Autor Tópico: Teoria das Janelas Quebradas, ou Teoria das Propriedades Abandonadas  (Lida 168 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Cinzu

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.241
Teoria das Janelas Quebradas, ou Teoria das Propriedades Abandonadas
« Online: 01 de Junho de 2019, 14:00:31 »
Citar
Porque a “Teoria das Janelas Quebradas” deveria ser substituída por uma “Teoria das Propriedades Abandonadas” - e suas implicações para o Brasil.

Em 1982, a Teoria das Janelas Quebradas foi publicada no The Atlantic pelos pesquisadores James Q. Wilson e George Kelling. Um dos artigos mais citados na Historia da criminologia, a teoria chegou a ser chamada de “a Bíblia do policiamento”, e suas descobertas foram aplicadas em muitas cidades ao redor do mundo. Ao passo em que há evidências de que um número maior de policiais per capita reduz a violência, no entanto, a relação entre pequenos delitos contra a propriedade (como pichações e vandalismo, que correspondem a tal “janela quebrada”) e os crimes violentos ainda permanece polêmica. E novas descobertas apontam que longe de ser a “janela quebrada” que causa a criminalidade, ela é na verdade produto de uma realidade que causa tanto degradação urbana quanto aumentos nos indices de criminalidade: o abandono de propriedades.

Essa mudança de perspectiva vem das pesquisas do criminologista John MacDonald e do epidemiologista Charles Branas, que inspirados pelo enunciado original das Janelas Quebradas (“A piece of property is abandoned, weeds grow up, a window is smashed”), resolveram pesquisar o impacto da primeira condição sobre a criminalidade. Para isto, realizaram dois experimentos na cidade da Filadelfia, EUA:

No primeiro deles, eles examinaram crimes violentos no entorno de 2.356 prédios abandonados. Um conjunto de seiscentos e setenta e seis prédios foi reparado pelos proprietários; o resto não. Todos os meses, durante um período de três anos entre 2010 e 2013, os pesquisadores compararam os níveis de crimes violentos no entorno dos edifícios reparados com os níveis de crimes violentos no entorno de um grupo de edifícios do mesmo tipo e geograficamente próximos, que permaneciam em condições precárias.

O segundo experimento comparou o crime violento em torno de terrenos baldios. Segundo a pesquisa da equipe, havia 49.690 desses terrenos na Filadélfia. A Sociedade de Horticultura da Filadelfia havia consertado pelo menos 4.436 deles, o que significava que havia limpado lixo e destroços, registrado a terra, plantado grama e árvores para criar um ambiente parecido com um parque, e instalado cercas baixas com aberturas para facilitar o uso recreativo e deter o despejo ilegal. Novamente, Branas e seus colegas compararam os locais reparados com um conjunto de propriedades similares abandonadas. Neste estudo, eles mediram o crime anualmente, durante uma década inteira, de 1999 a 2008.

Os resultados foram impressionantes: uma queda de 39% dos crimes violentos no entorno dos prédios consertados em relação aos que permaneceram abandonados, e de 5% no entorno dos terrenos baldios que foram transformados em jardins. Mais do que isso, os resultados indicaram que a violência não foi transferida para regiões vizinhas, mas realmente desapareceu; os resultados também duraram muito mais do que nos experimentos que simplesmente prendiam pequenos criminosos. Segundo as estimativas dos pesquisadores: “Consertos simples de prédios abandonados e terrenos baldios geraram estimativas conservadoras de entre US $ 5,00 e US $ 26,00 em benefícios líquidos para os contribuintes e entre US $ 79,00 e US $ 333,00 para a sociedade em geral, para cada dólar investido”.

E como isto pode ser aplicado ao Brasil? Bem, além de seu obvio custo humano, estima-se que o Brasil gasta, anualmente, 91 bilhões de dólares ou quase 4% do PIB com o crime. Assim sendo, o desvio de parte desses recursos para a reparação de propriedades urbanas abandonadas, assim como medidas que desincentivem o abandono de propriedades - como um IPTU progressivo para propriedades vagas sem a devida manutenção - e em alguns casos confisco e leilão de tais edifícios e terrenos poderiam economizar bilhões de reais e inúmeras vidas. Isto, claro, ainda desconsiderando as externalidades que não foram medidas por esse estudo em particular, mas que sabemos que existem, como a relação de terrenos e prédios abandonados com a transmissão de doenças e pragas, incluindo Zika, dengue, leptospirose, etc. Ou seja, é uma descoberta que pode muito nos beneficiar.

Link com mais informações: https://www.newyorker.com/books/page-turner/the-other-side-of-broken-windows
"Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar"

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 38.209
  • Sexo: Masculino
Re:Teoria das Janelas Quebradas, ou Teoria das Propriedades Abandonadas
« Resposta #1 Online: 01 de Junho de 2019, 14:56:29 »
Parece ainda incorrer essencialmente na mesma falácia principal de confundir correlação com causa.


Citar
https://en.wikipedia.org/wiki/Broken_windows_theory#Criticism
...

According to a study by Robert J. Sampson and Stephen Raudenbush, the premise on which the theory operates, that social disorder and crime are connected as part of a causal chain, is faulty. They argue that a third factor, collective efficacy, "defined as cohesion among residents combined with shared expectations for the social control of public space," is the actual cause of varying crime rates that are observed in an altered neighborhood environment. They also argue that the relationship between public disorder and crime rate is weak.[34]

...

Baltimore criminologist Ralph B. Taylor argues in his book that fixing windows is only a partial and short-term solution. His data supports a materialist view: changes in levels of physical decay, superficial social disorder, and racial composition do not lead to higher crime, but economic decline does. He contends that the example shows that real, long-term reductions in crime require that urban politicians, businesses, and community leaders work together to improve the economic fortunes of residents in high-crime areas.[36]

Another tack was taken by a 2010 study questioning the legitimacy of the theory concerning the subjectivity of disorder as perceived by persons living in neighborhoods. It concentrated on whether citizens view disorder as a separate issue from crime or as identical to it. The study noted that crime cannot be the result of disorder if the two are identical, agreed that disorder provided evidence of "convergent validity" and concluded that broken windows theory misinterprets the relationship between disorder and crime.[37][page needed]

...

Criminology
According to some criminologists who speak of a broader "backlash,"[a] the broken windows theory is not theoretically sound.[41][page needed] They claim that the "broken windows theory" closely relates correlation with causality, a reasoning prone to fallacy. David Thacher, assistant professor of public policy and urban planning at the University of Michigan, stated in a 2004 paper:[41][page needed]

Citar
Social science has not been kind to the broken windows theory. A number of scholars reanalyzed the initial studies that appeared to support it.... Others pressed forward with new, more sophisticated studies of the relationship between disorder and crime. The most prominent among them concluded that the relationship between disorder and serious crime is modest, and even that relationship is largely an artifact of more fundamental social forces.

It has also been argued that rates of major crimes also dropped in many other US cities during the 1990s, both those that had adopted broken windows policing and those that had not.[42] In the winter 2006 edition of the University of Chicago Law Review, Bernard Harcourt and Jens Ludwig looked at the later Department of Housing and Urban Development program that rehoused inner-city project tenants in New York into more-orderly neighborhoods.[43] The broken windows theory would suggest that these tenants would commit less crime once moved because of the more stable conditions on the streets. However, Harcourt and Ludwig found that the tenants continued to commit crime at the same rate.

In a 2007 study called "Reefer Madness" in the journal Criminology and Public Policy, Harcourt and Ludwig found further evidence confirming that mean reversion fully explained the changes in crime rates in the different precincts in New York in the 1990.[44] Further alternative explanations that have been put forward include the waning of the crack epidemic,[45] unrelated growth in the prison population by the Rockefeller drug laws,[45] and that the number of males from 16 to 24 was dropping regardless of the shape of the US population pyramid.[46]

[...]

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!