Autor Tópico: Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes  (Lida 2478 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 31.562
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #25 Online: 25 de Abril de 2016, 21:45:03 »
Acho que só o SBT, duranteo o fim dos anos 90, exibia à noite.

Por outro lado, antes eles também passavam Pica-pau e Mr. Magoo à noite, e "Branca de Neve e os sete anões bem dotados" "histórias que nossas babás não contavam" de tarde, então não sei se tem tanto a ver com adequação dos horários a faixas etárias.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 31.562
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #26 Online: 02 de Junho de 2016, 22:27:48 »
Talvez um curioso atavismo em algum grau:


Citar
http://www.mundopositivo.com.br/noticias/diversao/20435949-chinesa_vira_fen%C3%B4meno_ao_mostrar_suas_quatro_m%C3%A3os_na_internet.html



[...]

“Quando vou rezar em um templo, posso usar os pés juntos em vez das mãos. Todos os membros da minha família têm esse tipo de dedos dos pés. Eu ouvi que eles significam beleza”, contou a jovem à reportagem jornal do Partido Comunista Chinês.

















Gostei dessa visualização da separação de ramos na árvore filogenética, essa gradação em vez de apenas separação de ramos mais literal e súbita (não sei se pretendem sugerir que depois dessa separação gradual há também essa "súbita", como implícito no gráfico, ou se é só para ser "mais ou menos", mesmo) :


http://www.evoanth.net/2014/06/17/chimps-humans-split-twice-as-long-ago-as-previously-thought-part-3/


Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.113
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #27 Online: 08 de Junho de 2016, 00:14:53 »
FOSSIL REVIEW CONFIRMS CO-EXISTENCE OF HOMININ SPECIES

If “Lucy” wasn’t alone, who else was in her neighborhood? Key fossil discoveries over the last few decades in Africa indicate that multiple early human ancestor species lived at the same time more than 3 million years ago. A new review of fossil evidence from the last few decades examines four identified hominin species that co-existed between 3.8 and 3.3 million years ago during the middle Pliocene. A team of scientists compiled an overview that outlines a diverse evolutionary past and raises new questions about how ancient species shared the landscape. The perspective paper, “The Pliocene hominin diversity conundrum: Do more fossils mean less clarity?” published June 6 as part of a Human Origins Special Feature in the Early Edition of the Proceedings of the National Academy of Sciences.

Authors Dr. Yohannes Haile-Selassie and Dr. Denise Su of The Cleveland Museum of Natural History and Dr. Stephanie Melillo of the Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology in Germany provide an up-to-date review of middle Pliocene hominin fossils found in Ethiopia, Kenya and Chad. The researchers trace the fossil record, which illustrates a timeline placing multiple species overlapping in time and geographic space. Their insights spur further questions about how these early human ancestors were related and shared resources.

“It is now obvious that more than one species of early hominin co-existed during Lucy’s time,” said lead author Dr. Yohannes Haile-Selassie, curator of physical anthropology at The Cleveland Museum of Natural History. “The question now is not whether Australopithecus afarensis, the species to which the famous Lucy belongs, was the only potential human ancestor species that roamed in what is now the Afar region of Ethiopia during the middle Pliocene, but how these species are related to each other and exploited available resources.”

The 1974 discovery of Australopithecus afarensis, which lived from 3.8 to 2.9 million years ago, was a major milestone in paleoanthropology that pushed the record of hominins earlier than 3 million years ago and demonstrated the antiquity of human-like walking. Scientists have long argued that there was only one pre-human species at any given time before 3 million years ago that gave rise to another new species through time in a linear manner. This was what the fossil record appeared to indicate until the end of the 20th century. The discovery of Australopithecus bahrelghazali from Chad in 1995 and Kenyanthropus platyops from Kenya in 2001 challenged this idea. However, these two species were not widely accepted, rather considered as geographic variants of Lucy’s species, Australopithecus afarensis. The discovery of the 3.4 million-year-old Burtele partial foot from the Woranso-Mille announced by Haile-Selassie in 2012 was the first conclusive evidence that another early human ancestor species lived alongside Australopithecus afarensis. In 2015, fossils recovered from Haile-Selassie’s ongoing research site at the Woranso-Mille area of the Afar region of Ethiopia were assigned to the new species Australopithecus deyiremeda. However, the Burtele partial foot was not included in this species.

“The Woranso-Mille paleontological study area in Ethiopia’s Afar region reveals that there were at least two, if not three, early human species living at the same time and in close geographic proximity,” said Haile-Selassie. “This key research site has yielded new and unexpected evidence indicating that there were multiple species with different locomotor and dietary adaptations. For nearly four decades, Australopithecus afarensis was the only known species—but recent discoveries are opening a new window into our evolutionary past.”


https://www.cmnh.org/announcements/pnas-lucy


Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.113
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #29 Online: 08 de Agosto de 2016, 23:58:15 »
Citar

Scientists Say A Mystery Species Bred with Ancient Humans in Distant Past

A new study of the genomes of Australasians has revealed sections of DNA that do not match any known hominin species. The dramatic findings mean that a mystery species bred with ancient humans in the distant past and that our family tree is much more complex than previously believed.

New Scientist reports that the unknown species bred with early human ancestors when they migrated from Africa to Australasia. 

The surprising finding, published in the journal Nature Genetics, was made by Jaume Bertranpetit at Pompeu Fabra University in Spain and his colleagues, who examined the genomes of living Indigenous Australians, Papuans, people from the Andaman Islands near India, and from mainland India.  The results revealed sections of DNA that did not match any previously identified hominin species.

“These DNA sequences are not present in the genomes of living Europeans or east Asians,” reports New Scientist, “suggesting that the ancestors of these people met and bred with a mystery hominin in south Asia or the Pacific region, who left their genetic legacy in the area’s present-day populations.”


One theory is that the mystery species was Homo erectus, which was present in Asia between about 1.8 million and 33,000 years ago. However, there is no DNA from Homo erectus with which to compare to the samples from current Australasian populations.


Homo erectus tautavelensis skull


Alan Cooper of the University of Adelaide, Australia, has raised the possibility that multiple unknown hominin species may have contributed to the unidentifiable DNA segments. “Asia is a bit of a nightmare in terms of the number of different groups that were running around at the same time,” said Cooper [via New Scientist].

The results echo previous findings from 2013 in which the genome of one of our ancient ancestors, the Denisovans, was found to contain a segment of DNA that came from another species currently unknown to science.

Scientists launched into a flurry of discussion and debate upon hearing the study results and immediately began speculating about what this unknown species could be.  Some suggested that a group may have branched off to Asia from the Homo heidelbernensis, who resided in Africa about half a million years ago. They are believed to be the ancestors of Europe's Neanderthals.  However, others, such as Chris Stringer, a paleoanthropologist at the London Natural History Museum, admitted that they “don’t have the faintest idea” what the mystery species could be.



Denisova cave in Russia, where researchers found teeth and finger bones, which enabled the mapping of the Denisovan genome

Both sets of findings indicate that our family tree is far more complex than previously believed and likely involved the interbreeding between multiple hominin species, many of which we may never find traces of.
http://www.ancient-origins.net/news-evolution-human-origins/scientists-say-mystery-species-bred-ancient-humans-distant-past-006345?nopaging=1


Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 31.562
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #30 Online: 09 de Agosto de 2016, 00:28:10 »
Acho que esse tipo de coisa deve ser em grande parte "splitter hype", sensacionalismo de pesquisadores que tendem a dividir espécimes em espécies mais do que a agregar numa só.

Citar


Figure 1 Unrooted phylogram of the neighbor-joining tree of 1,158 different CRI sequences before (A) and after (B) after topiary pruning to level PL = 8 to remove homoplasies. Bootstrap values ≥50% for the primary internodes are shown. Position of the midpoint root is indicated by arrow. Different colors indicate species (humans, bonobos, and gorillas) and subspecies (chimpanzees). Symbols indicate individuals belonging to the same social group: □, Taï Forest, Côte d’Ivoire; ■, Solo, Mali; ○, Eyengo, Lomako, Democratic Republic of Congo; ●, E-group, Wamba, Democratic Republic of Congo; ∗, Kasakela, Gombe, Tanzania.


NUMT=human nuclear sequence of mitochondrial origin




Outra versão, com as silhuetas dos macacos:


UCSD BIOLOGISTS COMPILE GENETIC HISTORY OF APES AND HUMANS; ‘FAMILY TREE’ SHOWS THAT HUMANS HAD BRUSH WITH EXTINCTION



O artigo não é recente, mas achei interessante o gráfico.


[PNAS] Mitochondrial sequences show diverse evolutionary histories of African hominoids



Árvore de ADN mitocondrial dos humanos, incluindo os extintos/ancestrais:




O que chamam de "homininos misteriosos" e etc deve ser algo mais análogo a "chimpanzés daquele canto isolado atrás da montanha" e não a um "segundo bonobo". Só continuidade desse padrão de maior isolamento conforme se retrocede na árvore filogenética humana, com alguns casos de miscigenação entre essas populações mais distantes.



Acho que com o tempo vão usar mais dessas análises/representações em "redes":






http://phylonetworks.blogspot.com.br/2012/09/why-do-we-still-use-trees-for.html

Online JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.346
  • Sexo: Masculino
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #31 Online: 29 de Setembro de 2016, 10:23:12 »
Procurando sobre antropologia encontrei um livro completo  sobre a história da África, e nos capítulos 17 a 18 tem boas  informações  sobre a hominização e fósseis bem antigos de primatas:


Comitê Científico Internacional da UNESCO para Redação da História Geral da África

HISTÓRIA GERAL DA ÁFRICA • I

Metodologia e pré‑história da África



C A P Í T U L O 1 7

A hominização: problemas gerais


PARTE I

Y. Coppens

página 446

Os dados paleontológicos

O homem é um mamífero, mais exatamente, um mamífero placentário1
.
Pertence à ordem dos Primatas.

Critérios paleontológicos

Os primatas diferenciam-se dos outros mamíferos placentários pelo
desenvolvimento precoce do cérebro, pelo aperfeiçoamento da visão, que se
torna estereoscópica, pela redução da face, pela substituição das garras por unhas
chatas, e pela oposição do polegar aos outros dedos. Os primatas classificam-
-se em prossímios e símios. O homem pertence a este segundo grupo, que se
caracteriza por um aumento da estatura, pelo deslocamento das órbitas na face
e consequente melhoria da visão, e pela independência das fossas temporais.
Uma repentina proliferação de formas ocorre entre esses símios no Oligoceno
Superior, há cerca de 30 milhões de anos, o que leva a supor que a diferenciação
da família Hominidae poderia datar dessa época. Para poder escrever a história
desses hominídeos, devemos pesquisar, portanto, entre os fósseis de símios
dos últimos 30 milhões de anos, cujas tendências evolutivas se orientam para
os traços que caracterizam o gênero Homo, ao qual pertencemos: locomoção
sobre os membros posteriores com as consequentes transformações dos pés, das
pernas, da bacia, da orientação do crânio, das proporções da coluna vertebral;
desenvolvimento da caixa craniana; redução da face; arredondamento da arcada
dentária; redução dos caninos; curvatura do palato, etc.

O Propliopithecus do Oligoceno Superior apresenta alguns discretos sinais
dessas tendências, o que explica o entusiasmo sem dúvida prematuro de certos
autores, em considerá -lo como pertencente ao nosso gênero.

As tendências observadas no Ramapithecus são mais relevantes: seu cérebro
parece ter atingido 400 cm³, o tamanho da face é reduzido, a arcada dentária
é arredondada, e os incisivos e caninos, também reduzidos, estão implantados
verticalmente. Um outro primata, o Oreopithecus, de quem conhecemos o
esqueleto completo, apresenta essas mesmas características cranianas e uma bacia
de bípede ocasional. Podemos supor, portanto, que o esqueleto pós -craniano2
do Ramapithecus, que ainda não conhecemos, possa apresentar também esses
primeiros indícios de adaptação à postura ereta.

Por outro lado, as tendências evolutivas do Australopithecus não deixam
margem a dúvidas. Esses bípedes permanentes têm pés humanos, mãos
modernas, cérebro com nítido aumento de volume, caninos pequenos e face
reduzida. Não podemos deixar de considerá -los hominídeos.

O gênero Homo, fim da cadeia, distingue-se dos Australopithecus por aumento
da estatura, melhoria na postura ereta, crescimento do volume do cérebro, que, a
partir da espécie mais antiga, pode atingir 800 cm³, e transformação da dentição
com maior desenvolvimento dos dentes anteriores em relação aos laterais, em
consequência da mudança do regime alimentar, de vegetariano para onívoro



ver restante no link:


http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000015104.pdf



« Última modificação: 29 de Setembro de 2016, 10:26:48 por JJ »

Online JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 5.346
  • Sexo: Masculino
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #32 Online: 29 de Setembro de 2016, 11:04:32 »
Um bom artigo , com bastante informação científica sobre a evolução humana (37 páginas):


E no princípio... era o macaco!


WALTER A. NEVES

Conforme tentarei demonstrar neste artigo, muito já sabemos sobre a
evolução de nossa linhagem, a dos hominíneos 1

 (Figura 1). Mais ainda,

tentarei demonstrar como é inquestionável o fato de sermos, como todas as demais criaturas do planeta, resultado de um processo natural de modificação ao longo do tempo; no nosso caso, a partir de um grande símio. Em outras palavras, tentarei, da maneira mais didática que consiga, convencer os leitores de que o homem, inexoravelmente, veio mesmo do macaco, mas por curvas extremamente sinuosas.


Não é menos verdade, porém, que muita coisa ainda precisamos aprender sobre os detalhes desse processo e de como e por que viemos a ser o que somos.
Décadas de pesquisas em campo e em laboratório ainda serão necessárias para que a comunidade científica possa disponibilizar para todo o mundo, dentro e fora da academia, um quadro detalhado do que ocorreu conosco e com nossos ancestrais nos últimos sete milhões de anos, quando nossa linhagem evolutiva se separou do ancestral comum que compartilhamos com os chimpanzés.


Nunca é demais lembrar que os chimpanzés de hoje resultaram também de um processo evolutivo de sete milhões de anos. Prova disso é que, a partir dos chimpanzés comuns, diferenciou-se, há cerca de 2,5 milhões de anos, uma outra linhagem, ainda viva, conhecida como bonobos ou chimpanzés pigmeus.

Para aqueles que como eu se dedicam ao estudo da evolução humana, é muito comum ouvir dos colegas e dos alunos, pelos corredores acadêmicos, que basta um novo fóssil ser encontrado na África para que tudo o que conhecemos sobre nossos antepassados se modifique completamente. Apesar de freqüente, tentarei mostrar também neste artigo que essa afirmação não retrata a realidade.

Claro que, à medida que novos fósseis são encontrados, nossos modelos teóricos tornam-se sempre mais precisos, aproximando-nos paulatinamente da história real, como ocorre em qualquer área do conhecimento científico.


http://www.scielo.br/pdf/ea/v20n58/21.pdf

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 31.562
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Evolução humana: notícias, textos, e vídeos interessantes
« Resposta #33 Online: 29 de Setembro de 2016, 14:02:06 »
Citar
a partir dos chimpanzés comuns, diferenciou-se, há cerca de 2,5 milhões de anos, uma outra linhagem, ainda viva, conhecida como bonobos ou chimpanzés pigmeus.

Não sei se é bem assim não.

Talvez o ancestral comum de ambos não fosse ser classificado como "chimpanzé comum", mas fosse ainda algo que não era nem um, nem outro. Da mesma forma que nós mesmos não evoluímos "dos chimpanzés".

O registro fóssil da evolução de chimpanzés é muito escasso (bem menos documentado que a evolução humana), ao mesmo tempo em que deve haver menos interesse em estudar o que pareça ser desse ramo, quando encontrado.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!