Autor Tópico: Discussão sobre PEC 241  (Lida 11110 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Posthuman

  • Nível 04
  • *
  • Mensagens: 49
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #175 Online: 15 de Agosto de 2019, 23:18:06 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.

Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.552
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #176 Online: 16 de Agosto de 2019, 12:52:53 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.

Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?



A auditoria da dívida pública já seria um início para solução,  e também pensar,  refletir  e conhecer mais para sairmos da loucura do capital financeiro  que tem dominado o mundo, e que deverá levar a uma grande crise.


« Última modificação: 16 de Agosto de 2019, 13:12:25 por JJ »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.309
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #177 Online: 16 de Agosto de 2019, 16:09:48 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.
Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?
A auditoria da dívida pública já seria um início para solução,  e também pensar,  refletir  e conhecer mais para sairmos da loucura do capital financeiro  que tem dominado o mundo, e que deverá levar a uma grande crise.

Quais são, exatamente, os objetivos de uma auditoria da dívida pública?
Foto USGS

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.311
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #178 Online: 16 de Agosto de 2019, 16:18:45 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.
Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?
A auditoria da dívida pública já seria um início para solução,  e também pensar,  refletir  e conhecer mais para sairmos da loucura do capital financeiro  que tem dominado o mundo, e que deverá levar a uma grande crise.

Quais são, exatamente, os objetivos de uma auditoria da dívida pública?

Arranjar pretexto para dar um calote.
"Deus prefere os ateus"

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.309
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #179 Online: 16 de Agosto de 2019, 16:21:58 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.
Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?
A auditoria da dívida pública já seria um início para solução,  e também pensar,  refletir  e conhecer mais para sairmos da loucura do capital financeiro  que tem dominado o mundo, e que deverá levar a uma grande crise.

Quais são, exatamente, os objetivos de uma auditoria da dívida pública?

Arranjar pretexto para dar um calote.

Sim, isto é o que boa parte da esquerdalha deseja.

Mas eu gostaria de saber quais os motivos do JJ.
Foto USGS

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.311
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #180 Online: 16 de Agosto de 2019, 16:24:03 »
Citação de: Geotecton
Mas eu gostaria de saber quais os motivos do JJ.

Me parece que ultimamente ele anda numa cruzada contra o mercado financeiro.
"Deus prefere os ateus"

Offline Posthuman

  • Nível 04
  • *
  • Mensagens: 49
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #181 Online: 17 de Agosto de 2019, 13:36:06 »
Pô, entao o ajuste fiscal que o Clinton fez na década de 90 foi algo inexistente? Deu completamente errado? E han, os indicadores econômicos também melhoraram com o Temer e sua austeridade aqui, entao não sei de onde vem esse "impossível" aí.

Taxacao progressiva parece ser a solucao mágica sempre jogada na mesa, sendo que esta também possui perigos, basta ver o resultado da taxa marginal de 75% na Franca, causando fuga de capital do país e precisou ser removida. E a mais antiga "luxury tax" nos estados unidos, onde aumentou-se a taxacao de artigos de luxo como iates, lanchas, joias e etc. Porém a única coisa que este imposto fez foi prejudicar o "mercado de luxo", pois os mais ricos de compravam estas coisas redirecionaram seus gastos a outras coisas ou a outro lugar.

A realidade é que, em geral, economistas tem todas a soluções para problemas que ocorreram no passado.

Período FHC também. Se a austeridade não é a solução (ou parte da solução), qual seria? O endividamento? O gasto descontrolado?



A auditoria da dívida pública já seria um início para solução,  e também pensar,  refletir  e conhecer mais para sairmos da loucura do capital financeiro  que tem dominado o mundo, e que deverá levar a uma grande crise.

Já se faz auditoria da dívida, se isso é bem feito ou não eu não saberia dizer. O que seria "sairmos da loucura do capital financeiro"?


Offline Entropia

  • Nível 22
  • *
  • Mensagens: 845
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #182 Online: 17 de Agosto de 2019, 16:32:18 »
E "austeridade" não é uma dessas soluções propostas por economistas?

Ele diz em um vídeo que a dívida pública historicamente nunca se reduziu com medidas de austeridade verdadeiras. Faz de qualquer forma a ressalva de austeridade "fake" em alguns casos. Não o vi fazer essas recomendações específicas de taxação, embora tenha mencionado que os EUA passaram pela sua melhor fase aos 91% com Eisenhower. Diz que antes de qualquer solução específica, o importante é parar com isso de austeridade, dizendo que nem toda dívida é ruim, fazendo analogia com a "dívida boa" adquirida em algo como comprar uma casa. Mas não é bem "pró-dívida," fala que o principal problema de austeridade é isso ocorrer de maneira simultânea em diversos países. Muito do que diz também é meio específico à Europa devido ao euro, que diz que colocou a Alemanha numa situação mais confortável, tirando a possibilidade de outros países de terem suas manobras monetárias regionais, imprimindo dinheiro.



Era uma piada, mas é justamente baseada no fato de que existem inúmeras discordâncias sobre o quê e como fazer isso, normalmente usando exemplos históricos, com inúmeras justificativas pra sucesso ou fracasso baseado neste ideal de "austeridade"

"Dívida pública historicamente nunca caiu". Olha, acho uma afirmacao meio exagerada demais, mas ela tem outro problema. A questao nao é o tamanho da dívida, e sim o tamanho da dívida/PIB, e é "fato histórico" que medidas de austeridade já reduziram esse valor dívida/PIB. Agora, se ele diz que nao foi austeridade, cabe dizer o que realmente é. Porque pelo que sei austeridade é balancear o orcamento do governo via corte de gastos e, muito raramente, aumento de impostos.

E sobre o eisenhower e seus 91%, nao vejo o que uma coisa tem relação a outra. E também, os 91% do Eisenhower, eram, efetivamente, 42%

https://taxfoundation.org/taxes-on-the-rich-1950s-not-high/

E também, os cortes de impostos do Reagan, na realidade, aumentaram a receita de impostos. Fenômeno de curva de laffer./

https://danieljmitchell.wordpress.com/2009/11/27/he-reagan-tax-cuts-budget-forecasting-and-government-revenue/.

E estava no texto que você colocou, o "imposto mais progressivo".

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.511
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #183 Online: 18 de Agosto de 2019, 11:00:40 »
Isso de curva de Laffer é bastante questionado como apenas propaganda, parece quase o equivalente de "taxas para grandes fortunas" como solução mágica. Não que impostos possam subir infinitamente, mas que praticamente sempre eles já estão abaixo do ponto onde sua redução levaria a um aumento de arrecadação. Acho que incluindo os do Reagan. Mais recentemente há o caso dos cortes dramáticos no Kansas.

No caso do Reagan, se não me engano, tem coisas como umas reduções acompanhadas de eliminações de deduções, o que mantiveram as coisas mais ou menos iguais, com o crescimento em arrecadação sendo mais atribuível não a uma curva de Laffer, mas crescimento "natural" do PIB e aumentos posteriores de impostos com Reagan mesmo.


Citar
https://www.economist.com/graphic-detail/2019/06/19/can-countries-lower-taxes-and-raise-revenues

[...]

Budget hawks might disagree. Supply-side economists have long used the Laffer curve to justify tax cuts, including Ronald Reagan’s in 1981 and George W. Bush’s in 2001. Both resulted in lower revenues.

[...]

This may explain why many economists are so critical of Mr Laffer’s supply-side policies. In 2012 the Initiative on Global Markets, a research centre at the University of Chicago’s Booth School of Business, asked a panel of 40 economic experts whether a cut in income-tax rates in America would raise enough revenue to pay for itself in five years. Not one of them agreed. Richard Thaler, winner of last year's Nobel prize in economics, responded simply “That's a Laffer!”.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.511
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #184 Online: 12 de Setembro de 2019, 20:54:31 »
Citar

<a href="https://www.youtube.com/v/_Mexxm0bObk" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/_Mexxm0bObk</a>

A situação do governo Bolsonaro não é fácil. A economia está demorando a acelerar e o governo precisa gastar. Mas gastar como, se existe o teto que limita os gastos públicos? Como voltar a investir? E como cortar despesas, um difícil problema político?

Esta edição do Painel WW reúne três economistas de diferentes tendências – Unicamp, Insper e FGV – para debater: como o governo pode sair da camisa de força da crise fiscal e do orçamento engessado e que possibilidades tem de reaquecer a economia?

Este programa foi gravado antes da demissão do secretario da Receita Federal Marcos Cintra

Os convidados são:

• GUILHERME MELLO
Economista, é professor do Instituto de Economia da Unicamp

 • MARCOS MENDES
Economista, é professor do Insper

 • SAMUEL PESSÔA
Economista, é professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo





~OT: Já foi implementada ou não a exigência de "performance bonds," "compromisso de entrega" em contratações públicas?

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.511
  • Sexo: Masculino
Re:Discussão sobre PEC 241
« Resposta #185 Online: 04 de Novembro de 2019, 14:09:23 »
Faria sentido ter-se o teto de gastos ser específico aos gastos de previdência e pessoal? "Liberando" então uma verba para investimentos, em vez de se ter investimentos reduzidos para dar conta de gastos em pessoal e previdência, que crescem apesar do teto. Mauro Benevides meio que sugeriu isso.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!