Autor Tópico: Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe  (Lida 1294 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline 4 Ton Mantis

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.330
  • Sexo: Masculino
Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Online: 25 de Novembro de 2013, 23:06:22 »
http://www.megacurioso.com.br/polemica/40054-respeitado-pesquisador-norte-americano-defende-que-a-morte-nao-existe.htm?fb_action_ids=713326922025900&fb_action_types=og.likes&fb_source=other_multiline&action_object_map=%5B1423432014552568%5D&action_type_map=%5B%22og.likes%22%5D&action_ref_map



Cientista se baseia na física quântica e no biocentrismo para explicar que a ideia de fim é uma criação da mente

Não são todos os dias que vemos cientistas se lançando a explorar temas mais filosóficos como a existência da alma ou da vida após a morte, por exemplo, muito menos que venham a público defender suas teorias. Contudo, Robert Lanza, um respeitado pesquisador norte-americano, defende que a morte não existe, afirmando que esse evento não passa de uma ilusão criada pelas nossas mentes.

Segundo Lanza, a vida não passa de uma atividade do carbono e uma mistura de moléculas que dura por tempo determinado. O que morre é o nosso corpo que, então, se decompõe sob a terra. Para o cientista — que baseia suas alegações na física quântica e no biocentrismo —, a ideia de “morte” apenas existe porque ela foi sendo passada de geração para geração, ou seja, porque fomos ensinados a acreditar que morremos.

Além disso, a nossa consciência associa a vida com a existência do corpo, e todos sabemos que os corpos morrem. De acordo com Lanza, a morte não deveria ser encarada como algo definitivo, como o fim de tudo, pois, seriam a biologia e a vida as responsáveis por criar a realidade do Universo, e não o contrário.  E mais: o espaço e o tempo não passam de ferramentas criadas pela mente para que a nossa realidade faça sentido.

Sendo assim, uma vez que a ideia de que o espaço e o tempo não existem é aceita, isso significa que nos encontramos em um mundo sem limites espaciais ou lineares. Essa mesma hipótese é defendida pelos físicos teóricos, que acreditam na existência de múltiplos universos nos quais diferentes situações estariam acontecendo simultaneamente.

Portanto, se o transcorrer de nossas vidas — começo, meio e fim — está acontecendo em todos esses universos simultaneamente, então a morte não pode existir. Mas e o corpo, que morre e se decompõe? Essa “mistura de moléculas e atividade do carbono” volta para o Universo, onde passa a existir como parte dele.
\"Deus está morto\"-Nietzsche

\"Nietzsche está morto\"-Deus

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.048
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #1 Online: 26 de Novembro de 2013, 01:24:35 »
Citar
"Com o suor do seu rosto
você comerá o seu pão,
até que volte à terra,
visto que dela foi tirado;
porque você é pó,
e ao pó voltará"

Gênesis, 3:19


Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 36.242
  • Sexo: Masculino
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #2 Online: 26 de Novembro de 2013, 14:58:45 »
Cérebros vivos, em padrões de atividade típicos, exercem um efeito gravitacional sobre o campo consciencial, um pouco análogo a buracos negros, para a massa. Ela fica concentrada, e não consegue fugir. Isso cria o "eu". Fora dos cérebros, a consciência se dispersa de forma muito rarefeita, apenas raramente, estocasticamente, ficando densa o suficiente para criar lampejos conscienciais entre cérebros, que podem se configurar desde momentos onde você olha para alguém e ambos sabem que estão pensando a mesma coisa, até casos mais extraordinários de telepatia.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 14.048
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #3 Online: 26 de Novembro de 2013, 19:38:16 »
Cérebros vivos, em padrões de atividade típicos, exercem um efeito gravitacional sobre o campo consciencial, um pouco análogo a buracos negros, para a massa. Ela fica concentrada, e não consegue fugir. Isso cria o "eu". Fora dos cérebros, a consciência se dispersa de forma muito rarefeita, apenas raramente, estocasticamente, ficando densa o suficiente para criar lampejos conscienciais entre cérebros, que podem se configurar desde momentos onde você olha para alguém e ambos sabem que estão pensando a mesma coisa, até casos mais extraordinários de telepatia.

O Padre Quevedo tem uma explicação parecida com essa para o que ele chama de hiperestesia indireta do pensamento. O fenômeno do "déjà-vu", por exemplo, é resultado da atração e assimilação involuntária e inconsciente de uma parte do campo consciencial de alguém próximo. Essa idéia também pode servir para explicar a reencarnação, pelo menos no que diz respeito à transmissão de parte do conteúdo informacional do falecido para pessoas próximas ou distantes através de campos de quantum entanglement. Cérebros em formação ou com baixa atividade neural poderiam ser mais receptivos a esses campos conscienciais, visto o elevado índice de recordações de vidas passadas entre crianças e atividades telepáticas em animais, como o caso típico do cão que pressente os pensamentos do dono.

Offline Pagão

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.690
  • Sexo: Masculino
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #4 Online: 27 de Novembro de 2013, 08:43:35 »

1 - físicos teóricos, que acreditam na existência de múltiplos universos nos quais diferentes situações estariam acontecendo simultaneamente.

2 - Portanto, se o transcorrer de nossas vidas — começo, meio e fim — está acontecendo em todos esses universos simultaneamente.


O 2 não decorre do 1. Se houver diferentes situações acontecendo simultaneamente isso não implica que se trate de situações iguais e muito menos que sejam as mesmas situações (as nossas vidas).
Nenhuma argumentação racional exerce efeitos racionais sobre um indivíduo que não deseje adotar uma atitude racional. - K.Popper

Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #5 Online: 27 de Novembro de 2013, 11:12:58 »
Texto muito vago, mas pelo que vi parece simplesmente uma mudança de perspectiva em relação à vida.

Sobre imortalidade e Física: http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=7209.msg138811#msg138811
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 36.242
  • Sexo: Masculino
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #6 Online: 27 de Novembro de 2013, 13:14:23 »

1 - físicos teóricos, que acreditam na existência de múltiplos universos nos quais diferentes situações estariam acontecendo simultaneamente.

2 - Portanto, se o transcorrer de nossas vidas — começo, meio e fim — está acontecendo em todos esses universos simultaneamente.


O 2 não decorre do 1. Se houver diferentes situações acontecendo simultaneamente isso não implica que se trate de situações iguais e muito menos que sejam as mesmas situações (as nossas vidas).


Não? Achava que a noção fosse meio que de universos quase "clones" (ou infinitas "linhagens" "mutantes" no nível quântico), essencialmente idênticos, sub-partícula por sub-partícula, exceto por uma mudança quântica. E todas as permutações possíveis de diferenças quânticas, ou seja, um infinito número de universos indistinguíveis do nosso ponto de vista, e toda uma gradação para mais diferentes, naquilo que for desengatado por diferenças em estados quânticos. O que não sei se é muita coisa, se não estamos numa situação onde um gás vá nos matar de acordo com um estado ou outro.


...

Não tem uma idéia como que, nos "muitos mundos", tem sempre um mundo onde cada indivíduo ainda não teria morrido?

Uma idéia meio como um "gato de Schrodinger natural", mas com as pessoas, em vez de gatos, e "no mundo", em vez de dentro do mata-e-não-mata-gato quântico.

Acho que sofre do problema de generalizar demais as coisas "quânticas" quando o "macro" acaba imperando, nos mecanismos relevantes.

Offline Feliperj

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.144
Re:Respeitado pesquisador norte-americano defende que a morte não existe
« Resposta #7 Online: 27 de Novembro de 2013, 18:36:39 »
Texto muito vago, mas pelo que vi parece simplesmente uma mudança de perspectiva em relação à vida.

Sobre imortalidade e Física: http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=7209.msg138811#msg138811

A Teoria da relatividade já nos deu a imortalidade!

Abs
Felipe

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!