Autor Tópico: No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)  (Lida 4413 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.060
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #25 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:37:44 »
Além disso ele ainda pode atender a necessidade de outras pessoas, como aqueles meninos pobres de países sub-desenvolvidos, onde um simples computador funcionando já seria um luxo.

Tentar fazer os produtos ficarem mais baratos com uma linha de produção mais barata também ajuda.

Mas não sou contra ter aparelhos de alta durabilidade, só acho que existem certos exageros no vídeo e que o texto do Libertario tem bons pontos.
Sim, mas o texto do libertário ignora uma série de exemplos e fatores. Não se trata somente de necessidades atuais que não são atendidas pelos produtos do passado, e nem de produtos que durem mais com preço de produção maior, e consequentemente preço de venda maior, mas sim de produtos que possuem um custo de produção maior justamente para que seja instalado nele mecanismos que diminuam sua vida útil, forçando o consumidor a gastar mais na compra de um novo produto, por exemplo.

A teoria da Obsolescência Programada  não é completamente refutada pelo texto que o amigo Libertário postou, por que o argumento ali não da conta de refutar todos estes estes exemplos e argumentos que lá foram ignorados.

 :ok:
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Rhyan

  • Visitante
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #26 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:39:13 »
Só de ler o título do tópico já se percebe um erro muito comum, confundir o sistema intervencionista atual com capitalismo de livre mercado.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.903
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #27 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:40:00 »
Além disso ele ainda pode atender a necessidade de outras pessoas, como aqueles meninos pobres de países sub-desenvolvidos, onde um simples computador funcionando já seria um luxo.

Tentar fazer os produtos ficarem mais baratos com uma linha de produção mais barata também ajuda.

Mas não sou contra ter aparelhos de alta durabilidade, só acho que existem certos exageros no vídeo e que o texto do Libertario tem bons pontos.
Sim, mas o texto do libertário ignora uma série de exemplos e fatores. Não se trata somente de necessidades atuais que não são atendidas pelos produtos do passado, e nem de produtos que durem mais com preço de produção maior, e consequentemente preço de venda maior, mas sim de produtos que possuem um custo de produção maior justamente para que seja instalado nele mecanismos que diminuam sua vida útil, forçando o consumidor a gastar mais na compra de um novo produto, por exemplo.

A teoria da Obsolescência Programada  não é completamente refutada pelo texto que o amigo Libertário postou, por que o argumento ali não da conta de refutar todos estes estes exemplos e argumentos que lá fora ignorados.

 :ok:

O que o vídeo quis afirmar é que não há "obsolescência programada" e que este conceito é coisa de 'comunista' ou 'keynesiano'. Ou seja, a refutação não se dá em base técnica e sim pela negação ideológica.
Foto USGS

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.704
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #28 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:40:49 »
Bullshit:

A questão da obsolescência programada - quanto tempo as coisas devem durar?
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1528
Acho que o texto desmistifica muito bem o tema.

Veja o caso do meu pai, que comprou seu primeiro computador em 2000. Era um Dell, pentium 3 com 64 mega de RAM. Muito bom pra época. Não é surpresa pra mim que este PC encontrava-se totalmente funcional até 2008 (e deve estar até hoje, mas foi doado), mas ele já não era bom o suficiente e meu pai substituiu por um Notebook. Ou seja, ele pode até funcionar bem, mas é um aparelho praticamente inútil e que já deve estar encostado por aí pegando poeira. Então adiantou alguma coisa ser altamente durável, neste caso específico?
Sim, valeu, porque não teve nenhum problema de manutenção e, deste modo, não incomodou o proprietário.
De fato. Mas se é percebido no mercado que as pessoas trocam os PCs a cada 5 anos, não tem porque incluir peças que durem 10 anos se isso vai encarecer o aparelho e não vai agregar nada (visto que nos países desenvolvidos os eletrônicos velhos são descartados mesmo).

As pessoas trocam de equipamentos (PCs inclusos) a cada 5 anos porque querem ou porque são induzidas a fazerem isto?

Porque querem. Porque há uma real melhora na performance nos PCs mais novos. Diferente de uma TV ou DVD player que não fará nada a mais do que já faz, um PC agrega cada vez mais funções e opções de entretenimento.

A indução de fato ocorre no marketing, mas aí não tem jeito mesmo.

Tive muito contato com PCs de má qualidade num emprego de suporte técnico. Esses PCs duravam menos do que deveriam durar (ao contrário do Dell Chuck Norris de meu pai), e existia na concorrência opções melhores. O problema é que esses PCs custavam uns 30% menos ( e duravam 1/3 do tempo dos demais) e isso era o suficiente para todo mundo comprar essas merdas. O que não pode é nesses casos culpar a obsolescência programada. Trata-se de lixo mesmo.

Eu vivo conscientizando as pessoas a comprar produtos de qualidade, pagando um pouco mais para não se arrepender depois.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.704
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #29 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:41:37 »

A teoria da Obsolescência Programada  não é completamente refutada pelo texto que o amigo Libertário postou,


E nunca propus isso.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.060
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #30 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:41:53 »
Bullshit:

A questão da obsolescência programada - quanto tempo as coisas devem durar?
http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1528
Acho que o texto desmistifica muito bem o tema.

Veja o caso do meu pai, que comprou seu primeiro computador em 2000. Era um Dell, pentium 3 com 64 mega de RAM. Muito bom pra época. Não é surpresa pra mim que este PC encontrava-se totalmente funcional até 2008 (e deve estar até hoje, mas foi doado), mas ele já não era bom o suficiente e meu pai substituiu por um Notebook. Ou seja, ele pode até funcionar bem, mas é um aparelho praticamente inútil e que já deve estar encostado por aí pegando poeira. Então adiantou alguma coisa ser altamente durável, neste caso específico?
Sim, valeu, porque não teve nenhum problema de manutenção e, deste modo, não incomodou o proprietário.
De fato. Mas se é percebido no mercado que as pessoas trocam os PCs a cada 5 anos, não tem porque incluir peças que durem 10 anos se isso vai encarecer o aparelho e não vai agregar nada (visto que nos países desenvolvidos os eletrônicos velhos são descartados mesmo).

As pessoas trocam de equipamentos (PCs inclusos) a cada 5 anos porque querem ou porque são induzidas a fazerem isto?
Pois é, as vezes as novas "necessidades" não são tão necessárias assim. Como se diz, a vida moderna criou várias soluções para problemas que não existiam.
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.060
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #31 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:42:27 »
Além disso ele ainda pode atender a necessidade de outras pessoas, como aqueles meninos pobres de países sub-desenvolvidos, onde um simples computador funcionando já seria um luxo.

Tentar fazer os produtos ficarem mais baratos com uma linha de produção mais barata também ajuda.

Mas não sou contra ter aparelhos de alta durabilidade, só acho que existem certos exageros no vídeo e que o texto do Libertario tem bons pontos.
Sim, mas o texto do libertário ignora uma série de exemplos e fatores. Não se trata somente de necessidades atuais que não são atendidas pelos produtos do passado, e nem de produtos que durem mais com preço de produção maior, e consequentemente preço de venda maior, mas sim de produtos que possuem um custo de produção maior justamente para que seja instalado nele mecanismos que diminuam sua vida útil, forçando o consumidor a gastar mais na compra de um novo produto, por exemplo.

A teoria da Obsolescência Programada  não é completamente refutada pelo texto que o amigo Libertário postou, por que o argumento ali não da conta de refutar todos estes estes exemplos e argumentos que lá fora ignorados.

 :ok:

O que o vídeo quis afirmar é que não há "obsolescência programada" e que este conceito é coisa de 'comunista' ou 'keynesiano'. Ou seja, a refutação não se dá em base técnica e sim pela negação ideológica.
Concordo!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.903
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #32 Online: 21 de Agosto de 2014, 16:46:50 »
[...]
Eu vivo conscientizando as pessoas a comprar produtos de qualidade, pagando um pouco mais para não se arrepender depois.

Concordo.
Foto USGS

Rhyan

  • Visitante
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #33 Online: 21 de Agosto de 2014, 17:14:40 »
Algumas coisas que devem ser consideradas:

-Se existe algo próximo da obsolescência programada é devido a ausência de maior concorrência gerada pelo excesso de regulamentação.
-Preferências temporais estão fortemente relacionadas com o assunto (Você prefere gastar mais agora e ter que gastar menos no futuro ou o inverso?).
-Como diz o texto que postei, é natural que ninguém queira algo tecnológico que dure tanto, pois a tecnologia avança cada vez mais rápido. O que é ótimo, pois esses aparelhos sofrem uma boa deflação no longo prazo, cai aí mais um mito econômico que a deflação é um perigo.
-Enfim, ter como fonte um doc ligado ao Zeitgeist/Projeto Venus é complicado, hein...

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #34 Online: 21 de Agosto de 2014, 17:44:21 »
Acredito que no caso da impressora Epson a empresa gastava mais para que a impressora durasse menos, pois a instalação de um mecanismo interno responsável por limitar a vida útil do aparelho seja mais caro que simplesmente não se gastar projetando um mecanismo como tal, e produzindo e instalando-o em todas as impressoras da marca, você não acha?
O vídeo mesmo explica o motivo do contador na impressora, mas ele o faz de forma a denegrir o problema. Ele explica: a esponja fica cheia de tinta e então a impressora corre o risco de derramar tinta em cima da mesa. Além do mais, ele ignora completamente o uso de impressoras comerciais, que geralmente são mais apropriadas para empresas. Elas não só são mais eficientes para o uso como também são muito mais duradouras. Enfim, não procede a crítica mesmo no exemplo citado.

Curiosamente o vídeo também se refuta ao falar das lâmpadas de LED. Sinceramente, mesmo que o cartel tenha existido, qual o grande dano que fez ao mundo? Não é como se lâmpadas tivessem virado artigo de luxo ou que tenham passado a pesar no bolso das pessoas. É simplesmente um exagero. Pode muito bem ocorrer que quem tentava produzir lâmpadas mais duradouras não conseguia produzi-las a um preço suficiente baixo para que eles pudessem competir com os produtos já estabelecidos no mercado. Isso não é falha do capitalismo, é só que as pessoas não gostam de trabalhar com preços na hora de analisar o capitalismo, preferem fazer uma especulação com números imaginados de como eles acham que uma economia baseada em escambo funcionaria.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #35 Online: 21 de Agosto de 2014, 17:57:53 »

As pessoas trocam de equipamentos (PCs inclusos) a cada 5 anos porque querem ou porque são induzidas a fazerem isto?
Outro dia recebi uma visita de um capanga da Apple que me levou amarrado para uma loja da Apple para comprar o último Iphone. E no dia seguinte veio um fiscal do governo pedir por favor para que eu pagasse o imposto, dizendo que se eu não pagasse eles não iam fazer nada, mas poderia ser que alguém tivesse que passar por uma fila enorme para conseguir uma consulta em um hospital do SUS. Pera ai...
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline João da Ega

  • Nível 21
  • *
  • Mensagens: 758
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #36 Online: 21 de Agosto de 2014, 18:04:24 »
Algumas coisas que devem ser consideradas:

-Se existe algo próximo da obsolescência programada é devido a ausência de maior concorrência gerada pelo excesso de regulamentação.
-Preferências temporais estão fortemente relacionadas com o assunto (Você prefere gastar mais agora e ter que gastar menos no futuro ou o inverso?).
-Como diz o texto que postei, é natural que ninguém queira algo tecnológico que dure tanto, pois a tecnologia avança cada vez mais rápido. O que é ótimo, pois esses aparelhos sofrem uma boa deflação no longo prazo, cai aí mais um mito econômico que a deflação é um perigo.
-Enfim, ter como fonte um doc ligado ao Zeitgeist/Projeto Venus é complicado, hein...

Só uma dúvida:
DE ACORDO COM OS TEÓRICOS do liberalismo (ou é libertarianismo?) se algum dia, em algum país, houver o capitalismo de mercado puro-sangue:
1. Não vai haver obsolescência programada;
2. Não vai haver cartelização;
3. Não vai haver inflação;
4. Nem desemprego;
5. Nem as crises "do capitalismo" que ocorrem rotineiramente; e
6. Será o "seus problemas acabaram"?

Apesar da última pergunta ser jocosa, a dúvida é séria. É isso que eles - os teóricos advogam? Que todos os problemas da sociedade são por causa do Estado e suas intervenções?
"Nunca devemos admitir como causa daquilo que não compreendemos algo que entendemos menos ainda." Marquês de Sade

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #37 Online: 21 de Agosto de 2014, 19:52:04 »
Não para todas as questões, depois elaboro mais.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 24.133
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #38 Online: 21 de Agosto de 2014, 20:27:32 »
Teve um forista que disse que em um mundo ideal um sujeito teria o direito de sujar um rio inteiro se ele quisesse, independente de prejudicar aqueles que estavam abaixo dele. Foi o parcus?
"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #39 Online: 21 de Agosto de 2014, 20:57:38 »
Não fui eu. De qualquer forma esse não seria um problema tão grande assim se privatizassem o fluxo do rio, sei lá. Eu vejo  oaquecimento global como uma questão mais complexa.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Reginaldo brasileiro

  • Nível 09
  • *
  • Mensagens: 96
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #40 Online: 21 de Agosto de 2014, 21:53:44 »
Não fui eu. De qualquer forma esse não seria um problema tão grande assim se privatizassem o fluxo do rio, sei lá. Eu vejo o aquecimento global como uma questão mais complexa.

As duas questões são semelhantes,diferindo apenas na escala e complexidade . Ambas possuem o problema de jogar os custos(contábeis e não contábeis) destas ações para quem não é responsável . Isto tem um nome . Se chama Externalidade .

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #41 Online: 21 de Agosto de 2014, 23:27:28 »
Não fui eu. De qualquer forma esse não seria um problema tão grande assim se privatizassem o fluxo do rio, sei lá. Eu vejo o aquecimento global como uma questão mais complexa.

As duas questões são semelhantes,diferindo apenas na escala e complexidade . Ambas possuem o problema de jogar os custos(contábeis e não contábeis) destas ações para quem não é responsável . Isto tem um nome . Se chama Externalidade .
Muito você se engana, o aquecimento global tem o grande problema de não ser consenso o que causa ele, se as suas ações são negativas ou não. Se você vai pagar por quem está se ferrando pelo aquecimento global, espera-se também que receba de quem está se beneficiando por ele?
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Skeptikós

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 4.060
  • Sexo: Masculino
  • Séxtos Empeirikós
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #42 Online: 21 de Agosto de 2014, 23:57:50 »
Acredito que no caso da impressora Epson a empresa gastava mais para que a impressora durasse menos, pois a instalação de um mecanismo interno responsável por limitar a vida útil do aparelho seja mais caro que simplesmente não se gastar projetando um mecanismo como tal, e produzindo e instalando-o em todas as impressoras da marca, você não acha?
O vídeo mesmo explica o motivo do contador na impressora, mas ele o faz de forma a denegrir o problema. Ele explica: a esponja fica cheia de tinta e então a impressora corre o risco de derramar tinta em cima da mesa.
Esta desculpa não me convenceu, parece somente um argumento inventado as pressas a fim de dar alguma explicação para o fato de a empresa usar sim, a obsolescência programada com o intuito de forçar os clientes a terem que comprar um produto inteiramente novo, ao invés de dar a eles a possibilidade mais barata para os clientes, mas nenos rentável para a empresa, de trocar apenas as peças desgastadas capazes de ocasionar o suposto problema.



Citação de: parcus
Curiosamente o vídeo também se refuta ao falar das lâmpadas de LED.
O vídeo não se refuta, ele simplesmente aponta uma luz no fim do túnel, demonstrando que apesar da cultura da obsolescência programada estar altamente difundida, ainda existem pessoas e empresas engajados na contra mão da tendência, ou seja, produzindo bens duráveis.

Citação de: parcus
mesmo que o cartel tenha existido, qual o grande dano que fez ao mundo?
Aumentou os gastos e a dor de cabeça dos clientes nas trocas frequentes dos produtos obsoletos, além de ter também aumentado a poluição ambiental, e de ter boicotado projetos de bens duráveis e sustentáveis.

Abraços!
"Che non men che saper dubbiar m'aggrada."
"E, não menos que saber, duvidar me agrada."

Dante, Inferno, XI, 93; cit. p/ Montaigne, Os ensaios, Uma seleção, I, XXV, p. 93; org. de M. A. Screech, trad. de Rosa Freire D'aguiar

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #43 Online: 22 de Agosto de 2014, 00:23:56 »
Só uma dúvida:
DE ACORDO COM OS TEÓRICOS do liberalismo (ou é libertarianismo?) se algum dia, em algum país, houver o capitalismo de mercado puro-sangue:
1. Não vai haver obsolescência programada;
Empresas fazem o que acharem melhor para si, por vezes se escorando em pratícas não muito saudáveis. O fato de uma empresa incorrer em uma prática ou outra não muito admiráveis não implica a necessidade de regulá-la, afinal das contas, se a concorrência não consegue derotá-la em um ambiente de liberdade, os seus gestores estão fazendo mais bem que mal (oferecendo consumidores produtos mais baratos por preços menores). A apple por exemplo, é uma das empresas que hoje acho ter um grande respeito pelo seu consumidor (com garantia internacional, sem muita burocracia, políticas que ajudam pessoas menos acostumadas com a tecnologia), não é esse capeta que o filme faz você pensar que é. E por incrível que pareça, até mesmo a obsolência tem seu papel no mercado, se uma empresa sabe que existirá um produto 2x mais eficiente em termos de consumo de energia em 10 anos, poderia programar seu produto menos eficiente para pifar em 10 anos. Aqui estou usando a imaginação, sinceramente, para mim os exemplos do vídeo não demonstram que a obsolência programada chegou a ser praticada significamente, somente foi experimentada e contemplada no campo das ideias.

2. Não vai haver cartelização;
Com cartel, sem cartel, não importa, empresários podem ser amigos, coperar uns com os outros e isso não implica em um prejuízo ao consumidor DESDE QUE a entrada de novas empresas em sua área seja livre e eles não tenham como agir contra empresas novas que querem entrar no mercado (ou forçar outras empresas a participarem direta ou indiretamente pelo uso da força).
3. Não vai haver inflação;
Inflação é decidido pela quantidade de moeda, se um dia descobrem um navio pirata que naufragou com toneladas e toneladas de ouro, é natural que o ouro perca valor e os preços em relação ao ouro subam sem que haja uma perda da produção. Mas em geral, acredito que um regime deflacionário seja o mais provável (devido ao aumento contínuo da produtividade graças a tecnologia).

4. Nem desemprego;
Desemprego é um estado com seu devido papel na economia, você quer viajar por mais tempo, fique desempregado e depois volte ao trabalho. Quer trocar de emprego? Saia do seu emprego atual e foque em procurar o emprego em que você acha que será bem sucedido. A taxa ideal de desemprego seria decidida pelo mercado. Em geral, acho que em um livre mercado, se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo. Mas isso eu tiro de relatos de pessoas mais velhas que moraram na Nova Zelândia, EUAs, etc. Uma amiga minha me disse que na época dela, se você quisesse um emprego, você entrava na loja, perguntava se eles estavam contratando, eles davam uma olhada em você, e você estava contratado na hora. Hoje você tem que chegar com currículos para ser um atendente de um café.

5. Nem as crises "do capitalismo" que ocorrem rotineiramente; e
As crises de bancos sempre existiram, se existe um banco trabalhando com reservas fracionárias, existe crise. A diferença de hoje para os EUA do século XIX é que hoje quando há uma crise, a economia toda é afetada gravemente pois todos estão no fim das contas atrelados a uns poucos bancos. Antes existiam milhares de bancos, uma parte deles falia, mas os outros continuavam e a economia também era mais desligada do sistema financeiro. O cidadão comum era muito mais blindado de crises econômicas.

Este ponto é talvez para o qual você poderá encontrar mais evidências históricas para corroborá-lo. Eu não sou expert, mas acho que é um dos pontos mais fortes a favor do liberalismo econômico.

6. Será o "seus problemas acabaram"?

Apesar da última pergunta ser jocosa, a dúvida é séria. É isso que eles - os teóricos advogam? Que todos os problemas da sociedade são por causa do Estado e suas intervenções?
Não, o liberalismo diz que os indivíduos devem ser ativos na resolução de seus próprios problemas. Não diz que os problemas de ninguém irão acabar, apenas que os indivíduos terão muito mais controle sobre eles do que em um regime estatista.
« Última modificação: 22 de Agosto de 2014, 00:38:04 por parcus »
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #44 Online: 22 de Agosto de 2014, 00:28:51 »
Aumentou os gastos e a dor de cabeça dos clientes nas trocas frequentes dos produtos obsoletos, além de ter também aumentado a poluição ambiental, e de ter boicotado projetos de bens duráveis e sustentáveis.

Abraços!
Quero saber quais são os gastos "absurdos" que você gasta com as lâmpadas, que aparentemente queimam a torto e a direito. Eu sei que para a minha família esse gasto é simplesmente irrisório.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Rhyan

  • Visitante
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #45 Online: 22 de Agosto de 2014, 00:32:06 »
Só uma dúvida:
DE ACORDO COM OS TEÓRICOS do liberalismo (ou é libertarianismo?) se algum dia, em algum país, houver o capitalismo de mercado puro-sangue:
1. Não vai haver obsolescência programada;

Não, pois é a concorrência que mantem as empresas submissas ao consumidor.

Citar
2. Não vai haver cartelização;

Cartel é o que há quando há regulação, tipo a anatel.

Citar
3. Não vai haver inflação;

Padrão-ouro puro tende a ter leve deflação de preços, e sistema de moedas privados tende a ter baixa inflação ou 0%.

Citar
4. Nem desemprego;

Desemprego cataláxico segundo Mises é apenas voluntário, nem friccional existiria.

Citar
5. Nem as crises "do capitalismo" que ocorrem rotineiramente;

Ciclos econômicos são explicados pela Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos. Num sistema sem banco central e sem reservas fracionárias é muito difícil haver crises de boom-burst.

Citar
6. Será o "seus problemas acabaram"?

Problemas causados pelo intervencionismo, sim, acabariam. E veja que nenhuma das respostas é necessariamente resolvida num ambiente anarcocapitalismo, Mises e outros já deram a base teórica para esses problemas num minarquismo.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.704
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #46 Online: 22 de Agosto de 2014, 08:43:42 »

4. Nem desemprego;
Desemprego é um estado com seu devido papel na economia, você quer viajar por mais tempo, fique desempregado e depois volte ao trabalho. Quer trocar de emprego? Saia do seu emprego atual e foque em procurar o emprego em que você acha que será bem sucedido. A taxa ideal de desemprego seria decidida pelo mercado. Em geral, acho que em um livre mercado, se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo. Mas isso eu tiro de relatos de pessoas mais velhas que moraram na Nova Zelândia, EUAs, etc. Uma amiga minha me disse que na época dela, se você quisesse um emprego, você entrava na loja, perguntava se eles estavam contratando, eles davam uma olhada em você, e você estava contratado na hora. Hoje você tem que chegar com currículos para ser um atendente de um café.

O governo fica financiando faculdade e dando todo o foco nas universidades públicas enquanto hoje temos no Brasil a diplomocracia. Se você é inteligente, escreve bem, se vira e é responsável, ainda perde emprego pro vagabundo de diploma na mão. Não digo que é culpa do governo, mas ele endossa isso via FIES e PROUNI.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #47 Online: 22 de Agosto de 2014, 10:29:31 »


4. Nem desemprego;
Desemprego é um estado com seu devido papel na economia, você quer viajar por mais tempo, fique desempregado e depois volte ao trabalho. Quer trocar de emprego? Saia do seu emprego atual e foque em procurar o emprego em que você acha que será bem sucedido. A taxa ideal de desemprego seria decidida pelo mercado. Em geral, acho que em um livre mercado, se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo. Mas isso eu tiro de relatos de pessoas mais velhas que moraram na Nova Zelândia, EUAs, etc. Uma amiga minha me disse que na época dela, se você quisesse um emprego, você entrava na loja, perguntava se eles estavam contratando, eles davam uma olhada em você, e você estava contratado na hora. Hoje você tem que chegar com currículos para ser um atendente de um café.

Não estou com tempo para participar deste tópico, mas tenho que dizer que este post acima é muito engraçado. Da mesma forma que um orfanato em chamas é engraçado. Eu queria que você argumentando desse jeito com um pai de 4 filhos com mais de 40 anos que subitamente se vê sem emprego: "se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo"! O fato é que num livre mercado (louvado seja seu nome) não existe apenas competição entre empresas, mas entre empregados também. Empregados mais jovens, dispostos a trabalhar por menos, podem ser vistos como mais vantajosos para as empresas que trabalhadores mais velhos e experientes. Isso acontece em todo lugar. Ficar demitindo e contratando constantemente pode ser mais barato para a empresa que dar aumentos. Note que não estou defendendo estabilidade para todos, como no caso da República Soviética do Japão, mas enfatizando que uma rede de proteção é necessária para evitar essas distorções do livre mercado (abençoado seja).

E posso estar enganado, mas parece que tem gente falando de deflação como se fosse uma coisa boa, quando na verdade uma "leve deflação" pode ser mais danosa a longo prazo que uma grande inflação.
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Cumpadi

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.243
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #48 Online: 22 de Agosto de 2014, 10:36:00 »
O governo fica financiando faculdade e dando todo o foco nas universidades públicas enquanto hoje temos no Brasil a diplomocracia. Se você é inteligente, escreve bem, se vira e é responsável, ainda perde emprego pro vagabundo de diploma na mão. Não digo que é culpa do governo, mas ele endossa isso via FIES e PROUNI.
Diplomacia é simplesmente regra básica de convivência, se você não é uma pessoa agradável, não merece o emprego. Não interessa se você acha que é melhor que o outro, tem que primeiro cumprir uns quesitos mínimos antes que o seu conhecimento possa vir a ter alguma utilidade.

Não se pode ir atender pacientes no consultório médico pelado, isso é um absurdo.
http://tomwoods.com . Venezuela, pode ir que estamos logo atrás.

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.704
  • Sexo: Masculino
Re:No Capitalismo Nem Tudo São Flores: A Obsolescência Programada (Planejada)
« Resposta #49 Online: 22 de Agosto de 2014, 10:42:15 »


4. Nem desemprego;
Desemprego é um estado com seu devido papel na economia, você quer viajar por mais tempo, fique desempregado e depois volte ao trabalho. Quer trocar de emprego? Saia do seu emprego atual e foque em procurar o emprego em que você acha que será bem sucedido. A taxa ideal de desemprego seria decidida pelo mercado. Em geral, acho que em um livre mercado, se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo. Mas isso eu tiro de relatos de pessoas mais velhas que moraram na Nova Zelândia, EUAs, etc. Uma amiga minha me disse que na época dela, se você quisesse um emprego, você entrava na loja, perguntava se eles estavam contratando, eles davam uma olhada em você, e você estava contratado na hora. Hoje você tem que chegar com currículos para ser um atendente de um café.

Não estou com tempo para participar deste tópico, mas tenho que dizer que este post acima é muito engraçado. Da mesma forma que um orfanato em chamas é engraçado. Eu queria que você argumentando desse jeito com um pai de 4 filhos com mais de 40 anos que subitamente se vê sem emprego: "se você precisar muito de um trabalho, você provavelmente encontrará algo"! O fato é que num livre mercado (louvado seja seu nome) não existe apenas competição entre empresas, mas entre empregados também. Empregados mais jovens, dispostos a trabalhar por menos, podem ser vistos como mais vantajosos para as empresas que trabalhadores mais velhos e experientes. Isso acontece em todo lugar. Ficar demitindo e contratando constantemente pode ser mais barato para a empresa que dar aumentos. Note que não estou defendendo estabilidade para todos, como no caso da República Soviética do Japão, mas enfatizando que uma rede de proteção é necessária para evitar essas distorções do livre mercado (abençoado seja).

E posso estar enganado, mas parece que tem gente falando de deflação como se fosse uma coisa boa, quando na verdade uma "leve deflação" pode ser mais danosa a longo prazo que uma grande inflação.

O problema de todos que criticam o livre-mercado ou que criticam quem elogia o livre-mercado é a complacência com nosso modelo político atual altamente intervencionista que não está dando resultados positivos.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!