Autor Tópico: O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?  (Lida 665 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Online: 23 de Outubro de 2019, 20:06:10 »
A quase totalidade dos animais e vegetais (está bem, fungos, protistas, moneras, etc.) já se extinguiu. Existem hipóteses para a extinção de alguns, outros foram em períodos de extinção em massa, mas o fato é que os menos adaptados aqui somos nós, porque não estamos mais sendo selecionados pela natureza, pelo menos como já o fomos um dia, mas estamos adaptando o ambiente às nossas necessidades.

Tenho pensado, há alguns poucos anos, em como se dará nossa extinção. Não consigo imaginar que duraremos muito tempo por aqui.

Fala-se em catástrofes, doenças, etc., mas o fato é que somos frágeis demais para durarmos o tempo que duraram outros serem a alguns ainda duram, como o Peripatus acacioi.

Li, recentemente, um artigo de Freeman Dyson (bem antigo) que discorre exatamente sobre este assunto. Vou transcrevê-lo aqui e espero que o assunte desperte algum interesse, pois gostaria de ver a opinião de cada um de vocês.

Citar
FREEMAN DYSON é um cientista profissional que desenvolveu uma segunda carreira escrevendo livros para leigos. Ele gosta de alternar suas atividades científicas com incursões na engenharia, política, controle de armas, história e literatura. A maioria de seus textos é sobre pessoas e fatos que observa, às vezes sobre pessoas e fatos que imagina. Nasceu e foi criado na Inglaterra, trabalhou durante a Segunda Guerra Mundial como pesquisador cientifico do comando-bombardeiro da Royal Air Force, emigrou para a América depois da guerra e se tornou famoso resolvendo alguns problemas matemáticos esotéricos, das teorias sobre átomos e radiação.

   Desde 1953, é professor de física do Institute for Advanced Studies de Princeton, New Jersey. O principal lema de sua vida é buscar variedades. Isso inclui variedade de pessoas, de teorias científicas, de truques técnicos, de culturas e línguas. Ele é o autor de cinco livros destinados ao público em geral: Disturbing the Universe, Weapons and Hope, Origins of Life, Infinite in All Directions e From Eros to Gaya.

QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA ? - Discussão com Robert Malthus e Richard Gott - Freeman Dyson

Citar
Há quase duzentos anos, o reverendo Thomas Robert Malthus publicou seu famoso “Essay on the principie of population as it affects the future improvement of society” [Ensaio sobre o princípio da população e seus efeitos sobre o futuro progresso da sociedade]. Malthus observou a situação humana de modo sombrio. Ele começou estabelecendo duas leis gerais. Primeiro, ele disse, a população sempre tende a aumentar geometricamente, isto é, o aumento anual é dado por uma determinada fração da população. Segundo, a quantidade de alimento disponível aumenta aritmeticamente, ou seja, a quantidade de comida produzida anualmente cresce uma determinada fração independentemente do aumento da população. E, portanto, matematicamente garantido que o aumento geométrico da população superará o aumento aritmético da produção de alimento. Malthus deduziu de suas duas leis que o crescimento populacional resultará apenas em fome, guerra e doença. Os membros menos afortunados de nossa espécie sempre viverão na pobreza, â beira da inanição.

   Malthus era um clérigo inglês e um dos pais da economia. Suas previsões pessimistas fizeram com que a economia fosse chamada de “a ciência sombria”. No tocante à Inglaterra, suas previsões se revelaram incorretas. Após a publicação de seu ensaio, a população da Inglaterra cresceu rapidamente, mas o suprimento de alimentos e outras necessidades cresceu de forma mais veloz. Ainda não se provou se suas previsões serão ou não corretas para a humanidade como um todo. O ponto fraco de sua argumentação foi sua incapacidade de distinguir entre um simples modelo matemático e o complexo mundo real.

Passaram-se duzentos anos, e meu amigo Richard Gott também publicou um ensaio sombrio. Ele saiu em maio de 1993, na revista científica britânica Nature, com o título de “Implicações do princípio de Copérnico em nossas expectativas futuras”. Richard Gott é um astrônomo famoso e, como eu, interessado em questões referentes à existência e destino da vida no universo. Por “princípio de Copérnico” ele quis se referir ao postulado de que os seres humanos não ocupam uma posição privilegiada no universo. O princípio recebeu esse nome em homenagem a Copérnico, o astrônomo que colocou, pela primeira vez, o Sol e não a Terra como o centro do sistema solar. Depois que a herética teoria de Copérnico se tornou ortodoxa, aprendemos gradativamente que estamos vivendo num planeta comum, que orbita em torno de uma estrela comum, situada na região periférica de uma galáxia comum. Nossa situação não é, de modo algum, especial ou central. O princípio de Copérnico, de acordo com Richard Gott, afirma que não há nada de extraordinário em nossa situação no tempo e no espaço.

   Para aplicar o princípio de Copérnico à situação humana no tempo, Gott confia na noção matemática de “probabilidade prioritária”. A probabilidade prioritária de um evento é a probabilidade de esse evento ocorrer se ignorarmos completamente quaisquer circunstâncias especiais que possam influenciá-lo. O princípio de Copérnico afirma que o lugar e o momento em que vivemos nunca deveria ter uma pequena probabilidade prioritária. Por exemplo, uma posição central numa galáxia tem uma probabilidade prioritária muito menor que uma posição periférica qualquer. Portanto, o princípio de Copérnico diz que devemos estar vivendo numa posição periférica, como de fato estamos. Quando o princípio de Copérnico é aplicado à nossa situação no tempo, ele diz que nem eu nem Richard Gott devemos estar vivendo num ponto próximo ao começo ou ao fim da história da humanidade. Deveríamos estar vivendo aproximadamente no ponto central da trajetória da humanidade. Já que sabemos que a espécie humana se originou há cerca de 200 mil anos, o fato de ocuparmos uma posição não privilegiada no tempo implica que nossa espécie ainda vai durar aproximadamente 200 mil anos. É muito pouco tempo em comparação com a expectativa de duração da Terra, do Sol ou da galáxia. Esse é o motivo pelo qual chamo o argumento de Richard de sombrio. Ele defende que o ser humano não ficará aqui definitivamente, que provavelmente estaremos extintos em, no máximo, poucos milhões de anos, e que não é provável que sobrevivamos tempo suficiente para colonizar o resto da galáxia e nos espalharmos por ela.

   O argumento de Gott tem o mesmo ponto fraco do argumento de Malthus. Ambos usam um modelo matemático abstrato para descrever o mundo real. Quando Gott aplica seu princípio de Copérnico à situação real em que nos encontramos, supõe que as probabilidades prioritárias podem ser usadas para estimar probabilidades reais. Na verdade, não ignoramos completamente as circunstâncias especiais que cercam nossa existência. Portanto, probabilidades prioritárias podem nos fornecer estimativas deficientes do que é ou não provável que aconteça.

   Depois que li o artigo de Richard Gott e pensei um pouco sobre ele, escrevi a seguinte carta a Richard. Ela explica as razões pelas quais discordo de suas conclusões, apesar de considerar seu ponto de vista importante e esclarecedor.

    

   Caro Richard,

   Bom dia, sr. Malthus. Obrigado por mandar-me seu ensaio deliciosamente sombrio sobre as implicações do princípio de Copérnico. A lógica de sua análise é impecável. Tenho que admirar o modo pelo qual você extrai uma gama tão grande de conclusões a partir de uma hipótese aparentemente plausível. Como você disse, ela é passível de ser testada e, portanto, uma legítima hipótese científica. Seu reverenciado predecessor, Thomas Robert Malthus, chegou, de forma muito semelhante, a consequências terríveis a partir de uma hipótese verificável. Em minha opinião, em ambos os casos a hipótese é simples demais para ser verdadeira. Além do mais, em ambos o estudo das consequências da hipótese é útil, já que elas servem como alerta para uma espécie incauta.

   Eu me lembro de que quando era criança, nos meados de 1930, época em que a Grã-Bretanha ainda era a maior potência, ficava confuso pelo paradoxo da improbabilidade de minha própria situação. Nasci no seio da classe dominante do império dominante, o que significava que eu nascera no grupo dos 10% mais elitizados da população mundial. A probabilidade de eu ter tido tamanha sorte era de apenas uma em mil.

Como eu poderia explicar minha sorte? Nunca encontrei uma explicação satisfatória. A noção que eu deveria ter de que havia probabilidades prioritárias iguais de eu ter nascido em qualquer lugar do mundo entrava em conflito com o fato de eu ter nascido um inglês de classe alta. Parece que a noção de probabilidade prioritária não funcionou nesse caso.

   Acho que o paradoxo de meu nascimento também surge em seu ensaio. A noção de probabilidade prioritária só faz sentido quando ignoramos totalmente fatos particulares que podem influenciar as probabilidades. Se soubermos que um evento improvável qualquer de fato ocorreu, então a probabilidade de ocorrência de todos os eventos relacionados pode ser drasticamente alterada, Vou dar um exemplo artificial. Suponha que descubramos dois planetas ocupados por civilizações alienígenas em lugares remotos do espaço. Enviamos uma missão para fazer contato e estabelecer uma base humana em um desses planetas. Como achamos muito caro mandar emissários para os dois planetas, escolhemos aquele que será visitado atirando uma moeda para cima. Bem, acontece que os habitantes do planeta A são ogros que devoram imediatamente todos os humanos, enquanto os habitantes do planeta B são zoólogos benevolentes que colocam os visitantes num zoológico e os encorajam a se reproduzirem, protegendo-os de todo e qualquer mal por 1 bilhão de anos. Desconhecemos esses fatos sobre os alienígenas no momento em que escolhemos o planeta a ser visitado. Agora, de acordo com sua hipótese de Copérnico, a probabilidade de prolongar a vida de nossa espécie visitando o planeta B é muito menor do que a probabilidade de visitarmos o planeta A e nos extinguirmos em alguns milhões de anos, dadas as próprias vicissitudes da vida no planeta Terra. Mas sabemos que, neste caso, as probabilidades de A e B são iguais. O ponto ao qual quero chegar com esse exemplo é que o conhecimento de um único fato improvável, como a existência do planeta B e de seus habitantes bondosos, faz com que a estimativa das probabilidades prioritárias de Copérnico a respeito da vida esteja completamente errada.

   Retornando desse exemplo artificial para nossa situação real, me parece que a hipótese de Copérnico já se encontra comprometida por nosso conhecimento de um fato improvável: o de que estamos vivendo há poucos séculos do momento em que surgirá a possibilidade técnica de a vida sair de um planeta e se espalhar pelo universo. Se a espécie humana vai ou não tirar proveito dessa possibilidade é irrelevante. O fato é que ela existe agora e não existia nos últimos 4 bilhões de anos. Como tudo indica, nascemos numa época privilegiada, tiremos ou não proveito disso. O conhecimento desse fato improvável muda todas as probabilidades prioritárias, pois a saída da vida de um planeta muda as regras do percurso a ser seguido pela vida.

   Outro desmentido independente da hipótese de Copérnico surge do fato de que calhamos de estar vivendo na era do nascimento da engenharia genética. No passado, como Darwin ressaltou, a maioria das criaturas não deixou progénie porque as espécies não produziam híbridos. A extinção da espécie implicava a extinção da progénie. No futuro, as regras do jogo podem ser diferentes. A engenharia genética pode confundir e erodir as barreiras entre as espécies, de modo que a extinção delas não tenha mais um significado claro. Então, as suposições de Copérnico sobre a longevidade das espécies e de sua progénie não serão mais válidas.

   Concluindo, me permita dizer que não estou contestando a lógica de seu argumento, mas a plausibilidade de suas suposições. Se a hipótese de Copérnico é verdadeira, então as consequências a respeito dela, apontadas por você, procedem. Estou encantado com a maneira pela qual você expôs as consequências, de forma tão clara e direta. Estou apenas apreensivo, pois espero que o público não seja levado a acreditar que sua hipótese seja um fato estabelecido. O exemplo de seu predecessor Malthus mostra que isso pode representar um verdadeiro perigo. A crença indiscriminada nas previsões de Malthus provocou um atraso do progresso econômico e social da Inglaterra por centenas de anos. Acredito que você não deixará que uma crença indiscriminada em suas conclusões atrasem o progresso atual.

   Obrigado por dar-me essa oportunidade de pensar sobre questões importantes sob um novo ângulo.
Sinceramente,

   Freeman Dyson

    

   Esta carta não será a última palavra da discussão entre mim e Richard. Estou agora esperando ansiosamente por sua resposta.

𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Pedro Reis

  • Nível 39
  • *
  • Mensagens: 3.999
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #2 Online: 23 de Outubro de 2019, 20:34:48 »
Eu aposto em 32 anos.

33 se você tomar vergonha na cara e trocar aquele seu bebedor de gasolina de 6 cilindros por um civilizado 1.0 de 4 cilindros e 8 válvulas.

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.508
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #3 Online: 23 de Outubro de 2019, 20:48:45 »
Bom, isso depende. Se  alguém  se  uplodear  para um computador ainda  poderá ser considerado um ser humano?
Até onde eu sei eu não sei.

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #4 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:02:57 »
Eu aposto em 32 anos.

33 se você tomar vergonha na cara e trocar aquele seu bebedor de gasolina de 6 cilindros por um civilizado 1.0 de 4 cilindros e 8 válvulas.

Só de sacanagem, vou trocar por um 8 cilindros. :lol:

Eu não sou o culpado pelo aquecimento global, disso tenho certeza.

Atualmente, a taxa de crescimento populacional está nas alturas. Se continuar assim, morreremos de fome, como Malthus previu erroneamente.

Uma coisa mais preocupante do que aquecimento global e outras coisas do tipo é a taxa de natalidade. A de mortalidade só tem decrescido.

Como sua memória é tão boa, deve se lembrar que só uso esse carro para viagens. Um 1.0 me deixaria mal nas estradas. Não sou tão egoísta assim. Egoísta era o Luiz XV.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #5 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:04:46 »
Bom, isso depende. Se  alguém  se  uplodear  para um computador ainda  poderá ser considerado um ser humano?

Se você descobrir como fazer o upload, ensine-me. Mas só se puder fazer download depois, em um corpo saudável e forte.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #6 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:09:43 »
Dizem as más línguas que de todas as causas anteriores de extinção em massa a única causada por seres vivos é a atual. Nós estamos acabando com a vida na Terra. E parece que a atual é a pior de todas as que já existiram.

Para a vida na Terra, o melhor que poderia acontecer seria a extinção dos seres humanos, os quais não vão durar por muito tempo mesmo. Esse negócio de migrar para outros planetas é papo de ficção científica vagabunda. Não há a menor condição e nem haverá nunca.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.508
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #7 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:15:38 »
Se alguém  conseguir  se transladar  para  um  computador  talvez seja  possível  não só visitar  outros planetas mas passear por todo o universo.
Até onde eu sei eu não sei.

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #8 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:22:03 »
Se alguém  conseguir  se transladar  para  um  computador  talvez seja  possível  não só visitar  outros planetas mas passear por todo o universo.

Concordo, mas acho que assim não tem graça. Só se a gente puder voltar a um corpo humano depois. O prazer intelectual puro é, segundo imagino, infinitesimal. Prazer nós só temos com órgãos sensoriais.

Isso que você propõe, de fazermos upload de nossa consciência, é parecido com a imaginada vida espiritual dos crentes: um saco!
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #9 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:23:49 »
E passear por todo o universo não será possível nem assim, a não ser que seja mentira que nada possa superar a velocidade de propagação das ondas eletromagnéticas.

Acrescido do fato de que o restante do universo ser meio sem graça. A Terra é um lugar privilegiado no universo. O resto é muito do mesmo.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Sergiomgbr

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.508
  • Sexo: Masculino
  • uê?!
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #10 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:26:32 »
Se alguém  conseguir  se transladar  para  um  computador  talvez seja  possível  não só visitar  outros planetas mas passear por todo o universo.

Concordo, mas acho que assim não tem graça. Só se a gente puder voltar a um corpo humano depois. O prazer intelectual puro é, segundo imagino, infinitesimal. Prazer nós só temos com órgãos sensoriais.

Isso que você propõe, de fazermos upload de nossa consciência, é parecido com a imaginada vida espiritual dos crentes: um saco!
Né nada. Basta emular  os  sentidos que voce quiser, não  acha  não?
Até onde eu sei eu não sei.

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #11 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:36:54 »
Se alguém  conseguir  se transladar  para  um  computador  talvez seja  possível  não só visitar  outros planetas mas passear por todo o universo.

Concordo, mas acho que assim não tem graça. Só se a gente puder voltar a um corpo humano depois. O prazer intelectual puro é, segundo imagino, infinitesimal. Prazer nós só temos com órgãos sensoriais.

Isso que você propõe, de fazermos upload de nossa consciência, é parecido com a imaginada vida espiritual dos crentes: um saco!
Né nada. Basta emular  os  sentidos que voce quiser, não  acha  não?

Solução criativa. Eu não tinha pensado nisso. E olha que os crentelhos pensaram. Eles acham que espíritos podem ter prazeres carnais, que só podem ser emulados.

Tem um outro tópido em andamento em que o Gorducho citou um livro espírita em que (pasme!) um espírito bate um siririca em outro espírito (espíritos, pelo jeito, têm sexo). Claro que as sensações só podem ser emuladas, pois eles nao têm corpo. Têm um tal de perispírito, que é só um nome engraçado, nada tendo a ver com matéria de verdade.

Você mesmo comentou lá:

O espírito bate siririca nela [excitava-lhe o desejo, comprimindo-lhe, habilmente, certa região do aparelho genésico]
Loucura e Obsessão
A gente não consegue ler o livro direto, só citações e estudos feitos sobre ele...

Citar
Miranda viu, então, que dois seres perversos lhe dominavam o comportamento quase por inteiro. Um deles, de aspecto repelente pela vulgaridade em que se apresentava, excitava-lhe o desejo, comprimindo-lhe, habilmente, certa região do aparelho genésico, enquanto o outro lhe transmitia clichês mentais, muito bem elaborados, em que ela se via nos braços do eleito, sendo expulsa pela esposa que lhe surgia bruscamente... A pobre mulher debatia-se em sofreguidão entre as duas sensações, de lubricidade e de frustração, entregando-se ao tresvario...
Parece mais um  conto erótico do  Milo Manara...
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #12 Online: 23 de Outubro de 2019, 21:39:22 »
Agora só nos falta dar um jeito de copiar todas as sinapses dos nossos cérebros, compilar para linguagem binária e arranjar um computador que dê conta de tantos dados.

Imortalidade à vista, finalmente.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Gorducho

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.939
  • Sexo: Masculino
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #13 Online: 24 de Outubro de 2019, 00:22:16 »
um espírito bate um siririca em outro espírito
Non ! non ! l'esprit obsesseur bricole la femme incarné :no:

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #14 Online: 24 de Outubro de 2019, 10:40:09 »
um espírito bate um siririca em outro espírito
Non ! non ! l'esprit obsesseur bricole la femme incarné :no:

Tá certo. Falta de atenção. A mulher masturbada estava encarnada.
 :vergonha:
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Brienne of Tarth

  • Nível 33
  • *
  • Mensagens: 2.486
  • Sexo: Feminino
  • Ave, Entropia, morituri te salutant
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #15 Online: 08 de Novembro de 2019, 16:39:56 »
GNOSE

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #16 Online: 09 de Novembro de 2019, 16:00:02 »
Marciano, o que acha das naves geracionais?

https://hypescience.com/nos-podemos-chegar-em-outro-sistema-estelar-usando-uma-nave-como-essa/




Não sei o que você acha, mas eu acho que são coisas de ficção científica.

As distâncias que nos separam de outras estrelas é absolutamente intransponível, a maioria das estrelas não coporta planetas teoricamente habitáveis, o Sol tem 3 nessa categoria (Terra, Marte e Vênus). Até aqui a vida só existe por acaso, Uma sucessão de coincidências "astronômicas".

Somos uma anomalia temporária no universo (os seres vivos) e nossa espécie é ainda mais aberrante.

Não duraremos muito como espécie.
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Fenrir

  • Nível 32
  • *
  • Mensagens: 2.132
  • Sexo: Masculino
  • Cave Canem
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #17 Online: 09 de Novembro de 2019, 17:06:15 »
São distâncias espetaculares, mas não creio que sejam intransponíveis. Ao menos as estrelas mais próximas.
No papel, há projetos de astronaves que poderiam chegar nessas estrelas em alguns anos ou décadas: https://en.wikipedia.org/wiki/Interstellar_travel

Se não fizermos uma merda muito grande, acho que podemos chegar lá.

E sobre planetas extrasolares, há fortes indícios que planetas do tipo terrestre são comuns e estrelas como o sol idem,
logo não deve ser difícil encontrar uma "terra 2.0".
Há inclusive uma noção de planetas 'superhabitáveis', ainda mais amigáveis a vida que a própria terra

https://en.wikipedia.org/wiki/Superhabitable_planet
https://phys.org/news/2019-09-earth-superhabitable-worlds-milky.html
« Última modificação: 09 de Novembro de 2019, 17:42:34 por Fenrir »
"Heaven and Earth are not benevolent; They treat the myriad of creatures as straw dogs"
― Laozi

"No testimony is sufficient to establish a miracle, unless the testimony be of such a kind, that its falsehood would be more miraculous, than the fact, which it endeavors to establish"
― David Hume

“Never argue with an idiot. They will drag you down to their level and beat you with experience.”
― Mark Twain

Offline Marciano

  • Nível 26
  • *
  • Mensagens: 1.221
  • “Was mich nicht umbringt, macht mich stärker.”
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #18 Online: 09 de Novembro de 2019, 19:04:12 »
São distâncias espetaculares, mas não creio que sejam intransponíveis. Ao menos as estrelas mais próximas.
No papel, há projetos de astronaves que poderiam chegar nessas estrelas em alguns anos ou décadas: https://en.wikipedia.org/wiki/Interstellar_travel

Se não fizermos uma merda muito grande, acho que podemos chegar lá.

E sobre planetas extrasolares, há fortes indícios que planetas do tipo terrestre são comuns e estrelas como o sol idem,
logo não deve ser difícil encontrar uma "terra 2.0".
Há inclusive uma noção de planetas 'superhabitáveis', ainda mais amigáveis a vida que a própria terra

https://en.wikipedia.org/wiki/Superhabitable_planet
https://phys.org/news/2019-09-earth-superhabitable-worlds-milky.html

Respeito seu ponto de vista.

Recomendo que leia
https://www.researchgate.net/publication/243390601_Rare_Earth_Why_Complex_Life_Is_Uncommon_in_the_Universe
𝕸𝖆𝖗𝖈𝖎𝖆𝖓𝖔

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.532
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #19 Online: 09 de Novembro de 2019, 21:45:34 »
Marciano, o que acha das naves geracionais?

https://hypescience.com/nos-podemos-chegar-em-outro-sistema-estelar-usando-uma-nave-como-essa/




Quem fez esse desenho é um artista sem nenhuma noção de astronáutica.

Como é a "gravidade" nessa geringonça? Por que domos transparentes? Sistema de agricultura rudimentar de quintal? Arquitetura lombrigóide ineficiente?
Brandolini's Bullshit Asymmetry Principle: "The amount of effort necessary to refute bullshit is an order of magnitude bigger than to produce it".

Pavlov probably thought about feeding his dogs every time someone rang a bell.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.532
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #20 Online: 09 de Novembro de 2019, 22:21:32 »
São distâncias espetaculares, mas não creio que sejam intransponíveis. Ao menos as estrelas mais próximas.
No papel, há projetos de astronaves que poderiam chegar nessas estrelas em alguns anos ou décadas: https://en.wikipedia.org/wiki/Interstellar_travel

Se não fizermos uma merda muito grande, acho que podemos chegar lá.

E sobre planetas extrasolares, há fortes indícios que planetas do tipo terrestre são comuns e estrelas como o sol idem,
logo não deve ser difícil encontrar uma "terra 2.0".
Há inclusive uma noção de planetas 'superhabitáveis', ainda mais amigáveis a vida que a própria terra

https://en.wikipedia.org/wiki/Superhabitable_planet
https://phys.org/news/2019-09-earth-superhabitable-worlds-milky.html


A ficção científica sempre sai na frente. Essa conversa de viajar como se fazia no tempo das caravelas certamente não é a solução. Pensar em wormholes, stargates e hyper-dimension shuttles também parece tão avançadinho quanto as ideias de Jules Verne na sua época.

Já temos avanços no teletransporte de partículas em até 3 metros. Enquanto discutimos meios de estocar comida para uma viagem interestelar, dentre outros problemas, a Ciência vai aumentando a distância de 3 m a 100 anos luz ou, quem sabe, até o limite do universo visível. A tecnologia das caravelas será atropelada por alguma coisa que hoje parece ridiculamente fantasioso e certamente quântico  :P.

Mas estamos chegando lá....

Citar
In 1993, Bennett et al[10] proposed that a quantum state of a particle could be teleported to another distant particle, but the two particles do not move at all. This is called state teleportation. There are a lot of following theoretical and experimental papers published.[11][12][13] Researchers believe that quantum teleportation is the foundation of quantum calculation and quantum communication.[citation needed]

In 2008, M. Hotta[14] proposed that it may be possible to teleport energy by exploiting quantum energy fluctuations of an entangled vacuum state of a quantum field. There are some papers published but no experimental verification.[citation needed]

In 2014, researchers Ronald Hanson and colleagues from the Technical University Delft in the Netherlands, demonstrated the teleportation of information between two entangled quantumbits three metres apart.[15]

In 2016, Y. Wei showed that in a generalization of quantum mechanics, particles themselves could teleport from one place to another.[16] This is called particle teleportation. With this concept, superconductivity can be viewed as the teleportation of some electrons in the superconductor and superfluidity as the teleportation of some of the atoms in the cellular tube. This effect is not predicted to occur in standard quantum mechanics.
wiki

Essa é a minha solução preferida:


https://en.wikipedia.org/wiki/TARDIS

Citar
A TARDIS usually travels by dematerialising in one spot, traversing the time vortex, and then rematerialising at its destination, without physically travelling through the intervening space. However, the Doctor's TARDIS has been seen to be able to fly through physical space, first in Fury from the Deep (1968) and at repeated times throughout the revived series, most notably in "The Runaway Bride" (2006), in which the TARDIS is shown launching into space (most previous incidents show the TARDIS flying only after it has dematerialised from a location). In "The Runaway Bride", extended flight of this nature puts a strain on the TARDIS's systems. While a TARDIS can materialise inside another, if both TARDISes occupy exactly the same space and time, a Time Ram will occur, resulting in their mutual annihilation (The Time Monster, 1972). In Logopolis (1981), the Master tricked the Doctor into materialising his TARDIS around the Master's, creating a dimensionally recursive loop, each TARDIS appearing inside the other's console room. In the mini-episodes "Space" and "Time" (2011), an accident results in the TARDIS automatically materialising in "the safest spot available", which turns out to be inside its own control room.

Apart from the ability to travel in space and time (and on occasion, to other dimensions), the most remarkable characteristic of a TARDIS is that its interior is much larger than it appears from the outside. The explanation is that a TARDIS is "dimensionally transcendental", meaning that its exterior and interior exist in separate dimensions. In The Robots of Death (1977), the Fourth Doctor tried to explain this to his companion Leela, using the analogy of how a larger cube can appear to be able to fit inside a smaller one if the larger cube is farther away, yet immediately accessible at the same time (see Tesseract). According to the Doctor, transdimensional engineering was "a key Time Lord discovery". To those unfamiliar with this aspect of a TARDIS, stepping inside the ship for the first time usually results in a reaction of shocked disbelief as they see the interior dimensions ("It's bigger on the inside!"). The Eleventh Doctor is particularly fond of this reaction, and is surprised and confused when Clara Oswald (in "The Snowmen", 2012) inverts the usual response by saying "It's smaller on the outside."
« Última modificação: 09 de Novembro de 2019, 22:59:57 por Gigaview »
Brandolini's Bullshit Asymmetry Principle: "The amount of effort necessary to refute bullshit is an order of magnitude bigger than to produce it".

Pavlov probably thought about feeding his dogs every time someone rang a bell.

Offline Gigaview

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 15.532
Re:O FUTURO - QUANTO TEMPO DURARÁ A ESPÉCIE HUMANA?
« Resposta #21 Online: 30 de Novembro de 2019, 22:44:41 »
Brandolini's Bullshit Asymmetry Principle: "The amount of effort necessary to refute bullshit is an order of magnitude bigger than to produce it".

Pavlov probably thought about feeding his dogs every time someone rang a bell.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!