Autor Tópico: Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio  (Lida 17558 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.157
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #275 Online: 21 de Outubro de 2016, 20:08:01 »
Carai, fizemos piadas a respeito mas talvez Nibiru exista mesmo.

http://veja.abril.com.br/ciencia/planeta-nove-pode-estar-causando-inclinacao-do-sistema-solar/

Citar
‘Planeta Nove’ pode estar causando inclinação do sistema solar

Astrônomos trazem novas evidências para a existência de um novo e gigantesco integrante no sistema solar

Citar
do sistema solar, de acordo com astrônomos. Nesta semana, durante o encontro anual de cientistas planetários da American Astronomical Society (AAS, na sigla em inglês), pesquisadores americanos revelaram novas evidências para a existência de um nono planeta, que estaria orbitando o Sol além de Netuno.


A presença de um corpo celeste com massa de cerca de dez vezes a da Terra, vinte vezes mais longe do Sol que Netuno, foi proposta em janeiro pelos astrônomos Konstantin Batygin e Mike Brown (conhecido como o cientista que “matou” Plutão), do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech, na sigla em inglês), nos Estados Unidos. De acordo com os pesquisadores, o movimento de alguns corpos celestes do Cinturão de Kuiper, uma região nos confins do sistema solar, só poderia ser explicado pela presença de um grande e longínquo astro. Ele só não teria sido encontrado, de acordo com os cientistas, por estar localizado entre 32 bilhões e 160 bilhões de quilômetros de distância da Terra.

Veja também
Concepção artística divulgada pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) mostra o provável novo planeta do sistema solar
Ciência
No Twitter, astrônomo revela novas pistas do “Planeta Nove”
query_builder28 mar 2016 - 15h03
Concepção artística divulgada pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) mostra o provável novo planeta do sistema solar
Ciência
Astrônomos estão perto de encontrar novo planeta no sistema solar
query_builder26 fev 2016 - 13h02
No novo estudo, publicado no periódico científico Astrophysical Journal, Brown apresentou uma análise em que o “Planeta Nove” seria a explicação para a inclinação de seis graus do sistema solar – que, até o momento, é considerada misteriosa para os cientistas. Em linhas gerais, os oito planetas orbitam o Sol como se estivessem em um mesmo plano. Esse plano, contudo, é inclinado em relação ao Sol. Se pudéssemos ver de fora, a impressão seria de que o Sol (e não o plano) estivesse inclinado.

“Esse é um mistério tão antigo e tão difícil de explicar que simplesmente não falamos sobre ele”, explicou Brown, em comunicado da Caltech.


Ao colocar o hipotético novo planeta como razão desse fenômeno, o astrônomo e sua equipe descobriram que, se ele for gigante como dizem as estimativas e tiver uma órbita inclinada cerca de trinta graus em relação ao plano do sistema solar, ele pode ser a explicação que faltava para a inclinação.

“Como o ‘Planeta Nove’ é tão massivo e tem uma órbita inclinada em comparação aos outros planetas, o sistema solar não tem outra opção a não ser ‘torcer’, lentamente, seu alinhamento”, afirmou Elizabeth Bailey, uma das autoras da pesquisa, publicada no periódico científico Astrophysical Journal.

Novas pistas

Outro time de cientistas, liderado pelo astrônomo Renu Malhotra, da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, também sugeriu que o “Planeta Nove” pode ser o motivo para órbitas estranhas de quatro corpos celestes do Cinturão de Kuiper. Segundo eles, esses objetos não seriam afetados por nenhum dos planetas do sistema solar (como acontece com a órbita de Plutão, um planeta anão que recebe a influência de Netuno, o mais próximo a ele), mas de um “nunca visto” corpo celeste massivo – um nono planeta, portanto. As estimativas de Malhorta sobre a massa e a localização desse corpo celeste batem com os cálculos prévios de Brown e Batygin.

“Nosso estudo traz estimativas mais precisas para a massa e órbita que esse planeta teria e, mais importante, restringe sua posição em sua órbita”, explicou o Malhorta, em comunicado.

Segundo os cientistas, o “Planeta Nove”, apesar de ainda não comprovado, seria a explicação mais plausível dada pela ciência para alguns comportamentos aparentemente inexplicáveis do sistema solar.

“Ele continua a nos impressionar. Cada vez que olhamos com cuidado percebemos que o ‘Planeta Nove’ revela algo sobre o sistema solar que, por muito tempo, nos pareceu misterioso”, afirmou Konstantin Batygin, do Caltech.

 


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.576
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #276 Online: 22 de Outubro de 2016, 11:29:05 »
Carai, fizemos piadas a respeito mas talvez Nibiru exista mesmo.




 :hihi:




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.576
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #277 Online: 22 de Outubro de 2016, 11:33:38 »

Mas deixando gracejos de lado, uma diferença importante entre está hipótese científica e o Nibiru  dos místicos é que o dos místicos tem um inclinação de 90°  em relação ao plano da eclíptica. Já o planeta hipotético estaria inclinado em 30° .







Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.157
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #278 Online: 22 de Outubro de 2016, 13:15:20 »

Mas deixando gracejos de lado, uma diferença importante entre está hipótese científica e o Nibiru  dos místicos é que o dos místicos tem um inclinação de 90°  em relação ao plano da eclíptica. Já o planeta hipotético estaria inclinado em 30° .








Sim, supondo que exista mesmo.


Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.778
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #279 Online: 24 de Outubro de 2016, 13:48:59 »
Citar
Camuflagem sísmica: proteção antiterremoto é melhor que o esperado


A simulação mostra as ondas de choque atingindo o prédio não protegido (esquerda), enquanto o prédio com o escudo sísmico praticamente não sente nenhum abalo (direita).

Manto da invisibilidade contra terremotos

Os mantos de invisibilidade antiterremotos já estão sendo testados em escala de laboratório com resultados promissores.

E esses resultados poderão ser ainda melhores, conforme indicam novos cálculos e um novo projeto proposto por Marco Miniaci e equipe da Universidade de Torino, na Itália.

As camuflagens sísmicas são construídas com metamateriais, materiais artificiais capazes de lidar com ondas de forma cuidadosamente calculada.

O campo é tão recente - as primeiras propostas de um manto de invisibilidade contra terremotos foram feitas em 2009 - que a cada dia os pesquisadores conseguem levar em conta novos comportamentos desses materiais, novas formas de implantação e, por decorrência, novas maneiras de lidar com as ondas.

O trabalho de Miniaci mostrou agora que as camuflagens sísmicas poderão ser implantadas ao redor de áreas urbanas inteiras já construídas, não precisando ser instaladas apenas em prédios novos, que já as incorporem desde o projeto.

Isso é essencial para a proteção de áreas históricas, evitando perdas irreparáveis como as que ocorreram recentemente na região de Amatrice, na Itália.

Proteção de prédios e áreas vulneráveis

Os cálculos mostraram que a blindagem de estruturas vulneráveis, usando metamateriais em grande escala - que inibem a propagação das ondas sísmicas através de efeitos de interferência - pode ajudar a proteger áreas grandes, sem qualquer modificação direta nos edifícios existentes na região.

Um dos escudos sísmicos mais simples e mais eficazes proposto pela equipe envolve escavar 2 ou 3 fileiras de cavidades em forma de cruz igualmente espaçadas no solo.



"As dimensões exatas vão depender do tipo de solo e da faixa de frequência do escudo," explicou Miniaci. "Para condições de solo arenoso e baixa frequência de excitações sísmicas, a largura, espaçamento e profundidade das cavidades, que deverão ser revestidas com concreto para evitar que o solo circundante colapse, pode chegar a 10 metros."

Para aumentar o desempenho da estrutura antiterremoto, a equipe propõe adicionar cavidades cilíndricas de 2 metros de diâmetro.

"Os próximos passos envolverão testes experimentais utilizando modelos em escala, em laboratórios geotécnicos sísmicos e de vibração," disse Miniaci. "Isso permitirá a validação das estruturas propostas e ajudará a planejar os primeiros projetos nesse campo."

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=camuflagem-sismica-protecao-antiterremoto#.WA4syI8rKCg

"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro



Offline Digão

  • Nível 22
  • *
  • Mensagens: 811
  • Sexo: Masculino
  • Só sei que o Sócrates nada sabe!
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #282 Online: 12 de Dezembro de 2016, 20:12:24 »
Um dos escudos sísmicos mais simples e mais eficazes proposto pela equipe envolve escavar 2 ou 3 fileiras de cavidades em forma de cruz igualmente espaçadas no solo.

Decerto que vocês ateus não estão achando que o que protege as construções é a ciência.

Offline Derfel

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.866
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #283 Online: 23 de Dezembro de 2016, 12:38:31 »
Citar
Teoria gravitacional que questiona Einstein supera o primeiro teste experimental
Vários especialistas colocam em dúvida a proposta do físico holandês Erik Verlinde

NUÑO DOMÍNGUEZ

22 DEZ 2016 - 13:09   BRST


O holandês Erik Verlinde acaba de provocar um pequeno terremoto ao declarar que a matéria escura não existe e questionar Einstein e sua Teoria da Relatividade. A proposta desse físico teórico, da Universidade de Amsterdã, despertou suspeitas entre vários colegas seus, ao passo que outros admitem que sua ideia é interessante.


A imensa maioria dos especialistas considera que a relatividade einsteiniana e as leis formuladas por Isaac Newton há mais de três séculos contribuem para uma melhor explicação do universo, e quase todas as observações e experiências feitas até hoje, incluindo as ondas gravitacionais descobertas neste ano, lhes dão razão. Entretanto, essas teorias não servem no mundo do muito pequeno, onde as interações entre as partículas elementares estão governadas pela Teoria Quântica de Campos, incompatível com a relatividade. Também no universo em grande escala – nas galáxias, nos grupos de galáxias e nos aglomerados com dezenas ou centenas de galáxias – a gravidade é muito mais forte do que a exercida pela matéria visível. Para que as equações de Albert Einstein funcionem nesses ambientes, é necessário acrescentar o impulso gravitacional da invisível matéria escura e a força da energia escura, que acelera a expansão do universo. Juntos, esses dois ingredientes desconhecidos representam 95% do universo.

A proposta de Verlinde afirma que a força da gravidade entre dois objetos muito distantes decai menos do que Newton e Einstein estabeleceram nas suas equações. Desta forma, só o impulso da matéria visível e a interação com a energia escura bastariam para explicar o comportamento das galáxias.

Uma equipe de astrônomos da Holanda, Alemanha, Reino Unido e Austrália testou essa teoria observando mais de 33.000 galáxias. Suas conclusões são que tanto a teoria de Verlinde como a de Einstein servem para explicar a curvatura da luz pela gravidade. Mas as equações de Verlinde, ressaltam os autores, explicam essa distorção sem a necessidade da matéria escura.

“O resultado deste primeiro teste parece definitivamente interessante”, disse Margot Brower, astrônoma do Observatório de Leiden (Holanda) e coautora do estudo, divulgado no site da publicação Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. “Agora a pergunta é se esta nova teoria se sustenta e pode ser provada” numa escala maior.

 Erik Verlinde, físico teórico da Universidade de Amsterdã.
Erik Verlinde, físico teórico da Universidade de Amsterdã.
Árvores no meio do mar

Como teórico das cordas, o trabalho do holandês tenta conjugar numa só teoria a natureza quântica da realidade e os conceitos de espaço e tempo descritos por Einstein. Comprovar essa teoria seria mais importante que a definição da relatividade. “O que Verlinde propõe é que a energia escura revela um entrelaçamento quântico de longa distância cujo efeito seria modificar as equações clássicas da gravitação a grandes distâncias”, explica José Luis Barbón, pesquisador do Instituto de Física Teórica, em Madri. “Desde Einstein, os físicos veem a gravidade como uma deformação do espaço-tempo, mas aqui a ideia é que a elasticidade intrínseca do espaço é diferente da habitual quando vai a distâncias muito grandes, devido a esse entrelaçamento de longa distância”, acrescenta.

O argentino Juan Maldacena, um dos físicos teóricos cujas ideias inspiraram Verlinde, destrói o seu colega com uma analogia. “Os astrofísicos”, diz ele, “são como um navegador [...] que viaja no meio do oceano” e de repente encontra galhos boiando. “A teoria da matéria escura é análoga a concluir que deve haver uma ilha perto, ao passo que a teoria de Verlinde é análoga a dizer: ‘Ah, existem algas em forma de galhos de árvores que crescem no mar’. Acho tão provável que sua teoria seja certa quanto que existam árvores que crescem no meio do mar”, provoca esse físico teórico do Instituto de Estudos Avançados de Princeton (EUA).

Mordehai Milgrom, do Instituto Weizmann (Israel), diz que o trabalho é “muito bem-vindo” porque ajuda a atrair cientistas de disciplinas como a teoria das cordas para o desenvolvimento de alternativas à relatividade. Mas considera que a ideia de Verlinde ainda é “muito preliminar” e “está muito longe de ter resolvido o problema da matéria escura com uma teoria fundamental elegante”. Milgrom desenvolveu nos anos 1980 a dinâmica newtoniana modificada (MOND, na sigla em inglês), que também nega existência da matéria escura. Na opinião dele, a teoria de Verlinde é parcialmente derivada do seu próprio trabalho – algo que, além do mais, o físico holandês não teria reconhecido devidamente.

Todas essas teorias alternativas “naufragam bastante” quando tentam descrever o universo em escalas maiores, como os aglomerados de galáxias, assim como a estrutura detalhada da radiação de fundo de micro-ondas depois do Big Bang, observa Barbón. “As ideias de Verlinde são interessantes, mas muito vagas”, diz. “É inteiramente possível que sejam completamente equivocadas, embora também seja possível que guardem algo de verdade. Atualmente, são nebulosas demais para que se possa emitir um veredicto.”

Verlinde não respondeu às perguntas do EL PAÍS. Num vídeo fornecido pela Universidade de Amsterdã, ele diz que a maneira de contradizer sua proposta seria “descobrir uma partícula que descreva” o comportamento da gravidade “em galáxias e grupos de galáxias”, algo que, por enquanto, ninguém conseguiu

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/21/ciencia/1482345722_637965.html

O que os físicos de plantão podem dizer?

Offline Shadow

  • Nível 28
  • *
  • Mensagens: 1.446
  • "Alguns teóricos dos antigos astronautas...."
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #284 Online: 23 de Dezembro de 2016, 13:19:45 »
Ele está propondo uma Teoria do Campo Unificado?

Citar
Teoria gravitacional que questiona Einstein supera o primeiro teste experimental
Vários especialistas colocam em dúvida a proposta do físico holandês Erik Verlinde

NUÑO DOMÍNGUEZ

22 DEZ 2016 - 13:09   BRST


O holandês Erik Verlinde acaba de provocar um pequeno terremoto ao declarar que a matéria escura não existe e questionar Einstein e sua Teoria da Relatividade. A proposta desse físico teórico, da Universidade de Amsterdã, despertou suspeitas entre vários colegas seus, ao passo que outros admitem que sua ideia é interessante.


A imensa maioria dos especialistas considera que a relatividade einsteiniana e as leis formuladas por Isaac Newton há mais de três séculos contribuem para uma melhor explicação do universo, e quase todas as observações e experiências feitas até hoje, incluindo as ondas gravitacionais descobertas neste ano, lhes dão razão. Entretanto, essas teorias não servem no mundo do muito pequeno, onde as interações entre as partículas elementares estão governadas pela Teoria Quântica de Campos, incompatível com a relatividade. Também no universo em grande escala – nas galáxias, nos grupos de galáxias e nos aglomerados com dezenas ou centenas de galáxias – a gravidade é muito mais forte do que a exercida pela matéria visível. Para que as equações de Albert Einstein funcionem nesses ambientes, é necessário acrescentar o impulso gravitacional da invisível matéria escura e a força da energia escura, que acelera a expansão do universo. Juntos, esses dois ingredientes desconhecidos representam 95% do universo.

A proposta de Verlinde afirma que a força da gravidade entre dois objetos muito distantes decai menos do que Newton e Einstein estabeleceram nas suas equações. Desta forma, só o impulso da matéria visível e a interação com a energia escura bastariam para explicar o comportamento das galáxias.

Uma equipe de astrônomos da Holanda, Alemanha, Reino Unido e Austrália testou essa teoria observando mais de 33.000 galáxias. Suas conclusões são que tanto a teoria de Verlinde como a de Einstein servem para explicar a curvatura da luz pela gravidade. Mas as equações de Verlinde, ressaltam os autores, explicam essa distorção sem a necessidade da matéria escura.

“O resultado deste primeiro teste parece definitivamente interessante”, disse Margot Brower, astrônoma do Observatório de Leiden (Holanda) e coautora do estudo, divulgado no site da publicação Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. “Agora a pergunta é se esta nova teoria se sustenta e pode ser provada” numa escala maior.

 Erik Verlinde, físico teórico da Universidade de Amsterdã.
Erik Verlinde, físico teórico da Universidade de Amsterdã.
Árvores no meio do mar

Como teórico das cordas, o trabalho do holandês tenta conjugar numa só teoria a natureza quântica da realidade e os conceitos de espaço e tempo descritos por Einstein. Comprovar essa teoria seria mais importante que a definição da relatividade. “O que Verlinde propõe é que a energia escura revela um entrelaçamento quântico de longa distância cujo efeito seria modificar as equações clássicas da gravitação a grandes distâncias”, explica José Luis Barbón, pesquisador do Instituto de Física Teórica, em Madri. “Desde Einstein, os físicos veem a gravidade como uma deformação do espaço-tempo, mas aqui a ideia é que a elasticidade intrínseca do espaço é diferente da habitual quando vai a distâncias muito grandes, devido a esse entrelaçamento de longa distância”, acrescenta.

O argentino Juan Maldacena, um dos físicos teóricos cujas ideias inspiraram Verlinde, destrói o seu colega com uma analogia. “Os astrofísicos”, diz ele, “são como um navegador [...] que viaja no meio do oceano” e de repente encontra galhos boiando. “A teoria da matéria escura é análoga a concluir que deve haver uma ilha perto, ao passo que a teoria de Verlinde é análoga a dizer: ‘Ah, existem algas em forma de galhos de árvores que crescem no mar’. Acho tão provável que sua teoria seja certa quanto que existam árvores que crescem no meio do mar”, provoca esse físico teórico do Instituto de Estudos Avançados de Princeton (EUA).

Mordehai Milgrom, do Instituto Weizmann (Israel), diz que o trabalho é “muito bem-vindo” porque ajuda a atrair cientistas de disciplinas como a teoria das cordas para o desenvolvimento de alternativas à relatividade. Mas considera que a ideia de Verlinde ainda é “muito preliminar” e “está muito longe de ter resolvido o problema da matéria escura com uma teoria fundamental elegante”. Milgrom desenvolveu nos anos 1980 a dinâmica newtoniana modificada (MOND, na sigla em inglês), que também nega existência da matéria escura. Na opinião dele, a teoria de Verlinde é parcialmente derivada do seu próprio trabalho – algo que, além do mais, o físico holandês não teria reconhecido devidamente.

Todas essas teorias alternativas “naufragam bastante” quando tentam descrever o universo em escalas maiores, como os aglomerados de galáxias, assim como a estrutura detalhada da radiação de fundo de micro-ondas depois do Big Bang, observa Barbón. “As ideias de Verlinde são interessantes, mas muito vagas”, diz. “É inteiramente possível que sejam completamente equivocadas, embora também seja possível que guardem algo de verdade. Atualmente, são nebulosas demais para que se possa emitir um veredicto.”

Verlinde não respondeu às perguntas do EL PAÍS. Num vídeo fornecido pela Universidade de Amsterdã, ele diz que a maneira de contradizer sua proposta seria “descobrir uma partícula que descreva” o comportamento da gravidade “em galáxias e grupos de galáxias”, algo que, por enquanto, ninguém conseguiu

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/12/21/ciencia/1482345722_637965.html

O que os físicos de plantão podem dizer?
"Who knows what evil lurks in the hearts of men? The Shadow knows..."

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #285 Online: 23 de Dezembro de 2016, 13:35:00 »
O que os físicos de plantão podem dizer?

A minha opinião de mero leigo curioso é que se a gravidade se comportasse de maneira diferente de que Newton/Einstein propuseram, isso seria facilmente verificado em nosso sistema solar. Graças aos cálculos usando a teoria da gravitação vigente, foi possível localizar com precisão vários planetas até então desconhecidos, analisando unicamente a perturbação causada em outros corpos.

E quanto a gravidade ser inversamente proporcional ao quadrado da distância, isso não é uma exclusividade. Qualquer propagação de matéria/energia/força em 3 dimensões vai seguir à risca esta regra, pois se trata de algo ligado à geometria. A luz é um exemplo. Ela perde a luminosidade na mesma proporção que a gravidade, pelo que sei.

Se eu estiver falando merda, por favor me corrijam.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Derfel

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.866
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #286 Online: 23 de Dezembro de 2016, 14:42:04 »
Está se tratando de modelos. Tudo isso que você coloca são modelos que conseguem explicar bem fenômenos dentro de seus limites, mas falham em outros. A própria gravitação universal consegue explicar fenômenos dentro de seus parâmetros, mas a gravidade foi melhor descrita por Einstein, dentro de seu modelo. O fato de existir um outro modelo não impede que o modelo newtoniano ainda seja usado no dia a dia. O modelo de Einstein também falha quando se observa o muito pequeno, no que é usado outro modelo. Em dimensões muito grandes, torna-se necessário o uso de artifícios da matéria escura e energia escura (que não se sabe se existe mesmo ou não). O fato de haver a possibilidade de um outro modelo que descreva o fenômeno não vai acabar com o modelo de Einstein, que continua válido dentro de seus parâmetros.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #287 Online: 23 de Dezembro de 2016, 14:44:12 »
Como opinião divergente de leigo curioso, acho que algo que fosse tão trivialmente refutado não teria esse nível de consideração científica que essa hipótesem tem. Não é como se tivesse sido publicado no "journal of cosmology", ou nalguma página hospedada no angelfire.

E acho que seria argumentação próxima de equivalente dizer que se a gravidade se comportasse tal como descrevem as propostas de Newton/Einstein, isso seria facilmente verificado ao se observar o comportamento das galáxias sem precisar inventar que 99% da matéria do universo é invisível e indetectada de outra forma além da necessidade de existir para fazer as contas darem certo.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #288 Online: 23 de Dezembro de 2016, 14:57:26 »
Como opinião divergente de leigo curioso, acho que algo que fosse tão trivialmente refutado não teria esse nível de consideração científica que essa hipótesem tem. Não é como se tivesse sido publicado no "journal of cosmology", ou nalguma página hospedada no angelfire.

Mas não é a primeira vez que alguém propõe esse tipo de coisa. Isso me cheira o tal do Modified Newtonian Physics, que modifica levemente as leis newtonianas para explicar a gravidade das galáxias.

E acho que seria argumentação próxima de equivalente dizer que se a gravidade se comportasse tal como descrevem as propostas de Newton/Einstein, isso seria facilmente verificado ao se observar o comportamento das galáxias sem precisar inventar que 99% da matéria do universo é invisível e indetectada de outra forma além da necessidade de existir para fazer as contas darem certo.

Talvez eu não entendi direito. Mas ao que parece a gravidade se comporta de fato "tal como descrevem as propostas de Newton/Einstein". E o que se observa no universo não é que a gravidade esteja errada, mas a quantidade de matéria considerada é que esteja.

O que estão propondo é que a gravidade está errada e precisa de ajustes para explicar o movimento das galáxias. Mas se a gravidade estivesse levemente errada, não seria possível detectar esse desvio nas observações que fazemos em nossa própria vizinhança?
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #289 Online: 23 de Dezembro de 2016, 16:15:11 »
Sim, não é a primeira vez, já estão há algum tempo tentando resolver esse enorme problema da gravidade tradicional. Mas acho que deve diferir um bocado das MOND anteriores por, acho, diferentemente dessas, estar dentro de teorias de cordas e outros detalhes técnicos nerds que eu só sei os termos mas não entendo patavinas.

Mesmo essa hipótese em particular não é exatamente "de agora", apenas fizeram essas verificações em que ela descreve o observado (não tenho conhecimento disso ter sido conseguido com alguma teoria MOND), com a vantagem de não precisar postular que, para tal,o universo seja em 96% composto de uma matéria invisível, que nunca se conseguiu detectar.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #290 Online: 23 de Dezembro de 2016, 16:41:41 »
Mesmo essa hipótese em particular não é exatamente "de agora", apenas fizeram essas verificações em que ela descreve o observado (não tenho conhecimento disso ter sido conseguido com alguma teoria MOND), com a vantagem de não precisar postular que, para tal,o universo seja em 96% composto de uma matéria invisível, que nunca se conseguiu detectar.

É que você está considerando "detectar" apenas detectar emissão de luz, ou "poder enxergar". Mas a matéria escura é sim detectável de várias formas. Não se trata somente da galáxia se mover mais rapidamente, mas de gerar lentes gravitacionais, deformações em algumas observações da radiação de fundo, etc.

Mas talvez o MOND consiga explicar isso também. só que para isso você tem que identificar matéria em lugares onde há mais deformações gravitacionais, e isso também não é simples.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #291 Online: 23 de Dezembro de 2016, 16:42:20 »
"Eu acredito na matéria escura"
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #292 Online: 23 de Dezembro de 2016, 17:44:32 »
Mesmo essa hipótese em particular não é exatamente "de agora", apenas fizeram essas verificações em que ela descreve o observado (não tenho conhecimento disso ter sido conseguido com alguma teoria MOND), com a vantagem de não precisar postular que, para tal,o universo seja em 96% composto de uma matéria invisível, que nunca se conseguiu detectar.

É que você está considerando "detectar" apenas detectar emissão de luz, ou "poder enxergar". Mas a matéria escura é sim detectável de várias formas. Não se trata somente da galáxia se mover mais rapidamente, mas de gerar lentes gravitacionais, deformações em algumas observações da radiação de fundo, etc.

Mas talvez o MOND consiga explicar isso também. só que para isso você tem que identificar matéria em lugares onde há mais deformações gravitacionais, e isso também não é simples.

Isso está me parecendo lógica circular.

*Acho* que não existe "detecção" outra de matéria escura (tirando buracos negros) por efeitos gravitacionais além do problema da rotação das galáxias que é o que leva ela a ser postulada para começar. (E acho que se uma gravidade modificada provavelmente explicaria automaticamente o que mais se atribuísse a matéria extraordinária adicional, simplesmente colocando na conta da matéria ordinária, da mesma forma... ao menos imagino que deva funcionar para a maior parte dos efeitos gravitacionais, por lógica)

"Por acaso" isso deu certo na descoberta de planetas e etc, mas, como nesses casos se deu a confirmação de matéria ordinária, diferentemente dessa outra situação, não acho que seja absurdo supor que possa haver alguma "não-linearidade" em maior escala que torne desnecessária a hipótese de existir 96% de matéria não detectada de outra forma. Talvez, tanto melhor se aparentemente isso faz da gravidade uma teoria derivada/emergente, em vez de fundamental.

Talvez seja até uma falsa dicotomia, podendo ser que a não-lineridade seja menor e não descarte toda essa matéria, sei lá (nunca li isso, mas parece uma possibilidade lógica, não faço idéia de como ficaria quanto ao aspecto de emergente/fundamental).


Citar
http://www.iflscience.com/space/could-scientists-have-finally-detected-dark-matter-signal/

Could scientists have finally spotted a signal from dark matter—the elusive, theoretical substance that’s thought to make up much of the universe? After laboriously scouring through X-ray data collected from one of the European Space Agency’s telescopes, astronomers spotted a weird spike in emissions that can’t be explained by any known particle or atom, leading the team to believe that it may have come from dark matter. The work will be published next week in Physical Review Letters, but you can read a preprint version here.





Citar

[...] Today at an international dark matter conference (IDM 2016) in Sheffield, U.K., LUX scientific collaborators presented the results from the detector's final 20-month run from October 2014 to May 2016. The new research result is also described with further details on the LUX Collaboration's website.

LUX's sensitivity far exceeded the goals for the project, collaboration scientists said, but yielded no trace of a dark matter particle. LUX's extreme sensitivity makes the team confident that if dark matter particles had interacted with the LUX's xenon target, the detector would almost certainly have seen it. That enables scientists to confidently eliminate many potential models for dark matter particles, offering critical guidance for the next generation of dark matter experiments.

Read more at: http://phys.org/news/2016-07-world-sensitive-dark-detector.html#jCp


Mais sobre o assunto aqui:

https://en.wikipedia.org/wiki/Quest_for_the_historical_Jesus

https://en.wikipedia.org/wiki/Weakly_interacting_massive_particles#Experimental_detection










:?: Tem alguma teoria de big-bang/inflação que preveja alguma coisa sobre matéria escura, quanta existiria, e que diabos poderia ser?

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #293 Online: 23 de Dezembro de 2016, 18:41:59 »
*Acho* que não existe "detecção" outra de matéria escura (tirando buracos negros) por efeitos gravitacionais além do problema da rotação das galáxias que é o que leva ela a ser postulada para começar. (E acho que se uma gravidade modificada provavelmente explicaria automaticamente o que mais se atribuísse a matéria extraordinária adicional, simplesmente colocando na conta da matéria ordinária, da mesma forma... ao menos imagino que deva funcionar para a maior parte dos efeitos gravitacionais, por lógica)

Me refiro a coisas assim:

https://www.sciencenews.org/blog/science-ticker/map-pinpoints-location-invisible-dark-matter



Citar
Map pinpoints location of invisible dark matter

BY ANDREW GRANT 3:05PM, APRIL 14, 2015

WHERE THE MATTER LIES  This new map of dark matter covers an area about 700 times as large as the full moon as viewed from Earth’s surface. Areas with relatively little dark matter are blue; regions with a lot are yellow and red. The gray dots indicate the locations of known galaxy clusters, with the size of the circle representing the cluster’s mass.
DARK ENERGY SURVEY

BALTIMORE — Dark matter can’t be seen, but a new map shows where it’s hiding. Released April 13 at a meeting of the American Physical Society, the map confirms that the mysterious matter is concentrated in regions that contain a lot of ordinary matter in the form of galaxy clusters.

Scientists with the Dark Energy Survey created the map by scanning a large swath of sky with a 570-megapixel camera hooked up to a 4-meter telescope in Chile. Although dark matter doesn’t absorb, emit or scatter light, the researchers inferred its distribution by charting how its gravitational influence altered the paths of light zooming past. The map enables scientists to study dark matter’s role in influencing whether particular areas of the cosmos lit up with stars and galaxies or remained relatively empty.

The project’s ultimate goal is to use five years’ worth of sky scans to probe dark energy — a mysterious entity separate from dark matter that is causing the universe to expand faster and faster.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #294 Online: 23 de Dezembro de 2016, 18:45:19 »
Citar
the map confirms that the mysterious matter is concentrated in regions that contain a lot of ordinary matter in the form of galaxy clusters.

Me lembra algo daquela detecção do poder KI averiguando que os mecanismos celulares materiais de controle do câncer estavam presentes nas células que tiveram câncer menos proliferado.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 9.125
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #295 Online: 23 de Dezembro de 2016, 21:37:37 »
Citar
the map confirms that the mysterious matter is concentrated in regions that contain a lot of ordinary matter in the form of galaxy clusters.

Me lembra algo daquela detecção do poder KI averiguando que os mecanismos celulares materiais de controle do câncer estavam presentes nas células que tiveram câncer menos proliferado.

Você é contra a matéria escura, num posicionamento claramente racista.

Galileu foi perseguido por pensar fora da curva.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #296 Online: 24 de Dezembro de 2016, 15:45:41 »
A proposta da matéria escura que é racista, não é nada mais do que uma versão "científica" daqueles memes onde tem algum negro no escuro e ninguém vê.

Ao mesmo tempo, coincidentemente reflete a realidade social: 99% da matéria, escura, nunca terá seu lugar ao Sol. Isso está reservado a uma minoria, a uma elite material, vista como "padrão", enquanto que a matéria negra é "o outro", a bizarrice a ser estudada "cientificamente" como curiosidade circense.

Logo estarão atribuindo à matéria negra uma ocorrência desproporcional de cataclismas cósmicos. Os buracos negros já são os astros que mais devem ser temidos, que precisam ser completamente isolados, mantida sempre uma enorme distância, se queremos evitar a morte horrível de nossas mulheres e crianças inocentes.

Viajando de espaçonave, vê um buraco negro adiante? Vá para o outro lado da espaço-via, se não quiser ter toda sua matéria roubada e até ser morto violentamente.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #297 Online: 10 de Fevereiro de 2017, 22:38:12 »
Não sei se posto isso aqui ou em algum tópico de "ceticismo". Parece aquelas pirações meio picaretas-ou-ingênuas de carro a água ou ruas-painéis solares...

Um aviãozinho elétrico que é praticamente um carro voador. Decolagem vertical!

As ambições são ter deles autônomos para popularizar o vôo, já que precisariam de praticamente nenhuma infra-estrutura para decolar e pousar, diferentemente de helicópteros.

O desenho é bizarro. Parece que pegaram um Ford Ka "antigo" e "xunaram" colocando aerofólios gigantes dos lados, como asas. Parece que pegaram um monte (36) de  ventoinhas de fonte para usar como hélices/turbinas.

<a href="https://www.youtube.com/v/JZbWsgAIc_c" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/JZbWsgAIc_c</a>

<a href="https://www.youtube.com/v/cSVCjxsoERc" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/cSVCjxsoERc</a>



Protótipo de metade do tamanho. Alegadamente voa:



<a href="https://www.youtube.com/v/ZjvZBEzkH-k" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/ZjvZBEzkH-k</a>

Como se não bastasse tudo isso, seria ainda extremamente seguro, sem "pontos de falha" cruciais, mas redundância funcional que permite sempre um pouso seguro. Mesmo o piloto é "supervisionado" por um programa que o impediria de fazer algo idiota. E se tudo falhar, tem um pára-quedas para toda a aeronave.

Citar
https://medium.com/lilium-aviation/lilium-news-fa5dd029cebd#.ca3iekge6

[...] What makes it so safe?
Safety has been the top priority from day one of Lilium’s development. We’ve incorporated the concept of what we call ‘ultra redundancy’. The aircraft is designed such that it does not have a single point of failure, which means any component can fail in any flight condition and the aircraft will always be able to do an ordinary vertical landing automatically. The objective behind this concept is to make flying a Lilium Jet as simple as driving an electric car. At the same time, we provide an unprecedented level of safety both through a failure-tolerant aircraft and through avoiding pilot errors in stressful situations. For the duration of the flight, the software’s Flight Envelope Protection system rejects unsafe pilot commands. No matter what you do as a pilot, the system will always maintain safe flight conditions. Additionally, the Jet is equipped with a whole-aircraft parachute. [...]


O que os engenheiros e simpatizantes avaliam disso? Picaretagem ou algo real?

Eu não consigo enfiar na cabeça que asas tão estreitas podem dar sustentação. Mesmo que as turbinas fizessem a maior parte do trabalho, sendo meio como esses helicópteros-drones com múltiplas hélices, ainda assim deveria reduzir o esforço com asas mais largas, não? E não tem uma cauda vertical? :hein:

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 18.157
  • Sexo: Masculino
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #298 Online: 11 de Fevereiro de 2017, 02:18:06 »
O modelo voador me parece um balão cheio de gás hélio dirigido por ventoinhas.

Eu apostaria em uma picaretagem onde um bando de gente vai enterrar dinheiro em um projeto que já nasceu morto e foi criado só para arrecadar fundos.

Não entendo como um par de asas colocadas na traseira, aparentemente tão fora do centro de gravidade pode sustentar essa coisa no ar.

E de um modo ou de outro um modelo é diferente de um protótipo em tamanho e peso real.

Maior peso final, motores mais potentes, mais baterias ou combustível gerando mais peso....




Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 33.762
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Notícias científicas supimpas que não merecem um tópico próprio
« Resposta #299 Online: 11 de Fevereiro de 2017, 10:24:10 »
Eu não sei se precisa ter gás, mas passa a impressão de algo mais leve do que teria que ser um mini-avião de verdade.

Esse aqui seria o menor avião do mundo:





<a href="https://www.youtube.com/v/eKdR68KswSQ" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/eKdR68KswSQ</a>

Apesar de ainda ser bizarro, tem um jeitão mais de "avião mesmo".

Não que bizarrice seja sempre um bom critério de avaliação para esse tipo de coisas:






O mais similar que acho que já vi a esse protótipo ainda tem uma configuração mais tradicional, que faz parecer mais "de verdade":






E com um desenho de "asas principais" traseiras:





<a href="https://www.youtube.com/v/8KEpMUGQRB4" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/8KEpMUGQRB4</a>

Também transmite muito mais a intuição de algo plausível, e mesmo as asas dianteiras tem uma aparência mais "areodinamicamente relevante", apesar de não terem motores...

Também tem asas mais finas, ao estilo de planadores, mas parece "compensar" isso com maior envergadura (se é que faz sentido pensar assim).


Mesmo a "panqueca voadora" parece algo mais convincente:

<a href="https://www.youtube.com/v/LfpTDOAfj7Y" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/LfpTDOAfj7Y</a>






A única coisa que me faz pensar que talvez não seja uma fajutice é esse desenho de projeto/conceito da NASA:



Apesar de ainda ter um corpo bem mais tradicional, tem como elemento comum essas asas excepcionamlente finas e um monte de motores.





Praticamente não relacionado, só como curiosidade, uns metidos a mythbusters construíram multiplano como daqueles projetos esquisitos obsoletos do começo do século passado. Com ajuda de motores elétricos e um carro para a decolagem, a coisa voou:

<a href="https://www.youtube.com/v/SxDJkP9cB88" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/SxDJkP9cB88</a>



E todos esses tem as "barbatanas" verticais, diga-se de passagem. "Estabilizador vertical" seria o nome, antes que os aronazis venham me corrigir.






Isso parece ser uma foto de um protótipo em escala real:



Mas bem pode ser um modelo de computação 3D apenas. De qualquer forma, só reforça o ceticismo.

Acho que já seria mais crível apenas com dois pares de asas do mesmo tamanho, ou quase, nas extremiades. Algo mais próximo dos "drones" de controle remoto, de certa forma, mas um pouco mais "avionizados".

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!