Autor Tópico: Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo  (Lida 5433 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Rhyan

  • Visitante
Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Online: 13 de Janeiro de 2015, 14:41:56 »
Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
por Steve Hanke, terça-feira, 13 de janeiro de 2015


Até junho de 2014, o preço do barril de petróleo oscilava ente US$90 e US$100.  E então, repentinamente, os mercados perceberam que os EUA estavam produzindo, na margem, uma enorme quantidade de petróleo cru, e isso foi o suficiente para desencadear a espiral de redução de preços do petróleo que estamos vendo agora.



Falando francamente, esse foi um fenômeno que ninguém antecipou.  Nenhum dos prognosticadores da indústria petrolífera previu isso.  Os EUA aumentaram, na margem, sua produção de petróleo retirado do xisto, e o Canadá, também na margem, aumentou sua produção de petróleo de areias betuminosas.

Esses dois fenômenos foram exacerbados pela reação de outros produtores de petróleo ao redor do mundo.  A Arábia Saudita não só não reduziu sua produção com o intuito de tentar conter a oferta e assim evitar uma queda nos preços, como na verdade intensificou sua extração.  A Rússia também aumentou sua produção nos últimos meses.

Ou seja, os grandes produtores não apenas não restringiram sua oferta, como intensificaram sua produção.

No passado, mais especificamente na década de 1970, os países da OPEP realmente chegaram a restringir sua produção com o intuito de frear a queda nos preços, mas dessa vez está sendo diferente.  Os sauditas, em particular, já indicaram que não querem ver nem os EUA e nem o Canadá abocanhar uma fatia do mercado saudita, no longo prazo.  E dado que os sauditas são capazes de extrair petróleo de maneira muito mais barata que todo o resto do mundo, eles decidiram manter a produção pleno vapor dessa vez.  Eles optaram por não restringir a produção porque sabiam que essa restrição faria apenas estimular ainda mais pessoas e empresas a investir no setor de xisto nos EUA e de areia betuminosa no Canadá, abocanhando essa fatia de mercado dos sauditas.

No que mais, há alguns fatores técnicos que devem ser considerados.  No curto prazo, alterações no preço não afetam a produção de depósitos petrolíferos, como o xisto.  Quando se começa a extrair petróleo de um depósito de xisto, o produtor está literalmente ao sabor do vento, da engenharia e da pressão da extração.  O tempo de duração de cada um desses poços não é muito longo, não passando de mais de um ano e meio.  Logo, não há motivos para se interromper o processo de produção, por maior que seja a queda do preço

A Rússia e a repetição da União Soviética

À medida que o preço do barril de petróleo segue em queda livre — era de US$101 em junho de 2014, e hoje está em US$45 —, vai voltando à memória um cenário similar ocorrido já durante o final da Guerra Fria, em meados da década de 1980.

Quando a Arábia Saudita anunciou, em 1985, que proteger o preço do petróleo não mais seria sua prioridade, a produção de petróleo ao redor do mundo disparou e os preços despencaram, chegando a ficar abaixo dos US$10 o barril, como eu havia previsto à época.

Essa queda nos preços desferiu um golpe fatal na economia soviética, que dependia quase que exclusivamente das exportações de petróleo da Rússia, e que acabou vendo evaporar US$20 bilhões por ano em receitas de exportação.  Esse resultado fiscal foi uma facada no coração da URSS.

Já no dia 1º de outubro de 2014, a empresa petrolífera da Arábia Saudita anunciou que estava abandonando sua política de proteção de preços e que passaria a se concentrar apenas em proteger sua fatia de mercado.  Esse anúncio, combinado com uma queda global na demanda e um aumento geral na oferta, fez com que o preço do barril de petróleo desabasse.

Isso gerou severas restrições orçamentárias sobre oito dos principais países produtores de petróleo do mundo.  Estados como Irã, Iraque, Rússia, Equador e Venezuela só conseguem equilibrar seus orçamentos se o preço do barril de petróleo estiver entre US$100 e US$125.  Se o preço do petróleo se mantiver onde está (em torno de US$45) por algum tempo, é de esperar que haja um forte aperto fiscal seguido de mudanças de regime em um ou mais desses países: Irã, Bahrein, Equador, Venezuela, Argélia, Nigéria, Iraque ou Líbia.  Será um filme que já vimos.

Quanto à Rússia, a mão de Putin é mais forte, mas pode haver limites.  A economia russa foi atacada em duas frentes.  De um lado, a invasão à Ucrânia gerou sanções comerciais dos EUA e da União Europeia.  Isso enfraqueceu o rublo.  Só que ainda pior do que as sanções está sendo a queda no preço do petróleo, o que reduziu maciçamente o volume de dólares que entra na Rússia.  Consequentemente, o rublo desabou.  Em seis meses, o dólar disparou de 33 rublos para 62 rublos.



Como consequência do esfacelamento do rublo, a inflação de preços já começa a assombrar:



Os alimentos já encareceram 16,4% nos últimos 12 meses, com destaque para as carnes bovina e aviária, que já encareceram 20,1%, e frutas e vegetais, que estão 22% mais caros.

Como o regime de Putin irá lidar com isso é um filme que ainda não foi visto.

A Venezuela, o maior perdedor dentre todos

Os problemas vivenciados pela Rússia são um piquenique quando comparados aos da Venezuela, país em que a escassez de dólares ocorre em um ambiente de economia fortemente planificada, com controle de preços e desabastecimento.

À medida que piora a situação econômica do país, seu governo vai se tornando cada vez mais autoritário.

A espiral decadente da economia venezuelana começou de fato quando Hugo Chávez decidiu impor seu "socialismo moreno" ao país, uma excentricidade que, à época, chegou a ser relativamente bem recebida por vários setores da grande mídia.  Durante anos, a Venezuela manteve um volumoso programa de gastos sociais combinado com controles de preços e salários e com um mercado de trabalho extremamente rígido, além de manter, como política externa, uma agressiva estratégia de ajuda internacional voltada majoritariamente para Cuba.  Todo este insano castelo de cartas conseguiu se manter solvente por um bom tempo unicamente por causa das receitas do petróleo.

Mas à medida que os custos deste populismo foram crescendo, o país teve de recorrer com cada vez mais frequência aos cofres da estatal petrolífera PDVSA e à impressora do dinheiro do Banco Central da Venezuela.  Isso resultou em um declínio contínuo do valor do bolívar — um declínio que se acelerou ainda mais após começarem a surgir notícias sobre o crítico estado de saúde de Hugo Chávez.

A morte de Chávez, no dia 5 de março de 2013, gerou um abalo sísmico em toda a economia venezuelana.  De maneira nada surpreendente, desde que seu sucessor Maduro assumiu o controle do país, o castelo de cartas venezuelano começou a desmoronar.  A taxa de câmbio do bolívar no mercado paralelo ilustra bem essa história.  Desde a morte de Chávez até o momento (janeiro de 2015), o bolívar já perdeu quase 90% de seu valor em relação ao dólar no mercado paralelo, como mostra o gráfico abaixo.



Taxa de câmbio bolívar/dólar no mercado paralelo (linha azul) versus taxa de câmbio oficial declarada pelo governo (linha vermelha)

Essa acentuada desvalorização do bolívar, por sua vez, gerou uma extremamente alta inflação de preços na Venezuela.  Para economias altamente estatizadas, a desvalorização de uma moeda no mercado paralelo é o mensurador que melhor estima o real valor dessa moeda.  Com este mensurador, é possível inferir que a inflação de preços "reprimida" na Venezuela está atualmente nos três dígitos, alcançando o estonteante valor anual de 194%, como mostra o gráfico abaixo.



Inflação de preços oficial (linha vermelha) versus inflação de preços implícita (linha azul) acumuladas em 12 meses.

O governo reagiu exatamente como todos os governos populistas reagem aos aumentos de preços causados por suas próprias políticas: impondo controle de preços cada vez mais rígidos.  Obviamente, estas políticas não apenas fracassaram completamente, como geraram um grande desabastecimento nos supermercados e uma constrangedora escassez de vários produtos essenciais, como papel higiênico.

Ainda em setembro de 2013, a contínua escassez de papel higiênico (que ocorreu após a escassez de alimentos e de apagões no setor elétrico) levou o governo a ocupar uma fábrica de papel higiênico, com o uso maciço de força militar, com o intuito de garantir uma "distribuição justa" dos estoques disponíveis.

Já em novembro de 2013, após o presidente Nicolás Maduro acusar os fabricantes de manipulação de preços, ele ordenou que o exército ocupasse as lojas e confiscasse todos os bens com o intuito de vendê-los a "um preço justo".  Ato contínuo, Maduro mandou prender os comerciantes e ainda enviou o alerta de que "este é apenas o início de tudo o que farei para proteger o povo venezuelano".

Logo após esse confisco, multidões se aglomeraram, ao longo de todo o país, em frente às portas de várias lojas de eletrodomésticos com o intuito de saqueá-las, o que chegou a ocorrer em vários casos. 

Maduro asseverou que o governo iria, dali em diante, supervisionar todas as redes varejistas do país para se assegurar de que os preços fossem significativamente reduzidos.  Também ordenou que todos os estoques das lojas deveriam ser liquidados.  Em um discurso televisionado, ele mandou a mensagem: "Não deixem que nada permaneça nas prateleiras".

Apesar dos congelamentos de preços e da escassez, nada foi feito para atacar a causa básica das aflições inflacionárias da Venezuela, que é o descontrole da oferta monetária.

Este gráfico mostra a evolução da quantidade de dinheiro na economia venezuelana (agregado M3) de acordo com as estatísticas do próprio Banco Central venezuelano.  Em menos de 3 anos, a quantidade de dinheiro na economia já aumentou quase 4 vezes, ou 300%.



Evolução da quantidade de dinheiro na economia venezuelana

Embora o congelamento mantenha os preços dos bens em níveis ostensivamente baixos no mercado oficial, eles inevitavelmente geram prateleiras vazias, privando vários consumidores de ter acesso a bens essenciais.  Controle de preços em conjunto com uma regulação da margem de lucro não pode gerar outra coisa senão o desabastecimento.  Como resultado, a escassez de produtos bateu recordes na Venezuela.

Tudo isso levou aos violentos protestos ocorridos na Venezuela ao longo de 2014.

Só que agora, com a forte queda no preço do petróleo, a quantidade de dólares entrando na Venezuela desabou.  Essa escassez de divisas estrangeiras, aliada ao fato de que o bolívar é uma moeda inconversível (nenhum estrangeiro está disposto a trocar seus dólares por bolívares), está fazendo com que o país esteja impossibilitado de importar bens essenciais.  Dado que o petróleo é responsável por nada menos que 95% das exportações da Venezuela, a queda no seu preço afetou severamente o pouco que ainda restava de funcional na economia.

A escassez de dólares em conjunto com inflação real de 194% amplificou a escassez de bens e, como resultado, a oferta de alimentos agora está sob supervisão militar. Eis alguns trechos da reportagem da Bloomberg:

Citar


Consumidores se amontoaram nos supermercados de Caracas após um profundo desabastecimento ter urgido o governo a colocar a distribuição de alimentos sob proteção militar.

Longas filas, algumas se estendendo por várias quadras, se formaram em frente aos supermercados da capital venezuelana.  Os moradores estão à procura de itens básicos que se tornaram escassos, como detergente e frango.

"Já fui a seis lojas hoje à procura de detergente — não encontro em lugar nenhum", disse Lisbeth Elsa, zeladora de 27 anos, enquanto esperava em uma longa fila de um supermercado na zona leste de Caracas. "Somos obrigados a continuar vestindo roupas sujas porque não há detergentes.  Vou comprar qualquer substituto que aparecer."

A escassez de divisas estrangeiras exacerbado pelo colapso nos preços do petróleo amplificou a escassez de produtos básicos, desde papeis higiênicos a baterias de carro, e empurrou a inflação [oficial] para 64% em novembro.  As filas continuarão enquanto o controle de preços persistir [...].

[...] A Ministra do Interior, Carmen Melendez, disse ontem que forças de segurança serão enviadas para os supermercados e centros de distribuição para proteger os consumidores.

[...]

"Não entrem em desespero — temos capacidade e temos produtos para todos, basta ter calma e paciência. As lojas estarão reabastecidas", disse a ministra na televisão estatal.

[...]



Ontem, dentro de um supermercado da rede Plan Suarez, na zona leste de Caracas, as prateleiras estavam praticamente vazias.  Houve brigas entre os consumidores para conseguir os poucos produtos restantes, e vários tentaram furar a fila.  Dentre os produtos mais procurados estava o detergente, com os consumidores tendo de esperar na fila por três para comprar um máximo de dois.  Um guarda proibiu que as prateleiras vazias fossem fotografadas.

Já em um supermercado da rede Luvebras, também na zona leste de Caracas, a polícia interveio para ajudar os funcionários a distribuir papel higiênico e outros produtos.

"Não consigo encontrar nada; já estou há 15 dias procurando por fraldas", disse Jean Paul Mate, vendedor de carne, que esperava na fila do Luvebras.  "Você tem de faltar ao trabalho para procurar produtos.  Vou a pelo menos cinco lojas todos os dias."

[…]

"As coisas nunca estiveram tão ruins assim — já vi filas com mais de mil pessoas", disse Greisly Jarpe, analista de dados de 42 anos, enquanto esperava por sabonetes.  "As pessoas estão tão desesperadas que estão dormindo nas filas".

Steve Hanke é professor de Economia Aplicada e co-diretor do Institute for Applied Economics, Global Health, and the Study of Business Enterprise da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, EUA.  O Professor Hanke também é membro sênior do Cato Institute em Washington, D.C.; professor eminente da Universitas Pelita Harapan em Jacarta, Indonésia; conselheiro sênior do Instituto Internacional de Pesquisa Monetária da Universidade da China, em Pequim; conselheiro especial do Center for Financial Stability, de Nova York; membro do Comitê Consultivo Internacional do Banco Central do Kuwait; membro do Conselho Consultivo Financeiro dos Emirados Árabes Unidos; e articulista da Revista Globe Asia.

Fonte: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2006

Offline Dr. Manhattan

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 8.342
  • Sexo: Masculino
  • Malign Hypercognitive since 1973
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #1 Online: 13 de Janeiro de 2015, 15:53:45 »
Lamento muito pela Venezuela. Só espero que isso não leve a um cenário de violência política maior em 2015.
You and I are all as much continuous with the physical universe as a wave is continuous with the ocean.

Alan Watts

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 27.545
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #2 Online: 13 de Janeiro de 2015, 16:25:40 »
Eu lamento pelo povo venezuelano até certo ponto. A maioria dele votou no atual presidente e no anterior, sendo que ambos presidentes tinham ciência de todas as bobagens econômicas que estavam (e estão) sendo cometidas por lá.

E, em certa medida, o mesmo foi (e está sendo) feito no Brasil. Basta verificar o que aconteceu com a inflação, com os gastos públicos e com o déficit fiscal.
Foto USGS

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.155
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #3 Online: 13 de Janeiro de 2015, 16:34:07 »
Eu lamento pelo povo venezuelano até certo ponto. A maioria dele votou no atual presidente e no anterior, sendo que ambos presidentes tinham ciência de todas as bobagens econômicas que estavam (e estão) sendo cometidas por lá.

E, em certa medida, o mesmo foi (e está sendo) feito no Brasil. Basta verificar o que aconteceu com a inflação, com os gastos públicos e com o déficit fiscal.

Concordo. Nunca, na Venezuela e no Brasil, valeu tanto a máxima de que cada povo tem o governo que merece.
"Deus prefere os ateus"

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #4 Online: 13 de Janeiro de 2015, 18:54:00 »
Aqui no fórum e nas redes sociais há alguns anos falavam da Venezuela como a grande potência do governo assistencialista e que os índices sociais estavam melhorando muito. O Bolivarianismo ou Socialismo do Séc. XXI era uma festa e tinha um futuro próspero. Pena que com leis econômicas não se brinca, e hoje é motivo de vergonha pra esquerda, mas a culpa nunca é do socialismo, é dos empresários gananciosos, especuladores, imperialistas...

Offline O Grande Capanga

  • Nível 38
  • *
  • Mensagens: 3.787
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #5 Online: 13 de Janeiro de 2015, 19:04:34 »
Aqui no fórum e nas redes sociais há alguns anos falavam da Venezuela como a grande potência do governo assistencialista e que os índices sociais estavam melhorando muito. O Bolivarianismo ou Socialismo do Séc. XXI era uma festa e tinha um futuro próspero. Pena que com leis econômicas não se brinca, e hoje é motivo de vergonha pra esquerda, mas a culpa nunca é do socialismo, é dos empresários gananciosos, especuladores, imperialistas...

A última é achar o máximo a aproximação dos EUA com Cuba. Até começaram a caçoar do clichê de mandar ir pra Cuba. Só que não perceberam que essa aproximação é uma "vitória" do imperialismo capitalista estadunidense. E o provável, caso isso realmente se conclua, é a "capitalização" de Cuba. O que sobrará será Coreia do Norte, o filho feio que só malucos como PC do B assumem.

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #6 Online: 14 de Janeiro de 2015, 03:06:22 »
Lamento muito pela Venezuela. Só espero que isso não leve a um cenário de violência política maior em 2015.

Isso já aconteceu:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Protestos_na_Venezuela_em_2014

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #7 Online: 14 de Janeiro de 2015, 03:28:20 »
Eu lamento pelo povo venezuelano até certo ponto. A maioria dele votou no atual presidente e no anterior, sendo que ambos presidentes tinham ciência de todas as bobagens econômicas que estavam (e estão) sendo cometidas por lá.

E, em certa medida, o mesmo foi (e está sendo) feito no Brasil. Basta verificar o que aconteceu com a inflação, com os gastos públicos e com o déficit fiscal.

Concordo. Nunca, na Venezuela e no Brasil, valeu tanto a máxima de que cada povo tem o governo que merece.

é de chorar, por nós também
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Lorentz

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.728
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #8 Online: 14 de Janeiro de 2015, 08:37:35 »
Eu lamento pelo povo venezuelano até certo ponto. A maioria dele votou no atual presidente e no anterior, sendo que ambos presidentes tinham ciência de todas as bobagens econômicas que estavam (e estão) sendo cometidas por lá.

E, em certa medida, o mesmo foi (e está sendo) feito no Brasil. Basta verificar o que aconteceu com a inflação, com os gastos públicos e com o déficit fiscal.

Há fortes indícios que nesta última eleição na Venezuela o Maduro perdeu, mas houve fraude.

Isso é ainda pior, pois a maioria não quis o que eles estão enfrentando.
"Amy, technology isn't intrinsically good or bad. It's all in how you use it, like the death ray." - Professor Hubert J. Farnsworth

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #9 Online: 15 de Janeiro de 2015, 16:19:46 »
Há escassez de produtos básicos e filas intermináveis de consumidores... qual foi a solução socialista?

Citar
Três Estados da Venezuela proíbem filas noturnas em mercados

O ESTADO DE S. PAULO
15 Janeiro 2015 | 12h 04

Venezuelanos se aglomeram na frente dos estabelecimentos em razão da crise de abastecimento de produtos

CARACAS - Governadores de três Estados venezuelanos proibiram a espera noturna nos mercados em meio ao atual período de longas filas, às vezes com desordem, em volta de lojas do país atingido pela escassez de produtos básicos.
A falta de mercadorias, como leite e papel higiênico, piorou desde os problemas na distribuição durante as festas de fim de ano, levando muitas pessoas a esperar nas primeiras horas do dia, em pé ou em redes, antes de os mercados abrirem.
As filas e a frequente disputa por lugares quando as lojas finalmente abrem são um constrangimento e uma irritação para os venezuelanos. Também tem havido protestos e prisões.
"Vamos proibir filas do lado de fora de estabelecimentos comerciais", disse a governadora de Falcón, Stella Lugo, na noite de terça-feira. "As forças de segurança receberam as instruções."
Ela se juntou aos governadores de Bolívar e Yaracuy, que anunciaram as mesmas medidas recentemente. "Filas durante a noite são perigosas para as pessoas", disse o governador de Bolívar, Francisco Rangel.
Em alguns lugares, autoridades estão controlando o acesso das pessoas aos mercados, usando o número da carteira de identidade.
A escassez de produtos afetou a popularidade do presidente, Nicolás Maduro, que atingiu 22% em dezembro, de acordo com a Datanalisis. /REUTERS

Fonte: http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,tres-estados-da-venezuela-proibem-filas-noturnas-em-mercados,1620258


Offline Jack Carver

  • Nível 25
  • *
  • Mensagens: 1.193
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #10 Online: 15 de Janeiro de 2015, 17:01:11 »
Mas a Bolívia vem crescendo acima d 5% a.a. se ñ estou enganado.
O Brasil é um país de sabotadores profissionais.

“Dêem-me controle sobre o dinheiro de uma nação e não me importa quem faz as suas leis. - Mayer Amschel Rothschild

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 21.934
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #11 Online: 15 de Janeiro de 2015, 18:31:09 »
Eu lamento pelo povo venezuelano até certo ponto. A maioria dele votou no atual presidente e no anterior, sendo que ambos presidentes tinham ciência de todas as bobagens econômicas que estavam (e estão) sendo cometidas por lá.

E, em certa medida, o mesmo foi (e está sendo) feito no Brasil. Basta verificar o que aconteceu com a inflação, com os gastos públicos e com o déficit fiscal.

Há fortes indícios que nesta última eleição na Venezuela o Maduro perdeu, mas houve fraude.

Isso é ainda pior, pois a maioria não quis o que eles estão enfrentando.

Desde a época em que o Chapolim Colorado disputava eleições já havia fraude.

Ele mandou o exército queimar as urnas no dia seguinte a uma eleição para impedir a recontagem, postei a matéria aqui.

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 21.934
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #12 Online: 15 de Janeiro de 2015, 18:35:28 »
Há escassez de produtos básicos e filas intermináveis de consumidores... qual foi a solução socialista?



Quanto tempo será que a população aguentará essa situação antes de partir para o tudo ou nada?

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #13 Online: 15 de Janeiro de 2015, 23:00:59 »
Mas a Bolívia vem crescendo acima d 5% a.a. se ñ estou enganado.

O Brasil cresceu 7,5% em 2010.

Offline Moro

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.984
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #14 Online: 16 de Janeiro de 2015, 01:36:10 »
A venezuela não era aquele país que tinha excesso de democracia segundo o Lula?
“If an ideology is peaceful, we will see its extremists and literalists as the most peaceful people on earth, that's called common sense.”

Faisal Saeed Al Mutar


"To claim that someone is not motivated by what they say is motivating them, means you know what motivates them better than they do."

Peter Boghossian

Sacred cows make the best hamburgers

I'm not convinced that faith can move mountains, but I've seen what it can do to skyscrapers."  --William Gascoyne

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 21.934
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #15 Online: 16 de Janeiro de 2015, 05:40:14 »
A venezuela não era aquele país que tinha excesso de democracia segundo o Lula?

É por isso que o exército distribui a comida, assim toda a população recebe migalhas igualmente.

Ninguém receberá uma migalha a menos que a zelite gananciosa.

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #16 Online: 16 de Janeiro de 2015, 14:47:47 »
Citar
6 IMAGENS QUE MOSTRAM COMO A SITUAÇÃO NA VENEZUELA ESTÁ FICANDO PRETA

A escassez bate recorde na Venezuela, a terra do socialismo do século XXI, e obriga Maduro a ir ao exterior pedir ajuda - inclusive ao Brasil.

por   Spotniks 16 de janeiro de 2015



Funcionários do supermercado Unicasa, no bairro de Cumbres Curumo – área de classe média alta, onde muitos militares vivem, por suas proximidades com Fort Tiuna, a principal fortaleza militar da Venezuela, em Caracas – estão vivendo dias tensos. Na semana passada, o estabelecimento recebeu um novo carregamento de leite em pó, produto que na Venezuela é tão escasso quanto água no deserto. Imediatamente se estabeleceu o caos. Moradores de todos os cantos da capital venezuelana foram avisados e em pouco tempo se juntaram aos moradores locais na fila para comprarem sua cota de quatro pacotes, o máximo permitido.



Num esforço para tentar assegurar a todos os bens mais procurados no país – leite (em pó e líquido), café, arroz, papel higiênico, açúcar, sabão e óleo –, o governo de Caracas regulamentou a venda desses produtos nos supermercados. Mas isso não tem sido o bastante. Cada dia que passa a procura tem sido muito maior do que a oferta.

Há dois anos, a escassez extrema é vista diariamente em cerca de 60% dos produtos pelos venezuelanos, que dispendem entre 6 a 8 horas por semana em filas para comprar os gêneros alimentícios mais básicos, assim como a produtos de higiene e limpeza.



O pior lugar para encontrar comida no país são os centros de abastecimento estatal – onde tudo está sempre em falta –  como o Pdval, o Bicentenário e o Mercales, que são subsidiados e, por isso, oferecem preços mais baixos do que as redes de supermercados privados, tais como a Excelsior Gamma, o Central Madeirense e a Central Plaza.

Francisco Martinez, vice-presidente sênior da FEDECAMARAS (a principal confederação de associações empresariais do país) disse, na última sexta-feira, que, embora seja normal haver alguma porcentagem de produtos em falta ao se iniciar um novo ano, a principal causa da atual escassez é o sistema de controle de preços e de câmbio imposto pelo governo, presente desde 2003.

No último dia 8, a Ministra de Interior, Carmen Melendez, pediu aos consumidores para que “parem de desespero”, pois, segundo ela, há produtos para todos.

“[Fiquem] em silêncio, com paciência, e as prateleiras estarão cheias”.



O desabastecimento da Venezuela ocorre graças a um contexto nacional de recessão econômica, onde há descontrole das contas públicas e inflação anual de 60%, segundo o Banco Central do país. A queda no preço do barril de petróleo, a principal fonte de renda do governo venezuelano, também tem acentuado ainda mais a crise instaurada na nação latino-americana.



O presidente em exercício do país, Nicolás Maduro, está realizando, neste momento, viagens à Rússia, China e outros países da OPEP, tentando conseguir um empréstimo para livrar as contas públicas venezuelanas, arrasadas pela diminuição das receitas fiscais – fato ocasionado pela queda de 55% nos preços do petróleo. O colapso do setor petrolífero no país afetou a importação de alimentos e medicamentos, além de despesas públicas.

O chefe da República Bolivariana tem adiado, há mais de um ano, a implantação de medidas de austeridade, como a revisão do preço da gasolina no país – a mais barata do mundo –  e a unificação dos controles de câmbio (há três taxas de câmbio oficiais que vão de 6,30-50 bolívar/dólar, coabitando com o mercado negro, no qual cada unidade da moeda americana vale cerca de 173 bolívares).



Maduro, cuja popularidade, de acordo com o instituto Datanálisis, despencou para 22% em 2015, acredita fielmente que a salvação do país virá dos países aliados –  como a Rússia e a China – que, caso ele esteja certo, deverão fornecer uma linha de crédito de 15 bilhões de dólares para aliviar o gigantesco déficit nas contas públicas venezuelanas.

Entretanto, o presidente ainda precisa conseguir um sinal concreto acerca do empréstimo para que a economia venezuelana possa respirar.

Maduro, que esteve presente na posse do segundo mandado de Dilma, foi o primeiro compromisso oficial da petista nesse ano – e também pediu ajuda para fortalecer os laços comerciais entre as duas nações.



Para diminuir os impactos – e a divulgação – da crise, o governo de Caracas, junto com os proprietários das redes de supermercado, concordaram em proibir os clientes de tirar fotos das geladeiras e prateleiras vazias, registrando a escassez do país. Caso alguém venha a desobedecer a nova ordem e seja pego, os funcionários dos mercados estão instruídos a chamar os soldados da Guarda Nacional, que, na melhor das hipóteses, confiscarão a câmera – e na pior, confiscarão o fotógrafo.

A situação na Venezuela está ficando preta. Resta saber quanto tempo Maduro – e a população – resistem, antes de novos protestos tomarem conta do noticiário internacional.

Fonte: http://spotniks.com/situacao-na-venezuela-esta-ficando-preta/

Rhyan

  • Visitante
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #17 Online: 16 de Janeiro de 2015, 14:50:06 »
Lembro de uma conversa que tive aqui com não sei quem há alguns anos sobre a Venezuela:

Fulano: A Venezuela tem ótimos índices sociais.
Eu: Eu não confio nesses índices, e estão fazendo controle de preços.
F: Sério? Fontes?
Eu: *Fontes postadas*
F: Nossa, controle de preços é perigoso.
Eu: Escassez a vista.

Offline Diegojaf

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 24.203
  • Sexo: Masculino
  • Bu...
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #18 Online: 16 de Janeiro de 2015, 14:59:14 »
Coragem de mostrar o rosto. Típica de cidadãos que vivem em um excesso de democracia.


"De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto." - Rui Barbosa

http://umzumbipordia.blogspot.com - Porque a natureza te odeia e a epidemia zumbi é só a cereja no topo do delicioso sundae de horror que é a vida.

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.155
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #19 Online: 18 de Janeiro de 2015, 20:16:42 »
O Paraíso Bolivariano!
"Deus prefere os ateus"

Offline Fernando Silva

  • Conselheiros
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.011
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #20 Online: 19 de Janeiro de 2015, 10:19:00 »
O quilo da cenoura já está em 47 reais.

Offline JohnnyRivers

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.928
  • Sexo: Masculino
  • Are we saved by the words of bastard saints?
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #21 Online: 19 de Janeiro de 2015, 12:09:17 »
Quais são as chances de aumentar significativamente o número de imigrantes venezuelanos no Brasil a curto prazo?
"Que homem é um homem que não torna o mundo melhor?"

"What do we need? Where do we go when we get where we don't know?
  Why should we doubt the virgin white of fallen snow when faith's our shelter from the cold?"
- Skid Row

Offline Gaúcho

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.244
  • Sexo: Masculino
  • República Rio-Grandense
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #22 Online: 19 de Janeiro de 2015, 12:15:49 »
Socialismo e seu sucesso em dividir igualmente a miséria (exceto para os amigos do rei). Quantas vezes será que a tal Ministra do Interior teve que ficar horas em filas para tentar comprar itens básicos como leite e papel higiênico?
"— A democracia em uma sociedade livre exige que os governados saibam o que fazem os governantes, mesmo quando estes buscam agir protegidos pelas sombras." Sérgio Moro

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 21.934
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #23 Online: 19 de Janeiro de 2015, 17:51:50 »
Quais são as chances de aumentar significativamente o número de imigrantes venezuelanos no Brasil a curto prazo?

Levando em consideração que a Venezuela não é uma ilha e que ainda não proibiram que seus habitantes saiam de lá? Aposto que em pouco tempo teremos uma leva de fugitivos.

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 21.934
  • Sexo: Masculino
Re:Venezuela, Rússia e os efeitos da queda do preço do petróleo
« Resposta #24 Online: 19 de Janeiro de 2015, 17:53:03 »
Socialismo e seu sucesso em dividir igualmente a miséria (exceto para os amigos do rei). Quantas vezes será que a tal Ministra do Interior teve que ficar horas em filas para tentar comprar itens básicos como leite e papel higiênico?


Cara, acho que falta bem pouco para população se revoltar de vez.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!