Autor Tópico: Eleição presidencial no Brasil em 2022  (Lida 1414 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.171
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #50 Online: 20 de Maio de 2019, 12:31:06 »
Acho que tinha lido esse mito constitucional por aqui mesmo:

https://www.boatos.org/politica/mentira-se-dilma-sofrer-impeachment-antes-de-2-anos-o-vice-nao-assume.html

Ou seja, os lulopetistas podem ir tirando o cavalinho da chuva, não vai ter chance para o Lula concorrer à presidência de novo tão cedo.

Talvez de qualquer forma seja melhor esperar até 2022 mesmo:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/campanha-de-lula-para-2022-lulalivre

Offline -Huxley-

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 13.234
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #51 Online: 20 de Maio de 2019, 13:31:50 »
Novas eleições antes de 2022 somente se a chapa Bolsonaro-Mourão fosse cassada.
« Última modificação: 20 de Maio de 2019, 13:42:02 por -Huxley- »

Offline Geotecton

  • Moderadores Globais
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 28.223
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #52 Online: 20 de Maio de 2019, 14:19:23 »
Acho que tinha lido esse mito constitucional por aqui mesmo:

https://www.boatos.org/politica/mentira-se-dilma-sofrer-impeachment-antes-de-2-anos-o-vice-nao-assume.html

Ou seja, os lulopetistas podem ir tirando o cavalinho da chuva, não vai ter chance para o Lula concorrer à presidência de novo tão cedo.

Talvez de qualquer forma seja melhor esperar até 2022 mesmo:

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/campanha-de-lula-para-2022-lulalivre

O que mais me impressionou foi o valor arrecadado em 70 dias:

R$ 0,00.

Hahahahaha.
Foto USGS

Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 22.569
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #53 Online: 20 de Maio de 2019, 18:10:25 »
Nem a esquerda caviar doou?


Offline Arcanjo Lúcifer

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 22.569
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #55 Online: 20 de Maio de 2019, 20:31:41 »
Cara, estou curioso para saber qual será a reação da Rosemary quando souber (supondo que não sabia) que tinha uma terceira muié na parada.

O cara diz que conhecia a futura muié a muito tempo, resumindo, corneava a Dona Mudinha com a Rosemay e corneava a Rosemary com outra, só que a Rosemary agora sabe mas Dona Mudinha finou-se.

Como o velho Lúcifer sempre diz, não tem bicho mais vingativo que bandido traído, e ex mulher.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #56 Online: 22 de Maio de 2019, 10:19:06 »


“Bolsonaro precisa tirar da frente adversários muito fortes, que é o caso do Moro”


Brasil  20.05.19 06:21


Jair Bolsonaro antecipou a escolha de Sergio Moro para o STF a fim de eliminar o candidato mais popular em 2022.

É a tese de Cesar Maia, entrevistado pelo Estadão:



“Por que ele lança o ministro Sergio Moro como nomeado ao STF? Por uma razão muito simples: porque Moro é adversário do Bolsonaro como presidente da República. A maneira que ele encontrou de eliminar esse adversário foi nomeá-lo para o STF.”

O Estadão perguntou:

“Ele tirou uma carta do baralho?”

Cesar Maia respondeu:

“A principal, a única carta. Ele elimina o principal adversário, não tem dúvida nenhuma. Pode fazer a pesquisa que você quiser entre Moro e Bolsonaro, você vai ver o que vai dar. Mostra que o próprio presidente está preocupado com o desdobramento de tudo isso. Ele precisa tirar da frente aqueles que são adversários muito fortes, que é o caso do Moro.”


https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-precisa-tirar-da-frente-adversarios-muito-fortes-que-e-o-caso-do-moro/


Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.288
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #57 Online: 22 de Maio de 2019, 10:27:45 »
E tome disse-me-disse maionésico das cuquinha esquerdola.Mas hein? Uma hora o Bolsonaro vai renunciar, outra hora quer tirar do governo quem mais traz credibilidade, como se ele fosse uma espécie de Smeagol zuando ele mesmo, noutra, é um auto golpista...
« Última modificação: 22 de Maio de 2019, 10:35:45 por Sergiomgbr »
Até onde eu sei eu não sei.


Offline _Juca_

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 12.922
  • Sexo: Masculino
  • Quem vê cara, não vê coração, fígado, estômago...
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #59 Online: 22 de Maio de 2019, 11:58:35 »


“Bolsonaro precisa tirar da frente adversários muito fortes, que é o caso do Moro”


Brasil  20.05.19 06:21


Jair Bolsonaro antecipou a escolha de Sergio Moro para o STF a fim de eliminar o candidato mais popular em 2022.

É a tese de Cesar Maia, entrevistado pelo Estadão:



“Por que ele lança o ministro Sergio Moro como nomeado ao STF? Por uma razão muito simples: porque Moro é adversário do Bolsonaro como presidente da República. A maneira que ele encontrou de eliminar esse adversário foi nomeá-lo para o STF.”

O Estadão perguntou:

“Ele tirou uma carta do baralho?”

Cesar Maia respondeu:

“A principal, a única carta. Ele elimina o principal adversário, não tem dúvida nenhuma. Pode fazer a pesquisa que você quiser entre Moro e Bolsonaro, você vai ver o que vai dar. Mostra que o próprio presidente está preocupado com o desdobramento de tudo isso. Ele precisa tirar da frente aqueles que são adversários muito fortes, que é o caso do Moro.”


https://www.oantagonista.com/brasil/bolsonaro-precisa-tirar-da-frente-adversarios-muito-fortes-que-e-o-caso-do-moro/



No caso inverso, seus "adversários" só precisam deixar Bolsonaro onde está para eliminá-lo, e se forem inteligentes, que não é o caso do Moro, é só fixarem uma distância segura do bolsonarismo para chegarem em 2022, ou antes até, com chances reais.

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #60 Online: 04 de Junho de 2019, 17:20:41 »


ELE QUER SER A ALTERNATIVA A BOLSONARO EM 2022



Caro leitor,

João Doria é quem manda no PSDB agora.

E ele assumiu o controle do ninho tucano de olho em voos mais altos.

Em 2022, para ser mais exato.

Doria quer ser a alternativa a Jair Bolsonaro.

Confira o que informa reportagem que acaba de ser publicada:

“Enquanto Bolsonaro vacila em se entregar à agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, hesita em fazer alianças partidárias, embarca em guerras ideológicas e refuta agenda com empresários, lá está Doria para fazer tudo ao contrário. O governador, por exemplo, estruturou um amplo programa de privatizações e concessões. Ele também montou um governo com espaço para a maioria dos partidos — Centrão, inclusive. Se Bolsonaro incentiva manifestações a seu favor, Doria as critica. Se há contingenciamento de recursos nas universidades federais, Doria diz que nas paulistas isso não ocorrerá. Se o presidente se irrita com o vice Hamilton Mourão, o governador se aproxima dele. E, enquanto Bolsonaro vive às turras com seu partido, o PSL, Doria passa a partir desta sexta-feira a ser o dono absoluto e inconteste de sua legenda, o PSDB. Para que o partido se adapte ao seu projeto presidencial, ele tentará virar a social-democracia tucana pelo avesso.”

A reportagem assinada por Caio Junqueira e Igor Gadelha destrincha todos os movimentos dos bastidores do tucanato.

A consolidação do poder interno de Doria não começou a ser construída agora.

Já vem de algum tempo, teve altos e baixos, desavenças, intrigas, mas acabou prevalecendo.

Até a chamada “velha guarda” tucana, que antes era composta praticamente só por desafetos de Doria, já começa a aceitar a nova realidade.

Confira no trecho a seguir:

“Fernando Henrique Cardoso, que sempre fez previsões pessimistas quanto à capacidade de ele ganhar uma eleição (Doria, ao contrário do previsto, ganhou duas, em sequência), hoje o apoia. Costumam trocar mensagens pelo WhatsApp. O senador José Serra se aproximou após o governador nomear seu aliado, Aloysio Nunes Ferreira, para um cargo no primeiro escalão do governo de São Paulo (ele teve de deixar o posto após ser envolvido na Lava Jato). Atualmente, conversam com frequência.”

As movimentações dentro do ninho tucano não dizem respeito apenas ao PSDB.

A ascensão de Doria como um postulante à sucessão de Bolsonaro é uma notícia das mais relevantes na política brasileira.

Isso pode embaralhar o jogo eleitoral de 2022 — especialmente mais à direita.

Doria conseguirá se firmar como uma real alternativa a Bolsonaro?



https://www.oantagonista.com/copy/ele-quer-ser-a-alternativa-a-bolsonaro-em-2022/?utm_source=oa-site&utm_medium=bnr&utm_campaign=dorianinhotucano&utm_term=pop-d&utm_content=010619



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #61 Online: 04 de Junho de 2019, 17:24:50 »

No caso inverso, seus "adversários" só precisam deixar Bolsonaro onde está para eliminá-lo, e se forem inteligentes, que não é o caso do Moro, é só fixarem uma distância segura do bolsonarismo para chegarem em 2022, ou antes até, com chances reais.


Parece que o Doria  está sendo esperto.  Ele não é um mal jogador.  Mas, ainda tem que ver quem serão os outros jogadores. 




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #63 Online: 04 de Junho de 2019, 20:31:42 »
Ele não é mal jogador, mas também não é bem jogador.


Ele não é um mau jogador.

Melhorou ?


Offline Adler

  • Nível 09
  • *
  • Mensagens: 94
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #64 Online: 05 de Junho de 2019, 09:13:16 »
Ele não é mal jogador, mas também não é bem jogador.

 :hehe: :hehe: :hehe: :hehe:
Não devemos resisitir às tentações: elas podem não voltar.
Millor Fernades

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.171
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #65 Online: 22 de Junho de 2019, 21:20:13 »
Citar
<a href="https://www.youtube.com/v/zpGoRtfTgOE" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/zpGoRtfTgOE</a>

Este vídeo comenta o processo eleitoral em tramitação contra o presidente Jair Messias Bolsonaro pelo uso de robôs na campanha de 2018.

Dentro desse contesto algumas dúvidas são esclarecidas como: Possibilidades de cassação de mandado e diploma presidencial, novas eleições e suas consequências na sociedade.

Havendo cassação, haverá novas eleições. Se houver cassação só depois de 2020, o congresso indica o novo presidente interino.

Quem este congresso tenderia a indicar? Maia?

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #66 Online: 23 de Junho de 2019, 11:26:51 »

Amigo de Bolsonaro, empresário Paulo Marinho vira a casaca: ‘Projeto é Doria 2022’



Publicado em 22 junho, 2019 12:39 pm


Da Veja:



Nas conversas com o universo político, Paulo Marinho separa de maneira curta a relação que tem com Jair Bolsonaro da que constrói com João Doria na famosa mansão-estúdio: “Bolsonaro foi só um atalho para tirar o PT. O projeto original é Doria 2022”.



https://veja.abril.com.br/blog/radar/proximo-do-presidente-empresario-paulo-marinho-projeto-e-doria-2022/


Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #67 Online: 23 de Junho de 2019, 12:56:14 »
03-06-2019, 20h30

Doria quer repetir em 2022 estratégia de FHC em 1994

Tucana busca aliança com DEM e distância de Bolsonaro


KENNEDY ALENCAR

São Paulo


O PSDB está se afastando de Jair Bolsonaro para tentar viabilizar a candidatura presidencial do governador de São Paulo, João Doria. O plano é tentar repetir em 2022 a estratégia vitoriosa de Fernando Henrique Cardoso em 1994.

Naquele ano, FHC fez uma aliança entre o PSDB e o PFL, que hoje é o Democratas. Doria tenta colocar em prática a mesma estratégia.

Depois de um período de proximidade com Bolsonaro, fundamental para que fosse eleito governador de São Paulo no segundo turno em outubro passado, Doria está tomando distância do presidente da República. Ainda que de forma indireta, meio nas entrelinhas nas entrevistas, o governador paulista tem criticado a articulação política do governo, a falta de clareza na estratégia econômica e a quantidade de crises criadas pelo próprio Bolsonaro, seus filhos políticos e aliados de extrema-direita, como o escritor Olavo de Carvalho.

Partidários de Doria dizem que ele tem um plano claro. Quer fazer uma chapa presidencial tendo como vice ACM Neto, presidente do DEM e prefeito de Salvador. Tem procurado estreitar laços com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A ideia de políticos ligados a Doria é convencer Rodrigo Maia a disputar o governo do Rio.

Mais: como o apresentador de TV Luciano Huck voltou a se movimentar para ser candidato à Presidência, tucanos têm procurado apontar outro caminho. Avaliam que, inexperiente, Huck deveria se candidatar a prefeito do Rio de Janeiro.

Assim, a chapa ideal de uma aliança entre PSDB e DEM em 2022 teria Doria na cabeça para presidente. ACM Neto na vice pelo DEM. Rodrigo Maia, do DEM, para governo do Rio. E Luciano Huck, eventualmente filiado ao PSDB, como candidato à sucessão do prefeito Marcelo Crivella.

Tucanos avaliam que FHC poderia convencer Huck a concorrer a prefeito, mas interlocutores do apresentador dizem que ele acha a prefeitura pequena demais para suas ambições políticas.

Maia e Huck têm sonhos presidenciais próprios, mas o presidente da Câmara não conseguiu viabilizar sua candidatura no ano passado e o apresentador desistiu duas vezes. Já Doria busca se mostrar como um nome de centro-direita mais denso politicamente e mais preparado administrativamente do que Bolsonaro para conduzir os rumos do país.

O tucano sabe que Bolsonaro poderá tentar a reeleição, mas já participou de conversas de bastidor nas quais o presidente sinalizou que poderia se contentar com um mandato.

O PSDB avalia que o ministro da Justiça, Sergio Moro, emite sinais dúbios, ora parece querer ir para o Supremo Tribunal Federal, ora parece desejar se lançar à Presidência em caso de naufrágio administrativo de Bolsonaro.

Em resumo, o movimento de levar o PSDB claramente a ocupar um espaço de centro e centro-direita, afastando-se da extrema-direita e da centro-esquerda, é parte da estratégia daqueles que trabalham para eleger Doria presidente da República em 2022.

Ouça o comentário feito hoje no “Jornal da CBN – 2ª Edição”:


https://www.blogdokennedy.com.br/doria-quer-repetir-em-2022-estrategia-de-fhc-em-1994/



Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #68 Online: 23 de Junho de 2019, 12:56:51 »


O Doria é um cara muito mais inteligente do que um B.




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #69 Online: 30 de Junho de 2019, 10:18:09 »
Doria só na estratégia:


Doria: “O Brasil precisa de mais Moros, e menos Lulas”



https://www.oantagonista.com/pagina/1/


---------------------------------------------




Bom lembrar que Doria quis tascar imposto na Netflix    (para quem acha que ele é o liberal que vai querer baixar geral e/ou eliminar impostos).




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #70 Online: 02 de Julho de 2019, 11:34:41 »
Feliciano sobre 2022: “Não é cedo para falar em reeleição”

Deputado mira a vice-presidência ao lado de Jair Bolsonaro

Pleno.News - 30/06/2019 18h39

Jair Bolsonaro e Marco Feliciano em viagem pelo Brasil Foto: Reprodução
Vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara, o deputado federal Marco Feliciano (PODE-SP) é um dos aliados mais próximos do presidente. Desde que Bolsonaro comentou sobre a possibilidade de uma reeleição, durante a Marcha para Jesus, Feliciano se predispôs para ser seu vice, naquilo que chamou de “chapa dos sonhos”.



– Seria interessante ele [Bolsonaro] ter um vice com entrada em um núcleo da sociedade que é extremamente fiel e leal. Não sei se o nome seria o meu. Se ele tem essa proximidade com um grupo que representa 60 milhões de fiéis, que é a comunidade evangélica, é claro que dá um salto muito grande. Essa é uma base social de sustentação muito grande do presidente – argumentou Feliciano ao jornal Estadão.


Embora tenha assumido a Presidência da República há seis meses, Feliciano acredita que não é cedo demais para Bolsonaro falar em reeleição.

– Não tem um lugar em que o Bolsonaro tenha sido vaiado. O povo foi para a rua em defesa dele. Tanto que o povo está defendendo algo que vai tirar direitos. A reforma [da Previdência] vai tirar direitos e o povo quer que vote. Não é cedo para falar em reeleição agora. Outros pré-candidatos já estão em campanha. Ou você tem dúvida de que o [João] Doria é candidato? Que o [Wilson] Witzel é candidato? O Ciro Gomes? Bolsonaro está marcando território. Está dizendo: “Olha, eu vou arrumar a casa. E não vou deixar na mão de um qualquer”. É legítimo – defendeu o parlamentar.

Feliciano, que é um dos maiores expoentes da comunidade evangélica no país, comentou também sobre a aproximação do presidente com os fiéis.

– Eu assumi a vice-liderança do governo no Congresso com a missão de aproximar o presidente de um grupo que é a Frente Evangélica, que representa 1/5 do Parlamento. Entre o fim de abril até agora consegui abrir a porta para o presidente em cinco grandes eventos, nos quais ele falou para 4 milhões de pessoas. Tenho feito a ponte do presidente com os evangélicos.

Crítico ferrenho do vice Hamilton Mourão e de parte da ala militar no governo, Feliciano afirmou que seu pedido de impeachment contra o general foi algo “particular” e que Bolsonaro não se manifestou sobre isso.

– Foi uma questão muito particular minha. Ele [Bolsonaro] é muito ético e jamais falaria de uma pessoa como o Mourão, que é vice dele. Como vice-líder do governo, não pude ficar calado vendo o que estava acontecendo. Um vice-presidente desde o primeiro momento indo para a imprensa e desdizendo tudo o que o presidente dizia. Minando a autoridade presidencial. O pedido de impeachment tinha 13 páginas. Não é um tiro para matar, mas um tiro para o ar, de aviso, para ele saber que tem alguém olhando. Mandei recados pesados para que ele entendesse que a Casa Civil não é a caserna. Porque na caserna manda a hierarquia militar, mas, em uma democracia, manda o presidente – apontou Feliciano.



https://revistaforum.com.br/pastor-marco-feliciano-diz-ser-candidato-ideal-a-vice-presidente-de-bolsonaro-em-2022/



FELICIANO DIZ SER CANDIDATO IDEAL A VICE DE BOLSONARO EM 2022


Deputado da bancada evangélica minimiza rejeição apontada em pesquisa do instituto Ideia

Big Data para ÉPOCA

Henrique Gomes Batista e Elisa Martins

27/06/2019 - 09:52 / Atualizado em 27/06/2019 - 15:01



O deputado Pastor Marco Feliciano (PODE-SP) minimizou a rejeição de uma parcela de eleitores evangélicos do presidente Jair Bolsonaro apontada em pesquisa do instituto Ideia Big Data para ÉPOCA. Mas defendeu a presença de um vice evangélico para reforçar uma eventual chapa para a reeleição em 2022.
Qual seria o nome ideal? O próprio Feliciano.

“Todos sabemos que o vice-presidente ( Hamilton ) Mourão se indispôs com o presidente. Pois digo que, em 2022, Bolsonaro terá um vice-presidente evangélico”, disse ele, lembrando que o presidente chegou a ensaiar ter o então senador Magno Malta (PR-ES), evangélico e cantor gospel, como companheiro de chapa, mas que o processo foi abortado e o escolhido foi um militar.

“A dificuldade é obter um nome que una todas as correntes, como Assembleia de Deus, Universal, Batista, Quadrangular”, disse Feliciano, que imediatamente se colocou como nome mais indicado para a “tarefa” de tentar ser vice-presidente na eventual chapa de reeleição de Bolsonaro. “Se não temos um nome que nome que transite em todas elas. E não vejo quem faz isso hoje melhor do que eu.”


https://epoca.globo.com/feliciano-diz-ser-candidato-ideal-vice-de-bolsonaro-em-2022-23767434 
« Última modificação: 02 de Julho de 2019, 11:37:42 por JJ »

Offline Jurubeba

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 2.070
  • Sexo: Masculino
  • CHAMEM OS ANARQUISTAS!!!
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #71 Online: 04 de Julho de 2019, 08:17:16 »
Estou percebendo um movimento nascente que tenta conduzir o nome de Moro à candidatura a presidente.

Vocês perceberam o mesmo?

Eu, particularmente, considero que ele é mais útil no STF do que em um cargo eletivo. É preciso equilibrar as forças no STF. São muitos partidários de uma ideologia só. Acho que uns 3 ministros com outra linha deixariam as coisas mais democráticas.

Saudações

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #72 Online: 04 de Julho de 2019, 08:26:48 »
Estou percebendo um movimento nascente que tenta conduzir o nome de Moro à candidatura a presidente.

Vocês perceberam o mesmo?



Esse movimento já existe há mais tempo, não é  um movimento nascente, e justamente por isso que já escrevi algo relacionado à que  Bolsonaro deve ficar esperto com relação  ao brilho e a fama que estão sendo dados e realimentados  para o Moro.

Se o Bolsonaro não for esperto ele deixará de ser o mestre,  ele  está deixando uma  coisa crescendo e que poderá fazer uma sombra cada vez maior sobre ele. Ou ele se liga, ou será  sombreado.


 8-)


« Última modificação: 04 de Julho de 2019, 08:28:51 por JJ »

Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #73 Online: 04 de Julho de 2019, 08:32:31 »
Estou percebendo um movimento nascente que tenta conduzir o nome de Moro à candidatura a presidente.

Vocês perceberam o mesmo?

Eu, particularmente, considero que ele é mais útil no STF do que em um cargo eletivo. É preciso equilibrar as forças no STF. São muitos partidários de uma ideologia só. Acho que uns 3 ministros com outra linha deixariam as coisas mais democráticas.



Para implementar o liberalismo pra valer seria necessário  colocar uma maioria grande de ministros liberais econômicos,  no mínimo mais uns 10. Melhor ainda mais uns  20 super liberais,   para assim ter uma maioria  invencível.




Offline JJ

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.227
  • Sexo: Masculino
Re:Eleição presidencial no Brasil em 2022
« Resposta #74 Online: 01 de Setembro de 2019, 07:13:51 »

Análise: Doria tenta atrair antipetistas, mas evita a extrema-direita


De olho em 2022, tucano afina o discurso para atrair adversários do PT ao mesmo tempo que busca eleitores que votaram em Bolsonaro em 2018


EUMANO SILVA
eumano.silva@metropoles.com

09/08/2019 5:30,
ATUALIZADO 09/08/2019 8:45


Na eleição de 2018, o então candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) transitou sozinho na raia direita da política. Adversários como João Amoêdo (Novo) e Álvaro Dias (Pode) nem chegaram perto de ameaçar a liderança do capitão. Para 2022, pelos movimentos que faz, observa-se que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), procura um espaço no mesmo campo que deu vitória ao atual ocupante do Palácio do Planalto


As declarações e os gestos feitos pelo tucano nas últimas semanas dão pistas sobre o discurso elaborado para as próximas eleições presidenciais. Percebe-se nas palavras de Doria, por exemplo, a intenção de distanciar-se da defesa que Bolsonaro faz da ditadura. Ao mesmo tempo, o governador acena para os evangélicos.


[...]



https://www.metropoles.com/brasil/politica-br/analise-doria-tenta-atrair-antipetistas-mas-evita-a-extrema-direita



 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!