Autor Tópico: A Evolução do Criacionismo  (Lida 1332 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.947
A Evolução do Criacionismo
« Online: 02 de Dezembro de 2011, 00:34:49 »
POR QUE OS D.I.stas SE RECUSAM A TEORIZAR SOBRE O PLANEJADOR?

    É simples. O método utilizado por Darwin para desenvolver sua teoria foi hipotético dedutivo. Isto é, ele primeiro parte dos dados da natureza, como se faz em qualquer ciência, tenta distinguir uma padrão nesses dados, e então formula hipóteses para explicá-los. Então dessa hipótese deduz consequências e verifica se elas se encaixam com os dados obtidos, e se prevêem dados que poderão e não poderão ser encontrados. Muitas hipóteses podem ser descartadas até que uma se conforme com os dados, e então será frequentemente testada para ver se é corroborada ou falseada, e é assim que a maioria das teorias científicas funciona.
    Para que o DI, ou o Criacionismo "Científico" fossem ciência, teriam que seguir basicamente esse método. Isso torna inevitável levantar hipóteses sobre o Planejador, e testar os dados de modo a conformá-la ou não. O problema é que se fizerem isso, ficará evidente que nada mais farão do que empurrar o deus bíblico pela porta dos fundos. Vejamos por quê.

    1 - O MENOR DOS PROBLEMAS é que se por um lado podemos ter certeza de que algo foi projetado, nunca teremos se não o foi. Ninguém acreditará que uma escultura de barro com a forma perfeita do Cristo Redentor foi formada apenas pela erosão e pelas chuvas, mas por outro lado uma coisa completamente disforme, típica das montanhas ou das pedras, além de poder ser resultado de ações naturais, TAMBÉM PODE SER RESULTADO DE AÇÃO INTELIGENTE! Temos a Arte Moderna e Abstrata para não deixar dúvidas quanto a isso.
    Por isso, se partirmos da hipótese de que a vida não foi planejada, essa hipótese poderá ser testada, pois bastará achar uma coisa suficientemente perfeita para fazer esse teste, como os próprios criacionistas admitem. Mas se partirmos da hipótese contrária, de que a vida foi planejada, nunca poderemos testá-la, pois como já vimos, qualquer evidência em contrário também poderá ser resultado de design.

    2 - Os grandes problemas começam quando notamos que temos que trabalhar sempre com hipóteses de planejamentos locais. Se acharmos algo que nos convença ser obra de inteligência, só podemos admitir que AQUILO em si foi projetado, pois se admitirmos isso para tudo o mais, pelo motivo acima, qualquer desenvolvimento teórico seria inviabilizado. Assim, é perfeitamente possível que tenhamos estruturas projetadas e não projetadas convivendo no mundo, e isso nos permitira apenas pressupor um designer restrito.
    Se achássemos que o sistema imunológico é intencionalmente projetado, teríamos que considerar a intervenção apenas nesse caso, visto que diversos outros sistemas não são tão eficientes, e o simples fato de que seria muito mais plausível que seres inteligentes tenham tentado aumentar nossas chances de sobrevivência fazendo apenas isso, do que seres que tivessem feito tudo construiriam doenças e depois o sistema imunológico, tendo o dobro de trabalho. Planejamento PRESSUPÕE eficiência.

    3 - Disso, quer sejam inteligências extraterrestres de ordem natural ou mesmo divindades específicas, permitiriam supor sempre planejadores imperfeitos, o que aliás tenderia a ser fortemente corroborado pelas evidências disponíveis. Talvez de vários planejadores trabalhando em áreas diferentes, as vezes até em conflito uns com os outros.
    Mas é claro que isso não interessa aos criacionistas, pois eles querem empurrar o deus bíblico, que é supostamente perfeito, e aí ficará a pergunta: Como explicar a imperfeição na criação de um ser perfeito?

    4 - Aí, essa suposta nova ciência imediatamente se revelará a velha teologia, pois a explicação inevitável é que um ser perfeito projetou tudo, mas algum evento introduziu a imperfeição no mundo, o que resultaria em todas as irregularidades, defeitos e até perversões. Estaremos então de volta ao problema clássicos da teologia cristã, que explica a corrupção da criação devido ao pecado original mas caí perpetuamente nas contradições da Existência do Mal e da Onipotência, Onisciência X Livre Arbítrio, Justiça Divina X Inferno Perpétuo e etc.

    Ou seja, qualquer tentativa de teorizar sobre o designer gerará ou uma teoria sobre um planejador imperfeito que não interessa ao criacionismo, ou desmascarará instantaneamente qualquer véu de honestidade científica, deixando claro que tudo não passa de reafirmação do velho conservadorismo religioso.

(Parte do texto A EVOLUÇÃO DO CRIACIONISMO):
http://www.evo.bio.br/LAYOUT/Evolucao_do_Criacionismo.html

Site: http://www.evo.bio.br/

Autor: Marcus Valerio XR
Março - 20 de Julho de 2009


« Última modificação: 02 de Dezembro de 2011, 00:37:43 por -Huxley- »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.011
  • Sexo: Masculino
Re:A Evolução do Criacionismo
« Resposta #1 Online: 19 de Janeiro de 2012, 23:17:14 »
[...]
Ou seja, qualquer tentativa de teorizar sobre o designer gerará ou uma teoria sobre um planejador imperfeito que não interessa ao criacionismo, ou desmascarará instantaneamente qualquer véu de honestidade científica, deixando claro que tudo não passa de reafirmação do velho conservadorismo religioso.
[...]

Eis um bom resumo explicativo dos motivos pelos quais os criacionistas, digo, adeptos do design inteligente, são especialistas em tergiversar.
Foto USGS

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.947
Re:A Evolução do Criacionismo
« Resposta #2 Online: 03 de Julho de 2012, 00:59:44 »
David Hume já argumentava bem contra o DI antes de Darwin:

http://pt.wikipedia.org/wiki/David_Hume#O_argumento_teleol.C3.B3gico

...E fez isso quase antevendo (!) a evolução:

"Em sua obra póstuma Diálogos Sobre a Religião Natural, Hume considera a analogia do relógio 6 , questiona se a ordem natural pode provar a existência de design, e faz hipóteses, com as quais não se compromete, sobre um princípio auto-ordenador na matéria, que explicaria a aparência de design, antevendo em quase um século a teoria da evolução. E ele faz isso não apenas ao longo de toda a sua obra, na verdade faz tudo isso num só parágrafo.

             ...de acordo com esse método de raciocínio [...] se segue que a ordem, arranjo, ou o ajustamento das causas finais, não constituem, por si sós a prova alguma de um desígnio, mas apenas na medida em que se tenha constatado pela experiência que eles procedem de um tal princípio. Por tudo o que nos é dado saber a priori, a matéria pode conter originalmente em si mesma a fonte o ou o móvel da ordem, do mesmo modo que a mente os contém. Supor que os diversos elementos – a partir de uma causa interna desconhecida – possam arranjar-se da maneira mais elaborada não é mais difícil do que imaginar que suas idéias, a partir de uma causa interna desconhecida semelhante, venham a dispor-se dessa mesma maneira no interior da grande mente universal. A igual possibilidade dessas duas suposições é admitida." [Diálogos Sobre a Religião Natural, páginas 35]

[...]

"Mas a crítica contra a possibilidade em geral de se fazer analogias não é o único golpe de Hume contra o argumento do desígnio. Talvez ainda mais forte seja a crítica contra a comparação específica dos artefatos humanos e os artefatos naturais, para os quais não temos conhecimentos tão amplos quanto temos sobre os artefatos humanos.

          Após a constatação de que duas espécies de objetos surgem sempre associados, posso inferir, pelo costume, a existência de um deles onde quer que eu veja que o outro está presente; e a isto chamo um argumento a partir da experiência. Mas seria difícil explicar como esse argumento pode ser aplicado a um caso – como o que estamos presentemente considerando – no qual os objetos são singulares, individuais, sem paralelo ou semelhança específica. Poderá alguém dizer-me seriamente que um universo ordenado deve provir de algum pensamento ou artifício humano, porque disso temos experiência? Para comprovar esse raciocínio, seria preciso que tivéssemos experiência da origem dos mundos, e é claro que não basta ter visto navios e cidades serem produzidos pela arte e engenhos humanos... [ Diálogos Sobre a Religião Natural, página 41]

[...]

"Quando Hume levantou o argumento da impropriedade de comparar artefatos humanos aos objetos naturais, ele não se referiu especificamente a sistemas vivos, embora a analogia também funcione neste último caso. Porém, a próxima crítica de Hume nos sugere que ele considerou uma propriedade intrínseca à vida como portadora de uma possível capacidade de auto-organização.

          Do mesmo modo que uma árvore espalha suas sementes nos campos vizinhos e ocasiona o surgimento de outras árvores, assim também o grande vegetal – o mundo, ou esse sistema planetário – produz dentro de si certas sementes que, dispersando-se no caos circundante, fazem germinar novos mundos. Um cometa, por exemplo, é a semente de um mundo, e, após atingir o pleno amadurecimento, pela passagem de um sol a outro e de uma estrela a outra, é finalmente lançado em meio aos elementos informes que jazem por toda parte ao redor do universo, fazendo brotar imediatamente um novo sistema. [Diálogos Sobre a Religião Natural, página 95]


Citado por Marcus Valério XR:
http://www.xr.pro.br/MONOGRAFIAS/KosmoseTelos.html#dialogos

Uma resposta resumida boa também é encontrada no Talk Origins Archive:

Claim CI001:

Intelligent design theory is science.

Source:
Dembski, William A., 1998. The Design Inference. Cambridge University Press.

Response:

The terms used in design theory are not defined. "Design", in design theory, has nothing to do with "design" as it is normally understood. Design is defined in terms of an agent purposely arranging something, but such a concept appears nowhere in the process of distinguishing design in the sense of "intelligent design." Dembski defined design in terms of what it is not (known regularity and chance), making intelligent design an argument from incredulity; he never said what design is.

A solution to a problem must address the parameters of the problem, or it is just irrelevant hand waving. Any theory about design must somehow address the agent and purpose, or it is not really about design. No intelligent design theorist has ever included agent or purpose in any attempt at a scientific theory of design, and some explicitly say they cannot be included (Dembski 2002, 313). Thus, even if intelligent design theory were able to prove design, it would mean practically nothing; it would certainly say nothing whatsoever about design in the usual sense.

Irreducible complexity also fails as science because it, too, is an argument from incredulity that has nothing to do with design.

Intelligent design is subjective. Even in Dembski's mathematically intricate formulation, the specification of his specified complexity can be determined after the fact, making "specification" a subjective concept. Dembski now talks of "apparent specified complexity" versus "actual specified complexity," of which only the latter indicates design. However, it is impossible to distinguish between the two in principle (Elsberry n.d.).

Intelligent design implies results that are contrary to common sense. Spider webs apparently meet the standards of specified complexity, which implies that spiders are intelligent. One could instead claim that the complexity was designed into the spider and its abilities. But if that claim is made, one might just as well claim that the spider's designer was not intelligent but was intelligently designed, or maybe it was the spider's designer's designer that was intelligent. Thus, either spiders are intelligent, or intelligent design theory reduces to a weak Deism where all design might have entered into the universe only once at the beginning, or terms like "specified complexity" have no useful definition.

The intelligent design movement is not intended to be about science. Phillip Johnson, who spearheaded and led the movement, said in so many words that it is about religion and philosophy, not science (Belz 1996).

References:

    Belz, Joel. 1996. Witnesses for the prosecution. World Magazine 11(28): 18. http://www.leaderu.com/pjohnson/world2.html
    Dembski, William A., 2002. No Free Lunch. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
    Elsberry, Wesley R., n.d. What does "intelligent agency by proxy" do for the design inference? http://www.talkreason.org/articles/wre_id_proxy.cfm

Further Reading:

Elsberry, Wesley, 2000. The anti-evolutionists: William A. Dembski. http://www.antievolution.org/people/dembski_wa/sc.html

Frank, Patrick, 2004. On the assumption of design. Theology and Science 2(1): 109-130.

Pennock, Robert T., 2003. Creationism and intelligent design. Annual Review of Genomics and Human Genetics 4: 143-163.

Fonte: http://www.talkorigins.org/indexcc/CI/CI001.html

« Última modificação: 03 de Julho de 2012, 10:30:57 por -Huxley- »

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.548
  • Sexo: Masculino
Re:A Evolução do Criacionismo
« Resposta #3 Online: 04 de Julho de 2012, 02:00:31 »
Não é difícil, uma vez aceitando a base da idéia de "criação inteligente", sustentar que não só o desenho das criações não é tão inteligente assim, como que há não um, mas vários criadores -- é um dos modos mais razoáveis de se dar conta do problema da existência de uma cadeia alimentar, em vez de autotrofia generalizada, ou ainda, seres que se sacrificassem voluntariamente aos seus "predadores", que os comeriam apenas na medida certa, sem precisar caçar. Sem contar germes. Os criacionistas tem que fugir de qualquer jeito disso, porque simplesmente não é o que eles querem.

Offline West

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.888
  • Sexo: Masculino
  • "Como um grão de poeira suspenso num raio de sol"
Re:A Evolução do Criacionismo
« Resposta #4 Online: 08 de Julho de 2012, 11:25:08 »
Não é difícil, uma vez aceitando a base da idéia de "criação inteligente", sustentar que não só o desenho das criações não é tão inteligente assim, como que há não um, mas vários criadores -- é um dos modos mais razoáveis de se dar conta do problema da existência de uma cadeia alimentar, em vez de autotrofia generalizada, ou ainda, seres que se sacrificassem voluntariamente aos seus "predadores", que os comeriam apenas na medida certa, sem precisar caçar. Sem contar germes. Os criacionistas tem que fugir de qualquer jeito disso, porque simplesmente não é o que eles querem.

Quanto a isso, os criacionistas fazem uma reserva mental: intimamente, para eles a causa da imperfeição natural é meramente sobrenatural (diabo/pecado original), mas como não podem recorrer a essa explicação sob pena de caírem no ridículo se eximem de declará-la.
"Houve um tempo em que os anjos perambulavam na terra.
Agora não se acham nem no céu."
__________
Provérbio Iídiche.

"Acerca dos deuses não tenho como saber nem se eles existem nem se eles não
existem, nem qual sua aparência. Muitas coisas impedem meu conhecimento.
Entres elas, o fato de que eles nunca aparecem."
__________
Protágoras.Ensaio sobre os deuses. Séc. V a.C.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!