Autor Tópico: A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.  (Lida 17491 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Online: 15 de Junho de 2014, 09:53:48 »
A cultura de estupro é uma histeria onde paranóia, censura e falsas acusações florescem

Christina Hoff Sommers
15 de maio de 2014

Christina Hoff Sommers é uma estudiosa residente no American Enterprise Institute, contribuinte da revista TIME e autora de vários livros, incluindo The War Against Boys (A guerra contra os meninos).

 
Em 27 de janeiro de 2010 funcionários da Universidade de Dacota do Norte puniram o estudante Caleb Warner por ter abusado sexualmente de uma colega. Ele insistiu que o encontro foi consensual, mas foi considerado culpado por um tribunal acadêmico e por isso expulso e banido do campus.

Poucos meses depois, Warner recebeu uma notícia surpreendente. A polícia local havia determinado não só que Warner era inocente , mas que a suposta vítima tinha deliberadamente falsificado suas acusações. Ela foi acusada de mentir para a polícia preenchendo um relato falso, e fugiu do estado.

Casos como o de Warner estão se proliferando. Aqui está uma lista parcial de rapazes que recentemente entraram com ações contra as suas instituições de ensino no que parece ser uma brutal discriminação nos tribunais acadêmicos de agressão sexual: Drew Sterrett, da Universidade de Michigan; John Doe , de Swarthmore;  Anthony Villar – da Universidade da Filadélfia; Peter Yu – de Vassar;  Andre Henry – da Universidade do Estado de Delaware; Dez Wells – de Xavier; e Zackary Hunt – de Denison.

“Culpado até provar o contrário” é o novo princípio jurídico quando o sexo está em causa.

A agressão sexual no campus é um verdadeiro problema, mas a nova cruzada em torno da “cultura do estupro” está ficando feia. A lista de jovens acusados falsamente submetidos aos tribunais de araque da justiça está crescendo em ritmo acelerado. Alunos da Universidade de Boston exigiram que um show de Robin Thicke fosse cancelado: seu hit Blurred Lines é, supostamente, um hino de estupro. (Inclui as palavras: "Eu sei que você quer.") Professores de Oberlin, UCLA, Santa Barbara e Rutgers foram instados a colocar advertência nas ementas que incluem livros como O Grande Gatsb: “muita violência misógina”. Este movimento está se transformando nossos campi em ambientes hostis para a liberdade de expressão e para o julgamento justo. E até agora, funcionários da universidade, líderes políticos e a Casa Branca estão surfando na onda.

Parece que estamos no meio de um desses surtos onde paranóia, censura e acusações falsas florescem e pessoas geralmente sensatas abandonam suas capacidades críticas. Não estamos diante de algo tão extremo como os julgamentos das bruxas de Salem ou as inquisições de McCarthy. Mas o movimento sobre a “cultura do estupro” de hoje tem algumas semelhanças a uma histeria que tomou conta de creches em 1980.

Em agosto de 1983, uma mãe angustiada relatou à polícia que seu filho de 2 anos de idade havia sido abusada horrivelmente na pré-escola McMartin em Manhattan Beach, Califórnia. Ela descreveu uma rede de túneis subterrâneos, onde os funcionários da escola havia sodomizado seu filho e o obrigado a assistir a sacrifícios de animais. A mãe estava mentalmente perturbada e sua história não tem base na realidade. Mas a mídia aproveitou a história, e a paranóia sobre cultos satânicos se tornou uma epidemia nacional. Os pais já estavam no limite: grupos de defesa, políticos e os meios de comunicação tinham advertido que cerca de 50.000 crianças tinham sido sequestradas por estranhos, e 4.000 delas assassinadas, a cada ano. Com a propagação da notícia da barbárie McMartin funcionários de creches de todo o país se viram implicados no crime de abuso infantil satânico. Uma rede nacional de abuso-terapeutas prontamente se materializou. Através do uso de técnicas de entrevista intimidante, eles encorajavam as crianças a "lembrar" dos terríveis abusos em sua creche.

Os terapeutas do abuso se juntaram a um grupo influente de feministas conspiracionistas, incluindo Gloria Steinem e Catharine MacKinnon. Quando alguns feministas civil-libertários como Carol Travis, Wendy Kaminer, Ellen Willis e Debbie Nathan tentaram alertar sobre a caça às bruxas, foram vilipendiados pelo agitadores da conspiração como backlashers, apologistas de abuso infantil, e “coxinhas manipulados pela mídia misógina”.

Desde o início do susto em 1983, até seu fim, em meados da década de 1990, um número incontável de crianças foram submetidas a terapias manipulativas e centenas de adultos inocentes enfrentaram acusações de abuso infantil ritual. Vários dos acusados passaram anos de prisão por crimes que nunca aconteceram. Um recente artigo do portal Slate chamou de "um dos pânicos morais mais prejudiciais na história da América", que só começou a diminuir quando jornalistas céticos trataram de verificar e investigar os fatos. Uma história de 1985, no Los Angeles Times informou aos leitores que, de acordo com relatórios do FBI, o número de sequestros de crianças por estrangeiros em 1984 foi de 67, e não 50 mil.

O pânico sobre estupros na faculdade de hoje é uma recapitulação estranha do pânico sobre abusos na creche. Assim como o mítico "50 mil crianças raptadas" alimentou a paranóia com a segurança da criança na década de 1980, do mesmo modo a histeria de hoje é incitada pela constante repetição de igualmente fictícios "um em cada cinco mulheres no campus é vítima de estupro" que até mesmo o presidente Barack Obama abraçou.

O número um em cada cinco é derivado de pesquisas tendenciosas onde amostras de inquiridos são feitas uma combinação engenhosa de perguntas simples e manipuladoras, que relembram as entrevistas por trás das agitações da creche.

Um estudo muito cidado, por exemplo , primeiro diz aos entrevistados: "Por favor, lembre-se que mesmo se alguém usa álcool ou drogas, o que acontece com eles não é culpa deles." Em seguida, ele pergunta: "Quando você estava bêbado, alto, drogado, ou desmaiado e incapaz de consentir, quantas pessoas já fizeram sexo vaginal com você.” Conta-se todos esses encontros sexuais como estupros.
Estudos respeitáveis sugerem que entre as mulheres universitárias aproximadamente um em cada quarenta são vítimas de estupro ou agressão sexual (agressão inclui ameaças verbais, bem como agarrões sexuais indesejados e carícias). Um em cada quarenta ainda são muitas mulheres. Mas isso dificilmente constitui uma "cultura do estupro", exigindo a intervenção da Casa Branca.

Mais uma vez, feministas da conspiração estão na vanguarda desse movimento. Assim como psicólogos feministas convenceram as crianças que tinham sido abusadas, assim ativistas femininas persuadiram muitas mulheres jovens que o que elas poderiam ter descartado como um encontro casual depois de uma bebedeira era realmente um crime de estupro. "Acredito nas crianças", disseram os especialistas de abuso ritual durante a paranoia da creche. "Creio nas sobreviventes", dizem culturalistas do estupro de hoje. Não acreditar numa suposta vítima é correr o risco de ser acusado de apoiador do estupro.

Alguns vão dizer que esses pânicos morais, mesmo exagerados, ao menos chamam a atenção para problemas sérios. Isso é profundamente equivocada. A histeria em torno de abuso creche e campus estupro não lança nenhuma luz: ao contrário, elas confundem e desacreditam casos genuínos de abuso e violência. Molestamento e estupro são crimes hediondos que merecem atenção séria e vigorosa resposta. Panico gera caos e linchamento. Eles punem vítimas inocentes, minam a confiança social, e nos ensinam a duvidar da evidência de nossa própria experiência.

EM Forster disse isto melhor em A Passage to India, referindo-se a um pânico entre "bons cidadãos" após uma acusação altamente duvidosa de estupro: "A piedade, a ira, e o heroísmo os encheu, mas o poder de somar dois mais dois foi aniquilado. "



Com o auxílio do Google Tradutor a partir do original disponível em http://time.com/100091/campus-sexual-assault-christina-hoff-sommers/
« Última modificação: 15 de Junho de 2014, 16:45:22 por Pai Donatello de Ifá »

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #1 Online: 15 de Junho de 2014, 10:20:58 »
abdução já fora um tema muito comum também.

Agora a pergunta da pesquisa é uma geradora de estupros, se você fez sexo bêbada, foi violentada. E se o homem estivesse bêbado também ele teria sido violentado concomitantemente com a mulher ou isso seria usado como agravante? E aí vem toda a corja politicamente correta louca por uma projeção e leva o assunto à histeria.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #2 Online: 15 de Junho de 2014, 10:22:44 »
Sequestro de crianças: respire um pouco

Lenore Skenazy, para o Huff Post


Às vezes, quando eu tento explicar como frenéticos nos tornamos sobre o crime, real mas extremamente raro, de seqüestro de criança ou de pedofilia em geral, eu comparo nossa era à Salem de 1692. Não havia nenhuma maneira, naquela época, lá atrás, de convencer ao indivíduo comum: você não vê que você está sendo varrido por uma onda de histeria em massa? A História irá julgá-lo como totalmente louco sobre o assunto de bruxas! (Embora, eventualmente, eu suponho, vá ser ótimo para o turismo)

A população em e em torno de Salem estava convencida de que as bruxas estavam por toda parte, lançando feitiços, trabalhando com magia negra. No final, 150 pessoas foram julgadas como bruxas e 19 enforcado, tudo - nós podemos ver com a perspectiva do tempo – sem qualquer.

Agora, eu não estou dizendo que não há absolutamente nenhuma pessoas má no mundo de hoje que deseje mal sobre as crianças. Mas imaginá-los em todos os lugares, sempre prontos para arrebatar as crianças, é ver o mundo através dos olhos de Salém. Olhos cegos pela histeria. E, no entanto, olhem para este artigo do Times de Londres.

"Um quarto da população adulta irá exigir verificações de antecedentes criminais com o novo sistema de proteção à criança entrando em vigor no próximo ano, de acordo com um relatório criticando o esquema."

É isso mesmo: um quarto de todas adultos na Inglaterra será forçado a submeter-se a verificação de antecedentes para ver se eles já foram condenados por pedofilia. O pressuposto básico é que quem tem algum contato com as crianças deve ser considerada um pedófilo até prova em contrário.

Frank Furedi, autor de Paranoid Parenting - um livro que muito me influenciou - diz que um sistema como este, na verdade, torna as crianças menos seguras, porque, como o Times parafraseia, "Longe de melhorar a segurança das crianças, o sistema de proteção à criança, que depende, exclusivamente, as verificações de antecedentes criminais, coloca-los em mais perigo, porque ninguém usa seu próprio julgamento mais ". (Para não mencionar o fato de que uma verificação de antecedentes só descobre condenações anteriores portanto, não é mesmo bom no que se propõe a fazer:..)
Além disso, uma lei como esta fará com que os adultos estejam muito menos ansiosos para se voluntariar para escolas, grupos de escoteiros, ou qualquer atividade com as crianças envolvidas, porque eles têm que sofrer (e pagar) a verificação de antecedentes primeiro. Pior, em um clima suspeito assim - não muito diferente de nosso próprio - adultos criam medo de qualquer envolvimento com as crianças que não são suas. Furedi cita a história trágica de uma criança de dois anos, que se afastou de sua enfermaria. Um homem dirigindo a notou na rua, mas (como ele mais tarde testemunhou em um inquérito) não parou para ajudar, com medo de ser acusado de tentar raptá-la.

Quando chegarmos ao ponto em sociedade onde a preocupação básica de adultos para com as crianças poderia muito bem ser confundida com o mal - quando um homem pensa duas vezes antes de ajudar uma criança, porque ele sabe que ele poderia ser julgado por isso... então estamos de volta a Salem, 1692

A próxima "bruxa" pode ser você, confortando o garoto que caiu do balanço, ou se voluntariando para o baile da escola sem uma verificação de antecedentes. Ou, é claro, deixando seus filhos crescerem livres e ser acusado de indiferença depravada a toda a magia negra girando em torno deles.



Com o auxílio do Google Tradutor a partir do original disponível em http://www.huffingtonpost.com/lenore-skenazy/why-the-nice-man-didnt-sa_b_232441.html
« Última modificação: 15 de Junho de 2014, 16:41:25 por Pai Donatello de Ifá »

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #3 Online: 15 de Junho de 2014, 10:36:37 »
Agnóstico, exatamente enquanto você postava estava enviando este texto sobre abdução.

Sim, uma parte enorme do absurdo lógico de o sexo com mulher embriagada "virar" automaticamente estupro (ou de a mulher embriagada poder alegar futuramente que foi estuprada usando como prova o fato de estar bêbada e convencer o tribunal com isso) é que em geral nestas situações os dois estão embriagados (mas ao mesmo tempo que feminista é de que enquanto uma mulher bêbada não é responsável por suas ações um homem bêbado é responsável tanto pelas dele quanto pelas dela, resumindo em miúdos).

Agora, um detalhe que tem me interessado é que ultimamente tenho descoberto diversos autores/pesquisadores/vloggers/articulistas com preocupação anti-feminista/anti-misândrica (a Christina conheço há muito tempo e já publiquei várias coisas aqui, mas a Lenore só fui conhecer a poucas semanas, e com ela outras) e são quase sempre mulheres.

Creio que tem muito a ver com uma certa censura (tanto externa quanto íntima) de defender causa própria, algo como os maiores críticos do sistema de cotas americanos serem intelectuais negros porque pensadores brancos seriam imediatamente taxados de racistas se os fizessem (e talvez evitem se manifestar pelo mesmo motivo). Algo do tipo :/

« Última modificação: 15 de Junho de 2014, 11:10:15 por Pai Donatello de Ifá »

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #4 Online: 15 de Junho de 2014, 11:00:31 »
Eca! Um homem!!

Lenore Skenazy, para o The Wall Street Journal

Na semana passada o vice-governador de Massachusetts, Timothy Murray, percebeu fumaça saindo de uma minivan em Worcester, sua cidade. Ele correu e tirou duas crianças pequenas momentos antes do pneu da van explodir em chamas. Nesse ponto, como noticia a AP, a avó das crianças, que estava dirigindo, quase socou o nosso herói no rosto.

Por quê?

Murray conta que ela lhe disse que achava que ele poderia ser um seqüestrador.

E assim a coisa caminha nos dias de hoje, quando quase todo o homem que tem algo a ver com uma criança pode se tornar suspeito de ser um canalha. Eu chamo-lhe pensamento do “pior primeiro”: dominados pela histeria da pedofilia, saltamos para a pior, mesmo que menos provável, conclusão em primeiro lugar. Em seguida, nos parabenizamos por sermos tão vigilante.

Considere a creche do Iowa, onde Nichole Adkins trabalha. A um assessor masculino empregado lá, ela me disse em uma entrevista, não é permitido trocar fraldas. "Na verdade", disse Adkins ", eles são convidados a sair da sala de aula, enquanto troca de fraldas estiver acontecendo."

Agora, um cara tarado por mudanças de fraldas deve ser mais raro do que um cara tarado por Bob Esponja. Mas o pensamento de “o pior primeiro” significa suspeitar dos motivos de qualquer homem que escolhe para trabalhar em torno de crianças.

Talvez a creche percebeu que tinha que ser mais cautelosa, para evitar ações judiciais. Mas as pessoas normais são suspeitas também. Em fevereiro passado, uma mulher seguiu um homem uma loja repreendendo-o por segurar uma pilha de calcinhas das meninas. "Eu não posso acreditar nisso! Você é nojento. Este é um lugar público, seu pervertido!" ela berrou, até que o cara, que postou sobre o episódio em um site, tirou sua carteira de identificação. Ele era um funcionário do setor de reposição de estoque.

Dado o nível de desconfiança, não é de admirar que, como o London Telegraph noticiou no mês passado, o Sindicato dos Músicos britânicos alertou aos seus membros que eles não devem mais tocar os dedos de uma criança, mesmo para posicioná-los corretamente nas teclas? Ou que uma piscina pública em Sydney, Austrália no ano passado proibiu os meninos de mudar no mesmo vestiário que os homens? (De acordo com o Daily Telegraph, em Sydney, os homens exigiram isto, temendo falsas acusações.)

O que é realmente irônico sobre toda essa ênfase em pervertidos é que ele está nos fazendo pensar como eles. Lembra-se da história que estourou pouco antes do Natal? O FBI alertou as agências de aplicação da lei que o novo vídeo da Barbie poderia ser usado para fazer pornografia infantil. A advertência não foi destinada para o público, mas vazou. Noticiários de TV comemorou a alegria da estação dizendo aos pais que qualquer homem bom o suficiente para brincar de boneca com as filhas poderiam na verdade estar filmando "sob suas saias curtas!" como disse um repórter da Fox News.

Este clima nojento está fazendo os homens pensarem duas vezes sobre as coisas que costumavam fazer inconscientemente. Um amigo meu, Eric Kozak, estava trabalhando por um tempo como carteiro. Conduzindo em torno de um bairro desconhecido, ele conta: "Eu me perdi. Vi algumas crianças na margem da estrada e coloquei a cabeça na janela pra perguntar: 'Onde está estrada tal e tal?" Eles fugiram gritando. "

Outro pai me contou sobre levar seu filho de seus três anos de idade para jogar futebol no parque local, onde ele ajuda a organizar as crianças um pouco mais velhas em uma partida. Com o tempo, uma das crianças começou a se aproximar d ele. "Ele queria ficar perto de mim, queria a aprovação, um pouco de carinho paterno, eu acho. E por causa de toda essa mentalidade de “cuidado com estranhos”, eu podia sentir um tipo de desaprovação cautelosa dos poucos outros pais no campinho. Então, eu parei de ir. "

E isso não é o pior. Na Inglaterra, em 2006, a BBC News relatou a história de um pedreiro que viu uma criança na beira da estrada. Como mais tarde ele testemunhou em uma audiência, ele não parou para ajudar, com medo que ele seria acusado de tentar raptá-la. Você sabe: Um homem dirigindo por aí com uma menina em seu carro? Ela acabou em um lago e se afogou.

Achamos que estamos protegendo nossos filhos, tratando todos os homens como potenciais predadores. Mas isso não é uma sociedade segura.

Apenas doente.



Com o auxílio do Google Tradutor a partir do original disponível em http://online.wsj.com/news/articles/SB10001424052748703779704576073752925629440
« Última modificação: 15 de Junho de 2014, 22:16:23 por Pai Donatello de Ifá »

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.083
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #5 Online: 15 de Junho de 2014, 15:08:44 »
Vemos isso também em exemplos de acusação de homofobia, pois hoje quase todo aquele individuo que discorda da ideia de que o homossexualismo possua causas genéticas e/ou que o considere um distúrbio psicológico, e/ou que seja contra as manifestações ativistas pró-homossexualismo acaba por ser acusado de homofobia, enquanto em essência tais opiniões não necessariamente refletem um comportamento/posicionamento homofóbico.

Isso de certa maneira reflete aquilo que se chama de Comportamento de manada. Uma bolha especulativa é lançada, um grupo pequeno a endossa e ela continua a crescer, até que aquele pequeno grupo inicial se torna num grande grupo social a se comportar irrefletidamente segundo o estimulo inicial causador desta reação.

Acho que um outro exemplo que vai de encontro ao assunto abordado no texto sobre "A cultura de estupro..." é aquele filme 'Confiar', onde uma menina de 14 anos chamada Annie começa a se relacionar sexualmente e consensualmente com um homem adulto, após se conhecerem pela internet. No entanto, assim que os país ficam sabendo do ocorrido, mediante muita persuasão eles acabam por convencer a filha de que ela havia sido estuprada, e então o homem adulto com o qual ela havia se relacionado consensualmente acaba por ser acusado de estupro. Claro que neste caso existem mais fatores envolvidos, nos Estados Unidos a idade de consentimento sexual me parece ser superior a idade da garota do filme, o que por lei ainda enquadra o ato do adulto que com ela se relacionou sexualmente, como de fato um crime de estupro de vulnerável, apesar do consentimento da garota. No entanto, não deixa este ser um exemplo de como a sociedade e as pessoas próximas podem convencer uma mulher que segundo sua opinião teve um sexo casual e comum com alguém para a ideia de que ela na verdade fora estuprada e/ou que é vantajoso para ela acusar seu parceiro de tal ato.

Abraços!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #6 Online: 15 de Junho de 2014, 20:47:20 »
é igual comida, quem vai ter problema com uma batata frita, por exemplo, e fazer escândalos sobre o quão ruim é esse alimento? Quem tem obesidade mórbida ou anorexia, isto é, os doentes.

Agora, não sei dizer o quanto estamos sendo histéricos com esse comportamento histérico e logo fazendo parte da histeria que estamos discutindo.
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.075
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #7 Online: 15 de Junho de 2014, 20:55:40 »
Quem acha que está defendendo uma causa coerente e justa que leve seus argumentos a debates produtivos. Quem considera uma ação x como abusiva e propõe práticas que discriminem os abusos, está tão certo quanto for possível que
essas práticas se tornem vigentes legalmente sem prejuízo ao direito de outrem, mas que isso fique claro a priori , para que ninguém seja pego literalmente de calças na mão.
Até onde eu sei eu não sei.

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #8 Online: 15 de Junho de 2014, 21:32:09 »
é igual comida, quem vai ter problema com uma batata frita, por exemplo, e fazer escândalos sobre o quão ruim é esse alimento? Quem tem obesidade mórbida ou anorexia, isto é, os doentes.
Se a resposta era ao meu post  (pareceu ser :) ) a minha observação era o oposto disto, não vejo muitos homens fazendo disto um tópico como 'seria de se esperar', pelo menos não da forma ponderada e racionalista, intelectualizada, que vejo em autoras como as que postei acima e algumas outras como Maria de La Paz Toldos Romero (psicóloga especializada em violência doméstica) ou a vlogueira do girlswriteswhat... Com exceção óbvia de Warren Farrell.

Citar
Agora, não sei dizer o quanto estamos sendo histéricos com esse comportamento histérico e logo fazendo parte da histeria que estamos discutindo.
Entendo o ponto, mas acho que nos textos apresentados e com as autoras citadas isto não ocorre.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #9 Online: 15 de Junho de 2014, 21:42:24 »
Não, na verdade foi apoiando o teu post. A doença está naquelas atitudes que você descreveu.

Quanto à analogia da doença, apenas quis ponderar o quão frequente isso é na sociedade ou por ser absolutamente irritante, supervalorizamos os poucos casos que existem dessa aberração. Ou seja, isso é um problema hoje ou bom apenas para aparecer nas manchetes?
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #10 Online: 15 de Junho de 2014, 22:02:35 »
Não, na verdade foi apoiando o teu post. A doença está naquelas atitudes que você descreveu.

Quanto à analogia da doença, apenas quis ponderar o quão frequente isso é na sociedade ou por ser absolutamente irritante, supervalorizamos os poucos casos que existem dessa aberração. Ou seja, isso é um problema hoje ou bom apenas para aparecer nas manchetes?
Acho que desta vez não estamos conseguindo nos comunicar :biglol:

Eu entendi que você não estava discordando mas pensei que ao usar a analogia do "quem sofre mais com a batata frita" estivesse se referindo ao ponto que me questiono sobre a maior parte das pessoas de maior visibilidade (articulistas, acadêmicos, blogueiros...) que vejo fazerem uma crítica madura à concepção feminista das questões de gênero são mulheres e não homens.

Vemos isso também em exemplos de acusação de homofobia, pois hoje quase todo aquele individuo que discorda da ideia de que o homossexualismo possua causas genéticas e/ou que o considere um distúrbio psicológico, e/ou que seja contra as manifestações ativistas pró-homossexualismo acaba por ser acusado de homofobia, enquanto em essência tais opiniões não necessariamente refletem um comportamento/posicionamento homofóbico.

Isso de certa maneira reflete aquilo que se chama de Comportamento de manada. Uma bolha especulativa é lançada, um grupo pequeno a endossa e ela continua a crescer, até que aquele pequeno grupo inicial se torna num grande grupo social a se comportar irrefletidamente segundo o estimulo inicial causador desta reação.

Acho que um outro exemplo que vai de encontro ao assunto abordado no texto sobre "A cultura de estupro..." é aquele filme 'Confiar', onde uma menina de 14 anos chamada Annie começa a se relacionar sexualmente e consensualmente com um homem adulto, após se conhecerem pela internet. No entanto, assim que os país ficam sabendo do ocorrido, mediante muita persuasão eles acabam por convencer a filha de que ela havia sido estuprada, e então o homem adulto com o qual ela havia se relacionado consensualmente acaba por ser acusado de estupro. Claro que neste caso existem mais fatores envolvidos, nos Estados Unidos a idade de consentimento sexual me parece ser superior a idade da garota do filme, o que por lei ainda enquadra o ato do adulto que com ela se relacionou sexualmente, como de fato um crime de estupro de vulnerável, apesar do consentimento da garota. No entanto, não deixa este ser um exemplo de como a sociedade e as pessoas próximas podem convencer uma mulher que segundo sua opinião teve um sexo casual e comum com alguém para a ideia de que ela na verdade fora estuprada e/ou que é vantajoso para ela acusar seu parceiro de tal ato.

Abraços!

Ahh, esqueci de dizer mas assino totalmente embaixo deste post. Acho que se aplica a todos os casos de "lutas pelas minorias", inclusive a questão racial, e acho que de certa forma se aplica a parte do que o Agnóstico está dizendo quando fala em "histeria reversa": em que momento o entendimento dos homens também como uma "minoria" com suas próprias issues contemporâneas não vai nos colocar também numa manada de trogloditas defensores da causa contra qualquer argumento? Não é o que vejo ocorrer com as autoras que menccionei nem é o que acho que acontece comigo, mas é um possível efeito a ser evitado o quanto possível.

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.247
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #11 Online: 16 de Junho de 2014, 01:08:16 »
Eu acho que mesmo juntar estupro com "carícias e agarrões indesejados" é muito tosco. Existe um passo monumental entre cada um desses. Seria bom saber a estatística de verdade, não essa de 1 a cada 40.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline _Juca_

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.866
  • Sexo: Masculino
  • Quem vê cara, não vê coração, fígado, estômago...
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #12 Online: 16 de Junho de 2014, 17:39:20 »
Eu acho que mesmo juntar estupro com "carícias e agarrões indesejados" é muito tosco. Existe um passo monumental entre cada um desses. Seria bom saber a estatística de verdade, não essa de 1 a cada 40.

"Carícias" pode ser muita coisa, desde passar a mão na bunda por cima da roupa até enfiar um dedo sem consentimento.

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #13 Online: 16 de Junho de 2014, 18:40:21 »
Eu acho que mesmo juntar estupro com "carícias e agarrões indesejados" é muito tosco. Existe um passo monumental entre cada um desses. Seria bom saber a estatística de verdade, não essa de 1 a cada 40.

"Carícias" pode ser muita coisa, desde passar a mão na bunda por cima da roupa até enfiar um dedo sem consentimento.
Eu diria que pode ser muita coisa, desde alisar os cabelos até enfiar o dedo (e aposto que geralmente é algo como alisar o cabelo pelo que chamo de "princípio da distribuição piramidal das ofensas").

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.247
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #14 Online: 17 de Junho de 2014, 02:29:06 »
Enfiar um dedo já entra como estupro, sexo dedal, tal qual sexo oral é só enfiar a língua.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Osler

  • Nível 25
  • *
  • Mensagens: 1.115
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #15 Online: 17 de Junho de 2014, 10:54:34 »
Pela nova formulação da lei atos libidinosos são considerados estupro, não?

Fonte:  http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12015.htm

Estupro
Art. 213.  Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso:


“Violação sexual mediante fraude
Art 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima:
“Como as massas são inconstantes, presas de desejos rebeldes, apaixonadas e sem temor pelas conseqüências, é preciso incutir-lhes medo para que se mantenham em ordem. Por isso, os antigos fizeram muito bem ao inventar os deuses e a crença no castigo depois da morte”. – Políbio

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.083
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #16 Online: 17 de Junho de 2014, 12:29:48 »
Pela nova formulação da lei atos libidinosos são considerados estupro, não?
Atos libidinosos em si não são considerados atos de estupro.

Estupro
Art. 213.  Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso:


“Violação sexual mediante fraude
Art 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima
A lei acima é clara, é considerado estupro quando o ato libidinoso se dá mediante violência ou grave ameaça, e violação sexual mediante fraude quando o ato libidinoso se dá mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima

Abraços!
« Última modificação: 18 de Junho de 2014, 12:15:16 por Skeptikós »
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 24.204
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #17 Online: 17 de Junho de 2014, 14:49:22 »
Pela nova formulação da lei atos libidinosos são considerados estupro, não?

Fonte:  http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12015.htm

Estupro
Art. 213.  Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso:


“Violação sexual mediante fraude
Art 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima:

Existe a importunação ofensiva ao pudor, que é usado pra não prender por estupro quem rouba beijo ou passa a mão na bunda dos outros no carnaval. Art. 50 ou 60 e alguma coisa da Lei de Contravenções...
"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.083
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #18 Online: 23 de Junho de 2014, 14:15:59 »
A mentira do ativismo feminista pela igualdade de gêneros, e a cultura do estupro como um exemplo desta mentira:

<a href="https://www.youtube.com/v/zqjLDp-E3JE" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/zqjLDp-E3JE</a>

 :ok:
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline _Juca_

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.866
  • Sexo: Masculino
  • Quem vê cara, não vê coração, fígado, estômago...
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #19 Online: 23 de Junho de 2014, 14:26:08 »
O video só distorce as posições feministas, como se as feministas lutassem por privilégios. Na mesma linha do "orgulho hétero".

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.083
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #20 Online: 23 de Junho de 2014, 15:24:52 »
O video só distorce as posições feministas, como se as feministas lutassem por privilégios. Na mesma linha do "orgulho hétero".
Infelizmente a imagem que o movimento feminista passa hoje é este. Pode até ser que algumas poucas feministas ainda estejam mesmo bem intencionadas e bem informadas, e que busquem de fato uma igualdade de gênero sem ignorar as diferenças inegáveis que existem entre homens e mulheres, e claro, respeitando tais diferenças, no entanto, o que vemos na mídia e nos manifestos feministas mundo a fora, é simplesmente uma busca por privilégios baseada em argumentação infundada e recheada por ataques e ofensas desnecessárias e criminosas.

Alguns ataques contra fiéis e patrimônio privado católicos:
 
<a href="https://www.youtube.com/v/PTWjGwurqSI" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/PTWjGwurqSI</a>

<a href="https://www.youtube.com/v/l0LUbdIomG4" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/l0LUbdIomG4</a>

<a href="https://www.youtube.com/v/aLrjp5HGUXM" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/aLrjp5HGUXM</a>

Estes acima são só alguns exemplos de intolerância e ataques ofensivos contra a instituição católica, simplesmente pleo fato da igreja ser contrária ao aborto. Isso no entanto deve ser debatido racionalmente, e não deve ser buscado na base do vandalismo e da violência.

E não só contra os católicos, mas contra os próprios homens, esta cultura do estupro é um exemplo da pressão feminista sobre a maneira como as mulheres devem e vem recebendo um privilégio em relação aos homens quando estes são falsamente acusados por mulheres de terem praticado estupro.

Abraços!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Donatello

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.864
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #21 Online: 23 de Junho de 2014, 15:31:27 »
O video só distorce as posições feministas, como se as feministas lutassem por privilégios. Na mesma linha do "orgulho hétero".

Eu diria que a galera do Orgulho Hétero é que trabalha na mesma linha dos feministas e dos demais grupos pseudoigualitários :)

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.083
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #22 Online: 23 de Junho de 2014, 15:33:03 »
Até ex-feministas famosas e importantes criticam a maneira como as feministas atuais em sua maioria vem deturpando o movimento feminista:

Intelectual Camille Paglia lamenta geração de feministas sem rumo e sem ideias


Texto de Manoel L. Bezerra Rocha
Via: Jornal Opção



No último dia 8 foi celebrado o “Dia da Mulher” e, durante todo o mês de março, serão intensificadas realizações de eventos alusivos a elas. Nesta oportunidade, ao invés de ser um momento para reflexão e reavaliação de conceitos sobre como a mulher pode e deve protagonizar, de forma efetiva, colaboradora e harmoniosa, a construção de uma sociedade melhor e mais alicerçada em valores humanos, grupos feministas limitam-se a vitimizarem-se, repetindo clichês do tipo “a violência contra a mulher”, “o Brasil é um país machista”, “o tráfico de mulheres para exploração sexual”, “houve algumas conquistas mas muito ainda precisa ser alcançado”, “a mulher desempenha dupla ou tripla jornada de trabalho”, etc.

Não é por acaso: nada pode ser tão enfadonho quanto uma feminista falando. Aliás, os chamados movimentos feministas lembram muito bem o filme “Forest Gump”, com ator Tom Hanks no papel-título. Em uma cena, Forest Gump, num rompante típico dos hippies dos anos 1960, começa a correr sem rumo, sem direção, sem objetivos, enfim, sem razão alguma. Ao longo do trajeto muitos o acompanham sob o argumento de estarem “aderindo à causa”. De repente, Gump para, recobra a lucidez, reflete sobre si mesmo, e, sem entender o porquê correra tanto, retorna à sua casa e sai em busca da mulher que é o amor de sua vida.

Essa história ilustra muito bem o que ocorre com as chamadas feministas. Desde que a escritora e intelectual Camille Paglia “abandonou a estrada”, depois de ter lançado mundialmente a luta pelos direitos das mulheres ainda nos anos 1960, muitas feministas, órfãs de ideias, deturparam os objetivos da luta e passaram a instigar o embate entre gêneros, o conflito sexista. Numa visão simplista, maniqueísta, semeiam o conflito das mulheres contra os homens, como se vivêssemos em mundos opostos. As reivindicações agora não são mais pelos direitos das mulheres, mas por privilégios que se sobreponham aos direitos iguais — à isonomia jurídica e social — por interesses políticos e econômicos, etc.

Camille Paglia seguiu a sua vida e, tempos depois, torna-se a mais ácida crítica das feministas atuais. Em recente entrevista disse que “o cenário atual é desanimador, as mulheres vivem um conflito diante de seus diversos papéis. As feministas são um tédio. Aliás, estou cansada de falar dessas mulheres”. Como no exemplo dos corredores do filme que foram abandonados no meio do caminho porque não sabiam o porquê que corriam, também das feministas sobraram duas categorias: a das “feministas” por modismo, imitação ou falta de personalidade e a das feministas profissionais oportunistas que se valem do discurso para alçarem carreira na política, na ocupação de cargos na administração pública, na criação de ONG’s, etc. Uma maneira não muito honesta, porém mais cômoda, de ser influente e assegurar privilégios financeiros. O “feminismo à brasileira” é, sem dúvida, o mais hipócrita do mun­do. Enquanto em outros países as mulheres lutam por direitos, aqui defendem privilégios através do embate sexista.
« Última modificação: 23 de Junho de 2014, 15:35:51 por Skeptikós »
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.099
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #23 Online: 23 de Junho de 2014, 15:37:37 »
[...]
Alguns ataques contra fiéis e patrimônio privado católicos:
 
<a href="https://www.youtube.com/v/PTWjGwurqSI" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/PTWjGwurqSI</a>
[...]

É uma imbecil.

Ela vandaliza gratuitamente um símbolo religioso quando deveria pedir a retirada dele se estiver em área pública. E se ele estava em área privada ela cometeu crime de invasão.
Foto USGS

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.099
  • Sexo: Masculino
Re:A cultura do estupro na visão de Christina Hoff Sommers.
« Resposta #24 Online: 23 de Junho de 2014, 15:41:06 »
A mentira do ativismo feminista pela igualdade de gêneros, e a cultura do estupro como um exemplo desta mentira:

<a href="https://www.youtube.com/v/zqjLDp-E3JE" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/zqjLDp-E3JE</a>

 :ok:

Se não der para tirar um 30 litros dali, eu me demito.
Foto USGS

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!