Autor Tópico: Repensando Churchill  (Lida 180 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Zero

  • Nível 16
  • *
  • Mensagens: 414
  • Sexo: Masculino
Repensando Churchill
« Online: 15 de Dezembro de 2018, 22:10:23 »
Churchill, o homem do século XX?

Como não achei nenhum tópico específico sobre ele, trago este para que seja debatido seus feitos e suas faces.

Tópico baseado no texto Repensando Churchill, (ensaio aparece originalmente em The Costs of War: America’s Pyrrhic Victories, editado por John V. Denson) traduzido e publicado no site Instituto Rothbard.

https://rothbardbrasil.com/repensando-churchill/

Por Ralph Raico (membro sênior do Mises Institute, leciona história no Buffalo State College. É especialista em história da liberdade, na tradição liberal da Europa, e na relação entre guerra e ascensão do estado. É o autor de The Place of Religion in the Liberal Philosophy of Constant, Tocqueville, and Lord Acton.)



Que imagem temos de Churchill? Quem ele realmente foi?

Citar
De certa forma, definir Churchill como o Homem do Século será apropriado. Este foi o século do Estado – da ascensão e crescimento hipertrófico do estado de guerra e de bem-estar social – e Churchill foi, do começo ao fim, um Homem do Estado, do estado de bem-estar social e do estado de guerra. A guerra, claramente, foi sua paixão ao longo da vida e, como escreveu um historiador e admirador, “entre outros feitos que o tornaram famoso, Winston Churchill é um dos fundadores do estado de bem-estar social”.[2] Assim, embora Churchill nunca tenha tido princípios que no final não tenha traído,[3] isso não significa que não haja inclinação para as suas ações nem vieses sistemáticos. De fato esses vieses existiram e foram direcionados à redução das barreiras ao poder do Estado.

Citar
Nas últimas décadas, a lenda de Churchill foi adotada por um establishment internacionalista para o qual ele fornece o símbolo perfeito e uma veia inesgotável de chavões elouquentes. Churchill tornou-se, na frase de Christopher Hitchens, um “totem” do establishment americano, não só para os descendentes do New Deal, mas também para o aparato neoconservador: políticos como Newt Gingrich e Dan Quayle, “cavaleiros” corporativos e outros frequentadores dos gabinetes de Reagan e Bush, os editores e escritores do Wall Street Journal e uma legião de colunistas “conservadores” liderados por William Safire e William Buckley.

Citar
Havia dois princípios que por muito tempo pareciam tocar o coração de Churchill. Um era o anticomunismo: ele foi um dos primeiros fervorosos oponentes do bolchevismo. Durante anos, ele – muito corretamente – condenou os “malditos babuínos” e “assassinos imundos de Moscou”.

Citar
Contudo, chegou o momento em que Churchill fez as pazes com o comunismo. Em 1941, ele deu apoio incondicional a Stalin, acolheu-o como um aliado, abraçou-o como amigo. Churchill, assim como Roosevelt, usou o apelido carinhoso de “tio Joe” a Stalin; até a conferência de Potsdam de Potsdam, ele repetidamente proclamou sobre Stalin: “Eu gosto desse homem”.[13]

Citar
Para Churchill, os anos sem guerra não ofereciam nada de bom para ele a não ser “o clichê dos monótonos céus de paz”. Este era um homem, como veremos, que desejava mais guerras do que as que realmente aconteceram.

Citar
Churchill tornou-se, em suas próprias palavras, “um materialista – na ponta dos meus dedos”, defendendo fervorosamente uma visão de mundo onde a vida humana significa lutar pela existência, resultando na sobrevivência do mais apto.[24] Essa filosofia de vida e história que Churchill expressou em seu único romance, Savrola [25]. É notório que Churchill era racista, mas seu racismo foi mais profundo do que a maioria de seus contemporâneos.[26] É curioso como, com sua visão totalmente darwinista, sua elevação da guerra ao lugar central da história humana e seu racismo, bem como sua fixação em “grandes líderes”, a visão de mundo de Churchill se assemelha a de seu antagonista, Hitler.

Apesar de ser uma "vira casaca", alternando entre o partido Conservador e outro Liberal, ao decorrer de sua vida demonstra seu apreço pelo estatismo.
Citar
A tendência estatista juntou-se com sua total aprovação. Como ele acrescentou:

    "Eu vou mais longe; Eu gostaria de ver o Estado embarcar em diversos experimentos novos e ousados…. Lamento muito não termos as ferrovias deste país em nossas mãos. Podemos fazer algo melhor com os canais."[39]

Citar
Finalmente, bem consciente do potencial eleitoral do trabalhismo Churchill tornou-se um defensor dos sindicatos trabalhistas. Ele foi um dos principais apoiadores, por exemplo, do Trades Disputes Act de 1906[45].

Enfim, 1914.

Citar
Quando a crise final chegou, no verão de 1914, Churchill era o único membro do gabinete que apoiava a guerra desde o início, com toda a sua energia costumeira. Asquith, seu próprio Primeiro-ministro, escreveu sobre ele: “Winston muito belicoso e exigindo imediata mobilização … Winston, que já está todo pintado para guerra, anseia por uma luta no mar nas primeiras horas da manhã para resultar no naufrágio do Goeben. A coisa toda me enche de tristeza.”[47]

Citar
[...] ao longo de sua carreira, o direito internacional e as convenções pelas quais os homens tentaram limitar os horrores da guerra não significaram nada para Churchill. Como comentou secamente um historiador alemão, Churchill estava pronto para quebrar as regras sempre que a própria existência de seu país estivesse em jogo, e “para ele, esse era o caso com muita frequência”.[51]

O bloqueio da fome teve certas consequências desagradáveis. Cerca de 750.000 civis alemães sucumbiram à fome e às doenças causadas pela desnutrição. O efeito naqueles que sobreviveram foi, talvez, tão assustador quanto. Um historiador do bloqueio concluiu: “os jovens vitimados [da Primeira Guerra Mundial] se tornariam os adeptos mais radicais do Nacional Socialismo.”[52] Também foram complicações decorrentes do bloqueio britânico que eventualmente forneceram o pretexto para a decisão de Wilson de ir para a guerra em 1917.


Citar
De qualquer forma, o que é certo é que as políticas de Churchill tornaram o naufrágio muito provável. O Lusitania era um navio de passageiros carregado de munições de guerra; Churchill dera ordens aos capitães dos navios mercantes, incluindo os navios de linha, para que subjugassem submarinos alemães se os encontrassem, e os alemães estavam cientes disso. E, como Churchill enfatizou em suas memórias da Primeira Guerra Mundial, envolver países neutros em hostilidades com o inimigo era uma parte crucial da guerra: “Há muitos tipos de manobras na guerra, algumas das quais ocorrem apenas no campo de batalha…”. A manobra que traz um aliado para o campo é tão útil quanto o que ganha uma grande batalha.”[56]


Entre as guerras

Citar
Até agora, Churchill estava envolvido na política há 30 anos, sem muito a mostrar, exceto uma certa notoriedade. Sua grande reivindicação à fama na mitologia moderna começa com sua linha dura contra Hitler na década de 1930. Mas é importante perceber que Churchill também manteve uma linha dura contra a Alemanha Weimar. Ele denunciou todos os apelos pelo desarmamento dos Aliados, mesmo antes de Hitler chegar ao poder.[62] Como outros líderes aliados, Churchill estava vivendo uma fantasia prolongada: que a Alemanha se submeteria para sempre ao que via como os grilhões de Versalhes. No final, o que a Grã-Bretanha e a França recusaram conceder a uma Alemanha democrática, foram forçados a conceder a Hitler.


Citar
Ele exagerou enormemente a extensão do rearmamento alemão, formidável como era, e distorceu seu objetivo ao insistir na produção alemã de bombardeiros pesados. Essa nunca foi uma prioridade alemã, e as invenções de Churchill tinham como objetivo demonstrar um projeto alemão para atacar a Grã-Bretanha, o que nunca foi a intenção de Hitler. Naquela época, Churchill promoveu ativamente a Grande Aliança[66], que deveria incluir a Grã-Bretanha, a França, a Rússia, a Polônia e a Tchecoslováquia.

Envolver os EUA na guerra – Novamente
Como Chuchill e Roosevelt planejaram a entrada dos EUA na 2ª Guerra Mundial. (Maiores detalhes omitidos para a fluidez do tópico, mas podem ser consultados em "Envolver os EUA na guerra – Novamente" no site indicado no começo do tópico)

Citar
Em setembro de 1939 a Grã-Bretanha entrou em guerra com a Alemanha, conforme a garantia de que Chamberlain entrara em pânico com a anexação da Polônia em março. Lloyd George chamara a garantia de “cabeça dura”, enquanto Churchill a apoiara. Não obstante, em sua história da guerra, Churchill escreveu: “Aqui foi finalmente tomada a decisão, tomada no pior momento possível e no terreno menos satisfatório que certamente deve levar ao massacre de dezenas de milhões de pessoas”.[71] Na guerra, Winston foi chamado de volta ao seu antigo trabalho como Primeiro Lorde do Almirantado. Então, no primeiro mês da guerra, uma coisa espantosa aconteceu: o presidente dos Estados Unidos iniciou uma correspondência pessoal não com o Primeiro-ministro, mas com o chefe do Almirantado Britânico, contornando todos os canais diplomáticos comuns.[72]


Citar
Em 1940, Churchill finalmente se tornou Primeiro Ministro, ironicamente, quando o governo de Chamberlain renunciou por causa do fiasco norueguês – que Churchill, mais do que qualquer outra pessoa, havia ajudado a realizar[75]. Como ele lutou contra as negociações de paz após a queda da Polônia, ele continuou a se opor a qualquer sugestão de negociações com Hitler. Muitos dos documentos relevantes ainda estão selados – depois de todos esses anos[76]

Citar
Depois de uma conversa com Churchill, Joseph Kennedy, embaixador americano na Grã-Bretanha, observou: “Todo o tempo será gasto pelos britânicos na tentativa de descobrir como podemos ser envolvidos.” Quando partiu de Lisboa em um navio para Nova York, Kennedy pediu ao Departamento de Estado que anunciasse que se o navio explodisse misteriosamente no meio do Atlântico, os Estados Unidos não o considerariam uma causa de guerra contra a Alemanha. Em suas memórias inéditas, Kennedy escreveu: “Eu pensei que isso me daria alguma proteção contra a colocação de uma bomba no navio por Churchill.”[81]

O medo de Kennedy talvez não fosse exagerado. Pois, embora tivesse sido importante para a política britânica na Primeira Guerra Mundial, envolver os Estados Unidos era a condição sine qua non da política de Churchill na Segunda Guerra Mundial. Em Franklin Roosevelt ele encontrou um cúmplice disposto.

Citar
Churchill usou de sua influência para endurecer a política americana em relação ao Japão, especialmente nos últimos dias antes do ataque a Pearl Harbor.[93] Um crítico simpatizante de Churchill, Richard Lamb, escreveu recentemente:

    [Churchill] estava certo em tentar provocar o Japão a atacar os Estados Unidos? … Em 1941, a Grã-Bretanha não tinha perspectiva de derrotar a Alemanha sem a ajuda dos EUA como um aliado ativo. Churchill acreditava que o Congresso jamais autorizaria Roosevelt a declarar guerra à Alemanha. Na guerra, as decisões dos líderes nacionais devem ser tomadas de acordo com seu efeito no esforço de guerra. Há verdade no velho ditado: “No amor e na guerra vale tudo”.[94]

Citar
A política de Churchill de apoio total a Stalin impediu outras abordagens potencialmente mais favoráveis. O especialista militar Hanson Baldwin, por exemplo, afirmou:

    Não há dúvida alguma de que teria sido do interesse da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos e do mundo ter permitido – e de fato encorajado – as duas grandes ditaduras do mundo para lutarem uma contra a outra. Tal luta, com o consequente enfraquecimento do comunismo e do nazismo, não poderia deixar de ter ajudado no estabelecimento de uma paz mais estável.[104]

Em vez de adotar essa abordagem, ou, por exemplo, promover a derrubada de Hitler por alemães antinazistas – em vez de considerar essas alternativas –, Churchill desde o início deu todo o seu apoio à Rússia soviética.

A insensatez de Franklin Roosevelt em relação a Joseph Stalin é bem conhecida. Ele olhou para Stalin como um colega “progressista” e um colaborador inestimável na criação da futura Nova Ordem Mundial.[105] Mas os neoconservadores e outros que contrapõem a inanidade de Roosevelt neste assunto com a astúcia e sagacidade de Velho Mundo de Churchill, estão redondamente enganados. A lisonja nauseante de Roosevelt por Stalin é facilmente igualada por Churchill. Assim como Roosevelt, Churchill elogiava o assassino comunista e estava ansioso pela amizade pessoal de Stalin. Além disso, sua adulação a Stalin e sua versão de comunismo – tão diferente da repulsiva versão “trotskista”

Citar
Não é de se admirar, portanto, que Churchill tenha se recusado até mesmo a ouvir os apelos da oposição alemã contra Hitler que tentava repetidamente estabelecer uma ligação com o governo britânico. Em vez de fazer todos os esforços para encorajar e ajudar um golpe antinazista na Alemanha, Churchill respondeu às sondagens enviadas pela resistência alemã com um silêncio frio.[122] Repetidas advertências de Adam von Trott e outros líderes da resistência da “bolchevização” iminente da Europa foram ignoradas por Churchill.[123] Um historiador atual escreveu, “por sua intransigência e recusa em aceitar conversações com alemães dissidentes, Churchill jogou fora a oportunidade de terminar a guerra em julho de 1944.”[124] Para acrescentar infâmia à estupidez, Churchill e sua turba tinham apenas palavras de desprezo pelos valentes oficiais alemães, mesmo quando estes estavam sendo massacrados pela Gestapo.[125]

Crimes de guerra discretamente abafados

Citar
Há vários episódios durante a guerra que revelam o caráter de Churchill que merecem ser mencionados. Um incidente relativamente pequeno foi o ataque britânico à frota francesa, em Mers-el-Kebir (Oran), na costa da Argélia. Após a queda da França, Churchill exigiu que os franceses entregassem sua frota à Grã-Bretanha. Os franceses recusaram, prometendo que iriam afundar os navios antes de permitir que caíssem nas mãos dos alemães. Contra o conselho de seus oficiais navais, Churchill ordenou que navios britânicos na costa da Argélia abrissem fogo. Cerca de 1500 marinheiros franceses foram mortos.

Citar
Mas o grande crime de guerra que sempre estará ligado ao nome de Churchill são os bombardeios aterrorizantes das cidades da Alemanha que, no final, custou a vida a cerca de 600.000 civis e deixou cerca de 800.000 gravemente feridos.[133] (Compare isso com as cerca de 70.000 vidas britânicas perdidas em ataques aéreos alemães. De fato, houve quase tantos franceses mortos por ataques aéreos aliados quanto ingleses mortos por alemães.[134])


1945: O Lado Negro

Citar
O lado negro desse triunfo, no entanto, foi praticamente suprimido. É a história dos crimes e atrocidades dos vencedores e seus protegidos. Desde que Winston Churchill desempenhou um papel central na vitória dos Aliados, é a história também dos crimes e atrocidades em que Churchill estava envolvido. Estes incluem o repatriamento forçado de cerca de dois milhões de soviéticos para a União Soviética. Entre eles estavam dezenas de milhares que haviam lutado com os alemães contra Stalin, sob o comando do general Vlasov e seu “Exército Russo de Libertação”. Isto é o que Alexander Solzhenitsyn escreveu em The Gulag Archipelago:

    Em seu próprio país, Roosevelt e Churchill são reverenciados como personificações da sabedoria estadista. Para nós, em nossas conversas nas prisões russas, as consistentes miopia e estupidez deles eram surpreendentemente óbvias … qual era o sentido militar ou político em entregarem à destruição pelas mãos de Stalin centenas de milhares de cidadãos soviéticos armados determinados a não se renderem.[146]

Citar
O mais vergonhoso de tudo foi a entrega dos cossacos. Eles nunca foram cidadãos soviéticos, uma vez que lutaram contra o Exército Vermelho na Guerra Civil e depois emigraram. Stalin, compreensivelmente, estava particularmente interessado em se apossar deles, e os britânicos obrigaram. Solzhenitsyn escreveu, de Winston Churchill:

    Ele entregou ao comando soviético o exército cossaco de 90.000 homens. Junto com eles, ele também entregou muitos vagões repletos de idosos, mulheres e crianças …. Este grande herói, que em pouco tempo teria monumentos dedicados a ele espalhados por toda a Inglaterra, ordenou também que eles fossem entregues à morte.[147]


Além disso, houveram outras deportações as quais causaram milhões de mortes, fora os crimes de guerra e ataques a civis.




Citar
Existe uma maneira de olhar para Winston Churchill que é muito tentadora: uma criatura profundamente falha que foi convocada em um momento crítico para lutar contra um mal excepcionalmente terrível e cujas próprias falhas contribuíram para uma vitória gloriosa (como Merlin no grande romance cristão de CS Lewis, That Hideous Strength[169]). Tal julgamento seria, creio eu, superficial. Um exame sincero de sua carreira produz uma conclusão diferente: que, no final das contas, Winston Churchill era um Homem Sanguinário e um político sem princípios, cuja apoteose serve para corromper todos os padrões de honestidade e moralidade na política e na história.


Para não delongar o tópico mais ainda, omiti algumas partes do texto. Há partes que tratam da "boas ações" que induziram a vitória dos aliados na 2ª Guerra Mundial, mas optei por destacar as partes obscuras para desmistificar Churchill como um herói benevolente. Não citei sua influência sobre a Índia, meu enfoque foi a 2ªG.M..

Ele foi sim muito importante para combater Hitler e Mussolini, mas não pensando com enfoque no bem global em primeira prioridade, mas do Império Britânico.

Offline Fabrício

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 7.171
  • Sexo: Masculino
Re:Repensando Churchill
« Resposta #1 Online: 17 de Dezembro de 2018, 08:39:30 »
Tão fácil analisar depois que tudo passou e já sabemos o que aconteceu... Obviamente Churchill não era nenhum santo, mas foi uma peça chave para a derrota do nazismo.

Citar
Há vários episódios durante a guerra que revelam o caráter de Churchill que merecem ser mencionados. Um incidente relativamente pequeno foi o ataque britânico à frota francesa, em Mers-el-Kebir (Oran), na costa da Argélia. Após a queda da França, Churchill exigiu que os franceses entregassem sua frota à Grã-Bretanha. Os franceses recusaram, prometendo que iriam afundar os navios antes de permitir que caíssem nas mãos dos alemães. Contra o conselho de seus oficiais navais, Churchill ordenou que navios britânicos na costa da Argélia abrissem fogo. Cerca de 1500 marinheiros franceses foram mortos.

Crime de guerra? Para mim ele fez o que era correto. Os franceses já tinham se rendido, provavelmente esses navios cairiam mesmo nas mãos dos alemães. Quem, na posição do Churchill, pagaria para ver?

Citar
Mas o grande crime de guerra que sempre estará ligado ao nome de Churchill são os bombardeios aterrorizantes das cidades da Alemanha que, no final, custou a vida a cerca de 600.000 civis e deixou cerca de 800.000 gravemente feridos.[133] (Compare isso com as cerca de 70.000 vidas britânicas perdidas em ataques aéreos alemães. De fato, houve quase tantos franceses mortos por ataques aéreos aliados quanto ingleses mortos por alemães.[134])

Bombardeios maciços eram táticas de guerra "aceitáveis" na época. Foram usados por todos os lados. Hoje são condenados (com razão) mas na época a guerra era assim. Como o uso de armas químicas na Primeira Guerra.
"Deus prefere os ateus"

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 10.686
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Repensando Churchill
« Resposta #2 Online: 17 de Dezembro de 2018, 12:58:37 »
Esse ai é bem tipo aquele quadro de expressionismo que de longe sugere vida e redenção mas de perto se pode notar que é feito todo ele de sugestivas micro caveirinhas da morte.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!