Autor Tópico: Governo Bolsonaro  (Lida 8177 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #950 Online: 10 de Novembro de 2018, 21:50:30 »
A DIREITA MENTE SOBRE O "CUSTO BRASIL"


Filósofo Paulo Ghiraldelli
Publicado em 9 de nov de 2018


Leia aqui sobre trabalhismo brasileiro e americano: https://www.jota.info/opiniao-e-anali...
#Bolsonaro #CustoBrasil #reformatrabalhista


Pergunte ao "filósofo" quais estados ianques que pagam décimo terceiro, FGTS e 1/3 de férias.

E em qual deles as férias são de 30 dias?



Em momento algum ele toca nesses pontos, mas para mim  nem precisava, pois com relação aos EUA eu já sabia.


Com relação à férias, é variado no mundo, no Brasil são 21 dias uteis, há países com menos (vários com 5) , outros com 10,  outros iguais ao Brasil, e alguns com mais.  Portanto as férias no Brasil não são um absurdo.


Aqui tem uma relação com 46 países:


https://exame.abril.com.br/carreira/o-numero-de-dias-de-ferias-que-a-lei-determina-em-46-paises/

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #951 Online: 10 de Novembro de 2018, 21:55:18 »

Pergunte ao "filósofo" quais estados ianques que pagam décimo terceiro, FGTS e 1/3 de férias.

E em qual deles as férias são de 30 dias?



Algumas coisas que ele mostra, e que considerei bastante relevante, é que há sim processos trabalhistas lá.  E por coisas pequenas tipo 3 minutos a mais de trabalho fora do horário (coisa que no Brasil não deve ter nenhum caso).  E o ferro para a empresa não é pequeno. 


E bastante importante, não é necessário que cada trabalhador específico entre para que uma decisão de um processo tenha validade para muitos trabalhadores. Estes é um dos motivos pelos quais os números de processos podem ser bem menores.


« Última modificação: 11 de Novembro de 2018, 12:48:59 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #952 Online: 10 de Novembro de 2018, 21:56:36 »


Os Estados Unidos não são o paraíso do empresários, como vários da direita brazuca tentam dar a entender.



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #953 Online: 10 de Novembro de 2018, 22:00:24 »
E o 13° não é uma jabuticaba como o vice do Bo já andou falando por aí:



13º salário é pago em diversos países do mundo

Jabuticaba? Ao contrário do que disse o vice de Bolsonaro, 13º salário é pago em vários países do mundo

13º salário pago países mundo economia mourão

 
Leonardo Sakamoto*

“Temos algumas jabuticabas que a gente sabe que é uma mochila nas costas de todo empresário. Jabuticabas brasileiras: 13º salário. Se a gente arrecada 12, como é que nós pagamos 13 [salários]?”

É comum usarem a jabuticaba, planta nativa da Mata Atlântica brasileira, como metáfora política de algo que só existe por aqui. Foi o que fez o general da reserva Hamilton Mourão, candidato a “vice-presidente” na chapa de Jair Bolsonaro, que usou a jabuticaba para criticar o 13º, afirmando que ele é coisa nossa.


Mas não, não é. Essa “fruta” não dá só no Brasil e nem é invenção tupiniquim.

“O 13º salário não é, absolutamente, uma “jabuticaba” brasileira. Já existia na Europa, por exemplo, na Itália, por força do Decreto do Presidente da República 1070, de 1960, antes mesmo da sua introdução na legislação brasileira pela lei 4.090, de 1962”, afirma Guilherme Feliciano, presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) e professor associado do Departamento de Direito do Trabalha da Faculdade de Direitos da USP.

“Em muitos países, decorre de lei nacional. Apenas para citar alguns exemplos, vejam-se os casos da Argentina (Lei de Contrato de Trabalho, artigo 121), Espanha (Estatuto dos Trabalhadores, artigo 31), Colômbia (Código Substantivo do Trabalho, artigo 306), Itália (Decreto del Presidente della Repubblica 1070/1960), México (Lei Federal do Trabalho, artigo 87), Panamá (Decreto de Gabinete 221/1971), Peru (Lei 27.735, artigo 1o), Portugal (Código do Trabalho, artigo 263), Uruguai (Lei 12.840, de 1960)”, diz Feliciano, que também é juiz do Trabalho da 15a Região.

“Em outros países, como na Alemanha, não está previsto em lei federal, mas decorre de negociações coletivas nacionais com sindicatos, alcançado todos os trabalhadores subordinados, nos setores público e privado”, explica.

No Brasil, ele foi criado sob o governo João Goulart, em julho de 1962. Antes, a gratificação natalina era facultativa para as empresas. A aprovação não foi simples e demandou mobilização e manifestações, sendo considerada uma conquista histórica dos trabalhadores tão importante quanto o salário mínimo e as férias remuneradas.

A manchete do jornal O Globo de 26 de abril de 1962 – “Considerado desastroso para o país o 13º mês de salário” – mostra como empregadores e economistas profetizavam uma crise econômica caso a lei passasse. Contudo, ele não destruiu a economia brasileira, pelo contrário, tem ajudado a aquecê-la. Quando um trabalhador o recebe, raramente coloca para render, pelo contrário, gasta tudo. Seja para pagar dívidas, seja para comprar produtos. O que gera mais empregos, lucros ao empresariado, arrecadação.

Curiosidade: O processo que levaria ao golpe militar contra João Goulart começou na tarde de 31 de março de 1964 quando outro general Mourão, o Olympio Mourão Filho, marchou com suas tropas de Juiz de Fora, em Minas Gerais, para o Rio de Janeiro com o objetivo de depor o presidente.

É irônico, portanto, que um general Mourão, neste caso o Hamilton Mourão, critique a lei trabalhista sancionada pelo presidente deposto por seu homônimo. Ainda mais irônico é que esse general admita a possibilidade das Forças Armadas se juntarem a um presidente para darem um “autogolpe”, caso este considere que o país entrou em uma situação de anarquia.

Portanto, 13º salário não é jabuticaba.

Jabuticaba mesmo, segundo o atento presidente da Anamatra, “é nacionalismo militarista, ou seja, Estado máximo, com discurso ultraliberal, portanto Estado mínimo”.

Já eu diria que é um lugar onde capitão acha que pode mandar general calar a boca.

Leia também:
General Mourão não deve se deixar calar pelo capitão
A mais nova declaração perigosa do General Mourão
O general Mourão teria desistido de Jair Bolsonaro?
Miriam Leitão protagoniza momento mais constrangedor do jornalismo recente
As frases mais polêmicas do vice de Jair Bolsonaro
Amazônia tem que ser vendida e índios são ‘indolentes’, diz general da intervenção
No Rock in Rio, Ana Cañas dedica música ao general Mourão
Carta aberta ao general Antonio Hamilton Mourão
Comandante terá de explicar declaração de general sobre intervenção militar
Tudo que não precisamos é do retorno da indisciplina militar

*Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook


 

https://www.pragmatismopolitico.com.br/2018/09/13o-salario-pago-paises-mundo.html

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 13.982
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #954 Online: 10 de Novembro de 2018, 22:56:47 »
Itália...Alemanha....Brasil...e Parece que Evo Morales vai dançar nas próximas eleições. Vem aí uma versão Bolsonaro de saia. Depois vem a Venezuela. É a esquerda evaporando no cenário mundial. Chupa Corbyn.


Offline Flautista de Hamelin

  • Nível 10
  • *
  • Mensagens: 138
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #955 Online: 10 de Novembro de 2018, 23:10:57 »
Jair BolsonO acaba de participar do programa Teletonto do SBesTeira. Ele teletonfonou e falou pessoalmente com o Silvio Santos. O dono da emissora disse que foi a primeira vez que um presidente da república teve a gentileza de ligar para o programa e ainda fez votos para que o BolsonO fique oito anos na presidência seguido por Sérgio Moro por mais oito.

Offline Pasteur

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 6.246
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #956 Online: 11 de Novembro de 2018, 00:22:38 »
Porcaria é ter que depender de mercados conquistados ideologicamente. Se os árabes compram coisas por causa de alguma subserviência ideológica esquerdista com a ideologia religiosa deles, o melhor a fazer é  remediar isso o quanto antes.

Isso mesmo. Deixemos de ganhar dinheiro e gerar empregos servindo à ideologia árabe para servir de graça e tendo prejuízo, à ideologia dos israelenses.
Justificativa boa para quem prefere se prostituir. Melhor ir fazer trotoir que ficar esperando alguém oferecer emprego.

Taí, "prostituição". Bom nome para o que Bolsonaro fez quando arriou as calças para os sionistas.

Mesmo contra os interesses econômicos nacionais.

O que é exatamente que o Bolsonaro fez que prejudicou o Brasil?

Ainda não fez, ainda não mudou a embaixada, mesmo porque não está no comando, parece que não mudará, pra desespero dos evangélicos e da extrema-direita.

Se mudar a embaixada pode perder negócios com o mundo árabe.

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 27.208
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #957 Online: 11 de Novembro de 2018, 01:20:23 »


Os Estados Unidos não são o paraíso do empresários, como vários da direita brazuca tentam dar a entender.




Talvez não.

Mas todos que conheço e foram para lá se deram muito bem.
Foto USGS

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #958 Online: 11 de Novembro de 2018, 12:52:15 »


Os Estados Unidos não são o paraíso do empresários, como vários da direita brazuca tentam dar a entender.




Talvez não.

Mas todos que conheço e foram para lá se deram muito bem.


Então,  para um  empresário que preencha os requisitos para imigração para os EUA,  talvez seja uma boa ideia  mudar para lá, logo.


« Última modificação: 11 de Novembro de 2018, 13:25:19 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #959 Online: 11 de Novembro de 2018, 13:29:19 »
Eleição de Bolsonaro aumenta otimismo de bancos com Brasil


Economia



(Bloomberg) -- A vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais do Brasil foi o gatilho para um enorme rali nos mercados financeiros. O entusiasmo também está tomando conta dos executivos de bancos, que veem uma bonança à frente se o presidente eleito fizer o que é necessário para consertar a economia.


Apenas dois anos depois de reduzir drasticamente sua presença no Brasil, o HSBC Holdings está acelerando as discussões sobre a volta aos mercados locais com a criação de um banco corporativo e de investimentos completo, segundo uma pessoa familiarizada com os planos.


O Citigroup está preparado para aumentar contratações diante da expectativa de mais negócios com os US$ 176 bilhões em investimentos em infraestrutura que espera para os próximos cinco anos.


O Itaú Unibanco, o maior banco da América Latina em valor de mercado, disse que pode aumentar seu apetite ao risco devido à melhoria das perspectivas econômicas


Bolsonaro, um capitão da reserva do Exército, provocou um surto de otimismo depois de fazer uma campanha baseada em promessas de disciplina fiscal, eficiência do governo e repressão ao crime. Os banqueiros dizem que a promessa de promover uma reforma na Previdência mostra seu compromisso em fazer o que é necessário para o Brasil recuperar a credibilidade entre os investidores locais e internacionais.


[...]




https://economia.uol.com.br/noticias/bloomberg/2018/11/09/eleicao-de-bolsonaro-aumenta-otimismo-de-bancos-com-brasil.htm
« Última modificação: 11 de Novembro de 2018, 13:32:03 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #960 Online: 11 de Novembro de 2018, 13:51:40 »
Vai fazer de tudo para dar muito lucro para a indústria de armas.


Uma  indústria nacional de armas adequadamente incentivada pode ser um poderoso instrumento para o desenvolvimento científico e tecnológico, como por exemplo podemos ver no incentivo ao complexo industrial militar americano.  Entretanto, eu não estou vendo sinais de que um efetivo incentivo nessa área irá ser feito, pois mesmo a única indústria privada de armas pessoais (pistolas, revólveres, fuzis) no Brasil, a Tauros, foi vítima de uma fala liberal do Bolso, a qual derrubou fortemente o valor das suas ações.


 :no:

« Última modificação: 11 de Novembro de 2018, 13:57:44 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #961 Online: 11 de Novembro de 2018, 14:01:40 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:


Bolsonaro: “Vocês terão arma de fogo”


Brasil  05.10.17 17:34

Jair Bolsonaro está em Belém para participar do Círio de Nazaré.

Do alto de um carro de som estacionado em frente ao aeroporto da capital paraense, o pré-candidato ao Planalto defendeu a liberação do porte de armas.


“Vamos flexibilizar muito o porte de arma no Brasil. Comigo não vai existir o politicamente correto. Vocês terão armas de fogo”, disse o deputado, segundo registro do Estadão.

Bolsonaro também criticou a nudez em exposições e pediu uma “salva de palmas” ao general Antonio Mourão.


https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-voces-terao-arma-de-fogo/


Offline Pedro Reis

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.861
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #962 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:25:28 »
Porcaria é ter que depender de mercados conquistados ideologicamente. Se os árabes compram coisas por causa de alguma subserviência ideológica esquerdista com a ideologia religiosa deles, o melhor a fazer é  remediar isso o quanto antes.

Isso mesmo. Deixemos de ganhar dinheiro e gerar empregos servindo à ideologia árabe para servir de graça e tendo prejuízo, à ideologia dos israelenses.
Justificativa boa para quem prefere se prostituir. Melhor ir fazer trotoir que ficar esperando alguém oferecer emprego.

Taí, "prostituição". Bom nome para o que Bolsonaro fez quando arriou as calças para os sionistas.

Mesmo contra os interesses econômicos nacionais.

O que é exatamente que o Bolsonaro fez que prejudicou o Brasil?

Ainda não fez, ainda não mudou a embaixada, mesmo porque não está no comando, parece que não mudará, pra desespero dos evangélicos e da extrema-direita.

Se mudar a embaixada pode perder negócios com o mundo árabe.

Além de questionável de um ponto de vista ético, humanista, é uma decisão que colocaria o Brasil desrespeitando uma resolução da ONU e pagando o mico internacional de pertencer ao seleto grupo 7 potências de bananas que anunciaram que iriam fazer a mesma coisa.

A saber:

Guatemala, Honduras, Ilhas Marshall, Micronesia, Nauru, Palau e Togo.

Se alguém não está conseguindo encontrar no mapa a maioria destes, sugiro procurar no fundo do quintal dos Estados Unidos...

Além disso, para quem é pragmático e pensa que Estados não devam fazer considerações morais quando se trata de política externa, as relações comerciais do Brasil com Israel são insignificantes. Porém, veja a dimensão dos interesses objetivos que estariam sendo comprometidos na nossa relação com os países árabes:

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2018/11/06/Como-%C3%A9-a-rela%C3%A7%C3%A3o-comercial-do-Brasil-com-o-mundo-%C3%A1rabe

Citar

Como é a relação comercial do Brasil com o mundo árabe



O governo do Egito cancelou na segunda-feira (5) a visita de uma comitiva brasileira ao país do nordeste da África. No grupo, estavam empresários, diplomatas e o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, que cumpririam compromissos a partir de quinta-feira (8).

Oficialmente, o governo do Egito disse que houve uma mudança de última hora na agenda das altas autoridades locais. O ministro brasileiro iria se encontrar, entre outros, com o presidente Abdel Fattah el-Sisi.

Analistas apontam, porém, que a decisão foi uma retaliação do Egito ao Brasil. O motivo é uma declaração do presidente eleito Jair Bolsonaro, segundo a qual vai transferir, quando assumir o governo, a embaixada brasileira em Israel da cidade de Tel Aviv para Jerusalém, seguindo uma posição do governo americano. Bolsonaro está buscando uma aproximação com Israel e com os EUA.

Assim como os demais vizinhos de maioria árabe, o Egito é um dos países que se opõem a transferir embaixadas para Jerusalém, o que significa, na prática, reconhecer a cidade como capital israelense. As Nações Unidas consideram ilegal a ocupação da totalidade de Jerusalém por Israel.

Essa é uma questão internacional que vai além da geopolítica e pode trazer consequências para a economia do Brasil, por conta das relações comerciais com o mundo árabe.

O comércio com o mundo árabe

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, o presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun, disse que a guinada na política externa do próximo governo pode ser prejudicial ao Brasil. Segundo Hannun, os países árabes podem abrir espaço a outros exportadores, o que prejudicaria a economia brasileira e pressionaria o governo federal.

Atualmente, a relação é vantajosa para o Brasil. Em 2017, a balança comercial com os 22 países que formam a Liga Árabe teve superávit (exportações maiores que importações) de US$ 7,1 bilhões para o Brasil. Foi um recorde positivo, comparando com o histórico da balança com a Liga Árabe.

No mesmo ano, a balança comercial brasileira com todo o planeta teve US$ 67 bilhões de superávit. Ou seja, as transações com os países de maioria árabe têm um peso considerável na balança comercial do Brasil — aproximadamente 10% do superávit de 2017.

Os dois principais produtos que o Brasil exporta para os países árabes são a carne bovina e o frango. No caso, são carnes halal (“autorizado”, em árabe), que seguem normas específicas do islamismo para a criação, alimentação e abate dos animais.

Algumas das normas são: no momento do abate, o corpo do animal deve estar voltado na direção da cidade sagrada de Meca (Arábia Saudita) e o abate deve ser feito por um muçulmano.

O Brasil é o maior exportador mundial de carnes halal. As empresas produtoras recebem inspeções para certificar se seguem, de fato, os preceitos. Os países da Liga Árabe, onde a carne halal é amplamente consumida, têm maioria religiosa muçulmana.

Minério de ferro, soja, milho e açúcar também estão entre os principais produtos exportados pelo Brasil para o mundo árabe.

Em 2017, o comércio com Israel registrou uma balança deficitária de US$ 419 milhões. No ranking de principais destinos das exportações brasileiras, Israel ficou na 54ª colocação naquele ano.

Bolsonaro SÓ está ignorando relações comerciais que representam apenas 10% do superávit da balança comercial brasileira. O que é uma medida perfeita para um país tentando sair de uma grande crise.

O que os bolsominions, estes novos petistas, não querem enxergar, é que isso também é corrupção. E das grandes.

Assim como o PT, Bolsonaro mostra que é capaz de fazer qualquer coisa em benefício próprio em detrimento não só da economia do país, mas prejudiciais à sociedade de muitas outras maneiras.

E é de um grupo assim, que os bolsominions esperam uma cruzada contra a corrupção.

Santa ingenuidade...

Notícia publicada antes de Bolsonaro prejudicar o país:

Citar

Negócios do Brasil com países árabes podem subir de patamar

Avaliação é do secretário-geral da União das Câmaras Árabes, Khaled Hanafy, que esta semana participou de fórum econômico em São Paulo.

São Paulo – Após o Fórum Econômico Brasil-Países Árabes, realizado na última segunda-feira (02), em São Paulo, o secretário-geral da União das Câmaras Árabes, Khaled Hanafy (ao centro na foto acima), espera que os negócios entre brasileiros e árabes aumentem de patamar. “O fórum sugeriu a mudança de um comércio simples para uma aliança estratégica”, disse ele à ANBA nesta quinta-feira (05), durante visita à Câmara de Comércio Árabe Brasileira, na capital paulista.

Hanafy veio ao Brasil para participar do fórum e de outras atividades organizadas pela Câmara Árabe. Ex-ministro do Abastecimento e Comércio Doméstico do Egito, Hanafy assumiu recentemente o cargo de secretário-geral da União, que é a principal entidade empresarial pan-árabe. Ela reúne as câmaras de comércio das nações árabes e as chamadas câmaras conjuntas, como a Câmara Árabe Brasileira.


“Parceria estratégica é o novo nome do jogo, para aumentar uma relação comercial de US$ 20 bilhões, em nível simples, para chegar um patamar representativo dos US$ 5 trilhões de Produto Interno Bruto (PIB) dos dois lados”, destacou o executivo. Os US$ 20 bilhões representam a corrente comercial do Brasil com os árabes em 2017, e os US$ 5 trilhões são os PIBs somados do País com as nações da região.

Ele ressaltou que a presença maciça de autoridades e empresários árabes e brasileiros no fórum foi uma demonstração de que há interesse em ampliar as relações. O evento contou com mais de 700 participantes, sendo pelos menos 100 de países árabes, além das presenças do presidente Michel Temer, do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e outros funcionários do primeiro escalão do governo brasileiro.

“O Brasil é um mercado relativamente fechado em comparação com o tamanho de sua economia, pois o comércio internacional representa apenas 17%, então há espaço para melhorar. Já no mundo árabe há uma grande abertura, de 70%, e parte desta abertura pode ser direcionada ao Brasil numa aliança estratégica”, afirmou.

Segundo Hanafy, empresas brasileiras podem estabelecer filiais em países árabes “não apenas para ter acesso aos 400 milhões de habitantes da região, mas a um mercado de 2 bilhões de pessoas por meio de acordos comerciais”. Nações do Oriente Médio e Norte da África têm acordos de livre-comércio ou de associação com a União Europeia, blocos africanos e entre si.

“O fórum abriu as portas para o futuro, mas precisamos caminhar para implementar as grandes ideias surgidas [durante o evento]”, declarou.

Prioridade

Sobre suas prioridades na União das Câmaras, Hanafy afirmou que a estratégia é “atingir o velho sonho do mercado comum, mas usando tecnologia moderna”. Ele explicou que está em andamento um “megaprojeto de digitalização” na área econômica e comercial para colocar em contato fornecedores e compradores, não só por meio das câmaras de países árabes, mas também com as câmaras conjuntas, como a brasileira.

Esta semana mesmo, em reunião de secretários-gerais de câmaras conjuntas, em São Paulo, ficou acertada a criação de um aplicativo para interligar estas entidades e seus membros, e posteriormente às instituições dos próprios países árabes, criando uma grande rede eletrônica de contatos de negócios.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #963 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:31:45 »

Talvez o Messias  ouça algumas vozes racionais:


Militares aconselham Bolsonaro a recuar sobre embaixada em Jerusalém


Mundo  08.11.18 21:45


Por Claudio Dantas

 

Os generais que cercam Jair Bolsonaro o aconselharam a recuar sobre a decisão de transferir a embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém.


Eles avaliam que a mudança, além de atritar as relações diplomáticas e comerciais com nações árabes, pode incentivar retaliações de radicais islâmicos.

Na campanha, o apoio a Israel partiu especialmente dos evangélicos.


https://www.oantagonista.com/mundo/militares-aconselham-bolsonaro-recuar-sobre-embaixada-em-jerusalem/



Offline Pedro Reis

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.861
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #964 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:32:03 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:



Se fosse só facilitar a aquisição não seria tão ruim. Mas fomentar o porte de armas é uma inconsequência.

Daqui a 4 anos a maioria dos que hoje acham uma boa ideia estarão arrependidos.

Mas nós vamos saber, na prática, quem é que está certo sobre isso. E se ficar demonstrado que criou mais problemas que soluções, os armamentistas vão voltar atrás?

Offline Pedro Reis

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.861
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #965 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:35:16 »

Talvez o Messias  ouça algumas vozes racionais:


Militares aconselham Bolsonaro a recuar sobre embaixada em Jerusalém



Esse é outro ponto que acho interessante.

Pude ver ultimamente que as FFAA armadas possuem oficiais muito qualificados, inteligentes, sóbrios, preparados, bastante conhecedores da realidade do país.

Mas é sintomático que os generais desse naipe estejam mantendo distância de Bozo. Com ele, só do nível de Mourão pra baixo.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #966 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:37:44 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:

Se fosse só facilitar a aquisição não seria tão ruim. Mas fomentar o porte de armas é uma inconsequência.

Daqui a 4 anos a maioria dos que hoje acham uma boa ideia estarão arrependidos.

Mas nós vamos saber, na prática, quem é que está certo sobre isso. E se ficar demonstrado que criou mais problemas que soluções, os armamentistas vão voltar atrás?



Eu não sou irrealista ao ponto de negar que possa haver um certo aumento no número de homicídios intencionais por motivos fúteis.  Entretanto,  a solução para minimizar isso passa por soluções que possam minimizar o número de homicídios intencionais de forma geral, começando por  melhorar a eficiência da polícia civil em descobrir e apresentar provas sobre autores de homicídios intencionais.

« Última modificação: 11 de Novembro de 2018, 15:41:22 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #967 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:40:46 »

Talvez o Messias  ouça algumas vozes racionais:


Militares aconselham Bolsonaro a recuar sobre embaixada em Jerusalém


Esse é outro ponto que acho interessante.

Pude ver ultimamente que as FFAA armadas possuem oficiais muito qualificados, inteligentes, sóbrios, preparados, bastante conhecedores da realidade do país.

Mas é sintomático que os generais desse naipe estejam mantendo distância de Bozo. Com ele, só do nível de Mourão pra baixo.



Espero que você esteja errado.      :)



Offline Pedro Reis

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.861
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #968 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:42:55 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:

Se fosse só facilitar a aquisição não seria tão ruim. Mas fomentar o porte de armas é uma inconsequência.

Daqui a 4 anos a maioria dos que hoje acham uma boa ideia estarão arrependidos.

Mas nós vamos saber, na prática, quem é que está certo sobre isso. E se ficar demonstrado que criou mais problemas que soluções, os armamentistas vão voltar atrás?



Eu não sou irrealista ao ponto de negar que possa haver um certo aumento no número de homicídios intencionais por motivos fúteis.  Entretanto,  a solução para minimizar isso passa por soluções que podem minimizar o número de homicídios de forma geral, começando por  melhorar a eficiência da polícia civil em descobrir e apresentar provas sobre autores de homicídios intencionais.



A pior coisa é o stress que o cidadão vivendo em uma cidade grande e média no Brasil estará submetido diariamente ao saber que, onde ele estiver, pode ter alguém armado. Pode ser no trânsito, em uma festa popular, em uma casa noturna, no transporte público...

Qualquer coisa que hoje é um pequeno incidente se torna potencialmente perigoso.

E a vida já está tão stressante.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #969 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:43:57 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:



Se fosse só facilitar a aquisição não seria tão ruim. Mas fomentar o porte de armas é uma inconsequência.

Daqui a 4 anos a maioria dos que hoje acham uma boa ideia estarão arrependidos.

Mas nós vamos saber, na prática, quem é que está certo sobre isso. E se ficar demonstrado que criou mais problemas que soluções, os armamentistas vão voltar atrás?




Eu quero ter  o direito de escolher estar armado.  Eu quero ter o direito de ter alguma chance contra assaltantes vagabundos.






Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #970 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:45:49 »

Espero que cumpra a promessa de facilitar o porte:

Se fosse só facilitar a aquisição não seria tão ruim. Mas fomentar o porte de armas é uma inconsequência.

Daqui a 4 anos a maioria dos que hoje acham uma boa ideia estarão arrependidos.

Mas nós vamos saber, na prática, quem é que está certo sobre isso. E se ficar demonstrado que criou mais problemas que soluções, os armamentistas vão voltar atrás?



Eu não sou irrealista ao ponto de negar que possa haver um certo aumento no número de homicídios intencionais por motivos fúteis.  Entretanto,  a solução para minimizar isso passa por soluções que podem minimizar o número de homicídios de forma geral, começando por  melhorar a eficiência da polícia civil em descobrir e apresentar provas sobre autores de homicídios intencionais.



A pior coisa é o stress que o cidadão vivendo em uma cidade grande e média no Brasil estará submetido diariamente ao saber que, onde ele estiver, pode ter alguém armado. Pode ser no trânsito, em uma festa popular, em uma casa noturna, no transporte público...

Qualquer coisa que hoje é um pequeno incidente se torna potencialmente perigoso.

E a vida já está tão stressante.



Em eventos públicos, como shows, festas, deve-se proibir a entrada de pessoas armadas. 



Offline Pedro Reis

  • Nível 35
  • *
  • Mensagens: 2.861
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #971 Online: 11 de Novembro de 2018, 15:53:22 »

Eu quero ter  o direito de escolher estar armado.  Eu quero ter o direito de ter alguma chance contra assaltantes vagabundos.







Então boa sorte. Vai precisar mesmo.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #972 Online: 12 de Novembro de 2018, 08:06:28 »

Então boa sorte. Vai precisar mesmo.



Você  (e outros do tipo "sou da paz")  pode achar que uma arma de fogo não é útil. Mas, eu (e muitos outros)  acho que uma arma de fogo juntamente com a percepção adequada do perigo em tempo hábil, mais um treinamento mínimo adequado, pode ser eficaz para evitar ser agredido, roubado e até assassinado,  e o contrário, sem a arma de fogo, a pessoa de bem fica a mercê da vontade de vagabundos.   :x



« Última modificação: 12 de Novembro de 2018, 08:13:21 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.815
  • Sexo: Masculino
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #973 Online: 12 de Novembro de 2018, 08:14:45 »

Eu quero ter  o direito de escolher estar armado.  Eu quero ter o direito de ter alguma chance contra assaltantes vagabundos.


Então boa sorte. Vai precisar mesmo.



Vou relatar um episódio específico:


Uma pessoa  que conheço estava saindo a noite de uma casa noturna em Goiânia,  e percebeu claramente (em tempo hábil) que tinha uns caras de olho nele e certamente por causa da caminhonete dele (aqui caminhonetes são bem visadas por ladrões),   então , logo  entrou na caminhonete e continuou vendo que os caras estavam seguindo ele.  Então, ele pegou  uma arma que tinha com ele e deu um tiro na direção dos meliantes (que já estavam noutro carro), os caras então aceleraram o carro em que estavam e foram embora. E assim ele evitou que ladrões vagabundos o agredissem e o roubassem.


« Última modificação: 12 de Novembro de 2018, 08:17:14 por JJ »

Offline Peter Joseph

  • Nível 29
  • *
  • Mensagens: 1.522
  • Sexo: Masculino
  • Ela, a Entropia!
Re:Governo Bolsonaro
« Resposta #974 Online: 12 de Novembro de 2018, 08:37:21 »

Então boa sorte. Vai precisar mesmo.



Você  (e outros do tipo "sou da paz")  pode achar que uma arma de fogo não é útil. Mas, eu (e muitos outros)  acho que uma arma de fogo juntamente com a percepção adequada do perigo em tempo hábil, mais um treinamento mínimo adequado, pode ser eficaz para evitar ser agredido, roubado e até assassinado,  e o contrário, sem a arma de fogo, a pessoa de bem fica a mercê da vontade de vagabundos.   :x

Não se trata de ser da paz, mas de ser racional e objetivo. O FATO é que disseminar o uso de armas não vai melhorar o problema da segurança pública e muito menos resolver, com muita possibilidade de piorar. Estudos já mostraram o nível desta bobagem de quem acredita nisto. Temos que fazer o que funciona e não agirmos irracionalmente movidos por medo e raiva.
"Não é sinal de saúde estar bem adaptado a uma sociedade doente." - Krishnamurti

"O progresso é a concretização de Utopias." – Oscar Wilde
O Minhocário - https://ominhocario.wordpress.com/

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!