Autor Tópico: Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves  (Lida 1430 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline Unknown

  • Conselheiros
  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 11.329
  • Sexo: Masculino
  • Sem humor para piada ruim, repetida ou previsível
Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves
« Online: 17 de Março de 2006, 18:44:00 »
Sei que o título ficou esquisito, mas não consegui um que fosse conciso e direto ao ponto.

-------------------------------

Plumas e peles

Agência FAPESP - Que as aves atuais descenderam em algum momento da evolução de um grupo específico de dinossauros é uma tese com peso cada vez maior entre os paleontólogos. Mas o principal problema para os defensores da idéia é saber como isso ocorreu, em que ritmo e com qual gradação.

Um fóssil descoberto no sul da Alemanha, e descrito na edição da revista Nature desta quinta-feira (16/3), complica ainda mais a questão. Apesar de ser do grupo dos terópodes, que teria dado origem às aves, o Juravenator, como foi nomeado o novo fóssil, não apresenta evidência de ter tido algum tipo de plumagem.

“A descoberta é de fato surpreendente”, disse Luis Chiappe, pesquisador do Museu de História Natural de Los Angeles, à Agência FAPESP. O cientista argentino radicado nos Estados Unidos é um dos autores do artigo, assinado também por Ursula Göhlich, da Universidade de Munique, na Alemanha.

A explicação pode estar relacionada com a genética. “É possível que tenha havido um controle dos genes sobre a formação ou não das plumas, de maneira parecida com a que ocorre com a formação dos dentes”, diz Chiappe. Para o paleontólogo, o Juravenator pode ter tido uma bateria genética para o desenvolvimento das plumagens que foi inibida por algum motivo.

“Ainda há muito a aprender. Creio que vamos encontrar mais coelurossauros [grupo de dinossauros terópodes] sem plumas. O cenário certamente vai ficar ainda mais complexo”, aponta Chiappe.

O fóssil encontrado no sítio de Solnhofen viveu no fim do Jurássico, há aproximadamente 150 milhões de anos. Ele era carnívoro e tinha uma mandíbula com 27 centímetros de comprimento.

O artigo A new carnivorous dinosaur from the Late Jurassic Solnhofen archipelago pode ser lido no site da revista Nature, por assinantes, em www.nature.com
 

"That's what you like to do
To treat a man like a pig
And when I'm dead and gone
It's an award I've won"
(Russian Roulette - Accept)

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.548
  • Sexo: Masculino
Re: Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves
« Resposta #1 Online: 17 de Março de 2006, 23:06:24 »
Acho possível que, diferentemente do que muitos pensam, as penas não surgiram originalmente como isolante térmico nas aves recém nascidas, mas pois, os dinos "pré-aves" e mesmo as aves primitivas poderiam ter sangue de frio a morno, (há indícios disso) onde isolamento térmico também não deveria ser de muita ajuda. Aí as penas teriam se desenvolvido desde o começo como caractere de exibição sexual, e só mais tarde sendo exaptadas como isolamento térmico, após a endotermia "total".

As penas então se desenvolveriam durante os períodos de corte nupcial, tal como é ainda com algumas aves, que não chegam a perder toda plumagem, mas se livram do exagero quando a exibição não tem mais utilidade. Isso explicaria  esse dino e outros que poderiam ter penas pelas previsões cladísticas, não terem. Talvez sejam raras as impressòes de penas não só pela fragilidade da estrutura, mas pelo breve período de existência durante a vida dos primeiros dinos penados.

A raque, e as barbulas e ganchos tendo evoluído pela estética que conferem, na fase adulta; são potencialmente mais bonitas que penugem, e penugem já seria boa o suficiente para isolamento térmico apenas, eu suponho. Aves que perdem o vôo perdem também as penas com ganchos nas bárbulas? Acho que "devem" perder, menos quando têm vantagem aerodinâmica na corrida, ou hidrodinâmica no nado.

Por outro lado, as penas de contorno podem também ter função aerodinâmica precedendo o vôo, nesse caso, seria uma melhora aerodinâmica num isolante térmico (e aves que não voam ainda devem ter penas de contorno com ganchos conservados ao menos onde for aero(ou hidro)dinâmicamente valioso). E em todo caso, tenham as penas vindo depois de isolamento térmico em animais que já eram bem endotérmicos, ou tendo a endotermia e o isolamento térmico vindo depois, a idéia de penas para exibição que se perdem depois da estação de acasalamento me parece ser uma explicação interessante para isso.



Mesmo que as penas tenham surgido originalmente como isolamento térmico nas aves recém nascidas, conforme o animal cresce, o tamanho torna o isolamento térmico mais desnecessário, e talvez fosse mais vantajoso perder as penas e trocá-las por escamas, que devem conferir maior proteção.

Talvez a troca definitiva e manutenção de penas na fase adulta seja em si uma forma de exibição sexual, seria um indicador de aptidão sobreviver mesmo estando mais desprotegido. Daí as penas poderiam ter continuado a evoluir para exibição e aerodinâmica.

Atheist

  • Visitante
Re: Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves
« Resposta #2 Online: 18 de Março de 2006, 01:51:46 »
Não vejo nada de mais em um determinado integrante de um clado ter características autapomórficas.

Rhyan

  • Visitante
Dino alemão confunde origem das penas
« Resposta #3 Online: 18 de Março de 2006, 17:30:14 »
    16/03/2006 - 13h03
Dino alemão confunde origem das penas
REINALDO JOSÉ LOPES
da Folha de S.Paulo

A horda de dinossauros emplumados que andou invadindo museus, filmes e pranchetas de ilustradores pode acabar parcialmente depenada, se depender de um estudo publicado hoje. Uma dupla de pesquisadores descobriu um dino que deveria ser penoso, mas não é, ameaçando derrubar pelo menos parte do que se pensava saber sobre a origem das penas nesses bichos e em suas descendentes diretas, as aves.

O dinossauro em questão se chama Juravenator starki e é apresentado aos cientistas na edição de hoje da revista científica britânica "Nature" (www.nature.com). É um carnívoro ágil de apenas 80 cm de comprimento, "um animal muito convencional, mais ou menos típico [de seu grupo]", segundo o paleontólogo argentino Luis Chiappe, do Museu de História Natural de Los Angeles (EUA), que o descreveu ao lado de Ursula Gödlich, da Universidade de Munique.

Só um fator destoa: achado no sul da Alemanha e extremamente bem-preservado, o bicho, que deve ter sido um bípede corredor, conta com pequenos trechos de "couro" ao longo da cauda, os quais sobreviveram ao processo de fossilização. Ora, esse tecido está cheio de pequenas saliências que lembram escamas -e sem pena nenhuma. "Acontece que esse animal é extremamente parecido com o Sinosauropteryx, da China, que tinha boa parte do corpo coberta com penas primitivas", conta Chiappe.



O dino ou a pena?

É aí que a confusão está armada. Até agora, os paleontólogos supunham que a presença de alguma forma de pena era uma característica comum a todo um grande grupo de dinos carnívoros, o dos celurossauros, que inclui membros tão diversos quanto o Juravenator e dois dos vilões da série "Parque dos Dinossauros", o Velociraptor e o Tyrannosaurus. Diversos espécimes emplumados vieram à tona nas últimas duas décadas, em especial na China.

Para tentar salvar a hipótese, o paleontólogo Xing Xu, do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia de Pequim, propõe que o Juravenator seja, na verdade, um animal mais primitivo do que seus descobridores dizem que é. Além do mais, argumenta, o bicho poderia ter penas em outras partes do corpo além da cauda. "Embora os pássaros modernos sejam extensivamente emplumados, o mesmo pode não ser verdade em seus parentes extintos", escreve ele em comentário na "Nature" de hoje.

"Claro que isso é uma possibilidade", admite Chiappe. "Mas, nos dinossauros com penas, a cobertura está presente em todo o corpo", avalia o paleontólogo, para quem não parece viável classificar a nova espécie em outro grupo.

"Não acho que houve exagero em pintar todos os celurossauros como emplumados, mas agora é preciso refinar isso", diz. Para ele, é possível que várias linhagens tenham perdido a capacidade de produzir penas, ou que a característica tenha evoluído mais de uma vez entre os "pais" das aves. Pelo visto, pior para os museus.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u14361.shtml
[/list]

Offline Buckaroo Banzai

  • Nível Máximo
  • *
  • Mensagens: 37.548
  • Sexo: Masculino
Re:Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves
« Resposta #4 Online: 02 de Maio de 2013, 02:08:07 »
<a href="https://www.youtube.com/v/5S3Du_gX8as" target="_blank" class="new_win">https://www.youtube.com/v/5S3Du_gX8as</a>

Talvez em algo relevante, raça de galinhas já pré-depenadas.

Offline EuSouOqueSou

  • Nível 31
  • *
  • Mensagens: 1.987
  • Sexo: Masculino
  • Question not thy god, for thy god doth not respond
Re:Novo fóssil complica a questão do surgimento das aves
« Resposta #5 Online: 03 de Maio de 2013, 19:31:28 »
Caramba, uma notícia de 2006 falando isso:

Citar
Que as aves atuais descenderam em algum momento da evolução de um grupo específico de dinossauros é uma tese com peso cada vez maior entre os paleontólogos. Mas o principal problema para os defensores da idéia é saber como isso ocorreu, em que ritmo e com qual gradação.

Pra mim esse assunto sobre as penas era tão mais recente. Perdi a noção temporal das coisas.  :|
Qualquer sistema de pensamento pode ser racional, pois basta que as suas conclusões não contrariem as suas premissas.

Mas isto não significa que este sistema de pensamento tenha correspondência com a realidade objetiva, sendo este o motivo pelo qual o conhecimento científico ser reconhecido como a única forma do homem estudar, explicar e compreender a Natureza.

 

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!