Autor Tópico: Os sons do Inferno  (Lida 472 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Brienne of Tarth

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.126
  • Sexo: Feminino
  • Ave, Entropia, morituri te salutant
Os sons do Inferno
« Online: 05 de Abril de 2016, 11:02:38 »
Já tinha ouvido antes, e a análise da gravação também.
Não consegui passar o audio para cá, então se houver interesse, é só clicar no link lá embaixo.
Pura pareidolia auditiva, tipo LP do Pink Floyd ao contrário...


"Tudo teria acontecido na Sibéria, em 1989, num lugar indeterminado e sem nome: perfuratriz encontra o inferno! Desculpem, mas não foi a perfuratriz, foi a equipe de amedrontados geólogos.
Como sempre ocorre nessas histórias estapafúrdias, o local da ocorrência fica muito longe o que impede as pessoas de irem até lá confirmar o fato.
O lugar chamado Sibéria fica na Rússia, é muito frio e corresponde a cerca de 77% do seu território. (É lá que fica a cidade de Irkutsk, a cidade mais fria do mundo.)
Por motivos não esclarecidos na mensagem – se buscavam petróleo ou outra coisa –, eles usavam uma poderosa perfuratriz e já estavam com a broca a 14.000 metros de profundidade. De repente, a broca deixou de encontrar resistência e começou a girar livremente. Os geólogos da expedição imaginaram haver encontrado um bolsão oco: o centro da Terra.
O Dr. Azzacove ou Azzacov, conforme a versão, cientista conhecido apenas pelo enorme buraco que teria cavado no chão da Sibéria, ficou surpreso com a descoberta.
Segundo o relato, aos 14.000 metros de profundidade a temperatura encontrada foi de 2.000 graus Fahrenheit (1.093 graus Celsius). Apesar de tanto calor, os cientistas conseguiram introduzir, através da sonda, um microfone e ficaram pasmos com o que escutaram.
Só pra início de conversa: se houvesse geólogos nessa história, eles saberiam que o diâmetro do nosso planeta é de bem mais de 28 km. Os 14 km supostamente atingidos, portanto, nada significariam diante do diâmetro da Terra que é de 12.756 km.
Ao analisar as fitas gravadas com os estranhos sons os cientistas ouviram gritos horríveis. Eram vozes pedindo água e misericórdia. (Acrescento por minha conta: aparelhos de ar condicionado também seriam uma boa pedida ;-))
Mais "estudos" e logo eles interpretaram os sons como sendo gemidos e lamentos das almas dos ímpios, almas penadas, almas condenadas ao fogo eterno. E onde estariam essas almas penadas, condenadas, perdidas e recém-achadas?
Elementar, meu caro Watson: no inferno, é claro!
Que pedissem por misericórdia, até que seria coerente, pois misericórdia é um "sentimento doloroso causado pela miséria de outrem" (Caldas Aulete) e bem adequado ao estado em que as almas condenadas encontravam-se, mas pedir água?!
É estranho.
Água é coisa material e almas são, por definição, coisas incorpóreas e imateriais. Como poderiam elas sentir falta de coisa material, pedir água, sentir sede?
Tudo foi publicado por um conceituado (!) jornal finlandês de nome Ammennusatia, Ammennusastia ou Ammenusastia. Ao procurar no Google por esse famoso jornal, ele aparece apenas nas referências ao enorme buraco que teria chegado ao inferno.

Conclusões provisórias:

* não havia geólogos em tal suposta prospecção. Se houvesse, eles teriam informações sobre a composição e espessura da crosta terrestre;
* tanto o nome do geólogo responsável pelo buraco, o Dr. Dmitri Azzacove ou Dmitri Azzacov como o nome do jornal finlandês eles apenas são conhecidos por conta da suposta descoberta;
* não dá para imaginar que a temperatura tenha chegado, de repente, aos quase 1.100 graus Celsius. Alguns metros acima do inferno (?), a temperatura já teria chegado aos 1.000 graus. Mesmo assim, a broca e a sua haste de sustentação não fundiram nem se tornaram maleáveis e continuaram o serviço;
* o microfone não fundiu certamente porque fora especialmente preparado para a missão, não a de descobrir o inferno, mas a de ouvir os sons dos movimentos das placas tectônicas. De qualquer forma, fica a pergunta: a que distância da "porta do inferno" o microfone teria chegado?

Numerosos saites reproduzem o texto e as afirmações parecem transformar-se em verdades não porque elas mereçam crédito, mas pelo número de repetições delas. É algo semelhante ao mote "uma mentira apresentada muitas vezes transforma-se em verdade".
Muitos dos sites que reproduzem a história são sites religiosos fundamentalistas que tomam ao pé da letra o texto da Bíblia. Alguns deles falam de demônios, do satanismo, do dia do arrebatamento (!?), da besta do Apocalipse e de coisas semelhantes.
Um dos saites mostra foto borrada onde se "vêem" o rosto de Jesus, o rosto do diabo, anjos, gente sendo "arrebatada", animais, carros e quem quiser ver verá muitas outras coisas como uma bola de futebol e um radinho de pilha. Mesmo não apresentando simetria, a foto, ou melhor, os borrões lembram as cartelas dos famosos testes de Rorschach: pessoas diferentes vêem coisas diferentes nas manchas apresentadas.

Mas será que encontraram mesmo o inferno?

É mais embaixo, diz o site Tabernáculo.Net:

O assunto precisa ser analisado com cautela, antes de darmos ampla divulgação nas igrejas. Não me parece fácil aceitarmos a idéia de que o inferno, possa, doravante, ser acessado por qualquer pessoa, bastando que possua o equipamento necessário.
Se admitirmos a literalidade na interpretação de alguns textos bíblicos (Efésios 4.9: regiões mais baixas da terra ; Jó 38.16: Profundo abismo ; Apocalipse 19.20; 20.15; 21.8: Lago de fogo e enxofre ; Marcos 9.43; Isaías 66.24: Fogo que não se apaga ) e formos levados ao entendimento de que o inferno é um lugar físico, devemos entender que esse lugar é no profundo abismo, onde o fogo nunca se apaga.
Ainda que válida a interpretação literal, esse lugar de suplício eterno não se encontraria tão próximo da superfície terrestre, e vulnerável, que uma sonda de um cientista ateu pudesse descobri-lo.

Uma voz ponderada, sem dúvida: antes de divulgar, convém analisar com cautela. O autor desse texto nos esclarece o seu ponto de vista e diz da sua incredulidade sobre o fato noticiado. (Veja a mensagem.)

 
E mais: uma sonda comandada por cientista ateu não poderia jamais encontrar o inferno. Quem sabe, talvez um cristão bem comportado tivesse melhores chances...

Em Vozes do Inferno o autor apresenta algumas preocupações:

6 Excluída a hipótese de a sonda do cientista haver perfurado a litosfera até chegar a um bolsão [...] nossa atenção estaria voltada, então, para a tese da região vulcânica. Ora, existem uns 600 vulcões ativos [...]. Perguntamos: em qual deles estaria o inferno? O inferno estaria estratificado, dividido por seções, e assim espalhado por muitas regiões? Cada país teria seu inferno particular? Onde estaria o inferno do Brasil?

7 Por outro lado, só com muito esforço poderíamos admitir a hipótese vulcânica, pelo simples fato de que o inferno seria uma prisão vulnerável. A não ser que circundado com portas invisíveis pelo Deus do impossível, o inferno nessas condições teria uma porta de escape, a cratera por onde os mais rebeldes escapariam.

 

Não há dúvida nenhuma: um inferno vulnerável, sem controle de saída dos seus hóspedes iria transformar a nossa vida aqui Terra em um verdadeiro inferno. (Perdão, eu sei que foi péssima ;}

Já pensou uma coorte, ou muito pior, uma legião de almas danadas, danadinhas e rebeldes a atanazar a nossa vida? (Dá até pra imaginar a cena: "Sai pra lá, sua alma danada! Desafasta!" ;-]

Mais alguns pontos chamam a atenção:

* O recorte do jornal tem a manchete Researchers record the screams of the damned. Por que um jornal da Finlândia publicaria matéria em inglês e não no idioma da terra, o finlandês?
* Ouviam-se vozes de milhões de humanos: como distinguir entre elas as vozes que faziam os pedidos de água e os de misericórdia? (Considerando que, certamente, as almas estavam bastante irritadas, elas não falavam palavrões? Nenhum f*d*p* ou s*o*b* foi registrado?)

* Por que motivo os cientistas não tomaram nenhuma providência para atender os pedidos das almas pecadoras? Misericórdia, certamente, não seria um sentimento presente nos corações dos pesquisadores comunistas, ateus e comedores de criancinhas, mas por que não forneceram água? Vejam que o Dr. Azzacove, um empedernido comunista, talvez até tivesse coração, pois ele declarou, certamente num momento de fraqueza, que passara a acreditar no inferno. A pergunta continua sem resposta: por que não puseram água através da sonda? (De qualquer forma, usar água para esfriamento da broca e de equipamentos de perfuração de poços e de sondagens profundas é prodedimento recomendável.) Se usassem água potável, melhor ainda.

* Qual o idioma usado pelas almas penadas ao fazerem os pedidos? Russo? Finlandês? Inglês? Latim? Árabe? Quais os idiomas, além do russo, que o Dr. Azzacove e a sua equipe de cientistas dominavam?

 

E como essa história começou?

Em 1984, foi publicado na revista Scientific American artigo falando de um poço com 12 km de profundidade cavado pelos russos na Península de Kola. (Ye. A. Kozlovsky, 'The world's deepest well', Scientific American, vol. 251(6), December 1984, pp. 106-112.)

O artigo Mysteries of the Inner Earth menciona o poço de Kola e diz que aos 10 km de profundidade registrou-se a temperatura de 180°C, quando o esperado era 100°C.

Segundo a revista Scientific American, ao atingir os 12 km de profundidade, a temperatura registrada foi de 180 graus Fahrenheit (82 graus Celsius).

O poço teve a construção iniciada em 1970 e foi interrompida em 1994 ao atingir 12.262 metros. Quase dois quilômetros menos que os 14 relatados e a temperatura era de 180 graus, bem menos que os 2.000 graus mencionados na "reportagem".

Qualquer pessoa com um mínimo de informações sobre a Terra sabe qual o seu diâmetro (o da Terra :) e onde fica o seu centro (idem:). O centro do nosso planeta encontra-se a bem mais de 12 quilômetros de distância da superfície. Os tais cientistas não sabiam disso?

Em 1989, o Trinity Broadcasting Network (TBN) da Califórnia, USA publicou matéria intitulada Scientists Discover Hell (Cientistas descobrem o inferno). Dizia que cientistas russos cavaram um poço, que o tal buraco ficava na Península de Kola e que, no fundo do buraco, eles haviam encontrado as portas do inferno.

Professor norueguês que, na ocasião, visitava os Estados Unidos viu a reportagem. Ao retornar ao seu país, ele escreveu uma carta sobre o tema e a enviou para uma revista religiosa da Finlândia que a publicou na sua secção de cartas (ou de opinião dos leitores).

A partir daí, o conteúdo da carta chegou a alguns missionários finlandeses que levaram a "notícia" de volta para os Estados Unidos.

Ao chegar de volta à TBN, que divulgara a matéria original, o conteúdo do texto realimentou a si próprio e espalhou-se entre missionários, agora com uma suposta certificação científica, pois teria sido publicado por conceituada publicação científica finlandesa.

No ano seguinte, 1990, a lenda tomou a forma atual e espalhou-se pelo mundo através de publicações religiosas.

No meio dessa história toda, apareceu um adendo ao texto afirmando que um gás incandescente havia saído pela abertura do poço e com ele surgiu um ser com asas de morcego mostrando a inscrição em russo: Eu venci!

Rastreando a origem desse acréscimo, descobriu-se o autor da inscrição. Ele explicou tratar-se de uma brincadeira para mostrar que muita gente iria acreditar nessa história sem contestá-la.

Não há dúvida de que, para quem acredita nessas coisas, tudo é aterrador.

Sobre as instalações de perfuração do poço, vale a pena comparar as duas fotos: a que acompanha algumas versões do texto sobre as vozes do inferno e a apresentada no artigo Mysteries of the Inner Earth"


Vozes do Inferno
GNOSE

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 25.973
  • Sexo: Masculino
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #1 Online: 05 de Abril de 2016, 11:25:18 »
Dada a quantidade de informações erradas, esta estória ou foi criada em algum site fundamentalista cristão ou é apenas alguma piada de Internet elaborada por estudantes de Geologia, insatisfeitos porque foram mal em alguma avaliação nas disciplinas ou de Geofísica ou de Petrologia.

« Última modificação: 05 de Abril de 2016, 11:38:38 por Geotecton »
Foto USGS

Offline Brienne of Tarth

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.126
  • Sexo: Feminino
  • Ave, Entropia, morituri te salutant
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #2 Online: 05 de Abril de 2016, 11:34:52 »
É um daqueles hoax que vêm e vão de tempos em tempos, Geo...

Mas sua análise e conclusão sobre estudantes de Geologia foi ótima... :ok:  :histeria:
GNOSE

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 34.099
  • Sexo: Masculino
  • ...
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #3 Online: 05 de Abril de 2016, 17:18:16 »
O que a maior parte das pessoas não se dão conta é que tal registro não é tão "literal" quanto podem imaginar, mas um fenômeno de transcomunicação instrumental.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Transcomunica%C3%A7%C3%A3o_instrumental

A teoria espírita prevê que nas camadas inferiores do planeta estejam espíritos em uma espécie de estado de auto-flagelação, muito embora tenham se colocado lá de forma voluntária, não são plenamente livres para sair dali, precisa haver o equilíbrio carmodinâmico. Da mesma forma, um raio não cai "quando quer"; apenas quando as condições eletrodinâmicas são propícias. A exceção implica apenas em um desequilíbrio de cargas ainda maior, que terá que ser compensado futuramente.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.356
  • Haters are losers.
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #4 Online: 05 de Abril de 2016, 20:03:50 »
Não sei porque tanta surpresa em relação a essas "vozes do inferno" quando todo mundo bem informado sabe que as auroras boreal e austral são resultados da luz do sol que brilha no interior da Terra refletida na atmosfera. A Terra é ôca, basta pesquisar um pouco para entender, e ela abriga uma civilização que quer "subir" à superfície de qualquer modo, depois de milênios de confinamento. O que se escuta é apenas um coro de vozes insatisfeitas.
Gossip is a sort of smoke that comes from the dirty tobacco-pipes of those who diffuse it: it proves nothing but the bad taste of the smoker. George Eliot





.

Offline Fernando Silva

  • Conselheiros
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.207
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #5 Online: 06 de Abril de 2016, 10:29:52 »
Em uma das versões anteriores, divulgada como "fato" num site crente, aconteceu na Finlândia.

Offline Fernando Silva

  • Conselheiros
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.207
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #6 Online: 06 de Abril de 2016, 10:33:14 »
Não sei porque tanta surpresa em relação a essas "vozes do inferno" quando todo mundo bem informado sabe que as auroras boreal e austral são resultados da luz do sol que brilha no interior da Terra refletida na atmosfera. A Terra é ôca, basta pesquisar um pouco para entender, e ela abriga uma civilização que quer "subir" à superfície de qualquer modo, depois de milênios de confinamento. O que se escuta é apenas um coro de vozes insatisfeitas.

Tarzan já esteve lá várias vezes:
Citar
Pellucidar é um mundo perdido fictício, criado pelo escritor norte-americano Edgar Rice Burroughs em 1914, no romance At the Earth's Core, primeiro de uma série que compreende sete livros, sendo o quarto deles, Tarzan at the Earth's Core, um crossover com a série de Tarzan.

Pellucidar localiza-se no centro da Terra e somente pode ser alcançado por uma pequena abertura no Polo Norte. Seu radical, pellucid, significa admite-se o máximo de luz (em Inglês, admitting the maximum amount of light).[1]
https://pt.wikipedia.org/wiki/Pellucidar

Offline NandoR

  • Nível 11
  • *
  • Mensagens: 167
Re:Os sons do Inferno
« Resposta #7 Online: 13 de Abril de 2016, 11:51:06 »
Os sons do inferno? Alguém acredita nisso?
Sou jovem! Sou cetico! E adoro jogar nas slots!

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!