Autor Tópico: Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade  (Lida 1932 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline EuSouOqueSou

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.905
  • Sexo: Masculino
  • Question not thy god, for thy god doth not respond
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #25 Online: 10 de Fevereiro de 2016, 15:59:27 »
Seria bom botar um pouco mais de contexto e uma série histórica maior:


http://databank.worldbank.org/data/reports.aspx?source=2&type=metadata&series=NY.GDP.MKTP.KD.ZG#

Detalhe: Evo Morales foi eleito em 2005.
Qualquer sistema de pensamento pode ser racional, pois basta que as suas conclusões não contrariem as suas premissas.

Mas isto não significa que este sistema de pensamento tenha correspondência com a realidade objetiva, sendo este o motivo pelo qual o conhecimento científico ser reconhecido como a única forma do homem estudar, explicar e compreender a Natureza.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #26 Online: 11 de Março de 2018, 07:41:38 »

Como a Bolívia se tornou o país que mais cresce na América do Sul

Cecilia Barría

Da BBC Mundo

29 outubro 2017




Bolívia cresce a uma média de 5% há mais de cinco anos | Foto: Getty Images


A Bolívia está há mais de uma década crescendo a uma média anual de 5% – muito superior à dos Estados Unidos e à dos países sul-americanos.


Apesar da crise no preço das commodities, o governo boliviano conseguiu manter o ritmo e foi cuidadoso para não desperdiçar o dinheiro que entrou após a nacionalização do gás e do petróleo em 2006.


O país tem crescido muito graças às exportações de gás natural que vende ao Brasil e à Argentina, o que gera o risco de ancorar seu crescimento a esse recurso. E, embora tenha feito esforços para diversificar a economia (com a venda de diesel, estanho e soja), permanece a pergunta de quanto tempo vai conseguir sustentar seu modelo de desenvolvimento.


Apesar disso, o crescimento ocorrido nos governos do presidente Evo Morales, que está no poder há mais de 10 anos, tem sido chamado de "milagre econômico boliviano".


Analistas do FMI, economistas bolivianos e até a oposição concordam que política econômica de Evo é eficaz | Foto: Getty Images


No ano passado, a Bolívia cresceu 4,3%, sendo seguida por Paraguai (4,1%) e Peru (4%). A lista segue com Colômbia (2%), Chile (1,6%) e Uruguai (1,5%).


O desempenho foi bastante alto se comparado ao dos Estados Unidos, que cresceu apenas 1,5%, e com a América Latina, que teve uma retração de 0,9%. O Brasil teve retração de 3,6% em 2016.


No campo político, a gestão de Evo tem sido elogiada por suas reformas inclusivas, mas duramente criticada por suas supostas tendências autoritárias, casos de corrupção e o nascimento de uma chamada "burguesia aymara" – em referência ao povo indígena do qual Evo faz parte.


Embora haja posições distintas em relação à atuação política do governo Morales, sobre a condução da economia os especialistas nacionais e internacionais convergem.


Segundo eles, estes são os três pilares do sucesso econômico da Bolívia:

1. Gás e petróleo


Em 2006, quando Evo Morales decretou a nacionalização dos hidrocarbonetos (como gás e petróleo), a economia boliviana entrou em uma nova era.


Essa fase incluiu, em alguns casos, a transferência de empresas privadas para as mãos do Estado e, em outros, a renegociação de contratos com empresas estrangeiras que continuaram operando no país.


Uma dezena de multinacionais assinaram novos contratos com a estatal YPFB (Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos), concordando em pagar uma taxa de entre 50% e 85% sobre o valor da produção, entre outras coisas.



Em 2006 o governo renegociou os contratos de petróleo e gás com as empresas estrangeiras | Foto: Getty Images


"O governo aumentou consideravelmente as receitas do Estado", diz o economista Luis Pablo Cuba, professor convidado da Universidade Mayor de San Simón.


"A nacionalização e o imposto direto cobrado sobre os hidrocarbonetos foram alguns dos principais elementos que explicam o alto crescimento econômico", afirma.


A alta nas receitas foi acompanhada de fortes investimentos públicos e de um modelo de desenvolvimento produtivo baseado na demanda interna.


Onde a roda foi inventada - e por que demoramos tanto para criá-la


2. Investimento planejado


"Nos últimos 14 anos, o crescimento econômico foi impulsionado principalmente pelo explosão dos preços das matérias-primas, pelo aumento de impostos, pelos significativos investimentos públicos e pelo alto gasto em políticas sociais", disse um porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI) à BBC Mundo.


"Durante a explosão das commodities, a pobreza diminuiu e o governo sabiamente guardou uma parte dos recursos, construindo uma grande reserva financeira'", afirma.



O gás natural é a principal fonte de receitas da Bolívia; governo mantém contratos de longo prazo com cotação fixa | Foto: Getty Images


Essa poupança passou de US$ 700 milhões para US$ 20 bilhões, o que permitiu ao governo absorver o impacto da queda nos preços a partir de 2014.


A liderança da Bolívia no crescimento na América do Sul deve ser mantida neste ano e no próximo, segundo as projeções do FMI.


O FMI prevê que o país deverá crescer 4,2% neste ano e 4% no próximo | Foto: Getty Images


Uma análise da economista Nicole Laframboise, publicada no blog do órgão, sugere que outro fator importante foi a queda no uso de dólares (que costumava ser usado em vez da moeda local) há cerca de dez anos.


"Isso ajudou a melhorar a efetividade da política monetária, contribuiu para a estabilidade do setor financeiro e permitiu que mais bolivianos tivessem acesso a crédito e a serviços financeiros", disse a economista.


3. Estabilidade


Tanto economistas do FMI quanto analistas locais concordam que a estabilidade social contribuiu para o crescimento econômico.


Entre 2001 e 2005, a Bolívia teve cinco presidentes e um clima de alta polarização e conflito. O início do mandato de Evo também teve momentos complicados, como o processo constituinte e a oposição política se entrincheirando nas regiões ricas do país.


Mas o radicalismo dos primeiros anos foi diminuindo.


Evo Morales está no poder na Bolívia há mais de dez anos; críticos falam em aumento da corrupção, mas admitem estabilidade | Foto: Getty Images


A isso se somam indicadores de inclusão social que favorecem a estabilidade. A pobreza diminuiu consideravelmente. Em 2004, 63% da população era pobre. Em 2015, esse índice passou a 39%.


A distribuição de renda também melhorou nesse período, de acordo com dados do FMI. A Bolívia passou de país mais desigual da América do Sul a uma posição média no continente.

Esses sucessos beneficiaram a imagem internacional de um país governado por um partido composto por organizações sindicais e centrais agrárias indígenas e camponesas – e que negociaram com o governo um acordo para evitar uma crise.



O percentual de pobres no país passou de 63% em 2004 a 39% em 2015 | Foto: Getty Images


Adversários políticos do governo criticam o fato de alguns grupos foram excessivamente favorecidos pela entrada de dinheiro e que o crescimento, apesar de trazer benefícios, trouxe também a corrupção de políticos da situação.


Mesmo assim, a oposição reconhece que Evo tem tido uma política econômica segura e pragmática apesar do seu discurso radical - que inclui, por exemplo, a venda de gás através de contratos de longo prazo com cotação fixa, o controle da inflação e a manutenção das reservas fiscais.



http://www.bbc.com/portuguese/internacional-41753995


Veja mais no site da BBC:


Os princípios políticos de Xi Jinping para transformar a China em uma superpotência global

Por que o Brasil escapou ileso da droga que virou epidemia nos EUA e na Europa




« Última modificação: 11 de Março de 2018, 08:06:27 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #27 Online: 11 de Março de 2018, 08:07:43 »


Será que o MBL vai fazer um programinha no Youtube mostrando esta realidade ?


 :D



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #28 Online: 11 de Março de 2018, 08:08:41 »


Ou será que vão convenientemente omitir esta realidade bolivariana ?


 :D

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #29 Online: 11 de Março de 2018, 08:15:19 »


Porque a Comunista Socialista Globalista Sorista Rede Globo não mostra (com destaque) esta realidade  bolivariana ?



 :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #30 Online: 03 de Junho de 2018, 11:13:08 »


Economia: o notável exemplo da Bolívia


por Antonio Martins — publicado 19/02/2014 18h55, última modificação 19/02/2014 19h20

Além de rechaçar o FMI, país fez reformas estruturais e evitou concessões a grandes empresas. Sucesso revela fragilidade das ideias conservadoras
 
inShare
 
Aizar Raldes / AFP
 Evo Morales
Evo Morales no Palacio Quemado, em 12 de fevereiro. Êxito na distribuição de riquezas e reformas estruturais revela espaço para alternativas


[Este é o blog do site Outras Palavras em CartaCapital. Aqui você vê o site completo]


Uma vasta onda de conservadorismo econômico varre o Brasil. Neste exato instante, por exemplo, o ministro da Fazenda Guido Mantega batalha por um amplo corte no Orçamento da União para 2014. Reduzir investimentos públicos é, pensa ele, indispensável para “tranquilizar os mercados”, sinalizando que o governo Dilma não adotará políticas que os afetem e recuperando sua “confiança“. Entre os adversários mais fortes da presidente, o cenário é ainda mais devastador. Aécio Neves prega o retorno puro e simples às políticas neoliberais. Eduardo Campos e Marina Silva cercam-se, informa o Valor Econômico, dos principais assessores econômicos de FHC. Preveem, se eleitos, ampliar as concessões que o Executivo faz, há meses, ao mundo das grandes finanças. Não há saída, todos parecem calcular: num mundo em que a crise agrava-se, a única opção de governantes prudentes seria evitar ousadias, não confrontar o grande poder econômico, esperar que passem os tempos de vacas magras. Será verdade?


Uma reportagem na edição de hoje do New York Times sugere desconfiar deste consenso. Trata de um país cuja força para resistir às pressões dos mercados financeiros é, em teoria, incomparavelmente mais reduzida que a do Brasil: a frágil Bolívia, com PIB (US$ 50 bilhões) cerca de 46 vezes inferior ao nosso. Traz revelações surpreendentes. A economia boliviana cresceu 6,5% no ano passado — uma das taxas mais altas do mundo. As reservas internacionais em moedas fortes são, proporcionalmente, quase duas vezes superiores às brasileiras. A dívida pública cai a cada ano. Tudo isso foi alcançado com medidas opostas às esboçadas pelos candidatos brasileiros.


O New York Times não nutre simpatias por Evo Morales, mas o texto reconhece, com honestidade: tais êxitos foram alcançados porque seu governo “abandonou as recomendações do FMI e de outras grandes fontes de financiamento”. Em três sentidos, pelo menos.


Primeiro, inverteu-se a submissão automática aos mercados. Nos anos 1990, a Bolívia tornara-se conhecida por aceitar a condição de laboratório das políticas neoliberais. Em nome do combate à inflação, houve cortes maciços de programas sociais, fim de subsídios a bens essenciais, privatizações, demissões em massa. Tentou-se a privatização das fontes de água (em Cochabamba) e das reservas de gás. Produziu-se desigualdade, marginalização, instabilidade política, e as revoltas que levaram Evo ao poder.


Iniciado em 2006, seu governo lançou políticas ousadas de redistribuição de renda — em especial, aumento das aposentadorias e uma versão local do Bolsa Família. O percentual da população vivendo em extrema pobreza caiu de 38% para 24%, em seis anos. El Alto, subúrbio proletário e rebelde de La Paz, é marcado hoje, continua a reportagem, pela reforma febril das casas populares e pela multiplicação de padarias mais ou menos refinadas. No campo, as comunidades camponesas começam a substituir o arado puxado por animais por tratores.


A estes fenômenos, que também podem ser observado em algumas periferias brasileiras ou no interior do Nordeste, o governo boliviano somou reformas econômicas de fundo. A exploração do gás — principal produto de exportação —  foi renacionalizada em 2006. A alta das cotações internacionais do produto não encheu os bolsos de poucos proprietários privados (como ocorre com o agronegócio e as mineradoras, no Brasil). Ajudou, ao contrário a ampliar os programas sociais, os investimentos de infra-estrutura, a geração de ocupações. Em novembro do ano passado, Evo apoiou-se nesta alta para instituir um 14º salário para os servidores públicos e parte dos trabalhadores privados.


Por fim, não houve (ao contrário do Brasil) concessões fiscais a grandes grupos econômicos. Ao contrário. As tentativas de desinvestimento, por parte do empresariado, foram enfrentadas com a nacionalização de pelo menos vinte companhias, numa série de setores econômicos.


Os resultados positivos impressionam os próprios representantes de instituições antes hostis. “A oportunidade [aberta pela alta dos preços do gás] poderia ter sido desperdiçada, mas a realidade é que não foi”, disse ao New York Times o representante do Banco Mundial na Bolívia, Faris Hadad Zarvos. Seus superiores na hierarquia da instituição parecem reconhecer o sucesso.


Em dezembro de 2012, Evo Morales propôs o desmantelamento “do sistema financeiro internacional e de seus satélites, o FMI e o Banco Mundial”. Seis meses depois, o novo presidente do banco, Jim Young Kim, não se incomodou a jogar uma partida de futebol com o próprio presidente, para celebrar o reatamento das relações entre as duas partes.




https://www.cartacapital.com.br/blogs/outras-palavras/economia-o-notavel-exemplo-da-bolivia-6693.html



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #31 Online: 03 de Junho de 2018, 11:16:27 »
Parece  que o terrível e horroroso Bolivarianismo  acabou a com a Bolívia. 


Evo,  o Terrível,  deveria ter seguido os passos do  Super  Macri  que odeia Bolivarianismo,  aí sem ele estaria  colhendo lindos resultados como a Argentina está colhendo com o maravilhoso Super Neo Governo Macri.


 :biglol:



« Última modificação: 03 de Junho de 2018, 23:32:08 por JJ »

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.490
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #32 Online: 03 de Junho de 2018, 11:43:51 »

Parece  que o terrível e horroroso Bolivarianismo  acabou a com a Bolívia. 


Evo,  o Terrível,  deveria ter seguido os passos do  Super  Macri  que odeia Bolivarianismo,  aí sem ele estaria  colhendo lindos resultados como a Argentina está colhendo com o maravilhoso super neo governo Macri.


 :biglol:





Mais spam e "posta-e-foge" do JJ. Eu já tinha dito no outro tópico que a imensa maior parte da crise argentina foi criada pela bolivariana Cristina, e que mesmoo governo Macri tinha pouco a ver com direita econômica (e essa minha proposição foi pronunciada antes da crise).
« Última modificação: 03 de Junho de 2018, 11:51:49 por -Huxley- »

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.731
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #33 Online: 03 de Junho de 2018, 12:01:47 »

Parece  que o terrível e horroroso Bolivarianismo  acabou a com a Bolívia. 


Evo,  o Terrível,  deveria ter seguido os passos do  Super  Macri  que odeia Bolivarianismo,  aí sem ele estaria  colhendo lindos resultados como a Argentina está colhendo com o maravilhoso super neo governo Macri.


 :biglol:





http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u95508.shtml

O Brasil investiu quase três bilhões em duas refinarias roubadas, depois o índio cheirador de pó aumentou os impostos de 50 para 82%.

Ainda assim o governo PT enfiou mais um monte de dinheiro por lá.

E vamos fazer de conta que vc não sabe da relacao do governo boliviano com a produção e tráfico de drogas.
« Última modificação: 03 de Junho de 2018, 12:08:00 por Arcanjo Lúcifer »

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.731
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #34 Online: 03 de Junho de 2018, 12:07:15 »
https://m.oglobo.globo.com/economia/brasil-ameacado-de-levar-calote-de-5-bilhoes-dos-paises-vizinhos-3805575

Citar
Brasil pode ser alvo de um calote de até R$ 5 bilhões por parte dos governos da Venezuela, Bolívia, Paraguai e Equador, que decidiram realizar auditorias em suas dívidas externas. Esse é o volume de empréstimos externos concedidos pelo BNDES

Notícia de 2012.

Interessante, o PT fez uma negociata para ajudar a Odebrecht roubar dinheiro e levar para essas repúblicas de amigos, por coincidência resolveram fazer uma auditoria.

"Que é isso? Dinheiro roubado e obras superfaturadas? Vamos dar um calote!"

Seu país banca essa corja imunda toda, com seu dinheiro e com o meu.


Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 26.903
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #35 Online: 03 de Junho de 2018, 19:42:50 »


Ou será que vão convenientemente omitir esta realidade bolivariana ?


 :D

Qual é a situação atual?
Foto USGS

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #36 Online: 03 de Junho de 2018, 23:20:47 »
Qual é a situação atual?



Em outubro de 2017 as notícias continuavam positivas:

Como a Bolívia se tornou o país que mais cresce na América do Sul

Cecilia Barría

Da BBC Mundo

29 outubro 2017


Bolívia cresce a uma média de 5% há mais de cinco anos [...]


http://www.bbc.com/portuguese/internacional-41753995




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #37 Online: 03 de Junho de 2018, 23:25:19 »
Crescimento da Bolívia desacelera com baixa demanda de gás do Brasil

(http://afp.com)

30/10/2017 17h47


La Paz, 30 Out 2017 (AFP) - A Bolívia registrou um crescimento econômico de 3,94% de junho de 2016 a junho de 2017, menor que nos anos anteriores, principalmente pela redução da demanda de gás natural do Brasil, anunciou o governo do país nesta segunda-feira (30).


"O Brasil foi nos demandando menos do que normalmente, não é sobre a produção de hidrocarbonetos, é uma questão da demanda do Brasil", disse em coletiva de imprensa o ministro de Economia, Mario Guillén, que anunciou os dados macroeconômicos. Contudo, trata-se de uma das melhores cifras de crescimento comparada com as projeções para seus vizinhos na região.


Baseado em dados oficiais da petroleira estatal YPFB, ele explicou que a demanda brasileira em alguns meses flutuou entre 14,5 milhões e 17,5 milhões de metros cúbicos diários (mmcd) de gás, até voltar aos habituais 26 mmcd. A demanda Argentina se manteve estável.


Segundo Guillén, o crescimento de 12 meses, de junho de 2016 a junho deste ano, é de 3,94%. A Bolívia cresceu 4,9% em 2012; 6,2% em 2013; 5,9% em 2014; 5,3% em 2015; e 4,4% em 2016.


Além disso, de acordo com o ministro, "antecipamos que vamos terminar o ano com um crescimento de mais de 4%", mas não irá exceder 4,5% - o que permite aos trabalhadores bolivianos acessar um bônus duplo em dezembro.



A dupla remuneração foi cumprida em 2013, 2014 e 2015, após a entrada em vigor de um decreto do presidente Evo Morales



https://economia.uol.com.br/noticias/afp/2017/10/30/crescimento-da-bolivia-desacelera-com-baixa-demanda-de-gas-do-brasil.htm


Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.490
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #38 Online: 04 de Junho de 2018, 00:15:43 »
Crescimento da Bolívia desacelera com baixa demanda de gás do Brasil

(http://afp.com)

30/10/2017 17h47


La Paz, 30 Out 2017 (AFP) - A Bolívia registrou um crescimento econômico de 3,94% de junho de 2016 a junho de 2017, menor que nos anos anteriores, principalmente pela redução da demanda de gás natural do Brasil, anunciou o governo do país nesta segunda-feira (30).


"O Brasil foi nos demandando menos do que normalmente, não é sobre a produção de hidrocarbonetos, é uma questão da demanda do Brasil", disse em coletiva de imprensa o ministro de Economia, Mario Guillén, que anunciou os dados macroeconômicos. Contudo, trata-se de uma das melhores cifras de crescimento comparada com as projeções para seus vizinhos na região.


Baseado em dados oficiais da petroleira estatal YPFB, ele explicou que a demanda brasileira em alguns meses flutuou entre 14,5 milhões e 17,5 milhões de metros cúbicos diários (mmcd) de gás, até voltar aos habituais 26 mmcd. A demanda Argentina se manteve estável.


Segundo Guillén, o crescimento de 12 meses, de junho de 2016 a junho deste ano, é de 3,94%. A Bolívia cresceu 4,9% em 2012; 6,2% em 2013; 5,9% em 2014; 5,3% em 2015; e 4,4% em 2016.


Além disso, de acordo com o ministro, "antecipamos que vamos terminar o ano com um crescimento de mais de 4%", mas não irá exceder 4,5% - o que permite aos trabalhadores bolivianos acessar um bônus duplo em dezembro.



A dupla remuneração foi cumprida em 2013, 2014 e 2015, após a entrada em vigor de um decreto do presidente Evo Morales



https://economia.uol.com.br/noticias/afp/2017/10/30/crescimento-da-bolivia-desacelera-com-baixa-demanda-de-gas-do-brasil.htm



Diferentemente da Venezuela, a Bolívia não seguiu uma política econômica marxista: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2439

Socialismo econômico da boca para fora para a maior parte da economia, e socialismo restrito a alguns setores estrangeiros - ainda assim diferente do que aconteceu na Venezuela como mostra o artigo do IMB...
« Última modificação: 04 de Junho de 2018, 00:34:14 por -Huxley- »

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.490
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #39 Online: 04 de Junho de 2018, 00:20:54 »
Só falta o JJ dizer que as expropriações de Morales explicam o bom desempenho econômico da Bolívia, e não ele ter deixado os pequenos e médios burgueses bolivianos em paz. Até faria sentido ele dizer isso, já que o JJ é um correlacionista extremo e socialista enrustido.  :lol:
« Última modificação: 04 de Junho de 2018, 00:27:37 por -Huxley- »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #40 Online: 04 de Junho de 2018, 07:56:07 »

Diferentemente da Venezuela, a Bolívia não seguiu uma política econômica marxista: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2439

Socialismo econômico da boca para fora para a maior parte da economia, e socialismo restrito a alguns setores estrangeiros - ainda assim diferente do que aconteceu na Venezuela como mostra o artigo do IMB...



Mas é justamente algo semelhante a isto que faz sentido.   O erro é a ideia do Capitalismo 100% ou Socialismo 100%.   O erro  é achar que todo estatismo é ruim e dá mal resultado.   Enfim, o erro é o fanatismo pró  mercado/capitalismo total.






Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #41 Online: 04 de Junho de 2018, 08:01:08 »


"Desde [...], líderes políticos sabem que o socialismo "puro" leva à inanição muito rapidamente."


E capitalismo puro 100% leva ao paraíso ?  Anarcocapitalismo leva ao paraíso ?





Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #42 Online: 04 de Junho de 2018, 08:01:52 »


Quem aqui acredita no capitalismo 100% (anarcocapitalismo) ?



Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.731
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #43 Online: 04 de Junho de 2018, 08:19:45 »


"Desde [...], líderes políticos sabem que o socialismo "puro" leva à inanição muito rapidamente."


E capitalismo puro 100% leva ao paraíso ?  Anarcocapitalismo leva ao paraíso ?






Parece que a coisa não deu muito certo para o socialismo do século XXl

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/venezuela-retira-suas-reservas-no-fmi-e-produz-menos-petroleo,1a90c28682f79cde01f9d9b1795029c1c4wkc13m.html

Citar
Venezuela retira suas reservas no FMI e produz menos petróleo
Agora, Caracas tem no Fundo apenas bolívares que não valem nada e a quantidade de barris/dia é igual à produção em 1949

Citar
ezuela sacou em abril US$ 475 milhões de sua reserva no Fundo Monetário Internacional (FMI). No início do ano, o país já havia retirado os últimos US$ 250 milhões de seus Direitos Especiais de Saque (SDR), conta na qual tinha US$ 3,6 bilhões em 2015. Caracas ainda possui US$ 362 milhões em sua reserva na instituição. O restante de sua cota é integrado por bolívares que não têm nenhum valor.

Calote a vista em 3,2,1....

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #44 Online: 04 de Junho de 2018, 08:51:28 »


"Desde [...], líderes políticos sabem que o socialismo "puro" leva à inanição muito rapidamente."


E capitalismo puro 100% leva ao paraíso ?  Anarcocapitalismo leva ao paraíso ?


Parece que a coisa não deu muito certo para o socialismo do século XXl

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/venezuela-retira-suas-reservas-no-fmi-e-produz-menos-petroleo,1a90c28682f79cde01f9d9b1795029c1c4wkc13m.html



Você acredita em capitalismo a 100% ? Você acredita que o  anarcocapitalismo é o melhor caminho para o pleno desenvolvimento da humanidade?


Você é adepto das ideias de  Rothbard ?



Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.490
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #45 Online: 04 de Junho de 2018, 11:40:38 »

Diferentemente da Venezuela, a Bolívia não seguiu uma política econômica marxista: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2439

Socialismo econômico da boca para fora para a maior parte da economia, e socialismo restrito a alguns setores estrangeiros - ainda assim diferente do que aconteceu na Venezuela como mostra o artigo do IMB...



Mas é justamente algo semelhante a isto que faz sentido.   O erro é a ideia do Capitalismo 100% ou Socialismo 100%.   O erro  é achar que todo estatismo é ruim e dá mal resultado.   Enfim, o erro é o fanatismo pró  mercado/capitalismo total.







O caso da Bolívia de Morales não é um problema de haver "Não 100% Capitalismo" ou "não defesa de direito ilimitado de propriedade".

Você simplesmente não está percebendo que está fazendo o jogo dos ladrões marxistas. Para eles, não há qualquer problema em ser ladrão, desde que se seja ladrão de "grandes burgueses". Isto é, há regras arbitrárias classistas que permitem "expropriação proletária". Isso sem falar que a Bolívia poderia estar em situação ainda melhor sem essas expropriações.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #46 Online: 16 de Junho de 2018, 08:04:13 »

Diferentemente da Venezuela, a Bolívia não seguiu uma política econômica marxista: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2439

Socialismo econômico da boca para fora para a maior parte da economia, e socialismo restrito a alguns setores estrangeiros - ainda assim diferente do que aconteceu na Venezuela como mostra o artigo do IMB...



Mas é justamente algo semelhante a isto que faz sentido.   O erro é a ideia do Capitalismo 100% ou Socialismo 100%.   O erro  é achar que todo estatismo é ruim e dá mal resultado.   Enfim, o erro é o fanatismo pró  mercado/capitalismo total.







O caso da Bolívia de Morales não é um problema de haver "Não 100% Capitalismo" ou "não defesa de direito ilimitado de propriedade".

Você simplesmente não está percebendo que está fazendo o jogo dos ladrões marxistas. Para eles, não há qualquer problema em ser ladrão, desde que se seja ladrão de "grandes burgueses". Isto é, há regras arbitrárias classistas que permitem "expropriação proletária". Isso sem falar que a Bolívia poderia estar em situação ainda melhor sem essas expropriações.




Por falar em Ladrões,  sabe que eu lembrei de uns tais Barões Ladrões,  de um tal país Capitalistão  (mas não 100% pois o tal país tem um Estadão grandão).










« Última modificação: 16 de Junho de 2018, 08:10:40 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #47 Online: 16 de Junho de 2018, 08:06:40 »


"Desde [...], líderes políticos sabem que o socialismo "puro" leva à inanição muito rapidamente."


E capitalismo puro 100% leva ao paraíso ?  Anarcocapitalismo leva ao paraíso ?


Parece que a coisa não deu muito certo para o socialismo do século XXl

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/venezuela-retira-suas-reservas-no-fmi-e-produz-menos-petroleo,1a90c28682f79cde01f9d9b1795029c1c4wkc13m.html



Você acredita em capitalismo a 100% ? Você acredita que o  anarcocapitalismo é o melhor caminho para o pleno desenvolvimento da humanidade?


Você é adepto das ideias de  Rothbard ?





E aí  Arcanjo,  você é adepto do capitalismo liberal 100%  do Rothbard ?


100% Capitalismo ou  não ?



 :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?: :?:


« Última modificação: 16 de Junho de 2018, 08:09:28 por JJ »

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 20.731
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #48 Online: 16 de Junho de 2018, 09:02:08 »
 Vou explicar o que penso, do meu modo, da melhor forma possivel:

Acho que a única função de um governo é definir regras de convivência e mais nada. Nossa vida seria muito melhor se um governo existisse apenas para fazer cumprir as leis sem se intrometer em outros assuntos.

Definir o que uma empresa ou um banco pode ou não pode fazer, definir que leis temos que seguir,  cuidar da segurança pública e mais nada.

Pago um monte de impostos quando recebo meu salário ou compro algumamercadoria, depois pago imposto de renda todo ano.

Se o estado fosse menor eu poderia pegar esse dinheiro e pagar uma escola particular para meus filhos, se tivesse algum, ou poderia usar o dinheiro para outros fins ao invés de pagar escola pública para os filhos dos outros.

Se eu não tivesse que pagar IPTU poderia simplesmente pagar as contas da iluminação pública ou do asfalto no meu bairro ao invés de sustentar um cabidâo de vagabundos que consomem 90% dos meus impostos enfiando dinheiro no cu de artistas ricos ou de ditadores africanos.

Se eu não pagasse quase 50% dos meus ganhos em impostos inúteis eu teria um salário limpo muito mais alto e poderia pagar apenas pelos serviços necessários e que me afetam diretamente.

Não preciso pagar escola pública para gente irresponsável que faz filho todo ano sem ter como sustentar, nem pagar vale-barraco para invasores que revendem a casa recém adquirida por um programa populista de compra de eleitores, não precisaria pagar uma taxa de juros absurda para manter um sistema falido, nem uma merda de previdência pública porque eu poderia i vestir em algo do meu interesse.

E quem quiser fazer 50 filhos que o faça e se vire com as próprias contas, a assim talvez aprenda a viver como gente ao invés de ter uma babá grande, gorda e burra chamada Estado.

« Última modificação: 16 de Junho de 2018, 09:04:47 por Arcanjo Lúcifer »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.763
  • Sexo: Masculino
Re:Bolívia é elogiada por expansão e estabilidade
« Resposta #49 Online: 16 de Junho de 2018, 09:44:15 »
Vou explicar o que penso, do meu modo, da melhor forma possivel:

Acho que a única função de um governo é definir regras de convivência e mais nada. Nossa vida seria muito melhor se um governo existisse apenas para fazer cumprir as leis sem se intrometer em outros assuntos.

Definir o que uma empresa ou um banco pode ou não pode fazer, definir que leis temos que seguir,  cuidar da segurança pública e mais nada.


Grande parte das leis que já existem no Brasil e dos órgão públicos já fazem justamente isso:

“Definir o que uma empresa ou um banco pode ou não pode fazer”

Eu na verdade considero que há excesso neste aspecto.


Citação de: Arcanjo
Pago um monte de impostos quando recebo meu salário ou compro alguma mercadoria, depois pago imposto de renda todo ano.

Vários países que estão entre os melhores do mundo para se viver tem cargas tributárias mais altas,  inclusive alíquotas de  imposto de renda muito maiores do que as que tem no Brasil.



Citação de: Arcanjo
Se o estado fosse menor eu poderia pegar esse dinheiro e pagar uma escola particular para meus filhos, se tivesse algum, ou poderia usar o dinheiro para outros fins ao invés de pagar escola pública para os filhos dos outros.


Escola pública é algo que existe nos melhores países do mundo (países com melhor IDH). Até o chilito,  que é muito citado pelos  news  liberaus  brazucas  (e outros não brazucas) tem escolas públicas (e também um sistema de vouchers, que é uma forma de prover educação de forma indireta pelo Estadão). Então,  essa sua ideia de acabar com a educação pública  é apenas uma ideia radical que não encontra eco nos  melhores países do mundo.




Citação de: Arcanjo
Se eu não tivesse que pagar IPTU poderia simplesmente pagar as contas da iluminação pública ou do asfalto no meu bairro ao invés de sustentar um cabidâo de vagabundos que consomem 90% dos meus impostos enfiando dinheiro no cu de artistas ricos ou de ditadores africanos.


Aqui o IPTU não é utilizado para pagar contas da iluminação pública, para isso existe a taxa de iluminação pública, em São Paulo vocês não pagam uma taxa de iluminação pública ?


Com relação à asfalto eu penso que poderia até  ser algo parcialmente ou até totalmente implementado e pago diretamente pelos proprietários de lotes, é possível que haveria algumas dificuldades para implementar tal ideia, mas acredito que tais dificuldades poderiam ser superadas.



Citação de: Arcanjo
Se eu não pagasse quase 50% dos meus ganhos em impostos inúteis eu teria um salário limpo muito mais alto e poderia pagar apenas pelos serviços necessários e que me afetam diretamente.

Um número mais correto seria 40%, 50 % está exagerado.  Mas, seja como for,   a discussão sobre o tamanho da carga tributária, e o que o Estado deve ou não fazer é uma discussão válida, só que não é algo simplista como muitos  news  liberaus  brazucas   propagandeiam.  Pois, há países excelentes com Estado grande e alta carga tributária, e países ruins com Estado pequeno e baixa carga tributária, as coisas não são simples como:


Estado pequeno e/ou  baixa carga tributária, então => país bom para se viver;

Estado grande e/ou  alta carga tributária, então => país ruim para se viver .


Citação de: Arcanjo
Não preciso pagar escola pública para gente irresponsável que faz filho todo ano sem ter como sustentar, [...]

Uma possibilidade é você emigrar para um país que não tenha escolas públicas.





« Última modificação: 16 de Junho de 2018, 11:04:17 por JJ »

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!