chapeu

  • Nível 00
  • *
  • Mensagens: 7
Re: Falta de provas.
« Resposta #42 Online: 02 de Dezembro de 2010, 15:57:01 »
continuando:


Citar
8° Erro: A Segunda Lei da Termodinâmica invalida a Evolução


O criador desse argumento, Duane T.Gish, do Institute for Creation Research , usou de uma estratégia no mínimo desleal: pegou um termo que pouca gente conhece plenamente (a saber, a entropia), e o deturpou, de modo a parecer apoiar seus argumentos.

Primeiro, deixemos claro duas coisas que entropia não é:

1 - Entropia não é o grau de complexidade de um sistema;

2 - Entropia não é o grau de desordem de um sistema.

Quem diz isso, ou está enganado, ou está enganando as pessoas (ou os dois..).

Então, o que é entropia?

Bem, antes deve-se saber que na termodinâmica; quando se deseja converter energia em trabalho, sempre há perdas, que pode ser na forma de calor, de atrito, de desgaste, etc. NUNCA 100% da energia é convertida em trabalho. Não existe maquina 100% eficiente. Essa energia perdida, dependendo do caso, não pode ser convertida em trabalho.

Então, uma forma simplificada de definir a entropia é a quantidade de energia que não pode mais ser transformada em trabalho. O aumento de entropia em um sistema pode ser entedido como a passagem desse sistema de um estado inicial, onde existe o potencial para realizar trabalho; para um estado final, onde não há mais possibilidades de realizar qualquer trabalho.

O Sol por exemplo: ele é um sistema em constante aumento de entropia, pois está transformando (por fusão nuclear) hidrogênio em hélio. Eventualmente não haverá mais hidrogênio no núcleo para continuar esse processo, então dizemos que o Sol passa de um estado inicial onde há potencial para realizar trabalho, para um estado final onde não poderá mais realizar a fusão nuclear.

Observe que apesar de ser um sistema em constante aumento entrópico, os átomos produzidos por estrelas, como Hélio, Oxigenio, Carbono, metais, etc; são mais COMPLEXOS e organizados que o átomo de hidrogênio. Ou seja, em um sistema onde há aumento de entropia, também pode haver aumento de complexidade da matéria. Portanto não se deve confundir entropia com organização da matéria.

Em termodinâmica dizemos que um sistema aumenta a entropia quando:

- sua temperatura aumenta
- sua pressão diminui

por exemplo: um cubo de gelo derretendo, ou um pneu murchando, são sistemas em aumento de entropia. Na natureza a energia e pressão flui naturalmente de sistemas de baixa entropia (como o gelo ou o pneu inflado), para sistemas de alta entropia, até que ambos cheguem ao equilíbrio.

Uma transformação onde ocorre o contrário, ou seja um pneu sendo inflado por um compressor de ar, ou uma geladeira reduzindo a temperatura da água, implica em redução de entropia. Isso viola a segunda lei da termodinâmica? Não! Pois esse tipo de trabalho requer energia para ser realizada, não ocorre espontaneamente. E energia não vem de graça, ela é produzida as custas do aumento de entropia de outro sistema, ou seja, a redução de entropia de um sistema é compensada pelo aumento de entropia de outro sistema.

Qual o erro em dizer que a entropia de um sistema sempre aumenta?

O erro é a ausência de uma palavrinha muito importante: o sistema deve ser um sistema fechado.


Um sistema fechado é aquele que não sofre trocas de calor nem trabalho com o meio externo.

Então é óbvio, se uma quantidade de energia produz uma quantidade de trabalho, e um pouco dessa energia é liberada como resíduo, na forma de calor, por exemplo, e não pode haver trocas de calor com o meio, por ser um sistema fechado, então é claro que a entropia só pode aumentar.

No entanto, sistemas fechados não existem no mundo real. Eles são apenas definições, que não podem ser reproduzidas, nem mesmo nos mais modernos laboratórios, porque sempre há trocas de calor com o meio.

Ou seja, na natureza ocorrem apenas sistemas abertos, ou sub-sistemas abertos que existem dentro do único sistema fechado: o universo como um todo.

- A Terra é um sistema aberto
- Uma poça d´água é um sistema aberto
- O corpo humano é um sistema aberto
- uma geladeira, um fogão, uma torradeira, são sistemas abertos

E nesses sistemas abertos, a entropia não necessariamente aumenta, ela pode reduzir (ou se manter em equilíbrio) se o sistema usa a energia de outro sistema para realizar trabalho.

E é exatamente isso o que ocorre com a biosfera de nosso planeta ao absorver a energia do Sol para realizar transformações físicas e químicas como a fotossíntese, ou mesmo o ciclo da água; a redução de entropia na Terra é compensada por um aumento (e muito maior) de entropia no Sol. Algo que seria impossível se a Terra fosse um sistema fechado onde a entropia apenas aumenta.

Mesmo que o Universo como um todo seja um sistema fechado (o que não se pode afirmar ao certo), a entropia de um sub-sistema aberto pode reduzir ao custas do aumento da entropia de outro sistema (o Sol). De fato, se não fosse dessa maneira; a própria vida seria impossível, pois ela depende de transformações onde há a redução de entropia que não poderiam se realizar espontaneamente. O Sol é a base de todos os ecossistemas.

Por isso, EM NADA a segunda Lei da Termodinâmica invalida a Evolução.

Além disso, termodinâmica não apresenta qualquer relação direta com evolução. Ela é o estudo de trocas de energia e variações de pressão em um meio. Não existe relação entre termodinâmica e evolução (embora processos biológicos estejam relacionados a termodinâmica). Quem afirma isso, não sabe o que é termodinâmica.

A TE se baseia em alguns pontos básicos:

- as espécies sofrem mutação. Mutação produz variedade.
- as mutações podem ser neutras, negativas ou positivas em relação ao meio.
- Mutação podem ser passadas para as próximas gerações, quando atingem células gametas, como óvulos.
- A seleção natural favores mutações que ajudam a sobrevivência do indivíduo, e desfavorece mutações que o prejudicam.
- Mutações acumuladas ao longo do tempo acentuam as diferenças, modificando as espécies continuamente.

Agora vejamos, se queremos saber se a termodinâmica pode impedir a evolução de ocorrer, devemos fazer algumas perguntas:

- pode a termodinâmica de alguma forma, impedir que mutações ocorram?
- pode impedir que uma mutação seja eventualmente benéfica ao indivíduo?
- Pode impedir que essas mutações sejam passadas para a geração seguinte?
- Pode impedir que mutações se acumulem ao longo das gerações?
- Pode impedir que a seleção natural atue sobre essas mudanças?

A resposta óbvia para qualquer uma dessas perguntas é um claro NÂO.

A mutação é um fenômeno extremamente bem conhecido, e sabemos que algumas mutações podem trazer benéficios ao indivíduo, como nos exemplos já citados em vídeos acima. Sabemos que a partir do momento em que uma mutação favorece o indívuo, este tem sua expectativa de vida aumentada, e transmitirá essa mudanças para a prole com mais frequência do que um indivíduo mal adaptado faria. E não há nada na termodinâmica que possa impedir isso.

Termodinâmica estuda o modo como a energia é dissipada no meio e alterações de volume/pressão em sistemas. Simplesmente não tem nada a ver com evolução, chega a ser ridículo usar esse argumento contra a TE.

E nem mesmo é preciso uma explicação sobre o que é realmente termodinâmica; pois uma rápida análise de fênomenos naturais diversos derruba totalmente essa idéia de que "tudo no universo tende a desordem".

Vejamos:

- fusão nuclear - como já mencionado, ocorre no núcleo de estrelas, transforma átomos simples como o hidrogênio em átomos mais complexos, como hélio, oxigênio, carbono, etc.

- reações químicas - podem produzir substâncias muito mais complexas a partir de substâncias mais simples. Por exemplo, a hemoglobina de nosso sangue, é uma longa cadeia formada de átomos de carbono, hidrôgenio e oxigênio principalmente. Sua síntexe vem da quebra de substâncias mais simples, e rearranjamento dessas moléculas. Este é apenas um exemplo, mas podemos citar uma variedade imensa de substâncias complexas que são o resultado de compostos mais simples.

- crescimento embrionário - a partir de uma única célula, temos o desenvolvimento de toda a estrutura do ser vivo, por mais complexo que ele seja.

- rearranjo de estruturas, cristalização - ex, o diamente, é criado a partir do carbono, quando submetido por pressões e temperaturas elevadas por muito tempo. Sua estrutura é rearranjada, saindo de um estado mais caótico, para um mais organizado em formas regulares e mais estáveis.

Cada um desses fenômenos é possível porque a matéria é submetida a forças diversas, ou energia é aplicada ao sistema produzindo modificações.

Se "tudo sempre tende a desordem" fosse uma descrição correta de nosso universo, então nem mesmo a vida poderia existir, pois ela depende da capacidade de reorganizar a matéria, sintetizando substâncias necessárias ao organismo, além do fato de que nem mesmo existiria uma fonte de energia para os seres vivos (fusão nuclear proveniente do Sol).



Citar
9° Erro: A complexidade Irredutível invalida a Evolução


A complexidade irredutível é um argumento muito na moda ultimamente.

Significa dizer que o fato de que estruturas complexas, das quais a retirada de apenas uma parte delas, prejudicaria o funcionamento do todo, invalidaria de algum modo a evolução.

Como exemplos são dados, entre outros:

- O olho humano;
- A coagulação do sangue;
- O besouro bombardeiro;
- O camelo, o morcego, a girafa, etc, etc, etc...

Também é citada a ratoeira e o relógio, da qual a ausência de uma peça, incapacitaria o funcionamento do todo.

Acontece que, na natureza, as coisas não são bem assim. O problema desse argumento é a falta de visão de como funciona a evolução.

Ela ocorre aos poucos, e não de uma vez só (aliás, que diz isso é o criacionismo). E, à medida que o grau de complexidade aumenta, algumas partes que antes não tinham função nenhuma, podem vir a se tornar importantes, até mesmo vitais para o funcionamento do organismo.

Imagine um programa de computador. Todos eles começam simples. Porém, à medida que vão se tornando complexos, eles também podem se tornar "irredutivelmente complexos".

Por isso, o simples fato de que alguns organismos são tão complexos, ao ponto de que uma parte interfira na outra, não invalida de modo algum a evolução.

Aliás, todo esse argumento constitui uma grande falácia de apelo à ignorância. Criacionistas tomam alguma característica que supostamente não pode ser explica pela TE. Afirmam que essa característica pode ser melhor explicada por uma criação. Mas não dão NENHUMA evidência disso; limitam-se apenas a declarar que tal característica não pode ser explicada pela TE, logo a TE deve estar errada.

Ora que tipo de ceticismo é esse? Como uma pessoa pode questionar uma teoria que é baseada em evidência concreta, argumentando que não há evidências suficientes; para logo em seguida defender uma idéia que simplesmente não tem evidência alguma? Se idéias criacionistas são "científicas", então elas devem a obrigação de fornecer evidência concreta de suas alegações. Depender de lacunas na TE para se sustentar não é um bom sinal; infelizmente se mostra muito eficiente para enganar leigos. Isso só mostra a fragilidade dessas idéias, que não são capazes de se sustentaram por evidências, mas precisam usar de lacunas na TE como muleta para se manterem. Isso não é ciência; é na falta de uma palavra melhor: política.



Citar
10 Erro : Ausência da evidencia não é evidencia da ausência.

Ex1: “Não existe fósseis “r” que demonstre a evolução de “x” para “y”, logo não existe evolução.”

A ausência da evidencia de uns animais que não conhecemos não quer dizer que é uma evidencia da ausência de tais animais tenha existido.Principalmente pois o processo de fossilização não é tão simples e nem todas as espécies que existiram na Terra foram fossilizados, alem que há muito trabalho de pesquisa para serem realizadas no campo da Paleontologia, se não chegar a ser infinita. E muito menos demonstra a ausência da Evolução, já que em muitas espécies já foram demonstradas, é querer muito que de um dia para outro que seja demonstrada a evolução de todas as espécies.

Muitos Criacionistas acham que a descoberta uma espécie fossilizada é algo simples, rápido e com baixo custo, que na verdade é algo que remete a muito esforço e persistência, anos de trabalhos em campo e laboratorial, e com custo elevado.

Ex2: “Não existem espécies nova surgindo, isso é uma prova que a Evolução não exista”

Novamente aqui vemos que a ausência da evidencia de espécies novas surgindo não é evidência da ausência que isto ocorra ou ocorreu no passado. Existem varias provas tanto na Paleontologia, Embriologia e na Genética que demonstra isso, que a ausência de uma evidencia não destrói as outras. Além que a especiação não ocorre de um dia para o outro, na verdade levam centenas ou milhares de anos.

A propósito, existem sim; espécies novas surgindo, como mostra esse vídeo:



Citar
11 Erro Apelo à quantidade e apelo à autoridade

Quando a quantidade não é um fator valido para determinar algo, a utilização do mesmo é uma falácia de Apelo à quantidade

Ex1: “A maioria das pessoas acreditam que Deus criou todos os seres vivos, então o Criacionismo é uma teoria cientifica valida”
O fator de quantidade de pessoas com um credo não validam Teorias Cientificas.

Ex2: “Muitos cientistas acreditam em Deus”
Aqui também não é valido, pois o credo de todos os cientistas não determina nada, o que determina são seus trabalhos (descobertas, experimentos, analises, etc.) feitos pelos métodos científicos. Além disso, acreditar em Deus não tem nada a ver com concordar ou não com a TE.

Ex3: "Mais de 500 cientistas não concordam com a TE"

Típico apelo à autoridade. Quando Einstein propôs sua teoria da relatividade, cerca de 100 físicos não a aceitaram a princípio. Quando perguntando sobre o que ele acha do manifesto "100 cientistas contra a relatividade"; ele respondeu de forma genial:

"Porque 100? Se eu estivesse errado, apenas um bastaria.”


O que Einstein quis lembrar foi o fato de que a simples concordância ou discordância não quer dizer nada. Nem mesmo quando a pessoa que discorda é considerada uma autoridade. Se a relatividade estivesse errada, bastaria UM cientista com UMA pesquisa que mostrasse através de evidências o erro de sua teoria. No entanto isso não ocorreu. Apenas assinar manifestos apresentando sua descrença contra algo não quer dizer absolutamente nada no mundo científico.

Sobre os 500 cientistas contra a TE em questão: em primeiro lugar esse número é irrisório diante de toda a comunidade científica. Em segundo lugar, a maioria nem mesmo são biólogos. Temos no meio desse grupo historiadores, filósofos, engenheiros, etc. Mesmo como uma falácia de apelo à autoridade; esse exemplo ainda é ruim, porque simplesmente a maioria deles NÂO é autoridade no assunto.  Aqueles que são biólogos de fato, não têm nenhum artigo ou pesquisa publicada em periódicos científicos que mostrem evidências para justificar essa discordância. Vários deles têm ligações diretas ou indiretas com instituições religiosas. Não podemos ser ingênuos em pensar que todo cientista é imparcial, embora isso fosse o ideal. Evidências são imparciais. Cientistas nem todos são. E as evidências não favorecem esses cientistas.


Citar
Seja justo! Ensine o criacionismo / design inteligente além da evolução

Vivemos em uma democracia onde qualquer pessoa pode acreditar no que quiser, e pode dar sua opinião sobre qualquer assunto. Liberdade de pensamento e liberdade de expressão.

Mas existe uma diferença gritante entre "acreditar" em algo e ensinar isso como se fosse ciência.

Ciência não é uma democracia ou concurso de popularidade. Não colocamos idéias não testadas e não comprovadas, sem evidências; em salas de aula apenas porque uma grande quantidade de pessoas prefere acreditar nelas. Recusar que uma idéia sem bases científicas sólidas seja ensinada como ciência, não é uma injustiça, é simplesmente aquilo que qualquer pessoa racional deveria apoiar.

Se apenas acreditar em algo fosse um critério bom o suficiente para justificar que isso seja ciência, então devemos também dizer que a hipótese de que ETs construíram as pirâmides do Egito seja ciência, e também que a crença de que ETs criaram a vida na Terra o seja. Também devemos considerar que astrologia é uma ciência. E colocar no mesmo barco todas as crenças criacionistas de todas as religiões conhecidas, incluindo o politeísmo Hindu. Será que os criacionistas militantes dos EUA gostariam de ver seus filhos aprendendo em salas de aula de ciência criacionismo Hindu, ou crenças da cientologia (religião que diz que ETs criaram a vida na Terra) e ouvindo dos professores que a existência de Brahma e Shiva ou de ETs criadores da vida são idéias científicas válidas?

O interesse do lobby religioso dos EUA não tem nada a ver com "democracia de idéias" ou qualquer coisa semelhante. O que eles querem é colocar a SUA visão pessoal como se fosse ciência, e atacar qualquer coisa que lhe seja contrária.

Não obtendo sucesso em convencer a comunidade científica, a estratégia consiste em jogar a opinião pública contra a comunidade, alegando que os mesmos são arrogantes, ou dogmáticos, que não querem mudanças, etc.

Vejamos aqui um exemplo do que seria esse suposto dogmatismo alegado:

- Digamos que um certo pesquisador estude algum fenômeno cuja causa ainda não foi explicada. Após algumas pesquisas, ele possui dados suficientes para elaborar uma hipótese. E após testar essa hipótese e constatar suas previsões, ele tem então uma teoria, ainda que muito imatura. Provavelmente há aspectos dela que ainda precisam ser esclarecidos, mas ele conseguiu de fato, chegar a uma conclusão suportada por evidências.

Um outro pesquisador propõe outra hipótese, mas esse não tem evidência alguma de sua validade. Sua hipótese nem mesmo pode ser testada de alguma forma, ou é incapaz de fazer qualquer previsão razoável.

Ambos os pesquisadores levam seus relatórios para um periódico científico como a Science. A banca examinadora lê a analisa os dados. O trabalho do pesquisador "A" passa pela banca e é decidido publicá-lo. Agora outros pesquisadores do mundo inteiro podem ler seu trabalho, e valida-lo ou falseá-lo na medida em que mais pesquisas sobre a questão surgirem.

O pesquisador "B" no entanto não tem seu trabalho publicado devido ao desleixo de sua pesquisa, que não é consistente com as evidências, e nem mesmo apresenta uma forma razoável de ter sua validade testada.

Injuriado com a banca examinadora, o pesquisador "B" reclama que sua "teoria" deveria também ser levada a sério, pois a teoria "A" não responde a todas as questões, e seria uma "teoria incompleta". Como se lacunas em "A" servissem como evidência para validar "B". Não é preciso ser nenhum filósofo da ciência para perceber que isso não passa de enrolação.

Nosso intrépido pesquisador "B" começa agora uma campanha pública para expor o "dogmatismo" da comunidade científica sobre a questão, pois afinal, se a ciência não aceita uma explicação diferente, ele está sendo “injustiçado pelo materialismo/naturalismo (ou qualquer outro adjetivo que caiba aqui) da ciência” .

Financiado por organizações que não tem nada a ver com a comunidade científica (digamos uma igreja, por exemplo); nosso pesquisador começa uma verdadeira cruzada para colocar a opinião pública contra a tal clamada "ciência materialista". Cientistas sérios que dedicaram anos para realizar descobertas que ajudaram a humanidade de alguma forma, são vistos como "arrogantes"; ou "dogmáticos" ou qualquer outro insulto que seja adequado para isso.

Esse é um quadro geral do que acontece nos EUA hoje. Temos organizações como a "Discovery Institute" cuja premissa não tem nada a ver com ciência em si, mas com a propagação de uma ideologia, que não admite o "naturalismo na ciência", e que está comprometida aos chamados "valores cristãos" da sociedade. Isso pode ser lido em um documento do próprio instituto chamado "estratégia da cunha", que não deveria ter sido exposto, mas acabou vazando em algum momento.

A principal causa do I. Discovery; foi o julgamento contra o ensino do Design Inteligente, o caso DOVER; onde o instituto defendeu sua causa com a ajuda de um escritório de advocacia que se coloca oficialmente como um escritório "em favor da causas cristãs". Eles perderam a causa, aliás. Não conseguiram argumentos bons o suficiente para convencer o juís de que o D.I. fosse ciência, e o ensino de DI como ciência foi proibido nos EUA.

Então temos institutos comprometidos com ideologias religiosas, financiados por igrejas, com uma "teoria" que não apresenta qualquer valor científico real; e é uma apologia clara ao criacionismo bíblico. É defendida freqüentemente em palestras, ou livros ou programas de TV por pessoas que não tem a mínima competência para falar de ciência, e que estão fora da comunidade científica, como pastores, etc. Mas ainda assim tentam convencer o público de que D.I. é ciência, e que seus interesses não tem nada a ver com religião; mas com o avanço da ciência através de novos paradigmas. Uma mentira descarada, pra dizer o mínimo.


Citar
“A ciência sempre muda e não é confiável. A bíblia já tem 2000 anos e ainda prevalece”

Ah, sim, a bíblia nunca muda. Fora o fato de que isso é simplesmente mentira, dada as mudanças que o texto original sofreu ao longo do tempo; prefiro deixar isso de lado, e comentar apenas a parte que toca ao método científico.

Agora, isso pode parece estranho para um fundamentalista bíblico, mas o que torna a ciência confiável é exatamente o fato de que ela muda. Ela progride quando novas descobertas são realizadas, quando novas evidências surgem, quando novos problemas aparecem. O que move a ciência não é fé ou verdades absolutas, mas sim o questionamento, a dúvida, a pesquisa.

Se hoje somos capazes de iluminar cidades, construir naves espaciais, curar doenças que antes seriam terríveis; ou se temos um controle sobre algumas forças da natureza (como o eletromagnetismo), de tal forma que somos capazes de construir microchips com centenas de milhões de transistores; isso se deve ao fato de que um dia pessoas de mente aberta e com mentes inquisitivas, olharam para o céu, para a vida, para a natureza, e decidiram questioná-las, e tiraram suas conclusões baseadas em evidência e não em suas crenças pessoais.

Defensores do criacionismo podem se orgulhar de que a bíblia seja tão antiga e se manteve ao longo dos séculos. Mas isso por si só não dá credibilidade a seus mitos. E ela não é o único texto antigo e dito sagrado. Budismo, Hinduísmo, entre outros, possuem escrituras ainda mais antigas, e nem por isso vemos criacionistas demonstrando tanta adoração por elas. Há sim conteúdo de valor nesses textos considerados sagrados (não apenas na bíblia), geralmente pensamentos relacionados às filosofias de vida e bons valores. Mas também há mitos diversos, extraídos de culturas variadas, que não possuem qualquer embasamento e não há nenhuma evidência que possa elevar tais mitos ao status de ciência.

“MAS SE A CIÊNCIA MUDA NÃO HÁ GARANTIA ALGUMA DE QUE ELA ESTEJA CORRETA HOJE”

Não é tão simples assim. Há hipóteses, fatos, teorias com variados graus de certeza. Hipóteses vêm e vão. Algumas como o "éter" foram esquecidas, exatamente pelo fato de que nunca apresentaram evidência alguma, e jamais saíram da categoria "hipótese" para se tornar uma teoria.

Teorias embasadas em evidências, e teorias sólidas em especial, aquelas que são os pilares do conhecimento moderno; essas passam por aprimorações com o tempo, mas nunca estiveram completamente erradas, pelo contrário. A Relatividade, por exemplo, foi um aprimoramento da teoria da gravidade, um dos pilares da ciência moderna. Ela conseguiu resolver problemas para o qual a física clássica de Newton não tinha resposta. Mas nem por isso dizemos que Newton estava errado, ou que a relatividade destruiu a teoria da gravidade. Pelo contrário, a relatividade foi um aprimoramento daquilo que conhecemos da gravidade. Foi uma expansão, uma revisão e não a destruição dela.

A Teoria da Evolução também passou por aprimoramentos com o tempo, e o maior avanço se deu com a fusão dela com a genética, transformando a teoria da evolução, na atual "teoria sintética da evolução"; embora a maioria das pessoas ainda a conheçam apenas pelo nome "evolução".

No mais, qualquer nova descoberta, ou aprimoramento, ou novo paradigma na ciência, deve ser estabelecido em cima de fatos e evidências, e não no pressuposto de que a ciência vai mudar de qualquer forma, e que, portanto qualquer idéia diferente possa ser usada; apenas por ser diferente. Uma teoria sustentada por evidências sólidas pode ser questionada apenas por alegações também baseadas em evidências sólidas.

Como dizia Carl Sagan: “alegações extraordinárias requerem evidências extraordinárias”

Citar
12º Erro: Evolucionismo implica em ateísmo
.

EXTREMAMENTE COMUM.

A idéia extremamente errada de que para aceitar a evolução é necessário rejeitar a idéia de Deus permeia a mente da grande maioria dos criacionistas.

Diria que esse erro é tão comum, que arriscaria dizer que é basicamente ele que impede que muitos criacionistas se tornem evolucionistas.

Para aceitar a evolução, não é necessário abandonar Deus. Repito, em Red Bold Caps: PARA ACEITAR A EVOLUÇÃO, NÃO É NECESSÁRIO ABANDONAR DEUS.

Sim, os ateus são evolucionistas, mas a recíproca não é verdadeira. Ou seja, a TE não prevê nem a existência, nem a inexistência de Deus. A TE não fala NADA acerca de Deus. Logo, ele poderia existir paralelamente a TE.

Ou seja, Deus poderia ter criado o mundo, através da TE.

A pessoa pode inclusive ser cristã, e ser evolucionista (como de fato muitos católicos são). Basta não tomar o relato de gênesis como literal.

O evolucionismo vai contra apenas os fundamentalistas, que acreditam que o mundo foi criado em 6 dias literais, que a Terra tem uns 6.000 anos, que as plantas foram criadas antes que o Sol e as demais estrelas, etc.

Uma pequena dose de bom senso seria suficiente para eles perceberem
que, se Deus existe, ele deu um cérebro para que nós usássemos, e nos deu a razão para reconhecermos as pistas que estão espalhadas no mundo, e tentar entendê-lo.

Se Deus não jogou pistas falsas no mundo, para nos enganar, então a evolução é completamente compatível com a existência dele.

Infelizmente, o xiitas não só tomam o relato da bíblia como literal, como também acham que apenas a visão de Deus deles é a verdadeira, e o dos demais seres humanos é falso. Por esse motivo, a TE tem tanta rejeição entre os crentes.

tem muita coisa ainda que pode ser dita sobre o assunto, mas já chega né?

Espero que tenham paciência de ler pelo menos um pouco. Comentem macacada: lol

Bônus: Carl Sagan, em COSMOS, fala nesse episodio sobre evolução. O cara tem talento, é simples, objetivo, e direto.

parte 1:


parte 2


parte 3


parte 4


parte 5


parte 6


Carl Sagan [:king]


Offline Luiz F.

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.725
  • Sexo: Masculino
Re: Falta de provas.
« Resposta #43 Online: 02 de Dezembro de 2010, 17:18:03 »
É um bom texto que, apesar de longo, exprime muito bem os principais erros que os criacionistas cometem e suas explicações reais.

Seria interessante se os criacionistas lessem textos como esse, buscassem mais material sobre o que é dito e compreendessem as bases da evolução antes de tentarem argumentar contra.
"Você realmente não entende algo se não consegue explicá-lo para sua avó."
Albert Einstein

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!