Autor Tópico: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos  (Lida 11031 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.163
  • Who left the bag of idiots open?
Este artigo foi publicado em janeiro de 2011 no Journal of Nervous and Mental Disease, uma revista científica indexada com fator de impacto 1,771 (JCR-2009).

http://obraspsicografadas.haaan.com/2011/uma-investigao-de-mdiuns-que-alegam-receber-informaes-sobre-pessoas-falecidas-2011/

Vejam a conclusão:

Citar
Ainda é muito cedo para comentar as implicações mais amplas deste estudo, o qual se trata apenas de uma tentativa preliminar de avaliar objetivamente as leituras de médiuns contemporâneos. O estudo parece de fato ter sido bem-sucedido em alcançar os objetivos da pesquisa, no sentido de que identificamos ao menos um médium que obteve resultados especialmente bons nos testes em condições controladas. Esperamos acompanhar esse indivíduo em estudos futuros. Esperamos também que nós, ou outros pesquisadores, possamos identificar mais pessoas desse tipo. Médiuns verdadeiramente talentosos podem, como outras pessoas dotadas, ser raros, e aqueles que podem atuar sob os tipos de condições necessárias para uma adequada avaliação científica mais raros ainda. No entanto, se pudermos identificar essas pessoas, e aprender mais sobre elas e as condições propícias ao seu êxito, tais estudos podem contribuir de forma importante para a nossa compreensão da natureza da consciência, em particular dos aspectos subliminares que raramente encontramos em nossos estados normais de consciência.  Entretanto, esperamos que este estudo possa sugerir aos leitores que os médiuns não são os oráculos infalíveis que muitas pessoas do público em geral parecem acreditar que eles são, nem as fraudes ou impostores que muitos cientistas assumem que eles são invariavelmente. A história da pesquisa sobre a mediunidade mostra que o fenômeno deve ser levado a sério, e nós esperamos que os resultados do nosso estudo possam encorajar outros cientistas a fazer isso.

“The knives of jealousy are honed on details.”
― Ruth Rendell

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.163
  • Who left the bag of idiots open?
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #1 Online: 25 de Fevereiro de 2011, 22:24:34 »
Lí o paper e achei que a conclusão otimista demais para descrever  o resultado "positivo"  alcançado. Os experimentos também poderiam ser mais objetivos e precisos em relação ao conteúdo das mensagens recebidas pelos médiuns.

Em todo caso, o artigo foi publicado numa revista indexada e atende pelo menos a essa exigência dos céticos. Em estudo anterior (http://www.psy.herts.ac.uk/wiseman/papers/MediumBJP.pdf) Ciara ́n O’Keeffe1* and Richard Wiseman concluíram o seguinte:

Citar
Discussion
This paper first briefly outlined the major methodological and statistical problems that have hindered previous test of alleged mediumistic abilities, and described procedures that can be used to minimize these problems. It then described the way in which these procedures were implemented during the authors’ recent test of five professional mediums. This test involved five sitters each receiving five readings and then rating the accuracy of those readings. The results revealed that the ratings that sitters assigned to their own readings were not significantly different from the ratings they assigned to others sitters’ readings, and thus did not support the existence of mediumistic ability.
These findings can be interpreted in various ways. It is possible that genuine mediumistic ability does not exist, and that the apparent accuracy of mediums’ readings are entirely due to the type of psychological stratagems outlined in the first section of this paper. This interpretation is consistent with much of the sceptical literature on alleged mediumship (see e.g. Gardner, 1992; Hyman, 1977), previous work that has also failed to find evidence of such abilities under controlled conditions (see Schouten, 1994, for a review of this work) and those arguing that the studies that have obtained positive results are methodologically flawed (e.g. Hyman, 2002, 2003). This interpretation is also consistent with the fact that the presence of some of these strategies (e.g. length and diversity of reading, generality of statements) appeared to be associated with the ratings assigned by sitters to the readings obtained in this study. If this interpretation is correct, then the most productive direction for future work in this area is to examine these stratagems more closely, examining, for example, the types of people that tend to endorse mediumistic readings and the forms of rhetoric that alleged mediums use to convince sitters that they are receiving messages from their deceased friends and relatives (see e.g. Wooffit, 1992, 2001). Alternatively, it is possible that genuine mediumistic abilities do exist, but that this study failed to find evidence of them because, for example, the mediums involved in the experiment do not possess such abilities or the setting in which the study was conducted did not elicit such abilities. These hypotheses can only be evaluated by systematically varying these factors in future work, providing that such work also eliminates the various methodological problems discussed in this paper.
On a methodological level, the study eliminated the various types of bias that can hinder research in this area. Whilst some of these procedures have been used in several previous tests of mediumship (e.g. safeguards against sensory leakage between mediums and sitters, and use of the Pratt–Birge technique), others have not been utilized in this context before (e.g. safeguards against potential temporal cues). The resulting methodology was both practical and straightforward, and it is hoped that
other researchers will employ this method to investigate other individuals claiming similar types of paranormal abilities, and that this work will help tease apart the competing interpretations outlined above.
Finally, as noted in the Introduction, certain individuals working in clinical, occupational, and forensic contexts make claims that are analogous to those made by mediums (i.e. being able to ascertain highly accurate information about a person or situation on the basis of very limited data), and thus tests of such claims could benefit from many of the methodological procedures described in this paper. For example, the efficacy of psychoanalytic projective tests could be evaluated by asking clinicians to produce descriptions of five people solely on the basis of their responses on a projective test, having all five people rate the accuracy of these descriptions without knowing which pertained to them, and then using the analysis described in this paper to evaluate the accuracy of the clinicians involved. The same type of test could also be used to evaluate individuals claiming to be able to produce accurate descriptions of criminals (e.g. likelihood of reoffending, whether they are socially isolated, likely interests and hobbies, etc.) based on relatively limited information about their behaviour whilst committing a crime. This could involve presenting profilers with information about five crimes that have already been solved, and asking them to produce a profile of the criminals that they believe committed these crimes. Experienced police officers would then be shown these profiles, along with information about the criminals who committed the crimes, and be asked to rate the degree of correspondence between the profile and each of the actual criminals. Once again, the analyses described in this paper could then be used to assess the accuracy of the profilers involved in the study.
Up to this point in time, the literature discussing the potential problems that can hinder research attempting to assess mediumistic claims, and the possible procedures that can be employed to overcome them, has been widely distributed across a range of highly specialist publications within parapsychology. It is hoped that the conceptual grouping of these problems and procedures presented in this paper, along with an example of how they were combined into a practical and methodologically sound method that was used to assess several professional mediums, will help bring this work to psychologists working in a broad range of applied contexts.
In short, the present study found no evidence to support the notion that the professional mediums involved in the research were, under controlled conditions, able to demonstrate paranormal or mediumistic ability. However, the authors have developed a practical, straightforward, and methodologically sound way of testing such claims, and it is hoped that this approach will be employed by researchers to test other individuals who appear to have mediumistic or psychic abilities, and conceptually similar claims being made within clinical, occupational, and forensic contexts.

British Journal of Psychology (2005), 96, 165–179
q 2005 The British Psychological Society
« Última modificação: 25 de Fevereiro de 2011, 22:32:01 por Gigaview »
“The knives of jealousy are honed on details.”
― Ruth Rendell

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.867
  • Sexo: Masculino
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #2 Online: 26 de Fevereiro de 2011, 00:06:32 »
Lí o paper e achei que a conclusão otimista demais para descrever  o resultado "positivo"  alcançado. Os experimentos também poderiam ser mais objetivos e precisos em relação ao conteúdo das mensagens recebidas pelos médiuns.
[...]

Também li o artigo e não considero os resultados assim "tão significativos".
Foto USGS

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #3 Online: 21 de Março de 2011, 22:18:56 »
Ola GIga,

Eu ainda não li, mas o que vai dizer se é significativo ou não é o teste estatístico , não? Alem do mais, se o médiunidade existir, deve ser um fenômeno bem raro, e os resultados podem estar sendo impactados por´"falsos médiuns".

Está com o percentual apertado, como no estudo envolvendo premunição ?

Abs
Felipe

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #4 Online: 21 de Março de 2011, 23:45:40 »
Giga tem meta-análise? Não li, vou ler só se não tiver :-)
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #5 Online: 22 de Março de 2011, 10:02:49 »
Ola Agnóstico,

Pq só se não tiver meta-análise ?

Abs
Felipe

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #6 Online: 22 de Março de 2011, 21:53:27 »
Centenas de casos medíocres não geram um caso bom.

Veja alegações como essas... http://forum.ceticismoaberto.com/index.php/topic,201.msg1117.html#msg1117

e o debate aqui.. http://forum.ceticismoaberto.com/index.php/topic,53.msg228.html#msg228 incluindo testes randomicos de uma época que eu tinha saco para debater

Resumindo, você fazer um teste com 30 jogos de dados e acertar 1/5 é esperado... você fazer 400 e acertar 1/5 já é mais complexo.

O cara pega 1500 sequencias desconexas entre si, de por exemplo 30 jogos cada, e depois analisa a quantidade de casos de sequencias que sairam do esperado e criam um mundo sobre isso

Se quer provar, faça os testes, pegue as pessoas que mais acertam, e testem eles em uma quantidade de jogos que tire desvios estatísticos devido a amostragem pequena.
Porque não fazem isso?? porque estressa o paranormal
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Contini

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.610
  • Sexo: Masculino
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #7 Online: 22 de Março de 2011, 22:21:24 »
E o Randi continua esperando com o prêmio dele...
"A idade não diminui a decepção que a gente sente quando o sorvete cai da casquinha"  - anonimo

"Eu não tenho medo de morrer, só não quero estar lá quando isso acontecer"  - Wood Allen

    “O escopo da ciência é limitado? Sim, sem dúvida: limitado a tratar daquilo que existe, não daquilo que gostaríamos que existisse.” - André Cancian

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #8 Online: 22 de Março de 2011, 23:10:28 »
Ola Agnóstico,

Entendi. Mas o fato do resultado ter ficado dentro do estatisticamente significante, já não pode estar considerando justamente isto , ou seja, que na população temos pessoas normais e "paranormais", o que , então nos faz aceitar a hipótese?

De qqer forma, concordo que fazer um filtro antes (pois, se paranormalidade existir, com certeza é bem raro), retestando as pessoas que se dizem paramormais e  que tiveram melhores resultados (assumindo qeu podem existir verdadeiros, mas que as pessoas podem se declarar paranormais mesmo não sendo - charlatanismo, status, etc).

E mais, para testar mesmo isto, acho que os experimentos devem ser aqueles em que se afaste cada vez mais a questão probabilistica. Ou seja, acertar qual figura dentre algumas é uma coisa. Descrever como alguém morreu, saber apelidos, segredos, etc baseado somente em fotos, nome e nascimentos (ou com preença de um parente próximo, sem que este se manifeste) é outra muito diferente, e que ainda não vi (a não ser no presente artigo - não li ainda, mas foi o que entendi pelos comentários).

Abs
Felipe

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #9 Online: 22 de Março de 2011, 23:25:59 »
Acho que não para sua primeira pergunta. Se você ver o link que passei, consegui usando seeds randomicos obter resultados completamente inesperados, mas sempre dentro de pequenas amostras. Se eu jogo os dados 1000 vezes, vou obter 1/6. Se eu jogo 20, posso obter 1/4, por exemplo.

E é o que voce disse mesmo.. pega os 10 principais caras, e testa esses. Mas não com meta-análise. Não me venha dizendo consegui 28% onde era esperado 25 (que é o tamanho da alegação deles) para essas pessoas.
Dificil o cara em um teste se dar bem, no outro mau.. porque ficou estressado (outra alegação dos parapsicólogos). Mundo de sonhos...
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #10 Online: 22 de Março de 2011, 23:43:00 »
Eu li rapidamente uma discussão sua com outro colega, mas não vi este exemplo que vc deu.

O mais importante é que este desvio obtido do esperado (28% vs 25%, por exempo), tem uma chance muitíssimo pequena de ser explicada meramente pela probabilidade. De qqer forma, era bom ter a opinião de um estatístico, pois tenho quase certeza que a meta-análise faz isso.

Mas concordo que um teste mais direcionado seria muito mais convincente.

Não lembro onde, mas li sobre um paranormal americano(o cara é famoso) que tinha se saído bem qdo testado. So não sei te dizer se os testes foram bem conduzidos.

Abs
Felipe

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #11 Online: 23 de Março de 2011, 09:06:10 »
Não, veja esse link

http://forum.ceticismoaberto.com/index.php/topic,53.msg376.html#msg376

É fácil obter desvios em amostras pequenas, que é o caso de Ganzfeld por exemplo. Pequenas amostras, meta análise entre as amostras, e não fazem re-testes das pessoas que se sobressaíram.

Bem, bem, bullshit
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.138
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #12 Online: 23 de Março de 2011, 09:18:03 »
Ola Agnóstico,

Vou ter que estudar mais um pouco, para continuar este papo, pois sempre achei que a meta-análise vinha, justamente , através da reanálise de muitos estudos realizados com amostras pequenas,resolver este problema de tamanho da amostra.

Abs
Felipe

Offline Sr. Lobo

  • Nível 04
  • *
  • Mensagens: 49
  • Sexo: Masculino
  • Nunc Scio Tenebris Lux
Re: Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #13 Online: 23 de Março de 2011, 14:15:44 »
Após ler o artigo diria que é interessante.
Mas também inconclusivo.
Se querem provar algo, que se prove direito!
/ Fr.s.t

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.220
  • Sexo: Masculino
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #14 Online: 19 de Fevereiro de 2016, 21:06:33 »
Entre outros colegas, peço também a Gigaview, reconhecidamente profundo conhecedor do tema, indicações e um possível resumo para refutar essa matéria que saiu na Revista Época.
Uma pessoa da minha proximidade me chegou com ele alegando provas da existência da alma e capacidades especiais dos médiuns.
Tem algum artigo que explique de maneira simples a fraude da mediunidade?

Citar
Os avanços da ciência da alma
ESPIRITUALIDADE - 19/11/2012 18h54 - Atualizado em 19/11/2012 18h56
Uma pesquisa inédita usa equipamentos de última geração para investigar o cérebro dos médiuns durante o transe.
As conclusões surpreendem: ele funciona de modo diferente


DENISE PARANÁ, DA FILADÉLFIA, ESTADOS UNIDOS


MEDIUNIDADE SOB INVESTIGAÇÃO
Uma médium brasileira psicografa no laboratório do Hospital da Universidade da Pensilvânia
(Foto: Denise Paraná/ÉPOCA)

Estávamos no mês de julho de 2008. Na Rua 34 da cidade da Filadélfia, nos Estados Unidos, num quarto do Hotel Penn Tower, um grupo seleto de pesquisadores e médiuns preparava-se para algo inédito. Durante dez dias, dez médiuns brasileiros se colocariam à disposição de uma equipe de cientistas do Brasil e dos EUA, que usaria as mais modernas técnicas científicas para investigar a controversa experiência de comunicação com os mortos. Eram médiuns psicógrafos, pessoas que se identificavam como capazes de receber mensagens escritas ditadas por espíritos, seres situados além da palpável matéria que a ciência tão bem reconhece. O cérebro dos médiuns seria vasculhado por equipamentos de alta tecnologia durante o transe mediúnico e fora dele. Os resultados seriam comparados. Como jornalista, fui convidada a acompanhar o experimento. Estava ali, cercada de um grupo de pessoas que acreditam ser capazes de construir pontes com o mundo invisível. Seriam eles, de fato, capazes de tal engenharia?

A produção de exames de neuroimagem (conhecidos como tomografia por emissão de pósitrons) com médiuns psicógrafos em transe é uma experiência pioneira no mundo. Os cientistas Julio Peres, Alexander Moreira-Almeida, Leonardo Caixeta, Frederico Leão e Andrew Newberg, responsáveis pela pesquisa, garantiam o uso de critérios rigorosamente científicos. Punham em jogo o peso e o aval de suas instituições. Eles pertencem às faculdades de medicina da Universidade de São Paulo, da Universidade Federal de Juiz de Fora, da Universidade Federal de Goiás e da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia. Principal autor do estudo, o psicólogo clínico e neurocientista Julio Peres, pesquisador do Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade (Proser), do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, acalentava a ideia de que a experiência espiritual pudesse ser estudada por meio da neuroimagem.
Pela primeira vez, o cérebro dos médiuns foi investigado com os recursos modernos da neurociência

Em frente ao Q.G. dos médiuns no Hotel Penn Tower, o laboratório de pesquisas do Hospital da Universidade da Pensilvânia estava pronto. Lá, o cientista Andrew Newberg e sua equipe aguardavam ansiosos. Médico, diretor de Pesquisa do Jefferson-Myrna Brind Centro de Medicina Integrativa e especialista em neuroimagem de experiências religiosas, Newberg é autor de vários livros, com títulos como Biologia da crença e Princípios de neuroteologia. Suas pesquisas são consideradas uma referência mundial na área. Ele acabou por se tornar figura recorrente nos documentários que tratam de ciência e religião. Meses antes, Newberg escrevera da Universidade da Pensilvânia ao consulado dos EUA, em São Paulo, pedindo que facilitasse a entrada dos médiuns em terras americanas. O consulado foi prestativo e organizou um arquivo especial com os nomes dos médiuns, classificando-o como “Protocolo Paranormal”.

“É conhecido o fato de experiências religiosas afetarem a atividade cerebral. Mas a resposta cerebral à mediunidade, a prática de supostamente estar em comunicação com ou sob o controle do espírito de uma pessoa morta, até então nunca tinha sido investigada”, diz Newberg. Os cientistas queriam investigar se havia alterações específicas na atividade cerebral durante a psicografia. Se houvesse, quais seriam? Os dez médiuns, quatro homens e seis mulheres, participavam do experimento voluntariamente. Foram selecionados no Brasil por meio de uma longa triagem. Entre os pré-requisitos, tinham de ser destros, saudáveis, não ter nenhum tipo de transtorno mental e não usar medicações psiquiátricas. Metade dos voluntários dizia carregar décadas de experiência no “intercâmbio espiritual”. Outros, menos experientes, apenas alguns anos.

Na Filadélfia, antes de a experiência começar, os médiuns passaram por uma fase de familiarização com os procedimentos e o ambiente do hospital onde seriam feitos os exames. O experimento só daria certo se os médiuns estivessem plenamente à vontade. Todos se perguntavam se o transe seria possível tão longe de casa, num hospital em que se podia perguntar se Dr. Gregory House, o personagem de ficção interpretado pelo ator inglês Hugh Laurie, não apareceria ali a qualquer momento.

Numa sala com aviso de perigo, alta radiação, começaram os exames. Por meio do método conhecido pela sigla Spect (Single Photon Emission Computed Tomography, ou Tomografia Computadorizada de Emissão de Fóton Único), mapeou-se a atividade do cérebro por meio do fluxo sanguíneo de cada um dos médiuns durante o transe da psicografia. Como tarefa de controle, o mesmo mapeamento foi realizado novamente, desta vez durante a escrita de um texto original de própria autoria do médium, uma redação sem transe e sem a “cola espiritual”. Os autores do estudo partiam da seguinte hipótese: uma vez que tanto a psicografia como as outras escritas dos médiuns são textos planejados e inteligíveis, as áreas do cérebro associadas à criatividade e ao planejamento seriam recrutadas igualmente nas duas condições. Mas não foi o que aconteceu. Quando o mapeamento cerebral das duas atividades foi comparado, os resultados causaram espanto.

Segundo a pesquisa, a mediunidade pode ser considerada uma manifestação saudável

Surpreendentemente, durante a psicografia os cérebros ativaram menos as áreas relacionadas ao planejamento e à criatividade, embora tenham sido produzidos textos mais complexos do que aqueles escritos sem “interferência espiritual”. Para os cientistas, isso seria compatível com a hipótese que os médiuns defendem: a autoria das psicografias não seria deles, mas dos espíritos comunicantes. Os médiuns mais experientes tiveram menor atividade cerebral durante a psicografia, quando comparada à escrita dos outros textos. Isso ocorreu apesar de a estrutura narrativa ser mais complexa nas psicografias que nos outros textos, no que diz respeito a questões gramaticais, como o uso de sujeito, verbo, predicado, capacidade de produzir texto legível, compreensível etc.

Apesar de haver várias semelhanças entre a ativação cerebral dos médiuns estudados e pacientes esquizofrênicos, os resultados deixaram claro também que aqueles voluntários não tinham esquizofrenia ou qualquer outra doença mental. Os cientistas afirmam que a descoberta de ativação da mesma área cerebral sublinha a importância de mais pesquisas para distinguir entre a dissociação (processo em que as ações e os comportamentos fogem da consciência) patológica e não patológica. Entre o que é e o que não é doença, quando alguém se diz tocado por outra entidade. Os médiuns estudados relataram ilusões aparentes, alucinações auditivas, alterações de personalidade e, ainda assim, foram capazes de usar suas experiências mediúnicas para tentar ajudar os outros. Pode haver, portanto, formas saudáveis de dissociação. Uma das conclusões a que os cientistas chegaram é que a mediunidade envolve um tipo de dissociação não patológica, ou não doentia. A mediunidade pode ser uma expressão comum à natureza humana. Essas conclusões, que ÉPOCA antecipa na edição que chegou às bancas na sexta-feira (16), foram divulgadas na revista científica americana Plos One. O estudo Neuroimagem durante o estado de transe: uma contribuição ao estudo da dissociação tem acesso gratuito desde sexta-feira, dia 16, no endereço eletrônico: dx.plos.org/10.1371/journal.pone.0049360.


EXPERIÊNCIA
1. Q.G. dos médiuns em quarto do Hotel Penn Tower, na Pensilvânia
2. Médium recebe marcador radioativo para captar a atividade cerebral durante o transe
3. Escaneamento cerebral por meio da técnica de tomografia computadorizada com emissão de de fóton único
4. Checagem final para garantir a qualidade do experimento, feita num pequeno laboratório 5. Análise das primeiras imagens cerebrais capturadas pelos cientistas Julio Peres e Andrew Newberg 
(Fotos: Denise Paraná/ÉPOCA)

O maior de todos os psicógrafos

Naquele verão, na Filadélfia, os dez médiuns produziram psicografias espelhadas – escritas de trás para a frente –, redigiram em línguas que não dominavam bem, descreveram corretamente ancestrais dos cientistas que os próprios pesquisadores diziam desconhecer, entre outras tantas histórias. Convivendo com eles naquele experimento, colhendo suas histórias, ouvindo os dramas e prazeres de viver entre dois mundos, encontrei diferentes biografias. Todos eles compartilham, porém, a crença de que aquilo que veem e ouvem é, de fato, algo real. Outro ponto em comum: todos nutriam enorme respeito por Chico Xavier, considerado o modelo de excelência da prática psicográfica.

Mineiro de família pobre, fala mansa e sorriso tímido, Chico Xavier recebeu apenas o ensino básico. Isso não o impediu de publicar mais de 400 livros, alguns em dez idiomas diferentes, cobrindo variados gêneros literários e amplas áreas do conhecimento. Ao final da vida, vendera cerca de 40 milhões de exemplares, cujos direitos autorais foram doados. Psicografou por sete décadas. Nenhum tipo de fraude foi comprovada. Isso não significa que seus feitos mediúnicos sejam absoluta unanimidade. Há controvérsias. O pesquisador Alexandre Caroli Rocha, doutor em teoria e história literária pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), chegou a conclusões que parecem favorecer a hipótese de que Chico fosse mesmo uma grande e sintonizada antena. Em seu mestrado, ele analisou o primeiro livro publicado pelo médium, Parnaso de além-túmulo, que trazia 259 poemas atribuídos a 83 autores já mortos.

Seu estudo considerou os aspectos estilísticos, formais e interpretativos dos poemas e concluiu que a antologia não era um produto de imitação literária simples. Rocha descobriu, por exemplo, que Guerra Junqueiro (1850-1923), um dos autores mortos, assinava a continuação de um poema inacabado em vida. Não havia indício de que Chico tivesse tido acesso ao poema antes de psicografar sua continuação. No doutorado, Rocha concluiu que Chico reproduzia perfeitamente o estilo do popular escritor Humberto de Campos (1886-1934). Nos textos que saíam da ponta de seu lápis havia, segundo Rocha, um estilo intrincado e sofisticado, detectável apenas por aqueles que conhecem bem como Humberto de Campos funciona. Muitos dos textos atribuídos a Campos continham informações que estavam fora do domínio público. Encerradas num diário secreto, tais informações só foram reveladas 20 anos depois da morte de Campos e do início da produção mediúnica de Chico.


Cérebro mediúnico (Foto: Reprodução/Revista ÉPOCA)

A ciência pode desvendar a natureza da alma?

“Se eu pudesse recomeçar minha vida, deixaria de lado tudo o que fiz, para estudar a paranormalidade.” Essa confissão de Sigmund Freud a seu biógrafo oficial, Ernest Jones, marca um dos capítulos pouco conhecidos da história do pensamento humano. Pouca gente sabe também que muitas das teorias reconhecidas hoje pela ciência sobre o inconsciente e a histeria baseiam-se em trabalhos de pesquisadores que se dedicaram ao estudo da mediunidade. Talvez menos gente saiba que Marie Curie, a primeira cientista a ganhar dois prêmios Nobel, e seu marido, Pierre Curie, também Nobel, dedicaram espaço em suas atribuladas agendas ao estudo de médiuns. No Instituto de Metapsíquica em Paris, no início do século passado, Madame Curie inquiriu com seus assombrados olhos azuis a médium de efeitos físicos Eusapia Palladino. O casal Curie supôs que os segredos da radioatividade poderiam ser revelados por meio de uma fonte de energia espiritual. Quem seria capaz de imaginar isso hoje?

Outros cientistas laureados com o Nobel consagraram parte de sua vida buscando respostas para os mistérios da alma e a possibilidade de comunicação com os mortos. Pesquisas que hoje seriam consideradas assombrosas, como materialização de espíritos, movimentação de objetos à distância, levitação etc., foram realizadas na passagem entre os séculos XIX e XX. Houve forte oposição materialista. Experimentos frustrados e a comprovação de fraude de alguns médiuns lançaram um manto de ceticismo e silêncio sobre o tema. Essa linha de pesquisa entrou em crise. Experimentos com mediunidade aos poucos se tornaram uma mácula nos currículos oficiais dos eminentes cientistas. E a ciência moderna acabou por condenar ao esquecimento inúmeras pesquisas científicas sobre o assunto, algumas rigorosas. Enquanto o cinema, a TV e a literatura cada vez se apropriam mais das questões do espírito, a ciência dominante tem torcido o nariz e deixado essas reflexões fora de seu campo.

A questão tem sido esquecida, mas não totalmente. Apesar de ainda tímidas, pesquisas científicas sobre comunicações mediúnicas, como a da Filadélfia, têm sido realizadas recentemente. Basicamente, encontraram que, além de fenômenos que revelam fraude proposital ou inconsciente do médium, há muito a explicar. Muita coisa não cabe dentro do discurso que prevalece hoje na ciência. Pesquisadores da área acreditam que a telepatia do médium com o consciente ou o inconsciente daquele que deseja uma comunicação espiritual não explica psicografias nas quais se revelam informações desconhecidas das pessoas que o procuram.

A mensagem

Para os céticos
A ciência precisa investigar a sério a hipótese da comunicação entre médiuns e mortos

Para os crentes
Essa hipótese ainda precisa passar por mais investigações para ser comprovada 

 Muitas informações fornecidas por médiuns, dizem eles, se confirmaram verdadeiras só mais tarde, após pesquisa sobre o morto. Como pensar então em telepatia se só o morto detinha as informações? Seria possível a ideia de comunicação direta com os mortos? Alguns cientistas que estudam as percepções mediúnicas discordam dessa hipótese. Acreditam que é possível não haver limite de espaço e tempo para percepções mediúnicas. O médium poderia andar para a frente e para trás no tempo e no espaço, coletando as informações que desejasse, quando e onde elas estivessem. Num fenômeno em que comprovadamente não houvesse fraude ou sugestão inconsciente, sobrariam apenas duas hipóteses: ou haveria a capacidade do médium de captar informações em outro espaço e tempo; ou existiria mesmo a capacidade de comunicação entre o médium e o espírito de um morto.

Atuais referências no estudo científico de fenômenos tidos como espirituais, cientistas como Robert Cloninger, Mario Beauregard, Erlendur Haraldsson, Stuart Hameroff e Peter Fenwick aplaudem a iniciativa de Julio Peres em seu estudo. Esse neurocientista brasileiro, que tem colhido apoio em seus pares, afirma que seus achados “compõem um conjunto de dados interessantes para a compreensão da mente e merecem futuras investigações, tanto em termos de replicação como de hipóteses explicativas”. Outro coautor do estudo, o psiquiatra Frederico Camelo Leão, coordenador do Proser, defende mais estudos acerca das experiências tidas como espirituais. “O impacto das pesquisas despertará a comunidade científica para como esse desafio tem sido negligenciado”, diz.


O QUE É MATÉRIA E O QUE NÃO É?
Da esquerda para a direita, os cientistas Alexander Moreira-Almeida, Júlio Peres e Andrew Newberg discutem os exames em 2008. O artigo final com todos os achados só foi publicado quatro anos depois
(Foto: Denise Paraná/ÉPOCA)

O pesquisador Alexander Moreira-Almeida, coautor do estudo e diretor do Núcleo de Pesquisas em Espiritualidade e Saúde (Nupes), da Universidade Federal de Juiz de Fora, é o principal responsável por colocar o Brasil em destaque nessa área no cenário internacional. Moreira-Almeida recebeu o Prêmio Top Ten Cited, como o primeiro autor do artigo mais citado na Revista Brasileira de Psiquiatria, com Francisco Lotufo Neto e Harold G Koenig. É editor do livro Exploring frontiers of the mind-brain relantionship (Explorando as fronteiras da relação mente-cérebro, em tradução livre), pela reputada editora científica Springer.

Ele afirma que a alma, ou como prefere dizer, a personalidade ou a mente, está intimamente ligada ao cérebro, mas pode ser algo além dele. Para esse psiquiatra fluminense, pesquisas sobre experiências espirituais, como a mediunidade, são importantes para entendermos a mente e testarmos a hipótese materialista de que a personalidade seja um simples produto do cérebro. Moreira-Almeida lembra que Galileu e Darwin só puderam revolucionar a ciência porque passaram a analisar fenômenos que antes não eram considerados. “O materialismo é uma hipótese, não é ainda um fato cientificamente comprovado, como muitos acreditam”, diz Moreira-Almeida.

Apesar de todos os avanços da ciência materialista, a humanidade continua aceitando as dimensões espirituais. Dados do World Values Survey revelam que a maioria da população mundial acredita na vida após a morte. Em todo o planeta, um número expressivo de pessoas declara ter se sentido em contato com mortos: são 24% dos franceses, 34% dos italianos, 26% dos britânicos, 30% dos americanos e 28% dos alemães. Não há dúvida de que o materialismo científico foi instrumento de enorme progresso para a humanidade. A dúvida é se ele, sozinho, seria capaz de explicar toda a experiência humana. Para a maioria da população, a visão materialista parece deixar um vazio atrás de si. Na busca de respostas para nossas principais questões, muitos assinariam embaixo da frase de Albert Einstein: o homem que não tem os olhos abertos para o mistério passará pela vida sem ver nada.

* Denise Paraná é jornalista, doutora em ciências humanas pela Universidade de São Paulo e pós-doutora, como visiting scholar, pela Universidade de Cambridge, Inglaterra

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.220
  • Sexo: Masculino
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #15 Online: 19 de Fevereiro de 2016, 21:23:10 »
Eu já consegui encontrar uma pista que você deixou pelo caminho:

Bingo!!!! . Bastou jogar Julio Peres no google.

http://www.julioperes.com.br/cursos.html

O cidadão tem mestrado, Phd e o escambal e tem um cursinho de reencarnação.

Olha só o objetivo do curso: Fornecer aos psicoterapeutas conhecimento de estratégias objetivas para abordar eticamente os pacientes reencarnacionistas que buscam psicoterapia e otimizar o enfrentamento de suas dificuldades com base em seus sistemas de crenças.

Não falei??? :histeria:

E aí, é para levar essa pesquisa a sério?  :biglol:

Mas tem algo mais direto às alegações do estudo/experimento?

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.163
  • Who left the bag of idiots open?
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #16 Online: 19 de Fevereiro de 2016, 23:13:18 »
Citar
Entre outros colegas, peço também a Gigaview, reconhecidamente profundo conhecedor do tema, indicações e um possível resumo para refutar essa matéria que saiu na Revista Época.

Ok, feita a correção, segue a minha modesta análise.

1. Os pesquisadores seguem uma metodologia que admite a mediunidade, no caso a psicografia, como meio de comunicação com os mortos. Ao que parece, não manifestaram muito interesse em saber se o que os "médiuns" psicografaram era de fato uma comunicação com os mortos, o que seria uma prova da sobrevivência da alma no pós-morte e consequentemente uma comprovação da mediunidade. Sem a comprovação desses pré-requisitos é necessário abraçar uma hipótese espiritualista, o que invalida totalmente a metodologia supostamente científica.

2. A comprovação da baixa atividade nas áreas do cérebro comprometidas com planejamento e criatividade durante a psicografia é insuficiente para afirmar o recebimento de mensagens por meios anômalos. Os "mediuns" poderiam estar fazendo uso da memória muscular.

Citar
Muscle memory has been used synonymously with motor learning, which is a form of procedural memory that involves consolidating a specific motor task into memory through repetition. When a movement is repeated over time, a long-term muscle memory is created for that task, eventually allowing it to be performed without conscious effort. This process decreases the need for attention and creates maximum efficiency within the motor and memory systems. Examples of muscle memory are found in many everyday activities that become automatic and improve with practice, such as riding a bicycle, typing on a keyboard, typing in a PIN, playing a musical instrument, or martial arts.
Wikipedia.

Médiuns espíritas são treinados para psicografar em sessões de psicografia, a maioria com dia e hora marcada. Existe a possibilidade de fraude consciente que inventa as mensagens ou inconsciente que afloram da criatividade do subconsciente da pessoa. É importante lembrar que a psicografia é uma técnica de criatividade empregada por artistas sem conotação espiritual alguma.  O stress do "medium" submetido ao experimento do texto poderia inibir a criatividade e estimular o uso da memória muscular como acontece com uma pessoa que toca um instrumento musical e conversa simultaneamente. Nesse caso a "música" é o repertório assimilado no treino da psicografia espírita, que usam quase sempre o mesmo estilo, as mesmas descrições do além, do conteúdo de conforto aos familiares, etc. portanto nada criativas. Seria interessante submeter um artista tocando um instrumento, fazendo uso da memória muscular, e comparar os resultados com os dos "médiuns" em questão.

3.
Citar
Os dez médiuns, quatro homens e seis mulheres, participavam do experimento voluntariamente. Foram selecionados no Brasil por meio de uma longa triagem. Entre os pré-requisitos, tinham de ser destros, saudáveis, não ter nenhum tipo de transtorno mental e não usar medicações psiquiátricas.

A tendenciosidade dos pesquisadores chega ao ponto de admitir que pessoas que recebem mensagens do além não possuem transtornos mentais, como se a mediunidade fosse uma condição normal e aceitável de saúde mental, mesmo sem termos evidências da existência da vida após a morte.

Citar
Apesar de haver várias semelhanças entre a ativação cerebral dos médiuns estudados e pacientes esquizofrênicos, os resultados deixaram claro também que aqueles voluntários não tinham esquizofrenia ou qualquer outra doença mental.

Essas semelhanças deveriam ser melhor investigadas porque pode ser a chave de todo o problema. Que tipo de critério de diagnóstico foi utilizado para diferenciar uma pessoa que diz que recebe mensagens do além de um esquisofrênico que diz a mesma coisa? O médium é um tipo especial de esquisofrênico?

4.
Citar
Os médiuns estudados relataram ilusões aparentes, alucinações auditivas, alterações de personalidade e, ainda assim, foram capazes de usar suas experiências mediúnicas para tentar ajudar os outros. Pode haver, portanto, formas saudáveis de dissociação. Uma das conclusões a que os cientistas chegaram é que a mediunidade envolve um tipo de dissociação não patológica, ou não doentia. A mediunidade pode ser uma expressão comum à natureza humana.

Esse tema já foi discutido no tópico "O Espiritismo e a Mediunidade são Portas para Doenças Mentais ?" http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=17291.msg352331#msg352331

A minha opinião está lá...

Citação de: Gigaview
Todo diagnóstico deve observar a freqüência, intensidade, duração  e condições dos sintomas. Evidentemente, uma pessoa que perdeu um ente querido, vivendo um momento de difícil, de stress e depressão, pode ter delírios, alucinações e outros sintomas que podem passar a ilusão, por exemplo, de um contato com o “mundo dos mortos”. Normalmente, num período em até 6 meses, poderá ser diagnosticado apenas como um transtorno. Não quer dizer que essa pessoa seja esquizofrênica de fato, mas pode estar apenas  temporariamente desequilibrada. Por outro lado, a manifestação dos sintomas de primeira linha de Schneider espontâneos freqüentes e intensos não são ocorrências comuns e formam um quadro de desvio de comportamento, considerado anormal, no caso, como o autor do texto diz, esquizofrênico. Pessoalmente, acho que o diagnóstico é bem mais complexo e depende de uma série de outros fatores. Existem ainda, os sintomas que ocorrem com hora marcada em sessões espíritas, rituais, cultos, etc. Estes são sérios candidatos a evidência de fraude e, conforme o caso, devem até ser objeto de investigação policial.

Em relação aos limites da sanidade, acho que é uma fronteira difícil de se estabelecer, mas pode ser estatisticamente estudada. Além dessa fronteira teórica, ainda assim, poderíamos ter por exemplo, classificações alternativas como a dos loucos felizes e inofensivos, dos loucos felizes e perigosos,  dos loucos infelizes e inofensivos e dos loucos infelizes e perigosos. Os loucos felizes e inofensivos são os “maluco belezas”  que passeiam de disco voador, realizam curas à distância, recebem orientações de mestres e extraterrestres e canalizam energias para a humanidade, dentre outras coisas. O problema com os “malucos belezas” é que, freqüentemente, eles quase não se expõem, mas quando o fazem e se são inteligentes, têm um discurso bem produzido e são protegidos pela “lógica” de suas crenças, cultos, religiões, pseudociências, etc. Argumentar com um “maluco beleza” ,argumentando contra esse “escudo de proteção”, é de certa forma, evitar argumentações Ad Hominem. Essa categoria de loucos é protegida pela sua condição não ofensiva, portanto, relevada ou protegida pela sociedade. Afinal, são pessoas de bem, ou melhor loucos “do bem” e correspondem, acredito, à maioria esmagadora dos doentes mentais.

Tenho pensado muito nesse assunto, tenho muitas dúvidas a respeito e agradeceria argumentações contrárias que me estimulassem a refletir e talvez me convencer de que talvez não seja por aí...

5. Sobre a psicografia espírita em geral, sugiro uma visita ao site http://obraspsicografadas.org

O ex forista banido do CC e espírita Vitor Moura assina uma série de artigos em que ele prova o plágio de obras espíritas, inclusive de Chico Xavier e de fraudes de cartas psicografadas. Portanto não é nada como a reportagem afirma.
“The knives of jealousy are honed on details.”
― Ruth Rendell

Offline Gabarito

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.220
  • Sexo: Masculino
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #17 Online: 20 de Fevereiro de 2016, 14:13:26 »
Excelente, dileto Gigaview!

Eu não poderia ter recebido uma resposta melhor.
Simples, concisa, focando os pontos, ligeira.
Era disso que eu precisava para chamar de volta a pessoa e apontar os equívocos dela, sem muitos floreios/rodeios que minassem sua paciência.

O mesmo não se pode dizer da página Obras Psicografadas e o tópico "...Portas para Doenças Mentais", por serem bem mais extensos e demorados.
Mas aí vai depender do interesse dela em seguir o fio libertador dessa meada.

Valeu total!
 :)

Offline Spencer

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.406
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #18 Online: 08 de Março de 2016, 21:02:09 »
Não pensem que pretendo debater para provar que a mediunidade é um fato, comprovado por mil modos... A experiência muito próxima com este fenômeno e uma literatura farta; a convivência com pessoas de moral ilibada e soberbos conhecimentos em várias áreas do saber humano.
Compreendi,ao longo de todos os debates sobre temas espiritualistas é que, o interlocutor simplesmente não quer se convencer. Não que esteja mal intencionado, de jeito nenhum; apenas sofre bloqueios inamovíveis que subjazem no inconsciente. A literatura espírita aponta a origem desta recusa peremptória, situando o problema em reencarnações passadas, quando se sofre torturas e perseguições por parte dos religiosos, na idade média, p.ex. - Inquisição, extermínio e caça aos hereges (Cátaros. Albigenses ), cruzadas,etc.
Gigaview glosa uma parte do texto em que cita a falta de argumentos para certificarem que a psicografia se dava efetivamente com pessoas mortas, mas veja no texto.

Muitas informações fornecidas por médiuns, dizem eles, se confirmaram verdadeiras só mais tarde, após pesquisa sobre o morto. Como pensar então em telepatia se só o morto detinha as informações? Seria possível a ideia de comunicação direta com os mortos? Alguns cientistas que estudam as percepções mediúnicas discordam dessa hipótese. Acreditam que é possível não haver limite de espaço e tempo para percepções mediúnicas. O médium poderia andar para a frente e para trás no tempo e no espaço, coletando as informações que desejasse, quando e onde elas estivessem. Num fenômeno em que comprovadamente não houvesse fraude ou sugestão inconsciente, sobrariam apenas duas hipóteses: ou haveria a capacidade do médium de captar informações em outro espaço e tempo; ou existiria mesmo a capacidade de comunicação entre o médium e o espírito de um morto

Offline Alquimista

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.724
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #19 Online: 08 de Março de 2016, 21:37:29 »
Não pensem que pretendo debater para provar que a mediunidade é um fato, comprovado por mil modos...

Comprovado por mil modos... de se ludibriar alguém já predisposto a se auto ludibriar.

A experiência muito próxima com este fenômeno e uma literatura farta; a convivência com pessoas de moral ilibada e soberbos conhecimentos em várias áreas do saber humano.

Pessoas de moral ilibada com soberbos conhecimentos em várias áreas do saber humano existem em várias religiões, seitas, grupos místicos e até na ufologia. O que isso quer dizer? Nada.   Esses seres carregam apenas a boa vontade de se predispor a acreditar por acreditar.
 
Compreendi,ao longo de todos os debates sobre temas espiritualistas é que, o interlocutor simplesmente não quer se convencer.

Hummm... Será que são eles mesmos que simplesmente não querem se convencer? O bom senso diz que não.

Não que esteja mal intencionado, de jeito nenhum; apenas sofre bloqueios inamovíveis que subjazem no inconsciente. A literatura espírita aponta a origem desta recusa peremptória, situando o problema em reencarnações passadas, quando se sofre torturas e perseguições por parte dos religiosos, na idade média, p.ex. - Inquisição, extermínio e caça aos hereges (Cátaros. Albigenses ), cruzadas,etc.

Então tá explicada a nossa... ''recusa''....   Pela sua ''lógica'' é provável que o Giga deve ter sido um rabino cabalista, o Alquimista foi um alquimista mesmo, a Brienne uma feiticeira celta e o Spencer foi o Torquemada. kkkkkkkkkkkkkkkkkk
« Última modificação: 08 de Março de 2016, 22:10:48 por Alquimista »
"O Alquimista é o supremo alquimista alfa e o ômega das transmutações aurintelectofilosofais."

Offline Alquimista

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.724
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #20 Online: 08 de Março de 2016, 22:45:54 »
Como um médium engana as suas vítimas??? Uma das técnicas usadas por eles se chama Leitura Fria. Vai aqui uma breve explicação (apenas uma palhinha) de como isso funciona:

Médium: _estou vendo uma pessoa idosa de mãos dadas com o seu (falecido) marido... (quem não conhece uma pessoa idosa falecida?)
Vítima (aos prantos): _Sim... sim, é a irmã dele (falecida também). Ele era muito apegado a ela...

Após a ''consulta'', a vítima categoricamente contará assim para os conhecidos: ''o médium viu a irmã dele!!! Como poderia saber que a irmã dele havia morrido também?'' (Peraí, em que momento o médium falou que a pessoa idosa sem gênero definido era a irmã???)

É assim que se pesca informações para iludir os incautos. O resto se encarregam os bugs da memória, o wishful thinking e a cumplicidade da vítima também, né? rss  O sucesso é garantido se fizerem tudo muito bem feito. (Uma dica: joguem o 171 da pessoa idosa falecida... É tiro certo... kkkkkk)


Aliás, o Grande Alquimista aprendeu recentemente a executar uma mágica de grande impacto visual conhecida como Shadow Card, que faz parte de uma modalidade chamada Baralho Espírita. rss
Ahhh, se o Alquimista fosse um médium no Séc. XIX e soubesse essa mágica, ainda mais em meio àquelas salas às escuras...
« Última modificação: 08 de Março de 2016, 23:10:20 por Alquimista »
"O Alquimista é o supremo alquimista alfa e o ômega das transmutações aurintelectofilosofais."

Offline Spencer

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.406
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #21 Online: 08 de Março de 2016, 23:55:41 »
Mas no contexto do debate, meu caro Alquimista, exclui-se o indivíduo inescrupuloso.
Se a única explicação para toda a fenomenologia mediúnica for a fraude, embora ela ocorra, então seriam milhares de pessoas que ao longo destes séculos não passam de  escroques desavergonhados, que se aproveitam até da dor e desespero de seu semelhante, para obter algum tipo de ganho.
A recusa em acreditar-se nestes fenômenos pode dar-se por explicação até razoável, que seria admitir tratar-se de algo misterioso, que a nossa razão não aceita e que a ciência não deu a palavra final.

Offline Alquimista

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.724
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #22 Online: 09 de Março de 2016, 00:10:31 »
...não passam de  escroques desavergonhados, que se aproveitam até da dor e desespero de seu semelhante, para obter algum tipo de ganho.

Discordo. Muito são os médiuns bem intencionados que não trabalham por ganho. Agem assim porque isso os faz se sentirem especiais, somente isso. Mas não deixa de ser charlatanismo, se bem que bem intencionado.
"O Alquimista é o supremo alquimista alfa e o ômega das transmutações aurintelectofilosofais."

Offline Alquimista

  • Nível 30
  • *
  • Mensagens: 1.724
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #23 Online: 09 de Março de 2016, 02:15:36 »
Como foi desmascarado o célebre médium Carancini:

Veremos, a seguir como foi desmascarado o famoso médium, que durante bastante tempo conseguiu enganar o público da capital Francesa.
Depois de uma série de experiências de repercussão estrondosa, Carancini, o célebre Carancini, foi enfim, desmascarado, sendo, assim, apresentado como um simples charlatão.
O sr. M. Durville, diretor do ''Journal du magnètisme et du psychisme espèrimental'', assim relata o que se passou na célebre sessão, que se realizou na sua residência da rua Pétrarque:

''Seis sessões se sucederam durante um mês.
Carancini estava encerrado em uma vasta cabine, onde se encontrava à vontade. Sentado numa cadeira, livre de movimentos, mas as pernas e as mãos vigiadas por assistentes, devia Carancini exercer a sua ação mediúnica sobre ''bibelots'' existentes no teto da cabine.
Desde a primeira sessão, os srs. Barklay Raymand, o dr. Vergnes e eu tivemos muito perfeitamente a impressão de que Carancini substituía uma mão pela outra e desta maneira vinha dar nos a ilusão do contato permanente.
Foi então que pedimos o concurso de dois amadores de prestidigitação, meus conhecidos, e, de comum acordo, prestamo-nos à fraude.
Carancini costumava ficar amarrado a uma cadeira, dentro da jaula porém com os braços para fora os quais apoiava sobre uma mesa que se colocava encostada a cabine. Dois espectadores colocavam-se em cada lado da mesa, cada um pousava a sua mão sobre a mesa. Carancini encostava a sua mão esquerda na mão do espectador da esquerda e a mão direita no da direita.
Na ocasião das manifestações espíritas (que de costume se produziam as escuras) Carancini, desprende a sua mão da do assistente colocado à esquerda. Com a extremidade dos dedos da mão direita exerce contato sobre a do mesmo assistente, afim de lhe dar sempre ilusão de que esses contatos são produzidos pela que tinha presa. É neste momento que o experimentador passa a operar no teto da cabine com o braço livre, sendo certo de que a impressão do contato não cessa.
Na sexta sessão, porém, uma explosão oportuna de magnésio surpreende Carancini em flagrante delito de fraude.
Com o pulso direito preso, deixava livre jogo à mão que, escorregando sobre a mesa da experiência, continuava o contato com o segundo assistente. Com o braço esquerdo levantado, imprimia ao teto da cabine ligeiras sacudidelas, produtora dos fenômenos misteriosos!
Como se vê, era terminante.
A confusão de Carancini nos penalizou e nós lhe propusemos resgatar-se. Ele aceitou. Depois achou-se, segundo nos escreveu, gravemente indisposto, pelo que deixamos de o tornar a ver.''


Fonte: Boletim Mágico, João Peixoto, páginas 155/116.

Uma incursão pelo Google revela que o médium Francesco Carancini não é tido como charlatão pelos espíritas, muito pelo contrário... Os espíritas ainda o tem em alta conta. 


As sessões espíritas entre nós:

O ''Jornal do Comércio'' publicou há dias o seguinte:

A propósito de um tópico publicado há dias, nesta folha, em que afirmamos ser o espiritismo o mais fecundo povoador dos manicômios, apareceu pelas colunas de um jornal carioca um espiritista, irritado, asseverando que ''malucos são os que combatem o espiritismo sem o conhecimento, não os que o praticam com pleno conhecimento''.
Os próprios médicos e outras autoridades competentes se encarregam de responder ao missivista.
O Dr. Juliano Moreira, diretor do Hospício de Alienados da Capital Federal, afirma ter já visto ''muitos casos de perturbações mentais e nervosas evidentemente despertadas por sessões espíritas''.
Um outro médico notável, o Dr. Antônio Austregésilo, professor de moléstias nervosas da Faculdade de Medicina, diz que ''no Rio de Janeiro espiritismo é uma das causas predominantes mais comuns de loucura''.
Ainda o Dr. Franco da Rocha, diretor do Hospício de Juquery, declara serem frequentíssimos os ''exemplos de pessoas, sobretudo moças, anteriormente sãs, que se tornam histeroepilépticas em consequência de terem tomado parte nas mesas de evocações dos espíritas''.
Mais ainda: o Dr. Afrânio Peixoto, que é também uma notabilidade, assevera que ''dois terços dos loucos do Hospício do Rio chegaram a um triste estado devido às práticas do espiritismo''.
Bem vê o articulista que tínhamos razão, como Carlos de Laet quando escreveu que ''uma estatística bem feita das entradas nos manicômios e nos xadrezes policiais deixaria patente o nefasto influxo das práticas espíritas sobre a mentalidade nacional dos tempos que correm''.
 

Fonte: Boletim Mágico, João Peixoto, página 203.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk 
« Última modificação: 09 de Março de 2016, 02:33:17 por Alquimista »
"O Alquimista é o supremo alquimista alfa e o ômega das transmutações aurintelectofilosofais."

Offline Spencer

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.406
Re:Uma Investigação de Médiuns que Alegam Receber Informações Sobre Mortos
« Resposta #24 Online: 09 de Março de 2016, 06:57:43 »
Caros, existe Espiritismo e espiritismo. Depoimentos afirmando que o Espiritismo leva alguém à perturbações mentais é digno de riso.
Simples; em primeiro lugar a amostra dos perturbados em relação aos que se conservam indenes, é ínfima. Significa que o desvio está nos que apresentam a enfermidade mencionada. Mas, é importante notar que - já disse antes - Umbanda, Candomblé, Macumba, Feitiçaria, Quimbanda e quejandos, não são Espiritismo. Pessoas pouco esclarecidas costumam confundir, às vezes propositalmente.
Existe uma Associação Médico Espírita Internacional, pois em vários países este tipo de associação já existe e congressos patrocinados por estas associações dão conta, em primeiro lugar, de um rol de nomes ilustres ligados á profissão da medicina, o que significa que uma associação de mágicos, como a do texto do Alquimista, não precisa ser levada a sério.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!