Autor Tópico: Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil  (Lida 5065 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline uiliníli

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.107
  • Sexo: Masculino
Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Online: 02 de Janeiro de 2013, 19:32:19 »
Como ateus, tendemos a ser bastante críticos com o crescimento das religiões pentecostais no Brasil. O autor deste texto, porém, aponta alguns supostos benefícios que ele pode trazer para os estratos mais pobres da sociedade. Não concordo com todos os seus argumentos, mas também não discordo de alguns pontos.


Citar
How Brazil Benefits from Being World's Most Pentecostal Country         
2008 - October 2008
Written by Raúl Zibechi      
Wednesday, 15 October 2008 02:58

In several Latin American social movements a new reading is emerging of the role being played by Pentecostal churches in poor urban neighborhoods and their political consequences. "Pentecostalism is the largest self-organized movement of urban poor in the world," according to the U.S. urban specialist Mike Davis. His opinions on this religious movement tend to be rejected outright by many leftist intellectuals. However, Davis is convinced that "many people on the left have made the mistake of assuming that Pentecostalism is a reactionary force-and it's not."
Davis is not just being provocative. He is opening minds to conduct research without ideological prejudices and to view reality based on the people's needs. He explains that among the urban poor in Latin America, Pentecostalism is a religion of women that produces real material benefits.
"Women who join the church, and who can get their husbands to join with them, often see significant increases in their standard of living: the men are less likely to drink, or whore, or gamble all their money away."
We should add that it also decreases domestic violence. Davis believes that one of the great attractions of Pentecostalism is that "it's a kind of para-medicine." The health of the poor is in permanent crisis and can destabilize their lives, wherever neoliberalism has devastated state health services, and the prices of medicines are sky high.
He states that in peripheral areas Pentecostals have been successful in curing alcoholism, neuroses, and obsessions. With some irony, he defines it as a kind of "spiritual health delivery system."
Brazil, a Pentecostal Paradise
In mid-August 2008, a group of activists from urban social movements called a meeting in Brazil titled "Course on Unorthodox Thoughts." For three days, a hundred young people debated about social work in the urban peripheries.
Marco Fernandes, an historian and social psychologist who participates in the Homeless Workers Movement (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, MTST) (1), was interested in deeper research on the question of Pentecostal churches and arrived at conclusions similar to Davis's.
In Brazil, the Catholic religion is in crisis. In 1980, 89% of the Brazilian population called itself Catholic; in the 2000 census, the figure fell to 74%, and by 2007, when the Pope visited the country, to 64%. In 1980, John Paul II had crowds of two million people, but by 2007 Benedict XVI could draw only 800,000.
He was far from topping records for mass gatherings. Three million showed up in São Paulo for the last gay pride day; 1.5 million attended the Rolling Stones concert in Rio de Janeiro; and, to the Vatican's shame, every year evangelical churches draw one or two million of the faithful for their march for Jesus.
Brazil is at once the country with the most Catholics, but also with the most Pentecostals in the world, with some 24 million faithful, in comparison to only 5.8 million in the United States, where this branch of Protestantism originated.
However, Pentecostals are a social and political force, not just religious. In a historical irony, the largest left party on the continent, the Workers Party (PT), created by the Catholic Church and other entities, came into power with a Pentecostal vice president, José Alencar.
The Universal Church of the Kingdom of God to which he belongs controls 70 television and 50-plus radio stations, a bank, several newspapers, and has 3,500 temples. (2) Its Record TV Network vies for the largest audience against the legendary Globo Network and earns a billion dollars a year.
Of the 550 total legislative representatives, 61 are Pentecostals, and 91 call themselves militant Catholics. The vice president's Brazilian Republican Party (PRB), created in 2005 and linked to the Universal Church, is the fastest growing political force in the country.
"Anyone living in the urban peripheries of today's Brazil, where I have lived for years, can confirm that this is an important phenomenon. Many participants in the Homeless Workers Movement are also members of the local Pentecostal church. We cannot forget that religion played an important role in the formation of our left," says Fernandes. (3)
To understand the challenge of Pentecostals to social movements, Fernandes maintains that we have to reject ideological prejudices. He says there is a reason why the PRB grew in less than a year "from a thousand members to a hundred thousand," something no other party has done. Fernandes's first goal is to understand why they can mobilize so many people.
"A few months ago, the Universal Church organized an event at the Botafogo beach in Rio to raise funds to extend their radio network, and 650,000 people attended, in a city of 10 million. In São Paulo last year, the march for Jesus organized by the all Pentecostal churches working together drew 2.5 million."
An Alternative in the Slums
Fernandes states that in the slums, Pentecostals not only get many people away from alcohol, but also occasionally get them to give up drug trafficking and delinquency. And they do it without pressure.
"It's a question of giving people alternatives and hopes for a better future. Last night, I listened to a Pentecostal radio station, one of many. A guy called in who said he was out of work and drinking a lot. The pastor told him: 'I want you to know that I had this problem too.' The pastors put themselves in the other's place before giving advice."
This researcher-activist tells a personal story. A year ago, he suffered a deep depression due to the death of one of his best friends, who had been murdered in the slum, and this coincided with an accident suffered by several members of the movement. "I was alone at home, and I felt really bad and went outside, and some friends told me to go to the nearby Pentecostal church. Since I didn't feel good, I went with them. Usually in these cases, you sit to the side so as not to draw attention to yourself. But a church woman came over and told us we were special guests and sat us up in front of everyone. They introduced us, called us by name, and greeted us with songs."
He felt direct, personal treatment and a warm welcome, which he had not expected. "The service began with three pastors. First, a group of young girls came in singing and thanking God. They sing very nicely, because they rehearse a lot, clapping hands, dancing in rhythmic movements. Next came a group of women around 40 years old along with the church band, and they danced a samba rhythm but with Pentecostal words. Finally came a duo of adolescent girls singing and dancing. All that lasted about two hours, and then, the three pastors spoke, but only for some 20 minutes, reading the Bible. So, it was a party among the people, a club meeting, where the Pentecostal message was not central."
Fernandes, who is an atheist, confessed that he left church feeling very good, his anxiety had disappeared, and he felt "lighter." "The position of the chairs surprised me - not like in a traditional church, but in a large circle, like we do in the movements. People look at each other as they sing and do all that collective catharsis. And while I was there, I thought, we can do those things in our movements."
When we began to micro-analyze relations between Pentecostal churches and local residents, a few details appeared that explain these religions' success. "People live monotonous lives in their neighborhoods, where there is nothing to do on Sundays; the neighborhood is ugly and has no services, no movie theater, or soccer field. In those places, the only way to have an enjoyable experience is to go to the Pentecostal church, where you are going to have an impressive aesthetic experience, with music and dance, because they are not just looking for the truth but may only want to spend a pleasant moment, meet or make friends, feel part of a community."
Also, Pentecostal churches have childcare where mothers can leave their children while they go to the service. We should not forget that in movements in urban peripheries, as in the churches in those areas, the most active people are always and in all cases the mothers. Generally, they are young women, under 30, with several children and no partner or only short-term partners. The survival of the family depends on them, and they need entertainment too.
"In addition," says Fernandes, "the service is full of color and fragrances from incense that facilitate the catharsis. People dress in a very traditional way. The young women wear long skirts, not miniskirts, and the men often wear a suit to church. A bricklayer in a suit feels different." Catharsis is understood as an internal stirring that produces a sense of well-being, similar to what can be experienced at a rock concert or a football game.
Beyond Religion
In other Latin American countries, questions similar to Fernandes's arise among social activists. Among Argentina's piqueteros (unemployed picketers), as among country farmers organized in Guatemala, attempts have been made to understand why so many movement activists attend Pentecostal churches. In fact, movements and churches work among the same social sectors.
What is true is that the left's anticlerical discourses work only for the intellectuals who traditionally resisted understanding the symbolic function of religions and now, also, the positive material benefits for their members. The Universal Church, for example, has specialists in micro-enterprises who guide the faithful in establishing their small businesses and help them get out of unemployment.
Fernandes explains the enormous differences among the popular sectors between the current reality and that of the 1960s, the period when Ecclesiastic Base Communities (EBCs) contributed to the birth of several movements, including the landless movement, the central workers union (CUT) and even the PT.
"The EBCs had a very rational praxis, appropriate for schooled persons. That's why they excluded from their rituals the most cathartic popular sense of religions found in African-based sects and others. They were prejudiced against what they considered forms of alienation that distracted from the focus on political consciousness-raising, in their opinion."
The reason-based matrix in the base communities called for collective Bible reading as a way to understand reality. "It was appropriate for a period when the norm was the more or less structured nuclear family, the worker in industry or services with a steady job, children in school, and a future on the horizon. Neoliberalism ended all that for the popular sectors, and those methods no longer work. Here, the main actor is no longer the skilled worker, but the woman and her children, and they have no future in this society," according to Fernandes.
Homeless Movement
The Homeless Workers Movement grew out of the Landless Rural Workers Movement in 1997 in order to "coordinate land and urban struggles." The first large-scale occupation of urban land was carried out that same year in the city of Campinas, São Paulo state, with 5,200 families.
On July 19, 2003, the MTST set up an encampment on land owned by Volkswagen in São Paulo, and 4,000 families showed up to get housing. São Paulo's Social Democratic government sent the military police, which isolated the camp with sharpshooters in helicopters, and on August 9 attacked them, causing dozens of casualties and arrests. The occupation was abandoned.
The encampments build houses and community spaces for healthcare, education, and culture. They open popular libraries with donations from Venezuela and hold theater and movie events. They usually have family-based gardens for their own consumption and organize collective cleaning and healthcare projects. Many of the occupants are cardboard collectors who want to set up cooperatives to recycle and sell collectively. They have festivals with hip-hop bands, the music preferred by the young people in the peripheries.
Pentecostal religion allows everyone to have direct contact with the holy spirit, without pastoral mediation. "That direct contact is the catharsis, the celebration-what people want when they have no future in a society that allows no place for them."
Most of the faithful in peripheral areas do not belong to large churches, like the Universal Church, or the Assembly of God, but to small churches with strong local identity. "One can think that the smaller the church, the more direct the relations, face to face. People living on the same block don't know one another, but they discover each other at the Sunday service." In many peripheral neighborhoods, the only painted building, pretty but not ostentatious, is the Pentecostal church, often painted by the people themselves. The Pentecostal church creates a sense of belonging, of community.
Many activists feel a certain pessimism about the compatibility of the organizational work of social movements and Pentecostal churches. They remember that the Ecclesiastic Base Communities of the Catholic Church emerged in a very different political context and within the framework of the Second Vatican Council that fomented social justice and defended the "option for the poor."
"While Catholics never approved of riches, and this can be seen even in a conservative Pope like Benedict XVI, and although this can be considered a double discourse, the Pentecostals worship individual enrichment. That is why I think it is unlikely they will join social movements, although a few small groups do," says Fernandes.
What's interesting is that ideology-based reflection is being left behind. The desire for beauty, for communion through music and dance, is part of the praxis of Brazil's Landless Movement (MST), where it is called "mysticism" and plays a relevant role in the consolidation of collectives occupying lands.
But by and large, it has not been incorporated into social movements, especially in urban peripheries. Fernandes adds, "I am ever more convinced that if those of us in social movements are incapable of understanding that people feel a hunger for beauty, for joy, we will not grow, nor will we reach the population that needs change the most."
Crudely materialist discourse has made economic problems an almost exclusive concern for most groups on the left, which come from university-educated middle classes and are convinced that Pentecostal pastors exploit people's ignorance through money contributed by the faithful.
From his experience as a psychologist, Fernandes views it differently: "They forget that when people begin to go to the churches, they begin to feel better; they put their life back together, and, of course, who wouldn't pay money for that? Middle-class people don't think it absurd to pay a lot of money for a session of psychoanalysis, for just 50 minutes with a man who hardly speaks to you or looks at you. That seems correct, because it is a recognized 'scientific' practice. But that doesn't work for the popular classes."
End Notes
(1) http://www.mtst.info/?q=taxonomy/term/38.
(2) Luis Esnal, "Brasil: la hora de los pentecostales", La Nación, 20 Aug. 2006.
(3) Fernandes, interview by Zibechi, 9 Aug. 2008.
Sources
Davis, Mike, "De la ciudad de Blade Runner a la de Black Hawk derribado," Interview, 30 July 2006, http://www.sinpermiso.info/, Cited here from: Geoff Manaugh, "Interview with Mike Davis," posted May 22, 2006, http://bldgblog.blogspot.com/2006/05/interview-with-mike-davis-part-1.html and ... -part-2.html.
Esnal, Luis, "Brasil: la hora de los pentecostales," La Nación, 20 Aug. 2006.
Fernandes, Marco, interview by Raúl Zibechi, Brasilia, 9 Aug. 2008, MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto): http://www.mtst.info/.
For More Information
Asunción's Bañados Neighborhood: The Power of Community
http://americas.irc-online.org/am/5451
Raúl Zibechi is international analyst for Brecha of Montevideo, Uruguay, lecturer and investigator on social movements at the Multiversidad, and adviser to several social groups. He is a monthly collaborator with the Americas Policy Program (www.americaspolicy.org).
Translated from: Pentecostalismo y movimientos sociales en América del Sur by Danielle Youngblood and María Roof.

http://www.brazzil.com/articles/197-october-2008/10120-how-brazil-benefits-from-being-worlds-most-pentecostal-country.html
« Última modificação: 02 de Janeiro de 2013, 19:34:21 por uiliníli »

Offline Fabi

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.801
  • Sexo: Feminino
  • que foi?
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #1 Online: 03 de Janeiro de 2013, 01:56:09 »
A expansão evangélica não seria um problema se os pastores não se metessem na política, não exigissem dinheiro e mais dinheiro, e se não pregassem a intolerância e ódio ao diferente.

Eu sei que a igreja dá um pouco de esperança (num ambiente sem esperança como favelas e bairros pobres) mas não podemos esquecer da História. A igreja/religião supre um vazio, consegue poder e depois não quer mais largar o poder. Já vimos isso na Igreja Católica(Inquisição*, Censura), e não aprendemos nada com isso?


*To vendo um filme (sombras de goya) mostrando um pouquinho da Inquisição.
Difficulter reciduntur vitia quae nobiscum creverunt.

“Deus me dê a serenidadecapacidade para aceitar as coisas que não posso mudar, a coragem para mudar o que posso, e a sabedoria para saber a diferença” (Desconhecido)

Offline Metatron

  • Nível 25
  • *
  • Mensagens: 1.192
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #2 Online: 03 de Janeiro de 2013, 13:18:25 »
O que me assusta mais nesta expansão evangélica é a perigosa intolerância por eles pregada.

Não demora muito e teremos no Brasil uma nova Noite de São Bartolomeu às avessas, ou seja, os protestantes promovendo um genocídio daqueles que não pensam como eles...
"Faça amor, não faça a guerra."

Offline uiliníli

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.107
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #3 Online: 03 de Janeiro de 2013, 14:26:17 »
Eu concordo quanto a tudo isso, mas tem outras observações interessantes nessa reportagem. Por exemplo, eu não sabia que a IURD tinha especialistas em micro-empresas que ajudam os fiéis com seus próprios negócios. Há uma rede de ajuda mútua atuando dentro das periferias, o que é algo bem interessante. A gente tem a ideia fixa de que Edir Macedo e cia só pensam em sugar o máximo possível dos fiéis... e provavelmente é verdade... mas eles também precisam que seus fiéis tenham uma certa estabilidade financeira para garantir o fluxo de caixa e para esse papo todo de bençãos divinas atingidas a curto prazo colar.

Eu também tenho certas dúvidas sobre até que ponto a fé ajuda com os problemas de abuso de álcool e outras drogas, violência doméstica, etc. Mas estamos falando de regiões muito carentes onde a presença do estado é muito pequena, então algo pouco efetivo é melhor do que nada. Creio que seja um pouco como a questão da abstinência versus educação sexual: a abstinência funciona pior do que uma conversa honesta e madura sobre o tema, mas ainda é melhor do nenhuma conversa. Os evangélicos eventualmente vão beber e usar drogas como qualquer pessoa, mas acho que eles vão usar menos do que se não recebessem conscientização nenhuma.

E mais importante do que o discurso moralista contra as drogas é o ambiente de socialização que ela oferece, com opções de lazer para a juventude, como música, teatro e, por mais que os pastores não gostem muito da ideia, até de paquera.

Então por mais que tenhamos restrições quanto a um país mais evangélico, acho que pode haver um lado positivo também.

Offline bylex

  • Nível 04
  • *
  • Mensagens: 44
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #4 Online: 03 de Janeiro de 2013, 15:53:14 »
A expansão evangélica não seria um problema se os pastores não se metessem na política, não exigissem dinheiro e mais dinheiro, e se não pregassem a intolerância e ódio ao diferente.

Eu sei que a igreja dá um pouco de esperança (num ambiente sem esperança como favelas e bairros pobres) mas não podemos esquecer da História. A igreja/religião supre um vazio, consegue poder e depois não quer mais largar o poder. Já vimos isso na Igreja Católica(Inquisição*, Censura), e não aprendemos nada com isso?


*To vendo um filme (sombras de goya) mostrando um pouquinho da Inquisição.

Não aprendemos nada. Afinal, o Brasil alguma vez sequer aprendeu com a sua história? Aqui ninguém se quer aprende com coisas que distam apenas em meses, quem dirá séculos...


Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #5 Online: 03 de Janeiro de 2013, 16:14:00 »
A expansão evangélica não seria um problema se os pastores não se metessem na política, não exigissem dinheiro e mais dinheiro, e se não pregassem a intolerância e ódio ao diferente.

Eu sei que a igreja dá um pouco de esperança (num ambiente sem esperança como favelas e bairros pobres) mas não podemos esquecer da História. A igreja/religião supre um vazio, consegue poder e depois não quer mais largar o poder. Já vimos isso na Igreja Católica(Inquisição*, Censura), e não aprendemos nada com isso?


*To vendo um filme (sombras de goya) mostrando um pouquinho da Inquisição.

Pois a melhor consequência do avanço evangélico no Brasil é justamente a diminuição do poder da ICAR. Note que o número de fieis dessas igrejas tem aumentado à custa da diminuição do número de católicos. O fato de existirem diversas igrejas desse tipo ainda contribui para uma pulverização do seu poder político. Não estou dizendo que deviamos ficar felizes com a proliferação dessas denominações mais fanáticas, mas pelo menos podemos esperar um enfraquecimento do poder do Vaticano por estas bandas.
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Metatron

  • Nível 25
  • *
  • Mensagens: 1.192
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #6 Online: 03 de Janeiro de 2013, 17:06:41 »
Uinilini, tudo isto se resolveria com Educação, não precisa submeter a população a uma religião tão castrativa, intolerante e sectarista quanto o evangelismo.
"Faça amor, não faça a guerra."

Offline Contini

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.610
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #7 Online: 03 de Janeiro de 2013, 17:10:04 »
A expansão evangélica não seria um problema se os pastores não se metessem na política, não exigissem dinheiro e mais dinheiro, e se não pregassem a intolerância e ódio ao diferente.

Eu sei que a igreja dá um pouco de esperança (num ambiente sem esperança como favelas e bairros pobres) mas não podemos esquecer da História. A igreja/religião supre um vazio, consegue poder e depois não quer mais largar o poder. Já vimos isso na Igreja Católica(Inquisição*, Censura), e não aprendemos nada com isso?


*To vendo um filme (sombras de goya) mostrando um pouquinho da Inquisição.

Pois a melhor consequência do avanço evangélico no Brasil é justamente a diminuição do poder da ICAR. Note que o número de fieis dessas igrejas tem aumentado à custa da diminuição do número de católicos. O fato de existirem diversas igrejas desse tipo ainda contribui para uma pulverização do seu poder político. Não estou dizendo que deviamos ficar felizes com a proliferação dessas denominações mais fanáticas, mas pelo menos podemos esperar um enfraquecimento do poder do Vaticano por estas bandas.
Minha preocupação é justamente se eles resolvem se organizar... Se bem que até agora a competição de mercado tem sido feroz entre eles.
"A idade não diminui a decepção que a gente sente quando o sorvete cai da casquinha"  - anonimo

"Eu não tenho medo de morrer, só não quero estar lá quando isso acontecer"  - Wood Allen

    “O escopo da ciência é limitado? Sim, sem dúvida: limitado a tratar daquilo que existe, não daquilo que gostaríamos que existisse.” - André Cancian

Offline uiliníli

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.107
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #8 Online: 03 de Janeiro de 2013, 17:17:07 »
Uinilini, tudo isto se resolveria com Educação, não precisa submeter a população a uma religião tão castrativa, intolerante e sectarista quanto o evangelismo.

É uilinili :P
E sim, eu concordo com você. O problema é que a educação não chega até eles.
Meu ponto é justamente que em comunidades muito carentes, essa religião castrativa, intolerante e sectarista ainda é melhor do que nada.

Offline João da Ega

  • Nível 21
  • *
  • Mensagens: 774
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #9 Online: 04 de Janeiro de 2013, 10:58:41 »
Uinilini, tudo isto se resolveria com Educação, não precisa submeter a população a uma religião tão castrativa, intolerante e sectarista quanto o evangelismo.

É uilinili :P
E sim, eu concordo com você. O problema é que a educação não chega até eles.
Meu ponto é justamente que em comunidades muito carentes, essa religião castrativa, intolerante e sectarista ainda é melhor do que nada.

Eu concordo, Uilinili. embora ficando puto que pastores estejam andando com carrões importados às custas dos pobres.

Sei que é evidência anedótica, mas é um sujeito que conheço: agricultor, analfabeto, casa miserável. tudo que ganhava, bebia de cachaça. chegava em casa, batia na mulher, etc.
"Aceitou Jesus", paga os dez por cento de tudo que ganha, mas agora já comprou até uma moto (é analfabeto, mas pilota moto, não tem fiscalização no interior).
Conclui-se que pra ele foi melhor dar 10% pro pastor que 100% pro dono do boteco. Sem esquecer que essas igrejas são "castrativas, intolerantes e sectárias"
(Não sei que terror a Igreja faz pra esses pinguços deixarem o vício).

Off Topic: esse Ademus ad montem fodere puctas cum porribus nostrus é sacanagem, né? poruqe a tradução do google tradutor é Agricultura de montanha a cavar com puctas novamente para a nossa
« Última modificação: 04 de Janeiro de 2013, 11:05:44 por João da Ega »
"Nunca devemos admitir como causa daquilo que não compreendemos algo que entendemos menos ainda." Marquês de Sade

Offline uiliníli

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.107
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #10 Online: 04 de Janeiro de 2013, 11:19:42 »
É desse tipo de coisa que eu estou falando. Nem eu e nem você cremos que a religião seja a melhor opção para alguém dar um jeito na sua vida. Mas é um jeito, e provavelmente o jeito mais amplamente disponível.

[off]A tradução é "Vamos à montanha plantar batatas com nossas enxadas :P

Offline EuSouOqueSou

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.989
  • Sexo: Masculino
  • Question not thy god, for thy god doth not respond
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #11 Online: 04 de Janeiro de 2013, 15:35:57 »
uiuiuiuililliniiniilliiillini, vc esqueceu um smile no título do tópico, não foi? :P
Qualquer sistema de pensamento pode ser racional, pois basta que as suas conclusões não contrariem as suas premissas.

Mas isto não significa que este sistema de pensamento tenha correspondência com a realidade objetiva, sendo este o motivo pelo qual o conhecimento científico ser reconhecido como a única forma do homem estudar, explicar e compreender a Natureza.

Offline Hold the Door

  • Editores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.656
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #12 Online: 07 de Janeiro de 2013, 18:39:10 »
Pois a melhor consequência do avanço evangélico no Brasil é justamente a diminuição do poder da ICAR. Note que o número de fieis dessas igrejas tem aumentado à custa da diminuição do número de católicos. O fato de existirem diversas igrejas desse tipo ainda contribui para uma pulverização do seu poder político. Não estou dizendo que deviamos ficar felizes com a proliferação dessas denominações mais fanáticas, mas pelo menos podemos esperar um enfraquecimento do poder do Vaticano por estas bandas.

Eu não consigo enxergar isso como vantagem. Principalmente porque o Vaticano já vinha perdendo poder no mundo e no Brasil, há tempos, mesmo antes da explosão neopentecostal. E isso vinha acontecendo às custas dos "católicos não praticantes", ou seja, daquelas pessoas que se dizem católicos, mas na prática não são tão engajados a ponto de eleger um lobby poderoso no Congresso, como fazem os evangélicos. Faz tempo que a ICAR já não mandava mais nada aqui no Brasil

E os evanglélicos, apesar da diversidade de igrejas, ainda seguem o lema "evangélico vota em candidato evangélico", o que faz com que lentamente eles aumentem a influência na política. Um Congresso com representantes de diversas igrejas, mas de maioria absolutamente evangélica, não é mais um pesadelo tão distante assim. E, apesar da disputa de poder, eles têm uma agenda em comum, que invariavelmente inclui intolerância religiosa, sexual ou de qualquer coisa que eles considerem não cristã.
Hold the door! Hold the door! Ho the door! Ho d-door! Ho door! Hodoor! Hodor! Hodor! Hodor... Hodor...

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.244
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #13 Online: 07 de Janeiro de 2013, 22:11:37 »
Eu concordo quanto a tudo isso, mas tem outras observações interessantes nessa reportagem. Por exemplo, eu não sabia que a IURD tinha especialistas em micro-empresas que ajudam os fiéis com seus próprios negócios. Há uma rede de ajuda mútua atuando dentro das periferias, o que é algo bem interessante.

Um dos problemas é que eles são orientados para que façam negócios preferencialmente entre eles mesmos, segundo um ex-funcionário que era "obreiro" de uma certa... igreja neopentecostal. E a rede de ajuda mútua não é feita de maneira desapegada, de tons humanistas, pois sempre tem a "mão suja" de algum membro mais importante e cuja finalidade última é a "grana".


A gente tem a ideia fixa de que Edir Macedo e cia só pensam em sugar o máximo possível dos fiéis... e provavelmente é verdade... mas eles também precisam que seus fiéis tenham uma certa estabilidade financeira para garantir o fluxo de caixa e para esse papo todo de bençãos divinas atingidas a curto prazo colar.

Ou seja, o bem-estar não é a finalidade última e sim o meio pelo qual a caterva de vagabundos usa para enriquecer.


Então por mais que tenhamos restrições quanto a um país mais evangélico, acho que pode haver um lado positivo também.

Eu tenho severas dúvidas.
« Última modificação: 08 de Janeiro de 2013, 07:22:40 por Geotecton »
Foto USGS

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.244
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #14 Online: 07 de Janeiro de 2013, 22:13:02 »
Pois a melhor consequência do avanço evangélico no Brasil é justamente a diminuição do poder da ICAR. Note que o número de fieis dessas igrejas tem aumentado à custa da diminuição do número de católicos. O fato de existirem diversas igrejas desse tipo ainda contribui para uma pulverização do seu poder político. Não estou dizendo que deviamos ficar felizes com a proliferação dessas denominações mais fanáticas, mas pelo menos podemos esperar um enfraquecimento do poder do Vaticano por estas bandas.

Eu não consigo enxergar isso como vantagem. Principalmente porque o Vaticano já vinha perdendo poder no mundo e no Brasil, há tempos, mesmo antes da explosão neopentecostal. E isso vinha acontecendo às custas dos "católicos não praticantes", ou seja, daquelas pessoas que se dizem católicos, mas na prática não são tão engajados a ponto de eleger um lobby poderoso no Congresso, como fazem os evangélicos. Faz tempo que a ICAR já não mandava mais nada aqui no Brasil

E os evanglélicos, apesar da diversidade de igrejas, ainda seguem o lema "evangélico vota em candidato evangélico", o que faz com que lentamente eles aumentem a influência na política. Um Congresso com representantes de diversas igrejas, mas de maioria absolutamente evangélica, não é mais um pesadelo tão distante assim. E, apesar da disputa de poder, eles têm uma agenda em comum, que invariavelmente inclui intolerância religiosa, sexual ou de qualquer coisa que eles considerem não cristã.

Exatamente.
Foto USGS

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.283
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #15 Online: 07 de Janeiro de 2013, 22:14:12 »
Eu tenho severas dúvidas.

Sendo muito bonzinho.
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Luiz Souto

  • Nível 33
  • *
  • Mensagens: 2.356
  • Sexo: Masculino
  • Magia é 90% atitude
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #16 Online: 07 de Janeiro de 2013, 22:18:47 »
Citar
Nós contra o mundo
Pentecostais ajudam na inserção social dos mais pobres, mas criam uma guerra espiritual: fora da igreja só existe o Diabo

Marcos Alvito
1/12/2012

   

    Daqui a 20 minutos,quando você terminar de ler este artigo, haverá mais 350 pessoas convertidas à fé evangélica mundo afora. Trata-se de uma “onda evangélica” que avança inclusive nas grandes metrópoles do Ocidente, como Londres e Paris, onde esses religiosos estão cada vez mais presentes nos bairros de imigrantes. E, como sabemos, no Brasil.

    Seja onde for, a corrente que puxa essa multiplicação de fiéis é representada pelas igrejas pentecostais. No Brasil, elas se concentram nas áreas pobres dos centros urbanos, onde ainda se encontram altos índices de analfabetismo (cerca de 8,6%, embora esteja decrescendo também entre eles) e onde a renda per capita é de até um salário-mínimo. Quase um terço dos pentecostais vive em situação de pobreza aguda, com renda familiar per capita igual ou inferior a meio salário-mínimo. Multiplicam-se, sobretudo, nessas regiões onde grassam com mais força o desemprego, a violência, o estigma da pobreza cotidianamente realimentado pelos meios de comunicação, o preconceito racial ou étnico, a inexistência ou deficiência dos equipamentos públicos, o sistema escolar deteriorado e a precariedade das moradias.

    Estão nas áreas urbanas das grandes metrópoles dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo e no Nordeste, mas também têm forte presença nas regiões Norte e Centro-Oeste. Os fiéis estão entre os mais jovens de todas as religiões (média de 27 anos de idade) e são, na maioria, mulheres: quase 20% mais numerosas que os homens. Quanto à cor declarada pelos próprios fiéis, quase 60% dos pentecostais são negros (8,5%) e pardos (48,9%), o que corresponde a um número 13% acima da média nacional.

    A visão de mundo compartilhada pelos pentecostais é bastante peculiar. Há uma oposição binária entre o “mundo” e a “igreja”. O “mundo” é o espaço do pecado, da violência, do vício da bebida ou da droga, do sofrimento cotidiano, do Mal. Quem governa o “mundo” é o Diabo, uma figura central no culto pentecostal, continuamente evocada para explicar as dificuldades, as agruras e as tragédias vividas pelos fiéis. O Diabo estaria sempre à espreita, tentando desviar o fiel do caminho de Deus, criando-lhe problemas para enfraquecer sua fé. Deus governaria a “igreja”, a comunidade de fiéis reunida por um pastor, que os guiaria no caminho reto. Os cultos pentecostais representam uma verdadeira dramatização desta contínua batalha entre o Bem e o Mal, entre Deus e o Diabo.

    Mas para entender uma religião, não se pode levar em conta somente a doutrina. Estudiosos da religiosidade sabem que a fé não nasce da meditação silenciosa, e sim na participação nos cultos coletivos. Eles permitem ao fiel se “reaquecer moralmente”, vivenciando a fé como “calor, vida e o entusiasmo que transportam o indivíduo para além de si mesmo”, como já escreveu Émile Durkheim (1858-1917). Os cultos pentecostais são extremamente “quentes”, com uma estrutura pautada no diálogo constante entre o pastor (ou pastora) e os fiéis, uso frequente de músicas, manifestações corporais intensas e testemunhos dos seguidores. Os líderes religiosos muitas vezes são pessoas da localidade, que vivem a mesma vida e têm os mesmos problemas que seus fiéis, além de falarem a mesma “linguagem”. Os cultos são diários, costumam durar duas horas, e continuamente reafirmam o pertencimento do fiel à igreja.

    Ao contrário do dito popular, na religião o que vale não é o “ver para crer”, mas sim o contrário: aquele que crê começa a ver, começa a pensar e a visualizar o mundo segundo seus preceitos. A crença lhe dá uma arma poderosíssima para enquadrar tudo o que ocorre no mundo. Nada fica sem explicação. No caso da pentecostal, isso é facilitado por aquela oposição binária entre Bem e Mal, Deus e o Diabo, a igreja e o mundo. Tudo o que acontece com o fiel ou em torno dele pode ser encaixado neste esquema de pensamento. Em um mundo hostil, complexo, em que a velocidade das mudanças é tremenda, em que tudo parece ser posto em xeque e relativizado, a chave binária pentecostal é eficiente e tranquilizadora.

    Além disso, a igreja, formada pela comunidade de fiéis, atua como uma rede de proteção social, fornecendo apoio psicológico e até material a uma população que vive em situação de grande vulnerabilidade social. Funciona como um círculo de solidariedade entre os fiéis, que se tornam amigos, conseguem empregos uns para os outros, envolvem-se em namoros e casamentos, solidificando ainda mais estes laços “internos”. Em áreas degradadas e estigmatizadas, pertencer a uma igreja evangélica eleva o status do fiel perante seus vizinhos e mesmo diante dos empregadores, aumentando a possibilidade de ascensão profissional e relativo sucesso financeiro. Afinal, outro traço frequente em boa parte das igrejas pentecostais reside na chamada Teologia da Prosperidade – a ideia de que os fiéis estão destinados à riqueza e à felicidade, desde que demonstrem generosidade em suas ofertas a Deus.

    O avanço pentecostal teve consequências dramáticas em outras esferas. Como sua visão de mundo é marcada pela ideia de uma guerra espiritual, seus concorrentes principais no campo religioso são considerados demoníacos. Expressam hostilidade em relação aos católicos, por defenderem que somente os evangélicos merecem ser chamados de “cristãos”. Combatem incessantemente os cultos afro-brasileiros, umbanda e candomblé, abarcados por termos depreciativos, como macumbaria, feitiçaria e magia negra. Este ataque cerrado é mais agudo entre determinadas igrejas da subcorrente neopentecostal, das quais a mais famosa é a Igreja Universal do Reino de Deus, que trata de incorporar práticas mágicas existentes nas religiões afro-brasileiras, mas dando a elas um significado invertido e “positivo”. Se o banho de ervas do lado de lá é “macumbaria”, do lado de cá há o “sabão ungido”. Esta “guerra espiritual” não se restringe aos templos, mas alcança as ruas, as escolas e até mesmo o Congresso Nacional, onde a bancada evangélica (sobretudo pentecostal) cresceu 50% em relação à última legislatura.

    Quem não está com você está contra você. A visão dicotômica dos pentecostais não é nada gentil com as religiões afro-brasileiras, parte importante do patrimônio cultural brasileiro. Frente a essa visão de mundo, a invenção de formas de convivência pacífica entre diferentes religiões – em respeito à lei brasileira – será um desafio cada dia mais importante para todos nós.


    Marcos Alvito é professor da Universidade Federal Fluminense e autor de As Cores de Acari (Editora da Fundação Getulio Vargas, 2001).

     

     
    Saiba Mais - Bibliografia

    CAPUTO, Stela Guedes. Educação nos Terreiros – e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

    MAFRA, Clara. Os evangélicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

    MARIANO, Ricardo. “Crescimento pentecostal no Brasil: fatores internos”, em Rever, Revista de Estudos da Religião, dezembro de 2008.

    PRANDI, Reginaldo. Herdeiras do Axé. São Paulo: Hucitec, 1996.

    Saiba Mais -  Internet

    Revista USP
    MARIANO, Ricardo. “Igreja Universal do Reino de Deus: a magia institucionalizada”.
    http://www.usp.br/revistausp/31/11-ricardo.pdf

    Saiba Mais - Filme

    “Santo Forte”, de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Cecip/RioFilme. Link: http://eduardocoutinho.blogspot.com.br/2007/09/santo-forte.html
  Fonte Revista de História da BN

Citar
Multiplicação sem milagre
Crescimento dos neopentecostais não é fruto de maior religiosidade, mas de valores contemporâneos, como o individualismo

Orivaldo Pimentel Lopes Júnior
1/12/2012

 
    Manhã de domingo, periferia de Natal. Os fiéis da Igreja Pentecostal Santuário da Fé, apesar da chuva fina, montam algumas mesas de plástico na calçada, sob a marquise na frente da igreja. Sobre as mesas, uma variedade de frutas, pãezinhos, sucos, café. Do fundo vem o som animado de uma música gospel, e os participantes se servem enquanto dançam, riem e convidam os passantes a participar do encontro.

    Naquele mesmo bairro de Felipe Camarão funcionam outras 86 igrejas evangélicas. Dez anos atrás, eram 33. Trata-se de uma tendência nacional: enquanto nos últimos 50 anos a população brasileira cresceu 63,2%, o número de evangélicos quase dobrou de tamanho (aumentou 93,3%). A razão pode estar na criatividade e na ousadia evangelística das igrejas neopentecostais,como a Santuário da Fé. Ou na sensação de segurança que os membros da vizinha Metodista Pentecostal celebram ao cantar com vibração: “Solta o cabo da nau/ E navega com fé em Jesus/ Pois com ele seguro serás”. Entretanto, fatores como criatividade ou a produção de uma sensação de segurança apenas descrevem a realidade, mas, isoladamente, não têm força para explicar os elementos imponderáveis dos fenômenos humanos que estão por trás da mudança do quadro religioso no Brasil.

    O povo brasileiro sempre foi muito religioso. Nos últimos censos, mais surpreendente do que o crescimento dos evangélicos é o aumento daqueles que se declaram sem religião. Em 1960, estes eram apenas 0,5% da população. Em 2010, o percentual chegou a 8%. Esse aumento paulatino e significativo do número de pessoas avessas à adesão formal a uma religião instituída parece indicar que a religiosidade brasileira está diminuindo, pelo menos em sua face institucional. Curioso, pois não é a impressão que se tem ao ligar a TV ou observar as ruas das grandes cidades.

    Ocorre que, até os anos 1960, praticamente todos os brasileiros se diziam católicos. Era uma identidade tão natural quanto o fato de falar português ou comer feijão com arroz. A hierarquia católica assentou-se tranquilamente sobre este fato, e cuidava apenas de manter os símbolos cristãos à disposição nos centros das cidades, nas escolas, nos lares e nas repartições públicas. Em uma geração, ou meio século, o quadro mudou. Antes meros 4% da população, os evangélicos no Brasil já são 22,2%. No caminho inverso, o catolicismo recuou.

    Em 1872, os católicos brasileiros chegavam a 99,7% da população. Um dos marcos do protestantismo no país ocorreu em 1910, quando surgiram simultaneamente, em Sorocaba, São Paulo e Belém do Pará, as duas maiores igrejas pentecostais brasileiras: Congregação Cristã do Brasil e Assembleia de Deus. A partir desse momento, junto com as protestantes de migração (que já estavam aqui desde o início do século XIX) e as protestantes de missão (vindas na segunda metade daquele século), passam a ameaçar o monopólio religioso do catolicismo. Mas não se rompeu um traço cultural instituído por séculos com um punhado de igrejas espalhadas pelo vasto território brasileiro. Era uma presença incômoda de fato, mas só era incômoda porque era exótica. Não ser católico era uma agressão ao instituído, pois negava a brasilidade, traía a família e introduzia a desordem.

    Ao longo do século XX, a identificação automática com uma religião passa a ser questionada. Quebrada a estrutura de coerção cultural, mais recentemente as pessoas passaram a se sentir livres para dizer “Sou sem religião”. Ou para optar por outras formas de pregação. Resultado: em 2010, os católicos não passavam de 64,6%.

    O interessante é constatar que o catolicismo “praticante”, responsável pela ocupação dos templos, tem aumentado. A histórica adesão automática a essa religião fez surgir no país a categoria de “católico não praticante”. São estes que, livres para escolher, se afastam de uma opção da qual já não eram próximos. Afinal, se os 123.280.172 católicos no Brasil se reunissem em templos e capelas, numa média de 123 pessoas em cada um deles, o território nacional precisaria ter um milhão de templos. Porém, só para se ter uma ideia, no mesmo bairro de Natal onde está a Igreja Pentecostal Santuário da Fé, para dar conta dos quase 40.000 moradores que se declaram católicos, deveria haver 350 locais de culto. Mas só existem dois templos e duas pequenas capelas.

    Quem são os evangélicos brasileiros?A maioria é pentecostal – entre60% e 80%. Convencionou-se classificá-los em três subgrupos: os da primeira onda são aqueles surgidos na primeira metade do século XX – como Assembleia de Deus e Congregação Cristã do Brasil; os da Cura Divina, ou segunda onda, surgiram nos anos 1950 – como Deus é Amor e Brasil para Cristo; e os neopentecostais se consolidaram entre as décadas de1970 e 1980 – como a Igreja Universal do Reino de Deus e a Igreja Internacional da Graça de Deus.

    O termo neopentecostal, apesar de consagrado, dá margem a certas confusões. Nem todas as centenas de novas denominações pentecostais que surgem são neopentecostais. O “neo” se refere à forma de ser pentecostal, e não ao tempo em que surgiu a Igreja. Devido ao sucesso, ao profissionalismo de sua aplicação e, especialmente, à crise da modernidade, práticas neopentecostais, como “declaração” de vitória e prosperidade, cânticos triunfalistas, segmentação de “mercado”, especialização litúrgica em torno de determinados temas como casamento, trabalho e doenças, estão presentes em qualquer tipo de igreja evangélica, e até mesmo em algumas católicas.

    Enquanto não foi quebrado o monopólio do catolicismo, o Brasil permaneceu à margem daquilo que se convencionou chamar de modernidade ocidental. Racionalidade econômica, ordenação jurídica do Estado laico e democrático, universalização do ensino, mudanças na estrutura agrária, entre outros elementos que caracterizam a modernidade, só ocorreram paralelamente às mudanças culturais próprias do fim do monopólio religioso católico. A insistência pioneira do protestantismo e do pentecostalismo em quebrar esse monopólio permitiu o florescimento de um modo alternativo de se pensar a sociedade. Contudo, em menos de um século a nação caminhou para uma modernidade globalizada e consumista, na qual a religiosidade das soluções mágicas e imediatas encontrou larga aceitação.

    Resultado: a religião que mais cresce no Brasil de hoje é aquela que resolve os problemas individuais e distribui benefícios simbólicos imediatos ou celestiais, mas que tem pouco a dizer à sociedade. Seus efeitos políticos ainda são, em sua maioria, eleitoreiros e corporativistas. As atividades sociais que ela promove não obtêm impacto significativo na coletividade. Compõe a paisagem, mas não chega a imprimir uma nova mentalidade.

    Novembro de 2009, periferia de Natal. O pastor Edmilson de Melo, do Ministério Pentecostal Unidos por Cristo, é assassinado durante uma vigília de oração em uma duna da região – uma das mais violentas da cidade. O assunto não despertará a atenção dos membros da Igreja Metodista Pentecostal, no mesmo bairro. Nem da sua vizinha, a Igreja Pentecostal Santuário da Fé, ocupada em promover seu apetitoso café da manhã para atrair mais fiéis.

     

    Orivaldo Pimentel Lopes Júnior é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e autor de “Protestantismo, Democracia e Violência”, no livro Novas Perspectivas sobre o Protestantismo Brasileiro (Edições Paulinas, 2009).

     

    Saiba Mais - Bibliografia

    BURITY, Joanildo A. Redes, parcerias e participação religiosa nas políticas sociais no Brasil. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2006.

    CAMPOS, Leonildo Silveira. Teatro, tempo e mercado: organização e marketing de um empreendimento neopentecostal. São Paulo: Vozes e Umesp, 1997.

    MARIANO, Ricardo. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Loyola, 1999.

Fonte: Revista de História da BN
Se não queres que riam de teus argumentos , porque usas argumentos risíveis ?

A liberdade só para os que apóiam o governo,só para os membros de um partido (por mais numeroso que este seja) não é liberdade em absoluto.A liberdade é sempre e exclusivamente liberdade para quem pensa de maneira diferente. - Rosa Luxemburgo

Conheça a seção em português do Marxists Internet Archive

Offline Hold the Door

  • Editores
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.656
  • Sexo: Masculino
Hold the door! Hold the door! Ho the door! Ho d-door! Ho door! Hodoor! Hodor! Hodor! Hodor... Hodor...

Offline Filosofo Superficial

  • Nível 14
  • *
  • Mensagens: 340
  • Só vemos o que queremos ver
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #18 Online: 08 de Janeiro de 2013, 00:40:23 »
Pelo que li as vantagens são muito mais para que está dentro da instituição do que os de fora, e as vantagens poderiam ser atingidos por outros meios, especialmente educação, mas educação é perigosa, não nego, há pontos positivos, mas vejo mais o "papel do diabo" do que uma ação "santa".

Citar
"E assim, disfarço minha vileza nua com velhas variedades roubadas da escritura sagrada
e pareço um santo quando na maior parte faço o papel do diabo"
"Se vivemos num mundo com tantas dimensões, como podemos fazer a distinção entre Ilusão e Realidade?"

"Enquanto não se escolhe, tudo permanece possível"

Offline homemcinza

  • Nível 23
  • *
  • Mensagens: 912
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #19 Online: 08 de Janeiro de 2013, 02:39:16 »
http://www.istoe.com.br/reportagens/173822_O+AVANCO+DA+RIVALIDADE+RELIGIOSA

Na Ilha do Governador, na zona norte, há denúncias na 4ª DP de representantes de religiões afrobrasileiras contando que terreiros (os locais onde são realizadas as cerimônias de umbanda e candomblé) estavam sendo destruídos e seus líderes escorraçados da Ilha por traficantes evangélicos neopentecostais. :susto:
Ceticismo é para poucos!

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.298
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #20 Online: 08 de Janeiro de 2013, 03:13:18 »
http://www.istoe.com.br/reportagens/173822_O+AVANCO+DA+RIVALIDADE+RELIGIOSA

Na Ilha do Governador, na zona norte, há denúncias na 4ª DP de representantes de religiões afrobrasileiras contando que terreiros (os locais onde são realizadas as cerimônias de umbanda e candomblé) estavam sendo destruídos e seus líderes escorraçados da Ilha por traficantes evangélicos neopentecostais. :susto:

http://www.xiconlab.eventos.dype.com.br/resources/anais/3/1307136906_ARQUIVO_TRAFICANTESEVANGELICOSeINTOLERANCIARELIGIOSA-CONLAB2011.pdf
Brandolini's Bullshit Asymmetry Principle: "The amount of effort necessary to refute bullshit is an order of magnitude bigger than to produce it".

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.218
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #21 Online: 08 de Janeiro de 2013, 13:20:00 »
O cara que vai procurar a droga, já está nas mãos do diabo.

Jesus quer salvá-lo de qualquer maneira, vai fazer de tudo, inclusive usar essa mesma isca. Por essa o diabo não esperava! Quando aquele que está perdido usa a droga vinda de Jesus, ele cedo ou tarde vai ser tocado, vai perceber o erro que está fazendo, vai largar as drogas, e aceitar Jesus como seu salvador.

Offline pqdrochabm

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 185
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #22 Online: 08 de Janeiro de 2013, 13:42:11 »
Vejo esse avanço como uma morte de uma estrela.
Primeiro expande ao máximo e depois se consome...
"Somos o projeto final do passado e o esboço do projeto do futuro."

"Não leve a vida muito a sério, pois não sairá vivo dela mesmo!"

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.244
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #23 Online: 08 de Janeiro de 2013, 15:22:08 »
Vejo esse avanço como uma morte de uma estrela.
Primeiro expande ao máximo e depois se consome...

O problema fica para os planetas que estão na zona de expansão, ou seja... nós!
« Última modificação: 08 de Janeiro de 2013, 15:27:58 por Geotecton »
Foto USGS

Offline pqdrochabm

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 185
  • Sexo: Masculino
Re:Um outro ponto de vista sobre a expansão evangélica no Brasil
« Resposta #24 Online: 08 de Janeiro de 2013, 15:56:24 »
Vejo esse avanço como uma morte de uma estrela.
Primeiro expande ao máximo e depois se consome...

O problema fica para os planetas que estão na zona de expansão, ou seja... nós!
Yep!!! :ok:
"Somos o projeto final do passado e o esboço do projeto do futuro."

"Não leve a vida muito a sério, pois não sairá vivo dela mesmo!"

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!